UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:"

Transcrição

1 UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade. ELEMENTOS:

2 Narrador Pode ou não se envolver com a história 1ª ou 3ª pessoa. Personagens Número reduzido por haver valorização aos aspectos comportamentais e sociais neles observados. Espaço Restrito a poucos lugares. Praticamente sem mudança de ambiente em que fatos ocorrem.

3 Tempo Facultativo: cronológico ou psicológico. Enredo Foco na descrição de um fato cotidiano. Final sempre estimulador à reflexão. ESTRUTURA NÃO há forma fixa; MAS, geralmente, considera-se aspectos mais recorrentes: TÍTULO: É facultativo.

4 Se o puser, que este seja chave para a ideia central de reflexão. INTRODUÇÃO Enfatizar a apresentação das personagens, espaço, tempo e do cotidiano pretexto para a crônica. DESENVOLVIMENTO: Detalhar conflito da narrativa, com ênfase no

5 relato subjetivo. Aqui poderá haver inserções de ironias, sarcasmos, e críticas implícitas. CONCLUSÃO: Sugerir desfecho que evidencie reflexão do autor, alcançando no leitor, conforme o tema, diferentes efeitos. OS TIPOS DE CRÔNICA

6 O cronista pode trabalhar qualquer assunto, basta que tenha talento para fazê-lo. Até a falta de um assunto pode ser um assunto. Cada cronista é singular pelo estilo que apresenta. Portanto, a tentativa de classificar a crônica deve ser vista aqui como uma sugestão para você criar seu próprio texto. Crônica Lírica ou Poética Em uma linguagem poética e metafórica o autor extravasa sua alma lírica diante de episódios sentimentais, nostálgicos ou de simples beleza da vida urbana, significativos para ele. Como em Brinquedos Incendiados, de Cecília Meireles. Por vezes, esse tipo de crônica é construído em forma de versos poéticos. Contudo,

7 tem-se observado que a crônica lírica ou poética, está, cada vez mais, em desuso; devido, provavelmente, à violência e a degradação da vida nas grandes cidades brasileiras. Crônica de Humor Apresenta uma visão irônica ou cômica dos fatos em forma de um comentário, ou de um relato curto. Como em Sessão de Hipnotismo, de Fernando Sabino. É uma crônica muito próxima do conto. Procura basicamente o riso, com certo registro irônico dos costumes. Crônica-Ensaio Apesar de ser escrita em linguagem literária; ter um espírito humorístico e valer-se, inclusive, da ficção; este tipo de crônica apresenta uma visão abertamente

8 crítica da realidade cultural e ideológica de sua época, servindo para mostrar o que autor quer ou não quer de seu país. Aproxima-se do ensaio, do qual guarda o aspecto argumentativo. Paulo Francis e Arnaldo Jabor são dois grandes representantes desse tipo de crônica. Como exemplo, cito: Reality Show, de Marcelo Coelho. Crônica Descritiva Ocorre quando uma crônica explora a caracterização de seres animados e inanimados, num espaço vivo, como numa pintura. Crônica Narrativa

9 Tem por base uma história - às vezes, constituída só de diálogos - que pode ser narrada tanto na 1ª quanto na 3ª pessoa do singular. Por essas características, a crônica narrativa se aproxima do conto; por vezes até confundida com ele. É uma crônica comprometida com fatos do cotidiano, isto é, fatos banais, comuns. Não raro, a crônica narrativa explora a caracterização de seres. Quando isso acontece temos a crônica narrativa-descritiva. Crônica Dissertativa Opinião explícita, com argumentos mais "sentimentalistas" do que "racionais" - em vez de "segundo o IBGE a mortalidade infantil aumenta no Brasil", seria "vejo

10 mais uma vez esses pequenos seres não alimentarem sequer o corpo". Exposto tanto na 1ª pessoa do singular quanto na do plural. Crônica Reflexiva Reflexões filosóficas sobre vários assuntos. Apresenta uma reflexão de alcance mais geral a partir de um fato particular. Crônica Metafísica Constitui-se de reflexos filosóficos sobre a vida humana. CONTO CARACTERÍSTICA Efeito IMPACTANTE,

11 muitas vezes, CARÁTER ficcional; ENREDO ÚNICO Objetivo, que gera tensão e suspense ESTRUTURA SIMPLES, apresenta um único momento de clímax (decisão maior). ELEMENTOS DO CONTO Narrador Primeira ou terceira pessoa. Personagens reduzidas por se valorizarem aspectos comportamentais e sociais.

