texto narrativo ação espaço tempo personagens narrador. narração descrição diálogo monólogo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "texto narrativo ação espaço tempo personagens narrador. narração descrição diálogo monólogo"

Transcrição

1 Português 2014/2015

2 O texto narrativo conta acontecimentos ou experiências conhecidas ou imaginadas. Contar uma história, ou seja, construir uma narrativa, implica uma ação, desenvolvida num determinado espaço e num determinado tempo, praticada por personagens, que nos é transmitida por um narrador. Normalmente, o texto narrativo é constituído por narração (a ação evolui), descrição (das personagens e do espaço), diálogo (as personagens falam entre si) e monólogo (uma personagem fala consigo mesma).

3 Categorias da Narrativa Tempo Espaço Personagens Ação Narrador

4 Cronológico Do discurso Tempo Histórico Psicológico

5 1. Cronológico Traduz-se nas marcas da passagem do tempo (dia, mês, ano, etc.) Ex: Nos primeiros 40 dias um rapaz fora com ele 2. Histórico Enquadramento histórico das ações Ex: Eram então, em todo o reino das Astúrias, os fidalgos mais famintos 3. Psicológico - É de natureza subjetiva; designa o modo como a personagem sente o fluir do tempo. Ex: Como o tempo corria devagar

6 4. Do Discurso - Resulta do modo como o narrador trata o tempo da história. O narrador pode respeitar a ordem cronológica ou alterá-la. Resumidos Momento anterior Momento Meses atual Ano seguinte Momento posterior Analepse Sumário Elipse Prolepse

7 Físico Social Espaço Psicológico

8 1. Físico: Lugar onde a ação se realiza. Ex: Era um velho que pescava sozinho num esquife na corrente do Golfo. 2. Social: Espaço social que envolve as personagens e a ação. Ex: Era uma vila psicologicamente degradada. 3. Psicológico Espaço/atmosfera que evidencia e revela as reflexões e os pensamentos de uma personagem. Ex: Para ela, aquela casa representava uma prisão.

9 Caracterização Conceção Personagens Relevo Processos de Caracterização

10 1. Relevo 1.1 Personagem principal - É a personagem mais destacada. É em torno dela que se desenrola toda a narrativa. Ex: Santiago de O Velho e o Mar 1.2 Personagem secundária Personagens que, embora essenciais, desempenham papeis de menor relevo no desenrolar da ação. Ex: Rapaz de O Velho e o Mar 1.3 Figurantes são aqueles que ajudam a construir um ambiente, não tendo nenhuma intervenção na ação Ex: Os outros pescadores de O Velho e o Mar

11 2. Caracterização 2.1 Física: Indicações de particularidades como altura, estatura, cor dos olhos Ex: O velho era magro e seco, com profundas rugas na parte de trás do pescoço. 2.2 Psicológica: Traços de carácter, qualidades da personagem, como hábitos, sentimentos, relacionamento com os outros, etc.. Ex: As maneira frias davam-lhe uma graça um tanto hostil

12 3. Processos de Caracterização 3.1 Direta As características são directamente apontadas pela própria personagem (autocaracterização), por outra personagem ou pelo narrador (heterocaracterização) Ex: De cara balofa e gordalhufa, luneta preta com grossa fita passada atrás da orelha 3.2 Indireta As características são deduzidas através de comportamentos, atitudes ou ações da personagem Ex: Não dava nada a ninguém. Subentende-se que é egoísta

13 4. Conceção 4.1 Redonda (Modelada) - Modifica o seu comportamento ao longo da história e mostra-se cada vez mais complexa. 4.2 Plana Nunca evolui nem revela densidade psicológica.

14 Relevância Estrutura da ação Ação Organização Delimitação

15 A ação é o desenrolar de acontecimentos que se relacionam entre si e se encaminham ou não para um desenlace. A ordenação ou estrutura de uma narrativa caracteriza-se por uma situação inicial (introdução), um desenvolvimento (acontecimentos) e um desenlace (desfecho ou conclusão), que não existe em certas narrativas modernas. Quando existe desenlace, isto é, a resolução de todas as dúvidas, expectativas, conflitos ou anseios acumulados, diz-se que se trata de uma ação fechada. Quando não existe desenlace, ou seja, se a narrativa deixar ao leitor a possibilidade de imaginar a continuação da história, dizse que se trata de uma ação aberta.

