11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz"

Transcrição

1 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

2 COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade %

3 Ponto ideal de colheita Máxima % grãos maduros Mínima % grãos imaturos Fonte: Oi, 2006

4 Fonte: Oi, 2006 Ponto ideal de colheita

5 COLHEITA Umidade na colheita (%) Umidade = 0,0461DAF 2-3,273DAF + 80,221 R 2 = 0, Dias após o florescimento médio (DAF) Produtividade (kg/ha) Produtividade = -10,531DAF ,06DAF ,2 R 2 = 0, Dias após o florescimento médio (DAF) Figura 01. Relação entre colheitas feitas com o passar dos dias após florescimento médio e o grau de umidade na colheita e produtividade do arroz de terras altas irrigado. Selvíria (MS), 2002/03. Fonte: Binotti et al. (2007) Obs: De maneira geral a colheita é realizada por volta de 30 dias após fertilização (depende das condições climáticas).

6 Figura 2. Rendimento de grãos inteiros no beneficiamento considerando-se o momento de colheita em número de dias após o florescimento médio. Fonte: Breseghello e Stone (1998).

7 PERDAS NA CULTURA DO ARROZ:

8 COLHEITA FEITA ANTES DO PONTO DE MATURAÇÃO UMIDADE ; MENOR PRODUTIVIDADE (GRÃOS VERDES, MAL FORMADOS E GESSADOS); TRILHA INEFICIENTE (GRÃOS RETIDOS NA PANÍCULA); BAIXA DE RENDIMENTO DA MÁQUINA EMBUCHAMENTOS;

9 COLHEITA FEITA ANTES DO PONTO DE MATURAÇÃO MAIOR PROPORÇÃO DE GRÃOS VERDES E GESSADOS MAIOR N DE GRÃOS QUEBRADOS NO BENEFICIAMENTO; REDUZ ACEITAÇÃO E O VALOR COMERCIAL DO PRODUTO; NECESSITADA DE SECAGEM IMEDIATA (FERMENTAÇÃO).

10 COLHEITA FEITA DEPOIS DO PONTO DE MATURAÇÃO GRÃOS MUITO SECOS; DEBULHA NATURAL E ACAMAMENTO; RISCOS CLIMÁTICOS; ATAQUE DE INSETOS, DOENÇAS, PÁSSAROS, ROEDORES; GRÃOS INTEIROS (principalmente se ocorrer alternância de chuvas e sol forte).

11 HORÁRIO RIO PARA COLHEITA UMIDADE; NÃO MUITO CEDO ORVALHO; EM CASO DE CHUVA, ESPERAR PARA QUE O ARROZ FIQUE SECO.

12 COLHEITA MANUAL REQUER EM TORNO DE 10 HOMEM-DIA /ha; PEQUENAS LAVOURAS; CORTE CUTELO (Próximo ao nível n do solo, de 15 a 30 cm); RECOLHIMENTO E A TRILHA, SÃO REALIZADOS MANUALMENTE.

13 Fonte: Arf (2007)

14 Fonte: Arf (2010)

15 Fonte: Arf (2010)

16 Fonte: Arf (2010)

17 Fonte: Arf (2010)

18 Fonte: Arf (2010)

19 Fonte: Arf (2010)

20 COLHEITA SEMI- MECANIZADA CORTE MANUAL É REALIZADO POUCO ABAIXO DAS PANÍCULAS; TRILHA: TRILHADORAS

21 Fonte: Arf (2010)

22 Fonte: Arf (2010)

23 Fonte: Arf (2010)

24 Fonte: Arf (2010)

25

26 COLHEITA MECANIZADA TODAS AS OPERAÇÕES SÃO REALIZADAS POR MÁQUINAS.

27 FUNÇÕES DE UMA COLHEDORA CORTE DA CULTURA E DIRECIONAMENTO PARA OS MECANISMOS DE TRILHA; TRILHA: QUE CONSISTE NA SEPARAÇÃO DOS GRÃOS DE SUAS ENVOLTURAS E DE PARTES DE SUPORTE NA PLANTA; SEPARAÇÃO DO GRÃO E DA PALHA; LIMPEZA.

