Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Objetivos. Introdução. Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz. Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros"

Transcrição

1 Letras Português/Espanhol Prof.: Daniel A. Costa O. da Cruz Libras: A primeira língua dos surdos brasileiros Objetivos Apresentar a discussão atual sobre a primeira língua dos surdos: a língua de sinais; Apresentar os universais lingüísticos da língua de sinais, bem como os recursos para datilologia: alfabeto manual e números. Introdução Linguagem, língua e código Língua sinalizada e oral Libras Libras Português e Espanhol Tradução e Interpretação Regionalismo Línguas de sinais e geografia Datilologia: o alfabeto manual

2 Referências Língua - definição Saussure (1916/1988, p ) A língua: sua definição. Benveniste (1966/1988, p ) Comunicação animal e linguagem humana. Artigo publicado em Imagem 1 Imagem 2 Língua: definição Saussure (1916/1988, p ), para definir língua, elenca quatro aspectos que devem ser analisados. Que tal compararmos o que ele diz com o que acontece com a língua de sinais? Língua: definição Saussure (1916/1988, p. 17) comenta que inicialmente, não está provado que a função da linguagem, tal como ela se manifesta quando falamos, seja inteiramente natural, isto é: que nosso aparelho vocal tenha sido feito para falar, assim como nossas pernas para andar. Os linguístas estão longe de concordar nesse ponto.

3 Língua: definição Saussure (1916/1988, p. 17) lembra Whitney (1875), que afirma que [...] é por acaso e por simples razões de comodidade que nos servimos do aparelho vocal como instrumento da língua; os homens poderiam também ter escolhido o gesto e empregar imagens visuais em lugar de imagens acústicas. Língua: definição Saussure (1916/1988, p. 18) acha a afirmação anterior de Whitney um pouco exagerada, mas concorda com este em um ponto: Saussure diz que no ponto essencial, porém, o linguísta norteamericano [...] parece ter razão: a língua é uma convenção e a natureza do signo convencional é indiferente. A questão do aparelho vocal se revela, pois, secundária no problema da linguagem. Língua: definição Saussure (1916/1988, p. 18) afirma que a noção de linguagem articulada pode confirmar a ideia de que o aparelho vocal é secundário no problema da linguagem. Segundo ele, em matéria de linguagem, a articulação pode designar não só a divisão da cadeia falada em sílabas, como a subdivisão da cadeia de significações em unidades significativas.

4 Língua: definição Saussure (1916/1988, p. 18) conclui que não é a linguagem que é natural ao homem, mas a faculdade de constituir uma língua, vale dizer: um sistema de signos distintos correspondentes a idéias distintas. O autor finaliza dizendo acreditar que existe uma faculdade linguística mais geral, a que comanda os signos e que seria a faculdade linguística por excelência. Retomando Saussure Comparemos os itens que Saussure elencou para construir a noção de língua com as línguas de sinais. Língua: definição - 1 Língua oral: as sílabas articuladas são impressões acústicas percebidas pelo ouvido. Os sons não existiriam sem os órgãos vocais. Língua de sinais: os sinais articulados são impressões visuais percebidas pelo olho. Os sinais não existiriam sem o corpo.

5 Língua: definição - 2 Língua oral: não é o som que faz a linguagem. O som "não passa de instrumento do pensamento e não existe por si mesmo". [...] O som [...] forma por sua vez, com a idéia, uma unidade complexa, fisiológica e mental. Língua de sinais: podemos adaptar os dizeres de Saussure e afirmar que podemos ter o sinal como um instrumento do pensamento, formando o sinal, juntamente com a ideia, uma unidade complexa, fisiológica e mental. Língua: definição - 3 A linguagem tem um lado individual e um lado social, sendo impossível conceber um sem o outro. Para este item, não há o que adaptar, já que linguagem engloba línguas orais e sinalizadas! Língua: definição - 4 A cada instante, a linguagem implica ao mesmo tempo um sistema estabelecido e uma evolução: a cada instante, ela é uma instituição atual e um produto do passado. Para este item, não há o que adaptar, já que linguagem engloba línguas orais e sinalizadas!

6 Língua de sinais é mesmo língua? Podemos concluir que sim, pela comparação que acabamos de fazer com Saussure. Linguagem - Benveniste Vejamos a noção de linguagem a partir de como Benveniste a caracteriza (1966/1988, p ). Estabeleceremos comparação com a língua de sinais. Linguagem - Benveniste Benveniste (1966/1988, p. 64) entende linguagem como um sistema, que é válido no interior de uma comunidade determinada e [que] cada membro dessa comunidade tem aptidões para empregálo ou compreendê-lo nos mesmos termos. Vale para Libras

7 Linguagem - Benveniste Ao comparar o sistema de comunicação entre as abelhas e o entre os homens, Benveniste (1966/1988, p. 65) afirma que a mensagem das abelhas consiste inteiramente na dança, sem intervenção de um aparelho vocal, enquanto não há linguagem sem voz. Destaque Para Benveniste, a linguagem humana depende fundamentalmente da voz. Não concordamos com isso. De outro modo, como justificar a comunicação entre os surdos? Linguagem - Benveniste Benveniste (1966/1988, p. 65), fala de uma diferença de ordem física, não vocal, mas gestual. Para ele, a comunicação das abelhas, não sendo vocal, mas gestual, efetua-se necessariamente em condições que permitem a percepção visual, sob a luz do dia; não pode ocorrer na obscuridade. A linguagem humana não conhece essa limitação.

8 E a língua de sinais? Língua oral: não precisa de luz. Língua sinalizada: não precisa de silêncio. Linguagem - Benveniste Para Benveniste (1966/1988, p. 65), um determinante da realidade humana é que falamos com outros que falam. Ele explica que o diálogo é a condição da linguagem humana. Os surdos dialogam fazendo uso da língua de sinais! Linguagem - Benveniste Para o autor, alguns aspectos são fundamentais para a caracterização da linguagem: diálogo; resposta; possibilidade da reprodução da mensagem entre falantes; possibilidade de que, no diálogo, a referência à experiência objetiva e a reação à manifestação linguística se misturam livremente, ao infinito.