12 Espaço Restrito a poucos lugares. Quase não há mudança de ambiente em que os fatos ocorrem. Tempo Cronológico ou psicológico. Não se estende em demasia não dura muito. Fatos ocorrem por pouco tempo. Cada linha do conto contém, basicamente, uma ação. Enredo Foco na ação com final surpreendente. ESTRUTURA DO CONTO

13 Apresentação Pouca ênfase em descrições e foco na apresentação das personagens, espaço e tempo. Compõe um parágrafo. Detalhamento Detalhes do conflito da narrativa, FOCO NA AÇÃO. Dois ou três parágrafos. Clímax Momento de maior tensão, drama atinge seu ápice. Desfecho Final surpreendente, para clássicos, impactante, em torno da resolução do conflito. Conto moderno isto pode variar.

14 FÁBULA, APÓLOGO E PARÁBOLA. Fábula - Pequena narrativa que guarda uma moralidade. Utiliza personagens animais com características, personalidade e comportamento semelhantes aos dos seres humanos. O fato narrado é algo fantástico, não corriqueiro ou inusitado. Parábola: Narrativa curta. É uma narração alegórica que se utiliza de situações e pessoas para

15 comparar a ficção com a realidade e através dessa comparação transmitir uma lição de sabedoria (a moral da história). A parábola transmite uma lição ética através de uma prosa metafórica, de uma linguagem simbólica. Diferencia-se da fábula e do Apólogo por ser protagonizada por seres humanos. Gênero muito comum na Bíblia: As parábolas de Jesus. Apólogo: Narrativa curta. Gênero alegórico que ilustra um ensinamento de vida através de situações semelhantes às reais, envolvendo pessoas, objetos ou

16 animais, seres animados ou inanimados. Os apólogos têm o objetivo de atingir os conceitos humanos de forma que os modifique e reforme, levandoos a agir de maneira diferente. Os exemplos são utilizados para ajudar a modificar conceitos e comportamentos humanos, de ordem moral e social. Diferencia-se da fábula por se concentrar mais em situações reais, enquanto a fábula dá preferência a situações fantásticas, e também pelo fato de a fábula se utilizar de animais como personagens.

17 Diferencia-se da parábola pois esta trata de questões religiosas e lições éticas, enquanto o apólogo fala de qualquer tipo de lição de vida, mesmo que esta não seja a que é adotada pela maioria como a maneira correta de agir. ESTRUTURA da FÁBULA, APÓLOGO E PARÁBOLA. Os três textos possuem estrutura similar. APRESENTAÇÃO: Sucinta, foco nas personagens, no espaço e no tempo narrativos.

18 DESENVOLVIMENTO: Detalhista em narrar, ênfase na ação. Cada linha da fábula ou do apólogo ou da parábola deve ser estruturada em torno das ações das personagens. CONCLUSÃO: Impactante finalização, que traga mensagem moralizante implícita. ATENÇÃO: ATENDA às adaptações em cada gênero: Fábula protagonistas são animais; Apólogo seres inanimados; Parábola seres humanos.

19

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO ESCOLA ENSINO FUNDAMENTAL: 6º ANO

PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2ª FASE - REDAÇÃO ESCOLA ENSINO FUNDAMENTAL: 6º ANO PRÊMIO CORUJA DO SERTÃO 2014 2ª FASE - REDAÇÃO ESCOLA ENSINO FUNDAMENTAL: 6º ANO Jaguarari, novembro de 2014. CADERNO DO 6º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL Este caderno contém: A proposta de redação; Os critérios

Leia mais

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos.

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. CONTOS A ORIGEM DO CONTO A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. O ato de narrar um acontecimento oralmente

Leia mais

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO?

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? AULAS 9 À 12 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? A narração é um tipo de texto que conta uma sequência de fatos, sejam eles reais ou imaginários, nos quais as personagens atuam em

Leia mais

Elementos da narrativa

Elementos da narrativa Elementos da narrativa Narrador presente narrador ausente O narrador é aquele que conta a história Uma narrativa Quando não participa na história narrada, relatando apenas acontecimentos na terceira pessoa

Leia mais

A Parábola: uma palavra, dois conceitos

A Parábola: uma palavra, dois conceitos A Parábola: uma palavra, dois conceitos Helena Sousa Melo hmelo@uac.pt Professora do Departamento de Matemática da Universidade dos Açores Publicado no jornal Correio dos Açores em 17 de dezembro de 2015,

Leia mais

SEMANA:1 ESTRUTURA DA NARRATIVA OBSERVE:

SEMANA:1 ESTRUTURA DA NARRATIVA OBSERVE: MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO D E C E x D E P A COLÉGIO MILITAR DO RIO DE JANEIRO Língua Portuguesa 7º ano E.F. Cel Arthur, Maj Luiz Fernando, Ten Mõnica Hipólito Texto Narrativo 1 SEMANA:1

Leia mais

CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1. Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM

CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1. Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM CRÔNICA O Primeiro Dia de Foca 1 Janaína Evelyn Miléo CALDERARO 2 Luana Geyselle Flores de MOURA 3 Macri COLOMBO 4 Faculdade Boas Novas, Manaus, AM RESUMO Tendo em vista que a crônica trata-se de uma narrativa

Leia mais

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO

GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO GENEROS TEXTUAIS E O LIVRO DIDÁTICO: DESAFIOS DO TRABALHO Fernanda Félix da Costa Batista 1 INTRODUÇÃO O trabalho com gêneros textuais é um grande desafio que a escola tenta vencer, para isso os livros

Leia mais

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 7º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 7º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus REVISÃO APOSTILA 02 Sistema Anglo 7º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR Colégio Sagrado Coração de Jesus EFEITO DE SUSPENSE O suspense é um efeito muito utilizado por autores de diversos tipos de narrativas.