28 EMBRAPA

29 Fonte: Arf (2010) COLHEITA

30 Fonte: Arf (2010) COLHEITA

31 UNESP - Botucatu

32 SECAGEM Como o arroz écolhido nas maioria das vezes com umidade elevada e com grandes quantidades de impurezas e matérias estranhas, é necessário o processo de pré-limpeza e secagem dos grãos.

33 SECAGEM A secagem dos grãos que chegam da lavoura deve ser iniciada tão logo se realize a colheita ou, no máximo, até 24 horas após. Entretanto, isso não sendo possível, é importante pré-limpar, aerar e/ou présecar o arroz.

34 SECAGEM A secagem pode ser feita por vários métodos: -Natural - Artificial: secagem forçada, a qual inclui as estacionárias, onde apenas o ar se movimenta durante a operação, - Artificial: convencionais, onde são movimentados ar e grãos durante a secagem.

35 Secagem natural -ao ar livre; -aquecimento pelo sol; -terreiros; -asfalto; -operações manuais; -interferências de condições climáticas; -baixo custo; -cuidados.

36 Secagem natural CUIDADOS: - O arroz deve ser disposto em camadas sobre o piso do terreiro com espessura uniforme; - Movimentação freqüente (intervalo de 30 minutos para uniformizar a temperatura)..

37 Beneficiamento O rendimento total do arroz no Brasil é de 68% após o descascamento e polimento. 40% de inteiros e 28% de grãos quebrados.

38 Inteiro: comprimento superior ou igual a ¾ partes do comprimento mínimo da classe a que pertence; Quebrado: comprimento inferior a ¾ da classe a que pertence; Quirera: fragmentos de grãos que passam pela peneira com furos de 1,6 mm de diâmetro.

39 Em 60 kg de arroz em casca (13% bu) tem-se: 40 kg descascado e polido 8 kg de farelo 12 kg de casca 32 kg de inteiros 1 kg de quirera 7kg de quebrados

40 Fatores que interferem na produção de grãos inteiros Teor de umidade na colheita Temperatura Vento Umidade relativa Adubação Cultivar Regulagem do engenho de beneficiamento Resfriamento dos brunidores Intensidade e tempo de polimento

41 Esquema de beneficiamento Arroz Moega Pré-limpeza Descascador Separador de Marinheiro Arroz descascado Marinheiro Arroz integral Brunidor Classificador Farelo Inteiro Quirera ½ Subproduto ¾ do ½e ¾ Trieur Inteiros Beneficio Empacotamento

42 Classificação do Arroz Separar os grãos baseando-se em um conjunto de caracteres; Diferenciar segundo gostos e costumes; Dividir em grupos e subgrupos.

43 Classes- Função do tamanho Longo Fino produto com, no mínimo, 80% do peso de grãos inteiros medindo 6 mm ou mais no comprimento; 1,85 mm, no máximo, na espessura e com COMPRIMENTO/LARGURA > 3após 3 polimento. Longo no mínimo, 80% dos grãos inteiros após o polimento medindo 6 mm ou mais. Médio no mínimo, 80% dos grãos inteiros medindo de 5 a menos de 6 mm no comprimento após polido. Curto - no mínimo, 80% dos grãos inteiros medindo menos de 5 mm no comprimento após o polimento. Misturado produto que não se enquadra nas classes anteriores apresentando mistura de 2 a 3 classes.

44

45 Tipos- Funções de defeitos graves e defeitos gerais O arroz polido éclassificado quanto a sua qualidade em: Tipo 1: grãos perfeitos, maduros e de beneficiamento esmerado, com o máximo de 14% de umidade, 6% de quebrados, 0,15% de canjica ou quirera e 0,5% de manchados picados ou danificados.

46 Tipo 2: grãos perfeitos, maduros e de beneficiamento esmerado, com o máximo de 14% de umidade, 15% de quebrados, 0,25% de canjica ou quirera, 0,5% de manchados picados ou danificados.

