O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance."

Transcrição

1 Ensino Médio 1º ano

2 O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características, estão a concisão, a precisão, a densidade, a unidade de efeito ou impressão total. o conto precisa causar um efeito singular no leitor; muita excitação e emotividade

3 Afinal, o que é o conto? Conto é a designação que damos à forma narrativa de menor extensão e que se diferencia do romance e da novela não só pelo seu tamanho, mas também por possuir características estruturais próprias. Ele possui os mesmos componentes do romance, mas evita análises, complicações do enredo e o tempo e o espaço são muito bem delimitados.

4 É uma narrativa linear, que não se aprofunda no estudo da psicologia das personagens nem nas motivações de suas ações. É uma narrativa breve; desenrolando um só incidente predominante e um só personagem principal, contém um só assunto, cujos detalhes são tão comprimidos e o conjunto do tratamento dado à temática é tão organizado, que produzem uma só impressão.

5 Tensão, ritmo, o imprevisto dentro dos parâmetros previstos, unidade, compactação, concisão, conflito, início meio e fim; O passado e o futuro têm significado menor; o flashback pode acontecer, mas só se absolutamente necessário, mesmo assim da forma mais curta possível.

6 Um dos pontos com que muita gente concorda diz respeito ao tamanho do conto: não deve ser muito longo pois transformase numa novela; nem tão curto porque corre-se o risco de transformá-lo em anedota. O ideal é que se possa, enfim, ler de uma assentada só.

7 Linguagem: objetiva; utiliza metáforas de imediata compreensão para o leitor; sem abstrações nem rebuscamento. Os fatos devem estar presentes e predominantes. Ação antes da intenção. Tempo: linear, objetivo. A cronologia do conto é a do relógio, de modo que o leitor vê os fatos se sucederem numa continuidade semelhante à vida real.

8 O conto não se preocupa em erguer um retrato completo das personagens, mas em centrar se nos conflitos entre as personagens. A descrição do espaço ou do ambiente é modesta, pois o drama é expresso essencialmente pelo diálogo e dispensa o cenário. O drama mora nas pessoas, não nas coisas e nem na roupagem. A descrição completa-se com 2 ou 3 notas singelas, apenas para situar o conflito no espaço.

9 O final enigmático prevaleceu até fim do século XIX e era muito importante, pois trazia o desenlace surpreendente (o fechamento com chave de ouro, como se dizia). Hoje em dia tem pouca importância; alguns críticos e escritores acham-no perfeitamente dispensável; mesmo assim, não há como negar que o final no conto é sempre mais carregado de tensão do que no romance ou na novela e que um bom final é fundamental no gênero.

10 Em outras palavras: no geral o conto se apresenta com uma ordem. O conflito traz uma desordem e a solução desse conflito (favorável ou não) faz retornar à ordem agora com ganhos e perdas, portanto essa ordem difere da primeira. O conto é um problema e uma solução, diz Enrique Aderson Imbert..

11 Dentre os componentes da linguagem do conto, o diálogo é o mais importante de todos. Está em primeiro lugar; por ser dramático, o conto deve ser tanto quanto possível dialogado. Os conflitos, os dramas residem na fala das pessoas, nas palavras ditas, não no resto. Sem diálogos não há discórdia, desavença, e sem isso, não há conflito, nem ação. 1) Discurso Direto: As personagens conversam entre si; usam-se os travessões. Além de ser o mais conhecido é, também, predominante no conto. 2) Discurso Indireto: Quando o escritor resume a fala da personagem em forma narrativa, sem destacá-la. Vamos dizer que a personagem conta como aconteceu o diálogo, quase que reproduzindo-o.

12 3) Discurso Indireto livre: É a fusão entre autor e personagem (primeira e terceira pessoa narrativa); o narrador narra, mas no meio da narrativa surgem diálogos indiretos da personagem como que complementando o que disse o narrador. 4) Monólogo interior (ou fluxo de consciência: É o que se passa dentro do mundo psíquico da personagem; falando consigo mesma

13 FOCO INTERNO: É caracterizado pela visão dos acontecimentos de uma das personagens. Participando e narrando as ações, o narrador oferece um modo pessoal e particular de observar os fatos. Nesta perspectiva a história é contada em primeira pessoa pelo narrador- personagem. FOCO EXTERNO: Quando a história é contada por alguém que não participa diretamente dos fatos, temos uma perspectiva externa da narração. O enredo é marcado pela terceira pessoa e aí temos um narrador- observador que somente observa os fatos e nos relata. A visão do narrador-observador é objetiva e distante.