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves

ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO. Prof.ª Nivania Alves ESTRUTURA DO TEXTO NARRATIVO Prof.ª Nivania Alves A narração é um modo de organização de texto cujo conteúdo está vinculado, em geral, às ações ou acontecimentos contados por um narrador. Para construir

Leia mais

Matriz de referência de LÍNGUA PORTUGUESA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL

Matriz de referência de LÍNGUA PORTUGUESA - SAERJINHO 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL 7 5 ANO ENSINO FUNDAMENTAL H0 Ler frases. Períodos compostos. H03 Inferir uma informação em um H04 Identificar o tema Trabalhar o tema baseando-se na complexidade do texto, partindo de um texto de curta

Leia mais

AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO

AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO AS FÁBULAS E OS PRINCÍPIOS DA EDUCAÇÃO DO CAMPO: UMA ANÁLISE DO LIVRO DIDÁTICO Jefferson Geovane da Silva (jefferson.geovane@hotmail.com) Ana Paula Bezerra Carneiro (paulinha.caolly@gmail.com) Cinthya

Leia mais

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador

1ª edição Projeto Timóteo Como Pregar Mensagens Bíblicas Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Apostila do Orientador Como Pregar Mensagens Bíblicas Projeto Timóteo Coordenador do Projeto Dr. John Barry Dyer Equipe Pedagógica Marivete Zanoni Kunz Tereza

Leia mais

Chave de correção para a produção de texto 1ª Avaliação Diagnóstica º Ano do ensino fundamental Conto Critérios Pontuação Descritores

Chave de correção para a produção de texto 1ª Avaliação Diagnóstica º Ano do ensino fundamental Conto Critérios Pontuação Descritores 1ª Avaliação Diagnóstica 2013 2º Ano do ensino fundamental Conto O texto está apropriado ao tema estabelecido nas imagens? A situação de produção própria do texto narrativo se manifesta no texto? A organização

Leia mais

latim persona máscara

latim persona máscara A PERSONAGEM latim persona máscara É um simulacro; personagem X pessoa; Verdade X verossimilhança; ela precisa ser verossímil. PERSONAGEM SÓ APARECE NO TEXTO LITERÁRIO???? Figura humana representada em

Leia mais

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa.

1º ano. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social que ele ocupa. Emprego da fala, adequando-a ao contexto comunicativo e ao que se supõe ser o perfil do interlocutor, em função do lugar social 1º ano Respeito à fala do outro e aos seus modos de falar. texto, com foco

Leia mais

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico.

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. 1º Período (13 semanas) Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano Metas Oralidade Conteúdos Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. Leitura

Leia mais

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador

Acção Espaço Tempo Personagem Narrador Acção Espaço Tempo Personagem Narrador A acção é constituída por sequências narrativas (acontecimentos) provocadas ou experimentadas pelas personagens, que se situam num espaço e decorrem num tempo, mais

Leia mais

Serão avaliados: identificação das atividades (títulos e subtítulos), letra legível, paragrafação, consistência e clareza nas respostas.

Serão avaliados: identificação das atividades (títulos e subtítulos), letra legível, paragrafação, consistência e clareza nas respostas. Nome: Ano: 6 ANO Disciplina: P. textos Nº: Data: Professor: Valdeci Lopes 1. Organizar registros do caderno ( trazer o caderno para visto) Dica: como referencia para a proposta 1 - procure um amigo da

Leia mais

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a - edição - 2016 COMISSÃO JULGADORA orientações para o participante Caro(a) participante da Comissão Julgadora da Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo

Leia mais

Você conhece a sua bíblia?

