Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO"

Transcrição

1 Máquinas para E FENAÇÃO Permite armazenar grande quantidade de alimento em pouco espaço. Por que da necessidade de se armazenar forragem? Reserva de alimento devido: Otoniel Ferreira DER - FAEM - UFPel Momentos de estacionalidade das pastagens 2- Necessidade de alimentos volumosos 3- Manutenção do crescimento, produção e reprodução dos animais e FENAÇÃO Conservação da forragem para servir de alimento aos animais SILAGEM As plantas são cortadas, fragmentadas e compactadas dentro de um silo, onde sofrem a ação de fermentações, com destaque para a lática. FENAÇÃO FENO As plantas são cortadas, desidratadas, enfardadas e armazenadas. ETAPAS DO PROCESSO DE Implantação da cultura forrageira ( s espécies) Corte das plantas a campo (colheita) Picagem ou fragmentação das plantas colhidas Enchimento do silo e compactação da massa ensilada Fechamento e vedação do silo Abertura do silo e retirada da silagem 1

2 TIPOS DE SILAGEM DE MILHO (mais importante): Da planta inteira (corte a aproximadamente 20 cm do solo) Da parte superior (corte abaixo da inserção da espiga) De espigas (umidade dos grãos: 30-35%) De grãos úmidos (umidade dos grãos: 35-40%) SUCESSO DEPENDE: Momento da colheita Conteúdo de matéria seca Tamanho da partícula (5 20 mm) Eliminação de contaminação por terra Enchimento eficiente do silo Fechamento do silo Importância do tamanho da partícula: O tamanho da partícula depende de: Define uma melhor ou pior fermentação Facilidade de compactação (expulsão do ar) Facilidade de manipulação mecânica Homogeneidade da massa ensilada fermentação rápida em todo silo Problemas com elevada taxa de passagem ruminal Velocidade de alimentação da máquina Velocidade do mecanismo picador Número de facas do mecanismo picador Regulagens das facas e contra-facas Tipo de planta forrageira e suas características 2

3 Tipos de silo silo trincheira Tipos de silo silo torta Tipos de silo silo tubo MÁQUINAS UTILIZADAS Em pequenas propriedades: Processo semi-mecanizado: mecanizado: *Máquinas estacionárias ou transportadas pelo sistema de engate 3 pontos desintegradoras, picadoras e ensiladoras *Corte, transporte, carregamento e descarregamento manuais 3

4 MÁQUINAS UTILIZADAS Em médias e grandes propriedades: DESINTEGRADORAS ESTACIONÁRIAS Processo mecanizado: *Ensiladoras tratorizadas ou autopropelidas *Corte, transporte, carregamento e descarregamento mecanizados (descarregamento manual facultativo) Vantagens DESINTEGRADORAS ESTACIONÁRIAS Baixo custo de aquisição, operação e manutenção baixo custo final da silagem; Pode ser utilizada em outras tarefas que não a produção de silagem Desvantagens Limitada capacidade de produção (50 a 4000 kg/h) Maior necessidade de mão-de-obra. 4

5 Partes componentes 1 - Carcaça 2 - Moega 3 Bica de entrada 4 - Bica de saída inferior 5 - Bica de saída superior 6 - cavalete Partes componentes Partes componentes Regulagens: _Abertura do registro de alimentação ou fornecimento de material _Seleção de peneiras 5

6 PICADORAS E ENSILADORAS ESTACIONÁRIAS ENSILADORAS OU PICADORAS Partes componentes *Carcaça *Bica de alimentação *Rotor alimentador (1 ou 2) *Mecanismo picador *Bica de saída *Cavalete (rodados) Rotor alimentador: alimentação constante e tamanho uniformes PICADORAS E ENSILADORAS ESTACIONÁRIAS Permitem a utilização diretamente no campo, diminuindo a operação de transporte do material inteiro PICADORAS E ENSILADORAS Maior uniformidade no tamanho das partículas Menor necessidade de mão-de-obra Maior rendimento (> 2000 kg/h) maior qualidade da silagem 6

7 PICADORAS E ENSILADORAS Alimentação ENSILADORAS TRATORIZADAS Colhedoras de forragens com facas móveis Colhedoras de forragem com tambor ou disco picador Colhedoras de forragem de duplo corte Manual Esteira ENSILADORAS TRATORIZADAS Possibilitam o armazenamento de maior quantidade de forragem COLHEDORAS DE FORRAGENS COM FACAS MÓVEIS Ensilagem no momento em que a planta está no ponto ideal valor nutritivo da forragem é superior e mais homogêneo Reduz a perda de folhas Reduz a possibilidade de contaminação por terra Produção: 20 ton/h Requer menor quantidade de mão-de-obra 7

8 COLHEDORAS DE FORRAGENS COM FACAS MÓVEIS COLHEDORAS DE FORRAGENS COM FACAS MÓVEIS Vantagens Máquina simples Menor custo de aquisição e manutenção Polivalência COLHEDORAS DE FORRAGENS Desvantagens COM FACAS MÓVEIS Qualidade da forragem (perda de material) Baixa qualidade da silagem (tamanho de partícula) Alto consumo de energia por unidade de produção Contaminação da forragem com terra Dificuldade para colher milho COLHEDORAS DE FORRAGENS Regulagens: Altura de corte COM FACAS MÓVEIS Tamanho de partícula Rotação do rotor Velocidade de deslocamento Posição da contra-faca Direcionamento da forragem 8

