Roteiro PROF. ANDRÉ GALVAN

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Roteiro PROF. ANDRÉ GALVAN"

Transcrição

1 Roteiro PROF. ANDRÉ GALVAN

2 Primeiro Passo: Desenvolver uma Idéia. Todo roteiro - assim como toda obra literária e toda obra de arte - começa sempre a partir de uma Idéia. Idéias valem ouro! A criatividade pode ser alimentada pela observação e interpretação da realidade, muita leitura, pesquisa, vivências do autor, brainstorms com amigos e parceiros, etc. O importante é que cada um desenvolva seu próprio processo criativo, como por exemplo, métodos de relaxamento ou rituais simples para instigar a imaginação e despertar a intuição. No entanto, a transpiração é tão importante quanto a inspiração. Segundo o dramaturgo Doc Comparato "Escrever um roteiro é como se tivéssemos uma câmera atrás do olho e ainda mais, pois a câmera tem maior acuidade visual do que o olho e isso a aproxima da imaginação".

3 Segundo Passo: Determinar uma Story Line. Definir o Conflito (O que). Traduzir a Idéia em um Conflito essencial e condensar este Conflito em palavras. O Conflito é a matéria prima da dramaturgia e pode confrontar diversas forças. Por exemplo: O ser humano contra outros seres humanos, o ser humano contra as forças da natureza, o ser humano contra ele mesmo, etc. Todo o bom roteiro tem um conflito essencial e pode ser resumido em uma única frase. Storyline é, nada mais nada menos, que o resumo resumido do resumo de um roteiro. Ele deve ter um único parágrafo e, segundo Marcos Rey, em seu livro chamado Roteirista Profissional, jamais deve exceder seis linhas. Ele deve descrever o inicio e o desenvolvimento do conflito. Também pode se estender até o final do conflito, mas isso depende do uso que será dado a ele. Storyline deve definir a localização da ação, em que época ela acontece e descrever o decurso da Ação Dramática.

4 Criando uma StoryLine Você pode escrever uma storyline a partir de três frases simples que resumam o começo, o meio e o fim da ação do personagem principal: Garoto encontra garota. Garoto perde garota. Garoto conquista garota.

5 Terceiro Passo: Argumento Definir as Personagens (Quem). Determinar quem viverá o Conflito básico e definir o Perfil das Personagens. Uma ferramenta interessante para a criação de personagens consistentes é criar uma ficha, contendo informações diversas sobre cada uma delas, como por exemplo, seus dados, seus hábitos e costumes, religião, situação financeira, dados biográficos, perfil psicológico, crenças religiosas, filosóficas, etc. Além das personagens, a, a estrutura da ação.

6 Como criar um argumento 1) Concentre-se na história. A primeira e mais importante chave para qualquer bom argumento é permanecer simples e fiel à estrutura do esqueleto da história. O argumento não é o momento de se aprofundar na complexidade dos subenredos ou falar sobre personagens engraçados que fazem participações especiais no roteiro. É a hora de você explicar de forma simples e sucinta a sua história da forma mais clara que você puder. Concentre-se no protagonista, no antagonista e em quaisquer personagens secundários que tratem apenas de mover o enredo para a frente. Se eles gostarem da história, que é a coisa mais importante, então eles vão ler e se apaixonar por seu roteiro.

7 Como criar um argumento 2) Mantenha a sua estrutura de atos. Como a maioria dos roteiros segue uma estrutura tradicional de três atos, assim deve ser o seu argumento. Comece com um parágrafo curto que dê alguma informação de base que o leitor irá precisar. Esta pode ser uma breve descrição das circunstâncias dadas no início do filme, que poderia incluir a descrição do protagonista, a descrição do local ou (no caso de uma obra de época) a descrição do período. O parágrafo seguinte é para o ato um, onde você apresenta o incidente instigante que joga o protagonista em ação e termina com o clímax do ato um. O parágrafo três será o mais longo e descreverá os sofrimentos e as atribulações que o protagonista passa e que o levam para o clímax do ato dois. O parágrafo final irá descrever a ação do terceiro ato, onde acontece o clímax final do filme, e onde descobrimos o que acontece com o protagonista.

8 Como criar um argumento 3) Mantenha-o curto. Um argumento de roteiro deve ter não mais do que duas páginas digitadas em fonte tamanho 12, espaçamento duplo. Não é muito espaço. Isso pode ser feito, no entanto, não importa o quão complexo seja o seu filme. Trabalhar dentro desses limites pode parecer desafiador no começo, mas você vai descobrir que ater-se a esta regra rígida irá ajudá-lo a despojar-se do material não pertinente ao qual você está agarrado por nada mais do que sentimentalismo.

9 Como criar um argumento 4) Torne-o agradável de ler em voz alta. Um argumento de roteiro serve a dois propósitos. Um é para um executivo dar uma olhada e ler com facilidade em menos de cinco minutos. O segundo é para você. Quando você entra em uma reunião para tentar vender a sua história para um executivo, ele vai querer que você apresente o filme em cinco minutos ou menos. O argumento que você escreveu pode atuar como uma espécie de roteiro para você apresentar o seu filme oralmente. Não sinta que você deva permanecer fiel ao roteiro, literalmente, mas escreva-o de modo que flua quando falado. Será uma leitura melhor no papel, e vai matar dois coelhos com uma cajadada só, quanto a servirem-no nas suas reuniões para vender a sua história.

