GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "GÊNEROS LITERÁRIOS. Dramático, Épico, Narrativo e Lírico"

Transcrição

1 GÊNEROS LITERÁRIOS Dramático, Épico, Narrativo e Lírico

2 O QUE SÃO GÊNEROS LITERÁRIOS? Designam as famílias de obras literárias dotadas de características iguais ou semelhantes. Porém, os gêneros não são espartilhos sufocantes nem moldes fixos, pois, com o passar dos anos, foram se modificando e se mesclando, sendo possível perceber a utilização de características de uns em outros. Exemplo: características líricas em textos narrativos.

3 OS GÊNEROS LITERÁRIOS NA ANTIGUIDADE Na Grécia Antiga, berço da Literatura Ocidental, os textos literários eram escritos em versos e assim se dividiam: a) Gênero épico: narrações de fatos grandiosos, centrados na figura do herói. Para Aristóteles, é a palavra narrada b) Gênero dramático: textos destinados para a representação cênica, ora como tragédia, ora como comédia. Segundo Aristóteles, a palavra representada. c) Gênero lírico: textos de caráter emocional, centrados na subjetividade, nos sentimentos. Para Aristóteles, a palavra cantada.

4 OS GÊNEROS LITERÁRIOS NA MODERNIDADE Algumas modificações se fazem presentes. Perceba: a) Os textos dramáticos hoje não precisam necessariamente ser escritos em versos. b) O gênero épico perdeu sua força, pois se desdobrou em um quarto gênero: o narrativo, que possui vários subgêneros, como a crônica, a novela, o romance, a fábula etc. c) Na Semana de Arte Moderna de 1922, o gênero lírico ganhou mais liberdade, perdendo a obrigação de falar apenas dos sentimentos e de seguir regras estilísticas muito rígidas.

5 O GÊNERO DRAMÁTICO Textos destinados à representação. Surgiu nas festas religiosas em homenagem ao deus grego Dionisio (Baco). Sófocles, Ésquilo e Eurípedes são importantes dramaturgos da Antiguidade. Shakespeare, já na era moderna, é outro grande nome do gênero. Pintura a óleo que representa o deus grego Dionisio.

6 O GÊNERO DRAMÁTICO Deve ser encenado por atores. Apresenta-se em forma de diálogo (discurso direto), dividido em atos e cenas. Não possui narrador. As informações são dadas através das rubricas, apresentadas, normalmente, em itálico e entre parênteses. Possui a descrição do ambiente/ situação antes de cada ato, para facilitar o trabalho do encenador. A sequência da ação dramática constitui-se em: exposição, conflito, complicação, clímax e desfecho. O teatro clássico envolve a catarse.

7 O GÊNERO DRAMÁTICO Segundo Aristóteles, os subgêneros do drama são: a tragédia e a comédia. TRAGÉDIA De caráter sério e solene. Temática nobre, o protagonista enfrenta a desgraça. Registro formal Início feliz desfecho fatal Personagens nobres: reis, príncipes, que sofrem com o Destino. COMÉDIA De caráter cômico e ridículo. Temática do cotidiano, sátira da sociedade e dos defeitos humanos. Registro coloquial Início complicado final feliz Personagens estereotipados: o rabugento, o avaro, o mesquinho. Muitos outros subgêneros surgiram ao logo dos anos, como o auto, surgido na Idade Média.

8 O GÊNERO ÉPICO A EPOPEIA é a narrativa do gênero épico. Tem caráter sublime. Escrito em forma de versos. É um poema narrativo em terceira pessoa que trata de fatos passados e grandiosos. Dividido em Cantos. Marcado pela objetividade. Tem como eixo central a figura do herói e suas façanhas. Mistura elementos terrenos com elementos lendários e mitológico. Apresenta as seguintes partes: Introdução, Invocação, Narração, Epílogo.

9 OS GRANDES POETAS ÉPICOS Homero e Virgílio foram os grandes poetas da épica clássica. A Ilíada e a Odisséia são os dois poemas épicos que inauguraram a literatura ocidental. Na literatura de língua portuguesa, o grande poeta épico é Luís de Camões, que escreveu Os Lusíadas, epopeia que narra os feitos do povo português. O Cavalo de Tróia, um dos episódios da Ilíada.

10 O GÊNERO NARRATIVO Victor Hugo, escritor francês. Um dos responsáveis pela popularização do romance no século XIX. Escreveu Os miseráveis. Com o Romantismo, no final do século XVIII e início do século XIX, atendendo às expectativas do novo público leitor, o gênero épico transforma-se na narrativa de ficção. O romance é a manifestação mais importante dessa época e até hoje. ATENÇÃO: ROMANCE (subgênero narrativo) X ROMANCE (relação amorosa entre pessoas) X ROMANTISMO (escola literária).

