[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO]

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "[ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO]"

Transcrição

1 2011 IMPOL Instrumentais e Implantes Samuel de Castro Bonfim Brito [ESTUDO REFERENTE À ENCF - JOELHO] Casos apresentados neste estudo foram operados e pertencem à Fundação Pio XII Hospital do Câncer de Barretos. Resumidamente as técnicas cirúrgicas.

2 Endoprótese de Fêmur Distal ENDOPRÓTESE NÃO CONVENCIONAL FABRONI Paciente de 23 anos de idade, do sexo feminino, deu entrada no serviço para avaliação de tumoração de joelho esquerdo. Oligoassintomática sem bloqueio articular, sem dor local. Nas radiografias da origem, apresentava lesão osteoblástica paresteal no cavo poplíteo do fêmur, figuras abaixo: Radiografia de joelho esquerdo em perfil. Radiografia de joelho esquerdo em ântero-posterior Sequências ponderadas em T2 adquiridas pela RM apresentava lesão periosteal em cavo poplíteo, com invasão da medular óssea, porém com feixe vásculo-nervoso livre. Ressonância magnética de joelho esquerdo. 2

3 Tomografia computadorizada mostrando tumoração osteoblástica periostal com invasão da medular, figura abaixo: ENDOPRÓTESE NÃO CONVENCIONAL FABRONI Tomografia computadorizada de joelho esquerdo. Realizada biópsia com agulha, porém o anatomopatólogico foi inconclusivo. Então nova biópsia incisional foi realizada com o diagnóstico de OSTEOSSARCOMA PAROSTAL. Na cintilografia óssea, lesão é monostótica e TC de tórax apresentava-se normal. Conduta: Indicado então pelo estadiamento uma ressecção com margem oncologica distal de fêmur e reconstrução com endoprótese não-convencional de joelho articulado. Cirurgia: Incisão lateral ampla englobando o trajeto da biópsia. 3

4 Abertura ampla lateral exposiçãoo da superfície articular fêmuro-tibial e patelo-femural. Liberação do feixe vásculonervoso Peça cirúrgica demonstrando a ressecção com margem oncológica. 4

5 Endoprótese Não-Convencional confeccionada sob medida para o paciente Endoprótese já posicionada no leito cirúrgico com cimentação ao nível do fêmur e planalto tibial. 5

6 Flexão articular intra-operatória. Paciente encontra-se muito bem em cinco anos de pós-operatório, sem recidiva local e livre de metátesess pulmonares. Radiografia de pós-operatório 6

7 Endoprótese Parcial de Tíbia Proximal ENDOPRÓTESE NÃO CONVENCIONAL FABRONI Paciente do sexo feminino, 12 anos, encaminhada ao serviço já em quimioterapia no protocolo para SARCOMA DE EWING apresentando, como queixa, dor em perna esquerda de forte intensidade incapacitada para deambulação. Ao exame físico, tumoração em região proximal de perna esquerda. Radiografias de perna esquerda, revelando lesão osteoblástica em região metafisária e parte da diáfise proximal de tíbia, associada à reação periostal e fratura patológica. Figuras abaixo: Radiografia de perna esquerda evidenciando a lesão óssea de caráter blástica comprometendo a metáfise e a parte proximal da diáfise de tíbia. Radiografia de perna esquerda. 7

8 A ressonância magnética evidencia grande lesão óssea caracterizada por marcado hipersinal intramedular, associada à fratura patológica e à invasão de partes moles. A aquisição sagital revela discreta infiltração da placa de crescimanto e pequeno comprometimento da epífise, entretanto não há sinais de comprometimento articular. Imagem sagital de RM ponderada em STIR demonstrando a lesão óssea com marcado aumento do sinal acometendo a tíbia proximal Imagem coronal de RM ponderada em T2 com saturação de gordura, que da mesma forma a sequência STIR, evidencia esta lesão óssea com hipersinal em relação ao osso normal e às estruturas de partes moles adjacentes. Conduta: A escolha da reconstrução foi endoprótese parcial proximal de tíbia esquerda, pois a epífise já estava comprometida pelo tumor, portanto a margem oncológica foi a ressecção ao nível articular e quanto à parte distal, segue o mesmo padrão de ressecção com quatro centímetros da zona sã. 8

9 CIRÚRGIA: ENDOPRÓTESE NÃO CONVENCIONAL FABRONI Incisão ampla com a abertura e a liberação de toda a parte distal do fêmur e a liberação com margem oncológica de toda a porção proximal de tíbia. Imagem que demonstra com o joelho em flexão a liberação articular e parte da ressecção com margem oncológica em tíbia. Correlação da medida da prótese já previamente confeccionada com o nível da osteotomia em tíbia. 9

10 Leito cirúrgico, já realizada a ressecção com margem oncológica proximal de tíbia, em que se observa que o tendão patelar distal pôde ser preservado para sua reinserção. Detalhe da reconstrução ligamentar com a fáscia. Realizada a reconstrução ligamentar bilateral passando a fáscia através de orifícios na prótese. 10

11 Reinserção do tendão patelar na prótese. Peça cirúrgica demonstrando a ressecção com margem oncológica. Radiografia pós-operatória controle no qual se observa a congruência articular. 11

