PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE"

Transcrição

1 PERFIL ANTROPOMETRICO E SOMATÓTIPO DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL FEMININA CATEGORIA SUB 20 CAMPEÃ MUNDIAL DE 2005 Antônio Rizola Neto (1) Cristino Julio Alves da Silva Matias (2) Pablo Juan Greco (2) Paulo Roberto de Oliveira (3) Faculdade Estácio de Sá - Belo Horizonte - Minas Gerais, Brasil (1) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil (2) Universidade Estadual de Campinas, Campinas, São Paulo, Brasil (3) RESUMO O nível de rendimento nas modalidades esportivas diferencia-se entre outros parâmetros pelas exigências somáticas e antropométricas (Nhantumbo, L., et al.,2004). A qualidade destes atributos dos jogadores brasileiros de voleibol converge como um dos fatores que vão de encontro com o sucesso do Brasil nas inúmeras conquistas internacionais. A proposta deste estudo foi de caracterizar a Seleção Brasileira Juvenil Feminina de 2005, por meio de variáveis: antropometria e somatótipo. A amostra foi composta por 18 atletas integrantes do grupo vencedor do Campeonato Mundial de Voleibol Feminino Juvenil no ano de Os resultados demonstraram diferenças por posição de jogo, sendo o líbero o atleta de menor estatura, uma vez que a sua função na zona ofensiva é nula. O perfil do somatótipo dos jogadores foi predominantemente ectomorfo-equilibrado, com exceção dos levantadores que apresentaram condições endomorfo-equilibrado. Palavras-Chaves: Voleibol, Antopometria, Somatótipo INTRODUÇÃO As seleções brasileiras de Voleibol feminino vem alcançando excelentes resultados em competições internacionais. No ano de 2005 obteve seu quinto titulo mundial da categoria promovendo a cada ano um numero expressivo de atletas para a seleção adulta. O Brasil somente não esteve entre os quatro primeiros colocados nesta categoria em 4 oportunidades num total de quinze edições mundiais.o voleibol feminino mundial vem sofrendo uma serie de transformações no que diz respeito ao biótipo das jogadoras e na sua estrutura tática de jogo. O crescimento do voleibol brasileiro deve-se a organização da Confederação Brasileira de Voleibol, uma organização administrativa que proporciona a realização de projetos de massificação do voleibol, altos níveis de competição interna no Brasil e um intercâmbio

2 internacional de alta qualidade para as atletas de seleções nacionais em todas as categorias e em ambos os sexos. A capacidade dos treinadores do país e a atualização constante destes profissionais são fatores que corroboram para tal desenvolvimento. Este estudo pode servir de referëncia para profissionais do voleibol, na busca de talentos nas categorias de base e na relação com os dados de um grupo de elite do voleibol mundial. O Brasil é carente de artigos relacionados com trabalhos de base no Voleibol, portanto pretende-se colaborar na área através da divulgação dos dados de um grupo que se destacou a nível mundial. O alto nível de rendimento das atletas investigadas demonstra que no Brasil existem talentos e que o trabalho feito nos clubes é de grande importância para a manutenção do esporte na vanguarda do voleibol mundial. REVISÃO DE LITERATURA A influência do perfil antropométrico de atletas no voleibol, já foi estuda no naipe masculino na categoria infanto - juvenil, por exemplo Campos, et al. (2004), no estudo os autores relatam que, verificaram-se diferenças estatisticamente significantes na variável estatura quando comparado o grupo de atletas levantador com o grupo de atletas atacantes de meio. Já em estudo realizado com atletas de sexo feminino de basquetebol os autores buscavam informações sobre as conseqüências do crescimento no período da adolescência quanto ao comportamento das variáveis antropométricas e outras, a conclusão foi: o perfil técnico demonstra que, para cada posição, existe desempenho especifico que somado aos desempenhos físico, tático e psicológico promove o talento múltiplo (Bergamo e Paes, 2004). Em sua dissertação de mestrado, Rizola (2004) enfatiza a inter-relação dessas variantes no voleibol: A jovem jogadora de alto rendimento freqüenta a atividade física nos limites dos seus domínios, físico, social e comportamental. É uma etapa em sua vida pessoal quando as mudanças acontecem constantemente. Qualquer alteração na programação, feita pela atleta, pode causar distúrbios e comportamentos que comprometem seu rendimento atlético. Outro estudo realizado em Moçambique, com jovens em idade escolar, 15 e 16 anos de idade, averiguando se na seleção de talentos os critérios somáticos e de aptidão física tem relevância, concluiu que os resultados sugerem a existência de critérios somáticos de seleção, não tendo contudo sido observados critérios consistentes ao nível de aptidão física (Nhantumbo, et al., 2004). Em estudo de análise do perfil somático em três diferentes modalidades, basquetebol, voleibol e handebol, objetivou verificar se um conjunto de variáveis somáticas e motoras é capaz de discriminar três grupos de atletas de modalidades desportivas diferentes. Cardoso, et al. (2004) concluem que: os resultados da Anova

