Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema"

Transcrição

1 PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO

2 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE SER UTILIZADO PARA ELUCIDAÇÕES DIAGNÓSTICAS COM USO DE CONTRASTE IODADO POR CATETERISMO GUIADO POR RADIOSCOPIA OU PELO METODO DE SUBTRAÇÃO DIGITAL Contra-Indicações absolutas:- ARTERIOGRAFIA DA AORTA Arteriografia da aorta esta dividido em 4 segmentos : ( )- ARCO AÓRTICO ( ) AORTAGRAFIA TORÁCICA AORTAGRAFIA ABDOMINAL ( ) AORTAGRAFIA PÉLVICA Patologia primárias da aorta ( ateroescleróticas, dissecção aórtica, tromboembolismo, trauma, coarctação, complicação de enxerto, aneurisma ). Malformações arterio venosas. Malformações congênitas. Displasia fibro-muscular. Estudo preliminar das patologias viscerais e estenoses dos principais ramos das artérias viscerais e periféricas. Patologia do tecido conjutivo ( Sindrome de Marfan ). 2

3 Tumores ósseos e de partes moles retroperitoneais Doenças infecto-contagiosas ( sífilis ). b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E RESULTADOS DOS EXAMES COMO RX e LABORATORIAIS, TC E RM. ORIENTAÇÕES: Cirurgião vascular, cirurgião cardio-torácico, cardiologista, nefrologista 3

4 ARTERIOGRAFIA (ARCO AÓRTICO E BRAQUIOCEFÁLICO) ( ) ARCO AÓRTICO ( ) ARTERIOGRAFIA SELETIVA DE CARÓTIDA ARTERIOGRAFIA SELETIVA VERTEBRAL ( ) ARTERIOGRAFIA CÉRVICO-TORÁCICA ARTEROGRAFIA SELETIVA CARÓTIDA EXTERNA ARTERIOGRAFIA SELETIVA DA CARÓTIDA COMUM ( ) CAVERNOSOGRAFIA ( ) ARTERIOGRAFIA DE CARÓTIDA (PUNÇÃO DIRETA) Acidente vascular cerebral. Hemorragias intra-cranianas. Patologias oclusivas (ateroescleróticas, trombose, embolia, dissecção, displasia fibro-muscular, síndrome compressivas neurovasculares, arterites ). Patologia aneurismática. Malformações ou fistulas arterio-venosas ou congênitas. Lesões expansivas intra-cranianas ou crânio-facial. Lesões vasculares primárias cervicais e crânio-facial. Lesões expansivas cervicais. Avaliação pós-cirúrgica ( ex. pós-endarterectomia, bypass ) 4

5 b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E RESULTADOS DOS EXAMES COMO RX E LABORATORIAIS, TC OU RM. Neurologista, Neuro-cirurgião, cirurgião vascular, cirurgião de cabeça-pescoço. ARTERIOGRAFIA PERIFÉRICAS MEMBRO SUPERIOR ( ) ARCO AÓRTICO ( )- ARTERIOGRAFIA DO MEMBRO SUPERIOR ARTERIOGRAFIA SELETIVA BRAQUIAL ARTERIOGRAFIA SELETIVA SUBCLÁVIA MEMBRO INFERIOR AORTOGRAFIA ABDOMINAL ( ) - AORTOGRAFIA PÉLVICA ( ) ARTERIOGRAFIA SELETIVA FEMORAL ( ) ARTERIOGRAFIA DO MEMBRO INFERIOR Patologia aterosclerótica, aneurismática, embolia, trauma,. 5

6 Patologia extrínsecas ( Síndrome do desfiladeiro torácico, tumores, compressão da artéria poplítea) Displasia fibro-muscular, arterite de Takayassu Patologias isquêmicas periféricas. Malformações arterio-venosas. Estudo para confecção de fístulas arterio-venosas na IRC. Tromboembolismo arterial (ex. pós-traumatismo). Tumores primário vascular, tecido de partes moles e ósseo. Avaliação pós-cirurgico de enxerto. DA DOENÇA B) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E RESULTADOS DOS EXAMES COMO RAIO- X, LABORATORIAIS E ULTRASONOGRAFIA VASCULAR, TC E RM Cirurgião vascular, cirugião cardio-torácico, ortopedista, nefrologista 6

7 ARTERIOGRAFIA RENAL AORTOGRAFIA ABDOMINAL ARTERIOGRAFIA SELETIVA VISCERAL ( ARTÉRIA OU VEIA) INDICAÇÕES : Hipertensão Reno-vascular. Trauma renal Malformações arterio-venosas. Lesões inflamatórias vasculares ou aneurimaticas. Transplante renal ( seleção de doadores, seguimeno póstransplante). Lesões expansivas renais ou vasculares. b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E RESULTADOS DOS EXAMES COMO RX, LABORATORIAIS, ULTRASONOGRAFIA, TC E RM. ORIENTAÇÕES: Nefrologista, urologista. 7

8 PORTOGRAFIA AORTOGRAFIA ABDOMINAL FLEBOGRAFIA RETRÓGRADA POR CATETERISMO ( ) PORTOGRAFIA ( ) PORTOGRAFIA TRANS-HEPÁTICO. Hipertensão portal. Transplante hepático. b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E RESULTADOS DOS EXAMES COMO RAIO- X, LABORATORIAIS E ULTRASONOGRAFIA,TC E RM ABDOMEN Cirurgião geral, cirurgião pediátrico, gastroenterologista, oncologista. 8

