ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA"

Transcrição

1 ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

2 SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5% 7% PASTAGEM 4 % CEREAIS DE INVERNO 13,5% FEIJÃO 2,5% SOJA 56% SAFRA 2013/2014 AREA: MIL HÁ PRODUÇÃO DE SEMENTES: MIL TON. Fonte: ABRASEM (2014)

3 EFEITO DO VIGOR SOBRE A PRODUTIVIDADE Características Avaliadas em Sementes de Alto e Baixo Vigor Qualidade Fisiológica Altura (cm) Num Vagens Grãos/ Vagem Grãos/ Planta Rendimento Peso 1000 (Gramas Sementes Planta) Alta 92,4 63 1, ,7 Baixa 89,4 49 1, ,0 95,7 % de Diferença Adaptado de Cervieri Filho, 2005 (UFPel) Monsoy 9350: sementes com 89% Germinação e 88% Emergência Experimento conduzido em Alto Taquari, MT, safra 2003/04. Alto Vigor: Emergência até 5 o dia. Baixo Vigor: Emergência após o 5 o dia. CERVIERI FILHO, E. Desempenho de plantas oriundas de sementes de alto e baixo vigor dentro de uma população de soja. Tese Doutorado, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, UFPel, Pelotas. 42pp

4 ESQUEMA BÁSICO DE UMA UNIDADE DE BENEFICIAMENTO DE SEMENTES PRÉ-RECEPÇÃO À CAMPO RECEPÇÃO PRÉ-LIMPEZA E ACONDICIONAMENTO ESCARIFICADOR SECAGEM MAP ENSAQUE MESA DE GRAVIDADE SEPARADOR DE PEDRA FLUXOGRAMA DE BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE FORRAGEIRA

5 PRÉ RECEPÇÃO À NIVEL DE CAMPO Conhecer as características e particularidades de cada espécie a ser beneficiada.

6 ESQUEMA DE UMA MÁQUINA DE PRÉ LIMPEZA Alimentação Exaustor Remoção por sucção folhas;cascas. Peneira Grossa Peneira Fina Fundo Elementos maiores Paus, vagens, etc. Pó, areia,cascas, terra, etc. Produto limpo PRÉ-LIMPEZA X CAPACIDADE LIMPEZA X EFICIENCIA

7 ESQUEMA DE UMA MÁQUINA DE AR E PENEIRA EQUIPAMENTO BÁSICO DE UMA UBS

8 VANTAGENS DA PRE-LIMPEZA Equipamento básico de toda UBS. Aumenta a capacidade de secagem. Reduz o grau de umidade do lote (2%). Melhora o fluxo de sementes. Diminui o nível de pó dentro da UBS. Reduz impurezas na massa de sementes. Melhora o rendimento da UBS. Pode classificar a semente por: FORMA, TAMANHO E ESPESSURA

9 MÁQUINAS PARA ESCARIFICAR VANTAGENS: Facilitar a Semeadura. Quebra a dormencia mecanica nas sementes. Obtenção de estande mais adequadas a campo. Uniformização do lote de sementes de um determinada espécie. DESVANTAGENS: Danificação mecanica.

10 DEFINIÇÃO DE SECAGEM SECAGEM Processo que envolve a retirada parcial de água da semente através da transferência simultânea de calor do ar para a semente e de água da semente para o ar, por meio de fluxo de vapor.

11 PRINCÍPIOS DA SECAGEM SISTEMA DE DUAS FASES 1-Evaporação: Perda da água da periferia da semente. 2-Migração: A água na semente é transferida do interior para a periferia para repor as perdas por evaporação.

12 SECADORES DE SEMENTES POR QUE SECAR? Manter o vigor das sementes durante o armazenamento. Reduz o desenvolvimento de insetos e microorganismos. Reduz as perdas no armazenamento, por períodos mais longos. Otimizar o período de colheita (antecipar e planejar). Minimiza os danos mecânico.