10 Quarto Passo: Elaborar uma Estrutura (ou Escaleta). Organizar uma Ação Dramática (Como). Definir de que maneira as personagens viverão o Conflito, ou seja, de que forma a história será contada. Para isso é importante definir o Plot da ação, ou seja, a parte central da Ação Dramática, a espinha dorsal do roteiro. A Estrutura é a divisão da Sinopse em partes e a forma, ou seja, como a trama vai evoluir até o desfecho. Uma estrutura clássica é conhecida como Ternário (divide-se em três partes). Na Estrutura é preciso definir também o Formato do audiovisual. Para tanto, o primeiro passo é determinar a mídia ou o veículo para o qual se destina o roteiro e depois, fixar o Formato de acordo com a mídia alvo.

11 Quinto Passo: Elaborar o Pré-Roteiro (ou Roteiro Literário). Incluir os Diálogos (falas ou locução) que são o fator determinante do Tempo Dramático das cenas ou seqüências. Definir as palavras que serão usadas pelas personagens que viverão o Conflito. As Rubricas (ou indicações) devem acompanhar as falas descrevendo o estado de ânimo ou atitudes das personagens para orientar o diretor e os atores com relação ao clima de cada fala e de cada cena. Os principais aspectos para a criação dos diálogos são a coerência e o conteúdo das falas, e a maneira como se fala. No pré-roteiro, a narrativa, que até aqui é vista como um todo, será dividida em cenas, ou seqüências. Cada cena deve estar integrada ao todo e o desenrolar das cenas deve ter um Ritmo que resulte num tempo ideal. A harmonia do Ritmo determinará a harmonia do conjunto da obra. O Pré-roteiro é também a fase de fazer Leituras Dramáticas do texto, fazer revisões, ouvir feedbacks, refletir sobre o texto e reescrever as cenas e seqüências quantas vezes isso for preciso.

12 Sexto Passo: Participar do Roteiro Final (ou Roteiro Técnico). Manejar as cenas e criar uma Unidade Dramática para o audiovisual. O roteiro final é um trabalho de equipe que requer a interação do roteirista com o diretor, a equipe de produção e até com o elenco. É hora de corrigir imperfeições e trabalhar as imagens mais a fundo, incluindo os Movimentos de Câmera e Planos de Filmagem. Aqui também serão incluídos a Iluminação, a Trilha Sonora, o Elenco e outros detalhes de produção. Ao final deste trabalho o roteiro deve estar pronto para ser gravado. "Compete ao diretor e à sua equipe, converter o roteiro literário em roteiro técnico... Elaborar o roteiro final significa converter o Primeiro Roteiro - um texto - em uma ferramenta de trabalho que será entregue à equipe de produção para ser traduzida em imagens e sons".

13

Oficina de Roteiro. Oficina de Roteiro. copyright - Felipe Neves

Oficina de Roteiro. Oficina de Roteiro. copyright - Felipe Neves Oficina de Roteiro Oficina de Roteiro O que é Roteiro? Podemos definir um roteiro de diversas maneiras. A forma escrita de qualquer espetáculo áudio e/ou visual. ( Doc Comparato) 2. Planta baixa ou um

Leia mais

Linguagem Cinematográfica. Myrella França

Linguagem Cinematográfica. Myrella França Linguagem Cinematográfica Myrella França I. Termos Básicos TOMADA - Filmagem contínua de cada segmento específico da ação do filme. "TAKE" - Tomada; começa no momento em que se liga a câmara até que é

Leia mais

Roteiro para curta-metragem: conteúdo e forma

Roteiro para curta-metragem: conteúdo e forma Roteiro para curta-metragem: conteúdo e forma O filme é sobre... Premissa: a primeira fagulha de uma história. Exemplos de premissas! Um casal que acorda um no corpo do outro? Um tenista aposentado que

Leia mais

Sinopse e/ou Argumento

Sinopse e/ou Argumento Sinopse e/ou Argumento Uma vez que o conflito matriz se apresenta na story line, o segundo passo é conseguir personagens para viver uma história, que não é senão o conflito matriz desenvolvido. Sinopse

Leia mais

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1102D - Comunicação Social: Radialismo. Ênfase. Disciplina A - Roteiros para Televisão

Plano de Ensino. Identificação. Câmpus de Bauru. Curso 1102D - Comunicação Social: Radialismo. Ênfase. Disciplina A - Roteiros para Televisão Curso 1102D - Comunicação Social: Radialismo Ênfase Identificação Disciplina 0003119A - Roteiros para Televisão Docente(s) Marcos Américo Unidade Faculdade de Arquitetura, Artes e Comunicação Departamento

Leia mais

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO

PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO A HIPERMÍDIA É UM NOVO A HIPERMÍDIA É UM NOVO PARADIGMA DE COMUNICAÇÃO O texto identifica e organiza os elementos constitutivos da roteirização de produções audiovisuais como o cinema ou a televisão, e

Leia mais

COMO SE TORNAR UM ROTEIRISTA ROTEIRO E NARRATIVA

COMO SE TORNAR UM ROTEIRISTA ROTEIRO E NARRATIVA COMO SE TORNAR UM ROTEIRISTA ROTEIRO E NARRATIVA Objetivos Desenvolver as competências profissionais relacionadas à criatividade e construção de narrativas com foco em roteiros para narrativas em diferentes

