INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS"

Transcrição

1 INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO TERCEIROS A soja transgênica será recebida nas seguintes unidades, mediante contrato firmado junto a Secretária da Divisão Agrícola ou Gerentes dos Entrepostos: LOCAL CONSUMO FONE Carambeí X Tibagi III X Ponta Grossa -II X Imbaú X Imbituva X Teixeira Soares X A soja convencional será recebida nas seguintes unidades, mediante contrato firmado junto a Secretária da Divisão Agrícola ou Gerentes dos Entrepostos: LOCAL CONSUMO FONE Tibagi - I X P. Grossa - I X

2 Umidade máxima de recebimento: Soja 25,0% Ardidos 8,0% Cargas com % de umidade e ardidos superior ao índice estipulado acima, poderão ter seu recebimento recusado. Embalagem: A soja será recebida exclusivamente à granel. Não será recebido produto tratado com fungicidas, inoculantes, mistura de safras anteriores, cargas com diferentes teores de umidade, com aspectos de mofo, fermentado, com odor estranho, enfim, aspectos que podem prejudicar ou contaminar o produto armazenado a granel nos silos e graneleiros. 02. AMOSTRAGEM Para efeito de amostragem, deverá ser coletado um mínimo de 03 kg de material, conforme abaixo: Amostragem do produto à granel. Da carga a granel, serão coletadas porções em veículos truck em 05 pontos, carreta simples em 06 pontos e bitrem em 08 pontos aleatórios, devendo a sonda penetrar até o fundo da carroceria. Se surgirem dúvidas quanto à homogeneidade da carga, ou quando a carga for mais alta que o comprimento da sonda, deverá ser retirada uma contra amostra durante o processo de descarga do veículo.

3 Retirada de contra amostra em cargas à granel. Deverão ser coletadas amostras em diversos pontos durante o processo de descarga, com intervalos regulares proporcionais ao volume descarregado, ou seja, a cada 500 kg descarregados, retirar-se-á uma porção. Nas descargas de veículos com carrocerias basculantes, deve-se solicitar ao motorista bascular lentamente, obtendo-se assim o tempo suficiente para coletar diversas amostras da carga. Deve-se retirar no mínimo 500 gramas por tonelada de grãos descarregados. As amostras retiradas durante o processo de descarga prevalecerão sobre as retiradas na recepção (Balança). As porções coletadas deverão ser homogeneizadas formando uma amostra inicial e desta será destacado 01 kg que ficará arquivado durante 07 dias para eventual reclassificação. É facultado ao produtor assistir à reclassificação da amostra sendo que os prazos para reclamações quanto a análise da impureza e umidade do produto são: Umidade 3 dias Impurezas 7 dias Toda carga recebida será analisada com teste padrão a fim de detectar a presença de produtos transgênicos, sendo os custos do teste (kit) por conta do produtor.

4 PROCEDIMENTO PARA ANÁLISE DE MISTURA DE PRODUTO TRANSGÊNICO NA SOJA CONVENCIONAL - Após a coleta da amostra e determinação de impurezas, umidade e avariados, separa-se parte da amostra para o teste de transgênico que deve ser feito carga a carga. - Em caso de o teste ser positivo, refazer a amostragem do veículo e a análise de transgênico. ANÁLISE: Homogeneizar a amostra, e separar as 100 gramas para o teste, Em um triturador especifico e higienizado, triturar durante 20 a 40 segundos, Adicionar nesta amostra, 400 ml de água e agitar para que ocorra a mistura, Com a pipeta própria, transferir 0,5 ml desta mistura para o tubo plástico, Neste tubo coloca-se a fita com as flechas indicadoras existentes para baixo, aguardando de 3 a 5 minutos para obter o resultado, POSITIVO: Presença de duas linhas vermelhas na fita, NEGATIVO: Presença de uma linha vermelha na fita. Quando da obtenção do resultado, encaminha o veículo com teste negativo para o local de descarga e quando positivo, repete-se o mesmo procedimento acima citado em cada veículo, e posteriormente destina o veículo para os respectivos locais de descarga. Após cada analise, para evitar contaminação, deve-se efetuar a lavagem dos equipamentos utilizados na análise (triturador), para a próxima analise. As amostras deverão ser numeradas conforme o número do controle de movimentação na recepção (senha), que deverá permanecer na Balança. O procedimento terá um custo de R$ 5,70 por tonelada.