14 FOCO ONISCIENTE: A perspectiva onisciente marcada pela terceira pessoa do discurso, evidencia a presença de uma espécie de narrador- que sabe da história, dos fatos dos pensamentos e ações dos personagens; O narrador onisciente não apenas diz o que as personagens fazem ou falam, mas também traduz o que elas pensam ou sentem.

15 1) Prender o interesse do leitor; evitar ser chato. Pense em Aristóteles, para quem a catarse, enquanto experiência vivida pelo espectador ou ouvinte, é condição fundamental para definir a qualidade de uma obra. 2) Usar, se possível, frases curtas. A clareza vem do cuidado com a estruturação da frase: as intercalações excessivas prejudicam a compreensão da idéia.

16 3) Capítulos e parágrafos curtos, para o leitor poder respirar. Evitar muitas personagens, descrições longas, rebuscamentos, adjetivações, clichês, repetir palavras; 4) Trama/enredo/tema ou estilo, original; 5) Se possível usar ironia, humor, graça e ser verossímil. Ser verossímil é importante, mas não devemos confundir verossimilhança com verdade; a história não tem de ser obrigatoriamente verdadeira, mas parecer que o é.

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos.

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. CONTOS A ORIGEM DO CONTO A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. O ato de narrar um acontecimento oralmente

Leia mais

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO Prof.ª Nivania Alves A narração é um modo de organização de texto cujo conteúdo está vinculado, em geral, às ações ou acontecimentos contados por um narrador. Para construir

Leia mais

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário Elementos da narrativa Acção Tempo Espaço Personagens Narrador Modos de Expressão e representação Narratário O texto narrativo Conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas, o que implica

Leia mais

DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO

DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO DENOTAÇÃO Atribui às palavras significados claros, objetivos, que evocam um único sentido, aceito pelas pessoas como algo convencional. Ex.: A rosa é uma flor perfumada. CONOTAÇÃO

Leia mais

3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir.

3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir. 3 - (PUC-PR) Empregue o pronome relativo acompanhado ou não de preposição, nas lacunas das frases a seguir. 1. Fez o anúncio... todos ansiavam. 2. Avise-me... consistirá o concurso. 3. Existe um decreto...

Leia mais

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg O TEXTO DRAMÁTICO Ridendo castigat mores (a rir se criticam os costumes) O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar),

Leia mais

Serão avaliados: identificação das atividades (títulos e subtítulos), letra legível, paragrafação, consistência e clareza nas respostas.

Serão avaliados: identificação das atividades (títulos e subtítulos), letra legível, paragrafação, consistência e clareza nas respostas. Nome: Ano: 6 ANO Disciplina: P. textos Nº: Data: Professor: Valdeci Lopes 1. Organizar registros do caderno ( trazer o caderno para visto) Dica: como referencia para a proposta 1 - procure um amigo da

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

Você conhece a sua Bíblia?

Você conhece a sua Bíblia? Você conhece a sua Bíblia? Atividade da última aula Vamos praticar?? Compare a introdução de Paulo em Gálatas 1.6-10 com outras introduções nas cartas aos Romanos 1. 8-10 e 1 Coríntios 1. 4-9. Há algum

Leia mais

Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel.

Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel. Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel. Olá, vamos conversar um pouco sobre o texto narrativo, suas artimanhas e algumas dicas para começar seu livro. Não se iluda achando que os grandes escritores

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média

Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto. III Média + Língua Portuguesa Introdução ao estudo do conto III Média + O que é um conto? n Conto é uma narrativa curta que apresenta os mesmos elementos de um romance: narrador, personagens, enredo, espaço e tempo.

