Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO"

Transcrição

1 Máquinas para E FENAÇÃO Permite armazenar grande quantidade de alimento em pouco espaço. Por que da necessidade de se armazenar forragem? Reserva de alimento devido: Otoniel Ferreira DER - FAEM - UFPel Momentos de estacionalidade das pastagens 2- Necessidade de alimentos volumosos 3- Manutenção do crescimento, produção e reprodução dos animais e FENAÇÃO Conservação da forragem para servir de alimento aos animais SILAGEM As plantas são cortadas, fragmentadas e compactadas dentro de um silo, onde sofrem a ação de fermentações, com destaque para a lática. FENAÇÃO FENO As plantas são cortadas, desidratadas, enfardadas e armazenadas. ETAPAS DO PROCESSO DE Implantação da cultura forrageira ( s espécies) Corte das plantas a campo (colheita) Picagem ou fragmentação das plantas colhidas Enchimento do silo e compactação da massa ensilada Fechamento e vedação do silo Abertura do silo e retirada da silagem 1

2 TIPOS DE SILAGEM DE MILHO (mais importante): Da planta inteira (corte a aproximadamente 20 cm do solo) Da parte superior (corte abaixo da inserção da espiga) De espigas (umidade dos grãos: 30-35%) De grãos úmidos (umidade dos grãos: 35-40%) SUCESSO DEPENDE: Momento da colheita Conteúdo de matéria seca Tamanho da partícula (5 20 mm) Eliminação de contaminação por terra Enchimento eficiente do silo Fechamento do silo Importância do tamanho da partícula: O tamanho da partícula depende de: Define uma melhor ou pior fermentação Facilidade de compactação (expulsão do ar) Facilidade de manipulação mecânica Homogeneidade da massa ensilada fermentação rápida em todo silo Problemas com elevada taxa de passagem ruminal Velocidade de alimentação da máquina Velocidade do mecanismo picador Número de facas do mecanismo picador Regulagens das facas e contra-facas Tipo de planta forrageira e suas características 2

3 Tipos de silo silo trincheira Tipos de silo silo torta Tipos de silo silo tubo MÁQUINAS UTILIZADAS Em pequenas propriedades: Processo semi-mecanizado: mecanizado: *Máquinas estacionárias ou transportadas pelo sistema de engate 3 pontos desintegradoras, picadoras e ensiladoras *Corte, transporte, carregamento e descarregamento manuais 3

4 MÁQUINAS UTILIZADAS Em médias e grandes propriedades: DESINTEGRADORAS ESTACIONÁRIAS Processo mecanizado: *Ensiladoras tratorizadas ou autopropelidas *Corte, transporte, carregamento e descarregamento mecanizados (descarregamento manual facultativo) Vantagens DESINTEGRADORAS ESTACIONÁRIAS Baixo custo de aquisição, operação e manutenção baixo custo final da silagem; Pode ser utilizada em outras tarefas que não a produção de silagem Desvantagens Limitada capacidade de produção (50 a 4000 kg/h) Maior necessidade de mão-de-obra. 4

5 Partes componentes 1 - Carcaça 2 - Moega 3 Bica de entrada 4 - Bica de saída inferior 5 - Bica de saída superior 6 - cavalete Partes componentes Partes componentes Regulagens: _Abertura do registro de alimentação ou fornecimento de material _Seleção de peneiras 5

6 PICADORAS E ENSILADORAS ESTACIONÁRIAS ENSILADORAS OU PICADORAS Partes componentes *Carcaça *Bica de alimentação *Rotor alimentador (1 ou 2) *Mecanismo picador *Bica de saída *Cavalete (rodados) Rotor alimentador: alimentação constante e tamanho uniformes PICADORAS E ENSILADORAS ESTACIONÁRIAS Permitem a utilização diretamente no campo, diminuindo a operação de transporte do material inteiro PICADORAS E ENSILADORAS Maior uniformidade no tamanho das partículas Menor necessidade de mão-de-obra Maior rendimento (> 2000 kg/h) maior qualidade da silagem 6

7 PICADORAS E ENSILADORAS Alimentação ENSILADORAS TRATORIZADAS Colhedoras de forragens com facas móveis Colhedoras de forragem com tambor ou disco picador Colhedoras de forragem de duplo corte Manual Esteira ENSILADORAS TRATORIZADAS Possibilitam o armazenamento de maior quantidade de forragem COLHEDORAS DE FORRAGENS COM FACAS MÓVEIS Ensilagem no momento em que a planta está no ponto ideal valor nutritivo da forragem é superior e mais homogêneo Reduz a perda de folhas Reduz a possibilidade de contaminação por terra Produção: 20 ton/h Requer menor quantidade de mão-de-obra 7

8 COLHEDORAS DE FORRAGENS COM FACAS MÓVEIS COLHEDORAS DE FORRAGENS COM FACAS MÓVEIS Vantagens Máquina simples Menor custo de aquisição e manutenção Polivalência COLHEDORAS DE FORRAGENS Desvantagens COM FACAS MÓVEIS Qualidade da forragem (perda de material) Baixa qualidade da silagem (tamanho de partícula) Alto consumo de energia por unidade de produção Contaminação da forragem com terra Dificuldade para colher milho COLHEDORAS DE FORRAGENS Regulagens: Altura de corte COM FACAS MÓVEIS Tamanho de partícula Rotação do rotor Velocidade de deslocamento Posição da contra-faca Direcionamento da forragem 8

