22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D."

Transcrição

1 Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta M. D. Cardozo Descrição do Fluxo Operacional - Recepção Os produtos chegam a granel em caminhões ou carretas; A classificação considera aspectos físicos do produtos: Umidade, impurezas, ph, presença de insetos, odor,etc; Retirada de sementes ou grãos imaturos, rachados, partidos, ervas daninhas, material inerte, pedaços de plantas; Descrição do Fluxo Operacional Recepção Qualidades físicas, fisiológicas e sanitárias que possibilitam a boa classificação em padrões comerciais; A classificação determina a destinação do produto às diversas moegas e aos silos e armazéns; Descrição do Fluxo Operacional Pré-Limpeza e Limpeza Índice de impurezas elevadas: dificuldades à secagem e armazenamento Importância da limpeza: Secagem mais uniforme, diminuição do risco de incêndio, eficiência de secagem Consequência no armazenamento: Passagem de ar na aeração não é obstruída, Material mais uniforme, Menos suscetível ao ataque de insetos. Descrição do Fluxo Operacional Pré-Limpeza Operação preliminar nos grãos de uma Usina Beneficiadora de Grãos para facilitar as operações posteriores; Feita antes da secagem Elimina folhas, ramos, torrões, poeira Reduz para 4% o teor final de impurezas. Na pré-limpeza as impurezas são coletadas e transportadas para descarte; 1

2 Descrição do Fluxo Operacional Limpeza Operação terminal nos grãos numa Usina de Beneficiamento de Grãos; Separa impurezas remanescentes da pré-limpeza; Reduz para 1% o teor de impurezas final da massa; Grãos quebrados são transportados para um silo de resíduos, favorecendo assim a conservação dos grãos nos silos e graneleiros (facilita a aeração). Equipamento de Limpeza Classificação quanto ao princípio de funcionamento Insuflação ou Aspiração de ar Peneiramento dos grãos Insuflação ou Aspiração de ar Máquinas de ar: Flutuação dos corpos na corrente de ar Arraste dos corpos mais leves Peneiramento São colocados sobre tela ou chapa perfurada, e por movimento vibratório ou oscilatório, existe a separação entre impurezas e grãos. Peneira crivo circular Peneira crivo Retangular 2

3 Máquinas de Peneiramento Fatores a considerar na limpeza Tipo de grão Dimensões das peneiras Teor de impurezas de entrada dos grãos Umidade da massa de grãos Inclinação das peneiras Dimensões dos furos Rotação do excêntrico Limpeza das peneiras Nivelamento e fixação da máquina Tipo do grão Dimensões das peneiras Peso específico, dimensão e forma Influência no desempenho das máquinas de ar e peneiras: a vazão necessária na caixa de ar e as peneiras deverão ser diferentes para cada grão. Largura e comprimento Largura: relacionada com a produção em volume de grãos da máquina. Comprimento: relacionado com a qualidade de saída dos produtos da máquina Impurezas de entrada Impurezas na entrada proporcional às impurezas na saída Ex: Máquina da pré-limpeza: Receberá 20t/h do produto com 8% de impurezas na entrada e 2% na saída. Receberá 40t/h do mesmo produto com 4% de impurezas e saída com 2%. Umidade da massa do grão Quanto mais úmido estiver o grão, menor o desempenho da máquina Maior tempo Aderência de partículas 3

4 Inclinação das peneiras Afeta o desempenho das máquinas Tela superior Maior inclinação: maior tendência dos grãos passarem sobre ela, diminuindo a quantidade de grãos que ficam na máquina. Menor inclinação: o produto final da tela superior estará mais sujo, mas em volume maior. A quantidade de produto que irá para a segunda peneira será menor, mas com uma eficiência maior. Inclinação das peneiras Tela inferior Maior inclinação: maior tendência dos grãos passarem sobre ela, aumentando a quantidade de grãos que saem da máquina. Assim, a eficiência de peneiramento desta será menor, com produto mais sujo na saída, mas em maior volume. Inclinação das peneiras Tela inferior Menor inclinação: passará mais grãos pela tela, tendo um produto final de melhor qualidade, mas com menor volume. Inclinações empíricas: Tela superior com 4º e inferior com 6º. Dimensões dos furos da peneira Tela superior Quanto maior os furos, maior a tendência dos grãos passarem sobre ela, diminuindo a quantidade de grãos que ficam na máquina. Quanto menor os furos: o produto final da tela superior estará mais sujo, mas em volume maior. Assim, a quantidade de produto que irá para a segunda peneira será menor, mas com uma eficiência maior. Dimensões dos furos da peneira Tela inferior Quanto maior os furos, maior tendência dos grãos passarem sobre ela, aumentando a quantidade de grãos que saem da máquina. Eficiência de peneiramento desta será menor, com produto mais sujo na saída, mas em maior volume. Quanto menor os furos, passará menos grãos pela tela, tendo um produto final de melhor qualidade, mas com menor volume. Rotação do Excêntrico Quando a rotação estiver acima do ideal, o produto passará muito rápido sobre a máquina. Quando estiver abaixo do ideal, ficará muito tempo sobre as peneiras. 4

