FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR RESUMO"

Transcrição

1 FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES EM PARAPLÉGICOS POR LESÃO MEDULAR INICIANTES DE BASQUETEBOL LONDRINA PR Giovanna Pereira de Souza 1 Milena Cristina de Souza Lopes Bujato 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah Achour Junior 2 Fausto Orsi de Medola 2 RESUMO Este estudo tem como objetivo analisar a força explosiva de membros superiores em iniciantes adultos com Paraplegia por Lesão Medular, com nível motor da lesão variando de T3 a L2. Participam deste estudo 14 sujeitos do gênero masculino, com idade entre 19 a 40 anos (Média dp), inscritos no projeto O Esporte na Saúde e na Qualidade de Vida de Pessoa com Paraplegia por Lesão Medular 2007, desenvolvido pelo Departamento de Ciências do Esporte no Centro de Educação Física e Esportes da Universidade Estadual de Londrina. Os dados foram obtidos com a aplicação do teste de força explosiva de membros superiores de arremesso do medicineball, (Gaya e Silva, 2007). A Força explosiva dos membros superiores abrangeu 331,5 a 675,5 cm com uma média de 526,1 cm e desvio padrão de 93,4cm. Não foi possível encontrar dados em adultos paraplégicos por lesão medular com os mesmos procedimentos com finalidade de comparação, notável foi adequação do arremesso da medicineball dos paraplégicos por lesão medular. Porém ainda é de fundamental importância a realização de outros estudos com objetivo de estabelecer comparações e observar os efeitos do treinamento. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol em Cadeira de Rodas, Força, Deficiência Física. INTRODUÇÃO Basquetebol em Cadeira de Rodas Dentre os benefícios desenvolvidos pelo basquete em cadeira de rodas, podemos citar a velocidade, a agilidade, o equilíbrio e a força explosiva, ao qual neste trabalho será abordado principalmente a força de membros superiores. A FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES NO BASQUETEBOL O treinamento de força no basquetebol está relacionado a várias ações do sistema muscular. O conhecimento relativo aos fatores intervenientes no rendimento do basquetebolista deve ser alvo de constante investigação e discussão, principalmente por se tratar de um desporto coletivo altamente dinâmico e de constante evolução. O basquete é um esporte de força, agilidade e velocidade, sendo que a variável força é de extrema importância para um arremesso preciso e para um passe bem realizado. 1 Acadêmica do Curso de Esporte da Universidade Estadual de Londrina, membro do Grupo de Estudo Dimensões do Esporte Adaptado. 2 Docentes da Universidade Estadual de Londrina, membros do Grupo de Estudo Dimensões do Esporte Adaptado.

2 Segundo Verkoshanky (1995), os exercícios de força não são somente para desenvolver força muscular, mas servem diretamente para o desenvolvimento da velocidade e coordenação dos movimentos, rapidez das reações motoras e capacidades de relaxar os músculos. O desenvolvimento da força deve ser preocupação primária de todo aquele que procura melhorar o desempenho de um atleta (Bompa, 2002). Para o esporte não interessa apenas a força aplicada em relação à velocidade do movimento, mas também é importante considerar a força que pode ser manifestada num período de tempo (Badillo, 2001). No que se refere aos paraplégicos para o jogo de basquetebol, há exigência de força explosiva dos membros superiores pode ser elevada em razão de que o apoio se faz no quadril e não há alavanca dos membros inferiores para os passes e arremessos. Objetivo Este estudo tem como objetivo analisar a força explosiva de membros superiores em basquetebolistas adultos com Paraplegia por Lesão Medular. MÉTODO Sujeitos Participam deste estudo 14 sujeitos do gênero masculino, diagnosticados como paraplégicos por lesão medular, com nível motor da lesão variando de T3 a L2. A idade variou de 19 a 40 anos (MÉDIA), inscritos no projeto O Esporte na Saúde e na Qualidade de Vida de Pessoa com Paraplegia por Lesão Medular, desenvolvido pelo Departamento de Ciências do Esporte no Centro de Educação Física e Esportes da Universidade Estadual de Londrina perfazendo duas vezes por semana, com duas horas de duração de treino iniciado no mês de março de Coleta de Dados Os dados foram obtidos na quadra poliesportiva do centro de educação física da uel com a aplicação do teste de força explosiva de membros superiores (arremesso do medicineball), (Gaya e Silva, 2007). Protocolo de Aplicação do Teste de Força explosiva de Membros Superiores. Material: Uma trena e um medicineball de 2 kg (ou saco de areia com 2 kg) Descrição: A trena e fixada no solo perpendicularmente a parede. O ponto zero da trena e fixado junto a parede. O aluno senta-se com os joelhos estendidos, as pernas unidas e as costas completamente apoiadas a parede. Segura a medicineball junto ao peito com os cotovelos flexionados. Ao sinal do avaliador o aluno deverá lançar a bola a maior distância possível, mantendo as costas apoiadas na parede. A distância do arremesso será registrada a partir do ponto zero até o local em que a bola tocou ao solo pela primeira vez. Serão realizados dois arremessos, registrando-se o melhor resultado. Sugere-se que a medicineball seja banhada em pó branco para a identificação precisa do local onde tocou pela primeira vez ao solo.

