Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público. Profa. Msc. Leila Márcia Elias"

Transcrição

1 Como escrever um bom Relato de Experiência em Implantação de Sistema de Informações de Custos no setor público

2 O que é Relato de Experiência? Faz parte dos gêneros pertencentes ao domínio social da memorização e documentação das experiências humanas, situando-as no tempo. Servem de exemplos de gêneros dessa natureza: diários íntimos, diários de viagem, notícias, reportagens, crônicas jornalísticas, relatos históricos, biografias, autobiografias, testemunhos etc.

3 INTRODUÇÃO O Relato de Experiência deve ser apresentado com clareza e de forma envolvente e cativante. A pertinência da problemática que está na origem da experiência e dos seus objetivos será outro ponto importante na elaboração inicial deste tipo de relato. Devemos deixar em foco a consideração, o conhecimento e a utilização de outros trabalhos de intervenção sobre o mesmo tipo de problemática ou com objetivos similares.

4 RELATÓRIOS ou RELATOS: quais as diferenças? As marcas de autoria fazem a diferença entre relatórios profissionais e relatos de experiência. As características de autoria são reveladas quando o autor se coloca como sujeito de uma experiência que mobilizou sentimentos.

5 Marcas de autoria nos Relatórios de Experiência Verbos na primeira pessoa: Exemplos de expressões que revelam sentimentos pessoais:...senti-me confusa..., essa tarefa constitui um desafio..., senti a insegurança..., sinalizam-me limitações.... Apresento, senti-me, venho, minhas atitudes, sinalizam-me, senti, sou, apodera-se de mim, vejo-me, foi-me, vai me, minha, gosto, estou...

6 Marcas de autoria no Relato de Experiência: adjetivos que aproximam o leitor dos sentimentos vividos por ele; pronomes pessoais e de tratamento que o autor usa, como se dialogasse com o leitor; formas de expressões pessoais, às vezes inusitadas; expressões típicas de sua região.

7 Mais marcas de autoria Exemplos de expressões que identificam os autores: Desde que me /nos senti(mos) responsável (responsáveis) por... Dou-me (nos damos conta) conta de meus (nossos) sentimentos de uma dúvida acompanhando os meus (nossos) passos. Foi o que me (nos) trouxe esta experiência. Alguns adjetivos usados junto aos pronomes e verbos que expressam sentimentos de uma autora: (senti-me) desafiada, (sinalizam-me) contraditórias, (sou a) única.

8 Marcas de autoria, marcas de diálogo A vivência das pessoas nunca é solitária. Assim, o autor de relatos de experiência também revela em seu texto o diálogo com outros sujeitos que dela participaram: rememorando situações vividas com outros sujeitos; trazendo vozes desses sujeitos para seu texto, citando direta ou indiretamente o que eles disseram; marcando a introdução direta dessas vozes com dois pontos, aspas ou travessões; marcando a introdução indireta das vozes com o uso de verbos de dizer: como ele disse..., na hora em que ele falou que..., o pai da criança contou..., a diretora da escola observou...

9 MARCAS DE TEMPO NO RELATO Quem relata qualquer fato, em qualquer situação, necessita da memória e dos registros. No caso desta proposta, os autores estão sendo convidados a recordar uma experiência vivida recentemente e escrever sobre ela. O gênero textual Relato de Experiência que os autores devem utilizar é um diálogo entre o passado recente vivido, o presente de quem relembra e os leitores do texto. Ao utilizar a memória, sempre se faz um jogo do agora com o ontem, do aqui com o lá.

10 Como fazer um relato de experiência? É feito em 1ª pessoa, de forma subjetiva, detalhada, geralmente com linguagem coloquial. O assunto é abordado de forma a destacar a participação ou o ponto de vista do enunciador sobre o que é relatado, ou seja, sobre o fato ocorrido no passado. Por isso mesmo que o tempo verbal é o pretérito perfeito.

11 Para começar é preciso refletir sobre a situação de comunicação em que a escrita será produzida. Qual o tema do relato? Qual a razão ou quais as razões que levam os autores a escrever? Quais as características do gênero textual escolhido? O que os autores desejam comunicar aos leitores?

12 Quem são esses leitores, o que esperam sentir e compreender ao lerem o texto? Em que veículo o texto será publicado? O espaço para o texto está definido? Qual o número mínimo e o máximo de palavras que poderá ser usado? Há recomendações específicas para a diagramação do texto? Como ele será divulgado? Por meio de qual suporte?

13 Finalidade de um Relato de Experiência em Implantação de Custos Relatar o processo de desenvolvimento de uma experiência na implantação do sistema de custos, protagonizada pelos órgãos do setor público como um todo. Esse relato servirá para compor, juntamente com tantos outros, o incentivo à implantação de um sistema de custos para aqueles que não sabem por onde começar.

14 Interlocutores dos relatos de experiência As entidades do setor público em geral são interessadas em experiências sobre a implantação de sistema de custos. Pergunte-se sempre: quem serão nossos leitores? o que nós gostaríamos que eles sentissem e compreendessem ao ler nosso texto?

15 COMO DEVEMOS ORGANIZAR O RELATO? Que outros rumos devem ser executados para a escrita do relato ser eficiente? Parcerias na escrita: como proceder?