Você conhece a sua bíblia? Você conhece a sua bíblia? RECORDANDO... Um breve tratado sobre as Escrituras - 66 livros: 39 AT + 27 NT - Ela é a revelação de Deus - Autores diferentes mas uma mesma mente formadora Interpretando a Bíblia

Leia mais

Narrativa: Elementos Estruturais (1)

Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa: Elementos Estruturais (1) Narrativa de ficção Discurso figurativo inscrito em coordenadas espaço-temporais. Sucessão temporal de ações (funções). Narrativa simples: passagem de um estado anterior

Leia mais

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER PROFESSORA IVANILDA TOLFFO BRAGHIATTO PROJETO CHARGES

ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER PROFESSORA IVANILDA TOLFFO BRAGHIATTO PROJETO CHARGES ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER PROFESSORA IVANILDA TOLFFO BRAGHIATTO PROJETO CHARGES ANGÉLICA MS JULHO/2011 ESCOLA ESTADUAL SENADOR FILINTO MÜLLER PROFESSORA IVANILDA TOLFFO BRAGHIATTO PROJETO

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS GRUPOS 1, 3 E 4 (1º DIA 14/10/2012) PROVA DISCURSIVA DE PORTUGUÊS E LITERATURA VESTIBULAR PUC-RIO 2013 GABARITO PORTUGUÊS E LITERATURA BRASILEIRA DISCURSIVA ATENÇÃO:

Leia mais

Gênero discursivo: Crônicas. Professora Katiuscia

Gênero discursivo: Crônicas. Professora Katiuscia Gênero discursivo: Crônicas Professora Katiuscia Crônica A crônica é um gênero literário que, a princípio, era um "relato cronológico dos fatos sucedidos em qualquer lugar"1, isto é, uma narração de episódios

Leia mais

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário

Elementos da narrativa. Acção. Tempo. Espaço. Personagens. Narrador. Modos de Expressão e representação. Narratário Elementos da narrativa Acção Tempo Espaço Personagens Narrador Modos de Expressão e representação Narratário O texto narrativo Conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas, o que implica

Leia mais

PERÍODO 83.1 / 87.2 PROGRAMA EMENTA:

PERÍODO 83.1 / 87.2 PROGRAMA EMENTA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA PERÍODO 83.1 / 87.2 EMENTA: Os gêneros literários: divisão e evolução. Caracterização segundo critérios intrínsecos e / ou extrínsecos. A teoria clássica e as teorias modernas

Leia mais

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS

ICE Introdução ao Antigo Testamento GÊNEROS LITERÁRIOS 1. Forma e conteúdo Todo texto tem forma e conteúdo. O conteúdo é a informação transmitida. A forma é a maneira como a informação é transmitida. Juntos, compõem o sentido do texto. 2. Formas fixas No dia-a-dia

Leia mais

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são

Leia mais

MATERIAL COMPLEMENTAR

MATERIAL COMPLEMENTAR MATERIAL COMPLEMENTAR dicas de redação Uma boa redação é instrumento valioso para o progresso na escrita. Por meio dela, são apontados os problemas do texto, as falhas de construção,os desvios da norma

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 6 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 8 8 8 8 9 (As Aulas

Leia mais

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus REVISÃO APOSTILA 02 Sistema Anglo 8º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR Colégio Sagrado Coração de Jesus NARRATIVA POLICIAL Objetivos: Narrativa cujo objetivo é contar uma história permeada de suspense e

Leia mais

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos narrados. Tempo histórico - refere-se à época ou momento histórico

Leia mais

4ª MARATONA PARA O CONCURSO DO INSS 2016

4ª MARATONA PARA O CONCURSO DO INSS 2016 4ª MARATONA PARA O CONCURSO DO INSS 2016 - Exercícios e dicas de estudos 23 de janeiro de 2016 Professora Vânia Aráujo INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS I N S S OPORTUNIDADE! 20% de desconto nos cursos online do

Leia mais

Categorias da narrativa

Categorias da narrativa Categorias da narrativa Ação Conjunto de acontecimentos que constituem uma narrativa e que são relatados, mas há que distinguir a importância de cada um deles para a história. Ação principal: constituída

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais?

Gêneros Textuais. E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Gêneros Textuais E aí, beleza!? Vamos juntos dar uma olhada em algumas dicas importantes de gêneros textuais? Para começar, vamos observar as imagens abaixo, reproduções de uma receita, uma manchete de

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a- edição 2016 ORIENTAÇÕES PARA A COMISSÃO JULGADORA ESCOLAR

Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a- edição 2016 ORIENTAÇÕES PARA A COMISSÃO JULGADORA ESCOLAR Do lugar de cada um, o saber de todos nós 5 a- edição 2016 ORIENTAÇÕES PARA A COMISSÃO JULGADORA ESCOLAR Prezado(a) diretor(a), A Olimpíada de Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro promove um concurso

Leia mais

Rev. Bras. de Casos de Ensino em Administração ISSN X

Rev. Bras. de Casos de Ensino em Administração ISSN X Rev. Bras. de Casos de Ensino em Administração ISSN 2179-135X COMO NARRAR UM CASO PARA ENSINO Sylvia Maria Azevedo Roesch 1 Universidade de Caxias do Sul O Método do Caso em Administração simula a análise

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO E CLASSIFICAÇÃO Disciplina: Português Ensino Básico Ano letivo: 16/17 5º ANO Perfil de Aprendizagens Específicas O aluno é capaz: Domínios Interpretar discursos orais breves (Referir

