PROTOCOLOS TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROTOCOLOS TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA"

Transcrição

1 PROTOCOLOS TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Radiologia e Diagnóstico por Imagem- HC-UFMG 2017

2 Sumário 1. EXAMES CRANIOENCEFÁLICO SEM CONTRASTE EXAMES CRANIOENCEFÁLICO SEM E COM CONTRASTE EXAMES ABDOME SUPERIOR INDICAÇÃO GERAL: FÍGADO EXAME ONCOLÓGICO - HIPOVASCULAR COM ORAL EXAME ONCOLÓGICO - HIPOVASCULAR SEM ORAL EXAME ONCOLÓGICO - LINFOMA E TUMOR DE TESTÍCULO EXAME ONCOLÓGICO - HIPERVASCULAR EXAMES ABDOME SUPERIOR PÂNCREAS EXAMES ABDOME E PELVE INDICAÇÃO GERAL: ENTERO EXAMES ABDOME E PELVE UROLÍTIASE EXAMES ABDOME E PELVE HEMATÚRIA EXAMES ABDOME E PELVE ESCLARECIMENTO DE MASSARENAL EXAMES ABDOME E PELVE PIELONEFRITE EXAMES ABDOME/ANGIO ANEURISMA DE AORTA ABDOMINAL EXAMES ABDOME/ANGIO ANEURISMA DE AORTA TORÁCICA EXAMES ABDOME/ANGIO DISSECÇÃO DE AORTA EXAMES ABDOME/ANGIO ANEURISMA PÓS-STENT ENDOVASCULAR EXAME PELVE PROTOCOLO TÓRAX SEM CONTRASTE AR (ROTINA) PROTOCOLO TÓRAX COM CONTRASTE PROTOCOLO TÓRAX ALTA RESOLUÇÃO EXAME ANGIO TÓRAX TEP EXAMES ANGIO CRANIO/CARÓTIDAS EXAMES ANGIO MMII EXAMES OSSO TEMPORAL/ MASTÓIDE/ OUVIDO EXAME SEIOS DA FACE EXAMES ARTICULAÇÕES EXAMES DE COLUNAS EXAME PESCOÇO EXAME SUPRARRENAL

3 1. EXAMES CRANIOENCEFÁLICO SEM CONTRASTE Indicações clínicas que seguirão este protocolo: Suspeita de AVE Cefaleia de longa data sem sinais de alarme Demência TCE (janela óssea) Protocolo - Parâmetros de exame Kv: 120 ma: 280 Tempo de rotação: 0,75 segundos Pitch factor: 0,656 Colimação: 0,5 x 32 Espessura do corte e intervalo de reconstrução: 5 mm Início e final dos cortes: forame magno ao vértice 2. EXAMES CRANIOENCEFÁLICO SEM E COM CONTRASTE Indicações clínicas que seguirão este protocolo: Suspeita de tumor primário ou secundário Convulsão a/e Cefaleia com sinais de alarme Processo infeccioso / inflamatório Suspeita de malformação vascular Suspeita de trombose de seio (sem CV, 2 min após a injeção do meio de contraste) Protocolo - parâmetros de exame Os mesmos do exame sem contraste. Contraste por via endovenosa: 50 ml (sempre fazer uma fase sem contraste). Injeção manual sem necessidade de bomba injetora. 2

4 Iniciar aquisição das imagens 1 minuto após o início da injeção do meio de contraste. 3. EXAMES ABDOME SUPERIOR INDICAÇÃO GERAL: FÍGADO EXAME FÍGADO TRIFÁSICO Indicação clínica para este protocolo Nódulo hepático a esclarecer Cirrose hepática e avaliação de lesões com suspeita de hepatocarcinoma Pedido médico de "abdome superior trifásico" Protocolo Fígado - Abdome superior ou total - Parâmetros de exame Colimação: 0,6 mm Espessura e intervalo de reconstrução: 2,0 x 2,0 mm Meio de contraste oral: não utilizado - tomar 4 copos de água Fases: sem contraste, arterial, portal e equilíbrio Meio de administração de meio de contraste EV: bomba injetora com velocidade de injeção de 3,0 a 4,0 ml/s Delay para fase arterial: usar SureStart com ROI na aorta abdominal com Densidade de 170 UH Delay para fase portal: s após o início da injeção Delay para fase de equilíbrio: 180 segundos após o início da injeção Observações Se abdome total - somente a fase portal vai cobrir a pelve - demais fases somente até crista ilíaca Se tiver tórax: fazer a aquisição da TC de tórax na arterial Em caso de identificação de nódulo de adrenal - fazer tardia 15 minutos de retardo após o início da administração do contraste EV 3

5 Em caso de suspeita de colangiocarcinoma - fazer tardia 15 minutos de retardo após o início da administração do contraste EV 4. EXAME ONCOLÓGICO - HIPOVASCULAR COM ORAL Protocolo Abdome Hipovascular com Oral Indicações clínicas para este protocolo - Controle oncológico: neoplasia colorretal neoplasia de estômago neoplasia de ovários Protocolo Abdome Hipovascular com Contraste Oral - Parâmetros de Exame Colimação: 0,6 mm Espessura e intervalo de reconstrução: 2,0 x 2,0 mm Meio de contraste oral: sim - 1 litro de iodo diluido - 1 copo a cada 10 min Fases realizadas: sem contraste e portal ATENÇÃO: fazer equilíbrio somente se necessário - se viu algo alterado no fígado (ex: nódulos) Meio de administração de meio de contraste EV: preferencialmente por bomba injetora Velocidade de injeção: 3,0 ml/s Se tiver tórax: fazer a aquisição da TC de tórax na fase portal Delay para fase portal: s após o início da injeção Delay para fase de equilíbrio se necessário: 180 segundos após o início da injeção Observações O contraste oral tem indicação nestes casos principalmente pela possibilidade de carcinomatose 4

6 Em caso de identificação de nódulo de adrenal - fazer tardia 15 minutos de retardo após o início da administração do contraste EV 5. EXAME ONCOLÓGICO - HIPOVASCULAR SEM ORAL Indicações clínicas para este protocolo 1. controle oncológico neoplasia de colo útero neoplasia de endométrio neoplasia ginecológico neoplasia de próstata neoplasia de pulmão Protocolo Abdome Hipovascular sem Contraste Oral - Parâmetros de Exame Colimação: 0,6 mm Espessura e intervalo de reconstrução: 2,0 x 2,0 mm Meio de contraste oral: não Fases realizadas: sem contraste e portal ATENÇÃO: fazer equilíbrio somente se necessário - se viu algo alterado no fígado (ex: nódulos) Meio de administração de meio de contraste EV: preferencialmente bomba injetora Velocidade de injeção: 3,0 ml/s Delay para fase portal: s após o início da injeção Delay para fase de equilíbrio se necessário: 180 segundos após o início da injeção Observações Se tiver tórax: fazer a aquisição da TC de tórax na portal (uma única aquisição a TC tórax e abdome superior/total) 5

7 Em caso de identificação de nódulo de adrenal - fazer tardia 15 minutos de retardo após o início da administração do contraste EV Em caso de suspeita de ca de útero - se tiver hidronefrose - fazer fase excretora - 7 a 10 minutos de delay 6. EXAME ONCOLÓGICO - LINFOMA E TUMOR DE TESTÍCULO Indicações clínicas para este protocolo 1. controle oncológico a. linfoma b. tu de testículo Protocolo Oncológico linfoma e tumor de testículo - parâmetros Colimação: 0,6 mm Espessura e intervalo de reconstrução: 2,0 x 2,0 mm Meio de contraste oral: sim - 1 litro de iodo diluido - 1 copo a cada 10 min Fases realizadas: somente portal ATENÇÃO: fazer equilíbrio somente se necessário - se viu algo alterado no fígado (ex.: nódulos) Meio de administração de meio de contraste EV: preferencialmente bomba injetora Velocidade de injeção: 3,0 ml/s Delay para fase portal: s após o início da injeção Delay para fase de equilíbrio se necessário: 180 segundos após o início da injeção Observações: Se tiver solicitação de TC tórax associada: fazer a aquisição da TC de tórax na portal (uma única aquisição todo o tórax e abdome superior/total) Se tiver solicitação de TC pescoço associada: fazer a aquisição da TC de pescoço logo após a fase portal (posição dos braços para aquisição da TC de pescoço - ao lado do corpo) 6

