RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO"

Transcrição

1 RELAÇÃO ENTRE O SETOR DA QUADRA E O DESFECHO DO CONTRA-ATAQUE NO FUTSAL FEMININO DE ALTO RENDIMENTO Loani Landin Istchuk / UEL Wilton Carlos de Santana / UEL Hélcio Rossi Gonçalves / UEL ոո Palavras-chave: Futsal, Análise de Jogo, Contra-Ataque. INTRODUÇÃO A análise de jogo tem se constituído em uma valiosa ferramenta para a descrição e a obtenção de conhecimento sobre os jogos esportivos coletivos, tornando-se aliada na otimização do rendimento dos jogadores e das equipes. Sua aplicação permite, por exemplo, compreender os procedimentos táticos usados pelas equipes em realidade competitiva nos diferentes momentos do jogo, municiando treinadores na gestão do treino e da competição (GAR- GANTA, 2001). Esses momentos do jogo retratam os contextos táticos de organização ofensiva, organização defensiva, transição ofensiva, transição defensiva e bolas R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p ,

2 paradas ofensivas e defensivas (PIVETTI, 2012). Essas fases correspondem às relações de oposição evolutivas que expressam em particular a localização dos jogadores, da bola e, sobretudo, a evolução provável que se pode deduzir a partir das trajetórias e das relações de velocidade observadas (GREHÁIGNE, 2001). O contra-ataque se encaixa no momento de transição ofensiva, em que há uma passagem veloz de uma postura defensiva para ofensiva, mediante, por exemplo, uma interceptação de passe, desarme, defesa do goleiro ou rápida reposição de bola (SANTANA, 2008). Se por um lado o contra-ataque tem sido analisado no âmbito do futsal masculino de alto rendimento e, por extensão, já se sabe que se trata de uma situação incidente e favorável para a marcação de gols (FUKUDA; SANTANA, 2012; MARCHI et al., 2010; SANTANA; GARCIA, 2007), por outro lado pouco se conhece sobre o seu desenvolvimento no âmbito do futsal feminino de alto rendimento. Sendo assim, este estudo teve por objetivo analisar o contra-ataque em jogos de futsal feminino de alto rendimento, verificando se o setor da quadra no qual ele é desenvolvido interfere no seu desfecho. MÉTODOS Trata-se de um estudo descritivo observacional (GAYA, 2008). Constituiu a amostra um total de 110 (24±4,90) ações retiradas dos cinco jogos entre as quatro equipes mais bem classificadas da 18 a Taça Brasil de Clubes. Nesses jogos foram marcados um total de 21 (4,2±2,86) gols. As ações foram editadas e, posteriormente analisadas. Os dados foram anotados em formulários específicos. O apelo ao meio audiovisual foi escolhido por permitir a visualização repetida e detalhada do comportamento técnico-tático quantas vezes necessária, minimizando os erros de observação. Foram adotados os seguintes critérios de observação: a) Para o setor da quadra onde se desenvolveu o contra-ataque: lateral ou centro; b) Para o desfecho do contra-ataque: positivo no caso de gol, finalização no gol e finalização para fora; negative no caso de interceptação de passe, 444 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p , 2013

3 desarme, bloqueio, bola perdida, passe para fora, falta; neutro no caso de opção pelo ataque posicional. Para verificar a qualidade da informação foi utilizada a concordância entre observadores (CEO) (THOMAS; NELSON; SILVERMAN, 2007), encontrando-se uma concordância intraobservador e interobservador, respectivamente, de 0,90 e 0,85 para o local da quadra e 0,90 e 0,90 para o desfecho do contra-ataque. O procedimento estatístico utilizado foi o de estatística descritiva anotando os valores de frequência absoluta (f) e frequência relativa (%). Assim como o teste de X 2 para comparações entre as proporções do desfecho do contra ataque e o setor da quadra. O projeto foi aprovado pelo Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos na Universidade Estadual de Londrina/Hospital Regional Norte do Paraná (Parecer 192/09). RESULTADOS E DISCUSSÃO A Tabela 1 contempla o desfecho do contra-ataque, considerando os tipos de ação técnico-táticas empregados pelos jogadores e o setor da quadra. Nota-se a falta de preferência das equipes em atacarem por um dos setores da quadra, contrariando o princípio de se buscar o centro da quadra para contra-atacar, na medida em que isso proporcionaria tanto um maior ângulo de finalização e possibilidades de passe (SAMPEDRO, 1999), quanto a possibilidade da projeção de jogadores pelas alas (SANTANA, 2008). R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p ,

4 Tabela 1 - Valores absolutos e relativos para os desfechos do contra-ataque segundo o setor da quadra. Desfecho do contraataque Positivo Centro Lateral Somas Ações técnico-táticas f % f % f % Gol 8 7,27 3 2,73 Finalizações no gol 12 10,91 4 3,64 Finalizações para fora 4 3,64 8 7, ,46 Negativo Sub total 24 21, ,64 Desarmes 11 10, ,00 Bola perdida 1 0,91 1 0,91 Bloqueios 3 2,73 4 3,64 Passe para fora 3 2,73 4 3,64 Interceptação de passe 6 5,45 4 3,64 Faltas 1 0,91 4 3,64 Sub total 25 22, , ,2 Neutro Opções pelo Ataque Organizado 4 3,64 3 2,73 7 6,37 TOTAL 53 48, , ,0 Positivo 24 49, , ,9 Negativo 25 51, , ,1 Total , , ,0 Talvez isso explique os motivos de os contra-ataques desenvolvidos pela lateral originarem menos gols do que os desenvolvidos pelo centro, respectivamente, 5,26%; e 15,09%; menor número de finalizações no gol: 7,01% e 22,64%; maior número de finalizações para fora: 14,03% e 7,54%; maior número de desarmes: 38,59% e 20,75%. Por outro lado, destaca-se o menor número de interceptações de passe quando o contra-ataque foi desenvolvido pela lateral comparado ao conduzido pelo centro, respectivamente, 7, 01% e 11,32%. Quanto aos valores de X 2, entre o desfecho do contra ataque e o setor da quadra, o valor foi de 4,908, com nível de significância de 0,027, o que nos fez assumir que a hipótese de que contra-atacar pelo centro da quadra apresenta significativamente mais vantagem em relação à lateral da quadra. Lembrando que, neste caso, optamos por excluir as ações neutras (opção pelo ataque organizado). 446 R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p , 2013