16 1. 2. Relevância Organização 2.1 Encadeamento Um acontecimento é contado a seguir ao outro 1.1 Principal - resulta de todos os episódios que vão dando a conhecer a sucessivamente. vida da personagem principal. S1 S2 S3 S4 1.2 Secundária - Os factos que não contribuem decisivamente para o desenlace. 2.2 Alternância Conta-se mais do que uma história, alternando-as. H1 H3 H2 H4 2.3 Encaixe Dentro de uma história conta-se outra que enriquece a primeira S1 Seq. Encaixada S1

17 3. Delimitação 3.1 Fechada a história é contada até ao desfecho final 3.2 Aberta o final da história não é revelado 4. Estrutura

18 Presença Narrador Ponto de vista/focalização Posição

19 Características Narrador Presença Homodiegético (Autodiegético) Heterodiegético Definição Narrador que participa Narrador que não participa na história que narra na história que narra. Pronomes pessoais da Pronomes pessoais da 3ª pessoa - 1ª pessoa eu, me, comigo; ele(s), ela(s), lhes nós, nos, connosco Determinantes pessoais Determinantes pessoais e demonstrativos na e demonstrativos na 3ª pessoa - 1ªpessoa - meu(s), minha(s), dele(s), dela(s), seu(s), sua(s); nosso(s), nossa(s), este (s), esse(s), essa(s), aquele(s), aquela(s) estas(s) Formas verbais na Formas verbais na 3ª pessoa (sing. 1ª pessoa (sing. e plu.) e plu.) Vi, encontrei; vimos, Viu, encontrou; viram, encontraram encontrámos Posição Narrador Objetivo Narrador Subjetivo Definição Não toma posição face aos acontecimentos. Narra os acontecimentos declarando ou sugerindo o seu ponto de vista Focalização Omnisciente Não Omnisciente Interna Externa Definição Conhece toda a Conhece apenas parte Sabe mais Sabe menos história e da história e das do que as do que as personagens personagens personagens personagens

20 O texto narrativo pode apresentar várias modalidades de discurso. O discurso do narrador, mais próximo da ficção narrada, apresenta-se sob as formas de: narração - relato de acontecimentos e de conflitos, situados no tempo e encadeados de forma dinâmica, originando a ação. descrição - informações sobre as personagens, os objetos, o tempo e os lugares, que interrompem a dinâmica da ação e vão desenhando os cenário.

21 O discurso das personagens, mais distante do narrador, apresenta-se sob as formas de: diálogo - interação verbal ou conversa entre duas ou mais personagens (discurso direto com registos de língua variados); monólogo - conversa da personagem consigo mesma, discurso mental não pronunciado ou pronunciado, mas sem ouvinte (discurso direto com frases simples e reduzidas, muitas vezes com suspensões).

22 Categorias da Narrativa

Categorias da narrativa Acção Dá-se o nome de acção ao conjunto de acontecimentos que constituem uma narrativa e que são relatados, mas há que distinguir a importância de cada um deles para a história.

Leia mais

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto

Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 2 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO SABERES DESAFIO DO DIA Unidade II Cultura: a pluralidade na expressão humana Aula 13.1 Conteúdo: Outras formas de narrar: o conto 3 CONTEÚDO E HABILIDADES FORTALECENDO

Leia mais

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL

Novo Programa de Português do Ensino Básico Roteiro _ SD_ Leitura_ ANO5. Compreensão do Oral LEITURA. Expressão oral. Escrita CEL Compreensão do Oral LEITURA Expressão oral Escrita CEL. 1 Apresentação 1. Nome da Sequência: 2. Contexto/projecto: Intertextualidade do texto adaptado de Peregrinação, de Aquilino Ribeiro, com o original

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL

PROCESSO SELETIVO PARA PROFESSORES SUBSTITUTOS EDITAL EDUCAÇÃO INFANTIL 01) Tomando como base a bibliografia atual da área, assinale a alternativa que destaca CORRE- TAMENTE os principais eixos de trabalho articuladores do cotidiano pedagógico nas Instituições

Leia mais

Prova Escrita de Inglês

Prova Escrita de Inglês Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova Escrita de Inglês Prova 21 2015 9.º Ano de Escolaridade Duração da Prova: 90 minutos 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor,

Xixi na Cama. Cara Professora, Caro Professor, Xixi na Cama Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos mais um livro da coleção Revoluções: Xixi na Cama, do autor mineiro Drummond Amorim. Junto com a obra, estamos também

Leia mais

TEMPO & NARRATIVA. A persistência da memória, 1931. Salvador Dali

TEMPO & NARRATIVA. A persistência da memória, 1931. Salvador Dali TEMPO & NARRATIVA A persistência da memória, 1931. Salvador Dali Extraído do livro Figures III TEMPO DA NARRAÇÃO DA NARRATIVA tempo em que se situa o narrador da história Tempo da história Às vezes explícito,