9 COM TAMBOR OU DISCO PICADOR Utilização Culturas em linha como milho, sorgo, capim elefante, cana de açúcar, etc; Com troca da plataforma de corte culturas previamente cortadas, acondicionadas, enleiradas e/ou submetidas ao murchamento Rendimento: 25 ton/h Vantagens Produção de fragmentos pequenos (2 a 30 mm) Menor demanda de potência por unidade produzida Ausência de terra na forragem Alta eficiência na colheita do milho Esquema de corte, alimentação e picagem para vegetais com colmos Desvantagens Elevado custo de aquisição Maior exigência de manutenção 9

10 Mecanismo de corte Disco rotativo horizontal Rodas dentadas com contra-facas Barra de corte convencional Mecanismo de corte e recolhimento (plataformas) Plataforma recolhedora para colmos em linha Plataforma recolhedora de material enleirado Plataforma recolhedora com barra de corte Plataforma despigadora PLATAFORMA RECOLHEDORA PARA COLMOS EM LINHA PLATAFORMA RECOLHEDORA PARA COLMOS EM LINHA 10

11 PLATAFORMA RECOLHEDORA PARA COLMOS EM LINHA PLATAFORMA RECOLHEDORA DE MATERIAL PRÉ-SECADO PLATAFORMA RECOLHEDORA DE MATERIAL PRÉ-SECADO PLATAFORMA RECOLHEDORA COM BARRA DE CORTE - CONVENCIONAL para forrageiras em área total Pick-up Dedos recolhedores 11

12 PLATAFORMA RECOLHEDORA COM BARRA DE CORTE PLATAFORMA DESPIGADORA facas destacadoras rolos giratórios ponteiras correntes transportadoras Mecanismo alimentador Rolos lisos ou dentados; Rolos combinados com correias transportadoras. Funções do mecanismo alimentador Comprimir a forragem Auxiliar no apoio da mesma durante o picamento Controlar o tamanho dos fragmentos Evitar a sobrecarga dos mecanismos picadores, mediante uma alimentação uniforme 12

13 Mecanismo picador Disco Mecanismo picador Tambor Tubo de descarga Tubo de descarga Posição de transporte Giratório Regulagem do defletor 13

14 Opcionais: Aplicador de inoculante DE DUPLO CORTE Associação entre as colhedoras de facas móveis e as colhedoras com tambor ou disco picador Promovem o corte direto de forrageiras de porte baixo Afiador de facas (manual ou automático) Vantagens DE DUPLO CORTE Formato regular dos fragmentos Partes componentes e funcionamento Formato das facas não provocam a aspiração de terra e impurezas Se adaptam a colheita da maioria das culturas Desvantagem Ineficácia na colheita do milho 14

15 Partes componentes AUTOPROPELIDAS Rotor Disco repicador e impulsionador Rosca transportadora Produção: superior a 100 ton/h AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para colmos com discos de corte AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para colmos com discos de corte Produção: 60 ton/h 15

16 AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para colmos com discos de corte AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Fluxo em plataforma para colmos com discos de corte AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para culturas de colmo em linha AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para convencional 16

17 AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para material enleirado AUTOPROPELIDAS Fluxo do material AUTOPROPELIDAS - COMPONENTES Rolos alimentadores AUTOPROPELIDAS - COMPONENTES Mecanismo picador 17

18 AUTOPROPELIDAS - COMPONENTES Mecanismo impulsionador AUTOPROPELIDAS - COMPONENTES Tubo de descarga Soprador Acelerador Transporte vagões forrageiros Transporte carretas agrícolas 18

19 silo tubo Descarga do silo mecanizada Descarga do silo mecanizada Descarga do silo mecanizada 19

20 Descarga do silo manual Transporte vagões forrageiros para distribuição Transporte descarga de vagões forrageiros 20

PRODUÇÃO DE SILAGEM. Ensilagem. Silagem 30/10/2017. Conceitos básicos. Um pouco da história... Conceitos básicos

PRODUÇÃO DE SILAGEM. Ensilagem. Silagem 30/10/2017. Conceitos básicos. Um pouco da história... Conceitos básicos Conceitos básicos PRODUÇÃO DE SILAGEM Ensilagem Processo com o objetivo de preservar a planta no seu ponto de maior valor nutritivo por meio de fermentação anaeróbica, após corte, picagem, compactação

Leia mais

PRODUÇÃO DE SILAGEM. Ensilagem. Silagem 06/10/2016. Conceitos básicos. Um pouco da história... Conceitos básicos

PRODUÇÃO DE SILAGEM. Ensilagem. Silagem 06/10/2016. Conceitos básicos. Um pouco da história... Conceitos básicos Conceitos básicos PRODUÇÃO DE SILAGEM Ensilagem Processo com o objetivo de preservar a planta no seu ponto de maior valor nutritivo por meio de fermentação anaeróbica, após corte, picagem, compactação