9 ARTERIOGRAFIA VISCERAL ( MESENTÉRICA SUPERIOR) AORTOGRAFIA ABDOMINAL ARTERIOGRAFIA SELETIVA VISCERAL Lesões primárias vasculares ( oclusivas, variação congênitas, trauma, malformações arterio-venosas, aneurisma ). Lesões em órgãos acessórios ( pâncreas, fígado, baço e vesícula biliar ) Hemorragias gastro-intestinais grave ou refratária ao tratamento. Hemorragias ocultas com provas diagnósticas inconclusivas ( ex. angiodisplasia). b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E RESULTADOS DOS EXAMES COMO RAIO- X, LABORATORIAIS E ULTRASONOGRAFIA,TC E RM ABDOMEN Cirurgião geral, gastroenterologista, proctologista e oncologista. 9

10 FLEBOGRAFIA DO MEMBRO INFERIOR ( ) FLEBOGRAFIA DO MEMBRO Síndromes pós-flebíticas. Obstrução venosa (trombose venosa profunda e periférica, trauma ; compressão extrínseca) Estudo de insuficiência venosa e varizes. Patologias congênitas (Malformações arterio-venosas, anomalia de posição ). Fístula AV em membro superior b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E RESULTADOS DOS EXAMES COMO RAIO- X, LABORATORIAIS E ULTRASONOGRAFIA VASCULAR Cirurgião vascular, ortopedista, cirurgião em geral. 10

11 FLEBOGRAFIA VISCERAL CAVOGRAFIA INFERIOR ( ) FLEBOGRAFIA RETROGRADA POR CATETERISMO ARTERIOGRAFIA SELETIVA VISCERAL ( ARTÉRIA OU VEIA ). Obstrução intrínseca ou extrínseca da veia cava Embolia pulmonar. Patologias congênitas Colocação de filtros de Veia cava inferior. Estudo bioquímico com colheita de amostras das veias renais (ex. renina ) e veias supra renais ( ex. feocromocitoma ), veia gonadal e hepática. Trombose venosa profunda de membros inferiores b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E c) RESULTADOS DOS EXAMES COMO RAIO- X, LABORATORIAIS ULTRASONOGRAFIA, TC E RM 11

12 Cirurgião geral, cirurgião torácico, clinico geral, intensivistas, cirurgião vascular. FLEBOGRAFIA TORÁCICA ( CAVOGRAFIA SUPERIOR E FLEBOGRAFIA DO ÁZIGO) CAVOGRAFIA SUPERIOR ( ) FLEBOGRAFIA RETROGRADA POR CATETERISMO ARTERIOGRAFIA SELETIVA VISCERAL ( ARTÉRIA OU VEIA ). INDICAÇÕES : AVALIAÇÃO DE MASSAS MEDIASTINAIS SINDROME DA VEIA CAVA SUPERIOR TROMBOSE DA VEIA CAVA SUPERIOR PLANEJAMENTO TERAPEUTICO ( RADIOTERAPIA ) ESTUDO BIOQUIMICO DA VEIA AZIGOS E PLEXO VENOSO VERTEBRAL PARA PESQUISA DE TUMORES FUNCIONANTES EXTRA-ADRENAIS E ADENOMAS PARATREÓIDE. 12

13 b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS E c) RESULTADOS DOS EXAMES COMO RAIO- X, LABORATORIAIS ULTRASONOGRAFIA, TC E RM Cirurgião geral, cirurgião torácico, clinico geral, intensivistas, cirurgião vascular AORTOGRAFIA TRANS-LOMBAR AORTOGRAFIA TRANS-LOMBAR Pacientes sem acesso por via femoral, axilar ou braquial para estudo da aorta abdominal. COAGULOPATIA, HIPERTENSÃO GRAVE, ANEURISMA DA AORTA ABDOMINAL E ENXERTO AORTICO. 13

14 b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS POR RESULTADOS DOS EXAMES LABORATORIAIS E/OU RX, ULTRASSONOGRAFIA Cirurgião vascular, cirurgião geral. ARTERIOGRAFIA MEDULAR ARTERIOGRAFIA MEDULAR ARTERIOGRAFIA MULTI-SEGMENTAR ( ) AORTOGRAFIA TORÁCICA AORTOGRAFIA ABDOMINAL Localização de malformações arterio-venosas. Avaliação de tumores hipervasculares no canal espinhal. ] Avaliação pré-operatória da arteria espinhal anterior Avaliação dos ramos radiculomedulares das lesões vasculares vertebrais e para-vertebrais. 14

15 b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS c) RESULTADOS DOS EXAMES COMO RAIO- X, LABORATORIAIS, TC E RM Neurologista, neuro-cirurgião LINFOGRAFIA INDICAÇÕES : Linfonodopatia maligna ( linfoma doença metastatica). Avaliação do sistema venoso linfático ( linfaedema primário ou secundário). Estudo de quiotórax, ascite quiloso b) HIPÓTESES DIAGNÓSTICAS c) RESULTADOS DOS EXAMES COMO RAIO- X, LABORATORIAIS, TC E RM 15

16 Oncologista, cirugião vasculares, gastro-enterologista. Edmundo Vasconcelos: 10 vagas Quem faz: H. Bandeirantes, Fundação Oswaldo Ramos, Edmundo Vasconcelos. Bandeirantes: FPO 127 Interno 107 Externo 20 Fundação Oswaldo Ramos: FPO 232 Interno 177 Externo 55 Regulados: 85 vagas 16