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

SEMANA:1 ESTRUTURA DA NARRATIVA OBSERVE:

SEMANA:1 ESTRUTURA DA NARRATIVA OBSERVE: MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO D E C E x D E P A COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO Língua Portuguesa 7º ano E.F. Cel Arthur, Maj Luiz Fernando, Ten Mõnica Hipólito Texto Narrativo 1 SEMANA:1

Leia mais

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus REVISÃO APOSTILA 02 Sistema Anglo 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR Colégio Sagrado Coração de Jesus NARRATIVA POLICIAL Objetivos: Narrativa cujo objetivo é contar uma história permeada de suspense e

Leia mais

Análise de discursos textuais: questões

Análise de discursos textuais: questões Análise de discursos textuais: questões Com base no texto a seguir, responda às questões (1) e (2): Os Poemas Os poemas são pássaros que chegam não se sabe de onde e pousam no livro que lês. Quando fechas

Leia mais

Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori

Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori - SUMÁRIO SINOPSE... 4 ESPETÁCULO... 5 FICHA TÉCNICA... 6 FOTOS... 7 MAPA TÉCNICO... 9 SINOPSE A montagem da

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA

TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA TEXTO DE APOIO DE PORTUGUÊS CATEGORIAS DA NARRATIVA A narrativa é o relato de acontecimentos que remetem para o conhecimento do Homem e das suas realizações no mundo; é uma forma de literatura que compreende

Leia mais

CULLER, Jonathan. Narrativa. In:. Teoria. Literária. São Paulo: Beca, 1999, pp. 84-94. No século XX, a narrativa, através do romance,

CULLER, Jonathan. Narrativa. In:. Teoria. Literária. São Paulo: Beca, 1999, pp. 84-94. No século XX, a narrativa, através do romance, CULLER, Jonathan. Narrativa. In:. Teoria Literária. São Paulo: Beca, 1999, pp. 84-94. No século XX, a narrativa, através do romance, passa a ter maior interesse e, a partir dos anos 60, passa a dominar

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO P1-2º BIMESTRE 6º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Revisar a estrutura dos tipos textuais narração e descrição. Conhecer

Leia mais

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO A HIPERMÍDIA É UM NOVO A HIPERMÍDIA É UM NOVO PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO O texto identifica e organiza os elementos constitutivos da roteirização de produções audiovisuais como o cinema ou a televisão, e

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR

MATERIAL COMPLEMENTAR MATERIAL COMPLEMENTAR dicas de redação Uma boa redação é instrumento valioso para o progresso na escrita. Por meio dela, são apontados os problemas do texto, as falhas de construção,os desvios da norma

Leia mais

Disciplina: Português 2012 / º Ano Módulo: 4 Texto narrativo FICHA INFORMATIVA. Comunicação literária

Disciplina: Português 2012 / º Ano Módulo: 4 Texto narrativo FICHA INFORMATIVA. Comunicação literária Comunicação literária FICH INFORMTIV Disciplina: Português 2012 / 2013-1º no Módulo: 4 Texto narrativo O que faz do homem aquilo que ele é, um ser distinto de todos os demais seres vivos, é a linguagem,

Leia mais

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana.

Papel: contribuir para a compreensão da natureza e funcionamento da tradição humana. 1 Antropologia, a Ciência do homem A ciência - antropologia divide-se em dois campos: 1) Antropologia Física - Refere-se à forma Física do Homem (biologia humana); 2) Antropologia Social - Comportamento

Leia mais

3º Período 55 x 45 minutos

3º Período 55 x 45 minutos Direção Regional de Educação do Centro Agrupamento de Escolas Figueira Mar Código 161366 Contribuinte nº 600 074 978 Escola Secundária Dr. Bernardino Machado DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA 8º ANO DE ESCOLARIDADE

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

Nome: Número: Data: Série: 6ª Turma: Disciplina: Redação Professor: Aline Augustin MATERIAL DE APOIO EXAME FINAL Narração Descritiva