3 RESULTADOS Atualmente participam do projeto apenas atletas do gênero masculino com idade variando de 19 a 40 anos, sendo que 50% estão na faixa etária de 31 a 40 anos, 29% na faixa etária de 21 a 30 anos e 21% estão na faixa etária até 20 anos. Tabela 1 Descrição da amostra Variável Nº % ATÉ 20 ANOS 3 21 DE 21 A 30 ANOS 4 29 DE 31 A 40 ANOS 7 50 Total Com relação às causas da paraplegia por lesão medular, dados sobre estudos realizados nos Estados Unidos ( Rede Sara de Hospitais, 2007) e levantamentos feitos no próprio hospital, que apontas as principais causa de lesão medular traumática: Etiologia Estados Unidos Rede Sara de Hospitais Acidente Automobilístico 44% 30% Agressão por arma de fogo 24% 30% Quedas 22% 21% Associadas a atividades esportivas 8% 6,5% Outras causas 2% Quadro 1 Principais causas das Lesões Medulares. Com relação aos participantes do presente estudo foram encontradas causas similares, porém a porcentagem das causas do quadro 1 sofreu uma pequena variação. O acidente por arma de fogo ocupa o primeiro lugar com 36% dos casos, seguido de 29% de acidente automobilístico e 21% por acidente de moto.

4 Tabela 2 Etiologia da Lesão Medula ETIOLOGIA Variáveis Nº % Acidente arma de fogo 5 36 Acidente automobilístico 4 29 Acidente de moto 3 21 Mergulho 1 7 Meningocele 1 7 Total MERGULHO DE MOTO 21% MENINGO- CELE ARMA DE FOGO 36% AUTOMOBI- LISTICO 29% Figura 2 Distribuição da Etiologia das Lesões Medulares dos participantes. Quando analisada a região anatômica afetada nas lesões medulares por projétil de arma de fogo dos deficientes da Rede Sara de Hospitais demonstrou o seguinte: lesões cervicais situam-se entre 19 e 3 dos casos; lesões ao nível da coluna torácica entre 48 e 64%; e lesões ao nível lombosacro de 10 a 29%. Os resultados obtidos corroboram a constatação da predominância das lesões medulares torácicas como a região do corpo que mais freqüentemente foi atingida pelo projétil de arma de fogo, (Rede Sara de Hospitais, 2007) Em nossos participantes encontramos 86% das lesões medulares na região torácica e 14% na região lombar. Tabela 3 Localização da Lesão medular NÍVEL MOTOR DA LESÃO NÍVEL MOTOR nº % T T L T T3 1 7 T4 1 7 TOTAL T10 14% L2 14% T3 T4 T5 22% T12 36% Figura 3 Porcentagem da distribuição do nível motor da lesão dos participantes.

5 Os dados preliminares obtidos na avaliação realizada em 09 de agosto de 2007 demonstraram que a força explosiva dos participantes do projeto variou de 675,5 a 331,5 cm. AVALIAÇÃO DE FORÇA DE MEMBROS SUPERIORES 800,0 700,0 600,0 500,0 400,0 300,0 458,5 616,5 474,5 563,0 558,5 460,5 331,5 397,5 675,5 499,0 318,5 612,5 568,5 534,0 200,0 100,0 0,0 AC AR AM CS D ED ICS IS JÁ JC MO PC RB SL Figura 4 Resultado do pré-teste da Força de Membros Superiores CONSIDERAÇÕES FINAIS Verificou-se que a força explosiva dos membros superiores de jogadores adultos de basquetebol iniciantes paraplégicos por lesão medular abrangeu 331,5 a 675,5 cm com uma média de 526,1 cm e desvio padrão de 93,4cm. Destes, 50 % compreendiam a faixa etária de 31 a 40 anos sendo a principal causa 36% acidentes por arma de fogo cujo nível motor da lesão encontra-se em T12 com 3. Não foi possível encontrar dados em adultos paraplégicos por lesão medular com os mesmos procedimentos, tornando-se fundamental estudos com objetivo de estabelecer comparações e observar os efeitos do treinamento. BIBLIOGRAFIA Busto, R.M., Achour Junior, A., Medole, F. O., Marçal, A. F. & Bruniera, C. A. V. Projeto Integrado O Esporte na Saúde e na Qualidade de Vida de Pessoas com Paraplegia por Lesão Medular. Universidade Estadual de Londrina, Rede Sarah de Hospitais. Agressões por arma de fogo. Busca realizada em 20 de agosto de Disponível em: Rede Sarah de Hospitais. Acidentes de Trânsito - Perfil Geral. Busca realizada em 20 de agosto de Disponível em:

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas

AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. RESUMO. Palavras Chave: Esporte, Basquetebol, Agilidade, Deficiência Física, Paratletas AGILIDADE EM PARATLETAS DE BASQUETEBOL DE LONDRINA 1. Guilherme Sanches Valverde 2 Fernanda Pereira de Souza 3 Rosangela Marques Busto 4 Abdallah Achour Junior 4 Fausto Orsi de Medola 4 RESUMO Este estudo

