Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL"

Transcrição

1 I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser agendado a entrega do produto pelos telefones abaixo com antecipação: L O C A L TELEFONE Ponta Grossa - I (42) Carambeí (42) Tibagi I e II (42) EMBALAGEM: O feijão será recebido exclusivamente a granel. Não serão recebidos produtos tratados com fungicidas, inoculante, mistura de safras anteriores, teores de umidade diferente, com aspecto de mofo, fermentado, com odor estranho AMOSTRAGEM: Para efeito de amostragem deverá ser coletado um mínimo de 03 Kg. de produto, conforme abaixo: Amostragem do produto a granel: Da carga a granel, serão coletadas porções em 08 (oito) ou mais pontos, devendo a sonda penetrar até o fundo da carroceria. Se surgirem dúvidas

2 II quanto à homogeneidade da carga, ou quando a carga for mais alta que o comprimento da sonda, deverá ser retirada uma contra amostra durante o processo de descarga do veículo. Retirada de contra amostras em cargas a granel: Deverão ser coletadas em diversos pontos durante o processo de descarga, com intervalos regulares proporcionais ao volume descarregado, ou seja, aproximadamente a cada 500 Kg descarregados, retirar-se-á uma porção. Nas descargas de veículos com carrocerias basculantes, deve-se solicitar ao motorista para que bascule lentamente, obtendo-se assim tempo suficiente para coletar diversas amostras da carga. Deve-se retirar no mínimo 500 gramas por tonelada de grãos descarregados. As amostras retiradas durante o processo de descarga prevalecerão sobre as retiradas na recepção (Balança). As porções coletadas deverão ser homogeneizadas formando uma amostra inicial e desta será destacado 01 Kg. que ficará arquivado durante 07 (sete) dias para eventuais reclassificações. É facultado ao produtor assistir a reclassificação da amostra sendo que os prazos para reclassificação quanto à análise de impurezas, umidade do produto e qualidade são: UMIDADE IMPUREZAS 03 dias 07 dias As amostras deverão ser numeradas conforme o número do controle de movimentação na recepção (senha), que deverá permanecer na Balança DETERMINAÇÃO DO PERCENTUAL DE IMPUREZAS: Será efetuada em uma amostra de 500 gramas retirada da amostra inicial já homogeneizada e será processada pela máquina de impureza ou peneiras manuais com medidas de: - Peneira 1,90mm (Furo oblongo) e 4 x 22 para meio grão.

3 III Superficialmente procede-se a catação manual de outras impurezas como: Paus, pedras, terras, palhas, grãos germinados, grãos verdes, leitosos, etc. A soma dos pesos das impurezas obtidas pela peneira e o catado manualmente, indicarão o percentual a ser deduzido a título de impureza do peso bruto registrado na entrada DETERMINAÇÃO DO PERCENTUAL DE UMIDADE: A umidade será determinada na amostra isenta de impurezas, e registrado o percentual real da leitura, ou seja, sem arredondamento. (Ex. 13,6%) A quebra técnica por excesso de umidade obedecerá à tabela existente na Cooperativa e deverá ser aplicada sobre o peso que resultar após os descontos das impurezas. A umidade final do produto para armazenagem deverá ser no máximo 16,0% quando da venda imediata pelo produtor e de 13,0% para leilão e ou AGF. A tabela de quebra técnica foi elaborada com base na perda da água, por ocasião da secagem. 06 PADRÃO DE QUALIDADE: Todo o produto que se apresentar na recepção com problemas de qualidade em função de chuvas, terra e etc., deverá ser comunicado ao produtor através do rol de entrada de carga a carga. Toda a retirada ou embarque do feijão devera efetuar amostragem e arquivar por 15 dias para eventual verificação da qualidade final pelo produtor. O setor de Controle de Qualidade deverá efetuar uma calagem do produto final armazenado a cada 10 (dez) dias, para verificação da umidade, presença de fungos, insetos, etc. Quando solicitado para Semente, o produtor deverá retirar imediatamente após o beneficiamento, caso venha permanecer

