Módulo: Câncer de Rim Metastático

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Módulo: Câncer de Rim Metastático"

Transcrição

1

2

3 Módulo: Câncer de Rim Metastático

4 Caso 1

5 RKG, 54 anos, masculino Assintomático Hipertensão arterial e Diabetes controlados Lesão observada em USG de rotina Nov/2009: RM de abdômen a seguir...

6 RKG, 54 anos, masculino

7 Conduta?

8 RKG, 54 anos, masculino 1) Ressecção cirúrgica 2) Tratamento neoadjuvante para obter melhor condição de ressecabilidade 3) Radioterapia paliativa

9 RKG, 54 anos, masculino 1) Ressecção cirúrgica 2) Tratamento neoadjuvante para obter melhor condição de ressecabilidade 3) Radioterapia paliativa

10 Você acha necessário biopsiar a lesão antes do início do tratamento neoadjuvante?

11 RKG, 55 anos, masculino 1) Não 2) Sim

12 RKG, 55 anos, masculino 1) Não 2) Sim - Biópsia guiada por TC: Carcinoma de células claras Grau IV com componente sarcomatóide

13 RKG, 55 anos, masculino

14 RKG, 55 anos, masculino Dezembro/2010 a Junho/2011: Sunitinibe 50mg/d por 4 semanas com descanso de 2 semanas com redução de dose no ciclo #3 em 25% Tolerância moderada Mucosite grau II Síndrome mão-pé grau II Fadiga grau III Imagens demonstraram redução da lesão primária em 30%, do figado em 30% e dos linfonodos em 50%

15 RKG, 57 anos, masculino Julho/2011: realizou nefrectomia direita aberta + Hepatectomia Dir. AP: carcinoma de células renais tipo células claras, grau nuclear IV com diferenciação sarcomatóide, medindo 5 cm e com extensão além da cápsula renal. Fígado + (invasão direta). Margens cirúrgicas negativas. Linfonodos do hilo renal e retroperitoneais com sinais de regressão tumoral. Ressecção R0. EC pt4n1

16 Conduta?

17 RKG, 57 anos, masculino 1) Observação 2) Tratamento pós-operatório com Sunitinibe 3) Tratamento pós-operatório com IFN + Bevacizumabe 4) Tratamento pós-operatório com IL-2 em altas doses 5) Tratamento pós-operatório com Pazopanibe

18 RKG, 57 anos, masculino 1) Observação 2) Tratamento pós-operatório com Sunitinibe 3) Tratamento pós-operatório com IFN + Bevacizumabe 4) Tratamento pós-operatório com IL-2 em altas doses 5) Tratamento pós-operatório com Pazopanibe

19 RKG, 57 anos, masculino Paciente está sendo observado sem evidência de recidiva até o momento

20 Caso 2

21 AFR, 58 anos, masculino Comorbidades: ICC grau II e HAS Lesão renal visualizada em USG de rotina Maio/2005: Nefrectomia radical: Carcinoma de células renais do tipo células claras grau nuclear III medindo 9,5cm Presença de invasão linfo-vascular Cápsula e gordura peri-renal: ausência de neoplasia Vasos do hilo renal: ausência de neoplasia Linfonodos do hilo renal: ausência de neoplasia

22 AFR, 60 anos, masculino Permaneceu em seguimento Junho/2007: Raio-X de tórax: nódulo pulmonar D Agosto/2007 TC Tórax a seguir:

23 AFR, 60 anos, masculino

24 AFR, 60 anos, masculino Biópsia pulmonar guiada por TC: compatível com carcinoma renal do tipo células claras

25 Conduta?

26 AFR, 60 anos, masculino 1) Observação 2) Ressecção de metástases pulmonares 3) Imunoterapia 4) Terapia anti-angiogênica 5) Re-estadiamento com RNM A/P e crânio + cintilografia óssea

27 AFR, 60 anos, masculino 1) Observação 2) Ressecção de metástases pulmonares 3) Imunoterapia 4) Terapia anti-angiogênica 5) Re-estadiamento com RNM A/P e crânio + cintilografia óssea

28 AFR, 60 anos, masculino Exames de re-estadiamento: sem evidência de outros sítios metastáticos

29 Conduta?

30 AFR, 60 anos, masculino 1) Observação 2) Ressecção de nódulos pulmonares 3) Imunoterapia 4) Terapia anti-angiogênica

31 AFR, 60 anos, masculino 1) Observação 2) Ressecção de nódulos pulmonares 3) Imunoterapia 4) Terapia anti-angiogênica

32 AFR, 60 anos, masculino 26/08/08: Segmentectomia pulmonar bilateral + dissecção linfonodal. AP: carcinoma de células claras em três nódulos pulmonares e em um único linfonodo mediastinal

33 Conduta?

34 AFR, 60 anos, masculino 1) Observação 2) Tratamento com Sunitinibe 3) Tratamento com IFN + Bevacizumabe 4) Tratamento com IL-2 em altas doses 5) Tratamento com Pazopanibe

35 AFR, 60 anos, masculino 1) Observação 2) Tratamento com Sunitinibe 3) Tratamento com IFN + Bevacizumabe 4) Tratamento com IL-2 em altas doses 5) Tratamento com Pazopanibe

36 AFR, 63 anos, masculino Optado por observação, permaneceu assintomático e exames de acompanhamento normais Dezembro/2010: dor em HCD TC T/A/P: múltiplas metástases hepáticas e pulmonares

37 AFR, 63 anos, masculino

38 AFR, 63 anos, masculino

39 AFR, 63 anos, masculino

40 AFR, 63 anos, masculino

41 AFR, 63 anos, masculino Comorbidades: ICC grau II e HAS Fatores de risco (MSKCC criteria) Hb = 14,8 g/dl DHL = 215 U/L Ca 2+ = 6,5 mg/dl Tempo entre nefrectomia e tratamento sistêmico > 1 ano KPS = 80% Paciente de prognóstico favorável

42 Conduta?

43 AFR, 63 anos, masculino 1) Observação 2) Tratamento com Pazopanibe 3) Tratamento com IFN + Bevacizumabe 4) Tratamento com IL-2 em altas doses 5) Tratamento com Sunitinibe 6) Tratamento com Temsirolimus