3 univariada mostram que as variáveis somáticas e motoras eram significativamente diferentes entre os atletas das modalidades estudadas e para os dois sexos (p<0,05), com exceção das componentes do somatótipo para o sexo masculino e da agilidade para o sexo feminino. Assim o presente estudo procura definir qual o perfil antropométrico e somatótipo das atletas jovens atletas brasileiras integrantes da equipe nacional. OBJETIVO O objetivo deste estudo foi identificar o perfil antropométrico e o somatótipo das atletas pertencentes à seleção brasileira de voleibol feminino sub 20, campeã mundial em 2005, verificando a influência destas varáveis na especialização de jogo MATERIAL E MÉTODOS A amostra foi composta por 18 atletas integrantes da seleção brasileira de voleibol feminino juvenil no ano de Foram identificadas as variáveis de massa corporal (dimensão de medição [Kg]), altura (dimensão de medição [cm]), circunferência de braço (dimensão de medição [cm]), circunferência de perna (dimensão de medição [cm]), peso de gordura (dimensão de medição [Kg]), percentual de gordura (dimensão de medição [%]) através da técnica de Faulkener descrita por Maris e Giannichi (1998). O presente estudo apresenta também os dados do somatótipo (técnica de classificação corporal em que Sheldon dividiu a estrutura física do ser humano em três condições diferenciadas: endomorfia, mesomorfia e ectomorfia, definindo determinadas características físicas. Os estudos de Sheldon concluíram que não existe um indivíduo com uma classificação única, mas com uma maior ou menor tendência para cada um dos componentes da sua divisão - Marins e Giannichi, O quadro 1 ilustra a composição do somatótipo). Todos os dados foram tratados através de uma análise descritiva e reunidos pela função especifica técnicotática de jogo: levantador, ponta, meio e líbero. Quadro 1 - Classificação de Somatótipo Endomorfia Mesomorfia Ectomorfia Apresenta como principal caracteristica da estrutura fisica, o arredondamento das curvas corporais. Considera-se o individuo obeso um bom exemplo de endomorfia plena, pois o relevo muscular praticamente não é notado, mas aparece grande volume abdominal, pescoço curto e ombros quadrados. A mesomorfia é a Segunda componente do somatótipo de Sheldon. Dentre as principais características destacam-se o grande relevo muscular aparente, com contornos predominantes na região do trapezio, deltoide e abdominal, bem como uma estrutura óssea mais maciça principalmente na região do punho e antebraço. A presença de gordura corporal é pequena, permitindo uma boa visualização do arcabouço muscular. Este tipo de estrutura corporal freqüentemente é encontrado em atletas. Este terceiro componente pode ser identificado por uma linearidade corporal, com discreto volume muscular e pequena presença de tecido gorduroso, podendo ser considerado como o componente da magreza.

4 RESULTADOS Tabela 1 - Análise descritiva das medidas antropométricas referentes ao levantador Altura 3 180,00 186,00 182,6667 3,05505 Massa Corporal 3 75,00 79,90 76,7000 2,77308 Peso de Gordura 3 11,50 12,10 11,8667,32146 Percentual de Gordura 3 15,10 16,00 15,4667,47258 Perímetro do Braço 3 28,80 31,00 29,9333 1,10151 Perímetro da Perna 3 37,00 41,40 38,8000 2,30651 Tabela 2 - Análise descritiva das medidas antropométricas referentes ao jogador de meio Altura 4 182,50 196,00 187,2500 5,97913 Massa Corporal 4 61,60 79,20 72,3000 8,15966 Peso de Gordura 4 6,60 15,00 10,3250 3,49225 Percentual de Gordura 4 10,80 14,50 12,9750 1,55858 Perímetro do Braço 4 28,10 31,00 29,6000 1,21929 Perímetro da Perna 4 35,80 38,80 37,1250 1,24197 Tabela 3 - Análise descritiva das medidas antropométricas referente ao jogador de ponta Altura 9 180,00 188,00 183,1667 2,50000 Massa Corporal 9 62,70 80,30 71,4000 5,01697 Peso de Gordura 9 7,70 15,00 9,8000 2,11896 Percentual de Gordura 9 11,80 18,60 13,6444 2,04090 Perímetro do Braço 9 26,40 30,80 28,8333 1,71974 Perímetro da Perna 9 32,00 38,80 35,9889 1,89436 Tabela 4 - Análise descritiva das medidas antropométricas referentes ao líbero Altura 2 167,00 177,00 172,0000 7,07107 Massa Corporal 2 61,90 83,70 72, ,41493 Peso de Gordura 2 7,00 21,30 14, ,11163 Percentual de Gordura 2 11,30 25,40 18,3500 9,97021 Perímetro do Braço 2 25,80 32,60 29,2000 4,80833 Perímetro da Perna 2 35,80 39,20 37,5000 2,40416 Tabela 5 - Somatótipo do levantador Endomorfia 3 3,69 4,22 3,9733,26690 Mesomorfia 3 2,34 3,99 3,4100,92774 Ectomorfia 3 2,05 3,72 2,9433,84109 Tabela 6 - Somatótipo do jogador de meio Endomorfia 4 1,91 3,10 2,5775,55048 Mesomorfia 4,98 3,95 2,2700 1,38984 Ectomorfia 4 3,14 5,85 4,4250 1,18924

5 Tabela 7 - Somatótipo do jogado de ponta Endomorfia 9 2,47 5,40 3,1878,90694 Mesomorfia 9,96 4,37 2,5911 1,07298 Ectomorfia 9 2,18 5,09 3,8167,88578 Tabela 8 - Somatótipo do líbero Endomorfia 2 1,87 7,27 4,5700 3,81838 Mesomorfia 2 3,16 6,14 4,6500 2,10718 Ectomorfia 2 -,60 4,22 1,8100 3,40825 O fato da altura dos líberos ser inferior a todos os outros jogadores pode ser considerada como conseqüência da especialização, pois a sua posição esta relacionada apenas com os fundamentos de recepção e defesa no jogo de voleibol. Já a altura dos levantadores demonstra a preocupação em fortalecer o bloqueio em toda a zona ofensiva (tabela 01, 02, 03 e 04). A característica ectomorfo-equilibrado foi a predominante no somatótipo das jogadoras de meio, ponta e líberos (tabela 06, 07 e 08). Os levantadores apresentaram condições endomorfo-equilibrado (tabela 05). CONCLUSÕES E SUGESTÕES Podemos concluir que no voleibol tem-se buscado selecionar atletas que pelo sua biotipologia e somatótipo ofereçam condições de fortalecer o sistema de jogo ofensivo e defensivo. Em especial observa-se que as características das levantadoras neste grupo, são muito próximas as das jogadoras de ponta em relação a altura mínima e máxima, o que demonstra grande preocupação de promover atletas para esta função com qualidades para realizar com eficiência o fundamento de bloqueio. Observa-se também que as jogadoras de meio apresentam uma qualidade na altura, que pode representar também uma possibilidade maior da evolução da equipe no quesito bloqueio. Resta uma pergunta, se a posição de libero não poderia também buscar jogadoras com condição de altura e envergadura maiores, pelo fato de garantirem uma cobertura de espaço maior no campo. Nesse caso é necessário realizar uma análise das qualidades técnicas, para poder avaliar se a altura mínima para as atacantes de ponta não deveria ser mais alta, ou mesmo qual a importância e a função especifica de todas atletas nesta posição? Este trabalho apresenta a sugestão para uma averiguação futura das características morfológicas relacionadas com as funções técnicas.