4 IV armazenado o produto deverá sofrer secagem até 13,0% de umidade com temperatura máxima na fornalha de 60 graus, sendo que a Cooperativa não se responsabiliza pela germinação CUSTOS OPERACIONAIS E OUTROS: Custos de recepção, secagem e expedição: Serão calculados em função do percentual de umidade na entrada do produto, aplicando-se a tabela existente na Cooperativa. Os custos serão calculados e contabilizados no último dia do mês de referência. Custos de armazenagem: Os custos de armazenagem serão calculados sobre o estoque físico diariamente e contabilizados no ultimo dia do mês correspondente. Quebra de armazenagem: Será calculada a quebra de armazenagem a razão de 0,01% por dia. A quebra de armazenagem será calculada sobre o estoque físico existente no dia e deduzido do mesmo naquelas datas. Custos de transportes. A Cooperativa providenciará o transporte do produto vendido dos seus armazéns até o comprador, caso o frete seja de responsabilidade do vendedor, sendo este considerado nos custos operacionais do produto COMERCIALIZAÇÃO: Todo produto entregue na Cooperativa será comercializado na modalidade de preço contratado, desde que solicitado pelo produtor, conforme estipulado em contrato com a empresa compradora. No vencimento da parcela de financiamento de repasse ou de custeio, é facultado à Cooperativa liquidar a produção, suficiente para cobrir a parcela a ser amortizada e seus encargos.

5 V A Cooperativa poderá comercializar parte da produção do cooperado, mediante comunicação prévia, a fim de liquidar débitos vencidos do mesmo. Ao produtor será creditado o valor da comercialização na mesma data e condições que a Cooperativa efetuar a venda, conforme contrato existente com o comprador. Caso o produto entregue for efetuado a Comercialização Direta com o comprador, deverá ser informado via ou por escrito ao setor balança. Deverá também ser comunicado via telefone á autorização para retirada de amostras pelos compradores PAGAMENTO: Por ocasião da venda, serão descontados os débitos vencidos na Cooperativa. Quando o produto for dado em penhor de safra, o pagamento até o valor do custeio será efetuado com cheque cruzado à entidade creditícia respectiva. O produto será pago ou creditado ao cooperado quando a Cooperativa receber o numerário da venda conforme estipulado em contrato de compra e venda DISPOSIÇÕES FINAIS: A recepção deverá preencher nos campo da NFEC todas as informações sobre o produto e o produtor, como: Município de produção, talhão, peso, entreposto, umidade, impureza, defeitos, fungos, quebrados, presença de terra, etc. A entrega deverá ser efetuada diretamente pela Cooperativa dentro do prazo estabelecido no contrato de compra e venda fechada pela Cooperativa junto ao comprador. O produto deve satisfazer as condições de qualidade constante no contrato de compra e venda.

6 VI Em função da diferença de peso (sobra) em relação a tabela, quando o produto for armazenado com umidade final em torno de 16,0%, deverá ser dada entrada para o produtor de imediato. A área de Armazens e Secadores deverá pesar todo o produto após a secagem quando do envio para armazenagem final, sendo que a sobra já citada deve ser dado entrada de imediato para o produtor em questão como transferência de produção para que não seja efetuada a cobrança do custos de secagem novamente. Toda carga entregue na Cooperativa deverá vir acompanhada de 04 vias da NFEC, sendo que ao transportador será devolvida a 3 a. via anexado ao impresso, na qual constarão as informações do primeiro item das disposições finais, o que servirá para controle e conferência do produtor. Quando da emissão da NFEC pelo produtor se o mesmo tiver enteresse em controlar sua produtividade por talhão, deverá anotar o número do mesmo ao lado do nome da propriedade ou em campo específico da NFEC. Desta forma quando solicitado à posição de entrega carga a carga, na mesma constará a letra T com o número do talhão da respectiva área, ou solicitar carga a carga por talhão. O produtor deverá obrigatoriamente destacar na NFEC (Nota Fiscal de Entrega em Cooperativa) a VARIEDADE DO FEIJÃO. Casos omissos serão resolvidos pela diretoria. DATA 16/01/15 ASSINATURA: VISTO: EMITIDA POR: Marcos Korevar.