16 Passos para a produção coletiva da escrita do relato de experiência 1. Rever cada parágrafo escrito, para ver se está satisfatório para todos; 2. Discutir previamente e no grupo qual o assunto ou tema do relato; 3. Decidir como será registrado o relato quem digita, quem revisa, quem dá o aval final; 4. Organizar as ideias que irão registrar o que será escrito no início, quais os fatos relevantes que irão compor o relato e como o texto será fechado ;

17 5. Reler o texto em conjunto, discuti-lo para ver se contém todas as marcas típicas dos relatos (primeira pessoa, no caso plural, tom de conversa pelos diálogos que estabelece, marcas de tempo) e modificar o que for necessário; 6. Mostrar o texto a outros participantes do projeto, para apreciação; 7. Fazer uma revisão gramatical e usar um corretor ortográfico; 9. Finalizar o texto.

18 Dicas para estruturar o Relato de Experiência Quem e quantos são os envolvidos direta e indiretamente nessa ação? Qual o período de realização da ação? Como foi o processo de desenvolvimento / etapas da ação? Quais os desdobramentos não previstos, mas constatados durante a ação? Quais as aprendizagens observadas durante o processo de desenvolvimento da ação?

19 Qual a motivação inicial / principal para a escolha da proposta de ação? Qual a proposta de ação? Quais os objetivos traçados inicialmente pelo grupo participante? Quais as lições aprendidas? Que impressões, sentimentos e emoções envolveram os fatos vividos durante as ações? Quais as repercussões dessa ação na comunidade local e / ou em outra?

20 ASPECTOS FORMAIS Os aspectos formais que devem ser levados em consideração são: a) organização e estrutura do trabalho; b) redação e estilo; c) apresentação dos resultados, tabelas e gráficos, se forem citados; d) correspondência entre as referências citadas no texto e as referências bibliográficas do final do texto, se houver; e) Observar as regras do edital do Concurso.

21 VAMOS PARTICIPAR!!!

22 REFERÊNCIAS INFANTE, Ulisses. Do texto ao texto curso prático de leitura e redação. São Paulo: Scipione, PLATÃO, Francisco Savioli; FIORIN, José Luiz. Para entender o texto: leitura e redação. São Paulo: Editora Ática, 1990.

23 OBRIGADA!!!!

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO

EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM PORTUGUESA DE LÍNGUA. Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) MARÇO EXPECTATIVAS DE APRENDIZAGEM DE LÍNGUA PORTUGUESA MARÇO 2013 Expectativas de Aprendizagem de Língua Portuguesa dos anos iniciais do Ensino Fundamental 1º ao 5º ano Anos Iniciais do Ensino Fundamental (1º

Leia mais

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José?

Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM. E agora José? Prof. Daniel Santos Redação RECEITA PARA DISSERTAÇÃO ARGUMENTAÇÃO ESCRITA - ENEM E agora José? Respondam Rápido: O que encanta um homem? O que encanta uma mulher? E o que ENCANTA um corretor do ENEM?

Leia mais

Língua Portuguesa 1ºEM

Língua Portuguesa 1ºEM ASSESSORIA DE EDUCAÇÃO PROVÍNCIA DO PARANÁ Colégio Social Madre Clélia Língua Portuguesa 1ºEM Prof. Eliana Martens A prova de redação é extremamente importante em vestibulares e em concursos Avalia diferentes

Leia mais

Como Estudar a Bíblia

Como Estudar a Bíblia Como Estudar a Bíblia Caderno de Estudos Por David Batty Estudos em Grupo Para Novos Cristãos 2 Direitos Reservados 2003 Comitê Acadêmico do Teen Challenge Internacional, EUA. Todos os direitos, incluindo

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 4ºANO . Interação discursiva Princípios de cortesia e cooperação Informação, explicação; pergunta. Compreensão e expressão Vocabulário: variedade e precisão Informação: essencial e acessória; implícita Facto

Leia mais

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada.

Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Toque de Mestre 16 Discursivas do Cespe Tema específico: resposta fácil, organização complicada. Profa. Júnia Andrade Viana profajunia@gmail.com face: profajunia Autora do livro Redação para Concursos

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO 3º ANO (1º CICLO) PORTUGUÊS CRTÉRO EPECÍCO DE AVALAÇÃO 3º ANO (1º CCLO) PORTUGUÊ DOMÍNO OJETVO DECRTORE DE DEEMPENHO MENÇÕE Oralidade 1. Escutar para aprender e construir conhecimentos 2. Produzir um discurso oral com correção 3.

Leia mais

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO

PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO DIREÇÃO DE SERVIÇOS DA REGIÃO ALGARVE Agrupamento de Escolas José Belchior Viegas (Sede: Escola Secundária José Belchior Viegas) PLANIFICAÇÃO ANUAL 2015/2016 PORTUGUÊS - 3ºANO METAS Domínios/ Conteúdos

Leia mais

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental

Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Gêneros discursivos no ciclo da alfabetização 1º ao 3º ano do ensino fundamental Não se aprende por exercícios, mas por práticas significativas. Essa afirmação fica quase óbvia se pensarmos em como uma

Leia mais

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro

Olimpíada de LP Escrevendo o futuro Olimpíada de LP Escrevendo o futuro QUATRO GÊNEROS EM CARTAZ: OS CAMINHOS DA ESCRITA Cristiane Cagnoto Mori 19/03/2012 Referências bibliográficas RANGEL, Egon de Oliveira. Caminhos da escrita: O que precisariam

Leia mais

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show.