6 BIBLIOGRAFIA BERGAMO, V, PAES, R. Perfil físico e técnico de atletas de basquetebol do sexo feminino: contribuições para a identificação do talento esportivo múltiplo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Volume 4, nº 2, suplemento pg.221, DOURADO, A.; STANGANELLI,; ONCKEN, P.; MANÇAN, S. Análise de variáveis antropométricas em seleções brasileiras de voleibol masculinas da categoria infanto-juvenil no período de 1995 a Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Volume 4, nº 2, suplemento pg 221, CAMPOS, F.; DOURADO, A.; ROCHA, M.; ONCKEN, P.; STANGANELLI, L. Perfil antropométrico da seleção brasileira de voleibol masculino categoria infanto-juvenil de Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Volume 4, n 2, suplemento pg 222, CARDOSO, M.; MAIA, J.; GAYA, A ; SOARES, Y. Perfil somático e desempenho motor: um estudo da função discriminante entre modalidades coletivas e gênero sexual. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto,Volume 4,nº 2, suplemento pg 224, NHANTUMBO, L.; SARANGA, S. ; MAIA, J. ; PRISTA, A. Serão os indicadores somáticos e de aptidão física critérios de seleção dos participantes de elite do desporto escolar em Moçambique?. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, Volume 4, nº 2, pg , RIZOLA NETO, A. - Uma proposta de preparação para equipes jovens de voleibol feminino UNICAMP - Campinas, ENDEREÇO: Endereço: UFMG, Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Grupo de Estudos Cognição e Ação - Avenida Carlos Luz, Campus da Pampulha Cidade: Belo Horizonte Estado: Minas Gerais, Cep , Telefone: 0xx

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA

LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA 1 LERIANE BRAGANHOLO DA SILVA COMPARAÇÃO DO PERFIL ANTROPOMÉTRICO DE ADOLESCENTES PRATICANTES DE VOLEIBOL, DOS ANOS 1997 E 2009, PARTICIPANTES DO PROGRAMA ESPORTE CIDADÃO UNILEVER Artigo apresentado como

Leia mais

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA?

QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? QUAL O IMC DOS ALUNOS CURSOS TÉCNICOS INTEGRADOS AO ENSINO MÉDIO NO IFTM CAMPUS UBERLÂNDIA? Bianca Silva Santos 1 ; Henrique Flausino de Souza 2 ; Maria Eduarda Guedes Coutinho 3 ; Maria Julia Rocha Ferreira

Leia mais

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette

VOLEIBOL 8º Ano. Voleibol. Origem e Evolução: 07/05/2013. William Morgan 1895 ACM s. Tênis Minonette VOLEIBOL 8º Ano Profª SHEILA - Prof. DANIEL Origem e Evolução: William Morgan 1895 ACM s Tênis Minonette Brasil 1915 Pernambuco Colégio Marista ou ACM s São Paulo 1916 1954 CBV 1982 afirmação brasileira

Leia mais

Estudo do Somatotipo em atletas de luta Greco Romana

Estudo do Somatotipo em atletas de luta Greco Romana Estudo do Somatotipo em atletas de luta Greco Romana *André Lucena *Graciele Araujo Lima *Kharen Samara *Marcelo Da Silva Prazeres *Santiago Oliveira **Júlio César ***José Blanco Herrera Resumo O objetivo

Leia mais

JOGO (OUT 2016) - PORTO

JOGO (OUT 2016) - PORTO OBSERVAçãO, ANáLISE E INTERPRETAçãO DO JOGO (OUT 2016) - PORTO Neste curso completo de 24 horas, perceba como observar, analisar e interpretar o jogo e o jogador de futebol, assim como identificar talentos,

Leia mais

Prof. Ms. Heitor de Andrade Rodrigues. Apresentação:

Prof. Ms. Heitor de Andrade Rodrigues. Apresentação: Prof. Ms. Heitor de Andrade Rodrigues Apresentação: É formado em Licenciatura Plena em Educação Física pela Universidade Estadual Paulista (UNESP-RC), possui mestrado em Ciências da Motricidade (UNESP-RC)

Leia mais

Fundamentos técnicos do Handebol

Fundamentos técnicos do Handebol Resumo com autoria de Edvaldo Soares de Araújo Neto e Anália Beatriz A. S. Almeida. Fundamentos técnicos do Handebol Recepção Conceito: ato de receber a bola normalmente com as duas mãos; Objetivo: amortecer

Leia mais

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol

Versão Referenciais de FORMAÇÃO. Andebol Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Versão 1.00 Referenciais de FORMAÇÃO Andebol Grau II Edição: Conteúdos: Data: Instituto Português do Desporto e Juventude, I.P. Federação de Andebol

Leia mais

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental

Os escolares das Escolas Municipais de Ensino Fundamental 16 Estado nutricional das crianças de 7 a 10 anos de idade do Município de Vinhedo (SP) em 2005 e 2008, segundo os critérios da Organização Mundial da Saúde (2007) Estela Marina Alves Boccaletto Doutoranda