44 AFR, 63 anos, masculino 1) Observação 2) Tratamento com Pazopanibe 3) Tratamento com IFN + Bevacizumabe 4) Tratamento com IL-2 em altas doses 5) Tratamento com Sunitinibe 6) Tratamento com Temsirolimus

45 AFR, 63 anos, masculino Dezembro/2010: Iniciado Pazopanibe 800mg/d Ótima tolerância Realizado TC T/A/P após 3 meses de tratamento com resposta parcial por RECIST

46 AFR, 63 anos, masculino Fevereiro/2012: Ótima tolerância Mantém-se em resposta

47 Qual seria sua conduta quando houver progressão?

48 AFR, 63 anos, masculino 1) Sunitinibe 2) Sorafenibe 3) Everolimus 4) Axitinibe 5) IL-2 em altas doses

49 AFR, 63 anos, masculino 1) Sunitinibe 2) Sorafenibe 3) Everolimus 4) Axitinibe 5) IL-2 em altas doses

50 Caso 3

51 Paciente hipertenso e dislipidêmico Dor lombar a D JCS, 65 anos, masculino TC T/A/P: volumosa massa renal a D medindo 9.0cm com suspeita de invasão de veia renal e linfadenomegalia retroperitoneal de até 2.5cm Cintilografia óssea: normal Janeiro/2011: Nefrectomia radical D por carcinoma de células claras pt3pn1pm1 (retroperitoneal)

52 JCS, 65 anos, masculino Outubro/2011: Dor torácica (arcos costais) PET/CT: linfadenomegalias mediastinais de SUV 1,5-10,3 e múltiplas lesões líticas ósseas incluindo arcos costais e coluna vertebral

53 JCS, 65 anos, masculino Fatores de risco (MSKCC criteria) Hb = 9,8 g/dl DHL = 540 U/L (normal até 460 U/L) Ca 2+ = 9,5 mg/dl (normal até 8,5 mg/dl) Tempo entre nefrectomia e tratamento sistêmico < 1 ano KPS = 70% Paciente de prognóstico desfavorável

54 JCS, 65 anos, masculino

55 JCS, 65 anos, masculino

56 JCS, 65 anos, masculino

57 JCS, 65 anos, masculino

58 Conduta?

59 JCS, 65 anos, masculino 1) Pazopanibe 2) Sunitinibe 3) Temsirolimus 4) Everolimus 5) IL-2 em altas doses

60 JCS, 65 anos, masculino 1) Pazopanibe 2) Sunitinibe 3) Temsirolimus 4) Everolimus 5) IL-2 em altas doses

61 JCS, 65 anos, masculino Outubro/2011: Iniciou Temsirolimus 25mg IV semanal Tolerância: efeitos colaterais moderados Aumento de transaminase grau II e pneumonite leve Doença estável por 4 meses seguido de progressão óssea

62 Conduta?

63 JCS, 65 anos, masculino 1) Pazopanibe 2) Sunitinibe 3) Sorafenibe 4) Everolimus 5) IL-2 em altas doses

64 JCS, 65 anos, masculino 1) Pazopanibe 2) Sunitinibe 3) Sorafenibe 4) Everolimus 5) IL-2 em altas doses

65 Caso 4

66 MM, 68 anos, feminina Antecedentes de hipertensão arterial e diabetes Maio/1998: Nefrectomia radical D: Carcinoma papilífero com invasão até a cápsula renal. Invasão linfo-vascular presente. Margens negativas. Linfonodos: 0 de 4 acometidos Julho/2007: 2 nódulos pulmonares ressecados: metástases de carcinoma papilífero renal

67

68 MM, 68 anos, feminina Jan/2009: Tosse persistente TC de tórax: Linfonodomegalia mediastinal

69 MM, 68 anos, feminina Fevereiro a Junho/2009: IFN 6 milhões 3x/semana TC de tórax: Progressão da doença

70 Qual o tratamento de escolha no carcinoma papilífero após falha a imunoterapia?

71 MM, 68 anos, feminina 1) IL-2 em altas doses 2) Sorafenibe 3) Sunitinibe 4) Temsirolimus 5) IFN + Bevacizumabe 6) Quimioterapia com 5-FU

72 MM, 68 anos, feminina 1) IL-2 em altas doses 2) Sorafenibe 3) Sunitinibe 4) Temsirolimus 5) IFN + Bevacizumabe 6) Quimioterapia com 5-FU

73 MM, 68 anos, feminina Paciente mantém temsirolimus 25 mg semanal com boa tolerância TC tórax: doença estável

74 Caso 5

75 AJW, 38 anos, feminina Paciente sem comorbidades e sem antecedentes familiares relevantes Abril/2009: dor lombar Maio/2009: RNM coluna: fratura compressão patológica de L1 + lesões secundárias em L1-L2 + formação expansiva renal com invasão de veia renal E + linfadenomegalia hilar e peri-aórtica

76 Maio/2009: Nefrectomia radical E realizada em outro serviço: Carcinoma indiferenciando de células renais não classificável de pólo superior de 7,5 x 7,0 x 6,5 cm comprometendo seio e a gordura peri-renal Presença de trombo neoplásico ocluindo a veia renal Linfonodo em pedículo renal e hilo renal comprometido pt4 pn2 AJW, 38 anos, feminina

77 AJW, 38 anos, feminina Iniciado tratamento com Sunitinibe: ausência de resposta e rápida progressão, com evolução para quadro de compressão medular (força muscular GIII em MMII), além de aparecimento de nódulos hepáticos, pulmonares e recidiva local em loja renal E Julho/2009: Realizada laminectomia + fixação de coluna lombar

78 AJW, 38 anos, feminina

79 AJW, 38 anos, feminina

80 AJW, 38 anos, feminina

81 AJW, 38 anos, feminina

82 Conduta?

83 AJW, 38 anos, feminina 1) IL-2 em altas doses 2) Sorafenibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) Everolimus 5) Revisão de lâmina

84 AJW, 38 anos, feminina 1) IL-2 em altas doses 2) Sorafenibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) Everolimus 5) Revisão de lâmina

85 AJW, 38 anos, feminina Revisão de lâmina: Conclusão: carcinoma de ductos coletores (ductos de Bellini)

86

87 Conduta?

88 AJW, 38 anos, feminina 1) IFN 2) Sorafenibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) Everolimus 5) Gencitabina + Cisplatina 6) IL-2 em altas doses

89 AJW, 38 anos, feminina 1) IFN 2) Sorafenibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) Everolimus 5) Gencitabina + Cisplatina 6) IL-2 em altas doses

90 AJW, 38 anos, feminina Julho/2009: Iniciado tratamento com Gencitabina 1000 mg/m2 D1 e D8 + Cisplatina 70 mg/m2 D1 Novembro/2009: Resposta parcial em nódulos hepáticos. Suspenso cisplatina após ciclo #7 devido a má tolerância e sintomas auditivos Abril/2010: Já realizou 13 ciclos de quimioterapia. Ótima tolerância ao tratamento, retornou a suas atividades normais. TCs T/A/P sem alterações.