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO TERCEIROS A soja transgênica será recebida nas seguintes unidades,

Leia mais

Instrução Interna Nr. 09/2015

Instrução Interna Nr. 09/2015 Instrução Interna Nr. 09/2015 De : Diretoria Para : Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 01 - RECEPÇÃO: AVEIA INDUSTRIAL - PRETA A aveia será recebida nas seguintes unidades:

Leia mais

Instrução Interna Nr. 14/2015

Instrução Interna Nr. 14/2015 Instrução Interna Nr. 14/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os Setores REF. NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO - 2015 TERCEIROS TRIGO E TRITICALE INDUSTRIAL 01. RECEPÇÃO O trigo e triticale somente serão

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY. O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade:

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY. O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade: INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY 01. RECEPÇÃO O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade: L O C A L F O N E Ponta Grossa - I 3219-7050

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 1 INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO A soja será recebida nas seguintes unidades: LOCAL CONSUMO SEMENTE

Leia mais

A cevada será recebida exclusivamente à granel.

A cevada será recebida exclusivamente à granel. I Instrução Interna Nr. 10/2015 DE :Diretoria PARA :Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 CEVADA CERVEJEIRA 01 - RECEPÇÃO: A cevada será recebida na seguinte unidade: L O C

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO 01. RECEPÇÃO O milho transgenico será recebido nas seguintes unidades: L O C A

Leia mais

INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS

INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS ESPECIAL DE SAFRA * PUBLICAÇÃO SEMANAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 03.09.2015 INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO 2015 1 LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS UNIDADES DE RECEBIMENTO PRODUTOS

Leia mais

Circular Especial de Safra 2015/2016

Circular Especial de Safra 2015/2016 ESPECIAL DE SAFRA * PUBLICAÇÃO SEMESTRAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 01.02.2016 Circular Especial de Safra 2015/2016 1. LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS, SEGREGAÇÃO E HORÁRIOS: UNIDADES DE RECEBIMENTO

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2009/10

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2009/10 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 414/10 Data: 22/01/10 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2009/10 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO EM 2009/10.

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013. Para azevém respeitar rotação de 2 anos quando utilizar cultivares diferentes.

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013. Para azevém respeitar rotação de 2 anos quando utilizar cultivares diferentes. INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013 De: Diretoria Para: Todos os Setores REF. NORMAS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES BATAVO 1. INSCRIÇÃO DOS CAMPOS DE SEMENTES A inscrição dos campos de sementes será realizada pelo

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

PORTARIA Nº 691 DE 22 DE NOVEMBRO DE 1996.

PORTARIA Nº 691 DE 22 DE NOVEMBRO DE 1996. PORTARIA Nº 691 DE 22 DE NOVEMBRO DE 1996. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, Parágrafo único, inciso II, da Constituição da República,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 442 Data: 17/08/2015 Referência: Abril 2015 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre os procedimentos para a operacionalização do sistema de serviço de armazenamento, transporte, distribuição e seguro, com gestão

Leia mais

TÍTULO 09 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS Documento 1 Contrato para Prestação de Serviços de Classificação

TÍTULO 09 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS Documento 1 Contrato para Prestação de Serviços de Classificação INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO, ART. 25, CAPUT DA LEI N.º 8.666/93 PROCESSO N.º CONTRATO N.º ATO DE INEXIGIBILIDADE N.º CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS, SUBPRODUTOS

Leia mais

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR VENDEDOR A entrega da mercadoria correspondente aos contratos adquiridos poderá ser realizada em até 15 dias corridos e contados da data do respectivo vencimento, devendo ser comprovada mediante a apresentação

Leia mais

PORTARIA Nº. 109, DE 24 DE FEVEREIRO DE 1989.