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência do 2º Ciclo

Leia mais

DGEstE - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) NIPC

DGEstE - Direção de Serviços da Região Norte AGRUPAMENTO DE ESCOLAS N.º 1 DE MARCO DE CANAVESES (150745) NIPC Prova código 311 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física 2016 12.º ano de Escolaridade O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à frequência da disciplina

Leia mais

Pontos para Concurso Público para Docente do Magistério Superior Edital 01/2009

Pontos para Concurso Público para Docente do Magistério Superior Edital 01/2009 Desporto Coletivo 1. Origem e evolução do Desporto Coletivo no Brasil: histórico e tendências atuais 2. Processos pedagógicos de iniciação do Desporto Coletivo no contexto escolar 3. A utilização de equipamentos

Leia mais

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins

PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins PERFIL DO ÍNDICE DE MASSA CORPORAL DOS ESCOLARES INGRESSOS NO INSTITUTO FEDERAL DO TOCANTINS Campus Paraíso do Tocantins Gabriela de Medeiros Cabral 1, Avelino Pereira Neto 2 1 Professora do Ensino Básico,

Leia mais

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO

Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino e desenvolvimento do futebol e futsal: ESTÁGIOS DE INICIANTES, AVANÇADOS E DE DOMÍNIO Processo para o ensino do futebol/ futsal A metodologia para o ensino do futebol até a especialização

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES REGULAMENTO GERAL DISPOSIÇÕES PRELIMINARES ART. 1º A competição será para alunos devidamente matriculados na Instituição de Ensino - Univale. ART. 2º As pessoas físicas que participarem do evento consideradas

Leia mais

COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA

COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA COMPARAÇÃO ANTROPOMÉTRICA ENTRE ATLETAS DE HANDEBOL DA UFSC COM ATLETAS DE ALTO NÍVEL E SELEÇÃO BRASILEIRA Marcelo Queiroz Fróes, Fernanda Pelozin Acadêmicos do Curso de Educação Física da UFSC Daniel

Leia mais

ESGRIMA EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES ATLETAS ANÁLISE DE ALGUNS INDICADORES POR REFERÊNCIA À ÉPOCA DESPORTIVA DE

ESGRIMA EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES ATLETAS ANÁLISE DE ALGUNS INDICADORES POR REFERÊNCIA À ÉPOCA DESPORTIVA DE EVOLUÇÃO DO NÚMERO - AÇORES 38 32 22 15 6 7 28 19 9 34 34 35 36 29 25 25 20 14 9 10 7 2008-09 2009-10 2010-11 2011-12 2012-13 2013-14 2014-15 TOTAL MASC FEM - A modalidade desenvolve atividade somente

Leia mais

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina.

As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e das metas da disciplina. Informação-Prova de Equivalência à Frequência Educação Física maio de 2016 Prova 28 2016 -------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE

Leia mais

Projeto Manbol na Escola

Projeto Manbol na Escola Projeto Manbol na Escola O Manbol na escola como uma nova alternativa para os profissionais de educação física, alternativa esta que se mostrou extremamente positiva em diversos aspectos no que tange a

Leia mais

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens

A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens A contribuição do movimento humano para a ampliação das linguagens Movimento humano e linguagens A linguagem está envolvida em tudo o que fazemos, ela é peça fundamental para a expressão humana. Na Educação

Leia mais

HISTÓRICO DE FILIAÇÃO UFLA

HISTÓRICO DE FILIAÇÃO UFLA Fundada em 03/05/1938, Oficializada pelo decreto 3617/945. Nomeada Entidade Pública Municipal e Estadual. Filiada a CBDU (Confederação Brasileira do Desporto Universitário). HISTÓRICO DE FILIAÇÃO UFLA

Leia mais

Prova Escrita e Prática de Educação Física

Prova Escrita e Prática de Educação Física INFORMAÇÃO ------------------------------------------------------------------------------------------------------- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita e Prática de Educação

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DA CAPARICA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Prova 28 2016 2º Ciclo do Ensino Básico O presente documento visa divulgar as características da prova de

Leia mais

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul

Torneio de Atletismo de Pavilhão Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Local: Centro Escolar do Cávado - Monsul Data: 5 de março de 2016 Horário: 09h30 às 12h30 Organização: *Centro de Formação Desportiva de Atletismo Gonçalo Sampaio Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio

Leia mais

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva

Planificação Anual PAFD 10º D Ano Letivo Plano de Turma Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Calendarização Objetivos Conteúdos Avaliação PRÁTICAS DE ATIVIDADES FÍSICAS E DESPORTIVAS Módulo: Fisiologia do Esforço 1º, 2º e 3º períodos 1. Reconhecer o papel da fisiologia do esforço quando aplicada

Leia mais

EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO

EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO EFICIÊNCIA DAS GOLEIRAS DA SELEÇÃO BRASILEIRA DE HANDEBOL COMPARADA COM AS TRÊS PRIMEIRAS COLOCADAS DO MUNDIAL JUNIOR DE HANDEBOL FEMININO Larissa Resende Mendonça (UFMT), Alexandre Souza Nunes (UFMT),

Leia mais

JOGOS DE INTEGRAÇÃO Campus Santo Ângelo

JOGOS DE INTEGRAÇÃO Campus Santo Ângelo JOGOS DE INTEGRAÇÃO 2015 Campus Santo Ângelo REGULAMENTO - JOGOS DE INTEGRAÇÃO 22 de Agosto de 2015 DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Art. 1º - Os JOGOS DE INTEGRAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA/ CÂMPUS

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1º Período 2015/2016

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ÁLVARO VELHO LAVRADIO. Planeamento Curricular referente ao 1º Período 2015/2016 Planeamento Curricular referente ao 1º Período 2015/2016 5º ano / Disciplina Educação Física Prof. (a) N.º Aulas Previstas atividades físicas e. Realizar atividades físicas e nas suas dimensões Jogos Pré-desportivos