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÓSTICA GRUPO 13 SUBGRUPO DEZEMBRO 2007 1 A ANGIOGRAFIA RADIODIAGNÄSTICA CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E ALTO CUSTO, PORTANTO DEVE

Leia mais

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso 40812006 PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS (MÉTODOS DIAGNOS 40812014 Aortografia abdominal por punção translombar 40812022 Angiografia por punção 40812030 Angiografia por cateterismo não seletivo

Leia mais

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO

PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA GRUPO 35 SUBGRUPO NOVEMBRO 2007 1 A TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA (TC) CARACTERIZA-SE POR SER EXAME DE ALTA COMPLEXIDADE E CUSTO ELEVADO, PORTANTO

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31 PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31 JULHO 2007 Contra-Indicações absolutas: pacientes portadores de marca-passo cardíacos, clipes de aneurisma cerebral, fragmentos metálicos

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE 2014 Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos Atualizado em 25 de fevereiro de 2014 RADIOSCOPIA DIAGNÓSTICA AMB HCO HSO RADIOSCOPIA PARA

Leia mais

REVASCULARIZAÇÃO FEMORO POPLITEA: COD Revascularização de Tronco Supra Aórtico

REVASCULARIZAÇÃO FEMORO POPLITEA: COD Revascularização de Tronco Supra Aórtico 2ª edição - 2015 REVASCULARIZAÇÃO DE TRONCO SUPRA AÓRTICO: R$5.500,00 REVASCULARIZAÇÃO AORTO BI ILÍACA: R$ 5.115,00 COD. 30906237 - Revascularização Aorto Bi Ilica REVASCULARIZAÇÃO AORTO ILÍACA: COD. 30906253

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CIRURGIA VASCULAR Situação-Problema 1 A) Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar maciço TEP TEP maciço

Leia mais

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR

Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR Processo Seletivo Unificado de Residência Médica 2017 PADRÃO DE RESPOSTAS ANGIORRADIOLOGIA E CURURGIA ENDOVASCULAR Situação-Problema 1 A) Tromboembolismo Pulmonar Tromboembolismo Pulmonar maciço B) Angiotomografia

Leia mais

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Doença carotídea Doença arterial periférica Isquemia aguda Estenose da artéria renal

Leia mais

Disseção da Aorta. A entidade esquecida. Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA

Disseção da Aorta. A entidade esquecida. Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA Disseção da Aorta A entidade esquecida Hugo Rodrigues Cirurgião Vascular HPA Definição Separação das camadas da aorta com formação de Falso Lúmen íntima média adventícia Epidemiologia 5 : 1 10-40 casos

Leia mais

Sistema Circulatório. Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular. Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular. Angiologia

Sistema Circulatório. Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular. Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular. Angiologia Sistema Circulatório Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular Angiologia Sistema Circulatório Funções Meio de transporte Ligação metabólica entre diferentes

Leia mais

Embolização nas Hemorragias Digestivas

Embolização nas Hemorragias Digestivas Embolização nas Hemorragias Digestivas Francisco Leonardo Galastri Cirurgião Endovascular e Radiologista Intervencionista Departamento de Radiologia Vascular Intervencionista do Hospital Israelita Albert

Leia mais

Este material visa informar os pontos fortes da realização destes exames na clínica/hospital, de forma a contribuir ao profissional da saúde a ter um

Este material visa informar os pontos fortes da realização destes exames na clínica/hospital, de forma a contribuir ao profissional da saúde a ter um Este material visa informar os pontos fortes da realização destes exames na clínica/hospital, de forma a contribuir ao profissional da saúde a ter um maior conhecimento destes exames, para melhor benefício

Leia mais

9 QUESTÃO 21 Nas revascularizações distais dos membros inferiores com enxerto sintético, a trombose aguda imediata é devida, principalmente: a) a falh

9 QUESTÃO 21 Nas revascularizações distais dos membros inferiores com enxerto sintético, a trombose aguda imediata é devida, principalmente: a) a falh 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 09 QUESTÃO 17 Na oclusão crônica isolada da artéria femoral superficial, a via colateral compensatória é representada pelo grupo: a) genicular tibial. b) ilíaca

Leia mais

COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE Resolução nº 48/2009 O COORDENADOR DA COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas e em cumprimento aos dispositivos constantes do seu Regimento Interno, e

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 09

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 09 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 09 QUESTÃO 17 Na oclusão crônica isolada da artéria femoral superficial, a via colateral compensatória é representada pelo grupo: a) genicular tibial. b) ilíaca

Leia mais

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012

Métodos de imagem. Radiologia do fígado. Radiologia do fígado 12/03/2012 Radiologia do fígado Prof. Jorge Elias Jr Radiologia do fígado Revisão anatômica Métodos de imagem na avaliação do fígado Anatomia seccional hepática pelos métodos de imagem Exemplo da utilização dos métodos:

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE IMAGEM E ANATOMIA DISCIPLINA RADIOLOGIA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO

FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE IMAGEM E ANATOMIA DISCIPLINA RADIOLOGIA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO I. ETAPA I : FACULDADE DE MEDICINA DA UFMG DEPARTAMENTO DE IMAGEM E ANATOMIA DISCIPLINA RADIOLOGIA I CONTEÚDO PROGRAMÁTICO A. TECNOLOGIA DOS MÉTODOS DE IMAGENS 1. Princípios físicos dos métodos de imagem

Leia mais

Diagnóstico por imagem Vascular

Diagnóstico por imagem Vascular Diagnóstico por imagem Vascular Diagnóstico por imagem é uma série de 12 livros que abordam as principais subespecialidades na área, no formato consulta rápida: Cabeça e Pescoço Cardiologia Coluna Vertebral

Leia mais

Tabelas de Exames RESSONÂNCIA.