Objetivos Específicos. Estratégias em Língua Portuguesa. Leitura de histórias em quadrinhos. Desenhos próprios. Gibisão data show. PLANEJAMENTO Folclore Professor (a): Vanessa da Rosa Competências Leitura; Oralidade; Produção textual, Ortografia, Ritmo e Memória. Avançar em seus conhecimentos sobre a escrita, ao escrever segundo suas

Leia mais

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA

3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA 3 cm UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE LUZIÂNIA NOME DO AUTOR (fonte tamanho 12, arial, todas em maiúscula, negrito, centralizado) ESTÁGIO SUPERVISIONADO I OU II DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO

Leia mais

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco

REDAÇÃO DISSERTAÇÃO AULA 5. Professora Sandra Franco REDAÇÃO AULA 5 Professora Sandra Franco DISSERTAÇÃO 1. Definição de Dissertação. 2. Roteiro para dissertação. 3. Partes da dissertação. 4. Prática. 5. Recomendações Gerais. 6. Leitura Complementar. 1.

Leia mais

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro

Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro 1 www.oxisdaquestao.com.br Faltam boas entrevistas ao jornalismo diário brasileiro Texto de CARLOS CHAPARRO A complexidade dos confrontos da atualidade, em especial nos cenários políticos, justificaria

Leia mais

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3

Resenha de livro. Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 Resenha de livro Por Camila Munerato 1 Camila Rodrigues dos Santos 2 Eunice Pereira Cardoso 3 A presente resenha do livro de Moretto, (2007) em sua 2 edição tem o intuito de mostrar que a avaliação é um

Leia mais

PROJETO AUTOBIOGRAFIAS.

PROJETO AUTOBIOGRAFIAS. Experiências significativas no desenvolvimento de Projetos Sociais. PROJETO AUTOBIOGRAFIAS. Gabriela Junqueira De Marco. Faculdade de Educação, Ciências e Artes Dom Bosco de Monte Aprazível-SP. Alfsolidaria@faeca.com.br

Leia mais

Concurso Literário. O amor

Concurso Literário. O amor Concurso Literário O Amor foi o tema do Concurso Literário da Escola Nova do segundo semestre. Durante o período do Concurso, o tema foi discutido em sala e trabalhado principalmente nas aulas de Língua

Leia mais

REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA

REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA REFORÇO ESCOLAR EM LÍNGUA PORTUGUESA Bruna de Oliveira Nobre 1 Introdução Através do PIBID - Programa de Iniciação a Docência, que leva os alunos da graduação a terem um conhecimento prévio da escola e

Leia mais

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010

RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 RELATÓRIO FINAL ALFABETIZAÇÃO 2010 Débora Rana Introdução Participar da seleção do Prêmio Victor Civita, pela segunda vez, é uma experiência bastante interessante, pois permite estabelecer relações entre

Leia mais

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP

MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista. Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP MJ Secretaria Nacional de Segurança Pública Orientações para o Conteudista Estruturação dos Materiais Básicos para os Cursos da SENASP Contacto: erisson.pitta@mj.gov.br Telefono: 5561 2025 8991 Prezado(a)

Leia mais

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português

Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Leitura e escrita são tarefas da escola e não só do professor de português Paulo Coimbra Guedes e Jane Mari de Souza A tarefa de ensinar a ler e a escrever um texto de história é do professor de história

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL

ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA PRODUÇÃO DE TEXTOS DO JORNAL REPORTAGEM RESENHA CRÍTICA TEXTO DE OPINIÃO CARTA DE LEITOR EDITORIAL ORIENTAÇÕES PARA OS GRUPOS QUE ESTÃO PRODUZINDO UMA: REPORTAGEM Tipos de Textos Características

Leia mais

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã

Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Projeto EI São José do Rio Preto Assessoria: Debora Rana e Silvana Augusto 2 o encontro: 09 de abril de 2014 *Anotações do Grupo de CPs da manhã Pauta de encontro Olá coordenadoras, mais uma vez estaremos

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE 042 CENTRO DE COMUNICAÇÃO E LETRAS PLANO DE ENSINO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO CÓDIGO UNIDADE 042 CÓD. CURSO CURSO 42501 COMUNICAÇÃO SOCIAL HAB: JORNALISMO CÓD. DISC. DISCIPLINA ETAPA CH SEM CH TOTAL SEM/ANO 092.3202.8 CONSTRUÇÃO DE NARRATIVAS 2ª 02 34 2º/2009 PROFESSOR (A) OBJETIVOS

Leia mais

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond

A ARTE DA COMUNICAÇÃO. Maria Thereza Bond A ARTE DA COMUNICAÇÃO Maria Thereza Bond 1 Psicologia Gestão de Pessoas Aulas, palestras, livros, coordenação, capacitações, consultorias... 2 Sobre o que vamos falar hoje? Em que vamos pensar? 3 O que