91 AJW, 40 anos, feminina Novembro/2010: Perda de peso e apetite Dores em HCD TC tórax: extensa progressão pulmonar

92 Conduta?

93 AJW, 40 anos, feminina 1) Pazopanibe 2) Sorafenibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) Everolimus 5) Paclitaxel

94 AJW, 40 anos, feminina 1) Pazopanibe 2) Sorafenibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) Everolimus 5) Paclitaxel

95 AJW, 40 anos, feminina Novembro/2010: Paciente iniciou paclitaxel 175mg/m 2 IV a cada 3 semanas x 3 ciclos Ausência de resposta Faleceu em Fevereiro de 2011

96 Caso 6

97 Assintomático HR, 45 anos, masculino Hipertensão arterial e diabetes controlados Lesão observada em USG de rotina Nov/2002: TC abdômen mostrava lesão expansiva renal esquerda medindo 8,0 x 9,0 cm associada a linfonodomegalias peri-renais com até 2,0 x 1,5 cm.

98 HR, 45 anos, masculino Dezembro/2002: realizou nefrectomia esquerda aberta: carcinoma de células renais tipo células claras, grau nuclear III, medindo 11 cm e com extensão até a cápsula renal. Linfonodos do hilo renal avaliados estavam livres.

99 HR, 45 anos, masculino Cortesia: Dra Cristina Mitteldorf e Dra Kátia Ramos Moreira Leite

100 HR, 45 anos, masculino 2003: Dores lombares TC de abdômen: LNM para-aórticas de até 4,5 x 2,5cm e lesão heterogênea de 7,0 x 4,0 cm em loja renal esquerda. Realizou biópsia de linfonodo, cujo resultado confirmou tratar-se de carcinoma de células claras metastático. Realizado RNM de SNC: normal Paciente ECOG = 1

101 Há algum exame que pode auxiliar na escolha terapêutica?

102 HR, 45 anos, masculino 1) Não 2) Sim

103 1) Não 2) Sim HR, 45 anos, masculino

104 Conduta?

105 HR, 45 anos, masculino 1) IFN SC 3x/semana 2) Sunitinibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) IL-2 em altas doses 5) Sorafenibe 6) Temsirolimus 7) Ressecção cirúrgica

106 HR, 45 anos, masculino 1) IFN SC 3x/semana 2) Sunitinibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) IL-2 em altas doses 5) Sorafenibe 6) Temsirolimus 7) Ressecção cirúrgica

107 HR, 45 anos, masculino Optado por tratamento com Interleucina-2 em doses altas ( U/kg 8/8h iv. até 14 doses) Realizou 1 ciclo de tratamento em fevereiro de 2004, com boa tolerância e resolução das dores lombares. Tomografia de avaliação: resposta completa em LNM, mantendo-se a massa em loja renal.

108 Conduta?

109 HR, 45 anos, masculino 1) Parar tratamento 2) Troca para Sunitinibe 3) Troca para IFN + Bevacizumabe 4) Seguir IL-2 por mais 2 ciclos 5) Troca para Sorafenibe 6) Troca para Everolimus 7) Ressecção cirúrgica

110 HR, 45 anos, masculino 1) Parar tratamento 2) Troca para Sunitinibe 3) Troca para IFN + Bevacizumabe 4) Seguir IL-2 por mais 2 ciclos 5) Troca para Sorafenibe 6) Troca para Everolimus 7) Ressecção cirúrgica

111 HR, 45 anos, masculino Realizou mais 2 ciclos de tratamento (administrados entre abril e julho de 2004), com boa tolerância Resultado tomográfico, após o término do terceiro ciclo, de resposta radiológica completa de todas as lesões

112 HR, 45 anos, masculino

113 HR, 52 anos, masculino 2010: Em seguimento, sem evidência de doença Caso este paciente apresente recidiva da doença, qual o tratamento padrão que deve ser proposto?

114 HR, 52 anos, masculino 1) IFN SC 3x/semana 2) Sunitinibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) Pazopanibe 5) Sorafenibe 6) Temsirolimus

115 HR, 52 anos, masculino 1) IFN SC 3x/semana 2) Sunitinibe 3) IFN + Bevacizumabe 4) Pazopanibe 5) Sorafenibe 6) Temsirolimus

116 Fim

Módulo: Câncer de Colo de Útero

Módulo: Câncer de Colo de Útero Módulo: Câncer de Colo de Útero Caso 1 TR, 32 anos, médica, sem comorbidades Paciente casada sem filhos Abril/13 Citologia Útero- Negativo para células neoplásicas Abril/14 - Citologia uterina- Lesão alto

Leia mais

Discussão de Casos - Mutações ALK. Eduardo Cronemberger Oncologia clínica/ Pesquisa clínica PRONUTRIR e CRIO GBOT/LACOG Fortaleza-Ceará

Discussão de Casos - Mutações ALK. Eduardo Cronemberger Oncologia clínica/ Pesquisa clínica PRONUTRIR e CRIO GBOT/LACOG Fortaleza-Ceará Discussão de Casos - Mutações ALK Eduardo Cronemberger Oncologia clínica/ Pesquisa clínica PRONUTRIR e CRIO GBOT/LACOG Fortaleza-Ceará Conflito de interesses Não há conflito de interesses relacionado a