Leia mais

Jogos de Integração Universitária JIU

Jogos de Integração Universitária JIU Jogos de Integração Universitária JIU (Modalidades de Quadras e Corrida) REGULAMENTO GERAL A Pró-Reitoria de Assuntos Comunitários e Estudantis PROAE -, através da Coordenadoria de Formação e Integração

Leia mais

Informação - Prova de Equivalência à Frequência

Informação - Prova de Equivalência à Frequência Informação - Prova de Equivalência à Frequência Ensino Secundário Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Ano letivo 2014/2015 I. INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos

EDUCAÇÃO FÍSICA. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA TEÓRICA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA Código 311 2015 12º Ano de Escolaridade Duração: 90 minutos Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho I OBJECTO DE

Leia mais

FACULDADE SETE DE SETEMBRO TORNEIO INTEGRAÇÃO DOS CURSOS DA FASETE

FACULDADE SETE DE SETEMBRO TORNEIO INTEGRAÇÃO DOS CURSOS DA FASETE TORNEIO INTEGRAÇÃO DOS CURSOS DA FASETE Paulo Afonso 2015 Docentes do curso de Educação Física TORNEIO INTEGRAÇÃO DOS CURSOS DA FASETE Paulo Afonso 2015 Torneio Integração dos Cursos da FASETE Regulamento

Leia mais

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga

RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga RESUMO O Fisiologista do exercício e o controle da carga O papel do fisiologista é monitorar as variáveis fisiológicas que cercam o treinamento, permitindo avaliar o estado do atleta e realizar prognósticos

Leia mais

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal

AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES Funchal AÇÕES DE FORMAÇÃO CREDITADAS PARA TREINADORES 2015 - Funchal Ações Creditadas pelo PNFT 2015 Preços de Inscrição: 1) Ações de 1,4 créditos - 20,00 a. Preço para Filiados - 20,00 2) Ações de 0,8 créditos

Leia mais

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP

Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Correlação entre Índice de Massa Corporal e Circunferência de Cintura de Adolescentes do Município de Botucatu SP Nadine Herreria dos Santos 2 ; Talita Poli Biason 1 ; Valéria Nóbrega da Silva 1 ; Anapaula

Leia mais

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática).

A classificação do exame corresponde à média aritmética simples, arredondada às unidades, das classificações das duas provas (escrita e prática). INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Nº 2/2016 EDUCAÇÃO FÍSICA Prova Escrita e Prova Prática Maio 2016 Prova 28 2016 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente

Leia mais

Brasília Basketball Camp 2016

Brasília Basketball Camp 2016 Javier Maretto é um ex-jogador da seleção Argentina de Basquete e atualmente exerce a função de treinador na equipe de desenvolvimento do clube Liberta sunchales (Clube profissional da Argentina). Tendo

Leia mais

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO

1 OBJETO DE AVALIAÇÃO Informação- Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova escrita e prática Prova 26 2016 3º Ciclo do Ensino Básico O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova Código 28-2016 2º Ciclo do Ensino Básico 6º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20

26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 informação-prova de equivalência à frequência data:. 0 5. 2 0 26 EDUCAÇÃO FÍSICA alunos abrangidos pela Portaria n.º 23/2015, de 27 de fevereiro escrita e prática 3.ºciclo do ENSINO BÁSICO 20 1.O B J E

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Prova de Equivalência à Frequência Educação Física Prova Código 26-2015 3º Ciclo do Ensino Básico 9º Ano de Escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da Prova de

Leia mais

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação

Período de Realização. De 3 de julho à 15 de setembro de População em geral. Sujeitos da Ação Objetivos: Pesquisa Nacional sobre Saúde e Nutrição PNSN (1989) O objetivo central desta pesquisa foi apurar os indicadores da situação nutricional da população brasileira. Procurou-se observar quem eram

Leia mais

PERFIL MORFO-ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS MASCULINOS VELOCISTAS E SALTADORES DOS PROJETOS DE ATLETISMO DA UNIVERSIDADE DE FORTALEZA

PERFIL MORFO-ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS MASCULINOS VELOCISTAS E SALTADORES DOS PROJETOS DE ATLETISMO DA UNIVERSIDADE DE FORTALEZA Recebido em: 3/3/2010 Emitido parece em: 15/3/2010 Artigo original PERFIL MORFO-ANTROPOMÉTRICO DE ATLETAS MASCULINOS VELOCISTAS E SALTADORES DOS PROJETOS DE ATLETISMO DA UNIVERSIDADE DE FORTALEZA Anderson

Leia mais

Maria Tereza Silveira Böhme

Maria Tereza Silveira Böhme Maria Tereza Silveira Böhme terbohme@usp.br Início e desenvolvimento Objetivos Fundamentos teóricos Programas canadense e alemão de TLP Realidade brasileira Produção científica do GEPETIJ Dissertações

Leia mais

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 TÉNIS DE MESA REGULAMENTO 1. Organização A organização da modalidade de Ténis de Mesa nos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da, da

Leia mais

Campus Santo Ângelo. REGULAMENTO - JOGOS ESTUDANTIS 25 de Junho e 02 de julho de 2016 CAPÍTULO I

Campus Santo Ângelo. REGULAMENTO - JOGOS ESTUDANTIS 25 de Junho e 02 de julho de 2016 CAPÍTULO I II JOGOS ESTUDANTIS CAMPUS SANTO ÂNGELO 2016 Campus Santo Ângelo REGULAMENTO - JOGOS ESTUDANTIS 25 de Junho e 02 de julho de 2016 DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Art. 1º - Os JOGOS ESTUDANTIS DO INSTITUTO FEDERAL

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA

ESCOLA SECUNDÁRIA DA MAIA : 90 MINUTOS PROVA TEÓRICA GRUPO I Conhecer os princípios sobre alimentação e saúde Identificar os efeitos e lesões mais frequentes do exercício físico na vida atual Aptidão Física Desporto e Saúde - Condição