5 03. DETERMINAÇÃO DO PERCENTUAL DE IMPUREZAS. Será efetuada em uma amostra de 500 gramas retiradas da amostra inicial já homogeneizada e será processada pela máquina de impureza ou peneiras manuais com medida de: 3,0 mm de furação redonda Superficialmente, procede-se a catação manual de outras impurezas, tais como: paus, pedras, terras, palhas, grãos germinados, grãos verdes em estado leitoso, e vagens. As somas dos pesos das impurezas obtidas pela peneira e a catação manual, indicarão o percentual a ser deduzido a título de impureza do peso bruto registrado na entrada. 04. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE. A umidade será determinada na amostra isenta de impurezas, e registrado o percentual real da leitura, ou seja, sem arredondamento. (Ex. 12.7%) A quebra técnica, por excesso de umidade, obedecerá a tabela de terceiros em vigência, devendo ser aplicada sobre o peso que resultar após os descontos das impurezas. A tabela de quebra técnica foi elaborada com base na perda de água, por ocasião da secagem.

6 05. GRÃOS DANIFICADOS. Além do desconto das impurezas e umidade, a soja poderá ter desconto em função dos grãos avariados, conforme tabela abaixo: AVARIADOS % DESCONTO Até 8,0% Isento 8,1 a 12,0% 0,3 12,1 a 16,0% 1,1 16,1 a 20,0% 1,8 20,1 a 24,0% 2,6 24,1 a 28,0% 3,3 28,1 a 32,0% 4,1 32,1 a 36,0% 4,8 36,1 a 40,0% 5,6 40,1 a 44,0% 6,3 + 44,0% 1 por ponto 06. CUSTOS OPERACIONAIS E OUTROS. Custos de Recepção, Secagem e Expedição: Serão calculados em função do percentual de umidade na entrada do produto, aplicando a tabela de terceiros em vigência. Os custos serão calculados e contabilizados na quinzena correspondente. Custos de armazenagem. Custos de armazenagem fixa e variável. O custo de armazenagem fixa será calculado sobre o peso liquido de entrada do produto a R$ 6,09 por tonelada e contabilizada no último dia do mês correspondente.

7 Os custos de armazenagem variável a R$ 0,21 por tonelada por dia serão calculados sobre o estoque físico existente no dia, e contabilizados no último dia do mês correspondente. Quebra de armazenagem. Será calculada a quebra de armazenagem a razão de 0,01% por dia. A quebra de armazenagem será calculada sobre o estoque físico existente no dia e deduzido do mesmo naquelas datas. 07. COMERCIALIZAÇÃO A Cooperativa poderá comercializar a soja para terceiros, mediante autorização do mesmo por escrito junto ao Departamento Comercial na matriz. 08. DISPOSIÇÕES FINAIS Somente será recebido soja de terceiros mediante contrato de depósito firmado junto ao Departamento Comercial ou Entrepostos. Toda carga entregue na Cooperativa deverá vir acompanhada de Nota Fiscal de Produtor, sendo que o produtor receberá uma via desta nota fiscal juntamente com uma pré-nota com as informações sobre o peso e a classificação do produto, o que servirá para controle e conferência do produtor. Todo produto entregue na Cooperativa, não será fornecido ao produtor certificado e ou recibo de depósito para fins de EGF/AGF. O frete de retirada do produto da cooperativa é de total responsabilidade do produtor.

8 No ato da retirada e ou devolução do produto, somente poderá ser liberado após o pagamento dos débitos existentes em sua conta, salvo autorização da Diretoria. Os veículos de terceiros não terão filas diferenciadas, ou seja, seguirão normal na fila por ordem de chegada na mesma fila de veículos de sócios. Casos omissos serão resolvidos pela Diretoria. Data: 01/01/2016 Assinatura: visto: Emitida por: Depto. Operacional.