PORTARIA Nº. 109, DE 24 DE FEVEREIRO DE 1989. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº. 109, DE 24 DE FEVEREIRO DE 1989. O Ministro de Estado da Agricultura, interino, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na

Leia mais

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela Padrões para a classificação do MILHO Caroline Matheus Larissa Gabriela Introdução O milho (Zea mays) é, sem dúvida, um dos alimentos mais importantes da cadeia alimentar animal. Muito trabalho tem sido

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Janeiro, 28-2013 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 136/2017

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 136/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

CANJICA DE MILHO. Portaria N o 109, de 24 de fevereiro de 1989

CANJICA DE MILHO. Portaria N o 109, de 24 de fevereiro de 1989 CANJICA DE MILHO Portaria N o 109, de 24 de fevereiro de 1989 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, Interino, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei N o 6.305, de 15 de dezembro

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PORTARIA nº 166, de 12 de abril de 1977

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA. PORTARIA nº 166, de 12 de abril de 1977 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PORTARIA nº 166, de 12 de abril de 1977 O Ministro de Estado da Agricultura, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39, Ministério da Agricultura, item VIII, do Decreto-Lei

Leia mais

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL

EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL EXAME DE SUFICIÊNCIA - 01/2000 I - CONTABILIDADE GERAL 1 - Podemos considerar como fato permutativo a transação: a) compra de galpão para a fábrica. b) venda de mercadoria a prazo. c) pagamento de salários

Leia mais

PORTARIA Nº 845 DE 8 DE NOVEMBRO DE 1976

PORTARIA Nº 845 DE 8 DE NOVEMBRO DE 1976 PORTARIA Nº 845 DE 8 DE NOVEMBRO DE 1976 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, USANDO DA ATRIBUIÇÃO QUE LHE CONFERE O ARTIGO Nº 39, MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, ÍTEM VIII, DO DECRETO-LEI Nº 200, DE 25 DE

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA FEIJÃO Portaria N o 161, de 24 de julho de 1987 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto na Lei N o 6.305, de 15 de dezembro de 1975, e no Decreto N o

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO ÚNICA CURSOS AVANÇADOS EM ODONTOLOGIA

REGULAMENTO INTERNO ÚNICA CURSOS AVANÇADOS EM ODONTOLOGIA REGULAMENTO INTERNO ÚNICA CURSOS AVANÇADOS EM ODONTOLOGIA 1. OBJETO 1.1. A ÚNICA Cursos Avançados em Odontologia oferece cursos de treinamento em formação continuada na área de Odontologia para estudantes

Leia mais

Ordem de Compra. Índice. 1.Criando uma ordem de compra. 1. Criando uma Ordem de Compra. 2. Gerenciando suas Ordens de Compra

Ordem de Compra. Índice. 1.Criando uma ordem de compra. 1. Criando uma Ordem de Compra. 2. Gerenciando suas Ordens de Compra Ordem de Compra Índice 1. Criando uma Ordem de Compra 2. Gerenciando suas Ordens de Compra 1.Criando uma ordem de compra Para cadastrar ou gerenciar uma Ordem de Compra acesse o menu: Compras > Ordem de

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes Autores: Antonio Sergio Pontarolli Berenice Los Cirlene Waceliko Daniel Sviercowski Ediclea

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM Ref. - Assunto Página: 1 / 9 de Publicação: : PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE Responsáveis: ATIVIDADE NOME CARGO Elaboração Controles Internos Revisores Carlos Rogério Ferraresi Gerente Adm. e Financeiro

Leia mais

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução...