Leia mais

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA

ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA ANDEBOL: ESTUDO DO TEMPO DE JOGO E DO TEMPO DE PAUSA Análise do Tempo de Jogo e Tempo de Pausa, em função da alteração de uma regra de jogo (reinício de jogo após golo) Sequeira, P. & Alves, R. Instituto

Leia mais

Minha Saúde Análise Detalhada

Minha Saúde Análise Detalhada MODELO DE RELATÓRIO / Identificação de cliente: 1980M32 Data: 07/03/2016 Seu Peso = 79,0 kg Minha Saúde Análise Detalhada Seu peso está na categoria: Saudável sua altura é 180 cm, você tem 35 anos de idade

Leia mais

ESCOLA DE FUTEBOL PLANET SOCIETY

ESCOLA DE FUTEBOL PLANET SOCIETY Categoria Mamadeira Considerando a pouca idade das crianças nessa categoria, é essencial desenvolver um trabalho de forma lúdica, mas com muito contato com a bola. Esse método permite melhorar a coordenação

Leia mais

Regras importantes LEIA O REGULAMENTO COMPLETO ABAIXO

Regras importantes LEIA O REGULAMENTO COMPLETO ABAIXO Regras importantes LEIA O REGULAMENTO COMPLETO ABAIXO Cada participante deverá estar inscrito em no mínimo uma e no máximo duas modalidades; As EQUIPES que tiverem representantes em todas as modalidades

Leia mais

REGRAS OFICIAIS DO RANKING BRASILEIRO DE BOLICHE

REGRAS OFICIAIS DO RANKING BRASILEIRO DE BOLICHE REGRAS OFICIAIS DO RANKING BRASILEIRO DE BOLICHE 1. Introdução: válidas a partir de 01.01.2015 Integram o ranking brasileiro de boliche todos os atletas filiados à Confederação Brasileira de Boliche CBBol,

Leia mais

SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12

SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12 Departamento de Expressões SÍNTESE DO CURRÍCULO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Ano letivo 2011/12 1. ÁREA DE ATIVIDADES FÍSICAS 3º CICLO MATÉRIAS NUCLEARES SECUNDÁRIO 10º ano 11º e 12º ano Futsal Voleibol Basquetebol

Leia mais

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica

Revista Brasileira de Futsal e Futebol ISSN versão eletrônica 327 ANÁLISE DOS GOLS SOFRIDOS E GOLS FEITOS PELA EQUIPE DE FUTSAL DE NOVA ITABERABA-SC CATEGORIA SUB-17 NO CAMPEONATO CATARINENSE 2013/2014 Ismael Schneider 1 Rogério da Cunha Voser 2 Patrícia Eloi Gomes

Leia mais

EDUCAÇÃO Física. Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães Informação-Prova de Equivalência à Frequência 2015/2016.

EDUCAÇÃO Física. Agrupamento de Escolas Professor Abel Salazar - Guimarães Informação-Prova de Equivalência à Frequência 2015/2016. EDUCAÇÃO Física Prova 26 2016 3.º Ciclo do Ensino Básico 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência à frequência do 3.º ciclo do ensino básico da disciplina

Leia mais

JOGOS INTERCURSOS TABELA e INFORMATIVO N 1

JOGOS INTERCURSOS TABELA e INFORMATIVO N 1 JOGOS INTERCURSOS 2016 TABELA e INFORMATIVO N 1 CHAVEAMENTO FUTSAL MASCULINO CHAVE A CHAVE B CHAVE C CHAVE D CHAVE E CHAVE F CHAVE G CHAVE H 1 - Ciências Contábeis Os danadinhos 1 - Ciências Contábeis

Leia mais

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO

MUNICÍPIOS DA REGIÃO DE SETÚBAL, ASSOCIAÇÕES e ESCOLAS JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO JOGOS DO FUTURO DA REGIÃO DE SETÚBAL 2016 VOLEIBOL REGULAMENTO 1. Organização A organização da competição de Voleibol nos Jogos do Futuro da Região de Setúbal 2016 é da responsabilidade da, em colaboração

Leia mais

Nº ATLETA DATA DE NASC MATRÍCULA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10

Nº ATLETA DATA DE NASC MATRÍCULA 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 PRÓ-REITORIA DE ENSINO IV JOGOS DO IFCE - SOBRAL 0 MODALIDADE: BASQUETEBOL FEMININO Nº ATLETA DATA DE NASC MATRÍCULA 9 0 PRÓ-REITORIA DE ENSINO IV JOGOS DO IFCE - SOBRAL 0 MODALIDADE: BASQUETEBOL MASCULINO

Leia mais

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance.

TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO Processo repetitivo e sistemático composto de exercícios progressivos que visam o aperfeiçoamento da performance. TREINAMENTO FÍSICO Repetição sistemática de exercícios que produz fenômenos

Leia mais

Inteligência Esportiva

Inteligência Esportiva Inteligência Esportiva Objetivo Geral Produzir, aglutinar, sistematizar, analisar e difundir informações sobre o esporte de alto rendimento no Brasil e no mundo. Objetivos Específicos: Definir variáveis

Leia mais

CLUBE ATLETISMO DE MARINHA GRANDE

CLUBE ATLETISMO DE MARINHA GRANDE CLUBE ATLETISMO DE MARINHA GRANDE Índice 1. Introdução... 2 2. Rendimento desportivo... 2 3. Quadro técnico... 4 4. Atletas... 4 5. Organização de eventos... 4 1 1. Introdução Com a construção da pista

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE DESPORTOS PARA DEFICIENTES INTELECTUAIS CAMPEONATO BRASILEIRO DE NATAÇÃO ABDEM REGULAMENTO GERAL I - Das disposições Preliminares Art.1º - O Campeonato Brasileiro de Natação será promovido pela Associação Brasileira de Desportos para Deficientes