9 Linguagem - Benveniste Para Benveniste (1966/1988, p. 66), há dois elementos a serem considerados para a configuração da linguagem humana: O símbolo e os dados das experiências, ou, a re/transmissão dos conteúdos; A redução do enunciado a elementos que podem se recombinar. Linguagem - Benveniste Para Benveniste (1966/1988, p. 66), cada enunciado se reduz a elementos que se deixam combinar livremente segundo regras definidas, de modo que um número bastante reduzido de morfemas permite um número considerável de combinações de onde nasce a variedade da linguagem, que é a capacidade de dizer tudo. E as línguas de sinais? Línguas de sinais é língua e não código Para Benveniste (1966/1988, p. 67), um código de sinais implica que todos os caracteres do código resultam de algumas características: a fixidez do conteúdo; a invariabilidade da mensagem; a referência a uma única situação; a natureza indecomponível do enunciado; a sua transmissão unilateral. E as línguas de sinais?

10 Língua sinalizada e oral Podemos então perceber que as línguas orais e as línguas sinalizadas tem elementos em comum e algumas diferenças. oral sinalizada acústica visual escrita ágrafa registro impresso registro em vídeo Universais Linguísticos Onde houver seres humanos, haverá língua; Não há língua primitiva; Toda língua muda ao longo do tempo; Regras gramaticais para a formação de palavras (simples e compostas); Segmentos discretos na composição dos sinais (configuração de mãos e ponto de articulação). Filmes Diálogos em Libras 1 Duração: 2 minutos

11 Cultura surda A discussão atual sobre a inclusão social das pessoas surdas passa pelo necessário reconhecimento da cultura deste grupo social e, consequentemente, pelo reconhecimento da língua de sinais como a sua primeira língua. É neste cenário que nasce, em 2002, a LIBRAS Língua Brasileira de Sinais. Proposta bilingue reconhecer a LIBRAS (no caso do Brasil) como a primeira língua da pessoa surda e trabalhar na perspectiva da língua portuguesa escrita como a sua segunda. LIBRAS e a legislação Lei no , de 24 de abril de 2002 Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais Libras.

12 LIBRAS e a legislação Lei no , de 24 de abril de 2002 Art. 1 o É reconhecida como meio legal de comunicação e expressão a Língua Brasileira de Sinais - Libras e outros recursos de expressão a ela associados. LIBRAS e a legislação Lei no , de 24 de abril de 2002 Parágrafo único. Entende-se como Língua Brasileira de Sinais - Libras a forma de comunicação e expressão, em que o sistema lingüístico de natureza visual-motora, com estrutura gramatical própria, constituem um sistema lingüístico de transmissão de idéias e fatos, oriundos de comunidades de pessoas surdas do Brasil. América Latina A maioria dos países possui uma língua gestual; A maioria deles não reconhece oficialmente a língua gestual como a primeira língua dos surdos. O Chile apresenta um forte movimento para o reconhecimento da cultura surda.

13 Usuários pessoas surdas Surdez pré-linguística Surdez pós-linguística As pessoas com surdez pré-linguística não dispõem de imagem auditiva, não tem idéia alguma de como é realmente o som da fala, não tem noção da correspondência entre som e significado. (SACKS, 1998) Brasil: desafios linguísticos LP: língua oralizada e escrita LIBRAS: sinalizada Os desafios postos à sociedade passam por duas ações: pela superação de estereótipos e objetivações impostas às pessoas surdas (indivíduos deficientes, cognitivamente inferiores, incapazes de adquirir uma língua etc); pela difusão de sua língua materna entre os brasileiros. Brasil: outros desafios A surdez como questão física medicável. Implementação de práticas que incluam os surdos; Novos marcos na educação de pessoas surdas: superação do ouvintismo; Língua portuguesa escrita como sua segunda língua; Bilinguismo.

14 O surdo brasileiro e o uso da língua portuguesa Uso inadequado dos verbos em suas conjugações, tempos e modos; Uso inadequado de preposições; Omissões de conectivos; Omissões de verbos de ligação; Falta de domínio e uso restrito de certas estruturas de coordenação e subordinação. Espanhol para aluno surdo brasileiro Aluno com oralidade desenvolvida: buscar auxílio de fonoaudiólogo para o desenvolvimento da oralidade da língua espanhola. Aluno sem oralidade desenvolvida: buscar auxílio da libras para o desenvolvimento da escrita de língua espanhola. Libras: recursos o dicionário de Libras: Capovilla (ver p. 69 do Guia de Estudos do Aluno); o alfabeto para surdos. a mídia: as janelas para Libras em programas de TV. surdos em situação de sala de aula: o intérprete de Libras.

15 Libras: o alfabeto manual Libras: os números Imagem 3 Libras: datilologia Datilologia é a soletração utilizando-se o alfabeto manual. Ex.: soletração de nomes de pessoas e endereços.

16 Filmes Vídeo da Cléo apresentando o alfabeto manual. Duração: 2 minutos Desafio Soletre seu nome e de seus colegas utilizando o alfabeto manual! Veja o alfabeto na tela. Línguas de sinais: outras questões Regionalismo; A relação entre as línguas de sinais é diferente das línguas orais. Ex.: Língua de sinais francesa, Libras e língua de sinais americana.