Leia mais

JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006

JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006 CEP 33.400-000 ESTADO DE MINAS GERAIS JOGOS ESTUDANTIS DE LAGOA SANTA 2006 REGULAMENTO GERAL I Das Finalidades II Da Cerimônia de Abertura III Das Categorias IV Das Inscrições V Das Modalidades VI Regulamento

Leia mais

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO

ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO ANÁLISE DA FORÇA RÁPIDA E FORÇA EXPLOSIVA DE ATLETAS DE HANDEBOL FEMININO UNIVERSITÁRIO Angélica Weschenfelder Martim Bianco 1 Prof Orientador: Osvaldo Donizete Siqueira RESUMO A verificação das condições

Leia mais

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO

ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. RESUMO 1 ATLETISMO PARA TETRAPLÉGICO POR LESÃO MEDULAR: ESTUDO DE UM CASO. Lincoln dos Santos Andrade 1 Lucas Camilo Richter Barbosa da Silva 1 Gisele Cristina Galli 1 Rosangela Marques Busto 2 Abdallah Achour

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

ESCOLA DE FUTEBOL PLANET SOCIETY

ESCOLA DE FUTEBOL PLANET SOCIETY Categoria Mamadeira Considerando a pouca idade das crianças nessa categoria, é essencial desenvolver um trabalho de forma lúdica, mas com muito contato com a bola. Esse método permite melhorar a coordenação

Leia mais

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA

TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA TESTES FÍSICOS - Resultados Atleta: NICOLAS OLIVEIRA Agilidade: executar movimentos dinâmicos com precisão, utilizando velocidade e destreza de movimentos, demonstrando facilidade em se deslocar. Resultados

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

INICIAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO AO ESPORTE PARALÍMPICO

INICIAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO AO ESPORTE PARALÍMPICO INICIAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO AO ESPORTE PARALÍMPICO COORDENADORA: ROSANGELA MARQUES BUSTO 1 AUTORES: ROSANGELA MARQUES BUSTO ABDALLAH ACHOUR JUNIOR JACQUES DUILIO BRANCHER ROGER BURGO DE SOUZA ANTONIO CARLOS

Leia mais

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA

PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA PROGRAMA DE ALONGAMENTO PARA CRIANÇAS DE 10 A 12 ANOS ESTUDANTES DE DANÇA CLÁSSICA Introdução: Este estudo de caso seleciou 21 meninos, com idades entre 9 e 12 anos de uma turma do 2º ano da Escola do

Leia mais

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL

PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL PREPARAÇÃO FÍSICA NO BASQUETEBOL Prof.Dr. João Paulo Borin Conhecimento Acadêmico X Prática Desportiva UNIVERSIDADE QUADRA PESQUISADOR LABORATÓRIO TEORIA TREINADOR ATLETA PRÁTICA Ciência do Desporto Resultado

Leia mais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais

Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais Prof. MSc. Paulo José dos Santos de Morais AVALIAÇÃO FÍSICA: Testes de Aptidão em Escolares ( 7 17 anos) O Proesp-BR Considerando: a) Carência de estrutura física das escolas brasileiras em sua estrutura

Leia mais

Crescimento e Desenvolvimento Humano

Crescimento e Desenvolvimento Humano Crescimento e Desenvolvimento Humano Capacidades física e Motoras durante o processo de crescimento e Desenvolvimento Humano Desenvolvimento e Crescimento Humano Para se entender o processo de desenvolvimento

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA 1 DEFICIÊNCIA FÍSICA SIMONE MILANI

EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA 1 DEFICIÊNCIA FÍSICA SIMONE MILANI EDUCAÇÃO ESPECIAL E INCLUSIVA 1 DEFICIÊNCIA FÍSICA SIMONE MILANI 21 DE SETEMBRO DE 2009 Deficiência Física Definição É a disfunção ou interrupção dos movimentos de um ou mais membros: superiores, inferiores

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Projeto Escola de Esportes. Jovens. Crianças. Flexibilidade. Teste.

PALAVRAS-CHAVE Projeto Escola de Esportes. Jovens. Crianças. Flexibilidade. Teste. 14. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Resumo das regras para o 1º Campeonato Brasileiro de Parabadminton (Badminton adaptado).

Resumo das regras para o 1º Campeonato Brasileiro de Parabadminton (Badminton adaptado). Resumo das regras para o 1º Campeonato Brasileiro de Parabadminton (Badminton adaptado). 1. Para o 1º Campeonato Brasileiro de Parabadminton (Badminton adaptado) serão oferecidas as categorias Wheelchair

Leia mais

Missão: Visão: Valores:

Missão: Visão: Valores: A Saúde Esporte Sociedade Esportiva é uma organização não governamental sem fins lucrativos dedicada a integração e socialização através do esporte, proporcionando o bem estar e melhor qualidade de vida

Leia mais

1ª OLIMPÍADA ESCOLAR CTPM/UBERLÂNDIA

1ª OLIMPÍADA ESCOLAR CTPM/UBERLÂNDIA NONA REGIÃO DE POLÍCIA MILITAR COLÉGIO TIRADENTES DA POLÍCIA MILITAR DE MINAS GERAIS/UBERLÂNDIA 1ª OLIMPÍADA ESCOLAR CTPM/UBERLÂNDIA - 2016 - PROJETO 1. Tema: 1ª OLIMPÍADA ESCOLAR DO CTPM/UBERLÂNDIA 2016.

