Tecnologia da Soja 22/2/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Tecnologia da Soja 22/2/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria"

Transcrição

1 Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Tecnologia e Processamento de Grãos Armazenáveis Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta M. D. Cardozo Subprodutos da soja Óleo; Tecnologia da Soja Extrato ( Leite ); Proteína texturizada ( PTS ou carne ); Farinha, kinako e farelo; Tofu ( Queijo ) Utilização em novos produtos Bebidas com suco de frutas; Complementos alimentares; Pães, massas e biscoitos; Sopas industrializadas; Bombons, sorvetes, iogurtes Chocolates Podem ainda conter: Lecitina Conservante e Emulsificante natural Etapas Extração do óleo bruto Processo de Refinação do óleo bruto Hidrogenação 1

2 Pré-Limpeza Descascamento Condicionamento Trituração e laminação Avalia: teor de umidade, quantidade de material estranho e incidência de grãos quebrados e avariados Pré-Limpeza Retirada das sujidades grosseiras utilizando máquinas especiais peneiras vibratórias Descascamento Separação dos cotilédones (polpas) dos tegumentos (cascas) sem compressão. Cozimento Condicionamento Aquecimento entre 55 e 60 C dos cotilédones Trituração e Laminação Diminui a distância entre o centro do grão e a superfície e facilita a extração do óleo. Deve ser efetuada o mais rápido possível devido à liberação de lipases e peroxidases. Cozimento Rompimento da parede celular para facilitar a saída do óleo Temperatura 70 a 105 C Extração Extração com solvente orgânico Retirada de todo óleo dos grãos. Refinação Transformação do óleo bruto em óleo comestível Refinação Etapas: Degomagem: Retirada de substâncias coloidais (gomas), proteínas e lecitina (comercial) Neutralização:Eliminação dos AGL com NaOH Branqueamento :Retirada de pigmentos Desodorização: Retirada de odores indesejáveis 2

3 Hidrogenação Hidrogênio de alta pureza Conservação do óleo: eliminação dos pontos de oxidação dos óleos, evitando sua rancificação Tecnologia do Arroz Arroz Subprodutos do arroz Arroz Branco Arroz Integral Arroz Parboilizado Obtenção do arroz branco Arroz obtido pelo polimento do grão por meio de máquinas específicas. O processo resulta na obtenção de subprodutos. Obtenção do arroz branco 1) Descascamento: Retirada da casca aprox. 90% 2) Brunição: Retirada do farelo do arroz, deixando-o com superfície lisa 3) Polimento: Acabamento final ( retirada total do farelo) 3

4 Obtenção do arroz branco 4) Classificação: Retirada de grãos rachados ou até mesmo de algumas impurezas e da quirera 5) Embalagem: Empacotamento do arroz, usa-se normalmente embalagens de 1, 2 e 5 quilos que são comercializadas em fardos de 30 Kg. Segundo dados divulgados pela Associação Brasileira das Indústrias de Arroz Parboilizado, no Brasil, aproximadamente um quarto do total de arroz produzido é parboilizado. É o arroz com casca, submetido a tratamento hidrotérmico antes das etapas de descascamento e polimento. 1) Encharcamento É um pré-cozimento realizado a quente e que facilita a etapa de gelatinização 2) Gelatinização (30% de umidade); 3) Secagem (13% de umidade) migração dos nutrientes para o grão após o tratamento hidrotérmico; 4) Descascamento: Retirada da casca aprox. 90% 5) Polimento: Acabamento final ( retirada total do farelo) 6) Classificação: Retirada de grãos rachados ou até mesmo de algumas impurezas e da quirera 7) Embalagem: Empacotamento do arroz (idem arroz branco) 4

5 Obtenção do arroz integral Arroz menos consumido pela população brasileira; O processo de obtenção desse produto consiste apenas no descascamento. Subprodutos do Trigo Grão Integral de trigo Tecnologia do Trigo Farelo de trigo Farinha de trigo Triguilho Classificação do Trigo Comportamento na moagem Duro: graúdo, arenoso mole: fino, fragmentos irregulares Cor vermelhos brancos Farinha forte: geralmente primavera + vítreo + duro fraca: geralmente inverno + farináceo + mole 1) Limpeza; 2) Condicionamento:12 a 24 horas para que os grãos atinjam o teor de umidade para maior extração 3) Desgerminação secagem parcial dos grãos 4) Moagem (5 moinhos) e Peneiragem/Separação. 5) Estocagem e Embalagem. Material grande:nova moagem. -Semolina: Purificação, Redução e Peneiragem/Separação 5

6 Trigos duros - farinhas de cor escura, com alto teor de proteínas. Indicadas para panificação Trigos brancos menor teor de proteína, cor mais clara. Indicada para panificação, bolos e tortas Trigo mole menor teor de proteína, qualidade tecnológica inferior. Indicada para crakers e bolachas Trigo durum alto teor de proteínas, qualidade para pastas alimentícias. Indicado para massas 6

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS

CHAMADA PÚBLICA 01/2011 PNAE/SEE-AL/15ª CRE ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS CEREAIS ANEXO III TOTAL GERAL DA 15ª. CRE CEREAIS ARROZ BRANCO - Comum, classe longo fino, agulha, tipo 2, isento de matéria terrosa, pedras, fungos ou parasitas, livre de umidade, com grãos inteiros. Acondicionado

Leia mais

AVEIA. As fibras também melhoram o trânsito intestinal, evitando constipação, e estão associadas à diminuição do risco de câncer de cólon.