13 SECADORES DE SEMENTES SECADOR DE FLUXO FLUIDIZADO PARA SEMENTES DE PASTAGEM SISTEMA DE FUNDO VAZADO PARA PASSAGEM DO AR DE SECAGEM

14 MÁQUINAS PARA CATAÇÃO DE PEDRAS CAMINHO DA MASSA DE SEMENTES CAMINHO DAS PEDRAS REALIZA SEPARAÇÃO DOS MATERIAIS COM MAIORES DIFERENÇAS DE PESO

15 ESQUEMA DE FUNCIONAMENTO DA MESA DE GRAVIDADE REALIZA A SEPARAÇÃO DOS MATERIAIS COM DIFERENÇA DE PESO MENOR, COM MAIS PRECISÃO

16 VANTAGENS DA MESA DE GRAVIDADE IMPORTANTE: PRINCIPAL INSUMO AR? DE ONDE DEVE VIR O AR DE ENTRADA PARA A MESA DE

17 RESULTADOS DA MESA DE GRAVIDADE

18 HOMOGENIZADOR OU MISTURADOR DA MASSA DE SEMENTES Sistema homogenizador de sementes com angulo de repouso próximo de 60

19 EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE DE SEMENTES-ELEVADORES CENTRÍFUGA V=80-90 m/min. CONTÍNUA V=40 a 60 m/min. POSITIVA V=40 a 60 m/min. A B C Velocidade de operação de cada modelo de elevador

20 EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE DE SEMENTES-ROSCA EQUIPAMENTO QUE PODE ELEVAR O INDICE DE DANO MECANICO NAS SEMENTES

21 EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE DE SEMENTES-SISTEMA PNEUMÁTICO ALTA DEMANDA ENERGÉTICA X AUTO LIMPANTE

22 EQUIPAMENTOS DE TRANSPORTE DE SEMENTES-VIBRATÓRIOS INDICADA PARA TRANSPORTE A CURTA DISTANCIA X EQUIPAMENTO AUTO LIMPANTE

23 ENG. AGR. DR EVALDO CERVIERI FILHO Fone: (54)

A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja

A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja José de Barros França Neto Embrapa Soja 67º SIMPAS 24/11/2015 Sinop, MT Base para o sucesso da lavoura!!!

Leia mais

MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS

MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS Prof. Walter Fr. Molina Jr ESALQ/USP www.ler.esalq.usp.br/molina.htm OBJETIVO Esclarecer e orientar sobre a necessidade de beneficiamento de grãos após a colheita

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Código da Disciplina: AGR 271 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

8 - Beneficiamento 1

8 - Beneficiamento 1 8 - Beneficiamento 1 8.1 - Objetivos -Eliminação de agentes contaminantes da massa de grãos ou sementes; -Classificação por tamanho no caso de sementes Facilitar a regulagem das semeadoras 2 Contaminantes:

Leia mais

SECADORES CEREAIS JOSCIL

SECADORES CEREAIS JOSCIL SECADORES CEREAIS JOSCIL SÃO EQUIPAMENTOS TÉRMICO-MECÂNICOS, DESTINADOS A REDUZIR O TEOR DE UMIDADE DE PRODUTOS AGRICOLA, PERMITINDO A MANUTENÇÃO E QUALIDADE DURANTE O SEU ARMAZENAMETO. PARA CONDIÇÕES

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS PARTE 1 Prof. Dr. Antônio Lilles Tavares Machado DER - FAEM UFPel Tipos de colheita Manual Manual - Mecânica Mecânica Colheita Manual Colheita Manual A planta pode ser

Leia mais

COLHEITA MECANICA DO MILHO

COLHEITA MECANICA DO MILHO COLHEITA MECANICA DO MILHO Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A colheita mecânica de milho é uma prática que começa a apresentar importância para os agricultores brasileiros. Geralmente, o agricultor

Leia mais

Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06

Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06 Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06 Sistemas de Secagem e secadores: Sistemas de secagem; Operação e monitoramento da secagem; Classificação dos secadores; Sistemas de secagem Inexiste uma

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Estrutura disponível Planejamento

Leia mais

Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO

Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO Máquinas para E FENAÇÃO Permite armazenar grande quantidade de alimento em pouco espaço. Por que da necessidade de se armazenar forragem? Reserva de alimento devido: Otoniel Ferreira DER - FAEM - UFPel

