CATEGORIAS DA NARRATIVA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CATEGORIAS DA NARRATIVA"

Transcrição

1 CATEGORIAS DA NARRATIVA 1.1. O texto narrativo A narrativa é o género literário que permite contar ou relatar factos, acontecimentos ou sequências de acções encadeadas, efectivamente ocorridos ou inventados. A narrativa não se limita, aos textos narrativos literários; encontra-se igualmente em diversas situações e contextos comunicacionais: narrativa de imprensa, historiografia, relatórios, anedotas, simples conversas diárias (em que frequentemente se recontam factos, episódios), etc. O modo narrativo pode, concretizar-se em suportes expressivos diversos, do verbal ao icónico, passando por modalidades mistas (telenovela, banda desenhada, cinema, narrativa literária, etc.). GARRIDO, Ana et allii, Antologia 10º, Lisboa Editora, Lisboa, O Conto O conto é um género do modo narrativo, tal como o romance e a novela e distingue-se destes, em primeiro lugar, pela sua reduzida extensão. Sendo uma narrativa curta, o conto apresenta algumas características estruturais como o pequeno número de personagens (frequentemente uma personagem ou um par que, centralizando a intriga, conferem unidade à narrativa), a concentração no espaço e no tempo e a linearidade e unidade da acção. As descrições do espaço são inexistentes ou breves, excepto nos chamados contos de espaço, nos quais essa categoria narrativa domina a acção e se constitui quase como uma personagem. Do mesmo modo, são geralmente breves os retratos das personagens cuja caracterização é sobretudo indirecta. Em Portugal, o conto floresceu no século XIX, com Alexandre Herculano, Camilo Castelo Branco, Eça de Queirós, Trindade Coelho, Fialho de Almeida. No século XX, muitos escritores portugueses experimentaram este género narrativo, tendo alguns deles atingido um nível de excelência tal que os seus nomes passaram a estar associados ao conto, como uma espécie de representantes deste género. É o caso de Miguel Torga, Manuel da Fonseca, Sophia de Mello Breyner ou Vergílio Ferreira. PINTO, Elisa Costa et allii, Plural 10º, Lisboa Editora, Lisboa, 2007 E.S.S.M.O Página 1 de 17

2 Num texto narrativo, a história conjunto de acções, descrições, diálogos é chamada diegese. É esta palavra (diegese) que dará origem a adjectivos como autodiegético, homodiegético, heterodiegético, extradiegético, intradiegético Acção A acção é o desenvolvimento de factos e eventos, ocorridos num período de tempo e num determinado local e que são associados a uma ou mais personagens. Ou seja, é um conjunto de acontecimentos relacionados entre si que se desenrolam num determinado espaço e tempo. Uma narrativa constrói-se em torno de uma acção principal ou nuclear, articulada eventualmente com acções ou intrigas secundárias, de âmbito mais ou menos reduzido Acção principal A acção principal é o conjunto de sequências narrativas (momentos de avanço da história) que detém maior importância ou relevo. É a história principal de que se fala. Lê o conto e discute com os teus colegas o assunto e o tema do mesmo. Que história se conta? Sobre que é que o autor quer falar? Quais são as expressões ou palavras que não percebeste? Depois de teres chegado a conclusões com o grupo: Faz uma síntese da acção principal do conto (máximo: 100 palavras) apresentando o conto a quem não o conhece Acção secundária A sua importância define-se em relação à acção principal, de que depende, por vezes; relata acontecimentos de menor relevo. Em narrativas muito pequenas, não chega a existir. É constituída por sequências narrativas consideradas marginais, relativamente à acção principal, embora geralmente se articulem com ela. Permite caracterizar melhor os contextos sociais, culturais, ideológicos em que a acção principal se insere Narrativa fechada e narrativa aberta A narrativa é fechada se termina com a diegese completamente solucionada. É aberta, se não revela o destino final das personagens ou se há consequências directas da acção principal que não são solucionadas. E.S.S.M.O Página 2 de 17

3 Sequências narrativas e sua articulação A sucessão de factos e acontecimentos que constituem a acção agrupam-se em sequências, que formam blocos narrativos semanticamente (de significado) coesos e que o leitor reconhece intuitivamente. As sequências de uma narrativa articulam-se entre si pelos processos seguintes: Encadeamento As sequências narrativas sucedem-se umas às outras de acordo com a sua ordenação cronológica; há um ordenamento temporal das acções. Encaixe As sequências surgem inseridas no interior de outra sequência que as engloba, correspondendo geralmente a narradores diferentes; Alternância Duas ou mais histórias são contadas de forma intercalada e uma sequência é interrompida para dar lugar a outra, revezando-se assim sequências de origem diversa (como acontece, por norma, nas telenovelas). Encontra as sequências narrativas essenciais neste conto (os momentos de avanço na diegese). Como se articulam entre si? 1.3. Personagens Relevo Quanto ao relevo podemos considerar as personagens como principais (protagonista ou herói), secundárias e ainda figurantes. E.S.S.M.O Página 3 de 17

4 Protagonista, personagem principal ou herói Desempenha um papel central; a sua actuação é fundamental para o desenvolvimento da acção. São as personagens principais que modelam e fazem avançar a intriga. Personagem secundária Assume um papel de menor relevo que o do protagonista, sendo ainda relevante para o desenrolar da acção. Pode participar na intriga, mas não a determina. Figurante Tem um papel irrelevante no desenrolar da acção, cabendo-lhe, no entanto, o papel de ilustrar um ambiente ou um espaço social de que é representante. Que tipo de personagens (quanto ao seu relevo) é possível encontrar neste conto? Como se justifica o reduzido número de personagens intervenientes neste conto? Composição A composição de uma personagem tem a ver com a forma como essa figura ficcional é construída, a sua densidade e complexidade psicológicas. Personagem modelada ou redonda Personagem dinâmica, dotada de densidade psicológica, capaz de alterar o seu comportamento e, por conseguinte, de evoluir ao longo da narrativa. Pode ter comportamentos inesperados. É dinâmica; possui densidade psicológica, vida interior, e por isso pode surpreende o leitor pelo seu comportamento. Personagem plana ou desenhada Personagem estática, sem evolução, sem grande vida interior; por outras palavras: a personagem plana comporta-se da mesma forma previsível ao longo de toda a narrativa. É estática; caracteriza-se por possuir um conjunto limitado de traços que se mantêm inalterados ao longo da narração. Personagem-tipo Representa um grupo profissional ou social, sendo-lhe atribuídas as qualidades e/ou defeitos dessa classe ou grupo (cf. a maioria das personagens vicentinas). E.S.S.M.O Página 4 de 17