Leia mais

INGLÊS Cont. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO. 11º Ano de Escolaridade. Prova 367 2015. Pág. 1 de 5. 1. Objeto de avaliação

INGLÊS Cont. Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO. 11º Ano de Escolaridade. Prova 367 2015. Pág. 1 de 5. 1. Objeto de avaliação Ano Letivo 2014/2015 INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA A À FREQUÊNCIA INGLÊS Cont. Prova 367 2015 11º Ano de Escolaridade Decreto-Lei nº 139/2012, de 5 de julho 1. Objeto de avaliação A prova a que esta

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA - LÍNGUA E LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA- Grupos D, E, F, G e L TEXTO I

PADRÃO DE RESPOSTA - LÍNGUA E LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA- Grupos D, E, F, G e L TEXTO I PADRÃO DE RESPOSTA - LÍNGUA E LITERATURAS DE LÍNGUA PORTUGUESA- Grupos D, E, F, G e L TEXTO I 5 Eu estava deitado num velho sofá amplo. Lá fora, a chuva caía com redobrado rigor e ventava fortemente. A

Leia mais

Língua Portuguesa 9º ano

Língua Portuguesa 9º ano Língua Portuguesa 9º ano Conteúdos por unidade didática 1º Período A - Comunicação Oral.. Intencionalidade comunicativa. Adequação comunicativa: Ideia geral. Ideias principais. Ideias secundárias. Informação

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho.

CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. CARO PROFESSOR, Bem-vindo ao universo de Pequenas Histórias, filme de Helvécio Ratton que será lançado nos cinemas a partir de julho. Um filme, como qualquer obra de arte, possibilita várias leituras,

Leia mais

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade

Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães. Conhecendo a Cidade Guia do Professor / Vozes da Cidade / Conhecendo.../ Eduardo Guimarães 1 Guia do Professor Episódio Conhecendo a Cidade Programa Vozes da Cidade Apresentação Como já vimos nos trabalhos desenvolvidos para

Leia mais

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula

revista FIDELIDADE - A vida cristã dinâmica Preparando a aula Plano de aula Base bíblica: João 3.1-23 Texto áureo: Jesus respondeu: Na verdade, na verdade te digo que aquele que não nascer da água e do Espírito, não pode entrar no reino de Deus (João 3.5). Preparando a aula Ore

Leia mais

Não é o outro que nos

Não é o outro que nos 16º Plano de aula 1-Citação as semana: Não é o outro que nos decepciona, nós que nos decepcionamos por esperar alguma coisa do outro. 2-Meditação da semana: Floresta 3-História da semana: O piquenique

Leia mais

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs:

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs: 1) Regra geral Palavra que acompanha substantivo concorda com ele. Ex.: O aluno. Os alunos. A aluna. As alunas. Meu livro. Meus livros. Minha pasta. Minhas pastas. Garoto alto. Garotos altos. Garota alta.

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS LE I (2 anos) 2015 Prova 06 / 2015 --------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Leia mais

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS]

PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA [INGLÊS] INFORMAÇÃO-PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS ANO DE ESCOLARIDADE: 10º E 11º ANOS ANO LETIVO: 2012 2013 TIPO DE PROVA: DURAÇÃO: CÓDIGO DA PROVA: MATERIAL NECESSÁRIO/PERMITIDO: ESCRITA 90 MINUTOS

Leia mais

Cara Professora, Caro Professor,

Cara Professora, Caro Professor, A olhinhos menina de rasgados Cara Professora, Caro Professor, Estamos oferecendo a você e a seus alunos um belo livro de narrativa A menina de olhinhos rasgados, do premiado autor mineiro Vanderlei Timóteo.

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker.

Resumo expandido CONPEEX 2011. A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. Resumo expandido CONPEEX 2011 TÍTULO A Construção da Narrativa Fílmica Através do Discurso Fotográfico na Obra de Chris Marker. NOMES DOS AUTORES, UNIDADE ACADÊMICA E ENDEREÇO ELETRÔNICO Luciana Miranda

Leia mais

Planificação periódica 7ºano

Planificação periódica 7ºano EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação periódica 7ºano Língua Portuguesa Ano lectivo 2010/2011 AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE AVEIRO Escola EB 2/3 João Afonso de Aveiro Planificação 1ºPeríodo 7ºAno 2010/2011

Leia mais

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência

Agrupamento de Escolas de Porto de Mós Informação-Prova de Equivalência à Frequência Prova de Equivalência à Frequência de Inglês (Escrita + Oral) Prova Código 06-2015 2º Ciclo do Ensino Básico - 6ºano de escolaridade 1. Introdução O presente documento visa divulgar as características