Leia mais

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo

Projeto Literatura Viva. Tema: Nacionalismo Projeto Literatura Viva Tema: Nacionalismo 2017 Justificativa Expressar-se oralmente é algo que requer confiança em si mesmo. Isso se conquista em ambientes favoráveis à manifestação do que se pensa, do

Leia mais

A FOCALIZAÇÃO. Wailing on the sax, Alfred Gockel

A FOCALIZAÇÃO. Wailing on the sax, Alfred Gockel A FOCALIZAÇÃO Wailing on the sax, Alfred Gockel Um dos elementos importantes da estruturação da diegese Ponto de vista Teóricos anglo-americanos Foco narrativo em especial, no Brasil Foco de narração C.

Leia mais

Unidade IV COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás

Unidade IV COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL. Profa. Ma. Andrea Morás Unidade IV COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Profa. Ma. Andrea Morás Textos Escrever bem é um hábito. Treino e revisão. Organizar as ideias aumenta a qualidade do conteúdo. Dicas para montagem de texto Sempre inicie

Leia mais

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL

MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL MATRIZ DE REFERÊNCIA LÍNGUA PORTUGUESA SADEAM 3º ANO DO ENSINO FUNDAMENTAL DOMÍNIOS COMPETÊNCIAS DESCRITORES D01 Distinguir letras de outros sinais gráficos. Reconhecer as convenções da escrita. D02 Reconhecer

Leia mais

Objectivos da Sessão. Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade. Introdução à Publicidade 1

Objectivos da Sessão. Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade. Introdução à Publicidade 1 Objectivos da Sessão Compreender o Conceito de Publicidade Análise da mensagem Publicitária Conceito de mensagem publicitária Tipos de mensagem publicitária Curso de Iniciação ao Marketing & Publicidade

Leia mais

Planificação anual Português 6º ano

Planificação anual Português 6º ano Planificação anual Português 6º ano Unidades / Textos Unidade 0 Leitura 1.º período Domínios / Conteúdos Nº de aulas previstas Começar de novo Apresentação Texto não literário Texto narrativo. 65 Avaliação

Leia mais

EMENTA OBJETIVO GERAL. Ampliar os conhecimentos gramaticais, utilizando-os de forma apropriada nas práticas de linguagem oral e escrita.

EMENTA OBJETIVO GERAL. Ampliar os conhecimentos gramaticais, utilizando-os de forma apropriada nas práticas de linguagem oral e escrita. Ensino Fundamental II 7º ano PLANO DE ENSINO DISCIPLINA Língua Portuguesa PROFESSOR Ana Paula dos Santos Cabral CARGA HORÁRIA TURMA ANO LETIVO TOTAL SEMANAL 7º ano A 2017 1.1 - Gêneros literários: poema

Leia mais

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO P1-1º BIMESTRE 8 º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Comparar textos, buscando semelhança e diferenças quanto às ideias

Leia mais

Análise de São Bernardo, de Graciliano Ramos

Análise de São Bernardo, de Graciliano Ramos GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: Daniel DISCIPLINA: Literatura SÉRIE: 3 ano ALUNO(a): No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a lista de exercícios leia atentamente as seguintes orientações: - É fundamental

Leia mais

A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR

A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR A LEITURA DO PEQUENO PRÍNCIPE COMO INCENTIVO NA FORMAÇÃO DO LEITOR FLÁVIA ALVES SAMPAIO; LEANDRO RODRIGUES DE SOUZA AZEVEDO; ANA LÚCIA MARIA DE SOUZA NEVES. Universidade Estadual da Paraíba RESUMO Este

Leia mais

texto narrativo ação espaço tempo personagens narrador. narração descrição diálogo monólogo

texto narrativo ação espaço tempo personagens narrador. narração descrição diálogo monólogo Português 2014/2015 O texto narrativo conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas. Contar uma história, ou seja, construir uma narrativa, implica uma ação, desenvolvida num determinado

Leia mais

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO

CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PRODUÇÃO TEXTUAL 4º BIM/2016 3º ANO TEMA: Escolha um personagem de um dos livros que você leu neste bimestre e conte o que ele faz na história. mão das características específicas

Leia mais

Bianca Grela (UEM) Camila Heloise Paes (UEM) Maria Heloisa Teixeira da Silva (UEM) Orientadora: Josimayre Novelli Coradim (UEM)

Bianca Grela (UEM) Camila Heloise Paes (UEM) Maria Heloisa Teixeira da Silva (UEM) Orientadora: Josimayre Novelli Coradim (UEM) Bianca Grela (UEM) Camila Heloise Paes (UEM) Maria Heloisa Teixeira da Silva (UEM) Orientadora: Josimayre Novelli Coradim (UEM) Apresentar uma análise comparativa entre o conto Cinderella (1812), dos Irmãos