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 1 INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO A soja será recebida nas seguintes unidades: LOCAL CONSUMO SEMENTE

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY. O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade:

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY. O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade: INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY 01. RECEPÇÃO O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade: L O C A L F O N E Ponta Grossa - I 3219-7050

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO 01. RECEPÇÃO O milho transgenico será recebido nas seguintes unidades: L O C A

Leia mais

Instrução Interna Nr. 09/2015

Instrução Interna Nr. 09/2015 Instrução Interna Nr. 09/2015 De : Diretoria Para : Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 01 - RECEPÇÃO: AVEIA INDUSTRIAL - PRETA A aveia será recebida nas seguintes unidades:

Leia mais

A cevada será recebida exclusivamente à granel.

A cevada será recebida exclusivamente à granel. I Instrução Interna Nr. 10/2015 DE :Diretoria PARA :Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 CEVADA CERVEJEIRA 01 - RECEPÇÃO: A cevada será recebida na seguinte unidade: L O C

Leia mais

Circular Especial de Safra 2015/2016

Circular Especial de Safra 2015/2016 ESPECIAL DE SAFRA * PUBLICAÇÃO SEMESTRAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 01.02.2016 Circular Especial de Safra 2015/2016 1. LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS, SEGREGAÇÃO E HORÁRIOS: UNIDADES DE RECEBIMENTO

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013. Para azevém respeitar rotação de 2 anos quando utilizar cultivares diferentes.

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013. Para azevém respeitar rotação de 2 anos quando utilizar cultivares diferentes. INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013 De: Diretoria Para: Todos os Setores REF. NORMAS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES BATAVO 1. INSCRIÇÃO DOS CAMPOS DE SEMENTES A inscrição dos campos de sementes será realizada pelo

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 442 Data: 17/08/2015 Referência: Abril 2015 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Janeiro, 28-2013 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto

Leia mais

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 446 Data: 06/05/016 Referência: Abril 016 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os

Leia mais

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007 1 de 26 Índice: 1 DO OBJETIVO...2 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO...2 3 DAS DEFINIÇÕES...2 3.1 DAS SIGLAS...2 3.2 DA FINALIDADE DO SECLAC...2 3.3 DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC...2 3.4 DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Fluxo operacional COOPHEMG / BANCO UAI. Libera vale caixas

Fluxo operacional COOPHEMG / BANCO UAI. Libera vale caixas COOPHEMG / BANCO UAI Deposita caixas Banco Uai Libera vale caixas Inicialmente a irá efetuar o depósito de suas caixas no Banco UAI para receber os vales caixas correspondentes e dar inicio ao processo.

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE PAPEL/CARTÃO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE PAPEL/CARTÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA A RETOMA DE (EXCEPTO ECAL) 1. OBJECTIVO Metodologia aplicável na retoma da matéria-prima papel/cartão, seu controlo e critérios de aceitação e/ou rejeição, para posterior reciclagem.

Leia mais

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL 1. Objetivo: a presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem, marcação e

Leia mais

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução...

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução... Processo de Devolução Drogacenter ÍNDICE Devolução no ato da entrega...2 Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2 Procedimentos para coleta da devolução...3 Recebimento da mercadoria...3

Leia mais

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR VENDEDOR A entrega da mercadoria correspondente aos contratos adquiridos poderá ser realizada em até 15 dias corridos e contados da data do respectivo vencimento, devendo ser comprovada mediante a apresentação

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES Para que os agricultores saibam como evitar o recebimento de fertilizantes adulterados, a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 422/11 Data: 16/12/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO EM 2011/12.

Leia mais

A Energia que vem do campo Linha de Produtos

A Energia que vem do campo Linha de Produtos A Energia que vem do campo Linha de Produtos CASTELHANO Santa Cecília 10 anos Visão Estar entre os três maiores produtores de biodiesel no Brasil Missão Participar do desenvolvimento sustentável do planeta

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Registros Presencial: 02-dias (certidão) e 15 dias (carteirinha ou certificado). Certidões Imediata Alteração contratual 05 dias úteis Cancelamento de Registro

Leia mais

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado.