Nome: Número: Data: Série: 6ª Turma: Disciplina: Redação Professor: Aline Augustin MATERIAL DE APOIO EXAME FINAL Narração Descritiva Nome: Número: Data: Série: 6ª Turma: Disciplina: Redação Professor: Aline Augustin MATERIAL DE APOIO EXAME FINAL - 2012 Narração Descritiva Narração - Ao encadear uma sequência de fatos (reais ou imaginários)

Leia mais

EBSERH E D I I T T R A

EBSERH E D I I T T R A EBSERH E D I T R A APRESENTAÇÃO...3 INTERPRETAÇÃO DE TEXTO...5 1. Informações Literais e Inferências possíveis...6 2. Ponto de Vista do Autor...7 3. Significado de Palavras e Expressões...7 4. Relações

Leia mais

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador Acção Espaço Tempo Personagem Narrador A acção é constituída por sequências narrativas (acontecimentos) provocadas ou experimentadas pelas personagens, que se situam num espaço e decorrem num tempo, mais

Leia mais

Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos

Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DO VISO Escola E.B.2,3 do Viso Ano Letivo de 2011/ 2012 Língua Portuguesa Guião de Leitura da obra Constantino, Guardador de Vacas e de Sonhos de Alves Redol Professora: Salete Pereira

Leia mais

Linguagem Cinematográfica. Myrella França

Linguagem Cinematográfica. Myrella França Linguagem Cinematográfica Myrella França I. Termos Básicos TOMADA - Filmagem contínua de cada segmento específico da ação do filme. "TAKE" - Tomada; começa no momento em que se liga a câmara até que é

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 10 9 9 11 11 3.º período 9 10 9 9 10 (As aulas previstas

Leia mais

a cobronça, a princesa e a supresa

a cobronça, a princesa e a supresa projeto pedagógico a cobronça, a princesa e a supresa Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar (11) 3874-0884 divulga@melhoramentos.com.br Fê ilustrações e Celso Linck www.editoramelhoramentos.com.br

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

EMENTA OBJETIVO GERAL. Ampliar os conhecimentos gramaticais, utilizando-os de forma apropriada nas práticas de linguagem oral e escrita.

EMENTA OBJETIVO GERAL. Ampliar os conhecimentos gramaticais, utilizando-os de forma apropriada nas práticas de linguagem oral e escrita. Ensino Fundamental II 7º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Língua Portuguesa PROFESSOR Ana Paula dos Santos Cabral CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO TOTAL SEMANAL 7º ano A 2017 1.1 - Gêneros literários: poema

Leia mais

PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO ESCOLA ENSINO FUNDAMENTAL: 6º ANO

PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO ESCOLA ENSINO FUNDAMENTAL: 6º ANO PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2014 2ª FASE - REDAÇÃO ESCOLA ENSINO FUNDAMENTAL: 6º ANO Jaguarari, novembro de 2014. CADERNO DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Este caderno contém: A proposta de redação; Os critérios

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

História de um primeiro amor Sugestão de Leitura

História de um primeiro amor Sugestão de Leitura História de um primeiro amor Sugestão de Leitura Convidamos você e seus alunos adolescentes a conhecerem mais uma história de amor comovente: História de um primeiro amor, do escritor Drummond Amorim.

Leia mais

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS GRUPOS 1, 3 E 4 (1º DIA 14/10/2012) PROVA DISCURSIVA DE PORTUGUÊS E LITERATURA VESTIBULAR PUC-RIO 2013 GABARITO PORTUGUÊS E LITERATURA BRASILEIRA DISCURSIVA ATENÇÃO:

Leia mais

Recuperação. Nome: Nº 8º ano / Ensino Fundamental Turma: Disciplina(s): Português

Recuperação. Nome: Nº 8º ano / Ensino Fundamental Turma: Disciplina(s): Português TIPO DE AVALIAÇÃO: Lista de Exercícios Recuperação Nome: Nº 8º ano / Ensino Fundamental Turma: Disciplina(s): Português Data: Professor(a): Érica Beatriz Nota: Leia o texto de Clarice Lispector e veja

Leia mais

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas

Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Comunicação e Semiótica e Análises Gráficas Alunos: Camila de Souza Silva 200720331 Mayara Moreira da Silva 200711846 Renato Graça Duque 200720337 4º Período Apresentação do Projeto O cliente Cátedra UNESCO