9 COM TAMBOR OU DISCO PICADOR Utilização Culturas em linha como milho, sorgo, capim elefante, cana de açúcar, etc; Com troca da plataforma de corte culturas previamente cortadas, acondicionadas, enleiradas e/ou submetidas ao murchamento Rendimento: 25 ton/h Vantagens Produção de fragmentos pequenos (2 a 30 mm) Menor demanda de potência por unidade produzida Ausência de terra na forragem Alta eficiência na colheita do milho Esquema de corte, alimentação e picagem para vegetais com colmos Desvantagens Elevado custo de aquisição Maior exigência de manutenção 9

10 Mecanismo de corte Disco rotativo horizontal Rodas dentadas com contra-facas Barra de corte convencional Mecanismo de corte e recolhimento (plataformas) Plataforma recolhedora para colmos em linha Plataforma recolhedora de material enleirado Plataforma recolhedora com barra de corte Plataforma despigadora PLATAFORMA RECOLHEDORA PARA COLMOS EM LINHA PLATAFORMA RECOLHEDORA PARA COLMOS EM LINHA 10

11 PLATAFORMA RECOLHEDORA PARA COLMOS EM LINHA PLATAFORMA RECOLHEDORA DE MATERIAL PRÉ-SECADO PLATAFORMA RECOLHEDORA DE MATERIAL PRÉ-SECADO PLATAFORMA RECOLHEDORA COM BARRA DE CORTE - CONVENCIONAL para forrageiras em área total Pick-up Dedos recolhedores 11

12 PLATAFORMA RECOLHEDORA COM BARRA DE CORTE PLATAFORMA DESPIGADORA facas destacadoras rolos giratórios ponteiras correntes transportadoras Mecanismo alimentador Rolos lisos ou dentados; Rolos combinados com correias transportadoras. Funções do mecanismo alimentador Comprimir a forragem Auxiliar no apoio da mesma durante o picamento Controlar o tamanho dos fragmentos Evitar a sobrecarga dos mecanismos picadores, mediante uma alimentação uniforme 12

13 Mecanismo picador Disco Mecanismo picador Tambor Tubo de descarga Tubo de descarga Posição de transporte Giratório Regulagem do defletor 13

14 Opcionais: Aplicador de inoculante DE DUPLO CORTE Associação entre as colhedoras de facas móveis e as colhedoras com tambor ou disco picador Promovem o corte direto de forrageiras de porte baixo Afiador de facas (manual ou automático) Vantagens DE DUPLO CORTE Formato regular dos fragmentos Partes componentes e funcionamento Formato das facas não provocam a aspiração de terra e impurezas Se adaptam a colheita da maioria das culturas Desvantagem Ineficácia na colheita do milho 14

15 Partes componentes AUTOPROPELIDAS Rotor Disco repicador e impulsionador Rosca transportadora Produção: superior a 100 ton/h AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para colmos com discos de corte AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para colmos com discos de corte Produção: 60 ton/h 15

16 AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para colmos com discos de corte AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Fluxo em plataforma para colmos com discos de corte AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para culturas de colmo em linha AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para convencional 16

17 AUTOPROPELIDAS - PLATAFORMAS Plataforma para material enleirado AUTOPROPELIDAS Fluxo do material AUTOPROPELIDAS - COMPONENTES Rolos alimentadores AUTOPROPELIDAS - COMPONENTES Mecanismo picador 17

18 AUTOPROPELIDAS - COMPONENTES Mecanismo impulsionador AUTOPROPELIDAS - COMPONENTES Tubo de descarga Soprador Acelerador Transporte vagões forrageiros Transporte carretas agrícolas 18

19 silo tubo Descarga do silo mecanizada Descarga do silo mecanizada Descarga do silo mecanizada 19

20 Descarga do silo manual Transporte vagões forrageiros para distribuição Transporte descarga de vagões forrageiros 20

PRODUÇÃO DE SILAGEM. Ensilagem. Silagem 06/10/2016. Conceitos básicos. Um pouco da história... Conceitos básicos

PRODUÇÃO DE SILAGEM. Ensilagem. Silagem 06/10/2016. Conceitos básicos. Um pouco da história... Conceitos básicos Conceitos básicos PRODUÇÃO DE SILAGEM Ensilagem Processo com o objetivo de preservar a planta no seu ponto de maior valor nutritivo por meio de fermentação anaeróbica, após corte, picagem, compactação

Leia mais

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER MÁQUINAS AGRÍCOLAS

ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER MÁQUINAS AGRÍCOLAS ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS Prof. Walter F. Molina Jr DEB ESALQ USP 2015 1 INTRODUÇÃO

Leia mais

Máquinas de colheita de grãos e forragem *

Máquinas de colheita de grãos e forragem * Máquinas de colheita de grãos e forragem * 1. Introdução A colheita da cultura é a etapa final do processo de produção. A mecanização do processo de colheita se tornou necessária para acompanhar o crescimento

Leia mais

SISTEMA MANUAL. 1) Carretas ou carros de boi 2) Picador de forragem (movido por motor elétrico ou motores a diesel, gasolina ou TDP de trator)