12 Radiografia de perna controle pósno qual se observa operatório cimentação distal da prótese. Paciente evolui bem, deu continuidade à quimioterapia no hospital de origem. 12

13 Bibliografia: PENNA, Valter. ATLAS CIRÚRGICO DOS TUMORES MÚSCULO-ESQUELÉTICOS. São Paulo: 1ª Edição, Lemar Endoprótese de fêmur distal Osteossacorma Parostal - Pág Endoprótese parcial de tíbia proximal Sarcoma de Ewing Pág

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para :

Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : JOELHO JOELHO RM do Joelho Possibilita excelente avaliação e análise morfológica, com diferenciação espontânea para : ligamentos, meniscos e tendões músculos, vasos e tecido adiposo osso cortical ( hipointenso

Leia mais

Curso AO Avançado 25-28/agosto/2010, Ribeirão Preto - SP

Curso AO Avançado 25-28/agosto/2010, Ribeirão Preto - SP Curso AO Avançado 25-28/agosto/2010, Ribeirão Preto - SP Quarta-feira, 25 de agosto Grupo A Quarta-feira, 25 de agosto Grupo B 13:30-13:40 Abertura Moderador: R. Canto Apresentação do Curso e dos instrutores

Leia mais

TIBIAL LOCKING NAIL. Técnica Cirúrgica 72.30 - Haste Tibial Intramedular

TIBIAL LOCKING NAIL. Técnica Cirúrgica 72.30 - Haste Tibial Intramedular TIBIAL LOCKING NAIL Técnica Cirúrgica 72.30 - Tibial Locking Nail COLABORADORES: Dr. Geraldo Motta Filho MATERIAL: Aço inox NBR ISO 5832-1 Indicações Para fixação intramedular das fraturas da tíbia. Esta

Leia mais

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES

CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES CONSTITUIÇÃO ANATÔMICA DO JOELHO E SUAS PRINCIPAIS LESÕES DEISE SANTOS 1 MARCIA JOSIANE CARDOSO 2 VALTER ANTUNES NEUMANN 3 LUCIANO LEAL LOUREIRO 4 RESUMO O joelho é uma das articulações mais importantes

Leia mais

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP)

Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) Lesão do Ligamento Cruzado Posterior (LCP) INTRODUÇÃO O ligamento cruzado posterior (LCP) é um dos ligamentos menos lesados do joelho. A compreensão dessa lesão e o desenvolvimento de novos tratamentos

Leia mais

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR

Última revisão: 08/08/2011 TRACIONADOR DE FÊMUR Protocolo: Nº 72 Elaborado por: Antônio Osmar Wilhma Castro Ubiratam Lopes Manoel Emiliano Luciana Noronha Última revisão: 08/08/2011 Revisores: Manoel Emiliano Ubiratam Lopes Wilhma Alves Luciana Noronha

Leia mais

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores

Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Prof André Montillo Lesões Traumáticas dos Membros Inferiores Lesões do Joelho: Lesões de Partes Moles: Lesão Meniscal: Medial e Lateral Lesão Ligamentar: o Ligamentos Cruzados: Anterior e Posterior o

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA. Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ORTOPEDISTA QUESTÃO 21 Referentemente à avaliação do paciente vítima de politrauma, é correto afirmar, EXCETO: a) O politrauma é a uma das principais causas

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO PARANÁ PROVA PRÁTICA DE RESIDÊNCIA MÉDICA 2009 CIRURGIA DE MÃO ESPECIALIDADES COM PRÉ-REQUISITO DE 2 ANOS DE ORTOPEDIA OU CIRURGIA PLÁSTICA 1 QUESTÃO 1 - Na figura abaixo:

Leia mais

Intodução Como um joelho normal funciona?

Intodução Como um joelho normal funciona? Intodução É natural termos dúvidas e questionamentos antes de nos submetermos a uma cirurgia. Foi pensando nisso que elaboramos esse manual. Nosso objetivo é ajudá-lo a entender melhor o funcionamento

Leia mais

MS/DATASUS 24/04/2015 15:00:39 M330455001

MS/DATASUS 24/04/2015 15:00:39 M330455001 24/04/2015 15:00:39 Gestor: - Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro Página: 1 Estabelecimento: 2269341 SMS HOSPITAL MUNICIPAL JESUS AP 22 3315101123851 0403010101 DERIVACAO VENTRICULAR PARA PERITONEO

Leia mais

DENSIDADE. Aspecto Anatômico

DENSIDADE. Aspecto Anatômico Prof André Montillo O Fator Determinante para Definir uma Imagem DENSIDADE São as Variadas Densidades dos Tecidos Orgânicos que Reproduzem as Diferentes Imagens nos Exames por Imagem Aspecto Anatômico

Leia mais

O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE:

O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE: PORTARIA N 42/MS/SAS DE 17 DE MARÇO DE 1994 O SECRETÁRIO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE. no uso de suas atribuições, RESOLVE: 1. Estabelecer os procedimentos de Alta Complexidade da área de Ortopedia. constantes