5 Personagem colectiva Representa um grupo de indivíduos que age como se os animasse uma só vontade; actuam em grupo e como se fossem um (cf. o Povo na Crónica de D.João I, de Fernão Lopes). Que tipo de personagens (quanto à sua composição) é possível encontrar neste conto? Como definir a personagem principal quanto à sua composição? Caracterização A caracterização de uma personagem é a soma de informações, fornecidas pelo texto narrativo, sobre o que ela faz, como é, o que pensa. É a caracterização que nos desenha as personagens. Processo O processo narrativo de caracterização pode ser feito de duas maneiras: Directa As características (atributos, qualidades, informações) das personagens são apresentadas directa e explicitamente pela própria personagem autocaracterização ou por outras personagens ou narrador heterocaracterização. Esta caracterização é feita sobretudo com recurso a adjectivos e nomes. Indirecta As personagens são caracterizadas a partir do que fazem e de como agem. Não há a indicação explícita das suas características. É pelas suas atitudes, comportamentos e acções que o leitor tem de deduzir a caracterização da personagem. Esta caracterização é feita sobretudo com recurso a verbos e advérbios. Tipo A caracterização das personagens (directa ou indirecta) pode ser feita em várias vertentes: Física São abordadas as características físicas, corporais da personagem. Psicológica São referidas as características de personalidade, de maneira de ser, de valores morais e estéticos da personagem. E.S.S.M.O Página 5 de 17

6 Social São identificadas as características da vida social da personagem, em termos de profissão, de vida em sociedade, de relação com os outros e com as circunstâncias políticas. Há muita caracterização das personagens neste conto? Que tipo de caracterização predomina? Porquê? Funções actanciais As personagens desempenham, muitas vezes (mas nem sempre) certas funções narrativas ou actantes da narração e que se podem resumir neste esquema: adjuvante à sujeito ß oponente Ô destinador à objecto à destinatário Sujeito Personagem ou entidade empenhada na procura ou consecução de um objectivo, representado no objecto. Aquele que quer obter alguma coisa (o objecto). Objecto Personagem, entidade ou o que o sujeito procura obter ou atingir. Aquele ou aquilo que é desejado e procurado. Adjuvante Personagem, entidade ou o que quer que facilite a obtenção do objecto por parte do sujeito. Aquele (ou aquilo) que favorece a busca que o sujeito faz do objecto. Oponente Personagem, entidade ou o que quer que dificulte a obtenção do objecto por parte do sujeito. Aquele (ou aquilo) que dificulta a busca que o sujeito faz do objecto. Destinador Personagem, entidade ou força superior que decide a favor ou contra a obtenção do objecto pelo sujeito. Aquele que permite ao sujeito obter o objecto. Destinatário Personagem ou entidade sobre quem recai a decisão favorável ou desfavorável do destinador. Aquele(s) que é(são) atingido(s) pela conquista (ou não) que o sujeito faz do objecto. E.S.S.M.O Página 6 de 17

7 0 actante não é, necessariamente, uma personagem humana; pode ser uma força superior, um animal, um objecto, um conceito, um valor moral. Assim, por exemplo, o «Destino» pode ser o destinador; o «auxiliar mágico» ou a «astúcia», adjuvantes; a «noite», dependendo do contexto, pode ser oponente, como o rival do herói, etc. É possível aplicar o esquema actancial a este conto? Podemos aplicar apenas um esquema ou teremos que aplicar mais do que um? Porquê? 1.4. Espaço Esta categoria da narrativa refere o cenário onde decorre a acção, o contexto que a envolve. Por isso, mais do que se limitar a referências a um espaço físico e delimitado, o espaço na narrativa refere-se também a atmosferas sociais e psicológicas Físico O espaço físico é de carácter predominantemente visual. Refere-se a cenários geográficos, localizações, interiores, decorações, objectos, etc. É o cenário físico (que se pode ver), o espaço real, interior ou exterior, onde se movimentam as personagens e se sucedem os acontecimentos Social O espaço social é a recriação de uma envolvência cultural, social e económica da época ou local onde decorre a diegese. Retrata hábitos, valores, ambientes sobretudo através de símbolos, de personagens-tipo ou de figurantes Psicológico O espaço psicológico é o mais complexo de definir. É o local interior das personagens onde vivem os pensamentos, as reflexões, as divagações, os sentimentos, as emoções. É uma espécie de cenário da mente, onde podemos conhecer em profundidade as motivações e expectativas de cada personagem. Normalmente traduzido por longos monólogos, este espaço psicológico é, muitas vezes, independente do espaço físico e do espaço social. Neste conto, há referências ao espaço físico? Como é esse espaço físico? E o espaço social? Há situações em que seja perceptível o espaço psicológico? E.S.S.M.O Página 7 de 17

8 1.5. Tempo Tempo cronológico / da história O tempo cronológico (tempo histórico) refere-se ao momento histórico em que se passa a acção. Relaciona-se com datas, períodos, épocas, estações, e pode ser encontrado em informantes ou indícios Tempo psicológico O tempo sentido pelas personagens. Refere-se à vivência do tempo pelas personagens, ao modo como elas o experimentam, sentem, vivem e recordam. Um dia pode ter sido longo e penoso para uma personagem e ter sido breve e radioso para outra. O tempo psicológico é a percepção subjectiva e individual, em consonância com o seu estado de espírito, do tempo histórico. Em que tempo histórico se passa a acção? Como foi possível chegar a essa conclusão? Há expressão do tempo psicológico? Como é esse tempo? Tempo do discurso O tempo do discurso resulta do tratamento ou elaboração do tempo cronológico pelo narrador. Este, normalmente, rearranja, a ordem e a extensão temporal dos acontecimentos históricos de forma a construir uma narrativa mais apelativa e estruturada. No processo de reordenação das sequências narrativas, o narrador pode optar por: Ordem linear As sequências narrativas seguem a sua ordem histórica, não havendo lugar a alterações da linha sequencial do tempo. Os acontecimentos mais antigos são narrados primeiros. Os mais recentes, por último. Anacronia Falamos de anacronia sempre que há uma alteração à ordem temporal. Essa anacronia pode revestir-se de várias estratégias: E.S.S.M.O Página 8 de 17