5 Limpeza das peneiras Nivelamento e Fixação da máquina Se os furos estiverem obstruídos, o processo será prejudicado. Deve-se usar a mesma espessura da camada de grãos por toda a largura da tela. Só vamos conseguir com a máquina de ar e peneiras perfeitamente nivelada e fixada à base de concreto. Observações sobre máquinas de Limpeza Fluxo de entrada de grãos na máquina deve ser regulado de maneira que, sobre a 1ª tela tenha grãos apenas até a metade do seu comprimento A área útil ocupada pela máquina de limpeza é o espaço ocupado por sua projeção sobre o piso mais o espaço necessário para a troca de peneiras. Observações sobre máquinas de Limpeza Rendimento das peneiras Máquinas de limpeza 90 a 95% Máquinas de pré-limpeza 50 60% Dimensões das peneiras Máquinas de limpeza C=2 L Máquinas de pré-limpeza C=1,5 L Secagem A secagem é um tratamento térmico para reduzir a umidade da massa de grãos, tornando-a própria para armazenagem por longos períodos Com a redução do teor de umidade da massa de grãos, são reduzidas: a) a deterioração do produto; b) a taxa de respiração do produto; c) a velocidade do processo bioquímico que pode degenerar a massa de grãos. Secagem Fornalhas construídas em alvenaria, tijolos refratários e manta cerâmica fornecem a fonte calorífica para a secagem dos grãos (ar quente); O sistema de secagem se compõem de: Secador com coluna de secagem, difusores de ar metálicos, exaustores axiais ou centrífugos; Fornalha e ciclone e Transportadores de carga e descarga do secador; 5

6 Secagem Secadores existentes no mercado: de dutos e de colunas, com capacidades de produção variadas; Ciclone metálico de grande capacidade de retenção de fagulhas, garante a secagem dos grãos sem o risco de alguma centelha, derivada da fornalha, chegar ao secador; Secagem Se, ainda assim, uma fagulha atingir a massa de grãos e houver processo de esquentamento não natural desta massa, o processo de secagem é interrompido, abafa se o secador com o fechamento de entradas de ar, e se processa o descarregamento do mesmo, por uma via alternativa; Impera-se, então, o conceito de não utilização de água para alguma anormalidade durante a operação de secagem de grãos. Armazenamento Armazenamento Os grãos são armazenados em silos verticais metálicos ou em armazéns graneleiros com fundo em V, de concreto armado e de capacidades de estocagem variadas. Os silos recebem os grãos pela parte superior, trazidos por correias, e estes ficam armazenados por períodos curtos ou longos; A temperatura dos grãos armazenados deve ser acompanhada Ex.: Sistema de termometria computadorizado, ligado on-line com sensores que monitora toda a massa de grãos; Na ocorrência de qualquer discrepância da temperatura normal da massa de grãos, o ponto afetado é beneficiado com a injeção de ar; 6

7 Armazenamento Esta taxa deve ser aproximadamente 0,20 m 3 de ar / m 3 cereal/minuto, até que a temperatura se estabeleça em padrões normais; Na ocorrência de não se restabelecer a temperatura normal da massa de grãos, o procedimento será de fazer transilagem do produto, ou seja, movimentá-lo, do ponto que está, para outra parte do mesmo armazém ou outro. Expedição As usinas comercializam os grãos armazenados e estes são utilizados para produção alimentícia; Para a expedição, os produtos são movimentados por correias transportadoras e elevadores de canecas, até os silos de expedição; Expedição Silos de expedição elevados e metálicos sob os quais os diversos tipos de veículos de carga são carregados; Silos de expedição são equipados com balanças de fluxo, totalmente automatizadas, que liberam a carga com o peso exato desejado, evitando recargas / descargas e repesagens na balança rodoviária. 7

8 Processamento de Grãos e Cereais 8

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

SECADORES CEREAIS JOSCIL

SECADORES CEREAIS JOSCIL SECADORES CEREAIS JOSCIL SÃO EQUIPAMENTOS TÉRMICO-MECÂNICOS, DESTINADOS A REDUZIR O TEOR DE UMIDADE DE PRODUTOS AGRICOLA, PERMITINDO A MANUTENÇÃO E QUALIDADE DURANTE O SEU ARMAZENAMETO. PARA CONDIÇÕES

Leia mais

8 - Beneficiamento 1

8 - Beneficiamento 1 8 - Beneficiamento 1 8.1 - Objetivos -Eliminação de agentes contaminantes da massa de grãos ou sementes; -Classificação por tamanho no caso de sementes Facilitar a regulagem das semeadoras 2 Contaminantes:

Leia mais

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO Beneficiamento e Classificação BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO O beneficiamento do café é uma operação pós-colheita usada para transformar, pela eliminação da casca e separação dos grãos, o fruto seco (natural

Leia mais

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5%

Leia mais

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes Autores: Antonio Sergio Pontarolli Berenice Los Cirlene Waceliko Daniel Sviercowski Ediclea

Leia mais

Secagem, Armazenamento e Beneficiamento

Secagem, Armazenamento e Beneficiamento Secagem, Armazenamento e Beneficiamento Eduardo da Costa Eifert A qualidade dos grãos de arroz é influenciada pelo método de secagem, pelo beneficiamento, pelas condições de armazenamento, como também

Leia mais

Unidades de Recebimento, Secagem e Armazenamento de Produtos Agrícolas. Aspectos Estruturais e Conteúdos Armazenados

Unidades de Recebimento, Secagem e Armazenamento de Produtos Agrícolas. Aspectos Estruturais e Conteúdos Armazenados Unidades de Recebimento, Secagem e Armazenamento de Produtos Agrícolas Aspectos Estruturais e Conteúdos Armazenados Engº Civil José Marin Gerente de Engenharia e Manutenção da Coamo Conhecendo a Coamo

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE SILO VERTICAL EM SANTA HELENA DE GOIÁS

DIMENSIONAMENTO DE SILO VERTICAL EM SANTA HELENA DE GOIÁS DIMENSIONAMENTO DE SILO VERTICAL EM SANTA HELENA DE GOIÁS Kássia de Paula Barbosa¹; Patrícia de Moura Alves 2 ; Ana Paula Pereira de Paula 3 ¹Discente do curso de Engenharia Agrícola da UEG-UNU Santa Helena,

Leia mais

Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO

Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO Máquinas para E FENAÇÃO Permite armazenar grande quantidade de alimento em pouco espaço. Por que da necessidade de se armazenar forragem? Reserva de alimento devido: Otoniel Ferreira DER - FAEM - UFPel

Leia mais

MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS

MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS MÁQUINAS PARA PROCESSAMENTO DE CEREAIS Prof. Walter Fr. Molina Jr ESALQ/USP www.ler.esalq.usp.br/molina.htm OBJETIVO Esclarecer e orientar sobre a necessidade de beneficiamento de grãos após a colheita

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06

Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06 Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06 Sistemas de Secagem e secadores: Sistemas de secagem; Operação e monitoramento da secagem; Classificação dos secadores; Sistemas de secagem Inexiste uma

Leia mais

Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos

Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos Construção de uma fornalha para a combustão de sólidos pulverulentos Adriano Divino Lima Afonso 1, João Batista Guerra Júnior 2, Marcelo José da Silva 2 69 1 Professor Adjunto da Universidade Estadual

Leia mais

9 PENEIRAMENTO UMA DAS OPERAÇÕES MECÂNICAS MAIS SIMPLES É O PENEIRAMENTO. É UMA OPERAÇÃO DE SEPARAÇÃO DE SÓLIDOS E PODE TER DOIS OBJETIVOS:

9 PENEIRAMENTO UMA DAS OPERAÇÕES MECÂNICAS MAIS SIMPLES É O PENEIRAMENTO. É UMA OPERAÇÃO DE SEPARAÇÃO DE SÓLIDOS E PODE TER DOIS OBJETIVOS: 9 PENEIRAMENTO UMA DAS OPERAÇÕES MECÂNICAS MAIS SIMPLES É O PENEIRAMENTO. É UMA OPERAÇÃO DE SEPARAÇÃO DE SÓLIDOS E PODE TER DOIS OBJETIVOS: A) DIVIDIR O SÓLIDO GRANULAR EM FRAÇÕES HOMOGÊNEAS B) OBTER FRAÇÕES

Leia mais

Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento

Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento Amauri Romani 1, Irineu Lorini 2 89 1 Pós-graduação em Qualidade no Armazenamento

Leia mais

PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA

PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA MISSÃO FORNECER SOLUÇÕES MECATRÔNICAS DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL E VALOR SUPERIOR PERCEBIDO PARA MOVIMENTAÇÃO SEGURA DE PRODUTOS E PROCESSAMENTO DE MATERIAIS,

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ A Manfredini & Schianchi projeta e fornece plantas completas chaves na mão de moagem, estocagem, dosagem, mistura e acondicionamento para a produção

Leia mais

NPT 027 ARMAZENAMENTO EM SILOS

NPT 027 ARMAZENAMENTO EM SILOS Janeiro 2012 Vigência: 08 Janeiro 2012 NPT 027 Armazenamento em silos CORPO DE BOMBEIROS BM/7 Versão: 02 Norma de Procedimento Técnico 9 páginas SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Referências normativas

Leia mais

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa DEFINIÇÃO / IMPORTÂNCIA Operação de movimentação de sólidos em regime contínuo, realizado em diversas etapas de um processo industrial. Aspectos importantes: Custo

Leia mais

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Introdução: A qualidade da fibra do algodão é influenciada direta e

Leia mais

Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais.

Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais. Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais www.contitech.com.br Correias Elevadoras Catálogo Brasil 2015 Correias Lift e Super Lift Correias elevadoras para serviços de grãos e materiais não-abrasivos

Leia mais

PROCESS DRYER SECADORES. Descubra a superioridade e a rentabilidade do melhor secador. G016-M

PROCESS DRYER SECADORES. Descubra a superioridade e a rentabilidade do melhor secador. G016-M PROCESS DRYER Descubra a superioridade e a rentabilidade do melhor secador. SECADORES G016-M O secador que seca mais e melhor Grãos secos com mais qualidade agregam maior valor à sua produção. Este é o

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

COLHEITA MECANICA DO MILHO

COLHEITA MECANICA DO MILHO COLHEITA MECANICA DO MILHO Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A colheita mecânica de milho é uma prática que começa a apresentar importância para os agricultores brasileiros. Geralmente, o agricultor

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO TERCEIROS A soja transgênica será recebida nas seguintes unidades,

Leia mais

LIMPADORES ROTATIVOS

LIMPADORES ROTATIVOS Proprietário e fabricante da marca francesa LIMPADORES ROTATIVOS Proprietário das marcas : C.F.C.A.I. SAS Route de Montgérain BP 4 60420 TRICOT (France) Tél. : + 33 (0)3 44 51 53 53 Fax : + 33 (0)3 44

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 442 Data: 17/08/2015 Referência: Abril 2015 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas

Leia mais

Colheita e pós-colheita

Colheita e pós-colheita Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita

Leia mais

DEPAR AGTUP 1. EXPEDIÇÃO DE PRODUTOS. Caminhão descarrega na Moega. Prepara os circuitos do silo INÍCIO

DEPAR AGTUP 1. EXPEDIÇÃO DE PRODUTOS. Caminhão descarrega na Moega. Prepara os circuitos do silo INÍCIO 1. EXPEDIÇÃO DE PRODUTOS Prepara os circuitos do silo Caminhão descarrega na Moega OPERACIONAL Levanta até o silo, através da correia transportadora Coloca nas válvulas Encaminha nas células do silo Recebe

Leia mais

para fluxo laminar, com número de Reynolds N R menor que para fluxo turbulento, com número de Reynolds N vs

para fluxo laminar, com número de Reynolds N R menor que para fluxo turbulento, com número de Reynolds N vs taxa de escoamento superficial, mas também a velocidade de escoamento horizontal em seu interior, para evitar que sejam arrastados os flocos sedimentados. A velocidade máxima de escoamento horizontal segundo

Leia mais

CARTILHA DE PRÉ E PÓS-COLHEITA DE CAFÉ NUCOFFEE

CARTILHA DE PRÉ E PÓS-COLHEITA DE CAFÉ NUCOFFEE CARTILHA DE PRÉ E PÓS-COLHEITA DE CAFÉ NUCOFFEE 1 PRÉ-COLHEITA SEGMENTAÇÃO DAS LAVOURAS Anteriormente na cafeicultura brasileira não se preocupava com as características de cada lavoura (sua variedade,

Leia mais

A QUALIDADE DO ALGODÃO NÃO ACONTECE POR ACASO

A QUALIDADE DO ALGODÃO NÃO ACONTECE POR ACASO Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 A QUALIDADE NÃO ACONTECE POR ACASO Luiz Carlos Rodrigues Presidente da Busa CONGRESSO A BUSA HOJE Mais de 50 anos de história; Visão de futuro, dedicação e pioneirismo;

Leia mais

Fatores que influenciam a qualidade dos cereais armazenados

Fatores que influenciam a qualidade dos cereais armazenados Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria MANEJO PÓS-COLHEITA DE GRÃOS E CEREAIS Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta M.

Leia mais

Operações Unitárias Experimental I PENEIRAMENTO

Operações Unitárias Experimental I PENEIRAMENTO Operações Unitárias Experimental I PENEIRAMENTO Tamisação Separação sólido - sólido A tamisação (peneiramento) trata da separação de uma mistura de materiais sólidos granulados de diversos tamanhos em

Leia mais

Intervalo Café 10:00-10:30 3 CONTINUAÇÃO ITEM ANTERIOR Idem anterior :30-12:30 Intervalo para Almoço 12:30-14:00

Intervalo Café 10:00-10:30 3 CONTINUAÇÃO ITEM ANTERIOR Idem anterior :30-12:30 Intervalo para Almoço 12:30-14:00 CURSO INTENSIVO E PRÁTICO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE FABRICAS DE RAÇÕES: Estabelecimento das Premissas técnicas, de qualidade e de produtividade; calculos (diagramação técnica); fluxogramas; layouts

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia

A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia aplicada às indústrias, caldeiraria e montagens industriais,

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 446 Data: 06/05/016 Referência: Abril 016 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os

Leia mais

ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO

ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO Informações básicas Podemos extrair dos cachos da palma os seguintes produtos: Óleo de palma bruto: 20% Óleo de palmiste: 1,5% Torta de palmiste: 3,5% Cachos vazios:

Leia mais

Influências da Qualidade do Carvão nos Altos-fornos. Slide 0

Influências da Qualidade do Carvão nos Altos-fornos. Slide 0 Influências da Qualidade do Carvão nos Altos-fornos Slide 0 ALTO-FORNO 2 de RIBAS Slide 1 O ALTO-FORNO Carvão, Minério de ferro Carvão e Minério são carregados por cima Ar quente é soprado por baixo Slide

Leia mais

Comunicado técnico nº7

Comunicado técnico nº7 Comunicado técnico nº7 Gestão da umidade no beneficiamento Parte 1 A umidade do algodão: um critério essencial para o desempenho do beneficiamento Giancarlo Goldoni Jr. 1. Generalidades e justificativas

Leia mais

SULMAG. Grades Magnéticas

SULMAG. Grades Magnéticas Grades Magnéticas SULMAG As grades magnéticas SULMAG são dispositivos de separação de contaminantes ferrosos de não ferrosos. Esses dispositivos são montados no fluxo de passagem do produto, ou seja, o

Leia mais

Câmaras Frigoríficas

Câmaras Frigoríficas Câmaras Frigoríficas 1. Definição É um recinto utilizado para condições controladas de armazenamento com auxílio da refrigeração; Empregadas em dois níveis básicos de armazenamento: Instalações com temperatura

Leia mais

DESCRIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE FARINHA MULTIMISTURA UNIDADE III

DESCRIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE FARINHA MULTIMISTURA UNIDADE III DESCRIÇÃO DOS EQUIPAMENTOS PARA PRODUÇÃO DE FARINHA MULTIMISTURA UNIDADE III ELEVADOR DE FARELOS E SEMENTES: Elevador de farelos automático, composto de rosca sem fim, para elevação dos farelos, capacidade

Leia mais

reciclagem a frio KMA 220

reciclagem a frio KMA 220 Technische Especificação Daten Técnica Kaltfräse Usina misturadora W 200 móvel de reciclagem a frio KMA 220 Especificação Técnica Usina misturadora móvel de reciclagem a frio KMA 220 Capacidade da usina

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA VIBRATÓRIA M.I MODULARES - ZL EQUIPAMENTOS.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA VIBRATÓRIA M.I MODULARES - ZL EQUIPAMENTOS. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PENEIRA VIBRATÓRIA M.I MODULARES - ZL EQUIPAMENTOS. 1. DESCRIÇÃO. As Peneiras Vibratórias projetadas e fabricadas em todos os lugares do mundo são desenvolvidas para serem utilizadas

Leia mais

Equipamentos para movimentação de grãos

Equipamentos para movimentação de grãos Equipamentos para movimentação de grãos Prof a. Dr a. Camila Ortiz Martinez TECNOLOGIA EM ALIMENTOS Universidade Tecnológica Federal do Paraná UTFPR Campus Campo Mourão INTRODUÇÃO Definição de movimentação

Leia mais

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO DO RAP E RAM

Prof. Engº Pery C. G. de Castro. Revisado em outubro de 2009 PARTE - IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO DO RAP E RAM Prof. Engº Pery C. G. de Castro Revisado em outubro de 2009 PARTE - IV OBTENÇÃO E PREPARAÇÃO DO RAP E RAM 1 EXECUÇÃO DA RECICLAGEM NA PISTA EXECUÇÃO DA RECICLAGEM NA PISTA 1) Caminhão tanque com emulsão

Leia mais

ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA

ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA 677 ESTUDO DA SECAGEM DE COENTRO (coriandrum sativum) NO SECADOR DE BANDEJA Gabriel Fraga Sampaio 1 ; Joaquim Vitor da Paz Neto 2 ; Renato Souza Cruz 3, José Ailton Conceição Bispo 4. 1. Bolsista PIBIT/CNPq,

Leia mais

Cabine de JATEAMENTO

Cabine de JATEAMENTO Cabine de JATEAMENTO CMV CONSTRUÇÕES MECÂNICAS LTDA. Matriz: Av. das Indústrias, 940 - Distrito Industrial. CEP: 94930-230 - Cachoeirinha - RS - Brasil. Nossas cabines de jateamento operam com qualquer

Leia mais

Para poder obter diferentes cortes de separação, as peneiras vibratórias da MS estão disponíveis nas versões com uma ou duas redes:

Para poder obter diferentes cortes de separação, as peneiras vibratórias da MS estão disponíveis nas versões com uma ou duas redes: PENEIRAS INCLINADAS O princípio de funcionamento das peneiras "MS" de alto rendimento representa um avanço significativo no setor da separação industrial, que se traduz em performances melhores e mais

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS USINAS SEMI MOVEIS PARA FABRICAÇÃO DE AREIA - ZL EQUIPAMENTOS.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS USINAS SEMI MOVEIS PARA FABRICAÇÃO DE AREIA - ZL EQUIPAMENTOS. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS USINAS SEMI MOVEIS PARA FABRICAÇÃO DE AREIA - ZL EQUIPAMENTOS. 1. APLICAÇÃO. A usina semimóvel, projetada e fabricada pela ZL Equipamentos, foi desenvolvida para fabricar areia

Leia mais

Procedimento de limpeza e higienização das principais estruturas de uma unidade armazenadora como parte do programa MIPGRÃOS

Procedimento de limpeza e higienização das principais estruturas de uma unidade armazenadora como parte do programa MIPGRÃOS Procedimento de limpeza e higienização das principais estruturas de uma unidade armazenadora como parte do programa MIPGRÃOS Cosme Alves de Almeida Junior 1, Irineu Lorini 2, Glaucia Cristina Ferri 3,

Leia mais

Secagem, Beneficiamento e Armazenamento de Grãos

Secagem, Beneficiamento e Armazenamento de Grãos 15 Secagem, Beneficiamento e Armazenamento de Grãos Eduardo da Costa Eifert José Geraldo da Silva Jaime Roberto Fonseca Edson Herculano Neves Vieira 442 Por que o grão/semente de feijão deve ser secado?

Leia mais

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr.

PIROMETALURGIA. Prof. Carlos Falcão Jr. PIROMETALURGIA Prof. Carlos Falcão Jr. PIROMETALURGIA 1 - Preparação das matérias-primas a)pelotização Pequenas esferas resultantes de um processo de aglomeração de finos do minério, aditivos ou fundentes

Leia mais

Integrantes. Adriano Bordan Bruno Gines Carlos Henrique Elder Carlos Tiago Teixeira

Integrantes. Adriano Bordan Bruno Gines Carlos Henrique Elder Carlos Tiago Teixeira Integrantes Adriano Bordan Bruno Gines Carlos Henrique Elder Carlos Tiago Teixeira Introdução Para aumentar a produtividade, utiliza-se vários tipos de equipamentos que visam facilitar a movimentação de

Leia mais

Manual de Construção da Abanadora Mecânica com Acionamento Manual para Café

Manual de Construção da Abanadora Mecânica com Acionamento Manual para Café Engenharia na Agricultura Boletim Técnico n 0 08 ISSN 1518-9953 Manual de Construção da Abanadora Mecânica com Acionamento Manual para Café Cristiane Pires Sampaio 1 Marise Cotta Machado 2 Roberta Martins

Leia mais

REDUÇÃO DAS PERDAS DE CORPOS MOEDORES NA MOAGEM SECUNDÁRIA

REDUÇÃO DAS PERDAS DE CORPOS MOEDORES NA MOAGEM SECUNDÁRIA SAMARCO MINERAÇÃO S.A. Prêmio Mineiro de Boas Práticas em Gestão de Resíduos Sólidos Industriais Minas Menos Resíduos REDUÇÃO DAS PERDAS DE CORPOS MOEDORES NA MOAGEM SECUNDÁRIA I. APRESENTAÇÃO PROPONENTES:

Leia mais

Moinho Triturador ± Linha LDF. Silo Secador de Plásticos. Alimentador Automático a Vácuo. Succionador a Vácuo. Misturador para Plásticos Coloridos

Moinho Triturador ± Linha LDF. Silo Secador de Plásticos. Alimentador Automático a Vácuo. Succionador a Vácuo. Misturador para Plásticos Coloridos Índice 3. Moinho Triturador ± Linha LDF 4. Moinhos Granuladores 7. 5.. Silo Secador de Plásticos Alimentador Automático a Vácuo Succionador a Vácuo 8. Misturador para Plásticos Coloridos 9. Silo Secador

Leia mais

Figura 7 Desenho esquemático de um trocador de calor de placas

Figura 7 Desenho esquemático de um trocador de calor de placas 72 Entende-se por operações unitárias na indústria de alimentos, os procedimentos que imprime algum tipo de transformação da matéria prima em processamento. Estes procedimentos podem implicar no emprego

Leia mais

Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais.

Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais. Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais. As frações podem diferenciar-se pelo tamanho de partículas, estado físico e composição química. Asoperaçõesdeseparaçãosãodeduasclasses:

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

ArtMill Acessórios Ltda EPP Rua Antonio Amorim, 100 Distrito Industrial Cerquilho/SP Fone/Fax: (15)

ArtMill Acessórios Ltda EPP Rua Antonio Amorim, 100 Distrito Industrial Cerquilho/SP Fone/Fax: (15) ArtMill Acessórios Ltda EPP Rua Antonio Amorim, 100 Distrito Industrial Cerquilho/SP Fone/Fax: (15) 3288 4888 1 - A marcação da base é fundamental para determinar o tamanho a ser usado na construção, fator

Leia mais

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros.

TUBULAÇÕES INDUSTRIAS AULA 4 Prof. Clélio AULA 4. Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7. Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. AULA 4 Volume I do Livro Texto CONTEÚDO: Capítulo 7 Purgadores de Vapor, Separadores Diversos e Filtros. 1 LINHAS DE VAPOR Nas linhas de vapor sempre haverá água líquida (condensado) resultante da condensação

Leia mais

MÁQUINAS E ACESSÓRIOS. desde 1960

MÁQUINAS E ACESSÓRIOS. desde 1960 MÁQUINAS E ACESSÓRIOS desde 1960 MÁQUINAS E ACESSÓRIOS APRESENTAÇÃO Com raízes em Itapira, interior do estado de São Paulo, a 160 km da capital. Pioneira na industria de misturadores verticais, de capital

Leia mais

Série ADVANCED 15P1 17P2 19P2

Série ADVANCED 15P1 17P2 19P2 A WIRTGEN GROUP COMPANY Usinas de asfalto móvel contínua Série ADVANCED 15P1 17P2 19P2 02 03 A linha de usinas Advanced alia a máxima portabilidade de uma usina com produção contínua com a qualidade das

Leia mais

Aula 5: Filtração. Introdução. Classificação dos filtros

Aula 5: Filtração. Introdução. Classificação dos filtros Curso: Engenharia Civil Disciplina: Sistema de Tratamento de Água e Esgoto Prof(a): Marcos Heleno Guerson de O Jr Nota de Aula! Aula 5: Filtração Introdução Após a passagem da água pelo tanque de decantação

Leia mais

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO A Aplitek desenvolveu no Brasil uma tecnologia para recuperação e isolamento de telhados, esta extraordinária solução teve sucesso no mundo nos últimos

Leia mais

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil

Faculdade Sudoeste Paulista Curso de Engenharia Civil Técnicas da Construção Civil AULA 11 CONTRAPISOS O contrapiso é uma camada de argamassa executada sobre uma base, que pode ser a laje de um pavimento ou um lastro de concreto, se for sobre o solo. Sua função é regularizar a superfície

Leia mais

Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico.

Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico. Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico. LDA - SJP Moagem; Alimentação para funil através de venturi; Funil com alimentação forçada; Cilindro

Leia mais

SECADOR PORTÁTIL PARA GRÃOS INTERNACIONAL DESEMPENHO SUPERIOR. RESULTADO INSUPERÁVEL.

SECADOR PORTÁTIL PARA GRÃOS INTERNACIONAL DESEMPENHO SUPERIOR. RESULTADO INSUPERÁVEL. SECADOR PORTÁTIL PARA GRÃOS INTERNACIONAL DESEMPENHO SUPERIOR. RESULTADO INSUPERÁVEL. SECADOR DE GRÃOS Com mais de 40 anos de experiência na fabricação de equipamentos agrícolas, a GSI conta com todos

Leia mais

Catálogo Geral de produtos. Armazenagem de Grãos

Catálogo Geral de produtos. Armazenagem de Grãos Catálogo Geral de produtos Armazenagem de Grãos Há mais de 89 anos garantindo os melhores resultados para nossos clientes. 3 A Companhia Experiência aliada à inovação. É isso que faz a Kepler Weber oferecer

Leia mais

Alvenaria de Vedação. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria

Alvenaria de Vedação. Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Alvenaria de Vedação Tecnologia das Construções Profª Bárbara Silvéria Considerações Gerais Alvenaria, pelo dicionário da língua portuguesa, é a arte ou ofício de pedreiro ou alvanel, ou ainda, obra composta

Leia mais

A MC31 é uma manta natural para isolamento acústico e proteção de fungos. É composta por cortiça aglomerada prensada para isolamento acústico e térmic

A MC31 é uma manta natural para isolamento acústico e proteção de fungos. É composta por cortiça aglomerada prensada para isolamento acústico e térmic Mantas de Cortiça A MC11 é uma manta natural para redução de ruído de impacto. É composta por cortiça aglomerada para isolamento acústico e térmico de pavimentos flutuantes. Elimina contato com laje ou

Leia mais

PROBLEMAS ESTRUTURAIS E OPERACIONAIS NO CONTROLE DE INSETOS

PROBLEMAS ESTRUTURAIS E OPERACIONAIS NO CONTROLE DE INSETOS PROBLEMAS ESTRUTURAIS E OPERACIONAIS NO CONTROLE DE INSETOS O rápido crescimento da população mundial vem exigindo a produção de volumes cada vez maiores de grãos, que necessitam ser armazenados e processados,

Leia mais

RUBBERBRAS. Placas de Revestimento Feitas de Pneus Radiais

RUBBERBRAS. Placas de Revestimento Feitas de Pneus Radiais RUBBERBRAS Placas de Revestimento Feitas de Pneus Radiais AGENDA Vídeo Institucional Produtos e Serviços Benefícios Aplicações do produto AGENDA Vídeo Institucional Produtos e Serviços Benefícios Aplicações

Leia mais

SILOS ARMAZENAGEM ARMAZENADORES G002-M

SILOS ARMAZENAGEM ARMAZENADORES G002-M SILOS ARMAZENAGEM ARMAZENADORES G002-M TEM UM LÍDER MUNDIAL AO SEU LADO. Você pode contar com a tecnologia e a confiabilidade da GSI. Os melhores equipamentos para transporte, secagem e armazenagem de

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL- LAN 1458 Operações preliminares ao processo

Leia mais

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO

SISTEMA DE TRATAMENTO INDIVIDUAL DE ESGOTO SANITÁRIO Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Hidráulica e Saneamento Curso: Engenharia Civil Disciplina: TH030 - Sistemas Prediais Hidráulicos Sanitários Prof.ª Heloise Garcia Knapik

Leia mais

ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM. Eng. Rubem Groff, M. Sc., M. Sc. Kepler Weber SA

ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM. Eng. Rubem Groff, M. Sc., M. Sc. Kepler Weber SA ESTRUTURAS DE ARMAZENAGEM Eng. Rubem Groff, M. Sc., M. Sc. Kepler Weber SA 1. INTRODUÇÃO Já tem algum tempo que o setor industrial brasileiro vem se debruçando sobre a questão da qualidade. Numa abordagem

Leia mais

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO Héria de Freitas TELES, Larissa Leandro PIRES, Marcos Gomes da CUNHA, Guilherme

Leia mais

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES

INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES REVISÃO 01 SETEMBRO/2011 INFORMAÇÕES COMPLEMENTARES - TNC Informações operacionais do Terminal Aquaviário Norte Capixaba - Espírito Santo ELABORADO PELA Gerência de Comercialização de Serviços de Terminais

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO LTCAT

LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO LTCAT - RESTINGA SECA - DEZEMBRO / 2004 SANTA MARIA - RS 1. DADOS DA EMPRESA Empresa: COOPERATIVA TRITÍCOLA SEPEENSE LTDA COTRISEL Unidade: Vicente Cardoso

Leia mais

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ UILIAN DA SILVA PIUCO

UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ UILIAN DA SILVA PIUCO UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL UNIJUÍ UILIAN DA SILVA PIUCO DIMENSIONAMENTO E ANÁLISE DE UM SISTEMA DE AERAÇÃO PARA ARMAZÉM GRANELEIRO DE FUNDO PLANO Panambi 2014 UILIAN

Leia mais

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações

Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Maior Segurança e Produtividade em suas Operações Sejam manuais ou automatizadas, operações de corte a plasma emitem radiação e gases que apresentam riscos ao meio ambiente, saúde e segurança dos trabalhadores

Leia mais

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário.

5. Limitações: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento não deve ser utilizada para assentamento de blocos silico-calcário. 1. Descrição: A argamassa 1201 Matrix Assentamento de Vedação e Encunhamento é indicado para o assentamento de blocos para alvenaria de vedação e fixação de alvenarias (blocos de concreto, cerâmicos, e

Leia mais

FILTRO DE MANGAS PULSE JET

FILTRO DE MANGAS PULSE JET FILTRO DE MANGAS PULSE JET Princípios gerais, aparatos e cuidados de operação Empresa: PDL SISTEMAS LTDA. Website: www.pdl.com.br EMPRESA CERTIFICADA ISO 9001:2008 Os filtros de mangas pulse jet são equipamentos

Leia mais

Eficiência Energética Cocelpa

Eficiência Energética Cocelpa Eficiência Energética Cocelpa 1 CARACTERÍSTICAS DA EMPRESA Nome fantasia: Cocelpa Ramo de atividade: Papel e Celulose Localização: Araucária / PR Estrutura tarifária: Horo-sazonal Azul A4 Demanda Contratada:

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE RECICLADO EM MISTURA A QUENTE. Engº Marcelo Zubaran

UTILIZAÇÃO DE RECICLADO EM MISTURA A QUENTE. Engº Marcelo Zubaran UTILIZAÇÃO DE RECICLADO EM MISTURA A QUENTE Engº Marcelo Zubaran ÍNDICE Introdução Sistema para baixa taxa de reciclagem Sistema para alta taxa de reciclagem Resultados Conclusões ÍNDICE Introdução INTRODUÇÃO

Leia mais

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Manutenção de Via Permanente Ferroviária. Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS

Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV. Manutenção de Via Permanente Ferroviária. Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS Universidade Federal de Ouro Preto Escola de Minas DECIV CIV 451 Aula 10 PÁTIOS FERROVIÁRIOS E FEIXES DE DESVIOS FEIXES DE DESVIOS Denomina-se comprimento útil de um desvio, a parte do desvio onde poderão

Leia mais

ALTA TECNOLOGIA EM VENTILAÇÃO INDUSTRIAL E EQUIPAMENTOS DE CONTROLE

ALTA TECNOLOGIA EM VENTILAÇÃO INDUSTRIAL E EQUIPAMENTOS DE CONTROLE ALTA TECNOLOGIA EM VENTILAÇÃO INDUSTRIAL E EQUIPAMENTOS DE CONTROLE RESPEITO AO MEIO AMBIENTE E A VIDA POLIÍTICA DE QUALIDADE Satisfação dos nossos clientes promovendo a melhoria contínua de nossos produtos,

Leia mais

BC4500. Código:

BC4500. Código: Valtra é uma marca mundial da AGCO Corporation. VA LT R A Valtra do Brasil Ltda. NOSSO JEITO É FA ZER DO SEU JEITO Rua Cap. Francisco de Almeida, 695 CEP 08740 300 - Mogi das Cruzes - SP Tel.: 11 4795

Leia mais

Características Técnicas

Características Técnicas ARADO SIMPLES PND3 Arado montado com disco IPA3 foi projetado para lidar com o solo a uma profundidade de 25 a 30 cm. Em solos secos duros e com a presença de raízes de árvores. Tipo montado Largura, m

Leia mais

Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO

Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO Universidade Federal de Juiz de Fora Faculdade de Engenharia - ESA Curso de Engenharia Ambiental e Sanitária Planejamento e Gestão de RSU ESTAÇÕES DE TRANSBORDO Artigo: Transbordo de Resíduos (Rodrigo

Leia mais

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA

E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA E-WELD Soluções em Antirrepingo EFICIENCIA, SEGURANÇA E ECONÔMIA 1 Por que usar antirrespingo? A remoção de respingos de solda que aderem as superfícies de metal exige a utilização de soluções abrasivas,

Leia mais