11 O GÊNERO NARRATIVO O gênero narrativo possui alguns subgêneros que são classificados: a) Pela temática: policial, de amor, histórico, de ficção científica, infanto-juvenil etc. b) Pela estrutura, conteúdo e extensão: romance, novela, conto, crônica, fábula, ensaio etc. Domingo, de volta do futebol, ele serve-se de uma cachacinha, liga o rádio - Sabe, paizinho? É o menino de seis anos, todo prosa. - O que, meu filho? - Essa a música que a mãe dança com o tio Lilo. (Mini-conto extraído do livro 234, de Dalton Trevisan)

12 O GÊNERO LÍRICO Escrito em versos, apresenta as emoções íntimas através da expressão verbal rítmica e melodiosa. Na Antiguidade, este gênero era destinado ao canto, acompanhado do som da lira. Para os antigos, o valor da poesia lírica estava na capacidade de expressar emoções e de despertá-las. Gravura em cerâmica representando um poeta lírico e sua lira

13 O GÊNERO LÍRICO No poema lírico, a voz que expressa emoções é o EU LÍRICO, um eu poético inventado pelo poeta. A subjetividade é a marca do lirismo. A poesia lírica é escrita em primeira pessoa e trata do tempo presente. Apresenta muita preocupação com os recursos estilísticos, como a métrica, o ritmo, a rima, a estrofação etc. Quando sinto a impulsão lírica escrevo sem pensar tudo o que meu inconsciente me grita. Penso depois: não só para corrigir, como para justificar o que escrevi. Mário de Andrade

14 UM SONETO DE CAMÕES Tanto de meu estado me acho incerto, Que em vivo ardor tremendo estou de frio; Sem causa, juntamente choro e rio, O mundo todo abarco, e nada aperto. É tudo quanto sinto um desconcerto: Da alma um fogo me sai, da vista um rio; Agora espero, agora desconfio; Agora desvario, agora acerto. Estando em terra, chego ao Céu voando; Num'hora acho mil anos, e é de jeito Que em mil anos não posso achar um'hora. Se me pergunta alguém porque assi ando, Respondo que não sei, porém suspeito Que só porque vos vi, minha Senhora.

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles:

Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gêneros Literários Há quatro GÊNEROS principais e clássicos e mais um gênero moderno (a partir do séc. XIX); são eles: Gênero épico (fatos heroicos) Guerras, batalhas e grandes feitos 3ª pessoa; Expressa

Leia mais

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa

A Ilíada Homero Odisseia Homero Os Lusíadas Luís Vaz de Camões O Uraguai Basílio da Gama Mensagem Fernando Pessoa GÊNEROS LITERÁRIOS ÉPICO (OU NARRATIVO) Longa narrativa literária de caráter heroico, grandioso e de interesse nacional e social. Atmosfera maravilhosa de acontecimentos heroicos passados que reúnem mitos,

Leia mais

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg

O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar), e no vocábulo greg O TEXTO DRAMÁTICO Ridendo castigat mores (a rir se criticam os costumes) O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem no verbo grego theastai (ver, contemplar, olhar),

Leia mais

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486

Luís Vaz de Camões. 1º Abs Joana Santos nº2486 Luís Vaz de Camões 1º Abs Joana Santos nº2486 Ano lectivo: 2010/2011 Índice.. 2 Introdução...3 Vida de Luís de Camões.. 4 Obra. 5 Conclusão 6 Bibliografia..7 2 Neste trabalho irei falar sobre Luís Vaz

Leia mais

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS

LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA PROFª Ma. DINA RIOS OS GÊNEROS LITERÁRIOS Conceito; Origem; Classificação. OS GÊNEROS LITERÁRIOS GÊNERO ÉPICO OU NARRATIVO; LÍRICO OU POÉTICO; DRAMÁTICO OU TEATRAL. O GÊNERO

Leia mais

Planificação Anual. Disciplina de Português

Planificação Anual. Disciplina de Português Planificação Anual Disciplina de Português N.º e nome Módulo Horas Tempos (45 ) Conteúdos de cada módulo 1. Poesia trovadoresca - Contextualização histórico-literária - Espaços medievais, protagonistas

Leia mais

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL

ENSINO SECUNDÁRIO 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO SECUNDÁRIO Ano letivo 2015 / 2016 10º ANO PLANIFICAÇÃO ANUAL PLANIFICAÇÃO A MÉDIO E A LONGO PRAZO - PORTUGUÊS - 10º ANO MANUAL: SENTIDOS, ASA Período Domínios / Tópicos de Conteúdo Metas Curriculares

Leia mais

UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR

UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 4 PLANO GERAL DA OBRA INTRODUÇÃO UMA ESPÉCIE DE INTRODUÇÃO PARA QUE POSSAMOS ENTENDER-NOS MELHOR 11 O que é a literatura? 11 Porquê História de Literatura em Portugal e não da Literatura Portuguesa? 12

Leia mais

Classicismo em Portugal

Classicismo em Portugal Classicismo em Portugal Contexto Histórico Desenvolvimento do comércio; Reforma Protestante; Desenvolvimento científico-tecnológico Navegações Antropocentrismo Imprensa Nas artes valorização dos clássicos

Leia mais

Tanto de meu estado me acho incerto, Que em vivo ardor tremendo estou de frio; Sem causa, justamente choro e rio, O mundo todo abarco e nada aperto.