Leia mais

Você abriu uma gravadora de rádio com 2 colegas e estão em busca de um novo nicho de mercado. A tarefa da equipe é elaborar uma telenovela

Você abriu uma gravadora de rádio com 2 colegas e estão em busca de um novo nicho de mercado. A tarefa da equipe é elaborar uma telenovela Você abriu uma gravadora de rádio com 2 colegas e estão em busca de um novo nicho de mercado. A tarefa da equipe é elaborar uma telenovela interessante para cativar os ouvintes a escutarem a estação de

Leia mais

Mas quem resistir até o fim será salvo Processo de criação de um roteiro de ficção¹

Mas quem resistir até o fim será salvo Processo de criação de um roteiro de ficção¹ Mas quem resistir até o fim será salvo Processo de criação de um roteiro de ficção¹ Samuel Peregrino² Ludielma Laurentino³ Universidade Estadual de Goiás, Goiânia, GO RESUMO O processo de produção do roteiro

Leia mais

X TROFÉU OMAR Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Cursos Técnicos do município de Três de Maio.

X TROFÉU OMAR Público Alvo: Alunos do Ensino Fundamental, Ensino Médio e Cursos Técnicos do município de Três de Maio. X TROFÉU OMAR 2012 Num filme o que importa não é a realidade, mas o que dela possa extrair a imaginação Charles Chaplin Promoção: Grêmio Estudantil SETREM (GESE). Modalidade: Curtas-metragens. Público

Leia mais

Roteiro. Tainá Jesus Medeiros. 20 de Abril de Profa Tainá Medeiros

Roteiro. Tainá Jesus Medeiros. 20 de Abril de Profa Tainá Medeiros Roteiro Tainá Jesus Medeiros tainajmedeiros@gmail.com 20 de Abril de 2016 Criação de Roteiro Escrever um roteiro de um videogame é algo que oferece ao escritor alguns desafios peculiares que não são encontrados

Leia mais

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO

SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO SEQUÊNCIA DIDÁTICA DE CONTO COM 3º ANO C PROFESSORA: FERNANDA SILVA MELO ROCHA A BELA ADORMECIDA OBJETIVO Proporciona no aluno a habilidade de conhecer os diversos tipos de contos, e desenvolver no aluno

Leia mais

Pai e Filho 1 Paulo Victor Batista de SOUSA 2 Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES 3 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Pai e Filho 1 Paulo Victor Batista de SOUSA 2 Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES 3 Universidade do Estado do Rio Grande do Norte XXIII Prêmio Expocom 06 Exposição da Pesquisa Experimental em Comunicação Pai e Filho Paulo Victor Batista de SOUSA Francisco Giovanni Fernandes RODRIGUES Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Leia mais

Segunda Aula. copyright - Felipe Neves

Segunda Aula. copyright - Felipe Neves Segunda Aula Etapas de um roteiro Ideia Conflito Personagem Ação dramática Tempo dramático Unidade dramática...a composição de um roteiro provem de uma experiência: do autor ou da empresa produtora. Não

Leia mais

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO?

TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? AULAS 9 À 12 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO: COMO É ESSE GÊNERO? A narração é um tipo de texto que conta uma sequência de fatos, sejam eles reais ou imaginários, nos quais as personagens atuam em

Leia mais

FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL ª EDIÇÃO

FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL ª EDIÇÃO ANEXO VI: FILME EM MINAS - PROGRAMA DE ESTÍMULO AO AUDIOVISUAL 2014 7ª EDIÇÃO REGULAMENTO - DESENVOLVIMENTO DE ROTEIROS 1. DO OBJETO DA PREMIAÇÃO 1.1 Serão analisadas propostas de desenvolvimento de roteiros

Leia mais

Você conhece a sua bíblia?

Você conhece a sua bíblia? Você conhece a sua bíblia? RECORDANDO... Um breve tratado sobre as Escrituras - 66 livros: 39 AT + 27 NT - Ela é a revelação de Deus - Autores diferentes mas uma mesma mente formadora Interpretando a Bíblia

Leia mais

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos.

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. CONTOS A ORIGEM DO CONTO A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. O ato de narrar um acontecimento oralmente

Leia mais

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 7º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus

REVISÃO. APOSTILA 02 Sistema Anglo. 7º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR. Colégio Sagrado Coração de Jesus REVISÃO APOSTILA 02 Sistema Anglo 7º ano REDAÇÃO PROF. CLAUDIO JÚNIOR Colégio Sagrado Coração de Jesus EFEITO DE SUSPENSE O suspense é um efeito muito utilizado por autores de diversos tipos de narrativas.