47 Tipo 3: grãos perfeitos, maduros e de beneficiamento esmerado, com o máximo de 14% de umidade, 20% de quebrados, 0,5% de canjica ou quirera, 0,5% de manchados picados ou danificados.

48 Tipo 4: grãos perfeitos, maduros e de beneficiamento regular, com o máximo de 14% de umidade, 30% de quebrados, 1% de quirera e 2,5% de manchados picados ou danificados.

49 Tipo 5: grãos perfeitos, maduros e de beneficiamento regular, com o máximo de 14% de umidade, máximo de 45% de quebrados e 5% de manchados picados ou danificados.

50 Fonte: Elias (2015)

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Secagem, Armazenamento e Beneficiamento

Secagem, Armazenamento e Beneficiamento Secagem, Armazenamento e Beneficiamento Eduardo da Costa Eifert A qualidade dos grãos de arroz é influenciada pelo método de secagem, pelo beneficiamento, pelas condições de armazenamento, como também

Leia mais

8. COLHEITA DO MILHO

8. COLHEITA DO MILHO 8. COLHEITA DO MILHO COLHEITA MANUAL Evitar atraso Colher direto no reservatório do meio de transporte COLHEITA MECÂNICA Evitar atraso Essencial a boa regulagem da máquina (cálculo das perdas) Umidade

Leia mais

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS PARTE 1 Prof. Dr. Antônio Lilles Tavares Machado DER - FAEM UFPel Tipos de colheita Manual Manual - Mecânica Mecânica Colheita Manual Colheita Manual A planta pode ser

Leia mais

Nota: Início de vigência prorrogada para 1º de março de 2010 pelo (a) Instrução Normativa 16/2009/MAPA

Nota: Início de vigência prorrogada para 1º de março de 2010 pelo (a) Instrução Normativa 16/2009/MAPA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009(*) O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o agronegócio

Leia mais

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade. Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo

Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade. Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo Qualidade do trigo brasileiro: realidade versus necessidade Eliana Maria Guarienti Pesquisadora da Embrapa Trigo 84 anos 15 anos Linha do tempo 1999 19 anos 1994 1992 1990 1977 1925 1 cruzamento artificial

Leia mais

Colheita e beneficiamento das oleaginosas

Colheita e beneficiamento das oleaginosas Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri Faculdade de Ciências Agrárias Departamento de Agronomia Colheita e beneficiamento das oleaginosas Adriana de Souza Rocha Diamantina - MG Algodão

Leia mais

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê

Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Estratégias de colheita e beneficiamento para fibra de alta qualidade Engº Agrônomo Édio Brunetta Dir. Agroindustrial Grupo Itaquerê Introdução: A qualidade da fibra do algodão é influenciada direta e

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR INFORMA N.68 MAIO / 2006 RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR Eli Santana dos Santos¹ 1 IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES O uso de sementes de boa qualidade é o caminho mais seguro

Leia mais

ARROZ PRATO FINO BRANCO

ARROZ PRATO FINO BRANCO ARROZ PRATO FINO BRANCO Arroz polido, tradicional, de padrão superior. Originado de variedades de comprovada qualidade de cocção. Com baixo teor de umidade, elevada padronização de grãos, isento de grãos

Leia mais

QUALIDADE DE GRÃOS EM ARROZ. Emílio da Maia de Castro Noris Regina de Almeida Vieira Raimundo Ricardo Rabelo Sílvio Afonso da Silva

QUALIDADE DE GRÃOS EM ARROZ. Emílio da Maia de Castro Noris Regina de Almeida Vieira Raimundo Ricardo Rabelo Sílvio Afonso da Silva QUALIDADE DE GRÃOS EM ARROZ Emílio da Maia de Castro Noris Regina de Almeida Vieira Raimundo Ricardo Rabelo Sílvio Afonso da Silva Embrapa Arroz e Feijão Santo Antônio de Goiás, GO 1999 Embrapa Arroz e