Leia mais

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur

Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Prof André Montillo Fraturas Proximal do Fêmur: Fraturas do Colo do Fêmur Fraturas Transtrocanterianas do Fêmur Fraturas Proximal do Fêmur: Anatomia: Elementos Ósseos Cabeça do Fêmur Trocanter Maior Colo

Leia mais

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/

5ª Reunião de Casos. www.digimaxdiagnostico.com.br/ 5ª Reunião de Casos www.digimaxdiagnostico.com.br/ Caso 1 Paciente J.M., 81 anos, sexo masculino. TC sem contraste TC com contraste Diagnóstico Aneurisma roto da aorta abdominal, parcialmente trombosado,

Leia mais

Médico Neurocirurgia da Coluna

Médico Neurocirurgia da Coluna Médico Neurocirurgia da Coluna Caderno de Questões Prova Discursiva 2015 01 Um homem de 55 anos de idade foi internado. Tinha histórico de câncer de pulmão operado, vinha apresentando uma dor constante

Leia mais

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS

[213] 96. LESÕES MÚSCULO-ESQUELÉTICAS Parte IV P R O T O C O L O S D E T R A U M A [213] rotina consiste em infundir 20 ml/kg em bolus de solução de Ringer e reavaliar o paciente em seguida. Manter a pressão sistólica entre 90 e 100 mmhg.

Leia mais

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br

LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR. www.cesarmar)ns.com.br LESÕES DO LIGAMENTO CRUZADO POSTERIOR www.cesarmar)ns.com.br INCIDÊNCIA - 5-10% (Harner, 1997) - Freq. não diagnosticada ( Shelbourne, 1997) - + de 90% são associadas a outros lig. - Lesões LCM afastar

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18

PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 13 PROVA ESPECÍFICA Cargo 18 QUESTÃO 31 Ao realizar uma radiografia, um técnico de radiologia percebeu que sua máquina fotográfica convencional e os filmes fotográficos estavam no mesmo local que o aparelho

Leia mais

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica

Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica André Montillo UVA Anatomia do Quadril Anatomia do Quadril Síndromes Dolorosas do Quadril: Bursite Trocanteriana Meralgia Parestésica Definição: Bursite Trocanteriana É o Processo Inflamatório da Bursa

Leia mais

Residência em Ortopedia e Traumatologia

Residência em Ortopedia e Traumatologia Residência em Ortopedia e Traumatologia FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE FURG NOVO COLEGA DR. ARTUR CRUZ 05 MAIO - 2008 CURSO AO RIO GRANDE 27º NÚMERO UNIDADE DO TRAUMA TELEFONES DA URGENCIA

Leia mais

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional

Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Avaliação Fisioterapêutica do Joelho Departamento de Fisioterapia, Fonoaudiologia e Terapia Ocupacional Profa. Dra. Sílvia Maria Amado João 1. Anatomia Aplicada Articulação Tibiofemoral: É uma articulação

Leia mais

POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES

POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES POSICIONAMENTOS RADIOLÓGICOS DOS MEMBROS INFERIORES Michele Patrícia Muller Mansur Vieira 1 1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS A radiografia é, geralmente, a primeira escolha médica como método de diagnóstico por

Leia mais

EXAME DO JOELHO. Inspeção

EXAME DO JOELHO. Inspeção EXAME DO JOELHO Jefferson Soares Leal O joelho é a maior articulação do corpo e está localizado entre os dois maiores ossos do aparelho locomotor, o fêmur e a tíbia. É uma articulação vulnerável a lesões

Leia mais

Uma Nova Abordagem para as Endopróteses parciais de Joelho em Sarcomas Primários Ósseos

Uma Nova Abordagem para as Endopróteses parciais de Joelho em Sarcomas Primários Ósseos ARTIGO Original Uma Nova Abordagem para as Endopróteses parciais de Joelho em A New Approach to Partial Knee Endoprosthesis in Primary Bone Sarcomas Valter Penna 1, Eduardo Areas Toller 2, Carla Pinheiro

Leia mais

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO

Sandro Reginaldo Presidente da SBOT-GO ORTOPÉDICA PARA O JORNALISTA ESPORTIVO AGRADECIMENTOS Secretaria Municipal de Esporte e Lazer Agradecemos o apoio imprescindível do presidente da Associação Brasileira de Traumatologia Desportiva e médico

Leia mais

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A

EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A EXAME DO JOELHO P R O F. C A M I L A A R A G Ã O A L M E I D A INTRODUÇÃO Maior articulação do corpo Permite ampla extensão de movimentos Suscetível a lesões traumáticas Esforço Sem proteção por tecido

Leia mais

CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES

CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES CLÍNICA UNIVERSITÁRIA DE RADIOLOGIA HOSPITAIS DA UNIVERSIDADE DE COIMBRA DIRECTOR: PROF. DOUTOR FILIPE CASEIRO ALVES Moderadora: Dr.ª Cristina Marques Catarina Fontes Ruivo 2 de Fevereiro de 2011 Massas

Leia mais

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES

PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO E TIPOS DE PRÓTESES PROTETIZAÇÃO (A) OBJETIVOS GERAIS - Independência na marcha e nos cuidados pessoais - Adequação física e emocional quanto ao uso da prótese OBJETIVOS ESPECÍFICOS - Cicatrização

Leia mais

New Wave. Prótese Total de Joelho Rotacional

New Wave. Prótese Total de Joelho Rotacional Eliminando complicações mecânicas iniciais Centro de Rotação Condilar Sistema Central de Estabilização Alta elevação para eliminar qualquer risco de deslocamento. Aprofundado para evitar tensões patelares.