Tabelas de Exames RESSONÂNCIA. RESSONÂNCIA 41101014 RM - Crânio (encéfalo) 41101022 RM - Sela túrcica (hipófise) 41101030 RM - Base do crânio 41101049 Estudo funcional (mapeamento cortical por RM) 41101057 Perfusão cerebral por RM 41101065

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS Leonardo Oliveira Moura Dissecção da Aorta Emergência aórtica mais comum Pode ser aguda ou crônica, quando os sintomas duram mais que 2 semanas Cerca de 75%

Leia mais

ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima

ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima Sistema Cardiovascular ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima INTRODUÇÃO: CONCEITO: O sistema cardiovascular ou circulatório é formado por uma vasta rede de tubos, que põe em comunicação todas as partes

Leia mais

PROTOCOLOS TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

PROTOCOLOS TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA PROTOCOLOS TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Radiologia e Diagnóstico por Imagem- HC-UFMG 2017 Sumário 1. EXAMES CRANIOENCEFÁLICO SEM CONTRASTE... 2 2. EXAMES CRANIOENCEFÁLICO SEM E COM CONTRASTE... 2 3. EXAMES

Leia mais

Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos

Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos Tumores Neuroendócrino do Pâncreas - Tratamento cirúrgico dos insulinomas pancreáticos Dr. José Jukemura Assistente Doutor da Disciplina de Cirurgia do Aparelho Digestivo FMUSP Classificação WHO 2004 TEBD-PB

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Radiologia Intervencionista no Transplante Hepático. Carlos Abath ANGIORAD REAL HOSPITAL PORTUGUÊS DO RECIFE

Radiologia Intervencionista no Transplante Hepático. Carlos Abath ANGIORAD REAL HOSPITAL PORTUGUÊS DO RECIFE Radiologia Intervencionista no Transplante Hepático Carlos Abath ANGIORAD REAL HOSPITAL PORTUGUÊS DO RECIFE Conflitos de interesse Nenhum para este tópico Intervenção pós transplante hepático TÉCNICA CIRÚRGICA

Leia mais

1969:Estado da Guanabara IECAC Comunicação Inter-Ventricular com Hipertensão Pulmonar-13/08/1969

1969:Estado da Guanabara IECAC Comunicação Inter-Ventricular com Hipertensão Pulmonar-13/08/1969 1969:Estado da Guanabara IECAC Comunicação Inter-Ventricular com Hipertensão Pulmonar-13/08/1969 1969:Estado da Guanabara IECAC Insuficiência Coronária 13.08.1969 1969:Certificado - Associação Médica Fluminense

Leia mais

I00-I99 CAPÍTULO IX : Doenças do aparelho circulatório I00-I02 Febre reumática aguda I05-I09 Doenças cardíacas reumáticas crônicas I10-I15 Doenças hipertensivas I20-I25 Doenças isquêmicas do coração I26-I28

Leia mais

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR

2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 2ª PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Assinale a alternativa que corresponde CORRETAMENTE ao mecanismo de ação da droga Cilostazol: a) Inibição da via da fosfodiesterase cíclica do tipo

Leia mais

TRAUMATISMOS ABDOMINAIS. Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas)

TRAUMATISMOS ABDOMINAIS. Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas) TRAUMATISMOS ABDOMINAIS Trauma Abdominal Fechados sem rotura da continuidade cutânea parietal (contusão) Abertos com rotura da continuidade cutânea parietal (feridas) Trauma Aberto Penetrante com acesso

Leia mais

Glândulas suprarrenais

Glândulas suprarrenais Estudo Imagiológico gico do Abdómen 16 -Glândulas suprarrenais Meios de estudo Principais aplicações clínicas 17-Aparelho genital Meios de estudo Principais aplicações clínicas Próstata, vesículas seminais

Leia mais

Tabelas de Exames RESSONÂNCIA.

Tabelas de Exames RESSONÂNCIA. RESSONÂNCIA 41101014 RM - Crânio (encéfalo) 41101022 RM - Sela túrcica (hipófise) 41101030 RM - Base do crânio 41101057 Perfusão cerebral por RM 41101065 Espectroscopia por RM 41101073 RM - Órbita bilateral

Leia mais

Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro. Sistema Circulatório

Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro. Sistema Circulatório Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro Sistema Circulatório Coração Conceito: É um órgão muscular central do aparelho circulatório, que funciona como uma bomba dupla de sucção e

Leia mais

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 09/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS

HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 09/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS 1 HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE EDITAL Nº 09/2007 DE PROCESSOS SELETIVOS GABARITO APÓS RECURSOS PROCESSO SELETIVO 50 MÉDICO I (Radiologia Intervencionista) 01. C 11. D 21. B 02. A 12. C 22. E 03.