AVEIA. As fibras também melhoram o trânsito intestinal, evitando constipação, e estão associadas à diminuição do risco de câncer de cólon. AVEIA Propriedades da Aveia: A aveia é um cereal rico em proteínas, ferro, magnésio, fósforo, zinco, manganês, vitamina B1 e vitamina B5, além de ser excelente fonte de fibras solúveis. Estudos mostram

Leia mais

Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno

Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM. Profa Dra Milena Baptista Bueno Unidade III Nutrição na doença e agravos à saúde. Tipos de dietas e consistência NUTRIÇÃO APLICADA À ENFERMAGEM Profa Dra Milena Baptista Bueno Dietoterapia Dietoterapia: tratamento de indivíduos portadores

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação de Arapongas. Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE. CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (1-3 anos)

Secretaria Municipal de Educação de Arapongas. Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE. CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (1-3 anos) 1ª SEMANA SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA Arroz Arroz Carreteiro de Arroz Arroz Arroz Feijão Carne moída Feijão Feijão Feijão Carne em cubos acebolada Feijão Farofa de ovos

Leia mais

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação

Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Orientações para uma vida ativa e saudável através da alimentação Introdução Para ter uma qualidade de vida favorável, com boa saúde e manter-se ativo, além dos cuidados diários com medicações, acompanhamento

Leia mais

Setores - Produtos Importado

Setores - Produtos Importado Dados Setor Soma de 1996 Soma de 2007 Sementes 782,500.00 92,212,831.00 Cereais 34,227,662.00 9,718,570.00 Carnes - 9,364,400.00 Resíduos Metálicos 279,675.00 4,695,119.00 Leveduras 3,500.00 4,508,636.00

Leia mais

CARDÁPIO 2015. 2º Período Matutino

CARDÁPIO 2015. 2º Período Matutino CARDÁPIO 2015 CARDÁPIO 1 22 ½ Sanduíches de pão fatiado com requeijão, queijo e presunto (2 fatias por criança) Melancia pequena picada Garfos descartáveis CARDÁPIO 2 24 08 Pedaços grandes de bolo de cenoura

Leia mais

AÇAÍ FROOTY GUGA KUERTEN COM PROTEÍNAS E VITAMINA C

AÇAÍ FROOTY GUGA KUERTEN COM PROTEÍNAS E VITAMINA C 2 O AÇAÍ DO CAMPEÃO O comportamento dos brasileiros sofreu importantes mudanças nos últimos anos, influenciando de maneira direta o mercado de alimentos. Mais conectados às redes sociais, informações nutricionais

Leia mais

f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50;

f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50; ARTIGO 313-W PRODUTOS DA INDÚSTRIA ALIMENTÍCIA EXCLUIDOS X - do 1º do artigo 313-W: a) a alínea f do item 1; f) gomas de mascar com ou sem açúcar, 1704.10.00 e 2106.90.50; b) a alínea i do item 1; i) balas,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Chamada Pública n.º 02/2016, para aquisição de gêneros alimentícios diretamente da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar

Leia mais

Treinamento IMPERGEL PU

Treinamento IMPERGEL PU Treinamento IMPERGEL PU Posicionamento do Produto (Versões) Os Produtos do sistema IMPERGEL O que é tinta??? O que é um substrato??? Sistemas de pintura Tratamento de superfície ou substrato Principais

Leia mais

Processamento do azeite

Processamento do azeite Processamento Geral dos Alimentos Processamento do azeite Trabalho realizado por: Vanessa Ferraz 20090165 Ano lectivo 2009/2010 Objectivo do trabalho: Com a realização deste trabalho pretende-se fazer

Leia mais

01 INDUSTRIA DE ALIMENTOS. Frutas cristalizadas (1093-7/02). Alimentos dietéticos e para crianças (1099-6/99).

01 INDUSTRIA DE ALIMENTOS. Frutas cristalizadas (1093-7/02). Alimentos dietéticos e para crianças (1099-6/99). ATIVIDADES RELACIODAS A CE FISCAL 0892-4/03 REFINO E OUTROS TRATAMENTOS DO SAL Moagem, purificação, refino e outros tratamentos do sal. 1031-7/00 CONSERVAS DE FRUTAS Conservas de frutas (frutas conservadas

Leia mais

A alimentação é importante para os meus dentes e para a minha saúde? Sabias que há alimentos que protegem os dentes?

A alimentação é importante para os meus dentes e para a minha saúde? Sabias que há alimentos que protegem os dentes? Copyright 2014: Todos os direitos reservados Título: Saúde Oral e Alimentação Autores: Ana Lopes Pereira Cristina Sousa Ferreira Pedro Graça Rui Calado Design e Ilustrações: DEBUTSTRASS Lda. Editor: Direção-Geral

Leia mais

RETIFICAÇÃO DA CARTA CONVITE N o 005/2009

RETIFICAÇÃO DA CARTA CONVITE N o 005/2009 1/9 RETIFICAÇÃO DA CARTA CONVITE N o 005/2009 A Comissão de Licitação da Câmara Municipal, nomeada pela Portaria n o 003/2009, torna pública a retificação dos Anexos II e III da Carta Convite do Processo

Leia mais

GUIA DE BOLSO. Porquê fazer um grande PEQUENO- ALMOÇO?