Leia mais

TÍTULO DO FILME. Por. Seu Nome

TÍTULO DO FILME. Por. Seu Nome TÍTULO DO FILME Por Seu Nome Todo roteiro deve ter uma página de título com apenas um endereço de contato, no canto inferior esquerdo. Sempre incluir um telefone e endereço de e-mail, se tiver um. Número

Leia mais

Elementos da narrativa

Elementos da narrativa Elementos da narrativa Narrador presente narrador ausente O narrador é aquele que conta a história Uma narrativa Quando não participa na história narrada, relatando apenas acontecimentos na terceira pessoa

Leia mais

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL)

PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) Professor (a): FÁTIMA OLIVEIRA PLANEJAMENTO (LIVRO INFANTIL) NOME DO LIVRO: ALICE VIAJA NAS HISTÓRIAS AUTOR: Gianni Rodar Leitura; produção textual; oralidade; localização espacial. Competências Objetivo

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 8.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 8.º ANO DE PORTUGUÊS 8.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 8.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes graus de formalidade, finalidade

Leia mais

FILMAGEM ESPACIAL. Reunião de Seção INTELECTUAL. Área de Desenvolvimento enfatizada: Ramo: Sênior

FILMAGEM ESPACIAL. Reunião de Seção INTELECTUAL. Área de Desenvolvimento enfatizada: Ramo: Sênior Reunião 06 Reunião de Seção FILMAGEM ESPACIAL Área de Desenvolvimento enfatizada: INTELECTUAL Ramo: Sênior Mês recomendado para desenvolver esta reunião: Qualquer mês. Explicação sobre o tema: A conquista

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO

Aulas 21 à 24 TEXTO NARRATIVO Aulas 21 à 24 Prof. Sabrina Moraes TEXTO NARRATIVO Maioritariamente escrito em prosa, o texto narrativo é caracterizado por narrar uma história, ou seja, contar uma história através de uma sequência de

Leia mais

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar,

Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS 8º ANO A Ano Letivo: 2012/2013 Introdução /Metas Consigna-se no Despacho n.º 5306/2012, de 18 de abril de 2012, que o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas

Leia mais

Pré-produção. O Roteiro: Escaleta: Argumento: Roteiro Literário:

Pré-produção. O Roteiro: Escaleta: Argumento: Roteiro Literário: Pré-produção A pré-produção compreende a elaboração do roteiro (Escaleta, Argumento, Roteiro Literário e Roteiro Técnico), a análise técnica e a elaboração do cronograma. O Roteiro: Como o próprio nome

Leia mais

Tecendo contos O contar histórias na sala de aula

Tecendo contos O contar histórias na sala de aula Tecendo contos O contar histórias na sala de aula A história Oralidade e imaginário na sala de aula Fonte: www.shutterstock.com a revalorização do ato de contar histórias. contar histórias, um ritual afetivo

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE PELOTAS SECRETARIA DE CULTURA EDITAL 010/2017 PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA PROCULTURA ANEXO I

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL MUNICÍPIO DE PELOTAS SECRETARIA DE CULTURA EDITAL 010/2017 PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA PROCULTURA ANEXO I EDITAL 010/2017 PROGRAMA MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA PROCULTURA ANEXO I DOCUMENTOS DE ACORDO COM A ÁREA EM QUE SE ENQUADRA SEU PROJETO SÃO ACEITAS AS EXTENSÕES DE ARQUIVO: AVI, MP3, MP4, PDF, JPG

Leia mais

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS

Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários OBRAS LITERÁRIAS: QUANTO À FORMA = VERSO & PROSA QUANTO AO CONTEÚDO = GÊNEROS LITERÁRIOS Gêneros Literários GÊNERO ÉPICO (NARRATIVO) = Quando é contada uma história.

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014

Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes Agrupamento de Escolas Nº 1 de Abrantes DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8º ANO LETIVO 2013/2014 Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus

Leia mais

Língua Portuguesa 7º ano

Língua Portuguesa 7º ano Escutar para Aprender e Construir Conhecimento Audição orientada. Ouvinte. Discurso; universo de discurso (assunto). Língua Portuguesa 7º ano Conteúdos 1º Período Comunicação Oral Falar para Construir

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE Centro de Comunicação e Letras Curso de Propaganda, Publicidade e Criação PLANO DE ENSINO PLANO DE ENSINO CÓDIGO 042 CÓD. CURSO CÓD. DISC. 17036658 CRÉDITOS UNIDADE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CURSO PROPAGANDA, PUBLICIDADE E CRIAÇÃO DISCIPLINA Redação e Expressão Oral VI ETAPA 6 Período

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano A 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

Programa de Português 2º Ano

Programa de Português 2º Ano Programa de Português 2º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

MODELO DE ROTEIRO CURTA-METRAGEM: Existem muitos modelos de formato de roteiro. Este é o que utilizamos em nossas produções.

MODELO DE ROTEIRO CURTA-METRAGEM: Existem muitos modelos de formato de roteiro. Este é o que utilizamos em nossas produções. MODELO DE ROTEIRO CURTA-METRAGEM: Existem muitos modelos de formato de roteiro. Este é o que utilizamos em nossas produções. Um roteiro tem sempre que apresentar algumas características básicas, dentre

Leia mais

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos

Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de Avaliação 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Currículo das Áreas Disciplinares/Critérios de 5º Ano Disciplina: Português Metas Curriculares: Domínios/Objetivos Conteúdos Programáticos Critérios de Instrumentos de Comunicação oral Observação direta

Leia mais

Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel.

Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel. Escreva seu livro! Como começar. Por: Miguel Angel. Olá, vamos conversar um pouco sobre o texto narrativo, suas artimanhas e algumas dicas para começar seu livro. Não se iluda achando que os grandes escritores

Leia mais

Projeto TRILHAS de Leitura

Projeto TRILHAS de Leitura Projeto TRILHAS de Leitura Agenda 1 2 3 Apresentação do Projeto TRILHAS Os Cadernos de Estudos e Orientação O Portal e o Curso de Ensino a Distância Distância Vídeo Formação do Leitor https://www.portaltrilhas.org.br/biblioteca/5734/video-formacao-do-leitor.html

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM Ano Letivo 2013/2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL Documento(s) Orientador(es): Programa de Português do Ensino Básico e Metas Curriculares de Português do Ensino Básico

Leia mais

UNIBAN Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 03/03/2011

UNIBAN Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 03/03/2011 Conceitos e Roteiros UNIBAN Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 03/03/2011 O que é o Briefing? É o levantamento de informações contendo diversas instruções que o cliente

Leia mais

Jovens Repórteres para o Ambiente A REPORTAGEM. O mais nobre dos géneros jornalísticos

Jovens Repórteres para o Ambiente A REPORTAGEM. O mais nobre dos géneros jornalísticos Jovens Repórteres para o Ambiente A REPORTAGEM O mais nobre dos géneros jornalísticos A reportagem é Ver e fazer ver Ouvir e fazer ouvir Sentir e fazer sentir Compreender e fazer compreender Ou seja, VIVER

Leia mais

ANEXO III PROJETO TÉCNICO INSTITUTO DE RADIODIFUSÃO EDUCATIVA DA BAHIA IRDEB TVE BAHIA

ANEXO III PROJETO TÉCNICO INSTITUTO DE RADIODIFUSÃO EDUCATIVA DA BAHIA IRDEB TVE BAHIA ANEXO III PROJETO TÉCNICO INSTITUTO DE RADIODIFUSÃO EDUCATIVA DA BAHIA IRDEB TVE BAHIA SELEÇÃO DE PROJETOS DE PRÉ-LICENCIAMENTO DE PRODUÇÕES AUDIOVISUAIS OBRA SERIADA FICÇÃO CATEGORIA: Categoria A - 13

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

FISIOTERAPIA Metodologia da Pesquisa Científica

FISIOTERAPIA Metodologia da Pesquisa Científica FISIOTERAPIA Metodologia da Pesquisa Científica Prof.ª Dr.ª Ana Lúcia Billig Foz do Iguaçu, setembro 2017 Resumo e Resenha Resumo Resumo: É um tipo de redação informativo referencial que se ocupa de reduzir

Leia mais

Conheça Novos Métodos De Vendas Eficazes Para A Sua Empresa

Conheça Novos Métodos De Vendas Eficazes Para A Sua Empresa Conheça Novos Métodos De Vendas Eficazes Para A Sua Empresa Todo empresário sonha em ter uma área de vendas em sua empresa que seja fenomenal, que alcance os resultados e que supere suas metas. O problema

Leia mais

1.º Trimestre. Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Planificação Anual. Metas Curriculares/de Aprendizagem. Instrumentos de Avaliação

1.º Trimestre. Agrupamento de Escolas Eugénio de Castro 1º Ciclo Planificação Anual. Metas Curriculares/de Aprendizagem. Instrumentos de Avaliação Ver documento METAS CURRICULARES DE PORTUGUÊS http://www.dgidc.min-edu.pt Prestar atenção ao que ouve Usar vocabulário adequado ao tema e à situação Falar com progressiva autonomia e clareza sobre assuntos

Leia mais

Promídia: produção de vídeos digitais no contexto educacional

Promídia: produção de vídeos digitais no contexto educacional Universidade Estadual de Campinas Instituto de Computação Promídia: produção de vídeos digitais no contexto educacional Ariel Vargas Heloísa Vieira da Rocha Fernanda Maria Pereira Freire Apoio: CNPQ X

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO

LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO Escutar para aprender e construir conhecimentos LÍNGUA PORTUGUESA 1º ANO COMPREENSÂO DO ORAL Prestar atenção ao que ouve de modo a tornar possível: -apropriar-se de padrões de entoação e ritmo; - memorizar

Leia mais

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves

LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves LITERATURA: GÊNEROS E MODOS DE LEITURA - EM PROSA E VERSOS; - GÊNEROS LITERÁRIOS; -ELEMENTOS DA NARRATIVA. 1º ano OPVEST Mauricio Neves EM VERSO E EM PROSA Prosa e Poesia: qual a diferença? A diferença

Leia mais

Teatro e Cinema PROFESSORA: HILANETE PORPINO 7 ANO/2017 PARNAMIRIM/RN

Teatro e Cinema PROFESSORA: HILANETE PORPINO 7 ANO/2017 PARNAMIRIM/RN COLÉGIO SALESIANO DOM BOSCO Teatro e Cinema PROFESSORA: HILANETE PORPINO 7 ANO/2017 PARNAMIRIM/RN O QUE É TEATRO? Teatro é uma forma de arte em que um ator ou conjunto de atores interpreta uma história

Leia mais

Vagner KARAN 2 Daniela LEVANDOVSKI 3 Jonatan JUSTINO 4 Frederico PAZ 5 Chaiane BITELO 6 Centro Universitário Metodista do Sul, do IPA, RS.