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução... Processo de Devolução Drogacenter ÍNDICE Devolução no ato da entrega...2 Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2 Procedimentos para coleta da devolução...3 Recebimento da mercadoria...3

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 212/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 212/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

ARROZ. Benefícios proporcionados pela Uniformidade de Secagem

ARROZ. Benefícios proporcionados pela Uniformidade de Secagem ARROZ Benefícios proporcionados pela Uniformidade de Secagem Arroz Mercado Global TOP 10 Maiores Produtores de Arroz 2015/2016 (mil toneladas arroz beneficiado) 1 China 145770 30,9% 2 India 104408 22,1%

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PORTARIA N 269 DE 17 DE NOVEMBRO DE NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO ARROZ

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PORTARIA N 269 DE 17 DE NOVEMBRO DE NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO ARROZ MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PORTARIA N 269 DE 17 DE NOVEMBRO DE 1.988. NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO ARROZ 1 - OBJETIVO A presente Norma tem por objetivo definir as características

Leia mais

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu

Leia mais

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Versão 01 - Página 1/24 PROCESSO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP- GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Objetivo estratégico:

Leia mais

PLANILHA N o B. Quantidade de materiais estocados. Cód. (unid.) (unid.) (unid.) 06/03/97. Comprim. (m)

PLANILHA N o B. Quantidade de materiais estocados. Cód. (unid.) (unid.) (unid.) 06/03/97. Comprim. (m) ANEXO A TELHAS PLANILHA N o 2.15. Observador: Alternativas para redução dos desperdícios de materiais nos canteiros de obra VtelhaI = / / MEDIÇÃO DE ESTOQUE (VtelhaI E VtelhaF): TELHAS CERÂMICAS E DE FIBROCIMENTO

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO 1 AVICULTURA COMERCIAL 1.1 Aves vivas para necropsia 1.1.1 Identificação: identificar empresa remetente, lote, tipo de exploração, linhagem,

Leia mais

Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016

Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016 Guia Unicred do IMPOSTO DE RENDA 2016 1 ÍNDICE Imposto de Renda 2016... 03 Obrigatoriedade de entrega da declaração... 04 Orientações gerais.... 05 Formas de entrega.... 06 Multa pelo atraso na entrega...

Leia mais

AVISO CONAB/DIGES/SUARM/GEMOV Nº 311/2007

AVISO CONAB/DIGES/SUARM/GEMOV Nº 311/2007 Companhia Nacional de Abastecimento Diretoria de Gestão de Estoques Superintendência de Armaz. e Mov. De Estoques Gerência de Movimentação de Estoques - CONAB - DIGES - SUARM - GEMOV AVISO CONAB/DIGES/SUARM/GEMOV

Leia mais

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD

FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD FAELCE - REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DE EMPRÉSTIMOS - PLANO CD 1 - OBJETIVO 1.1 Normatizar e disciplinar os critérios, normas e regras, a serem observados na concessão de empréstimos pessoais (mútuos financeiros)

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária

INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO. Programa de Educação Previdenciária Ministério da Previdência Social INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL DIRETORIA DE ATENDIMENTO Todos que se inscrevem na Previdência Social podem escolher como vão contribuir. Isso permite que o segurado

Leia mais

Drawback. 1. O que é o regime de drawback?

Drawback. 1. O que é o regime de drawback? Drawback 1. O que é o regime de drawback? O drawback é um regime aduaneiro especial que consiste na suspensão, isenção ou restituição dos tributos incidentes nos produtos utilizados no processo produtivo

Leia mais

BIO3000 VERSÃO DO MANUAL

BIO3000 VERSÃO DO MANUAL BIO3000 VERSÃO DO MANUAL 1.0 de 21/02/2012 6434 Sumário 1. Apresentação... 3 2. Especificações Técnicas... 3 3. Características Gerais... 4 4. Visão geral do Equipamento... 4 5. Recomendações de Instalação...

Leia mais

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 Nº 02 Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 SAFRA INVERNO Mais informações no Controle de Qualidade (42) 3234-8037 com Fernando Barreto, (42) 8816-3452 / Marcelo

Leia mais

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte

MIT041 - Especificação de Processos Padrão do Módulo Financeiro - Protheus Cliente: Caern - Companhia de Água e Esgoto do Rio Grande do Norte Página: 1 de 34 8. Contas a Pagar: O departamento ou a Gestão de Contas a Pagar de uma determinada empresa e/ou organização é responsável por fazer toda a gestão dos compromissos que são assumidos por

Leia mais

NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos

NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos Art. 1º - O Programa de Compras em Grupo, denominado ARMAZÉM

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 422/11 Data: 16/12/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO EM 2011/12.