Tanto de meu estado me acho incerto, Que em vivo ardor tremendo estou de frio; Sem causa, justamente choro e rio, O mundo todo abarco e nada aperto. Nome: Nº: Turma: Português 1º ano Tanto de meu estado me acho incerto João J. Nov/09 Tanto de meu estado me acho incerto (Poema), de Luís Vaz de Camões O soneto Tanto de meu estado me acho incerto, de

Leia mais

MITO E RAZÃO. A passagem do mito à Filosofia

MITO E RAZÃO. A passagem do mito à Filosofia MITO E RAZÃO A passagem do mito à Filosofia O QUE PERGUNTAVAM OS PRIMEIROS FILÓSOFOS? Por que os seres nascem e morrem? Por que os semelhantes dão origem aos semelhantes, de uma árvore nasce outra árvore,

Leia mais

Soneto de Fidelidade. E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama,

Soneto de Fidelidade. E assim, quando mais tarde me procure Quem sabe a morte, angústia de quem vive Quem sabe a solidão, fim de quem ama, Gêneros Literários 1. Gênero Lírico: caracteriza-se pela manifestação de sentimentos pessoais, sendo escrita, via de regra, em versos, podendo apresentar forma fixa ou livre. Entre as poesias de forma

Leia mais

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo.

ミ Trabalho de Literatura 彡. Tema: Classicismo e Humanismo. ミ Trabalho de Literatura 彡 Tema: Classicismo e Humanismo. Movimento cultural que se desenvolveu na Europa ao longo dos séculos XV e XVI, com reflexos nas artes, nas ciências e em outros ramos da atividade

Leia mais

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO:

UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS. CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: UNICAMP II GÊNEROS DISCURSIVOS CRÔNICA: Trata fatos do cotidiano cujo objetivo é despertar no leitor reflexão. CONTEÚDO: Temas cotidianos; Tom de realidade; Conteúdo subjetivo por não ser fiel à realidade.

Leia mais

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do

O ROMANTISMO. O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do ROMANTISMO O ROMANTISMO O Romantismo é um movimento surgido na Europa e, a partir dela, no Brasil, no fim do século XVIII. Perdura até meados do século XIX. Opunhase ao classicismo, ao racionalismo e Iluminismo.

Leia mais

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS

ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ATIVIDADES ESTRATÉGIAS ESCOLA SECUNDÁRIA DR. SOLANO DE ABREU ABRANTES PLANIFICAÇÃO ANUAL ENSINO BÁSICO Curso de Apoio à Família e à Comunidade DISCIPLINA: Língua Portuguesa ANO: CEF Tipo 2 (2º ano) ANO LETIVO: 2011/2012 COMPETÊNCIAS

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS

LÍNGUA PORTUGUESA ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS LÍNGUA PORTUGUESA 1 ANO PROF.ª JOYCE MARTINS ENSINO MÉDIO PROF. DENILSON SATURNINO CONTEÚDOS E HABILIDADES Unidade II Cultura A pluralidade na expressão humana 2 CONTEÚDOS E HABILIDADES Aula 10.2 Conteúdo

Leia mais

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa

Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Trovadorismo e Humanismo Literatura Portuguesa Prof. Thiago Robson Aletro As Trovas Medievais Contexto histórico-cultural Idade Média (Séc XII) Feudalismo/vassalage m Nobreza Teocentrismo Cruzadas Galego-Português

Leia mais

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM PLANIFICAÇÃO ANUAL

AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM PLANIFICAÇÃO ANUAL AGRUPAMENTO de ESCOLAS Nº1 de SANTIAGO do CACÉM 3º Ciclo. Ano Letivo 2013-2014 PLANIFICAÇÃO ANUAL PORTUGUÊS 9ºANO Documento(s) Orientador(es): Programas de Português do Ensino Básico, Metas Curriculares

Leia mais

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance.

O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Ensino Médio 1º ano O conto é a forma narrativa, em prosa, de menor extensão (no sentido estrito de tamanho), ainda que contenha os mesmos componentes do romance. Entre suas principais características,

Leia mais

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto

Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Trovadorismo Escola Estadual Frederico J. Pedrera Neto Data 18/08/2016 professora(a); Mirleia Aluno(a); Marcos Vinicius Palmas - To Trovadorismo foi um movimento literário e poético que surgiu na Idade

Leia mais

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II

REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II AULA 16.1 REVISÃO E AVALIAÇÃO DA UNIDADE II Segunda Geração: os ultrarromânticos O sentimentalismo, a imaginação e o egocentrismo atingiram seu ponto culminante nesta geração, que experimentou as formas

Leia mais

Gênero Textual e Sequência Textual

Gênero Textual e Sequência Textual Gênero Textual e Sequência Textual Os gêneros textuais são os textos que circulam na sociedade e que desempenham diferentes papéis comunicativos. São tipos relativamente estáveis de enunciados produzidos

Leia mais

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO

INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 6º História Rafael Av. Trimestral 04/11/14 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA LEIA COM MUITA ATENÇÃO 1. Verifique, no cabeçalho desta prova, se seu nome, número e turma estão corretos. 2. Esta prova

Leia mais

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º

Escola Secundária de Manuel da Fonseca, Santiago do Cacém Disciplina: Língua Portuguesa Planificação do Ano Lectivo 2008/2009 Ano: 9º Relativos ao programa dos anos transactos e do ciclo de estudos. A História da Língua Portuguesa: do indo-europeu ao português moderno. alguns processos de transformação. o mundo lusófono O Texto Dramático:

Leia mais

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA.