Leia mais

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE)

ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) ECO - ONLINE (EDUCAÇÃO CONTINUADA EM ORTOPEDIA ONLINE) DESCRIÇÃO: Aulas interativas ao vivo pela internet. Participe ao vivo, respondendo as enquetes e enviando suas perguntas. Vale pontos para a Revalidação

Leia mais

4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS

4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS ESTADO DE SANTA CATARINA MUNICÍPIO DE FRAIBURGO 4 TERMO ADITIVO AO EDITAL DE CREDENCIAMENTO N 0001/2012 FMS OBJETO: Credenciamento de empresas do ramo interessadas na prestação de serviços de consultas

Leia mais

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda

BANDAGEM FUNCIONAL. Prof. Thiago Y. Fukuda BANDAGEM FUNCIONAL Prof. Thiago Y. Fukuda INTRODUÇÃO (BANDAGEM) Refere-se à aplicação de algum tipo de fita protetora que adere à pele de determinada articulação. A bandagem quando aplicada corretamente,

Leia mais

Descrição: Prótese Total de Quadril

Descrição: Prótese Total de Quadril QUADRIL IMPORTADO Descrição: Prótese Total de Quadril Marca: Lépine (França). Hastes Femorais Desenho Quadrangular Auto Bloqueante com Longo Recuo de Resultados Clínicos. Opção de Haste com / sem Apoio

Leia mais

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX

04/06/2012 INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX. Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX INTRODUÇÃO À RAGIOLOGIA SIMPLES DO TÓRAX Dante L. Escuissato RADIOGRAFIAS DO TÓRAX INCIDÊNCIAS: FRONTAL (PA) PERFIL TÓRAX 1 RADIOGRAFIAS AS RADIOGRAFIAS APRESENTAM 4 DENSIDADES BÁSICAS: AR: traquéia, pulmões,

Leia mais

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML

Patologia do Joelho. Cadeira de Ortopedia - FML Patologia do Joelho EXAME CLÍNICO DOR Difusa no processo inflamatório e degenerativo; localizada quando o problema é mecânico RIGIDEZ Comum, podendo causar claudicação AUMENTO DE VOLUME - Localizado ou

Leia mais

DOR NA PERNA EM ATLETAS. Ricardo Yabumoto

DOR NA PERNA EM ATLETAS. Ricardo Yabumoto DOR NA PERNA EM ATLETAS Ricardo Yabumoto São raros os relatos de prevalência das fraturas de estresse por esporte específico ( 10% de todas as lesões esportivas) 4,7% a 15,6% das lesões entre corredores.

Leia mais

Ligamento Cruzado Posterior

Ligamento Cruzado Posterior Ligamento Cruzado Posterior Introdução O Ligamento Cruzado Posterior (LCP) é classificado como estabilizador estático do joelho e sua função principal é restringir o deslocamento posterior da tíbia em

Leia mais

TÉCNICA CIRÚRGICA PRÓTESE TOTAL DE JOELHO PRIMÁRIO MB V

TÉCNICA CIRÚRGICA PRÓTESE TOTAL DE JOELHO PRIMÁRIO MB V TÉCNICA CIRÚRGICA PRÓTESE TOTAL DE JOELHO PRIMÁRIO MB V Sistema para Artroplastia de Joelho META BIO Excelente desempenho biomecânico. Histórico com mais de 10 anos de sucesso. Durabilidade Design da prótese

Leia mais

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO

COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO COMPRESSÃO DO NERVO MEDIANO NO PUNHO (SÍNDROME DO TÚNEL DO CARPO) Roberto Sergio Martins A síndrome do túnel do carpo (STC) é a neuropatia de origem compressiva mais frequente, incidindo em cerca de 1%

Leia mais

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto

TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES. Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES DA VESÍCULA E VIAS BILIARES Dr. Francisco R. de Carvalho Neto TUMORES BENIGNOS ( classificação de Christensen & Ishate A) TUMORES BENIGNOS VERDADEIROS 1) De origem epitelial adenoma papilar ( papiloma)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS UnB/CESPE INCA A respeito do carcinoma basocelular, julgue os itens a seguir. Com relação aos melanomas, julgue os itens subsequentes. 41 O carcinoma basocelular é um tumor nevoide

Leia mais

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza

TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza TÉCNICAS RADIOLÓGICAS APLICADAS NOS ESTUDOS DAS INSTABILIDADES FEMOROPATELAR Abelardo Raimundo de Souza RESUMO Estas técnicas apresentadas pelo autor têm como objetivo mostrar os estudos radiológicos que