5 Verifica-se que mais da metade do total de contra-ataques obteve um desfecho negativo. Entre as ações técnico-táticas que produziram esse desfecho se sobressaem os desarmes e as interceptações de passe (42,64%). Isso é preocupante, pois estas foram reportadas como as mais incidentes na origem de contra-ataques em jogos de futsal de alto rendimento (SANTANA; GARCIA, 2007). Em teoria, esse achado permite inferir que é muito alta a possibilidade de a equipe que ataca sofrer um contra-ataque. Igualmente, constata-se o baixo percentual de gols convertidos (10%) diante do elevado número de contra-ataques produzidos, corroborando o achado de Marchi et al. (2010). Ainda assim, as jogadas de contra-ataque foram reportadas como mais efetivas para a consecução de gols do que as de ataque posicional (SANTOS, 2011). É plausível que isso aconteça em função do desequilíbrio numérico ou posicional dos defensores diante do contra-ataque, o que não acontece diante do ataque posicional, quando se defende em sistema (SAMPEDRO, 1999). Neste sentido, a média de 2,2 (±1,92) gols por jogo encontrada no presente estudo ratifica que o gol mediante o contra-ataque acontece de forma efetiva em jogos de futsal, ratificando os estudos de Santana e Garcia (2007) e Santos (2010). Igualmente, considerando o número total de gols entre os jogos estudados, verifica-se que 53,38% destes se originaram de contra-ataques, percentual superior aos encontrados nos estudos de Fukuda e Santana (2012) e Marchi et al. (2010) no âmbito do futsal masculino de alto rendimento, respectivamente, 24,35% e 30,09%. CONCLUSÃO Embora as equipes tenham demonstrado uma discreta preferência em atacar pela lateral em relação ao centro da quadra, os dados permitiram concluir que o setor da quadra parece interferir no desfecho do contra-ataque. Isso porque, independentemente de o desfecho ter sido positivo ou negativo, os desenvolvidos pelo centro proporcionaram mais gols, maior número de finalizações no gol, menor número de finalizações para fora e menos desarmes do que os desenvolvidos pela lateral. R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p ,

6 Portanto, em hipótese, se mais contra-ataques fossem desenvolvidos pelo centro maiores seriam as vantagens e se minimizaria as desvantagens, o que parece ser motivo suficiente para que os treinadores da modalidade atentem para os achados do presente estudo quando da gestão do treino e da competição. REFERÊNCIAS FUKUDA, J. P.; SANTANA, W. Análise dos gols em jogos da Liga Futsal Revista Brasileira de Futsal e Futebol, v.4, n.11, p , GARGANTA, J. A análise da performance nos jogos desportivos: revisão acerca da análise do jogo. Revista Portuguesa de Ciências do Desporto, v. 1, n. 1, p , GAYA, A. Ciências do movimento humano: introdução à metodologia da pesquisa. Porto Alegre: Artmed, GRÉHAIGNE, J. F. La organización del juego en el fútbol. Barcelona: INDE, MARCHI, R.; SILVA, C.; SCRAMIN, L.; TEIXEIRA, A.; CHIMINAZZO, J. Incidência de gols resultantes contra-ataques de equipes de futsal. Conexões, v. 8, n. 3, p , PIVETTI, B. Periodização tática: o futebol-arte alicerçado em critérios. São Paulo: Phorte, SAMPEDRO, J. Fundamentos de táctica deportiva. Madri: Editorial Gymnos, SANTANA, W. C. Futsal: apontamentos pedagógicos na iniciação e na especialização. 2. ed. Campinas: Autores Associados, SANTANA, W.; GARCIA, O. A incidência do contra-ataque em jogos de futsal de alto rendimento. Revista Pensar a Prática, v. 10, n. 1, p , SANTOS, F. O índice de aproveitamento dos contra-ataques é superior aos das jogadas ofensivas de posse de bola. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, v. 3, n. 7, p , SANTOS, M. A.; NAVARRO, A. Análise dos gols da Copa do Mundo de futsal da Fifa Revista Brasileira de Futsal e Futebol, v. 2, n. 4, p , THOMAS, J. R.; NELSON, J. N.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, R. Min. Educ. Fís., Viçosa, Edição Especial, n. 9, p , 2013

SITUAÇÕES TÁTICAS DO DESARME COM RECUPERAÇÃO DA BOLA NOS JOGOS DE FUTEBOL

SITUAÇÕES TÁTICAS DO DESARME COM RECUPERAÇÃO DA BOLA NOS JOGOS DE FUTEBOL SITUAÇÕES TÁTICAS DO DESARME COM RECUPERAÇÃO DA BOLA NOS JOGOS DE FUTEBOL Laércio Ferreira de Oliveira 1 ; Antonio Coppi Navarro 1 1 PPGLS-UGF/Especialização em Metodologia da Aprendizagem e Treinamento

Leia mais

Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando

Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando Estudo comparativo do comportamento táctico na variante 'GR3x3GR' utilizando balizas de futsal e de futebol de sete Estudio comparativo del comportamiento táctico en la variante 'GR3x3GR' utilizando arcos

Leia mais

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática

Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Passini, G.K.;Gonçalves, N. B.;Geraldello, F.H.S. 1 Tecnologia e interdisciplinaridade no ensinoaprendizagem da Matemática Gabriel

Leia mais

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014

Princípios de Jogo Formação - Infantis 2013-2014 O futebol é um jogo de oposição entre os jogadores de duas equipas e, simultaneamente, um jogo de cooperação entre os elementos da mesma equipa que procuram, a todo o momento, a adopção de comportamentos

Leia mais

COMPARAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO TÁTICA OFENSIVA DAS SELEÇÕES DA HOLANDA E INGLATERRA NA 1ª FASE DA COPA DO MUNDO DE 2010.

COMPARAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO TÁTICA OFENSIVA DAS SELEÇÕES DA HOLANDA E INGLATERRA NA 1ª FASE DA COPA DO MUNDO DE 2010. COMPARAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO TÁTICA OFENSIVA DAS SELEÇÕES DA HOLANDA E INGLATERRA NA 1ª FASE DA COPA DO MUNDO DE 2010. Bruno Vinicius de Freitas Silva Renato Henrique dos Santos Maurício Teodoro de Souza

Leia mais

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na

Como acontece em vários esportes, há divergências no que se refere à história de origem do futsal. Alguns acreditam que o mesmo tenha se originado na FUTSAL O futebol de salão conhecido apenas como futsal é uma prática adaptada do futebol. Em uma quadra esportiva são formados times de cinco jogadores e assim como no futebol, o principal objetivo é colocar

Leia mais

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES

EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES EXEMPLO: QUANTIFICAÇÃO DAS AÇÕES OFENSIVAS DO GOALBALL NOS JOGOS PARALÍMPICOS DE LONDRES 2012 Thiago Magalhães / UNICAMP Otávio Luis Piva da Cunha Furtado / UNICAMP Márcio Pereira Morato / USP Diego Henrique

Leia mais

COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS

COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS Formação COACHING DESPORTIVO APLICADO ÀS - A Liderança do Desporto para as Organizações - Luanda Lisboa Fev. 2015 Em parceria com Apresentação Alcançar elevados níveis de desempenho e obter o máximo de

Leia mais

LIDERANÇA DESPORTIVA APLICADA ÀS

LIDERANÇA DESPORTIVA APLICADA ÀS Formação LIDERANÇA DESPORTIVA APLICADA ÀS - A Liderança do Desporto para as Organizações - Luanda 17 e 18 Março 2015 Hotel Skyna **** Em parceria com Apresentação Alcançar elevados níveis de desempenho

Leia mais

IMPACTOS Agudos / de Momento e Crónicos / Constantes.

IMPACTOS Agudos / de Momento e Crónicos / Constantes. Wash Scoring (Limpar a Pontuação) por Tom Tait (treinador de Voleibol dos EUA Penn State University e ex-adjunto das Selecções Sénior Masculinas; USA All-Time Great Coach Award) UM POUCO DE HISTÓRIA Em

Leia mais

LIDERAR COMO UM TREINADOR

LIDERAR COMO UM TREINADOR info@bizpoint.pt 21 828 09 57 www.bizpoint.pt LIDERAR COMO UM TREINADOR - A Liderança do Desporto para as Organizações - VALOR PROMOCIONAL até 15 Junho Lisboa 7 e 8 Julho 2015 Organização: Apresentação

Leia mais

Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental

Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental Conteúdo de prova 2ª etapa 6º ano Fundamental Jogos Populares Os jogos populares buscam resgatar jogos culturais e tradicionais de várias regiões do mundo. Vários costumes e acontecimentos na antiguidade

Leia mais

O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues

O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues O VOLEIBOL COMO CONTEÚDO ESCOLAR DA EDUCAÇÃO FÍSICA: TER OU NÃO SER Sonia Maria Soares Barbosa de Sousa Ana Maria da Silva Rodrigues RESUMO: O conteúdo voleibol, enquanto prática desportiva nas escolas

Leia mais

O Sistema de Localização do Praticante Desportivo

O Sistema de Localização do Praticante Desportivo O Sistema de Localização do Praticante Desportivo Programa Mundial Antidopagem Agência Mundial Antidopagem (AMA) Programa Mundial Antidopagem A Agência Mundial Antidopagem foi fundada em 1999, como organismo

Leia mais

FPF PROGRAMA E3L1P2 PERFIL DO PRATICANTE DE FUTSAL ETAPAS DE FORMAÇÃO DO JOGADOR DE FUTSAL

FPF PROGRAMA E3L1P2 PERFIL DO PRATICANTE DE FUTSAL ETAPAS DE FORMAÇÃO DO JOGADOR DE FUTSAL FPF PROGRAMA E3L1P2 PERFIL DO PRATICANTE DE FUTSAL ETAPAS DE FORMAÇÃO DO JOGADOR DE FUTSAL 1. INTRODUÇÃO 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA > 2.1 Futsal como jogo desportivo coletivo > 2.2 Fatores de rendimento

Leia mais

COMPORTAMENTOS TÁTICOS NO JOGO DE FUTSAL: OS PRINCÍPIOS DO JOGO

COMPORTAMENTOS TÁTICOS NO JOGO DE FUTSAL: OS PRINCÍPIOS DO JOGO COMPORTAMENTOS TÁTICOS NO JOGO DE FUTSAL: OS PRINCÍPIOS DO JOGO LUÍS BRAVO 1 MARIA TERESA OLIVEIRA 2 1 Docente no Agrupamento de Escolas de Sátão Portugal. (e-mail: luisbrav@gmail.com) 2 Docente da Escola

Leia mais

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir

Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Basquetebol A transição defesa-ataque nos escalões de sub-14 e sub-16: como fazer e como construir Helder Silva Considerações gerais Índice Proposta de ensino do tema Transição Defesa Ataque O que é?,

Leia mais

ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E DESENVOLVIMENTO HUMANO GRUPO DE INVESTIGAÇÃO

ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E DESENVOLVIMENTO HUMANO GRUPO DE INVESTIGAÇÃO ADAPTAÇÃO, RENDIMENTO E GRUPO DE INVESTIGAÇÃO ?? Domínios de investigação 2 ADAPTAÇÃO HUMANA processos de avaliação cognitiva na adaptação a situações de stress? ADAPTAÇÃO HUMANA fatores psicológicos na

Leia mais

Curso COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL ( Nível II )

Curso COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL ( Nível II ) Curso COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL ( Nível II ) LISBOA 27, 28 e 29 Junho 2014 PORTO 26, 27 e 28 Setembro 2014 www.coachingdesportivo.pt Apresentação Dando continuidade à linha seguida no Nível I

Leia mais

Aqui você também vai encontrar o botão ""Autocompletar"", que ajuda na criação do alinhamento, caso você não consiga se decidir.