17 Intérprete de LIBRAS Profissional ouvinte com proficiência em LIBRAS que atua como tradutor. Referência de imagens Imagem 1 Disponível em: <http://en.wikipedia.org/wiki/saussure>. Acesso em: 06 mai Imagem 2 Disponível em: <http://www.phillwebb.net/history/twentiethcentury/continental/(post)structura lisms/structuralism/benveniste/benveniste.jpg >. Acesso em: 03 mai Imagem 3 Disponível em: < /marco/numeros.jpg >. Acesso em 05 mai Todas as demais imagens são originárias do banco de imagens Referências bibliográficas BENVENISTE, E. "Comunicação animal e linguagem humana"; In Problemas de Linguística Geral I. Campinas: Pontes e Edit. da Unicamp, 1966/1988. CAPOVILLA, F. C. RAPHAEL, W. D. Dicionário enciclopédico ilustrado da língua de sinais brasileira. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo/Imprensa Oficial do Estado, SACKS, O. Vendo Vozes: uma viagem ao mundo dos surdos. São Paulo: Companhia das Letras, SAUSSURE, F. Curso de lingüística geral. São Paulo: Cultrix, 1916/1988 pág. 15 a 18.

18 Legislação Lei no , de 24 de abril de Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais Libras. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em 03 mai2009. Portaria Normativa N 11, DE 9 DE AGOSTO DE Institui o Programa Nacional para a Certificação de Proficiência em Libras e para a Certificação de Proficiência em Tradução e Interpretação de Libras-Língua Portuguesa- Prolibras. Disponível em <www.ulbra.br/acessibilidade/leilibras.doc>. Acesso em 03 mai Boa Noite! Prof: Daniel A. Costa O. da Cruz

A linguagem como representação

A linguagem como representação Letras: Português/Espanhol Profa. Dra.: Andréa da Silva Pereira Estudo de duas formas de tratamento para o signo linguístico A linguagem como representação Objetivos da aula: 1. Estudar o signo linguístico

Leia mais

Fundamentos e Práticas em Libras II

Fundamentos e Práticas em Libras II Fundamentos e Práticas em Libras II Aula 01 Os direitos desta obra foram cedidos à Universidade Nove de Julho Este material é parte integrante da disciplina oferecida pela UNINOVE. O acesso às atividades,

Leia mais

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa

O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa O tradutor e intérprete de língua brasileira de sinais e língua portuguesa Dra. (página 7 a 11 do livro) O Mini-dicionário dos intérpretes de língua de sinais Intérprete Pessoa que interpreta de uma língua

Leia mais

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS

LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS LIBRAS E A AQUISIÇÃO DA LINGUAGEM PARA SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (orientadora- UENP) Mariana Matheus Pereira da Silva (G- UENP/ campus Jac.) Introdução A língua é o instrumento fundamental para

Leia mais

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO

Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO VIII DO REGULAMENTO DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA, PROIC, DA UNICENTRO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE, UNICENTRO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO DIRETORIA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Endereço Eletrônico: proic@unicentro.br ANEXO

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores REGISTRO DE UMA EXPERIÊNCIA: INTERVENÇÕES PEDAGÓGICAS NO PROCESSO DE INCLUSÃO DO SURDO EM UMA

Leia mais

Questão 1: SignWriting é:

Questão 1: SignWriting é: Questão 1: SignWriting é: a) um método criado na Comunicação Total para o ensino de surdos. b) um sistema de escrita visual direta de sinais. c) um conjunto de sinais dados para gestos icônicos. d) nome

Leia mais

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO

MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA RESUMO MATEMÁTICA PARA ESTUDANTES SURDOS: UMA PROPOSTA PARA INTERVENÇÃO EM SALA DE AULA Carla Eliza Santos Universidade Tecnológica Federal do Paraná carlaesantos@hotmail.com Clovis Batista de Souza Universidade

Leia mais

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa.

Libras. Teleaula 1. Apresentação da Professora. Ementa. Organização da Disciplina. Contribuições da Disciplina. Profa. Apresentação da Professora Libras Teleaula 1 Profa. Elizanete Fávaro Pedagogia (Facinter) Pós-Graduação em Educação Bilíngue (IPM) Cursando Letras/Libras (UFSC) Credenciada como Instrutora de Libras (FENEIS/CTBA)

Leia mais

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA

ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA ENSINO DE LIBRAS PARA ALUNOS DA EDUCAÇÃO BÁSICA POR MEIO DE UMA AÇÃO EXTENSIONISTA Merlânia Lino da Silva (1); Ana Cristina Silva Daxenberger (2) (1) Universidade Federal da Paraíba (CCA), merlaniaareiapb@gmail.com

Leia mais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais

Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Desfazendo Mitos e Mentiras Sobre Línguas de Sinais Renê Forster 1 Resumo: Este artigo apresenta uma das cartilhas desenvolvidas pelo Programa Surdez com informações sobre a LIBRAS e as línguas de sinais

Leia mais

Daniel no mundo do silêncio

Daniel no mundo do silêncio Guia para pais Daniel no mundo do silêncio Walcyr Carrasco série todos juntos ilustrações de Cris Eich Daniel perde a audição nos primeiros anos de vida, e sua família dá todo o apoio para ele se comunicar

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE

REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE REFLEXÕES SOBRE A ESCRITA DE SINAIS DE LIBRAS DESDE TENRA IDADE BÓZOLI, Daniele Miki Fujikawa (UEM) SILVA, Tânia dos Santos Alvarez da (Orientadora/UEM) Introdução Com a Lei nº 10.436, de 24 de abril de

Leia mais

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego

Conhecendo o Aluno Surdo e Surdocego I - [FICHA DE AVALIAÇÃO SOBRE O ALUNO SURDO E/OU COM DEFICIÊNCIA AUDITIVA] Usar letra de forma É importante considerarmos que o aluno surdo da Rede Municipal de Ensino do Rio de Janeiro possui características

Leia mais

LIBRAS I - CURSO BÁSICO DE LIBRAS

LIBRAS I - CURSO BÁSICO DE LIBRAS Protocolo / PROJETO DE EXTENSÃO LIBRAS I - CURSO BÁSICO DE LIBRAS IDENTIFICAÇÃO DO RESPONSÁVEL PELO PROJETO: Nome: Professora Ms. Maria Lourdes de Moura Curso: Institucional E-mail: malumoura891@hotmail.com

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS» LIBRAS «21. Sabe-se que a cultura surda é o jeito da pessoa surda entender o mundo e de modificá-lo a fim de torná-lo acessível e habitável através das suas percepções visuais,