Leia mais

Protocolo de Avaliações

Protocolo de Avaliações Confederação Brasileira de Remo 18/01/2016 Protocolo de Avaliações Sistema Nacional de Avaliação de Remadores Anexo do Boletim Técnico 03/2016 1. PROTOCOLO DAS AVALIAÇÕES NO REMO ERGÔMETRO As avaliações

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º ciclo) 1. Introdução

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º ciclo) 1. Introdução Departamento do Ensino Básico AGRUPAMENTO de ESCOLAS de MOURA Escola do Ensino Básico dos 2º e 3º Ciclos de Moura Ano letivo 2015/2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA (3.º

Leia mais

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR

AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR AVALIAÇÃO DA AGILIDADE DOS JOGADORES DE BASQUETEBOL EM CADEIRA DE RODAS COM PARAPLEGIA POR LESÃO MEDULAR Hugo Rodrigo Menha 1 Rosangela Marques Busto 2 Universidade Estadual de Londrina 3 Resumo: Este

Leia mais

Recomendações e orientações para a prática de exercícios. Prof. Dra. Bruna Oneda

Recomendações e orientações para a prática de exercícios. Prof. Dra. Bruna Oneda Recomendações e orientações para a prática de exercícios físicos no idoso Prof. Dra. Bruna Oneda Exercícios Físicos Estimular equilibradamente todos os sistemas corporais. Trabalhar postura, equilíbrio

Leia mais

PROJETO TALENTO OLÍMPICO DO PARANÁ EDIÇÃO 2013 E ATLETAS PARALÍMPICOS CONCORRENTES NO PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS. 1

PROJETO TALENTO OLÍMPICO DO PARANÁ EDIÇÃO 2013 E ATLETAS PARALÍMPICOS CONCORRENTES NO PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS. 1 PROJETO TALENTO OLÍMPICO DO PARANÁ EDIÇÃO 2013 E 2014 - ATLETAS PARALÍMPICOS CONCORRENTES NO PROCESSO DE SELEÇÃO DE BOLSISTAS. 1 Rosangela Marques BUSTO 2 Abdallah Achour JUNIOR 3 Jacques Duílio BRANCHER

Leia mais

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP

Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP Universidade Estadual do Norte do Paraná UENP RELATÓRIO DE BOLSA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FORMULÁRIO VII do Edital n o 005/2010 - CIC/UENP 1. IDENTIFICAÇÃO: 1.1 RELATÓRIO: (Assinalar) SEMESTRAL/PARCIAL

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CENTRO DE EDUCAÇÃO FÍSICA E DESPORTOS NORMAS FUNCIONAMENTO DA PISTA DE ATLETISMO Art. 1º - A pista de atletismo localizada no Centro de Educação Física e Desportos

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO

A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO A IMPORTÂNCIA DA FLEXIBILIDADE NO TAEKWONDO Claudiomar Antonio Vieira 1 Everton Paulo Roman 2 RESUMO O presente estudo teve o objetivo de realizar uma contextualização teórica em relação a importância

Leia mais

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music

Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master. Street Volei / Barra Music Explicação dos Testes & Cronograma das Avaliações para a Equipe de Voleibol Master Street Volei / Barra Music Nelso Kautzner Marques Junior kautzner123456789junior@gmail.com 2016 2 Índice Introdução, 3

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados)

Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Nome: Estudo dirigido Corridas e Marcha (Responda apenas nos espaços indicados) Observe a figura acima e responda as questões a seguir: 1. A sequência se refere à prova de. 2. Em que distâncias essa prova

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 6º ano Ano letivo: 201.2014 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO PROVA 26 / 2017 (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

OFICINA DE PROJETOS. Profª Drª Rosangela Marques Busto Profº Drº Luiz Cláudio Reeeberg Stanganelli

OFICINA DE PROJETOS. Profª Drª Rosangela Marques Busto Profº Drº Luiz Cláudio Reeeberg Stanganelli OFICINA DE PROJETOS Profª Drª Rosangela Marques Busto Profº Drº Luiz Cláudio Reeeberg Stanganelli 1. IDENTIFICAÇÃO DA ENTIDADE PROPONENTE Nome da Entidade Clube Brasil Esporte CNPJ 000.000.000/0001-00

Leia mais

Fundamentos do Futebol

Fundamentos do Futebol Fundamentos do Futebol Sumário Apresentação Capítulo 1 O passe 1.1 Passe Simples 1.2 Passe Peito do pé 1.3 Passe com a lateral externa do pé 1.4 Passe de cabeça 1.5 Passe de Calcanhar 1.6 Passe de bico

