Universidade Federal do Rio de Janeiro. Há muito tempo atrás Um estudo sobre haver + nome com valor temporal. Maíra Silva de Paiva

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Universidade Federal do Rio de Janeiro. Há muito tempo atrás Um estudo sobre haver + nome com valor temporal. Maíra Silva de Paiva"

Transcrição

1 Universidade Federal do Rio de Janeiro Há muito tempo atrás Um estudo sobre haver + nome com valor temporal Maíra Silva de Paiva 2010

2 HÁ MUITO TEMPO ATRÁS UM ESTUDO SOBRE HAVER + NOME COM VALOR TEMPORAL Maíra Silva de Paiva Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro como requisito para a obtenção do Título de Mestre em Letras Vernáculas (Língua Portuguesa). Orientadora: Professora Doutora Marcia dos Santos Machado Vieira. Faculdade de Letras - UFRJ 2010

3 Há muito tempo atrás Um estudo sobre haver + nome com valor temporal Maíra Silva de Paiva Orientadora: Marcia dos Santos Machado Vieira Dissertação de Mestrado submetida ao Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas da Universidade Federal do Rio de Janeiro UFRJ, como parte dos requisitos necessários para a obtenção do título de Mestre em Letras Vernáculas (Língua Portuguesa). Examinada por: Presidente, Professora Doutora Marcia dos Santos Machado Vieira Departamento de Letras Vernáculas da UFRJ Professora Doutora Eliete Figueira Batista da Silveira Departamento de Letras Vernáculas da UFRJ Professora Doutora Vera Lucia Paredes Pereira da Silva Departamento de Linguística e Filologia da UFRJ Professora Doutora Maria Aparecida Lino Pauliukonis Departamento de Letras Vernáculas da UFRJ Professora Doutora Maria Maura Cezario - Departamento de Linguística e Filologia UFRJ Rio de Janeiro Fevereiro de 2010

4 Paiva, Maira Silva de. Há muito tempo atrás - Um estudo sobre haver + nome com valor temporal. / Maíra Silva de Paiva Rio de Janeiro: UFRJ/FL, xvi, 165f.:il.; 31cm. Orientadora: Marcia dos Santos Machado Vieira Dissertação (Mestrado) UFRJ/ FL/ Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas, Referências Bibliográficas: f Funcionalismo 2. Caracterização das expressões temporais formadas por haver 3. Gramaticalização de haver I. Machado Vieira, Marcia dos Santos. II. Universidade Federal do Rio de Janeiro, Faculdade de Letras, Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas. III. Título.

5 In absentia: Dedico este trabalho à minha doce e amada mãe, Dolores, a maior responsável por essa conquista. In praesentia: A Mirla, minha irmã, por todos os sacrifícios feitos para me manter estudando, e por ter gerado a Luiza, um lindo presente que trouxe a alegria de volta a minha vida. Eduardo, meu amigo e namorado, pela paciência, companheirismo e cumplicidade. Idelmar, meu pai, por ter investido e acreditado na minha formação.

6 AGRADEÇO, Primeiramente, a todos da minha família, por estarem a todos os momentos ao meu lado dando força sempre que preciso e pelos sacrifícios para que eu pudesse me dedicar ao Mestrado. À minha orientadora, Marcia dos Santos Machado Vieira, por ter me apresentado à pesquisa científica, pelos ensinamentos, pela paciência com os prazos e, em especial, pela confiança por ter me dado, sempre, bastante liberdade para criar, mudar, repensar e produzir, ao meu tempo, este trabalho. Aos professores do Programa de Pós-Graduação em Letras Vernáculas e em Linguística, por todos os ensinamentos ao longo de minha trajetória acadêmica que me impulsionaram e me fizeram crescer acadêmica e profissionalmente. Às professoras Eliete Figueira Batista da Silveira, Vera Lucia Paredes Pereira da Silva, Maria Aparecida Lino Pauliukonis e Maria Maura Cezario por terem gentilmente aceitado participar da banca examinadora. Ao meu querido amigo Thiago Giamattey, pelo companheirismo desde os primeiros passos na iniciação científica até hoje ( pegamos muito!). Agradeço muito pelas maravilhosas discussões, sobre todos os textos lidos, por ter despertado em mim grande interesse em diferentes assuntos, devido a sua total sede de conhecimento. À minha amiga Alessandra de Paula, que em pouco tempo se tornou extremamente importante em minha vida. Minha companheira nas aulas de mestrado, parceira nos desesperos dos trabalhos produzidos. Agradeço pela paciência nas minhas crises e nas nossas discussões, muitas vezes calorosas. A Rodrigo Campos Ribeiro, pela amizade (furona), pelas conversas sérias e a cumplicidade. Em especial, pelos diversos momentos divertidos junto com a Alê e o Thiago, pelas nossas farrinhas.

7 À Joana Mendes de Oliveira, Giselle Esteves, Leila Vasti da Paz, Lílian Alves Jandir, por terem sido pacientes e atenciosas nos primeiros momentos de Iniciação Científica, me ensinando e guiando nos primeiros passos e pelos trabalhos em conjunto. Em especial, à Giselle, pelas ajudinhas, até mesmo via telefone. À Ana Paula Klem, à Adriana Rodrigues, à Cristina Marcia Monteiro de Lima Correa, à Daniely Cassimiro de Oliveira Santos, à Maria de Fátima Vieira e a Vinícius Maciel de Oliveira, pela companhia nos congressos e pelos divertidos momentos na F-310. À minha querida amiga, Nivia, que me atura, há quase 15 anos, com muita paciência e companheirismo. À Ana Paula, a Elson, à Mariana Corrêa, à Mariana Monteiro e a Wagner Santa Cruz, pela amizade. E às amigas Aline Oliveira, Graziele Guerra, Luciane Sant ana e Renata de Carvalho, por estarem ao meu lado desde a infância e por torcerem por mim, mesmo que distante. Aos meus alunos e ex-alunos, por terem me proporcionado a descoberta do amor que tenho por minha profissão. Aos informantes que aceitaram produzir os textos narrativos e participar dos testes de atitudes. Aos professores que me concederam um pouco de seu tempo e emprestaram seus alunos para que eu pudesse propor o tema das narrativas e aplicar os testes. Aos colegas de profissão e de pesquisa que me cederam redações. Ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), pelas bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) e de Mestrado, que muito auxiliam e estimulam o envolvimento nas pesquisas acadêmicas. A todos aqueles que contribuíram direta ou indiretamente para o desenvolvimento desta pesquisa.

8 E falamos do tempo e do tempo, dos tempos e ainda dos tempos: Quanto tempo ele falou?, Quanto tempo ele levou para fazer isso?, Há quanto tempo que não vejo isso? e Essa sílaba tem o dobro do tempo de uma sílaba breve. Dizemos essas coisas, ouvimo-las, os outros compreendem quando as dizemos, entendêmo-las. São claríssimas, utilizadíssimas e, no entanto, nada é tão obscuro, nada tem uma interpretação tão fora do domínio corrente. (Santo Agostino, Confissões, XXII, 28)

9 Parte desta pesquisa foi desenvolvida com financiamento do CNPq (03/ /2010)

10 SINOPSE Análise funcionalista dos usos das expressões formadas pelo verbo haver + Nome/Sintagma Nominal com valor temporal nos gêneros narrativa escolar e notícia jornalística. Investigação sobre a gramaticalização de haver em tais expressões com base no comportamento observável em textos e na percepção de falantes do Português