Leia mais

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS PARTE 2 Prof. Dr. Antônio Lilles Tavares Machado DER - FAEM UFPel Colhedora de grãos autopropelida Colhedora de grãos autopropelida Unidade de corte e recolhimento Função

Leia mais

PRODUÇÃO DE SILAGEM. Ensilagem. Silagem 27/06/2017. Conceitos básicos. Um pouco da história... Conceitos básicos

PRODUÇÃO DE SILAGEM. Ensilagem. Silagem 27/06/2017. Conceitos básicos. Um pouco da história... Conceitos básicos Conceitos básicos PRODUÇÃO DE SILAGEM Ensilagem Processo com o objetivo de preservar a planta no seu ponto de maior valor nutritivo por meio de fermentação anaeróbica, após corte, picagem, compactação

Leia mais

Processos de armazenamento e conservação de forragens. Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido

Processos de armazenamento e conservação de forragens. Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido Processos de armazenamento e conservação de forragens Alberto Amorim de Souza Daniel Barbosa de Miranda Geraldo Alves de Farias Embrapa Semiárido 1 Introdução ARMAZENAR: Guardar; CONSERVAR: Manter; FORRAGEM:

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER MÁQUINAS AGRÍCOLAS

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS Prof. Walter F. Molina Jr DEB ESALQ USP 2015 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Máquinas de colheita de grãos e forragem *

Máquinas de colheita de grãos e forragem * Máquinas de colheita de grãos e forragem * 1. Introdução A colheita da cultura é a etapa final do processo de produção. A mecanização do processo de colheita se tornou necessária para acompanhar o crescimento

Leia mais

SISTEMA MANUAL. 1) Carretas ou carros de boi 2) Picador de forragem (movido por motor elétrico ou motores a diesel, gasolina ou TDP de trator)

SISTEMA MANUAL. 1) Carretas ou carros de boi 2) Picador de forragem (movido por motor elétrico ou motores a diesel, gasolina ou TDP de trator) SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE SllAGEM Evandro C. MantovanP Serge Bettsux' Os sistemas de produção de silagem utilizados nas propriedades agrícolas apresentam atividades bem semelhantes, diferindo apenas no tipo

Leia mais

Incremento da qualidade da forragem

Incremento da qualidade da forragem Incremento da qualidade da forragem e a relação com as maquinas utilizadas. Ing Agr. Pablo Cattani Hay & Forage Latin America Relação Preço x Custo Preço Custo 14 4 Redução de custo da alimentação Grande

Leia mais

Durabilidade para sua fazenda, qualidade para seu gado.

Durabilidade para sua fazenda, qualidade para seu gado. Durabilidade para sua fazenda, qualidade para seu gado. EQUIPAMENTO FINANCIADO www.realmaq.com 100% BRASILEIRA Novo MULTIMIX Auto carregável Disponível nos modelos: 2.5 4.0 6.0 8.0 é muita tecnologia!

Leia mais

TIPOS DE SILO SILO SUPERFÍCIE SILO TRINCHEIRA SILO SUPERFÍCIE SILO TRINCHEIRA SILO CINCHO SILO BAG OU SILO TUBO

TIPOS DE SILO SILO SUPERFÍCIE SILO TRINCHEIRA SILO SUPERFÍCIE SILO TRINCHEIRA SILO CINCHO SILO BAG OU SILO TUBO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS PRODUÇÃO DE VOLUMOSOS E CONSERVAÇÃO DE FORRAGENS EDGAR FRAGA SANTOS FARIA

Leia mais

SISlEMAS DE ENSIlAGEM

SISlEMAS DE ENSIlAGEM SISlEMAS DE ENSIlAGEM Evandro Ctuutuni Msntovsni' Setge Bettsux' Os sistemas de produção de silagem utilizados nas propriedades agrícolas apresentam atividades bem semelhantes, diferindo apenas no tipo

Leia mais

Passo a passo para fazer uma silagem com máxima qualidade e o mínimo de perdas

Passo a passo para fazer uma silagem com máxima qualidade e o mínimo de perdas Passo a passo para fazer uma silagem com máxima qualidade e o mínimo de perdas Thiago Carvalho da Silva Professor adjunto (Forragicultura e Pastagens) UFG Barreiras, BA 2017 Sistema produtivo Empresas

Leia mais

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS PARTE 1 Prof. Dr. Antônio Lilles Tavares Machado DER - FAEM UFPel Tipos de colheita Manual Manual - Mecânica Mecânica Colheita Manual Colheita Manual A planta pode ser

Leia mais

MÁQUINAS PARA COLHEITA DE CEREAIS

MÁQUINAS PARA COLHEITA DE CEREAIS LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas MÁQUINAS PARA COLHEITA DE CEREAIS José P. Molin ESALQ/USP jpmolin@usp.br www.agriculturadeprecisao.org.br Colheita de cereais Feno Silagem Cana-de-açucar Batata