Leia mais

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS

LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2007 LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS TELMA TIETRE RODRIGUES RIO DE JANEIRO 2007 CARTILHA LIBRAS LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS 2 INTRODUÇÃO O objetivo desta cartilha

Leia mais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais

III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais III SEMINÁRIO EM PROL DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA Desafios Educacionais TEXTOS ESCRITOS POR ALUNOS SURDOS: AS MARCAS DA INTERLÍNGUA MARTINS, Tânia Aparecida 1 PINHEIRO, Valdenir de Souza 2 NOME DO GT: Educação

Leia mais

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL)

A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) A inclusão do surdo na escola: um jogo de fazde-conta? Adail Sobral (UCPEL) Por que um jogo de faz de conta? Pretendo defender que a existência de leis, decretos etc. voltados para promover a inclusão

Leia mais

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o

A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o A educação dos surdos foi marcada ao longo do tempo por preconceitos, descréditos, piedade e loucura, porém, a concepção de homem cidadão é o primeiro passo para mudar uma história marcada por lutas e

Leia mais

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA

FACULDADE DO VALE DO JURUEMA FACULDADE DO VALE DO JURUEMA CURSO: PSICOPEDAGOGIA COM ENFASE NA INCLUSÃO SOCIAL DISCIPLINA:LIBRAS LIBRAS NO PROCESSO EDUCATIVO Professora Esp. Graziela Christine da Silva A J E S - F A C U L D A D E S

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO E EDUCAÇÃO DE SURDOS: A IMPORTÂNCIA DO BILINGUISMO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO E EDUCAÇÃO DE SURDOS: A IMPORTÂNCIA DO BILINGUISMO 1 ESTÁGIO SUPERVISIONADO E EDUCAÇÃO DE SURDOS: A IMPORTÂNCIA DO BILINGUISMO OLIVEIRA, Paulo Sérgio de Jesus MOURÃO, Marisa Pinheiro Universidade Federal de Uberlândia paulimjesus@yahoo.com.br marisapmourao@yahoo.com.br

Leia mais

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB

Deficiência auditiva parcial. Annyelle Santos Franca. Andreza Aparecida Polia. Halessandra de Medeiros. João Pessoa - PB 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA COMITÊ DE INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE MATERIAL DIDÁTICO- ORIENTAÇÕES AOS DOCENTES Deficiência auditiva parcial Annyelle Santos Franca Andreza Aparecida Polia Halessandra

Leia mais

PARÂMETROS DA LIBRAS

PARÂMETROS DA LIBRAS 1 PARÂMETROS DA LIBRAS Prof. Giselli Mara da Silva Introdução Há alguma característica das línguas humanas que as diferencia das outras linguagens? De que forma essas características aparecem nas línguas

Leia mais

Proposta de análise de produção textual de alunos surdos

Proposta de análise de produção textual de alunos surdos Proposta de análise de produção textual de alunos surdos Resumo O presente artigo faz uma revisão bibliográfica sobre a Educação de Surdos, que servirá para o embasamento teórico do Trabalho de Conclusão

Leia mais

ROSSI, Tereza Ribeiro de Freitas. Brincar: uma opção para a interação entre mãe ouvinte/filho surdo. Campinas: Unicamp, 2000. 169p.

ROSSI, Tereza Ribeiro de Freitas. Brincar: uma opção para a interação entre mãe ouvinte/filho surdo. Campinas: Unicamp, 2000. 169p. CADER, Fatima Ali Abdalah Abdel,; FÁVERO, Maria Helena (orientadora) - Leitura e escrita na sala de aula: uma pesquisa de intervenção com crianças surdas. UNB. Resumo Este trabalho descreve e analisa etapas

Leia mais

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação

LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA. Apontar não é falta de educação LÍNGUA PORTUGUESA E LITERATURA BRASILEIRA Leia o texto a seguir e responda à questão 13. Apontar não é falta de educação A apontação na língua de sinais brasileira faz parte da língua. Ela serve para diferentes

Leia mais

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei

Concurso Público para provimento de cargo efetivo de Docentes. Edital 13/2015 LETRAS/PEDAGOGIA/LIBRAS Campus São João del-rei Questão 01 O reconhecimento oficial da Língua Brasileira de Sinais como meio legal de comunicação se deu a partir: a) da publicação da Lei n o 10.436, em 2002. b) da elaboração do Dicionário de Língua

Leia mais

A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS.

A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS. A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS: REVISANDO A LEGISLAÇÃO E CONCEITOS. 1. Introdução CANTELLE de PINHO, Graziela (UNIOESTE) grazicantelle@gmail.com A história da educação dos surdos é marcada por lutas e conquistas,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em muitas vezes eu tenho que mudar, né? Porque são línguas diferentes. Então, se eu só interpretar palavra por palavra de tudo que o professor tá falando, ele, o deficiente auditivo, não vai entender na

Leia mais

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I

Profa. Ma. Andrea Morás. Unidade I Profa. Ma. Andrea Morás Unidade I COMUNICAÇÃO EMPRESARIAL Comunicação empresarial Definição: Compreende um conjunto complexo de atividades, ações, estratégias, produtos e processos desenvolvidos para reforçar

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos LÍNGUA MATERNA E SEGUNDA LÍNGUA: QUESTÕES ACERCA DO BILINGUISMO NA EDUCAÇÃO SURDA Sizenana Maria da Silva (UEMS) suzi2010.maria@hotmail.com Magno Pinheiro de Almeida (UEMS) mpa_proflibras_magno@hotmail.com

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR

ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR ALFABETIZAÇÃO DE ESTUDANTES SURDOS: UMA ANÁLISE DE ATIVIDADES DO ENSINO REGULAR INTRODUÇÃO Raquel de Oliveira Nascimento Susana Gakyia Caliatto Universidade do Vale do Sapucaí (UNIVÁS). E-mail: raquel.libras@hotmail.com