9 Analepses Recuo na linha do tempo a momentos já passados e anteriores ao tempo do discurso. O narrador recorda ou evoca acontecimentos que pertencem ao passado do momento da enunciação. Prolepses Avanço no tempo. Há uma antevisão ou a antecipação de eventos que são posteriores ao presente da acção. Normalmente, a prolepse implica sempre uma focalização omnisciente do narrador (só assim ele pode saber o que nenhuma das personagens pode saber: o futuro do momento em que se fala). Já no que se refere à coincidência entre o tempo do discurso e o tempo da acção, ao ritmo narrativo, o narrador pode optar por: Isocronia O tempo do discurso tende a ser rigorosamente igual ao tempo da acção. O exemplo mais perfeito são os diálogos reproduzidos sem qualquer intervenção do narrador nesse caso, o tempo de duração da narração é igual (tanto quanto possível) ao tempo em que decorreu a acção. Anisocronia A duração do tempo do discurso difere muito da duração do tempo das acções narradas. Normalmente o tempo do discurso é mais breve e rápido do que o tempo cronológico, mas também pode acontecer o contrário. A anisocronia é conseguida através de: Resumos / sumários Há uma clara condensação dos acontecimentos, conferindo um ritmo muito rápido à narração. O tempo da história aparece reduzido no discurso. Uma noite pode ser referida numa simples frase. Três meses podem passar num parágrafo. Elipses Ainda mais redutora do que os resumos/sumários é a elipse. Neste caso não há só um resumo da acção histórica, mas a supressão, a omissão completa desse tempo cronológico. E.S.S.M.O Página 9 de 17

10 Pausas Pelo contrário, o narrador pode também estender o tempo do discurso, tornando-o mais longo que o tempo histórico. Acontece isso com as descrições longas e pormenorizadas, com as reflexões, com as divagações do narrador. Neste conto, como se relaciona o tempo do discurso com o tempo da diegese? A ordem das sequências cronológicas é linear? Há anacronias importantes? Há anisocronias significativas? 1.6. Narrador A definição do conceito de narrador deve partir da sua distinção inequívoca relativamente ao conceito de autor. O autor é uma pessoa empírica (com existência real) que, num determinado momento histórico, escreveu a narrativa. Tem um nome, uma data de nascimento, um Bilhete de Identidade, come e bebe, e uma profissão: escritor. O narrador é uma invenção do autor, uma entidade fictícia, de natureza textual, a quem cabe realizar o acto de narrar. Vive apenas no texto. Por outras palavras, o autor é uma entidade transitória e histórica, capaz de se distanciar ideológica e esteticamente do texto que escreveu, enquanto o narrador é inerente a esse mesmo texto e dele indissociável Participação O narrador pode ter diversos graus de participação na história. Pode ser uma entidade exterior à história, pode fazer parte da história ou pode mesmo narrar a sua história. Heterodiegético O narrador não faz parte da diegese. A história narrada é apenas conhecida pelo narrador, mas este nada tem a ver com a história em si. O narrador heterodiegético é, muitas vezes, um narrador de grau zero, ou seja, um narrador imperceptível, que reconta uma história exterior a si e de forma a que a sua presença não seja notada nem relevante. Este anula a sua presença atrás de uma voz anónima que narra uma história. Pode também chamar-se narrador não participante. Homodiegético O Narrador é uma personagem da diegese. E.S.S.M.O Página 10 de 17

11 Participa na história como personagem secundária ou mero figurante, relatando a história de acordo com as informações que lha são facultadas por essa sua situação na narrativa. Pode também chamar-se narrador participante. pessoa. Autodiegético O Narrador é a personagem principal da diegese. Participa directa e activamente na narração da sua história. O discurso é na primeira Pode também chamar-se narrador participante. Não se deve confundir uma narração autodiegética com uma autobiografia. A autobiografia conta os acontecimentos reais e históricos da vida do autor. A narrativa autodiegética conta os acontecimentos ficcionais (inventados) de um narrador (criado pelo autor). Qual o grau de participação do narrador neste conto? Focalização A focalização (ou também chamada ciência ) tem a ver com a forma como o narrador (que não o autor!) conhece o desenrolar da história e a perspectiva que este adopta face aos acontecimentos narrados. Externa O narrador limita a narrativa à representação das características superficiais e materialmente observáveis de uma personagem, de um espaço ou de certas acções, ou seja, ele não detém um ponto de vista privilegiado, só «vê» o que um espectador hipotético veria. A informação facultada é, assim, limitada ao exterior dos elementos da história, de modo a construir um relato objectivo e desapaixonado, relativamente aos eventos e às personagens da narrativa; a adopção deste ponto de vista narrativo mostra a influência, na literatura, das técnicas cinematográficas. Interna O narrador adopta o ponto de vista de uma personagem inserida na ficção, o que normalmente resulta na redução da quantidade dos elementos informativos que pode relatar. Com efeito, a informação disponível por este narrador tem de ser coerente com a capacidade de conhecimento da personagem cujo ponto de vista adopta. E.S.S.M.O Página 11 de 17

12 O narrador vê e conhece a acção como uma (ou mais) personagem da acção. Pode eventualmente saber mais do que aquilo que se vê de fora, mas apenas sabe aquilo que a personagem adoptada sabe. É a perspectiva dos narradores homodiegétícos e autodiegéticos mas pode, também, ser adoptada por um narrador heterodiegético, por motivos de estratégia narrativa. Omnisciente O narrador faz uso de uma capacidade de conhecimento praticamente ilimitada em relação ao universo da história; pode, por isso, explicar as motivações das personagens, revelar o que elas pensam, antecipar a referência a acontecimentos ainda não ocorridos no tempo da história e desconhecidos das personagens, descrever espaços interiores e exteriores, percorridos ou sonhados pelas personagens, etc. É uma perspectiva só possível a um narrador heterodiegético. Neste caso, o narrador aproxima-se do conhecimento do autor. Qual a focalização adoptada pelo narrador neste conto? A focalização mantêm-se ao longo de todo o conto ou apresenta variações? Posição Objectiva O narrador assume, face àquilo que narra, uma atitude neutra, não tomando partido, não revelando simpatias ou antipatias, não exprimindo juízos de valor. O narrador tenta passar, tanto quanto possível, ao lado de julgamentos e compromissos ideológicos. Subjectiva O narrador toma um partido a propósito daquilo que narra. O leitor apercebe-se com facilidade qual a posição defendida pelo narrador (que não o autor!). Neste caso, o narrador adopta frequentemente adjectivos ou expressões valorativas ( bom ; apropriado ; erradamente, etc.) No conto analisado qual a posição do narrador em relação ao narrado? É um narrador objectivo ou subjectivo? Qual prevalece? 1.7. Narratário O narratário é a entidade fictícia a quem o narrador se dirige de forma explícita ou não. E.S.S.M.O Página 12 de 17

13 Pode ser uma entidade pertencente à narração (narratário intradiegético) e, como tal, identificável no texto, ou um sujeito não explicitamente mencionado, exterior à história (narratário extradiegético). Muitas vezes o narratário é uma entidade incaracterizada, difícil de identificar. Não se deve, todavia, confundir com o leitor, este, uma individualidade real. Há a identificação clara de um narratário? Alguma vez o narrador se dirige directa ou indirectamente ao narratário? Se sim, onde e como? 1.8. Discurso Modos de expressão Diálogo Forma de comunicação verbal em que locutor e interlocutor alternam de posições. O diálogo constitui a base expressiva do conto. Dentro dos diálogos, devemos considerar três formas diferentes: diálogo em discurso directo A fala das personagens é representada directamente, reproduzindo-se as suas conversas. Geralmente, este tipo de representação recorre ao uso de travessão ou aspas, embora, por vezes, no conto moderno, o autor não utilize tais sinais. diálogo em discurso indirecto A fala das personagens em vez de ser repetida (tal como foi enunciada) é narrada de forma abreviada ou interpretada. diálogo em discurso indirecto livre Trata-se da fusão entre a terceira e a primeira pessoas narrativas, isto é, as palavras proferidas pelas personagens surgem inseridas no discurso indirecto através do qual o narrador narra a história. Neste conto há exemplos de diálogo? Na forma de discurso directo, discurso indirecto ou indirecto livre? Exemplos? O diálogo ocupa ou não uma parte importante do texto? E.S.S.M.O Página 13 de 17

14 Monólogo Forma de expressão em que o locutor é também o interlocutor (fala de si para si). O Monólogo é apenas uma variante do diálogo: é um diálogo interior, onde o «eu» se desdobra em dois: o «eu» que fala e o «eu» que escuta. Traduz o fluxo de consciência da personagem sem qualquer intervenção organizadora do narrador. ou aspas) A reprodução do monólogo recorre muitas vezes à grafia do discurso directo (travessões Há exemplos de monólogos no conto? Porque é que o autor recorre ao monólogo? Modos de representação Narração Momentos de avanço na acção em que se faz o relato dos acontecimentos. Em contraste com a descrição, a narração constitui o relato de eventos e de conflitos em que se desenvolve a acção. Através da representação (narração) de acções há uma progressão na história. Este conto tem, evidentemente, vários momentos de narração. Escolhe um que ilustre claramente o avanço da acção. Descrição Momento de pausa na narrativa em que o narrador dá (descreve) informações sobre personagens, objectos ou espaços. Através da descrição são fornecidas informações que nos permitem aceder a traços caracterizadores dos vários elementos, precisando informações importantes sobre a localização espácio-temporal e caracterizando personagens e objectos. O conto em análise tem momentos de descrição? Quais? As descrições são importantes para a construção da história? Têm em si informações relevantes para a compreensão global do texto? Quais? Modos de reflexão Digressão Fala-se em digressão sempre que a dinâmica narrativa é interrompida para que o narrador formule asserções, comentários ou reflexões, normalmente de teor genérico e E.S.S.M.O Página 14 de 17

15 transcendendo o concreto dos eventos relatados. Por isso, a reflexão ou digressão corresponde, em princípio, a um momento de suspensão do tempo da história. A digressão está intimamente ligada à ideologia que a obra veicula, mas serve também outros intuitos: preparar a apresentação de personagens, afrouxar o ritmo do desenvolvimento da narrativa, incrementar uma atmosfera de suspense pelo retardamento de revelações importantes ou, até, servir de elemento ornamental. O conto em análise tem momentos de reflexão? Quais? Com que intenção? Ouve-se a voz do autor? 1.9. Para saber mais: Livros: BRAGANÇA, António, Introdução ao Estudo do Texto Literário, Livraria Escolar Infante, Porto, 1975 PAIS, Amélia Pinto, Saber Português Livro Auxiliar, Areal Editores, Porto, 1995 Glossário de Termos Literários, Ed. Min. Educação, DES, Lisboa, 2001 REIS, Carlos e LOPES, Ana Cristina, Dicionário de Narratologia, Liv. Almedina, Coimbra Internet: E.S.S.M.O Página 15 de 17

16 1.10. Indíce 1.1. O TEXTO NARRATIVO O CONTO ACÇÃO ACÇÃO PRINCIPAL ACÇÃO SECUNDÁRIA NARRATIVA FECHADA E NARRATIVA ABERTA SEQUÊNCIAS NARRATIVAS E SUA ARTICULAÇÃO...3 Encadeamento...3 Encaixe...3 Alternância PERSONAGENS RELEVO...3 Protagonista, personagem principal ou herói...4 Personagem secundária...4 Figurante COMPOSIÇÃO...4 Personagem modelada ou redonda...4 Personagem plana ou desenhada...4 Personagem-tipo...4 Personagem colectiva CARACTERIZAÇÃO...5 Processo...5 Tipo FUNÇÕES ACTANCIAIS...6 Sujeito...6 Objecto...6 Adjuvante...6 Oponente...6 Destinador...6 Destinatário ESPAÇO FÍSICO SOCIAL PSICOLÓGICO...7 E.S.S.M.O Página 16 de 17

17 1.5. TEMPO TEMPO CRONOLÓGICO / DA HISTÓRIA TEMPO PSICOLÓGICO TEMPO DO DISCURSO...8 Ordem linear...8 Anacronia...8 Isocronia...9 Anisocronia NARRADOR PARTICIPAÇÃO Heterodiegético Homodiegético Autodiegético FOCALIZAÇÃO Externa Interna Omnisciente POSIÇÃO Objectiva Subjectiva NARRATÁRIO DISCURSO MODOS DE EXPRESSÃO Diálogo Monólogo MODOS DE REPRESENTAÇÃO Narração Descrição MODOS DE REFLEXÃO Digressão PARA SABER MAIS: LIVROS: INTERNET: INDÍCE...16 E.S.S.M.O Página 17 de 17

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador Acção Espaço Tempo Personagem Narrador A acção é constituída por sequências narrativas (acontecimentos) provocadas ou experimentadas pelas personagens, que se situam num espaço e decorrem num tempo, mais

Leia mais

Categorias da narrativa

Categorias da narrativa Categorias da narrativa Ação Conjunto de acontecimentos que constituem uma narrativa e que são relatados, mas há que distinguir a importância de cada um deles para a história. Ação principal: constituída

Leia mais

Texto Narrativo. P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a

Texto Narrativo. P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a Texto Narrativo P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a Texto narrativo É um relato de um acontecimento ou uma série de acontecimentos, reais ou imaginários; Exemplos de textos narrativos: conto, novela, romance,

Leia mais

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário Elementos da narrativa Acção Tempo Espaço Personagens Narrador Modos de Expressão e representação Narratário O texto narrativo Conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas, o que implica

Leia mais

AS CATEGORIAS DA NARRATIVA

AS CATEGORIAS DA NARRATIVA AS CATEGORIAS DA NARRATIVA ACÇÃO ESPAÇO TEMPO PERSONAGENS NARRADOR MODALIDADES DE DISCURSO ACÇÃO É constituída por sequências narrativas provocadas pelas personagens e situa-se num espaço e num tempo mais

Leia mais

Disciplina: Português 2012 / º Ano Módulo: 4 Texto narrativo FICHA INFORMATIVA. Comunicação literária

Disciplina: Português 2012 / º Ano Módulo: 4 Texto narrativo FICHA INFORMATIVA. Comunicação literária Comunicação literária FICH INFORMTIV Disciplina: Português 2012 / 2013-1º no Módulo: 4 Texto narrativo O que faz do homem aquilo que ele é, um ser distinto de todos os demais seres vivos, é a linguagem,

Leia mais

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO Aulas 21 à 24 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO Maioritariamente escrito em prosa, o texto narrativo é caracterizado por narrar uma história, ou seja, contar uma história através de uma sequência de

Leia mais

texto narrativo ação espaço tempo personagens narrador. narração descrição diálogo monólogo

texto narrativo ação espaço tempo personagens narrador. narração descrição diálogo monólogo Português 2014/2015 O texto narrativo conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas. Contar uma história, ou seja, construir uma narrativa, implica uma ação, desenvolvida num determinado

Leia mais

TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA

TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA A narrativa é o relato de acontecimentos que remetem para o conhecimento do Homem e das suas realizações no mundo; é uma forma de literatura que compreende

Leia mais

Elementos da narrativa

Elementos da narrativa Elementos da narrativa Narrador presente narrador ausente O narrador é aquele que conta a história Uma narrativa Quando não participa na história narrada, relatando apenas acontecimentos na terceira pessoa

Leia mais

Teste Formativo sobre o CONTO

Teste Formativo sobre o CONTO Unidade Temática: Contos do séc. XX Escola Básica 2,3/ S de Vale de Cambra Português 10ºAno Profª Dina Baptista Teste Formativo sobre o CONTO Fonte Bibliográfica: http://www.netprof.pt Nota: Esta ficha

Leia mais

Capítulo 7. Conceitos-Chave e sua Operacionalização Empírica

Capítulo 7. Conceitos-Chave e sua Operacionalização Empírica A Narrativa na Encruzilhada 70 Capítulo 7. Conceitos-Chave e sua Operacionalização Empírica Estabelecido o modelo da investigação e de forma a poder operacionalizar a análise empírica, foi necessário definir

Leia mais

Estudo do texto narrativo. José Manuel Martins Cobrado

Estudo do texto narrativo. José Manuel Martins Cobrado 1 O TEXTO NARRATIVO O texto narrativo é o relato de uma história, real ou imaginária, contada (narrada) por um narrador, cujas personagens se envolvem numa acção que decorre num determinado espaço, durante

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

Narrativa: Elementos Estruturais (1)

Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa de ficção Discurso figurativo inscrito em coordenadas espaço-temporais. Sucessão temporal de ações (funções). Narrativa simples: passagem de um estado anterior

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 10 9 9 11 11 3.º período 9 10 9 9 10 (As aulas previstas

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO Competências de Interpretação CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO 3.º Ciclo do Ensino Básico 7º Ano Departamento de Línguas Disciplina: Inglês Domínios Objeto de avaliação Domínios/ Metas de aprendizagem Instrumentos

Leia mais

A FOCALIZAÇÃO. Wailing on the sax, Alfred Gockel

A FOCALIZAÇÃO. Wailing on the sax, Alfred Gockel A FOCALIZAÇÃO Wailing on the sax, Alfred Gockel Um dos elementos importantes da estruturação da diegese Ponto de vista Teóricos anglo-americanos Foco narrativo em especial, no Brasil Foco de narração C.

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade 1º Período 1/13 Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Ano Lectivo

Leia mais

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg O TEXTO DRAMÁTICO Ridendo castigat mores (a rir se criticam os costumes) O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar),

Leia mais

Escola Básica e Secundária À Beira Douro. Planificação de Língua Portuguesa 6º ano. Ano lectivo

Escola Básica e Secundária À Beira Douro. Planificação de Língua Portuguesa 6º ano. Ano lectivo Escola Básica e Secundária À Beira Douro Planificação de Língua Portuguesa 6º ano Ano lectivo 2010-2011 COMPETÊNCIAS Alargamento da compreensão a géneros formais e públicos do oral. Criação de autonomia

Leia mais

Área de Competência-Chave: Portefólio Reflexivo de Aprendizagem. ESLC - Mediadora: Marina Santos

Área de Competência-Chave: Portefólio Reflexivo de Aprendizagem. ESLC - Mediadora: Marina Santos Área de Competência-Chave: Portefólio Reflexivo de Aprendizagem A AUTOBIOGRAFIA É uma descrição ou narrativa dos aspectos mais significativos da vida de um indivíduo, contados por si próprio. 2 Autobiografia

Leia mais

Língua Portuguesa 7º ano

Língua Portuguesa 7º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Audição orientada. Ouvinte. Discurso; universo de discurso (assunto). Língua Portuguesa 7º ano Conteúdos 1º Período Comunicação Oral Falar para Construir

Leia mais

Você conhece a sua bíblia?

Você conhece a sua bíblia? Você conhece a sua bíblia? RECORDANDO... Um breve tratado sobre as Escrituras - 66 livros: 39 AT + 27 NT - Ela é a revelação de Deus - Autores diferentes mas uma mesma mente formadora Interpretando a Bíblia

Leia mais

Língua Portuguesa 8º ano

Língua Portuguesa 8º ano Língua Portuguesa 8º ano Conteúdos por Unidade Didática 1º Período A - Comunicação Oral. Ideias principais.. Ideias secundárias..adequação comunicativa ( processos persuasivos; recursos verbais e não verbais)..

Leia mais

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários GÊNERO ÉPICO (NARRATIVO) = Quando é contada uma história.

Leia mais

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO?

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? AULAS 9 À 12 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? A narração é um tipo de texto que conta uma sequência de fatos, sejam eles reais ou imaginários, nos quais as personagens atuam em

Leia mais

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho. Unidade 0 Diagnóstico e observação do manual. Unidade 1 Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho. Unidade 0 Diagnóstico e observação do manual. Unidade 1 Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação por Unidades de Língua Portuguesa - 8º Ano - Ano Lectivo 2011/ 2012 Unidade 0 Diagnóstico e observação do manual Observação do manual Conhecer a realidade

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 5º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 UM, DOIS, TRÊS COMEÇAR! UNIDADE

Leia mais

Narrativa e informação

Narrativa e informação Narrativa e informação emissor = formulador da sintaxe da mensagem receptor = intérprete da semântica A recepção qualifica a comunicação. É por isso que o receptor tem papel fundamental no processo de

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS

PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS PLANIFICAÇÃO DA DISCIPLINA DE LÌNGUA PORTUGUESA UNIDADE DE FORMAÇÃO: 14 TEXTOS NARRATIVOS / DESCRITIVOS SUB-UNIDADE/ MÓDULO Textos narrativos / descritivos Literatura de viagens/aventuras CONTEÚDOS COMPETÊNCIAS

Leia mais

3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir.

3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir. 3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir. 1. Fez o anúncio... todos ansiavam. 2. Avise-me... consistirá o concurso. 3. Existe um decreto...

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 2º CICLO Gestão curricular 5ºano

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 2º CICLO Gestão curricular 5ºano DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 2º CICLO Gestão curricular 5ºano 1º PERÍODO UNIDADES /TEXTOS UNIDADE 0 Um, dois, três Começar! UNIDADE 1 Histórias deste mundo UNIDADE 2 Histórias do maravilhoso A Fada

Leia mais

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho. Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho. Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa 8º Ano - Ano Lectivo 2008/ 2009 Texto Narrativo e Outros textos 1º e 2º períodos Unidade Temática Conteúdos Competências Específicas

Leia mais

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ANO: 6.º DISCIPLINA: Língua Portuguesa UNIDADE/TEMA CONTEÚDOS Texto narrativo; Banda Desenhada; Compreensão de enunciados orais; Expressão Oral Categorias da narrativa: o Tipo de

Leia mais

Disciplina: Português Professor: Polly Freitas ASPECTOS RELACIONADOS AO TEXTO. Gêneros Textuais e Tipos Textuais Aula 01/07

Disciplina: Português Professor: Polly Freitas ASPECTOS RELACIONADOS AO TEXTO. Gêneros Textuais e Tipos Textuais Aula 01/07 Disciplina: Português Professor: Polly Freitas ASPECTOS RELACIONADOS AO TEXTO Gêneros Textuais e Tipos Textuais Aula 01/07 Gêneros Textuais Definição: Gênero textual é a forma como a língua é empregada

Leia mais

Gênero Textual e Sequência Textual

Gênero Textual e Sequência Textual Gênero Textual e Sequência Textual Os gêneros textuais são os textos que circulam na sociedade e que desempenham diferentes papéis comunicativos. São tipos relativamente estáveis de enunciados produzidos

Leia mais

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus

Leia mais

Conteúdos Programáticos PORTUGUÊS 5.º Ano

Conteúdos Programáticos PORTUGUÊS 5.º Ano INSTITUTO DE CIÊNCIAS EDUCATIVAS Departamento de Línguas Conteúdos Programáticos PORTUGUÊS 5.º Ano 1.º Período TEMA CONTEÚDOS (cf. Planos de Aula para articulação com descritores) AULAS PREVISTAS PONTO

Leia mais

Planificação periódica de LÍNGUA PORTUGUESA. 5ºAno 2010/20011

Planificação periódica de LÍNGUA PORTUGUESA. 5ºAno 2010/20011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS Planificação periódica de LÍNGUA PORTUGUESA 5ºAno 200/200 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Texto Narrativo Quadro Geral O que se entende

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO ANO LETIVO: 2015/2016 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Educação literária Texto literário e texto não literário.

Leia mais

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO Prof.ª Nivania Alves A narração é um modo de organização de texto cujo conteúdo está vinculado, em geral, às ações ou acontecimentos contados por um narrador. Para construir

Leia mais

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve.

COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS NÍVEL 2 NÍVEL 3 NÍVEL 4 NÍVEL 5. * Consegue compreender aquilo que ouve. PORTUGUÊS 3º CICLO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO COMPREENSÃO DO ORAL Compreensão de formas complexas do oral, exigidas para o prosseguimento de estudos e para a entrada na vida profissional. * Capacidade de extrair

Leia mais

Língua Portuguesa 7º Ano

Língua Portuguesa 7º Ano Língua Portuguesa 7º Ano Ano lectivo: 2010 / 2011 1º Período Diagnose Como estudar melhor Materiais auxiliares do estudo: dicionário; enciclopédia; manual; gramática; obra de leitura integral; CD áudio;

Leia mais

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas.

A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter subjetivo e é bastante marcada por referências literárias e históricas. Prece geral, de Daniel Blaufuks RECURSOS PEDAGÓGICOS O artista Daniel Blaufuks é um artista português, nascido em Lisboa em 1963. A sua obra, maioritariamente em fotografia e vídeo, tem um grande carácter

Leia mais

Informação n.º Data: Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. Direções Regionais de Educação CIREP

Informação n.º Data: Para: Direção-Geral da Educação. Inspeção-Geral de Educação e Ciência. Direções Regionais de Educação CIREP Prova Final / Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (B1) Prova 64/94/839 2013 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade Para: Direção-Geral da Educação Inspeção-Geral de Educação e

Leia mais

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes

Géneros textuais e tipos textuais Armando Jorge Lopes Géneros textuais e tipos textuais [texto de apoio para o curso de doutoramento em ciências da linguagem aplicadas ao ensino de línguas/universidade Pedagógica, Maputo, Outubro de 2015] Armando Jorge Lopes

Leia mais

O SONHO DE UM HOMEM RIDÍCULO DE DOSTOIÉVSKI E A QUESTÃO DA TEMPORALIDADE

O SONHO DE UM HOMEM RIDÍCULO DE DOSTOIÉVSKI E A QUESTÃO DA TEMPORALIDADE O SONHO DE UM HOMEM RIDÍCULO DE DOSTOIÉVSKI E A QUESTÃO DA TEMPORALIDADE Cabral, Izaura da Silva 1 RESUMO: O tempo é uma representação que um uma narrativa interfere tanto na localização das ações, como

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD DGEstE/DSRN. Ano Letivo 2016/ Conteúdos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD DGEstE/DSRN. Ano Letivo 2016/ Conteúdos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD. 153000 DGEstE/DSRN Ano Letivo 2016/ 2017 2ºano Plano Curricular 1ºciclo Área: MATEMÁTICA GEOMETRIA E MEDIDA Localização e orientação no espaço Números Naturais

Leia mais

Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo

Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo Unidade Sociabilidade e Diagnose O aluno: Comunicação oral: -

Leia mais

Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português

Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português Rota de Aprendizagem 2016-2017 PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português * Em anexo encontra-se Lista de Obras e Textos para Iniciação à Educação literária; e Metas Curriculares (3º Ciclo - 9º Ano): Domínios

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 12 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 8 8 8 8 9 (As Aulas

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

ESPANHOL Cont. Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL Cont. Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL Cont. 11º Ano de Escolaridade Prova 368 2017 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

Salesianos Mogofores Colégio. Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português

Salesianos Mogofores Colégio. Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português Rota de Aprendizagem 2015-2016 PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português * Em anexo encontra-se Lista de Obras e Textos para Iniciação à Educação literária; e Metas Curriculares (3º Ciclo - 9º Ano): Domínios

Leia mais

Planificação da Disciplina de Português 5.º Ano - Ano Letivo 2013/2014 Manual Escolar: P5. Domínios

Planificação da Disciplina de Português 5.º Ano - Ano Letivo 2013/2014 Manual Escolar: P5. Domínios Agrupamento de Escolas Agualva Mira Sintra Escola Básica D. Domingos Jardo Planificação da Disciplina de Português 5.º Ano - Ano Letivo 2013/2014 Manual Escolar: P5 Domínios Compreensão do Oral:. Escutar

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Espanhol - Prova Escrita e Prova Oral Prova 368 2017 11º Ano de Escolaridade (Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de Julho) O presente documento visa divulgar a informação

Leia mais

ÍNDICE O TEXTO DRAMÁTICO PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO. Leitura de cartazes publicitários

ÍNDICE O TEXTO DRAMÁTICO PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO. Leitura de cartazes publicitários O TEXTO DRAMÁTICO O TEXTO DRAMÁTICO ÍNDICE PROFISSÕES RELACIONADAS COM O TEATRO VOCABULÁRIO RELACIONADO COM O TEATRO Leitura de cartazes publicitários CATEGORIAS DO TEXTO DRAMÁTICO O TEXTO DRAMÁTICO. Tem

Leia mais

Língua Portuguesa 8º ano

Língua Portuguesa 8º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Tipologia textual: texto conversacional. Variação e normalização linguística. Língua padrão (traços específicos). Língua Portuguesa 8º ano Conteúdos 1º Período

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Prova INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Espanhol - Prova Escrita e Prova Oral Prova 375 2017 11º Ano de Escolaridade (Decreto-lei nº 139/2012 de 5 de Julho) O presente documento visa divulgar a informação

Leia mais

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ).

A avaliação visa certificar as diversas aprendizagens e competências adquiridas pelo aluno, no final de cada ciclo ( ). Externato da Luz Ano Lectivo 2009 / 2010 Critérios de Avaliação Departamento de Ciências Humanas e Sociais Agrupamento História (3º Ciclo) Professor: Pedro Machado A avaliação é um elemento integrante

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade

ESPANHOL INIC. Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. 11º Ano de Escolaridade Ano Letivo 2016/2017 INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL INIC. 11º Ano de Escolaridade Prova 375 2017 Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Língua Portuguesa 5º ano Ano letivo

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Língua Portuguesa 5º ano Ano letivo Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos Língua Portuguesa 5º ano Ano letivo 2012 2013 1º PERIODO Compreensão do texto oral Aspetos paratextuais (obra, autor, título, subtítulo, capa, contracapa,

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico.

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. 1º Período (13 semanas) Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano Metas Oralidade Conteúdos Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. Leitura

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

PLANIFICAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA

PLANIFICAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA À BEIRA DOURO - MEDAS PLANIFICAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 8.º ANO PARA O ANO LECTIVO 2010-2011 Conteúdos leccionados ao longo do ano lectivo: COMPETÊNCIAS NÍVEIS DE DESEMPENHO

Leia mais

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios.

H003 Compreender a importância de se sentir inserido na cultura escrita, possibilitando usufruir de seus benefícios. 2ª Língua Portuguesa 5º Ano E.F. Objeto de Estudo Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: código oral e código escrito Usos e funções: norma-padrão e variedades linguísticas. Usos

Leia mais

Português Língua Não Materna (A2)

Português Língua Não Materna (A2) Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (A2) Prova 28/739 2009 12.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de Março Para: Direcção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos

Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO VISO Escola E.B.2,3 do Viso Ano Letivo de 2011/ 2012 Língua Portuguesa Guião de Leitura da obra Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos de Alves Redol Professora: Salete Pereira

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica

ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica ESCOLA SECUNDÁRIA DE SAMPAIO Ano Lectivo 2008/ 2009 Planificação a Longo Prazo ESPANHOL L/E (Iniciação nível I) 10ºAno Formação Específica Objectivos de aprendizagem Competências comunicativas Conteúdos

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 9.º Ano Turmas A e B COMPETÊNCIAS GERAIS CG1- Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 2º CICLO Gestão curricular 6ºano

DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 2º CICLO Gestão curricular 6ºano DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 2º CICLO Gestão curricular 6ºano UNIDADES /TEXTOS UNIDADE 0 Ponto de partida UNIDADE 5 Apanha-me também um poeta 1º PERÍODO DOMÍNIOS / CONTEÚDOS Expressão oral: memória

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência de Inglês. Prova Escrita + Oral

Informação Prova de Equivalência à Frequência de Inglês. Prova Escrita + Oral Informação Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Prova Escrita + Oral Código 21 9ºAno de Escolaridade Ensino Básico 2016/2017 1. Introdução O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO Escutar para aprender e construir conhecimentos LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO COMPREENSÂO DO ORAL Prestar atenção ao que ouve de modo a tornar possível: -apropriar-se de padrões de entoação e ritmo; - memorizar

Leia mais

Estudo dos gêneros literários

Estudo dos gêneros literários Estudo dos gêneros literários Os gêneros literários são um conjunto de obras que apresentam características semelhantes tanto em termos de forma como conteúdo. Existem três categorias básicas de gênero:

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD DGEstE/DSRN. Ano Letivo 2016/ Conteúdos

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD DGEstE/DSRN. Ano Letivo 2016/ Conteúdos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ALEXANDRE HERCULANO COD. 153000 DGEstE/DSRN Ano Letivo 2016/ 2017 1ºano Plano Curricular 1ºciclo Área: MATEMÁTICA UNIDADE 1 geometria e medida Localização e orientação no espaço

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO)

847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO) 847- ESPANHOL (NÍVEL- CONTINUAÇÃO 10.º/ 11.º ANO) FORMAÇÃO ESPECÍFICA 1ª/2ª FASE 1.INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características do Exame de Espanhol a nível de escola a realizar em

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (As Aulas

Leia mais

DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA/CONTEÚDOS

DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA/CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos de Português 6º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERIODO DOMÍNIOS DE REFERÊNCIA/CONTEÚDOS Apresentação oral (de livros, provérbios, episódios do quotidiano, personagens

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 1º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 1º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS ANO LETVO 2015/2016 CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 1º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO Oralidade OJETVO 1. Respeitar regras da interação discursiva 2. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos

Leia mais

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF

Descrição da Escala Língua Portuguesa - 7 o ano EF Os alunos do 7º ano do Ensino Fundamental 150 identificam a finalidade de produção do texto, com auxílio de elementos não verbais e das informações explícitas presentes em seu título, em cartaz de propaganda

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Inglês LE I (2 anos) 2016 Prova 06 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

SIGNIFICADOS DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES. Como fazer

SIGNIFICADOS DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES. Como fazer SIGNIFICADOS DOS VERBOS UTILIZADOS NOS TESTES Como fazer Biblioteca 2017 Os verbos usados nas questões correspondem a objetivos cognitivos de diversos graus de complexidade. Conhecer o significado desses

Leia mais

1.º Trimestre. Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Planificação Anual. Metas Curriculares/de Aprendizagem. Instrumentos de Avaliação

1.º Trimestre. Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Planificação Anual. Metas Curriculares/de Aprendizagem. Instrumentos de Avaliação Ver documento METAS CURRICULARES DE PORTUGUÊS http://www.dgidc.min-edu.pt Prestar atenção ao que ouve Usar vocabulário adequado ao tema e à situação Falar com progressiva autonomia e clareza sobre assuntos

Leia mais

Português. Língua Não Materna (B1) 1. Introdução. Informação n.º Data: Para: Prova 64/94/

Português. Língua Não Materna (B1) 1. Introdução. Informação n.º Data: Para: Prova 64/94/ Prova Final / Prova de Exame Nacional de Português Língua Não Materna (B1) Prova 64/94/839 2012 6.º Ano, 9.º Ano ou 12.º Ano de Escolaridade Para: Direção-Geral de Inovação e de Desenvolvimento Curricular

Leia mais

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe

IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO. Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe IMPLEMENTAÇÃO DO PROGRAMA DE PORTUGUÊS DO ENSINO BÁSICO Escola Básica Integrada de Rabo de Peixe Sumário Introdução 2 PONTOS DE PARTIDA: Currículo Nacional do Ensino Básico publicado em 2001. O Programa

Leia mais

Módulo 5 : Textos dos Media II 21 horas

Módulo 5 : Textos dos Media II 21 horas Escola Secundária de Leal da Câmara Ano Lectivo de 2007 / 08 Curso Profissional Planificação Anual de Português (Módulos 5, 6, 7 e 8) / Critérios de Avaliação 11.º ano Início do Módulo: 12/9/07 Módulo

Leia mais

1) Devemos proceder a primeira leitura de reconhecimento ininterrupta.

1) Devemos proceder a primeira leitura de reconhecimento ininterrupta. TRABALHOS CIENTÍFICOS ACADÊMICOS Muitas vezes, o estudante ou pesquisador, ao ser abordado para fazer um trabalho científico acadêmico, tem muitas dificuldades de diferenciar as características quanto

Leia mais

Referir actividades relacionadas com as férias e os tempos livres. Saber orientar-se num aeroporto. Falar sobre a importância da língua inglesa

Referir actividades relacionadas com as férias e os tempos livres. Saber orientar-se num aeroporto. Falar sobre a importância da língua inglesa AGRUPAMENTO DE ESCOLAS À BEIRA DOURO ESCOLA BÁSICA E SECUNDÁRIA À BEIRA DOURO - MEDAS LÌNGUA ESTRANGEIRA I (Inglês 9º Ano) 1º PERÍODO AULAS PREVISTAS ( 38 a 41 ) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2010/2011 Competências

Leia mais

EXTERNATO S. VICENTE DE PAULO Lisboa DEPARTAMENTO DE LÍNGUA MATERNA E HUMANIDADES DOMÍNIOS 1.º PERÍODO 2.º PERÍODO 3.º PERÍODO

EXTERNATO S. VICENTE DE PAULO Lisboa DEPARTAMENTO DE LÍNGUA MATERNA E HUMANIDADES DOMÍNIOS 1.º PERÍODO 2.º PERÍODO 3.º PERÍODO DOMÍNIOS 1.º PERÍODO 2.º PERÍODO 3.º PERÍODO Interação discursiva Princípio de cooperação Informação, explicação; pergunta, resposta ORALIDADE Interpretação de texto Intenção do locutor; tema; assunto;

Leia mais

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas

Entre Margens 12.º ano. Mensagem Fernando Pessoa. Análise de poemas Mensagem Fernando Pessoa Análise de poemas Pedro Sousa Pereira, in Fernando Pessoa Mensagem, Oficina do Livro, novembro de 2006 O MOSTRENGO O TÍTULO O Mostrengo sufixo depreciativo = pessoa/ser muito feia(o):

Leia mais

Sinopse e/ou Argumento

Sinopse e/ou Argumento Sinopse e/ou Argumento Uma vez que o conflito matriz se apresenta na story line, o segundo passo é conseguir personagens para viver uma história, que não é senão o conflito matriz desenvolvido. Sinopse

Leia mais