Leia mais

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e

Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e Conhecer o conteúdo programático do componente Língua Portuguesa e desenvolver habilidades de compreensão, interpretação e produção de textos orais e escritos à maneira adequada do padrão da língua materna;

Leia mais

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO

2. CAIXA DE FERRAMENTAS - CHEGANDO A REDAÇÃO SUMÁRIO INTRODUÇÃO 15 Para que serve este Livro 17 Como usar este livro 1. PARA ENTENDER A PROFISSÃO 23 O que é preciso para ter sucesso na profissão 23 TALENTO - Como saber se você tem 24 CONHECIMENTO-Como

Leia mais

EXPRESSÃO ESCRITA. O Sumário aqui presente é a continuação do que desenvolvemos na aula anterior: 1. Introdução. 2.

EXPRESSÃO ESCRITA. O Sumário aqui presente é a continuação do que desenvolvemos na aula anterior: 1. Introdução. 2. EXPRESSÃO ESCRITA Sejam bem-vindos à segunda videoaula de Expressão Escrita. Sou a Maj Anna Luiza professora de Português da Seção de Idiomas da ECEME. Esta aula se destina a você, aluno do CP/ECEME e

Leia mais

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8

* Tempo = 45minutos Grupo 300 Página 1 de 8 Conteúdos Objectivos/Competências a desenvolver Tempo* Estratégias Recursos Avaliação Apresentação: Turma e professor Programa Critérios de avaliação Normas de funcionamento Conhecer os elementos que constituem

Leia mais

COMO DEVOLVER AO TEXTO O QUE É DO TEXTO? 1. Maria José Nóbrega

COMO DEVOLVER AO TEXTO O QUE É DO TEXTO? 1. Maria José Nóbrega COMO DEVOLVER AO TEXTO O QUE É DO TEXTO? 1 Ou da importância de auxiliar o escritor iniciante a aplicar em atividades mais complexas as regularidades aprendidas a respeito dos padrões da escrita. Maria

Leia mais

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto.

Pré-texto. Texto. Pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso. A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Estrutura do Trabalho Final de Curso A estrutura do Trabalho Final de Curso compreende: pré-texto, texto e pós-texto. Pré-texto Capa Folha de Rosto Dedicatória Agradecimentos Epígrafe Resumo Sumário Texto

Leia mais

METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS

METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS METAS DE APRENDIZAGEM PARA AS LÍNGUAS ESTRANGEIRAS ALEMÃO, FRANCÊS, INGLÊS LE I 1º, 2º e 3º CICLOS Direcção Regional da Educação e Formação 2011 Metas de Aprendizagem para as Línguas Estrangeiras Alemão,

Leia mais

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos

Pessoais Do caso reto Oblíquo. Possessivos. Demonstrativos. Relativos. Indefinidos. Interrogativos Pessoais Do caso reto Oblíquo Possessivos Demonstrativos Relativos Indefinidos Interrogativos Os pronomes is indicam diretamente as s do discurso. Quem fala ou escreve, assume os pronomes eu ou nós, emprega

Leia mais

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA

MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA MATERIAL DE DIVULGAÇÃO DA EDITORA MODERNA LOGOTIPO MACMILLAN BRASIL Utilização colorido; preto/branco e negativo Professor, nós, da Editora Moderna, temos como propósito uma educação de qualidade, que

Leia mais

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula!

PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! PONTUAÇÃO: é preciso saber usar a vírgula! Bete Masini A pontuação é, sem dúvida, um dos principais elementos coesivos do nosso texto. Certamente, não podemos crer no que muitos já falaram (e ainda falam):

Leia mais

Colégio Monteiro Lobato

Colégio Monteiro Lobato Colégio Monteiro Lobato Disciplina: Anual 2013 Redação Professor (a): Barbara Venturoso Série: 6º ano Turma: A PLANEJAMENTO ANUAL 2013 Plano de curso Conteúdos Procedimentos Objetivos Avaliações 1º Trimestre

Leia mais

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português

AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS. Planificação de Português AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE PEDROUÇOS Escola Básica 2/3 de Pedrouços Planificação de Português 7. 7ºano de escolaridade Ano letivo 2012/2013 Expressão oral Compreensão oral 1. o Período (+-64 aulas ) ))))))))646464+66666646

Leia mais

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática

Inglesar.com.br Aprender Inglês Sem Estudar Gramática 1 Sumário Introdução...04 O segredo Revelado...04 Outra maneira de estudar Inglês...05 Parte 1...06 Parte 2...07 Parte 3...08 Por que NÃO estudar Gramática...09 Aprender Gramática Aprender Inglês...09

Leia mais

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA

O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA O PLANEJAMENTO E A AVALIAÇÃO INICIAL/DIAGNÓSTICA Profa. Me. Michele Costa (Professora do Curso de Pedagogia das Faculdades COC) 06 e 07/04/2010 CONVERSAREMOS SOBRE: Planejamento e RCN: Oralidade na Educação

Leia mais

UM NEGÓCIO PRODUTIVO NO

UM NEGÓCIO PRODUTIVO NO UM NEGÓCIO PRODUTIVO NO Objetivos do treinamento Conhecer o potencial que as Redes Sociais tem no mundo e a aplicabilidade no seu Negócio Amway. Aprender como criar e administrar uma conta no FACEBOOK.