8 Em caso de identificação de nódulo de adrenal - fazer tardia 15 minutos de retardo após o início da administração do contraste EV 7. EXAME ONCOLÓGICO - HIPERVASCULAR Indicações clínicas para este protocolo Controle oncológico neoplasia mama neoplasia renal melanoma tumores neuroendócrinos GIST (tumor do estroma do trato gastrointestinal) sarcomas tumor de tireoide Protocolo Oncológico Hipervascular Parâmetros de Exame Colimação: 0,6 mm Espessura e intervalo de reconstrução: 2,0 x 2,0 mm Meio de contraste oral: não utilizado exceto GIST - 1 litro de iodo diluido - 1 copo a cada 10 min Fases contrastadas: sem contraste, arterial e portal (equilíbrio somente se suspeitar de alteração no fígado durante a fase portal) ATENÇÃO: fazer equilíbrio se viu algo alterado no fígado (ex.: nódulos) Meio de administração de meio de contraste EV: bomba injetora Velocidade de injeção: 3,0 a 4,0 ml/s Delay para fase portal: s após o início da injeção 7

9 Delay para fase de equilíbrio se necessário: 180 segundos após o início da injeção Observações Se tiver solicitação de TC tórax associada: fazer a aquisição da TC de tórax na fase arterial craniocaudal (uma única aquisição todo o tórax e abdome superior/fígado) Em caso de identificação de nódulo de adrenal - fazer tardia 15 minutos de retardo após o início da administração do contraste EV não fazer a equilíbrio neste caso (trocar pela tardia) Em caso de hidronefrose - fazer fase excretora - 7 a 10 minutos de delay - não fazer a equilibrio neste caso (trocar pela excretora) 8. EXAMES ABDOME SUPERIOR PÂNCREAS Exames Pâncreas Pancreatite Indicações Clínicas Pancreatite aguda Pancreatite crônica Protocolo Pâncreas - Parâmetros de Exame Colimação: 0,6 mm Espessura e intervalo de reconstr.: 2,0 x 2,0 mm Meio de contraste oral: não utilizado - tomar 4 copos de água logo antes do exame Fases: sem contraste, pancreática e venosa portal (equilíbrio somente em casos de nódulo hepático visto na portal) Meio de administração de meio de contraste EV: bomba injetora Velocidade de injeção contraste: 3,5 a 4,0 ml/s Delay para fase arterial: não usar SureStart - delay fixo de 40 segundos Delay para fase portal: 80 segundos após o início da injeção 8

10 Delay para fase de equilíbrio: 180 segundos após o início da injeção, se necessário Observações Se abdome total - somente a fase portal vai cobrir a pelve - demais fases somente até crista ilíaca Se tiver tórax: fazer a aquisição da TC de tórax na arterial Em caso de identificação de nódulo de adrenal - fazer tardia 15 minutos após o início da administração do contraste EV Fase não contrastada pode ser opcional - somente é mandatória se suspeita de pancreatite necro-hemorrágica 9. EXAMES ABDOME E PELVE INDICAÇÃO GERAL: ENTERO Protocolo 1 - Entero Doença Inflamatória Indicações clínicas para este protocolo Suspeita e/ou controle de doença de Crohn Suspeita e/ou controle de retocolite ulcerativa Diarreia crônica a/e Indicações inespecíficas, como dor abdominal a esclarecer Entero Doença Inflamatória Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução: 2,0 x 1,5 mm Meio de contraste oral: PEG 4000 Volume oral: 1500 ml (0, 20 e 40 min) - dar 3 copos de água logo antes de entrar (cerca de 450 ml) Fases realizadas: sem contraste* e entérica Velocidade de injeção contraste venoso: 3,0 ml/s 9

11 Delay para fase entérica: não usar SureStart - delay fixo de 55 segundos Observações O residente deve pessoalmente acompanhar todas as enterografias A fase sem contraste deve ser realizada para se certificar a chegada do meio de contraste entérico (PEG) no ceco, fazer com baixo ma (baixa dose) Se não chegou aguardar tempo necessário (em geral 15 a 30 min) Protocolo 2 - Entero Anemia Indicações clínicas para este protocolo Investigação de anemia Pesquisa de sangramento oculto Outras possíveis palavras na indicação: perda de sangue, melena, hematoquezia, dentre outros Entero Anemia Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstr.: 2,0 x 1,5 mm Meio de contraste oral: PEG 4000 Volume oral: 1500 ml (0, 20 e 40 min) - dar 3 copos de água logo antes de entrar (cerca de 450 ml) Fases realizadas: sem contraste, arterial (10 s após trigger) - Sure Start de 100 HU na aorta descendente - e entérica (60 s após início da administração do contraste EV) Meio de administração de meio de contraste EV: bomba injetora (3 a 4 ml/s) Observações O residente deve pessoalmente acompanhar todas as enterografias A fase sem contraste deve ser realizada para se certificar a chegada do meio de contraste entérico (PEG) no ceco, fazer com baixo ma (baixa dose) Se não chegou, aguardar tempo necessário (em geral 15 a 30 min) 10

12 10. EXAMES ABDOME E PELVE UROLÍTIASE Protocolo - Urolitíase Indicações clínicas para este protocolo Suspeita de cálculo renal Protocolo - Urolitíase Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução: 3,0 e 2,0 mm Meio de contraste oral: não utilizado Fases realizadas: sem contraste Observações: Preparo: Bexiga cheia 11. EXAMES ABDOME E PELVE HEMATÚRIA Indicações clínicas para este protocolo Hematúria Protocolo - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstr.: 3,0 e 2,0 mm Meio de contraste oral: não utilizado Fases realizadas: Sem contraste, Nefrográfica - 90s, Excretora - 7 min Observações Preparo: bexiga cheia 11

13 12. EXAMES ABDOME E PELVE ESCLARECIMENTO DE MASSA RENAL Indicações clínicas para este protocolo Massa renal a esclarecer Protocolo - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstr.: 3,0 e 2,0 mm Meio de contraste oral: não utilizado Fases realizadas: Sem contraste, Corticomedular - 30s, Nefrográfica - 90s, Excretora - 7 min Observações Preparo: bexiga cheia 13. EXAMES ABDOME E PELVE PIELONEFRITE Indicações clínicas para este protocolo Ausência de resposta à terapêutica Apresentação atípica (abscesso) Protocolo - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução: 3,0 e 2,0 mm Meio de contraste oral: não utilizado Fases realizadas: Sem contraste, Nefrográfica - 90s Observações: Preparo: bexiga cheia 12

14 14. EXAMES ABDOME/ANGIO ANEURISMA DE AORTA ABDOMINAL Indicações clínicas para este protocolo Avaliação de aorta abdominal, seus ramos (Tronco Celíaco, Mesentéricas, Renais...) e suas complicações decorrentes de aneurismas. Protocolo - Angio de Aorta Abdominal - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução: 1 mm/1 mm - precisa ser processada em WS específica - não usar Osirix ou Synedra - Processar na AW da GE ou Vítrea Meio de contraste oral: Não aplicável. Paciente em Apnéia. Fases realizadas: Arterial (Angiográfica) - Trigger na aorta logo acima da artéria mesentérica superior/tronco celiaco. ROI: 140 ou 180 UH (temos que testar) Utilizar 80 ml de contraste iodado. Fluxo de 4,5 ml s Observações: Quando for solicitado angiotomografia para pesquisa de isquemia mesentérica, adicionar uma fase portal (70 segundos) pode ser útil para avaliação da drenagem venosa abdominal. 13

15 15. EXAMES ABDOME/ANGIO ANEURISMA DE AORTA TORÁCICA Indicações clínicas para este protocolo Avaliação de aneurisma de aorta torácica e suas complicações. Protocolo - Angio de Aorta Torácica Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstr.: 1 mm/1 mm - precisa ser processada em WS específica - não usar Osirix ou Synedra - Usar GE ou Vitrea Meio de contraste oral: Não aplicável. Paciente em Apnéia. Fases realizadas: Arterial (Angiográfica) - Trigger no arco aórtico. ROI: 140 ou 180 UH (temos que testar). Utilizar 80 ml de contraste iodado. Fluxo de 4,5 ml s. 16. EXAMES ABDOME/ANGIO DISSECÇÃO DE AORTA Indicações clínicas para este protocolo Dissecção de aorta - Diagnóstico e classificação. Protocolo - Angio Dissecção - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstr.: 1 mm/1 mm - precisa ser processada em WS específica - não usar Osirix ou Synedra - usar GE ou Vitrea Meio de contraste oral: Não aplicável. Paciente em Apneia. 14

16 Fases realizadas: Sem contraste - Útil para visualização de calcificações, trombos murais e derrames (pleural, pericárdico ou mediastinal) - Espessura de 2,5 mm. Arterial (Angiográfica) - Trigger na aorta descendente. ROI: 140 ou 180 UH - Testar. Utilizar 80 ml de contraste iodado. Velocidade de infusão 4,5 ml s Observações: O ROI no arco da aorta - possibilidade de confundir com o falso lúmen. 17. EXAMES ABDOME/ANGIO ANEURISMA PÓS-STENT ENDOVASCULAR Indicações clínicas: - Controle pós-cirúrgico para avaliação de: Endoleak Estenose Trombose da luz da prótese Migração da prótese Angulação da prótese Dissecção do vaso de via de acesso Protocolo de Angio de Abdome / Aneurisma pós-stent endovascular Parâmetros de exame 15

17 Colimação 0,5 x 64 Delay 60s KV: 100 ma: 120 Direção: Craniocaudal Marco inicial: Diafragma Marco final: Sínfise púbica Trigger: Aorta abdominal - UH 180 Espessura de reconstrução: 1,0mm Intervalo de reconstrução: 1,0mm ATENÇÃO: processar na Vítrea ou GE, sempre Fases realizadas: Sem contraste EV - espessaura 2,5 mm Com contraste EV Fase arterial (trigger na aorta - tronco celíaco UH) Fase venosa/tardia (60s após a primeira fase - término da fase arterial) Volume 80 ml Observações: A fase sem contraste visa a detecção de calcificação no interior do saco aneurismático (pode ser confundido com Endoleak) A angiotomografia tem sido considerada mais acurada que a angiografia na pesquisa de endoleak Intervalo de controle: 3, 6, 12, 18 e 24 meses. Depois, anualmente. Sucesso do tratamento: exclusão completa do fluxo para o saco aneurismático com parada e redução do crescimento do aneurisma. 18. EXAME PELVE Indicações clínicas para este protocolo Avaliação de coleções ou massas pélvicas 16

18 Avaliação de complicações pós cirúrgicas. Estadiamento de lesões. Propedêutica para mal formações congênitas, que envolvam órgãos reprodutores. Trauma Protocolo Pelve - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução:2 mm Meio de contraste oral: Indicado na pesquisa de coleções, abscessos e fístulas. Também pode ser útil na avaliação do cólon. Fases realizadas: Fase portal - Delay de 70 segundos. 19. TÓRAX SEM CONTRASTE AR (ROTINA) Indicações clínicas: Avaliação do parênquima pulmonar. - Pneumonia não complicada, pesquisa de foco fúngico, nódulo pulmonar, metástase, etc. - Nos casos de doença pulmonar intersticial difusa, suspeita ou confirmada, deve ser adicionado o protocolo de alta resolução em expiração. Protocolo Tórax sem contraste AR (Rotina) - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução: 3 mm / 3 mm e 1 mm / 10 mm Meio de contraste oral: Não Volume oral: Não Fases realizadas: Sem contraste 17

19 Observações: Na suspeita de traqueomalácia / tosse muito intensa: - Aquisição em expiração da glote até 3 cm abaixo da carina. - RECONSTRUIR NA VITREA 20. TÓRAX COM CONTRASTE Indicações clínicas: Avaliação pleural, mediastinal e dos hilos pulmonares. Massa pulmonar. Pneumonia complicada / Empiema. Estadiamento. Protocolo Tórax com contraste - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução: 3mm / 3 mm. Meio de contraste: 1,0 ml / Kg (Volume mínimo: 70 ml). Volume oral: Não. Fases realizadas: Apenas fase arterial - SureStart + ROI no tronco da pulmonar Demais indicações: Apenas fase venosa - 50 a 60 segundos - fixo sem usar o Sure Start Estadiamento de neoplasia primária do pulmão 18

20 21. PROTOCOLO TÓRAX ALTA RESOLUÇÃO Indicações clínicas para este protocolo Dispneia ou tosse como sintoma principal. Doença pulmonar difusa Sarcoidose, bronquiolite, BOOP, aprisionamento de ar ou hiperinsuflação pulmonar, enfisema, histiocitose, LAM, ocupacionais e outras doenças intersticiais. Protocolo Tórax Alta Resolução - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução.: - 3 mm / 3 mm (inspiração) - 1 mm / 10 mm (expiração posição supina) - 1 mm / 20 mm (expiração posição prona) Meio de contraste oral: Não. Volume oral: Não. Fases realizadas: - Helical volumétrico em inspiração. - Axial em expiração (posição supina). - Axial em expiração (posição prona). SE INDICADO Observações: Fazer decúbito ventral (posição prona) nos casos de alterações pouco exuberantes de doenças intersticiais. Avaliação de alterações precoces. 22. EXAME ANGIO TÓRAX TEP Indicações clínicas: Suspeita de tromboembolismo pulmonar 19

21 Protocolo - Angio Tórax TEP - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 (32 mm) Meio de contraste oral: Não Volume oral: Não Direção: caudocranial Marco inicial: acima dos ápices pulmonares Marco final: abaixo das bases Fases realizadas: Arterial Local do trigger: Tronco da artéria pulmonar* UH do local do trigger: 90 HU Volume do contraste: 50 ml Velocidade: 4,0 ml/s Acesso: Gelco 18, antebraço direito - MUITO IMPORTANTE O BRAÇO DIREITO! Observações: Explicar ao paciente a necessidade de manter a respiração estável (somente parar de respirar), sem inspirar forçadamente, pois a inspiração forçada pode fazer que grande quantidade de sangue não contrastado na VCI entrar na circulação pulmonar. 23. EXAMES ANGIO CRANIO/CARÓTIDAS Indicações clínicas: Aneurismas arteriais ou pseudoaneurismas AVEi, vasoespasmo e tromboembolismo Hemorragia intracraniana Vasculite ou doença do colágeno 20

22 Doença ateromatosa estenótica/oclusiva Trombose venosa/de seio dural Malformações vasculares/ fístulas Variações anatômicas vasculares Avaliação pré/pós intervenção vascular Tumores de origem vascular Localização de estruturas vasculares para planejamento cirúrgico Protocolo Angio de crânio/carótidas - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 KV: 120 ma: modulado Espessura e intervalo de reconstrução: 1,0 mm e 0,7 mm Fases realizadas: - Contraste venoso - 60 ml + 20 ml SF 0.9% na bomba injetora a 4,0 ml/s. - Scan View (S&V) localizado no terço médio do pescoço, disparo manual ao corar as carótidas. - Crânio + carótidas - 70 ml de contraste venoso. - Direção do corte/limites: de cima para baixo - Crânio: vértex a C1 / Carótidas: polígono de Willis ao arco aórtico. Observações: Contraste venoso ideal : 350mg/ml Bomba injetora de duas cabeças. 21

23 24. EXAMES ANGIO MMII Indicações clínicas: Doença arterial oclusiva Estenoses Aneurismas Aprisionamento poplíteo Dissecção Vasculite Trombose Fístulas AV Displasia fibromuscular Caracterização das malformações vasculares Planejamento cirúrgico de revascularização Avaliação pré e pós a aplicação de stent Complicações vasculares pós-cirúrgicas ou traumáticas Protocolo de Angio de MMII Parâmetros de Exame Colimação: 0,5x64 Espessura de reconstrução:1,0mm Intervalo de reconstrução: 0,7mm KV: 140 (para todo o abdome e todo o membro inferior) 120 (para a perna) ma: modulador de dose Pitch: 0,35 Tempo de rotação: 0,5s Delay: 10s 22

24 Direção: Craniocaudal e Caudocranial até a coxa, se atraso na chegada do contraste EV Marco inicial: Diafragma Marco final: Pé Trigger: Aorta abdominal UH Meio de contraste EV: 100 a 120 ml Velocidade de injeção: 4,o ml/s Meio de contraste oral: Não 25. EXAMES OSSO TEMPORAL/ MASTÓIDE/ OUVIDO Indicações clínicas: Perda auditiva condutiva Tinnitus, Otalgia, Otorreia, Anomalias congênitas Otite média crônica Colesteatoma adquirido ou congênito Otosclerose Tumores Pós operatório Implante coclear Labirintite ossificante Protocolo Osso Temporal - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução. partes moles: 2,0 mm Espessura e intervalo de reconstrução. osso: corte 0,6 mm e recontruir. 0,4 mm Reconstruir cada lado separadamente - direito e esquerdo Fotografar separadamente - cada lado 23

25 Fases realizadas: Sem contraste Contraste EV: somente nos casos de suspeita de neurinoma do acústico / meningioma / tumor glômico / outros tumores. Avaliação de tumores limitada - indicação de RM, principalmente orelha interna 26. EXAME SEIOS DA FACE Indicações clínicas: Neoplasia Epistaxe Condições inflamatórias / infecciosas Protocolo - Seios da Face Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução.: 2 x1 mm (janela óssea) 3 x 3 mm (janela de partes moles) Fases realizadas: sem contraste e com contraste em caso de neoplasia ou epistaxe KV 120 ma 150 Pitch 0,641 Sure start: se tiver contraste Corta de cima para baixo Iniciar cerca de 1 cm acima da borda superior dos seios frontais até o palato duro Observações: Realizar contraste em caso de epistaxe ou neoplasia. 24

26 27. EXAMES ARTICULAÇÕES Indicações clínicas: Avaliação de fraturas Avaliação de próteses Doenças degenerativas Mensurações ortopédicas Avaliação de massas ou infecção em pacientes com contraindicação ao contraste e à RM Protocolo - Rotina sem contraste Posicionamentos Princípio da menor sobreposição óssea: Mão e punho: mão aberta. Ombro: se possível cefalizar o ombro a ser estudado para evitar artefatos do outro ombro. Cotovelo: obliquar. Próteses: Em todos os casos o osso adjacente à prótese deve ser incluído ao exame, mesmo que o FOV vá além da articulação. O Kv pode ser aumentado para até 140 kv em caso de próteses metálicas. mas modulado automaticamente a partir do escanograma 28. EXAMES DE COLUNAS Protocolo - Coluna sem contraste Verificar se o paciente fará outro exame que contém o segmento de coluna a ser estudado, ou se já fez e ainda tem no tomógrafo. Por exemplo: Pescoço Coluna cervical Tórax 25

27 Coluna torácica Abdome e pelve Coluna lombar / lombossacra / bacia Caso positivo, realizar reconstrução a partir do raw data do outro exame. Abrangência do exame: Coluna cervical: base do crânio até topo de T3 Coluna torácica: base de C6 até topo de L2 Coluna lombar: base de T10 até topo do sacro 29. EXAME PESCOÇO Indicação clínica: - Avaliação de massas cervicais. ]Protocolo - Pescoço Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução: 1,0 mm x 1,0 mm. Fases realizadas: sem contraste com contraste Pescoço avaliação de câncer de laringe - Parâmetros de exame: Colimação: 0,5 x 64 Espessura e intervalo de reconstrução: 3,0 mm x 3,0 mm. Fases realizadas: sem contraste e com contraste Observações: Posicionamento: Cabeça em 90*. 26

28 Fonação (treinar com paciente). Injetar contraste sem fonação. No caso de tumor de boca: encher a boca de ar. 30. EXAME SUPRARRENAL Indicação clínica: - Nódulo adrenal a esclarecer Suprarrenal - abdome superior ou total - Parâmetros de Exame Colimação: 0,5 mm Espessura e intervalo de reconstrução.: 2,0 x 2,0 mm Meio de contraste oral: não utilizado - tomar 4 copos de água Fases: sem contraste, 60s, tardia (10-15 min) Meio de administração de meio de contraste EV: bomba injetora com velocidade de injeção: 3,0 a 4,0 ml/s KV: 100 mas: 120 Direção: Craniocaudal Marco inicial: Diafragma Observações: - Se nódulo tiver densidade <10 UH no exame sem contraste = adenoma, encerra o exame. 27

Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR

Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR Sugestão de Protocolos de Tomografia Computadorizada CBR - 2015 Introdução: Este documento foi elaborado de acordo com o auxilio de radiologistas que atuam nas diversas áreas de estudo da tomografia e

Leia mais

18/01/2009 ROTINAS BÁSICAS DE EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM EM PEDIATRIA

18/01/2009 ROTINAS BÁSICAS DE EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM EM PEDIATRIA 18/01/2009 ROTINAS BÁSICAS DE EXAMES DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA EM DIAGNÓSTICO POR IMAGEM EM PEDIATRIA RESPONSABILIDADE PROF. DR. HENRIQUE M. LEDERMAN COLABORAÇÃO E APOIO DOS DOCENTES E MÉDICOS DA DISCIPLINA

Leia mais

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura

TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS. Leonardo Oliveira Moura TROMBOEMBOLISMO PULMONAR EMERGÊNCIAS AÓRTICAS Leonardo Oliveira Moura Dissecção da Aorta Emergência aórtica mais comum Pode ser aguda ou crônica, quando os sintomas duram mais que 2 semanas Cerca de 75%

Leia mais

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1

PROTOCOLOS INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 1 de 9 1. TC TÓRAX INICIAIS DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA TÓRAX PADI NORMA 1 TODO O PARÊNQUIMA PULMONAR Incluir todas as últimas costelas se para dor torácica/trauma Opcional em doenças do esôfago VELOCIDADE

Leia mais

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2

Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos. Aula Prá8ca Abdome 2 Caracterização de lesões Nódulos Hepá8cos Aula Prá8ca Abdome 2 Obje8vos Qual a importância da caracterização de lesões através de exames de imagem? Como podemos caracterizar nódulos hepá8cos? Revisar os

Leia mais

TABELA DE PREÇOS Crânio: Frente + Perfil + Towne 80,00 70,00 Seios da Face 2 posições Seios da face: fronto e mento naso

TABELA DE PREÇOS Crânio: Frente + Perfil + Towne 80,00 70,00 Seios da Face 2 posições Seios da face: fronto e mento naso TABELA DE PREÇOS - 2016 Crânio Frente e Perfil Crânio (F+P) CRÂNIO E FACE PART. CONV. Crânio: Frente + Perfil + Towne Seios da Face 2 posições Seios da face: fronto e mento naso Seios da face: fronto +

Leia mais

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos

ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos ROL DE PROCEDIMENTOS E EVENTOS EM SAÚDE 2014 Resolução Normativa - RN Nº 338, de 21 de outubro de 2013 e anexos Atualizado em 25 de fevereiro de 2014 RADIOSCOPIA DIAGNÓSTICA AMB HCO HSO RADIOSCOPIA PARA

Leia mais

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos.