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 644 DE 11 DE SETEMBRO DE 1975 O Ministro de Estado da Agricultura, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39,

Leia mais

PROCEDIMENTO PR 7.03

PROCEDIMENTO PR 7.03 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 8 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 Adequação dos fluxos de recebimento de coletas, separação de cargas e carregamento

Leia mais

Classificação física do milho pipoca

Classificação física do milho pipoca 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 8 Método de ensaio para classificação física de MILHO PIPOCA que tem como objetivo definir sua Identidade e Qualidade para fins de enquadramento em Classe e Tipo, conforme

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA DE CAFÉ BENEFICIADO N 012/2017

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA DE CAFÉ BENEFICIADO N 012/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - DIRAB SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - SUOPE GERÊNCIA

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre os procedimentos para a operacionalização do sistema de serviço de armazenamento, transporte, distribuição e seguro, com gestão

Leia mais

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico

Determinação de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico Página 1 de 10 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a porcentagem de lipídios em leite e produtos lácteos pelo método butirométrico (Gerber). 2 Fundamentos Baseia-se na separação e quantificação

Leia mais

TABELA DE ENSAIOS Revisão: 04 Folha: 1 de 5

TABELA DE ENSAIOS Revisão: 04 Folha: 1 de 5 TABELA DE ENSAIOS Revisão: 04 Folha: 1 de 5 Na primeira entrega: Coletar amostra, da primeira entrega do fornecedor, para realizar ensaios laboratoriais de acordo com a norma NBR 7211-Agregado para concreto.

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO nº 154 de 16 de Agosto de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 - BR - Procedimento de Reclamação - Cliente Página 2 de 8 PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Guaratinguetá, SP Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 -

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes Autores: Antonio Sergio Pontarolli Berenice Los Cirlene Waceliko Daniel Sviercowski Ediclea

Leia mais

MCF - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - FAZENDAS

MCF - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - FAZENDAS MCF - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - FAZENDAS MCF - MANUAL DE INSTRUÇÕES PARA COLETA E ENVIO DE AMOSTRAS DE LEITE PARA ANÁLISE - FAZENDAS Elaborado por: Laerte

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA

DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA DETERMINAÇÃO DA GRANULOMETRIA 1. Objetivo Determinar as dimensões das partículas e suas proporções relativas de ocorrência de forma a se obter o traçado da curva granulométrica de um determinado solo.

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

EDITAL Nº 068/2016 ERRATA

EDITAL Nº 068/2016 ERRATA 1 EDITAL Nº 068/2016 ERRATA PROCESSO SELETIVO DISCENTE DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM CIÊNCIAS SOCIAIS, DA PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS, CAMPUS DE BELO HORIZONTE No cabeçalho

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 429/12 Data: 26/11/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO SAFRA 2012/13 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO

Leia mais

ÓLEO DE SOJA. Aprova a Norma de Identidade, Qualidade, Acondicionamento, Embalagem e Apresentação do

ÓLEO DE SOJA. Aprova a Norma de Identidade, Qualidade, Acondicionamento, Embalagem e Apresentação do MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. PORTARIA MA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993. Aprova a Norma de Identidade, Qualidade, Acondicionamento, Embalagem e Apresentação do ÓLEO DE SOJA NORMA

Leia mais

Gestão de Negócios e Custos Tubos de Dreno Acompanhamento da Colheita Concurso de Silagem Segregação de soja Encarte

Gestão de Negócios e Custos Tubos de Dreno Acompanhamento da Colheita Concurso de Silagem Segregação de soja Encarte www.castrolanda.coop.br/circular Nº11 Nº 11 I Publicação Semanal da Cooperativa Castrolanda I Março, 17-2011 Gestão de Negócios e Custos Acompanhamento da Colheita Segregação de soja Tubos de Dreno Concurso

Leia mais

PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975

PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975 PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39, Ministério da Agricultura, item VIII, do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS PARTE II POLÍTICAS CORPORATIVAS 8 As concessões de empréstimo, financiamento e renegociações devem obedecer as regras estipuladas nesta política. 8.1 - Crédito Pessoal a) Finalidade Empréstimo sem justificativa específica. b) de pagamento