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO 2013

CONCURSO PÚBLICO 2013 PREFEITURA MUNICIPAL DE APARECIDA DE GOIÂNIA SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO EDITAL N. 01/2013 CONCURSO PÚBLICO 2013 INSTRUTOR SURDO I ATENÇÃO 17/11/2013 Toda a prova será projetada em libras. Antes de

Leia mais

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande

Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Profª : Mcs Gisele Maciel Monteiro Rangel Doutoranda em Educação - UFPEL Geografia e Libras- IF RS Campus Rio Grande Escutar com olhos Permita-se ouvir essas mãos, pois somente assim será possível mostrar

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES AUDITIVOS: Intervenções Psicopedagógicas e LIBRAS Clério Cezar Batista Sena Joicy Midiã Figueiredo Macedo Matheus Soares ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO PARA DEFICIENTES

Leia mais

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA

O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA O LETRAMENTO DE SURDOS NA SEGUNDA LÍNGUA Mariana Rodrigues Ferreira Fantinelli (G UENP, campus de Jac.) naninha_fantinelli@hotmail.com Sonia Maria Dechandt Brochado ( Orientadora UENP) O letramento do

Leia mais

DIVULGANDO LIBRAS NA ESCOLA: PRÁTICAS METODOLÓGICAS COM ALUNOS SURDOS E OUVINTES

DIVULGANDO LIBRAS NA ESCOLA: PRÁTICAS METODOLÓGICAS COM ALUNOS SURDOS E OUVINTES FACULDADE ESTADUAL DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE PARANAGUÁ PROFESSOR PDE: JAQUELINE LIBANI MISTURA SANTOS ORIENTADOR: SYDNEI ROBERTO KEMPA CADERNO PEDAGÓGICO DIVULGANDO LIBRAS NA ESCOLA: PRÁTICAS

Leia mais

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo

PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo PROEX Assessoria de Ações Inclusivas Encontro dos NAPNEs: por um IFRS Inclusivo Pergunta 01 Quais termos você usa para identificar uma pessoa surda? A Deficiente auditivo B Surdo-Mudo C Surdo D Mudinho

Leia mais

LIBRAS: UM MOVIMENTO PARA A INCLUSÃO

LIBRAS: UM MOVIMENTO PARA A INCLUSÃO LIBRAS: UM MOVIMENTO PARA A INCLUSÃO DORNELES, Marciele Vieira 1 JOST, Sabine 2 RAMPELOTTO, Elisane Maria 3 RESUMO O presente trabalho tem origem no Projeto Aprendendo Libras no Campus, com objetivo de

Leia mais

JANGADA IESC ATENA CURSOS

JANGADA IESC ATENA CURSOS JANGADA IESC ATENA CURSOS MÁRCIA INÊS DE OLIVEIRA DA SILVA SURDEZ PROJETO DE PESQUISA Passo Fundo 2015 TEMA: Surdez DELIMITAÇÃO DO TEMA: O Tema delimita-se a inclusão de crianças surdas nas escolas de

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL FARROUPILHA PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO Introdução a Interpretação em Língua Brasileira de Sinais (libras/português)

Leia mais

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS

A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS 110 A LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO DE CRIANÇAS SURDAS Dayanne Barbosa Dias Especializando em Educação Especial Inclusiva - CENSUPEG Dayanne16barbosa@hotmail.com Resumo: O presente trabalho apresenta a relevância

Leia mais

O Design de Moda na LIBRAS: Uma ferramenta para a inclusão de surdos no Ensino Superior de Design de Moda

O Design de Moda na LIBRAS: Uma ferramenta para a inclusão de surdos no Ensino Superior de Design de Moda 1 O Design de Moda na LIBRAS: Uma ferramenta para a inclusão de surdos no Ensino Superior de Design de Moda The Fashion Design in LIBRAS: A tool for inclusion of deaf people in Fashion Design Higher Education

Leia mais

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS

ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS ATIVIDADES FÍSICAS PARA SURDOS Profª. Ms. * Introdução A deficiência auditiva traz algumas limitações para o desenvolvimento do indivíduo, uma vez que a audição é essencial para a aquisição da língua oral.

Leia mais

O MUNDO DAS LIBRAS: Vivendo e convivendo com surdos

O MUNDO DAS LIBRAS: Vivendo e convivendo com surdos O MUNDO DAS LIBRAS: Vivendo e convivendo com surdos Natássia Silva Oliveira* 1 RESUMO: O método das LIBRAS- Língua Brasileira de Sinais, esta sendo ampliado e discutido cada dia com mais intensidade, devido

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim)

PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N.º 431, DE 2011 (Do Sr. Neilton Mulim) Institui-se obrigatoriedade da inclusão de intérpretes de Libras em repartições públicas. DESPACHO: APENSE-SE À(AO) PL-2574/2000.

Leia mais

Profa. Ma. Adriana Rosa

Profa. Ma. Adriana Rosa Unidade I ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO Profa. Ma. Adriana Rosa Ementa A teoria construtivista: principais contribuições, possibilidades de trabalho pedagógico. Conceito de alfabetização: história e evolução.

Leia mais

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos

Círculo Fluminense de Estudos Filológicos e Linguísticos TÓPICOS LINGUÍSTICOS: SINTAXE NA LIBRAS Magno Pinheiro de Almeida (UEMS/UFMS) mpa_magno@hotmail.com Miguél Eugenio Almeida (UEMS) mealmeida_99@yahoo.com.br A língua já não é agora livre, porque o tempo

Leia mais

DEFICIÊNCIA AUDITIVA

DEFICIÊNCIA AUDITIVA DEFICIÊNCIA AUDITIVA SANTOS, Luciana de Sousa 1 RESUMO: O presente artigo tem como proposta trazer temas questionadores e atualizados com relaéño â DeficiÜncia Auditiva. No passado, costumava-se achar

Leia mais

A importância da audição e da linguagem

A importância da audição e da linguagem A importância da audição e da linguagem A linguagem não é apenas uma função entre muitas[...] mas uma característica muito difusa do indivíduo, a tal ponto que ele se torna um organismo verbal.(joseph