Leia mais

Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho

Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho Clínica Universitária de Radiologia Reunião Temática RM do Joelho Director: Prof. Dr. Filipe Caseiro Alves Mafalda Magalhães 02/02/2015 Protocolo: Sagitais ponderadas em DP e T2 com saturação de gordura

Leia mais

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução

CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO. Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto. Introdução CAPÍTULO 2 CÂNCER DE MAMA: AVALIAÇÃO INICIAL E ACOMPANHAMENTO Ana Flavia Damasceno Luiz Gonzaga Porto Introdução É realizada a avaliação de um grupo de pacientes com relação a sua doença. E através dele

Leia mais

PROTESE TOTAL QUADRIL Dr. Gladyston Introdução ATQ procedimento alívio dor, ganho funcional e melhora qualidade de vida Sucesso depende: Escolha paciente ideal Uso de implantes adequados Habilidade técnica

Leia mais

Introdução à Neuroimagem

Introdução à Neuroimagem FACULDADE DE MEDICINA/UFC-SOBRAL MÓDULO SISTEMA NERVOSO NEUROANATOMIA FUNCIONAL Introdução à Neuroimagem Prof. Gerardo Cristino Aula disponível em: www.gerardocristino.com.br Neuroimagem Técnicas de Imagem

Leia mais

Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência.

Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência. LASER Sobre as propriedades da laserterapia de baixa potência, relacione as colunas abaixo: I. Monocromaticidade. II. Colimação. III. Coerência. ( ) A luz emitida pelos aparelhos laser apresenta a mesma

Leia mais

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma.

7/4/2011 ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Reconhecer as lesões músculoesqueléticas. Reconhecer a biomecânica do trauma. TRAUMATISMOS DOS MEMBROS Atendimento Inicial e Imobilizações ABORDAGEM AO PACIENTE TRAUMATIZADO GRAVE: Manter as prioridades da avalição ABC Não se distrair com lesões músculo-esqueléticas dramáticas que

Leia mais

RICARDO DE PAULA LEITE CURY

RICARDO DE PAULA LEITE CURY RICARDO DE PAULA LEITE CURY Reconstrução do ligamento cruzado posterior com enxerto autólogo do tendão do músculo semitendíneo duplo e do terço médio do tendão do músculo quadríceps com duplo túnel no

Leia mais

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM)

Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Como Indicar (bem) Tomografia Computadorizada (TC) e Ressonância Magnética (RM) Dra. Luciana Baptista Artigo originalmente publicado no caderno Application do Jornal Interação Diagnóstica n.01, abril/maio

Leia mais

Anatomia. Os ossos são revestidos externa e internamente por membranas conjuntivas que possuem células osteogênicas: Periósteo e Endósteo

Anatomia. Os ossos são revestidos externa e internamente por membranas conjuntivas que possuem células osteogênicas: Periósteo e Endósteo Anatomia Os ossos são revestidos externa e internamente por membranas conjuntivas que possuem células osteogênicas: Periósteo e Endósteo Osso compacto (não possui cavidades visíveis) ou esponjoso (cavidades

Leia mais

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1

DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 DISSECAÇÃO ANATÔMICA DE UMA FRATURA TIBIAL: ESTUDO ANATÔMICO E MULTIDISCIPLINAR 1 SILVA, Pedro Ducatti de Oliveira e 1 ; GUIMARÃES, Nilo Borges 2 ; LUIZ, Carlos Rosemberg 3 ; BENETTI, Edson José 4 ; FIUZA,

Leia mais

TÉCNICA DE TIGHTROPE MODIFICADA NO TRATAMENTO DA RUPTURA DO LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃO - RELATO DE CASO

TÉCNICA DE TIGHTROPE MODIFICADA NO TRATAMENTO DA RUPTURA DO LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃO - RELATO DE CASO TÉCNICA DE TIGHTROPE MODIFICADA NO TRATAMENTO DA RUPTURA DO LIGAMENTO CRUZADO CRANIAL EM CÃO - RELATO DE CASO JOSÉ ARTHUR DE ABREU CAMASSA 1, LEONARDO AUGUSTO LOPES MUZZI 2, FERNANDO YOITI KITAMURA KAWAMOTO

Leia mais

MS/DATASUS 26/09/11 18:28:03 E420000001

MS/DATASUS 26/09/11 18:28:03 E420000001 26/09/11 18:28:03 Página: 1 FLORIANOPOLIS FINANCIAMENTO: Fundo de Ações Estratégicas e TIPO FINANC: Tratamento de doenças do Estabelecimento: 2691868 HOSPITAL INFANTIL JOANA DE GUSMAO 4211102529458 0403010390

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATU SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATU SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS DE PÓS-GRADUAÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO LATU SENSU EM CLÍNICA MÉDICA E CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS REDUÇÃO DE FRATURA DE TÍBIA RELATO DE CASO Ana Paula

Leia mais

O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade

O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade 1 O grupo de cirurgia de quadril é formado por cirurgiões ortopédicos, enfermeiros e fisioterapeutas que se dedicam exclusivamente a essa especialidade há vários anos. Faz parte integral da filosofia de