Leia mais

AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE

AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE AVALIAÇÃO MENSAL - A1-3º BIMESTRE - 2013 2º ANO A Leitura de textos instrucionais; Percepção de que o gênero é organizado em duas partes: lista de materiais e modo de fazer; Reconhecimento da importância

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 8 8 8 8 9 (As Aulas

Leia mais

COMUNICAÇÃO INTERNA 0002/13

COMUNICAÇÃO INTERNA 0002/13 Atender o telefone não é uma tarefa difícil fisicamente, mas utilizá-lo de forma correta e profissional, já não é tão linear quanto se pensa. Todas as ligações recebidas nos interessam, afinal somos uma

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (As Aulas

Leia mais

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PRODUÇÃO TEXTUAL 4º BIM/2016 3º ANO TEMA: Escolha um personagem de um dos livros que você leu neste bimestre e conte o que ele faz na história. mão das características específicas

Leia mais

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC)

Diversidade. Linguística. na Escola Portuguesa. Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) Diversidade Linguística na Escola Portuguesa Projecto Diversidade Linguística na Escola Portuguesa (ILTEC) www.iltec.pt www.dgidc.min-edu.pt www.gulbenkian.pt Texto Narrativo Quadro Geral O que se entende

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Critérios de Avaliação Português 1º ciclo

Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Critérios de Avaliação Português 1º ciclo Agrupamento de Escolas de Eugénio de Castro 1º Ciclo Ano letivo 2016/2017 Critérios de Avaliação Português 1º ciclo Domínios Ponderação (80%) Operacionalização/Indicadores Instrumentos de avaliação Oralidade

Leia mais

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo PROF. ALEMAR S. A. RENA www.fluxos.org SUJEITOS FICCIONAIS ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO CONCEITO INSEPARÁVEIS SUJEITO DA ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO EX. Maria escreveu um

Leia mais

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio Escola E.B. 2, 3 professor Gonçalo Sampaio Departamento de línguas Português - 8ºano Planificação anual simplificada 2014/2015 1º Período Unidade 0 Uma nova viagem

Leia mais

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem

Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem Linguagem como Interlocução em Portos de Passagem (Anotações de leitura por Eliana Gagliardi) Geraldi, em seu livro Portos de Passagem, São Paulo, Martins Fontes, 1991, coloca-nos que o ensino de Português

Leia mais

I) Descrição. Texto Descritivo. Seres, objetos, cenas, processos Momento único. Classes de palavras importantes

I) Descrição. Texto Descritivo. Seres, objetos, cenas, processos Momento único. Classes de palavras importantes TIPOLOGIA TEXTUAL O primeiro passo para a compreensão dos textos é o reconhecimento de seu modo de organização discursiva, ou seja, de seu tipo. Esse estudo pretende reconhecer as características peculiares

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG

TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO. Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG TRABALHAR COM GÊNEROS TEXTUAIS NO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO Maria da Graça Costa Val Faculdade de Letras/UFMG CEALE FAE/UFMG De onde vem a proposta de trabalhar com gêneros textuais? PCN de 1ª a 4ª séries

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1

METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 METODOLOGIA DO TRABALHO ACADÊMICO 1 A Redação Quando se fala em redação, em geral se associa a uma composição literária ou a uma dissertação de tese. No primeiro caso, relaciona-se a um trabalho fantasioso;

Leia mais

Centro de Ensino Médio 02 do Gama Professor: Cirenio Soares

Centro de Ensino Médio 02 do Gama Professor: Cirenio Soares Centro de Ensino Médio 02 do Gama Professor: Cirenio Soares TIPOS DE DISCURSO DISCURSO DIRETO = REPRODUÇÃO O próprio personagem fala. Paulo disse a ele: _ Venha cá. DISCURSO INDIRETO = TRADUÇÃO O autor

Leia mais

Um Guia para Elaborar Boas Apresentações. Profº:Ricardo Leal Lozano MSc

Um Guia para Elaborar Boas Apresentações. Profº:Ricardo Leal Lozano MSc Um Guia para Elaborar Boas Apresentações Profº:Ricardo Leal Lozano MSc 1. Introdução OS DEZ ERROS DE UMA APRESENTAÇÃO RUIM 1. Proposta ou objetivo confuso 2. Informações demais 3. Escrever para os olhos

Leia mais

Resenha. Fanzines: autoria, subjetividade e invenção de si (MUNIZ, Cellina Rodrigues (Org.). Fortaleza: Edições UFC, 2010. 139 p.)