Leia mais

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova:

O presente documento dá a conhecer os seguintes aspetos relativos à prova: Informação sobre Prova de Equivalência à Frequência de Inglês Data: 10 de abril de 2013 Prova nº 21 2013 3º Ciclo do Ensino Básico Despacho Normativo n.º 24-A/2012 Agrupamento de Escolas de Vallis Longus-Valongo

Leia mais

UMA ALTERNATIVA DIDÁTICA: A PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS POR ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL A PARTIR DAS NARRATIVAS POPULARES

UMA ALTERNATIVA DIDÁTICA: A PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS POR ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL A PARTIR DAS NARRATIVAS POPULARES 214 UMA ALTERNATIVA DIDÁTICA: A PRODUÇÃO DE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS POR ALUNOS DE ENSINO FUNDAMENTAL A PARTIR DAS NARRATIVAS POPULARES Elizabeth da Silva 1 EE Sebastião Pereira Machado Unipac Itajubá RESUMO.

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br

Lucas Liberato Coaching Coach de Inteligência Emocional lucasliberato.com.br Script de Terapia de Liberação Emocional (EFT) para desfazer crenças relativas aos clientes que você merece ter. Eu não consigo atrair clientes dispostos a pagar preços altos A Acupuntura Emocional é uma

Leia mais

Prova Escrita de Português

Prova Escrita de Português Exame Nacional do Ensino Secundário Decreto-Lei n.º 286/89, de 29 de agosto programas novos e Decreto-Lei n.º 74/2004, de 26 de março Prova Escrita de Português Alunos com deficiência auditiva de grau

Leia mais

Os encontros de Jesus. sede de Deus

Os encontros de Jesus. sede de Deus Os encontros de Jesus 1 Jo 4 sede de Deus 5 Ele chegou a uma cidade da Samaria, chamada Sicar, que ficava perto das terras que Jacó tinha dado ao seu filho José. 6 Ali ficava o poço de Jacó. Era mais ou

Leia mais

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens

Para pensar o. livro de imagens. Para pensar o Livro de imagens Para pensar o livro de imagens ROTEIROS PARA LEITURA LITERÁRIA Ligia Cademartori Para pensar o Livro de imagens 1 1 Texto visual Há livros compostos predominantemente por imagens que, postas em relação,

Leia mais

Escrevendo um conto de Ficção Científica

Escrevendo um conto de Ficção Científica Escrevendo um conto de Ficção Científica O que é um conto? Conto é um texto narrativo curto com linguagem simples que acontece em tempo e espaço reduzido. Possui poucos personagens e todas as ações são

Leia mais

Chantilly, 17 de outubro de 2020.

Chantilly, 17 de outubro de 2020. Chantilly, 17 de outubro de 2020. Capítulo 1. Há algo de errado acontecendo nos arredores dessa pequena cidade francesa. Avilly foi completamente afetada. É estranho descrever a situação, pois não encontro

Leia mais

25/09/2010. Oficina de Textos. Redação. Título Como Grafar. Título Dicas Gerais. Título em Redação Publicitária. Tipos de Redação

25/09/2010. Oficina de Textos. Redação. Título Como Grafar. Título Dicas Gerais. Título em Redação Publicitária. Tipos de Redação Redação Oficina de Textos Aula 4 Tipos de Redação: Para se produzir uma boa redação não existem fórmulas mágicas ou técnicas especiais. Tudo aquilo de que você necessita é seguir algumas regras essenciais,

Leia mais

Como Atrair a Quantidade de dinheiro que deseja em poucas semanas (OU DIAS)

Como Atrair a Quantidade de dinheiro que deseja em poucas semanas (OU DIAS) Copyright 2008 by Wellington Rodrigues Todos os direitos reservados - 2008 1 Como Atrair a Quantidade de dinheiro que deseja em poucas semanas (OU DIAS) Por: Wellington Rodrigues Todos nós temos direito

Leia mais

Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador

Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador Jornal on-line: uma nova perspectiva de leitor co-enunciador Luciana Maria Crestani (UPM-SP) RESUMO: Este artigo faz uma reflexão sobre perspectivas enunciativas que se abrem a partir dos recursos da internet

Leia mais

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA

Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA Formação de PROFESSOR EU ME DECLARO CRIANÇA 1 Especial Formação de Professor Por Beatriz Tavares de Souza* Apresentação O livro apresenta os princípios da Declaração Universal dos Direitos da Criança.

Leia mais

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão.