SISTEMA MANUAL. 1) Carretas ou carros de boi 2) Picador de forragem (movido por motor elétrico ou motores a diesel, gasolina ou TDP de trator) SISTEMAS DE PRODUÇÃO DE SllAGEM Evandro C. MantovanP Serge Bettsux' Os sistemas de produção de silagem utilizados nas propriedades agrícolas apresentam atividades bem semelhantes, diferindo apenas no tipo

Leia mais

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS PARTE 1 Prof. Dr. Antônio Lilles Tavares Machado DER - FAEM UFPel Tipos de colheita Manual Manual - Mecânica Mecânica Colheita Manual Colheita Manual A planta pode ser

Leia mais

TIPOS DE SILO SILO SUPERFÍCIE SILO TRINCHEIRA SILO SUPERFÍCIE SILO TRINCHEIRA SILO CINCHO SILO BAG OU SILO TUBO

TIPOS DE SILO SILO SUPERFÍCIE SILO TRINCHEIRA SILO SUPERFÍCIE SILO TRINCHEIRA SILO CINCHO SILO BAG OU SILO TUBO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA DE MEDICINA VETERINÁRIA DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL ESPECIALIZAÇÃO EM PRODUÇÃO DE BOVINOS PRODUÇÃO DE VOLUMOSOS E CONSERVAÇÃO DE FORRAGENS EDGAR FRAGA SANTOS FARIA

Leia mais

SISlEMAS DE ENSIlAGEM

SISlEMAS DE ENSIlAGEM SISlEMAS DE ENSIlAGEM Evandro Ctuutuni Msntovsni' Setge Bettsux' Os sistemas de produção de silagem utilizados nas propriedades agrícolas apresentam atividades bem semelhantes, diferindo apenas no tipo

Leia mais

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura

Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura Mecanização Agrícola Manejo de Culturas de Cobertura MANEJO DA VEGETAÇÃO E DE RESTOS CULTURAIS INTRODUÇÃO - Preparos Conservacionistas Objetivos: Superfície coberta máximo de tempo possível Uniformidade

Leia mais

EQUIPAMENTO FINANCIADO. 100% BRASILEIRA

EQUIPAMENTO FINANCIADO.  100% BRASILEIRA EQUIPAMENTO FINANCIADO www.realmaq.com 100% BRASILEIRA Novo MULTIMIX Auto carregável Disponível nos modelos: 2.5 4.0 6.0 8.0 é muita tecnologia! MISTURA 1 MULTIMIX Auto carregável Opção com e sem Desensilador

Leia mais

MÁQUINAS PARA COLHEITA DE CEREAIS

MÁQUINAS PARA COLHEITA DE CEREAIS LER 432 Máquinas e Implementos Agrícolas MÁQUINAS PARA COLHEITA DE CEREAIS José P. Molin ESALQ/USP jpmolin@usp.br www.agriculturadeprecisao.org.br Colheita de cereais Feno Silagem Cana-de-açucar Batata

Leia mais

Conservação de forrageiras e pastagens

Conservação de forrageiras e pastagens Conservação de forrageiras e pastagens Carlos Eugênio Martins 1 Jackson Silva e Oliveira 1 Antônio Carlos Cóser 1 1. Silagem Silagem é a forragem verde armazenada na ausência de ar e conservada mediante

Leia mais

UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA. Professor: Adriano Franzon

UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA. Professor: Adriano Franzon UNITRI MECÂNICA E MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA PRIMEIRA AULA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA Professor: Adriano Franzon EMENTÁRIO Elementos básicos de mecânica. Mecanismos de transmissão de potência. Lubrificação e lubrificantes.

Leia mais

Alimentos e Alimentação Para Bovinos. Sistemas de Recria e Terminação. Ricardo Zambarda Vaz

Alimentos e Alimentação Para Bovinos. Sistemas de Recria e Terminação. Ricardo Zambarda Vaz Alimentos e Alimentação Para Bovinos Sistemas de Recria e Terminação Ricardo Zambarda Vaz Desempenho de novilhos em pastagem cultivada e natural de verão e inverno com a utilização de suplementação Adaptado

Leia mais

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro

Volumosos. Volumosos. Volumosos. Volumosos. Alimentos utilizados na alimentação Animal. Marinaldo Divino Ribeiro Alimentos utilizados na alimentação Animal Marinaldo Divino Ribeiro EMV Depto de Produção ão Animal - UFBA Alimentos Volumosos (pelo menos 25% de de FDN na na MS) MS) Concentrados Outros Forragens secas

Leia mais

AGRICULTURA. Colheita, Preparação e Conservação dos produtos

AGRICULTURA. Colheita, Preparação e Conservação dos produtos AGRICULTURA Colheita, Preparação e Conservação dos produtos Agricultura de precisão Definição Gestão da variabilidade temporal e espacial das parcelas com o objectivo de melhorar o rendimento económico

Leia mais

ENFARDADEIRAS PARA FARDOS REDONDOS

ENFARDADEIRAS PARA FARDOS REDONDOS EDIÇÃO 2016 ENFARDADEIRAS PARA FARDOS REDONDOS ZEUS SCF 08-10 Sistema: recolhimento central Comprimento: 3,00 m Largura: 2,00 m Altura: 1,80 m Peso liquido: 1.600 kg Potência requerida: 75 cv Cardan: série

Leia mais

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar.

