PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL"

Transcrição

1 SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL Março/2014

2 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial 09. Importação Mundial 10. Produção Agrícola e Pecuária Mundial 15. Cadeias Produtivas Base Agrícola 16. Grãos Arroz 21. Grãos Milho 26. Grãos Soja 31. Grãos Trigo 36. Café 41. Açúcar 46. Algodão 51. Fruticultura Laranja 55. Fruticultura Maçã 59. Fruticultura Uva 63. Cadeias Produtivas Base Pecuária 64. Bovinocultura Leite Fluido 68. Bovinocultura Leite em pó 73. Bovinocultura Carne Bovina 78. Suinocultura Carne Suína 83. Avicultura Carne de Frango

3 3 APRESENTAÇÃO O presente trabalho traz um conjunto de informações sobre os indicadores do Agronegócio Mundial. Os dados permitem ao usuário fazer uma avaliação da performance das atividades agropecuárias na economia global.

4 POPULAÇÃO MUNDIAL Milhões habitantes 6.446, , , , , , , , , , , * PRINCIPAIS PAÍSES (2012) População (milhões de habitantes) 1º China 1.343,2 19,1 2º Índia 1.205,1 17,2 3º Estados Unidos 313,8 4,5 4º Indonésia 248,6 3,5 5º Brasil 199,3 2,8 6º Paquistão 190,3 2,7 7º Nigéria 170,1 2,4 8º Bangladesh 161,1 2,3 9º Rússia 142,5 2,0 População (milhões de habitantes) 10º Japão 127,4 1,8 11º México 115,0 1,6 12º Filipinas 103,8 1,5 13º Vietnã 91,5 1,3 14º Etiópia 91,2 1,3 15º Egito 83,7 1,2 Demais países (183) 2.435,2 34,7 Mundo 7.021,8 100,0 * Estimativa. Fonte: CIA WORLD FACTBOOK 4

5 POPULAÇÃO OCUPADA 3,3 BILHÕES DE PESSOAS (2012*) 3º 7º 13º 3º 11º 10º 9º 1º 2º 6º 15º 12º 14º 8º 5º 4º PRINCIPAIS PAÍSES (2012*) Pessoas (milhões) Pessoas (milhões) 1º China 795,5 24,1 2º Índia 487,6 14,8 3º Estados Unidos 153,6 4,7 4º Indonésia 117,4 3,6 5º Brasil 104,7 3,2 6º Bangladesh 75,4 2,3 7º Rússia 75,4 2,3 8º Japão 65,9 2,0 9º Paquistão 58,4 1,8 10º Nigéria 52,2 1,6 11º México 49,2 1,5 12º Vietnã 46,5 1,4 13º Alemanha 43,6 1,3 14º Filipinas 40,0 1,2 15º Tailândia 39,6 1,2 Demais países (181) 1.092,0 33,1 Mundo 3.297,0 100,0 * Estimativa. Fonte: CIA WORLD FACTBOOK 5

6 PIB MUNDIAL* US$ 85,0TRILHÕES (2012**) 1º 14º 1º 11º 8º 5º 9º 13º 10º 3º 6º 2º 12º 4º 7º 15º PRINCIPAIS PAÍSES (2011) PIB (US$ trilhões) 1º Estados Unidos 15,3 19,0 2º China 11,4 14,2 3º Índia 4,5 5,6 4º Japão 4,5 5,6 5º Alemanha 3,1 3,9 6º Rússia 2,4 3,0 7º Brasil*** 2,3 2,9 8º Reino Unido 2,3 2,9 9º França 2,2 2,8 *Valores do PIB Paridade de Poder de Compra, que é o PIB desconsiderando a variação da taxa de câmbio dos diferentes países. onte: CIA WORLD FACTBOOK PIB (US$ trilhões) 10º Itália 1,9 2,3 11º México 1,7 2,1 12º Coreia do Sul 1,6 2,0 13º Espanha 1,4 1,8 14º Canadá 1,4 1,8 15º Indonésia 1,1 1,4 Demais países (182) 23,1 28,7 Mundo 80,3 100,0 ** Estimativa. Dados a preços de *** Segundo estimativas do Fundo Monetário Internacional (FMI), em 2013, o Brasil ocupou a sexta posição, precedido por Estados Unidos, China, Japão, Alemanha e França. 6

7 Fonte: CIA WORLD FACTBOOK 7 PIB PER CAPITA MUNDIAL * 2011* 2012* PRINCIPAIS PAÍSES US$** (2011*) PIB 1º Qatar º Luxemburgo º Mônaco º Cingapura º Ilhas Malvinas * Estimativa. Dados a preços de PIB 6º Noruega º Brunei º Hong Kong º Estados Unidos º Emirados Árabes Unidos PIB 11º Suíça º Ilhas Cayman º Holanda º Áustria º Kuwait º Brasil ** Valores do PIB Paridade de Poder de Compra, que é o PIB desconsiderando a variação da taxa de câmbio dos diferentes países.

8 EXPORTAÇÃO MUNDIAL US$ 18,26 TRILHÕES (2012*) 2º 9º 2º 7º 5º 3º 8º 1º 6º 4º 22º PRINCIPAIS PAÍSES EXPORTADORES US$ BILHÕES (2011)* 1º. China 2º. Estados Unidos 3º. Alemanha 4º. Japão 5º. França 6º. Coreia do Sul 7º. Holanda 8º. Itália 9º. Rússia... 22º. Brasil OUTROS (186 países) MUNDO , , , , , , , , , , , ,0 9 PAÍSES EXPORTAM 46 DO VALOR TOTAL * Estimativa. Fonte: CIA WORLD FACTBOOK 8

9 IMPORTAÇÃO MUNDIAL US$ 17,84 TRILHÕES (2012*) 1º 1º 6º 9º 5º 3º 7º 2º 8º 4º 22º PRINCIPAIS PAÍSES IMPORTADORES US$ BILHÕES (2011)* 1º. Estados Unidos 2º. China 3º. Alemanha 4º. Japão 5º. França 6º. Reino Unido 7º. Itália 8º. Coreia do Sul 9º. Holanda... 22º. Brasil OUTROS (186 países) MUNDO , , , , , , , , , , , ,0 9 PAÍSES IMPORTAM 50 DO VALOR TOTAL * Estimativa. Fonte: CIA WORLD FACTBOOK 9

10 PRODUÇÃO AGRÍCOLA E PECUÁRIA MUNDIAL 10

11 PRODUÇÃO AGRÍCOLA GRÃOS* Produção (milhões de t métricas) Estoque Final (milhões de t métricas) 1.983, , , , , , , , , , , , , ,5 598,3 569,9 485,8 397,2 456,5 448,8 413,3 426,1 497,5 553,0 532,5 522,5 507,8 556,5 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014** ÁREA GRÃOS* 697,7 milhões de hectares 705,8 696,5 708,7 723,1 726,5 728,0 741,2 755,1 753,9 745,2 762,5 764,9 776,6 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014** Principais produtos () 10,6 9,2 Milho 17,7 26,5 36,0 Trigo Arroz Soja Outros (aveia, centeio, cevada e sorgo) * Referente a arroz, aveia, centeio, cevada, milho, soja, sorgo e trigo. Safras 2000/2001 a 2013/2014 VARIAÇÃO () TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL MÉDIA () PRODUÇÃO 35,5 2,4 ESTOQUE - 7,0-0,6 ÁREA 11,3 0,8 ** Estimativa. 11

12 12 PRODUÇÃO AGRÍCOLA CAFÉ milhões de sacas de 60 Kg 117,2 111,6 127,0 110,9 121,6 117,6 133,6 123,9 136,2 128,5 140,4 144,0 153,3 150,5 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* PRODUÇÃO AGRÍCOLA FRUTAS** E AÇÚCAR Frutas** (milhões de t métricas) Açúcar (milhões de t métricas) 164,5 163,5 153,4 161,9 130,8 134,4 148,6 142,5 140,7 144,3 144,0 171,9 176,0 174,8 101,0 109,9 104,0 112,2 107,6 107,0 117,5 117,8 125,8 126,8 134,4 136,8 134,0 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* Safras 2000/2001 a 2013/2014 VARIAÇÃO () TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL MÉDIA () PRODUÇÃO CAFÉ 28,4 1,9 FRUTAS** 32,6 2,4 * Estimativa. AÇÚCAR 33,7 2,3 ** Referente a laranja, maçã e uva. Para frutas, a variação e a taxa de crescimento anual média comparam as safras 2000/2001 a 2012/2013.

13 PRODUÇÃO PECUÁRIA - BOVINOCULTURA Leite em pó (milhões de t métricas) Carne bovina (milhões de t eq. carcaça) Leite fluido (milhões de t métricas) 446,3 462,7 470,2 479,4 491,0 496,6 507,5 505,5 504,6 514,4 529,7 544,6 552,1 566,6 52,5 54,1 54,4 55,6 56,1 57,7 58,6 58,6 3,3 3,3 3,5 3,7 3,8 3,8 3,9 4,0 3,7 57,0 57,6 4,0 4,3 57,4 4,4 57,6 58,5 4,5 4,6 58, * REBANHO BOVINO Rebanho Bovino Total (milhões de cab.) Vacas em Lactação (milhões de cab.) 1.310, , , , , , , , , , , , , ,1 130,6 129,6 130,2 130,0 130,3 130,7 131,7 129,5 129,6 129,7 132,4 135,0 137,7 140, * PRODUÇÃO LEITE FLUIDO 27,0 1,9 LEITE EM PÓ 41,3 2,7 CARNE BOVINA 11,7 0,9 REBANHO BOVINO 0,9 0,07 * Estimativa. Comparação 2001 a 2014 VARIAÇÃO () TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL MÉDIA () VACAS EM LACTAÇÃO 7,6 0,6 13

14 PRODUÇÃO PECUÁRIA AVICULTURA E SUINOCULTURA Carne de frango (milhões de t métricas) Carne Suína (milhões de t eq. carcaça) 86,2 88,5 90,1 91,3 93,8 95,8 94,3 98,1 100,3 103,2 102,3 105,7 107,5 108,9 56,2 58,5 59,1 61,1 64,3 65,6 69,5 72,8 73,7 78,3 81,3 83,2 84,6 87, * REBANHO SUÍNO Rebanho Suíno (milhões de cab.) 1.893, , , , , , , , , , , , , , * PRODUÇÃO Comparação 2001 a 2014 VARIAÇÃO () TAXA DE CRESCIMENTO ANUAL MÉDIA () CARNE SUÍNA 26,4 1,8 CARNE DE FRANGO 54,9 3,4 REBANHO SUÍNO 10,1 0,7 * Estimativa. 14

15 15 CADEIAS PRODUTIVAS BASE AGRÍCOLA

16 GRÃOS ARROZ 16

17 Produção ( mil t métricas) Área Colhida (mil ha) ARROZ PRODUÇÃO E ÁREA / / / / / / / / / / / / / /2014* Produtividade (Kg/ha) ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Produção 1º Índia ,1 2º China ,9 3º Indonésia ,5 4º Bangladesh ,3 5º Tailândia ,8 6º Vietnã ,9 7º Birmânia ,4 8º Filipinas ,9 9º Camboja ,9 Demais es (80) ,3 Área Colhida Total ,0 1º China ,0 2º Índia ,1 3º Indonésia ,9 4º Bangladesh ,3 5º Vietnã ,8 6º Tailândia ,3 7º Birmânia ,5 8º Filipinas ,5 9º Brasil ,7 Demais es (80) ,9 Produção Total ,0 * Estimativa 17

18 ARROZ EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / / /2014* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação Importação 1º Índia ,4 2º Tailândia ,8 3º Vietnã ,3 4º Paquistão ,3 5º Estados Unidos ,9 6º Birmânia ,2 7º Camboja ,4 8º Brasil 950 2,3 9º Uruguai 900 2,2 Demais es (26) ,2 Exportação Total ,0 1º China ,9 2º Nigéria ,9 3º Irã ,3 4º Indonésia ,9 5º Filipinas ,7 6º Iraque ,5 7º União Europeia** ,5 8º Arábia Saudita ,3 9º Costa do Marfim ,3 Demais es (97) ,6 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 18

19 Oferta ARROZ OFERTA E DEMANDA Demanda / / / / / / / / / / / / / /2014* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Consumo ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Estoque Final 1º China ,0 2º Índia ,4 3º Indonésia ,2 4º Bangladesh ,3 5º Vietnã ,4 6º Filipinas ,7 7º Tailândia ,3 8º Birmânia ,2 9º Japão ,8 Demais es (106) ,8 Consumo Total ,0 1º China ,3 2º Índia ,9 3º Tailândia ,2 4º Indonésia ,0 5º Japão ,5 6º Vietnã ,9 7º Filipinas ,5 8º Bangladesh 932 0,8 9º Estados Unidos 912 0,8 Demais es (53) ,1 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa 19

20 ARROZ RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 37,3 32,2 25,4 19,8 18,2 18,5 17,9 19,0 21,2 21,7 22,5 23,4 23,9 23,7 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 136,0 117,6 92,6 72,4 66,3 67,6 65,5 69,3 77,4 79,3 82,1 85,6 87,3 86,5 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* * Estimativa onte: USDA 20

21 GRÃOS MILHO 21

22 Produção Área Colhida (mil ha) MILHO PRODUÇÃO E ÁREA / / / / / / / / / / / / / /2014* Produtividade (Kg/ha) ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Produção 1º China ,4 2º Estados Unidos ,1 3º Brasil ,3 4º União Europeia** ,5 5º Índia ,4 6º México ,8 7º Ucrânia ,7 8º Nigéria ,4 9º Argentina ,9 Demais es (103) ,5 Área Colhida Total ,0 1º Estados Unidos ,6 2º China ,5 3º Brasil ,2 4º União Europeia** ,7 5º Ucrânia ,2 6º Argentina ,5 7º Índia ,4 8º México ,2 9º Canadá ,5 Demais es (103) ,2 Produção Total ,0 onte: USDA * Estimativa ** Composta por 28 países 22

23 MILHO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / / /2014* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação 1º Estados Unidos ,0 2º Brasil ,5 3º Ucrânia ,2 4º Argentina ,0 5º Rússia ,6 6º Índia ,6 7º África do Sul ,7 8º União Europeia** ,7 9º Paraguai ,6 Demais es (39) ,1 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação 1º Japão ,0 2º México ,4 3º União Europeia** ,9 4º Coreia do Sul ,6 5º Egito ,6 6º China ,5 7º Taiwan ,9 8º Irã ,7 9º Colômbia ,5 Demais es (84) ,1 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 23

24 Oferta MILHO OFERTA E DEMANDA Demanda / / / / / / / / / / / / / /2014* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Consumo ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Estoque Final 1º Estados Unidos ,6 2º China ,0 3º União Europeia** ,8 4º Brasil ,8 5º México ,4 6º Índia ,0 7º Japão ,6 8º Canadá ,4 9º Egito ,3 Demais es (109) ,1 Consumo Total ,0 1º China ,6 2º Estados Unidos ,3 3º Brasil ,3 4º União Europeia** ,6 5º Ucrânia ,2 6º África do Sul ,2 7º México ,6 8º Canadá ,2 9º Índia ,0 Demais es (85) ,1 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 28 países 24

25 MILHO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 28,8 24,3 20,2 16,1 19,1 17,6 15,3 17,0 18,8 17,9 15,2 15,3 15,6 16,9 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 105,0 88,8 73,8 58,8 69,5 64,3 55,7 62,1 68,7 65,2 55,4 56,0 56,8 61,5 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* * Estimativa 25

26 GRÃOS SOJA 26

27 Produção Área Colhida (mil ha) SOJA PRODUÇÃO E ÁREA / / / / / / / / / / / / / /2014* Produtividade (Kg/ha) ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) 1º Estados Unidos ,3 2º Brasil ,2 3º Argentina ,8 4º Índia ,8 5º China ,1 6º Paraguai ,8 7º Canadá ,6 8º Ucrânia ,2 9º Uruguai ,1 Demais es (32) ,2 Área Colhida Total ,0 PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Produção 1º Estados Unidos ,4 2º Brasil ,0 3º Argentina ,9 4º China ,3 5º Índia ,1 6º Paraguai ,8 7º Canadá ,8 8º Uruguai ,1 9º Ucrânia ,0 Demais es (32) ,6 Produção Total ,0 * Estimativa 27

28 SOJA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / / /2014* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação Importação 1º Brasil ,6 2º Estados Unidos ,5 3º Argentina ,4 4º Paraguai ,0 5º Canadá ,3 6º Uruguai ,8 7º Ucrânia ,8 8º Bolívia 300 0,3 9º China 230 0,2 Demais es (15) 280 0,3 Exportação Total ,0 1º China ,5 2º União Europeia** ,7 3º México ,5 4º Japão ,7 5º Taiwan ,3 6º Tailândia ,9 7º Indonésia ,9 8º Egito ,6 9º Vietnã ,3 Demais es (35) ,6 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 28

29 Oferta Demanda SOJA OFERTA E DEMANDA / / / / / / / / / / / / / /2014* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Consumo 1º China ,5 2º Estados Unidos ,1 3º Brasil ,0 4º Argentina ,3 5º União Europeia** ,9 6º Índia ,2 7º México ,4 8º Paraguai ,4 9º Japão ,1 Demais es (45) ,0 Consumo Total ,0 ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Estoque Final 1º Argentina ,2 2º Brasil ,2 3º China ,4 4º Estados Unidos ,6 5º Índia 866 1,2 6º União Europeia** 501 0,7 7º Turquia 442 0,6 8º Canadá 380 0,5 9º Ucrânia 258 0,4 Demais es (30) ,2 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 28 países 29

30 SOJA RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 19,3 19,0 22,2 20,3 23,9 24,9 28,0 22,9 19,5 25,6 27,9 20,8 22,3 26,2 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 70,5 69,5 81,2 74,1 87,1 91,0 102,3 83,4 71,1 93,4 102,0 75,8 81,5 95,6 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* * Estimativa 30

31 GRÃOS TRIGO 31

32 Produção Área Colhida (mil ha) TRIGO PRODUÇÃO E ÁREA / / / / / / / / / / / / / /2014* Produtividade (Kg/ha) ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Produção 1º Índia ,5 2º União Europeia** ,7 3º China ,0 4º Rússia ,6 5º Estados Unidos ,3 6º Austrália ,2 7º Cazaquistão ,9 8º Canadá ,8 9º Paquistão ,9 Demais es (65) ,1 Área Colhida Total ,0 1º União Europeia** ,0 2º China ,1 3º Índia ,1 4º Estados Unidos ,1 5º Rússia ,3 6º Canadá ,3 7º Austrália ,8 8º Paquistão ,4 9º Ucrânia ,1 Demais es (65) ,8 Produção Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 32

33 TRIGO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / / /2014* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação Importação 1º Estados Unidos ,7 2º União Europeia** ,9 3º Canadá ,2 4º Austrália ,0 5º Rússia ,8 6º Ucrânia ,2 7º Cazaquistão ,0 8º Índia ,0 9º Turquia ,5 Demais es (52) ,7 Exportação Total ,0 1º Egito ,8 2º China ,5 3º Brasil ,8 4º Indonésia ,6 5º Argélia ,3 6º Japão ,0 7º Irã ,5 8º Estados Unidos ,0 9º México ,8 Demais es (109) ,7 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 33

34 Oferta Demanda TRIGO OFERTA E DEMANDA / / / / / / / / / / / / / /2014* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Consumo 1º China ,0 2º União Europeia** ,8 3º Índia ,2 4º Estados Unidos ,0 5º Rússia ,9 6º Paquistão ,4 7º Egito ,7 8º Turquia ,5 9º Irã ,5 Demais es (109) ,8 Consumo Total ,0 Estoque Final 1º China ,4 2º Índia ,3 3º Estados Unidos ,3 4º União Europeia** ,8 5º Canadá ,4 6º Irã ,0 7º Rússia ,3 8º Austrália ,7 9º Egito ,5 Demais es (74) ,3 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 28 países 34

35 TRIGO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 35,4 34,8 28,2 23,4 25,9 25,1 21,8 21,1 26,6 31,1 30,4 28,9 25,6 26,3 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 129,2 127,0 102,9 85,4 94,7 91,8 79,5 77,0 97,1 113,4 111,0 105,4 93,5 96,1 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* * Estimativa 35

36 CAFÉ 36

37 CAFÉ PRODUÇÃO (Arábica e Robusta) Produção (mil sacas de 60 Kg) / / / / / / / / / / / / / /2014* Produção (mil sacas de 60 kg) PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º Brasil ,3 2º Vietnã ,9 3º Colômbia ,6 4º Indonésia ,3 5º Etiópia ,2 6º Índia ,4 7º Honduras ,3 8º Guatemala ,6 9º Peru ,6 Demais es (41) ,7 Produção Total ,0 * Estimativa. Refere-se à safra cultivada em

38 CAFÉ EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO (Café em grão, torrado e solúvel) Exportação (mil sacas de 60 Kg) Importação* (mil sacas de 60 Kg) / / / / / / / / / / / / / /2014* * Nas safras 2000/2001 e 2001/2002, as importações mundiais foram baixas em decorrência da falta de registro do volume importado de café em grão por parte de alguns importantes países, dentre eles a União Europeia (UE) e os Estados Unidos. A partir de 2002/2003, a UE importou mais de 40 milhões de sacas de 60 kg, anualmente, e os Estados Unidos, mais de 20 milhões de sacas de 60 kg. EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação (mil sacas de 60 Kg) IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação (mil sacas de 60 Kg) 1º Brasil ,6 2º Vietnã ,5 3º Colômbia ,4 4º Indonésia ,7 5º Índia ,4 6º Honduras ,1 7º Peru ,2 8º Guatemala ,0 9º Uganda ,9 Demais es (39) ,2 Exportação Total ,0 1º União Europeia** ,2 2º Estados Unidos ,1 3º Japão ,6 4º Rússia ,9 5º Canadá ,2 6º Filipinas ,2 7º Suíça ,1 8º Argélia ,0 9º China ,8 Demais es (27) ,0 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 38

39 Oferta (mil sacas de 60 Kg) CAFÉ OFERTA E DEMANDA Demanda (mil sacas de 60 Kg) / / / / / / / / / / / / / /2014* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Consumo (mil sacas de 60 Kg) ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Estoque Final (mil sacas de 60 Kg) 1º União Europeia** ,1 2º Estados Unidos ,5 3º Brasil ,6 4º Japão ,2 5º Rússia ,0 6º Canadá ,5 7º Etiópia ,1 8º Filipinas ,0 9º Indonésia ,7 Demais es (57) ,0 Consumo Total ,0 1º União Europeia** ,7 2º Brasil ,9 3º Estados Unidos ,4 4º Vietnã ,5 5º Japão ,7 6º Índia ,4 7º Tanzânia 555 1,5 8º Colômbia 544 1,5 9º Guatemala 437 1,2 Demais es (26) ,1 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 28 países 39

40 CAFÉ RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 85,0 91,8 42,2 34,2 35,8 26,7 29,3 24,8 32,0 21,1 21,4 18,1 23,8 25,2 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 310,4 335,1 154,1 124,8 130,6 97,5 107,1 90,6 116,7 77,0 78,0 66,0 86,7 91,8 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* * Estimativa 40

41 AÇÚCAR 41

42 AÇÚCAR* PRODUÇÃO Produção / / / / / / / / / / / / / /2014** * Refere-se à produção de açúcar de cana-de-açúcar e de beterraba. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º Brasil ,2 2º Índia ,6 3º União Europeia** ,2 4º China ,5 5º Tailândia ,2 6º Estados Unidos ,6 7º México ,9 8º Paquistão ,8 9º Rússia ,5 Demais es (86) ,5 Produção Total ,0 ** Estimativa ** Composta por 28 países onte: USDA 42

43 AÇÚCAR EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / / /2014* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação Importação 1º Brasil ,4 2º Tailândia ,8 3º Austrália ,4 4º México ,2 5º Índia ,4 6º Guatemala ,2 7º União Europeia** ,6 8º Cuba 850 1,4 9º Emirados Árabes Unidos 650 1,1 Demais es (70) ,4 Exportação Total ,0 1º Indonésia ,0 2º União Europeia** ,9 3º Estados Unidos ,8 4º China ,3 5º Emirados Árabes Unidos ,1 6º Argélia ,8 7º Malásia ,6 8º Coreia do Sul ,5 9º Irã ,4 Demais es (121) ,4 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 43

44 AÇÚCAR OFERTA E DEMANDA Oferta Demanda / / / / / / / / / / / / / /2014* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES Consumo Estoque Final 1º Índia ,6 2º União Europeia** ,9 3º China ,5 4º Brasil ,7 5º Estados Unidos ,3 6º Rússia ,2 7º Indonésia ,1 8º México ,8 9º Paquistão ,7 Demais es (140) ,1 Consumo Total ,0 1º Índia ,8 2º China ,2 3º União Europeia** ,0 4º Tailândia ,4 5º Estados Unidos ,0 6º Indonésia ,2 7º México ,4 8º Filipinas 827 1,9 9º Paquistão 729 1,7 Demais es (132) ,3 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 28 países 44

45 AÇÚCAR RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 30,6 27,3 29,4 27,4 24,5 21,3 24,6 28,6 19,7 18,7 19,3 22,8 26,4 25,9 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 111,8 99,5 107,3 100,0 89,5 77,8 89,7 104,4 72,1 68,1 70,3 83,1 96,3 94,4 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* * Estimativa 45

46 ALGODÃO 46

47 ALGODÃO PRODUÇÃO E ÁREA Produção (mil fardos de 480 lp) Área Colhida (mil ha) / / / / / / / / / / / / / /2014* ÁREA COLHIDA RANKING DOS PAÍSES PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Área Colhida (mil hectares) Produção (mil fardos de 480 lp) 1º Índia ,3 2º China ,2 3º Estados Unidos ,4 4º Paquistão ,1 5º Uzbequistão ,9 6º Brasil ,3 7º Argentina 580 1,8 8º Burquina 575 1,7 9º Turcomenistão 575 1,7 Demais es (68) ,6 Área Colhida Total ,0 1º China ,4 2º Índia ,9 3º Estados Unidos ,3 4º Paquistão ,1 5º Brasil ,3 6º Uzbequistão ,6 7º Austrália ,5 8º Turquia ,9 9º Turcomenistão ,3 Demais es (68) ,6 Produção Total ,0 * Estimativa 47

48 ALGODÃO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação (mil fardos de 480 lp) Importação (mil fardos de 480 lp) / / / / / / / / / / / / / /2014* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação (mil fardos de 480 lp) 1º Estados Unidos ,8 2º Índia ,5 3º Austrália ,9 4º Uzbequistão ,0 5º Brasil ,2 6º Grécia ,0 7º Burquina ,9 8º Mali 875 2,3 9º Turcomenistão 850 2,2 Demais es (63) ,2 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação (mil fardos de 480 lp) 1º China ,6 2º Turquia ,1 3º Bangladesh ,1 4º Vietnã ,5 5º Indonésia ,2 6º Paquistão ,2 7º Tailândia ,3 8º Coreia do Sul ,4 9º Malásia ,9 Demais es (74) ,7 Importação Total ,0 * Estimativa 48

49 Oferta (mil fardos de 480 lp) Demanda (mil fardos de 480 lp) ALGODÃO OFERTA E DEMANDA / / / / / / / / / / / / / /2014* Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES c Consumo (mil fardos de 480 lp) Estoque Final (mil fardos de 480 lp) 1º China ,5 2º Índia ,3 3º Paquistão ,1 4º Turquia ,7 5º Brasil ,7 6º Bangladesh ,7 7º Estados Unidos ,3 8º Vietnã ,6 9º Indonésia ,5 Demais es (104) ,5 Consumo Total ,0 1º China ,8 2º Índia ,8 3º Brasil ,1 4º Paquistão ,9 5º Estados Unidos ,9 6º Austrália ,9 7º Turquia ,4 8º Uzbequistão ,4 9º Argentina 999 1,0 Demais es (105) ,9 Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa 49

50 ALGODÃO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO () 54,4 58,2 48,8 49,6 56,3 53,6 51,6 51,2 57,1 39,6 44,0 71,5 83,7 88,7 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* CAPACIDADE DE ABASTECIMENTO RAZÃO ENTRE O ESTOQUE FINAL E O CONSUMO DIÁRIO (DIAS) 305,6 323,8 198,7 212,4 178,2 181,2 205,3 195,7 188,3 186,9 208,3 144,6 160,5 261,0 2000/ / / / / / / / / / / / / /2014* * Estimativa 50

51 FRUTICULTURA LARANJA 51

52 LARANJA* PRODUÇÃO Produção / / / / / / / / / / / / / /2014** * Refere-se a laranjas frescas. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º Brasil ,3 2º China ,7 3º Estados Unidos ,0 4º União Europeia*** ,7 5º México ,5 6º Egito ,0 7º Turquia ,3 8º África do Sul ,9 9º Marrocos ,9 Demais es (9) ,7 Produção Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 28 países 52

53 ** Estimativa *** Composta por 28 países 53 Exportação LARANJA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Importação* / / / / / / / / / / / / / /2014** * Na safra 2000/2001, as importações mundiais foram baixas em decorrência da falta de registro do volume por parte dos principais importadores: União Europeia, Rússia, Arábia Saudita, Hong Kong, Emirados Árabes Unidos, Canadá, Coreia do Sul e Ucrânia. A partir de 2001/2002, foram efetuados registros das importações desses países. EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação 1º África do Sul ,2 2º Egito ,7 3º Estados Unidos ,7 4º União Europeia*** 330 8,1 5º Turquia 310 7,6 6º Marrocos 160 3,9 7º Austrália 140 3,4 8º China 100 2,5 9º Argentina 70 1,7 Demais es (7) 131 3,2 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação 1º União Europeia*** ,5 2º Rússia ,3 3º Arábia Saudita 350 9,1 4º Iraque 220 5,7 5º Hong Kong 220 5,7 6º Emirados Árabes Unidos 210 5,5 7º Canadá 200 5,2 8º Coreia do Sul 150 3,9 9º Estados Unidos 140 3,7 Demais es (14) ,3 Importação Total ,0

54 Oferta LARANJA OFERTA E DEMANDA Demanda / / / / / / / / / / / / / /2014* Nota: A oferta é igual à soma da produção e importação no ano corrente. A demanda é igual à soma do consumo de frutas frescas, consumo para processamento e exportação anuais. Consumo 1º China ,4 CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES 2º União Europeia** ,3 3º Brasil ,1 4º México ,5 5º Egito ,7 6º Turquia ,3 7º Estados Unidos ,3 8º Marrocos 740 2,4 9º Vietnã 715 2,4 Demais es (20) ,5 Consumo Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico in natura. Nota: Como o estoque final de laranja tende a zero, em função da igualdade entre oferta e demanda deste produto, não são apresentadas as relações que configuram a capacidade de abastecimento alimentar. * Estimativa ** Composta por 28 países 54

55 FRUTICULTURA MAÇÃ 55

56 MAÇÃ* PRODUÇÃO Produção / / / / / / / / / / / / /2013** * Refere-se a maçãs frescas. Produção 1º China ,3 PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES Safra 2012/2013 2º União Europeia*** ,7 3º Estados Unidos ,0 4º Turquia ,3 5º Índia ,6 6º Chile ,9 7º Rússia ,8 8º Brasil ,8 9º Ucrânia ,6 Demais es (18) ,9 Produção Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 28 países 56

57 * Estimativa ** Composta por 28 países 57 MAÇÃ EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação / / / / / / / / / / / / /2013* EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Safra 2012/2013 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Safra 2012/2013 Exportação Importação 1º União Europeia** ,1 2º China ,9 3º Estados Unidos ,9 4º Chile ,7 5º África do Sul 410 7,4 6º Nova Zelândia 300 5,4 7º Argentina 160 2,9 8º Brasil 90 1,6 9º Azerbaijão 65 1,2 Demais es (16) 322 5,8 Exportação Total ,0 1º Rússia ,5 2º União Europeia** ,5 3º México 280 5,7 4º Canadá 230 4,7 5º Emirados Árabes Unidos 220 4,5 6º Índia 200 4,1 7º Estados Unidos 175 3,6 8º Indonésia 175 3,6 9º Taiwan 150 3,1 Demais es (35) ,8 Importação Total ,0

58 MAÇÃ OFERTA E DEMANDA Oferta Demanda / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção e importação no ano corrente. A demanda é igual à soma do consumo de frutas frescas, consumo para processamento, exportação e perdas anuais. Consumo 1º China ,6 CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES Safra 2012/2013 2º União Europeia** ,3 3º Estados Unidos ,9 4º Turquia ,0 5º Rússia ,5 6º Índia ,7 7º Chile ,8 8º Brasil ,7 9º Ucrânia ,5 Demais es (35) ,1 Consumo Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico in natura. Nota: Como o estoque final de maçã tende a zero, em função da igualdade entre oferta e demanda deste produto, não são apresentadas as relações que configuram a capacidade de abastecimento alimentar. * Estimativa ** Composta por 28 países 58

59 FRUTICULTURA UVA 59

60 UVA* PRODUÇÃO Produção / / / / / / / / / / / / /2013** * Refere-se a uvas frescas. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES 1º China ,0 2º Turquia ,8 3º União Europeia*** ,5 4º Brasil ,6 5º Chile ,9 6º Índia ,8 7º Estados Unidos 908 5,3 8º Ucrânia 320 1,9 9º África do Sul 300 1,7 Demais es (7) 778 4,5 Produção Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 28 países 60

61 Exportação Importação* UVA EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO / / / / / / / / / / / / /2013** * Na safra 2000/2001, as importações mundiais foram baixas em decorrência da falta de registro do volume por parte dos principais importadores: União Europeia, Rússia, Canadá, Hong Kong, Coreia do Sul, Indonésia e Ucrânia. A partir de 2001/2002, foram efetuados registros das importações desses países. EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Exportação IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES Importação 1º Chile ,2 2º Estados Unidos ,2 3º África do Sul ,1 4º Turquia 209 8,3 5º Índia 175 6,9 6º México 170 6,7 7º União Europeia*** 160 6,4 8º China 125 5,0 9º Australia 80 3,2 Demais es (8) 153 6,1 Exportação Total ,0 1º Estados Unidos ,4 2º União Europeia*** ,4 3º Rússia ,5 4º Canadá 170 7,3 5º Hong Kong 165 7,1 6º China 165 7,1 7º México 65 2,8 8º Coreia do Sul 60 2,6 9º Indonésia 55 2,4 Demais es (11) 149 6,4 Importação Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 28 países 61

62 UVA OFERTA E DEMANDA Oferta Demanda / / / / / / / / / / / / /2013* Nota: A oferta é igual à soma da produção e importação no ano corrente. A demanda é igual à soma do consumo de frutas frescas, exportação e perdas anuais. Consumo 1º China ,7 CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES 2º União Europeia** ,9 3º Turquia ,7 4º Brasil ,5 5º Estados Unidos ,6 6º Índia 829 4,9 7º Rússia 431 2,5 8º Ucrânia 370 2,2 9º Chile 365 2,2 Demais es (11) 975 5,8 Consumo Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico in natura. Nota: Como o estoque final de uva tende a zero, em função da igualdade entre oferta e demanda deste produto, não são apresentadas as relações que configuram a capacidade de abastecimento alimentar. * Estimativa ** Composta por 28 países 62

63 63 CADEIAS PRODUTIVAS BASE PECUÁRIA

64 BOVINOCULTURA LEITE FLUIDO 64

65 LEITE FLUIDO PRODUÇÃO E VACAS EM LACTAÇÃO Produção Vacas em Lactação (mil cabeças) * VACAS EM LACTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2014) Vacas em lactação (mil cabeças) 1º Índia ,7 2º União Europeia** ,4 3º Brasil ,8 4º Estados Unidos ,6 5º China ,3 6º Rússia ,0 7º México ,5 8º Nova Zelândia ,6 9º Ucrânia ,8 Demais es (7) ,2 Vacas em Lactação (Total) ,0 PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2014) Produção 1º União Europeia** ,5 2º Índia ,9 3º Estados Unidos ,4 4º China ,8 5º Brasil ,9 6º Rússia ,5 7º Nova Zelândia ,6 8º Argentina ,2 9º Ucrânia ,0 Demais es (7) ,1 Produção Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 65

66 LEITE FLUIDO EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação 422 Importação * EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2014) Exportação 1º União Europeia** ,2 2º Nova Zelândia ,2 3º Austrália 97 13,4 4º China 25 3,5 5º Argentina 14 1,9 6º Ucrânia 10 1,4 7º México 9 1,2 8º Rússia 5 0,7 9º Canadá 4 0,6 Demais es - - Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2014) Importação 1º Rússia ,8 2º China ,4 3º Filipinas 50 6,2 4º México 45 5,6 5º Canadá 40 5,0 6º Brasil 16 2,0 7º Ucrânia 12 1,5 8º União Europeia** 3 0,4 9º Nova Zelândia 1 0,1 Demais es - - Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 66

67 LEITE FLUIDO OFERTA E DEMANDA Oferta Demanda * Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. Consumo 1º União Europeia** ,5 CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES (2014) 2º Índia ,9 3º Estados Unidos ,4 4º China ,9 5º Brasil ,9 6º Rússia ,6 7º Nova Zelândia ,6 8º Argentina ,2 9º Ucrânia ,0 Demais es (7) ,1 Consumo Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico Nota: Como o estoque final de leite fluido tende a zero, em função da igualdade entre oferta e demanda deste produto, não são apresentadas as relações que configuram a capacidade de abastecimento alimentar. * Estimativa ** Composta por 28 países 67

68 BOVINOCULTURA LEITE EM PÓ 68

69 LEITE EM PÓ* PRODUÇÃO Produção ** * Refere-se ao leite em pó integral. Produção PRODUÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2014) 1º Nova Zelândia ,0 2º China ,0 3º União Europeia*** ,0 4º Brasil ,1 5º Argentina 294 6,3 6º México 150 3,2 7º Austrália 130 2,8 8º Chile 75 1,6 9º Indonésia 72 1,6 Demais es (3) 106 2,3 Produção Total ,0 ** Estimativa *** Composta por 28 países 69

70 LEITE EM PÓ EXPORTAÇÃO E IMPORTAÇÃO Exportação Importação * EXPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2014) Exportação 1º Nova Zelândia ,8 2º União Europeia** ,0 3º Argentina ,1 4º Austrália 100 4,8 5º Chile 13 0,6 6º Estados Unidos 12 0,6 7º Filipinas 10 0,5 8º México 5 0,2 9º China 5 0,2 Demais es (1) 2 0,1 Exportação Total ,0 IMPORTAÇÃO RANKING DOS PAÍSES (2014) Importação 1º China ,7 2º Argélia ,6 3º Brasil 58 5,3 4º Indonésia 55 5,1 5º Rússia 50 4,6 6º Filipinas 36 3,3 7º Taiwan 30 2,8 8º México 12 1,1 9º Austrália 10 0,9 Demais es (5) 18 1,7 Importação Total ,0 * Estimativa ** Composta por 28 países 70

71 Oferta Demanda LEITE EM PÓ OFERTA E DEMANDA * Nota: A oferta é igual à soma da produção, importação e do estoque inicial no ano corrente. A demanda é igual à soma entre o consumo e a exportação anuais. CONSUMO 1 RANKING DOS PAÍSES (2014) Consumo 1º China ,9 2º Brasil ,6 3º União Europeia** 277 7,4 4º Argélia 170 4,6 5º México 157 4,2 6º Indonésia 127 3,4 7º Rússia 108 2,9 8º Argentina 92 2,5 9º Chile 70 1,9 Demais es (6) 140 3,7 Consumo Total ,0 ESTOQUE FINAL RANKING DOS PAÍSES (2014) Estoque Final 1º Nova Zelândia ,7 2º Argentina 30 14,5 3º Chile 25 12,1 4º Austrália 24 11,6 5º Indonésia 7 3,4 6º Argélia 7 3,4 7º Estados Unidos 5 2,4 8º º Demais es - - Estoque Final Total ,0 1 Referente ao Consumo Doméstico * Estimativa ** Composta por 28 países 71

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO PERFIL DO AGRONEGÓCIO MUNDIAL SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Março/2013 2 ÍNDICE 03. Apresentação 04. População Mundial 05. População ocupada 06. PIB Mundial 07. PIB per capita Mundial 08. Exportação Mundial

Leia mais

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO REFLEXOS DO CENÁRIO ECONÔMICO MUNDIAL SOBRE O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO JOÃO CRUZ REIS FILHO SECRETÁRIO DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO Brasília/DF JULHO DE 2015 22 CENÁRIO POPULACIONAL

Leia mais

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias

EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DO CAPÍTULO 71 DA NCM. Por Principais Países de Destino. Janeiro - Dezembro. Bijuterias Bijuterias Principais Países 2010 2011 2012 2013 2014 US$ mil 2014/ 2013 Estados Unidos 5.667 3.828 2.668 3.491 5.006 43 Colômbia 407 800 748 1.112 993-11 França 1.085 931 910 998 969-3 Argentina 2.112

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2015. COMPARAÇÃO DO MÊS DE FEVEREIRO DE

Leia mais

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA

ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA ANEXO B. DADOS MUNDIAIS DE ENERGIA 1. OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA GRÁFICO B.1: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR FONTE GRÁFICO B.2: OFERTA MUNDIAL DE ENERGIA POR REGIÃO (*) (*) Excluindo bunkers marítimos internacionais

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE FEVEREIRO 2015 FRANCA Página População...... 2 Piso salarial do sapateiro... 2 Número de funcionários na indústria de calçados...... 2 Admissões e demissões do

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 14/06/11 12/07/11 09/08/11 06/09/11 04/10/11 01/11/11 29/11/11 27/12/11 24/01/12 21/02/12 20/03/12 17/04/12 15/05/12 12/06/12 10/07/12 07/08/12 04/09/12

Leia mais

Santa Maria - RS

Santa Maria - RS MERCADO INTERNO E DE EXPORTAÇÃO DE PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL XXVI CONGRESSO BRASILEIRO DE ZOOTECNIA ZOOTEC 2016 SIMPÓSIO III: MARKETING E EMPREENDEDORISMO Santa Maria - RS 13-05-2016 POSIÇÃO DO BRASIL

Leia mais

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES

MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES MOEDAS, JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS E COMMODITIES 23/09/11 21/10/11 18/11/11 16/12/11 13/01/12 10/02/12 09/03/12 06/04/12 04/05/12 01/06/12 29/06/12 27/07/12 24/08/12 21/09/12 19/10/12 16/11/12 14/12/12

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA

RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA RELATÓRIO MENSAL - NICC POLO FRANCA ÍNDICE AGOSTO 2012 FRANCA 01) População 02) Piso salarial do sapateiro 03) Número de funcionários na indústria de calçados 04) Admissões e demissões do setor calçadista

Leia mais

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul.

Exportações no período acumulado de janeiro até maio de Total das exportações do Rio Grande do Sul. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de maio de 2015. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de outubro de 2014. COMPARAÇÃO DO MÊS OUTUBRO COM O MÊS

Leia mais

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO

RELATÓRIO SOBRE AS EXPORTAÇÕES E IMPORTAÇÕES DO AGRONEGÓCIO GAÚCHO Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de dezembro de 2014. COMPARAÇÃO DO MÊS DEZEMBRO COM O MÊS

Leia mais

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação

Membros da MIGA. Agência Multilateral de Garantia de Investimentos. Data de afiliação Membros da MIGA Agência Multilateral de Garantia de Investimentos Membro Data de afiliação África do Sul 10 de março de 1994 Albânia 15 de outubro de 1991 Alemanha 12 de abril de 1988 Angola 19 de setembro

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.50% 9.00% 10.00% 10.50% 11.00%

Leia mais

Resultados de 2015 Perspectivas para Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio

Resultados de 2015 Perspectivas para Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Resultados de 2015 Perspectivas para 2016 Secretaria de Relações Internacionais do Agronegócio Agronegócio na Balança Comercial 300 250 37,9% 37,1% 39,5% 41,3% 43,0% 45,9% 50% 45% 40% 200 35% 30% US$ Bilhões

Leia mais

JUROS E RISCO BRASIL

JUROS E RISCO BRASIL JUROS E RISCO BRASIL META DA TAXA SELIC FONTE: BANCO CENTRAL 11.75% 13.00% 13.75% 12.75% 11.25% 10.25% 8.75% 9.50% 10.25% 10.75% 11.25% 12.50% 11.00% 10.50% 9.75% 9.00% 8.50% 8.00% 7.25% 8.00% 8.50% 9.00%

Leia mais

Total das exportações do Rio Grande do Sul. Exportações no período acumulado de janeiro a fevereiro de 2016.

Total das exportações do Rio Grande do Sul. Exportações no período acumulado de janeiro a fevereiro de 2016. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio exterior do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de fevereiro de 2016. Total das exportações do Rio Grande do

Leia mais

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA

MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio. Camila Sande Especialista em Negociações CNA MADEIRA 2016 O Brasil e as negociações internacionais de comércio Camila Sande Especialista em Negociações CNA 16 de junho de 2016 Agronegócio consumo doméstico e exportação Exportação Consumo Doméstico

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS TAXA DE JUROS DO TÍTULO DE 10 ANOS DO TESOURO AMERICANO 2006-2013. Fonte: Bloomberg ESTADOS UNIDOS: TAXAS DE JUROS DE 10 ANOS (% a.a.) 03/04/14

Leia mais

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações

Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Agronegócio e o Plano Nacional de Exportações Alinne B. Oliveira Superintendente de Relações Internacionais Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil CNA 17 de novembro de 2015. O agronegócio e

Leia mais

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO

COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO COMPORTAMENTO DO RISCO BRASILEIRO 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14

Leia mais

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES

JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS, BOLSAS INTERNACIONAIS, MOEDAS E COMMODITIES JUROS 21/02/14 14/03/14 04/04/14 25/04/14 16/05/14 06/06/14 27/06/14 18/07/14 08/08/14 29/08/14 19/09/14 10/10/14 31/10/14 21/11/14 12/12/14 02/01/15

Leia mais

Importações no período acumulado de janeiro até dezembro de 2015.

Importações no período acumulado de janeiro até dezembro de 2015. Este relatório tem por objetivo apresentar os principais números referentes ao comércio internacional do agronegócio do Rio Grande do Sul no mês de dezembro de 2015. Total das exportações do Rio Grande

Leia mais

MUNDO. Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014

MUNDO. Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014 Elaboração: EMBRAPA TRIGO/Socioeconomia JANEIRO, 2014 MUNDO Tabela 1. Área, rendimento e oferta e demanda de TRIGO no mundo, safras 2011/12, 2012/13 e 2013/14. Item 2011/2012 2012/2013(A) 2013/2014 (B)

Leia mais

O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira

O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira O Agronegócio e o Sucesso do Brasil no Mercado de Carnes Gedeão Silveira Pereira Vice Presidente FARSUL Terra arável disponível, por pessoa no mundo Brasil EUA Rússia Índia China União Européia Congo Austrália

Leia mais

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO

AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO AMEAÇAS E OPORTUNIDADES PARA O AGRONEGÓCIO BRASILEIRO Junho/2008 Três Pontas/MG Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento DIMENSÃO DEMOGRÁFICO DIMENSÃO SOCIOECONÔMICA DIMENSÃO SEGURANÇA

Leia mais

o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA INTRODUÇÃ

o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA INTRODUÇÃ - o BRASIL E O COMÉRCIO MUNDIAL DE CARNE BOVINA Oscar Tupy1 INTRODUÇÃ O Este trabalho tem por objetivo mostrar de forma compacta as tendências mundiais de consumo, produção e comércio de carne bovina.

Leia mais

Estatística e Probabilidades

Estatística e Probabilidades Estatística e Probabilidades Nesse resumo vamos mostrar como a análise crítica de séries estatísticas podem contribuir para uma compreensão mais precisa da realidade. Todos os dias ouvimos falar sobre

Leia mais

Avicultura e Suinocultura: Cenário Nacional e Mundial Desafios e Oportunidades

Avicultura e Suinocultura: Cenário Nacional e Mundial Desafios e Oportunidades FRANCISCO TURRA Presidente Executivo Avicultura e Suinocultura: Cenário Nacional e Mundial Desafios e Oportunidades Brasil é o 4º Maior Exportador Mundial de Produtos Agrícolas Exportação de produtos agrícolas

Leia mais

Carne de Frango Var. Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1%

Carne de Frango Var. Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1% Carne de Frango Produção (milhões ton) Exportação (milhões ton) Disponibilidade (milhões ton) 2014 2015 Var. 12,69 13,146 3,58% 4,03 4,3 5% 8,59 8,84 3,1% Per capita (kg) 42,7 43,25 1,1% 2016 Produção

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Dezembro 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Dezembro Janeiro a Dezembro 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var.

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos TRIGO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Voltagens e Configurações de Tomadas

Voltagens e Configurações de Tomadas Afeganistão C, D, F 240 V África Central C, E 220 V África do Sul C, M, 230 V Albânia C, F, L 230 V Alemanha C, F 230 V American Samoa A, B, F, I 120 V Andorra C, F 230 V Angola C 220 V Anguilla A, B 110

Leia mais

Resultados de Junho de 2014

Resultados de Junho de 2014 Junho / 2014 Resultados de Junho de 2014 - Exportação: US$ 20,5 bi, em valor, e média diária de US$ 1,023 bilhão; sobre mai-14, aumento de 3,6%, pela média diária; sobre jun-13, redução de 3,5%, pela média

Leia mais

Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas.

Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas. Recursos e Ofertas de Energia Recursos e oferta de energia - petróleo e gás natural. Ano base 2004 (Resources and energy supplies - oil and natural gas. Base year 2004) Eng. Doutoranda Vanessa Meloni Massara

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS ASSOCIAÇÃO COMERCIAL DE MINAS PALESTRA CAMINHOS PARA O CRESCIMENTO DAS EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO Belo Horizonte, 30 de agosto de 2016 2 - REALIDADE BRASIL: PAÍS EXPORTADOR DE PESO

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos SOJA DEZEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha

Embaixadas do Brasil no Mundo - Alemanha 1. edestinos.com.br 2. Dicas de viagem Última atualização: 30.09.2016 Passagens aéreas Bagagem Check-in e serviço de bordo Como reservar passagens aéreas Saúde durante a viagem FAQ Passageiras grávidas

Leia mais

Regras Especiais de Procedimento para o Comitê de Políticas Especiais e Descolonização (SpecPol)

Regras Especiais de Procedimento para o Comitê de Políticas Especiais e Descolonização (SpecPol) Regras Especiais de Procedimento para o Comitê de Políticas Especiais e Descolonização (SpecPol) 1. Fluxo do debate 1.1. No debate formal, o tempo limite para discurso será de 2 (dois) minutos. 1.2. Nos

Leia mais

Mercado internacional do agro - análise FEVEREIRO/2017

Mercado internacional do agro - análise FEVEREIRO/2017 Mercado internacional do agro - análise FEVEREIRO/2017 Exportações tem caído em valores Balança Agrícola Brasileira US$ Bilhões Fonte: AgroStat a partir dos dados da SECEX/MDIC Dados extraídos em 06/01/2017.

Leia mais

AVANÇOS EM TECNOLOGIA: - Investimentos crescentes em P&D - Aumento da capacidade não-letal e maior precisão das armas - Custos crescentes dos equipamentos - Automação e robotização - Atuação em rede x

Leia mais

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016

Comércio Exterior de Mato Grosso do Sul / Desempenho Industrial Julho 2016 >> Exportações de produtos industriais Mato Grosso do Sul - Exportação de Produtos Industriais (Receita - US$) Grupos de Produtos Industriais Julho Janeiro a Julho 2015 2016 Var. % 2015 2016 Var. % Celulose

Leia mais

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL

DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL DADOS DAS EXPORTAÇÕES DE MEL EXPORTAÇÃO BRASILEIRA DE MEL 2009 a 2014 (NCM 04.09.00.00) ANO 2009 2010 2011 2012 2013 2014 Meses US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor Kg US$ KG Valor

Leia mais

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU

NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS. Lista da ONU NOMES DE PAÌSES EM PORTUGUÊS Lista da ONU Países-membros das Nações Unidas Segue-se a lista dos 192 países-membros das Nações Unidas, de acordo com a ordem alfabética de seus nomes em português, com as

Leia mais

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX

Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX Agosto/2009 VOLATILIDADE CAMBIAL VOLATILIDADE CAMBIAL DEPECON / DEREX 1 A importância da taxa de câmbio para a economia brasileira A taxa de câmbio é um dos principais preços da economia, pois: Determina

Leia mais

O Brasil e o Mercado Internacional de Carnes

O Brasil e o Mercado Internacional de Carnes O MERCADO INTERNACIONAL DE CARNES E A ECONOMIA BRASILEIRA Flávia Maria de Mello Bliska 1 Joaquim José Martins Guilhoto 2 Este artigo tem por objetivo mostrar a participação do Brasil no mercado internacional

Leia mais

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO

QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO QUALIDADE DAS INSTITUIÇÕES E CRESCIMENTO ECONÔMICO Adolfo Sachsida* 1 INTRODUÇÃO O objetivo deste artigo é mostrar a importância da qualidade das instituições sobre o desenvolvimento e o crescimento econômico.

Leia mais

DESAFIOS E EXPECTATIVAS DAS INDUSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES

DESAFIOS E EXPECTATIVAS DAS INDUSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS INDÚSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES INDUSTRIALIZADAS DESAFIOS E EXPECTATIVAS DAS INDUSTRIAS EXPORTADORAS DE CARNES Antônio Camardelli Diretor Executivo Novembro, 2006 Panorama geral

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 07/12/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL

2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL 2015 ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL O QUE É O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 2 POR QUE USAR O ÍNDICE DE PROGRESSO SOCIAL? Substituir pela versão em português 3 DEFINIÇÃO DE

Leia mais

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda

Quadro Geral de Regime de Vistos para a Entrada de Estrangeiros no Brasil (Atualizado em 08/04/2016) Legenda Ministério das Relações Exteriores Subsecretaria-Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior Departamento de Imigração e Assuntos Jurídicos Divisão de Imigração Quadro Geral de Regime de Vistos para

Leia mais

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS

INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS INTERMODAL SOUTH AMERICA CONFERÊNCIA INFRAPORTOS PAINEL PERSPECTIVAS E INVESTIMENTOS NO SETOR PALESTRA VIABILIDADE DAS EXPORTAÇÕES DEPENDE DOS PORTOS JOSÉ AUGUSTO DE CASTRO São Paulo, 02 de abril de 2013

Leia mais

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016

Tarifário 2016 Em vigor a partir de 5/9/2016 Uzo Original Destino Preço por Minuto/SMS/MMS Voz Todas as redes nacionais 0,193 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,145 SMS Todas as redes nacionais 0,098 SMS (tarifa reduzida) Todas as redes

Leia mais

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3

Brasil FedEx International Priority. FedEx International Economy 3 SERVIÇOS E TARIFAS Soluções FedEx para o seu negócio Caso você tenha necessidade de enviar documentos urgentes, economizar em remessas regulares ou enviar cargas pesadas, a FedEx tem uma solução de transporte

Leia mais

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior

NOVA ZELÂNDIA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC NOVA ZELÂNDIA Comércio Exterior Março de 2016 Principais indicadores

Leia mais

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014

Benfica Telecom Tarifário 2014 em vigor a partir de 1/1/2014 Benfica Telecom Destino preço por minuto / sms / mms Voz Todas as redes nacionais 0,190 Voz (tarifa reduzida) Todas as redes nacionais 0,084 SMS Todas as redes nacionais 0,095 SMS (tarifa reduzida) Todas

Leia mais

Es t i m a t i v a s

Es t i m a t i v a s Brasileiros no Mundo Es t i m a t i v a s Ministério das Relações Exteriores - MRE Subsecretaria Geral das Comunidades Brasileiras no Exterior - SGEB Departamento Consular e de Brasileiros no Exterior

Leia mais

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA

A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2003 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA A ECONOMIA NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 23 CRESCIMENTO MODESTO PUXADO PELA INDÚSTRIA O PIB brasileiro registrou crescimento de,4% no terceiro trimestre de 23, na comparação com o trimestre anterior (ajustado

Leia mais

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016

CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CARNE AVÍCOLA NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002

DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 DESEMPENHO MACROECONÔMICO NO TERCEIRO TRIMESTRE DE 2002 Nos nove primeiros meses de 2002, a economia brasileira cresceu 0,9% em relação ao mesmo período de. No terceiro trimestre de 2002, o aumento foi

Leia mais

Bilhões de Pessoas. Cenário Global. Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro

Bilhões de Pessoas. Cenário Global. Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro Maringá(PR) 18.05.2012 Bilhões de Pessoas Cenário Global Demanda População Mundial Mundial por Alimentos Fonte: ONU (dez/2010). Elaboração:FIEP-Deagro Cenário Global Urbanização 1,34 bi hab. 1,2 bi hab.

Leia mais

BRASIL E O AGRONEGÓCIO

BRASIL E O AGRONEGÓCIO FRANCISCO TURRA Presidente Executivo BRASIL E O AGRONEGÓCIO A ABPA Maior entidade da cadeia de proteína animal do Brasil; 132 associados, entre produtores e exportadores de aves, suínos, ovos, genética,

Leia mais

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010

Tabela ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 Tabela 3.26 - ALUNOS REGULARES ESTRANGEIROS MATRICULADOS NO MESTRADO POR PAÍS DE ORIGEM EM 2010 ALUNOS REGULARES / UNIDADE ALEMANHA - - - - - 1 - - - - 1 - - - - - - - - - 2 ANGOLA - - - - - - - 1-1 -

Leia mais

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO

mensário estatístico - exportação Fevereiro 2011 ALCOOL ETILICO mensário estatístico - ALCOOL ETILICO CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos

Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos Julho de 2014 Avanço no campo garantiu ganho de participação do Brasil na produção e no comércio mundial de commodities agrícolas nos últimos anos Priscila Pacheco Trigo Departamento de Pesquisas e Estudos

Leia mais

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS

A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS A FORMAÇÃO DOS BLOCOS ECONÔMICOS PROF. DE GEOGRAFIA: BIANCA 1º TRIM - GEOGRAFIA 2016 INTRODUÇÃO Para a formação dos blocos econômicos, os países firmam acordos comerciais, estabelecendo medidas que visam

Leia mais

Perspectivas para 2012

Perspectivas para 2012 Abiplast Perspectivas para 2012 Antonio Delfim Netto 2 de Dezembro de 2011 São Paulo, SP 1 I.Mundo: Década de 80 e 2010 (% do PIB) 30% 23% 31% 24% 37% 22% 3,7% 3,3% 8% 7% 4,2% 4,0% 1,5% 1,2% Fonte: FMI,

Leia mais

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado

FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado FIESP - 8º Encontro de Logística e Transportes A Hora do Investimento Privado Painel: Logística e Competitividade Mineração e Agronegócio: Superando Obstáculos para o Escoamento da Produção (São Paulo-SP,

Leia mais

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves

ISSN Versão Eletrônica Outubro, Documentos. ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Documentos 146 ANUÁRIO ESTATÍSTICO - SUINOCULTURA Central de Inteligencia da Embrapa Suínos e Aves ISSN 0101-6245 Versão Eletrônica Outubro, 2011 Empresa

Leia mais

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050

5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 5 maiores Problemas da Humanidade até 2050 Água Energia Evolução da População Mundial 1950 2011 2050 2,5 bi 7,5 bi 9,3 bi Evolução dos Famintos 1950 2011 2050 0,5 bi 0,9 bi 1,3 bi Alimentos Lixo Pobreza

Leia mais

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS

Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto Unidade de Estudos Econômicos UNIDADE DE ESTUDOS ECONÔMICOS Balança Comercial do Rio Grande do Sul Agosto 2015 Unidade de Estudos Econômicos O COMÉRCIO EXTERIOR DO RS EM AGOSTO Exportações As exportações da indústria registraram o nível mais baixo para o mês desde

Leia mais

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin.

GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD. Professor Rodolfo Visentin. GEOGRAFIA AGRÁRIA CACD Professor Rodolfo Visentin. QUE É GEOGRAFIA AGRÁRIA A estrutura agrária reúne as condições sociais e fundiárias de um espaço, envolvendo aspectos referentes á legalidade das terras,

Leia mais

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS

mensário estatístico - exportação Janeiro 2011 CAFÉ EM GRÃOS mensário estatístico - CAFÉ EM GRÃOS CONDIÇÕES Este relatório foi preparado pela Linus Galena Consultoria Econômica exclusivamente para uso de seus clientes e não poderá ser circulado, reproduzido, distribuído

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

SENEGAL Comércio Exterior

SENEGAL Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC SENEGAL Comércio Exterior Agosto de 2015 Principais Indicadores

Leia mais

Emissões de CO 2 na geração de energia

Emissões de CO 2 na geração de energia Emissões de CO 2 na geração de energia São Paulo, 03 de junho de 2008 Danielle Magalhães Ministério da Ciência e Tecnologia Coordenação-Geral de Mudança Global de Clima Compromissos dos Países na Convenção-Quadro

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das

CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no uso das Resolução nº 1.818, de 19 de setembro de 2009. Altera o valor das diárias definidos pela Resolução nº 1.745, de 26 de janeiro de 2005, e dispõe sobre demais assuntos. O CONSELHO FEDERAL DE ECONOMIA, no

Leia mais

ARGENTINA. Comércio Exterior

ARGENTINA. Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC ARGENTINA Comércio Exterior Janeiro de 2016 Principais Indicadores

Leia mais

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016

DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos AÇÚCAR E ETANOL NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas

Leia mais

Tabelas Anexas Capítulo 1

Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabelas Anexas Capítulo 1 Tabela anexa 1.1 População, segundo grandes regiões Brasil e Estado de São Paulo 1980-2007 1-3 Tabela anexa 1.2 Analfabetos e total de pessoas na população de 15 anos ou mais,

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved.

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO. Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO McGraw-Hill/Irwin Copyright 2011 by The McGraw-Hill Companies, Inc. All Rights Reserved. O QUE É A MACROECONOMIA? Macroeconomia é o estudo do comportamento da economia como um todo

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, aos clientes do Bradesco. CENÁRIO MACROECONÔMICO JANEIRO DE 2016 FABIANA D ATRI Departamento

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 2º Trimestre de 2013 Coordenação de Contas Nacionais 30 de agosto de 2013 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

Agronegócio. Internacional. Soja Campeã. Boletim do. Recordistas de vendas no valor exportado total Jan-Mai 2014/2013. Edição 01 - Junho de 2014

Agronegócio. Internacional. Soja Campeã. Boletim do. Recordistas de vendas no valor exportado total Jan-Mai 2014/2013. Edição 01 - Junho de 2014 Boletim do Agronegócio Internacional Edição 01 - Junho de 2014 Soja Campeã A soja em grão foi o principal produto exportado pelo país de janeiro a maio, representando 13,9% das exportações totais. O minério

Leia mais

JAPÃO Comércio Exterior

JAPÃO Comércio Exterior Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC JAPÃO Comércio Exterior Dezembro de 2014 Índice. Dados Básicos.

Leia mais

INFORMAÇÃO SOBRE O MERCADO INTERNACIONAL DE CEREAIS E AÇÚCAR. Perspectivas 2010

INFORMAÇÃO SOBRE O MERCADO INTERNACIONAL DE CEREAIS E AÇÚCAR. Perspectivas 2010 Agência Nacional de Segurança Alimentar INFORMAÇÃO SOBRE O MERCADO INTERNACIONAL DE CEREAIS E AÇÚCAR Perspectivas 2010 Ano: 2010 Mês: Janeiro 1. Resumo Global As perspectivas para a produção mundial de

Leia mais

DESEMPENHO DA CARNE DE FRANGO EM 2007 E PERSPECTIVAS PARA 2008

DESEMPENHO DA CARNE DE FRANGO EM 2007 E PERSPECTIVAS PARA 2008 DESEMPENHO DA CARNE DE FRANGO EM 2007 E PERSPECTIVAS PARA 2008 MERCADO INTERNACIONAL O Brasil é o terceiro maior produtor mundial de frangos, precedido pelos Estados Unidos e pela China e é o quarto consumidor,

Leia mais

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso

DDI VIA EMBRATEL Relação de países e seus respectivos códigos de acesso PAIS CODIGO ACESSO DDI AFEGANISTAO 93 N AFRICA DO SUL 27 S ALASCA 1 S ALBANIA 355 S ALEMANHA 49 S ANDORRA 376 S ANGOLA 244 S ANGUILLA 1 S ANT.HOLANDESAS 599 S ANTIGUA 1 S ARABIA SAUDITA 966 S ARGELIA 213

Leia mais

SEAB Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento DERAL - Departamento de Economia Rural. MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013

SEAB Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento DERAL - Departamento de Economia Rural. MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013 MILHO PARANENSE - SAFRA 2013/14 Novembro de 2013 A estimativa para a 1ª safra de milho, temporada 2013/14, aponta uma redução de aproximadamente 180 mil hectares, que representa um decréscimo de 23% em

Leia mais

CAFÉ NOVEMBRO DE 2016

CAFÉ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC - Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos CAFÉ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

IPD Instituto de Promoção do Desenvolvimento NORDESTE SUSTENTÁVEL - Produção Orgânica no Brasil. Ming Chao Liu

IPD Instituto de Promoção do Desenvolvimento NORDESTE SUSTENTÁVEL - Produção Orgânica no Brasil. Ming Chao Liu IPD Instituto de Promoção do Desenvolvimento NORDESTE SUSTENTÁVEL - Produção Orgânica no Brasil Joao Pessoa 30 de Junho de 2011 Ming Chao Liu Coordenador Executivo Agricultura Orgânica O Censo Agropecuário

Leia mais

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP

Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Estratégia nacional Inserção internacional Mudanças sócio-demográficas Fernando Nogueira da Costa Professor do IE-UNICAMP Inserção Internacional Islândia Inglaterra Oceano Atlântico França Espanha Itália

Leia mais

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017

CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO. Janeiro de 2017 CENÁRIO MACROECONÔMICO PARA O BRASIL E MUNDO Janeiro de 2017 1 1 AMBIENTE INTERNACIONAL Fim do longo ciclo de commodities, com estabilização dos preços nos últimos meses. Desaceleração moderada da China.

Leia mais

Dezembro/2015 Belo Horizonte - MG

Dezembro/2015 Belo Horizonte - MG SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE MINAS GERAIS SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO Dezembro/2015 Belo Horizonte - MG 2 03. Apresentação ÍNDICE 04. Dados de Minas Gerais 05. Área,

Leia mais

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar.

INTERNA. Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. INTERNA Este documento foi classificado como confidencial pelo Depec, e o acesso está autorizado, exclusivamente, a Ocepar. 1 DESAFIOS E INCERTEZAS DO CENÁRIO MACROECONÔMICO BRASILEIRO E GLOBAL 2 2 Fabiana

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos MILHO NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008

Brasil e o MDL. Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo. Britcham. São Paulo 30 de setembro de 2008 Brasil e o MDL Situação Atual do MDL no Brasil e no Mundo Britcham São Paulo 30 de setembro de 2008 Gustavo Mozzer Ministério da Ciência e Tecnologia Assessor Técnico da Secretária Executiva da Comissão

Leia mais

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E

DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R A Q U E Ministério das Relações Exteriores - MRE Departamento de Promoção Comercial e Investimentos - DPR Divisão de Inteligência Comercial - DIC DADOS BÁSICOS E PRINCIPAIS INDICADORES ECONÔMICO-COMERCIAIS I R

Leia mais

Cadeia Produtiva do Café

Cadeia Produtiva do Café UNIVERSIDADE FEDERAL DO PAMPA CURSO SUPERIOR DE TECNOLOGIA EM AGRONEGÓCIO Cadeia Produtiva do Café ACADÊMICOS: Anderson Carrion, Cândido de Moraes, Gustavo Bastos, Joélio Maia, Julio Cordeiro ORIGEM Essa

Leia mais