Leia mais

22 A Artéria Adamkiewicz tem origem, habitualmente:

22 A Artéria Adamkiewicz tem origem, habitualmente: Parte II: Conhecimento Específico Universidade Federal Fluminense 21 Na cirurgia eletiva de aneurisma de aorta, associada a rim em ferradura com o istmo funcionante e cobrindo grande parte da aorta abdominal,

Leia mais

Abordagem Percutânea das Estenoses de Subclávia, Ilíacas, Femorais e Poplíteas

Abordagem Percutânea das Estenoses de Subclávia, Ilíacas, Femorais e Poplíteas Abordagem Percutânea das Estenoses de Subclávia, Ilíacas, Femorais e Poplíteas Curso Anual de Revisão em Hemodinâmica e Cardiologia Intervencionista Rogério Tadeu Tumelero, MD, FSCAI Hemodinâmica e Cardiologia

Leia mais

Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados pela SMHS/SUS:

Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados pela SMHS/SUS: Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações de Exames disponibilizados pela SMHS/SUS: Toda solicitação de exame/procedimento deve ser feita em documento próprio normatizado

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2016 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 2 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

CONSULTA DE ACESSOS VASCULARES. LUIS FREITAS Serviço de Nefrologia Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Acessos Vasculares - Sanfil

CONSULTA DE ACESSOS VASCULARES. LUIS FREITAS Serviço de Nefrologia Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Acessos Vasculares - Sanfil CONSULTA DE ACESSOS VASCULARES LUIS FREITAS Serviço de Nefrologia Centro Hospitalar e Universitário de Coimbra Centro de Acessos Vasculares - Sanfil IMPORTANCIA DO ACESSO VASCULAR EM HEMODIÁLISE Sem acesso

Leia mais

Cooperação da criança: Distração Ambiente agradável Minimizar a dor Imobilização Sedação Ajuste de parâmetros para reduzir o tempo de exame

Cooperação da criança: Distração Ambiente agradável Minimizar a dor Imobilização Sedação Ajuste de parâmetros para reduzir o tempo de exame Dante L. Escuissato Cooperação da criança: Distração Ambiente agradável Minimizar a dor Imobilização Sedação Ajuste de parâmetros para reduzir o tempo de exame l Ajuste dos exames quanto à variação de

Leia mais

SISTEMA CIRCULATÒRIO

SISTEMA CIRCULATÒRIO Universidade Federal de Viçosa campus Florestal SISTEMA CIRCULATÒRIO ANATOMIA HUMANA Laboratório de Morfofisiologia Funções: Transporte de gases respiratórios, nutrientes, hormônios e excretas; Distribuição

Leia mais

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total.

INSTRUÇÕES. O tempo disponível para a realização das duas provas e o preenchimento da Folha de Respostas é de 5 (cinco) horas no total. INSTRUÇÕES Para a realização desta prova, você recebeu este Caderno de Questões. 1. Caderno de Questões Verifique se este Caderno de Questões contém a prova de Conhecimentos Específicos referente ao cargo

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Em relação ao hepatocarcinoma, julgue os itens a seguir. 41 A biopsia é sempre necessária para se iniciar um tratamento oncológico seguro. 42 O tratamento oncológico deve ser baseado exclusivamente no

Leia mais

LISTA DE PROCEDIMENTOS RVO

LISTA DE PROCEDIMENTOS RVO LISTA DE PROCEDIMENTOS RVO Biópsia percutânea (qualquer órgão ou estrutura) pág. 4 Biópsia hepática transjugular pág. 4 Discografia pág. 4 Vertebroplastia por vértebra pág. 4 Ablação de Tumor pág. 4 Drenagem

Leia mais

PORTARIA Nº 218 DE 15 DE JUNHO DE 2004

PORTARIA Nº 218 DE 15 DE JUNHO DE 2004 Página 1 de PORTARIA Nº 1 DE 15 DE JUNHO DE 4 O Secretário de Atenção à Saúde no uso de suas atribuições, Considerando a constante necessidade de atualização das Tabelas de Procedimentos dos Sistemas de

Leia mais

Encargo ADSE. Encargo Beneficiário. Código Designação Preço RADIOLOGIA CABEÇA E PESCOÇO

Encargo ADSE. Encargo Beneficiário. Código Designação Preço RADIOLOGIA CABEÇA E PESCOÇO RADIOLOGIA CABEÇA E PESCOÇO 10004 Crânio, uma incidência 5,50 4,40 1,10 10005 Crânio, duas incidências 6,00 4,80 1,20 10010 Sela turca 3,00 2,40 0,60 10024 Mastóides, uma incidência 4,70 3,70 1,00 10025

Leia mais

APÊNDICE NOMENCLATURA SUS PARA PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS SELECIONADOS

APÊNDICE NOMENCLATURA SUS PARA PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS SELECIONADOS APÊNDICE NOMENCLATURA SUS PARA PROCEDIMENTOS CIRÚRGICOS SELECIONADOS NOMENCLATURA PARA NOTIFICAÇÃO Apendicectomia CRITÉRIO PARA NOTIFICAÇÃO remoção do apêndice (não acidental por outro procedimento), realizada

Leia mais

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Sessão TOMOGRAFIA Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Caso 1 Feminino, 48 anos, história de HAS, DM e pancreatite prévia recente (há 1 mês), reinternou com dor abdominal, náuseas e vômitos. Nega história

Leia mais

1969: Miocardiopatia - IECAC

1969: Miocardiopatia - IECAC 1969: Miocardiopatia - IECAC 1969:Estado da Guanabara IECAC Moderador da Seção Anatomo- Clinica 20.08.1969 1969: 5 aulas no curso de Hemodinâmica e Angiocardiografia - IECAC 1969:Estado da Guanabara IECAC

Leia mais

Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR

Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR - 2015 Introdução: Este documento foi elaborado de acordo com o auxilio de radiologistas que atuam nas diversas áreas de estudo da tomografia e