Leia mais

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo

Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores de tênis de campo Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Efeitos do programa da pliometria de contraste sobre os valores de impulsão horizontal nos jogadores

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Campo Mourão ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Campo Mourão 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA

SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA SEMANA ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO FÍSICA TÍTULO NÍVEL DE ATIVIDADE FÍSICA E ESTÁGIO DE MUDANÇA DE COMPORTAMENTO DE TRABALHADORES PRATICANTES DE GINÁSTICA LABORAL JORNALISMO ESPORTIVO E A COBERTURA DOS MEGAEVENTOS:

Leia mais

SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 OLIMPICO E PARALIMPICO

SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 OLIMPICO E PARALIMPICO CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE REMO SISTEMA NACIONAL de AVALIAÇÃO do REMADOR 2013 Protocolo da semana de avaliação Testes de remo ergômetro e de Força Máxima OLIMPICO E PARALIMPICO ESCLARECIMENTOS SOBRE A

Leia mais

Associação de Futebol da Guarda

Associação de Futebol da Guarda Cronograma: Curso de Treinadores de Futsal 1º Nível Aulas Teóricas Dezembro/08 Janeiro/09 As Capacidades Motoras 17 / Janeiro 19 / Janeiro 21 / Janeiro Avaliação Teórica Avaliação Prática 04 / Fevereiro

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 / 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

XXI OLIMATER ºs aos 5ºs anos É muito importante compromisso Data de Abertura: Horário da Abertura: Dias da Olimater: Local: Traje:

XXI OLIMATER ºs aos 5ºs anos É muito importante compromisso Data de Abertura: Horário da Abertura: Dias da Olimater: Local: Traje: XXI OLIMATER 2016 Srs. Pais, Comunicamos que realizaremos a XXI Olimater, com a participação dos alunos dos 2º s aos 5º s anos do Ensino Fundamental. É muito importante a participação de todos, portanto

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná

ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE. Paraná ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE Paraná 2 O processo de envelhecimento pode acarretar na dependência de outras pessoas para a realização de atividades de vida diária. Existem cada vez mais evidências

Leia mais

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte

Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte Treinamento de força, potência e velocidade muscular no esporte sandrosargentim@gmail.com Sandro Sargentim Entendendo a modalidade 1.Qual a característica da modalidade? 2.A modalidade é individual ou

Leia mais

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução

Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR. Introdução Construção da tabela referencial para o banco de flexibilidade KR Silvano Kruchelski Especialista em Didática do ensino Superior PUCPR Secretaria Municipal do Esporte e Lazer/ Programa Curitibativa Curitiba

Leia mais

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS

TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS TÍTULO: PREVALÊNCIA DE LESÕES EM CORREDORES DOS 10 KM TRIBUNA FM-UNILUS CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: FISIOTERAPIA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO LUSÍADA AUTOR(ES):

Leia mais

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior

ATLETISMO. Osvaldo Tadeu da Silva Junior ATLETISMO Osvaldo Tadeu da Silva Junior OBJETIVO DA DISCIPLINA Conhecer, compreender e analisar os processos de ensino aprendizagem e treinamento das corridas; Conhecer, compreender e analisar os processos

Leia mais

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra

As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra As 11 técnicas fundamentais dos golpes de fundo de quadra VERSÃO RESUMIDA Introdução do manual É feito para quem quer resultados, tenistas ou professores! 1 Simples e completo! 11 fundamentos que tratam

Leia mais

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!.

Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. Quadro I - Protocolo de Reabilitação Vestibular VertiGO!. 1ª Etapa (Movimentos de olhos e cabeça, primeiro lentos, depois rápidos). Participante em pé sobre um colchonete, olhar para cima e para baixo.

Leia mais

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias

Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Modelo Dep-01 Agrupamento de Escolas do Castêlo da Maia Planificação Anual Departamento Expressões e Tecnologias Ano: 5º ano Ano letivo: 201.201 Disciplina: Educação Física Turmas: A, B, C, D, E, F, G,

Leia mais

Ano Letivo 2011/2012

Ano Letivo 2011/2012 Ano Letivo 2011/2012 Informação/ Exame de Equivalência à Frequência Disciplina de Educação Física 3ºciclo 1. Objeto de Avaliação A prova tem por referência o Programa de Educação Física. A prova desta

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA:28

Informação Prova de Equivalência à Frequência Agrupamento de Escolas de ANTÓNIO NOBRE DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CÓDIGO DA PROVA:28 DISCIPLINA: EDUCAÇÃO FÍSICA CICLO: 2º CÓDIGO DA PROVA:28 ANO DE ESCOLARIDADE:6º Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de exame de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento visa divulgar as características da prova de

Leia mais

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma

Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Anexo III Exercícios para a activação geral e o retorno à calma Mobilização da articulação do ombro 1 Objectivos: Aumentar a amplitude da mobilização dos ombros e parte superior Modo de execução: na posição