GUIA DE BOLSO. Porquê fazer um grande PEQUENO- ALMOÇO? GUIA DE BOLSO Porquê fazer um grande PEQUENO- ALMOÇO? Sumário Ø Introdução. Ø O que é um bom pequeno-almoço? Ø Consequências de saltar a primeira refeição do dia. Ø Importância do pequeno almoço para as

Leia mais

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil

Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil Pesquisa Nacional Fiesp/IBOPE sobre o Perfil do Consumo de Alimentos no Brasil São Paulo, 18 de maio de 2010 Objetivos gerais Avaliar o grau de aderência da sociedade brasileira às tendências internacionais

Leia mais

CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (maiores de 2 anos) SETEMBRO/2015

CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (maiores de 2 anos) SETEMBRO/2015 CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (maiores de 2 anos) SETEMBRO/2015 Observações: A margarina utilizada será sem lactose. Oferecer água durante todo dia. Não oferecer bebida durante o almoço ou jantar somente

Leia mais

LEITE UHT. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao

LEITE UHT. Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao LEITE UHT Profa. Dra. Vanerli Beloti LIPOA UEL lipoa.uel@gmail.com vbeloti@uel.br www.uel.br/laboratorios/inspecao LEITE UHT HISTÓRIA NO BRASIL: 1972 Boom em 1998 hoje 78% do leite líquido consumido 5

Leia mais

ESCOLAS C.M.ODIVELAS RESTAURANTE Semana de 21 a 25 de Setembro de 2015 Lanche

ESCOLAS C.M.ODIVELAS RESTAURANTE Semana de 21 a 25 de Setembro de 2015 Lanche ESCOLAS C.M.ODILAS Semana de 21 a 25 de Setembro de 2015 Sumo nectar de fruta e pão mistura com manteiga 3,5,6,7 153 36 1,3 0,4 5,7 0,4 0,0 4,1 Uma peça fruta, iogurte sólido aromas e bolacha maria (di)

Leia mais

Já está na mesa o novo cardápio da alimentação escolar.

Já está na mesa o novo cardápio da alimentação escolar. Já está na mesa o novo cardápio da alimentação escolar. Prove as receitas, veja como está gostoso e, o mais importante, nutritivo! A Prefeitura de Ipatinga elaborou para você este livro com receitas que

Leia mais

O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo

O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo DEFUMAÇÃO O êxito na preparação de defumados, não depende unicamente da aplicação da fumaça e sim, da combinação de fatores físicos e químicos, sendo necessário um controle rigoroso de cada uma das etapas

Leia mais

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL

CLASSIFICAÇÃO MATÉRIAS-PRIMAS UTILIZADAS EM ALIMENTAÇÃO ANIMAL I - INGREDIENTES DE ORIGEM VEGETAL Nome Comum Nome Científico NCM USUAL II² (%) DINON Observações ALFAFA Feno moído de alfafa 1214.10.00 8 Folhas desidratadas de alfafa 1214.90.00 8 ALGODÃO Farelo de algodão

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO E DESENVOLVIMENTO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO FADEPE/JF

FUNDAÇÃO DE APOIO E DESENVOLVIMENTO AO ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO FADEPE/JF Circular nº. 001/201-DE, 06 de maio 201 Da: Direção Executiva da FADEPE/JF Para: Coordenadores de Projetos geridos pela FADEPE/JF Assunto: Contratação de empresas, por meio de licitação, visando fornecimentos

Leia mais

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/

CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/ CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO http://www7.rio.rj.gov.br/cgm/tabelas/ TABELA DE PREÇOS DE MERCADO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO QUE SERVIRÁ COMO REFERÊNCIA PARA AS

Leia mais

Prof. Marco-A. De Paoli

Prof. Marco-A. De Paoli Principais tipos de aditivos para termoplásticos e suas funções:!estabilizantes,! plastificantes,!lubrificantes,!agentes antiestáticos,!retardantes de chama,!pigmentos e corantes,!agentes de expansão e

Leia mais

Alimentos Artesanais de Origem Vegetal e seus Estabelecimentos Fabricantes

Alimentos Artesanais de Origem Vegetal e seus Estabelecimentos Fabricantes Alimentos Artesanais de Origem Vegetal e seus Estabelecimentos Fabricantes Regulamentação Sanitária da Saúde para alimentos artesanais de origem rural ou urbana William Cesar Latorre Centro de Vigilância

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

2 SUGESTÕES SETORIAIS TÊXTIL

2 SUGESTÕES SETORIAIS TÊXTIL ÍNDICE 1 APRESENTAÇÃO...3 2 SUGESTÕES SETORIAIS...4 Têxtil...4 Vestuário e calçados...4 Madeira...5 Papel e gráfica...5 Química...5 Borracha e plástico...6 Minerais não-metálicos...6 Metalúrgica, Produtos

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

A opção dos Profissionais

A opção dos Profissionais A opção dos Profissionais R Sucedâneos & derivados de Ovo SUCEDÂNEOS DE CHOCOLATE Pastilha Diamante 18% Sucedâneo de chocolate em forma de pastilha, ideal para derreter. Com 18% de cacau é um produto bastante

Leia mais

CONCENTRADOS PROTÉICOS ORIGEM ANIMAL CONCEITO REGULAMENTAÇÃO IN 34/2008

CONCENTRADOS PROTÉICOS ORIGEM ANIMAL CONCEITO REGULAMENTAÇÃO IN 34/2008 CONCENTRADOS PROTÉICOS ORIGEM ANIMAL CONCEITO REGULAMENTAÇÃO IN 34/2008 VANTAGENS DO USO DESTINO ADEQUADO DE RESÍDUOS DESTINO NOBRE DE RESÍDUOS PERFIL NUTRICIONAL ADEQUADO FONTE DE NUTRIENTES NOBRES E