Leia mais

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral

Sistema Circulatório. Prof. Dr.Thiago Cabral Circulação Pulmonar e Sistêmica Passagem do sangue através do coração e dos vasos. Ocorre através de duas correntes sanguíneas que partem ao mesmo tempo do coração: 1 Sai do ventrículo direito através

Leia mais

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S

A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S A N E X O III A T R I B U I Ç Õ E S MÉDICO CIRURGIÃO VASCULAR Realizar procedimentos diagnósticos e terapêuticos, inclusive em Hemodinâmica; Prescrever e ministrar tratamento para as diversas afecções

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2 Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos Aula Prá8ca Abdome 2 Obje8vos Qual a importância da caracterização de lesões através de exames de imagem? Como podemos caracterizar nódulos hepá8cos? Revisar os

Leia mais

Hemangiomas: Quando operar e quando observar Orlando Jorge M.Torres Nucleo de Estudos do Fígado F - UFMA

Hemangiomas: Quando operar e quando observar Orlando Jorge M.Torres Nucleo de Estudos do Fígado F - UFMA Hemangiomas: Quando operar e quando observar Orlando Jorge M.Torres Nucleo de Estudos do Fígado F - UFMA Lesões Benignas do FígadoF Tumores Epiteliais Hepatocelular Hiperplasia nodular focal Hiperplasia

Leia mais

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira

VARIZES DE MEMBROS INFERIORES. Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira VARIZES DE MEMBROS INFERIORES Dr Otacilio Camargo Junior Dr George Kalil Ferreira Definição Dilatação, alongamento, tortuosidade com perda funcional, com insuficiência valvular Incidência: 3/1 sexo feminino;75%

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011

PÂNCREAS ENDÓCRINO. Felipe Santos Passos 2011 PÂNCREAS ENDÓCRINO Felipe Santos Passos 2011 LOCALIZAÇÃO Região epigástrica e hipocondríaca esquerda Nível de L1 L3 Transversalmente na parede posterior do abdome LOCALIZAÇÃO Retroperitoneal Relações Anatômicas:

Leia mais

PORTARIA SAS/MS Nº xxx de xx de outubro de O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e

PORTARIA SAS/MS Nº xxx de xx de outubro de O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e PORTARIA SAS/MS Nº xxx de xx de outubro de 2011 O Secretário de Atenção à Saúde, no uso de suas atribuições, e Considerando a Portaria 1.169/GM, de 15 de junho de 2004, que institui a Política Nacional

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2017 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005

Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005 Ministério da Saúde SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE PORTARIA Nº 765 DE 29 DE DEZEMBRO DE 2005 O Secretário de Atenção à Saúde Substituto, no uso de suas atribuições, e Considerando a Portaria GM/MS nº 1.161,

Leia mais

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS

REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS REFERENCIAL DE FISIOTERAPIA - ATUALIZADA 01/01/2016 Adequado à terminologia Unificada da Saúde Suplementar TUSS do Padrão TISS, regulamentado pela ANS Código Procedimento Autorização Prévia Valor 2.01.03.00-0

Leia mais

VASCULAR E INTERVENÇÃO

VASCULAR E INTERVENÇÃO VASCULAR E INTERVENÇÃO 225. Moraes, Ruy US Intervencionista Extra-Vascular Congresso Brasileiro de Radiologia 2005 Português - 30 minutos dvd 226. Alves, Silvia Lúcia Ecografia vascular arterial de MMSS

Leia mais

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos.

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos. Sumário Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos 1 Sistemas de Órgãos e Desenvolvimento das Cavidades Corporais 1.1 Definições, Visão Geral e Evolução das Cavidades Corporais 2 1.2

Leia mais

PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS

PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS MÉTODOS DIAGNÓSTICOS POR IMAGEM 4.08.00.00-8 RADIOGRAFIAS CRÂNIO E FACE (4.08.01.00-4) 4.08.01.12-8 Adenóides ou cavum... 2 0,0864 1B 1,220 4.08.01.16-0 Arcada dentária (por arcada)... 8 0,1296 1B 0,960

Leia mais

Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina

Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina Processo Seletivo para Médico Residente (Edital 002/2006) Caderno de Prova Cirurgia Vascular SES Secretaria de Estado da Saúde de Santa Catarina Cirurgia

Leia mais

TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS DR WANGLES SOLER

TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS DR WANGLES SOLER TRANSPLANTES DE ÓRGÃOS DR WANGLES SOLER Alexis Carrel Doador Cadáver Controle da Inflamação Xenotransplantes Desenvolvimentos dos Transplantes Curva de aprendizado Indicação para o transplante Imunossupressão

Leia mais

Anatomia das vias biliares extrahepáticas

Anatomia das vias biliares extrahepáticas Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto Anatomia das vias biliares extrahepá Prof. Kassim Mohamede K. Hussain Serviço de vias biliares e pâncreas II Departamento de Cirurgia Geral Introdução O adequado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Ano Opcional em Cirurgia do Aparelho Digestivo

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA. Ano Opcional em Cirurgia do Aparelho Digestivo UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO PAULO COMISSÃO DE EXAMES DE RESIDÊNCIA MÉDICA Novembro/2010 10 - Processo Seletivo para Residência Médica - 2011 Ano Opcional em Cirurgia do Aparelho Digestivo Nome do Candidato

Leia mais

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos Sistemas de Órgãos e Desenvolvimento das Cavidades Corporais Sistema Urinário.. Visão Geral............................................ 0