Leia mais

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES DO IMÓVEL MEMORIAL DESCRITIVO PARA ESTABELECIMENTO DE ENSINO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UFJF-GV

ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES DO IMÓVEL MEMORIAL DESCRITIVO PARA ESTABELECIMENTO DE ENSINO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UFJF-GV ANEXO I CADERNO DE ESPECIFICAÇÕES DO IMÓVEL MEMORIAL DESCRITIVO PARA ESTABELECIMENTO DE ENSINO DO CURSO DE BACHARELADO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UFJF-GV 1. Introdução A Universidade Federal de Juiz de Fora, Campus

Leia mais

Associação de Andebol da Madeira ÉPOCA 2014/2015

Associação de Andebol da Madeira ÉPOCA 2014/2015 COMUNICADO OFICIAL Nº 39 ÉPOCA 2014-2015 1. DEPARTAMENTO TÉCNICO 1.1 6ª EDIÇÃO DE UM GOLO PELA VIDA A Associação de Andebol da Madeira vem por este meio informar que irá realizar, em parceria com a prestigiada

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova Código 28-2016 2º Ciclo do Ensino Básico 6º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

CINEMÁTICA MOVIMENTO RETILÍNEO

CINEMÁTICA MOVIMENTO RETILÍNEO CINEMÁTICA MOVIMENTO RETILÍNEO 1 Duas partículas A e B estão do lado oposto de uma reta com 500 m de comprimento. A partícula A desloca-se na direção AB e no sentido de B, com uma velocidade constante

Leia mais

O Treino do Jovem Lançador. Treino da Força com Cargas Adicionais

O Treino do Jovem Lançador. Treino da Força com Cargas Adicionais Questões habituais: 1. Há risco de lesões, sobretudo na coluna vertebral? 2. Com que idade se deve iniciar o treino de musculação com carga adicional?. Como se deve fazer a aprendizagem das técnicas de

Leia mais

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior BIOMECÂNICA DA AÇÃO MUSCULAR EXCÊNTRICA NO ESPORTE Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Considerações iniciais EXCÊNTRICA CONCÊNTRICA ISOMÉTRICA F m F m F m P V P V P V = 0 Potência < 0 Potência >

Leia mais

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF

UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF UKLÉBERTTON DA SILVA BARROS ANÁLISE E COMPARAÇÃO DO NÍVEL DE FLEXIBILIDADE DE PRATICANTES DE MUSCULAÇÃO DA ACADEMIA NOVAFORMA - DF Artigo apresentado ao Curso de graduação em Educação Física da Universidade

Leia mais

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide

Escola Básica 2,3 com Ensino Secundário de Alvide Informação da prova de equivalência à frequência de Educação Física Prova 28 2013 2.º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova tem por referência o

Leia mais

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2015-2016 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

Cód INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física

Cód INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física 12.º Ano / ENSINO SECUNDÁRIO Código 311 Duração da Prova: 90+90 minutos Tolerância: 00 minutos Ano Letivo 2014/2015 1. Introdução

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken

Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken Voleibol Atual Técnicas e Fundamentos do jogo. Percy Oncken TÉCNICO CBV SAQUE POR CIMA - Sem SALTO Saque sem salto 1 a ensinar; Técnica geral será utilizada, nos saques com salto TRANSFERÊNCIA. POSTURA

Leia mais

RESOLUÇÃO TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO

RESOLUÇÃO TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO RESOLUÇÃO 001-2012 PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO DE TREINADORES TÉCNICO NÍVEL I - BÁSICO 1) INTRODUÇÃO E OBJETIVOS A. O Curso de Técnico de Triathlon Nível I CBTri tem a finalidade de oferecer um conteúdo informativo

Leia mais

O que é Coordenação Motora Ampla?

O que é Coordenação Motora Ampla? O que é Coordenação Motora Ampla? Utilização de grupos de músculos maiores e o desenvolvimento de habilidades como correr, pular, chutar, subir e descer escadas que podem ser desenvolvidas a partir de

Leia mais

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2014-2015 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA

DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA CENTRO EDUCACIONAL CHARLES DARWIN ENSINO FUNDAMENTAL 2015 DIRETRIZES CURRICULARES 1º ao 5º ANO EDUCAÇÃO FÍSICA OBJETIVO GERAL Favorecer o desenvolvimento corporal e mental harmônicos, consolidar hábitos

Leia mais

INCIDÊNCIA DE LESÕES NA EQUIPE DE BASQUETEBOL MASCULINO ADULTO DE JOINVILLE DURNATE A PRÉ- TEMPORADA DE 2004 ATRAVÉS DA CINTILOGRAFIA ÓSSEA

INCIDÊNCIA DE LESÕES NA EQUIPE DE BASQUETEBOL MASCULINO ADULTO DE JOINVILLE DURNATE A PRÉ- TEMPORADA DE 2004 ATRAVÉS DA CINTILOGRAFIA ÓSSEA INCIDÊNCIA DE LESÕES NA EQUIPE DE BASQUETEBOL MASCULINO ADULTO DE JOINVILLE DURNATE A PRÉ- TEMPORADA DE 2004 ATRAVÉS DA CINTILOGRAFIA ÓSSEA Prof. Jean Rodrigo Zipperer 1 Prof. Alisson Guimbala dos Santos