Leia mais

28/01/2013 UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE)

28/01/2013 UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE) SECAGEM DE SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE) 4 º TIPO: ÁGUA DE IMPREGNAÇÃO

Leia mais

Comunicado117 Técnico

Comunicado117 Técnico Comunicado117 Técnico ISSN 1983-9731 Campo Grande, MS Abril, 2010 Colheita de Sementes de Brachiaria humidicola pelo Método de Sucção Rogério Novais Teixeira 1 Jaqueline Rosemeire Verzignassi 2 Introdução

Leia mais

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO Beneficiamento e Classificação BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO O beneficiamento do café é uma operação pós-colheita usada para transformar, pela eliminação da casca e separação dos grãos, o fruto seco (natural

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes Autores: Antonio Sergio Pontarolli Berenice Los Cirlene Waceliko Daniel Sviercowski Ediclea

Leia mais

Comunicado técnico nº7

Comunicado técnico nº7 Comunicado técnico nº7 Gestão da umidade no beneficiamento Parte 1 A umidade do algodão: um critério essencial para o desempenho do beneficiamento Giancarlo Goldoni Jr. 1. Generalidades e justificativas

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO Héria de Freitas TELES, Larissa Leandro PIRES, Marcos Gomes da CUNHA, Guilherme

Leia mais

A QUALIDADE DO ALGODÃO NÃO ACONTECE POR ACASO

A QUALIDADE DO ALGODÃO NÃO ACONTECE POR ACASO Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 A QUALIDADE NÃO ACONTECE POR ACASO Luiz Carlos Rodrigues Presidente da Busa CONGRESSO A BUSA HOJE Mais de 50 anos de história; Visão de futuro, dedicação e pioneirismo;

Leia mais

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 1 Hugo Fernandes dos Santos; 1 Lamartine Eduardo de Assis ; 2 Rosilene Agra da Silva] 1 Graduandos em Agronomia CCTA/UFCG

Leia mais

Consórcio Milho-Braquiária

Consórcio Milho-Braquiária Gessí Ceccon Consórcio Milho-Braquiária 1Oque é. É o cultivo simultâneo de milho safrinha com braquiária utilizando a semeadora de soja, ajustando-a para uma linha de milho safrinha e outra de braquiária.

Leia mais

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ A Manfredini & Schianchi projeta e fornece plantas completas chaves na mão de moagem, estocagem, dosagem, mistura e acondicionamento para a produção

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES. Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR

CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES. Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR Fundação Pró-Sementes Quem Somos? Instituída em 1999 por 39 produtores de sementes do RS e Apassul;

Leia mais

Secagem, Armazenamento e Beneficiamento

Secagem, Armazenamento e Beneficiamento Secagem, Armazenamento e Beneficiamento Eduardo da Costa Eifert A qualidade dos grãos de arroz é influenciada pelo método de secagem, pelo beneficiamento, pelas condições de armazenamento, como também

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

KIT MEDIDOR DE SEMENTES PARTIDAS DE SOJA

KIT MEDIDOR DE SEMENTES PARTIDAS DE SOJA KIT MEDIDOR DE SEMENTES PARTIDAS DE SOJA Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Soja Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Kit medidor de sementes partidas de soja Francisco

Leia mais

8. COLHEITA DO MILHO

8. COLHEITA DO MILHO 8. COLHEITA DO MILHO COLHEITA MANUAL Evitar atraso Colher direto no reservatório do meio de transporte COLHEITA MECÂNICA Evitar atraso Essencial a boa regulagem da máquina (cálculo das perdas) Umidade

Leia mais

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR INFORMA N.68 MAIO / 2006 RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR Eli Santana dos Santos¹ 1 IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES O uso de sementes de boa qualidade é o caminho mais seguro

Leia mais

Experimentos de Química Orgânica

Experimentos de Química Orgânica Experimentos de Química Orgânica Conhecimento dos procedimentos experimentais Montagem dos equipamentos e execução da reação REAGENTES PRODUTO PRINCIPAL + PRODUTOS SECUNDÁRIOS SOLVENTES + CATALISADORES