Leia mais

Traumatologia e Ortopedia

Traumatologia e Ortopedia Traumatologia e Ortopedia Ressecção de um corpo vertebral cervical; Ressecção de dois ou mais corpos vertebrais cervicais (inclui instrumentação) Principais Resultados de Provas Diagnósticas: Radiografia;

Leia mais

1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, INDEFERIDOS

1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, INDEFERIDOS NÍVEL SUPERIOR Questões 1, 3, 8, 12, 16, 17, 18, 20, 21, 23, 24, 31, 34, 38, 42, 43, 44, 46, 49, 54, 60, 64, 66, 68, 70, 71, 72, 73, 79, 80, 82, 88, 97, 99, 100 - INDEFERIDOS QUESTÃO 1 Além de rara (1/35000

Leia mais

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA DIA: 04/11 (SEXTA-FEIRA)

PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA DIA: 04/11 (SEXTA-FEIRA) PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA DIA: 04/11 (SEXTA-FEIRA) 08h30 10h00 08h30 08h40 08h40 08h50 08h50 09h00 09h00 09h10 09h10 09h20 Bloco 1 Fleboestética Como otimizar o resultado da escleroterapia? A associação com

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância magnética (RM)

Imagem da Semana: Ressonância magnética (RM) Imagem da Semana: Ressonância magnética (RM) Imagem 01. Ressonância Magnética de abdome ponderada em T1 após injeção do contraste, em fase arterial. Imagem 02. Ressonância Magnética de abdome ponderada

Leia mais

Santamália Saúde DIADEMA ALERGOLOGIA ANALISES CLINICAS (LABORATORIO) ANGIOLOGIA / CIRURGIA VASCULAR CIRURGIA GERAL CLINICA MEDICA

Santamália Saúde DIADEMA ALERGOLOGIA ANALISES CLINICAS (LABORATORIO) ANGIOLOGIA / CIRURGIA VASCULAR CIRURGIA GERAL CLINICA MEDICA ALERGOLOGIA DIADEMA ANALISES CLINICAS (LABORATORIO) ANGIOLOGIA / CIRURGIA VASCULAR CIRURGIA GERAL CLINICA MEDICA CONSULTA P/ COLPOSCOPIA ECOCARDIOGRAMA ECODOPPLERCARDIOGRAMA INFANTIL ELETROCARDIOGRAMA

Leia mais

TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG

TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA área restrita vários sistemas experiência individual pequena TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA Nº de lesões Mortalidade Guerra de Secessão (EUA) 4114 15% Guerra Espanhola Americana

Leia mais

Módulo: Câncer de Rim Metastático

Módulo: Câncer de Rim Metastático Módulo: Câncer de Rim Metastático Caso 1 RKG, 54 anos, masculino Assintomático Hipertensão arterial e Diabetes controlados Lesão observada em USG de rotina Nov/2009: RM de abdômen a seguir... RKG, 54 anos,

Leia mais

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP

DIAGNÓSTICO POR IMAGEM. Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP DIAGNÓSTICO POR IMAGEM Profa Dra Sandra Zeitoun UNIP TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA A neurociência teve que esperar mais de 70 anos, até que aparecesse um método de imagens por raios X que realmente fosse

Leia mais

SISTEMA CARDIOVASCULAR

SISTEMA CARDIOVASCULAR Sist cardiovascular Vasos 1 VASOS SANGÜÍNEOS Rede fechada de tubos ou canais, pelos quais circula continuamente o sangue, graças à contração rítmica do coração. (DI DIO, 2002) Características Forma e Calibre

Leia mais

SES - SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE 2014 PROVA OBJETIVA

SES - SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE 2014 PROVA OBJETIVA Você recebeu o seguinte material: - Uma contendo 50 (cinquenta) questões¹, à cada qual correspondem 4 (quatro) alternativas: A, B, C e D; - Um CARTÃO RESPOSTA personalizado. 1) Após a ordem para o início

Leia mais

Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado

Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado David C. Shigueoka Professsor afiliado Setor de Radiologia de Urgência / Abdome / US Departamento de Diagnóstico por Imagem Escola Paulista de Medicina

Leia mais

Paulo do Nascimento Junior

Paulo do Nascimento Junior Circulação Ex xtracorpórea Cirurgia de Aor rta Ascendente Paulo do Nascimento Junior Departamento de Anestesiologia da Facu uldade de Medicina de Botucatu, UNESP Curiosidades 1952 1ª ressecção de aneurisma

Leia mais

SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 2015 ÁREA DE ATUAÇÃO / CIRURGIA VASCULAR PROVA OBJETIVA

SECRETARIA DO ESTADO DE SAÚDE (SES) 2015 ÁREA DE ATUAÇÃO / CIRURGIA VASCULAR PROVA OBJETIVA 1 1) A arterite de Takayasu é considerada uma vasculite primária que se caracteriza por: a) acometer a aorta e seus principais ramos b) ser classificada como granulomatosa necrosante c) ter uma maior incidência

Leia mais

Guia prático para indicações de exames de TÓRAX

Guia prático para indicações de exames de TÓRAX Guia prático para indicações de exames de TÓRAX Guia prático para indicações de exames de TÓRAX O uso da tomografia computadorizada (TC) para avaliação da cavidade torácica revolucionou o diagnóstico e