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

Máquinas de colheita de grãos e forragem *

Máquinas de colheita de grãos e forragem * Máquinas de colheita de grãos e forragem * 1. Introdução A colheita da cultura é a etapa final do processo de produção. A mecanização do processo de colheita se tornou necessária para acompanhar o crescimento

Leia mais

Acta Scientiarum. Agronomy ISSN: Universidade Estadual de Maringá Brasil

Acta Scientiarum. Agronomy ISSN: Universidade Estadual de Maringá Brasil Acta Scientiarum. Agronomy ISSN: 1679-9275 eduem@uem.br Universidade Estadual de Maringá Brasil da Silva Binotti, Flávio Ferreira; Arf, Orivaldo; Aparecida Fernandes, Fabiana; de Sá, Marco Eustáquio Momento

Leia mais

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007 1 de 26 Índice: 1 DO OBJETIVO...2 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO...2 3 DAS DEFINIÇÕES...2 3.1 DAS SIGLAS...2 3.2 DA FINALIDADE DO SECLAC...2 3.3 DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC...2 3.4 DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL Nº. 7, set./94, p.1-5 CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL João Carlos Heckler¹ Carlos Ricardo Fietz² Reinaldo Bazoni³ 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA

PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA PROCESSO DE PRODUÇÃO DO ARROZ DA COOPERJA Autor: Aline Manenti Darabas Colaboraram para este projeto: Agenor Borges Arminda, Diarles Giusti Consoni, Karoline Hilzendeger Pereira, Sandro Novelli e Valdineia

Leia mais

2-10. Espelho Banheiro. Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura. Criação:

2-10. Espelho Banheiro. Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura. Criação: Apresenta Espelho Banheiro 2-10 Iluminação e Desembaçador automáticos e indicadores de umidade do ar e temperatura Criação: Artesão/Engenheiro: Carlos Mury 3-10 Construção totalmente, tornando a peça única,

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO

ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO ITEM 1 CÓDIGO: 10.309 ESPECIFICAÇÃO ÓLEO DE SOJA, Tipo 1 - Embalagem com 900 ml. ANEXO I ESPECIFICAÇÃO DETALHADA DO OBJETO Óleo vegetal de soja, refinado, tendo sofrido processo tecnológico adequado com

Leia mais

Amostragem e análises de qualidade em grãos

Amostragem e análises de qualidade em grãos Disciplina de Armazenamento e Conservação de Grãos 2015/02 Amostragem e análises de qualidade em grãos Prof. Nathan Levien Vanier Eng. Agrônomo, Dr. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Objetivos - Compreender

Leia mais

Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga.

Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga. Critério de Classificação Crisântemo Bola Belga. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA

ANÁLISE GRANULOMÉTRICA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA Usada para caracterizar o tamanho das partículas de um material Distinguem-se pelo tamanho cinco tipos de sólidos particulados: Pó: partículas de 1 μm até 0,5 mm Sólidos Granulares:

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo

1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo 1.2. Situação da Cultura do Trigo no Brasil e no Mundo TRIGO BALANÇO MUNDIAL Ano Área Produção Consumo Consumo Estoque final (mil ha) (mil t) (mil t) per capta (mil t) (kg/hab/ano) 2007/08 217.102 612.708

Leia mais

EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA

EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA Jaqueline CARVALHO 1, Leandro L. MARCUZZO 2 1 Bolsista PIBITI/CNPq; 2 Orientador IFC-Campus Rio do Sul). Introdução A cebola (Allium cepa L.) é

Leia mais

10. Colheita: Dessecação: não recomendada (resíduos, grãos verdes, qualidade óleo, amassamento e deiscência).

10. Colheita: Dessecação: não recomendada (resíduos, grãos verdes, qualidade óleo, amassamento e deiscência). Professor Marcos Garrafa, Eng. Eng. Agrônomo, Ms Ms 10. Colheita: Dessecação: não recomendada (resíduos, grãos verdes, qualidade óleo, amassamento e deiscência). Atraso: grandes perdas colher no momento

Leia mais

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS.