Aqui você também vai encontrar o botão Autocompletar, que ajuda na criação do alinhamento, caso você não consiga se decidir. 1. ATIVAR CARTA Nesta seção, localizada dentro do ""shopping center"", você precisa inserir o código que aparece no verso da sua carta real para adicioná-la à sua coleção virtual. Às vezes, você pode se

Leia mais

ANEXO I. Bolsa Atleta-IF. Requerimento

ANEXO I. Bolsa Atleta-IF. Requerimento INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI ANEXO I Bolsa Atleta-IF Requerimento COLAR FOTO Eu, aluno (a) do curso,, matrícula, venho, através

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Rio de Janeiro 29, 30 e 31 Agosto 2014 Belo Horizonte 5, 6 e 7 Setembro 2014 Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma atividade

Leia mais

Curso de COACHING ESPORTIVO e TREINO MENTAL (I)

Curso de COACHING ESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Curso de COACHING ESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Curitiba - PR 31 de Julho, 1 e 2 de Agosto 2015 Apresentação O Coaching Esportivo perfila-se, cada vez mais, como uma atividade complementar ao desenvolvimento

Leia mais

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal

Fundamentos Teórico-Práticos do Aquecimento no Futsal futsalcoach.com la web para el técnico de fútbol sala C Copyright 2005, F U T S A L C O A C H, Spain Todos los derechos reservados Autor: Prof. João Carlos Romano Preparador Físico de la Selección Brasileña

Leia mais

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II

Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II Unidades de Formação e Cargas Horárias Taekwondo Grau II UNIDADES DE FORMAÇÃO HORAS 1. TAEKWONDO II 32 2. HISTÓRIA E FILOSOFIA DO TAEKWONDO 4 3. REGRAS DE ARBITRAGEM: COMBATES E POOMSAES 4 4. ORGANIZAÇÃO

Leia mais

TÍTULO: EFEITO DE DOZE SEMANAS DE TREINAMENTO ESPECÍFICO NA AGILIDADE DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL.

TÍTULO: EFEITO DE DOZE SEMANAS DE TREINAMENTO ESPECÍFICO NA AGILIDADE DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL. TÍTULO: EFEITO DE DOZE SEMANAS DE TREINAMENTO ESPECÍFICO NA AGILIDADE DE CRIANÇAS PRATICANTES DE FUTEBOL. CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: EDUCAÇÃO FÍSICA INSTITUIÇÃO: FACULDADES

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE O ESTILO DE LIDERANÇA TÉCNICA PREFERIDO PELAS JOGADORAS DE VÔLEI

UM ESTUDO SOBRE O ESTILO DE LIDERANÇA TÉCNICA PREFERIDO PELAS JOGADORAS DE VÔLEI UM ESTUDO SOBRE O ESTILO DE LIDERANÇA TÉCNICA PREFERIDO PELAS JOGADORAS DE VÔLEI (2009) Paula Barbosa Santos Universidade São Francisco (USF), Brasil Orientadora: Wanderli da Costa Fonseca Email: paulabs2001@yahoo.com.br

Leia mais

Movimento ISSN: 0104-754X stigger@adufrgs.ufrgs.br Escola de Educação Física Brasil

Movimento ISSN: 0104-754X stigger@adufrgs.ufrgs.br Escola de Educação Física Brasil Movimento ISSN: 0104-754X stigger@adufrgs.ufrgs.br Escola de Educação Física Brasil Vicenzi Casarin, Rodrigo; Silva Reverdito, Riller; de Lima Greboggy, Dênis; Afonso, Carlos Alberto; Scaglia, Alcides

Leia mais

Rugby de contato, bom ou ruim?

Rugby de contato, bom ou ruim? Vejo muitos treinadores reclamar do quanto seus jogadores jogam rugby de contato antes do treino ou nas horas vagas. Talvez tenham medo de que os jogadores criem maus hábitos e não se dediquem aos fundamentos

Leia mais

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu

Projecto de criação. Escola de Futebol do. Clube Académico de Futebol Viseu Projecto de criação Escola de Futebol do Clube Académico de Futebol Viseu Setembro de 2002 Índice Metas propostas do projecto... 3 Recursos humanos... 3 Recursos materiais... 4 Instalações... 4 Material

Leia mais

RUGBY TAG. Eraldo dos Santos Pinheiro Gregory Schuster da Silva INTRODUÇÃO

RUGBY TAG. Eraldo dos Santos Pinheiro Gregory Schuster da Silva INTRODUÇÃO RUGBY TAG Eraldo dos Santos Pinheiro Gregory Schuster da Silva INTRODUÇÃO No mundo hoje, o Rugby é uma das modalidades que mais cresce, sendo a Copa do Mundo de Rugby o terceiro evento mais visto no mundo

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ FACULDADE DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DE SAÚDE CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA Regiane de Oliveira Galdino O PAPEL DO PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA NAS ESCOLAS EM RELAÇÃO AOS JOGOS COLEGIAIS.

Leia mais

ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO

ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO 2 ESPECIALIZAÇÃO PRECOCE NO FUTEBOL BRASILEIRO Ricardo Souza de Brito Resumo: O presente trabalho pretende contribuir com profissionais que atuam na área da iniciação do futebol. Uma questão bastante discutida

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental

EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental EDUCAÇÃO FÍSICA Conteúdo de prova 5ª etapa 6º ano Fundamental ATLETISMO - Corridas A prática das corridas envolvem basicamente o bom condicionamento físico do atleta. Nas provas oficiais as corridas dividem-se

Leia mais

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS

CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 TESTE ESCRITO PERGUNTAS FEDERAÇÃO PORTUGUESA DE FUTEBOL CONSELHO DE ARBITRAGEM CURSO DE APERFEIÇOAMENTO, ACTUALIZAÇÃO E AVALIAÇÃO ÁRBITROS ASSISTENTES DE 2.ª CATEGORIA Futebol de 11 Tomar, 5 de Agosto de 2007 ÉPOCA 2007/2008

Leia mais

Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Rev Andal Med Deporte. 2014;7(1):13-20. www.elsevier.es/ramd

Revista Andaluza de Medicina del Deporte. Rev Andal Med Deporte. 2014;7(1):13-20. www.elsevier.es/ramd C E N T R O A N D A L U Z D E M E D I C I N A D E L D E P O R T E Volumen. 7 Número. 1 Marzo 214 Incluida en: Thermographic profile of soccer players lower limbs Influence of cryotherapy on muscle damage

Leia mais

Sistema, Estratégia e Tática de Jogo no Futebol: Análise do Conhecimento dos. Profissionais que Atuam no Futebol. 1

Sistema, Estratégia e Tática de Jogo no Futebol: Análise do Conhecimento dos. Profissionais que Atuam no Futebol. 1 Sistema, Estratégia e Tática de Jogo no Futebol: Análise do Conhecimento dos Profissionais que Atuam no Futebol. 1 Caroline Colucio Vendite 2 e Antonio Carlos de Moraes 3 Faculdade de Educação Física,