A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA. GÊNEROS LITERÁRIOS A LITERATURA É A ARTE QUE SE MANIFESTA PELA PALAVRA, SEJA ELA FALADA OU ESCRITA. Na Antiguidade Clássica os textos literários dividiam em em três gêneros: GÊNERO ÉPICO GÊNERO LÍRICO

Leia mais

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa - 9º Ano - Ano Lectivo 2009/ 201 0

Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho Planificação de Língua Portuguesa - 9º Ano - Ano Lectivo 2009/ 201 0 1º Período (5) Escola Básica 2/3 Dr. Vieira de Carvalho UNIDADE 0: ACTIVIDADES INICIAIS Apresentação dos objectivos da disciplina; Planificação anual e marcação de testes; Avaliação diagnóstica. UNIDADE

Leia mais

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor

1 a QUESTÃO: (2,0 pontos) Avaliador Revisor LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA - Grupos D, E, F e G - Gabarito INSTRUÇÕES Ao responder às questões é indispensável: inter-relacionar idéias e argumentos; expressar-se com vocabulário apropriado

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Slides por Carlos Daniel S. Vieira

Slides por Carlos Daniel S. Vieira Slides por Carlos Daniel S. Vieira Portugal (início do século XX) invasão das tropas de Napoleão vinda da Família Real para o Brasil Reino Unido a Portugal e Algarve A burguesia de Portugal entra em crise

Leia mais

O Amor em "Os Lusíadas"

O Amor em Os Lusíadas O Amor em "Os Lusíadas" Cláudio Carvalho Fernandes UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS E LETRAS DEPARTAMENTO DE LETRAS DISCIPLINA: INTRODUÇÃO À LITERATURA PORTUGUESA O AMOR EM OS LUSÍADAS

Leia mais

Teoria do texto Poético

Teoria do texto Poético Teoria do texto Poético Poética de Aristó UFPA, Belém, 2010. Prof. Prof. MSc. MSc. Abilio Abilio Pacheco Pacheco --Teoria Teoria do do Texto Texto Poético Poético UFPA UFPA 2010 2010 11 Poética de Aristó

Leia mais

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS

EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS EJA 5ª FASE PROF.ª GABRIELA DACIO PROF.ª LUCIA SANTOS ARTES CONTEÚDOS E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA DINÂMICA LOCAL INTERATIVA Unidade I Tecnologia - Corpo, movimento e linguagem na

Leia mais

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro;

2. 1 A poesia trovadoresca - Leitura de cantigas de amor e de amigo semântico, sintático, lexical e sonoro; EIXO TEMÁTICO: 1 TEXTO LITERÁRIO E NÃO LITERÁRIO 1) Analisar o texto em todas as suas dimensões: semântica, sintática, lexical e sonora. 1. Diferenciar o texto literário do não-literário. 2. Diferenciar

Leia mais

Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo

Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo Escola E.B. 2,3 Fialho de Almeida Cuba Língua Portuguesa 9º Ano de Escolaridade Ano lectivo: 2007 / 2008 Planificação a Longo e Médio Prazo Unidade Sociabilidade e Diagnose O aluno: Comunicação oral: -

Leia mais

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 3º Bimestre. Aula 10

APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 3º Bimestre. Aula 10 APOSTILAS DO TERCEIRO BIMESTRE 8 ANO. TURMA 801 3º Bimestre Aula 10 A HISTÓRIA DO TEATRO Todo mundo já viu uma peça de teatro, ou pelo menos ouviu falar em teatro, mas de onde vem a arte do teatro? O teatro

Leia mais

U.E.F.S DEPARTAMENTO: LETRAS E ARTES PROGRAMA DE DISCIPLINA

U.E.F.S DEPARTAMENTO: LETRAS E ARTES PROGRAMA DE DISCIPLINA U.E.F.S DEPARTAMENTO: LETRAS E ARTES PROGRAMA DE DISCIPLINA CÓDIGO DISCIPLINA ------------- ------------------------------------------------------- LET 281 LITERATURA GRECO LATINA I CARGA HORÁRIA CRÉDITOS

Leia mais

Literatura 1º ano João J. Classicismo

Literatura 1º ano João J. Classicismo Literatura 1º ano João J. Classicismo LITERATURA 1º ANO Tema: CLASSICISMO O Classicismo, terceiro grande movimento literário da língua portuguesa, marca o início a chamada Era Clássica da Literatura. A

Leia mais

O ALEM-MAR LITERATURA PORTUGUESA

O ALEM-MAR LITERATURA PORTUGUESA JOÃO DE CASTRO OSÓRIO O ALEM-MAR NA LITERATURA PORTUGUESA (ÉPOCA DOS DESCOBRIMENTOS) NOVA ARRANCADA ÍNDICE DAS MATÉRIAS Breve nota sobre a vida e obra de João de Castro Osório., CAPÍTULO I CONDIÇÕES HISTÓRICAS

Leia mais

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas

Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Interpretação de Textos a Partir de Análises Isoladas Análise Estética (formal) Análise Estilística (figuras de linguagem) Análise Gramatical (morfossintática) Análise Semântica (de significado) Análise

Leia mais

Planificação anual Português 6º ano

Planificação anual Português 6º ano Planificação anual Português 6º ano Unidades / Textos Unidade 0 Leitura 1.º período Domínios / Conteúdos Nº de aulas previstas Começar de novo Apresentação Texto não literário Texto narrativo. 65 Avaliação

Leia mais

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem

2014/ º Período Unidades. Domínios / Conteúdos. Unidade 3 Narrativas juvenis. Unidade 0 Uma nova viagem Agrupamento de Escolas Gonçalo Sampaio Escola E.B. 2, 3 professor Gonçalo Sampaio Departamento de línguas Português - 8ºano Planificação anual simplificada 2014/2015 1º Período Unidade 0 Uma nova viagem