Leia mais

Centros de Iniciação ao Esporte

Centros de Iniciação ao Esporte MINISTÉRIO DO ESPORTE SECRETARIA NACIONAL DE ESPORTE DE ALTO RENDIMENTO DEPARTAMENTO DE INFRAESTRUTURA DE ESPORTE Centros de Iniciação ao Esporte Alexandre Fernandes Ono Coordenador Geral do Departamento

Leia mais

REGULAMENTO ESPECÍFICO ATLETISMO PARALÍMPICO

REGULAMENTO ESPECÍFICO ATLETISMO PARALÍMPICO 1 REGULAMENTO ESPECÍFICO ATLETISMO PARALÍMPICO 2014 2 XXIII JOGOS INTERCOLEGIAIS - 2014 II JOGOS INTERCOLEGIAIS PARALÍMPICOS 2014 Atletismo Paralímpico Regulamento Específico Art.1º - A Competição de Atletismo

Leia mais

PROJETO ESPORTE BRASIL

PROJETO ESPORTE BRASIL PROJETO ESPORTE BRASIL Manual de testes e avaliação Versão 2016 Adroaldo Gaya e Anelise Gaya Ed. Perfil Projeto Esporte Brasil PROESP-Br Manual de testes e avaliação Versão 2016 Adroaldo Gaya & Anelise

Leia mais

2016/17 Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro PLANO ANUAL - AEC DE ATIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA

2016/17 Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro PLANO ANUAL - AEC DE ATIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA 2016/17 Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro PLANO ANUAL - AEC DE ATIVIDADE FÍSICA E DESPORTIVA Plano Anual de Atividades da Atividade Física e Desportiva Ano Letivo 2016/2017 Introdução A Atividade

Leia mais

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda

Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral. Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica no contexto da ginástica Geral Prof. Dra. Bruna Oneda Ginástica aeróbica Uma combinação da ginástica clássica com a dança. Esta modalidade não pertence ao calendário olímpico, porém,

Leia mais

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO

INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO ROGER MARCHESE INFLUENCIA DA FLEXIBILIDADE NO SALTO VERTICAL EM ATLETAS DE VOLEIBOL MASCULINO Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento Desportivo

Leia mais

X SEMANA ESPORTIVA DA UTFPR-CP (SEUT 2016) De 03 a 09 de novembro

X SEMANA ESPORTIVA DA UTFPR-CP (SEUT 2016) De 03 a 09 de novembro X SEMANA ESPORTIVA DA UTFPR-CP (SEUT 2016) De 03 a 09 de novembro REGULAMENTO GERAL 1. FINALIDADE Resgatar momentos lúdicos e de companheirismo por meio de atividades esportivas entres alunos dos cursos

Leia mais

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras

Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Aspectos Gerais do Treinamento Aeróbio: Planificação, Periodização e Capacidades Biomotoras Curso Internacional de Meio Fundo e Fundo, 6 e 7 Junho 2015 Assunção, PAR Junho 2015 no esporte, como atleta,

Leia mais

ANÁLISE DOS PARÂMETROS DE FLEXIBILIDADE DA EQUIPE DE BASQUETE MASCULINA DA FACISA

ANÁLISE DOS PARÂMETROS DE FLEXIBILIDADE DA EQUIPE DE BASQUETE MASCULINA DA FACISA ANÁLISE DOS PARÂMETROS DE FLEXIBILIDADE DA EQUIPE DE BASQUETE MASCULINA DA FACISA Marina Gonçalves Assis 1 ; Daniele Gonçalves Guedes Alves 2 ; Gilberto Batista dos Santos 3 ; Isabela Tatiana Sales de

Leia mais

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA 1 CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA LICENCIATURA EMENTÁRIO DAS DISCIPLINAS 2015.1 BRUSQUE (SC) Atualizado em 15 de janeiro de 2015 pela 2014 Assessoria de Desenvolvimento, conforme Parecer 2 SUMÁRIO 1ª FASE...

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física. Código: º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física. Código: º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE TRANCOSO Cód. 161561 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova de Educação Física Código: 028 28 6.º Ano de Escolaridade / 2.º Ciclo do Ensino Básico Duração da Prova:

Leia mais

Treinamento Esportivo.com

Treinamento Esportivo.com Treinamento Esportivo.com 2009 w w w. t r e i n a m e n t o e s p o r t i v o. c o m Página 0 APRESENTAÇÃO Este circuito de peso corporal surgiu anos atrás quando comecei a trabalhar com atletas de tênis

Leia mais

E-book COLUNA SAUDÁVEL. Dr Thiago Rodrigues

E-book COLUNA SAUDÁVEL. Dr Thiago Rodrigues IMAGINE A VIDA SEM DOR NA COLUNA. E-book COLUNA SAUDÁVEL Dr Thiago Rodrigues DESCUBRA OS EXERCÍCIOS PARA DEIXAR SUA COLUNA SAUDÁVEL COM O FISIOTERAPEUTA DR THIAGO RODRIGUES ESPECIALISTA EM PROBLEMAS DE

Leia mais

Atletismo na escola, uma possibilidade de ensino. E.E. Alfredo Paulino. Professor(es) Apresentador(es): Prof. Eduardo Maia Simões.