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso Marcelo Alvares de Oliveira 1, Irineu Lorini 2 47 1 Embrapa Soja, Caixa Postal 231, 86001-970

Leia mais

Colheita e pós-colheita

Colheita e pós-colheita Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita

Leia mais

ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO

ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO Informações básicas Podemos extrair dos cachos da palma os seguintes produtos: Óleo de palma bruto: 20% Óleo de palmiste: 1,5% Torta de palmiste: 3,5% Cachos vazios:

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA. Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO

SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA. Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO SISTEMAS DE CONSÓRCIO EM MILHO SAFRINHA Gessi Ceccon 1 1.INTRODUÇÃO A sucessão da soja-milho safrinha sustenta a produção de grãos na região Centro-Oeste do Brasil. No entanto, de acordo com Brüggemann

Leia mais

URI:http://hdl.handle.net/ /25705

URI:http://hdl.handle.net/ /25705 Tecnologias pós-colheita de arroz Autor(es): Publicado por: URL persistente: Botelho, Nuno Publindústria URI:http://hdl.handle.net/10316.2/25705 Accessed : 17-Mar-2017 05:00:59 A navegação consulta e descarregamento

Leia mais

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da Uma das maneiras de reduzir os efeitos da baixa disponibilidade de forragem sobre o desempenho dos animais é conservar a forragem de uma estação de crescimento para períodos de escassez de alimentos. A

Leia mais

Secagem, Beneficiamento e Armazenamento de Grãos

Secagem, Beneficiamento e Armazenamento de Grãos 15 Secagem, Beneficiamento e Armazenamento de Grãos Eduardo da Costa Eifert José Geraldo da Silva Jaime Roberto Fonseca Edson Herculano Neves Vieira 442 Por que o grão/semente de feijão deve ser secado?

Leia mais

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015

ESALQ. Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo. Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 ESALQ Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Universidade de São Paulo Prof. Dr. Walter F. Molina Jr Depto de Eng. de Biossistemas 2015 www.ler.esalq.usp.br/molina.htm Walter Molina: wfmolina@usp.br

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa DEFINIÇÃO / IMPORTÂNCIA Operação de movimentação de sólidos em regime contínuo, realizado em diversas etapas de um processo industrial. Aspectos importantes: Custo

Leia mais

PLANTAS PARA O TRATAMENTO DE SAL MARINHO E MINERAL - CLORETO DE SÓDIO

PLANTAS PARA O TRATAMENTO DE SAL MARINHO E MINERAL - CLORETO DE SÓDIO PLANTAS PARA O TRATAMENTO DE SAL MARINHO E MINERAL - CLORETO DE SÓDIO A Manfredini & Schianchi põe à disposição dos investidores nacionais e internacionais a sua experiência amadurecida em anos de trabalho

Leia mais

LIMPADORES ROTATIVOS

LIMPADORES ROTATIVOS Proprietário e fabricante da marca francesa LIMPADORES ROTATIVOS Proprietário das marcas : C.F.C.A.I. SAS Route de Montgérain BP 4 60420 TRICOT (France) Tél. : + 33 (0)3 44 51 53 53 Fax : + 33 (0)3 44

Leia mais

PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA

PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA MISSÃO FORNECER SOLUÇÕES MECATRÔNICAS DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL E VALOR SUPERIOR PERCEBIDO PARA MOVIMENTAÇÃO SEGURA DE PRODUTOS E PROCESSAMENTO DE MATERIAIS,

Leia mais

com spider na soja a safrinha é segura

com spider na soja a safrinha é segura com spider na soja a safrinha é segura Quem comprova é a Dow AgroSciences O poder dos 4S COM SPIDER NA SOJA A SAFRINHA É SEGURA O Time da Dow AgroSciences desenvolveu perguntas e respostas sobre Spider