Leia mais

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04

Cadernos do CNLF, Vol. XIII, Nº 04 A IMPORTÂNCIA DO ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS (LIBRAS) PARA O DESENVOLVIMENTO COGNITIVO DO DEFICIENTE AUDITIVO Daisy Mara Moreira de Oliveira (UFS) dayseoliveira01@hotmail.com Derli

Leia mais

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA

INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA INVESTIGAÇÃO DOS SENTIDOS NARRATIVOS ENCONTRADOS NO DISCURSO DE AFÁSICOS PARTICIPANTES DE GRUPO DE CONVIVÊNCIA Palavras chave: afasia; diálogo; sentido. O estudo tem o objetivo investigar e analisar os

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS

INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS INTERPRETAÇÃO DA LIBRAS NO GÊNERO JORNALÍSTICO TELEVISIVO: ELEMENTOS EXTRALINGÜÍSTICOS NA PRODUÇÃO DE SENTIDOS Marcus Vinícius Batista Nascimento Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUCSP RESUMO

Leia mais

FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS

FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS FAMÍLIA OUVINTE: DIFERENTES OLHARES SOBRE SURDEZ E EDUCAÇÃO DE SURDOS Resumo DORNELES, Marciele Vieira UFSM marciele.vieira@yahoo.co,.br Eixo Temático: Diversidade e Inclusão Agência Financiadora: não

Leia mais

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas

OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas Versão On-line ISBN 978-85-8015-075-9 Cadernos PDE OS DESAFIOS DA ESCOLA PÚBLICA PARANAENSE NA PERSPECTIVA DO PROFESSOR PDE Produções Didático-Pedagógicas SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SEED SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC

DEFICIÊNCIA AUDITIVA. Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC DEFICIÊNCIA AUDITIVA Luciana Andrade Rodrigues Professor das Faculdades COC CONTEUDO - Conceitos; - Filosofias de Comunicação; - Atendimentos Educacionais especializados; - Surdez e L2; - Legislação. OBJETIVOS

Leia mais

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem...

Sumário. Prefácio... 11 Introdução... 13. 1. Cultura, identidade e surdez... 21. 2. A idade crítica para a aquisição da linguagem... Sumário Prefácio... 11 Introdução... 13 PARTE I: REALIDADES FABRICADAS... 19 1. Cultura, identidade e surdez... 21 SURDO: DIFERENTE OU DEFICIENTE?... 23 A BUSCA DA IDENTIDADE... 41 REFLEXÕES ACERCA DA

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS CCL Letras Licenciatura Português/Espanhol e Português/Inglês Letras Tradução Francês/Inglês/Português Letras Licenciatura Português/Inglês e Português/Francês Ementário (não mais ofertada em Processo Seletivo)

Leia mais

Educar em Silêncio 1. Eminassai RODOVALHO 2 Patrícia Rangel Moreira BEZERRA 3 Faculdades Integradas Rio Branco, São Paulo, SP

Educar em Silêncio 1. Eminassai RODOVALHO 2 Patrícia Rangel Moreira BEZERRA 3 Faculdades Integradas Rio Branco, São Paulo, SP RESUMO Educar em Silêncio 1 Eminassai RODOVALHO 2 Patrícia Rangel Moreira BEZERRA 3 Faculdades Integradas Rio Branco, São Paulo, SP O livro Educar em Silêncio ilustra, em fotos, os principais aspectos

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ LIBRAS PARA TODOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ LIBRAS PARA TODOS UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ LIBRAS PARA TODOS Carina da Silva Mota Claudio Pamplona Ellen Formigosa Lucival Rodrigues 2011 1 CAPÍTULO I INTERAÇÃO ATRAVÉS DA LÍNGUA DE SINAIS 2 CONTEXTO VISUAL EM LIBRAS

Leia mais

Contribuições da comunicabilidade das imagens nos livros didáticos no processo de ensino-aprendizagem para alunos surdos

Contribuições da comunicabilidade das imagens nos livros didáticos no processo de ensino-aprendizagem para alunos surdos CONTRIBUIÇÕES DA COMUNICABILIDADE DAS IMAGENS DOS LIVROS DIDÁTICOS NO PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM PARA ALUNOS SURDOS ERNANI NUNES RIBEIRO (UFPE). Resumo Resumo de pesquisa de mestrado em educação que

Leia mais

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos

241 Letras Libras UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS. Conhecimentos Específicos UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ PROCESSO DE OCUPAÇÃO DE VAGAS REMANESCENTES NÚCLEO DE CONCURSOS Edital n 06/2015 UOVR/COPAP/NC/PROGRAD / UFPR Prova Objetiva 18/10/2015 241 Letras Libras INSTRUÇÕES 1. Confira,

Leia mais

O DESIGN DE MODA NA LIBRAS. The fashion design in Brazilian Sign language

O DESIGN DE MODA NA LIBRAS. The fashion design in Brazilian Sign language 11 Colóquio de Moda 8 Edição Internacional 2 Congresso Brasileiro de Iniciação Cientifica em Design e Moda 2015 O DESIGN DE MODA NA LIBRAS The fashion design in Brazilian Sign language Seibel, Bárbara

Leia mais

EDUCAÇÃO ESPECIAL QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

EDUCAÇÃO ESPECIAL QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO EDUCAÇÃO ESPECIAL 01. A base da educação inclusiva é considerar a deficiência de uma criança ou de um jovem como mais uma das muitas características diferentes que os alunos podem ter e, sendo assim, respeitar

Leia mais

JORNAL DA EREBAS. Editorial. Quem foi Vergílio Ferreira? Lançamento do JORNAL DA EREBAS!

JORNAL DA EREBAS. Editorial. Quem foi Vergílio Ferreira? Lançamento do JORNAL DA EREBAS! 1 JORNAL DA EREBAS (Escola de Referência para a Educação Bilingue de Alunos Surdos) V O L U M E 1, E D I Ç Ã O 1 I 6 D E Z E M B R O 2 0 1 5 Trimestral JORNAL DA EREBAS Escola Secundária Vergílio Ferreira

Leia mais

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS.