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos. Sumário Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos 1 Sistemas de Órgãos e Desenvolvimento das Cavidades Corporais 1.1 Definições, Visão Geral e Evolução das Cavidades Corporais 2 1.2

Leia mais

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS

IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS IMAGIOLOGIA NOS TUMORES DE CÉLULAS RENAIS Tiago Saldanha José Durães Serviço de Radiologia HEM - CHLO Curso de carcinoma de células renais Lisboa 2015 PAPEL DOS MÉTODOS DE IMAGEM Diagnóstico Estadiamento

Leia mais

TÉCNICA EM RADIOLOGIA

TÉCNICA EM RADIOLOGIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO Hospital Universitário TÉCNICA EM RADIOLOGIA Parte I: Múltipla Escolha Hospital Universitário

Leia mais

Atendimento ao Poli Traumatizado no Serviço de Imagem (T.C.)

Atendimento ao Poli Traumatizado no Serviço de Imagem (T.C.) Atendimento ao Poli Traumatizado no Serviço de Imagem (T.C.) Cláudio Araújo dos Santos Eterno discente e Descrente da Radiologia. The god medical radioly of universe. (sou do meu universo) Técnico em Radiologia

Leia mais

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31

Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Integração e Regulação do Sistema PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31 PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES DE RESSONÂNCIA MAGNÉTICA GRUPO 31 JULHO 2007 Contra-Indicações absolutas: pacientes portadores de marca-passo cardíacos, clipes de aneurisma cerebral, fragmentos metálicos

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 2 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2016 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso

Aortografia abdominal por punção translombar Angiografia por cateterismo não seletivo de grande vaso 40812006 PROCEDIMENTOS DIAGNÓSTICOS E TERAPÊUTICOS (MÉTODOS DIAGNOS 40812014 Aortografia abdominal por punção translombar 40812022 Angiografia por punção 40812030 Angiografia por cateterismo não seletivo

Leia mais

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas

Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL. Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de Entidades Convencionadas Exames Complementares de Diagnóstico RADIOLOGIA - RADIOLOGIA CONVENCIONAL Convenção n.º 19/2016, de 05 de agosto de 2016 Entidades Convencionadas Designação Morada Valências Contactos CAL - Clínica do

Leia mais

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges

RADIOGRAFIA ABDOMINAL. Profª Drª Naida Cristina Borges RADIOGRAFIA ABDOMINAL Profª Drª Naida Cristina Borges Produção de Radiografias Diagnósticas Preparo adequado jejum/enema Pausa da inspiração evita o agrupamento das vísceras Indicações para a Radiologia

Leia mais

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos

Sumário. Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos Estrutura e Desenvolvimento Embrionário dos Sistemas de Órgãos Sistemas de Órgãos e Desenvolvimento das Cavidades Corporais Sistema Urinário.. Visão Geral............................................ 0

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PROFESSOR(ES): Luciana Costa (Resp) Andréa Bastos 1. EMENTA: A disciplina Anatomia Radiológica

Leia mais

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME

TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DO ABDOME PROTOCOLO DE ABDOME TOTAL POSIÇÃO DORSAL: Paciente em decúbito dorsal, entrando primeiro com a cabeça, apoiada sobre o suporte reto, braços elevados acima da cabeça.

Leia mais

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE

Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE. João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Centro Hospitalar de Hospital São João, EPE João Rocha Neves Faculdade de Medicina da UP CH - Hospital São João EPE Doença carotídea Doença arterial periférica Isquemia aguda Estenose da artéria renal

Leia mais

COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE

COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SECRETARIAS MUNICIPAIS DE SAÚDE Resolução nº 48/2009 O COORDENADOR DA COMISSÃO INTERGESTORES BIPARTITE, no uso de suas atribuições legais que lhe são conferidas e em cumprimento aos dispositivos constantes do seu Regimento Interno, e

Leia mais

Embolização nas Hemorragias Digestivas

Embolização nas Hemorragias Digestivas Embolização nas Hemorragias Digestivas Francisco Leonardo Galastri Cirurgião Endovascular e Radiologista Intervencionista Departamento de Radiologia Vascular Intervencionista do Hospital Israelita Albert

Leia mais

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2

Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica. Dr. Murilo Rodrigues R2 Setor de Radiologia do Abdome Reunião Clínica Dr. Murilo Rodrigues R2 Quadro clínico - JCC, sexo masculino. - Vítima de acidente automobilístico - Dor Abdominal Estudo tomográfico: Achados Tomográficos:

Leia mais

XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen.

XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen. XIV Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalazen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO CLÍNICO 1 Pcte do sexo feminino com queixa de dor abdominal difusa. Coronal Sagital Laudo Aspecto compatível

Leia mais

Principais características

Principais características Tomografia Computadorizada com Multidetectores Philips Brilliance 64 Reunião Abdome DDI 17/6/2009 Carlos Matsumoto MDCT X SDCT Principais características Cortes mais rápidos < artefatos de movimentos Melhor

Leia mais

XVI Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen.

XVI Reunião Clínico - Radiológica. Dr. RosalinoDalasen. XVI Reunião Clínico - Radiológica Dr. RosalinoDalasen www.digimaxdiagnostico.com.br CASO 1 Paciente: M. G. A., 38 anos, sexo feminino. Queixa: Infecção do trato urinário de repetição. Realizou ultrassonografia

Leia mais

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões.

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. Programa de Certificação de Qualidade O Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) disponibiliza os Protocolos de Tomografia Computadorizada elaborados pela Comissão e que podem ser consultados através do

Leia mais

RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA)

RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA) RADIOLOGIA PULMONAR RADIOLOGIA PULMONAR INCIDÊNCIA : PÓSTERO-ANTERIOR (PA) É A MAIS UTILIZADA NA RADIOGRAFIA SIMPLES DO TÓRAX. É NECESSÁRIA UMA DISTÂNCIA MÍNIMA PARA A SUA REALIZAÇÃO, DA ORDEM DE 1,50

Leia mais

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática.

03/05/2012. Abdome Agudo. Abdome Agudo obstrutivo. Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Abdome Agudo Dor de início súbito (de horas até 7 dias), não traumática. Demanda intervenção médica imadiata, cirúrgica ou não 2 Abdome Agudo obstrutivo Gastro-intestinal Vólvulo Hérnias Aderências Genito-urinário

Leia mais

TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG

TRAUMA CERVICAL - IMPORTÂNCIA. área restrita. vários sistemas. experiência individual pequena FCMSCSP - AJG TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA área restrita vários sistemas experiência individual pequena TRAUMA CERVICAL IMPORTÂNCIA Nº de lesões Mortalidade Guerra de Secessão (EUA) 4114 15% Guerra Espanhola Americana

Leia mais

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar

FÍGADO. Veia cava inferior. Lobo direito. Lobo esquerdo. Ligamento (separa o lobo direito do esquerdo) Vesícula biliar FÍGADO É o maior órgão interno È a maior glândula É a mais volumosa de todas as vísceras, pesa cerca de 1,5 kg no homem adulto, e na mulher adulta entre 1,2 e 1,4 kg Possui a coloração arroxeada, superfície

Leia mais

5 de Outubro de Professor Ewerton. Introdução à Radiologia do Tórax

5 de Outubro de Professor Ewerton. Introdução à Radiologia do Tórax 5 de Outubro de 2007. Professor Ewerton. Introdução à do Tórax Métodos de investigação radiológica Radiografias. TC. RM. Medicina Nuclear. US. Angiografias. Os dois primeiros são os mais utilizados. Radiografia

Leia mais

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny

Infecções e inflamações do trato urinário, funçao sexual e reprodutiva Urologia Denny DATA hora AULA PROGRAMADA Módulo PROFESSOR 25/10/2013 14:00-14:55 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 14:55-15:50 Abdome Agudo - perfurativo e vascular/hemorrágico Clínica

Leia mais

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS -

PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - PROTOCOLO DE EXAMES DE RM GINECOLÓGICA - ORIENTAÇÕES GERAIS - Todas as sequências efectuadas deverão ser optimizadas de acordo com as especificidades do aparelho disponível. Preparação: 4-6h de jejum Esvaziar

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PROFESSORES: Luciana Batista Nogueira (TP1) Críssia Carem Paiva Fontainha (TP2) 1. EMENTA: Métodos radiográficos convencionais. 2. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Sumário. Hipertransparência Radiológica. Embolia pulmonar. De causa pleural Pneumotórax De causa pulmonar

Sumário. Hipertransparência Radiológica. Embolia pulmonar. De causa pleural Pneumotórax De causa pulmonar 4ª Aula Prática Sumário Hipertransparência Radiológica De causa pleural Pneumotórax De causa pulmonar Generalizada: enfisema Localizada: bolhas, bronquiectasias, cavitação Embolia pulmonar Sumário O mediastino

Leia mais

19h45. Grandezas e Unidades das Radiações 18h30

19h45. Grandezas e Unidades das Radiações 18h30 MÓDULO INTRODUÇÃO AO RADIODIAGNÓSTICO - FÍSICA R1 Coordenadores Dr. Cláudio Menezes CNEN 15/mar Inscrições 18h00 17/mar Noções de Estrutura da Matéria Produção de Raios X e Interação da Radiação Eletromagnética

Leia mais

CIRURGIA DO PÂNCREAS

CIRURGIA DO PÂNCREAS UNIFESP CIRURGIA DO PÂNCREAS PANCREATITE CRÔNICA Educação Continuada - 2007 Cirurgia Geral CBC-SP EJL PANCREATITE CRÔNICA Alterações pancreáticas parenquimatosas e ductais evolutivas e de caráter irreversível

Leia mais

PRINCÍPIOS DA RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA

PRINCÍPIOS DA RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA PRINCÍPIOS DA RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA RADIOLOGIA INTERVENCIONISTA Diagnóstica Terapêutica Drenagem de abscessos Ablação de tumores Tratamento da dor 2 Princípios da intervenção: Avaliar os exames prévios

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA DE TECNOLOGIA RADIOLÓGICA I PROFESSORES: Luciana Batista Nogueira (TP1) Críssia Carem Paiva Fontainha (TP2) 1. EMENTA: Métodos radiográficos convencionais. 2. JUSTIFICATIVA:

Leia mais

Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro. Sistema Circulatório

Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro. Sistema Circulatório Centro Universitário Maurício de Nassau Prof. Douglas Monteiro Sistema Circulatório Coração Conceito: É um órgão muscular central do aparelho circulatório, que funciona como uma bomba dupla de sucção e

Leia mais

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO

POSICIONAMENTO CIRÚRGICO POSICIONAMENTO CIRÚRGICO O posicionamento cirúrgico é uma arte, uma ciência e também um fator chave no desempenho do procedimento seguro e eficiente, por meio da aplicação de conhecimentos relacionados

Leia mais

PLANO DE ENSINO. Anatomia humana de estruturas reunidas em um mesmo território anatômico e suas representações em exames de imagem normais.

PLANO DE ENSINO. Anatomia humana de estruturas reunidas em um mesmo território anatômico e suas representações em exames de imagem normais. NOME: ANATOMIA TOPOGRÁFICA E IMAGEM Código: IMA002 Carga horária: 120 HORAS-AULA (30 HORAS TEÓRICAS E 90 HORAS PRÁTICAS) Créditos: 08 Período do curso: 4 PERÍODO Pré-requisitos: FIB040 EMENTA PLANO DE

Leia mais

Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado

Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado Avaliação tomográfica do trauma abdominal fechado David C. Shigueoka Professsor afiliado Setor de Radiologia de Urgência / Abdome / US Departamento de Diagnóstico por Imagem Escola Paulista de Medicina

Leia mais

Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica

Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica Anatomia Radiológica para Aplicação na Física Médica Rafael Carvalho Silva Subcoordenador de Ensino e Pesquisa LCR/UERJ MSc Engenharia Nuclear Aplicada COPPE/UFRJ Área Controle de Qualidade em Radiodiagnóstico

Leia mais

Sistema Circulatório. Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular. Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular. Angiologia

Sistema Circulatório. Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular. Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular. Angiologia Sistema Circulatório Aparelho Circulatório Aparelho cárdio-vascular Sistema Vascular Sistema Cárdio-Vascular Angiologia Sistema Circulatório Funções Meio de transporte Ligação metabólica entre diferentes

Leia mais

Plano de aula. Aspectos Técnicos. Novos conceitos em Pneumonias Intersticiais 16/04/2015

Plano de aula. Aspectos Técnicos. Novos conceitos em Pneumonias Intersticiais 16/04/2015 Novos conceitos em Pneumonias Intersticiais Bruno Hochhegger MD, PhD brunohochhegger@gmail.com Professor de Radiologia da UFCSPA e PUC/RS Doutor em Pneumologia pela UFRGS Pós doutor em Radiologia pela

Leia mais

Discussão de Casos - Mutações ALK. Eduardo Cronemberger Oncologia clínica/ Pesquisa clínica PRONUTRIR e CRIO GBOT/LACOG Fortaleza-Ceará

Discussão de Casos - Mutações ALK. Eduardo Cronemberger Oncologia clínica/ Pesquisa clínica PRONUTRIR e CRIO GBOT/LACOG Fortaleza-Ceará Discussão de Casos - Mutações ALK Eduardo Cronemberger Oncologia clínica/ Pesquisa clínica PRONUTRIR e CRIO GBOT/LACOG Fortaleza-Ceará Conflito de interesses Não há conflito de interesses relacionado a

Leia mais

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular

- termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um. - Considerado aneurisma dilatação de mais de 50% num segmento vascular Doenças Vasculares Aneurisma A palavra aneurisma é de origem grega e significa Alargamento. - termo utilizado para designar uma Dilatação Permanente de um segmento vascular. - Considerado aneurisma dilatação

Leia mais

Imagens de adição -úlceras

Imagens de adição -úlceras Tracto Digestivo 8 -Estudos contrastados do tubo digestivo (conclusão) Imagens de adição (cont.) os processos ulcerativos A radiologia digestiva na era da endoscopia 9 -A imagiologiaseccional no estudo

Leia mais

ECOGRAFIA PARA TRAUMA. protocolo

ECOGRAFIA PARA TRAUMA. protocolo ECOGRAFIA PARA TRAUMA protocolo Autor: Ecografista, Dra. Julia, Ucrânia, Hospital Central Do Lubango, Angola 2015 FAST Focused Assessment with Sonography for Trauma (avaliação focada com ecografia para

Leia mais

ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA

ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA Disciplina: Anatomia e Fisiologia ANATÔMIA RADIOLÓGICA DA CAVIDADE ABDOMINAL E PÉLVICA Rafael Carvalho Silva Mestrado Profissional em Física Médica Fígado Lobo direito Veia Cava inferior Veia Hepática

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS

CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS FACULDADE UNIGRAN CAPITAL TECNÓLOGO EM RADIOLOGIA PRINCÍPIOS E TÉCNICAS DA ENFERMAGEM CUIDADOS COM CATETERES E SONDAS ACESSO VENOSO PERIFÉRICO Definido como acesso ao sistema venoso sistêmico por punção