O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. SEMEADORAS 1 O plantio compreende a colocação do órgão da planta no solo, de tal forma que ele tenha condição de germinar. O órgão da planta utilizado para sua propagação pode ser: semente, tubérculo,

Leia mais

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da

Uma das maneiras de reduzir os efeitos da Uma das maneiras de reduzir os efeitos da baixa disponibilidade de forragem sobre o desempenho dos animais é conservar a forragem de uma estação de crescimento para períodos de escassez de alimentos. A

Leia mais

Tratamento de Minérios. Fragmentação. Britagem. continuação 11/5/17

Tratamento de Minérios. Fragmentação. Britagem. continuação 11/5/17 Fragmentação Britagem continuação 11/5/17 Britadores primários Britadores giratórios Britador de mandíbulas Britador giratório Britador de impacto Britador de rolos dentados Grande porte Circuito aberto

Leia mais

Colheita e pós-colheita

Colheita e pós-colheita Cultivo do Milho Economia da Produção Zoneamento Agrícola Clima e Solo Ecofisiologia Manejo de Solos Fertilidade de Solos Cultivares Plantio Irrigação Plantas daninhas Doenças Pragas Colheita e pós-colheita

Leia mais

Manual de Silagem. Guia para uma silagem bem sucedida

Manual de Silagem. Guia para uma silagem bem sucedida Manual de Silagem Guia para uma silagem bem sucedida Índice 1. Característica dos produtos para a silagem de milho Guia para uma silagem bem sucedida 1. Característica dos produtos para a silagem de milho

Leia mais

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5%

Leia mais

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL.

SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. SANTAL.COM.BR TRADIÇÃO DE ALTO DESEMPENHO. SUA PRODUTIVIDADE GANHA FORÇA COM A SANTAL. TECNOLOGIA RESULTADO COMPROVADO NO SETOR SUCROALCOOLEIRO. A Plantadora Santal PDM2 é mais um exemplo do espírito inovador

Leia mais

8. COLHEITA DO MILHO

8. COLHEITA DO MILHO 8. COLHEITA DO MILHO COLHEITA MANUAL Evitar atraso Colher direto no reservatório do meio de transporte COLHEITA MECÂNICA Evitar atraso Essencial a boa regulagem da máquina (cálculo das perdas) Umidade

Leia mais

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS

ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS ESTABELECIMENTO DE PASTAGENS PARA BUBALINOS Prof. Dr. André Mendes Jorge Pesquisador do CNPq Prof. Dr. André Mendes Jorge FMVZ-Unesp-Botucatu NECESSIDADE DE INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA Manejo intensivo

Leia mais

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14)

KTR Rua Dr. Luiz Miranda, Pompeia - SP - Tel. (14) Fax. (14) Rua Dr. Luiz Miranda, 1650-17580-000 - Pompeia - SP - Tel. (14) 3405 2100 - Fax. (14) 3452 1916 - E-mail: vendas@jacto.com.br PROTEJA O MEIO AMBIENTE. AO INUTILIZAR ESTE FOLHETO, NÃO JOGUE EM VIAS PÚBLICAS.

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS AGROMETAL

CATÁLOGO DE PRODUTOS AGROMETAL CATÁLOGO DE PRODUTOS AGROMETAL MISSÃO: Produzir peças para os diversos modelos de colheitadeiras disponíveis no mercado, com garantia de produtos com alta durabilidade e resistência, entregues de acordo

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE

MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE MÁQUINAS DE ELEVAÇÃO E TRANSPORTE AULA 8 ACIONAMENTO E MECANISMOS DE ELEVAÇÃO PROF.: KAIO DUTRA Acionamento Manual e Alavanca de Comando Um acionamento manual pode ser empregado em mecanismos de baixa

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte Thiago Bernardes II SIMLEITE Dracena, SP 07 de setembro de 2013 Área plantada (milhões ha) 1. A cana agrícola 28 27,7 24

Leia mais

COLHEITA MECANICA DO MILHO

COLHEITA MECANICA DO MILHO COLHEITA MECANICA DO MILHO Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A colheita mecânica de milho é uma prática que começa a apresentar importância para os agricultores brasileiros. Geralmente, o agricultor

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06

Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06 Secagem e Armazenagem de Grãos e Sementes Aula 06 Sistemas de Secagem e secadores: Sistemas de secagem; Operação e monitoramento da secagem; Classificação dos secadores; Sistemas de secagem Inexiste uma

Leia mais

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia Fagner Ferraz É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO 01

MANUAL DE INSTRUÇÃO E OPERAÇÃO 01 COLHEDORA E PICADORA DE FORRAGENS CUSTOM 930 / 950-CII Agradecemos a sua preferência por esse produto CREMASCO. Você adquiriu um equipamento de qualidade, desenvolvido especialmente para atender às suas

Leia mais

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 Impurezas e qualidade da cana colhida Celio Manechini Assessor de Tecnologia Agronômica Grupo São Martinho Definição:

Leia mais

HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA.

HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. HiTech COMPACT Plantadora Adubadora *FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA. Duas opções no sistema de articulação da linha da semente PANTOGRÁFICA Linha da semente com sistema pantográfico dotado de amplo curso de

Leia mais

PLANTIO DE CANA-DE-AÇÚCAR

PLANTIO DE CANA-DE-AÇÚCAR PLANTIO DE CANA-DE-AÇÚCAR GRUPO UNIALCO ALCOOLVALE AÇÚCAR E ÁLCOOL S/A EDSON BELISARIO TEIXERA engenheiro agrônomo Janeiro 2016 1 2 QUADRO DE FUNCIONÁRIOS 50 PESSOAS 200 PESSOAS 1150 PESSOAS 900 PESSOAS

Leia mais

TRITURADORES. Manual de Instrução M

TRITURADORES. Manual de Instrução M TRITURADORES R M - 10000 www.vencedoramaqtron.com.br Manual de Instrução Apresentação Manual de Instrução - Trituradores M -10000 - O TRITURADOR MAQTRON 10.000 permite que o suinocultor ganhe tempo, economize

Leia mais

New Holland. Uma gama de enfardadeiras

New Holland. Uma gama de enfardadeiras NEW HOLLAND BB9O4O New Holland. Uma gama de enfardadeiras Qualquer que seja a colheita e a dimensão A New Holland tem a gama mais abrangente de enfardadeiras gigantes do mercado. Os agricultores que pretendam

Leia mais

Sistema de colheita x espaçamento. Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016

Sistema de colheita x espaçamento. Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016 Sistema de colheita x espaçamento Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016 Fatores relacionados ao espaçamento de plantio Dúvidas porque X ou Y?, o que considerar?, o que ganho?

Leia mais

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s)

PROPOSTA. Pregão. Proposta(s) PROPOSTA Pregão Órgão: Prefeitura Municipal de Tuparendi Número: 07/2012 Número do Processo: 07/2012 Unidade de Compra: Prefeitura Municipal de Tuparendi Proposta(s) Item: 0001 Descrição: Enfardadeira,

Leia mais

Carl Geringhoff Vertriebsgesellschaft mbh & Co. KG Porschestraße Ahlen (Westfalen) Deutschland

Carl Geringhoff Vertriebsgesellschaft mbh & Co. KG Porschestraße Ahlen (Westfalen) Deutschland Carl Geringhoff Vertriebsgesellschaft mbh & Co. KG Porschestraße 8 59227 Ahlen (Westfalen) Deutschland Telefon +49 (0) 2382 9814-0 Telefax +49 (0) 2382 9814-40 Internet www.geringhoff.de E-Mail info@geringhoff.de

Leia mais

Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas

Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas Especificação Técnica do Alimentador de Fluxantes para Máquinas de Lingotamento Contínuo de Placas 1.0. Especificação Técnica: 1.1. Descrição Funcional O alimentador de fluxantes, que é montado em um carro

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

8 - Beneficiamento 1

8 - Beneficiamento 1 8 - Beneficiamento 1 8.1 - Objetivos -Eliminação de agentes contaminantes da massa de grãos ou sementes; -Classificação por tamanho no caso de sementes Facilitar a regulagem das semeadoras 2 Contaminantes:

Leia mais

JF 1600 AT Colhedora de Forragem em Área Total

JF 1600 AT Colhedora de Forragem em Área Total Catálogo de Peças JF 00 AT Colhedora de Forragem em Área Total REV0 AS OL ÍC GR SA INA QU MÁ 8 7 8 0 F ( : 9) 0 8 C ( : 9) 8 0 9 E ( : 9) C 8 F 7 0 9 8 D 7 B ( : 9) 9 9 7 8 B D ( : 9) G 0.0 Colhedora de

Leia mais

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0002

TERMO DE HOMOLOGAÇÃO. Item 0002 TERMO DE HOMOLOGAÇÃO Às 09:37 horas do dia 16 de julho de 2012, após analisados todos os atos processuais do Pregão Pregão Eletrônico 029/2012, referente ao processo 029/2012, o Sr(a). Jorge Luiz Cardozo,

Leia mais

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO

BOMBAS. Bombas CLASSIFICAÇÃO BOMBAS ALTERNATIVAS APLICAÇÕES 06/04/2011 BOMBAS DE DESLOCAMENTO POSITIVO BOMBAS Bombas Para deslocar um fluido ou mantê-lo em escoamento é necessário adicionarmos energia, o equipamento capaz de fornecer essa energia ao escoamento do fluido é denominamos de Bomba. CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Parafuso para Roda de Trator G.5

Parafuso para Roda de Trator G.5 Parafuso para Roda de Trator G. 0/006 PA TRATOR Dimensões : Padrão Ciser Rosca: ASME B. - A (A) (B) (C) (D) Produto F.P.P. X da rosca (ref.) Código da Linha - 9 Aplicações N Referência (E) PASX CO (B)

Leia mais

Atuadores e Sistemas Hidráulicos

Atuadores e Sistemas Hidráulicos 1 Atuadores e Sistemas Hidráulicos Prof. Dr. Emílio Carlos Nelli Silva Aula 1 Escola Politécnica da USP Departamento de Engenharia Mecatrônica e Sistemas Mecânicos Introdução 2 Hidráulica é o ramo da engenharia

Leia mais

TH 730 Telehandlers. Em ambientes estreitos TH730

TH 730 Telehandlers. Em ambientes estreitos TH730 TH 730 Telehandlers Em ambientes estreitos TH730 Mesmo em passagens com alturas limitadas, a carregadora telescópica da Wacker Neuson pode ser usada plenamente. A produtividade, a construção e as medidas