Leia mais

BOLETIM MENSAL Ano 26 No 06 Junho 2010

BOLETIM MENSAL Ano 26 No 06 Junho 2010 BOLETIM MENSAL Ano 26 N o 06 Junho 2010 Apoio: UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES DEPARTAMENTO DE ECONOMIA ÍNDICE DE PREÇOS AO CONSUMIDOR DE VIÇOSA (IPC-VIÇOSA) Coordenador

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

Cães e gatos INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS. Papel do nutricionista: O problema: 24/8/2012

Cães e gatos INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS. Papel do nutricionista: O problema: 24/8/2012 INGREDIENTES: SEU POTENCIAL E SUAS RESTRIÇÕES NAS DIETAS DE CÃES E GATOS Alexandre de Mello Kessler Depto. Zootecnia UFRGS Cães e gatos Dietas com alto nível de PB e EE Têm baixa capacidade fermentativa

Leia mais

Nossa Linha de Produtos

Nossa Linha de Produtos Nossa Linha de Produtos PerSHAKE Chocolate e Baunilha Fonte de proteína de soja, vitaminas, minerais e fibras. 0% Gordura, 0% Açúcar e 0% Sódio. A alimentação equilibrada vai além do bom funcionamento

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 22/2014

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 22/2014 Tipo de Julgamento: Menor Preço por Página 1 de 5 Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 75,00 KG AÇUCAR 2 3,00 UND AÇUCAR DE BAUNILHA PC/500G 3 0,80 Kg ALHO 4 9,00 PACT AMIDO DE MILHO

Leia mais

TABELA DE PONTOS DAS DOAÇÕES - ALIMENTOS NÃO-PERECÍVEIS

TABELA DE PONTOS DAS DOAÇÕES - ALIMENTOS NÃO-PERECÍVEIS Açúcar Arroz Aveia Azeite - ALIMENTOS NÃO-PERECÍVEIS 5 pontos / 0,5 L Bolacha ( diversas ) Café Canjica / Milho Pipoca Realizar Chá ( diversos ações-de pómanutenção ou sachê ) ( elétrica, hidráulica, pintura,

Leia mais

TABELA NUTRICIONAL BOLO DE CHOCOLATE TRADICIONAL SUPERCONGELADO

TABELA NUTRICIONAL BOLO DE CHOCOLATE TRADICIONAL SUPERCONGELADO TABELA NUTRICIONAL BOLO DE CHOCOLATE TRADICIONAL SUPERCONGELADO Ingredientes: Água, açúcar cristal, chocolate (53% cacau), manteiga, açúcar confeiteiro, gema de ovo pasteurizada, cacau em pó, clara de

Leia mais

Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP

Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP Colégio Sagrado Coração de Jesus Marília /SP CARDÁPIO DO LANCHE DA MANHÃ/TARDE- Educação Infantil Mês de Janeiro e Fevereiro 2ª FEIRA 1 iogurte (beber) sabor morango 4 biscoitos cream cracker c/ manteiga

Leia mais

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos

Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Universidade Federal do Rio Grande do Sul Instituto de Ciência e Tecnologia de Alimentos Departamento de Tecnologia de Alimentos Tecnologia de Produtos de Origem Vegetal Cereais & Farinhas Prof. Alex Augusto

Leia mais

Anexo 1 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0 (seções B, C e D): códigos e denominações

Anexo 1 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0 (seções B, C e D): códigos e denominações (continua) B INDÚSTRIAS EXTRATIVAS 05 EXTRAÇÃO DE CARVÃO MINERAL 05.0 Extração de carvão mineral 05.00-3 Extração de carvão mineral 06 EXTRAÇÃO DE PETRÓLEO E GÁS NATURAL 06.0 Extração de petróleo e gás

Leia mais

Alimentação saudável para Diabé7cos, com muito gosto! Nídia Braz 14 Dezembro, 2012

Alimentação saudável para Diabé7cos, com muito gosto! Nídia Braz 14 Dezembro, 2012 Alimentação saudável para Diabé7cos, com muito gosto! Nídia Braz 14 Dezembro, 2012 1 A alimentação saudável depende de hábitos alimentares saudáveis: Diversidade da alimentação Número adequado de refeições

Leia mais

PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO

PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO Eng. Luiz Carlos Masiero L.C.Masiero Engenharia Industrial Jaú, SP Resumo: Se apresentam neste trabalho as considerações básicas do processo de preparação de grãos

Leia mais

PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15

PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15 PROTOCOLO ICMS 62, DE 10 DE SETEMBRO DE 2015 Publicado no DOU de 11.09.15 Altera o Protocolo ICMS 15, de 24 de janeiro de 2013, que dispõe sobre a substituição tributária nas operações com produtos alimentícios.

Leia mais

NÚCLEO ALIMENTOS. Campinas. Barra Funda. Marília. Derivados de Farinhas: Pães, Massas e Bolos. Carnes e Derivados. Chocolates. Alimentos para Animais

NÚCLEO ALIMENTOS. Campinas. Barra Funda. Marília. Derivados de Farinhas: Pães, Massas e Bolos. Carnes e Derivados. Chocolates. Alimentos para Animais NÚCLEO ALIMENTOS Barra Funda Derivados de Farinhas: Pães, Massas e Bolos Análise Sensorial Sorvetes Laboratórios de Análise em Alimentos Campinas Carnes e Derivados Alimentos para Animais Chocolates Laboratórios

Leia mais

Como produzir suínos sem milho?