Cadê? 1. PALAVRAS-CHAVE: Cinema; curta-metragem; ficção; roteiro; visão. Cadê? 1 Mirielle Katarine do Nascimento CAHUHY 2 Claudilma Marques Mendes da SILVA 3 Karen Alves de LIMA 4 Sara Raquel REIS 5 Anaelson Leandro de SOUSA 6 Universidade do Estado da Bahia, Juazeiro, BA RESUMO

Leia mais

Universidade de Trás-os-Montes & Alto Douro DESG Licenciatura em Economia Unidade Curricular de Marketing. Grupo MarkeTeam Apresenta:

Universidade de Trás-os-Montes & Alto Douro DESG Licenciatura em Economia Unidade Curricular de Marketing. Grupo MarkeTeam Apresenta: Universidade de Trás-os-Montes & Alto Douro DESG Licenciatura em Economia Unidade Curricular de Marketing Grupo MarkeTeam Apresenta: Marketing Pessoal Docente: Ana Paula Rodrigues O que é o Marketing Pessoal

Leia mais

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março)

(Nos termos do Despacho Normativo 6-A/2015, de 5 de março) Código: 345921 Escola Básica e Secundária de Melgaço Sede do Agrupamento de Escolas de Melgaço INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 10 E 11º ANOS DE ESCOLARIDADE INGLÊS (Nos termos do Despacho

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (4 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Expressar curiosidade e desejo de saber; Reconhecer aspetos do mundo exterior mais próximo; Perceber a utilidade de usar os materiais do seu quotidiano;

Leia mais

Caderno de Prova. NÍVEL FUNDAMENTAL: Auxiliar Administrativo Financeiro

Caderno de Prova. NÍVEL FUNDAMENTAL: Auxiliar Administrativo Financeiro ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE PORTO BELO Concurso Público Edital 001/2012 Caderno de Prova 28 28 de outubro das 14 às 18:00 h 4 h de duração 30 questões NÍVEL FUNDAMENTAL: Auxiliar Administrativo

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo

Freelapro. Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Palestrante: Pedro Quintanilha Freelapro Título: Como o Freelancer pode transformar a sua especialidade em um produto digital ganhando assim escala e ganhando mais tempo Quem sou eu? Eu me tornei um freelancer

Leia mais

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM

A Tua Frase Poderosa. Coaches Com Clientes: Carisma. Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM A Tua Frase Poderosa Coaches Com Clientes: Carisma Joana Areias e José Fonseca WWW.COACHESCOMCLIENTES.COM Introdução Neste pequeno texto pretendo partilhar contigo onde os coaches falham ao apresentarem-se

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal

PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal PLANIFICAÇÃO ANUAL Actividades de Enriquecimento Curricular Expressão Dramática/Teatro e Corporal Ano de escolaridade: 1.º e 2.º Ano Ano lectivo: 2011/2012 Professor/a da Disciplina:... Agrupamento/Escola:.

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 29 Discurso na cerimónia de premiação

Leia mais

COMBINADOS PARA O SEMESTRE:

COMBINADOS PARA O SEMESTRE: COMBINADOS PARA O SEMESTRE: Temas de redação serão dados durantes as aulas. É importante pesquisá-los e estudá-los, pois alguns deles serão utilizados para as produções em sala ou em simulados; Toda a

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERÍODO CONTEÚDOS ORALIDADE Elementos constitutivos do texto publicitário. Ouvinte. Informação. Princípios reguladores

Leia mais

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais.

Depressão. A depressão afecta pessoas de formas diferentes e pode causar vários sintomas físicos, psicológicos (mentais) e sociais. Depressão Introdução A depressão é uma doença séria. Se estiver deprimido, pode ter sentimentos de tristeza extrema que duram longos períodos. Esses sentimentos são muitas vezes suficientemente severos

Leia mais

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?...

Prefácio... 9. A mulher do pai... 14. A mulher do pai faz parte da família?... 17. A mulher do pai é parente?... 29. Visita ou da casa?... Sumário Prefácio... 9 A mulher do pai... 14 A mulher do pai faz parte da família?... 17 A mulher do pai é parente?... 29 Visita ou da casa?... 37 A mulher do pai é madrasta?... 43 Relação civilizada?...