Leia mais

Semeadoras agrícolas. Distribuição das sementes

Semeadoras agrícolas. Distribuição das sementes Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias - Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03305 Mecanização Agrícola Prof. Ricardo Ferreira Garcia

Leia mais

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex 16 SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial A Usina da Recuperação Francisco Linero Ribeirão Preto 29 de outubro de 2015 Agenda Recuperação

Leia mais

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex 16 SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial A Usina da Recuperação Francisco Linero Ribeirão Preto 29 de outubro de 2015 Agenda Recuperação

Leia mais

Anexo V. TERMINO 31/10/ meses 2. LOCAL DE EXECUÇÃO DO PROJETO: Fazenda Belo Horizonte Amajari, RR

Anexo V. TERMINO 31/10/ meses 2. LOCAL DE EXECUÇÃO DO PROJETO: Fazenda Belo Horizonte Amajari, RR RELATÓRIO FINAL DE PROJETOS DE EXTENSÃO - PBAEX REGISTRO PROEX N /2015 1 - DADOS DE IDENTIFICAÇÃO CÂMPUS: Amajari Anexo V TÍTULO PROJETO: Potencial de uso do capim elefante na alimentação animal na região

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS USINAS SEMI MOVEIS PARA FABRICAÇÃO DE AREIA - ZL EQUIPAMENTOS.

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS USINAS SEMI MOVEIS PARA FABRICAÇÃO DE AREIA - ZL EQUIPAMENTOS. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS USINAS SEMI MOVEIS PARA FABRICAÇÃO DE AREIA - ZL EQUIPAMENTOS. 1. APLICAÇÃO. A usina semimóvel, projetada e fabricada pela ZL Equipamentos, foi desenvolvida para fabricar areia

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Estimativa do Custo de Produção de Silagem de Milho, em uma Pequena Propriedade na Região de Jales-SP Mateus Lins

Leia mais

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO

SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO SÍTIO DO CEDRO SEBRAE/DPA CARMO DO PARANAÍBA - MG PASTO COMO OPÇÃO DE FORRAGEM RICARDO PEIXOTO Por que pasto? Menor investimento inicial Instalações Rebanho Não confinar vacas no período chuvoso do ano

Leia mais

COFFEE EXPRESS. A COLHEITA DE MENOR DANO AO CAFEZAL.

COFFEE EXPRESS. A COLHEITA DE MENOR DANO AO CAFEZAL. COFFEE EXPRESS. A COLHEITA DE MENOR DANO AO CAFEZAL. A CASE IH, possui em suas colhedoras de café o que há de melhor em tecnologia de derriça, onde o exclusivo sistema de freio hidráulico associado ao

Leia mais

Máquinas para a Colheita de Cereais

Máquinas para a Colheita de Cereais UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSISTEMAS LEB 432 Máquinas e Implementos Agrícolas Máquinas para a Colheita de Cereais Prof. Thiago

Leia mais

Formação e manejo de pastagem

Formação e manejo de pastagem Formação e manejo de pastagem Formação de pastagens Pastagens: áreas cobertas por vegetação nativa ou plantas introduzidas e adaptadas, que são utilizadas para o pastoreio dos animais Pastagem artificial

Leia mais

PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA

PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA MISSÃO FORNECER SOLUÇÕES MECATRÔNICAS DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL E VALOR SUPERIOR PERCEBIDO PARA MOVIMENTAÇÃO SEGURA DE PRODUTOS E PROCESSAMENTO DE MATERIAIS,

Leia mais

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno

SEM534 Processos de Fabricação Mecânica. Professor - Renato G. Jasinevicius. Aula: Máquina ferramenta- Torno. Torno SEM534 Processos de Fabricação Mecânica Professor - Renato G. Jasinevicius Aula: Máquina ferramenta- Torno Torno Torno Existe uma grande variedade de tornos que diferem entre si pelas dimensões, características,

Leia mais

MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL

MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL A LINHA DE EQUIPAMENTOS QUE CRIA OPORTUNIDADES MORBARK TRITURADOR HORIZONTAL MODELOS EQUIPAMENTOS PARA SERVIÇOS PESADOS - LÍDERES DO MERCADO 2600 3800 4600XL 6600 7600B Modelos, características e opções,

Leia mais

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa

Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa Profa. Dra. Milena Araújo Tonon Corrêa DEFINIÇÃO / IMPORTÂNCIA Operação de movimentação de sólidos em regime contínuo, realizado em diversas etapas de um processo industrial. Aspectos importantes: Custo

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Influência de Diferentes Épocas de Corte e Densidade de Plantas no Desempenho Agronômico de Duas Cultivares de Sorgo

Leia mais

Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico.

Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico. Extrusora Mono Rosca (tipo Cascata) para filmes, fios e tecidos plásticos com troca de telas hidráulico. LDA - SJP Moagem; Alimentação para funil através de venturi; Funil com alimentação forçada; Cilindro

Leia mais

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia

É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia Fagner Ferraz É a parte da Física que se ocupa da dinâmica e dos fenômenos físicos relacionados com os gases ou vácuos. É também o estudo da conservação da energia pneumática em energia mecânica, através

Leia mais

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria

GLADIADOR Melhor relação peso/potência da categoria GLADIADOR 2300 Melhor relação peso/potência da categoria Catálogo virtual Português Ago/2016 GLADIADOR 2300 O pulverizador autopropelido Gladiador 2300 apresenta grande autonomia de trabalho, possibilitando

Leia mais

NEW HOLLAND CR CR9O6O CR9O6O PREMIUM

NEW HOLLAND CR CR9O6O CR9O6O PREMIUM NEW HOLLAND CR CR9O6O CR9O6O PREMIUM 2 3 LINHA CR COM DUPLO ROTOR. A PERFEIÇÃO NA COLHEITA. A New Holland sempre foi sinônimo de colheita em todo o mundo. As suas colheitadeiras são as mais vendidas nos

Leia mais

ET18. ET18 - A evolução no seu mundo de trabalho.

ET18. ET18 - A evolução no seu mundo de trabalho. ET18 Escavadoras de Esteiras de Projeção Convencional ET18 - A evolução no seu mundo de trabalho. Com a nova geração de modelos na classe de 1,7 até 2,4 t a Wacker Neuson impõe marcos nas escavadoras compactas.

Leia mais

ET18 Escavadoras de esteiras de projeção convencional

ET18 Escavadoras de esteiras de projeção convencional ET18 Escavadoras de esteiras de projeção convencional ET18 - A evolução no seu mundo de trabalho. Com a nova geração de modelos na classe de 1,7 até 2,4 t a Wacker Neuson impõe marcos nas escavadoras compactas.

Leia mais

Transmissão por correia e polia

Transmissão por correia e polia IFSP - instituto federal Nome: Yan Conrado Curso: automação industrial Período: noite Prontuário: 1310747 Transmissão por correia e polia São elementos de máquina que se movem com um movimento de rotação

Leia mais

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL

9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9 IRRIGAÇÃO POR ASPERSÃO CONVENCIONAL 9.1 TIPOS DE SISTEMAS FIXOS PERMANENTES FIXOS TEMPORÁRIOS SEMIFÍXOS PORTÁTEIS 9.2 VANTAGENS, LIMITAÇÕES E PESRPECTIVAS VANTAGENS Dispensa sistematização ou uniformização

Leia mais

MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão

MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão MC Bomba Multiestágio Segmentada de Alta Pressão Principais Aplicações A bomba MC foi projetada basicamente para aplicações de energia, tais como alimentação de caldeira auxiliar, redução de óxidos de

Leia mais

1.2 Preparo periódico do solo Preparo Convencional

1.2 Preparo periódico do solo Preparo Convencional 1 Preparo do solo 1 2 1.2 Preparo periódico do solo 1.2.1 Preparo Convencional Conjunto de operações realizadas no solo com a finalidade de facilitar a semeadura, germinação das sementes, emergência, desenvolvimento

Leia mais

Terraplenagem Equipamentos para a construção rodoviária, aeroportuária e ferroviária

Terraplenagem Equipamentos para a construção rodoviária, aeroportuária e ferroviária Terraplenagem Equipamentos para a construção rodoviária, aeroportuária e ferroviária Prof. José Tadeu Balbo Laboratório de Mecânica de Pavimentos Universidade de São Paulo Equipamentos de Terraplenagem

Leia mais

Marca: Planalto. Largura da boca de 400 mm, altura de passagem de 130 mm. Esteira de entrada de 3500 mm.

Marca: Planalto. Largura da boca de 400 mm, altura de passagem de 130 mm. Esteira de entrada de 3500 mm. USADOS biomassa Marca: Vanmaq. Largura da boca de 500 mm, altura de passagem de 150 mm. Esteira de entrada de 3500 mm. Polia para motor principal. 1 chave reversora, com correias torque team. 2 redutores

Leia mais

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 Fernando César Boscariol Marcílio do Amaral Gurgel Objetivos do Projeto DEP Dedini Energia no Palhiço Desenvolver um produto para limpeza e separação de palha,

Leia mais

3. Máquinas Agrícolas

3. Máquinas Agrícolas 3.2. Máquinas de distribuição Trabalho: distribuem produtos à superfície do terreno (por vezes enterrado) Tipos de máquinas de distribuição distribuidores de estrume sólido distribuidores de estrume líquido

Leia mais

New Holland CR CR9060 CR9060 PREMIUM

New Holland CR CR9060 CR9060 PREMIUM New Holland CR CR9060 CR9060 PREMIUM LINHA CR COM DUPLO ROTOR. A PERFEIÇÃO NA COLHEITA. A New Holland sempre foi sinônimo de colheita em todo o mundo. Suas colheitadeiras são as mais vendidas nos cinco

Leia mais

Feno & Forragem. Massey Ferguson Um mundo de experiências. Trabalhando com você.

Feno & Forragem. Massey Ferguson Um mundo de experiências. Trabalhando com você. Feno & Forragem Massey Ferguson Um mundo de experiências. Trabalhando com você. 2 www.massey.com.br Enleirador MF RK 3802 DN, excelente adequação em diversos terrenos Feno & Forragem A Massey Ferguson

Leia mais

SEMINÁRIO. - Trabalho Escrito: 10,0 pontos. - Apresentação: 10,0 pontos. AV1 Atividades escritas AV2 - Seminário AV3 Trabalho Escrito AV4 Apresentação

SEMINÁRIO. - Trabalho Escrito: 10,0 pontos. - Apresentação: 10,0 pontos. AV1 Atividades escritas AV2 - Seminário AV3 Trabalho Escrito AV4 Apresentação SEMINÁRIO AV1 Atividades escritas AV2 - Seminário AV3 Trabalho Escrito AV4 Apresentação TEMA: Equipamentos de transporte vertical (gruas, empilhadeiras, guindastes, esteiras rolantes, elevadores, etc.)