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE 2014 - EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e J. Renato Dias e Lucas

Leia mais

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator)

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Campeão da Região Sudeste (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Produtor: Ivaldo Lemes da Costa Consultor: Cleber Longhin Cultura: SOJA Propriedade Agrícola: Sítio Matarazzo Município: Itapetininga/SP

Leia mais

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado

Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão. Telmo Amado Manejo da lavoura para altas produtividades com base na agricultura de precisão Telmo Amado Situação atual. Eficiência de Uso < 50% N e K, e < 30% de P Eficiência do uso da água Potencial genético subutilizado

Leia mais

LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO LTCAT

LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO LTCAT LAUDO TÉCNICO DAS CONDIÇÕES AMBIENTAIS DO TRABALHO LTCAT - RESTINGA SECA - DEZEMBRO / 2004 SANTA MARIA - RS 1. DADOS DA EMPRESA Empresa: COOPERATIVA TRITÍCOLA SEPEENSE LTDA COTRISEL Unidade: Vicente Cardoso

Leia mais

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016

DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 DEPEC Departamento de Pesquisas e Estudos Econômicos ARROZ NOVEMBRO DE 2016 O DEPEC BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas

Leia mais

Curso de Atualização Manejo tecnológico da lavoura cafeeira - PROCAFÉ

Curso de Atualização Manejo tecnológico da lavoura cafeeira - PROCAFÉ Curso de Atualização Manejo tecnológico da lavoura cafeeira - PROCAFÉ Mecanização da Lavoura Cafeeira Colheita e Recolhimento Prof. FABIO MOREIRA DA SILVA Departamento de Engenharia Universidade Federal

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

Boletim do arroz nº 15 (27 de fevereiro de 2015)

Boletim do arroz nº 15 (27 de fevereiro de 2015) Arroz irrigado Evolução do preço médio em Santa Catarina Luiz MarcelinoVieira Economista Epagri/Cepa marcelino@epagri.sc.gov.br Preço ao produtor Preço no atacado 35,53 35,53 58,05 57,92 34,33 34,20 57,07

Leia mais

PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA

PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA PRODUÇÃO DE ARROZ COM TIPO DE GRÃO PARA A CULINÁRIA JAPONESA: UMA OPÇÃO PARA RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng.Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o cultivo do arroz representa

Leia mais

28/01/2013 UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE)

28/01/2013 UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE) SECAGEM DE SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE) 4 º TIPO: ÁGUA DE IMPREGNAÇÃO

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 1 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 CONSÓRCIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA: COMPREENDENDO OS RISCOS DO ESTRESSE HÍDRICO NA

Leia mais

Qualidade de grãos de duas cultivares de arroz de terras altas produzidas em Minas Gerais

Qualidade de grãos de duas cultivares de arroz de terras altas produzidas em Minas Gerais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 7., 2010, Belo Horizonte Qualidade de grãos de duas cultivares de arroz de terras altas produzidas em Minas Gerais Iracema Clara Alves Luz (1), João Roberto

Leia mais

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino

Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Diagnose foliar na cultura do pimentão e pepino Simone da Costa Mello Departamento de Produção Vegetal, ESALQ/USP scmello@esalq.usp.br 19-34294190 r. 204 Diagnose foliar Interpretação: Material genético

Leia mais

CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE

CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE CRAVO E CRAVO SPRAY DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Tecnologia de Alimentos. Jaqueline Barbato

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Tecnologia de Alimentos. Jaqueline Barbato UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Tecnologia de Alimentos Jaqueline Barbato TORREFAÇÃO DE CAFÉ E BENEFICIAMENTO DE FEIJÃO DE CORUMBATAÍ DO SU L: APROVEITAMENTO DA CASCA ESTÁGIO

Leia mais

BOCA DE LEÃO DE CORTE

BOCA DE LEÃO DE CORTE BOCA DE LEÃO DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Cultivo de Variedades de Arroz em Modo de Produção Biológico