Leia mais

EQUIPAMENTO FINANCIADO. 100% BRASILEIRA

EQUIPAMENTO FINANCIADO.  100% BRASILEIRA EQUIPAMENTO FINANCIADO www.realmaq.com 100% BRASILEIRA Novo MULTIMIX Auto carregável Disponível nos modelos: 2.5 4.0 6.0 8.0 é muita tecnologia! MISTURA 1 MULTIMIX Auto carregável Opção com e sem Desensilador

Leia mais

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS

Leia mais

Colhedora de Forragem JF92-Z10 Rev. 00

Colhedora de Forragem JF92-Z10 Rev. 00 0 9 8 6 6 9 9 7 8 0 7 9 6 0 8 6 0 6 7 7 6 8 9 0 8 9 8 7 7 0.089 JF-9 Z0 Pág. / 6 Colhedora de Forragem JF9-Z0 Rev. 00 ITEM QTDE. do Produto 0.06898 Carcaça JF9-Z0 (Completa) 0.067 Conjunto da Plataforma

Leia mais

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura MANEJO DA VEGETAÇÃO E DE RESTOS CULTURAIS INTRODUÇÃO - Preparos Conservacionistas Objetivos: Superfície coberta máximo de tempo possível Uniformidade

Leia mais

Partícula de. & Silagem. Tamanho tem importância e influi no desempenho animal

Partícula de. & Silagem. Tamanho tem importância e influi no desempenho animal Feno O Martelo & Silagem Partícula de Tamanho tem importância e influi no desempenho animal Fotos: Adilson Rodrigues José Henrique Karsburg* e Luís Felipe Prada e Silva** A tualmente, muito se tem discutido

Leia mais

Alimentos e Alimentação Para Bovinos. Sistemas de Recria e Terminação. Ricardo Zambarda Vaz

Alimentos e Alimentação Para Bovinos. Sistemas de Recria e Terminação. Ricardo Zambarda Vaz Alimentos e Alimentação Para Bovinos Sistemas de Recria e Terminação Ricardo Zambarda Vaz Desempenho de novilhos em pastagem cultivada e natural de verão e inverno com a utilização de suplementação Adaptado

Leia mais

MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS. CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu

MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS. CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu MANEJO DE PLANTAS FORRAGEIRAS TROPICAIS PARA PRODUÇÃO DE FORRAGENS CONSERVADAS CINIRO COSTA Prof.: Forragicultura e Pastagens FMVZ - UNESP Botucatu Áreas de pastagens nativas (N) e plantadas (P) nas diferentes

Leia mais

UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA. Professor: Adriano Franzon

UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA. Professor: Adriano Franzon UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA Professor: Adriano Franzon EMENTÁRIO Elementos básicos de mecânica. Mecanismos de transmissão de potência. Lubrificação e lubrificantes.

Leia mais

Conservação de Forragem - Silagem

Conservação de Forragem - Silagem > Quantidade de Forragem > Qualidade de Forragem Produção de forragem Conservação de Forragem - Silagem < Quantidade de Forragem < Qualidade de Forragem Profa Dra. Ana Cláudia Ruggieri Msc. Vanessa Zirondi

Leia mais

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro Alimentos utilizados na alimentação Animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Alimentos Volumosos (pelo menos 25% de de FDN na na MS) MS) Concentrados Outros Forragens secas

Leia mais

Conservação de forrageiras e pastagens

Conservação de forrageiras e pastagens Conservação de forrageiras e pastagens Carlos Eugênio Martins 1 Jackson Silva e Oliveira 1 Antônio Carlos Cóser 1 1. Silagem Silagem é a forragem verde armazenada na ausência de ar e conservada mediante

Leia mais

DO PECUARISTA. O braço forte do pecuarista

DO PECUARISTA. O braço forte do pecuarista O BRAÇO braço forte FORTE do pecuarista DO PECUARISTA O braço forte do pecuarista 1 INDÚSTRIA MÁQUINAS PARA PECUÁRIA A EMPRESA A SILTOMAC foi fundada há aproximadamente 50 anos com o propósito de oferecer

Leia mais

CERES MASTER e CERES. Plantio eficiente com melhor custo/benefício

CERES MASTER e CERES. Plantio eficiente com melhor custo/benefício CERES MASTER e CERES Plantio eficiente com melhor custo/benefício Catálogo virtual Português Abr/2016 CERES MASTER As semeadoras Ceres Master apresentam modelos com grande versatilidade, agilidade e excelente

Leia mais

Produção de silagem de milho no planejamento alimentar do rebanho

Produção de silagem de milho no planejamento alimentar do rebanho Produção de silagem de milho no planejamento alimentar do rebanho Prof. Dr. João Ricardo Alves Pereira Universidade Estadual de Ponta Grossa-PR Vitalle Nutrição Animal Pecuária é um bom negócio,mas...

Leia mais

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar.