Leia mais

Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Campus São Paulo

Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Campus São Paulo Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Solicitamos especial atenção aos prazos e condições definidos para entrega de pedidos de aquisição de bens e contratações de

Leia mais

QUÍMICA DA MADEIRA AMOSTRAGEM E PREPARO DA MADEIRA PARA ANÁLISE QUÍMICA PROF. DR. UMBERTO KLOCK

QUÍMICA DA MADEIRA AMOSTRAGEM E PREPARO DA MADEIRA PARA ANÁLISE QUÍMICA PROF. DR. UMBERTO KLOCK QUÍMICA DA MADEIRA AMOSTRAGEM E PREPARO DA MADEIRA PARA ANÁLISE QUÍMICA PROF. DR. UMBERTO KLOCK 1. Amostragem A validade do procedimento preparativo ou do resultado analítico está na dependência da amostragem

Leia mais

PESQUISA FUNDEPES CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 003/2015

PESQUISA FUNDEPES CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 003/2015 FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE DESENVOLVIMENTO DE EXTENSÃO E PESQUISA FUNDEPES CONSELHO DELIBERATIVO RESOLUÇÃO Nº 003/2015 DISPÕE SOBRE A CONCESSÃO DE SUPRIMENTO DE FUNDOS PELA FUNDAÇÃO UNIVERSITÁRIA DE DESENVOLVIMENTO

Leia mais

Títulos e Valores Mobiliários Nome do Arquivo Registro de CDA/WA. Header. Seq. Campo

Títulos e Valores Mobiliários Nome do Arquivo Registro de CDA/WA. Header. Seq. Campo Versão: 25/10/2010 Títulos e Valores Mobiliários Nome do Arquivo 1.1.1 Registro de CDA/WA Header Seq. Campo Formato Posição Descrição/conteúdo 0 ID X(10) Codificação do Tipo do Instrumento Financeiro Veja

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO

ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA POSTES DE CONCRETO ARMADO PARA REDE DE DISTRIBUIÇÃO Sistema Normativo Corporativo ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA VERSÃO Nº ATA Nº DATA DATA DA VIGÊNCIA 02-13/01/2010 13/01/2010 APROVADO POR Sebastião J. Santolin SUMÁRIO 1. RESUMO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES...

Leia mais

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5%

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul 1. Relação de ocorrências diárias ACORDO DE NÍVEL DE SERVIÇOS - ANS ANEXO III DO PREGÃO 40/2012 1.1 Os serviços objeto do Termo de Referência Anexo I serão constantemente avaliados pelos representantes

Leia mais

Farinheira. Foto Geral dos Maquinários.

Farinheira. Foto Geral dos Maquinários. EDITAL 2011 EDITAL DE SELEÇAO DE INSTITUIÇAO SOCIAL PARA RECEBER DOAÇAO DE UMA FARINHEIRA (CONJUNTO DE EQUIPAMENTOS PARA A PRODUÇAO DE FARINHA) FUNDAÇÃO ANDRÉ MAGGI 1. Da Apresentação O presente edital

Leia mais

Amostragem do solo em Pastagens manejadas intensivamente

Amostragem do solo em Pastagens manejadas intensivamente Amostragem do solo em Pastagens manejadas intensivamente Por que fazer análise do solo? Para: Conhecer a diversidade das características químicas do solo; Avaliar sua fertilidade; Recomendar adubação e

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70

MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70 MANUAL DE INSTRUÇÕES MÁQUINA PARA TRATAMENTO DE CEREAIS TN-70 INTRODUÇÃO A MAKNINJA é uma máquina criada para melhorar e proteger os cereais no plantio de várias culturas, com os mesmos tratados a planta

Leia mais

Elaborado por: FFA ALINNE BARCELLOS BERND SIPOV/RS. Revisado em: 05/02/2016

Elaborado por: FFA ALINNE BARCELLOS BERND SIPOV/RS. Revisado em: 05/02/2016 Elaborado por: FFA ALINNE BARCELLOS BERND SIPOV/RS Revisado em: 05/02/2016 **Após o deferimento do Registro do Estabelecimento pelo Coordenador Estadual, o RL (Representante Legal) receberá um e-mail informando

Leia mais

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1

Contabilidade. História. Administração Prof.: Marcelo dos Santos. Contabilidade Gerencial 1 Administração Prof.: Marcelo dos Santos Contabilidade Gerencial 1 Contabilidade É a ciência teórica e prática que estuda os métodos de cálculo e registro da movimentação financeira e patrimônio das empresas.