Leia mais

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga

JOELHO. Introdução. Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga JOELHO Carla Cristina Douglas Pereira Edna Moreira Eduarda Biondi Josiara Leticia Juliana Motta Marcella Pelógia Thiago Alvarenga Introdução Articulação muito frágil do ponto de vista mecânico e está propensa

Leia mais

ASTM : F 138: Especificação Padrão para Aço Inoxidável Cromo 18 - Níquel 14 - Molibdênio - 2,5, Usinado em Barras, Fios para Implantes Cirúrgicos

ASTM : F 138: Especificação Padrão para Aço Inoxidável Cromo 18 - Níquel 14 - Molibdênio - 2,5, Usinado em Barras, Fios para Implantes Cirúrgicos Instruções de Uso Haste IM Telescópica Fassier Duval - PEGA MEDICAL 1.0. Descrição A Haste IM Telescópica Fassier Duval - PEGA MEDICAL é uma barra metálica de auto extensão para uso na fixação de fraturas

Leia mais

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso

Síndrome de compartimento de perna pós fratura de tornozelo bilateral: Relato de caso Introdução As fraturas e luxações do tornozelo são as lesões mais comuns do sistema músculo-esquelético 1, e dentre as articulações de carga, o tornozelo é a que apresenta maior incidência de fraturas

Leia mais

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim

Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cinesioterapia\UNIME Docente:Kalline Camboim Cabeça do fêmur com o acetábulo Articulação sinovial, esferóide e triaxial. Semelhante a articulação do ombro, porém com menor ADM e mais estável. Cápsula articular

Leia mais

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA

PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO HOSPITAL REGIONAL DO LITORAL DE PARANAGUA PROVA PARA TECNOLOGO EM RADIOLOGIA 01 Posição do braço em abdução significa a) com rotação interna b) com rotação externa c) braço

Leia mais

Tumor Estromal Gastrointestinal

Tumor Estromal Gastrointestinal Tumor Estromal Gastrointestinal Pedro Henrique Barros de Vasconcellos Hospital Cardoso Fontes Serviço de Cirurgia Geral Introdução GIST é o tumor mesenquimal mais comum do TGI O termo foi desenvolvido

Leia mais

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações

A Lesão. A Lesão. A lesão provoca congestão local causada por obstrução de QiE XUE nas articulações Acupuntura Acupuntura e Traumatologia e Traumatologia É o estudo das patologias próprias do sistema esquelético, causadas principalmente por traumatismos utilizando a especialidade de acupuntura como recurso

Leia mais

DIVINA QUEIROZ DA SILVA A IMPORTÂNCIA DA ARTRO RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR - LCA

DIVINA QUEIROZ DA SILVA A IMPORTÂNCIA DA ARTRO RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR - LCA DIVINA QUEIROZ DA SILVA A IMPORTÂNCIA DA ARTRO RESSONÂNCIA MAGNÉTICA NO DIAGNÓSTICO DA LESÃO DO LIGAMENTO CRUZADO ANTERIOR - LCA Brasília/DF 2013 DIVINA QUEIROZ DA SILVA A IMPORTÂNCIA DA ARTRO-RESSONÂNCIA

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GENERAL CARNEIRO

CONCURSO PÚBLICO PARA PROVIMENTO DE VAGAS EM CARGOS EFETIVOS DA PREFEITURA MUNICIPAL DE GENERAL CARNEIRO CADERNO DE PROVAS Cargo Nº. DE INSCRIÇÃO DO CANDIDATO Domingo, 4 de dezembro de 2011. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 ANTES

Leia mais

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA

Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA Linfomas Dr. Ricardo Bigni -Serviço de Hematologia Hospital do Câncer I/INCA A Doença, ou Linfoma de Hodgkin, é uma forma de câncer que se origina nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, um conjunto

Leia mais

01 - BRANCA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME:

01 - BRANCA PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) A luxação

Leia mais

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO

TOMOGRAFIA DE PESCOÇO TOMOGRAFIA DE PESCOÇO INTRODUÇÃO O exame de pescoço por TC é realizado com o paciente decúbito dorsal, com a cabeça voltada para gantry, imagens axiais contínuas com espessura de corte de 5mm e 5mm de

Leia mais

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética

Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Manipulação de Tecido Mole ao Redor de Implantes na Zona Estética Figura 9 1A Diagrama de secção transversal mostrando um implante no local do incisivo. A forma côncava do rebordo vestibular é evidenciada.

Leia mais

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni

ANATOMIA HUMANA I. Sistema Esquelético. Prof. Me. Fabio Milioni ANATOMIA HUMANA I Sistema Esquelético Prof. Me. Fabio Milioni FUNÇÕES Sustentação Proteção Auxílio ao movimento Armazenamento de minerais Formação de células sanguíneas 1 CLASSIFICAÇÃO DOS OSSOS Longos

Leia mais

Prezado(a) Colega, Conte com o que há de mais moderno em medicina diagnóstica. Lâmina Medicina Diagnóstica

Prezado(a) Colega, Conte com o que há de mais moderno em medicina diagnóstica. Lâmina Medicina Diagnóstica Diagnóstico INTEGRADO em Ortopedia Prezado(a) Colega, Mais uma vez, o Lâmina Medicina Diagnóstica vem reafirmar seu compromisso com a inovação e com a qualidade dos serviços prestados em saúde preventiva.

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CLÍNICA CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS (JAGUARIÚNA - SP)

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CLÍNICA CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS (JAGUARIÚNA - SP) UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO INSTITUTO QUALITTAS CLÍNICA CIRÚRGICA DE PEQUENOS ANIMAIS (JAGUARIÚNA - SP) REDUÇÃO PELO MÉTODO DE RUSH EM FRATURAS SALTER-HARRIS EM FÊMUR DE CÃES Renato Martins Boiani São

Leia mais

Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril

Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril Ortopedia e Traumatologia Soluções inovadoras para Quadril Zimmer (Argentina) Revisão Modular de Quadril O primeiro objetivo de uma revisão de quadril é estabelecer uma fixação, dessa maneira se alivia

Leia mais

Tumores ósseos e sarcomas dos tecidos moles Bone tumor and soft tissue sarcomas

Tumores ósseos e sarcomas dos tecidos moles Bone tumor and soft tissue sarcomas Tumores ósseos e aparelho locomotor Tumores ósseos e sarcomas dos tecidos moles Bone tumor and soft tissue sarcomas Reynaldo Jesus Garcia Filho * RESUMO Quando avaliamos um paciente portador de doença

Leia mais

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve.

TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas anexiais da pelve. 24 de Outubro de 2006. Professor Amphilophio. Tomografia computadorizada do abdome e da pelve TC de pelve deixa um pouco a desejar. Permite ver líquido livre e massas. US e RM são superiores para estruturas

Leia mais

CASOS CLÍNICOS DIGIMAX. Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Raphael Salgado Pedroso

CASOS CLÍNICOS DIGIMAX. Radiologia e Diagnóstico por Imagem. Raphael Salgado Pedroso CASOS CLÍNICOS DIGIMAX Radiologia e Diagnóstico por Imagem Raphael Salgado Pedroso Nome: L. B.; Idade: 65 anos; Sexo: Masculino; CASO 1 Queixa: Dor aguda, que se inicia no tórax e se irradia na direção

Leia mais

Protocolos de hipófise e órbitas

Protocolos de hipófise e órbitas Protocolos de hipófise e órbitas Profº Claudio Souza Hipófise e sela turca Indicações O exame da sela tem por objetivo a avaliação dos adenomas que acometem a hipófise e as patologias que afetam a integridade

Leia mais

GABARITO DE CIRURGIA GERAL

GABARITO DE CIRURGIA GERAL GABARITO DE CIRURGIA GERAL QUESTÃO 1 Paciente com febre, tosse e escarro purulento bastante fétido, apresenta os exames abaixo. Qual é a conduta mais adequada? A. Antibioticoterapia e fisioterapia. B.

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS RADIOLOGIA 21. A localização mais comum dos leiomiomas é: a) Subseroso. b) Submucoso. c) Intramural. d) Ligamento largo. 22. Um paciente de 45 anos, do sexo feminino,

Leia mais

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula

É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia. Clavícula Fratura da Clavícula Dr. Marcello Castiglia Especialista em Cirurgia do Ombro e Cotovelo É uma fratura comum que ocorre em pessoas de todas as idades. Anatomia O osso da clavícula é localizado entre o

Leia mais

DESMÓIDE CORTICAL IRREGULARIDADE CORTICAL DISTAL FEMORAL QUE MIMETIZA MALIGNIDADE

DESMÓIDE CORTICAL IRREGULARIDADE CORTICAL DISTAL FEMORAL QUE MIMETIZA MALIGNIDADE Revista Portuguesa de Ortopedia e Traumatologia Portuguese Journal of Orthopaedics and Traumatology 69 SOCIEDADE PORTUGUESA DE ORTOPEDIA E TRAUMATOLOGIA Rev Port Ortop Traum 23(1): 69-76, 2015 ORIGINAL

Leia mais

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL

AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL AFECÇÕES CIRÚRGICAS DA REGIÃO INGUINAL MALFORMAÇÕES NA REGIÃO INGUINAL As afecções congênitas da região inguinal correspondem, na sua maioria, a alterações dependentes da persistência de uma estrutura

Leia mais

Princípios Tomografia Computadorizada

Princípios Tomografia Computadorizada Princípios Tomografia Computadorizada Tomografia Computadorizada Histórico 1917 - Randon imagens projetadas > reproduziu 1967 Hounsfield >primeiro protótipo tipo Tomografia 1971 - H. Inglaterra > primeiro

Leia mais

COMANDO DA AERONÁUTICA EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

COMANDO DA AERONÁUTICA EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. COMANDO DA AERONÁUTICA VERSÃO B EXAME DE ADMISSÃO AO CURSO DE ADAPTAÇÃO DE MÉDICOS DA AERONÁUTICA (CAMAR 2013) ESPECIALIDADE: ORTOPEDIA LEIA COM ATENÇÃO AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 1. Este caderno contém 01