Leia mais

ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima

ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima Sistema Cardiovascular ANATOMIA SISTÊMICA Profa.Ms. Marcelo Lima INTRODUÇÃO: CONCEITO: O sistema cardiovascular ou circulatório é formado por uma vasta rede de tubos, que põe em comunicação todas as partes

Leia mais

ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O

ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O ANEURISMA CEREBRAL M A R I A D A C O N C E I Ç Ã O M. R I B E I R O O aneurisma intracraniano (cerebral) representa a dilatação das paredes de uma artéria cerebral, que se desenvolve como resultado da

Leia mais

Fraturas e Luxações Prof Fabio Azevedo Definição Fratura é a ruptura total ou parcial da estrutura óssea 1 Fraturas Raramente representam causa de morte, quando isoladas. Porém quando combinadas a outras

Leia mais

Curso Carcinoma Células Renais Coimbra Setembro 2013

Curso Carcinoma Células Renais Coimbra Setembro 2013 Tumores de Células Renais Tiago Saldanha José Durães Serviço de Radiologia HEM - CHLO Curso Carcinoma Células Renais Coimbra Setembro 2013 Tumores de Células Renais Tríade Clássica: Dor Hematúria Massa

Leia mais

Encargo ADSE. Encargo Beneficiário. Código Designação Preço RADIOLOGIA CABEÇA E PESCOÇO

Encargo ADSE. Encargo Beneficiário. Código Designação Preço RADIOLOGIA CABEÇA E PESCOÇO RADIOLOGIA CABEÇA E PESCOÇO 10004 Crânio, uma incidência 5,50 4,40 1,10 10005 Crânio, duas incidências 6,00 4,80 1,20 10010 Sela turca 3,00 2,40 0,60 10024 Mastóides, uma incidência 4,70 3,70 1,00 10025

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA TECNOLOGIA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA II 1 O SEMESTRE DE 2015 PROFESSORES: Andréa de Lima Bastos Giovanni Antônio Paiva de Oliveira 1. EMENTA: Procedimentos, Protocolos,

Leia mais

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes

ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO. Dario A. Tiferes ABDOME AGUDO INFLAMATÓRIO Dario A. Tiferes dario.tiferes@fleury.com.br ABDOME AGUDO Apendicite Colecistite Diverticulite Colites pancreatite Ileítes (DII) Apendagite Doença péptica Isquemia intestinal

Leia mais

LISTA DE PROCEDIMENTOS

LISTA DE PROCEDIMENTOS LISTA DE PROCEDIMENTOS CÓDIGOS CBHPM RESSONÂNCIA MAGNÉTICA Ressonância Magnética Diagnóstica (4.11.01.00-6) 4.11.01.17-0 Abdome superior (fígado, pâncreas, baço, rins, suprarrenais, retroperitônio) 4.11.01.51-0

Leia mais

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel

CATETERISMO CARDÍACO. Prof. Claudia Witzel CATETERISMO CARDÍACO CATETERISMO CARDÍACO Método diagnóstico invasivo É avaliada a presença ou não de estreitamentos nas artérias coronárias secundário às "placas de gordura" além do funcionamento das

Leia mais

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas

RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Universidade Federal de São Paulo Escola Paulista de Medicina Departamento de Diagnóstico por Imagem RM padrão de 1,5T no câncer endometrial: moderada concordância entre radiologistas Especializanda: Renata

Leia mais

Tomografia Computadorizada

Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Walmor Cardoso Godoi, M.Sc. http://www.walmorgodoi.com Aula 05: Dose em Tomografia Agenda Introdução Dose absorvida, dose equivalente, e dose efetiva Definição das Medidas de

Leia mais

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP

Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas. Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Ultra-sonografia nas Lesões Hepáticas Focais Benignas Dr. Daniel Bekhor DDI - Radiologia do Abdome - UNIFESP Hemangioma Típico Prevalência: 1 a 20%. F: M até 5:1 Assintomático. Hiperecogênico bem definido

Leia mais

14 de Setembro de Professor Ewerton. Prova confirmada dia 28 de Setembro. 1:30 da tarde.

14 de Setembro de Professor Ewerton. Prova confirmada dia 28 de Setembro. 1:30 da tarde. 14 de Setembro de 2007. Professor Ewerton. Prova confirmada dia 28 de Setembro. 1:30 da tarde. Traumatismo cranio-encefálico A TC é o método de escolha na avaliação inicial de pacientes com TCE. É mais

Leia mais

Raio X Simples do Tórax

Raio X Simples do Tórax Raio X Simples do Tórax Imagens de hipertransparência Prof Denise Duprat Neves Prof Ricardo Marques Dias 2 Como classificar Hipertransparência Anulares Em forma de anel com halo hipotransparente Cavidade,

Leia mais

Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS DE ALTA COMPLEXIDADE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA

Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS DE ALTA COMPLEXIDADE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA Gerência de Regulação PROTOCOLO DE ACESSO A EXAMES/PROCEDIMENTOS AMBULATORIAIS DE ALTA COMPLEXIDADE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA 2013 Observações a serem consideradas no preenchimento de todas as solicitações

Leia mais

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas

Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço. Jônatas Catunda de Freitas Universidade Federal do Ceará Faculdade de Medicina Liga de Cirurgia de Cabeça e Pescoço Jônatas Catunda de Freitas Fortaleza 2010 Lesões raras, acometendo principalmente mandíbula e maxila Quadro clínico

Leia mais

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS

Sessão TOMOGRAFIA. Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Sessão TOMOGRAFIA Diego S. Ribeiro Porto Alegre - RS Caso 1 Feminino, 48 anos, história de HAS, DM e pancreatite prévia recente (há 1 mês), reinternou com dor abdominal, náuseas e vômitos. Nega história

Leia mais

TUSS 3.02 - Modificações

TUSS 3.02 - Modificações 40813185 Angioplastia transluminal percutânea para tratamento de obstrução arterial MÉTODOS DIAGNÓSTICOS POR IMAGEM 13/02/09 15/10/10 SIM Alteração 40901068 Ecodopplercardiograma com contraste para perfusão

Leia mais

Fases de contraste. Profº Claudio Souza

Fases de contraste. Profº Claudio Souza Fases de contraste Profº Claudio Souza Fases Com a administração de meios de contraste por via endovenosa dentro da tomografia computadorizada multislice, podemos obter um estudo do abdome em fases, essas

Leia mais

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE EXAMES LABORATORIAIS. Publicado na PORTARIA Nº. 110-S, DE 02 DE MARÇO DE 2015.

TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE EXAMES LABORATORIAIS. Publicado na PORTARIA Nº. 110-S, DE 02 DE MARÇO DE 2015. TABELA DE PREÇOS REFERENCIAIS DE 103203 SERVICO, TITULO: EXAME, SUBTITULO: ANGIOGRAFIA CEREBRAL (4 VASOS), COM 103204 SERVICO, TITULO: EXAME, SUBTITULO: ANGIOGRAFIA CEREBRAL (4 VASOS), SEM EXAME 2.525,0000

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face não se tratam apenas de duas peças ou regiões anatômicas temos glândulas, cavidades e uma imensa

Leia mais

Diagnóstico é discernir pelo conhecimento.

Diagnóstico é discernir pelo conhecimento. Leticia Pedroso Hipócrates foi o primeiro a usar a palavra diagnóstico, que significa discernimento, formada do prefixo dia, através de, em meio de + gnosis = conhecimento. Diagnóstico é discernir pelo

Leia mais

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza

Aplicação de protocolos de crânio e face. Profº Claudio Souza Aplicação de protocolos de crânio e face Profº Claudio Souza Introdução Quando falamos em crânio e face, não estamos falando apenas de duas peças ou região anatômica, temos: glândulas, cavidades e uma

Leia mais

O coração como fonte embolígena: não basta realizar ecocardiograma transesofágico. É preciso ser bem feito

O coração como fonte embolígena: não basta realizar ecocardiograma transesofágico. É preciso ser bem feito O coração como fonte embolígena: não basta realizar ecocardiograma transesofágico. É preciso ser bem feito Lueneberg ME, Monaco CG, Ferreira LDC, Silva CES, Gil MA, Peixoto LB, Ortiz J. Rev.Bras.Ecocard

Leia mais

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011.

