CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES. Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES. Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR"

Transcrição

1 CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR

2 Fundação Pró-Sementes Quem Somos? Instituída em 1999 por 39 produtores de sementes do RS e Apassul; Hoje contamos com 48 instituidores no RS, SC, PR e SP; É uma instituição privada, brasileira, sem fins lucrativos; Fornecimento de novas genéticas de soja, trigo, aveia e outras culturas; Focada no mercado do agronegócio. Possui certificação ISO 9001.

3 Estrutura Física Escritório Rondonópolis - MT Filial Campo Mourão - PR Matriz Passo Fundo - RS

4 Unidades de Negócios - FPS Pesquisa & Desenvolvimento Certificação e Capacitação Profissional Comercial Verão / Inverno Certificação de Sementes Licenciamento de Cultivares Certificação de qualidade Fisiológica Promoção e Desenvolvimento de Mercado Capacitação Profissional

5 Capacitação Profissional Mestrado Profissionalizante Auditorias nos processos de produção de Sementes Cursos Operadores UBS Cursos para RT

6 Pesquisa e Desenvolvimento

7 Soja: 90% de Germinação e 80% de Vigor Trigo: 95% de Germinação e 85% de Vigor

8 CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES

9 A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA LEI nº /08/2003 DECRETO nº /07/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 9 02/06/2005 Fixa as diretrizes básicas para: produção, comercialização e utilização de sementes. Apresenta 48 anexos, sendo 47 formulários para inscrições, credenciamentos, autorizações, certificados, termos de comformidade, etc.

10 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 21/05/2008: Normas e padrões para produção e comercialização de Sementes de espécies forrageiras de clima tropical: GRAMÍNEAS (Poaceae) - 18 ESPÉCIES Andropogon, Braquiárias, Capim Colonião, etc LEGUMINOSAS (Fabaceae) 24 ESPÉCIES Crotálaria, Mucuna Preta, Estilosantes, etc NABO FORRAGEIRO

11 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 33 4/11/2010: Normas de produção de sementes de espécies Forrageiras de clima temperado, bem como seus Padrões de identidade e qualidade: Poaceae : 15 espécies Aveia Preta, Festuca, Teosinto, etc Fabaceae: 15 espécies Ervilhaca, cornichão, trevos, etc

12 FUNDAÇÃO PRÓ-SEMENTES COMO CERTIFICADORA Atuação desde 2005; Mais de 300 produtores de sementes em todo Brasil; Certificação de diversas culturas como: Forrageiras tropical e temperado, Soja, Trigo, Milho, Algodão, Batata, entre outras.

13 Certificação de Sementes CONCEITO: Processo de produção executado mediante controle de gerações e de qualidade em suas diversas fases, visando a conformidade com padrões pré-estabelecidos

14 Certificação de Sementes OBJETIVO FINAL Garantir a identidade e a qualidade das sementes. Resultado esperado: Mais benefício e segurança ao usuário.

15 Certificação de Sementes NOSSOS CINCO PRINCÍPIOS: AGILIDADE EFICIÊNCIA EFICÁCIA SEGURANÇA CONFIABILIDADE

16 Certificação de Sementes NOSSOS CINCO FUNDAMENTOS: Capac. RH Informatização Pré-Controle Pós-Controle Auditoria Corretiva

17 Certificação de Sementes Fase I Planejamento (Produtor e RT) O que produzir? Cultivar, Categoria, Origem Como produzir? Área própria e/ou cooperante Onde produzir? Local, escolha da área Quanto produzir? Fase II - Inscrição do campo (Produtor MAPA - Fundação) Fase III - Homologação do Campo (MAPA) Fase IV - Controle de Qualidade (RT e Fundação) Vistorias de Campo: Floração e Pré-colheita (Fundação). Processamento: Recebimento, Secagem, Limpeza, Classificação, Embalagem, Amostragem (Fundação). Análise Laboratorial - Boletim de Análise de Sementes Fase V - Emissão do Certificado (Fundação). Auditorias

18 Certificação de Sementes Responsável Técnico da Fundação Pró- Sementes Supervisão CQ Material de origem do campo Processo de Certificação (Identidade Genética) Campo Beneficiamento Armazenagem Amostragem Análise Pré-controle Auditoria CERTIFICAÇÃO BAS LAS - CQ Pós-controle

19 Certificação de Sementes AUDITORIA CORRETIVA Processo de acompanhamento e treinamento do RT, do Produtor de Sementes e de auxiliares, durante as diversas etapas da certificação de sementes, visando a obtenção da conformidade do lote com os padrões de qualidade estabelecidos e as normas vigentes.