Leia mais

Avaliação do Brunimento em Relação à Dimensão de Grãos de Arroz

Avaliação do Brunimento em Relação à Dimensão de Grãos de Arroz Avaliação do Brunimento em Relação à Dimensão de Grãos de Arroz 25 Dejalmo Nolasco Prestes 1, Angélica Markus Nicoletti 1, Marcelo Holz Prestes 1, Manoel Artigas Schirmer 1, Daniel Fernandez Franco 2,

Leia mais

Programa Laminadora 3M. Programa de Comodato de Laminadoras 3M. Adesivação limpa, rápida e. inteligente para você

Programa Laminadora 3M. Programa de Comodato de Laminadoras 3M. Adesivação limpa, rápida e. inteligente para você Programa Laminadora 3M Programa de Comodato de Laminadoras 3M Adesivação limpa, rápida e inteligente para você A 3M está trazendo a forma inteligente e segura de aumentar os lucros do seu negócio: o Programa

Leia mais

Comunicado. Técnico. Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar. Introdução

Comunicado. Técnico. Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar. Introdução Comunicado 54 Técnico ISSN 1414-9850 Junho, 2008 Brasília, DF Conservação de sementes de hortaliças na agricultura familiar Warley Marcos Nascimento 1 Raquel Alves de Freitas 2 Mariana Dierings Croda 3

Leia mais

SECAGEM INTERMITENTE DE SEMENTES DE MILHO COM ALTO TEOR DE UMIDADE

SECAGEM INTERMITENTE DE SEMENTES DE MILHO COM ALTO TEOR DE UMIDADE SECAGEM INTERMITENTE DE SEMENTES DE MILHO COM ALTO TEOR DE UMIDADE PEREIRA, FRANCISCO T. F.1; BAUDET, LEOPOLDO 2 E PESKE, SILMAR T.2 Termos para indexação: Zea mays, sementes, qualidade física, qualidade

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o agronegócio

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Escarificação mecânica e biológica do solo

Escarificação mecânica e biológica do solo Escarificação mecânica e biológica do solo Eng. Agr. M.Sc. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Textura do solo 1 Estrutura do solo Estrutura do solo Observe o esporo do

Leia mais

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade José de Barros França Neto Embrapa Soja XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional Sobre a Cultura do Girassol 28/10/2015

Leia mais

CALDEIRAS. Radiadores e Acessórios.

CALDEIRAS. Radiadores e Acessórios. Radiadores e Acessórios. SOBRE A ENGEMAN Fundada em 2003, em Patos de Minas, MG, a Engeman atua em quatro áreas principais: fabricação de caldeiras flamotubulares, mistas e aquatubulares a biomassa; trocadores

Leia mais

Manual de Construção da Abanadora Mecânica com Acionamento Manual para Café

Manual de Construção da Abanadora Mecânica com Acionamento Manual para Café Engenharia na Agricultura Boletim Técnico n 0 08 ISSN 1518-9953 Manual de Construção da Abanadora Mecânica com Acionamento Manual para Café Cristiane Pires Sampaio 1 Marise Cotta Machado 2 Roberta Martins

Leia mais

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Introdução: A qualidade da fibra do algodão é influenciada direta e

Leia mais

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO IAPAR 81 Cultivar do grupo carioca, de porte ereto, recomendada para cultivo a partir de junho de 1997. Apresenta

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS 69 SIMPAS Tangará da Serra-MT, 22 de novembro de 2016 Prof. ROGÉRIO DE A.COIMBRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATOGROSSO CÂMPUS DE A SEMENTE O QUE É? PL AN EJ AM EN

Leia mais

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã

Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha cv. Piatã XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Desempenho do Consórcio Milho-braquiária: Populações de Plantas e Modalidades de Semeadura de Urochloa brizantha

Leia mais

GERMINAÇÃO DE VARIEDADES DE Panicum maximum SUBMETIDAS A TRATAMENTO COM NITRATO DE POTÁSSIO

GERMINAÇÃO DE VARIEDADES DE Panicum maximum SUBMETIDAS A TRATAMENTO COM NITRATO DE POTÁSSIO GERMINAÇÃO DE VARIEDADES DE Panicum maximum SUBMETIDAS A TRATAMENTO COM NITRATO DE POTÁSSIO Kleyton Chagas de Sousa 1 Antonia Almeida da Silva 1 Janinny Nobre Duarte 1 Jullyanna Pereira da Silva 1 Francisco