Resenha. Fanzines: autoria, subjetividade e invenção de si (MUNIZ, Cellina Rodrigues (Org.). Fortaleza: Edições UFC, 2010. 139 p.) Resenha Fanzines: autoria, subjetividade e invenção de si (MUNIZ, Cellina Rodrigues (Org.). Fortaleza: Edições UFC, 2010. 139 p.) Alessandro Wilson Gonçalves Reinaldo FERNANDES 1 Na tentativa de compreensão

Leia mais

Tipologia textual. Prof Carlos Zambeli

Tipologia textual. Prof Carlos Zambeli Tipologia textual Prof Carlos Zambeli Que que é isso? é a forma como um texto se apresenta. As tipologias existentes são: narração, descrição, dissertação, exposição, argumentação, informação e injunção.

Leia mais

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula

Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula Anexo B Relação de Assuntos Pré-Requisitos à Matrícula MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino

Leia mais

PERÍODO 83.1 / 87.2 PROGRAMA EMENTA:

PERÍODO 83.1 / 87.2 PROGRAMA EMENTA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PERÍODO 83.1 / 87.2 EMENTA: Os gêneros literários: divisão e evolução. Caracterização segundo critérios intrínsecos e / ou extrínsecos. A teoria clássica e as teorias modernas

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA PARA AVALIAÇÃO EM LÍNGUA PORTUGUESA AVALIA BH 1º, 2º E 3º CICLOS DO ENSINO FUNDAMENTAL Na realização de uma avaliação educacional em larga escala, é necessário que os objetivos da

Leia mais

SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O

SISTEMA ANGLO DE ENSINO. Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O Prova Anglo P-01 Tipo D4-08/2010 G A B A R I T O 01. D 07. A 13. D 19. C 02. B 08. B 14. A 20. D 03. C 09. C 15. B 21. A 04. A 10. A 16. D 22. C 05. C 11. D 17. B 00 06. B 12. B 18. D DESCRITORES, RESOLUÇÕES

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO FINAL DE PROCEDIMENTOS DE LEITURA Nome: Nº 9º Data: / /2015 Professores: Belisa, Natália e Willian Nota: A - Introdução Neste ano, sua média final foi inferior a 6,0, o que revela

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 8 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

Manual do escritor independente e outros textos!

Manual do escritor independente e outros textos! Patrick Raymundo de Moraes 1 Patrick Raymundo de Moraes Manual do escritor independente e outros textos! Manual do escritor independente e outros textos 2 Copyright 2012 Patrick Raymundo de Moraes ISBN

Leia mais

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14

Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Escolas de Educação Básica, na Modalidade Educação Especial Parecer 07/14 Anexo 5 Semana Pedagógica 1º semestre - 2016 Anexo 5 Trabalhando com textos na Alfabetização (Marlene Carvalho, 2005) Muitas professoras

Leia mais

Revisão geral. O meu orador não entrega o seu controle remoto para ninguém.

Revisão geral. O meu orador não entrega o seu controle remoto para ninguém. O meu orador não entrega o seu controle remoto para ninguém. Nenhum dia sem uma linha. Avalia o outro pela voz, pelo olhar, pelas expressões faciais... FALANDO OS TRÊS IDIOMAS. a) Antes de discursar,

Leia mais

PROJETO DE PESQUISA GUIA PARA CONSULTA

PROJETO DE PESQUISA GUIA PARA CONSULTA PROJETO DE PESQUISA GUIA PARA CONSULTA Cristina Almeida 1 "A rejeição pura e simples gera o preconceito e o fechamento; a reflexão, ao contrário, é o que caracteriza o espírito científico atitude pessoal