20 VISTORIAS DE CAMPO

21 VISTORIAS OBRIGATÓRIA DE CAMPO: FLORAÇÃO

22 VISTORIA DE CAMPO: PRÉ-COLHEITA

23

24

25

26

27

28

29 Roguing...

30

31 A natureza é perfeita...

32

33

34

35

36 QUALIDADE É TUDO!!!

37 AMOSTRAGEM DE SEMENTES

38 GARANTIA DE QUALIDADE

39 Certificado de Sementes = documento de garantia

40 da Certificação de Sementes Credibilidade da empresa junto ao mercado; Confiabilidade na produção de Sementes de alta qualidade (alta pureza); Profissionalização do setor; Mais segurança para o setor; Disponibilidade de categorias superiores no mercado;

41 da Certificação de Sementes Evita multiplicação de S2 para S2; Agrega valor a sua semente; Novos mercados poderão ser atendido; Processo de certificação relativamente simples; Baixo custo com a certificação.

42 CAMPANHA VALORIZANDO A SEMENTE

43 USE SEMENTE CERTIFICADA

44 MUITO OBRIGADO!! Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto (54) (44)

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

16 Produção de Sementes e Comercialização

16 Produção de Sementes e Comercialização 16 Produção de Sementes e Comercialização Luciene Fróes Camarano de Oliveira Sérgio Utino Cláudio Bragantini Lídia Pacheco Yokoyama 480 Qual é o tipo de grão mais comercializado no Brasil? O tipo de grão

Leia mais

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL

SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL SITUAÇÃO DA PRODUÇÃO DE SEMENTES NO BRASIL AGRICULTURA NA ECONOMIA BRASILEIRA REPRESENTA 28% PIB EMPREGA 37% DOS TRABALHADORES GERA 44% DAS EXPORTAÇÕES PRINCIPAIS CULTURAS BRASILEIRAS: SOJA, MILHO, ALGODÃO,

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

PRINCIPAIS DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO

PRINCIPAIS DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO PRINCIPAIS DESAFIOS DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS DE CLIMA TEMPERADO Pedro Henrique Linassi Mastella Engenheiro Agrônomo Foz do Iguaçu - PR, 10 de Agosto de 2017 ASSOCIAÇÃO SUL - BRASILEIRA PARA

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO no uso das atribuições

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Estrutura disponível Planejamento

Leia mais

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS

O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS O SISTEMA BRASILEIRO DE SEMENTES E MUDAS 69 SIMPAS Tangará da Serra-MT, 22 de novembro de 2016 Prof. ROGÉRIO DE A.COIMBRA UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATOGROSSO CÂMPUS DE A SEMENTE O QUE É? PL AN EJ AM EN

Leia mais

RENASEM. Lei de 5 de agosto de Decreto de 23 de julho de Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas

RENASEM. Lei de 5 de agosto de Decreto de 23 de julho de Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas RENASEM Lei 10.711 de 5 de agosto de 2003 Decreto 5.153 de 23 de julho de 2004 Instrução Normativa nº 24 de 20 de dezembro de 2005 Mudas Instrução Normativa nº 9 de 02 de junho de 2005 Sementes Instrução

Leia mais

Inscrição de Campos de Produção de Sementes - SIGEF

Inscrição de Campos de Produção de Sementes - SIGEF Inscrição de Campos de Produção de Sementes - SIGEF GLAUCO BERTOLDO AUDITOR FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIO CGAI/SDA/MAPA CAMILA DOS SANTOS VIEIRA AUDITORA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIA SEFIA/DDA/SFA-PR Universo

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

Art. 2º Para efeito do disposto nesta Instrução Normativa, considera-se:

Art. 2º Para efeito do disposto nesta Instrução Normativa, considera-se: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 33, DE 4 DE NOVEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

Pesquisa apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso de Agronomia (DEAg/UNIJUÍ). 2

Pesquisa apresentada como Trabalho de Conclusão de Curso de Agronomia (DEAg/UNIJUÍ). 2 AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO DE SEMENTES DE CAPIM SUDÃO (SORGHUM SUDANENSE (PIPER) STAPF), PELAS ANÁLISES DE PUREZA E GERMINAÇÃO NOS ANOS DE 2007 A 2014 1 Vanderleia Cristina Bertoldo 2, Emerson André Pereira

Leia mais

ANEXO I ANEXO II RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS ANEXO III

ANEXO I ANEXO II RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE MUDAS DE ESPÉCIES FLORESTAIS ANEXO III * Saldo = produção do ano - (comercializada + plantio próprio + outros destinos) ANEXO I Produtor: RELATÓRIO ANUAL DE PRODUÇÃO E COMERCIALIZAÇÃO DE SEMENTES DE ESPÉCIES FLORE S TA I S Ano de produção:

Leia mais

LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS

LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS LEGISLAÇÃO PARA COLETA DE SEMENTES E PRODUÇÃO DE MUDAS NATIVAS Bárbara França Dantas Pesquisadora da Embrapa Semiárido De acordo com FERNANDA YONEYA (O Estado de São Paulo de 21 de setembro de 2011), mesmo

Leia mais

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Seminário de Integração e Missão de Supervisão DEZEMBRO-2010 COAGRE/DEPROS/SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PROJETO:

Leia mais

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5%

Leia mais

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL

SECRETARÍA DEL MERCOSUR RESOLUCIÓN GMC Nº 26/01 ARTÍCULO 10 FE DE ERRATAS ORIGINAL MERCOSUL/GMC/RES. Nº 47/02 REQUISITOS PARA A CERTIFICAÇÃO NÃO DEFINITIVA DE LOTES DE SEMENTES BOTÂNICAS DA CLASSE/CATEGORIA CERTIFICADA TENDO EM VISTA : O Tratado de Assunção, o Protocolo de Ouro Preto,

Leia mais

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum

18/09/2010 PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE. Família Solanaceae. Tomate: Solanum lycopersicum IMPORTÂNCIA DAS SOLANÁCEAS PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOLANÁCEAS Vanessa Neumann Silva Fonte: ABCSem, 2007 SISTEMÁTICA CENTRO DE ORIGEM TOMATE Família Solanaceae Tomate: Solanum lycopersicum Pimentão: Capsicum

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS. A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS. A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS Mariana Barreto Eng. Agr. MSc. Assessora da Diretoria Sinop-MT, 24 de novembro de 2015 QUEM SOMOS Fundada em 1972,

Leia mais

AVANÇOS DO MELHORAMENTO GENÉTICO DE PLANTAS NO BRASIL

AVANÇOS DO MELHORAMENTO GENÉTICO DE PLANTAS NO BRASIL 1º Simpósio de Melhoramento e Propagação Vegetativa de Plantas maio/2011 AVANÇOS DO MELHORAMENTO GENÉTICO DE PLANTAS NO BRASIL Daniela de Moraes Aviani Coordenadora do Serviço Nacional de Proteção de Cultivares

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

CURRICULUM VITAE JOSE LUIZ MORAES DA SILVA

CURRICULUM VITAE JOSE LUIZ MORAES DA SILVA CURRICULUM VITAE JOSE LUIZ MORAES DA SILVA Dados pessoais: Data de nascimento 07/12/1973 Sexo: masculino Estado civil: casado Nome do cônjuge: Graciela Ferrari da Silva Dependentes: 03 esposa e filhos

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES

IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ A SEMENTE É MATERIAL UTILIZADO PARA A MULTIPLICAÇÃO DE PLANTAS E,

Leia mais

Comércio Internacional de Sementes e Mudas

Comércio Internacional de Sementes e Mudas Comércio Internacional de Sementes e Mudas CAMILA DOS SANTOS VIEIRA AUDITORA FISCAL FEDERAL AGROPECUÁRIA SERVIÇO DE FISCALIZAÇÃO DE INSUMOS AGRÍCOLAS SEFIA/DDA/SFA-PR Panorama do Estado do Paraná - 2017

Leia mais

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS

IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS IMPLANTAÇ IMPLANTAÇÃO E MANEJO DE ESPÉ ESPÉCIES FORRAGEIRAS HIBERNAIS Luis Fernando G. de Menezes UTFPR/DV luismenezes@utfpr.edu.br Qualidade da semente Método de estabelecimento Densidade de semeadura

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Produção e Tecnologia de Sementes Código da Disciplina: AGR 271 Curso: Agronomia Semestre de oferta da disciplina: 6 Faculdade responsável: Agronomia Programa em vigência

Leia mais

SPC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL

SPC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL PC NO SETOR DOS ALIMENTOS PARA ANIMAIS: INTERAÇÃO COM OS PLANOS DE CONTROLO OFICIAL José Manuel Nunes da Costa DGAV / DSNA DAA A IMPORTÂNCIA DA NORMALIZAÇÃO NA ALIMENTAÇÃO ANIMAL IACA, SANTARÉM, 27 JUNHO

Leia mais

1º As mudas de que trata o caput deverão ser formadas a partir de sementes de uma das seguintes categorias:

1º As mudas de que trata o caput deverão ser formadas a partir de sementes de uma das seguintes categorias: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 35, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

LEGISLAÇÃO BRASILERIA DE SEMENTES E DE MUDAS

LEGISLAÇÃO BRASILERIA DE SEMENTES E DE MUDAS LEGISLAÇÃO BRASILERIA DE SEMENTES E DE MUDAS Segmento: Fiscalização de Sementes e Mudas APRESENTAÇÃO DO MAPA (CLICAR NOS LINKS) LEGISLAÇÃO SEMENTES RENASEM Projeto Técnico Produção de sementes Produtor