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE CARATINGA RELAÇÃO DE RESUMOS DE MONOGRAFIAS E ARTIGOS DE PÓS- GRADUAÇÃO Lato sensu Curso: Língua Inglesa/2005 Nome Aluno(a) Título Monografia/Artigo Orientador/Banca Annelise Lima

Leia mais

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender?

Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Porquê Ensinar a Estudar e a Aprender? Quando nos envolvemos na realização de diferentes tarefas, é importante avaliar os procedimentos e os meios de aprendizagem que adoptamos s face a essas tarefas:

Leia mais

Texto 4 Composição em prosa não literária

Texto 4 Composição em prosa não literária Curso de Redação: Do texto ao texto Professora: Maria Aparecida Araújo Texto 4 Composição em prosa não literária Conteúdo Descrição Narração Dissertação Bibliografia: 1. CARNEIRO, Agostinho Dias: Redação

Leia mais

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID

DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID DIFICULDADES DE LEITURA E ESCRITA: REFLEXÕES A PARTIR DA EXPERIÊNCIA DO PIBID BARROS, Raquel Pirangi. SANTOS, Ana Maria Felipe. SOUZA, Edilene Marinho de. MATA, Luana da Mata.. VALE, Elisabete Carlos do.

Leia mais

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33.

Disciplina: Português Período: 1º. Equipe - 3 ano - turmas: 31, 32 e 33. Disciplina: Português Período: 1º Unidade 1 Eu me comunico Linguagem : formal e informal Variação regional de vocabulário Usando diferentes linguagens Ortografia: L e U,A/AI; E/I; O/OU; Usando diferentes

Leia mais

Rubricas e guias de pontuação

Rubricas e guias de pontuação Avaliação de Projetos O ensino a partir de projetos exibe meios mais avançados de avaliação, nos quais os alunos podem ver a aprendizagem como um processo e usam estratégias de resolução de problemas para

Leia mais

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e

tido, articula a Cartografia, entendida como linguagem, com outra linguagem, a literatura infantil, que, sem dúvida, auxiliará as crianças a lerem e Apresentação Este livro tem o objetivo de oferecer aos leitores de diversas áreas do conhecimento escolar, principalmente aos professores de educação infantil, uma leitura que ajudará a compreender o papel

Leia mais

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - u s a r Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #17 - DEZEMBRO 2014 - Sou so profes r a, Posso m a s n ão parar d aguento m e ai ensinar s? d a r a u la s Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A

Leia mais

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA).

ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). ANÁLISE DE COMPREENSÃO DE TEXTO ESCRITO EM LÍNGUA INGLESA COM BASE EM GÊNEROS (BIOGRAFIA). Alinne da Silva Rios Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP e-mail: alinnerios@hotmail.com Profa. Ms. Leila

Leia mais

REGULAMENTO DO CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA 2015 (7ª EDIÇÃO)

REGULAMENTO DO CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA 2015 (7ª EDIÇÃO) REGULAMENTO DO CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA 2015 (7ª EDIÇÃO) 1. Regulamento do Concurso Tempos de Escola 2015 1.1. O concurso O Concurso Tempos de Escola - 7ª edição é uma iniciativa do Instituto Votorantim,

Leia mais

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses

Estudo de Caso. Cliente: Cristina Soares. Coach: Rodrigo Santiago. Duração do processo: 12 meses Estudo de Caso Cliente: Cristina Soares Duração do processo: 12 meses Coach: Rodrigo Santiago Quando decidi realizar meu processo de coaching, eu estava passando por um momento de busca na minha vida.

Leia mais

Língua Portuguesa 9º ano

Língua Portuguesa 9º ano Língua Portuguesa 9º ano Conteúdos por unidade didática 1º Período A - Comunicação Oral.. Intencionalidade comunicativa. Adequação comunicativa: Ideia geral. Ideias principais. Ideias secundárias. Informação

Leia mais

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL

A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL A CRIANÇA DE SEIS ANOS NO ENSINO FUNDAMENTAL Por que a criança de seis anos no ensino fundamental? Porque, pelo que entendi, em minha vida inteirinha, para umas coisas serei grande, para outras, pequenininha.

Leia mais

Ensino Técnico Integrado ao Médio

Ensino Técnico Integrado ao Médio Ensino Técnico Integrado ao Médio FORMAÇÃO GERAL Ensino Médio ETEC de Mairiporã Código: 27 Município: Mairiporã Eixo Tecnológico: Gestão e Negócios Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de técnico

Leia mais

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa

Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa PREFEITURA MUNICIPAL DE SALVADOR Secretaria Municipal da Educação e Cultura SMEC Coordenação de Ensino e Apoio Pedagógico CENAP Marcos de Aprendizagem de Língua Inglesa Ciclo de Aprendizagem I e II MARCOS

Leia mais

208. Assinale a única frase correta quanto ao uso dos pronomes pessoais: 209. Assinale o exemplo que contém mau emprego de pronome pessoal:

208. Assinale a única frase correta quanto ao uso dos pronomes pessoais: 209. Assinale o exemplo que contém mau emprego de pronome pessoal: 207. Complete com eu ou mim : CLASSES DE PALAVRAS PRONOME: - eles chegaram antes de. - há algum trabalho para fazer? - há algum trabalho para? - ele pediu para elaborar alguns exercícios; - para, viajar

Leia mais

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil

Etapas de um Projeto de Pesquisa. Robledo Lima Gil Etapas de um Projeto de Pesquisa Robledo Lima Gil Etapas... Escolha do tema Formulação do problema 1) Introdução; 2) Revisão de literatura (Referenciais teóricos); 3) Justificativa; 4) Objetivos (geral

Leia mais

Tema Geral: Liberdade de Imprensa Público Alvo: 3 ao 5 ano do ensino fundamental Componentes: 01 professor orientador + 01 estudante

Tema Geral: Liberdade de Imprensa Público Alvo: 3 ao 5 ano do ensino fundamental Componentes: 01 professor orientador + 01 estudante Maratona do Conhecimento 2015 Estudante Repórter O Programa Lendo e Relendo com o Correio Lageano realiza a 9ª edição do concurso Maratona do Conhecimento Estudante Repórter. O objetivo é incentivar a

Leia mais

ROTEIRO DE ESTUDOS. 3º ano 1º trimestre / 2015. Nome: Data: / /.

ROTEIRO DE ESTUDOS. 3º ano 1º trimestre / 2015. Nome: Data: / /. ROTEIRO DE ESTUDOS 3º ano 1º trimestre / 2015 Nome: Data: / /. Querido (a) Aluno (a), Elaboramos este roteiro com dicas sobre os conteúdos trabalhados no 1º trimestre e que serão abordados nas avaliações

Leia mais

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CONTEÚDO ESTRUTURANTE

PLANO DE TRABALHO DOCENTE CONTEÚDO ESTRUTURANTE COLEGIO ESTADUAL DARIO VELLOZO ENSINO FUNDAMENTAL, MÉDIO E PROFISSIONAL Rua Haroldo Hamilton, 271 Centro - CEP 85905-390 Fone/Fax 45 3378-5343 - Email: colegiodariovellozo@yahoo.com.br www.toodariovellozo.seed.pr.gov.br

Leia mais

Ficha de trabalho/ treino 7º ano de escolaridade Modos verbais: indicativo, imperativo e conjuntivo

Ficha de trabalho/ treino 7º ano de escolaridade Modos verbais: indicativo, imperativo e conjuntivo Ficha de trabalho/ treino 7º ano de escolaridade Modos verbais: indicativo, imperativo e conjuntivo 1. Observa uma lista de indicações para uma correta operação de lavagem dos dentes. 1. Pegar na escova

Leia mais

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG

FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG FACULDADE PITÁGORAS DE UBERLÂNDIA MG T exto dissertativo: ponto de vista acerca de um tema Profa. Ketiuce Ferreira Silva ketiuce@yahoo.com.br www.ketiuce.com.br Algumas perguntas O quê? Por quê? Para quê?

Leia mais

Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? *

Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? * Como percebemos a duração do que é descrito por um verbo? * 1.Nesta actividade, vamos estudar de que forma os verbos podem significar situações com durações diferentes. Quando consultamos o dicionário,

Leia mais

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870

AGRUPAMENTO DE CLARA DE RESENDE COD. 242 937 COD. 152 870 CRITÉRIOS ESPECÍFICOS DE AVALIAÇÃO (Aprovados em Conselho Pedagógico de 16 outubro de 2012) No caso específico da disciplina de PORTUGUÊS, do 3.º ano de escolaridade, a avaliação incidirá ainda ao nível

Leia mais

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa

PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa 7 o ano 2 o bimestre PROVA BIMESTRAL Língua portuguesa Escola: Nome: Turma: n o : Sotaque mineiro: é ilegal, imoral ou engorda? Gente, simplificar é um pecado. Se a vida não fosse tão corrida, se não tivesse

Leia mais

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015

Espanhol. Agrupamento de Escolas de Alvalade. Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional. Prova 847 2015 Informação - Prova Equivalente a Exame Nacional Espanhol Prova 847 2015 11º ano de escolaridade continuação (CCH) Tipo de prova Escrita Duração 120 min + 30 min Nº de páginas 7 1 Introdução Temas transversais:

Leia mais

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO?

QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE CURSO? Palestra: Comunicação e Marketing Pessoal: Dicas para Valorizar a sua Imagem. Prof. Adm. Esp. Juliana Pina Bomm E-mail: professorajulianapina@yahoo.com.br QUAL O NOSSO DESAFIO: O QUE VOCÊS ESPERAM DESTE

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO

COMANDO DA AERONÁUTICA ESCOLA DE ESPECIALISTAS DE AERONÁUTICA SUBDIVISÃO DE ADMISSÃO E DE SELEÇÃO Questão : 01 03 03 Questão : 01 03 03 A questão 01 do código 10 (01 do código 20-BCT) que corresponde à questão 03 do código 30 (03 do código 40-BCT) e a questão 03 do código 50 (03 do código 60-BCT) teve

Leia mais

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA

LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO CRIATIVA LEITURA EM LÍNGUA ESPANHOLA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: COMPREENSÃO E EXPRESSÃO Instituto Federal Farroupilha Câmpus Santa Rosa ledomanski@gmail.com Introdução Ler no contexto mundial globalizado

Leia mais

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS

A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS A LINGUAGEM ESCRITA COMO UMA DAS MÚLTIPLAS LINGUAGENS DA CRIANÇA Professor(a), no tema anterior, A criança de seis anos no ensino fundamental, falamos sobre quem são e como são essas crianças que ingressam

Leia mais

Orientação Profissional e de Carreira

Orientação Profissional e de Carreira Orientação Profissional e de Carreira Um processo para a vida toda Powered by: S U A C ARREIRA N A D IRE Ç Ã O CER T A Sponsored by: INTRODUÇÃO 25 anos de experiência 4.000 jovens contratados por ano Quem

Leia mais

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul

Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul Agrupamento de Escolas de S. Pedro do Sul 161780 Escola-sede: Escola Secundária de São Pedro do Sul INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA 2.º CICLO DO ENSINO BÁSICO ANO LETIVO: 2014/2015 1 ª /

Leia mais

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES

LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ZERO Instruções REDAÇÃO Você deve desenvolver seu texto em um dos gêneros apresentados nas propostas de redação. O tema é único para as três propostas. O texto deve ser redigido em prosa. A fuga do tema

Leia mais

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. - Lêr com ritmo, fluência e entonação os gêneros estudados em sala apreendendo suas principais ideias;

CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO. - Lêr com ritmo, fluência e entonação os gêneros estudados em sala apreendendo suas principais ideias; PLANO DE LÍNGUA PORTUGUESA ELABORAÇÃO: JOSIANE DE LIMA GÊNERO: Receita PERÍDO APROXIMADAMENTE: 5º Ano CONTEÚDOS OBJETIVOS CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO - Ritmo, fluência e entonação na leitura; - Apreensão das

Leia mais

O lugar da oralidade na escola

O lugar da oralidade na escola O lugar da oralidade na escola Disciplina: Língua Portuguesa Fund. I Selecionador: Denise Guilherme Viotto Categoria: Professor O lugar da oralidade na escola Atividades com a linguagem oral parecem estar

Leia mais

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA

PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PLANO DE AÇÃO OFICINA DE SENSIBILIZAÇÃO DOS PROFESSORES SOBRE O CONCURSO TEMPOS DE ESCOLA PROPOSTA DE AÇÃO Sensibilizar os professores sobre a importância de incentivar seus alunos a participarem do Concurso

Leia mais

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia

REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia REUNIÃO DE PAIS INGLÊS 1º, 2º, 3º anos Teachers: Bianca e Ligia ASSESSORIA TARGET IDIOMAS Especialização em línguas estrangeiras Referências: construtivismo e aprendizado de idiomas em contextos multilíngues

Leia mais

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET

CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 1 CADERNO DE ORIENTAÇÃO DIDÁTICA PARA INFORMÁTICA EDUCATIVA: PRODUÇÃO COLABORATIVA VIA INTERNET 04/2007 Mílada Tonarelli Gonçalves CENPEC - Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária

Leia mais

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR

LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR LEITURA E ESCRITA: O LÚDICO NO ESPAÇO ESCOLAR Katia Maria de Oliveira CUSTODIO, Ketulem Cristina Vieira ARANTES, Ducéria TARTUCI, Maria Marta Lopes FLORES. Ângela Aparecida DIAS Departamento de Educação,UFG

Leia mais

MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ ESTADO DE SÃO PAULO DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS

MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ ESTADO DE SÃO PAULO DECISÃO DOS RECURSOS I DOS RECURSOS MUNICÍPIO DA ESTÂNCIA TURÍSTICA DE AVARÉ ESTADO DE SÃO PAULO DECISÃO DOS RECURSOS (INFRARRELACIONADOS) I DOS RECURSOS Trata-se de recursos interpostos pelos candidatos infrarrelacionados concorrentes ao

Leia mais

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS

FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS ESCOLA DE EDUCAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DE ASSIS PROJETO NIVELAMENTO Assis-SP 2014 1 INTRODUÇÃO Unidade na

Leia mais

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina.

PROVA ESCRITA. As informações sobre a prova apresentadas neste documento não dispensam a consulta da legislação referida e do Programa da disciplina. INFORMAÇÃO PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA ESPANHOL (LE II) Abril de 2015 Prova 15 2015 3.º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) Tipo de Prova: Escrita e Oral Duração: 90

Leia mais

Melhores Redações do ENEM Como fazer

Melhores Redações do ENEM Como fazer Melhores Redações do ENEM Como fazer Como fazer redação para o ENEM 2014 Você vai se inscrever no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM)? Uma das dores de cabeça ou pesadelos dos alunos é a redação do ENEM

Leia mais

TEMPLATE PARA CASO ESTILO EXEMPLO

TEMPLATE PARA CASO ESTILO EXEMPLO TEMPLATE PARA CASO ESTILO EXEMPLO (INSERIR LOGO DA EMPRESA) TÍTULO: Subtítulo Preparado por Insira seu nome aqui, da ESPM-insira aqui a sua unidade SP, RJ ou RS. Recomendado para as disciplinas de: escreva

Leia mais

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar

Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA Modelo matemático prevê gols no futebol Moacyr Scliar PROFESSOR: EQUIPE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 5 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ========================================================================== Texto 1 O FUTEBOL E A MATEMÁTICA

Leia mais

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça.

coleção Conversas #22 - maio 2015 - Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. coleção Conversas #22 - maio 2015 - assistente social. agora? Sou E Respostas perguntas para algumas que podem estar passando pela sua cabeça. A Coleção CONVERSAS da Editora AfroReggae nasceu com o desejo

Leia mais

5 Passos para vender mais com o Instagram

5 Passos para vender mais com o Instagram 5 Passos para vender mais com o Instagram Guia para iniciantes melhorarem suas estratégias ÍNDICE 1. Introdução 2. O Comportamento das pessoas na internet 3. Passo 1: Tenha um objetivo 4. Passo 2: Defina

Leia mais

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele.

2. APRESENTAÇÃO. Mas, tem um detalhe muito importante: O Zé só dorme se escutar uma história. Alguém deverá contar ou ler uma história para ele. 1.INTRODUÇÃO A leitura consiste em uma atividade social de construção e atribuição de sentidos. Assim definida, as propostas de leitura devem priorizar a busca por modos significativos de o aluno relacionar-se

Leia mais

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho

COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL. Emanuel Carvalho COMO ESCREVER UM LIVRO INFANTIL Emanuel Carvalho 2 Prefácio * Edivan Silva Recebi o convite para prefaciar uma obra singular, cujo título despertou e muita minha atenção: Como escrever um livro infantil,

Leia mais

Unidade 3 Como escrever uma carta

Unidade 3 Como escrever uma carta UNIDADE 3 Inicialmente, é preciso destacar dois tipos básicos de carta. O primeiro é a correspondência oficial e comercial, que nos é enviada pelos poderes políticos ou por empresas privadas (comunicações

Leia mais

01 UNINORTE ENADE. Faça também por você.

01 UNINORTE ENADE. Faça também por você. 01 UNINORTE ENADE Faça também por você. 02 ENADE UNINORTE Confira algumas questões e seus significados 03 UNINORTE ENADE O curso propiciou experiências de aprendizagem inovadora? Apesar de ser confuso,

Leia mais

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA

Informação-Prova de Equivalência à Frequência COMPONENTE ESCRITA Agrupamento de Escolas do Viso Porto Prova de Equivalência à Frequência Espanhol (LE II) Prova 15 3º- Ciclo do Ensino Básico Informação-Prova de Equivalência à Frequência Tipo de Prova: Escrita e Oral

Leia mais

358 INGLÊS (continuação-12.ºano) escrita e oral 12.ºano de escolaridade

358 INGLÊS (continuação-12.ºano) escrita e oral 12.ºano de escolaridade informação-prova de equivalência à frequência data: 18. 05. 2016 358 INGLÊS (continuação-12.ºano) escrita e oral 12.ºano de escolaridade curs os c ien t íf ico -h um an ísticos formação específica 2016

Leia mais

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA

TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA TÍTULO: REFLEXÕES SOBRE A POESIA E A FUGA AO DIDATISMO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS SUBÁREA: PEDAGOGIA INSTITUIÇÃO: UNIÃO DAS FACULDADES DOS GRANDES LAGOS AUTOR(ES): STELA FERNANDES

Leia mais

PLANO DE AÇÃO. Módulo B Liderança e Gestão de Pessoas

PLANO DE AÇÃO. Módulo B Liderança e Gestão de Pessoas PLANO DE AÇÃO Módulo B Liderança e Gestão de Pessoas PLANO DE AÇÃO LIDERANÇA E GESTÃO DE PESSOAS Banco do Brasil INEPAD Prezados alunos, Nesta etapa, ao receber de volta do Diagnóstico de sua agência você

Leia mais

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1

Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Uma narrativa, uma história e um imaginário. Fernanda Cielo* 1 Meu nome é Maria Bonita, sou mulher de Vírgulino Ferreira- vulgo Lampiãofaço parte do bando de cangaceiros liderados por meu companheiro.

Leia mais

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce

Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Memória literária de um lugar chamado Riacho Doce Resgatando a memória do lugar e sua importância para a recuperação da interação entre jovens e idosos Rosilene Silva de Oliveira 1. Justificativa Os atores

Leia mais

Informação Prova de Equivalência à Frequência

Informação Prova de Equivalência à Frequência Informação Prova de Equivalência à Frequência Inglês Prova 06 2016 2º Ciclo do Ensino Básico (Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho) O presente documento divulga informação relativa à prova de equivalência

Leia mais

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos.

Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Alfabetizar e promover o ensino da linguagem oral e escrita por meio de textos. Daiane Pacheco-USC pedagogia - daiaspacheco@gmail.com; Carla Viviana-USC pedagogia- vivianamaximino@hotmail.com; Kelly Rios-USC

Leia mais