Leia mais

Manual do Aposentado e Pensionista EBC Prev. Plano de Benefícios da EBC Empresa Brasil de Comunicação

Manual do Aposentado e Pensionista EBC Prev. Plano de Benefícios da EBC Empresa Brasil de Comunicação Manual do Aposentado e Pensionista Prev Plano de Benefícios da Empresa Brasil de Comunicação SUMÁRIO Qual é o significado de Aposentado e Pensionista?...3 Quando é realizado o pagamento das parcelas do

Leia mais

FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Cuiabá/MT, 10/04/2013 1 MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 1. INTRODUÇÃO 1.1 - Recomenda-se a leitura deste manual antes de utilizar

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕ E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕ COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD.

REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. REGULAMENTO A CONCESSÃO E MANUTENÇÃO DE EMPRÉSTIMO SIMPLES AOS ASSISTIDOS DO PLANO BÁSICO - BD. Índice Capítulo I Da Carteira de Empréstimo Simples... 3 Capítulo II Dos Recursos Financeiros... 3 Capítulo

Leia mais

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA DE SOJA EM GRÃOS Nº 001/2008

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA DE SOJA EM GRÃOS Nº 001/2008 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO-MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO-CONAB DIRETORIA DE GESTÃO DE ESTOQUES-DIGES SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES - SUOPE GERÊNCIA DE EXECUÇÃO OPERACIONAL

Leia mais

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição Previdenciária - Transportador Autônomo de Cargas

Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição Previdenciária - Transportador Autônomo de Cargas Orientações Consultoria De Segmentos Contribuição Previdenciária - Transportador Autônomo de Cargas 21/11/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas Apresentadas pelo Cliente... 3 3. Análise

Leia mais

5 Esquema Básico da Contabilidade de Custos (I)

5 Esquema Básico da Contabilidade de Custos (I) 5 Esquema Básico da Contabilidade de Custos (I) 6 Esquema Básico da Contabilidade de Custos (II) - Departamentalização 9 - Aplicação de Custos Indiretos de Produção A Usina de Açúcar Bellezza decidiu

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 009/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 009/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta as principais informações que o Associado deve ter conhecimento

Leia mais

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME

PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME PROTOCOLO DO 2º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL ÁREA: CALIBRAÇÃO GRANDEZA: VOLUME Revisão 01 12 de junho 2015 Fol. 1 de 9 INTRODUÇÃO A SETTING CALIBRATION LABORATORIES

Leia mais

Intervenção Pública de LPD Oferta a preço fixo Manual do Operador

Intervenção Pública de LPD Oferta a preço fixo Manual do Operador VERSÃO 1.0 MANUAL INTERVENÇÃO PÚBLICA DE LEITE EM PÓ DESNATADO Índice 1. Enquadramento legislativo... 3 2. Objetivo... 3 3. Âmbito... 3 4. Intervenientes... 3 5. Operador... 3 Estar inscrito/identificado

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

AVISO DE VENDA DE FARINHA DE MANDIOCA Nº 208/2016

AVISO DE VENDA DE FARINHA DE MANDIOCA Nº 208/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA) COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (CONAB) DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO (DIRAB) SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS (SUOPE) GERÊNCIA

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IPI Devolução

Parecer Consultoria Tributária Segmentos IPI Devolução IPI Devolução Código Situação Tributária aplicado na NF-e 12/12/2013 Título do documento Sumário 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Consultoria... 3 3.1. Nota Técnica