Leia mais

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES

DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES DEPARTAMENTO DE EXPRESSÕES Curso Profissional de Técnico de Apoio à Gestão Desportiva Planificação Anual da Disciplina de P.A.F.D. 10º ano Ano Letivo de 2016/2017 Calendarização Domínios e Objetivos Sequências/Conteúdos

Leia mais

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior

Dados da Avaliação. Objetivos. Protocolo de Imagem Corporal Marins e Marins (2010) Foto Auto-Imagem Objetivo. Exame de Sangue. Posturais - Anterior Data: Avaliador: Avaliado: 07/03/2013 Flávio Modelo Bem Vindo ao AVAESPORTE! Esporte Sistemas Incubadora de Empresas UFV (31)3892-5117 31-9332-3136 contato@esportesistemas.com.br www.esportesistemas.com.br

Leia mais

Introdução. 1. Objeto de avaliação

Introdução. 1. Objeto de avaliação AGRUPAMENTO ESCOLAS PROFESSOR CARLOS TEIXEIRA Código 150502 Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Prova 28 2016 6º Ano / 2.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho Normativo n.º

Leia mais

37º JOGOS OLÍMPICOS BOSCONIANOS JOB S

37º JOGOS OLÍMPICOS BOSCONIANOS JOB S BASQUETEBOL Art. 1º - A competição de Basquetebol dos 37º Jogos Olímpicos Bosconianos será regida pelo Regulamento Geral, pelas regras internacionais da FIBA, adotadas pela CBB e por este a) INFANTIL:

Leia mais

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO EXAME DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Ano Letivo 2014-2015 EDUCAÇÃO FÍSICA 3º CICLO DO ENSINO BÁSICO 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características da prova de equivalência

Leia mais

3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015

3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015 3ª ETAPAA DO CAMPEONATO MINEIRO DE TAEKWONDO 2015 Seletiva para o Campeonato Brasileiro e Copa do Brasil (categoriaa faixa preta) 13 e 14 de Junho- Barreiro - BH SUPERVISÃO APOIO o CONVITE Betim, 28 de

Leia mais

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março

INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico. Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 2º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 6A/2015 de 5 de março Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 28 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição

REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL. Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição REGIMENTO ESPECÍFICO BASQUETEBOL Câmara Municipal de Lisboa e Juntas de Freguesia Olisipíadas 2ª edição Índice Preâmbulo 5 Artigo 1.º Escalões Etários, Dimensões do Campo, Bola, Tempo de Jogo e Variantes

Leia mais

CAPITULO III METODOLOGIA

CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA A metodologia seguida neste trabalho é referente a um estudo descritivo e quantitativo. Isto porque a natureza do trabalho desenvolve-se na correlação e comparação entre as diferentes

Leia mais

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos

O que é o VolleySLIDE? História e regras. Escolher o local Espaços e equipamentos. Começar a deslizar Posição inicial e movimentos O Voleibol sentado é um dos desportos Paralímpicos mais entusiasmantes que está a atrair a atenção por ser competitivo e espetacular e pelo seu potencial para promover mudança social positiva. As próximas

Leia mais

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO INFORMAÇÃO-Prova de Equivalência à Frequência 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo nº 1-G/2016, de 6 de abril Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA Código: 26 Tipo de Prova: ESCRITA E PRÁTICA 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo

SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas. Barreiras 60m barreiras 80m barreiras (F) 100m barreiras (M) 250m barreiras Meio-Fundo PROGRAMA DE PROVAS DOS ESCALÕES JOVENS VERSÃO FINAL (Infantis, Iniciados e juvenis) SECTORES INFANTIS INICIADOS JUVENIS Velocidade e Estafetas 60m 150m 4x 60m 80m 250m 4x 80m 100m 200m 300m 4x 100m Barreiras

Leia mais

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA PROVA 344 INFORMAÇÃO- PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 12º Ano de Escolaridade CURSOS CIENTÍFICO-HUMANÍSTICOS SOCIOLOGIA ANO LECTIVO 2011/2012 Tipo de prova: Escrita Duração (em minutos): 90 TEMAS CONTEÚDOS

Leia mais

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA

Metodologia CAPITULO III METODOLOGIA CAPITULO III METODOLOGIA 1. AMOSTRA Com o objectivo de identificar as habilidades psicológicas e avaliar a ansiedade traço, participaram neste estudo 69 praticantes federados de Futebol com idades compreendidas

Leia mais

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR

INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 INTERAÇÃO ENTRE ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, COM FLEXIBILIDADE E FLEXÕES ABDOMINAIS EM ALUNOS DO CESUMAR Alceste Ramos Régio

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física (Prova Escrita + Prova Prática) 2016 Prova 311 ----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS

RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS RELAÇÃO ENTRE INDICADORES DE MUSCULATURA E DE ADIPOSIDADE COM MASSA CORPORAL E RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS INSTITUCIONALIZADOS Marcos Felipe Silva de Lima marcosfelipe@ymail.com Larissa Praça de Oliveira

Leia mais

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL

III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL 1 www.fpatletismo.pt III SEMINÁRIO DE ATLETISMO JUVENIL Organização da Carreira Desportiva no Atletismo 2 www.fpatletismo.pt Treino com Jovens: Análise da Situação Actual

Leia mais

RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT)

RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT) www.campusesine.net RULA (RAPID UPPER LIMB ASSESSMENT) O método RULA (Rapid Upper Limb Assessment) foi desenvolvido por Lynn McAtamney e Nigel Corlett (1993) na Universidade de Nottingham. É um método

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA maio de Prova º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

EDUCAÇÃO FÍSICA maio de Prova º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA EDUCAÇÃO FÍSICA maio de 016 Prova 8 016.....º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/01, de de julho) O presente documento divulga informação relativa

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL

CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL CENTRO UNIVERSITÁRIO UNIVATES COMPLEXO ESPORTIVO 9ª COPA UNIVATES/DCE 2016 REGULAMENTO GERAL DA PROMOÇÃO E ORGANIZAÇÃO: A promoção e a organização são do Centro Universitário UNIVATES/Complexo Esportivo

Leia mais

Relatório de Atividades Esportivas.