Leia mais

para a organização do jogo

para a organização do jogo Futebol: Referências para a organização do jogo 1 João do Nascimento Quina Futebol: Referências para a organização do jogo 59 João do Nascimento Quina Futebol: Referências para a organização do jogo SÉRIE

Leia mais

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013

Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 Confederação Brasileira de Voleibol PREPARAÇÃO FÍSICA Prof. Rommel Milagres SAQUAREMA Dezembro 2013 CURRICULUM VITAE Chefe do Departamento e Preparação Física do Minas Tênis Clube desde 1978 Preparador

Leia mais

Palavras-chaves: Preparação física. Futebol. Atletas

Palavras-chaves: Preparação física. Futebol. Atletas A PREPARAÇÃO FÍSICA DOS ATLETAS DE FUTEBOL PROFISSIONAL NOS CLUBES DE TERESINA: UM ESTUDO SOBRE A REALIDADE QUE ENVOLVE O TREINAMENTO João Luiz Naves da Silva Maria Helena Cavalcante Sérvio Dilma Aurélia

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) FUNCHAL 23-25 Abril 2015 Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma atividade complementar ao desenvolvimento de competências

Leia mais

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I

REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I I MACEIÓ-AL, 2015 REGULAMENTO GERAL CAPÍTULO I DA FINALIDADE DO EVENTO Art. 1º - O esporte é considerado um fenômeno cultural da humanidade capaz de propiciar inúmeros benefícios aos seus praticantes.

Leia mais

O impacto da Copa 2014 no valor de mercado da Seleção Brasileira

O impacto da Copa 2014 no valor de mercado da Seleção Brasileira PLURI Consultoria São Paulo - Brasil Twitter: @pluriconsult www.facebook/pluriconsultoria O impacto da Copa 2014 no valor de mercado da Seleção Brasileira Fernando Ferreira Economista, Especialista em

Leia mais

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE DO VALE DO PARAÍBA FACULDADE DE EDUCAÇÃO E ARTES CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA A INFLUÊNCIA DOS JOGOS COM CAMPO REDUZIDO NO DESENVOLVIMENTO E APRIMORAMENTO DAS CAPACIDADES TÉCNICAS E TÁTICAS DE

Leia mais

JOGOS INTERNOS 2012. Eu faço parte desta história! Regulamento. Colégio Santa Dorotéia BH.

JOGOS INTERNOS 2012. Eu faço parte desta história! Regulamento. Colégio Santa Dorotéia BH. Colégio Santa Dorotéia BH. Departamento de Educação Física e Artes DEFA SEGMENTO: 6ª a 8ª séries Ensino Fundamental JOGOS INTERNOS 2012 Eu faço parte desta história! Regulamento Colégio Santa Dorotéia

Leia mais

FUTSAL CONTEXTO HISTÓRICO DO FUTSAL

FUTSAL CONTEXTO HISTÓRICO DO FUTSAL FUTSAL CONTEXTO HISTÓRICO DO FUTSAL Brasileiro ou uruguaio? É com esta dúvida que se começa a explicar o nascimento do futsal, que surgiu com o nome de futebol de salão e em 1989, quando passou para a

Leia mais

O TREINAMENTO ESPECÍFICO PARA GOLEIROS DE FUTEBOL: UMA PROPOSTA DE MACROCICLO

O TREINAMENTO ESPECÍFICO PARA GOLEIROS DE FUTEBOL: UMA PROPOSTA DE MACROCICLO O TREINAMENTO ESPECÍFICO PARA GOLEIROS DE FUTEBOL: UMA PROPOSTA DE MACROCICLO GUILLERMO DE ÁVILA GONÇALVES, ROGÉRIO MARCUS DE OLIVEIRA NOGUEIRA Resumo: este artigo apresenta uma proposta de treinamentos

Leia mais

Centro Educacional Brasil Central QNE 24 Lotes 06/10 Avenida SAMDU Norte - Taguatinga/DF Fones: 3354-0046/3354-0048

Centro Educacional Brasil Central QNE 24 Lotes 06/10 Avenida SAMDU Norte - Taguatinga/DF Fones: 3354-0046/3354-0048 Disciplina: Artes Módulo I - Tema: CONCEITO DE ARTE? Módulo II - Tema: RENASCIMENTO Módulo III - Tema: IMPRESSIONISMO Módulo IV - Tema: CUBISMO Disciplina: Ciências Módulo I - Tema: O PLANETA TERRA - O

Leia mais

Lista abaixo com nome do jogador, clube, idade atual e daqui a quatro anos

Lista abaixo com nome do jogador, clube, idade atual e daqui a quatro anos Lista abaixo com nome do jogador, clube, idade atual e daqui a quatro anos GOLEIROS: NETO FIORENTINA 24 anos 28 anos SAIU MUITO JOVEM DO BRASIL ONDE ATUAVA PELO ATLÉTICO/PR. HOJE É TITULAR ABSOLUTO DA

Leia mais

" FUTSAL FEMININO É PAIXÃO VEM JOGAR COM O CRCQL"

 FUTSAL FEMININO É PAIXÃO VEM JOGAR COM O CRCQL O Centro Recreativo e Cultural da Quinta dos Lombos e a sua secção de Futsal Feminino têm como política apostar na formação. Essa aposta tem dado os seus frutos: 1) Equipa Sénior Feminina Vice-Campeã Distrital

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (Nível I) LISBOA 22-24 Out. 2015 PORTO 29-31 Out. 2015 LOULÉ 5-7 Nov. 2015 Mais de 350 www.coachingdesportivo.pt pessoas formadas!! Apresentação O Coaching

Leia mais

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS

RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS RESPONSABILIDADES DOS AGENTES FORMATIVOS CAB ÉPOCA 2015/2016 SUPERVISORES Definem os conceitos e os modelos de treino e de jogo que devem orientar o funcionamento das equipas da Formação de maneira a que

Leia mais

esporte e inclusão social: estudo de caso de uma equipe de alto nível de Futsal

esporte e inclusão social: estudo de caso de uma equipe de alto nível de Futsal esporte e inclusão social: estudo de caso de uma equipe de alto nível de Futsal sports and social inclusion: case study in a futsal high performance team Antonio Bezerra 1 Tainá Domingues 2 Carlos Henrique