Leia mais

CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS DESAFIO TERAPÊUTICO

CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS DESAFIO TERAPÊUTICO CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS DESAFIO TERAPÊUTICO Curso de RIM 20 de Setembro de 2014 Gabriela Sousa Identificação Doente Data nascimento: 1949(58 anos à data do diagnóstico) Casada,aviverapenascomomarido

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Localizado

Módulo: Câncer de Rim Localizado Módulo: Câncer de Rim Localizado Caso 1 CAL, 56 anos, masculino Paciente médico, obeso (IMC = 41; peso 120 kg) Antecedentes clínicos: nefrolitíase Antecedentes cirúrgicos: Laparotomia mediana por divertículo

Leia mais

Módulo: Câncer de Próstata Localizado de Risco Baixo e Intermediário

Módulo: Câncer de Próstata Localizado de Risco Baixo e Intermediário Módulo: Câncer de Próstata Localizado de Risco Baixo e Intermediário Caso 1 AAC, 68 anos, masculino Hipertenso, corrida 3x/semana, TR: nódulo não pétreo em base E (volume próstatico 30 cc) 22/10/09: PSA

Leia mais

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Bruno Pinto Ribeiro Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Mais de 99% câncer de tireóide tópico Locais ectópicos struma ovarii, pescoço Objetivo

Leia mais

Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT

Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT Indicações e passo-a-passo para realização de SBRT Heloisa de Andrade Carvalho heloisa.carvalho@hc.fm.usp.br heloisa.carvalho@hsl.org.br SBRT O que é? Porquê? Para quê? Passo-a-passo SBRT O que é? Stereotactic

Leia mais

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS Tiago Saldanha José Durães Serviço de Radiologia HEM - CHLO Curso de carcinoma de células renais Lisboa 2015 PAPEL DOS MÉTODOS DE IMAGEM Diagnóstico Estadiamento

Leia mais

IMUNO-ONCOLOGIA: CASO CLÍNICO EM CÂNCER DE PULMÃO

IMUNO-ONCOLOGIA: CASO CLÍNICO EM CÂNCER DE PULMÃO IMUNO-ONCOLOGIA: CASO CLÍNICO EM CÂNCER DE PULMÃO Apresentação: Lucianno Santos Oncologista Clínico Coordenador Médico Grupo Acreditar/Oncologia D or DECLARAÇÃO DE CONFLITOS DE INTERESSE honorários recebidos

Leia mais

WDS, masculino, 57 anos

WDS, masculino, 57 anos Módulo: Câncer de Pulmão Não-Pequenas Células Metastático Caso 1 WDS, masculino, 57 anos FEV/2010: Dor lombar e em quadril E; ausência de tosse com hemoptise; sem sintomas neurológicos Cintilografia óssea:

Leia mais

Carcinoma de células renais (CCR) Diogo Assed Bastos André Poisl Fay Carlos Dzik

Carcinoma de células renais (CCR) Diogo Assed Bastos André Poisl Fay Carlos Dzik Câncer de Rim Carcinoma de células renais (CCR) Diogo Assed Bastos André Poisl Fay Carlos Dzik Daniel Herchenhorn Vinícius Carrera Souza Observação As diretrizes seguem níveis pré-definidos de evidência

Leia mais

Caso clínico. Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar. parestesias diminuição da força muscular. astenia anorexia emagrecimento

Caso clínico. Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar. parestesias diminuição da força muscular. astenia anorexia emagrecimento Caso clínico Homem, 50 anos, desempregado, casado, sem filhos, Gondomar Setembro 2002 dor dorso-lombar esquerda parestesias diminuição da força muscular astenia anorexia emagrecimento tumefacção braço

Leia mais

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr

Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Discussão de Casos Clínicos Doença Localizada e Localmente Avançada Riad N. Younes William N. William Jr Caso 1 Paciente fumante crônico, 61 anos, bom estado geral. Diagnosticado tumor de LSD de 3,7 cm,

Leia mais

Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID

Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID Módulo: Câncer de Pulmão de Pequenas Células Caso 1 MRC, femin, 70 anos Junho/2011: durante investigação de quadro gripal observado nodulo em LID CT de Torax: nodulo 28 2,8 x 1,9 19 cm junto à pleura base

Leia mais

É um nódulo pulmonar?

É um nódulo pulmonar? Avaliação dos Pequenos Nódulos Pulmonares Alexandre Dias Mançano Radiologia Anchieta Hospital Regional de Taguatinga DF É um nódulo pulmonar? Até 20% são imagens que mimetizam nódulos ao RX Fratura de

Leia mais

Módulo: Câncer de Bexiga Localizado

Módulo: Câncer de Bexiga Localizado Módulo: Câncer de Bexiga Localizado Caso 1 RS, 67 anos, masculino, tabagista Jan/2012: Hematúria e disúria. Sem outras queixas Paciente sem comorbidades Função renal normal Março/2012: Cistoscopia + RTU:

Leia mais

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016

Características endoscópicas dos tumores neuroendócrinos retais podem prever metástases linfonodais? - julho 2016 A incidência de tumores neuroendócrinos (TNE) retais tem aumentado ao longo dos últimos 35 anos. A maioria dos TNEs retais são diagnosticados por acaso, provavelmente devido ao aumento do número de sigmoidoscopias

Leia mais

A.S.O D.N DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS

A.S.O D.N DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS A.S.O D.N. 06-01-1954 DEZ 2006 RASTREIO DE DOENÇAS PROSTÁTICAS 52 anos IPSS 1 /QoL 2 Diminuição do volume do ejaculado AP irrelevantes / Medicação 0 / Alergias -0 AF 0 TR próstata pequena 30 cc nódulo

Leia mais

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO]

[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] 2011 IMPOL Instrumentais e Implantes Samuel de Castro Bonfim Brito [ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] Casos apresentados neste estudo foram operados e pertencem à Fundação Pio XII Hospital do Câncer de

Leia mais

Difusão por Ressonância Magnética

Difusão por Ressonância Magnética Difusão por Ressonância Magnética A difusão é definida basicamente como o movimento aleatório pelo qual as moléculas de um soluto migram em direção a um gradiente mais baixo de concentração da solução.