Relatório de Atividades Esportivas. Relatório de Atividades Esportivas. ACDEV COLOMBO/PR I - IDENTIFICAÇÃO DA INSTITUIÇÃO 1) INFORMAÇÕES GERAIS ACDEV Nome: ACDEV.. Endereço: Rua Morretes, 282 Paloma Colombo/PR - CEP: 83410-350. Telefones:

Leia mais

Regulamento Específico OlimpiArqui 2016

Regulamento Específico OlimpiArqui 2016 Regulamento Específico OlimpiArqui 2016 TÍTULO I CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º. A competição tem por finalidade fazer o congraçamento de todos os alunos e colaboradores do Colégio Arquidiocesano.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142)

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE ALMANCIL (145142) Prova de equivalência à frequência de Educação Física 2.º Ciclo do Ensino Básico As informações apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA 11º ANO PLANIFICAÇÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA 11º ANO PLANIFICAÇÃO ESCOLA SECUNDÁRIA JOÃO GONÇALVES ZARCO-402011 Objetivos gerais: Realizar atividades de forma autónoma, responsável e criativa Cooperar com outros em tarefas e projetos comuns Relacionar harmoniosamente

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA

ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA ESCOLA SECUNDÁRIA DE S. PEDRO DA COVA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA DE EDUCAÇÃO FÍSICA PROVA 26 / 2015 ---------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

Tipo de Prova (teórica) a efetuar, por decisão da escola, e nos casos em que não seja de todo possível a realização da prova Prática.

Tipo de Prova (teórica) a efetuar, por decisão da escola, e nos casos em que não seja de todo possível a realização da prova Prática. AGRUPAMENTO ESCOLAS PROFESSOR CARLOS TEIXEIRA Código 150502 Informação - Prova de Equivalência à Frequência de Educação Física Prova 26 2016 9º Ano / 3.º Ciclo do Ensino Básico (Despacho Normativo n.º

Leia mais

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008

Introdução à Bioestatística. Profº Lucas Neiva-Silva Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Introdução à Bioestatística Profº Lucas Neiva-Silva lucasneiva@yahoo.com.br Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre 2008 Estatística Do grego statistós, de statízo, que significa estabelecer,

Leia mais

Educação Física - Prova teórica e prática Abril de 2015

Educação Física - Prova teórica e prática Abril de 2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Educação Física - Prova teórica e prática Abril de 2015 Prova 311 2015 12ºano de escolaridade (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) 1. OBJETO DE AVALIAÇÃO

Leia mais

SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE DEPARTAMENTOS ESPORTIVOS

SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE DEPARTAMENTOS ESPORTIVOS SISTEMA DE ADMINISTRAÇÃO DE DEPARTAMENTOS ESPORTIVOS Qual a sua ferramenta de gestão de informações? Ela lhe fornece com segurança e precisão, informações necessárias, rápidas e eficientes? Essas informações

Leia mais

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016

Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga. Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Conservatório de Música Calouste Gulbenkian de Braga INFORMAÇÃO- Prova de Equivalência à Frequência Disciplina: EDUCAÇÃO FÍSICA 2016 Prova 24 2º Ciclo/ 6º Ano de escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012,

Leia mais

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM

ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM ANEXO I UNIVERSIDADE DA REGIÃO DE JOINVILLE UNIVILLE COLÉGIO DA UNIVILLE PLANEJAMENTO DE ENSINO E APRENDIZAGEM 1. Curso: Missão do Colégio: Promover o desenvolvimento do cidadão e, na sua ação educativa,

Leia mais

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso).

Cidade: Ponta Grossa (para todos os Alunos com pretensões para desempenhar a função de árbitro, independente da cidade em que realizou o curso). Caro Sr(a) alunos do Curso de Formação de Oficiais de Arbitragem de Futsal, estamos nos dirigindo a VSrª, para convocá-lo a participar de mais uma etapa componente do processo geral. Nesta etapa, como

Leia mais

Regulamento Técnico Jogos Estudantis para Todos 2012 Secretaria Municipal de Educação e Desporto Novo Hamburgo

Regulamento Técnico Jogos Estudantis para Todos 2012 Secretaria Municipal de Educação e Desporto Novo Hamburgo Regulamento Técnico Jogos Estudantis para Todos 2012 Secretaria Municipal de Educação e Desporto Novo Hamburgo CAPÍTULO I Das Disposições Gerais Art. 1º - Este regulamento é o conjunto das disposições

Leia mais

ELABORAÇÃO DE ESTUDOS DE REVISÃO DA LITERATURA

ELABORAÇÃO DE ESTUDOS DE REVISÃO DA LITERATURA CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM FISIOTERAPIA TRAUMATO- ORTOPÉDICA METODOLOGIA DA INVESTIGAÇÃO CIENTÍFICA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS DE REVISÃO DA LITERATURA Profa. MsC. Paula Silva de Carvalho Chagas Departamento

Leia mais

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS

Apostila de Avaliação Nutricional NUT/UFS 2010 CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL ADULTOS CAPÍTULO 3 AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS AVALIAÇÃO NUTRICIONAL EM ADULTOS A avaliação antropométrica em adultos envolve vários indicadores. A escolha do indicador dependerá do que se quer avaliar e

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS INTERNOS DOS SERVIDORES DO IFRN/CNAT 2012

REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS INTERNOS DOS SERVIDORES DO IFRN/CNAT 2012 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE - IFRN REGULAMENTO GERAL DOS JOGOS INTERNOS DOS SERVIDORES DO IFRN/CNAT 2012 Art. 1º - Os Jogos Internos

Leia mais