Leia mais

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES

A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES A IMPLANTAÇÃO DO PROGRAMA AR PARA PARCEIROS TQUIM TRANSPORTES Estrutura Fundação: 1980 Estrutura: Matriz: Diadema/SP Pátio Estação de limpeza de tanques equipe com 12 operadores, 3 líderes, 3 turnos de

Leia mais

IMPORTÂNCIA DO PAPEL DO MAPA NO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES

IMPORTÂNCIA DO PAPEL DO MAPA NO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES IMPORTÂNCIA DO PAPEL DO MAPA NO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEMENTES LEGISLAÇÃO BASE: LEI Nº 10.711/2003 DECRETO Nº 5.153/2004 (aprova o Regulamento da Lei) INSTRUÇÕES NORMATIVAS MAPA Nº 09/2005; 15/2005; 30/2008;

Leia mais

Novas Normas para Importação de Sementes e Mudas

Novas Normas para Importação de Sementes e Mudas Novas Normas para Importação de Sementes e Mudas Escopo Importação e exportação de sementes com fins comerciais, para uso próprio, para VCU ou para ensaios de adaptação (Revoga a IN 50/2006 a partir de

Leia mais

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade

Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade Manejo de plantas de cobertura para sistemas agrícolas de alta produtividade B.Sc. Agronomia José Eduardo de Macedo Soares Júnior Fazenda Capuaba / Lucas do Rio Verde-MT Fazenda Capuaba Lucas do Rio Verde

Leia mais

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP

I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP I WORKSHOP DE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DA GESTÃO DE PESSOAS DA USP NOVEMBRO 2010 Propostas de MISSÃO para a Gestão de Pessoas da USP Criar condições para o engajamento pessoal e profissional dos servidores

Leia mais

AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016

AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016 06/09/2016 FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS Professor: Eng. Agr. Dr. Otoniel G. L. Ferreira Importância

Leia mais

IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE

IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE IRRIGAÇÃO E SEUS FUTUROS IMPACTOS NA QUALIDADE DA ÁGUA E DAS MUDANÇAS CLIMÁTICAS NA SAÚDE E NO MEIO AMBIENTE Guilherme Franco Netto Diretor do Departamento

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A COMPETIVIDADE DO AGRONEGÓCIO EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE BRASILEIRA LEGISLAÇÃO

Leia mais

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso Marcelo Alvares de Oliveira 1, Irineu Lorini 2 47 1 Embrapa Soja, Caixa Postal 231, 86001-970

Leia mais

ESTRUTURA DASECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE SEGURANÇA PARA GRANDES EVENTOS SESGE (1/6) (Decreto nº 8.668 de 12 de fevereiro de 2016)

ESTRUTURA DASECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE SEGURANÇA PARA GRANDES EVENTOS SESGE (1/6) (Decreto nº 8.668 de 12 de fevereiro de 2016) SECRETARIA EXTRAORDINÁRIA DE SEGURANÇA PARA GRANDES EVENTOS DAS 101.6 CHEFE DE GABINETE CHEFE DE GABINETE IA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO IA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DE S DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

Leia mais

Novas Variedades. Validação e Transferência de Tecnologia. Rogério de Sá Borges Embrapa Transferência de Tecnologia Escritório de Negócios de Campinas

Novas Variedades. Validação e Transferência de Tecnologia. Rogério de Sá Borges Embrapa Transferência de Tecnologia Escritório de Negócios de Campinas Novas Variedades Validação e Transferência de Tecnologia Rogério de Sá Borges Embrapa Transferência de Tecnologia Escritório de Negócios de Campinas Transferência de tecnologias propostas e desenvolvidas

Leia mais

Acreditação do Laboratório de Análise de Sementes da Embrapa Milho e Sorgo pela ISO 17025*

Acreditação do Laboratório de Análise de Sementes da Embrapa Milho e Sorgo pela ISO 17025* Acreditação do Laboratório de Análise de Sementes da Embrapa Milho e Sorgo pela ISO 17025* Déa A. M. Netto 1, Mara D. L. Mendes 2, Reginaldo R. Coelho 3, Paulo E. de A. Ribeiro 1 e Miriam L. P. Marion

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE ALGODÃO

PRODUÇÃO INTEGRADA DE ALGODÃO PRODUÇÃO INTEGRADA DE ALGODÃO Alderi Emídio de Araújo Eng o Agr o,fitopatologista, D.Sc. VIII Congresso Brasileiro de Algodão São Paulo 20 de setembro de 2011 Foto: GBCA O que é a Produção Integrada? Produtos

Leia mais

34 ISSN Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Nº 236, sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 GABINETE DO MINISTRO

34 ISSN Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Nº 236, sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 GABINETE DO MINISTRO 34 ISSN 1677-7042 1 Nº 236, sexta-feira, 9 de dezembro de 2011. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE

Leia mais

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1

GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 GRAU DE PUREZA DE SEMENTES FORRAGEIRAS COMERCIALIZADAS NA CIDADE DE POMBAL-PB 1 1 Hugo Fernandes dos Santos; 1 Lamartine Eduardo de Assis ; 2 Rosilene Agra da Silva] 1 Graduandos em Agronomia CCTA/UFCG

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda. Manual de Fornecedores

Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda. Manual de Fornecedores Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda Manual de Fornecedores A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Logística e Gestão Empresarial DIGEM Superintendência

Leia mais

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA No- 572, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010

SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA No- 572, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010 Data: 28/12/2010 Nº 028 Pág: 1 de 18 SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA No- 572, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2010 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO,

Leia mais

ANOTAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES. Julio Marcos-Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ

ANOTAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES. Julio Marcos-Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ ANOTAÇÕES SOBRE SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES Julio Marcos-Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ juliomarcos.1@usp.br 1. INTRODUÇÃO O desenvolvimento de novos cultivares é bem sucedido somente

Leia mais

Consórcio Milho-Braquiária

Consórcio Milho-Braquiária Gessí Ceccon Consórcio Milho-Braquiária 1Oque é. É o cultivo simultâneo de milho safrinha com braquiária utilizando a semeadora de soja, ajustando-a para uma linha de milho safrinha e outra de braquiária.

Leia mais

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há Milton Parron Padovan Rogério Ferreira da Silva Adubação Verde - Opções para Outono/Inverno, Primavera/Verão e Espécies Perenes 1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há milhares de

Leia mais

Implantação do Controle de Qualidade Interno Laboratorial DR. JUNO DAMASCENO

Implantação do Controle de Qualidade Interno Laboratorial DR. JUNO DAMASCENO Implantação do Controle de Qualidade Interno Laboratorial DR. JUNO DAMASCENO LABORATÓRIO CLÍNICO: FASES Sistema de Garantia da Qualidade Clientee Pré-Analítica Analítica Pós-Analítica Laudo Controle de

Leia mais

QUADRO COMPARATIVO COM AS JUSTIFICATIVAS DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS DO DECRETO Nº TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVAS

QUADRO COMPARATIVO COM AS JUSTIFICATIVAS DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS DO DECRETO Nº TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVAS QUADRO COMPARATIVO COM AS JUSTIFICATIVAS DAS ALTERAÇÕES PROPOSTAS DO DECRETO Nº 5.153 Art. 2 o TEXTO ATUAL TEXTO PROPOSTO JUSTIFICATIVAS Art. 2 o III - atestado de origem genética: documento que garante

Leia mais

Certificação de alimentos orgânicos

Certificação de alimentos orgânicos Certificação de alimentos orgânicos Natália Salvate Brasil Doutoranda em Desenvolvimento Rural PGDR/UFRGS nataliasalvatebrasil@gmail.com Fonte: MAPA, Cartilha Título O Olho da palestra, do Consumidor.

Leia mais

Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social

Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL E PRODUTIVA DA AGRICULTURA FAMILIAR NOS 10 ANOS DO PNPB Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social Dezembro de 2015 Brasília

Leia mais

Nematoides em Plantio Direto no Brasil

Nematoides em Plantio Direto no Brasil Nematoides em Plantio Direto no Brasil Andressa C. Z. Machado Pesquisadora IAPAR Nematologista Importância Perdas mundiais de 10-15% por ano 100 bilhões de dólares Grande número de espécies Extremamente

Leia mais

PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS. FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010

PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS. FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010 PRODUÇÃO DE LEITE COM FORRAGEIRAS FRANCISCO ALBERTO TRAESEL ENG. AGRÔNOMO. EMATER-RS- São Pedro do Sul 2010 PLANEJAR 1- PLANEJAR-METAS-PRIORIDADES 2- A.M.O.R 4-ASSOCIATIVISMO 5-S.I.N.O.P 7- CHUTAR A VACA

Leia mais

TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio

TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio A GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGÓCIO A utilização do GIS como ferramenta de apoio na SLC Agrícola Paula Silvério Eng. Ambiental HISTÓRIA DA SLC AGRÍCOLA VISÃO GERAL DA SLC

Leia mais

Implantação do sistema de gestão da qualidade na Farmácia Privativa Unimed Amparo

Implantação do sistema de gestão da qualidade na Farmácia Privativa Unimed Amparo Implantação do sistema de gestão da qualidade na Farmácia Privativa Unimed Amparo Edilene P. Camargo, Celso R.C. Martins farmacia@unimedamparo.com.br Histórico A Diretoria da Unimed Amparo, inspirada

Leia mais

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria;

Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Estabelecer lista de verificação para auditoria; Página 1 de 9 AUDITORIAS DA QUALIDADE ETAPA 1. Objetivo geral: Atuar no planejamento e execução das Auditorias da Qualidade. Desempenho esperado: Estabelecer programa anual de auditorias; Elaborar agenda

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6

Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 Manutenção Revisão: 02 Página 1 de 6 1. HISTÓRICO DE REVISÕES DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20.08.2013 00 Emissão inicial. Revisão para maior clareza no texto do documento. Adequação da responsabilidade

Leia mais

Certificações do PNCQ

Certificações do PNCQ Isabeth Gonçalves Gestão da Qualidade PNCQ Certificações do PNCQ 1 A tendência natural de todos os processos é vigorar em estado caótico e não controlado. Tudo está sujeito a falhas. Não existe perfeição.

Leia mais

LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL

LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL LEGISLAÇÃO: MARCO REGULATÓRIO PARA O TRATAMENTO DE SEMENTES NO BRASIL Júlio César Garcia Fiscal Federal Agropecuário LASO/LANAGRO/MG José Maurício Pereira Fiscal Federal Agropecuário UTRA/LRV/SDFA/MG Piracicaba/SP

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 3 DE ABRIL DE 2001

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 3 DE ABRIL DE 2001 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 3, DE 3 DE ABRIL DE 2001 O SECRETÁRIO DE APOIO RURAL E COOPERATIVISMO, no uso das atribuições

Leia mais

Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas

Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas Ramo Agropecuário Rede de Cooperativas Agropecuárias das Américas Paulo César Dias do Nascimento Júnior Coordenador do Ramo Agropecuário da OCB Lima, 20 e 21 de março de 2013. Sistema OCB. Você participa.

Leia mais

Índice de Qualidade do Fornecedor - IQF

Índice de Qualidade do Fornecedor - IQF () Índice de Qualidade do Fornecedor - IQF RAZÃO SOCIAL : CÓDIGO: 294 ARGENTAUREOS DOURACAO E PRATEACAO LTDA - ME IQF - Índice de Qualidade do Fornecedor (Média Anual) 87,9 FAMÍLIA: SERVIÇO DE PINTURA

Leia mais

PAINEL 6 Propostas Legislativas para Modificação da Lei de Cultivares. Ivo M. Carraro Presidente da Braspov

PAINEL 6 Propostas Legislativas para Modificação da Lei de Cultivares. Ivo M. Carraro Presidente da Braspov PAINEL 6 Propostas Legislativas para Modificação da Lei de Cultivares Ivo M. Carraro Presidente da Braspov Estrutura da BRASPOV Presidente: Ivo M. Carraro (Coodetec) Vice-Presidente: Francisco Soares (TMG)

Leia mais

Quem são os Operadores Econômicos?

Quem são os Operadores Econômicos? Quem são os Operadores Econômicos? São todos os participantes da cadeia logística internacional, mas apenas estes podem ser OEA: Importadores; Exportadores; Transportadores; Agente de carga; Depositários;

Leia mais

ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS).

ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS). ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS). I - PARA EFEITOS DESTAS INSTRUÇÕES ENTENDE-SE POR: 1. Amostra:

Leia mais

Plano Estratégico Castrolanda Revisão 30/09/2010 COOPERATIVA AGROPECUÁRIA CASTROLANDA

Plano Estratégico Castrolanda Revisão 30/09/2010 COOPERATIVA AGROPECUÁRIA CASTROLANDA Plano Estratégico Castrolanda Revisão 30/09/2010 COOPERATIVA AGROPECUÁRIA CASTROLANDA 1 Estrutura de revisão I Missão e Visão das áreas de Negócio; II - Sistema de Fidelidade; III - Estratégia Geral; IV-

Leia mais

GESTÃO DE. 1º Workshop da Qualidade FORNECEDORES GESTÃO DE FORNECEDORES. IATF Sistema de Gestão da Qualidade Automotiva.

GESTÃO DE. 1º Workshop da Qualidade FORNECEDORES GESTÃO DE FORNECEDORES. IATF Sistema de Gestão da Qualidade Automotiva. 1º Workshop da Qualidade GESTÃO DE IATF 16949 Sistema de Gestão da Qualidade Automotiva Evandro Dalpissol De forma resumida se espera: Desenvolvimento de um processo mais robusto de seleção e desenvolvimento

Leia mais

ANEXO I. (Identificação do órgão fiscalizador na Unidade Federativa) IDENTIFICAÇÃO DO FISCALIZADO INSCRIÇÃO/CREDENCIAMENTO NO RENASEM Nº:

ANEXO I. (Identificação do órgão fiscalizador na Unidade Federativa) IDENTIFICAÇÃO DO FISCALIZADO INSCRIÇÃO/CREDENCIAMENTO NO RENASEM Nº: (Brasão do órgão fiscalizador) ANEXO I (Identificação do órgão fiscalizador na Unidade Federativa) TERMO DE FISCALIZAÇÃO / (n /ano) IDENTIFICAÇÃO DO FISCALIZADO NOME/RAZÃO SOCIAL: INSCRIÇÃO/CREDENCIAMENTO

Leia mais

MANUAL DE FORNECEDORES

MANUAL DE FORNECEDORES 1 de 9 DISTRIBUIDOR: Controle do Sistema de Gestão da Qualidade(CGQ) REV. DATA DESCRIÇÃO DA REVISÃO ELAB. VERIF. APR. 1ª 01/03/10 Edição Inicial OMV OMV MRP 2ª 20/04/14 IQS. Sistema Integrado da Qualidade

Leia mais

Uma Avaliação do Plantio Direto no Brasil. Guilherme Bastos Fo., Douglas Nakazone, Giseli Bruggemann e Heloisa Melo 1

Uma Avaliação do Plantio Direto no Brasil. Guilherme Bastos Fo., Douglas Nakazone, Giseli Bruggemann e Heloisa Melo 1 Uma Avaliação do Plantio Direto no Brasil Guilherme Bastos Fo., Douglas Nakazone, Giseli Bruggemann e Heloisa Melo 1 Palavras chave: plantio direto, avaliação, cobertura do solo. Introdução A presente

Leia mais

Qualidade no Grupo Seta

Qualidade no Grupo Seta 1941 Fundação da Sociedade Extrativa Tanino da Acácia Ltda. SETA, a primeira indústria de extração de tanino de acácia da América. 1946 Fundação da filial em Taquari (RS). 1987 Criação da SETA Química

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CÂMPUS SÃO JOÃO DEL-REI PROGRAMA DE AUDITORIA Coordenação Geral de Registro Acadêmico 1. CRONOGRAMA Período da Auditoria 16/03/2015 a 30/04/2015 Horas a serem trabalhadas 2. OBJETO: Avaliar riscos e identificar se os controles

Leia mais

soluções para trabalho em altura e espaço confinado

soluções para trabalho em altura e espaço confinado soluções para trabalho em altura e espaço confinado ÍNDICE 3 EMPRESA 4 SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE 5 TREINAMENTOS NR33 - TRABALHADORES AUTORIZADOS E VIGIAS 6 TREINAMENTOS NR33 - SUPERVISOR DE ENTRADA

Leia mais

Entidade Gestora Técnica

Entidade Gestora Técnica SINDICATO NACIONAL DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE CIMENTO SINDICATO DA INDÚSTRIA DE PRODUTOS DE CIMENTO DO ESTADO DE SÃO PAULO Av. Paulista, 1313 10º andar Conj. 1070 01311-923 São Paulo SP Tel.: (11) 3149-4040

Leia mais

Biofábricas: o potencial de uso de microrganismos em agricultura

Biofábricas: o potencial de uso de microrganismos em agricultura Biofábricas: o potencial de uso de microrganismos em agricultura Eng. Agr. Solon C. de Araujo Consultor da ANPII Apresentado no V Simpósio Brasileiro de Microbiologia Aplicada. UFRGS, setembro 2011 Biofábricas

Leia mais

Aspectos Legais dos Produtos Artesanais no Estado do Pará

Aspectos Legais dos Produtos Artesanais no Estado do Pará GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE ESTADO DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INCENTIVO A PRODUÇÃO AGÊNCIA ESTADUAL DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO ESTADO DO PARÁ ADEPARÁ DIRETORIA TECNICA AGROPECUARAIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 29 DE JANEIRO DE 2007. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SMS

SISTEMA DE GESTÃO DE SMS PROCEDIMENTO CAPACITAÇÃO TÉCNICA Nº PE-SMS-015 Fl. 1/6 Rev. Data Descrição Executado Verificado Aprovado 0 18/10/2010 Emissão Inicial CGS JMn NDF SISTEMA DE GESTÃO DE SMS Propriedade e uso exclusivo da

Leia mais

POLÍTICA CAFEEIRA Passado, presente e futuro desejado. José Edgard Pinto Paiva Diretor Presidente - Fundação Procafé

POLÍTICA CAFEEIRA Passado, presente e futuro desejado. José Edgard Pinto Paiva Diretor Presidente - Fundação Procafé POLÍTICA CAFEEIRA Passado, presente e futuro desejado José Edgard Pinto Paiva Diretor Presidente - Fundação Procafé Políticas de estímulo e desestímulos no passado Convenio de Taubaté, a partir de 1906,

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE OCUPACIONAL

SISTEMA DE GESTÃO DE SEGURANÇA, MEIO AMBIENTE E SAÚDE OCUPACIONAL PROCEDIMENTO AUDITORIA INTERNA Nº PE-SMS-008 Fl. 1/8 Rev. Data Descrição Executado Verificado Aprovado 0 A B 20/03/07 02/02/08 30/04/15 Emissão Inicial Revisado logotipo, endereço e razão social da GENPRO

Leia mais

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 6 Revisão 02 AUDITORIA INTERNA PROCEDIMENTO

Primeira Edição: 23/08/2010 Página 1 de 6 Revisão 02 AUDITORIA INTERNA PROCEDIMENTO Página 1 de 6 REGISTRO DE ALTERAÇÕES REV. DATA ALTERAÇÃO EFETUADA 00 23/08/2010 Emissão do Documento 01 05/04/2011 Revisão do procedimento 02 09/11/2011 Alteração da logomarca Claudiane Freire de Oliveira

Leia mais

Instituto Politécnico de Bragança

Instituto Politécnico de Bragança II Encontro Europeu da Castanha. Produção e Marketing de Material de Propagação do Castanheiro. Qualidade, garantia sanitária e legislação Instituto Politécnico de Bragança Maria Eugénia Gouveia A utilização

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE AGRONOMIA EDITAL DE INSCRIÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE AGRONOMIA EDITAL DE INSCRIÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA CURSO DE AGRONOMIA EDITAL DE INSCRIÇÃO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM PROCESSAMENTO PÓS-COLHEITA DE GRÃOS E SEMENTES A coordenação

Leia mais

Normas de produção e comercialização de mudas de abacaxi. Silvana Rizza Ferraz e Campos 1

Normas de produção e comercialização de mudas de abacaxi. Silvana Rizza Ferraz e Campos 1 Normas de produção e comercialização de mudas de abacaxi Silvana Rizza Ferraz e Campos 1 Introdução O sucesso na produção de frutos de abacaxi depende, dentre outros fatores, da qualidade da muda utilizada

Leia mais

Eng Flávio de Miranda Ribeiro Gerente da Divisão de Produção mais Limpa e Qualidade Laboratorial. Agosto

Eng Flávio de Miranda Ribeiro Gerente da Divisão de Produção mais Limpa e Qualidade Laboratorial. Agosto Produção mais Limpa (P+L) Visão e Ações da CETESB no Estado de SP Eng Flávio de Miranda Ribeiro Gerente da Divisão de Produção mais Limpa e Qualidade Laboratorial Agosto - 2008 Flávio Ribeiro- CETESB Agosto/

Leia mais

Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais. Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final

Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais. Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final Processo de desenvolvimento de fórmulas enterais Desde o fornecedor de matéria-prima até o produto final Apresentação Noemi Mau Donizeti Cezari Bióloga, 40 anos de atividades de R&D na Indústria de Alimentos,

Leia mais

É constituída a Bom Jesus Agropecuá ria LTDA., visando otimizar as atividades comerciais da produção agrícola e de insumos.

É constituída a Bom Jesus Agropecuá ria LTDA., visando otimizar as atividades comerciais da produção agrícola e de insumos. Grupo Bom Jesus Programa Trainee - 2017 Nossa História 1976 1987 1993/94 2001/03 2007 2010 2013/14 2015 Atual Chega ao Mato Grosso o Sr. Luiz Vígolo. Então iniciam-se as atividades da Bom Jesus na região

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE CAMPOS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES.

ESTABELECIMENTO DE CAMPOS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES. ESTABELECIMENTO DE CAMPOS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES. O objetivo é colocar à disposição do agricultor um insumo de qualidade superior. O planejamento da produção envolve o conhecimento da demanda de mercado,

Leia mais

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil

Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil O acordo de mudanças climáticas: impactos na eficiência energética no Brasil Contexto Acordo de Paris Contribuições Nacionalmente Determinadas (NDC) Brasil uma meta de redução absoluta de emissões aplicável

Leia mais

XIV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL. Osvaldo Malinowski Diretor Imbaú Transportes e Serviços Ltda

XIV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL. Osvaldo Malinowski Diretor Imbaú Transportes e Serviços Ltda INTERFACE, BIOMASSA RESIDUAL DE COLHEITA, MÉTODOS DE PREPARO DO SOLO E PLANTIO DA PRÓXIMA ROTAÇÃO XIV SEMINÁRIO DE ATUALIZAÇÃO SISTEMAS DE COLHEITA DE MADEIRA E TRANSPORTE FLORESTAL Osvaldo Malinowski

Leia mais

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003.

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais