ARROZ. Benefícios proporcionados pela Uniformidade de Secagem

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ARROZ. Benefícios proporcionados pela Uniformidade de Secagem"

Transcrição

1 ARROZ Benefícios proporcionados pela Uniformidade de Secagem

2 Arroz Mercado Global TOP 10 Maiores Produtores de Arroz 2015/2016 (mil toneladas arroz beneficiado) 1 China ,9% 2 India ,1% 3 Indonesia ,7% 4 Bangladesh ,3% 5 Vietnam ,8% 6 Thailand ,3% 7 Myanmar ,6% 8 Philippines ,3% 9 Japan ,6% 10 Brazil ,5% TOP 10 Maiores Produtores de Arroz Previsão 2016/2017 (mil toneladas-beneficiado) 1 China ,1% 2 India ,1% 3 Indonesia ,7% 4 Bangladesh ,2% 5 Vietnam ,8% 6 Thailand ,9% 7 Myanmar ,6% 8 Philippines ,4% 9 Brazil ,7% 10 Japan ,6% Thailand 4% Vietnam 7% Myanmar 3% Philippines 3% Japan 2% Brazil 2% China 36% Thailand 5% Vietnam 7% Myanmar 3% Philippines 3% Brazil 2% Japan 2% China 35% Bangladesh 8% Bangladesh 8% Indonesia 9% India 26% Indonesia 9% India 26% Fonte: Production, Supply & Distribution Online Data Base, USDA, Foreign Agricultural Service,

3 Arroz Mercado América do Sul Produção Arroz em Casca - América do Sul 2015/2016 Brasil % Peru % Colômbia % Equador % Argentina % Uruguai % Paraguai % Guianas % Venezuela % Bolívia % Suriname % Chile % Produção Arroz em Casca - América do Sul Previsão 2016/2017 Brasil % Peru % Colômbia % Argentina % Equador % Uruguai % Paraguai % Guianas % Venezuela % Bolívia % Suriname % Chile % Uruguai, 5%Venezuela, 2% Suriname, 1% Peru, 13% Paraguai, 4% Argentina, 6% Bolívia, 2% Peru 12% Paraguai 4% Suriname 1% Uruguai 5% Venezuela 2% Argentina 6% Bolívia 2% Guianas, 3% Guianas 3% Equador, 7% Equador 6% Colômbia, 11% Chile, 1% Brasil, 45% Colômbia 11% Chile 1% Brasil 47%

4 Arroz Mercado Brasil Arroz em Casca - Oferta e demanda no Brasil (mil toneladas) Produção Consumo Exportação Importação 2015/ ,7 1187,4 2016/ , Previsão de aumento de 12% na produção Arroz em Casca - Destino da Produção no Brasil Consumo Interno Exportação 2015/ % 8% 2016/ % 10% RIO GRANDE DO SUL: 80% DA PRODUÇÃO BRASILEIRA BRASIL - VALOR COMERCIAL DE ARROZ EM CASCA BRASIL - Preços mínimos para arroz classe longo fino (R$/kg) Limites de grãos inteiros Região I Rio Grande do Sul Santa Catarina Região II Sudeste, Nordeste, Centro-Oeste e Paraná Região III Norte e MT Tipo 1 Tipo 2 Tipo 1 Tipo 2 Tipo 1 Tipo 2 50 a 56 0,5550 0,5162 0,5550 0,5161 0,5550 0, a 59 0,5934 0,5519 0,5933 0,5518 0,5933 0, a 62 0,6164 0,5733 0,6164 0,5732 0,6164 0, acima 0,6510 0,6054 0,6509 0,6053 0,6509 0,6053 Fonte: Portaria MAPA N.º 142, de 08/07/2015

5 Arroz Composição do Arroz em Casca Arroz em casca (100g) Casca (20g) Arroz Integral (80g) Arroz brunido (72g) Farelo (8g) Arroz Inteiro (62g) Arroz quebrado (10g) Quantidades de produtos e subprodutos a partir do beneficiamento do arroz em casca. COMPOSIÇÃO QUÍMICA DO ARROZ

6 Arroz Características de diferentes variedades Puitá Inta CL Guri Inta CL Irga 428 CL BR Irga 429 Classe Longo fino Longo fino Longo fino Longo fino Peso de 1000 grãos com casca 25,7 g 25,15 g 27,0 g 28,0 g Renda do benefício 69% 68% 70% 68% Rendimento de grãos inteiros 64% 65% 63% 61%

7 Arroz Unidades de Armazenagem CUIDADOS NO PROCESSAMENTO DO ARROZ Silos pulmões: classificar o arroz por variedade e por umidade; Maquinas de pré-limpeza: retirar o máximo de impurezas anteriormente à secagem; Secadores: homogeneidade de secagem (fluxo uniforme de ar e temperatura máxima de 39 C na massa de grãos); Transportadores: sistema de transporte sem danos mecânicos; Silos: armazenamento com vazão específica de aeração adequada.

8 Arroz Unidades de Armazenagem FLUXO BÁSICO Recepção Pré-Limpeza Secagem Limpeza Armazenagem Processo de remoção de água dos grãos, para: Permitir o armazenamento seguro dos grãos; Viabilizar o processamento e industrialização. A secagem uniforme reduz a proliferação de insetos e elimina fungos na armazenagem

9 Secagem de Arroz O arroz é recebido com umidade elevada A finalidade da secagem é reduzir a umidade dos grãos, visando eliminar o desenvolvimento de fungos e pragas FATORES DETERMINANTES NA QUALIDADE DO PROCESSO Uniformidade de secagem, para proporcionar equalização na umidade final da massa de grãos, eliminando o desenvolvimento de fungos e pragas no armazenamento; Temperatura controlada, evitando a formação de fissuras e redução no percentual de grãos inteiros (perda de valor comercial).

10 Secagem de Arroz EVOLUÇÕES DE TECNOLOGIA TORRE DE SECAGEM Secadores com torre tipo cavalete Secadores com torre tipo coluna Secadores com torre tipo mista Grãos secos e quentes Grãos mais frios Fluxo descendente de grãos irregular Entrada de ar Saída de ar - Fluxo de ar alternado= melhor distribuição; - Fluxo de grãos irregular = gradiente de umidade mais elevado (diferenças no tempo de residencia da massa); -Exige melhor limpeza de produto (1% de impurezas). -Fluxo de ar com variação na temperatura de massa; - Fluxo de grãos individualizado; - Aumento no consumo de energía térmica. -Distribuição homogênea de ar (alternado) e grãos (fluxo individualizado); -Uniformidade de secagem (variação de umidade final média inferior a 1%); - Redução do consumo de energía térmica.

11 Testes Práticos Comparação de dois tipos de secadores: torre de cavalete e torre tipo mista; Avaliação de consumo de energia térmica, custos de secagem e rendimento de inteiros. DADOS DO PROCESSO DE SECAGEM Secador Torre de Cavalete Secador Torre Mista Produto processado: arroz em casca Tipo: longo fino Variedades: Puitá Inta CL e Guri Inta CL Umidade de entrada: 22% b.u (média) Capacidade processada: 369 t/dia Regime de secagem: intermitente Fluxo de ar: coluna inteira Local: Unidade de Beneficiamento Arrozeira Pelotas, BR 392 Km 78 - Distrito Industrial, Pelotas, Rio Grande do Sul.

12 Testes Práticos RENDIMENTO DE INTEIROS Análise em laboratório realizada pelo usuário dos equipamentos; Amostras de produto submetidas aos procedimentos de classificação; de arroz previstas na instrução normativa 6/2009 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento; Exemplo de provador para amostras de arroz em casca Características dos grãos após a secagem nos secadores Secador com torre de cavalete Secador com torre tipo mista Umidade média de saída 12,8% b.u. 12,8% b.u. Percentual médio de grãos inteiros 61,6% 62,4% A média de grãos inteiros superior do secador com torre tipo mista, evidencia os ganhos em qualidade de secagem, com colunas de grãos individualizadas e fluxo de ar alternado, uma vez que ambos processaram arroz em casca com as mesmas características, nas mesmas condições ambientais (temperatura ambiente, pressão atmosférica e umidade relativa do ar) e operacionais (temperatura de secagem, regime de secagem e fluxo de ar). Amostra de grãos inteiros descascados, após beneficiamento.

13 Testes Práticos CONSUMO DE ENERGIA TÉRMICA Gerador de energia térmica: fornalha de fogo direto; Combustível: Casca de Arroz. Queima de casca de arroz na fornalha Consumo de energia térmica na secagem de arroz em casca de 22% para 13% b.u. Secador com torre de cavalete Secador com torre tipo mista Energia térmica consumida (kcal/h) Capacidade diária de secagem (t/dia) O secador com torre tipo mista apresenta uma economia de energia térmica aproximada de 30% em relação ao secador de cavaletes, o que evidencia o melhor aproveitamento energético proporcionado pelo projeto da torre de secagem

14 Testes Práticos CUSTO DE SECAGEM Custo de energia elétrica = US$0,15 por kwh Custo de energia térmica: Para o cálculo, foi considerado lenha como combustível, pelo fato de a casca não ter um parâmetro de custo estabelecido, por ser um subproduto; Custo de combustível = US$ 18,75 por m³ Poder calorífico do combustível= kcal/kg Densidade média do combustível = 500 kg/m³ Custos de secagem de arroz em casca de 22% para 13% b.u. Secador com torre de cavalete Secador com torre tipo mista Energia térmica consumida (kcal/h) Potência instalada (CV) Capacidade de secagem (t/h) Custo de secagem (US$/tonelada seca) 3,30 2,53 O custo de secagem do secador com torre tipo mista é aproximadamente 23% inferior ao do secador de cavalete, para o fluxo de produto processado. Isto é consequência do fato de a torre tipo mista necessitar menos energia térmica para secar o mesmo volume de grãos.

15 Conclusão O processo de secagem constitui papel fundamental na cadeia produtiva de arroz; A qualidade do arroz, as demandas de energia e custo, são importantes para avaliar a efetividade da tecnologia empregada no processo; Tecnologias mais avançadas possibilitam um produto final de maior qualidade e, consequentemente, com maior valor agregado; A torre de secagem tipo mista proporcionou maior rendimento de grãos inteiros (1,3% superior) consumo de energia térmica 30% inferior e custo de secagem 23% abaixo do secador com torre de cavaletes; Os ganhos de qualidade e custos no processo de secagem de arroz podem gerar significativos impactos de ordem econômica para a indústria usuária da tecnologia.

16

Exportação de Frutas e Derivados

Exportação de Frutas e Derivados Exportação de Frutas e Derivados A Importância da Logística e do Transporte Profª Paola Piedrabuena O Brasil é um dos três maiores produtores de frutas. Atrás apenas da China e da Índia 5% da produção

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Magda Cercan Garcia Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia

Leia mais

Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior

Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Eletrobrás Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Integração Energética na América Latina Sinval Zaidan Gama Superintendente de Operações no Exterior Fevereiro de 2010 O Sistema Eletrobrás O Sistema Eletrobrás

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O Sindigás 33 milhões de botijões entregues porta a porta mensalmente 5 bilhões em tributos arrecadados anualmente 27% Participação

Leia mais

O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo

O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo DEFUMAÇÃO O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo necessário um controle rigoroso de cada uma das etapas

Leia mais

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Complexo Regional da Amazônia Características gerais Amazônia Internacional Amazônia Legal Internacional Legal 7,0 milhões de Km 2 5,0

Leia mais

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO

INFORME ETENE. INVESTIMENTOS EM INFRAESTRUTURA NO NORDESTE 2ª Edição 1. INTRODUÇÃO Ano V Maio de 2011 Nº 8 INFORME ETENE Escritório Técnico de Estudos Econômicos do Nordeste - ETENE Ambiente de Estudos, Pesquisas e Avaliação-AEPA Célula de Estudos e Pesquisas Macroeconômicas, Industriais

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia)

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) Instituto de Proteção Ambiental do Estado do Amazonas PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA DE BENEFICIAMENTO DE PESCADO (Produção acima de 1.500kg dia) 1. INFORMAÇÕES GERAIS 1.1. Indique o consumo médio mensal

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 6º Encontro - 05/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - SISTEMAS DE PRODUÇÃO - VÍDEOS PARA DEBATE

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

Soluções completas em equipamentos para armazenagem de grãos

Soluções completas em equipamentos para armazenagem de grãos armazenagem Soluções completas em equipamentos para armazenagem de grãos Os produtos CASP são resultados da aplicação das mais modernas tecnologias de fabricação. Com um dos parques tecnológicos mais avançados

Leia mais

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO

Ministério de Minas e Energia POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Ministério de Minas e Energia Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético POTENCIAL DA BIOMASSA E DOS BIO-COMBUSTÍVEIS NO BRASIL: EXPERIÊNCIAS DE SUCESSO Reunión Ministerial Iberoamericana

Leia mais

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Sumário Executivo Esta Nota Técnica tem por finalidade comprovar a existência de sustentação técnica e motivação econômica para estabelecer

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos

Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Desafios da Gestão Municipal de Resíduos Sólidos Cláudia Lins Consultora Ambiental Foi instituída pela Lei 12.305/10 e regulamentada pelo Decreto 7.404/10 A PNRS fixou obrigações para União, Estados e

Leia mais

Etiquetagem Energética de Produtos

Etiquetagem Energética de Produtos Etiquetagem Energética de Produtos Manuel Casquiço Lisboa, 3 de Março 2016 Conteúdos Etiqueta Energética Europeia Sistema de Etiquetagem Energética de Produtos: Janelas Ascensores Etiqueta Energética Promover

Leia mais

Plano Safra para a Cadeia de Flores e Plantas Ornamentais do Brasil

Plano Safra para a Cadeia de Flores e Plantas Ornamentais do Brasil Plano Safra para a Cadeia de Flores e Plantas Ornamentais do Brasil Excelentíssima Senhora KÁTIA ABREU Presidente da CNA Confederação Nacional da Agricultura HOLAMBRA ABRIL DE 2013 1 INTRODUÇÃO No Brasil,

Leia mais

CALANDRA MULTIROLO CALANDRA MULTIRROLO CAPACIDADES DE 4 A 18 LENÇÓIS P/ MINUTO SISTEMA DE ROLO E FITAS AQUECIMENTO A VAPOR

CALANDRA MULTIROLO CALANDRA MULTIRROLO CAPACIDADES DE 4 A 18 LENÇÓIS P/ MINUTO SISTEMA DE ROLO E FITAS AQUECIMENTO A VAPOR CALANDRA MULTIROLO ALTA PRODUTIVIDADE COM BAIXO CUSTO OPERACIONAL SISTEMA DE ROLO E FITAS Equipamento projetado para passagem de tecidos planos, projetado para alta produção e qualidade. ALTA PRODUÇÃO:

Leia mais

Edição 37 (Março2014)

Edição 37 (Março2014) Edição 37 (Março2014) Cenário Econômico: PIB brasileiro cresce 2,3% em 2013 e chega a R$ 4,8 trilhões A economia brasileira cresceu 0,7% no quarto trimestre de 2013, na comparação com os três meses anteriores,

Leia mais

ASPECTOS E DESAFIOS DA ARMAZENAGEM DE AÇÚCAR

ASPECTOS E DESAFIOS DA ARMAZENAGEM DE AÇÚCAR ASPECTOS E DESAFIOS DA ARMAZENAGEM DE AÇÚCAR PRIMEIROS ENGENHOS DOS ENGENHOS ÀS UNIDADES BIOENERGÉTICAS CAMINHO AÇÚCAR Evolução da produção de açúcar RELAÇÃO ENTRE PRODUÇÃO E CAPACIDADE ESTÁTICA RELAÇÃO

Leia mais

tecfix ONE quartzolit

tecfix ONE quartzolit Pág. 1 de 8 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato 1. Descrição: Produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada dos constituintes

Leia mais

COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015

COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015 Secretaria-Geral ALADI/SEC/di 2668 12 de janeiro de 2016 COMÉRCIO EXTERIOR GLOBAL BRASIL: janeiro-dezembro 2015 Os fluxos globais do comércio exterior brasileiro contraíram-se significativamente em 2015

Leia mais

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15

Soja Análise da Conjuntura Agropecuária MUNDO SAFRA 2014/15 Soja Análise da Conjuntura Agropecuária Novembro de 2014 MUNDO SAFRA 2014/15 Devido ao aumento das cotações nas últimas safras, principalmente na comparação com o milho, o cultivo da soja vem aumentando

Leia mais

SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA

SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SISTEMA DE COLETA DE DADOS OPERACIONAIS DAS USINAS TÉRMICAS REEMBOLSADAS PELA CONTA DE DESENVOLVIMENTO ENERGÉTICO SCD-CDE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA RESOLUÇÃO NORMATIVA Nº 500 DA ANEEL, DE 17.07.2012 Outubro

Leia mais

DIVULGAÇÃO DE TECNOLOGIA DE BAIXO CUSTO PARA O AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA, EM CERRO LARGO/RS: UMA AÇÃO DA EXTENSÃO EM PROL DA MORADIA SUSTENTÁVEL

DIVULGAÇÃO DE TECNOLOGIA DE BAIXO CUSTO PARA O AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA, EM CERRO LARGO/RS: UMA AÇÃO DA EXTENSÃO EM PROL DA MORADIA SUSTENTÁVEL DIVULGAÇÃO DE TECNOLOGIA DE BAIXO CUSTO PARA O AQUECIMENTO SOLAR DE ÁGUA, EM CERRO LARGO/RS: UMA AÇÃO DA EXTENSÃO EM PROL DA MORADIA SUSTENTÁVEL SOUZA, Luiz Antonio Farani de 1 ; FUCKS, Patricia Marasca

Leia mais

Bem-estar, desigualdade e pobreza

Bem-estar, desigualdade e pobreza 97 Rafael Guerreiro Osório Desigualdade e Pobreza Bem-estar, desigualdade e pobreza em 12 países da América Latina Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Equador, El Salvador, México, Paraguai, Peru,

Leia mais

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS

MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS LACERDA CONSULTORIA LTDA MANEJO TECNOLÓGICO E OPERACIONAL DE SECAGEM DE GRÃOS ADILIO FLAUZINO DE LACERDA FILHO, DSc Consultor em pós-colheita de grãos secagem, aeração, esfriamento artificial de grãos

Leia mais

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior da República Federativa do Brasil

O Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior da República Federativa do Brasil PROTOCOLO DE INTENÇÕES ENTRE O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMERCIO EXTERIOR DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL E O MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO DA REPÚBLICA ITALIANA O Ministério

Leia mais

Energias Renováveis BIODIESEL

Energias Renováveis BIODIESEL Energias Renováveis BIODIESEL Profª Elisa Helena Siegel Moecke UNISUL Universidade do Sul de Santa Catarina Apresentação Com o Protocolo de Kyoto (1997) muitos países se comprometeram com a redução da

Leia mais

COOPERAÇÃO PARA A MOBILIDADE SUSTENTAVEL

COOPERAÇÃO PARA A MOBILIDADE SUSTENTAVEL COOPERAÇÃO PARA A MOBILIDADE SUSTENTAVEL GERAR ENERGIA ELÉTRICA DE QUALIDADE, - COM RESPONSABILIDADE SOCIAL E AMBIENTAL, IMPULSIONANDO O DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO, TURÍSTICO E TECNOLÓGICO, SUSTENTÁVEL,

Leia mais

RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM.

RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM. RAZÕES QUE JUSTIFICAM A PRORROGAÇÃO DA ZFM. Razões: 1. Nós defendemos a prorrogação da ZFM como diferencial de tratamento tributário, para suprir as inúmeras dificuldades e obstáculos na promoção do desenvolvimento

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS

ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS Índice Apresentação Introdução Eficiência na cozinha Material de Construção A

Leia mais

Eficiência Energética no Uso de Ar Comprimido

Eficiência Energética no Uso de Ar Comprimido Conservação de Água e Energia Elétrica 14 de outubro de 2014 Eficiência Energética no Uso de Ar Comprimido Atlas Copco Ltda. FÓRUM DE SUSTENTABILIDADE SINDIPEÇAS Out 2014 3 COMPROMISSO COM A PRODUTIVIDADE

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TÊXTIL E CONFECÇÕES MAIO DE 2016 1 PRODUTOS 2 A CADEIA TÊXTIL É DIVIDIDA EM 3 SEGMENTOS: FIBRAS E FILAMENTOS TÊXTIL CONFECÇÕES 3 FATURAMENTO DA CADEIA

Leia mais

Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A

Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A Título: PREÇO INTERNACIONAL E PRODUÇÃO DE SOJA NO BRASIL DE 1995 A 2003. Magali Simoni Azevedo 1 Resumo O estudo sobre o preço internacional e a produção de soja no Brasil de 1995 a 2003 teve como objetivo

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA

GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA GEOGRAFIA - 2 o ANO MÓDULO 64 OCEANIA Como pode cair no enem (UFRGS) Considere as seguintes afirmações sobre a Austrália. I) A Austrália não recebe fluxos migratórios significativos, apesar de ser considerado

Leia mais

INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS...

INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS... Nome do Curso: Engenharia de Produção e Pedagogia - Noturno Alunos: Lucas Américo Carneiro Teles Igor Fernandes de Magalhães Cesar Ribeiro Siqueira Leticia Natyelle Louzeiro Professor: André Silva Produção

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

Montagem & Manutenção Oficina de Informática - 1 - GABINETE. O mercado disponibiliza os seguintes modelos de gabinete para integração de PC s:

Montagem & Manutenção Oficina de Informática - 1 - GABINETE. O mercado disponibiliza os seguintes modelos de gabinete para integração de PC s: GABINETE - 1 - O gabinete é considerado a estrutura do PC porque é nele que todos os componentes internos serão instalados e fixados. Portanto, a escolha de um gabinete adequado aos componentes que serão

Leia mais

Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas. Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up.

Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas. Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up. Relatório da atividade nº 2 do módulo de Minas DETERMINAÇÃO GRANULOMÉTRICA DE UM SOLO UTILIZANDO UM CYCLOSIZER Laboratório de Ciências do Ambiente I (modulo de Minas) Catarina Espregueira up201303364@fe.up.pt

Leia mais

ADEGAS KitchenAid. KZB15ARANA e KZB16ARANA

ADEGAS KitchenAid. KZB15ARANA e KZB16ARANA ADEGAS KitchenAid COMPROMISSO DE PRODUZIR AS MELHORES ADEGAS Versatilidade Organização Integração total com os outros eletrodomésticos CLAIMS CONHECENDO O PRODUTO Praticidade Combina a conveniência de

Leia mais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rodrigo R. Latado Certificação de Soja não-ogm NEGÓCIO Pesquisa, Desenvolvimento e Difusão da Avaliação da Conformidade ALCA Grupo de Negociação

Leia mais

Fundada em 1925, a Kepler Weber desenvolve soluções para armazenagem de grãos e movimentação de granéis.

Fundada em 1925, a Kepler Weber desenvolve soluções para armazenagem de grãos e movimentação de granéis. APIMEC-RIO / NOV15 Fundada em 1925, a Kepler Weber desenvolve soluções para armazenagem de grãos e movimentação de granéis. Com uma estrutura ágil, integrada e capacidade fabril para o processamento de

Leia mais

Etiquetagem // Polypropylene DECAL LABEL PP WHITE MATTE

Etiquetagem // Polypropylene DECAL LABEL PP WHITE MATTE DECAL LABEL PP WHITE MATTE DESCRIÇÃO DO PRODUTO Película de papel sintético, branco mate, para impressão digital. Alto rendimento, elevada opacidade, alta rigidez. Estabilização UV para aplicações no exterior.

Leia mais

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL 2.1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 2. ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA DE 7 DE MARÇO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Empresa: Usina Açucareira Passos S/A Usina Itaiquara Endereço: Fazenda

Leia mais

Anuário Estatístico de Turismo - 2015

Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Ministério do Turismo Anuário Estatístico de Turismo - 2015 Volume 42 Ano base 2014 Sumário I Turismo receptivo 1. Chegadas de turistas ao Brasil - 2013-2014

Leia mais

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA

Cogeração SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA O Que é Cogeração? SISTEMA DE COGERAÇÃO DE ENERGIA A cogeração a partir do gás natural é o processo que permite a produção de energia elétrica e térmica, de forma simultânea,

Leia mais

Produção de doce de Abóbora

Produção de doce de Abóbora Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar Ano lectivo 2009/2010 Processamento Geral de Alimentos Produção de doce de Abóbora Trabalho realizado

Leia mais

Geração de energia elétrica

Geração de energia elétrica Geração de energia elétrica Capítulo 5 Sistemas eólicos de geração de energia elétrica Lineu Belico dos Reis O vento, movimento do ar na atmosfera terrestre, é principalmente gerado pelo maior aquecimento

Leia mais

Logística. Saúde. Logística na Saúde. Estratégia, Conhecimento e Pessoas 2011. I Conceitos genéricos logística. II - Gestão logística na saúde

Logística. Saúde. Logística na Saúde. Estratégia, Conhecimento e Pessoas 2011. I Conceitos genéricos logística. II - Gestão logística na saúde Estratégia, Conhecimento e Pessoas 2011 Logística na Saúde Logística na Saúde I Conceitos genéricos logística II - Gestão logística na saúde ferramentas de melhoria de qualidade d aplicação prática na

Leia mais

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES

SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES SETOR DE TELECOMUNICAÇÕES AUDIÊNCIA PÚBLICA - SENADO FEDERAL EDUARDO LEVY Brasília, 20 de maio de 2014 números do setor de telecomunicações R$ 29,3 bilhões de investimentos em 2013 segundo ano consecutivo

Leia mais

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000.

Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Lei nº 9.991 de 24 de julho de 2000. Estabelece que as concessionárias de Serviços públicos de Distribuição, Transmissão ou Geração de energia elétrica, devem aplicar, anualmente, um percentual mínimo

Leia mais

www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação

www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação www.osram.pt Legislação e recomendações na iluminação Paulo Dinis p.dinis@osram.pt novembro 2014 Introdução Elementos do projecto de iluminação Legislativa Normas & Leis Ecológica Ambiente & Consciencialização

Leia mais

Panorama da Tilapicultura no Nordeste Brasileiro: Produção e Qualidade de Água Modelo do Ceará

Panorama da Tilapicultura no Nordeste Brasileiro: Produção e Qualidade de Água Modelo do Ceará Panorama da Tilapicultura no Nordeste Brasileiro: Produção e Qualidade de Água Modelo do Ceará Allison Paulino Medeiros Coord. Técnico de Piscicultura Temas abordados 1. Panorama Atual da Tilapicultura

Leia mais

Paraguai: País de oportunidades

Paraguai: País de oportunidades Paraguai: País de oportunidades Estabilidade Macroeconómica Liberdade Económica e Financeira Sistema Tributario e Incentivos Fatores de Competitividade Acesso aos Mercados Opiniăo de Empresarios Paraguai:

Leia mais

Balança Digital BEL - 00237

Balança Digital BEL - 00237 Balança Digital BEL - 00237 l l! Instrumento não submetido a aprovação de modelo/verifi cação. Não legal para uso no comércio. Não legal para prática médica. Conforme portaria INMETRO 236/94 Plebal Plenna

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR

PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR GILMAR MARTINELLI JUNIOR 1 ; CRISTIANO MARCIO ALVES DE SOUZA 2

Leia mais

Brasil Março 2016. Mercado em números

Brasil Março 2016. Mercado em números Março 2016 Mercado em números Guiana Venezuela Suriname Columbia Guiana Francesa Designação oficial: República Federativa do Capital: Brasília Localização: Leste da América do Sul Peru Fronteiras terrestres:

Leia mais

Regulação da indústria de energia elétrica: Impactos na apropriação de energia térmica solar pela população de baixa renda no Brasil

Regulação da indústria de energia elétrica: Impactos na apropriação de energia térmica solar pela população de baixa renda no Brasil Regulação da indústria de energia elétrica: Impactos na apropriação de energia térmica solar pela população de baixa renda no Brasil Osiris A. Vital Brazil - asthon@vital.srv.br Paulo M. Araújo - paulo_mario@unit.br

Leia mais

DEFINIÇÕES RELATIVAS A BEBIDAS ALCOÓLICAS

DEFINIÇÕES RELATIVAS A BEBIDAS ALCOÓLICAS MERCOSUL/GMC/RES Nº 20/94 DEFINIÇÕES RELATIVAS A BEBIDAS ALCOÓLICAS TENDO EM VISTA: o Art. 13 do Tratado de Assunção, o Art. 10 da Decisão Nº 4/91 do Conselho do Mercado Comum, a Resolução Nº 91/93 do

Leia mais

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL

INTEGRAÇÃO CONTRATUAL INTEGRAÇÃO CONTRATUAL Uma Estratégia de Acesso ao Mercado Internacional Flávio Tadeu C. Silva Analista de Comércio Exterior Internacionalização de Cooperativas Integração Regional no Mercosul Escritório

Leia mais

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE

Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica. Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Seminário Energia Soluções para o Futuro Geração Hidrelétrica Flávio Antônio Neiva Presidente da ABRAGE Belo Horizonte, 24 de abril de 2014 Associadas da ABRAGE Usinas das associadas da ABRAGE Hidrelétricas

Leia mais

1. Aspectos gerais da cultura

1. Aspectos gerais da cultura CULTURA DO ARROZ 1. Aspectos gerais da cultura Centro de Origem -Asiático -Africano Gênero Oryza 25 espécies dispersas Espécies Sul Americanas Ásia África América do Sul e Central Espécies utilizadas Histórico

Leia mais

Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil. urielrotta@pensa.org.br

Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil. urielrotta@pensa.org.br Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil Uriel Antonio Superti Rotta urielrotta@pensa.org.br O SAG do leite no Brasil O sistema agroindustrial do leite reúne importantes segmentos da

Leia mais

Investimento estrangeiro direto na África. Roberto Iglesias Katarina P. da Costa. Novembro 2011

Investimento estrangeiro direto na África. Roberto Iglesias Katarina P. da Costa. Novembro 2011 Investimento estrangeiro direto na África Roberto Iglesias Katarina P. da Costa Novembro 2011 Investimento t estrangeiro direto na África Contexto Global Investimento Chinês na África Investimento Brasileiro

Leia mais

reciclagem a frio KMA 220

reciclagem a frio KMA 220 Technische Especificação Daten Técnica Kaltfräse Usina misturadora W 200 móvel de reciclagem a frio KMA 220 Especificação Técnica Usina misturadora móvel de reciclagem a frio KMA 220 Capacidade da usina

Leia mais

MARCO REGULATÓRIO DO TRC. O Custo do Transporte: infraestrutura rodoviária, terminais de carga e descarga, pontos de apoio e pedágios.

MARCO REGULATÓRIO DO TRC. O Custo do Transporte: infraestrutura rodoviária, terminais de carga e descarga, pontos de apoio e pedágios. MARCO REGULATÓRIO DO TRC O Custo do Transporte: infraestrutura rodoviária, terminais de carga e descarga, pontos de apoio e pedágios. TRANSPORTE RODOVIÁRIO INTERNACIONAL DE CARGAS Infraestrutura Rodoviária

Leia mais

Tocantins. A Formação e Evolução do Estado

Tocantins. A Formação e Evolução do Estado Tocantins A Formação e Evolução do Estado A Formação Política Os movimentos pela independência do território tocantinense, frente a sua estrutura política vinculada ao Estado de Goiás remonta o período

Leia mais

CARTOGRAFIA DE RISCO

CARTOGRAFIA DE RISCO CARTOGRAFIA DE RISCO Mapa de Perigosidade de Incêndio Florestal e Mapa de Risco de Incêndio Florestal A Carta de Risco de Incêndio Florestal tem como objetivo apoiar o planeamento de medidas de prevenção

Leia mais

PANORAMA DA AGROPECUÁRIA

PANORAMA DA AGROPECUÁRIA PANORAMA DA AGROPECUÁRIA SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO BELO HORIZONTE-MG NOVEMBRO/2006 ÍNDICE 1. Estado de Minas Gerais 2. Informações do Agronegócio 3. Produção agrícola

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira. Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica

PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira. Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica 1. INFORMAÇÕES GERAIS PROJETO DE IMPLANTAÇÃO INDÚSTRIA MADEIREIRA Desdobro Secundário da Madeira 1.1. Ocorrência Hídrica Tipo de Curso d água Nome Bacia Hidrográfica Distância do empreendimento (m) 1.2.

Leia mais

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO RIO 92 CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO O QUE É SUSTENTABILIDADE? TRATA-SE DE UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO, QUE BUSCA COMPATIBILIZAR O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES

Leia mais

Centro de Operações de Energia - Petrobras

Centro de Operações de Energia - Petrobras Centro de Operações de Energia - Petrobras Parque Termelétrico, Concepção, implantação e atribuições CENOCON - 2014 O PARQUE GERADOR PETROBRAS USINAS DE GERADORAS, TECNOLOGIAS E COMBUSTÍVEL PARQUE GERADOR

Leia mais

Fontes de energia. A hidroeletricidade no Brasil

Fontes de energia. A hidroeletricidade no Brasil Fontes de energia A hidroeletricidade no Brasil O marco da energia elétrica no Brasil aconteceu em 1889, com a inauguração da usina hidrelétrica denominada Marmelos, no Rio Paraibuna, Município de Juiz

Leia mais

CENÁRIO E PERSPECTIVAS PARA O MECARDO LÁCTEO

CENÁRIO E PERSPECTIVAS PARA O MECARDO LÁCTEO CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL CENÁRIO E PERSPECTIVAS PARA O MECARDO LÁCTEO JUNHO-2013 Rodrigo Sant Anna Alvim Presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Leite da CNA AGENDA: 1. Números

Leia mais

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal

Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Contributos da Gestão de Resíduos Urbanos para o Desenvolvimento Socioeconómico e Ambiental de Portugal Apresentação Pública 28 de maio de 2014 PARCEIROS: ESTUDO PROMOVIDO POR: 1. INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO

Leia mais

PROJETO CAMINHÃO TANQUE DISTRIBUIDOR DE DEJETOS SUÍNOS

PROJETO CAMINHÃO TANQUE DISTRIBUIDOR DE DEJETOS SUÍNOS ASSOCIAÇÃO ÁGUA E SOLO Entidade voltada ao Desenvolvimento Sustentável da Agricultura Familiar do Meio Oeste de Santa Catarina - Sede/foro Município de Videira SC Decreto de Utilidade Pública Municipal

Leia mais

Biogás. Página 1 de 5

Biogás. Página 1 de 5 Biogás O atual sistema económico conduz à produção de grandes quantidades de resíduos agrícolas, industriais e domésticos, os quais, podem conter componentes importantes e valiosos, revelando-se ainda

Leia mais

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO

Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO Inteligência de negócios do laboratório DESCUBRA INFORMAÇÕES ÚTEIS DE DADOS OPERACIONAIS DO LABORATÓRIO INTELIGÊNCIA DE NEGÓCIOS DO LABORATÓRIO AS DECISÕES SOBRE O LABORATÓRIO COMEÇAM COM A INTELIGÊNCIA

Leia mais

Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade. Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014

Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade. Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014 Cadeias produtivas no agronegócio, estrutura de mercado e competitividade Ivan Wedekin Fórum Nacional do Trigo 2014 Portfólio da BBM a serviço do Agro NEGÓCIOS COM PRODUTOS FÍSICOS LEILÕES DA PGPM REGISTRO

Leia mais

Estudo de Caso Itambé

Estudo de Caso Itambé Estudo de Caso Itambé Autores Marcos Sawaya Jank - Doutor em Administração pela FEA/USP, professor da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz e pesquisador do PENSA Valter Bertini Galan - Engenheiro

Leia mais

PRODUÇÃO E FUNDIÇÃO DO COBRE

PRODUÇÃO E FUNDIÇÃO DO COBRE PRODUÇÃO E FUNDIÇÃO DO COBRE O tratamento de minério consiste de uma série de processos que têm em vista a separação física dos minerais de minérios (calcopirita e bornita) e minerais de ganga (não possuem

Leia mais

Awite. Biogás desde o início... Christian Etzkorn 19.05.2015. www.awite.de. Christian Etzkorn. Página 1

Awite. Biogás desde o início... Christian Etzkorn 19.05.2015. www.awite.de. Christian Etzkorn. Página 1 Awite Biogás desde o início... 19.05.2015 Página 1 Agenda A Empresa Produtos Automação Está na hora de você assumir o controle. Página 2 Agenda A Empresa Produtos Automação Está na hora de você assumir

Leia mais

Argentina Chile Bolívia Paraguai Brasil Uruguai. Programa Cooperativo para o Desenvolvimento Tecnológico Agroalimentar e Agroindustrial do Cone Sul

Argentina Chile Bolívia Paraguai Brasil Uruguai. Programa Cooperativo para o Desenvolvimento Tecnológico Agroalimentar e Agroindustrial do Cone Sul Argentina Chile Bolívia Paraguai Brasil Uruguai Programa Cooperativo para o Desenvolvimento Tecnológico Agroalimentar e Agroindustrial do Cone Sul www.procisur.org.uy Emilio Ruz, Ph.D Secretário Executivo

Leia mais

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL

EXEMPLAR DE ASSINANTE DA IMPRENSA NACIONAL ISSN 1677-7042 Ano CLII N o - 218 Brasília - DF, segunda-feira, 16 de novembro de 2015 Sumário. PÁGINA Atos do Poder Executivo... 1 Presidência da República... 41 Ministério da Agricultura, Pecuária e

Leia mais

Armas pequenas e leves: controle do tráfico ilegal no caso do Brasil

Armas pequenas e leves: controle do tráfico ilegal no caso do Brasil Armas pequenas e leves: controle do tráfico ilegal no caso do Brasil Pablo Dreyfus Coordenador de Pesquisa Controle de Armas de Fogo Viva Rio IV Conferência do Forte de Copacabana Rio de Janeiro, 16 de

Leia mais

PROPOSTA. Programa de Implantação de Agroindústrias de Pequeno e Médio Porte de Derivados de Cacau e Chocolates Especiais

PROPOSTA. Programa de Implantação de Agroindústrias de Pequeno e Médio Porte de Derivados de Cacau e Chocolates Especiais PROPOSTA Programa de Implantação de Agroindústrias de Pequeno e Médio Porte de Derivados de Cacau e Chocolates Especiais Almir Martins dos Santos Antonio César Costa Zugaib Fernando Antonio Teixeira Mendes

Leia mais

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS

FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS FUNGOS: UMA ANÁLISE EXPERIMENTAL SOBRE OS AGENTES CAUSADORES DE PROBLEMAS AOS PRODUTOS TÊXTEIS Júlia Carla de Queiroz 1, Veronica Rodrigues de Mendonça 2, Ammanda Adhemer Albuquerque Bandeira 3, Etienne

Leia mais

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia

Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto USP Departamento de Economia Pobreza e Desigualdade 1) Que é pobreza? Inicio dos anos 1970: percepção de que as desigualdades sociais e a pobreza não estavam sendo equacionadas como resultado do crescimento econômico. Países ricos:

Leia mais

Tarifação e Administração de Ligações

Tarifação e Administração de Ligações Tarifação e Administração de Ligações O que é o serviço de Tarifação e Administração de Ligações Tarifação e Administração de Ligações O que é? Benefícios Solução que realiza coletas diárias de dados (CDRs)

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Vittorio Medioli) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Vittorio Medioli) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à redução de emissões de gases de efeito estufa. Senhor Presidente: Nos termos do art. 113, inciso I e 1

Leia mais

Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE

Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE Monitoramento e Avaliação do Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE ABRANGÊNCIA Extensão territorial:8.514.876,59 9 km 2 Alcance: 5.570 municípios, 26 estados, DF e escolas técnicas federais.

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 4. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 4. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : Azoto / Azoto Apsa / Azoto Floxal

Leia mais