Leia mais

«Coaching ABM» Gabinete Técnico 05/06 Cadetes

«Coaching ABM» Gabinete Técnico 05/06 Cadetes Gabinete Técnico 0/06 Cadetes Gabinete Técnico 0/06 Cadetes Gabinete Técnico 0/06 Cadetes «Coaching ABM» GABINETE TÉCNICO DA ABM João Paulo Silva (Juca) Carlos Sousa - Quando se viaja em direcção a um

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA VALDOMIRO DE OLIVEIRA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA VALDOMIRO DE OLIVEIRA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA VALDOMIRO DE OLIVEIRA O PROCESSO ENSINO-TREINAMENTO DA TÉCNICA E DA TÁTICA NO BASQUETEBOL DO BRASIL: UM ESTUDO SOB A ÓTICA DE PROFESSORES

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO NO FUTEBOL: CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA GRELHA DE OBSERVAÇÃO DO TESTE GR3-3GR *

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO NO FUTEBOL: CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA GRELHA DE OBSERVAÇÃO DO TESTE GR3-3GR * ARTIGO AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO TÁTICO NO FUTEBOL: CONCEPÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA GRELHA DE OBSERVAÇÃO DO TESTE GR3-3GR * Israel Teoldo da Costa 1,3 Júlio Garganta 3,4 Pablo Juan Greco 2 Isabel Mesquita

Leia mais

Calendário Esportivo 2015

Calendário Esportivo 2015 www.mottafilho.com.br mottafilho.103@uol.com.br contato@mottafilho.com.br Calendário Esportivo 2015 REALIZAÇÃO: PREFEITURA MUNICIPAL DE URUAÇU ORGANIZAÇÃO: SUPERINTENDÊNCIA MUNICIPAL DE ESPORTES GESTÃO:

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Praia da Vitória Ilha Terceira Apoios: 6, 7 e 8 Junho 2014 Modelo O curso de Coaching Desportivo e Treino Mental (Nível I), insere-se num modelo progressivo

Leia mais

O ENSINO DA TÉCNICA E DA TÁTICA: NOVAS ABORDAGENS METODOLÓGICAS

O ENSINO DA TÉCNICA E DA TÁTICA: NOVAS ABORDAGENS METODOLÓGICAS O ENSINO DA TÉCNICA E DA TÁTICA: NOVAS ABORDAGENS METODOLÓGICAS TEACHING THE TECHNIQUE AND THE TACTICS: NEW METHODOLOGICAL APPROACHES Luciane Cristina Arantes da Costa Juarez Vieira do Nascimento ** RESUMO

Leia mais

Estudo dos comportamentos táticos de jogadores de Futebol em jogos reduzidos e por estatuto posicional

Estudo dos comportamentos táticos de jogadores de Futebol em jogos reduzidos e por estatuto posicional Estudo dos comportamentos táticos de jogadores de Futebol em jogos reduzidos e por estatuto posicional Dissertação apresentada às provas de Mestrado no ramo de Ciências do Desporto nos termos do Decreto-lei

Leia mais

2º CAMPEONATO MUNICIPAL DE MATRAQUILHOS. Normas de Funcionamento

2º CAMPEONATO MUNICIPAL DE MATRAQUILHOS. Normas de Funcionamento 2º CAMPEONATO MUNICIPAL DE MATRAQUILHOS Normas de Funcionamento Normas de Funcionamento Considerando a importância que a promoção da dinâmica desportiva assume no concelho, a Câmara Municipal da Lourinhã,

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE TREINADORES DE QUADRA 2014/2016

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE TREINADORES DE QUADRA 2014/2016 CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE VOLEIBOL REGULAMENTO PARA OS CURSOS DE TREINADORES DE QUADRA 2014/2016 CURSOS DE TREINADORES DA CBV SUMÁRIO 1.0-REGULAMENTO GERAL...01 1.1-NÍVEL DOS CURSOS...01 1.2-CONDIÇÕES

Leia mais

PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA

PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA PROJECTO NACIONAL DE FORMAÇÃO ORDENDADA CONCEITO e OBJECTIVOS FORÇA 8 é a sigla do Projecto Nacional da Formação Ordenada. Tem com principal objectivo a formação específica dos jogadores, treinadores e

Leia mais

A COPA QUE INTERESSA

A COPA QUE INTERESSA EDUARDO MENEZES A COPA QUE INTERESSA SERRA LEOA Copyright 2010 Eduardo Menezes Preparação Gustavo Faraon Revisão Rodrigo Rosp Capa e projeto gráfico Gabriel Gama Diagramação Kraskin Comunicação Dados Internacionais

Leia mais

PERSPECTIVAS DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL I QUANTO ÀS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA RESUMO

PERSPECTIVAS DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL I QUANTO ÀS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA RESUMO PERSPECTIVAS DOS ALUNOS DO ENSINO FUNDAMENTAL I QUANTO ÀS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA Eduardo Manzano Sorroche dudumanzano10@hotmail.com RESUMO O objetivo deste estudo é descrever as perspectivas de alunos

Leia mais

Artigo Original. A escolha da tática de jogo no futebol de campo. Resumo. 48 Rev Bras Futebol 2010 Jul-Dez; 03(2): 48-55. Soccer game tactic choice

Artigo Original. A escolha da tática de jogo no futebol de campo. Resumo. 48 Rev Bras Futebol 2010 Jul-Dez; 03(2): 48-55. Soccer game tactic choice ISSN: 1983-7194 Soccer game tactic choice Kaid, JC 1 ; Kaid, DF 2 ; Casarin, CAS 3, Arsa, G 3 1-Programa de Pós-Graduação Lato Sensu - Universidade Federal de Viçosa (UFV). 2-Universidade de SãoPaulo USP.

Leia mais

Esportes de Invasão. Aula 2. Futebol, futebol de 5 e futebol de 7. Rio 2016 Versão 1.0

Esportes de Invasão. Aula 2. Futebol, futebol de 5 e futebol de 7. Rio 2016 Versão 1.0 Esportes de Invasão Aula 2 Futebol, futebol de Rio 2016 Versão 1.0 Objetivos 1 Apresentar mais três esportes da categoria INVASÃO. 2 Conhecer a história desses esportes e a entrada para os Jogos Olímpicos

Leia mais

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2015

Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo. Janeiro 2015 Cristiano Ronaldo O futebolista mais valioso do mundo Janeiro 2015 Índice Contexto 02 Objectivos 03 Metodologia 04 Imagem 05 Sports Reputation Index by IPAM 07 Determinação do valor potencial 12 Conclusões

Leia mais

O esporte e a competição nas aulas de Educação Física (in)exclusão: Proposição de atividades adaptadas para uma pedagogica emancipatoria.