11 RESUMO A presente dissertação focaliza o comportamento semântico e morfossintático das expressões formadas pelo verbo haver + Nome/Sintagma Nominal com valor temporal, a partir de uma amostra de dados do Português Brasileiro dos gêneros narrativa escolar e notícia jornalística. A pesquisa lida com as características funcionais das expressões temporais, o estatuto do verbo haver na função de elemento integrante de tais expressões e seu, possível, estágio de gramaticalização. Descreve o comportamento desse verbo, considerando o processo de especialização semântica e morfossintática, as motivações e as restrições desse processo. A análise pauta-se em pressupostos da Teoria Funcionalista, da qual se adotaram os conceitos de transitividade, planos discursivos (Hooper & Thompson, 1980), status informacional (Chafe, 1984) e gramaticalização (Heine, 2003; Hopper, 1991 e Bybee, 2003). Tratam-se separadamente os dois gêneros textuais, respeitando-se os contextos discursivos. Ao exame de dados do uso, somam-se observações resultantes da pesquisa em obras didático-pedagógicas e da pesquisa por meio de testes de atitudes aplicados a alunos de diferentes níveis de escolaridade (graduação, ensino fundamental e médio) e delineados com inspiração em metodologia laboviana de testes de atitude. Em linhas gerais, constata-se que há diferenças entre os dois gêneros textuais nos usos das expressões temporais em estudo. Destacam-se, contudo, características comuns: a estrutura haver + numeral/pronome indefinido + substantivo com valor temporal, o ponto de ancoragem temporal no momento de enunciação e a predominância de ocorrências em plano discursivo de fundo. Sobre o verbo haver compondo a expressão, assume-se que esse item está gramaticalizado, é um elemento instrumental formador de expressão adverbial. Palavras chave: Funcionalismo, Gramaticalização, Expressão temporal, Haver

12 ABSTRACT This dissertation focuses on the semantic and morphosyntactic behavior of expressions formed by the verb haver + Noun/Noun Phrase with temporal value, from an sample of Brazilian Portuguese data of school essays and journalistic news. The research deals with the functional characteristics of temporal expressions, the status of verb haver (there is) on that kind of expressions and its possible stage of grammaticalization. It describes the behavior of this verb, taking into account the process of semantic and morphosyntactic specialization, its motivations and restrictions. The analysis is guided by some Functionalist theory's presuppositions, such as concepts of transitivity, discourse level (Hopper & Thompson, 1980), informational status (Chafe, 1984), and grammaticalization (Heine, 2003; Hopper, 1991 e Bybee, 2003). The two textual genres previously mentioned have been treated separately, taking into account their discursive contexts. Besides the data analysis, it has done an observation of didatic-pedagogical works and material obtained from subjective evaluation tests, which were based on sociolinguistics methodology of attitude tests, applied to students of different levels of education. Overall it has seen that there are differences between the two textual genres in regard to the use of temporal expressions in exam. Nevertheless they share some characteristics: structure haver + numeral/indefinite pronoun + noun with a temporal value; temporal anchorage point located on the moment of enunciation; and predominance of occurrences on discursive background. It is also assumed the verb haver composing the past time expression is grammaticalizated, it is an instrumental part of the adverbial expression. Keywords: Funcionalism, grammaticalization, verb haver (there is)

13 SUMÁRIO ÍNDICE DE QUADROS, FIGURAS E TABELAS INTRODUÇÃO Revisão bibliográfica sobre haver e expressões de tempo passado Origem e primeiros usos de haver Descrições sobre haver em dicionários de Língua Portuguesa Descrições sobre haver e expressões de temporais/advérbios em gramáticas da Língua Portuguesa Descrições sobre expressões de tempo decorrido em Gramáticas descritivas e textos acadêmicos Pressupostos teóricos Teoria Funcionalista Transitividade e planos discursivos Fluxo de informação Processo de Gramaticalização Gêneros e tipologias textuais Notícia jornalística Redação/narrativa escolar Metodologia Dados do comportamento observável Constituição do corpus... 71

14 Procedimentos de análise dos dados do comportamento observável Testes de atitude As principais orientações teórico-metodológicas Os testes analisados Procedimentos de análise dos testes de atitude Expressões temporais com o verbo haver Caracterização das expressões Análise estatística sobre as expressões nas narrativas escolares Análise estatística sobre as expressões nas notícias jornalísticas Comparação entre observações feitas nas redações e nas notícias As expressões temporais nos planos discursivos figura e fundo As expressões temporais no fluxo informação O comportamento semi-gramatical de haver nas expressões temporais Considerações finais REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS

15 ÍNDICE DE QUADROS, FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS QUADROS Quadro 1 Usos pessoais do verbo haver Quadro 2 Usos impessoais do verbo haver Quadro 3 Usos pronominais do verbo haver Quadro 4 Componentes considerados em relação à transitividade por Hopper e Thompson (1980) Quadro 5 Fatores considerados na individualização do Objeto por Hopper e Thompson (1980) Quadro 6 Caracterização de gêneros e tipos textuais segundo Marcuschi (2002) Quadro 7 Quadro adaptado das características da tipologia textual narrativa Quadro 8 Distribuição dos dados: textos consultados e textos utilizados Quadro 1 Distribuição dos testes pelos níveis de escolaridade Quadro 2 Posições dos adjuntos adverbiais segundo Martelotta (1994) Quadro 11 Adaptação das cadeias de gramaticalização propostas por Travaglia (2003) FIGURAS Figura 1 - Organograma adaptado da constituição do sistema temporal segundo Fiorin (1996) Figura 2 Pontos de ancoragem da expressão temporal... 82

16 Figura 3 Continuum de verbo predicador a verbo instrumental Figura 4 Continuum de verbo predicador a verbo auxiliar / verbo funcional GRÁFICOS Gráfico 1 Configuração Gráfico 1 Produtividade das expressões temporais nos textos consultados Gráfico 2 Configuração do elemento nominal formador da expressão em delimitável ou não delimitável Gráfico 3 - Valor da expressão: durativo ou pontual Gráfico 4 Posição da expressão no texto nas notícias Gráfico 5 - Posição da expressão na predicação nas notícias Gráfico 6 Comparação entre aspectos durativo e pontual nas redações e nas notícias Gráfico 7 Posição da expressão na predicação em narrativas e notícias Gráfico 8 Planos discursivos nas redações e notícias Gráfico 9 Status informacional nas narrativas e notícias Gráfico 10 Fluxo de informação nas porções textuais TABELAS Tabela 1 Distribuição dos dados das narrativas escolares pelas porções textuais Tabela 2 Distribuição dos dados das narrativas escolares pelas posições das expressões na sentença... 93

17 Tabela 3 Distribuição das expressões com ou sem h e seguidas ou não por atrás pelos grupos de séries Tabela 4 Distribuição das expressões temporais entre O Globo e o Extra em relação ao aspecto e ao termo ao qual a expressão se liga Tabela 5 Posição da expressão no texto nos dados do jornal O Globo e Extra Tabela 6 Distribuição das expressões por seções dos jornais Tabela 7 Produtividade dos planos discursivos figura, fundo 2 e fundo 1 nos corpora Tabela 8 Relação entre as sentenças com as expressões temporais e o fluxo de informação Tabela 9 fluxo de informação nas posições textuais (percentuais) em cada gênero Tabela 10 Resultado dos testes aplicados a graduandos sobre a manutenção do sentido básico da expressão depois da manipulação da mesma Tabela 11 Resultado dos testes aplicados a alunos do EF e EM sobre a manutenção do sentido básico das expressões durativas depois da manipulação da mesma Tabela 12 Resultado dos testes aplicados a alunos do EF e EM sobre a manutenção do sentido básico das expressões pontuais depois da manipulação da mesma Tabela 13 Resultados dos testes sobre as possíveis classificações para as expressões temporais Tabela 14 Tipos de substantivos que acompanham haver na formação da expressão