Leia mais

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio

METÁFORAS. Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio METÁFORAS Capítulo II Construindo Histórias Terapêuticas Maria Teresa Soares Eutrópio Para falar de histórias terapêuticas precisamos primeiro falar sobre metáforas. - Metáforas. O que são metáforas? -

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE TOLEDO. Texto 1 Letras de músicas funk 1

GOVERNO DO ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO NÚCLEO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE TOLEDO. Texto 1 Letras de músicas funk 1 Nome: Maria Celia ATIVIDADES PRÁTICAS Texto 1 Letras de músicas funk 1 As letras de música do funk carioca escandalizam muita gente pelo conteúdo sexual, às vezes ofensivo, e palavras de baixo calão. O

Leia mais

RELAÇÕES INTERSEMIÓTICA NA OBRA MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS.*

RELAÇÕES INTERSEMIÓTICA NA OBRA MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS.* RELAÇÕES INTERSEMIÓTICA NA OBRA MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS.* Por: Zenildo Santos Silva ** zomocara@yahoo.com.br O presente trabalho fará uma observação das diferentes artes presentes no Livro Memórias

Leia mais

Terra Papagalli. José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta

Terra Papagalli. José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta Terra Papagalli José Roberto Torero e Marcus Aurelius Pimenta Terra Papagalli - Terra dos Papagaios. Nome dado ao Brasil em 1501. O livro é uma narrativa que conta, através da ótica de um degredado, a

Leia mais

5º ano. Atividade de Estudo de Português - 21/10/2016

5º ano. Atividade de Estudo de Português - 21/10/2016 4 Atividade de Estudo de Português - 21/10/2016 5º ano Leia o texto abaixo, em seguida responda. PECHADA O apelido foi instantâneo. No primeiro dia de aula, o aluno novo já estava sendo chamado de Gaúcho.

Leia mais

G A B A R I T O 01. B 05. B 09. B 13. A 02. A 06. C 10. D 14. B 03. D 07. D 11. C 15. B 04. B 08. C 12. D. SISTEMA ANGLO DE ENSINO Prova Anglo P-01

G A B A R I T O 01. B 05. B 09. B 13. A 02. A 06. C 10. D 14. B 03. D 07. D 11. C 15. B 04. B 08. C 12. D. SISTEMA ANGLO DE ENSINO Prova Anglo P-01 SISTEMA ANGLO DE ENSINO Prova Anglo P-01 G A B A R I T O Tipo D3-05/2016 01. B 05. B 09. B 13. A 02. A 06. C 10. D 14. B 03. D 07. D 11. C 15. B 04. B 08. C 12. D Resoluções Prova Anglo Língua Portuguesa

Leia mais

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico.

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. 1º Período (13 semanas) Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano Metas Oralidade Conteúdos Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. Leitura

Leia mais

Planificação anual Português 6º ano

Planificação anual Português 6º ano Planificação anual Português 6º ano Unidades / Textos Unidade 0 Leitura 1.º período Domínios / Conteúdos Nº de aulas previstas Começar de novo Apresentação Texto não literário Texto narrativo. 65 Avaliação

Leia mais

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre

Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão. Maria Cecilia Bonato Brandalize º Semestre Engenharia Cartográfica Comunicação e Expressão Maria Cecilia Bonato Brandalize 2015 1º Semestre Um texto constitui uma unidade comunicativa, uma unidade de uso da língua. Na sua construção e organização,

Leia mais

MODO PROFª MARIA CECÍLIA

MODO PROFª MARIA CECÍLIA MODO PROFª MARIA CECÍLIA Os modos verbais indicam a atitude de quem está falando diante dos fatos declarados: Indicativo certeza. Subjuntivo dúvida, desejo, hipótese. Imperativo ordem, pedido. O modo imperativo

Leia mais

Ao longo deste ano, fizeram-me muitas perguntas sobre temas variados relacionados com a sexualidade, perguntas essas feitas em diferentes contextos,

Ao longo deste ano, fizeram-me muitas perguntas sobre temas variados relacionados com a sexualidade, perguntas essas feitas em diferentes contextos, INTRODUÇÃO Falemos de Sexo sem Tabus, de uma forma simples, directa e de fácil compreensão, a todos os portugueses, homens e mulheres, curiosos e interessados em melhorar a sua sexualidade. Falar sobre

Leia mais

CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1. Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM

CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1. Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1 Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO Tendo em vista que a crônica trata-se de uma narrativa

Leia mais

Chave de correção para a produção de texto 1ª Avaliação Diagnóstica º Ano do ensino fundamental Conto Critérios Pontuação Descritores

Chave de correção para a produção de texto 1ª Avaliação Diagnóstica º Ano do ensino fundamental Conto Critérios Pontuação Descritores 1ª Avaliação Diagnóstica 2013 2º Ano do ensino fundamental Conto O texto está apropriado ao tema estabelecido nas imagens? A situação de produção própria do texto narrativo se manifesta no texto? A organização

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências - Espanhol 1 O CAT nº 15 vale dez pontos e deverá ser entregue à professora de Redação no dia 08 de setembro

Leia mais

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara.

O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. O mundo de cavaleiros destemidos, de virgens ingênuas e frágeis, e o ideal de uma vida primitiva, distante da civilização, tudo isso terminara. A segunda metade do século XIX presencia profundas modificações

Leia mais

Critérios de Correção de Redação

Critérios de Correção de Redação Clique aqui ->> Curso Português Pra Passar Critérios de Correção de Redação I ASPECTO ESTÉTICO 1. Legibilidade da letra; 2. Paragrafação; 3. Margens regulares; 4. Travessão; 5. Ausência de rasuras. 1.

Leia mais

PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA ÁREA DE EXATAS. Paulo R. S. Gomes Instituto de Física da UFF

PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA ÁREA DE EXATAS. Paulo R. S. Gomes Instituto de Física da UFF PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS NA ÁREA DE EXATAS Paulo R. S. Gomes Instituto de Física da UFF A Importância de publicar Prestação de contas à sociedade, divulgando o que aprendeu e descobriu, com o

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade III Trabalho a trajetória humana nas produções e manifestações. 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES

Leia mais

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016

Plano de Recuperação Semestral 1º Semestre 2016 Disciplina: Filosofia e Sociologia Série/Ano: 1º ANO Professores: Adriane e Silvio Objetivo: Proporcionar ao aluno a oportunidade de resgatar os conteúdos trabalhados durante o 1º semestre nos quais apresentou

Leia mais

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita.

D01 Reconhecer especificidades da linguagem escrita. MATRIZ DE REFERÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA PAEBES ALFA 1º ao 3º ano do Ensino Fundamental Tópicos Competências Descritores Níveis de Complexidade 1º ANO 2º ANO 3º ANO T1- Reconhecimento de convenções do

Leia mais

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À

AS QUESTÕES OBRIGATORIAMENTE DEVEM SER ENTREGUES EM UMA FOLHA À ENSINO FUNDAMENTAL Conteúdos do 8º Ano 3º/4º Bimestre 2014 Trabalho de Dependência Nome: N. o : Turma: Professor(a): Márcio Data: / /2014 Unidade: Cascadura Mananciais Méier Taquara Língua Portuguesa Resultado

Leia mais

Você não precisa decorar nada

Você não precisa decorar nada Que aprender inglês é importante e vai mudar a sua vida você já sabe, mas como aprender inglês e como fazer isso por conta própria? Nós separamos abaixo algumas dicas inéditas e que sem dúvida vão fazer

Leia mais

A. Análise do Jantar no Hotel Central Capítulo VI

A. Análise do Jantar no Hotel Central Capítulo VI Agrupamento de Escolas do Búzio Escola 2,3/S de Vale de Cambra Português 11ºano - A professora: Dina Baptista Ficha de trabalho sobre os Episódio da Crónica de Costumes d Os Maias, de Eça de Queirós A.

Leia mais

CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br

CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br CONTO OU CRÔNICA? http://64.233.179.104/search?q=cache:mjw9pgoamesj:www.anjosdepr ata.com.br/contocro.htm+livro+do+conto+a+cronica&hl=pt-br O que diferencia um conto de uma crônica? Leia algumas definições

Leia mais