Cultivo de Variedades de Arroz em Modo de Produção Biológico PROJECTO: Cultivo de Variedades de Arroz em Modo de Produção Biológico Lisboa 16 de Julho de 2013 Existe normalmente uma intensa actividade humana nos Estuários. Estes são fortemente poluídos por diversas

Leia mais

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 7 Consórcio Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 153 Desde quando o consórcio é utilizado no Brasil? O cultivo em consórcio é empregado, na prática, no Brasil, há muito tempo, mas, só a partir

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO SUL Leandro Sartoreli Ricci Mamborê - PR 2010/2011 Produtividade: 6.027 kg/ha (100,5 sc/ha) - Variedade SYN 3358 (Variedade com folhas lanceoladas e alta resistência ao acamamento)

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

TERREIRO PAVIMENTADO COM LAMA ASFÁLTICA

TERREIRO PAVIMENTADO COM LAMA ASFÁLTICA TERREIRO PAVIMENTADO COM LAMA ASFÁLTICA TERREIRO PAVIMENTADO COM LAMA ASFÁLTICA INTRODUÇÃO Este folheto foi elaborado visando a produção de cafés de qualidade, com enfoque na redução do investimento em

Leia mais

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG

A GRAÚDO PÉROLA GRAÚDO MG COMPRA DE HORTIFRUTICOLAS PARA A ALIMENTAÇÃO ESCOLAR ESPECIFICAÇÃO DO EDITAL CEASA MG CEAGESP ABACAXI PÉROLA OU HAWAÍ: De Primeira; Graudo. Classificação: Grupo I (Polpa Amarela), Subgrupo: Colorido (Até

Leia mais

Máquinas para a Colheita de Cereais

Máquinas para a Colheita de Cereais UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB 432 Máquinas e Implementos Agrícolas Máquinas para a Colheita de Cereais Prof. Thiago

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Comunicado 233 Técnico

Comunicado 233 Técnico Comunicado 233 Técnico ISSN 1516-8654 Pelotas, RS Dezembro 2010 BRS Sinuelo CL : Cultivar de Arroz Irrigado para o Sistema Clearfield Ariano Martins de Magalhães Júnior 1 Paulo Ricardo Reis Fagundes 1

Leia mais

EM FUNÇÃO DA VARIAÇÃO DE VELOCIDADE E ABERTURA DAS PENEIRAS DA COLHEDORA

EM FUNÇÃO DA VARIAÇÃO DE VELOCIDADE E ABERTURA DAS PENEIRAS DA COLHEDORA AVALIAÇÃO DE PERDAS E IMPUREZAS NA COLHEITA DO AZEVÉM (Lolium multiflorum L.) EM FUNÇÃO DA VARIAÇÃO DE VELOCIDADE E ABERTURA DAS PENEIRAS DA COLHEDORA GAZOLLA NETO, Alexandre; WESTENDORFF, Nixon; WESZ,

Leia mais

Agroindústria Processamento Artesanal da Fabricação da Farinha de Mandioca

Agroindústria Processamento Artesanal da Fabricação da Farinha de Mandioca 1 de 5 10/16/aaaa 10:34 Agroindústria Processamento artesanal da fabricação da farinha de mandioca Processamento Nome artesanal da fabricação da farinha de mandioca Produto Informação Tecnológica Data

Leia mais

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO Dib Nunes Jr. Antonio Celso Silva Jr. Grupo IDEA Características Varietais 1. Florescimento: MENOR DENSIDADE DE CARGA MENOR VOLUME DE CALDO 2. Tombamento:

Leia mais

Critérios de Classificação Flor de Maio.

Critérios de Classificação Flor de Maio. Critérios de Classificação Flor de Maio. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais.

Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais. Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais. As frações podem diferenciar-se pelo tamanho de partículas, estado físico e composição química. Asoperaçõesdeseparaçãosãodeduasclasses:

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

Processamento de Castanha de Caju

Processamento de Castanha de Caju Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Agroindústria Tropical Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Processamento de Castanha de Caju Francisco Fábio de Assis Paiva Raimundo

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado.

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 644 DE 11 DE SETEMBRO DE 1975 O Ministro de Estado da Agricultura, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39,

Leia mais

CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE (Colheita e Pós-colheita) Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira

CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE (Colheita e Pós-colheita) Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira CAFÉ COM SUSTENTABILIDADE (Colheita e Pós-colheita) Frederico de Almeida Daher Marcos Moulin Teixeira VITÓRIA ES 206 2 JUSTIFICATIVA A cafeicultura no Estado do Espírito Santo vem se destacando de maneira

Leia mais

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja

Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja Aproveitamento dos grãos da vagem verde de soja 53 Marcos César Colacino 1 ; Carolina Maria Gaspar de Oliveira 2 RESUMO A antecipação da colheita da soja resulta em uma grande quantidade de vagens verdes

Leia mais

CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO

CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO CRAVO E CRAVÍNEA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação

Leia mais

Colhedora com sistema de trilha longitudinal 3/24/2012 1- SISTEMA CONVENCIONAL. Antes da Revolução Industrial manualmente

Colhedora com sistema de trilha longitudinal 3/24/2012 1- SISTEMA CONVENCIONAL. Antes da Revolução Industrial manualmente Principais Sistemas de Colheita Antes da Revolução Industrial manualmente Segadora mecânica corte e amontoa Debulhadora estacionária trilha e separação Principais Sistemas de Colheita Principais Sistemas

Leia mais

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo.

ROSA DE CORTE. É determinado pelo tamanho da haste desde a sua base até a ponta do botão, obedecendo à tabela abaixo. ROSA DE CORTE Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que unifica a comunicação entre

Leia mais

Critério de Classificação Curcuma Vaso.

Critério de Classificação Curcuma Vaso. Critério de Classificação Curcuma Vaso. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento que

Leia mais

Planejamento Industrial

Planejamento Industrial Sistema Embrapa de Produção Agroindustrial de Sorgo Sacarino para Bioetanol 85 Robert Eugene Schaffert Rafael Augusto da Costa Parrella Planejamento Industrial A produção econômica e sustentável de etanol

Leia mais

PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ

PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ 1 PROJETO DE REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO ARROZ 1. OBJETIVO: o presente Regulamento Técnico tem por objetivo definir o padrão oficial do arroz, considerando os seus requisitos de identidade

Leia mais

Características Técnicas

Características Técnicas ARADO SIMPLES PND3 Arado montado com disco IPA3 foi projetado para lidar com o solo a uma profundidade de 25 a 30 cm. Em solos secos duros e com a presença de raízes de árvores. Tipo montado Largura, m

Leia mais

Cultivares de Café Arábica Desenvolvidas pela Epamig/UFV/UFLA

Cultivares de Café Arábica Desenvolvidas pela Epamig/UFV/UFLA Cultivares de Café Arábica Desenvolvidas pela Epamig/UFV/UFLA 38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras Antonio Alves Pereira - Epamig/UREZM Antonio Carlos Baião de Oliveira - Embrapa Café Felipe

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

Aumente o rendimento da soja

Aumente o rendimento da soja Aumente o rendimento da soja Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique. 1 Preparação

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 60, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 Com alterações da I.N. nº 018 de 04 de julho de 2012

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 60, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 Com alterações da I.N. nº 018 de 04 de julho de 2012 INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 60, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 Com alterações da I.N. nº 018 de 04 de julho de 2012 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

Fatores que influenciam a qualidade dos cereais armazenados

Fatores que influenciam a qualidade dos cereais armazenados Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria MANEJO PÓS-COLHEITA DE GRÃOS E CEREAIS Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta M.