Como produzir suínos sem milho? Página 1 de 8 Como produzir suínos sem milho? Curtir Cadastre-se para ver do que seus amigos gostam. Luiz Fernando Teixeira Albino Professor Titular DZO/UFV Viçosa, MG Fernando de Castro Tavernari Pesquisador

Leia mais

47 67 80 com açúcar. 55 79 80 sem açúcar. Bolo de chocolate 38 54 111. Bolo triturado 54 77 53. 42 60 111 feito com baunilha congelada

47 67 80 com açúcar. 55 79 80 sem açúcar. Bolo de chocolate 38 54 111. Bolo triturado 54 77 53. 42 60 111 feito com baunilha congelada Tabela 8.2 Índice glicêmico de bolos e muffins segundo Foster-Powell 7 Alimentos Índice glicêmico em Índice glicêmico Tamanho relação à glicose = em relação ao pão = da porção 100 100 (g/ml) Bolos Bolo

Leia mais

a delícia que alimenta

a delícia que alimenta a delícia que alimenta Código da emb. múltipla... 7896969410232 Código do Display... 7896969410225 cacau em pó e confeito granulado colorido. Contém estabilizantes lecitina de soja (INS 322) e mono-diglicerídeos,

Leia mais

Produção de açúcar mascavo

Produção de açúcar mascavo Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Produção de açúcar mascavo Disciplina: Processamento Geral de Alimentos Professores: João Freire Noronha Ivo Rodrigues Autor: Sandra

Leia mais

Escrito por Ademir Dom, 03 de Janeiro de 2010 21:28 - Última atualização Dom, 03 de Janeiro de 2010 21:31

Escrito por Ademir Dom, 03 de Janeiro de 2010 21:28 - Última atualização Dom, 03 de Janeiro de 2010 21:31 DIETA DA USP Aqui segue o cardápio da dieta da USP. O regime da USP permite você perder gordura e emagrecer devido ao aceleramento do metabolismo e fazendo com que o organismo comece a queimar gordura

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 15/2014

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 15/2014 92.005.586/0001-03 Tipo de Julgamento: Menor Preço por Página 1 de 5 Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 75,00 KG AÇUCAR 2 3,00 UND AÇUCAR DE BAUNILHA PC/500G 3 0,80 Kg ALHO 4 5,00

Leia mais

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços

Impacto do IMF e do sistema atual sobre os preços Arroz em casca 15,72 30,25 Milho em grão 15,21 32,16 Trigo em grão e outros cereais 15,70 32,66 Cana-de-açúcar 15,47 32,68 Soja em grão 15,83 33,01 Outros produtos e serviços da lavoura 14,10 31,31 Mandioca

Leia mais

AUTORA DA APOSTILA E MINISTRANTE DA OFICINA Michelly Moraes Barbosa

AUTORA DA APOSTILA E MINISTRANTE DA OFICINA Michelly Moraes Barbosa Produção de Alimentos Bocaiúva Importância Boas Práticas de Fabricação Agosto de 2008 Miranda/MS AUTORA DA APOSTILA E MINISTRANTE DA OFICINA Michelly Moraes Barbosa PROJETO: ELABORAÇÃO DE PRODUTOS BOCAIÚVA

Leia mais

Cardápio - Berçário 06 a 07 meses Abril/2012

Cardápio - Berçário 06 a 07 meses Abril/2012 Cardápio - Berçário 06 a 07 meses Abril/2012 SERVIÇO Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Média Valor Nutricional 2/abr 3/abr 4/abr 5/abr 6/abr Mamadeira Mamadeira Mamadeira Mamadeira Biscoito salgado Biscoito

Leia mais

BAIXA RENDA. Como a indústria e o varejo acessam este mercado? Ana Fioratti

BAIXA RENDA. Como a indústria e o varejo acessam este mercado? Ana Fioratti BAIXA RENDA Como a indústria e o varejo acessam este mercado? Ana Fioratti Experiência Global 50 anos de experiência em painéis de consumidores; Em 54 países de todo o mundo; A KantarWorldpanelempresa

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA Autor: Aline Manenti Darabas Colaboraram para este projeto: Agenor Borges Arminda, Diarles Giusti Consoni, Karoline Hilzendeger Pereira, Sandro Novelli e Valdineia

Leia mais

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg

ITEM DESCRIÇÃO NCM/SH 1.1. Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg I - CHOCOLATES 1.1 Chocolate branco, em embalagens de conteúdo inferior ou igual a 1 kg 1704.90.10 1.2 Chocolates contendo cacau, em embalagens de conteúdo inferior 1806.31.10 ou igual a 1kg 1806.31.20

Leia mais

Receita Estadual. Bloco K Estudos de caso. WAGNER FERNANDES Auditor Fiscal Receita Estadual do Paraná

Receita Estadual. Bloco K Estudos de caso. WAGNER FERNANDES Auditor Fiscal Receita Estadual do Paraná Receita Estadual Bloco K Estudos de caso WAGNER FERNANDES Auditor Fiscal Receita Estadual do Paraná SETEMBRO/2015 Bloco K Estudos de caso Caso A Indústria de confecções Caso B Agroindústria Fábrica de

