CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES. Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES. Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR"

Transcrição

1 CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto Gerente e RT Fundação Pró-Sementes - Filial PR

2 Fundação Pró-Sementes Quem Somos? Instituída em 1999 por 39 produtores de sementes do RS e Apassul; Hoje contamos com 48 instituidores no RS, SC, PR e SP; É uma instituição privada, brasileira, sem fins lucrativos; Fornecimento de novas genéticas de soja, trigo, aveia e outras culturas; Focada no mercado do agronegócio. Possui certificação ISO 9001.

3 Estrutura Física Escritório Rondonópolis - MT Filial Campo Mourão - PR Matriz Passo Fundo - RS

4 Unidades de Negócios - FPS Pesquisa & Desenvolvimento Certificação e Capacitação Profissional Comercial Verão / Inverno Certificação de Sementes Licenciamento de Cultivares Certificação de qualidade Fisiológica Promoção e Desenvolvimento de Mercado Capacitação Profissional

5 Capacitação Profissional Mestrado Profissionalizante Auditorias nos processos de produção de Sementes Cursos Operadores UBS Cursos para RT

6 Pesquisa e Desenvolvimento

7 Soja: 90% de Germinação e 80% de Vigor Trigo: 95% de Germinação e 85% de Vigor

8 CERTIFICAÇÃO DE SEMENTES

9 A LEGISLAÇÃO BRASILEIRA LEI nº /08/2003 DECRETO nº /07/2004 INSTRUÇÃO NORMATIVA nº 9 02/06/2005 Fixa as diretrizes básicas para: produção, comercialização e utilização de sementes. Apresenta 48 anexos, sendo 47 formulários para inscrições, credenciamentos, autorizações, certificados, termos de comformidade, etc.

10 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 30, DE 21/05/2008: Normas e padrões para produção e comercialização de Sementes de espécies forrageiras de clima tropical: GRAMÍNEAS (Poaceae) - 18 ESPÉCIES Andropogon, Braquiárias, Capim Colonião, etc LEGUMINOSAS (Fabaceae) 24 ESPÉCIES Crotálaria, Mucuna Preta, Estilosantes, etc NABO FORRAGEIRO

11 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 33 4/11/2010: Normas de produção de sementes de espécies Forrageiras de clima temperado, bem como seus Padrões de identidade e qualidade: Poaceae : 15 espécies Aveia Preta, Festuca, Teosinto, etc Fabaceae: 15 espécies Ervilhaca, cornichão, trevos, etc

12 FUNDAÇÃO PRÓ-SEMENTES COMO CERTIFICADORA Atuação desde 2005; Mais de 300 produtores de sementes em todo Brasil; Certificação de diversas culturas como: Forrageiras tropical e temperado, Soja, Trigo, Milho, Algodão, Batata, entre outras.

13 Certificação de Sementes CONCEITO: Processo de produção executado mediante controle de gerações e de qualidade em suas diversas fases, visando a conformidade com padrões pré-estabelecidos

14 Certificação de Sementes OBJETIVO FINAL Garantir a identidade e a qualidade das sementes. Resultado esperado: Mais benefício e segurança ao usuário.

15 Certificação de Sementes NOSSOS CINCO PRINCÍPIOS: AGILIDADE EFICIÊNCIA EFICÁCIA SEGURANÇA CONFIABILIDADE

16 Certificação de Sementes NOSSOS CINCO FUNDAMENTOS: Capac. RH Informatização Pré-Controle Pós-Controle Auditoria Corretiva

17 Certificação de Sementes Fase I Planejamento (Produtor e RT) O que produzir? Cultivar, Categoria, Origem Como produzir? Área própria e/ou cooperante Onde produzir? Local, escolha da área Quanto produzir? Fase II - Inscrição do campo (Produtor MAPA - Fundação) Fase III - Homologação do Campo (MAPA) Fase IV - Controle de Qualidade (RT e Fundação) Vistorias de Campo: Floração e Pré-colheita (Fundação). Processamento: Recebimento, Secagem, Limpeza, Classificação, Embalagem, Amostragem (Fundação). Análise Laboratorial - Boletim de Análise de Sementes Fase V - Emissão do Certificado (Fundação). Auditorias

18 Certificação de Sementes Responsável Técnico da Fundação Pró- Sementes Supervisão CQ Material de origem do campo Processo de Certificação (Identidade Genética) Campo Beneficiamento Armazenagem Amostragem Análise Pré-controle Auditoria CERTIFICAÇÃO BAS LAS - CQ Pós-controle

19 Certificação de Sementes AUDITORIA CORRETIVA Processo de acompanhamento e treinamento do RT, do Produtor de Sementes e de auxiliares, durante as diversas etapas da certificação de sementes, visando a obtenção da conformidade do lote com os padrões de qualidade estabelecidos e as normas vigentes.

20 VISTORIAS DE CAMPO

21 VISTORIAS OBRIGATÓRIA DE CAMPO: FLORAÇÃO

22 VISTORIA DE CAMPO: PRÉ-COLHEITA

23

24

25

26

27

28

29 Roguing...

30

31 A natureza é perfeita...

32

33

34

35

36 QUALIDADE É TUDO!!!

37 AMOSTRAGEM DE SEMENTES

38 GARANTIA DE QUALIDADE

39 Certificado de Sementes = documento de garantia

40 da Certificação de Sementes Credibilidade da empresa junto ao mercado; Confiabilidade na produção de Sementes de alta qualidade (alta pureza); Profissionalização do setor; Mais segurança para o setor; Disponibilidade de categorias superiores no mercado;

41 da Certificação de Sementes Evita multiplicação de S2 para S2; Agrega valor a sua semente; Novos mercados poderão ser atendido; Processo de certificação relativamente simples; Baixo custo com a certificação.

42 CAMPANHA VALORIZANDO A SEMENTE

43 USE SEMENTE CERTIFICADA

44 MUITO OBRIGADO!! Eng. Agr. Dr. Jonas Farias Pinto (54) (44)

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS. A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS. A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS A indústria de sementes no Brasil 67º SIMPAS Mariana Barreto Eng. Agr. MSc. Assessora da Diretoria Sinop-MT, 24 de novembro de 2015 QUEM SOMOS Fundada em 1972,

Leia mais

1º As mudas de que trata o caput deverão ser formadas a partir de sementes de uma das seguintes categorias:

1º As mudas de que trata o caput deverão ser formadas a partir de sementes de uma das seguintes categorias: MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 35, DE 29 DE NOVEMBRO DE 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Certificações do PNCQ

Certificações do PNCQ Isabeth Gonçalves Gestão da Qualidade PNCQ Certificações do PNCQ 1 A tendência natural de todos os processos é vigorar em estado caótico e não controlado. Tudo está sujeito a falhas. Não existe perfeição.

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II

Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Agricultura Orgânica para a Conservação da Biodiversidade PROBIO II Seminário de Integração e Missão de Supervisão DEZEMBRO-2010 COAGRE/DEPROS/SDC Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento PROJETO:

Leia mais

TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio

TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio TRILHA DO CONHECIMENTO Agronegócio A GESTÃO AMBIENTAL NO AGRONEGÓCIO A utilização do GIS como ferramenta de apoio na SLC Agrícola Paula Silvério Eng. Ambiental HISTÓRIA DA SLC AGRÍCOLA VISÃO GERAL DA SLC

Leia mais

34 ISSN Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Nº 236, sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 GABINETE DO MINISTRO

34 ISSN Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento - MAPA. Nº 236, sexta-feira, 9 de dezembro de 2011 GABINETE DO MINISTRO 34 ISSN 1677-7042 1 Nº 236, sexta-feira, 9 de dezembro de 2011. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 56, DE 8 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO - SFI FISCALIZAÇÃO DE PRODUTO DE TELECOMUNICAÇÕES

SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO - SFI FISCALIZAÇÃO DE PRODUTO DE TELECOMUNICAÇÕES SUPERINTENDÊNCIA DE FISCALIZAÇÃO - SFI FISCALIZAÇÃO DE PRODUTO DE TELECOMUNICAÇÕES ACOMPANHAMENTO DE MERCADO Objetivos Identificar causa raiz, definir ações preventivas e estratégias no processo de homologação;

Leia mais

Certificação de alimentos orgânicos

Certificação de alimentos orgânicos Certificação de alimentos orgânicos Natália Salvate Brasil Doutoranda em Desenvolvimento Rural PGDR/UFRGS nataliasalvatebrasil@gmail.com Fonte: MAPA, Cartilha Título O Olho da palestra, do Consumidor.

Leia mais

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Logística e Gestão Empresarial DIGEM Superintendência

Leia mais

CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. A responsabilidade ambiental começa aqui. Imprima somente se for idispensável.

CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL. A responsabilidade ambiental começa aqui. Imprima somente se for idispensável. CERTIFICAÇÃO FSC FOREST STEWARDSHIP COUNCIL A responsabilidade ambiental começa aqui. Imprima somente se for idispensável. SOBRE O FSC _ É amplamente aceito que os recursos florestais e as áreas por eles

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Dezembro de Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Dezembro de 2013 Levantamento Sistemático da Produção Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

19/02/2013. RSQM-DC MASTER- Apresentação-ANATEL-Processos- Português

19/02/2013. RSQM-DC MASTER- Apresentação-ANATEL-Processos- Português RSQM-DC-007-02-MASTER- Apresentação-ANATEL-Processos- Português DESIGNAÇÃO Ato nº 57.860, de 26 de abril de 2006 Exerce, em nome da Agência Nacional de Telecomunicações ANATEL, as funções de Organismo