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 138/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 138/2016 01. DO OBJETO: venda de 1.094.850 kg de café arábica em grãos, bebida dura, ensacado, no estado em que se encontra, em conformidade com os dados e detalhamento dos lotes constantes da Relação do Cadastro

Leia mais

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA MILHO EM GRÃOS N 033/2017

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA MILHO EM GRÃOS N 033/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - DIRAB SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - SUOPE GERÊNCIA

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E DA REFORMA AGRÁRIA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 795, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E DA REFORMA AGRÁRIA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 795, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, DO ABASTECIMENTO E DA REFORMA AGRÁRIA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 795, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 O Ministro do Estado da Agricultura, do Abastecimento e da Reforma Agrária,

Leia mais

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO OPERACIONAL COMANDO DE MISSÕES ESPECIAIS CENTRO DE MEDICINA VETERINÁRIA

GOVERNO DO DISTRITO FEDERAL POLÍCIA MILITAR DO DISTRITO FEDERAL DEPARTAMENTO OPERACIONAL COMANDO DE MISSÕES ESPECIAIS CENTRO DE MEDICINA VETERINÁRIA LAUDO DE AVALIAÇÃO DE AMOSTRA Amostra: Serragem de maravalha para cama de equinos, pregão eletrônico n. 31/2016/PMDF, processo 054.001.423/2016. Anexo: Anexo I, contendo 11 fotos. OBJETIVO O laudo tem

Leia mais

TÍTULO 09 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS Documento 1 Contrato para Prestação de Serviços de Classificação

TÍTULO 09 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS Documento 1 Contrato para Prestação de Serviços de Classificação INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO, ART. 25, CAPUT DA LEI N.º 8.666/93 PROCESSO N.º CONTRATO N.º ATO DE INEXIGIBILIDADE N.º CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS, SUBPRODUTOS

Leia mais

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO

PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO PROCEDIMENTOS PARA COLETA E ENVIO DE MATERIAL PARA LABORATÓRIO 1 AVICULTURA COMERCIAL 1.1 Aves vivas para necropsia 1.1.1 Identificação: identificar empresa remetente, lote, tipo de exploração, linhagem,

Leia mais

Por Percentual Fixo = preço de venda X (percentual de comissão para empresa)

Por Percentual Fixo = preço de venda X (percentual de comissão para empresa) 1 VENDAS DIRETAS É comum varejistas no seguimento de materiais de construção realizarem vendas com participação do fornecedor. Essas vendas são realizadas pela loja, no entanto a responsabilidade de entrega

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 389

CARTA CIRCULAR Nº 389 Às Instituições Financeiras CARTA CIRCULAR Nº 389 Em conformidade com a Circular nº 492, de 07.01.80, comunicamos que, a partir desta data, as seções 16 12 1, 16 13 2, 16 13 3, 16 13 4, 16 13 5, 16 13

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕ E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕ COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 04 DE AGOSTO DE 2014

TABELA DE PREÇOS DO TERMINAL PORTUÁRIO DO PECÉM Vigência: 04 DE AGOSTO DE 2014 TABELA DE PREÇOS DO Vigência: 04 DE AGOSTO DE 2014 A. PREÇOS DOS SERVIÇOS PRESTADOS OU DISPONIBILIZADOS PELA CEARÁPORTOS A.1 SERVIÇOS OPERACIONAIS A.1.1 Utilização da Infraestrutura Aquaviária e Acostagem

Leia mais

NOTAS FISCAIS DENEGADAS PELA SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO

NOTAS FISCAIS DENEGADAS PELA SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO NOTAS FISCAIS DENEGADAS PELA SECRETARIA DA FAZENDA DO ESTADO DE SÃO PAULO - A partir de 02/04/2012 a Secretaria da Fazenda (SEFAZ-SP) passou a denegar (rejeitar) Notas Fiscais Eletrônicas, em caso de irregularidade