O esporte e a competição nas aulas de Educação Física (in)exclusão: Proposição de atividades adaptadas para uma pedagogica emancipatoria. O esporte e a competição nas aulas de Educação Física (in)exclusão: Proposição de atividades adaptadas para uma pedagogica emancipatoria. A Educação Física escolar historicamente tem priorizado a concepção

Leia mais

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS NORMAS PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS Cada trabalho apresentado no congresso (comunicação oral ou pôster) receberá apenas trabalho um certificado, apresentado independente no congresso (comunicação do número de oral autores ou pôster) inscritos

Leia mais

Curso de Treinadores de Nível 1

Curso de Treinadores de Nível 1 Gestão da equipa em Competição 2008 Temas a abordar Gestão da equipa em Competição Preocupações do Treinador, na semana da Competição Aspectos relacionados com Logística Aspectos relacionados com os Treinos

Leia mais

Andebol 2. . Anna Volossovitch. O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos. Miguel Ribeiro. autores. Um corpo de Conhecimentos

Andebol 2. . Anna Volossovitch. O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos. Miguel Ribeiro. autores. Um corpo de Conhecimentos Andebol 2 O ensino do Jogo dos 11 aos 14 anos autores Miguel Ribeiro. Anna Volossovitch Um corpo de Conhecimentos UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA FACULDADE DE MOTRICIDADE HUMANA 3 FACULDADE DE MOTRICIDADE

Leia mais

A SELEÇÃO DE JOVENS ATLETAS DE BASQUETEBOL: ESTUDO COM TÉCNICOS BRASILEIROS

A SELEÇÃO DE JOVENS ATLETAS DE BASQUETEBOL: ESTUDO COM TÉCNICOS BRASILEIROS Revista Brasileira de Cineantropometria & Desempenho Humano ISSN 1980-0037 Artigo original Valmor Ramos 1 Fernando José da Silva Tavares 2 A SELEÇÃO DE JOVENS ATLETAS DE BASQUETEBOL: ESTUDO COM TÉCNICOS

Leia mais

6º Ao 9º Ano Cursos Extracurriculares 2015

6º Ao 9º Ano Cursos Extracurriculares 2015 6º Ao 9º Ano Cursos Extracurriculares 2015 2 O Colégio Santa Maria oferece diversos cursos extracurriculares para as diferentes faixas etárias que visam e favorecem o desenvolvimento de habilidades esportivas,

Leia mais

Analise Pré-Live. Data: 5/10/2011-21h00 Competição: 9ª Jornada Primera B Nacional (Argentina) Localização: Monumental de Nuñez

Analise Pré-Live. Data: 5/10/2011-21h00 Competição: 9ª Jornada Primera B Nacional (Argentina) Localização: Monumental de Nuñez Data: 5/10/2011-21h00 Competição: 9ª Jornada Primera B Nacional (Argentina) Localização: Monumental de Nuñez Analise Pré-Live Após ter realizado uma época para esquecer, tendo sido relegado para a 2ª divisão

Leia mais

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - "Maia Saudável" - 2009

O Rugby na Escola. Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009. Francisco Carvalho - Maia Saudável - 2009 O Rugby na Escola Acção de Formação Maia Saudável Junho 2009 História do Jogo O rugby teve origem em Inglaterra quando um estudante, Web Wellis do Colégio de Rugby, durante um jogo de futebol, segurou

Leia mais

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu

O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu GTT: Escola O trabalho pedagógico da Educação Física no Ensino Médio profissionalizante no IFG-Uruaçu Almir Zandoná Júnior 1 Fernando Henrique Silva Carneiro 2 Justificativa/Base teórica A entrada da Educação

Leia mais

Colégio Militar de Porto Alegre 2 /12

Colégio Militar de Porto Alegre 2 /12 Questão 21 Em relação à ginástica, pode-se afirmar que é uma prática corporal que, desde o século XIX, vem sendo sistematizada, construída e codificada de acordo com diferentes contextos histórico-culturais

Leia mais

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento)

Workshop (Da Estrutura e Desenvolvimento) NOTA PRÉVIA: Dada a diversidade e quantidade de ideias e propostas manifestadas, optou por fazer-se uma síntese dos assuntos abordados retirando os comentários e as trocas de opiniões que entretanto surgiram,

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE: Andebol, metodologia observacional, sistema misto de formato de campo com sistema de categorias, 2vs2, fiabilidade.

PALAVRAS-CHAVE: Andebol, metodologia observacional, sistema misto de formato de campo com sistema de categorias, 2vs2, fiabilidade. ISSN 1886-8576 REVISTA IBEROAMERICANA DE PSICOLOGÍA DEL EJERCICIO Y EL DEPORTE Vol. 9, nº 1 pp. 173-190 ANÁLISE DA QUALIDADE DOS DADOS DE UM INSTRUMENTO PARA OBSERVAÇÃO DO 2 VS 2 NO ANDEBOL Duarte Sousa

Leia mais

CONSELHO DE ARBITRAGEM

CONSELHO DE ARBITRAGEM CONSELHO DE ARBITRAGEM Avaliação Época 2014/2015 Setúbal, 20 de Setembro de 2014 Observadores Distritais TESTE ESCRITO (a) 1. Identifique o comportamento e sinalética que estão estabelecidos numa situação

Leia mais

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY Edital N 114/2013 São Paulo, 12 de agosto de 2.013. PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO PARA PROVIMENTO DE VAGAS DESTINADAS À CONTRATAÇÃO DE RECURSOS HUMANOS A CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE RUGBY (CBRu), de acordo

Leia mais

FIFA Trívia Perguntas e Respostas das Regras de jogo

FIFA Trívia Perguntas e Respostas das Regras de jogo FIFA Trívia Perguntas e Respostas das Regras de jogo Regra 1 O Campo de jogo 1 Qual a distância mínima da publicidade em relação à linha lateral? 1. 2m. 2. 3m. 3. 1m. 4. 5m. 2 O que pode medir 90m do no

Leia mais

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição

Período de Preparação Período de Competição Período de Transição PERIODIZAÇÃO Desde que a chamada "Ciência do Esporte" passou a sistematizar e metodizar o Treinamento Desportivo, a periodização passou a ser a única forma de se organizar todo o trabalho realizado durante

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA

RELATÓRIO DE PESQUISA 2011 14 RELATÓRIO DE PESQUISA Relatório da Pesquisa de Satisfação dos Usuários do SUS quanto aos aspectos de acesso e qualidade percebida na atenção à saúde, mediante inquérito amostral. Ministério da

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA RÁPIDA E FORÇA MÁXIMA SOBRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL E O DESEMPENHO MOTOR EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA SUB-17

EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA RÁPIDA E FORÇA MÁXIMA SOBRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL E O DESEMPENHO MOTOR EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA SUB-17 1 Trabalho de Conclusão do Curso de Educação Física Bacharelado EFEITOS DO TREINAMENTO DE FORÇA RÁPIDA E FORÇA MÁXIMA SOBRE A COMPOSIÇÃO CORPORAL E O DESEMPENHO MOTOR EM ATLETAS DE FUTSAL DA CATEGORIA

Leia mais

A importância da Psicologia no Desporto

A importância da Psicologia no Desporto ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE ESCOLAS DE FUTEBOL APEF A importância da Psicologia no Desporto Pedro Teques Departamento de Psicologia e Comunicação da APEF Direcção de Contacto: Pedro Teques, Departamento de

Leia mais

C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE

C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE C M D C A CONSELHO MUNICIPAL DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE RUA CONSELHEIRO ZACARIAS N 58 CENTRO TELEFONE 075 3641-8630 PROJETO ESCOLINHA DE FUTEBOL E KARATÈ ESPORTE CIDADÃO JUVENIL IDENTIFICAÇÃO: DENOMINAÇÃO

Leia mais

Curso de Treinadores UEFA Pro 2013. Regulamento. 20 de Maio a 21 de Junho 2013 Quiaios Hotel Figueira da Foz

Curso de Treinadores UEFA Pro 2013. Regulamento. 20 de Maio a 21 de Junho 2013 Quiaios Hotel Figueira da Foz Curso de Treinadores UEFA Pro 2013 Regulamento 20 de Maio a 21 de Junho 2013 Quiaios Hotel Figueira da Foz REGULAMENTO 1.- ORGANIZAÇÃO O Curso de Treinadores UEFA Professional é organizado pela Federação

Leia mais

Times de futebol com maiores torcidas em Manaus

Times de futebol com maiores torcidas em Manaus PESQUISA: Times de futebol com maiores torcidas em Manaus presentamos a seguir os resultados da pesquisa TIMES A DE FUTEBOL COM MAIORES TORCIDAS EM MANAUS realizada sob a iniciativa deste Instituto de

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I)

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo Porto 29 Outubro e 5 Novembro Organização: Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma actividade complementar

Leia mais

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com

Mentor do Projecto -> Coach-Helper.Com - Mestrado em Psicologia do Desporto e Exercício; - Técnico de Coaching PNL; - Esteve no Futsal do SCP; - Esteve no CADE e trabalhou com um treinador e atleta no badminton. Paulo Teixeira - 34 anos Contacto

Leia mais

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014. Artigo 1º (Entidade reguladora)

REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014. Artigo 1º (Entidade reguladora) REGULAMENTO ESCOLA DE FUTEBOL OS AFONSINHOS Época 2013/2014 Artigo 1º (Entidade reguladora) A entidade reguladora da Escola de Futebol Os Afonsinhos é o departamento de futebol formação do Vitória Sport

Leia mais

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo

Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo Curso de COACHING DESPORTIVO e TREINO MENTAL (I) Homologado pelo Apresentação O Coaching Desportivo perfila-se, cada vez mais, como uma actividade complementar ao desenvolvimento de competências pessoais

Leia mais

REGULAMENTO_2015. Página 1

REGULAMENTO_2015. Página 1 1 - Regras 1.1 - O Sesimbra Summer Cup será disputado em conformidade com as regras da FIFA, com excepção do previsto neste regulamento. 1.2 As equipas participantes podem ser equipas federadas, equipas

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DA MUSCULAÇÃO NO FUTEBOL PROFISSIONAL: VISÕES DE ATLETAS, PREPARADORES FÍSICOS E DIRIGENTES

A UTILIZAÇÃO DA MUSCULAÇÃO NO FUTEBOL PROFISSIONAL: VISÕES DE ATLETAS, PREPARADORES FÍSICOS E DIRIGENTES 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DHE DEPARTAMENTO DE HUMANIDADES E EDUCAÇÃO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA A UTILIZAÇÃO DA MUSCULAÇÃO NO FUTEBOL PROFISSIONAL: VISÕES

Leia mais

FUTSAL NA ESCOLA E A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RESUMO

FUTSAL NA ESCOLA E A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR RESUMO 447 FUTSAL NA ESCOLA E A EVOLUÇÃO DA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Elisane Schwanz¹ Luciano Loureiro² RESUMO O presente trabalho tem o objetivo de mostrar como surgiram os primeiros movimentos que deram origem

Leia mais

PERFIL DE LIDERANÇA DOS TREINADORES DE BASQUETEBOL DE SANTA CATARINA

PERFIL DE LIDERANÇA DOS TREINADORES DE BASQUETEBOL DE SANTA CATARINA PERFIL DE LIDERANÇA DOS TREINADORES DE BASQUETEBOL DE SANTA CATARINA Júlia Helena de Oliveira Lima Acadêmica do Curso de Educação Física Alexandra Folle Professora Orientadora Centro de Ciências da Saúde

Leia mais

O(a) Sr.(a) acompanhou o campeonato estadual deste ano?

O(a) Sr.(a) acompanhou o campeonato estadual deste ano? FUTEBOL CAPIXABA Andressa Assis e Luiz Henrique Borges A Futura foi às ruas para saber a opinião dos moradores da Grande Vitória sobre os times de futebol capixaba. E, segundo se deduz das entrevistas,

Leia mais

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN

PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAUJO NETO PLANEJAMENTO DE AULA 2010 EDUCAÇÃO FÍSICA PROFESSOR MARCIO LUIZ DALMOLIN GENERAL CARNEIRO 2010 OBJETIVOS GERAIS DA DISCÍPLINA Proporcionar ao aluno a cultura corporal

Leia mais