A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. A UTILIZAÇÃO DE RECURSOS VISUAIS COMO ESTRATÉGIA PEDAGÓGICA NO PROCESSO DE ENSINO - APRENDIZAGEM DE ALUNOS SURDOS. Rosane Batista Miranda¹ Eliane Vasconcelos Soares² Introdução O presente artigo visa á

Leia mais

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA A LEI E A REALIDADE: A REPRESENTAÇÃO DA IMAGEM DO SURDO NOS DOCUMENTOS SOBRE A PROPOSTA DE EDUCAÇÃO INCLUSIVA Vanessa Gomes Teixeira (UERJ) vanessa_gomesteixeira@hotmail.com RESUMO No início do século

Leia mais

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS

Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS 1 1 Módulo II - Teórico TEXTO 3: SURDEZ, FUNÇÕES COGNITIVAS E LIBRAS Rosimar Bortolini Poker A principal conseqüência da surdez refere-se aos prejuízos na comunicação natural dos sujeitos surdos que atingem

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS

O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS O BILINGÜISMO COMO PROPOSTA EDUCACIONAL PARA CRIANÇAS SURDAS KUBASKI, Cristiane UFSM kubaski229@bol.com.br MORAES, Violeta Porto UFSM viomoraes@ibest.com.br Eixo temático: Diversidade e Inclusão Agência

Leia mais

A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS

A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS A EDUCAÇÃO QUE NÓS SURDOS QUEREMOS DOCUMENTO ELABORADO PELA COMUNIDADE SURDA A PARTIR DO PRÉ- CONGRESSO AO V CONGRESSO LATINO AMERICANO DE EDUCAÇÃO BILINGUE PARA SURDOS, REALIZADO EM PORTO ALEGRE/RS, NO

Leia mais

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR

LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR LIBRAS: A INCLUSÃO DE SURDOS NA ESCOLA REGULAR Andréa Oliveira Almeida andrea.libras@hotmail.com UniFOA Centro Universitário de Volta Redonda Maria da Conceição Vinciprova Fonseca concyvf@uol.com.br Associação

Leia mais

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Disciplina Inglês. Prova 367 2015. Tipo de Prova Escrita e Oral. Ensino Secundário

INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA. Disciplina Inglês. Prova 367 2015. Tipo de Prova Escrita e Oral. Ensino Secundário INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Disciplina Inglês Prova 367 2015 Tipo de Prova Escrita e Oral Ensino Secundário O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência à

Leia mais

Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada

Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada Pessoas com Deficiência na Mídia: uma abordagem humanizada Maria Isabel da Silva Jornalista e Gestora da Assessoria de Comunicação Institucional Daniela Loureiro Iacobucci Jornalista e Assessora de Imprensa

Leia mais

Aquisição simultânea de Língua de Sinais e Língua Portuguesa 1

Aquisição simultânea de Língua de Sinais e Língua Portuguesa 1 Aquisição simultânea de Língua de Sinais e Língua Portuguesa 1 Gisélia Nunes do Nascimento (UnB) Jeronilson de Oliveira Santos França (UnB) Resumo: A língua é patrimônio cultural e bem coletivo. Partindo

Leia mais

PROPOSTA PROJETO DE LEI CINEMA E TEATRO PARA TODOS

PROPOSTA PROJETO DE LEI CINEMA E TEATRO PARA TODOS PROPOSTA PROJETO DE LEI CINEMA E TEATRO PARA TODOS Novembro 2014 APRESENTAÇÃO Esta proposta visa ao livre acesso das pessoas que possuem limitação sensorial aos cinemas com filmes nacionais e às peças

Leia mais

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução

Daniele Marcelle Grannier, UnB Tércia A. F. Teles, UnB. Introdução 1 Um estudo do vocabulário de crianças ouvintes de cinco anos como subsídio para elaboração de material didático para a iniciação à escrita de crianças surdas Introdução Daniele Marcelle Grannier, UnB

Leia mais

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula.

Esses parâmetros diferenciarão os sinais da Libras apresentados nesta aula. COMUNICAÇÃO VISUAL O tema da nossa primeira aula é a Comunicação Visual, que pode ser definida como todas as formas de expressão da linguagem que possam ter seus conteúdos apreendidos pela visão. A manifestação

Leia mais

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br

PEDAGOGIA SURDA. Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br PEDAGOGIA SURDA Por SHIRLEY VILHALVA - Surda / Professora Técnica do CAS/SED/MS E-mail: svilhalva@brturbo.com.br Alfabetizar alunos com Culturas diferentes é um choque tanto para o professor ouvinte como

Leia mais

Prefácio... 11. Apresentação... 13. Introdução... 15. 1. Uma professora surda e seus alunos ouvintes... 23

Prefácio... 11. Apresentação... 13. Introdução... 15. 1. Uma professora surda e seus alunos ouvintes... 23 Sumário Prefácio... 11 Apresentação... 13 Introdução... 15 1. Uma professora surda e seus alunos ouvintes... 23 2. A organização da aula e a gestão da interação... 57 3. As estratégias de ensino da professora

Leia mais

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO)

JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) JUSTIFICATIVA PEDAGÓGICA DA PRODUÇÃO DE CONTEÚDOS DIGITAIS NA FORMATAÇÃO DO SOFTWARE EDUCACIONAL (SIMULAÇÃO E ANIMAÇÃO) De acordo com o Edital de produção de conteúdo digitais multimídia, alguns aspectos

Leia mais

RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE

RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE RECURSOS DA INTERNET PARA O USO PEDAGÓGICO NAS AULAS DE Resumo MATEMÁTICA Ana Paula R. Magalhães de Barros 1 / UNESP Rúbia Barcelos Amaral 2 /UNESP Devido ao aumento da oferta de recursos tecnológicos

Leia mais

Língua(gem), Tecnologia e Informação

Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua(gem), Tecnologia e Informação Língua, Tecnologia e Informação A Ciência da Informação estuda vários aspectos sobre o acesso ao registro, acesso ideal de maneira eficiente e eficaz O registro de

Leia mais

A PRÁTICA DOCENTE E O USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL PARA A PRODUÇÃO ESCRITA DA PESSOA COM SURDEZ

A PRÁTICA DOCENTE E O USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL PARA A PRODUÇÃO ESCRITA DA PESSOA COM SURDEZ 1 A PRÁTICA DOCENTE E O USO DO SOFTWARE EDUCACIONAL PARA A PRODUÇÃO ESCRITA DA PESSOA COM SURDEZ Jorge Luiz Fireman Nogueira (UFAL) jorgefireman@yahoo.com.br Resumo Este artigo apresenta algumas considerações

Leia mais

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO

Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Componente Curricular: LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS Código: ENF 405 Pré-requisito: Nenhum

Leia mais

ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO

ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO ACESSIBILIDADE SEM ESFORÇO PARA SURDOS: JANELA DE LIBRAS OU LEGENDA? UMA ANÁLISE DOS INSTRUMENTOS DE ACESSIBILIDADE PARA SURDOS USADOS NO FILME O GRÃO Maria Izalete Inácio Vieira UFSC- Polo UFC Resumo

Leia mais

VIRTUAL ENVIRONMENT TO ASSIST THE DEAF IN LEARNING PORTUGUESE

VIRTUAL ENVIRONMENT TO ASSIST THE DEAF IN LEARNING PORTUGUESE VIRTUAL ENVIRONMENT TO ASSIST THE DEAF IN LEARNING PORTUGUESE João Carlos Lopes Fernandes (Faculdade de Tecnologia Eniac - FAPI, SP, Brasil) joao.carlos@eniac.com.br Silvia Cristina Martini Rodrigues (Universidade

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA

UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA UM OLHAR SOBRE A IDENTIDADE SURDA Márcia do Socorro E. da Silva 1 INTRODUÇÃO Há uma luta pela prevalência sobre os poderes e os saberes que operam nas sociedades e o palco desta luta é o meio social como

Leia mais

Teste de Habilidade Específica - THE

Teste de Habilidade Específica - THE LEIA COM ATENÇÃO 1. Só abra este caderno após ler todas as instruções e quando for autorizado pelos fiscais da sala. 2. Preencha os dados pessoais. 3. Autorizado o inicio da prova, verifique se este caderno

Leia mais

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO

A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO A VOZ DO PROFESSORE SOBRE A INCLUSÃO DE ALUNOS SURDOS NA ESCOLA REGULAR DE ENSINO Elisabeth, FIGUEIREDO CUNHA, UFU 1 Atna, Gomes Silva PELET, UFU 2 Eleuza, SOUZA, UFU 3 Resumo: Este estudo apresenta o

Leia mais

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS

LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS 4511 LÍNGUA E DISCURSOS: TENDÊNCIAS EDUCACIONAIS ATUAIS EM RELAÇÃO AOS ALUNOS SURDOS Sonia Maria Dechandt Brochado (UENP FAFIJA) Estas reflexões sobre a inclusão de alunos surdos no ensino comum têm o

Leia mais

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1

A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL NO CURSO DE MATEMÁTICA: RELATOS DECORRENTES DO COMPONENTE CURRICULAR LIBRAS Inês Ivone Cecin Soprano 1 Resumo: O presente relato é fruto de uma experiência do componente curricular

Leia mais

A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA

A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA A LÍNGUA DE SINAIS E UM BREVE HISTÓRICO DA EDUCAÇÃO SURDA Rodrigo Janoni Carvalho 1 A Língua Brasileira de Sinais LIBRAS é uma língua que tem adquirido maior visibilidade na sociedade, na medida em que

Leia mais

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down

Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Propostas para melhorias da fala de crianças com síndrome de down Resumo Esse vídeo pretende oferecer instrumentos aos professores da educação infantil e do ensino fundamental para as tarefas da educação

Leia mais

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada?

Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Datilologia, tradução ou oralização sinalizada? Anderson Tavares Correia - UFPE 1 Rosângela Aparecida Ferreira Lima - UFPE 2 Francisco José de Lima - UFPE 3 O presente artigo discute a utilização da datilologia,

Leia mais

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS

Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS Comunicação LABORATÓRIO DE CRIAÇÃO DE IMAGENS EM MÍDIAS DIGITAIS - ESPAÇO DE (RE)SIGNIFICAÇÃO DO OLHAR POR VIA DE IMAGENS TÉCNICAS SANTOS, Noeli Batista dos 1 Palavras-chave: imagem, ensino, tecnologia.

Leia mais

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos

Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Educação inclusiva para surdos: desmistificando pressupostos Paula Botelho Mestre em Educação pela Faculdade de Educação da UFMG. Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação de Surdos (GEPES),

Leia mais

Anais do IX Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 RESUMO

Anais do IX Seminário de Iniciação Científica SóLetras CLCA UENP/CJ - ISSN 18089216 RESUMO SURDEZ: JOGOS VIRTUAIS COMO RECURSO PEDAGÓGICO NO LETRAMENTO Letícia Cristina Ribeiro Rodrigues (G-CLCA-UENP/CJ) Sônia Maria Dechandt Brochado (Líder do GP Leitura e Ensino- CLCA-UENP/CJ) RESUMO A inclusão

Leia mais

O ALUNO SURDO E O AMBIENTE DE ESCOLA REGULAR INCLUSIVO

O ALUNO SURDO E O AMBIENTE DE ESCOLA REGULAR INCLUSIVO O ALUNO SURDO E O AMBIENTE DE ESCOLA REGULAR INCLUSIVO JOSIANE DOS SANTOS MAQUIEIRA 1 1 INTRODUÇÃO A partir das exigências criadas pelo Decreto n 5626/05, BRASIL (2005), que regulamenta a Lei n 10.436/2002,

Leia mais