Leia mais

Programação Anual. 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME

Programação Anual. 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) VOLUME VOLUME Programação Anual 7 ọ ano (Regime 9 anos) 6 ạ série (Regime 8 anos) 1 ọ 2 ọ 1. Amarrando as idéias COESÃO Introdução ao conceito de coesão Introdução aos mecanismos básicos de coesão Ordem das palavras

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO Proporciona no aluno a habilidade de conhecer os diversos tipos de contos, e desenvolver no aluno

Leia mais

Disciplina: Português 2012 / º Ano Módulo: 4 Texto narrativo FICHA INFORMATIVA. Comunicação literária

Disciplina: Português 2012 / º Ano Módulo: 4 Texto narrativo FICHA INFORMATIVA. Comunicação literária Comunicação literária FICH INFORMTIV Disciplina: Português 2012 / 2013-1º no Módulo: 4 Texto narrativo O que faz do homem aquilo que ele é, um ser distinto de todos os demais seres vivos, é a linguagem,

Leia mais

Palavra & Vida Sugestões Didáticas 4 T/2013. Dulce Helena da Silva Mota de Lima Educadora Religiosa / Professora e Assistente Social

Palavra & Vida Sugestões Didáticas 4 T/2013. Dulce Helena da Silva Mota de Lima Educadora Religiosa / Professora e Assistente Social Palavra & Vida Sugestões Didáticas 4 T/2013 Dulce Helena da Silva Mota de Lima Educadora Religiosa / Professora e Assistente Social Lição 2- Pais, criem seus filhos Texto Bíblico: PROVÉRBIOS 22.6 Objetivos

Leia mais

ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO ESTRUTURA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO CAPA DO RELATÓRIO DE ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO - Instituição de Ensino Universidade federal de São João del-rei

Leia mais

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio Escola E.B. 2, 3 professor Gonçalo Sampaio Departamento de línguas Português - 8ºano Planificação anual simplificada 2014/2015 1º Período Unidade 0 Uma nova viagem

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL

ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL ESTREMOZ PLANIFICAÇÃO ANUAL ESCOLA SECUNDÁRIA/3 RAINHA SANTA ISABEL 402643 - ESTREMOZ Competências Gerais PLANIFICAÇÃO ANUAL DISCIPLINA: LITERATURA PORTUGUESA 2016-2017 - 10º Ano COMPETÊNCIAS TRANSVERSAIS Leitura / Oralidade Seguir

Leia mais

Gênero Textual e Sequência Textual

Gênero Textual e Sequência Textual Gênero Textual e Sequência Textual Os gêneros textuais são os textos que circulam na sociedade e que desempenham diferentes papéis comunicativos. São tipos relativamente estáveis de enunciados produzidos

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade 1º Período 1/13 Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Ano Lectivo

Leia mais

Possuem função comunicativa e estão inseridos em um contexto cultural.

Possuem função comunicativa e estão inseridos em um contexto cultural. Tipologias Textuais Tipos Textuais Os tipos textuais são caracterizados por propriedades linguísticas, como vocabulário, relações lógicas, tempos verbais, construções frasais etc. Gêneros textuais Possuem

Leia mais

DESCRITORES 9º ANO 2º Bimestre

DESCRITORES 9º ANO 2º Bimestre DESCRITORES 9º ANO 2º Bimestre Português D19. Reconhecer a presença de valores sociais e humanos atualizáveis e permanentes no patrimônio literário nacional. D24. Ler e compreender textos do agrupamento

Leia mais

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO

CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS º PERÍODO CURSO: PEDAGOGIA EMENTAS - 2016.1 1º PERÍODO DISCIPLINA: HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO Estudo da história geral da Educação e da Pedagogia, enfatizando a educação brasileira. Políticas ao longo da história engendradas

Leia mais

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema

CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS. I ADEQUAÇÃO Adequação ao tema UFG/CS PS/011-1 RESPOSTAS ESPERADAS OFICIAIS CRITÉRIOS DE CORREÇÃO DA PROVA DE REDAÇÃO PARA O CURSO LETRAS LIBRAS I ADEQUAÇÃO (SERÁ CONSIDERADO O USO DE LÍNGUA PORTUGUESA COMO SEGUNDA LÍNGUA) A- ao tema

Leia mais

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES

SUPLEMENTO DE ATIVIDADES SUPLEMENTO DE ATIVIDADES 1 NOME: N O : ESCOLA: SÉRIE: Considerado um dos mais importantes romances brasileiros, Memórias de um sargento de milícias, de Manuel Antônio de Almeida, se inscreveu de forma

Leia mais

ENEM 2012 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113

ENEM 2012 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113 Questões 108, 109, 110, 111, 112 e 113 108. Na leitura do fragmento do texto Antigamente constata-se, pelo emprego de palavras obsoletas, que itens lexicais outrora produtivos não mais o são no português