Atletismo na escola, uma possibilidade de ensino. E.E. Alfredo Paulino. Professor(es) Apresentador(es): Prof. Eduardo Maia Simões. Atletismo na escola, uma possibilidade de ensino E.E. Alfredo Paulino Professor(es) Apresentador(es): Prof. Eduardo Maia Simões Realização: Foco do Projeto O foco era oferecer aos alunos dos 4ºs. Anos

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ AVALIANDO A PERFORMANCE ESPORTIVA Há pelo menos três formas de avaliar o desempenho em um esporte: Observação; Uso de escala de avaliação; Teste de habilidade esportiva. CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ

Leia mais

Professor (a): Pedro Paulo Aluno (a): Série: 3ª Data: / / LISTA DE FÍSICA. Autoridades debatem acesso de deficientes nos estádios da Copa

Professor (a): Pedro Paulo Aluno (a): Série: 3ª Data: / / LISTA DE FÍSICA. Autoridades debatem acesso de deficientes nos estádios da Copa Ensino Médio Unidade Parque Atheneu Professor (a): Pedro Paulo Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE FÍSICA 1) (UNIFOR CE/2014) Leia. Autoridades debatem acesso de deficientes nos estádios da Copa

Leia mais

ADDAN MONTEIRO DOS SANTOS BONTORIN TREINAMENTO DE VOLEI: OS BENEFICIOS QUE TRAZEM PARA APTIDÃO FISICA

ADDAN MONTEIRO DOS SANTOS BONTORIN TREINAMENTO DE VOLEI: OS BENEFICIOS QUE TRAZEM PARA APTIDÃO FISICA ADDAN MONTEIRO DOS SANTOS BONTORIN TREINAMENTO DE VOLEI: OS BENEFICIOS QUE TRAZEM PARA APTIDÃO FISICA Artigo apresentado como Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Ciência do Treinamento

Leia mais

Treinamento Funcional

Treinamento Funcional Treinamento Funcional Sumário: Introdução... 02 O que é Treinamento Funcional?... 03 Atividades diárias e o Treinamento Funcional... 04 Como deve ser o Treinamento Funcional então?... 06 Características

Leia mais

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar

Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT. Futsal Escolar Escola Especial Renascer APAE - Lucas do Rio Verde - MT Futsal Escolar Prof. Ivan Gonçalves dos Santos Lucas do Rio Verde MT - 2009 Introdução A Educação Física é uma disciplina pedagógica permeada de

Leia mais

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014

AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? 16/09/2014 AVALIAÇÃO POSTURAL O QUE É UMA AVALIAÇÃO POSTURAL? A AVALIAÇÃO POSTURAL CONSISTE EM DETERMINAR E REGISTRAR SE POSSÍVEL ATRAVÉS DE FOTOS, OS DESVIOS OU ATITUDES POSTURAIS DOS INDIVÍDUOS, ONDE O MESMO É

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 1 ANO

EDUCAÇÃO FÍSICA 1 ANO EDUCAÇÃO FÍSICA 1 ANO PROF. KIM RAONE PROF. MARCUS MELO ENSINO MÉDIO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade IV Esporte e deficiência. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 11.2 Conteúdo Esportes adaptados aula II 3

Leia mais

Questões dos 6º anos

Questões dos 6º anos 2012 - AVALIAÇÃO DE EDUCAÇÃO FÍSICA DO 4ª BIMESTRE Questões dos 6º anos 1- Lembrando que tanto o futebol como o handebol são esportes coletivos, quais comportamentos podemos observar com relação a forma

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova Código 26-2015 3º Ciclo do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA maio de Prova º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

EDUCAÇÃO FÍSICA maio de Prova º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA maio de 016 Prova 8 016.....º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/01, de de julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação

EDUCAÇÃO FÍSICA Informação PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prova 26 / 2016 3º Ciclo do Ensino Básico 3º Ciclo do Ensino Básico Decreto-Lei nº139/2012, de 5 de julho Despacho normativo nº1-f/2016 de 5 de abril Despacho normativo

Leia mais

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR

MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR MEDIDAS DA FORÇA E RESISTÊNCIA MUSCULAR Revisando conceitos... Músculo-esquelética Força Resistência Flexibilidade Motora Agilidade Equilíbrio Potência Velocidade Revisando conceitos... Isométricas (estática)

Leia mais

Espinha Bífida. Dr. Fábio Agertt

Espinha Bífida. Dr. Fábio Agertt Espinha Bífida Dr. Fábio Agertt Neurônio Motor Superior/Inferior Espinha Bífida Defeito de fechamento do tubo neural; Variedade de apresentações e gravidade; As características podem ser diagnosticadas

Leia mais