Vagner KARAN 2 Daniela LEVANDOVSKI 3 Jonatan JUSTINO 4 Frederico PAZ 5 Chaiane BITELO 6 Centro Universitário Metodista do Sul, do IPA, RS. Pra Onde Ninguém Mais Olha 1 Vagner KARAN 2 Daniela LEVANDOVSKI 3 Jonatan JUSTINO 4 Frederico PAZ 5 Chaiane BITELO 6 Centro Universitário Metodista do Sul, do IPA, RS. RESUMO O curta-metragem Pra Onde

Leia mais

E. E. PROFA LURDES PENNA CARMELO

E. E. PROFA LURDES PENNA CARMELO MESA LITERÁRIA Sala 9 Temas Diversificados EF II e EM E. E. PROFA LURDES PENNA CARMELO Professores Apresentadores: Ivani Pedrozo França Umeki Antônio de Marmo Ferracini Mariana Marques de Maria Realização:

Leia mais

19º SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS

19º SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS 19º SEPEX SEMANA DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO EDITAL DE CHAMADA DE TRABALHOS 1 APRESENTAÇÃO - O Centro Universitário Católico de Vitória promoverá, entre os dias 13 e 15 de dezembro de 2016, a 19º Semana

Leia mais

Texto Narrativo. P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a

Texto Narrativo. P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a Texto Narrativo P R O F. ª A n a L ú c i a M o t a Texto narrativo É um relato de um acontecimento ou uma série de acontecimentos, reais ou imaginários; Exemplos de textos narrativos: conto, novela, romance,

Leia mais

NOME DO AUTOR TÍTULO ILUSTRAÇÕES DE... COLEÇÃO...

NOME DO AUTOR TÍTULO ILUSTRAÇÕES DE... COLEÇÃO... NOME DO AUTOR TÍTULO ILUSTRAÇÕES DE... COLEÇÃO... MONTES CLAROS 2014 COORDENAÇÃO EDITORIAL: Daniela Barreto ASSISTENTE DE COORDENAÇÃO: Alexandra Vieira Beatriz Guimarães Cristiane Souza Elen Neves Maria

Leia mais

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES

FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES FOTONOVELA EMEFI PROFESSOR MANOEL IGNÁCIO DE MORAES sala 5 1ª sessão Professor Apresentador: Danival Mascarini de Souza Realização: Foco O Projeto Fotonovela foi elaborado visando à melhoria do processo

Leia mais

Nesse artigo falaremos sobre:

Nesse artigo falaremos sobre: Este conteúdo faz parte da série: Plano de Negócios Ver 7 posts dessa série O sumário executivo é um resumo inicial do plano de negócios. Uma espécie de aperitivo que ilustra o que o leitor encontrará

Leia mais

Você não precisa decorar nada

Você não precisa decorar nada Que aprender inglês é importante e vai mudar a sua vida você já sabe, mas como aprender inglês e como fazer isso por conta própria? Nós separamos abaixo algumas dicas inéditas e que sem dúvida vão fazer

Leia mais

MACIEL, Luiz Carlos. O poder do clímax. Rio de Janeiro: Record, 2003.

MACIEL, Luiz Carlos. O poder do clímax. Rio de Janeiro: Record, 2003. MACIEL, Luiz Carlos. O poder do clímax. Rio de Janeiro: Record, 2003. PÁGINA Introdução 12 A didática prática do roteiro desenvolvida pelos americanos, nas técnicas de playwriting e screenwriting pretende

Leia mais

Janaína Colorida Feito o Céu 1. Bárbara Bruno Dias BARACHO 2 Mari SUGAI 3 Universidade Potiguar, Natal, RN

Janaína Colorida Feito o Céu 1. Bárbara Bruno Dias BARACHO 2 Mari SUGAI 3 Universidade Potiguar, Natal, RN Janaína Colorida Feito o Céu 1 Bárbara Bruno Dias BARACHO 2 Mari SUGAI 3 Universidade Potiguar, Natal, RN RESUMO O roteiro ficcional do curta-metragem Janaína Colorida Feito o Céu foi desenvolvido para

Leia mais

Apresentação de trabalhos científicos

Apresentação de trabalhos científicos Apresentação de Apresentação oral de trabalhos trabalhos científicos COMUNICAÇÃO Prof. Dr. Adriano Canabarro Teixeira teixeira@upf.br Abril de 2008 É como uma conversa? Pressupõe uma interação social entre

Leia mais

Modelagem de Sistemas. Análise de Requisitos. Modelagem

Modelagem de Sistemas. Análise de Requisitos. Modelagem Modelagem de Sistemas Teoria Geral de Sistemas TADS 2. Semestre Prof. André Luís Para abordarmos de forma mais profunda os conceitos de Modelagem de Sistemas de Informação, precisamos também falar na Engenharia

Leia mais

DICAS DE ESTUDO Orientações para ler, escrever e aprender cada vez melhor

DICAS DE ESTUDO Orientações para ler, escrever e aprender cada vez melhor DICAS DE ESTUDO Orientações para ler, escrever e aprender cada vez melhor A seguir são propostos alguns procedimentos que, caso sejam exercitados cotidianamente, podem ser muito eficientes para o desenvolvimento

Leia mais

1. Introdução O que é um relatório Organização de um relatório Identificação As 4 questões...

1. Introdução O que é um relatório Organização de um relatório Identificação As 4 questões... Cabeçalho da secção 1 Índice 1. Introdução...1 1.1. O que é um relatório...1 2. Organização de um relatório...2 2.1. Identificação...2 2.2. As 4 questões...2 2.3. Informação adicional...2 2.4. Estrutura...2

Leia mais

Programa de Português 4º Ano

Programa de Português 4º Ano Programa de Português 4º Ano Introdução Reconhece-se a Língua Materna como o elemento mediador que permite a nossa identificação, a comunicação com os outros e a descoberta e compreensão do mundo que nos