Leia mais

MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS

MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS MF-402.R-1 - MÉTODO DE COLETA DE AMOSTRAS DE EFLUENTES LÍQUIDOS INDUSTRIAIS Notas: Aprovado pela Deliberação CECA nº 192, de 28 de maio de 1981 Publicado no DOERJ de 30 de junho de 1981, com incorreções

Leia mais

PLANILHA LEILÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

PLANILHA LEILÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PLANILHA LEILÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DATA DO LEILÃO: 17 DE JULHO ÀS 13:30 HRS ENDEREÇO: NO PÁTIO DA SECRETARIA DE OBRAS DO MUNICÍPIO www.finattoleiloes.com.br http://centraldeleiloesdors.com.

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA.

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. Informe Número: 435 Data: 07/02/2014 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os valores de custos

Leia mais

Concurso NossoCafé - Regulamento

Concurso NossoCafé - Regulamento Concurso NossoCafé - Regulamento ARTIGO 1 DOS OBJETIVOS Incentivar a produção de cafés de alta qualidade, adequados ao mercado de cafés especiais, obtidos pelo uso do Programa Nutricional da Yara. ARTIGO

Leia mais

Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento

Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento Comparação entre tratamento preventivo e curativo na proteção dos grãos de trigo contra as pragas durante o armazenamento Amauri Romani 1, Irineu Lorini 2 89 1 Pós-graduação em Qualidade no Armazenamento

Leia mais

PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. PORTARIA N 003/2014, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. Dispõe sobre a concessão de Suprimento de Fundos pela Fundação de Educação Tecnológica e Cultural da Paraíba FUNETEC-PB. O SUPERINTENDENTE da Fundação de

Leia mais

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1

Diretoria de Ciências Exatas. Laboratório de Física. Roteiro 02. Física Geral e Experimental III 2014/1 Diretoria de Ciências Exatas Laboratório de Física Roteiro 02 Física Geral e Experimental III 2014/1 Dilatação Térmica Volumétrica de um Líquido 1. Dilatação Térmica de um Líquido Nesta tarefa será abordado

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, ACONDICIONAMENTO, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO TOMATE.

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, ACONDICIONAMENTO, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO TOMATE. NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, ACONDICIONAMENTO, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO TOMATE. 1.OBJETIVO Esta Norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, acondicionamento, embalagem

Leia mais

Análise química do solo: amostras para análise

Análise química do solo: amostras para análise Análise química do solo: Amostragem de solos e Preparo das amostras para análise Análise do solo A análise de solo conjunto de procedimentos físicos e químicos que visam avaliar as características e propriedades

Leia mais

Atividades EXERCÍCIOS. Materiais Naturais e Artificiais

Atividades EXERCÍCIOS. Materiais Naturais e Artificiais Atividades EXERCÍCIOS 1. Uma amostra de areia úmida foi levada a uma estufa onde permaneceu por 24h a 100ºC, a fim de se determinar o teor de umidade presente. Antes de ser colocada na estufa a amostra

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Chamada Pública n.º 02/2016, para aquisição de gêneros alimentícios diretamente da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR INFORMA N.68 MAIO / 2006 RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR Eli Santana dos Santos¹ 1 IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES O uso de sementes de boa qualidade é o caminho mais seguro

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 157/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 157/2016 01. DO OBJETO: venda de 748.980 kg de café arábica em grãos, bebida dura, ensacado, no estado em que se encontra, em conformidade com os dados e detalhamento dos lotes constantes da Relação do Cadastro

Leia mais

Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA

Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA 1 Instrução Normativa 004/2014 A prestação de contas de cada projeto acontecerá conforme o estabelecido na INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

10. Instrução Normativa AGE Nº 001, de 25 de Abr. de DOE

10. Instrução Normativa AGE Nº 001, de 25 de Abr. de DOE 10. Instrução Normativa AGE Nº 001, de 25 de Abr. de 2008. DOE 28.04.2008 Instrução Normativa AGE nº 001, de 25 de abril de 2008. Institui normas e rotinas para padronização e uniformização dos procedimentos