Leia mais

Um Menino Igual a Todo Mundo

Um Menino Igual a Todo Mundo elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Um Menino Igual a Todo Mundo escrito por & ilustrado por Sandra Saruê Marcelo Boffa Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento de subsídios

Leia mais

PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA

PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA Terapêutica Nova 1 2 PROCESSO TERAPÊUTICO NA COMUNIDADE TERAPÊUTICA GRUPO DE APOIO PARA FAMILIARES NOVA JORNADA Objetivos do tratamento: Parar a doença Recuperar a pessoa 4 www.novajornada.org.br 1 Terapêutica

Leia mais

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO

RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO RELACIONAMENTO TERAPÊUTICO ENTRE ENFERMEIRO E PACIENTE TRANSPLANTADO CARDÍACO: FORÇA VITAL PARA A HUMANIZAÇÃO O transplante cardíaco é uma forma de tratamento para os pacientes com insuficiência cardíaca

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África

Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África elaboração: PROF. DR. JOSÉ NICOLAU GREGORIN FILHO Jambo! Uma Manhã com os Bichos da África escrito por & ilustrado por Rogério de A. Barbosa Eduardo Engel Os Projetos de Leitura: concepção Buscando o oferecimento

Leia mais

Colégio Santa Dorotéia BH

Colégio Santa Dorotéia BH Colégio Santa Dorotéia BH Área de Códigos e Linguagens Disciplina: Língua Portuguesa Série: 8 a - Ensino Fundamental Professoras: Mônica e Priscila Língua Portuguesa Atividades para Estudos Autônomos Data:

Leia mais

A Caravela - Texto pedagógico

A Caravela - Texto pedagógico A Caravela - Texto pedagógico Nota prévia Os navios das descobertas serão sempre um tema inspirador para as nossas crianças. Fruto do trabalho e engenho dos homens desse tempo, a Caravela constituirá agora

Leia mais

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino

Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Os Doze Sinais do Seu Despertar Divino Tobias através de Geoffrey Hoppe www.crimsoncircle.com Inspirando Consciências OS DOZE SIGNOS DO SEU DESPERTAR DIVINO Tobias através de Geoffrey Hoppe Por favor,

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros s de gramática do uso da língua portuguesa do Brasil Sugestão: estes exercícios devem ser feitos depois de estudar a Unidade 14 por completo

Leia mais

Uma proposta pedagógica é um caminho não é um lugar... toda proposta contém uma aposta. Nasce de uma realidade que pergunta e também busca uma resposta. É, pois um diálogo. Toda proposta é situada: traz

Leia mais

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência

A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência A RODA DE LITERATURA INFANTIL COMO ESPAÇO DE REFLEXÃO CRÍTICA: um relato de experiência Ana Raquel da Rocha Bezerra, UFPE Andressa Layse Sales Teixeira, UFRN RESUMO: O presente trabalho tem como objetivo

Leia mais

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10.

Gabarito de Inglês. Question 6. Question 1. Question 7. Question 2. Question 8. Question 3. Question 9. Question 4. Question 10. Question 1 Question Question LETRA: E Fácil Question 4 LETRA: A Fácil Question 5 Gabarito de Inglês Question 6 LETRA: D Difícil Question 7 LETRA: A Média Question 8 LETRA: C Difícil Question 9 Question

Leia mais

Cursos Profissionais. Prova de Aptidão Profissional

Cursos Profissionais. Prova de Aptidão Profissional Escola Secundária de S. João do Estoril Cursos Profissionais Normas para a apresentação do relatório Professora Orientadora: Apresentação As normas que se apresentam têm por objectivo uniformizar a apresentação

Leia mais

34º Café da Gestão. Resultados. Ana Paula Alcantara 06/12/2013

34º Café da Gestão. Resultados. Ana Paula Alcantara 06/12/2013 34º Café da Gestão Atitudes para Resultados Ana Paula Alcantara 06/12/2013 Fim de Ano Momento de Reflexão Rever Planos e Atitudes Senado Federal Fazendo Diferença Ficar Imóvel Como Evitar? Criar Alianças

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE tarefas tecnológicas, práticas didáticas, tarefas criativas.

PALAVRAS-CHAVE tarefas tecnológicas, práticas didáticas, tarefas criativas. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (x) EDUCAÇÃO. A relação entre o contexto do livro didático e a tarefa digital criativa no PIC Reinaldo Afonso Mayer (ramayer1952@gmail.com)

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos)

INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA. Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) PA-LP 3 INSTRUÇÕES GERAIS SOBRE A PROVA Esta prova é constituída por duas partes, separadas por um intervalo de 30 minutos. 1.ª Parte (45 minutos) Durante este tempo, vais ler, com muita atenção, um texto

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA INGLÊS 201 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova

Leia mais

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade

FEED FORWARD #31 SETEMBRO 2014. Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade WWW.MINDCOACH.PT FEED FORWARD Coaching, a arte secreta de convidar a Felicidade #31 SETEMBRO 2014 Alexandra Lemos Executive Coach International Coach Trainer da ICC para Portugal MAFALDA FERREIRA TERAPEUTA