18 18 INTRODUÇÃO As questões relativas à expressão de tempo vêm sendo estudadas por vários pesquisadores. Ainda assim, restam questões a responder, uma vez que são diversas as expressões linguísticas temporais. Sabe-se que não se podem tratar as expressões de tempo como uma classe homogênea, pois uma análise mais profunda evidencia que esta designação recobre elementos distintos, tais como: advérbios e sintagmas adverbiais em sentido estrito (ontem), (domingo passado); outros advérbios a serviço desse tipo de referência (dez anos atrás); sintagmas adverbiais compostos por preposições (desde anos) ou verbos (há/faz/tem/vai (para) dez anos). Neste trabalho, observam-se, então, as expressões temporais formadas pelo verbo haver em um conjunto de dados da variedade brasileira da Língua Portuguesa. O objeto de estudo são as expressões definidoras de intervalos as quais operam uma medição a partir do um ponto de perspectiva, definido no eixo do tempo. Pretende-se trabalhar apenas com um tipo de adverbial operador de localização de tempo decorrido/escoado/passado, que indica (a) transcurso de tempo ou (b) dado momento no passado em relação (b.i) ao momento presente da enunciação ou (b.ii) a um momento anterior à enunciação. As expressões configuram-se da seguinte forma: haver + Nome/Sintagma Nominal 1 indicador de valor temporal (+que) 1. A pouco tempo eu morava em um prédio de 6 andares [Redação, 9º ano] 2. Professores não recebem aumento há 11 anos. [Notícia, O Globo] 1 Tais formas serão respectivamente tratadas como N e SN.

19 19 Será feita uma análise do comportamento semântico e morfossintático das expressões temporais formadas pelo verbo haver comparando-se os gêneros textuais redação escolar do tipo narrativo 2 e notícia jornalística. Vale ressaltar que, até onde se sabe, pouco se estudou o assunto no Brasil, mas, na literatura encontrada sobre a impessoalidade de haver, há menção ao seu uso como formador de expressões temporais. Porém, a descrição sobre haver especificamente nessas expressões, aparentemente, não foi aprofundada. Além disso, o assunto não é diretamente tratado nas gramáticas tradicionais ou descritivas; quando mencionado, encontra-se na seção sobre as orações sem sujeito ou, mais raramente, na seção destinada à classificação de orações num período composto. Tomou-se como ponto de partida para a formulação de questões e hipóteses descritivas sobre o comportamento do verbo haver nesse tipo de expressão a tese de doutorado de Machado Vieira (2001), que, na seção os casos de fazer com referência a tempo cronológico, indica: O verbo impessoal fazer atuaria, então, como elemento funcional que opera sobre sintagmas nominais com sentido cronológico para a indicação do somatório de tempo a partir de dois pontos (origem e destino) ou para a localização de um evento no eixo temporal. E, como operandum/operador temporal, possuiria propriedades que o relacionam às categorias de verbo predicador, operandum/operador causativo e constituinte gramatical de expressão adverbial. (op. cit.: 299) Contribuíram significativamente também para o desenvolvimento deste estudo os trabalhos de Dapena (1983) e Móia (1999) que fomentaram algumas inquietações sobre o comportamento do verbo e da expressão como um todo. Em artigo sobre a semântica das expressões temporais com haver, Móia (1999) 2 Esse gênero será posteriormente tratado como narrativa escolar.

20 20 reforça a ideia de semelhança entre as expressões compostas por verbo e as compostas por preposições/advérbios, tais como dentro de/daqui /daí a X- TEMPO, X-TEMPO depois de/antes de ou a X-TEMPO de. Dapena (1983), por sua vez, enfatiza a questão da função da expressão temporal, apontando problemas em relação a esse assunto: El primero de ellos corresponde al hecho insólito de que aquélla pueda funcionar indistintamente? como subordinante y como subordinada (comp. Hace mucho tiempo que viven aquí junto a viven aquí hace mucho tiempo). Por otro lado, en el uso subordinante se plantea la cuestión de determinar el papel que la frase subordinada desempeña dentro del conjunto oracional: Se trata de una subordinada substantiva o, más bien, de relativo?... Y por lo que se refiere al empleo subordinado, resulta bastante extraño que una oración con verbo en forma personal se subordine a otra sin ninguna marca o elemento de relación, y que, a su vez, sea susceptible de ir regida directamente por una preposición. (op. cit.: 485) Motivada por uma pesquisa sobre a nomenclatura com que o assunto é exposto em obras didáticas e gramaticais, Paiva (2007), em um artigo sobre as possíveis classificações para as expressões temporais formadas pelo verbo haver, constata que há incoerência quanto à categorização dessas estruturas e indica que há, em gramáticas normativas, ao menos quatro possibilidades de referência: i) A oração introduzida pelo QUE é classificada como subordinada adverbial temporal e, consequentemente, a com HAVER como principal. (...) ii) A oração com o verbo HAVER é classificada como oração subordinada adverbial temporal. Sendo assim, a oração subordinada é justaposta, visto que não se liga à principal por transpositor. (...)

21 21 iii) A oração introduzida por QUE é classificada como subordinada substantiva subjetiva. (...) iv) A expressão temporal é classificada como adjunto adverbial de tempo. Não é considerada, então, como uma oração. (...) Desses trabalhos e dessa situação de tratamento de tal tipo de estrutura, surgiu o interesse pela análise do comportamento funcional não só das expressões temporais em si, mas também pela investigação do estatuto do verbo haver elemento integrante de tais expressões. Nesta análise, interessa averiguar aspectos relativos à possibilidade de haver se encontrar em algum estágio de gramaticalização. Esta pesquisa propõe-se, assim, a descrever o comportamento desse verbo de modo mais aprofundado, considerando o processo de especialização semântica e morfossintática ao qual se submete haver, as motivações e as restrições desse processo, a configuração das estruturas que esse item compõe, a relação entre a disposição dessas estruturas e efeitos de sentido na construção de textos, entre outros aspectos. Podem-se, então, enumerar os seguintes objetivos: i. Verificar as características semântico-discursivas das expressões temporais formadas pelo verbo haver + N/SN; ii. Analisar os efeitos de sentido obtidos a partir da ordenação da estrutura no período e de seus elementos internos; iii. Averiguar a relação das expressões temporais com os planos discursivos e o fluxo informacional. iv. Comparar os fatores acima nas narrativas escolares e nas notícias, a fim de descrever o uso das expressões em cada gênero textual focalizado. v. Checar a pertinência do nível de gramaticalização do verbo haver como elemento formador de expressão de tempo decorrido sugerido em Machado Vieira (2001).

22 22 vi. Discutir, a partir da observação de testes de atitude linguística, a possibilidade de terem "o mesmo sentido básico" as expressões formadas apenas por haver e as acompanhadas de outro elemento indicador de tempo decorrido com valor relativamente equivalente. Ainda a partir dos testes, verificar se a supressão do verbo na expressão acarreta alteração semântica. A análise fundamenta-se em pressupostos teórico-metodológicos da Teoria Funcionalista. Para essa teoria, a função comunicativa possui um papel predominante nas línguas, e a língua é concebida como um instrumento de interação social. Seu foco é o uso da língua dentro de um contexto discursivo; logo, encaminha que a observação das estruturas gramaticais se dê na situação comunicativa. Considerando, conforme princípios funcionalistas, a língua como uma estrutura maleável e adaptativa e a função como elemento a partir do qual se torna possível compreender a linguagem, este estudo parte da noção de que a verdadeira gramática da língua opera no uso, levando em consideração, assim, as motivações externas ao sistema linguístico e pressões comunicativas a que os interlocutores estão expostos. Para a análise das características das expressões, pretende-se levar em conta conceitos da Teoria Funcionalista, tais como transitividade, planos discursivos (Hooper & Thompson, 1980) e status informacional (Chafe, 1984). E, por se considerarem as expressões temporais formadas por haver como locuções adverbiais, é extremamente relevante, ainda, o conceito de gramaticalização (Heine et al, 1991; Heine, 2003; Hopper, 1991 e Bybee, 2003). Adotaram-se, também, tópicos da Linguística Textual sobre gêneros e tipos textuais, a fim de se obterem fundamentos para a análise sobre as diferenças de usos das expressões temporais em estudo nos gêneros adotados. A análise terá como ponto de partida a observação de obras didáticopedagógicas de caráter normativo e descritivo destinadas a público de diferentes níveis de ensino, bem como pesquisas de cunho acadêmico. Terá como objetos de análise empírica dados da produção linguística observada em