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. SEMEADORAS 1 O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. O órgão da planta utilizado para sua propagação pode ser: semente, tubérculo,

Leia mais

AGRICULTURA. Colheita, Preparação e Conservação dos produtos

AGRICULTURA. Colheita, Preparação e Conservação dos produtos AGRICULTURA Colheita, Preparação e Conservação dos produtos Agricultura de precisão Definição Gestão da variabilidade temporal e espacial das parcelas com o objectivo de melhorar o rendimento económico

Leia mais

MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO. Dr. Rodrigo Pizzani

MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO. Dr. Rodrigo Pizzani MILHO PARA SILAGEM E SEU EFEITO SOBRE O MANEJO DO SOLO Dr. Rodrigo Pizzani Cenário atual: desafios para agricultura Alimentar 9 bilhões de pessoas em 2050 Contornar problemas: Fatores-chaves para atingir

Leia mais

ENFARDADEIRAS PARA FARDOS REDONDOS

ENFARDADEIRAS PARA FARDOS REDONDOS EDIÇÃO 2016 ENFARDADEIRAS PARA FARDOS REDONDOS ZEUS SCF 08-10 Sistema: recolhimento central Comprimento: 3,00 m Largura: 2,00 m Altura: 1,80 m Peso liquido: 1.600 kg Potência requerida: 75 cv Cardan: série

Leia mais

Forragens Conservadas

Forragens Conservadas Centro de Ciências Agrárias Dom Pedrito Curso de Zootecnia Forragens Conservadas José Acélio Fontoura Júnior acelio@unipampa.edu.br Silagem Consiste na conservação das plantas forrageiras, através do processo

Leia mais

TENDO DÚVIDAS NÃO ADIVINHE, PERGUNTE. Colherdora de Forragem Nogueira New Pecus Polia

TENDO DÚVIDAS NÃO ADIVINHE, PERGUNTE. Colherdora de Forragem Nogueira New Pecus Polia Colherdora de Forragem Nogueira New Pecus Polia Item Qtde Código Descrição do Produto 0.0 Colhedora de Forragem Std. C/ Polia Braço Fixo 0.00 Alinhadores Completo 0.08 Bica de Saída Manual 0.00 Cardan

Leia mais

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 Ã LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 Prof. Walter F. Molina Jr 2014 ATENÇÃO A AVALIAÇÃO DA PRÓXIMA AULA VERSARÁ SOBRE O DISCUTIDO

Leia mais

Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão

Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos. Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Operações Unitárias: Fragmentação de sólidos Profª. Camila Ortiz Martinez UTFPR Campo Mourão Moagem Redução Termos empregados Muitos processos na indústria de alimentos Forças mecânicas através de equipamentos

Leia mais

Colheita e pós-colheita

Colheita e pós-colheita Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita

Leia mais

SILO CI. UMA ALTERNATIVA PARA CONSERVACAO DA FORRAGEM. E~a. Meio-Norte

SILO CI. UMA ALTERNATIVA PARA CONSERVACAO DA FORRAGEM. E~a. Meio-Norte SILO CI. UMA ALTERNATIVA PARA CONSERVACAO DA FORRAGEM E~a Meio-Norte o perfodo de entressafra de forragem causa serios problemas, tais como queda na produ9ao de leite, perda de peso do gado, diminui9ao

Leia mais

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da Uma das maneiras de reduzir os efeitos da baixa disponibilidade de forragem sobre o desempenho dos animais é conservar a forragem de uma estação de crescimento para períodos de escassez de alimentos. A

Leia mais

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

Silagem de milho e sorgo Cláudio Prates Zago Consultor da Sementes Biomatrix

Silagem de milho e sorgo Cláudio Prates Zago Consultor da Sementes Biomatrix Silagem de milho e sorgo Cláudio Prates Zago Consultor da Sementes Biomatrix zagocp@yahoo.com.br As plantas têm seu crescimento variável conforme a época do ano, alternando períodos de maior e menor crescimento.

Leia mais

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DAS SEMEADORAS DE LINHA DE PRECISÃO

SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DAS SEMEADORAS DE LINHA DE PRECISÃO 2ª parte semeadora SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DAS SEMEADORAS DE LINHA DE PRECISÃO 2 A função deste sistema é selecionar as sementes individualmente do depósito numa taxa prédeterminada. Os principais sistemas

Leia mais

Manual de Silagem. Guia para uma silagem bem sucedida

Manual de Silagem. Guia para uma silagem bem sucedida Manual de Silagem Guia para uma silagem bem sucedida Índice 1. Característica dos produtos para a silagem de milho Guia para uma silagem bem sucedida 1. Característica dos produtos para a silagem de milho

Leia mais

Tratamento de Minérios. Fragmentação. Britagem. continuação 11/5/17

Tratamento de Minérios. Fragmentação. Britagem. continuação 11/5/17 Fragmentação Britagem continuação 11/5/17 Britadores primários Britadores giratórios Britador de mandíbulas Britador giratório Britador de impacto Britador de rolos dentados Grande porte Circuito aberto

Leia mais

Qualidade da silagem e custo de formulação de ração para vacas leiteiras de médio e alto potencial

Qualidade da silagem e custo de formulação de ração para vacas leiteiras de médio e alto potencial Qualidade da silagem e custo de formulação de ração para vacas leiteiras de médio e alto potencial Ricardo Dias Signoretti Pesquisador Científico APTA Colina/SP Importância Social e Econômica do Agronegócio

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE DISCIPLINA

FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE DISCIPLINA FACULDADE DE MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Forragicultura Código da Disciplina: VET 219 Curso: Medicina Veterinária Faculdade responsável: Medicina Veterinária Programa em vigência

Leia mais

8. COLHEITA DO MILHO

8. COLHEITA DO MILHO 8. COLHEITA DO MILHO COLHEITA MANUAL Evitar atraso Colher direto no reservatório do meio de transporte COLHEITA MECÂNICA Evitar atraso Essencial a boa regulagem da máquina (cálculo das perdas) Umidade

Leia mais

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL.