Leia mais

Transporte de crianças em automóvel

Transporte de crianças em automóvel Transporte de crianças em automóvel O transporte de crianças encontra-se regulado no artigo 55.º do Código da Estrada. As crianças com menos de 12 anos de idade e menos de 150 cm de altura transportadas

Leia mais

O PESCADOR E O GÊNIO

O PESCADOR E O GÊNIO Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 5 Ọ ANO EM 2014 Disciplina: PoRTUGUÊs Prova: desafio nota: O PESCADOR E O GÊNIO Havia uma vez um pescador muito velho e muito pobre

Leia mais

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO

USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO USAR MÉTODOS ALTERNATIVOS E AUMENTATIVOS DA COMUNICAÇÃO Nos últimos anos, numerosas equipas multidisciplinares têm dedicado esforços ao desenvolvimento de métodos e estratégias para:. aumentar a comunicação

Leia mais

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura)

4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP. Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) 4ª, 6ª e 8ª séries / 5º, 7º e 9º anos do Ensino Fundamental e 3ª série do Ensino Médio SARESP Escala de Proficiência de Língua Portuguesa (Leitura) ESCALA DE PROFICIÊNCIA DE LÍNGUA PORTUGUESA LEITURA A

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos)

METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) METAS DE APRENDIZAGEM (3 anos) 1. CONHECIMENTO DO MUNDO Revelar curiosidade e desejo de saber; Explorar situações de descoberta e exploração do mundo físico; Compreender mundo exterior mais próximo e do

Leia mais

a) Dê o domínio da função f(x) = 2 + 3x Resolva a inequação: 1 x Resolução a) O domínio da função f definida por x 1 é o conjunto de todos os

a) Dê o domínio da função f(x) = 2 + 3x Resolva a inequação: 1 x Resolução a) O domínio da função f definida por x 1 é o conjunto de todos os MATEMÁTICA 1 a) Dê o domínio da função f(x) = x 1. x 7x + 1 b) + 3x Resolva a inequação: 1 x 4. a) O domínio da função f definida por f(x) = x 1 é o conjunto de todos os x 7x + 1 x 1 números reais tais

Leia mais

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz

A Qualidade Fundamental do Vendedor Altamente Eficaz Em abril de 2.000 Jack Welch - o executivo do século foi entrevistado pela Executive Focus International. Essa entrevista foi coberta com exclusividade pela revista brasileira HSM Management, edição de

Leia mais

Gênese de dois projetos: Quadrinhos Animados e Fábulas Animadas

Gênese de dois projetos: Quadrinhos Animados e Fábulas Animadas Gênese de dois projetos: Quadrinhos Animados e Fábulas Animadas Obs: Este texto deve ser lido preferencialmente após a leitura do texto: Gênese de cinco projetos Sou professor de Ciências e Biologia, formado

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Benefícios da leitura em voz alta

Benefícios da leitura em voz alta Ler em voz alta Ler em voz alta Benefícios da leitura em voz alta Ajuda a criança a adquirir informação e a desenvolver vários tipos de competências: Memorizar relações entre som e grafia, nas palavras

Leia mais

Planejamento anual. Unidade 1. Narrativas. Capítulos. 1. Era uma vez um herói... 2. Heróis e heroínas

Planejamento anual. Unidade 1. Narrativas. Capítulos. 1. Era uma vez um herói... 2. Heróis e heroínas Planejamento anual Unidade 1 Capítulos 1. Era uma vez um herói... 2. Heróis e heroínas Narrativas Ampliar o vocabulário, buscando, no contexto imediato ou no dicionário, o signifi cado das palavras desconhecidas

Leia mais

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL?

A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? A IDENTIDADE DE GÉNERO NO JARDIM DE INFÂNCIA QUE CONSTRUÇÃO SOCIAL? Cândida Penteado CBES Marinhais Alice Mendonça Universidade da Madeira Objectivo do estudo: determinar se os estereótipos de género se

Leia mais

Múltiplos Estágios processo com três estágios Inquérito de Satisfação Fase II

Múltiplos Estágios processo com três estágios Inquérito de Satisfação Fase II O seguinte exercício contempla um processo com três estágios. Baseia-se no Inquérito de Satisfação Fase II, sendo, por isso, essencial compreender primeiro o problema antes de começar o tutorial. 1 1.

Leia mais

I ENCONTRO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA IJN/FARO - EDITAL 2014 -

I ENCONTRO DE CIÊNCIA & TECNOLOGIA IJN/FARO - EDITAL 2014 - A Direção da Faculdade de Rondônia - IJN/FARO torna público por meio deste edital, as informações para realização do I Encontro de Ciência & Tecnologia, que acontecerá nos dias 16 e 17 de outubro de 2014.

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

O Pitch (Quase) Perfeito

O Pitch (Quase) Perfeito (Mais) Um Guia Prático de Como Conquistar Investidores e Clientes para seu Negócio Por Versão 0.1 (Beta) 2012 Copyright & Distribuição Este texto tem seus direitos autorais reservados, sendo autorizada

Leia mais

Métodos e Instrumentos de Pesquisa

Métodos e Instrumentos de Pesquisa Métodos e Instrumentos de Pesquisa Prof. Ms. Franco Noce fnoce2000@yahoo.com.br MÉTODO E INSTRUMENTOS DE PESQUISA Entrevista Questionários Técnicas de Observação Sociometria Estudos de Caso Testes cognitivos

Leia mais

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO. SISTEMAS DE GESTÃO DE BASE DE DADOS Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Microsoft Access TECNOLOGIAS DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO CONCEITOS BÁSICOS 1 Necessidade das base de dados Permite guardar dados dos mais variados tipos; Permite

Leia mais

Dossier: Sambarquitectura

Dossier: Sambarquitectura Dossier: Sambarquitectura Como qualquer estudante do quinto e último ano de arquitectura na Universidade Técnica de Estocolmo, foi-me dada a liberdade de escolher qual o projecto a desenvolver durante

Leia mais

Learning by Ear Aprender de Ouvido Direitos das jovens 4º Episódio: Herança Uma história sobre os direitos das jovens

Learning by Ear Aprender de Ouvido Direitos das jovens 4º Episódio: Herança Uma história sobre os direitos das jovens Learning by Ear Aprender de Ouvido Direitos das jovens 4º Episódio: Herança Uma história sobre os direitos das jovens Autor: Njoki C. Muhoho Editoras: Andrea Schmidt, Katrin Ogunsade Revisão: Michael Lawton

Leia mais

Plano de Carreira. A seguir, encontram-se alguns exemplos de mapas de ascensão que a EJ pode escolher de acordo com a sua estrutura organizacional.

Plano de Carreira. A seguir, encontram-se alguns exemplos de mapas de ascensão que a EJ pode escolher de acordo com a sua estrutura organizacional. Plano de Carreira Introdução É objetivo de toda organização manter seus colaboradores motivados, controlar seu desempenho e tentar melhorá-lo continuamente. No caso de empresas juniores, o principal objetivo

Leia mais

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs

endereço: data: Telefone: E-mail: PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs Nome: N.º: endereço: data: Telefone: E-mail: Colégio PARA QUEM CURSA O 7.O ANO EM 2015 Disciplina: Prova: PoRTUGUÊs desafio nota: Texto para as questões 1 e 2. (Disponível em: .

Leia mais

ERC/ISCTE Estudo de Recepção dos Meios de Comunicação. Questionários nas Escolas

ERC/ISCTE Estudo de Recepção dos Meios de Comunicação. Questionários nas Escolas ERC/ISCTE Estudo de Recepção dos Meios de Comunicação Questionários nas Escolas Nº de inquiridos: 814 Percentagens de respostas válidas Idade 9 10 11 12 13 14 15,4 18,1 19,5 15,3 17,5 14,1 Sexo Rapaz Rapariga

Leia mais

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg

Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg 5. Estágio pré-operatório (2 a 6 anos) Fonte: www.cantocidadao.org.br/.../blog/criancas.jpg Esse período é marcado pela passagem da inteligência sensório-motora para a inteligência representativa. A criança

Leia mais

Critérios de Avaliação- 3º ciclo

Critérios de Avaliação- 3º ciclo Critérios de Avaliação- 3º ciclo isciplina INGLÊ Ano: 7º A avaliação certifica as aprendizagens e tem como objetivo a melhoria dessas aprendizagens. Os domínios de referência definidos valorizam a compreensão,

Leia mais

1 2 3 W O R K S H O P 4 5 6 W O R K S H O P 7 W O R K S H O P 8 9 10 Instruções gerais para a realização das Propostas de Actividades Para conhecer em pormenor o INTERFACE DO FRONTPAGE clique aqui 11 CONSTRUÇÃO

Leia mais

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO. Candidato (a):

PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO. Candidato (a): PROVA DE SELEÇÃO LÍNGUA PORTUGUESA SÉRIE: 8 ANO Data: 12/01/2015 Candidato (a): Valor: 10 Obtido: Analise o cartaz da propaganda. QUESTÃO 1 (1 PONTO) - Observe o texto principal da propaganda. Que estratégia

Leia mais