23 23 textos da variedade brasileira do Português e, ainda, material obtido em testes de atitude confeccionados com inspiração em metodologia sociolinguística de pesquisa de atitudes e aplicados a alunos de graduação, ensino fundamental e médio. Os dados de uso são representativos da modalidade escrita de dois gêneros textuais: notícias de jornais e redações escolares, ambos do tipo narrativo. Com isso, busca-se organizar basicamente duas amostras para análise: (i) uma com dados da observação (crítica e com algum grau de consciência) dos usuários a respeito da língua que usam e (ii) outra com dados do uso escrito do PB coletados em textos produzidos em dois gêneros. Esta dissertação divide-se em quatro capítulos além desta introdução, que se apresentam da seguinte forma: capítulo 1 revisão bibliográfica sobre o verbo haver e expressões de tempo decorrido; capítulos 2 e 3 aspectos teóricometodológicos da pesquisa; capítulo 4 análise do objeto de estudo e interpretação dos resultados. Por fim, seguem as considerações finais e as referências bibliográficas.

24 24 1. Revisão bibliográfica sobre haver e expressões de tempo passado Fazem-se, neste capítulo, explanações sobre os usos do verbo haver e das expressões temporais em gramáticas, dicionários e trabalhos de cunho acadêmico de diversos autores. A análise das obras centrou-se nas expressões indicadoras de tempo passado, e, em especial, nas formadas pelo verbo haver objeto de estudo deste trabalho. Entende-se, aqui, por expressões temporais o que comumente se chama circunstanciais temporais ou locuções adverbiais. Objetiva-se, com isso, sumariar aspectos de descrições já disponíveis que possam contribuir para um melhor entendimento sobre o comportamento dessas expressões e do verbo em estudo. Na primeira seção, foi feita uma breve resenha da origem e dos primeiros usos do verbo haver, verificando-se, também, suas acepções e funções descritas em dicionários e gramáticas descritivo-normativas, bem como uma revisão nestas das descrições sobre as expressões de tempo passado. Já na segunda seção, procedeu-se à resenha das gramáticas de cunho descritivo e de trabalhos e pesquisas acadêmicas sobre as expressões de tempo decorrido/escoado Origem e primeiros usos de haver Haver é originário da forma latina habere que se apresentava com as acepções de possuir, obter, manter, reter, segurar, conter e deter. Segundo Sampaio (1978), no latim clássico habere era verbo pleno empregado com a noção de posse de coisas materiais como em Tantas divitias habet: nescit quid faciat auro. 3 e de posse espiritual, relacionando um sujeito a seu complemento como em vulneribus didicit miles habere metum 4. Nesse período, habere também era empregado como auxiliar dando à conjugação perifrástica um matiz de dever, obrigação. Sampaio (1978) indica que a reunião de tempo e aspecto numa só forma verbal acabou por ocasionar 3 Ele tem tão grandes riquezas, que não sabe o que fazer com ouro. 4 Com os ferimentos o soldado aprendeu a ter medo.

25 25 o aparecimento da perífrase com habere, que exprimia a posse da ação concluída e a continuidade deste estado até o presente (Sampaio, 1978:3). A noção de posse expressa por habere posteriormente, devido a um desgaste semântico, generaliza-se, e o centro semântico passa para o particípio do outro verbo. Então, nesse contexto, habere torna-se um verbo auxiliar desprovido de conteúdo semântico. No português arcaico as duas formas coexistem até o século XV, como se verificam nos seguintes exemplos 5 : "..., ou hás o sem perdido ou és encantada, que és donzela de grã guisa... (A demanda do Santo Graal.157) perífrase indicando o estado de posse, a manutenção de uma ação. Ora hei pavor que a havemos perdida. (A demanda do Santo Graal pg.168) perífrase reduzida a um mero pretérito. Mantém-se, então, apenas a perífrase reduzida a pretérito, que posteriormente passou a ter como alternante a perífrase formada através do verbo ter. Ainda segundo Sampaio (1978), embora o uso padrão de habere no latim clássico fosse pessoal significando ter, possuir, há documentos do latim da decadência e do latim vulgar, em que o verbo habere aparece com o sentido existencial. Para a passagem do uso pessoal para o impessoal, a autora aponta a hipótese de Bassols de Climent de que houve primeiro uma mudança de formulação mental que resultou em uma mudança de construção (op. cit.:10). Para a frase Dominus habet multum vinum 6, houve a correspondência Domus habet multum vinum 7. A casa, como um ser inanimado, não pode logicamente possuir; assim, a construção se aproxima a outra que exprime existência e não posse domi est multum vinum 8. Domus passou, então, a ser visualizado como locativo e a construção sem um sujeito. 5 Exemplos de Sampaio (1978). 6 O senhor tem muito vinho. 7 A casa tem muito vinho. 8 Em casa há muito vinho.

26 26 Mattos e Silva (1997) afirma que, no século XIII, habere com o sentido de existir co-ocorre com o verbo esse. Em sua análise sobre as Cantigas de Santa Maria, percebe que nesse uso há uma predominância do ser (56% das ocorrências) em relação a haver (44% das ocorrências). Em estruturas possessivas, haver é o verbo mais usual ocorrendo com complemento de qualquer valor semântico, utilizado para posse de objetos materiais adquiríveis, de bens/qualidades imateriais adquiríveis e posse inadquirível e inalienável. Ainda segundo Mattos e Silva (2000), do século XIV para o século XV, em construções existenciais o verbo haver já apresenta maior número de ocorrências do que o verbo ser. Na primeira metade do século XV, haver possessivo torna-se menos frequente perdendo espaço para ter. O que ocorre também em perífrases com particípio passado e nas construções em que tem papel de auxiliar de tempo composto. Na segunda metade do século XVI haver é suplantado por ter em todos os contextos de posse. Nos séculos XVII e XVIII, haver só predomina em contextos existenciais. Já no século XX, parece completar-se o processo de esvaziamento semântico do verbo haver, usado essencialmente em construções existenciais na modalidade escrita da língua. Sintetizando-se os usos pode-se apresentar o seguinte quadro: Latim clássico habere: verbo pleno tem noção de posse. auxiliar apresenta matiz de dever, obrigação. auxiliar é desprovido de conteúdo semântico. Latim da decadência e latim vulgar: Apresenta sentido existencial.