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

2. DEFINIÇÃO DO PRODUTO 2.1 Entende-se por amendoim o produto proveniente da espécie Arachis hypogaea, L.

2. DEFINIÇÃO DO PRODUTO 2.1 Entende-se por amendoim o produto proveniente da espécie Arachis hypogaea, L. NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM E MARCAÇÃO DO AMENDOIM 1.OBJETIVO 1.1 - A presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem e marcação do amendoim

Leia mais

CONTRATO DE ADESÃO AO SISTEMA DE MARKETING MULTINÍVEL 87 K

CONTRATO DE ADESÃO AO SISTEMA DE MARKETING MULTINÍVEL 87 K CONTRATO DE ADESÃO AO SISTEMA DE MARKETING MULTINÍVEL 87 K DAS PARTES: I 87K NUTRICOSMETICOS LTDA, pessoa Juridica registrada no CNPJ 26.015.616/0001-20 com sede na Via Dos Bororos, 7 Sala 4 neste ato

Leia mais

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL 1. Objetivo: a presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem, marcação e

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 446 Data: 06/05/016 Referência: Abril 016 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os

Leia mais

MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A. Departamento de Clubes

MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A. Departamento de Clubes MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A Departamento de Clubes Versão 2.0 Junho/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 O que é um clube de investimento?... 3 1.2 Como criar um clube de

Leia mais

Fluxo operacional COOPHEMG / BANCO UAI. Libera vale caixas

Fluxo operacional COOPHEMG / BANCO UAI. Libera vale caixas COOPHEMG / BANCO UAI Deposita caixas Banco Uai Libera vale caixas Inicialmente a irá efetuar o depósito de suas caixas no Banco UAI para receber os vales caixas correspondentes e dar inicio ao processo.

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA.

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. Informe Número: 435 Data: 07/02/2014 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os valores de custos

Leia mais

Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016

Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016 Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016 Gilberto R. Cunha Painel 02 Cascavel/PR, 25 de julho de 2017 Roteiro do apresentação 30 minutos» Agradecimentos;» Contextualização

Leia mais

Contrato de Câmbio na Exportação.

Contrato de Câmbio na Exportação. Contrato de Câmbio na Exportação. A Momento da Contratação B Liquidação do contrato de câmbio C Alteração D Cancelamento E Baixa do Contrato de Câmbio F Posição de Câmbio: nivelada, comprada e vendida.

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

Boletim Técnico esocial

Boletim Técnico esocial esocial Datasul Materiais (Tomadores de Serviço) Produto : Datasul 11.5.10 - MRE -Recebimento Projeto : DMAT001/IRM2047 Data da criação : 05/03/2014 Data da revisão : 07/03/14 País(es) : Brasil Banco(s)

Leia mais

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul

Conselho Regional de Educação Física da 11ª Região Mato Grosso do Sul Resolução CREF11/MS nº 155/2015 Campo Grande, 01 de dezembro de 2015. Dispõe sobre valores e formas de pagamentos das anuidades do CREF11/MS para o Exercício de 2016 e dá outras providencias. O PRESIDENTE

Leia mais

ROTEIRO OPERACIONAL - CONSIGNADO SETOR PÚBLICO EXECUTIVO FEDERAL SIAPE

ROTEIRO OPERACIONAL - CONSIGNADO SETOR PÚBLICO EXECUTIVO FEDERAL SIAPE 1. OPERACIONALIZAÇÃO DAS CONTRATAÇÕES E SUPORTE Filial BV Financeira Matriz São Paulo - Fone: (11) 3268-3100. 2. PÚBLICO ALVO CONFORME LEGISLAÇÃO Servidores Ativos/Inativos; Aposentados; Cedidos; Pensionistas

Leia mais

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - ARROZ

AQUISIÇÃO GOVERNO FEDERAL AGF 2011 - ARROZ O QUE É A AGF? É a aquisição direta de produto constante da pauta da Política de Garantia de Preço Mínimo pelo Governo Federal. QUANDO É REALIZADA? Quando o preço de mercado estiver abaixo do Preço Mínimo

Leia mais

FUNDO DE APOIO AO ACADÊMICO DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO FAAES - PARA INGRESSANTES PRIMEIRO SEMESTRE 2017