Leia mais

POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS

POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS Índice geral 3 Índice geral Módulo 9 Textos líricos POEMAS DE FERNANDO PESSOA O ORTÓNIMO E OS HETERÓNIMOS 12 CONTRATO DE LEITURA 14 Tábua bibliográfica, 16 FERNANDO PESSOA (ortónimo) 17 Autopsicografia,

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Português - 9 º Ano Dias de aulas previstos Período 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 13 13 12 13 2.º período 10 9 9 11 11 3.º período 9 10 9 9 10 (As aulas previstas

Leia mais

Elaboração de Textos P R O F. : M I C H E L E N A S U T O M I YA M A B U C C I

Elaboração de Textos P R O F. : M I C H E L E N A S U T O M I YA M A B U C C I Elaboração de Textos P R O F. : M I C H E L E N A S U T O M I YA M A B U C C I Introdução Existem vários tipos de textos: Que contam uma história. Que descrevem uma situação. Que apresenta os diálogos

Leia mais

Conteúdo Programático Conteúdos 2º Período da Educação Infantil 2º Período Educação Infantil

Conteúdo Programático Conteúdos 2º Período da Educação Infantil 2º Período Educação Infantil Conteúdos 2º Período da Educação Infantil 2º Período Educação Infantil Reconhecimento das letras do alfabeto Reconhecimento dos numerais de 1 a 20; Escrita do nome; Representação simbólica gráfica. Conteúdos

Leia mais

Língua Portuguesa 8º ano

Língua Portuguesa 8º ano Língua Portuguesa 8º ano Conteúdos por Unidade Didática 1º Período A - Comunicação Oral. Ideias principais.. Ideias secundárias..adequação comunicativa ( processos persuasivos; recursos verbais e não verbais)..

Leia mais

Narrativa e informação

Narrativa e informação Narrativa e informação emissor = formulador da sintaxe da mensagem receptor = intérprete da semântica A recepção qualifica a comunicação. É por isso que o receptor tem papel fundamental no processo de

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 5º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 UM, DOIS, TRÊS COMEÇAR! UNIDADE

Leia mais

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º

Planificação Anual GR Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Planificação Anual GR 300 - Disciplina Português (Ensino Profissional) 3.º Módulo 9: Textos Líricos (Fernando Pessoa ortónimo e heterónimos) 30 horas (40 aulas) Objectivos de Aprendizagem -Distinguir a

Leia mais

Nossa história nos mostra que têm sido raras as situações em que sociedades humanas conseguiram garantir uma alimentação de qualidade para todos os

Nossa história nos mostra que têm sido raras as situações em que sociedades humanas conseguiram garantir uma alimentação de qualidade para todos os Nossa história nos mostra que têm sido raras as situações em que sociedades humanas conseguiram garantir uma alimentação de qualidade para todos os seus membros. Nenhum dos paradigmas de desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO PARÁ LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA LÍNGUA PORTUGUESA e REDAÇÃO PROSEL/ PRISE 1ª ETAPA 1. Confrontar opiniões e pontos de vista sobre as diferentes manifestações da linguagem verbal e não verbal. 1.2. Depreender, através de leitura do texto,

Leia mais

CONTEÚDOS PARA O TESTE DE SELEÇÃO 2017 CONTEÚDO ABORDADO NO PLACEMENT TEST NO FUNDAMENTAL 1.

CONTEÚDOS PARA O TESTE DE SELEÇÃO 2017 CONTEÚDO ABORDADO NO PLACEMENT TEST NO FUNDAMENTAL 1. VOCABULÁRIO: CONTEÚDO ABORDADO NO PLACEMENT TEST NO FUNDAMENTAL 1. Objetos escolares Brinquedos Animais Roupas Alimentos Partes de uma casa Esportes Condições meteorológicas Numerais ordinais e cardinais

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2012 Conteúdos Habilidades Avaliação COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Associação Brasileira de Educadores Lassalistas ABEL SGAS Q. 906 Conj. E C.P. 320 Fone: (061) 3443-7878 CEP: 70390-060 - BRASÍLIA - DISTRITO FEDERAL Disciplina: Língua Portuguesa

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO ANO LETIVO: 2015/2016 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Educação literária Texto literário e texto não literário.