5 Sintaxe dos verbos haver e existir

5 Sintaxe dos verbos haver e existir 5 Sintaxe dos verbos haver e existir Há aspectos envolvidos em construções com haver e existir que são muito importantes, para encontrar as raízes das dificuldades que se apresentam no uso desses dois

Leia mais

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo

Letras. Objetivo. Aspectos das Conexões Sintáticas. Prof a. Dr a. Leda Szabo Letras Prof a. Dr a. Leda Szabo Aspectos das Conexões Sintáticas Objetivo Diferenciar o objeto de estudo da análise de base sintática do objeto de estudo da análise do discurso. Compreender a diferença

Leia mais

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br

Análise Sintática AMOSTRA DA OBRA. Português é simples. 2ª edição. Eliane Vieira. www.editoraferreira.com.br AMOSTRA DA OBRA www.editoraferreira.com.br O sumário aqui apresentado é reprodução fiel do livro 2ª edição. Eliane Vieira Análise Sintática Português é simples 2ª edição Nota sobre a autora Sumário III

Leia mais

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das

Estudo das classes de palavras Conjunções. A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das Um pouco de teoria... Observe: Estudo das classes de palavras Conjunções A relação de sentido entre orações presentes em um mesmo período e o papel das I- João saiu, Maria chegou. II- João saiu, quando

Leia mais

Português- Prof. Verônica Ferreira

Português- Prof. Verônica Ferreira Português- Prof. Verônica Ferreira 1 Com relação a aspectos linguísticos e aos sentidos do texto acima, julgue os itens a seguir. No trecho que podemos chamar de silenciosa (l.15-16), o termo de silenciosa

Leia mais

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35

Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25. Como consultar esta gramática...35 SUMÁRIO Nova gramática do português brasileiro: tradição e ruptura...25 Prefácio de Rodolfo Ilari Introdução...31 Como consultar esta gramática...35 1. O que se entende por língua e por gramática...41

Leia mais

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA...

PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... Sumário PARTE 1 FONÉTICA CAPÍTULO 1 FONÉTICA... 3 1.1. Fonema...3 1.2. Classificação dos fonemas...4 1.3. Encontros vocálicos...5 1.4. Encontros consonantais...5 1.5. Dígrafos...6 1.6. Dífono...7 1.7.

Leia mais

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA

A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA A VARIAÇÃO ENTRE OS PRONOMES MIM/EU NA POSIÇÃO DE COMPLEMENTO VERBAL NA FALA EM ALAGOAS: UMA ANÁLISE SOCIOLINGÜÍSTICA VARIACIONISTA Emanuelle Camila Moraes de Melo Albuquerque (autora bolsista), Renata

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO

PLANO DE ESTUDOS DE PORTUGUÊS 6.º ANO DE PORTUGUÊS 6.º ANO Ano Letivo 2015 2016 PERFIL DO ALUNO No final do 6.º ano de escolaridade, o aluno deve ser capaz de: interpretar e produzir textos orais com diferentes finalidades e coerência, apresentando

Leia mais

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano

ESCOLA BÁSICA FERNANDO CALDEIRA Currículo de Português. Departamento de Línguas. Currículo de Português - 7º ano Departamento de Línguas Currículo de Português - Domínio: Oralidade Interpretar discursos orais com diferentes graus de formalidade e complexidade. Registar, tratar e reter a informação. Participar oportuna

Leia mais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais

Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE. Comunicação Oral e Escrita. Unidade 11. Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 1 UVAONLINE Comunicação Oral e Escrita Unidade 11 Emprego de Pronomes Relativos e Pessoais Núcleo de Educação a Distância 2 Aviso importante! Este material foi produzido

Leia mais

c) O verbo ficará no singular ou no plural se o sujeito coletivo for especificado com substantivo no plural.

c) O verbo ficará no singular ou no plural se o sujeito coletivo for especificado com substantivo no plural. Concordância Verbal a) O verbo vai para a 3ª pessoa do plural caso o sujeito seja composto e anteposto ao verbo. Se o sujeito composto é posposto ao verbo, este irá para o plural ou concordará com o substantivo

Leia mais

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL

EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL EDITAL N. º 001/CTPM/2015 CONCURSO DE ADMISSÃO 2016 ANEXO II CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DO EXAME INTELECTUAL 1) PARA O ENSINO MÉDIO REDAÇÃO Do 1º ano ao 3º ano do ensino médio, a prova discursiva será composta

Leia mais

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação

PLANEJAMENTO ANUAL / TRIMESTRAL 2013 Conteúdos Habilidades Avaliação Produção textual COLÉGIO LA SALLE BRASÍLIA Disciplina: Língua Portuguesa Trimestre: 1º Tipologia textual Narração Estruturação de um texto narrativo: margens e parágrafos; Estruturação de parágrafos: início,

Leia mais

EMENTAS DAS DISCIPLINAS

EMENTAS DAS DISCIPLINAS S DAS DISCIPLINAS CURSO DE GRADUAÇÃO DE SECRETARIADO EXECUTIVO TRILÍNGUE DISCIPLINA: COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO Leitura e compreensão de textos. Gêneros textuais. Linguagem verbal e não verbal. Linguagem

Leia mais

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA)

A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) A PASSIVA PRONOMINAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO: UMA AVALIAÇÃO 1 Jilvan Evangelista da Silva (UFBA) jilvantnt@hotmail.com Edivalda Alves Araújo (UFBA) RESUMO Este trabalho tem como objetivo analisar os processos

Leia mais

FACCAT FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA Nomes: Ana Carvalho, Tairini, Ellen, Tâmiris, Cássia, Cátia Weber. Professor: Zenar Schein Data:

FACCAT FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA Nomes: Ana Carvalho, Tairini, Ellen, Tâmiris, Cássia, Cátia Weber. Professor: Zenar Schein Data: FACCAT FACULDADES INTEGRADAS DE TAQUARA Nomes: Ana Carvalho, Tairini, Ellen, Tâmiris, Cássia, Cátia Weber. Professor: Zenar Schein Data: Listagem Conteúdos: 6º ano ensino fundamental Morfologia Fonética

Leia mais

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS

PORTUGUÊS PARA CONCURSOS PORTUGUÊS PARA CONCURSOS Sumário Capítulo 1 - Noções de fonética Fonema Letra Sílaba Número de sílabas Tonicidade Posição da sílaba tônica Dígrafos Encontros consonantais Encontros vocálicos Capítulo 2

Leia mais

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP

PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP PARFOR 2014 CURSO INTENSIVO DE ATUALIZAÇÃO DE PROFESSORES DE PORTUGUÊS LÍNGUA MATERNA FLUP Semântica 28/jan/2014 António Leal a.leal006@gmail.com AGENDA Semântica Frásica: Tempo (considerações gerais)

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise

EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS. RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência para análise EMOÇÕES: ANÁLISE SEMÂNTICA DOS TEMPOS VERBAIS Valeria Fernandes Nunes Mestranda em Linguística (UERJ) valeriafernandesrj@hotmail.com RESUMO: Este artigo descreve como a concepção de ponto de referência

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros

Muito prazer Curso de português do Brasil para estrangeiros Modo: indicativo O modo indicativo expressa um fato de maneira definida, real, no presente, passado ou futuro, na frase afirmativa, negativa ou interrogativa. Presente Presente Passado (=Pretérito) Pretérito

Leia mais

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado.

COESÃO COERÊNCIA. É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. 1. COESÃO 1.1. O que é? É um dos meios que garante a unidade semântica e a organização de um enunciado. Dito de forma mais simples: a coesão textual tem a ver com a maneira como se processa a ligação entre

Leia mais

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL

A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (465-469) A CONCORDÂNCIA NOMINAL DE NÚMERO NA LINGUAGEM INFANTIL Elaine Teresinha Costa CAPELLARI (Universidade Federal do Rio Grande do Sul) ABSTRACT:

Leia mais

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO

Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO Professora Verônica Ferreira PROVA CESGRANRIO 2012 CAIXA ECONÔMICA FEDERAL TÉCNICO BANCÁRIO 1 Q236899 Prova: CESGRANRIO - 2012 - Caixa - Técnico Bancário Disciplina: Português Assuntos: 6. Interpretação

Leia mais

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio

CONTEÚDO PROGRAMÁTICO DAS PROVAS / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS Processo Seletivo 2016 para Ensino Fundamental e Ensino Médio / ATIVIDADES PEDAGÓGICAS 1º Ano do Ensino Fundamental (Alunos concluintes do 2º Período da Educação Infantil) Escrita do nome completo; Identificar e reconhecer as letras do alfabeto; Identificar e diferenciar

Leia mais

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS

CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS CONSTRUÇÃO TIPO ASSIM MESCLA REGISTROS Fátima Christina Calicchio (PG-UEM) calicchiofc@hotmail.com Rosângela Nunes Pereira (PG UEM) rosenpereira@yahoo.com.br Introdução Este estudo está organizado em três

Leia mais

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA

RESPOSTA A RECURSO CONTRA QUESTÃO DE PROVA 1 LÍNGUA PORTUGUESA Improcedente. Não se julgam as edições d Os Lusíadas, mas somente as formas variantes. _ 2 LÍNGUA PORTUGUESA NÃO PROCEDE ( ) PROCEDE ( X ) Por proceder o pleito de recorrente, a questão

Leia mais

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso

UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso UFRGS INSTITUTO DE LETRAS Curso de Especialização em Gramática e Ensino da Língua Portuguesa 8ª Edição Trabalho de Conclusão de Curso REFLEXÕES SOBRE A DESCRIÇÃO DE SUBSTANTIVOS E ADJETIVOS EM LIVROS DIDÁTICOS

Leia mais

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS.

MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (820-825) MUDANÇA EM TEMPO APARENTE E EM TEMPO REAL: CONSTRUÇÕES TER/HAVER EXISTENCIAIS. Luciene MARTINS (Universidade Federal do Rio de Janeiro) Dinah

Leia mais

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS

Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 ORALIDADE LEITURA / EDUCAÇÃO LITERÁRIA 1º PERÍODO CONTEÚDOS Escola Básica da Madalena Grelha de Conteúdos PORTUGUÊS 7º ano Ano letivo 2015 2016 1º PERÍODO CONTEÚDOS ORALIDADE Elementos constitutivos do texto publicitário. Ouvinte. Informação. Princípios reguladores

Leia mais

9. Considerações finais

9. Considerações finais 9. Considerações finais 9.1. Resumo do estudo O estudo realizado caracterizou VPA e VPS como configurações diferentes de significados textuais, ideacionais e interpessoais. Conforme se viu no capítulo

Leia mais

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP

Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. FUVEST e UNESP Singular-Anglo Vestibulares Professora Natália Sanches Redação: critérios de correção dos exames da Fuvest, Unicamp, Unesp e Enem. Retirado do site oficial do vestibular. FUVEST e UNESP Na correção, três

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO

CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO CONCORDÂNCIA NOMINAL: REDAÇÕES DE VESTIBULAR NA UFRO Maria Isabel de Moura * Valdemir Miotello ** RESUMO: Os gerativistas colocam essa relação, como sendo a relação entre a gramaticalidade e a comunicabilidade.

Leia mais

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs:

CASOS PARTICULARES S + S + A Obs: 1) Regra geral Palavra que acompanha substantivo concorda com ele. Ex.: O aluno. Os alunos. A aluna. As alunas. Meu livro. Meus livros. Minha pasta. Minhas pastas. Garoto alto. Garotos altos. Garota alta.

Leia mais

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa

ENSINO FUNDAMENTAL. Sondagem 2014 6º ANO. Língua Portuguesa ENSINO FUNDAMENTAL O processo de sondagem Colégio Sion busca detectar, no aluno, pré-requisitos que possibilitem inseri-lo adequadamente no ano pretendido. As disciplinas de Língua Portuguesa e são os

Leia mais

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1

A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 A gente em relações de concordância com a estrutura pronome reflexivo + verbo na variedade alagoana do PB 1 Ahiranie Sales Santos Manzoni 2 Renata Lívia de Araújo Santos 3 RESUMO: Este artigo analisa a

Leia mais

2 Revisão de literatura

2 Revisão de literatura 21 2 Revisão de literatura Realizaremos nessa primeira parte deste capítulo a apresentação disponível para alunos e professores em livros didáticos de PL2E e em Gramáticas (não apenas nas tradicionais,

Leia mais

ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS

ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS As orações subordinadas substantivas são as palavras

Leia mais

CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER

CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER CAPÍTULO 9: CONCORDÂNCIA DO VERBO SER Vejamos os exemplos de concordância do verbo ser: 1. A cama eram (ou era) umas palhas. Isto são cavalos do ofício. A pátria não é ninguém: são todos. (Rui Barbosa).

Leia mais

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema

1 Introdução. 1.1 Apresentação do tema 1 Introdução 1.1 Apresentação do tema Segundo Basílio (1987), as principais funções do léxico são a representação conceitual e o fornecimento de unidades básicas para a construção dos enunciados. Para

Leia mais

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque.

H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. H) Final: funciona como adjunto adverbial de finalidade. Conjunções: a fim de que, para que, porque. Ex. Ele não precisa do microfone, para que todos o ouçam. I) Proporcional: funciona como adjunto adverbial

Leia mais

Período composto por subordinação

Período composto por subordinação Período composto por subordinação GRAMÁTICA MAIO 2015 Na aula anterior Período composto por coordenação: conjunto de orações independentes Período composto por subordinação: conjunto no qual um oração

Leia mais

3 A ASSIMÉTRICA CATEGORIA DO SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS

3 A ASSIMÉTRICA CATEGORIA DO SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS 41 3 A ASSIMÉTRICA CATEGORIA DO SUBJUNTIVO EM PORTUGUÊS Vários gramáticos e também lingüistas de correntes diversas se ocuparam e ainda têm se ocupado com a questão do subjuntivo em português; entretanto,

Leia mais

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE

2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE Escolas João de Araújo Correia EB 2.3PESO DA RÉGUA Disciplina de Português 6º Ano Ano Letivo 2013/2014 CONTEÚDOS TEMÁTICOS CONTEÚDOS GRAMATICAIS CALENDARIZAÇÃO UNIDADE 0 Ponto de partida Reportagem televisiva

Leia mais

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016

Planificação anual Ano letivo: 2015/2016 Planificação anual Período: 1.º Ano Número total de aulas previstas: 75-78 Competências Compreensão oral: seleção da mensagens emitidas em situação de presença, sobre temas familiares para os alunos e

Leia mais

Caro aluno! O CURSO AVANÇADO DE PORTUGUÊS (FGV) está voltado para o concursando que se destina a realizar as provas da banca FGV. Nossa estratégia é

Caro aluno! O CURSO AVANÇADO DE PORTUGUÊS (FGV) está voltado para o concursando que se destina a realizar as provas da banca FGV. Nossa estratégia é Caro aluno! O CURSO AVANÇADO DE PORTUGUÊS (FGV) está voltado para o concursando que se destina a realizar as provas da banca FGV. Nossa estratégia é que o aluno NÃO DECORE NADA em Língua Portuguesa. Se

Leia mais

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015 Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional Espanhol Prova 847 2015 11º ano de escolaridade continuação (CCH) Tipo de prova Escrita Duração 120 min + 30 min Nº de páginas 7 1 Introdução Temas transversais:

Leia mais

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE

7 INTRODUÇÃO À SINTAXE Aula INTRODUÇÃO À SINTAXE META Expor informações básicas sobre sintaxe. OBJETIVOS Ao final desta aula o aluno deverá: levar o aluno a compreender o que seja sintaxe de regência, de colocação e de concordância.