Leia mais

Material de divulgação da Editora Moderna

Material de divulgação da Editora Moderna Material de divulgação da Editora Moderna Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que respeita as particularidades de todo o país. Desta maneira, o apoio ao

Leia mais

A G R U P A M ENTO DE ESC O L A S A N S ELMO D E A N D R A D E

A G R U P A M ENTO DE ESC O L A S A N S ELMO D E A N D R A D E A G R U P A M ENTO DE ESC O L A S A N S ELMO D E A N D R A D E DEPARTAMENTO DE LÍNGUAS - Grupo de Português Planificação Anual /Critérios de avaliação Disciplina: Português Ensino Profissional 12º. Ano

Leia mais

COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014

COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014 COLÉGIO PEDRO II MEC Exame de Seleção e Classificação 1ª Série do Ensino Médio Integrado Técnico em Instrumento Musical 2014 Texto I MÚSICA E POESIA Luciano Cavalcanti 10 1 A relação entre música e poesia

Leia mais

GUERRA DE TRÓIA PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO?

GUERRA DE TRÓIA PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO? 2014 GUERRA DE TRÓIA PERÍODO HOMÉRICO EM HOMENAGEM A HOMERO QUEM FOI HOMERO? Homero foi um poeta épico da Grécia Antiga, ao qual tradicionalmente se atribui a autoria dos poemas épicos Ilíada e Odisseia.

Leia mais

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos

Em Roma: Surge como imitação do teatro grego (tragédia e comédia); Apogeu deu-se no séc. III-II a.c., com Plauto e Terêncio; Insere-se nos Jogos O TEXTO DRAMÁTICO O teatro é a poesia que sai do livro e se faz humana. (Frederico García Lorca) Professor Luís Araújo 1 O que é o teatro? Uma das mais antigas expressões artísticas do Homem; Tem origem

Leia mais

Ludwig Van Beethoven. Obra: 5ª sinfonia em Dó Menor Primeiro Movimento

Ludwig Van Beethoven. Obra: 5ª sinfonia em Dó Menor Primeiro Movimento Ludwig Van Beethoven Obra: 5ª sinfonia em Dó Menor Primeiro Movimento O Período Romântico Visão de mundo contrária ao racionalismo. Sentimento acima do pensamento. Visão de mundo centrada no indivíduo.

Leia mais

Existem seis elementos no ato de comunicação: o locutor ou emissor, o interlocutor ou receptor (a pessoa com quem se fala), o canal ou contato (o som

Existem seis elementos no ato de comunicação: o locutor ou emissor, o interlocutor ou receptor (a pessoa com quem se fala), o canal ou contato (o som Existem seis elementos no ato de comunicação: o locutor ou emissor, o interlocutor ou receptor (a pessoa com quem se fala), o canal ou contato (o som e o ar, o meio físico), o referente ou contexto (o

Leia mais

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano

Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Síntese da Planificação da Disciplina de Língua Portuguesa 5 º Ano Período Dias de aulas previstos 2.ª 3.ª 4.ª 5.ª 6.ª 1.º período 13 12 12 12 14 2.º período 10 11 11 12 12 3.º período 9 9 9 9 10 (As Aulas

Leia mais

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a:

3) As primeiras manifestações literárias que se registram na Literatura Brasileira referem-se a: ATIVIDADES DE RECUPERAÇÃO PARALELA - LITERATURA PROFESSOR: Renan Andrade TURMA: 1ª Série EM REVISÃO 1) Comente a respeito das vertentes lírica e épica da poesia de Camões. 2) Não se relaciona à medida

Leia mais

Domínios Conteúdos Horas

Domínios Conteúdos Horas AGRUPAMENTO DE ESCOLAS JOSÉ BELCHIOR VIEGAS ESCOLA SECUNDÁRIA JOSÉ BELCHIOR VIEGAS PORTUGUÊS 2016/2017 PLANIFICAÇÃO ANUAL 1.º ANO Cursos Profissionais Domínios Conteúdos Horas Oralidade - Compreensão do

Leia mais

DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO

DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO DENOTAÇÃO E CONOTAÇÃO DENOTAÇÃO Atribui às palavras significados claros, objetivos, que evocam um único sentido, aceito pelas pessoas como algo convencional. Ex.: A rosa é uma flor perfumada. CONOTAÇÃO

Leia mais

LETRAS PORTUGUÊS (BACHARELADO/ LICENCIATURA)

LETRAS PORTUGUÊS (BACHARELADO/ LICENCIATURA) assinatura do(a) candidato(a) Admissão por Transferência Facultativa. a Transferência Facultativa/0 LETRAS PORTUGUÊS (BACHARELADO/ LICENCIATURA) Segunda Etapa Prova Dissertativa LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES

Leia mais

Período Gênero textual Expectativa

Período Gênero textual Expectativa DISCIPLINA: Produção de texto ANO DE REFERÊNCIA: 2016 PROFESSORAS RESPONSÁVEIS: 6ºano Período Gênero textual Expectativa P35 Compreender o papel do conflito gerador no desencadeamento dos episódios narrados.