Leia mais

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos

Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos Tempo Caracteriza o desencadear dos fatos. Tempo cronológico ou tempo da história - determinado pela sucessão cronológica dos acontecimentos narrados. Tempo histórico - refere-se à época ou momento histórico

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 1 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA 2 REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DO CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA O Trabalho de Conclusão de

Leia mais

ESTRUTURA DO ESPETÁCULO

ESTRUTURA DO ESPETÁCULO ESTRUTURA DO ESPETÁCULO Grupo Um grupo teatral deve pesquisar acerca do conhecimento da história do teatro, épocas, instruir-se, informar-se, discutir, participar, descobrir-se, criar, questionar e divulgar

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações e

Leia mais

Editando e Reescrevendo A ESTRUTURA DE SUA HISTÓRIA! NITRODICAS 27

Editando e Reescrevendo A ESTRUTURA DE SUA HISTÓRIA! NITRODICAS 27 Editando e Reescrevendo A ESTRUTURA DE SUA HISTÓRIA! NITRODICAS 27 INTRODUÇÃO Olá pessoal, eu sou o escritor Newton Nitro, do Nitroblog, Blog de Resenhas Literárias e Dicas para Escritores, NitroDungeon

Leia mais

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa:

Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Título: Viajando pelo Universo da Leitura Justificativa: Sabendo que o aluno tem pouco contato com a leitura em seu ambiente familiar, apresentando na escola dificuldades de aprendizagem, decorrentes dessa

Leia mais

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º

Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º 1.º CEB Agrupamento de Escolas Ano Letivo: 2014 / 2015 Ano de Escolaridade: 1º Saber escutar para reproduzir pequenas mensagens e Compreensão do oral Leitura Escrita para cumprir ordens e pedidos Prestar

Leia mais

O jogo quinário na criação do espetáculo teatral

O jogo quinário na criação do espetáculo teatral 1 I Introdução O jogo quinário na criação do espetáculo teatral Prof. Dr. Iremar Maciel de Brito Professor, autor e diretor de teatro UNIRIO UERJ Palavras-chave: jogo sistema quinário espetáculo teatral

Leia mais

A ESTRUTURA BÁSICA DE

A ESTRUTURA BÁSICA DE A ESTRUTURA BÁSICA DE UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO BERTUCCI, R. (2016) UTFPR 1 1. O QUE É UMA PROPOSTA DE INTERVENÇÃO? Visa diminuir os efeitos de um problema. Parte da constatação do problema. Limitada

Leia mais

DESENVOLVIMEN TO DE PROJETOS

DESENVOLVIMEN TO DE PROJETOS DESENVOLVIMEN TO DE PROJETOS DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS LUIZA FAVALE LUFAVALE@GMAIL.COM LUIZA FAVALE Formada em Audiovisual pela ECA/USP, com especialização em Produção de Cinema e Televisão pelo Instituto

Leia mais

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação

1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação 1.º Ciclo do Ensino Básico Critérios de Avaliação PORTUGUÊS Domínios/Competências Fatores de ponderação (testes/cotações) Instrumentos de avaliação Avaliação Global (avaliação sumativa) Compreensão oral

Leia mais

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016

PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 PROJETOS CRIATIVOS TURNO 2016 Tema: Comunicação não verbal Mês: Outubro Habilidade Sócio emocional: Este projeto visa promover atividades e dinâmicas que estimule os alunos a comunicação não violenta através

Leia mais

1) Devemos proceder a primeira leitura de reconhecimento ininterrupta.

1) Devemos proceder a primeira leitura de reconhecimento ininterrupta. TRABALHOS CIENTÍFICOS ACADÊMICOS Muitas vezes, o estudante ou pesquisador, ao ser abordado para fazer um trabalho científico acadêmico, tem muitas dificuldades de diferenciar as características quanto

Leia mais

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA

TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo. PROF. ALEMAR S. A. RENA TEORIA DA LITERATURA: sujeito, epaço e tempo PROF. ALEMAR S. A. RENA www.fluxos.org SUJEITOS FICCIONAIS ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO CONCEITO INSEPARÁVEIS SUJEITO DA ENUNCIAÇÃO/ENUNCIADO EX. Maria escreveu um

Leia mais

Microsoft OneNote para Professores

Microsoft OneNote para Professores Microsoft OneNote para Professores Plano de Aula Construir uma história A arte de Contar Histórias é uma forma intrínseca e fundamental da comunicação humana. É o melhor caminho para a transmissão de conhecimento.