Leia mais

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa

Solução Comentada Prova de Língua Portuguesa Leia as questões da prova e, em seguida, responda-as preenchendo os parênteses com V (verdadeiro) ou F (falso). Texto 1 Januária 08 Toda gente homenageia Januária na janela Até o mar faz maré cheia Pra

Leia mais

RELAÇÃO DE CAUSALIDADE EM REDAÇÕES DE PRÉ-VESTIBULANDOS Simone Sant Anna (UFRJ) simonesnt@yahoo.com.br

RELAÇÃO DE CAUSALIDADE EM REDAÇÕES DE PRÉ-VESTIBULANDOS Simone Sant Anna (UFRJ) simonesnt@yahoo.com.br RELAÇÃO DE CAUSALIDADE EM REDAÇÕES DE PRÉ-VESTIBULANDOS Simone Sant Anna (UFRJ) simonesnt@yahoo.com.br INTRODUÇÃO O presente artigo tem por objeto de estudo as relações de causalidade manifestadas em orações

Leia mais

Curriculum Vitae. José Mario Botelho

Curriculum Vitae. José Mario Botelho Dados pessoais Nome Nome em citações bibliográficas Sexo Endereço profissional José Mario Botelho Curriculum Vitae José Mario Botelho BOTELHO, José Mario Masculino Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Leia mais

1.º CEB. Clara Amorim

1.º CEB. Clara Amorim 1.º CEB Metas Curriculares de Português Documento de referência para o ensino e a aprendizagem e para a avaliação interna e externa, de progressiva utilização obrigatória. Contém os conteúdos do programa

Leia mais

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH,

RESENHA DE COHESION IN ENGLISH, BORBA, Valquíria C. Machado. Resenha de Cohesion in English, de Halliday & Hassan. Revista Virtual de Estudos da Linguagem ReVEL. V. 4, n. 6, março de 2006. ISSN 1678-8931 [www.revel.inf.br]. RESENHA DE

Leia mais

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso.

As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. COMENTÁRIO QUESTÕES DE PORTUGUÊS PROFESSORA: FABYANA MUNIZ As questões a seguir foram extraídas de provas de concurso. 1. (FCC)...estima-se que sejam 20 línguas. (2º parágrafo) O verbo flexionado nos mesmos

Leia mais

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA

DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA DISCIPLINA: LINGUA PORTUGUESA EMENTA: A Língua Portuguesa priorizará os conteúdos estruturantes (ouvir, falar, ler e escrever) tendo como fundamentação teórica o sociointeracionismo. APRESENTAÇÃO DA DISCIPLINA

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1

MATRIZ CURRICULAR Página 1/3 CURSO: LETRAS - GRADUAÇÃO - LICENCIATURA GRADE: INGRESSANTES 2015/1 Página 1/3 Período: 1 ENADE INGRESSANTE 0 ESTILÍSTICA 36 LITERATURA BRASILEIRA: CONTEMPORÂNEA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA 72 LITERATURA EM LÍNGUA INGLESA: AS ÉPOCAS VITORIANA E CONTEMPORÂNEA 36 LÍNGUA

Leia mais

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE

OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 OPERADORES ARGUMENTATIVOS: AS MARCAS DE ARGUMENTAÇÃO NO GÊNERO NOTÍCIA ONLINE André William Alves de Assis 1 RESUMO: Como participantes do processo comunicativo,

Leia mais

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas.

4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. 36 4. A nominalização em Inglês e Português. Derivados nominais e nominalizações gerundivas. Em inglês, diversos nominais são formados a partir do processo de adição de sufixos, como er, e ing às suas

Leia mais

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López

Academia Diplomática y Consular Carlos Antonio López FUNDAMENTACIÓN: IDIOMA: PORTUGUÊS CONTENIDO TEMÁTICO Llevando en consideración las directrices del Marco Europeo Común de Referencia, el examen será encuadrado en un nivel Intermedio Superior. En este

Leia mais

Turma Regular Semanal Manhã

Turma Regular Semanal Manhã A) ARTIGOS CORRELATOS CONCORDÂNCIA NOMINAL Introdução Leia a frase abaixo e observe as inadequações: Aquele dois meninos estudioso leram livros antigo. Note que as inadequações referem-se aos desajustes

Leia mais

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque

O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque EU GOSTO DE DOCE E EU VI A ELE NA PERSPECTIVA DA TEORIA DO CASO Daniel Mateus O Connell 1 INTRODUÇÃO O estudo da linguagem, há pouco menos de dois séculos, ganhou um enfoque diferente. Até então, as pesquisas

Leia mais

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela

1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela 1 1 Graduada em Letras pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre e Doutora em Linguística pela mesma instituição. Professora Adjunta IV na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN).

Leia mais

RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012

RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012 RESPOSTAS AOS RECURSOS IMPRETADOS POR CANDIDATOS DO VESTIBULAR 2012 1º DIA Prova de Língua Portuguesa Questão 2 Na questão 2, o enunciado diz claramente que o que se está avaliando é o significado que

Leia mais

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica

Questão 01 Interpretação de texto. Questão 02 Acentuação gráfica COMENTÁRIOS E RESPOSTAS À PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA DE NÍVEL MÉDIO PARA AGENTE ADMINSITRATIVO AUXILIAR PORTO ALEGRE DO CONCURSO DA FUNDAÇÃO ESTADUAL DE PROTEÇÃO E PESQUISA EM SAÚDE FEPS PROVA REALIZADA

Leia mais

Curso FIC Espanhol Intermediário

Curso FIC Espanhol Intermediário Curso FIC Espanhol Intermediário Descrição do Curso O Curso tem como objetivo o desenvolvimento de habilidades intermediárias de compreensão, conversação, leitura e escrita da língua espanhola, com o intuito

Leia mais

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa

Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa 01. Alternativa (E) Vestibular UFRGS 2013 Resolução da Prova de Língua Portuguesa Alternativa que contém palavras grafadas de acordo com o Vocabulário Ortográfico da Língua Portuguesa - VOLP 02. Alternativa

Leia mais

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br

Odilei França. Este material é parte integrante do acervo do IESDE BRASIL S.A., mais informações www.iesde.com.br Odilei França Graduado em Letras pela Fafipar. Graduado em Teologia pela Faculdade Batista. Professor de Língua Portuguesa para concursos públicos há 22 anos. Sintaxe do período composto: parte II Período

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão : 08 19 25 A questão 08 do código 07, que corresponde à questão 19 do código 08 e à questão 25 do código 09 Assinale a alternativa incorreta em relação à regência nominal. a) São poucos os cargos

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES REFLEXÕES SOBRE O OBJETO DIRETO, O OBJETO INDIRETO E O ADJUNTO CIRCUNSTANCIAL, NA CLASSIFICAÇÃO SINTÁTICA DOS TERMOS DA ORAÇÃO, DE MÁRIO PERINI Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ/FFP) INTRODUÇÃO

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático Conteúdo Programático Conhecimentos Básicos Português Básico Gramática Sobre o curso: Ele é direcionado a todo aluno que pretende construir uma base sólida de conhecimentos fundamentais para resolver as

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA. para o Exame de Suficiência do CFC. Bacharel em Ciências Contábeis

LÍNGUA PORTUGUESA. para o Exame de Suficiência do CFC. Bacharel em Ciências Contábeis LÍNGUA PORTUGUESA para o Exame de Suficiência do CFC Bacharel em Ciências Contábeis O livro é a porta que se abre para a realização do homem. Jair Lot Vieira con cursos con cursos LÍNGUA PORTUGUESA para

Leia mais

Sem o acento, uma frase como essa teria seu sentido alterado, pois, em "Saiu a francesa", "a francesa" é o sujeito da oração.