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA

RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA RADIOTERAPIA ESTEREOTÁXICA CORPÓREA Bases da Radioterapia Tipos de Radioterapia Efeitos Colaterais Enf. Alexandre Barros Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein - SP Paciente :

Leia mais

Tumores do Mediastino

Tumores do Mediastino Anatomia do Mediastino Anatomia do Mediastino Anatomia do Mediastino Anatomia do Mediastino Classificação dos tumores mediastinais Tumores Neurogênicos Timomas Linfomas Tumor de Cels. Germinativas Carcinomas

Leia mais

Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal

Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal Radioterapia baseada em evidência no tratamento adjuvante do Câncer de Endométrio: RT externa e/ou braquiterapia de fundo vaginal Paulo Eduardo Novaes, MD, PhD Departamento de Radioterapia Hospital AC

Leia mais

Valéria Mika Massunaga Enfermeira do setor da Radioterapia do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein

Valéria Mika Massunaga Enfermeira do setor da Radioterapia do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein Câncer de pulmão Valéria Mika Massunaga Enfermeira do setor da Radioterapia do Centro de Oncologia e Hematologia do Hospital Israelita Albert Einstein QUIMIOTERAPIA Introdução O câncer de pulmão é um dos

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS Leonardo Oliveira Moura Dissecção da Aorta Emergência aórtica mais comum Pode ser aguda ou crônica, quando os sintomas duram mais que 2 semanas Cerca de 75%

Leia mais

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico

ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Serviço de Radioterapia Directora de Serviço: Dra. Gabriela Pinto ADENOMA PLEOMÓRFICO: DESAFIOS DO TRATAMENTO A Propósito de Um Caso Clínico Rita da Costa Lago / Darlene Rodrigues / Joana Pinheiro / Lurdes

Leia mais

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC)

Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC) Imagem da Semana: Tomografia Computadorizada (TC) Imagem 01. Tomografia computadorizada de abdome Criança de 3 anos e 8 meses com dor abdominal há 2 semanas e massa abdominal, sem outros sinais e sintomas.

Leia mais

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB Leonardo S. Carvalho OBJETIVOS Avaliar a capacidade da MDCT com MPRs, para a predição da ressecabilidade do adenocarcinoma pancreatico MATERIAL E MÉTODO Trabalho retrospectivo

Leia mais

BENEFÍCIO CLÍNICO DA TERAPÊUTICA MÉDICA NO CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS METASTIZADO - A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO -

BENEFÍCIO CLÍNICO DA TERAPÊUTICA MÉDICA NO CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS METASTIZADO - A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO - BENEFÍCIO CLÍNICO DA TERAPÊUTICA MÉDICA NO CARCINOMA DE CÉLULAS RENAIS METASTIZADO - A PROPÓSITO DE UM CASO CLÍNICO - Mónica Mariano Serviço de Oncologia Médica do IPO de Coimbra FG, E.P.E. Directora de

Leia mais

XVI Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen.

XVI Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. XVI Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO 1 Paciente: M. G. A., 38 anos, sexo feminino. Queixa: Infecção do trato urinário de repetição. Realizou ultrassonografia

Leia mais

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Especializanda: Renata

Leia mais

Atividade dos Inibidores de Checkpoints Imunológicos nas Metástases Cerebrais

Atividade dos Inibidores de Checkpoints Imunológicos nas Metástases Cerebrais II Simpósio Internacional de Imuno-Oncologia Atividade dos Inibidores de Checkpoints Imunológicos nas Metástases Cerebrais Carolina Kawamura Haddad Oncologista Clínica Declaração de conflitos de interesse

Leia mais

Câncer de Rim. Diagnóstico Escore Biópsia percutânea. João Manzano Prof. Afiliado de Urologia Escola Paulista de Medicina UNIFESP

Câncer de Rim. Diagnóstico Escore Biópsia percutânea. João Manzano Prof. Afiliado de Urologia Escola Paulista de Medicina UNIFESP Câncer de Rim Diagnóstico Escore Biópsia percutânea João Manzano Prof. Afiliado de Urologia Escola Paulista de Medicina UNIFESP 2016 Mortalidade Epidemiologia 2-3 % dos Tumores (Menos frequente no Oriente)

Leia mais

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2 Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica Dr. Murilo Rodrigues R2 Quadro clínico - JCC, sexo masculino. - Vítima de acidente automobilístico - Dor Abdominal Estudo tomográfico: Achados Tomográficos:

Leia mais

MARCO AURELIO VAMONDES KULCSAR CHEFE DE CLINICA ICESP

MARCO AURELIO VAMONDES KULCSAR CHEFE DE CLINICA ICESP Controvérsias no Tratamento de Câncer de Cabeça e Pescoço Localmente Avançado Devemos considerar o PET/CT como uma ferramenta diagnóstica para guiar a dissecção de linfonodo depois da radiação apenas ou

Leia mais

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo

Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital S ão São José São Paulo Câncer de Pulmão Casos Clínicos Riad Younes Hospital São José São SoPaulo uo Caso 1 Paciente com 70 anos, fumante crônico 20 cig/d/42 anos,,p parou há 11 anos, tosse há 3 meses Rx de tórax: massa em LIE

Leia mais

Curso Carcinoma Células Renais Coimbra Setembro 2013

Curso Carcinoma Células Renais Coimbra Setembro 2013 Tumores de Células Renais Tiago Saldanha José Durães Serviço de Radiologia HEM - CHLO Curso Carcinoma Células Renais Coimbra Setembro 2013 Tumores de Células Renais Tríade Clássica: Dor Hematúria Massa

Leia mais

Hospital de São João, E.P.E. Grupo Oncológico Hepato-Bilio-Pancreático INDICAÇÕES: Carcinoma Hepatocelular. Colangiocarcinoma

Hospital de São João, E.P.E. Grupo Oncológico Hepato-Bilio-Pancreático INDICAÇÕES: Carcinoma Hepatocelular. Colangiocarcinoma Hospital de São João, E.P.E Grupo Oncológico Hepato-Bilio-Pancreático 2008 INDICAÇÕES: Carcinoma Hepatocelular Colangiocarcinoma Carcinoma da Vesícula Biliar Carcinoma do Pâncreas Tumores Endócrinos do

Leia mais

Radioterapia no tumor de Wilms: indicações e resultados

Radioterapia no tumor de Wilms: indicações e resultados Radioterapia no tumor de Wilms: indicações e resultados Drª Paula Monteiro Amorim Residente do 3 ano de radio-oncologia Hospital Araújo Jorge Goiânia- GO Introdução 5-7% das neoplasias infantis 6-9 casos/milhão

Leia mais

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso.

Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. INSTRUÇÕES 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. 2 3 4 Caso se identifique em qualquer outro local deste Caderno,

Leia mais

Câncer de Bexiga Musculo Invasivo. Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo

Câncer de Bexiga Musculo Invasivo. Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo Câncer de Bexiga Musculo Invasivo Guilherme de Almeida Prado Costa Médico Assistente do Serviço de Urologia Hospital Amaral Carvalho Jaú/ São Paulo Epidemiologia 9º câncer mais comum no mundo Média de

Leia mais

Protocolo de Preservação de Orgão em Câncer de Cabeça e Pescoço

Protocolo de Preservação de Orgão em Câncer de Cabeça e Pescoço Protocolo de Preservação de Orgão em Câncer de Cabeça e Pescoço Residência de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Wendell Leite Tratamento utilizando radioterapia em fracionamentos não convencionais ou a

Leia mais

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno

Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update Robson Ferrigno Situações especiais Radioterapia de SNC no Câncer de Pulmão: Update 2014 Robson Ferrigno Esta apresentação não tem qualquer Esta apresentação não tem qualquer conflito de interesse Metástases Cerebrais

Leia mais

Trabalho de biologia

Trabalho de biologia câncer Trabalho de biologia neste livro darei exemplos de dois tipos de câncer, que são eles: Câncer de esôfago E Pulmão. A quais falei e seguida. Câncer de esôfago O câncer de esôfago pode ter duas linhagens,

Leia mais

SINDROME DE LI-FRAUMENI. Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center

SINDROME DE LI-FRAUMENI. Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center SINDROME DE LI-FRAUMENI Maria Isabel Waddington Achatz Diretora do Departamento de Oncogenética do A.C.Camargo Cancer Center Família Y0012 Câncer de mama bilateral Y0012T023: Feminino, 29 anos,

Leia mais

câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas?

câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas? Tratamento combinado em câncer de esôfago e estômago Quais os melhores esquemas? Dr. André Sasse Oncologista Clínico sasse@cevon.com.br Centro de Evidências em Oncologia HC UNICAMP Centro de Evidências

Leia mais

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR EM PACIENTE VIRGEM DE TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO

TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO DO CÂNCER HEPATOCELULAR EM PACIENTE VIRGEM DE TRATAMENTO QUIMIOTERÁPICO NT 13/2013 Solicitante: Ilmo Dr Alyrio Ramos Desembargador da 8ª Câm. Cível - TJMG Numeração: 1.0000.13.008425-4/000 Data: 09/02/2013 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: SORAFENIBE NO TRATAMENTO

Leia mais

XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen.

XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO CLÍNICO 1 Pcte do sexo feminino com queixa de dor abdominal difusa. Coronal Sagital Laudo Aspecto compatível

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR

Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR - 2015 Introdução: Este documento foi elaborado de acordo com o auxilio de radiologistas que atuam nas diversas áreas de estudo da tomografia e

Leia mais

10. Congresso Unimed de AUDITORIA EM SAÚDE. Curso Pré-Congresso Oncologia e MBE Bevacizumab no câncer de pulmão NPC

10. Congresso Unimed de AUDITORIA EM SAÚDE. Curso Pré-Congresso Oncologia e MBE Bevacizumab no câncer de pulmão NPC 10. Congresso Unimed de AUDITORIA EM SAÚDE Curso Pré-Congresso Oncologia e MBE Bevacizumab no câncer de pulmão NPC Declaração de Conflitos de interesse Oncologista Clínico sócio de Serviço de Oncologia

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata

Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata FACULDADE DE CIÊNCIAS MÉDICAS UNIVERSIDADE DE CAMPINAS Revisão da Anatomia e definição dos volumes de tratamento: câncer de próstata JUMARA MARTINS R3 RADIOTERAPIA/ 2013 FCM- UNICAMP Anatomia Classificação

Leia mais

aprendendo por imagem

aprendendo por imagem aprendendo por imagem Convivendo com a Incontinência Urinária Dr. Juliano Moro, Dr. Osamu Ikari Disciplina de Urologia, FCM UNICAMP Paciente de 56 anos, do sexo feminina com incontinência urinária desde

Leia mais

Médico Neurocirurgia Geral

Médico Neurocirurgia Geral Médico Neurocirurgia Geral Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Homem de 40 anos de idade procura a emergência de um hospital com dor irradiada incapacitante para o membro inferior direito após

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo Departamento de Cirurgia Disciplina de Cirurgia de Cabeça e Pescoço D I R E T R I Z E S 2 0 07 Antonio Jose Gonçalves A Disciplina de Cirurgia de

Leia mais

21ª Imagem da Semana: Cintilografia cervical e torácica com 99 mtc-sestamib

21ª Imagem da Semana: Cintilografia cervical e torácica com 99 mtc-sestamib 21ª Imagem da Semana: Cintilografia cervical e torácica com 99 mtc-sestamib Enunciado Paciente do sexo feminino, 58 anos, há 4 anos com fraqueza e dores inespecíficas na coluna lombar e membros inferiores.

Leia mais

Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia?

Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia? Estamos Tratando Adequadamente as Urgências em Radioterapia? Autores Alice de Campos Ana Carolina Rezende Icaro T. Carvalho Heloisa A. Carvalho Alice de Campos Residente HCFMUSP INTRODUÇÃO Urgências em

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA A neurociência teve que esperar mais de 70 anos, até que aparecesse um método de imagens por raios X que realmente fosse

Leia mais

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia?

TROCANDO IDÉIAS XX. MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? TROCANDO IDÉIAS XX MICROCARCINOMA: Quando indicar histerectomia? Gutemberg Almeida ISSVD UFRJ ABPTGIC Carcinoma Microinvasor IA1 - Invasão do estroma < 3 mm em profundidade e < 7 mm em extensão IA2 - Invasão

Leia mais

Imagenologia das Lesões Hepáticas

Imagenologia das Lesões Hepáticas Curso Continuado em Cirurgia Geral do CBCSP 2014 Imagenologia das Lesões Hepáticas Dr. Lucas Scatigno Saad 26/07/2014 Fígado Maior órgão parenquimatoso do corpo 1.000-2.500 g no adulto saudável Hipocôndrio

Leia mais

Cópia dos exames: VHS, PCR, hemograma, plaquetas, ALT, AST e creatinina. Cópia do exame de imagem das áreas afetadas pela doença.

Cópia dos exames: VHS, PCR, hemograma, plaquetas, ALT, AST e creatinina. Cópia do exame de imagem das áreas afetadas pela doença. ARTRITE REUMATOIDE Portaria SAS/MS n 710 27/06/2013 Medicamento NAPROXENO SULFASSALAZINA CID 10 M05.0, M05.3, M05.8, M06.0, M06.8, M08.0 Apresentação 500mg (comprimido) 500mg (comprimido) Presc. Máxima

Leia mais

Residente de Neurologia: Rafael de Souza Andrade

Residente de Neurologia: Rafael de Souza Andrade Residente de Neurologia: Rafael de Souza Andrade QUANDO COMEÇAR? Caso clínico: Enfermeira, 39 anos, canhota, apresenta-se ao clínico geral após episódio de perda da consciência quando dirigia em rodovia.

Leia mais

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP

O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga. Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP O estado da arte da Radioterapia na abordagem de Tumores de Bexiga Dr. Baltasar Melo Neto R3 - UNIFESP Introdução EUA (2014): 6º mais comum 75.000 casos novos; 15.600 mortes. Brasil (2014): 9940 casos

Leia mais

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein

Tumores Ginecológicos. Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Enfª Sabrina Rosa de Lima Departamento de Radioterapia Hospital Israelita Albert Einstein Tumores Ginecológicos Colo de útero Endométrio Ovário Sarcomas do corpo uterino Câncer de

Leia mais

Anatomia da Medula Vertebral

Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Medula Vertebral Anatomia da Vértebra Disco Intervertebral Anatomia da Coluna Vertebral Características Gerais: Corpo Vertebral Foramens Vertebrais: Forame Medular: Medula Vertebral Forames

Leia mais

Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)?

Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)? Qual a melhor combinação de quimioterapia quando associada à radioterapia para tumores localmente avançados (pulmão)? Dr. Ormando Campos Jr. Oncologista Clínico Conflito de Interesses Quimioterapia + Radioterapia.

Leia mais

Transplante de Fígado em Tumores

Transplante de Fígado em Tumores Departamento de Cirurgia Santa Casa de Misericórdia de São Paulo Transplante de Fígado em Tumores TRANSPLANTES - SANTA CASA TUMORES MALIGNOS DO FÍGADO Curativo TRATAMENTO - transplante - ressecção Paliativo

Leia mais

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / ONCOLOGIA CLÍNICA

ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / ONCOLOGIA CLÍNICA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO ÁREA/ESPECIALIDADE: MEDICINA / ONCOLOGIA CLÍNICA 141 INSTRUÇÕES

Leia mais

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2 Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos Aula Prá8ca Abdome 2 Obje8vos Qual a importância da caracterização de lesões através de exames de imagem? Como podemos caracterizar nódulos hepá8cos? Revisar os

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ULTRASSONOGRAFIA EM GINECOLOGIA E OBSTETRÍCIA Situação-Problema 1 A) Gestação gemelar dicoriônica. Dicoriônica B) Gestação Gemelar

Leia mais

Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de na área de câncer de pulmão:radioterapia

Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de na área de câncer de pulmão:radioterapia Os cinco trabalhos mais relevantes dos anos de 2009-2011 na área de câncer de pulmão:radioterapia Rodrigo de Morais Hanriot Radioterapeuta HIAE e HAOC Índice Carcinoma de pulmão não pequenas células Carcinoma

Leia mais

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Sessão TOMOGRAFIA Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Caso 1 Feminino, 48 anos, história de HAS, DM e pancreatite prévia recente (há 1 mês), reinternou com dor abdominal, náuseas e vômitos. Nega história

Leia mais

- Papel da Quimioterapia Neo e

- Papel da Quimioterapia Neo e Carcinoma Urotelial de Bexiga: Tratamento Sistêmico na Doença Músculo-Invasiva - Papel da Quimioterapia Neo e Adjuvante Igor A. Protzner Morbeck, MD, MSc Prof. Medicina Interna Univ. Católica de Brasília

Leia mais

Câncer de Próstata. Dr.Adolfo Oliveira

Câncer de Próstata. Dr.Adolfo Oliveira Câncer de Próstata Dr.Adolfo Oliveira Câncer de Próstata Aproximadamente 46 mil casos/ano Cerca 24% de chance de desenvolver Câncer de Próstata durante a vida Aproximadamente 30% não são avaliadas para

Leia mais

Estudo Radiológico do Tórax

Estudo Radiológico do Tórax Estudo Radiológico do Tórax Diagnósticos diferenciais do nódulo cavitado A TAC no estadiamento da neoplasia pulmonar Nódulos pulmonares múltiplos O espaçopleural e o diafragma O coração Principais massas

Leia mais

Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico?

Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico? Múltiplos nódulos pulmonares, que diagnóstico? Cecília Pacheco, João F Cruz, Daniela Alves, Rui Rolo, João Cunha 44º Curso Pneumologia para Pós-Graduados Lisboa, 07 de Abril de 2011 Identificação -A.F.O,

Leia mais

Joint SFBO-SBR-ALATRO Consensus Meeting Controversies on Radiotherapy Treatment. Breast Cancer

Joint SFBO-SBR-ALATRO Consensus Meeting Controversies on Radiotherapy Treatment. Breast Cancer Joint SFBO-SBR-ALATRO Consensus Meeting Controversies on Radiotherapy Treatment Breast Cancer Dra. Ana Carolina de Rezende ana.rezende@einstein.br Internal Mammary Nodal Chain Irradiation Dra. Ana Carolina

Leia mais

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso 40812006 PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS (MÉTODOS DIAGNOS 40812014 Aortografia abdominal por punção translombar 40812022 Angiografia por punção 40812030 Angiografia por cateterismo não seletivo

Leia mais

5 de Outubro de Professor Ewerton. Introdução à Radiologia do Tórax

5 de Outubro de Professor Ewerton. Introdução à Radiologia do Tórax 5 de Outubro de 2007. Professor Ewerton. Introdução à do Tórax Métodos de investigação radiológica Radiografias. TC. RM. Medicina Nuclear. US. Angiografias. Os dois primeiros são os mais utilizados. Radiografia

Leia mais

Câncer de Pelve Renal e Ureter

Câncer de Pelve Renal e Ureter Câncer de Pelve Renal e Ureter Epidemiologia : - Pouco frequentes, representando 4,5-9,0% de todos os Tu renais e 6,0% de todos os Tu uroteliais - CCT : 90% dos Tu uroteliais altos - 1,0-2,0% dos CCT :

Leia mais

Braquiterapia Ginecológica

Braquiterapia Ginecológica Braquiterapia Ginecológica Indicações e recomendações clínicas American Brachytherapy Society (ABS) European Society for Radiotherapy & Oncology (GEC-ESTRO) Rejane Carolina Franco Hospital Erasto Gaertner-

Leia mais

RELATO DE CASO Identificação: Motivo da consulta: História da Doença atual: História ocupacional: História patológica pregressa: História familiar:

RELATO DE CASO Identificação: Motivo da consulta: História da Doença atual: História ocupacional: História patológica pregressa: História familiar: RELATO DE CASO Identificação: V.L.G.E., 38 anos, branca, casada, natural e procedente de Canoas (RS). Motivo da consulta: diarréia e dor abdominal intensa. História da Doença atual: Paciente procurou o

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Tumor Renal. Dr. Adolfo Oliveira HMCF

Tumor Renal. Dr. Adolfo Oliveira HMCF Tumor Renal Dr. Adolfo Oliveira HMCF Anatomia Renal Localização e relações anatômicas Anatomia Renal Vascularização Renal Drenagem Linfática Anatomia Renal Inervação Renal Anatomia Renal

Leia mais

TESTE DE AVALIAÇÃO. 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos. Organização NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta.

TESTE DE AVALIAÇÃO. 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos. Organização NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta. TESTE DE AVALIAÇÃO 02 novembro 2013 Duração: 30 minutos NOME: Escolha, por favor, a resposta que considera correta. 1. São indicação para a realização de RM todas as situações, excepto: ( 1 ) Mulher com

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA TRATAMENTO DO CARCINOMA DIFERENCIADO DE TIREOIDE

NOVAS DIRETRIZES PARA TRATAMENTO DO CARCINOMA DIFERENCIADO DE TIREOIDE NOVAS DIRETRIZES PARA TRATAMENTO DO CARCINOMA DIFERENCIADO DE TIREOIDE Denise Momesso Doutoranda e Mestre em Endocrinologia pela UFRJ Médica do IEDE Coordenadora da Endocrinologia do Hospital Pró- Cardíaco

Leia mais

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS

PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS Fundação de Hematologia e Hemoterapia de Pernambuco - HEMOPE PROTOCOLOS DE TRATAMENTO DE DOENÇAS HEMATOLÓGICAS LEUCEMIA LINFOCÍTICA CRÔNICA Versão 00/2015 ELABORAÇÃO Dra. Renata Lygia Vieira Vasconcelos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PROFESSOR(ES): Luciana Costa (Resp) Andréa Bastos 1. EMENTA: A disciplina Anatomia Radiológica

Leia mais

Glândulas suprarrenais

Glândulas suprarrenais Estudo Imagiológico gico do Abdómen 16 -Glândulas suprarrenais Meios de estudo Principais aplicações clínicas 17-Aparelho genital Meios de estudo Principais aplicações clínicas Próstata, vesículas seminais

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA SISTEMA CARDIOVASCULAR Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia Faculdade de Medicina de Botucatu AVALIAÇÃO PRÉ-ANESTÉSICA: OBJETIVOS GERAIS ESCLARECIMENTO DO

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31 PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31 JULHO 2007 Contra-Indicações absolutas: pacientes portadores de marca-passo cardíacos, clipes de aneurisma cerebral, fragmentos metálicos

Leia mais

Recife, Junho de 2011

Recife, Junho de 2011 Recife, Junho de 2011 Mário Reis Álvares-da-Silva Professor Adjunto-Doutor de Hepatologia Universidade Federal do Rio Grande do Sul Hospital de Clínicas de Porto Alegre mras@terra.com.br Declaração de

Leia mais

FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL

FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL FATORES PREDITIVOS PARA FALHA BIOQUÍMICA APÓS RADIOTERAPIA DE RESGATE EM CÂNCER DE PRÓSTATA, PÓS- PROSTATECTOMIA RADICAL Marco Antonio Costa Campos de SANTANA 1,2 ; Carlos Bo ChurHONG 1,2 ; Mariana Vilela

Leia mais

Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica

Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica Rafael Carvalho Silva Subcoordenador de Ensino e Pesquisa LCR/UERJ MSc Engenharia Nuclear Aplicada COPPE/UFRJ Área Controle de Qualidade em Radiodiagnóstico

Leia mais

ADENOMASTECTOMIA (mastectomia preservadora de pele e CAM) SEM RADIOTERAPIA adjuvante é de fato uma boa cirurgia oncológica?

ADENOMASTECTOMIA (mastectomia preservadora de pele e CAM) SEM RADIOTERAPIA adjuvante é de fato uma boa cirurgia oncológica? ADENOMASTECTOMIA (mastectomia preservadora de pele e CAM) SEM RADIOTERAPIA adjuvante é de fato uma boa cirurgia oncológica? Antonio Frasson São Paulo, 13 de julho de 2012. ESTUDOS RANDOMIZADOS Recidiva

Leia mais

Seminário Grandes Síndromes

Seminário Grandes Síndromes Seminário Grandes Síndromes TEMA: DISPEPSIA Residente: Paloma Porto Preceptor: Dr. Fortunato Cardoso DEFINIÇÃO De acordo com os critérios de Roma III, dispepsia é definida por 1 ou mais dos seguintes sintomas:

Leia mais