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A COMPETIVIDADE DO AGRONEGÓCIO EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE BRASILEIRA LEGISLAÇÃO

Leia mais

Eco new farmers. Módulo 8 - Certificação, regras e procedimentos. Sessão 2 Procedimentos ao nível da exploração

Eco new farmers. Módulo 8 - Certificação, regras e procedimentos. Sessão 2 Procedimentos ao nível da exploração Eco new farmers Módulo 8 - Certificação, regras e procedimentos Sessão 2 Procedimentos ao nível da exploração Módulo 8 - Certificação, regras e procedimentos Sessão 2 - Procedimentos ao nível da exploração

Leia mais

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR

Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Levantamento de Custos de Produção de Cascavel PR Os produtores de Cascavel se reuniram no dia 29/06, para realizar o levantamento de custos de produção de grãos para o projeto Campo Futuro, uma iniciativa

Leia mais

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há

1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há Milton Parron Padovan Rogério Ferreira da Silva Adubação Verde - Opções para Outono/Inverno, Primavera/Verão e Espécies Perenes 1O que é. A adubação verde é uma prática agrícola utilizada há milhares de

Leia mais

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016

Agenda Internacional da Indústria. 22 de setembro de 2016 Agenda Internacional da Indústria 22 de setembro de 2016 Apresentação 1. Panorama do Comércio Exterior Brasileiro 2. CNI 3. Área Internacional da CNI 4. Agenda Internacional da Indústria 5. Pesquisa Desafios

Leia mais

AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016

AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS. Importância do estudo de plantas forrageiras DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA 06/09/2016 06/09/2016 FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA DISCIPLINA DE FORRAGICULTURA AVALIAÇÕES CHAMADA E FREQUÊNCIA LIVROS Professor: Eng. Agr. Dr. Otoniel G. L. Ferreira Importância

Leia mais

Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social

Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social SEMINÁRIO NACIONAL DE AVALIAÇÃO DO SELO COMBUSTÍVEL SOCIAL: A INCLUSÃO SOCIAL E PRODUTIVA DA AGRICULTURA FAMILIAR NOS 10 ANOS DO PNPB Balanço dos 10 anos do Selo Combustível Social Dezembro de 2015 Brasília

Leia mais

Certificação Florestal

Certificação Florestal Certificação Florestal Factor de Diferenciação Certificação Florestal 1 - A Certificação Florestal Objectivos Vantagens 2 - Dois Esquemas de Certificação Florestal PEFC FSC 3 - Estatísticas a nível Mundial

Leia mais

Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju

Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju Apoio ao Desenvolvimento das Cadeias Produtivas Agrícolas: Cadeia Produtiva do Caju Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuário Coordenador de Produção Integrada da Cadeia Agrícola

Leia mais

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415.

2 Âmbito Esta Instrução de Trabalho aplica-se à Certificação do Controlo da Produção de Cabos, de acordo com a norma NS 9415. 1 Objectivo Esta Instrução de Trabalho define o esquema de certificação do controlo da produção de Cabos, nomeadamente os Planos de Controlo Externo e Interno a efectuar pela EIC e pelo produtor, respectivamente.

Leia mais

Certificação de Produtos Alimentares - CERTIF

Certificação de Produtos Alimentares - CERTIF Maria João Moura nº3511n Ricardo Gonçalves nº3486n Telma Morais nº3466n O que é a certificação? É a garantia escrita, dada por um organismo certificador independente e imparcial que comprova que o produto

Leia mais

Realização Execução Apoio

Realização Execução Apoio Realização Execução Apoio Aguimar Mendes Ferreira Gerente de Unidade de Negócio Consultor Sênior FORMAÇÃO 1994, Mestrado em Economia e Política Florestal, Universidade Federal do Paraná, Brasil; 1989,

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

BOLETIM DO MILHO Nº 13

BOLETIM DO MILHO Nº 13 BOLETIM DO MILHO Nº 13 COMERCIALIZAÇÃO O acompanhamento semanal de safras do DERAL indica que foram comercializadas, no Paraná, até o momento, 10,4 milhões de toneladas de milho, o que representa 73% da

Leia mais

REDE ECOVIDA AGROECOLOGIA E CERTIFICAÇÃO PARTICIPATIVA NO SUL DO BRASIL. Florianópolis, setembro de 2004

REDE ECOVIDA AGROECOLOGIA E CERTIFICAÇÃO PARTICIPATIVA NO SUL DO BRASIL. Florianópolis, setembro de 2004 REDE ECOVIDA AGROECOLOGIA E CERTIFICAÇÃO PARTICIPATIVA NO SUL DO BRASIL Florianópolis, setembro de 2004 Luiz Carlos Rebelatto dos Santos: luiz@ecovida.org.br Cepagro/Ecovida/CNPq www.ecovida.org.br O

Leia mais

TÍTULO 28 CONTRATO DE GARANTIA DE COMPRA DA AGRICULTURA FAMILIAR (*) CGCAF

TÍTULO 28 CONTRATO DE GARANTIA DE COMPRA DA AGRICULTURA FAMILIAR (*) CGCAF (*) 1) FINALIDADE: incentivar a produção de alimentos e promover a sustentação de preços em conformidade com o art. 19 da Lei nº 10.696, de 02/07/03, com o Decreto nº 4.772, de 02/07/03, e com a Resolução

Leia mais

Uma Avaliação do Plantio Direto no Brasil. Guilherme Bastos Fo., Douglas Nakazone, Giseli Bruggemann e Heloisa Melo 1

Uma Avaliação do Plantio Direto no Brasil. Guilherme Bastos Fo., Douglas Nakazone, Giseli Bruggemann e Heloisa Melo 1 Uma Avaliação do Plantio Direto no Brasil Guilherme Bastos Fo., Douglas Nakazone, Giseli Bruggemann e Heloisa Melo 1 Palavras chave: plantio direto, avaliação, cobertura do solo. Introdução A presente

Leia mais

Metodologia para adoção de Comércio Justo no setor têxtil e vestuário. By Citeve

Metodologia para adoção de Comércio Justo no setor têxtil e vestuário. By Citeve Metodologia para adoção de Comércio Justo no setor têxtil e vestuário Índice Enquadramento... 3 O que é o Comércio Justo... 3 Adoção do Comércio Justo... 5 Página 2 de 9 Enquadramento Este trabalho foi

Leia mais

Farinheira. Foto Geral dos Maquinários.

Farinheira. Foto Geral dos Maquinários. EDITAL 2011 EDITAL DE SELEÇAO DE INSTITUIÇAO SOCIAL PARA RECEBER DOAÇAO DE UMA FARINHEIRA (CONJUNTO DE EQUIPAMENTOS PARA A PRODUÇAO DE FARINHA) FUNDAÇÃO ANDRÉ MAGGI 1. Da Apresentação O presente edital

Leia mais

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003.

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão

SOBRE A EQUIPE. SOBRE A I9Gestão SOBRE A EQUIPE A equipe da I9Gestão é formada por consultores experientes, altamente qualificados e apaixonados pelo que fazem. SOBRE A I9Gestão A I9Gestão Consultoria & Treinamento é especializada na

Leia mais

Assunto: Esclarecimentos sobre a emissão do Termo de Conformidade para sementes importadas.

Assunto: Esclarecimentos sobre a emissão do Termo de Conformidade para sementes importadas. Ofício n.º 041/2009 Campinas, 18 de junho de 2009. A/C: SR. NATANIEL DINIZ NOGUEIRA GERENTE DE DEFESA SANITÁRIA VEGETAL INSTITUTO MINEIRO DE AGROPECUÁRIA - IMA Av. dos Andradas, 1220 - Centro - Belo Horizonte/MG

Leia mais

NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA.

NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA. NOSSA ENERGIA É COMO A DA NATUREZA: SEMPRE SE RENOVA. QUEM SOMOS Eletropar CGTE Eletronuclear Distribuição Acre Distribuição Alagoas Cepel Amazonas Nuclear Eletrosul Distribuição Piauí Distribuição Rondônia

Leia mais

BANCO DE SANGUE PAULISTA CHECK-LIST IN LOCUS DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS LABORATÓRIO DE APOIO DATA: / / FORNECEDOR DE SERVIÇO:.

BANCO DE SANGUE PAULISTA CHECK-LIST IN LOCUS DE AVALIAÇÃO DE FORNECEDORES DE SERVIÇOS LABORATÓRIO DE APOIO DATA: / / FORNECEDOR DE SERVIÇO:. Pagina 1 de 7 DATA: / FORNECEDOR DE SERVIÇO:. AVALIAÇÃO TÉCNICA IN LOCUS 1. COMO RECEBE AS AMOSTRAS OU HEMCOMPONENTES: Recebe acompanhadas de documento de remessa? Não Sim Nome do documento do cliente:

Leia mais

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA

1 - INTRODUÇÃO 2 - METODOLOGIA SUMÁRIO 1. Introdução... 2 2. Metodologia... 2 3. Estimativa da Área Plantada... 3 4. Estimativa da Produção... 3 5. Avaliação das Culturas... 4 5.1 Algodão... 4 5.2 Arroz... 4 5.3 Feijão... 5 5.4 Milho...

Leia mais

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto

A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto A implantação do Selo ABCIC para os pré-fabricados de concreto Pedro Henrique Gobbo Prof. Dra. Sheyla Mara Baptista Serra Prof. Dr. Marcelo de Araújo Ferreira ESTRUTURA DA APRESENTAÇÃO Introdução sobre

Leia mais

Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda. Manual de Fornecedores

Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda. Manual de Fornecedores Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda Manual de Fornecedores A Fundimisa Fundição e Usinagem Ltda pretende com este Manual aprimorar a relação com seus fornecedores e padronizar informações entre as partes.

Leia mais

I- Contrato de Concessão, à partir da 7ª Rodada de Licitações

I- Contrato de Concessão, à partir da 7ª Rodada de Licitações CREDENCIAMENTO COMO SE TORNAR UMA CERTIFICADORA DE CONTEÚDO LOCAL Coordenadoria de Conteúdo Local ANP Credenciamento de Empresas para Certificação de Conteúdo Local Base Legal: I- Contrato de Concessão,

Leia mais

Vehicle Certification Agency. Novembro/2016

Vehicle Certification Agency. Novembro/2016 Vehicle Certification Agency Novembro/2016 1 Temas Sobre a VCA Departamento de Transporte do Reino Unido Localização dos escritórios da VCA Atividades da VCA Acordos internacionais Clientes História da

Leia mais

RELATÓRIO DE VALIDAÇÃO DE AUDITORIA

RELATÓRIO DE VALIDAÇÃO DE AUDITORIA RELATÓRIO DE VALIDAÇÃO DE AUDITORIA MANEJO FLORESTAL PRINCÍPIOS, CRITÉRIOS E INDICADORES PARA PLANTAÇÕES FLORESTAIS. PADRÃO NORMATIVO: NBR 14.790: 2011 CERFLOR EMPRESA AUDITADA: SAMAB CIA. IND. COM. DE

Leia mais

Parceria. Visite nossos sites!

Parceria. Visite nossos sites! Parceria http://www.as-solucoes.com.br http://www.allservice.com.br Visite nossos sites! Parceria AS x All Service Visando as alterações de mercado, verificamos a necessidade de muitos clientes que não

Leia mais

Fernando Penteado Cardoso Ondino Cleante Bataglia Giseli Brüggemann Antonio Roque Dechen

Fernando Penteado Cardoso Ondino Cleante Bataglia Giseli Brüggemann Antonio Roque Dechen Fernando Penteado Cardoso Ondino Cleante Bataglia Giseli Brüggemann Antonio Roque Dechen Em 2014 o Rally da Safra realizou sua 11ª Edição. Há 9 anos conta com o apoio da Fundação Agrisus na Avaliação do

Leia mais

Qualidade no Grupo Seta

Qualidade no Grupo Seta 1941 Fundação da Sociedade Extrativa Tanino da Acácia Ltda. SETA, a primeira indústria de extração de tanino de acácia da América. 1946 Fundação da filial em Taquari (RS). 1987 Criação da SETA Química

Leia mais

Uso s I rres rre t s ri t to

Uso s I rres rre t s ri t to Título Formação Ciências Contábeis MBA Gestão Estratégica MMBA Marketing Estratégico Mestrado Executivo Internacional (Conclusão) Especialização HEC Paris HEC Montreal EADA Barcelona ADG/DGRV FIA FDC Luciano

Leia mais

(Do Sr. Rubens Otoni) O Congresso Nacional decreta:

(Do Sr. Rubens Otoni) O Congresso Nacional decreta: PROJETO DE LEI N o 6220, DE 2005 (Do Sr. Rubens Otoni) Insere o parágrafo 4º no art. 2º da Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005, que dispõe sobre a introdução do biodiesel na matriz energética brasileira.

Leia mais

RELATÓRIO SUMÁRIO CERFLOR/PEFC COMPENSADOS FUCK LTDA.

RELATÓRIO SUMÁRIO CERFLOR/PEFC COMPENSADOS FUCK LTDA. 1- Histórico da Compensados Fuck Ltda. Fundada em 1978, a empresa Fuck ainda se chamando Fuck Indústria e Comercio LTDA a partir desse momento passa a investir em compensados, com a compra da COVEMA que

Leia mais

ISO 9000 e ISO 14.000

ISO 9000 e ISO 14.000 DISCIPLINA: QUALIDADE NA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PROFESSORA: ALEXSANDRA GOMES PERÍODO: 3º PERÍODO CARGA HORÁRIA: 60 HORAS ISO 9000 e ISO 14.000 ISO 9000 A expressão ISO 9000 designa um grupo de normas técnicas

Leia mais

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO.

CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO. CRITÉRIOS PARA A CONCESSÃO DO SELO PROCEL DE ECONOMIA DE ENERGIA PARA LÂMPADAS FLUORESCENTES COMPACTAS COM REATOR INTEGRADO Revisão I 04/10/2006 ELETROBRÁS/PROCEL DPS DEPARTAMENTO DE PLANEJAMENTO E ESTUDOS

Leia mais

Sementes salvas: medidas de repressão e perspectivas futuras II Seed Congress of the Americas Atibaia September 28-30

Sementes salvas: medidas de repressão e perspectivas futuras II Seed Congress of the Americas Atibaia September 28-30 Sementes salvas: medidas de repressão e perspectivas futuras II Seed Congress of the Americas Atibaia September 28-30 Maria Cecilia Oswald Gerente de Propriedade Intelectual Syngenta Seeds Ltda. Breve

Leia mais

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva

Não Conformidade, Ação Corretiva e Ação Preventiva 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 6 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 03/12/2015 02 Definição mais clara da sistemática de tratativa de cargas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016 Dispõe sobre os procedimentos para a Certificação de Conclusão do Ensino Médio e da Declaração Parcial de Proficiência com base nos resultados do Exame

Leia mais

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE)

(DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) 1/9 (DESENVOLVIMENTO, QUALIFICAÇÃO, MANUTENÇÃO E CONTROLE) Elaborado Aprovado Adilson Ferreira Nunes (Gestor do SGQ) Mauricio de Souza (Supervisor Compras) 2/9 Índice 1. O MANUAL DO FORNECEDOR... 3 INTRUDUÇÃO...

Leia mais

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original

Sistema da Gestão da Qualidade. Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original Sistema da Gestão da Qualidade Agradecimentos ao Prof. Robson Gama pela criação da apresentação original 1 CONCEITO QUALIDADE O que é Qualidade? 2 Qualidade Conjunto de características de um objeto ou

Leia mais

Calcular resultados. e apontar soluções

Calcular resultados. e apontar soluções Calcular resultados e apontar soluções Trajetória Mais de três décadas calculando resultados e apontando soluções. A Contabilidade Dias foi fundada em 1984, em Belo Horizonte, por Antônio Augusto Dias,

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC

Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC Ministério do Meio Ambiente Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis Diretoria de Licenciamento Ambiental DILIC ACESSO À INFORMAÇÃO DO LICENCIAEMENTO AMBIENTAL FEDERAL LAF

Leia mais

SOBREVIVÊNCIA DA AVIAÇÃO LEVE NO BRASIL

SOBREVIVÊNCIA DA AVIAÇÃO LEVE NO BRASIL FUNDAÇÃO Criada em 11 de novembro de 2.015, pelo Cmte. Augusto F. Costa, piloto esportivo, comercial de mono e multimotores VFR e IFR, e médico e membro do conselho consultivo da ANAC, após a morte do

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências.

Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. LEI Nº 10.711, DE 5 DE AGOSTO DE 2003 Dispõe sobre o Sistema Nacional de Sementes e Mudas e dá outras providências. Nota: Regulamentado pelo Decreto nº 5.153/2004 O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que

Leia mais

Mário Augusto BággioB. Sócio Gerente Hoperações Consultoria em Gerenciamento Ambiental Ltda. Brasil. Brasil 19 a 21 de outubro de 2009

Mário Augusto BággioB. Sócio Gerente Hoperações Consultoria em Gerenciamento Ambiental Ltda. Brasil. Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Mário Augusto BággioB Sócio Gerente Hoperações Consultoria em Gerenciamento Ambiental Ltda. Brasil Brasil 19 a 21 de outubro de 2009 Hotel Transamérica rica São Paulo BRASIL Controle de perdas de água

Leia mais

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas

CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA. Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas CURSO DE GRADUAÇÃO EM FARMÁCIA Controle de Qualidade no Laboratório de Análises Clínicas Profa. Dra. Ângela Líbia M. P. Cardoso www.ufam.edu.br angelalibia@gmail.com Fone: 9254 6673 02 QUALIDADE NO LAC

Leia mais

1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde

1ª Sessão de trabalho 21 Novembro Castro Verde 1ª Sessão de trabalho 21 Novembro 2012 - Castro Verde No âmbito do Projecto Capacitação de explorações agrícolas para a certificação de sustentabilidade Apresentação: Normalização e Certificação: Noções

Leia mais

a) Requerimento dirigido ao Chefe da DFDSA, solicitando credenciamento ou renovação para comercializar aves vivas

a) Requerimento dirigido ao Chefe da DFDSA, solicitando credenciamento ou renovação para comercializar aves vivas SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CREDENCIAMENTO E EXPEDIÇÃO DE CADASTRAMENTO AOS ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZEM AVES VIVAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, CONFORME

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 28, DE 24 DE AGOSTO DE 2016 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso das atribuições que lhe confere

Leia mais

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS 02 de OUTUBRO DE 2014 CRUZ ALTA RIO GRANDE DO SUL O INÍCIO DA IRRIGAÇÃO 5.000 anos atrás, Egito Antigo; Construção de diques, represas e canais para melhor

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09

A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 A P R E S E N T A Ç Ã O MARÇO 09 Sumário : 1 Entidade Reguladora do Sector Eléctrico em Angola 2 Missão do IRSE 3 Reflexos da Entidade Reguladora no Sector 4 Desafios do Regulador 5 Indicadores 6 Legislação

Leia mais

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes

Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO UFERSA DISCIPLINA: INSPEÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL Doutoranda: Carolina de Gouveia Mendes 2012.2 INTRODUÇÃO Principais ferramentas - garantia da inocuidade,

Leia mais

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF

Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF Adequação e Operação do Sistema de Medição para Faturamento - SMF BRAZIL WINDPOWER O&M 2015 Rio de Janeiro, 02 de setembro de 2015 Dalmir Capetta Agenda Quadro Institucional Sistema de Medição para Faturamento

Leia mais

R.H - Descrição de Cargos

R.H - Descrição de Cargos CARGO: Auxiliar Contábil Sumário: R.H - Descrição de Cargos Desenvolver trabalhos na área de contabilidade especificamente na tarefa de contabilização dos documentos, levantando requisitos, obedecendo

Leia mais

A Certificação da Cadeia de Responsabilidade. Raquel Sanmartín Lisboa 30.Mar.12

A Certificação da Cadeia de Responsabilidade. Raquel Sanmartín Lisboa 30.Mar.12 A Certificação da Cadeia de Responsabilidade Agenda A Certificação da Cadeia de Responsabilidade Esquemas de Certificação: PEFC e FSC Estatísticas Mundiais e Nacionais Requisitos da CdR aplicáveis ao Sector

Leia mais

Fundamentos Estratégicos

Fundamentos Estratégicos 1 Fundamentos Estratégicos MISSÃO Fornecer soluções e serviços em sistemas de suspensões, eixos e componentes para veículos comerciais com inovação, qualidade, segurança e sustentabilidade. VISÃO Ser reconhecida,

Leia mais

FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS. Murilo Granemann. November, 2006

FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS. Murilo Granemann. November, 2006 FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS November, 2006 Murilo Granemann TRIÂNGULO MANOA A FLORESTA TROPICAL E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO A

Leia mais

Apresentação do Sistema O Pen

Apresentação do Sistema O Pen Apresentação do Sistema O Pen Apresentação da empresa Makem A Makem Tecnologia nasceu da necessidade de agilizar o processo de envio de dados gerados em campo ou ambiente interno da empresa. Percebemos

Leia mais

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis

A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis 06/11/12 A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas Sustentáveis A importância desta certificação para as Compras Públicas Sustentáveis Seminário Internacional A Rotulagem Ambiental e as Compras Públicas

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

Governança aplicada à Gestão de Pessoas

Governança aplicada à Gestão de Pessoas Governança de pessoal: aperfeiçoando o desempenho da administração pública Governança aplicada à Gestão de Pessoas Ministro substituto Marcos Bemquerer Brasília DF, 15 de maio de 2013 TCU Diálogo Público

Leia mais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rodrigo R. Latado Certificação de Soja não-ogm NEGÓCIO Pesquisa, Desenvolvimento e Difusão da Avaliação da Conformidade ALCA Grupo de Negociação

Leia mais

Normas ISO:

Normas ISO: Universidade Católica de Pelotas Tecnólogo em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Disciplina de Qualidade de Software Normas ISO: 12207 15504 Prof. Luthiano Venecian 1 ISO 12207 Conceito Processos Fundamentais

Leia mais

ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE /07

ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE /07 11. ATIVIDADE DE REPRODUÇÃO HUMANA ASSISTIDA - CNAE 8630-5/07 Compreende: Banco de Esperma; Banco de Sêmen Humano; Clínica de Reprodução Assistida; Atividade de Fertilização In Vitro de Seres Humanos;

Leia mais

Nacional noestadorio de Janeiro

Nacional noestadorio de Janeiro Sistema de Levantamento e Gestão do Inventário Florestal Nacional noestadorio de Janeiro Telmo Borges Silveira Filho Fábio L. O. Santos José Enilcio Rocha Collares Breve Histórico Fev/2009 Primeiro contato

Leia mais

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater

ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná. Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater ATER em Feijão e Milho desenvolvida no Estado do Paraná Germano do R. F. Kusdra Eng. Agrônomo Emater germano@emater.pr.gov.br PROJETO CENTRO-SUL DE FEIJÃO E MILHO O Instituto EMATER, ao longo de sua existência,

Leia mais

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS

FSC : FLORESTAS E EMPRESAS FSC : FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O FUTURO Certificação FSC poderá um instrumento de mercado promover a conservação de espaços naturais? Agenda FSC FLORESTAS E EMPRESAS A CRIAR VALOR PARA O

Leia mais

Política Nacional de Biogás

Política Nacional de Biogás Ministério de Minas e Energia Política Nacional de Biogás Ricardo Borges Gomide Departamento de Combustíveis Renováveis Diretor Substituto ricardo.gomide@mme.gov.br São Paulo, 4 de setembro de 2014 Regras

Leia mais

EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 08/2016

EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 08/2016 EDITAL UFU/PROGRAD/DIRPS Nº 08/2016 EDITAL DE CREDENCIAMENTO PARA A CONSTITUIÇÃO DE BANCO DE PRESTADORES DE SERVIÇOS DE PESSOA FÍSICA PARA ATENDER ÀS DEMANDAS INERENTES AOS PROCESSOS DE CORREÇÃO E DE AVALIAÇÃO

Leia mais

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável.

Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação potencialmente indesejável. A Ação Corretiva Ação para eliminar a causa de uma não-conformidade identificada ou outra situação indesejável. Ação Preventiva Ação para eliminar a causa de um potencial não-conformidade ou outra situação

Leia mais

Biodiesel: produção e benefícios

Biodiesel: produção e benefícios Audiência Pública da Comissão Especial sobre Motores a Diesel para Veículos Leves Biodiesel: produção e benefícios Daniel Furlan Amaral Gerente de Economia Câmara dos Deputados Brasília DF 2 de março 2016

Leia mais

Manual de utilização do Portal de Fornecedores MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DE FORNECEDORES TEKSID

Manual de utilização do Portal de Fornecedores MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO PORTAL DE FORNECEDORES TEKSID Manual de utilização do Portal de Fornecedores 1 Portal de Fornecedores Teksid Visando tornar nossa gestão da qualidade ainda mais eficiente, estamos realizando a implantação do Portal de Fornecedores

Leia mais

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS

CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES POTENCIALMENTE POLUIDORAS E UTILIZADORAS DE RECURSOS AMBIENTAIS Lei 6.938/81 Política Nacional de Meio Ambiente INSTRUMENTOS CADASTRO TÉCNICO FEDERAL DE ATIVIDADES

Leia mais

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames Para os profissionais de acesso por corda. Rev. 00 SUMÁRIO 1. OBJETIVO.... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. REVISÃO... 3 5. DOCUMENTO

Leia mais

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL

FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE MEIO AMBIENTE DE PALMAS DIRETORIA DE CONTROLE AMBIENTAL GERÊNCIA DE LICENCIAMENTO AMBIENTAL TERMO DE REFÊRENCIA PARA ELABORACÃO DE PROJETO AMBIENTAL DE MATADOUROS, ABATEDOUROS, FRIGORÍFICOS, CHARQUEADOS E DERIVADOS DE ORIGEM ANIMAL Este Termo de Referência visa orientar na elaboração de PROJETO

Leia mais

Engª Quím. Alessandra Pires

Engª Quím. Alessandra Pires Ciclo de palestras ABES - SENGE Resíduos da Construção Civil: Responsabilidades e Alternativas Gerenciamento dos Resíduos da Construção Civil Desafios da Gestão Pública Engª Quím. Alessandra Pires Secretaria

Leia mais

UNIDO V REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE SEGURANÇA DE BICICLETAS DE USO ADULTO

UNIDO V REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE SEGURANÇA DE BICICLETAS DE USO ADULTO UNIDO V PROJETO DE RESOLUÇÃO MERCOSUL/GMC RES. N.º xx/xx REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL SOBRE SEGURANÇA DE BICICLETAS DE USO ADULTO [Notas em azul com colchetes em análise] Tendo em Vista: O tratado de Assunção,

Leia mais

MERCADO DE FLORES E MUDAS ORNAMENTAIS NO Brasil e DF

MERCADO DE FLORES E MUDAS ORNAMENTAIS NO Brasil e DF MERCADO DE FLORES E MUDAS ORNAMENTAIS NO Brasil e DF Dra. Loiselene Carvalho da Trindade Eng. Agrônoma, Fitopatologista EMATER-DF Perfil do setor de Plantas Ornamentais no Brasil 8248 produtores 14.992

Leia mais

Araucária Serviços Topográficos, Projetos e Consultoria CNPJ 05.807.308/0001-67 - São José do Ouro/RS Tel.: 54-3352-1963

Araucária Serviços Topográficos, Projetos e Consultoria CNPJ 05.807.308/0001-67 - São José do Ouro/RS Tel.: 54-3352-1963 PARECER TÉCNICO LU 001/16 Data Vistoria: 19/04/2016 Município: Maximiliano de Almeida - RS Técnicos: Ilton Nunes dos Santos, Vilso Silvestro, Paula Cristina Pomorski e Dienifer Bombana Hora: 9:50 h 1.

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008 Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

TABELA DE NUTRIENTES DOS ALIMENTOS

TABELA DE NUTRIENTES DOS ALIMENTOS TABELA DE NUTRIENTES DOS ALIMENTOS Eng. Agr. Breno Kirchof EMATER/RS NUTRIENTES DOS ALIMENTOS POR QUILO DE ALIMENTO COMO OFERECIDO 1. FORRAGENS VERDES MS FB NDT PB Ca P Aguapé, planta inteira 0,080 0,017

Leia mais