Leia mais

CARDÁPIO H1 QUILOMBOLA

CARDÁPIO H1 QUILOMBOLA QUILOMBOLA GOVERNO ESTADO DO MARANHÃO FLÁVIO DINO DE CASTRO E COSTA SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO FELIPE COSTA CAMARÃO SECRETARIA ADJUNTA DE SUPORTE AO SISTEMA EDUCACIONAL ANDERSON FLÁVIO LINDOSO SANTANA

Leia mais

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA TERAPIA COM 131 IODO (CÂNCER DE TIREOIDE)

ORIENTAÇÕES GERAIS PARA TERAPIA COM 131 IODO (CÂNCER DE TIREOIDE) ORIENTAÇÕES GERAIS PARA TERAPIA COM 131 IODO (CÂNCER DE TIREOIDE) Inicialmente, o paciente deverá agendar uma entrevista com o médico nuclear da unidade. Essa entrevista tem como principais objetivos a

Leia mais

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja

Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja Breve introdução sobre o processo de extração mecânica de óleo e produção de farelo de soja O farelo integral ou semi integral obtido através do processo de extrusão vem ganhando cada vez mais espaço em

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS ESTADO DO PARÁ

TRIBUNAL DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS ESTADO DO PARÁ 1. Dados Gerais da Licitação #Código: 042282525346240010020156042050815093150714280099 Número do Processo Licitatório 2015/5/4417 Exercício 2015 Modalidade Tipo Objeto Registro de Preços Originário de

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR E BAGAÇO DE CANA NA ENGORDA DE BOVINOS (1 )

CANA-DE-AÇÚCAR E BAGAÇO DE CANA NA ENGORDA DE BOVINOS (1 ) B. Indústr. anim., Nova Odessa, SP, 43(1):1-6,jan.fjun. 1986 CANA-DE-AÇÚCAR E BAGAÇO DE CANA NA ENGORDA DE BOVINOS (1 ) (Sugar cane as cattle ration ingredient) LAÉRCIO JOSÉ PACOLA e), CELSO BOIN (3),

Leia mais

VOLUME 1. Cartilha Educativa. Vegetarianismo. ETEC Prefeito Alberto Feres

VOLUME 1. Cartilha Educativa. Vegetarianismo. ETEC Prefeito Alberto Feres VOLUME 1 Cartilha Educativa Vegetarianismo ETEC Prefeito Alberto Feres Vegetarianismo Cartilha Educativa sobre Vegetarianismo Volume 1 ETEC Prefeito Alberto Feres Trabalho de Conclusão de Curso 2º Semestre

Leia mais

BERCÁRIO I. LANCHE DA MANHÃ ALMOÇO LANCHE DA TARDE Mamadeira Mamão papaia

BERCÁRIO I. LANCHE DA MANHÃ ALMOÇO LANCHE DA TARDE Mamadeira Mamão papaia Pêra Sopa de batata salsa, cenoura, brócolis, arroz, frango papaia Sopa de inhame, cenoura, abobrinha, espinafre, carne BERCÁRIO I LANCHE DA MANHÃ ALMOÇO LANCHE DA TARDE papaia lima argentina raspada Sopa

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TIMBAÚBA Cardápio Merenda Escolar - Regular Secretaria de Educação Dezembro / 2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE TIMBAÚBA Cardápio Merenda Escolar - Regular Secretaria de Educação Dezembro / 2015. PREFEITURA MUNICIPAL DE TIMBAÚBA Cardápio Merenda Escolar - Regular Semana Horário Segunda-Feira Terça-Feira Quarta-Feira Quinta-Feira Sexta-Feira 1ª Doce com Achocolatado Macarronada Sopa Cuscuz cm Ovos

Leia mais

Produção de doce de Abóbora

Produção de doce de Abóbora Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Licenciatura em Engenharia Alimentar Ano lectivo 2009/2010 Processamento Geral de Alimentos Produção de doce de Abóbora Trabalho realizado

Leia mais

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO

ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO ATA DA SESSÃO PÚBLICA DO PREGÃO Dependência: MUNICIPIO DE GOIANIA - COMISSAO GERAL DE LICITACAO - (GO) Licitação: (Ano: 2014/ MUNICIPIO DE GOIANIA / Nº Processo: 54901071/13 e outros) Às 15:01:11 horas

Leia mais

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos:

Tabela 1 - conteúdo de umidade em alguns alimentos: UMIDADE EM ALIMENTOS Umidade, ou teor de água, de um alimento constitui-se em um dos mais importantes e mais avaliados índices em alimentos. É de grande importância econômica por refletir o teor de sólidos

Leia mais

Pão de forma com presunto magro Bolo de banana Pão de batata recheado. Suco de uva Suco de limão Suco de abacaxi Jantar

Pão de forma com presunto magro Bolo de banana Pão de batata recheado. Suco de uva Suco de limão Suco de abacaxi Jantar CARDAPIO SEMANAL - 2 a 6 anos 02 a 06 de NOVEMBRO 02/11/2015 03/11/2015 04/11/2015 05/11/2015 Lanche da Manhã Biscoito de aveia e mel Tostex (queijo e peito de peru) Pão de forma com margarina Leite batido

Leia mais

ANEXO I GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO E CULTURA RELAÇÃO DOS GÊNEROS ALIMENTÍCIOS DA AGRICULTURA FAMILIAR PARA ALIMENTAÇÃO ESCOLAR E SUAS ESPECIFICAÇÕES. GÊNERO ALIMENTÍCIO