Leia mais

DSTC DEFINITIVE SURGICAL TRAUMA CARE COURSE CUIDADOS DEFINITIVOS NA CIRURGIA DE TRAUMA

DSTC DEFINITIVE SURGICAL TRAUMA CARE COURSE CUIDADOS DEFINITIVOS NA CIRURGIA DE TRAUMA DSTC DEFINITIVE SURGICAL TRAUMA CARE COURSE CUIDADOS DEFINITIVOS NA CIRURGIA DE TRAUMA Course Director Carlos Mesquita International Course Faculty Carlos Mesquita Sandro Rizoli Local Course Faculty Tércio

Leia mais

Para um valor total máximo de 7,84

Para um valor total máximo de 7,84 ESCORES DE TRAUMA Obs: servem para triagem pré-hospitalar, comunicação inter-hospilalar e na comparação de resultados de protocolos e atendimentos. ESCORE DE TRAUMA REVISADO GCS* BPM* FR* Valor* O valor

Leia mais

FORMATAÇÃO DO POSTER E AVALIAÇÃO DA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS

FORMATAÇÃO DO POSTER E AVALIAÇÃO DA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS FORMATAÇÃO DO POSTER E AVALIAÇÃO DA APRESENTAÇÃO DOS TRABALHOS Com o objetivo de uniformizar o processo de apresentação dos temas livres, estamos descrevendo abaixo algumas orientações importantes para

Leia mais

ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA

ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA Disciplina: Anatomia e Fisiologia ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA Rafael Carvalho Silva Mestrado Profissional em Física Médica Fígado Lobo direito Veia Cava inferior Veia Hepática

Leia mais

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR

Secretaria de Saúde de Pernambuco SES Processo Seletivo à Residência 2006 CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR CONHECIMENTOS EM CIRURGIA VASCULAR Considerando a classificação de FONTAINE para o estadiamento da Doença Arterial Oclusiva Periférica, é correto afirmar: A) Os pacientes no estádio I devem receber tratamento

Leia mais

Imagem na Pleura. Bruno Hochhegger

Imagem na Pleura. Bruno Hochhegger Imagem na Pleura Bruno Hochhegger Médico Radiologista Torácico do Pavilhão Pereira Filho e PUC-RS Pós doutor Radiologia UFRJ e Doutor em Pneumologia UFRGS Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC-RS Plano

Leia mais

Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica

Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica Rafael Carvalho Silva Subcoordenador de Ensino e Pesquisa LCR/UERJ MSc Engenharia Nuclear Aplicada COPPE/UFRJ Área Controle de Qualidade em Radiodiagnóstico

Leia mais

EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA NA ÁREA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA INDICE

EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA NA ÁREA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA INDICE I. EDITAL PARA PROCESSO SELETIVO DE COMPLEMENTAÇÃO ESPECIALIZADA NA ÁREA DE RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA 1. Das Inscrições 2. Da Seleção 2. 1 Da Prova Escrita 2. 2 Curriculum Vitae 2. 3 Do Resultado INDICE

Leia mais

ECOGRAFIA PARA TRAUMA. protocolo

ECOGRAFIA PARA TRAUMA. protocolo ECOGRAFIA PARA TRAUMA protocolo Autor: Ecografista, Dra. Julia, Ucrânia, Hospital Central Do Lubango, Angola 2015 FAST Focused Assessment with Sonography for Trauma (avaliação focada com ecografia para

Leia mais

RESIDÊNCIA MÉDICA SES/MS-DGH 2016 CIRURGIA VASCULAR ÁREA DE ATUAÇÃO. ANGIORRADIOLOGIA e CIRURGIA ENDOVASCULAR (A301) ORGANIZADOR

RESIDÊNCIA MÉDICA SES/MS-DGH 2016 CIRURGIA VASCULAR ÁREA DE ATUAÇÃO. ANGIORRADIOLOGIA e CIRURGIA ENDOVASCULAR (A301) ORGANIZADOR RESIDÊNCIA MÉDICA SES/MS-DGH 2016 CIRURGIA VASCULAR ÁREA DE ATUAÇÃO ANGIORRADIOLOGIA e CIRURGIA ENDOVASCULAR (A301) 1 1) A constrição da traqueia e do esôfago pode se dar por malformações congênitas do

Leia mais

I FÓRUM DE CIRURGIA GERAL DO CFM ENSINO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA DIGESTIVA PRÉ-REQUISITOS, CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E DURAÇÃO DO PROGRAMA

I FÓRUM DE CIRURGIA GERAL DO CFM ENSINO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA DIGESTIVA PRÉ-REQUISITOS, CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E DURAÇÃO DO PROGRAMA I FÓRUM DE CIRURGIA GERAL DO CFM ENSINO E RESIDÊNCIA MÉDICA EM CIRURGIA DIGESTIVA PRÉ-REQUISITOS, CONTEÚDO PROGRAMÁTICO E DURAÇÃO DO PROGRAMA QUAIS AS COMPETÊNCIAS DO CIRURGIÃO GERAL QUAIS AS COMPETÊNCIAS

Leia mais

FERNANDO ALVES, VITOR CARVALHEIRO, ALFREDO G. AGOSTINHO, PAULO DONATO, A.O. PINTO, J.F. COSTA

FERNANDO ALVES, VITOR CARVALHEIRO, ALFREDO G. AGOSTINHO, PAULO DONATO, A.O. PINTO, J.F. COSTA RADIOLOGIA DE INTERVENÇÃO FERNANDO ALVES, VITOR CARVALHEIRO, ALFREDO G. AGOSTINHO, PAULO DONATO, A.O. PINTO, J.F. COSTA Clínica Universitária de Radiologia-CHUC Dir: Prof. Doutor F. Caseiro-Alves COIMBRA

Leia mais