Leia mais

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A

CEMAS - REVISTA ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A ARCADISMO REVISTA CEMAS 1º ANO A 1 ARCADISMO O Arcadismo, também conhecido como Setecentismo ou Neoclassicismo, é o movimento que compreende a produção literária brasileira na segunda metade do século

Leia mais

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos.

A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. CONTOS A ORIGEM DO CONTO A origem do conto está na transmissão oral dos fatos, no ato de contar histórias, que antecede a escrita e nos remete a tempos remotos. O ato de narrar um acontecimento oralmente

Leia mais

1.º C. 1.º A Os livros

1.º C. 1.º A Os livros 1.º A Os livros Os meus olhos veem segredos Que moram dentro dos livros Nas páginas vive a sabedoria, Histórias mágicas E também poemas. Podemos descobrir palavras Com imaginação E letras coloridas Porque

Leia mais

luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith

luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith luís de camões Sonetos de amor Prefácio de richard zenith Copyright do prefácio 2016 by Richard Zenith Grafia atualizada segundo o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa de 1990, que entrou em vigor no

Leia mais

Grécia Antiga Das Diásporas Gregas a Alexandre o Grande. Prof. Alan Carlos Ghedini

Grécia Antiga Das Diásporas Gregas a Alexandre o Grande. Prof. Alan Carlos Ghedini Grécia Antiga Das Diásporas Gregas a Alexandre o Grande Prof. Alan Carlos Ghedini www.inventandohistoria.com O Mundo Grego Localizado ao Sul da Península Balcânica Terreno bastante irregular e montanhoso

Leia mais

Planificação anual de Português 12º ano

Planificação anual de Português 12º ano Planificação anual de Português 12º ano 1 OBJETIVOS Desenvolver os processos linguísticos, cognitivos e metacognitivos necessários à operacionalização de cada uma das competências de compreensão e produção

Leia mais

Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano

Unidade: O Romantismo Inglês Poesia. Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Unidade: O Romantismo Inglês Poesia Revisor Textual: Profª Dra. Magalí Elisabete Sparano Contextualização Histórica O período romântico inglês dura cerca de 40 anos e foi influenciado: Pela Revolução Francesa;

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO ANUAL DE LITERATURA - 2016 Nome: Nº 1ª Série Professores : Danilo / Fernando / Nicolas Nota: I Introdução Caro aluno, Neste ano, você obteve média inferior a 6,0 e, portanto, não

Leia mais

Possuem função comunicativa e estão inseridos em um contexto cultural.

Possuem função comunicativa e estão inseridos em um contexto cultural. Tipologias Textuais Tipos Textuais Os tipos textuais são caracterizados por propriedades linguísticas, como vocabulário, relações lógicas, tempos verbais, construções frasais etc. Gêneros textuais Possuem

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE CUBA DISCIPLINA : LÍNGUA PORTUGUESA : 6ºano ANO LECTIVO: 2007/2008 PLANIFICAÇÃO ANUAL COMPETÊNCIAS GERAIS Mobilizar saberes culturais, científicos e tecnológicos para compreender a realidade e para abordar

Leia mais

Salesianos Mogofores Colégio. Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português

Salesianos Mogofores Colégio. Rota de Aprendizagem PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português Rota de Aprendizagem 2015-2016 PORTUGUÊS 9º ano Grupo de Português * Em anexo encontra-se Lista de Obras e Textos para Iniciação à Educação literária; e Metas Curriculares (3º Ciclo - 9º Ano): Domínios

Leia mais

PRINCIPAIS OBRAS DE LEODEGÁRIO A. DE AZEVEDO FILHO

PRINCIPAIS OBRAS DE LEODEGÁRIO A. DE AZEVEDO FILHO PRINCIPAIS OBRAS DE LEODEGÁRIO A. DE AZEVEDO FILHO 1. Alguns Problemas do Idioma. Rio de Janeiro: Gráfica Carioca, 1953. 2. Didática Especial de Português. Rio de Janeiro: Editora Conquista, 1958. 3. A

Leia mais

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO

Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Agrupamento de Escolas D. Pedro IV, Vila do Conde PLANIFICAÇÃO RESUMIDA - PORTUGUÊS - 8º ANO ANO LETIVO: 2015/2016 1º PERÍODO 2º PERÍODO 3º PERÍODO Educação literária Texto literário e texto não literário.

Leia mais

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar

2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa. CEF Serviço de Bar 2011/2012 (Despacho nº 5238/2011 de 28 de Março) 2º Ano CONTEÚDOS ANUAIS DISCIPLINA: Língua Portuguesa CEF Serviço de Bar CONTEÚDOS 1º PERÍODO AULAS PREVISTAS 46 TEXTOS DE TEATRO - AUTO DA BARCA DO INFERNO,

Leia mais

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 o TRIMESTRE 2011

PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 o TRIMESTRE 2011 PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA 1 o TRIMESTRE 2011 PROF. MARCUS NOME N o 9º ANO Caro aluno, ou cara aluna. Nunca se esqueça: Sua letra deve ser artesanal, e sempre, sempre a caneta... Suas respostas devem estar

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 5º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 UM, DOIS, TRÊS COMEÇAR! UNIDADE

Leia mais

Os Lusíadas Mensagem

Os Lusíadas Mensagem EDIÇÕES ASA A 369723 J. OLIVEIRA MACEDO Sob o signo do Império Os Lusíadas Mensagem LUÍS VAZ DE CAMÕES FERNANDO PESSOA Análise comparativa «O-, índice 1! Parte Os Poetas e os Poemas [11] Sumário [li] I