Leia mais

15º Encontro Técnico Internacional de Alto Nível: Compostagem em Escala Industrial

15º Encontro Técnico Internacional de Alto Nível: Compostagem em Escala Industrial 15º Encontro Técnico Internacional de Alto Nível: Compostagem em Escala Industrial Da Torta de Filtro ao Fertilizante Organomineral Estudo de Caso do Setor Sucroalcooleiro. Engª Agrª Camila Martinez Guidi

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

RESULTADOS DE 2009 CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO. Fevereiro, 2010

RESULTADOS DE 2009 CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO. Fevereiro, 2010 DESEMPENHO DE CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO Fevereiro, 2010 RESULTADOS DE 2009 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas pelo zoneamento agrícola, em

Leia mais

Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014

Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014 Resolução Comentada Fuvest - 1ª fase 2014 01 - Em uma competição de salto em distância, um atleta de 70kg tem, imediatamente antes do salto, uma velocidade na direção horizontal de módulo 10m/s. Ao saltar,

Leia mais

ZAMPRONIO CLASSIFICADORES DE SEMENTES

ZAMPRONIO CLASSIFICADORES DE SEMENTES ZAMPRONIO CLASSIFICADORES DE SEMENTES Funcionalidades: Separa os produtos pelas suas respectivas densidades (relagao peso x volume) através de urna carnada de ar proporcionada por ventiladores na parte

Leia mais

SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO

SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO SCINDAPSUS, PHILODENDRO, SYNGÔNIO E JIBÓIA DE VASO Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

Formação e manejo de capineiras

Formação e manejo de capineiras Universidade Federal do Ceará Centro de Ciências Agrárias Departamento de Zootecnia Formação e manejo de capineiras Magno José Duarte Cândido magno@ufc.br Núcleo de Ensino e Estudos em Forragicultura-NEEF/DZ/CCA/UFC

Leia mais

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA

RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA RELAÇÕES SOLO-ÁGUA-PLANTA-ATMOSFERA 1 ABSORÇÃO DE ÁGUA PELAS PLANTAS MOVIMENTO DA ÁGUA DO SOLO PARA A ATMOSFERA ATRAVÉS DA PLANTA COMPOSIÇÃO DO SOLO SOLO material poroso, constituído de três fases: Sólida

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA Mariéle Carolina EBERTZ 1 ; Gilmar Silvério da ROCHA 2 1 Aluna do Curso Técnico em Agropecuária, Instituto Federal Catarinense, Campus Rio do Sul,

Leia mais

ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005

ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005 37 ENSAIO COMPARATIVO AVANÇADO DE ARROZ DE VÁRZEAS EM MINAS GERAIS: ANO AGRÍCOLA 2004/2005 Edilene Valente Alves (1), Joyce Cristina Costa (1), David Carlos Ferreira Baffa (2), Plínio César Soares (3),

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS AGRONÔMICOS LTDA Av. Norte,

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER MÁQUINAS AGRÍCOLAS

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS Prof. Walter F. Molina Jr DEB ESALQ USP 2015 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 12, de 28 de março de 2008

Leia mais

IMPRIMADURA ASFÁLTICA. Prof. Dr. Rita Moura Fortes.

IMPRIMADURA ASFÁLTICA. Prof. Dr. Rita Moura Fortes. IMPRIMADURA ASFÁLTICA Prof. Dr. Rita Moura Fortes. IMPRIMADURA ASFÁLTICA Também chamada de Imprimação ou Prime-Coat. Consiste na aplicação de uma camada de material asfáltico sobre a superfície de uma

Leia mais

CULTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS. Prof. Drielly R Viudes

CULTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS. Prof. Drielly R Viudes CULTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS Prof. Drielly R Viudes Plantas Medicinais Espécies vegetais no mundo aproximadamente 250.000 Brasil 45.000 espécies e 17.000 só existem no Brasil Pouco mais de 1000 tiveram

Leia mais

Hortaliças: Importância e Cultivo. Werito Fernandes de Melo

Hortaliças: Importância e Cultivo. Werito Fernandes de Melo Hortaliças: Importância e Cultivo Werito Fernandes de Melo Importância do agronegócio para o Brasil. Algodão produção de 1,2 milhões/t em 2004 (5º); cresceu 22% em 2003; exportações em de 400 mil t (3º);

Leia mais