Portaria 024/2011. Art. 2º Esta Portaria entra em vigor em 1º de agosto de 2011. Portaria 024/2011 Estabelece protocolos operacionais para a atividade de Regulação e Auditoria no âmbito do IPSEMG. A Presidente do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, no

Leia mais

Posicionamento. Posicionamento. Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado

Posicionamento. Posicionamento. Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado Posicionamento Posicionamento Posicionamento preciso Feixe centrado Feixe colimado 1 24-03-2009 Posicionamento Regras gerais Área de interesse o mais próximo possível da película Centrado sobre área de

Leia mais

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL

Aulas teórica s PROFESSOR DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL DATA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR Aulas teórica s Amb. Sessão Avaliação ED Supervisão TOTAL 13:15 Abdome Agudo - inflamatório e obstrutivo Clínica Cirúrgica João Marcos 24/7/2015 Abdome Agudo

Leia mais

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB

SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB SETOR DE ABDOME - JOURNAL CLUB Leonardo S. Carvalho OBJETIVOS Avaliar a capacidade da MDCT com MPRs, para a predição da ressecabilidade do adenocarcinoma pancreatico MATERIAL E MÉTODO Trabalho retrospectivo

Leia mais

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA

PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PLANO DE TRABALHO: DISCIPLINA - ANATOMIA RADIOLÓGICA EM TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA E RESSONÂNCIA MAGNÉTICA PROFESSOR(ES): Luciana Costa Andrea Bastos 1. EMENTA: A disciplina Anatomia Radiológica em Tomografia

Leia mais

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros

Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros. Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Curso de Formação Profissional em Primeiros Socorros Formador Credenciado Eng. Paulo Resende Dezembro de 2013 Anatomia e fisiologia do corpo humano OBJETIVOS Caracterizar os diversos sistemas que constituem

Leia mais

Embolia Pulmonar. Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência

Embolia Pulmonar. Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência Embolia Pulmonar Profº. Enf.º Diógenes Trevizan Especialização em urgência e Emergência Embolia Pulmonar - Conceito Entre os agravos respiratórios que apresentam elevados índices de morbidade destaca-se

Leia mais

ATLAS RADIOLOGIA. 5ª Edição. Luís Antônio Tobaru Tibana Marcos Costenaro Paulo Aguiar Kuriki

ATLAS RADIOLOGIA. 5ª Edição. Luís Antônio Tobaru Tibana Marcos Costenaro Paulo Aguiar Kuriki Luís Antônio Tobaru Tibana Marcos Costenaro Paulo Aguiar Kuriki ATLAS DE RADIOLOGIA Um guia completo para atualizar seus estudos sobre a Radiologia. 5ª Edição AUTORIA E COLABORAÇÃO Autores Luís Antônio

Leia mais

Sumário. 2 Cabeça e Pescoço Anatomia Geral VII. 2.1 Crânio Aparelho Mastigatório e Músculos da Cabeça 53.

Sumário. 2 Cabeça e Pescoço Anatomia Geral VII. 2.1 Crânio Aparelho Mastigatório e Músculos da Cabeça 53. VII Sumário 1 Anatomia Geral 2 Cabeça e Pescoço 19 Posição dos Órgãos Internos, Pontos de Palpação e Linhas Regionais 2 Planos de Secção e Termos de Direção do Corpo 4 Osteologia 6 Esqueleto do Corpo Humano

Leia mais

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço

Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Dr. Bruno Pinto Ribeiro Residente em Cirurgia de Cabeça e Pescoço Hospital Universitário Walter Cantídio Introdução Mais de 99% câncer de tireóide tópico Locais ectópicos struma ovarii, pescoço Objetivo

Leia mais

Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose

Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose 1 Universidade do Minho Departamento de Eletrónica Industrial Tomografia Computadorizada Quantitativa Diagnóstico da Osteoporose Marino Maciel Nº52557 Orientador: Prof. Higino Correia 2011/2012 Mestrado

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL-REI CAMPUS CENTRO OESTE Planilha de aulas - Internato em Cirurgia 1º semestre de 2015 DATA SALA HORA AULA PROGRAMADA MÓDULO PROFESSOR 6/2/2015 102. D 13:15-14:10 Tratamento

Leia mais

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética

Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem da Semana: Ressonância nuclear magnética Imagem 01. Ressonância Margnética do Abdomen Imagem 02. Angiorressonância Abdominal Paciente masculino, 54 anos, obeso, assintomático, em acompanhamento

Leia mais

Adriana da Silva Santos Dosimetrista

Adriana da Silva Santos Dosimetrista Papel do Dosimetrista Adriana da Silva Santos Dosimetrista Quem e (o) a dosimetrista e o que faz? Segundo a Associação Americana de Dosimetristas (AAMD): o Dosimetrista é um membro da equipe de radioterapia

Leia mais

Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória

Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória Recursos manuais da Fisioterapia Respiratória (aula 2) AVALIAÇÃO INICIAL DA NECESSIDADE DA TERAPIA DE HB AVALIAR: Prontuário médico (HMA e HMP). Pctes c/ indicação de cirurgia abdominal alta ou torácica,

Leia mais

Aterosclerose. Aterosclerose

Aterosclerose. Aterosclerose ATEROSCLEROSE TROMBOSE EMBOLIA Disciplinas ERM 0207/0212 Patologia Aplicada à Enfermagem Profa. Dra. Milena Flória-Santos Aterosclerose Departamento de Enfermagem Materno-Infantil e Saúde Pública Escola

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Cistos e cavidades pulmonares

Cistos e cavidades pulmonares Cistos e cavidades pulmonares Gustavo de Souza Portes Meirelles 1 1 Doutor em Radiologia pela Escola Paulista de Medicina UNIFESP 1 Definições Cistos e cavidades são condições em que há aumento da transparência

Leia mais

Edema OBJECTIVOS. Definir edema. Compreender os principais mecanismos de formação do edema. Compreender a abordagem clínica do edema

Edema OBJECTIVOS. Definir edema. Compreender os principais mecanismos de formação do edema. Compreender a abordagem clínica do edema OBJECTIVOS Definir edema Compreender os principais mecanismos de formação do edema Compreender a abordagem clínica do edema É um sinal que aparece em inúmeras doenças, e que se manifesta como um aumento

Leia mais

DECRETO Nº 750/2014. O PREFEITO DE BARREIRAS ESTADO DA BAHIA, ANTONIO HENRIQUE DE SOUZA MOREIRA, no uso de suas atribuições, e

DECRETO Nº 750/2014. O PREFEITO DE BARREIRAS ESTADO DA BAHIA, ANTONIO HENRIQUE DE SOUZA MOREIRA, no uso de suas atribuições, e DECRETO Nº 750/2014 Aprova a Alteração na Tabela Complementar dos Procedimentos de Saúde Hospitalares e Ambulatoriais do Sistema Único de Saúde SUS no âmbito do município de Barreiras, editada pelo Decreto

Leia mais

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU

DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU TRAQUEOTOMIA Profa Livre Docente Regina H. Garcia Martins DISCIPLINA DE OTORRINOLARINOGOLOGIA UNESP- BOTUCATU Unesp TRAQUEOTOMIA X TRAQUEOSTOMIA INDICAÇÕES DE TRAQUEOTOMIA DESOBSTRUÇÃO DAS VIAS AÉREAS

Leia mais