Leia mais

capacidade que tem o cordel de educar, de debater qualquer assunto, de entreter e motivar à leitura.

capacidade que tem o cordel de educar, de debater qualquer assunto, de entreter e motivar à leitura. Projeto Cordel Entrevista de Francisco Diniz para a jornalista, Ana Júlia Souza juliasouza@mec.gov.br, do Jornal do Professor, do MEC, solicitada em 02/05/2012 10:54. 1) O trabalho que o senhor desenvolve

Leia mais

CONCEITO CONTO POPULAR LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO GÊNERO NARRATIVO AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS

CONCEITO CONTO POPULAR LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL GÊNERO LÍRICO GÊNERO DRAMÁTICO GÊNERO NARRATIVO AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS LITERATURA INFANTIL UNIVERSAL AULA 01: LITERATURA INFANTIL E GÊNEROS LITERÁRIOS TÓPICO 02: GÊNEROS LITERÁRIOS CONCEITO Segundo Victor Manuel de Aguiar e Silva em Teoria da Literatura, os gêneros literários

Leia mais

Aula 6 A lírica camoniana

Aula 6 A lírica camoniana Aula 6 A lírica camoniana Lírica Camoniana Poemas em medida velha: Poemas em medida nova: - Tradição popular medieval - Doce estilo novo -- Influência de Petrarca: soneto - Redondilha Menor: pentassílabo

Leia mais

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade

Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Departamento de Línguas Planificação Anual de Língua Portuguesa 6º Ano de escolaridade 1º Período 1/13 Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos de Cadaval Ano Lectivo

Leia mais

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA

Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Ensino Médio - Unidade Parque Atheneu Professor (a): Aluno (a): Série: 3ª Data: / / 2015. LISTA DE LITERATURA Orientações: - A lista deverá ser respondida na própria folha impressa ou em folha de papel

Leia mais

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR

Expressionismo EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR Expressionismo ALUNOS: EDUARDO CARLETTO JUNIOR EDUARDO FALCHETTI SOVRANI GIAN CARLOS MENCATTO PAULO ROBERTO MASCARELLO VILMAR IBANOR BERTOTTI JUNIOR DEFINIÇÃO E PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS Movimento heterogêneo

Leia mais

Confronto das artes literária e fílmica Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins e Guel Arraes

Confronto das artes literária e fílmica Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins e Guel Arraes Confronto das artes literária e fílmica Lisbela e o Prisioneiro de Osman Lins e Guel Arraes Valquíria Elias Ferreira Rezende Mestranda em Teoria Literária pela Universidade Federal de Uberlândia Este trabalho

Leia mais

Língua Portuguesa 7º Ano

Língua Portuguesa 7º Ano Língua Portuguesa 7º Ano Ano lectivo: 2010 / 2011 1º Período Diagnose Como estudar melhor Materiais auxiliares do estudo: dicionário; enciclopédia; manual; gramática; obra de leitura integral; CD áudio;

Leia mais

INSTRUMENTO AVALIATIVO

INSTRUMENTO AVALIATIVO INSTRUMENTO AVALIATIVO 7º ANO 3º BIMESTRE 2016 CALENDÁRIO DE AVALIAÇÕES AVALIAÇÃO ESPECÍFICA Avaliações Específicas 22/08 23/08 24/08 25/08 26/08 Ciências Geografia Português Filosofia Inglês Redação Arte

Leia mais

Recomendações para a Prova Final de Português 9º Ano. 20 de junho 2013

Recomendações para a Prova Final de Português 9º Ano. 20 de junho 2013 Recomendações para a Prova Final de Português 9º Ano 20 de junho 2013 Antes da Prova Tens de estar na Escola 30 minutos antes do início da prova - às 13:30 horas (o ideal é chegares um pouco antes - às

Leia mais

Português 2º ano João J. Folhetim

Português 2º ano João J. Folhetim Português 2º ano João J. Folhetim Romantismo: Cultura e Estética Burguesa Individualismo Liberalismo Culto ao Novo Cristianismo Materialismo Subjetivismo Liberdade de Expressão Imaginação Criadora Espírito

Leia mais

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI

ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI ROMANTISMO SÉC. XIX PROF. FERNANDO PUCHARELLI INÍCIO NA INGLATERRA E NA ALEMANHA ATÉ METADE DO SÉC. XIX; DISPUTAS DE PODER, FIM DA NOBREZA E ARISTOCRACIA; LITERATURA PARA A BURGUESIA E VISTA COMO ENTRETENIMENTO.