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. SANTAL.COM.BR TRADIÇÃO DE ALTO DESEMPENHO. SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. TECNOLOGIA RESULTADO COMPROVADO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. A Plantadora Santal PDM2 é mais um exemplo do espírito inovador

Leia mais

COLHEITA MECANICA DO MILHO

COLHEITA MECANICA DO MILHO COLHEITA MECANICA DO MILHO Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A colheita mecânica de milho é uma prática que começa a apresentar importância para os agricultores brasileiros. Geralmente, o agricultor

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS AGROMETAL

CATÁLOGO DE PRODUTOS AGROMETAL CATÁLOGO DE PRODUTOS AGROMETAL MISSÃO: Produzir peças para os diversos modelos de colheitadeiras disponíveis no mercado, com garantia de produtos com alta durabilidade e resistência, entregues de acordo

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS Prof. Dr. André Mendes Jorge Pesquisador do CNPq Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu NECESSIDADE DE INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA Manejo intensivo

Leia mais

SEMEADORAS CAPÍTULO????

SEMEADORAS CAPÍTULO???? ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DEC ENGENHARIA RURAL LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas SEMEADORAS CAPÍTULO???? EDIÇÃO 2005 J.P. MOLIN T.C.C.RIPOLI C.D.GADANHA Jr. W.F.MOLINA

Leia mais

DESINTEGRADORES. B-609 M-630 M-625. Manual de Instrução

DESINTEGRADORES.  B-609 M-630 M-625. Manual de Instrução DESINTEGRADORES R B-609 www.vencedoramaqtron.com.br M-630 M-625 Manual de Instrução Apresentação Manual de Instrução - Desintegradores B-609 / M-625 / M-630 O Desintegrador VENCEDORA é uma máquina simples

Leia mais

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5%

Leia mais

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte Thiago Bernardes II SIMLEITE Dracena, SP 07 de setembro de 2013 Área plantada (milhões ha) 1. A cana agrícola 28 27,7 24

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

Silagem de capim e de sorgo na alimentação animal

Silagem de capim e de sorgo na alimentação animal UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE ZOOTECNIA Silagem de capim e de sorgo na alimentação animal Odilon Gomes Pereira Introdução Pecuária brasileira Pasto forma mais

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania SISTEMA DE PRODUÇÃO EM CANA-DE-AÇÚCAR AULA 11 COLHEITA E TRANSPORTE Prof. Dr. Carlos Azania Pesquisador Científico VI do Instituto Agronômico (IAC) Centro de Cana Ribeirão Preto SP Julho - 2017 LIBERAÇÃO

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

A.R. EVANGELISTA PVNS/UFVJM/CAPES

A.R. EVANGELISTA PVNS/UFVJM/CAPES PRODUÇÃO DE FENO FONTES DE PERDAS E CONTROLE A.R. EVANGELISTA PVNS/UFVJM/CAPES DRACENA 09/ 2014 FENO FORRAGEM DESIDRATADA MANTEM PRINCÍPIOS NUTRICIONAIS PERMITE ARMAZENAMENTO USO DE FENO NIVEL TECNOLÓGICO

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL- LAN 1458 Operações preliminares ao processo

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani SEMEADORA-ADUBADORA 1 Qual a cultura? Qual o adubo? 2 Qual o tamanho/formato da semente? Qual a quantidade de sementes/hectare? Qual a quantidade de plantas/hectare? Quando? 3 revolvimento mínimo do solo

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO 01

MANUAL DE INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO 01 COLHEDORA E PICADORA DE FORRAGENS CUSTOM 930 / 950-CII Agradecemos a sua preferência por esse produto CREMASCO. Você adquiriu um equipamento de qualidade, desenvolvido especialmente para atender às suas

Leia mais

Processo de Ensilagem em tempos de escassez de forragem. D.M.V. Rafael Andrade Filho, M.Sc. M.B.A Silostop - Americas

Processo de Ensilagem em tempos de escassez de forragem. D.M.V. Rafael Andrade Filho, M.Sc. M.B.A Silostop - Americas Processo de Ensilagem em tempos de escassez de forragem D.M.V. Rafael Andrade Filho, M.Sc. M.B.A Silostop - Americas Keith Bolsen PhD & Associates KSU, 1990 Diferenças Importantes Foto Cedida pelo professor

Leia mais

HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA.

HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. Duas opções no sistema de articulação da linha da semente PANTOGRÁFICA Linha da semente com sistema pantográfico dotado de amplo curso de

Leia mais

Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso.

Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso. 1 COLHEITA DE SEMENTES Silvio Moure Cicero 1. Introdução Importância: retorno do capital investido. Necessidade de planejamento criterioso. Custo. 2. Métodos de colheita 2.1. Manual Situações em que é

Leia mais

New Holland. Uma gama de enfardadeiras

New Holland. Uma gama de enfardadeiras NEW HOLLAND BB9O4O New Holland. Uma gama de enfardadeiras Qualquer que seja a colheita e a dimensão A New Holland tem a gama mais abrangente de enfardadeiras gigantes do mercado. Os agricultores que pretendam

Leia mais

M-700. Lançamento! Motores e chaves opcionais. M-700. Fornecida com motor 1,5 CV de alta rotação, eixo de transmissão e chave de reversão

M-700. Lançamento! Motores e chaves opcionais. M-700. Fornecida com motor 1,5 CV de alta rotação, eixo de transmissão e chave de reversão Bica livre Acompanha Cana Shop 140/200 e estacionária Reservatório com torneira Acompanha Cana Shop 140/200, estacionária e Cana Shop 60 Motor estacionário indicado à partir de: 3,5 à 6,5 cv A 2 Lançamento!

Leia mais

Semeadoras agrícolas. Distribuição das sementes

Semeadoras agrícolas. Distribuição das sementes Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03305 Mecanização Agrícola Prof. Ricardo Ferreira Garcia

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA IRRIGAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA IRRIGAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AGRONÔMICA IRRIGAÇÃO Irrigação por Aspersão Antenor de Oliveira de Aguiar Netto PLANO DE APRESENTAÇÃO Introdução; Vantagens e limitações; Tipos;

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani RESULTADOS DE PESQUISAS

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani RESULTADOS DE PESQUISAS SEMEADORA-ADUBADORA RESULTADOS DE PESQUISAS 1 Rendimento da cultura de milho em diferentes manejos do solo e tipos de sulcadores (haste x disco duplo) utilizados na operação de semeadura. (Klein & Boller,

Leia mais

Sistema de colheita x espaçamento. Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016

Sistema de colheita x espaçamento. Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016 Sistema de colheita x espaçamento Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016 Fatores relacionados ao espaçamento de plantio Dúvidas porque X ou Y?, o que considerar?, o que ganho?

Leia mais

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 Impurezas e qualidade da cana colhida Celio Manechini Assessor de Tecnologia Agronômica Grupo São Martinho Definição:

Leia mais

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo

MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO. Resumo MANEJO DE RESTOS CULTURAIS DE MILHO PARA PLANTIO DIRETO DE TRIGO Denardin, J.E. 1 ; Kochhann, R.A. 1 Resumo Presume-se que semeadoras para plantio direto apresentam problemas operacionais para semear trigo

Leia mais

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE AULA 8 ACIONAMENTO E MECANISMOS DE ELEVAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Acionamento Manual e Alavanca de Comando Um acionamento manual pode ser empregado em mecanismos de baixa

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s)

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Tuparendi Número: 07/2012 Número do Processo: 07/2012 Unidade de Compra: Prefeitura Municipal de Tuparendi Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Enfardadeira,

Leia mais

Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06

Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06 Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06 Sistemas de Secagem e secadores: Sistemas de secagem; Operação e monitoramento da secagem; Classificação dos secadores; Sistemas de secagem Inexiste uma

Leia mais

Solos. Equipamentos agrícolas utilizados para o manejo da palhada.

Solos. Equipamentos agrícolas utilizados para o manejo da palhada. Cultivo do Sorgo Importância econômica Clima Ecofisiologia Preparo de solo e Nutrição Adubação Cultivares Plantio Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita Mercado e comercialização Coeficientes

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL- LAN 1458 Operações preliminares ao processo

Leia mais

TRITURADORES. Manual de Instrução M

TRITURADORES. Manual de Instrução M TRITURADORES R M - 10000 www.vencedoramaqtron.com.br Manual de Instrução Apresentação Manual de Instrução - Trituradores M -10000 - O TRITURADOR MAQTRON 10.000 permite que o suinocultor ganhe tempo, economize

Leia mais

Pontos críticos na fabricação de sal mineral / ração. Dr. Lucas Eduardo Pilon Médico Veterinário ATC Canal Indústria de Ração DSM - Tortuga

Pontos críticos na fabricação de sal mineral / ração. Dr. Lucas Eduardo Pilon Médico Veterinário ATC Canal Indústria de Ração DSM - Tortuga Pontos críticos na fabricação de sal mineral / ração Dr. Lucas Eduardo Pilon Médico Veterinário ATC Canal Indústria de Ração DSM - Tortuga Outubro de 2016 Quem Somos DSM, Dutch State Mines DSM foi criada

Leia mais

Ensilagem de Soja (Glycine max) Submetido a Vários Níveis de Inclusão de Melaço em Pó

Ensilagem de Soja (Glycine max) Submetido a Vários Níveis de Inclusão de Melaço em Pó Ensilagem de Soja (Glycine max) Submetido a Vários Níveis de Inclusão de Melaço em Pó Juliano José de Oliveira COUTINHO 1 ; Antônio Augusto Rocha ATHAYDE 2 ; Alex de Oliveira RIBEIRO 3 ; Rafael Antônio

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0002

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0002 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO Às 09:37 horas do dia 16 de julho de 2012, após analisados todos os atos processuais do Pregão Pregão Eletrônico 029/2012, referente ao processo 029/2012, o Sr(a). Jorge Luiz Cardozo,

Leia mais

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela Padrões para a classificação do MILHO Caroline Matheus Larissa Gabriela Introdução O milho (Zea mays) é, sem dúvida, um dos alimentos mais importantes da cadeia alimentar animal. Muito trabalho tem sido

Leia mais

LEVANTAMENTO SOBRE PRÁTICAS DE ENSILAGEM 1

LEVANTAMENTO SOBRE PRÁTICAS DE ENSILAGEM 1 LEVANTAMENTO SOBRE PRÁTICAS DE ENSILAGEM 1 LEVANTAMENTO DAS PRÁTICAS DE PRODUÇÃO E USO DE SILAGENS EM FAZENDAS PRODUTORAS DE LEITE NO BRASIL 2012 Prof. Thiago Fernandes Bernardes Departamento de Zootecnia,

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

Instalação da cana-de-açúcar

Instalação da cana-de-açúcar Instalação da cana-de-açúcar SUMÁRIO Há poucas opções de variedades apesar de que o melhoramento genético tem garantido estabilidade na produção e nos resultados econômicos: todos programas de melhoramento

Leia mais

Características técnicas:

Características técnicas: PREPARO COMBINADO APK Projetado para o corte de sulcos para o plantio de batatas ou legumes. Permite obter a forma com os parâmetros necessários (altura 25 32 cm, largura 10 15 cm) e estrutura do solo

Leia mais

-Logo após o ponto de maturidade fisiológica dos grãos, teoricamente, a colheita já pode ser realizada;

-Logo após o ponto de maturidade fisiológica dos grãos, teoricamente, a colheita já pode ser realizada; 7 - Secagem 1 7.1 - Introdução -Logo após o ponto de maturidade fisiológica dos grãos, teoricamente, a colheita já pode ser realizada; -Na prática isso não ocorre em função do alto teor de umidade nessa

Leia mais

Carl Geringhoff Vertriebsgesellschaft mbh & Co. KG Porschestraße Ahlen (Westfalen) Deutschland

Carl Geringhoff Vertriebsgesellschaft mbh & Co. KG Porschestraße Ahlen (Westfalen) Deutschland Carl Geringhoff Vertriebsgesellschaft mbh & Co. KG Porschestraße 8 59227 Ahlen (Westfalen) Deutschland Telefon +49 (0) 2382 9814-0 Telefax +49 (0) 2382 9814-40 Internet www.geringhoff.de E-Mail info@geringhoff.de

Leia mais

Conservação de Forragens. Professora Augusta Romaniello

Conservação de Forragens. Professora Augusta Romaniello Conservação de Forragens Professora Augusta Romaniello Conservação de Forragens O sucesso da exploração pecuária esta estritamente correlacionado com o correto e adequado planejamento da alimentação do

Leia mais

Parafuso para Roda de Trator G.5

Parafuso para Roda de Trator G.5 Parafuso para Roda de Trator G. 0/006 PA TRATOR Dimensões : Padrão Ciser Rosca: ASME B. - A (A) (B) (C) (D) Produto F.P.P. X da rosca (ref.) Código da Linha - 9 Aplicações N Referência (E) PASX CO (B)

Leia mais

8 - Beneficiamento 1

8 - Beneficiamento 1 8 - Beneficiamento 1 8.1 - Objetivos -Eliminação de agentes contaminantes da massa de grãos ou sementes; -Classificação por tamanho no caso de sementes Facilitar a regulagem das semeadoras 2 Contaminantes:

Leia mais

MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL

MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL A LINHA DE EQUIPAMENTOS QUE CRIA OPORTUNIDADES MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL MODELOS EQUIPAMENTOS PARA SERVIÇOS PESADOS - LÍDERES DO MERCADO 2600 3800 4600XL 6600 7600B Modelos, características e opções,

Leia mais

Produção de bioetanol de cana

Produção de bioetanol de cana Produção de bioetanol de cana Prof. Me. Hanniel Freitas IFRN Prof. Me. Hanniel Freitas (IFRN) Produção de bioetanol de cana 1 / 16 Afinal, o que é o etanol? Prof. Me. Hanniel Freitas (IFRN) Produção de

Leia mais

VICTÓRIA. Plantio com precisão para pequeno e médio produtor

VICTÓRIA. Plantio com precisão para pequeno e médio produtor VICTÓRIA Plantio com precisão para pequeno e médio produtor Catálogo virtual Português Abr/2016 VICTÓRIA DPS As plantadoras Victória são pneumáticas, compactas e leves. Disponíveis na versão pivotada-pantográfica

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA TRILHADORA DE GRÃOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS

DESENVOLVIMENTO DE UMA TRILHADORA DE GRÃOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS DESENVOLVIMENTO DE UMA TRILHADORA DE GRÃOS COM MATERIAIS ALTERNATIVOS Emiliano Alves Caetano Neto 1, Josué Gomes Delmond 2, Daniel Macedo De Oliveira 3, Jefferson Pereira De Abreu 3 1 Acadêmico do Curso

Leia mais