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ DE SEQUEIRO 2012/13 1

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ DE SEQUEIRO 2012/13 1 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ DE SEQUEIRO 2012/13 1 TRAGNAGO, José Luiz 2 ; BONAZZA, Luiz Gustavo 3 ; BRESSA, Vinicius 4 Palavras chave: Competição cultivares. Arroz. Rendimento de grãos. Introdução

Leia mais

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativas e Desempenho de Variedades Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativa de Cana Identificando o Canavial Banco de Dados das Áreas (Própria/Fornecedor) Fazenda Lote Talhão Área Estágio Variedade

Leia mais

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática

28/01/2013. Profª Marcela Carlota Nery. Processo progressivo e irreversível. Respiração. Alterações na atividade enzimática Deterioração e vigor Profª Marcela Carlota Nery Deterioração Processo progressivo e irreversível Respiração Alterações na atividade enzimática Alterações no tegumento das sementes Alterações nas taxas

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA Mariéle Carolina EBERTZ 1 ; Gilmar Silvério da ROCHA 2 1 Aluna do Curso Técnico em Agropecuária, Instituto Federal Catarinense, Campus Rio do Sul,

Leia mais

MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás

MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás MANEJO DE NUTRIENTES NO ALGODOEIRO Solos de Goiás Ana Luiza Dias Coelho Borin Engenheira agrônoma, D.Sc. em Ciência do Solo Pesquisadora da Embrapa Algodão Adubação de sistemas intensivos de produção Conceitos

Leia mais

SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2. Profa. Roberta S. Leone

SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2. Profa. Roberta S. Leone SECAGEM E PSICROMETRIA OPERAÇÕES UNITÁRIAS 2 Profa. Roberta S. Leone SECAGEM Definição: Secagem é a remoção de pequenas quantidades de líquido, geralmente água, de um sólido. O objetivo é reduzir o teor

Leia mais

AULA 07: COMPACTAÇÃO DOS SOLOS (EQUIPAMENTOS E COMPACTAÇÃO EM CAMPO) Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos

AULA 07: COMPACTAÇÃO DOS SOLOS (EQUIPAMENTOS E COMPACTAÇÃO EM CAMPO) Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos AULA 07: COMPACTAÇÃO DOS SOLOS (EQUIPAMENTOS E COMPACTAÇÃO EM CAMPO) Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos TIPOS DE COMPACTAÇÃO EM CAMPO ESTÁTICA Compressão rolo liso Amassamento rolo pé de carneiro

Leia mais

Figura 7 Desenho esquemático de um trocador de calor de placas

Figura 7 Desenho esquemático de um trocador de calor de placas 72 Entende-se por operações unitárias na indústria de alimentos, os procedimentos que imprime algum tipo de transformação da matéria prima em processamento. Estes procedimentos podem implicar no emprego

Leia mais

MISTURADOR DE RAÇÃO CREMASCO MRC-500 / MRC-1000

MISTURADOR DE RAÇÃO CREMASCO MRC-500 / MRC-1000 MISTURADOR DE RAÇÃO CREMASCO MRC-500 / MRC-1000 Agradecemos a sua preferência por esse produto CREMASCO. Você adquiriu um equipamento de qualidade, desenvolvido especialmente para atender às suas necessidades.

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

Problemas da Qualidade do Algodão Brasileiro

Problemas da Qualidade do Algodão Brasileiro Problemas da Qualidade do Algodão Brasileiro Efeitos Positivos e Negativos do Beneficiamento na Qualidade do Algodão Daniel E. González Lummus Corporation Alguns conceitos básicos A melhor fibra de algodão

Leia mais

A AGRICULTURA FAMILIAR FAZ MAIS COM NEW HOLLAND.