Leia mais

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013

Nº 02. Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 Nº 02 Nº 02 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Agosto, 22-2013 SAFRA INVERNO Mais informações no Controle de Qualidade (42) 3234-8037 com Fernando Barreto, (42) 8816-3452 / Marcelo

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

INFORMAÇÕES GERAIS APRESENTAÇÃO

INFORMAÇÕES GERAIS APRESENTAÇÃO INFORMAÇÕES GERAIS APRESENTAÇÃO O evento: Primeira Corrida Tá Voando, tem a finalidade de estimular a prática desportiva como elemento da promoção da saúde, da qualidade de vida. Serão beneficiados diretamente

Leia mais

Qualidade de Mistura com o Uso do Marcador. Jane Cristina Gonçalves MCassab Com. e Ind. Ltda Reunião Asbram 14/4/15

Qualidade de Mistura com o Uso do Marcador. Jane Cristina Gonçalves MCassab Com. e Ind. Ltda Reunião Asbram 14/4/15 Qualidade de Mistura com o Uso do Marcador Jane Cristina Gonçalves MCassab Com. e Ind. Ltda Reunião Asbram 14/4/15 1 PROGRAMA Introdução; Instrução de Validação de Mistura e Limpeza; Mistura de Ingredientes

Leia mais

Identificação UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL LCMEC - PA 025. Página COLETA DE AMOSTRA 01 de 07. Procedimento Para Coleta de Amostras

Identificação UNIVERSIDADE DE CAXIAS DO SUL LCMEC - PA 025. Página COLETA DE AMOSTRA 01 de 07. Procedimento Para Coleta de Amostras COLETA DE AMOSTRA 01 de 07 Procedimento Para Coleta de Amostras 1. PRINCÍPIO Para que os resultados dos métodos de análise expressem valores representativos da quantidade total de substância disponível,

Leia mais

Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho

Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho Laboratório HEroS Hidrologia, Erosão e Sedimentos Camila Bolognes Couto Pahl Bióloga e Laboratorista UFMS Disciplina Transporte de Sedimentos Prof. Dr. Teodorico Alves Sobrinho Aula de Campo Medição de

Leia mais

Associação dos Funcionários Municipais de Londrina SEDE CAMPESTRE ALVORADA DO SUL E CAMPING

Associação dos Funcionários Municipais de Londrina SEDE CAMPESTRE ALVORADA DO SUL E CAMPING Associação dos Funcionários Municipais de Londrina SEDE CAMPESTRE ALVORADA DO SUL E CAMPING 1- O presente regulamento tem o objetivo de disciplinar o uso da SEDE CAMPESTRE DE ALVORADA DO SUL - CONFORME

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/ SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/ SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 001/2016 - SELEÇÃO DE PROPOSTA PARA ACORDO DE COOPERAÇÃO PARA DESENVOLVIMENTO DE ESTUDOS E RECOMENDAÇÕES PARA A CONSTRUÇÃO DE UM PORTFÓLIO DE SERVIÇOS ( SMART CAMPUS ) PARA

Leia mais

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul

Relatório final da safra 2013/2014. Região Centro-Sul Relatório final da safra 2013/2014 Região Centro-Sul Tabela 1. Balanço final da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Comparativo com a safra 2012/2013 Produtos Safra 2012/2013 2013/2014 Var. (%) Cana-de-açúcar

Leia mais

Materiais de Construção II

Materiais de Construção II Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Escola de Engenharia Materiais de Construção

Leia mais

RECIBO DE ENTREGA DECLARAÇÃO ORIGINAL. Período abrangido pela Declaração: 01/07/2007 a 31/12/2007

RECIBO DE ENTREGA DECLARAÇÃO ORIGINAL. Período abrangido pela Declaração: 01/07/2007 a 31/12/2007 Declaração Anual do Simples Nacional(DASN) RECIBO DE ENTREGA DECLARAÇÃO ORIGINAL Período abrangido pela Declaração: 01/07/2007 a 31/12/2007 1 Informações do Contribuinte Nome Empresarial AVICOLA E MERCEARIA

Leia mais