Leia mais

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005

revogada(o) por: Resolução RDC nº 263, de 22 de setembro de 2005 título: Resolução RDC nº 93, de 31 de outubro de 2000 ementa: Dispõe sobre o Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade de Massa Alimentícia. publicação: D.O.U. - Diário Oficial da União;

Leia mais

CARDÁPIO ESCOLAR 2015

CARDÁPIO ESCOLAR 2015 Lanche da manhã 26/01/2015 Almoço ******* 4ª SEMANA DE JANEIRO (27/01/15 A 30/01/15) 27/01/2015 28/01/2015 29/01/2015 30/01/2015 ******* Banana Maçã Mamão *** Estrogonofe de Frango e de Soja, Batata Palito

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto CIMENTOL é uma tinta impermeável de grande durabilidade, que mantém a boa aparência por mais tempo. Apresenta ótima aderência sobre alvenaria, concreto e fibrocimento. Características Aparência:

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRI A E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 433, DE 13 DE MAIO DE 2008.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRI A E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 433, DE 13 DE MAIO DE 2008. Portaria Nº 433, DE 13 DE MAIO DE 2008 Situação: Vigente Publicado no Diário Oficial da União de 15/05/2008, Seção 1, Página 14 Ementa: Submete à consulta pública pelo prazo de 30 (trinta) dias, a contar

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO E.E. ARACY EUDOCIAK Unidade 3 química - Conteúdos curriculares: c8: Reações Químicas (classificação e equações) c9: Balanceamento de equações (Estequiometria) c9:massa atômica, massa molecular e o conceito de mol Representação:

Leia mais

simeticona LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Emulsão Oral 75 mg/ml

simeticona LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA Emulsão Oral 75 mg/ml simeticona LEGRAND PHARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA 75 mg/ml I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO simeticona Medicamento Genérico, Lei nº 9.787 de 1999. APRESENTAÇÃO (gotas). Embalagem contendo frasco de

Leia mais

Dieta Sólida Recomendações:

Dieta Sólida Recomendações: Dieta Sólida Sua dieta voltará a ter consistência normal, porém, de agora em diante, siga uma alimentação adequada, tanto em quantidade quanto em qualidade. Inclua fontes de vitaminas, minerais e proteínas

Leia mais

Agroindústria. Processamento artesanal da mandioca Fabricação do polvilho

Agroindústria. Processamento artesanal da mandioca Fabricação do polvilho 1 de 6 10/16/aaaa 10:38 Agroindústria Processamento artesanal da mandioca Fabricação do polvilho Processamento artesanal da Nome mandioca: fabricação do polvilho Produto Informação Tecnológica Data Agosto

Leia mais

Estrutura de uma molécula de triglicerídeos O C

Estrutura de uma molécula de triglicerídeos O C Estrutura de uma molécula de triglicerídeos H O H C O C O R 1 H C O C H C H O C O R 2 R 3 Triacilglicerois (TAG) ésteres (ácidos graxos e glicerol), cujo nome oficial da IUPAC é 1,2,3-propanotriol 9 Composição

Leia mais

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia

Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I. Tema 1: Conhecendo deu corpo. Fisiologia Instituto Federal de Santa Catarina Câmpus Florianópolis Unidade Curricular: Biologia I Tema 1: Conhecendo deu corpo Fisiologia Digestão e Respiração Prof. Leandro Parussolo leandro.parussolo@ifsc.edu.br

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS 1. IDENTIFICAÇÃO Nome do produto: Aplicação: Desmoldante líquido a base de óleo vegetal e aditivos. Utilizado na produção de prémoldados, vigas e pilares em concreto aparente Nome da empresa: Avaré Concreto

Leia mais

QUADRO - I - A CENÁRIO DE CRISE: INEXISTÊNCIA DE PRODUTOS FRESCOS E CONGELADOS, IMPOSSIBILIDADE DE COZINHAR E LIMITAÇÕES DE ÁGUA

QUADRO - I - A CENÁRIO DE CRISE: INEXISTÊNCIA DE PRODUTOS FRESCOS E CONGELADOS, IMPOSSIBILIDADE DE COZINHAR E LIMITAÇÕES DE ÁGUA QUADRO - I - A CENÁRIO DE CRISE: INEXISTÊNCIA DE PRODUTOS FRESCOS E CONGELADOS, IMPOSSIBILIDADE DE COZINHAR E LIMITAÇÕES DE ÁGUA Refeições Segunda Terça Quarta Quinta Sexta Sábado Domingo Pequeno Almoço/

Leia mais

Cardápio Berçário - 08 meses a 2 anos Novembro 2014

Cardápio Berçário - 08 meses a 2 anos Novembro 2014 Cardápio Berçário - 08 meses a 2 anos SERVIÇO Segunda Terça Quarta Quinta Sexta 03 04 05 06 07 MÉDIA VALOR NUTRICIONAL Mamadeira Mamadeira Mamadeira Mamadeira Mamadeira KCAL: 486,20 g CHO: 49,23 g Biscoito

Leia mais

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo

Os cereais. Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo Trigo Arroz Centeio Milho Aveia Cevada Sorgo O que são Cereais Integrais? São cereais que não foram processados. Consistem no gérmen, endosperma e casca. Endosperma: Constitui aproximadamente 83% do peso

Leia mais

Relatório IV EDIÇÃO SACOS QUE ENCHEM CORAÇÕES

Relatório IV EDIÇÃO SACOS QUE ENCHEM CORAÇÕES Relatório IV EDIÇÃO SACOS QUE ENCHEM CORAÇÕES IV EDIÇÃO C AMPANHA SACO S OLIDÁRIO SACOS QUE ENC HEM C ORAÇÕES 15 ANOS KEL L Y SERVI C E S P O R T U G A L Nos últimos três anos a Campanha Saco Solidário

Leia mais

BRIGADEIRO TRADICIONAL pão de ló de chocolate recheio de brigadeiro, cobertura de brigadeiro com granulado.

BRIGADEIRO TRADICIONAL pão de ló de chocolate recheio de brigadeiro, cobertura de brigadeiro com granulado. BOLOS DE CHOCOLATE BRIGADEIRO TRADICIONAL pão de ló de chocolate recheio de brigadeiro, cobertura de brigadeiro com granulado. DELÍCIA DE COCO II - pão de ló de chocolate, recheio de mousse de chocolate

Leia mais

BALANÇA DIGITAL Luxury Collection Alta Sensibilidade

BALANÇA DIGITAL Luxury Collection Alta Sensibilidade BALANÇA DIGITAL Luxury Collection Alta Sensibilidade MODELO 28002 Manual de Instruções Parabéns por ter adquirido um produto da qualidade INCOTERM. Este é um produto de grande precisão e qualidade comprovada.

Leia mais

BARRITAS DE MUESLI. 30 gr 24 216 12. 30 gr 24 216 12. 30 gr 24 216 12 UN. CX. VAL. (m) CX. / PAL. EMBAL. (gr/ml) FOTO EAN 13 DESIGNAÇÃO COMPOSIÇÃO

BARRITAS DE MUESLI. 30 gr 24 216 12. 30 gr 24 216 12. 30 gr 24 216 12 UN. CX. VAL. (m) CX. / PAL. EMBAL. (gr/ml) FOTO EAN 13 DESIGNAÇÃO COMPOSIÇÃO 5310099000870 Barrita de Muesli com Frutos Tropicais Ingredientes: xarope de glucose, cereais (21%)(arroz extrusado, flocos de aveia, flocos de centeio, arroz tufado), frutos tropicais (20%)(coco, tâmaras,

Leia mais

Número PE064/2014. Fornecedor. Pregão. Unidade Requisitante UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA BAHIA - CAMPUS VITORIA DA C

Número PE064/2014. Fornecedor. Pregão. Unidade Requisitante UNIVERSIDADE DO SUDOESTE DA BAHIA - CAMPUS VITORIA DA C Folha 1 1 CESTA, basica, de alimentos, composta de 13 produtos, sendo: Un 700,00-2 Kg de ACUCAR cristalizado, sacarose de cana-de-acucar, na cor branca. Embalagem em polietileno, contendo dados de identificacao

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 1 Índice Ambiente operacional...03 Instalação...03 Precauções na instalação...04 Utilizando o controle da Cortina de Ar...05 Dados técnicos...06 Manutenção...06 Termo de garantia...07 2 As cortinas de

Leia mais

Impresso fechado. Pode ser aberto pela ECT.

Impresso fechado. Pode ser aberto pela ECT. Impresso fechado. Pode ser aberto pela ECT. 1 Anotações Meu Brasil brasileiro mulato inzoneiro de raízes, flores e frutos. Dos mais doces aos mais cítricos. Todos traços típicos de uma cultura que sabe

Leia mais

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas

Gomas de mascar com ou sem açúcar. Bebidas prontas à base de mate ou chá. Preparações em pó para a elaboração de bebidas Abrangência: operações interestaduais entre contribuintes situados em São Paulo e contribuintes situados em Sergipe. Produto: alimentícios. Conteúdo: relação de Margem de Valor Agregado. Base Legal: Protocolo

Leia mais

Soluções. Soluções. Exemplo

Soluções. Soluções. Exemplo Soluções Soluções Química São Misturas Homogêneas 1 Fase Soluto + Solvente = Solução Podem ser : sólidas, líquidas e gasosas. Exemplos: Ligas metálicas; água potável e ar. Prof. Renan Campos. DE ACORDO

Leia mais

Número PE011/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega

Número PE011/2015. Fornecedor. Pregão. Item Descrição do Material UF Quantidade Preço Unitário Preço Total Marca / Modelo Prazo Entrega Folha 1 1 CESTA, basica, de alimentos, composta de 13 produtos, sendo: Un 360,00-2 Kg de ACUCAR cristalizado, sacarose de cana-de-acucar, na cor branca. Embalagem em polietileno, contendo dados de identificacao

Leia mais

ABATE DE SUÍNOS. Figura 1. Abate suíno no Brasil e em São Paulo (ABIPECS, 2006)

ABATE DE SUÍNOS. Figura 1. Abate suíno no Brasil e em São Paulo (ABIPECS, 2006) ABATE DE SUÍNOS Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com.) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com.) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO A carne

Leia mais

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010.

ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1. * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. ANEXO 4.0 SUBSTITUIÇÃO TRIBUTÁRIA ANEXO 4.42.1 * REVOGADO PELO DECRETO Nº 26.695 de 6 de julho de 2010. NAS OPERAÇÕES COM PRODUTOS ALIMENTÍCIOS Acrescentado pelo DECRETO nº 26.258 de 30.12.2009 DOE: 30.12.2009

Leia mais