A AGRICULTURA FAMILIAR FAZ MAIS COM NEW HOLLAND. A AGRICULTURA FAMILIAR FAZ MAIS COM NEW HOLLAND. Família de sucesso faz mais alimentos. Amigo agricultor familiar, chegou a hora de dar um salto em produtividade. Agora você vai poder modernizar a sua

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE AVEIA BRANCA (Avena sativa) NA REGIÃO SUL DE MATO GROSSO DO SUL, SAFRAS 1997 E 1998

AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE AVEIA BRANCA (Avena sativa) NA REGIÃO SUL DE MATO GROSSO DO SUL, SAFRAS 1997 E 1998 ISSN 0104-5164 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Emrapa Agropecuária Oeste Ministério da Agricultura e do Aastecimento BR 163, km 253,6 - Trecho Dourados-Caarapó km 5 Caixa Postal 661 79804-970

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO MANEJO E TIPO DE COBERTURA DO SOLO

DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO MANEJO E TIPO DE COBERTURA DO SOLO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DA SOJA EM FUNÇÃO DO MANEJO E TIPO DE COBERTURA DO SOLO Alberto Kazushi Nagaoka 1 Pedro Castro Neto 2 Antônio Carlos Fraga 3 Marcos Antonio Piccini 4 Saulo Philipe Sebastião

Leia mais

20/02/2017 MÉTODOS DE PASTEJO II

20/02/2017 MÉTODOS DE PASTEJO II UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA: Manejo de Rebanhos em Pastejo MÉTODOS DE PASTEJO II Lotação rotacionada método que utiliza subdivisão

Leia mais

5.9 Controle de Pragas e Doenças

5.9 Controle de Pragas e Doenças 5.9 Controle de Pragas e Doenças 1 5.9.1 Medidas gerais de controle de pragas 2 a) Métodos Legislativos -Realizado pelo serviço de vigilância sanitária; - Consiste na fiscalização de portos, aeroportos,

Leia mais

Cabine de JATEAMENTO

Cabine de JATEAMENTO Cabine de JATEAMENTO CMV CONSTRUÇÕES MECÂNICAS LTDA. Matriz: Av. das Indústrias, 940 - Distrito Industrial. CEP: 94930-230 - Cachoeirinha - RS - Brasil. Nossas cabines de jateamento operam com qualquer

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

Valdy Bedê Médico Veterinário

Valdy Bedê Médico Veterinário Valdy Bedê Médico Veterinário Avicultura como Atividade Industrial Produção em Escala pintos, ovos e ração Surgimento do Sistema de Integração Década de 70 Ovo é banido da alimentação pelo seu teor de

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO.

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE MAMONA (Ricinus communis L.) CULTIVAR NORDESTINA, SOB DIFERENTES CONDIÇÕES DE ARMAZENAMENTO. Andréa dos Santos Oliveira, Renata Silva-Mann, Michelle da Fonseca Santos,

Leia mais

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

LINHA JATÃO 3 PONTOS. Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão

Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Moagem Redução Termos empregados Muitos processos na indústria de alimentos Forças mecânicas através de equipamentos

Leia mais

Tecnologia do sorgo. Histórico. Gramíneas: Sorghum bicolor Recente no Brasil: uso na alimentaçã. ção o humana pouco explorada Panificaçã

Tecnologia do sorgo. Histórico. Gramíneas: Sorghum bicolor Recente no Brasil: uso na alimentaçã. ção o humana pouco explorada Panificaçã Tecnologia do sorgo Histórico Gramíneas: Sorghum bicolor Recente no Brasil: uso na alimentaçã ção o humana pouco explorada Panificaçã ção o com bons resultados FAO: 1998 59 milhões ton.. (3,3 % produçã

Leia mais

Painel - Controle de plantas daninhas no ambiente de novos Traits

Painel - Controle de plantas daninhas no ambiente de novos Traits Painel - Controle de plantas daninhas no ambiente de novos Traits Manejo de plantas daninhas nos ambientes de soja Cultivance/Enlist/Xtend/LL Mauro Antônio Rizzardi Eng. Agr., Dr., Professor da Universidade

Leia mais

VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO. Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão

VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO. Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão O sistema de cultivo adensado Consiste no plantio de algodão em fileiras com espaçamentos menores de 0,76 metros

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais