O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance."

Transcrição

1 Ensino Médio 1º ano

2 O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características, estão a concisão, a precisão, a densidade, a unidade de efeito ou impressão total. o conto precisa causar um efeito singular no leitor; muita excitação e emotividade

3 Afinal, o que é o conto? Conto é a designação que damos à forma narrativa de menor extensão e que se diferencia do romance e da novela não só pelo seu tamanho, mas também por possuir características estruturais próprias. Ele possui os mesmos componentes do romance, mas evita análises, complicações do enredo e o tempo e o espaço são muito bem delimitados.

4 É uma narrativa linear, que não se aprofunda no estudo da psicologia das personagens nem nas motivações de suas ações. É uma narrativa breve; desenrolando um só incidente predominante e um só personagem principal, contém um só assunto, cujos detalhes são tão comprimidos e o conjunto do tratamento dado à temática é tão organizado, que produzem uma só impressão.

5 Tensão, ritmo, o imprevisto dentro dos parâmetros previstos, unidade, compactação, concisão, conflito, início meio e fim; O passado e o futuro têm significado menor; o flashback pode acontecer, mas só se absolutamente necessário, mesmo assim da forma mais curta possível.

6 Um dos pontos com que muita gente concorda diz respeito ao tamanho do conto: não deve ser muito longo pois transformase numa novela; nem tão curto porque corre-se o risco de transformá-lo em anedota. O ideal é que se possa, enfim, ler de uma assentada só.

7 Linguagem: objetiva; utiliza metáforas de imediata compreensão para o leitor; sem abstrações nem rebuscamento. Os fatos devem estar presentes e predominantes. Ação antes da intenção. Tempo: linear, objetivo. A cronologia do conto é a do relógio, de modo que o leitor vê os fatos se sucederem numa continuidade semelhante à vida real.

8 O conto não se preocupa em erguer um retrato completo das personagens, mas em centrar se nos conflitos entre as personagens. A descrição do espaço ou do ambiente é modesta, pois o drama é expresso essencialmente pelo diálogo e dispensa o cenário. O drama mora nas pessoas, não nas coisas e nem na roupagem. A descrição completa-se com 2 ou 3 notas singelas, apenas para situar o conflito no espaço.

9 O final enigmático prevaleceu até fim do século XIX e era muito importante, pois trazia o desenlace surpreendente (o fechamento com chave de ouro, como se dizia). Hoje em dia tem pouca importância; alguns críticos e escritores acham-no perfeitamente dispensável; mesmo assim, não há como negar que o final no conto é sempre mais carregado de tensão do que no romance ou na novela e que um bom final é fundamental no gênero.

10 Em outras palavras: no geral o conto se apresenta com uma ordem. O conflito traz uma desordem e a solução desse conflito (favorável ou não) faz retornar à ordem agora com ganhos e perdas, portanto essa ordem difere da primeira. O conto é um problema e uma solução, diz Enrique Aderson Imbert..

11 Dentre os componentes da linguagem do conto, o diálogo é o mais importante de todos. Está em primeiro lugar; por ser dramático, o conto deve ser tanto quanto possível dialogado. Os conflitos, os dramas residem na fala das pessoas, nas palavras ditas, não no resto. Sem diálogos não há discórdia, desavença, e sem isso, não há conflito, nem ação. 1) Discurso Direto: As personagens conversam entre si; usam-se os travessões. Além de ser o mais conhecido é, também, predominante no conto. 2) Discurso Indireto: Quando o escritor resume a fala da personagem em forma narrativa, sem destacá-la. Vamos dizer que a personagem conta como aconteceu o diálogo, quase que reproduzindo-o.

12 3) Discurso Indireto livre: É a fusão entre autor e personagem (primeira e terceira pessoa narrativa); o narrador narra, mas no meio da narrativa surgem diálogos indiretos da personagem como que complementando o que disse o narrador. 4) Monólogo interior (ou fluxo de consciência: É o que se passa dentro do mundo psíquico da personagem; falando consigo mesma

13 FOCO INTERNO: É caracterizado pela visão dos acontecimentos de uma das personagens. Participando e narrando as ações, o narrador oferece um modo pessoal e particular de observar os fatos. Nesta perspectiva a história é contada em primeira pessoa pelo narrador- personagem. FOCO EXTERNO: Quando a história é contada por alguém que não participa diretamente dos fatos, temos uma perspectiva externa da narração. O enredo é marcado pela terceira pessoa e aí temos um narrador- observador que somente observa os fatos e nos relata. A visão do narrador-observador é objetiva e distante.

14 FOCO ONISCIENTE: A perspectiva onisciente marcada pela terceira pessoa do discurso, evidencia a presença de uma espécie de narrador- que sabe da história, dos fatos dos pensamentos e ações dos personagens; O narrador onisciente não apenas diz o que as personagens fazem ou falam, mas também traduz o que elas pensam ou sentem.

15 1) Prender o interesse do leitor; evitar ser chato. Pense em Aristóteles, para quem a catarse, enquanto experiência vivida pelo espectador ou ouvinte, é condição fundamental para definir a qualidade de uma obra. 2) Usar, se possível, frases curtas. A clareza vem do cuidado com a estruturação da frase: as intercalações excessivas prejudicam a compreensão da idéia.

16 3) Capítulos e parágrafos curtos, para o leitor poder respirar. Evitar muitas personagens, descrições longas, rebuscamentos, adjetivações, clichês, repetir palavras; 4) Trama/enredo/tema ou estilo, original; 5) Se possível usar ironia, humor, graça e ser verossímil. Ser verossímil é importante, mas não devemos confundir verossimilhança com verdade; a história não tem de ser obrigatoriamente verdadeira, mas parecer que o é.

DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO

DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO DENOTAÇÃO Atribui às palavras significados claros, objetivos, que evocam um único sentido, aceito pelas pessoas como algo convencional. Ex.: A rosa é uma flor perfumada. CONOTAÇÃO

Leia mais

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador Acção Espaço Tempo Personagem Narrador A acção é constituída por sequências narrativas (acontecimentos) provocadas ou experimentadas pelas personagens, que se situam num espaço e decorrem num tempo, mais

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

Tipologia textual. Prof Carlos Zambeli

Tipologia textual. Prof Carlos Zambeli Tipologia textual Prof Carlos Zambeli Que que é isso? é a forma como um texto se apresenta. As tipologias existentes são: narração, descrição, dissertação, exposição, argumentação, informação e injunção.

Leia mais

Variação social ou diastrática

Variação social ou diastrática L.E. Semana 3 Sábado Variação social ou diastrática Variação linguística a partir da posição social ocupada pelo falante A idade do falante é um importante elemento na produção do discurso oral e escrito.

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

ATIVIDADE AVALIATIVA DE RECUPERAÇÃO

ATIVIDADE AVALIATIVA DE RECUPERAÇÃO ATIVIDADE AVALIATIVA DE RECUPERAÇÃO Nome: Nº DA CHAMADA: Tempo estipulado pelo professor para a aplicação da Avaliação: h/a º TRIMESTRE/ 0 º ANO Componente Curricular: Redação Ano/ Série e Turma: Data:

Leia mais

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média + Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto III Média + O que é um conto? n Conto é uma narrativa curta que apresenta os mesmos elementos de um romance: narrador, personagens, enredo, espaço e tempo.

Leia mais

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio Escola E.B. 2, 3 professor Gonçalo Sampaio Departamento de línguas Português - 8ºano Planificação anual simplificada 2014/2015 1º Período Unidade 0 Uma nova viagem

Leia mais

Cinema na escola: O Tempo e o Vento. Trecho da série para TV (1985):

Cinema na escola: O Tempo e o Vento. Trecho da série para TV (1985): Cinema na escola: O Tempo e o Vento Desde 1895, filmes foram feitos para emocionar, alegrar e surpreender seu público. Muitos deles mostram personagens com características bem marcadas. Características

Leia mais

CULLER, Jonathan. Narrativa. In:. Teoria. Literária. São Paulo: Beca, 1999, pp. 84-94. No século XX, a narrativa, através do romance,

CULLER, Jonathan. Narrativa. In:. Teoria. Literária. São Paulo: Beca, 1999, pp. 84-94. No século XX, a narrativa, através do romance, CULLER, Jonathan. Narrativa. In:. Teoria Literária. São Paulo: Beca, 1999, pp. 84-94. No século XX, a narrativa, através do romance, passa a ter maior interesse e, a partir dos anos 60, passa a dominar

Leia mais

Os alunos fizeram uma visita ao zoológico, onde puderam observar várias espécies de animais.

Os alunos fizeram uma visita ao zoológico, onde puderam observar várias espécies de animais. Uso do onde e aonde O advérbio é uma classe de palavras cuja função gramatical é acompanhar e modificar um verbo, exprimindo a circunstância da ação verbal, por isso o nome ad-vérbio, ou seja, a palavra

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino Fundamental Língua Portuguesa 2) Inferir o sentido

Leia mais

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro

Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Curso de Gerente de Loja - Ações Práticas que Geram Lucro Módulo 1 Liderança e Gestão de Lojas de Varejo Tema 3 - Liderança Liderança Liderança: Como liderar uma equipe de vendas? Quais as habilidades

Leia mais

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo. Professor Isaac Antonio Camargo

HISTÓRIA DA ARTE. Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo. Professor Isaac Antonio Camargo HISTÓRIA DA ARTE Pré-História e Antiguidade Das cavernas para o mundo Professor Isaac Antonio Camargo 1 1 DAS CAVERNAS PARA O MUNDO A Pintura Rupestre, assim denominada por por usar a rocha como suporte

Leia mais

Manual para elaboração de artigos

Manual para elaboração de artigos 1 Manual para elaboração de artigos ESTRELA 2016 2 APRESENTAÇÃO Este documento visa auxiliar os estudantes da Faculdade La Salle Estrela na elaboração de artigos, apresentando as regras dispostas nas normas

Leia mais

FUNÇÕES DA LINGUAGEM

FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM FUNÇÕES DA LINGUAGEM Funções da Linguagem: são o conjunto das finalidades comunicativas realizadas por meio dos enunciados da língua. Enunciado: é tudo aquilo que é dito ou escrito

Leia mais

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN

IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN IGREJA EVANGÉLICA ASSEMBLEIA DE DEUS DE MOSSORÓ RN CURSO SOBRE O CREMOS DA ASSEMBLEIA DE DEUS Segundo Artigo de Fé: Cremos, Na inspiração divina verbal e plenária da Bíblia Sagrada, única regra infalível

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 5º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 UM, DOIS, TRÊS COMEÇAR! UNIDADE

Leia mais

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Planificação Anual º Ciclo- Português- Curso Vocacional

Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Planificação Anual º Ciclo- Português- Curso Vocacional Módulo 1 - Texto narrativo Agrupamento de Escolas General Humberto Delgado Planificação Anual 2015-2016 2º Ciclo- Português- Curso Vocacional Organização modular Módulos Conteúdos Carga horária Conto Popular

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 8 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles

Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles Seminário 1 O mundo de Sofia - Aristóteles Leonardo Mendes Padilha Alex Campolina Marcelo Melo Flávio Gonçalves Jacqueline Pawlowsk Gerson Freitas Wellington Souza Fernanda Modesto Departamento de Organização

Leia mais

Preciso saber se estou indo bem!

Preciso saber se estou indo bem! Preciso saber se estou indo bem! Autor: Richard L. Williams Alunos: Lubiana, Maiara, Pedro e Skalit Turma: 1º Administração Venda Nova do Imigrante, Maio de 2012. Qual o principal assunto do livro O livro

Leia mais

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA

FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA FILOSOFIA 11º ano O CONHECIMENTO E A RACIONALIDADE CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Governo da República Portuguesa Descrição e interpretação da atividade cognoscitiva 1.1 Estrutura do ato de conhecer 1.2 Análise

Leia mais

Como Criar uma. Autobiografia

Como Criar uma. Autobiografia Como Criar uma Autobiografia Estratégia de Trabalho A mediadora: Vera Ramos A Abordagem (Auto)biográfica aproxima-se das Histórias de Vida como método, na medida em que visa a construção de um sentido

Leia mais

Língua Portuguesa 8º ano

Língua Portuguesa 8º ano Língua Portuguesa 8º ano Conteúdos por Unidade Didática 1º Período A - Comunicação Oral. Ideias principais.. Ideias secundárias..adequação comunicativa ( processos persuasivos; recursos verbais e não verbais)..

Leia mais

A escrita que faz a diferença

A escrita que faz a diferença A escrita que faz a diferença Inclua a Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro em seu planejamento de ensino A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro é uma iniciativa do Ministério

Leia mais

Na época, Mali era professor do ensino médio em Nova York e comentava com a plateia

Na época, Mali era professor do ensino médio em Nova York e comentava com a plateia Como fazer uma apresentação impecável Algumas pessoas batalham a vida inteira para alcançar uma boa reputação. Mas o americano Taylor Mali conseguiu isso com um único discurso, feito espontaneamente durante

Leia mais

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico.

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. 1º Período (13 semanas) Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano Metas Oralidade Conteúdos Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. Leitura

Leia mais

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Anexo 5 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo 5 Trabalhando com textos na Alfabetização (Marlene Carvalho, 2005) Muitas professoras

Leia mais

Como elaborar um relatório

Como elaborar um relatório Francisco Carrapiço, 2001 Biologia Celular Como elaborar um relatório 1. O que é um relatório? Um relatório de uma actividade prática, é uma exposição escrita de um determinado trabalho ou experiência

Leia mais

Pai e Filho 1 Paulo Victor Batista de SOUSA 2 Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES 3 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Pai e Filho 1 Paulo Victor Batista de SOUSA 2 Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES 3 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte XXIII Prêmio Expocom 06 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Pai e Filho Paulo Victor Batista de SOUSA Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Leia mais

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante.

Obviamente não poderíamos ter um número negativo de livros. Também não poderíamos imaginar alguém falando: Tenho 3,4231 livros na minha estante. Conjunto dos Números Naturais A noção de um número natural surge com a pura contagem de objetos. Ao contar, por exemplo, os livros de uma estante, temos como resultado um número do tipo: N = {0,1,2,3 }

Leia mais

Rede de Computadores (REC)

Rede de Computadores (REC) Rede de Computadores (REC) Aula 03 OSI x TCP/IP Prof. Jackson Mallmann dcc2jm@joinville.udesc.br Modelo de Referência TCP/IP O modelo de referência TCP/IP foi o modelo de referência usado na "avó" de todas

Leia mais

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi

Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Saúde Mental e Trabalho Abordagens de estudo Disciplina: Saúde no Trabalho Professora: Elisabeth Rossi Considerações gerais: Le Guillant (há 50 anos). - De um lado, o trabalho que demandava intervenção

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Trabalho a trajetória humana nas produções e manifestações. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Material Educativo: Disse o Dicionário

Material Educativo: Disse o Dicionário Material Educativo: Disse o Dicionário Atividade que permite pensar sobre os sentidos denotativos e conotativos de palavras existentes em dicionários e presentes em poemas escolhidos, com o objetivo de

Leia mais

c- Muitas vezes nos deparamos com situações em que nos sentimos tão pequenos e às vezes pensamos que não vamos dar conta de solucioná-las.

c- Muitas vezes nos deparamos com situações em que nos sentimos tão pequenos e às vezes pensamos que não vamos dar conta de solucioná-las. FICHA DA SEMANA 5º ANO A e B Instruções: 1- Cada atividade terá uma data de realização e deverá ser entregue a professora no dia seguinte; 2- As atividades deverão ser copiadas e respondidas no caderno,

Leia mais

Com Alessandra França.

Com Alessandra França. Com Alessandra França www.auditoriodaalma.com.br Email: auditoriodalma@gmail.com Quando pensamos em Qualidade de Vida, o que vem em nossa mente? No entanto, as coisas não são bem assim... É cada vez maior

Leia mais

Elipse consiste na omissão de um termo facilmente identificável pelo contexto ou por elementos gramaticais presentes na frase com a intenção de

Elipse consiste na omissão de um termo facilmente identificável pelo contexto ou por elementos gramaticais presentes na frase com a intenção de Elipse consiste na omissão de um termo facilmente identificável pelo contexto ou por elementos gramaticais presentes na frase com a intenção de tornar o texto mais conciso e elegante. Ex.: Risco de vida.

Leia mais

Cuidado e desmedicalização na atenção básica

Cuidado e desmedicalização na atenção básica Rio de Janeiro, agosto de 2012 Cuidado e desmedicalização na atenção básica Laura Camargo Macruz Feuerwerker Profa. Associada FSP-USP Medicalização e a disputa pela vida Movimento de compreender todos

Leia mais

Entenda a importância dos ingredientes de qualidade

Entenda a importância dos ingredientes de qualidade Entenda a importância dos ingredientes de qualidade A cada receita que postamos, algumas dúvidas são frequentes e as principais são relacionadas à substituição de ingredientes. Com o tempo pretendemos

Leia mais

TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA

TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA A narrativa é o relato de acontecimentos que remetem para o conhecimento do Homem e das suas realizações no mundo; é uma forma de literatura que compreende

Leia mais

Elaboração de Textos P R O F. : M I C H E L E N A S U T O M I YA M A B U C C I

Elaboração de Textos P R O F. : M I C H E L E N A S U T O M I YA M A B U C C I Elaboração de Textos P R O F. : M I C H E L E N A S U T O M I YA M A B U C C I Introdução Existem vários tipos de textos: Que contam uma história. Que descrevem uma situação. Que apresenta os diálogos

Leia mais

CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br

CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br O que diferencia um conto de uma crônica? Leia algumas definições

Leia mais

MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO VOLUNTÁRIO

MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO VOLUNTÁRIO MOTIVAÇÃO PARA O TRABALHO VOLUNTÁRIO CVL - Centro Voluntário de Londrina (VÍDEO DA ESCADA) O QUE É SER UM VOLUNTÁRIO Ser voluntário é doar seu tempo, trabalho e talento para causas de interesse social

Leia mais

ÁBACO VERTICAL. 1º. Passo: Explicar aos alunos o significado de cada pino do ábaco.

ÁBACO VERTICAL. 1º. Passo: Explicar aos alunos o significado de cada pino do ábaco. ÁBACO VERTICAL É de extrema importância que os alunos construam os conceitos de número já nas séries iniciais, a fim de que estes evoluam do concreto aos estágios de abstração. Os Parâmetros Curriculares

Leia mais

PROJETO ATUALIDADE EM FOCO

PROJETO ATUALIDADE EM FOCO Centro Educacional Souza Amorim Jardim Escola Gente Sabida Sistema de Ensino PH Vila da Penha PRODUÇÃO TEXTUAL Nº3 ENTREGA: 17/ 03/ 2016 2º Ano do Ensino Médio Nome do aluno: Professor (a): DISCIPLINA:

Leia mais

Os quatro "passos" da leitura orante

Os quatro passos da leitura orante A leitura orante nada mais é do que a maneira como gerações e gerações de judeus e cristãos leram as Sagradas Escrituras, procurando nelas uma palavra do Deus vivo para a sua vida, em cada momento de sua

Leia mais

Conceitos Básicos e História

Conceitos Básicos e História Psicologia na Educação Aula 1 Conceitos Básicos e História Profa. Adriana Straube Nesta aula discutiremos sobre o conceito de psicologia. As origens da psicologia como ciência nascendo na Alemanha. História

Leia mais

Origem do empreendimento. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros

Origem do empreendimento. Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Origem do empreendimento Prof. Dr. Alexandre H. de Quadros Como surge um empreendimento A ideia de um empreendimento surge da: Observação; Percepção; E análise; Das atividades, tendências e desenvolvimento,

Leia mais

Produção de Videoaulas

Produção de Videoaulas Produção de Videoaulas Etapas da Produção Prof. Eduardo Barrére Nossas videoaulas são no estilo bricolagem. Por isso, não temos condições de elaborá-las com todas as etapas de produção de um material profissional

Leia mais

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O

C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O C O L É G I O F R A N C O - B R A S I L E I R O Nome: N.º: Turma: Professora: Série: 1ª Data: / / LISTA DE RECUPERAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA 1ª SÉRIE Texto 1: (As Brumas de Avalon Marion Zimmer Bradley,

Leia mais

Concordância e Regência Verbais

Concordância e Regência Verbais Concordância e Regência Verbais Enem 15 semanas 1. Para que se respeite a concordância verbal, será preciso corrigir a frase: a) Têm havido dúvidas sobre a capacidade do sistema de saúde cubano. b) Têm

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade 1º Período 1/13 Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Ano Lectivo

Leia mais

... Página 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANO LETIVO: 2013/2014 ANO:5º. CURRÍCULO DA DISCIPLINA: Português 1º PERÍODO

... Página 1 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS ANO LETIVO: 2013/2014 ANO:5º. CURRÍCULO DA DISCIPLINA: Português 1º PERÍODO AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE VILA POUCA DE AGUIAR SUL (150666) ANO LETIVO: 2013/2014 ANO:5º CURRÍCULO DA DISCIPLINA: Português CONTEÚDOS ANTES DE LER Relato/expressão oral. Compreensão. Título.Análise de

Leia mais

COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS Professor: Noslen

COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS Professor: Noslen Questões 01. COMPREENSÃO E PRODUÇÃO DE TEXTOS Professor: Noslen A 2ª fase da UFPR apresentou os textos não-verbais tão comentados em sala, assim, os alunos do curso Domínio estavam mais que preparados

Leia mais

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO

MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO MODELANDO O COSMO CSA 9ºANO - Característica e importância dos modelos e teorias científicas; - Disputas entre teorias científicas; - Modelos geocêntrico e heliocêntrico para o cosmo; - Introdução do conceito

Leia mais

Conteúdo: - Emprego do Eu e Mim, Onde e Aonde, Há e A. LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER 1 FORTALECENDO SABERES

Conteúdo: - Emprego do Eu e Mim, Onde e Aonde, Há e A. LÍNGUA PORTUGUESA CONTEÚDO E HABILIDADES APRENDER A APRENDER 1 FORTALECENDO SABERES CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA APRENDER 1 Conteúdo: - Emprego do Eu e Mim, Onde e Aonde, Há e A. CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA APRENDER 1 Habilidades:

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Texto Narrativo Quadro Geral O que se entende

Leia mais

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade

Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Estrutura e Referenciais da Prova de Avaliação de Capacidade Introdução Relativamente ao Curso Técnico Superior Profissional em Assessoria e Comunicação Organizacional, a área a que se refere o n. 1 do

Leia mais

Cursos de Educação e Formação de Adultos

Cursos de Educação e Formação de Adultos Curso EFA B3: Jardinagem e Espaços Verdes Área de Competência: Cidadania e Empregabilidade Unidade de Competência: Organização Política dos Estados Democráticos Nome: Data: FICHA DE ACTIVIDADE N.º 1- UM

Leia mais

3º Período 55 x 45 minutos

3º Período 55 x 45 minutos Direção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Código 161366 Contribuinte nº 600 074 978 Escola Secundária Dr. Bernardino Machado DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 8º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia

PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06. Prof.: Franklin M. Correia 1 PRINCÍPIOS DA ENGENHARIA DE SOFTWARE- AULA 06 Prof.: Franklin M. Correia NOS CAPÍTULOS ANTERIORES... Atividades de Gerenciamento Planejamento de Projetos Programação de Projeto O QUE TEMOS PARA HOJE!!

Leia mais

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística

Relacionamentos intrapessoal e interpessoal RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO. Comprometido. Inteligência Linguística RELACIONAMENTO INTERPESSOAL NA EDUCAÇÃO Relacionamentos intrapessoal e interpessoal Prof. Msc Rita de Cassia Moser Alcaraz Comprometido Envolvimento: ato ou efeito de envolver-se, envoltura 2 relacionamento,

Leia mais

Quem tem boca vai a Roma

Quem tem boca vai a Roma Quem tem boca vai a Roma AUUL AL A MÓDULO 14 Na aula passada, nós vimos como as informações constituem mapas que nos ajudam no dia-a-dia. É só saber buscá-las, isto é, quem tem boca vai a Roma. Hoje, nós

Leia mais

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio METÁFORAS Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio Para falar de histórias terapêuticas precisamos primeiro falar sobre metáforas. - Metáforas. O que são metáforas? -

Leia mais

Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca

Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca Escola Secundária com 3º Ciclo de Manuel da Fonseca PROVA DE EXAME A NÍVEL DE ESCOLA (Decreto-Lei nº 357/2007) (DURAÇÃO: 90 minutos + 30 minutos de tolerância) PORTUGUÊS 11.º / 12.º Anos Cursos Científico-Humanísticos

Leia mais

CONTEÚDOS DE AP2/2016

CONTEÚDOS DE AP2/2016 CONTEÚDOS DE AP2/2016 Unidade 3 (De casa até a escola); Unidade 4 (Cuidados com o meio ambiente); Revisão no caderno. 2 ANO Interpretação de texto; GRAMÁTICA: Capitulo 9 (Frase e ponto final); Capitulo

Leia mais

Professor Jailton.

Professor Jailton. Professor Jailton www.professorjailton.com.br Pronomes Possessivos São aqueles que se referem às pessoas do discurso, indicando ideia de posse. número pessoa Pronomes possessivos singular (um possuidor)

Leia mais

L I V R O D E R E G R A S

L I V R O D E R E G R A S L I V R O D E R E G R A S O desfile começou no País das Maravilhas. Todos estão fantasiados, as ruas decoradas, a excitação está no ar. Vamos achar mais pessoas para juntarse ao desfile. Você é um dos

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO ANO LETIVO: 2015/2016 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Educação literária Texto literário e texto não literário.

Leia mais

PROFESSORA: CLAUDIA ROSA

PROFESSORA: CLAUDIA ROSA PROFESSORA: CLAUDIA ROSA 1- DEMONSTRAR DOMÍNIO DA MODALIDADE ESCRITA DA LÍNGUA PORTUGUESA; Usar linguagem coloquial não rola Tipo assim, use a norma culta da gramática! 2 COMPREENDER A PROPOSTA DE REDAÇÃO

Leia mais

FATORAÇÃO. Os métodos de fatoração de expressões algébricas são:

FATORAÇÃO. Os métodos de fatoração de expressões algébricas são: FATORAÇÃO Fatorar consiste em representar determinado número de outra maneira, utilizando a multiplicação. A fatoração ajuda a escrever um número ou uma expressão algébrica como produto de outras expressões.

Leia mais

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho?

O Âmago do Evangelho. A justificação é o âmago do Evangelho? O Âmago do Evangelho A justificação é o âmago do Evangelho? Introdução Qual é o centro do Evangelho? Muitos vão dizer que a justificação é a base do Evangelho, pois sem justificação não poderíamos nos

Leia mais

6º ANO A 6º ANO B. São Paulo, 09 de março de São Paulo, 09 de março de COMUNICADO Nº /2016. COMUNICADO Nº /2016.

6º ANO A 6º ANO B. São Paulo, 09 de março de São Paulo, 09 de março de COMUNICADO Nº /2016. COMUNICADO Nº /2016. 6º ANO A HISTÓRIA 16/3 APOSTILA 1 CAP 1, 2 e 3. GEOGRAFIA 17/3 CAPÍTULOS 1 E 2 + ATIVIDADES NO CADERNO INGLÊS 18/3 CAPÍTULOS 1 E 2 - VOCABULÁRIO (PERMITIDO O USO DE MATEMÁTICA 21/3 CAPITULOS 1, 2, 3, 4

Leia mais

LITERACIA DA INFORMAÇÃO: GUIÃO

LITERACIA DA INFORMAÇÃO: GUIÃO LITERACIA DA INFORMAÇÃO: GUIÃO APRESENTAÇÃO ORAL. O que é uma apresentação oral? Uma apresentação oral é uma exposição, feita oralmente, sobre um tema, para um público mais ou menos restrito.. Como deve

Leia mais

o passado já não é mais e o futuro não é ainda.

o passado já não é mais e o futuro não é ainda. o passado já não é mais e o futuro não é ainda. Santo Agos*nho Uma pesquisa realizada no Brasil pela Associação Internacional de Stress, com cerca de 700 pessoas com idade entre 25 e 55 anos indicou que

Leia mais

Informação Prova de equivalência à frequência

Informação Prova de equivalência à frequência 1. INTRODUÇÃO O presente documento publicita a informação relativa à prova de equivalência à frequência do Ensino Secundário da disciplina de Psicologia B, a realizar em 2016, a nível de escola, de acordo

Leia mais

Carta dos Fóruns de EJA do Brasil ao Seminário Internacional de Educação ao Longo da Vida e Balanço Intermediário da VI CONFINTEA no Brasil+6

Carta dos Fóruns de EJA do Brasil ao Seminário Internacional de Educação ao Longo da Vida e Balanço Intermediário da VI CONFINTEA no Brasil+6 1 Carta dos Fóruns de EJA do Brasil ao Seminário Internacional de Educação ao Longo da Vida e Balanço Intermediário da VI CONFINTEA no Brasil+6 Os Fóruns de EJA do Brasil encaminha aos e às participantes

Leia mais

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição

Gr.Bíblico. Evangelho de. Nossa Senhora Conceição Evangelho de São Lucas Ano litúrgico C O Terceiro Envangelho O TEMPO DE JESUS E O TEMPO DA IGREJA Este evangelho põe em relevo as etapas da obra de Deus na História. Mais do que Mateus e Marcos, ao falar

Leia mais

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM

EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM EVANGELHO DO DIA E HOMILIA (LECTIO DIVINA) REFLEXÕES DE FREI CARLOS MESTERS,, O. CARM REFLEXÕES E ILUSTRAÇÕES DE PE. LUCAS DE PAULA ALMEIDA, CM 1) Oração Quinta-feira da 29ª Semana do Tempo Comum Deus

Leia mais

Gerenciamento de Risco

Gerenciamento de Risco 2010 Gerenciamento de Risco Nota Técnica 03 Diretoria de Investimentos Previ-Rio 09/2010 Nota técnica 03 Gerenciamento de Risco O gerenciamento de risco é um instrumento essencial para a otimização do

Leia mais

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS

CURRÍCULO ESCOLAR VMSIMULADOS CURRÍCULO ESCOLAR 01. Segundo a LDB (Lei no 9394/96), os currículos do ensino fundamental e médio devem ter uma base nacional comum, a ser complementada, em cada sistema de ensino e estabelecimento escolar,

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Cortes e seções. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Cortes e seções. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Cortes e seções Professor: João Carmo Introdução O recurso ao corte e à seção num desenho se dá, em geral, quando a peça a ser

Leia mais

Havia um certo homem rico, que tinha um administrador; e este foi acusado perante ele de estar esbanjando os seus bens. Quando soube, o rico o chamou

Havia um certo homem rico, que tinha um administrador; e este foi acusado perante ele de estar esbanjando os seus bens. Quando soube, o rico o chamou Havia um certo homem rico, que tinha um administrador; e este foi acusado perante ele de estar esbanjando os seus bens. Quando soube, o rico o chamou e disse-lhe: - Que é isto que ouço de ti? Quero que

Leia mais

Lógica de Predicados

Lógica de Predicados Lógica de Predicados Conteúdo Correção dos Exercícios (Rosen 47) Prioridade dos Quantificadores (Rosen 38) Ligando Variáveis (Rosen 38) Predicados com duas variáveis. Equivalências lógicas (Rosen 39) Negando

Leia mais

R e f l e x õ e s. António Paraíso

R e f l e x õ e s. António Paraíso R e f l e x õ e s António Paraíso O que vendem as Ópticas? Qual o seu P r o d u t o? Óculos Lentes de Contacto Líquidos diversos podem ser comprados em qualquer loja Porque é que o cliente vai escolher

Leia mais

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes

Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos. Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Educação do Campo e Sociologia da Infância: representações, lugares e contextos Andréia Sol Lisandra Ogg Gomes Não há docência sem discência 1 1) Representações: de crianças e adultos. 2) Lugares e

Leia mais

Manual do escritor independente e outros textos!

Manual do escritor independente e outros textos! Patrick Raymundo de Moraes 1 Patrick Raymundo de Moraes Manual do escritor independente e outros textos! Manual do escritor independente e outros textos 2 Copyright 2012 Patrick Raymundo de Moraes ISBN

Leia mais

Para Diretoras de Vendas Independente 6 aulas ao vivo + Caixa de Ferramentas. Mais 2 aulas dúvidas + 1 evento ao vivo.

Para Diretoras de Vendas Independente 6 aulas ao vivo + Caixa de Ferramentas. Mais 2 aulas dúvidas + 1 evento ao vivo. Para Diretoras de Vendas Independente 6 aulas ao vivo + Caixa de Ferramentas. Mais 2 aulas dúvidas + 1 evento ao vivo. Contrato Ser Exemplo The Mary Kay Way Regras do WhatsApp Como acompanhar suas DIQs

Leia mais

IBGE / FGV Gramática

IBGE / FGV Gramática GRAN ONLINE IBGE / FGV Gramática Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística IBGE Analista e Tecnologista LÍNGUA PORTUGUESA: Elementos de construção do texto e seu sentido: gênero do texto (literário

Leia mais

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril)

2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA CIÊNCIAS NATURAIS 2016 Prova 02 / 2016 1ª e 2ª fase 2.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 17/2016, de 4 de abril) O presente documento divulga informação

Leia mais

REVISÃO DE ANÁLISE SINTÁTICA Período composto

REVISÃO DE ANÁLISE SINTÁTICA Período composto REVISÃO DE ANÁLISE SINTÁTICA Período composto Professora Melina 9º. Ano Relembrando... ORAÇÃO Enunciado organizado em torno de um verbo. Você abre a janela. PERÍODO SIMPLES frase formada por uma só oração.

Leia mais

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso.

Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Documento Especificação de Requisitos da Ferramenta de construção de Modelos de Casos de Uso. Objetivo: Construção de uma ferramenta capaz de auxiliar a construção de modelos de casos de uso de sistemas,

Leia mais

OFICINA DE ORGANIZAÇÃO PESSOAL MARCIA NOLETO PERSONAL ORGANIZER

OFICINA DE ORGANIZAÇÃO PESSOAL MARCIA NOLETO PERSONAL ORGANIZER OFICINA DE ORGANIZAÇÃO PESSOAL MARCIA NOLETO PERSONAL ORGANIZER MEU TEMPO É PRECIOSO ROTINA INSANA CAOS COMIDA PARA FAZER CASA PARA LIMPAR FILHOS PARA CUIDAR TRABALHO COMO SER ORGANIZADA? Processo que

Leia mais

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES

MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES MEMÓRIAS DE UM SARGENTO DE MILÍCIAS E SUAS ADAPTAÇÕES Simone de Souza Burguês (PIBIC/CNPq-UEM), Mirian Hisae Yaegashi Zappone (Orientadora), e-mail: mirianzappone@gmail.com Universidade Estadual de Maringá/Departamento

Leia mais