Leia mais

400 anos do cavaleiro sonhador

400 anos do cavaleiro sonhador 400 anos do cavaleiro sonhador Há 400 anos, Miguel de Cervantes publicava a primeira parte de Dom Quixote, livro que marcou a história da literatura. Críticos e estudiosos retomam a efeméride para discutir

Leia mais

Contação de Histórias PEF

Contação de Histórias PEF Contação de Histórias PEF Qual a importância da narração oral? -Exerce influência tanto sobre aspectos intelectuais quanto emocionais da criança. -Tem a capacidade de estimular a imaginação, a criatividade

Leia mais

A PRESENÇA INDÍGENA NA FICÇÃO BRASILEIRA

A PRESENÇA INDÍGENA NA FICÇÃO BRASILEIRA A PRESENÇA INDÍGENA NA FICÇÃO BRASILEIRA Fernando CARVALHO* O indígena aparece na literatura brasileira desde as primeiras manifestações literárias; desde a carta de Pero Vaz Caminha aos cronistas dos

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS - 9.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS - 9.º ANO DE PORTUGUÊS - 9.º ANO Ano Letivo 2014 2015 PERFIL DO ALUNO No final do 9.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir discursos/textos orais com diferentes graus de formalidade,

Leia mais

Arcadismo e Neoclassicismo

Arcadismo e Neoclassicismo Arcadismo e Neoclassicismo Origem do nome Recupera as características do classicismo porém em outra época = neoclassicismo Arcadismo = região da Grécia (Arcádia), região do Peloponeso, onde fica o Monte

Leia mais

Literatura Portuguesa Classicismo séc. XV - XVI. Aula 08 de Literatura Portuguesa e Brasileira Professora Carolina Ferreira Leite

Literatura Portuguesa Classicismo séc. XV - XVI. Aula 08 de Literatura Portuguesa e Brasileira Professora Carolina Ferreira Leite Literatura Portuguesa Classicismo séc. XV - XVI Aula 08 de Literatura Portuguesa e Brasileira Professora Carolina Ferreira Leite A visão antropocêntrica de mundo, surgida no Humanismo, consolidou-se durante

Leia mais

IMPORTANTES REFERÊNCIAS SOBRE O TEMA DA MITOLOGIA GREGA

IMPORTANTES REFERÊNCIAS SOBRE O TEMA DA MITOLOGIA GREGA IMPORTANTES REFERÊNCIAS SOBRE O TEMA DA MITOLOGIA GREGA Como temos percebido o tema mitologia é um tema caro para muitos estudiosos e mesmo do público em geral. Na verdade, observei e isto tenho colocado

Leia mais

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico.

Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano. Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. 1º Período (13 semanas) Escola Básica 2.3 Martim de Freitas PORTUGUÊS Planificação anual 5ºano Metas Oralidade Conteúdos Excerto informativo; excerto narrativo; excerto descritivo; excerto fílmico. Leitura

Leia mais

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS

VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS VESTIBULAR 2013 GABARITOS E COMENTÁRIOS GRUPOS 1, 3 E 4 (1º DIA 14/10/2012) PROVA DISCURSIVA DE PORTUGUÊS E LITERATURA VESTIBULAR PUC-RIO 2013 GABARITO PORTUGUÊS E LITERATURA BRASILEIRA DISCURSIVA ATENÇÃO:

Leia mais

Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori

Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori Livremente inspirado na obra de Manuel Antônio de Almeida Texto e Direção de Guido Caratori - SUMÁRIO SINOPSE... 4 ESPETÁCULO... 5 FICHA TÉCNICA... 6 FOTOS... 7 MAPA TÉCNICO... 9 SINOPSE A montagem da

Leia mais

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes

4ª FASE. Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes 4ª FASE Prof. Amaury Pio Prof. Eduardo Gomes A A Unidade I Natureza-Sociedade: questões ambientais. 2 A A Aula 9.2 Conteúdo As Grandes Civilizações Ocidentais Grécia II 3 A A Habilidade Conhecer a respeito

Leia mais

dossiê música na antiguidade

dossiê música na antiguidade dossiê música na antiguidade APRESENTAÇÃO É com prazer que trazemos para o leitor da revista Classica este dossiê especial com artigos dedicados a aspectos das artes dos sons na Antiguidade. O tema, sempre

Leia mais

ARTES. 4 o Bimestre 1. Instrumentos musicais 2. Classificação dos instrumentos musicais (sopro, percussão, cordas, eletrônico)

ARTES. 4 o Bimestre 1. Instrumentos musicais 2. Classificação dos instrumentos musicais (sopro, percussão, cordas, eletrônico) PREFEITURA MUNICIPAL DE POMERODE SECRETARIA DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO EMPREENDEDORA CNPJ 83.102.251/0001-04 Fone: (47) 3395-6300 E-mail: educacao@pomerode.sc.gov.br Rua 15 de Novembro, 649 Bairro Centro 89107-000

Leia mais

Observe a imagem e leia o texto abaixo para fazer as lições de Língua Portuguesa:

Observe a imagem e leia o texto abaixo para fazer as lições de Língua Portuguesa: COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA / 4º ano 4º A 4º B 4º C semana de 25 a 29 de maio sexta-feira terça-feira quinta-feira Observe a imagem e leia o texto abaixo

Leia mais

CIVILIZAÇÃO GREGA. Curso: Médio Integrado. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa

CIVILIZAÇÃO GREGA. Curso: Médio Integrado. Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa CIVILIZAÇÃO GREGA Curso: Médio Integrado Prof. Manoel dos Passos da Silva Costa ORIGEM DO POVO GREGO GRÉCIA GREGOS HÉLADE HELENOS Geografia Grécia continental Peninsular insular Montanhas Vales férteis

Leia mais

Guião de exploração pedagógica painel 4. Autoria: Maria José Marques

Guião de exploração pedagógica painel 4. Autoria: Maria José Marques Autoria: Maria José Marques A Exposição Itinerante Santillana é da autoria de Maria José Marques e foi exibida pela primeira vez na Universidade de Verão Santillana, nos dias 9, 10 e 11 de julho de 2012.

Leia mais