Leia mais

As Metas Curriculares de Português, para o 2º Ciclo, apresentam quatro características essenciais:

As Metas Curriculares de Português, para o 2º Ciclo, apresentam quatro características essenciais: DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS PORTUGUÊS _5º ANO_A Ano Letivo: 20/207. Introdução / Metas Curriculares Na disciplina de Português o desenvolvimento do ensino será orientado por Metas Curriculares cuja definição

Leia mais

MOSTRAS AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DE VÍDEOS. Com colaboração da Msc Anna Claudia Thinen

MOSTRAS AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DE VÍDEOS. Com colaboração da Msc Anna Claudia Thinen MOSTRAS AUDIOVISUAIS E PRODUÇÃO DE VÍDEOS Com colaboração da Msc Anna Claudia Thinen Festival Internacional de Cinema e Vídeo Ambiental Surge em 1999, Goiás. Agência Goiana de Cultura Pedro Ludovico Teixeira

Leia mais

DOMÍNIOS PARÂMETROS OBJETIVOS

DOMÍNIOS PARÂMETROS OBJETIVOS TRANSVERSALIDADE (5%) ATITUDES E VALORES (15%) CONHECIMENTOS (80%) DEPARTAMENTO CURRICULAR DE LÍNGUAS ANO LETIVO 2014/2015 DOMÍNIOS PARÂMETROS OBJETIVOS ORALIDADE LEITURA E ESCRITA EDUCAÇÃO LITERÁRIA GRAMÁTICA

Leia mais

senhor texugo e dona raposa a confusão

senhor texugo e dona raposa a confusão projeto pedagógico senhor texugo e dona raposa a confusão Uma História em Quadrinhos Senhor Texugo e Dona Raposa 2. A CONFUSÃO Série Premiada Rua Tito, 479 Lapa São Paulo SP CEP 05051-000 divulgação escolar

Leia mais

Produção do Roteiro Literário do Curta-metragem Helena 1

Produção do Roteiro Literário do Curta-metragem Helena 1 Produção do Roteiro Literário do Curta-metragem Helena 1 Edvaldo MARCÍLIO JUNIOR 2 Amanda Thiemi de ANDRADE 3 Luiz Filipe de OLIVEIRA 4 Thaís Cristine de OLIVEIRA 5 Rodrigo OLIVA 6 Universidade Paranaense

Leia mais

Colégio Mauricio Salles de Mello

Colégio Mauricio Salles de Mello Colégio Mauricio Salles de Mello Brasília, de de 20 Professor(a): Aluno(a): Ano: Turma: PLANO SEMANAL 4º ANO Semana de 08/11 a 28/11/2016 O mundo fica mais bonito com a sua presença. Você é o que há de

Leia mais

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS

DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS COMPETÊNCIAS ESPECÍFICAS DISCIPLINA DE LÍNGUA PORTUGUESA - 5.º Ano B 1. COMPETÊNCIAS ESSENCIAIS COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar situações

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO EVANGE GUALBERTO

INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO EVANGE GUALBERTO Plano de Aula INSTITUTO FEDERAL DO AMAZONAS UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO EVANGE GUALBERTO PLANO DE AULA: ALFABETIZANDO E LETRANDO ATRAVÉS DE CONTOS

Leia mais

Moving between Virtual and Real Worlds: Second Language Lerning through Massively Multiplayer Online Role Playing Games (MMORPGs)

Moving between Virtual and Real Worlds: Second Language Lerning through Massively Multiplayer Online Role Playing Games (MMORPGs) Moving between Virtual and Real Worlds: Second Language Lerning through Massively Multiplayer Online Role Playing Games (MMORPGs) Isara Konhmee, Alison Pickard Rebecca Stranchan Catherine Montgomery Rodolfo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD

PLANO DE TRABALHO DOCENTE PTD Professor-Carlos Juscimar de Souza Série: 1º Turma:D Período:NOTURNO Ano: 2014 ESTRUTURANTE: ESPECÍFICO: Objetivo/Justificativa Metodologia Critério de. História Conhecer, contextualizar e da Arte: desenvolver

Leia mais

FICHA DO SOE (SOE SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL)

FICHA DO SOE (SOE SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL) FICHA DO SOE (SOE SERVIÇO DE ORIENTAÇÃO EDUCACIONAL) ESTA FICHA DEVE SER PREENCHIDA A MÃO E EM LETRA CURSIVA, PELO CANDIDATO À MATRÍCULA. Use caneta esferográfica de tinta azul ou preta. Para um melhor

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica O PROCESSO DE LEITURA E DA PRODUÇÃO DE TEXTOS Profª Ma. Fabiana Rocha O PROCESSO DE LEITURA Importância da Leitura Aprendizagem do ser humano; Enriquecer o vocabulário; Obter conhecimento;

Leia mais

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO

L ngua Portuguesa INTRODUÇÃO Programação 1º- ao5º-ano INTRODUÇÃO Ser leitor-escritor competente nos dias de hoje é uma das condições básicas para uma participação social efetiva. Assim, cabe à escola rever seus currículos e estar

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS

ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS ORIENTAÇÕES PARA A REDAÇÃO DE RELATÓRIOS A redação de um relatório científico tem como um de seus principais objetivos registrar com exatidão e clareza como o experimento foi realizado e compreendido.

Leia mais

ENSINO BÁSICO METAS DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES ESTRATÉGIAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO AULAS PREVISTAS PERÍODO LETIVO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS

ENSINO BÁSICO METAS DE APRENDIZAGEM ATIVIDADES ESTRATÉGIAS INSTRUMENTOS DE AVALIAÇÃO AULAS PREVISTAS PERÍODO LETIVO CONTEÚDOS PROGRAMÁTICOS ENSINO BÁSICO Agrupamento de Escolas N.º 1 de Abrantes ESCOLA BÁSICA DOS 2.º E 3.º CICLOS D. MIGUEL DE ALMEIDA DISCIPLINA: PORTUGUÊS ANO: 8.º ANO 2013/2014 METAS DE APRENDIZAGEM LEITURA/EDUCAÇÃO LITERÁRIA:

Leia mais