FUNDO DE APOIO AO ACADÊMICO DO ENSINO SUPERIOR REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO FAAES - PARA INGRESSANTES PRIMEIRO SEMESTRE 2017 REGULAMENTO PARA CONCESSÃO DO FAAES - PARA INGRESSANTES PRIMEIRO SEMESTRE 2017 A AJES, mantenedora da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis do Vale do Juruena, Instituto Superior de Educação

Leia mais

POST Sistemas. Manual do Módulo PDV

POST Sistemas. Manual do Módulo PDV POST Sistemas Manual do Módulo PDV Sumário Histórico de Modificações... 4 Introdução... 5 Imagem da Tela... 5 Disponibilidade... 6 Restrição / Permissão de Operações... 6 Como Operar... 6 Registrar Produtos...

Leia mais

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO Beneficiamento e Classificação BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO O beneficiamento do café é uma operação pós-colheita usada para transformar, pela eliminação da casca e separação dos grãos, o fruto seco (natural

Leia mais

Emissão e Gerenciamento de Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e)

Emissão e Gerenciamento de Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) Emissão e Gerenciamento de Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e) Sumário 1. O que é o Manifesto Eletrônico de Documentos Fiscais (MDF-e)? 2. Acesso ao sistema 3. Cadastros 3.1. Cadastro de

Leia mais

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 20.0 - Válida a partir de 05/02/2016

Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 20.0 - Válida a partir de 05/02/2016 Tabela de Preços Armazenagem e Serviços Acessórios Versão 20.0 - Válida a partir de 05/02/2016 ARMAZENAGEM 1 - Armazenagem de Importação - Contêiner e Carga Solta Do Valor CIF Parcela Fixa por contêiner

Leia mais

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 11, de 15 de maio de 2007 e ALTERADA pela INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA

Leia mais

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador." (NR)

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador. (NR) RESOLUCAO 3.986 Altera condições para contratação de operações de custeio, comercialização, Empréstimo do Governo Federal (EGF), Linha Especial de Crédito (LEC), e dos Programas do BNDES, Moderagro, Prodecoop

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR 1 1 2 1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR Razão Social: FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR CNPJ: 12.838.821/0001-80 Registro ANS: 41828-5 Inscrição Municipal: 130973/001-6 Inscrição Estadual:

Leia mais

MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB

MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB VERSÃO: 01/7/2008 2 / 7 MANUAL DE NORMAS CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA CONAB ÍNDICE CAPÍTULO PRIMEIRO DO OBJETIVO 3 CAPÍTULO SEGUNDO DAS DEFINIÇÕES 3 CAPÍTULO

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de revisão e unificação das normas e critérios referentes à operação da Seção Farmacêutica do IMASF;

CONSIDERANDO a necessidade de revisão e unificação das normas e critérios referentes à operação da Seção Farmacêutica do IMASF; REGULAMENTA A OPERAÇÃO, A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS E A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELA FARMÁCIA DO IMASF, CRIA O FUNDO DE CAIXA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. OVÍDIO PRIETO FERNANDES, Presidente do 19º Conselho

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco

Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento de Utilização do Cartão Business Travel Bradesco. IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLEDADE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO. Especialização em Políticas e Gestão da Educação

PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLEDADE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO. Especialização em Políticas e Gestão da Educação PREFEITURA MUNICIPAL DE SOLEDADE SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E DESPORTO Especialização em Políticas e Gestão da Educação Curso de Pós Graduação lato sensu UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO EDITAL

Leia mais

I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq

I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas de produtividade em pesquisa do CNPq FUNDO DE DESENVOLVIMENTO DA ENGENHARIA DE PRODUÇÃO FCAV-PRO APOIO A PROJETOS, PRODUÇÃO DE LIVROS DIDÁTICOS, EDIÇÃO DE LIVROS, REVISÕES E TRADUÇÕES DE ARTIGOS I - Apoio a projetos de pesquisa e bolsistas

Leia mais