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Produção de silagem de milho e capim-elefante

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Produção de silagem de milho e capim-elefante NEGRÃO, F.M. e DANTAS, C.C.O. Produção de silagem de milho e capim-elefante. PUBVET, Londrina, V. 4, N. 27, Ed. 132, Art. 893, 2010. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Produção de

Leia mais

BC4500. Código:

BC4500. Código: Valtra é uma marca mundial da AGCO Corporation. VA LT R A Valtra do Brasil Ltda. NOSSO JEITO É FA ZER DO SEU JEITO Rua Cap. Francisco de Almeida, 695 CEP 08740 300 - Mogi das Cruzes - SP Tel.: 11 4795

Leia mais

HÉRCULES e Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes

HÉRCULES e Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes HÉRCULES 10000 e 24000 Precisão e alto rendimento na distribuição de corretivos e fertilizantes Catálogo virtual Português Mar/2016 HÉRCULES DE ARRASTO Os Hércules de arrasto são ideais para a distribuição

Leia mais

Colhedoras de Forragens MS-SLIM MS-SLIM AGF MS-SLIM F10

Colhedoras de Forragens MS-SLIM MS-SLIM AGF MS-SLIM F10 Colhedoras de Forragens MS-SLIM MS-SLIM AGF MS-SLIM F10 CATÁLOGO DE PEÇAS 2010 REVISÃO 12 Fevereiro Janeiro/2010 NOGUEIRA Indústria e Comércio de Implementos e Máquinas Agrícolas S/A Rua Fernando de Souza,

Leia mais

FRESA ENTERRADORA G15

FRESA ENTERRADORA G15 FRESA ENTERRADORA G15 EQUIPAMENTO STANDARD: Engate aos 3 pontos tipo 1 e 1s Redutor de 1 velocidade para P.T.O. 540 rpm Cardam com fusível Transmissão lateral por corrente em banho de óleo Grelha seleccionadora

Leia mais

ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO

ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS - UFPEL CENTRO DE ENGENHARIAS - CENG DISCIPLINA: SISTEMAS URBANOS DE ESGOTO ESTAÇÕES ELEVATÓRIAS DE ESGOTO Prof. Hugo Alexandre Soares Guedes E-mail: hugo.guedes@ufpel.edu.br

Leia mais

LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM FIM

LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM FIM LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM FIM 1 LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM FIM 1 INFORMAÇÕES BÁSICAS LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM

Leia mais

PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA

PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA Plantio direto para todo tipo de cultura. A Case IH lança no mercado sua linha de plantadeiras para todos os tipos de cultura: girassol, aveia, trigo, arroz, algodão,

Leia mais

Rapid

Rapid Rapid 300-30 300-45 300-60 A fórmula para sucesso O conceito open-hearted (coração aberto) Rapid de engenharia agora é construído em cada modelo de moinho das séries Rapid 300, 400 e 500. A grande vantagem

Leia mais

Batco Transportadores tubulares de correia e acessórios

Batco Transportadores tubulares de correia e acessórios Batco Transportadores tubulares de correia e acessórios Os transportadores tubulares de correia e os equipamentos Batco são robustos, porém são desenhados e projetados para proporcionar um manuseio suave

Leia mais

PECUS-9004 Geração 4 PECUS-9004 SUPER Série Ouro

PECUS-9004 Geração 4 PECUS-9004 SUPER Série Ouro Colhedoras de Forragens PECUS-00 Geração PECUS-00 SUPER Série Ouro Catálogo de Peças/00 revisão Essencial no campo Junho/00 NOGUEIRA Ind. Com. Implementos e Máquinas Agrícolas S/A Rua Fernando de Souza,

Leia mais

VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO. Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão

VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO. Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão VIABILIDADE FITOTÉCNICA DO ALGODÃO ADENSADO Valdinei Sofiatti Pesquisador da Embrapa Algodão O sistema de cultivo adensado Consiste no plantio de algodão em fileiras com espaçamentos menores de 0,76 metros

Leia mais

SILAGEM DE MILHO: PONTO IDEAL DE COLHEITA E SUAS IMPLICAÇÕES

SILAGEM DE MILHO: PONTO IDEAL DE COLHEITA E SUAS IMPLICAÇÕES SILAGEM DE MILHO: PONTO IDEAL DE COLHEITA E SUAS IMPLICAÇÕES Solidete de Fátima Paziani Zootecnista, Dra., PqC do Polo Regional Centro Norte/APTA/SAA solidete@apta.sp.gov.br Fábio Prudêncio de Campos Zootecnista,

Leia mais

RotoCrumb. A nova geração em empanamento

RotoCrumb. A nova geração em empanamento RotoCrumb A nova geração em empanamento Para produtos empanados com perfeição O desejo do consumidor A diversidade de culturas ao redor do mundo contribui para uma multiplicidade de produtos e para enormes

Leia mais