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO

LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO LISTA DE EXERCÍCIOS REDAÇÃO P1-2º BIMESTRE 6º ANO FUNDAMENTAL II Aluno (a): Turno: Turma: Unidade Data: / /2016 HABILIDADES E COMPETÊNCIAS Revisar a estrutura dos tipos textuais narração e descrição. Conhecer

Leia mais

Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar o que estudamos durante este ano. Boa sorte! (Cada questão vale 1 ponto)

Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar o que estudamos durante este ano. Boa sorte! (Cada questão vale 1 ponto) DISCIPLINA: Redação PROFESSORAS: Fernanda / Andréa / Marianna DATA: /12/2014 ASSUNTO: Trabalho de recuperação SÉRIE/ANO: 6º TURMA: NOME COMPLETO: Nº: Queridos alunos, aproveitem esta oportunidade de recordar

Leia mais

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA

LINGUAGEM E ARGUMENTAÇÃO JURÍDICA AULA 7 PG 1 Este material é parte integrante da disciplina Linguagem e Argumentação Jurídica oferecido pela UNINOVE. O acesso às atividades, as leituras interativas, os exercícios, chats, fóruns de discussão

Leia mais

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4

COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 COMUNICAÇÃO APLICADA MÓDULO 4 Índice 1. Significado...3 1.1. Contexto... 3 1.2. Intertextualidade... 3 1.2.1. Tipos de intertextualidade... 3 1.3. Sentido... 4 1.4. Tipos de Significado... 4 1.4.1. Significado

Leia mais

Tipologia Argumentativa

Tipologia Argumentativa Tipologia Argumentativa Ensino médio PROF. MARCOS LIMA Função Convencer o interlocutor sobre determinado ponto de vista Emitir opiniões sobre o tema proposto. ARGUMENTAÇÃO NO NOSSO DIA-A-DIA Mesmo sem

Leia mais

Curso de Interpretação de Textos: (Lendo Tirinhas Parte 2)

Curso de Interpretação de Textos: (Lendo Tirinhas Parte 2) Curso de Interpretação de Textos: (Lendo Tirinhas Parte 2) A construção do humor: intertextualidade (Quino) (Caulos) (André Dahmer) 1. (ENEM 2009) Texto 1 No meio do caminho No meio do caminho tinha uma

Leia mais

Inversão Térmica 1. Carlos Roberto Santos Araujo Filho 2 Marcelo José Abreu Lopes 3 Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP

Inversão Térmica 1. Carlos Roberto Santos Araujo Filho 2 Marcelo José Abreu Lopes 3 Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP Inversão Térmica 1 Carlos Roberto Santos Araujo Filho 2 Marcelo José Abreu Lopes 3 Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP 1 APRESENTAÇÃO: O texto Inversão térmica foi escrito no mês de maio

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL

MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL MINISTÉRIO DA DEFESA EXÉRCITO BRASILEIRO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO E CULTURA DO EXÉRCITO DIRETORIA DE EDUCAÇÃO PREPARATÓRIA E ASSISTENCIAL 6º ANO Ensino Fundamental Língua Portuguesa 2) Inferir o sentido

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L

PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L PADRÃO DE RESPOSTA - FILOSOFIA - Grupo L 1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor No diálogo Fédon, escrito por Platão, seu personagem Sócrates afirma que a dedicação à Filosofia implica que a alma

Leia mais

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS. Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17

PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS. Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17 PERFIL DE APRENDIZAGENS ESPECÍFICAS Disciplina Português Ano de Escolaridade - 6º Ano - Letivo 2016/17 1º Período Conteúdos Instrumentos Peso SEQUÊNCIA A Histórias de afetos Leitura e análise de textos

Leia mais

O que é a Crônica? A crônica é um gênero narrativo. Gênero que possui características literárias e jornalísticas

O que é a Crônica? A crônica é um gênero narrativo. Gênero que possui características literárias e jornalísticas A CRÔNICA O que é a Crônica? A crônica é um gênero narrativo Gênero que possui características literárias e jornalísticas É um texto livre, desfatigado que pode tratar de qualquer assunto Alguns tipos

Leia mais

ESTRUTURA DO ESPETÁCULO

ESTRUTURA DO ESPETÁCULO ESTRUTURA DO ESPETÁCULO Grupo Um grupo teatral deve pesquisar acerca do conhecimento da história do teatro, épocas, instruir-se, informar-se, discutir, participar, descobrir-se, criar, questionar e divulgar

Leia mais

MATERIAIS PARA PROFESSORES, PAIS E FILHOS

MATERIAIS PARA PROFESSORES, PAIS E FILHOS Nível de competência B2 Oficina de escrita (Adaptada de Materiais para o Novo Programa de Português do Ensino Básico SD3_Ano7_FT03) Vai propor a aquisição de novas obras para a biblioteca escolar. Comece

Leia mais

Como escrever um conteúdo altamente persuasivo com zero manipulação. VIVER DE BLOG Página 1

Como escrever um conteúdo altamente persuasivo com zero manipulação. VIVER DE BLOG Página 1 Como escrever um conteúdo altamente persuasivo com zero manipulação VIVER DE BLOG Página 1 Olá, tudo bem? Aqui quem fala é o Henrique Carvalho, criador do Viver de Blog, o site especializado em Marketing

Leia mais