Sem o acento, uma frase como essa teria seu sentido alterado, pois, em Saiu a francesa, a francesa é o sujeito da oração. OBS.: A locução prepositiva "à moda de" tem uma peculiaridade: nela se costuma observar a elisão do substantivo feminino "moda", mas, mesmo nos casos em que isso ocorre, mantém-se o acento de crase. Ex.:

Leia mais

REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO

REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO Anais do 5º Encontro do Celsul, Curitiba-PR, 2003 (1359-1367) REFERÊNCIAS DE TEMPO E ASPECTO DOS TEMPOS VERBAIS E DOS ADJUNTOS ADVERBIAIS DE TEMPO Solange Mendes OLIVEIRA (Universidade Federal de Santa

Leia mais

Morfologia classe de palavras. Edmon Neto de Oliveira

Morfologia classe de palavras. Edmon Neto de Oliveira Morfologia classe de palavras 9 Edmon Neto de Oliveira e-tec Brasil Português Instrumental META Abordar os aspectos morfológicos da língua. OBJETIVO Ao final do estudo desta aula, você deverá ser capaz

Leia mais

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica:

Deve-se analisar a frase e sublinhar todas as formas verbais nelas existentes. Assim sendo, a frase fica: Revisão sobre: - Orações complexas: coordenação e subordinação. - Análise morfológica e análise sintáctica. - Conjugação verbal: pronominal, reflexa, recíproca, perifrástica. - Relação entre palavras.

Leia mais

Entre a oração principal e a objetiva direta: um possível papel sintático-discursivo da conjunção integrante

Entre a oração principal e a objetiva direta: um possível papel sintático-discursivo da conjunção integrante Entre a oração principal e a objetiva direta: um possível papel sintático-discursivo da conjunção integrante Resumo: Profª. Drª. Lúcia Deborah Ramos de Araujo i (UERJ/CPII/UNESA) Pós-graduando Felipe de

Leia mais

TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE

TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE LÍNGUA PORTUGUESA TEXTO 1964, PASSADO E PRESENTE Mundo, maio/2014 O golpe de 1964, que completou meio século, é passado e presente simultaneamente. Passado: o golpe se inscreve na geopolítica da Guerra

Leia mais

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática

O verbo O verbo. www.scipione.com.br/radix. Prof. Erik Anderson. Gramática O verbo O verbo O que é? Palavra variável em pessoa, número, tempo, modo e voz que exprime um processo, isto é, aquilo que se passa no tempo. Pode exprimir: Ação Estado Mudança de estado Fenômeno natural

Leia mais

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR)

PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) Anais do 6º Encontro Celsul - Círculo de Estudos Lingüísticos do Sul PROBLEMAS NA CARACTERIZAÇÃO DA CLASSE DOS ADVÉRBIOS: O CASO DO ASSIM Giovanna Mazzaro VALENZA (G- UFPR) ABSTRACT: In this work, I intend

Leia mais

AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA. Advérbios. Sintaxe. Semântica. Gramaticalização.

AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA. Advérbios. Sintaxe. Semântica. Gramaticalização. AÍ, ASSIM E ENTÃO: UMA DESCRIÇÃO SINTÁTICO-SEMÂNTICA Renata Moreira MARQUES 1 Gessilene Silveira KANTHACK 2 RESUMO: PALAVRAS- -CHAVE: O objetivo principal deste trabalho é apresentar uma descrição do comportamento

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO PLANO DE ENSINO. Modalidade de Ensino: Componente Curricular: Comunicação e Linguagem 1 IDENTIFICAÇÃO Curso: INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO Licenciatura em Química Componente Curricular: Comunicação e Linguagem PLANO DE ENSINO Modalidade de Ensino: Superior

Leia mais

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS

PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS PED LÍNGUA PORTUGUESA ORIENTAÇÕES ACADÊMICAS Prezado aluno, O maior diferencial deste projeto pedagógico é o desenvolvimento da autonomia do estudante durante sua formação. O currículo acadêmico do seu

Leia mais

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão

LETRAS 1º PERÍODO. Código Disciplina C/H Curso Disciplina C/H Código Curso Ano do Conclusão LETRAS 1º PERÍODO Disciplina A Disciplina B 62961 Língua Portuguesa A 68 Língua Portuguesa A 68 Ementa: Estuda os fundamentos Ementa: Estudo da base fonéticofonológica teóricos da análise lingüística,

Leia mais

Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto

Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto Termos integrantes da oração Objeto direto e indireto Termos integrantes da oração Certos verbos ou nomes presentes numa oração não possuem sentido completo em si mesmos. Sua significação só se completa

Leia mais

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO

COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO COMPÊNDIO DA LÍNGUA FALADA NO SEMIÁRIDO BAIANO: RETRATOS DA DIVERSIDADE SOCIOLINGUÍSTICA E CULTURAL NO PORTUGUÊS BRASILEIRO RESUMO Jaqueline Barreto Lé (UEFS/NELP) 1 Este artigo tem por objetivo apresentar

Leia mais

EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º

EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º EXAME DE PROFICIÊNCIA EM LÍNGUA PORTUGUESA CURSO DE DIREITO - 2014 EDITAL N.º /2013 O Reitor do Centro Universitário de Ensino Superior do Amazonas, no uso de suas atribuições e tendo em vista o disposto

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS

INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS INFORMAÇÃO - PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA FRANCÊS 2015 3.º CICLO DO ENSINO BÁSICO (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho)» INTRODUÇÃO O presente documento visa divulgar as características da prova

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA PRÁTICAS PEDAGÓGICAS DOS PROFESSORES DE LÍNGUA PORTUGUESA DO ENSINO MÉDIO: PERSPECTIVAS DE MUDANÇA SANTOS, Lilian 1 NUNES, Célia 2 O presente trabalho tem como objetivo apresentar algumas considerações

Leia mais

ESTRUTURA TÓPICO-COMENTÁRIO, A TRADIÇÃO GRAMATICAL E O ENSINO DE REDAÇÃO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ/FFP) sergio03@ism.com.

ESTRUTURA TÓPICO-COMENTÁRIO, A TRADIÇÃO GRAMATICAL E O ENSINO DE REDAÇÃO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ/FFP) sergio03@ism.com. ESTRUTURA TÓPICO-COMENTÁRIO, A TRADIÇÃO GRAMATICAL E O ENSINO DE REDAÇÃO Antônio Sérgio Cavalcante da Cunha (UERJ/FFP) sergio03@ism.com.br 1. Objetivos Este trabalho tem como objetivo expor o que é a estrutura

Leia mais

CRASE. Entregue o documento à advogada.

CRASE. Entregue o documento à advogada. CRASE A crase é a fusão de duas vogais da mesma natureza. Sua representação se dá por meio do chamado acento grave sobre a letra a, tornando acentual esta vogal. Assim, o acento grave é o sinal que indica

Leia mais

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN

TALKING ABOUT PLACES IN TOWN Aula2 TALKING ABOUT PLACES IN TOWN META Apresentar a estrutura gramatical there be a qual representa o verbo haver em português - bem como trabalhar os adjetivos possessivos e vocabulário de suporte aos

Leia mais

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco

NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET. Professora: Sandra Franco NONA AULA DE GRAMÁTICA - INTERNET Professora: Sandra Franco Período Composto 1.Orações Subordinadas Adverbiais. 2. Apresentação das conjunções adverbiais mais comuns. 3. Orações Reduzidas. As orações subordinadas

Leia mais

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com

A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA A MORFOLOGIA EM LIBRAS Flancieni Aline R. Ferreira (UERJ) flan.uerj@hotmail.com RESUMO Neste trabalho, discutiremos sobre o estudo morfossintático da

Leia mais

Adjunto adnominal. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn.

Adjunto adnominal. Os dois primeiros colocados disputarão a medalha de ouro. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj. adn. adj: adn. Professor Jailton Adjunto adnominal é o termo da oração que sempre se refere a um substantivo que funciona como núcleo de um termo, a fim de determiná-lo, indeterminá-lo ou caracterizá-lo. adj. adn. adj.

Leia mais

Conversando. Ditado popular: Escreveu não leu, o pau comeu.

Conversando. Ditado popular: Escreveu não leu, o pau comeu. Página de abertura Conversando Ditado popular: Escreveu não leu, o pau comeu. Contratos: Escreveu não leu, o pau comeu Por que é importante ler um texto com atenção? Críticas - resposta mal estruturada;

Leia mais