Leia mais

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009

PROVAS NEUROMUSCULARES 1 2009 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE UNIDADE DE TRAUMA ORTOPÉDICO Hospital Universitário Miguel Riet Corrêa - Rua Visconde de Paranaguá, 102 Rio Grande, RS CEP 96200/190 Telefone:

Leia mais

Gait analysis contribuition to problem identification and surgical planning in CP patients: an agreement study

Gait analysis contribuition to problem identification and surgical planning in CP patients: an agreement study Gait analysis contribuition to problem identification and surgical planning in CP patients: an agreement study Análise da Marcha Vários estudos revelam a utilidade no plano cirúrgico de crianças com PC;

Leia mais

Dossier informativo. Doenças da Coluna

Dossier informativo. Doenças da Coluna Dossier informativo Doenças da Coluna 2008 Índice 1. Como funciona a coluna vertebral? 2. O que provoca dores na coluna? 3. Incidência em Portugal e no Mundo Pág. 3 Pág. 4 Pág. 4 4. Principais doenças

Leia mais

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano

ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano ARTICULAÇÕES por Dra. Kaori Nakano A articulação é formada pela coaptação de dois ossos com o auxílio de músculos esqueléticos, ligamentos e cápsula articular. Para uma melhor compreensão é necessário

Leia mais

Técnica operacional do sistema de revisão modular

Técnica operacional do sistema de revisão modular Técnica operacional do sistema de revisão modular Conteúdo Razões do design do sistema Securus Linha de implantes Securus 1 Razões do design Securus 2 Contraindicações 3 Avaliações pré-operatórias 4 Preparação

Leia mais

CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE FRATURAS NA OSTEOPOROSE FRATURAS NÃO PREVENÇÃO SIM

CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE FRATURAS NA OSTEOPOROSE FRATURAS NÃO PREVENÇÃO SIM CAMPANHA DE PREVENÇÃO DE FRATURAS NA OSTEOPOROSE FRATURAS NÃO PREVENÇÃO SIM O QUE É OSTEOPOROSE? Em termos simples, é a descalcificação do osso. O osso se enfraquece e fica mais fácil de quebrar. É um

Leia mais

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL:

PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: PROGRAMA DE INTEGRAÇÃO E EDUCAÇÃO CONTINUADA DA SBOT-RJ ORTOCURSO SBOT-RJ/JOELHO CURSO PREPARATÓRIO PARA O TEOT 25 de Abril de 2015 NOME: HOSPITAL: ( ) R1 ( ) R2 ( ) R3 ( ) R4 ( ) Não Residentes 1) Na

Leia mais

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes

DIÂMETRO ÓSSEO. Prof.Moisés Mendes DIÂMETRO ÓSSEO INTRODUÇÃO CONCEITO: É definido pela menor distância entre duas extremidades ósseas. FINALIDADES: São usadas para determinar a constituição física,para fins ergonômicos,para fins de assimetria

Leia mais

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO

TUMORES OSSEOS EM CABEÇA E PESCOÇO CABEÇA E PECOÇO UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ HOSPITAL WALTER CANTÍDIO Residência em Cirurgia de Cabeça e Pescoço TUMORES OSSEOS EM Geamberg Macêdo Agosto - 2006 TUMORES ÓSSEOS BÊNIGNOS OSTEOMA CONDROMAS

Leia mais

FRATURAS DA PATELA. ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo. O centro de ossificação surge com 2-3 anos

FRATURAS DA PATELA. ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo. O centro de ossificação surge com 2-3 anos FRATURAS DE JOELHO FRATURAS DA PATELA ANATOMIA: É o maior sesamóide do corpo O centro de ossificação surge com 2-3 anos Anomalioas da ossificação estão relacionadas a um centro acessório localizado no

Leia mais

Conteúdo do curso de massagem desportiva

Conteúdo do curso de massagem desportiva Conteúdo do curso de massagem desportiva Massagem desportiva Vamos fazer uma massagem desportiva na pratica. A massagem desportiva pode denotar dois tipos diferentes de tratamento. Pode ser utilizada como

Leia mais

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente).

É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). É a etapa inicial do tratamento do canal, consiste em o dentista atingir a polpa dentária (nervinho do dente). Consiste na regularização do alvéolo (local onde está inserido o dente), geralmente após a

Leia mais

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões.

Copyright Imaginologia.com.br - Todos os direitos reservados. Radiologia e Diagnóstico por Imagem para médicos clínicos e cirurgiões. Programa de Certificação de Qualidade O Colégio Brasileiro de Radiologia (CBR) disponibiliza os Protocolos de Tomografia Computadorizada elaborados pela Comissão e que podem ser consultados através do

Leia mais

PROCEDIMENTOS HOSPITAL-DIA

PROCEDIMENTOS HOSPITAL-DIA PROCEDIMENTOS HOSPITAL-DIA PROCEDIMENTO PERM. DESCRIÇÃO PORTE 39.03.010-5 HD VARIZES - TRAT. CIRUR. UNIL. 1 MEMBRO 3 39.03.011-3 HD VARIZES - TRAT. CIRUR. BILAR. 2 MEMBRO 5 41.13.001-4 HD EXERESE CISTO

Leia mais