PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela"

Transcrição

1 PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela

2 CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA

3 DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA G Comprimento P e s o s e c o Umidade (U) Comprimento Peso seco Germinação (G)

4 MATURAÇÃO FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE TRIGO GERM (%) E UMIDADE (%) UMIDADE PESO SECO PESO PLÂNTULA GERMINAÇÃO PESO SECO PESO PLÂNTULAS DIAS APÓS A ANTESE

5 MATURAÇÃO E COLHEITA A produção de semente de qualidade: a maturação e a colheita ocorram sob temperaturas amenas associadas com condições climáticas secas.

6 COLHEITA COM ELEVADA UMIDADE 18%

7 COLHEITA COM ALTA UMIDADE 16-17%

8 O VIGOR PERMITE Estimar a resposta da semente no armazenamento e no campo

9 VIGOR DE SEMENTES

10 FALHAS NA LINHA DE SEMEADURA

11 Lavouras com falhas no estande e plantas com desenvolvimento diferenciado pela utilização de semente de baixa qualidade apresentam menor produtividade.

12 SEMENTE É OBTIDA NO CAMPO...

13 ...E NÃO NA UBS

14 DETERIORAÇÃO DE CAMPO NÃO É CHUVA! É ORVALHO!

15 UMIDADE VARIAÇÃO DA UMIDADE DA SEMENTE MANHÃ MANHÃ TARDE TEMPO (DIAS)

16

17 COLHEITA DE SEMENTES REALIZAR COM ADEQUADA UMIDADE DA SEMENTE (INICIAR COM 17-18%) MINIMIZAR DANOS MECÂNICOS EVITAR MISTURAS MECÂNICAS

18 TEMPO ENTRE COLHEITA E INÍCIO DA SECAGEM

19 SECAGEM OPORTUNA: A semente colhida com alta umidade deve ser seca tão logo seja viável; se não for possível, a massa de sementes deve ser ventilada com fluxo de ar de 1-3 m 3 /min/ton ou ser resfriada. RETARDAMENTO DA SECAGEM: A alta umidade afeta negativamente a qualidade da semente; se a umidade for maior do que 17-18% deve ser seca em no máximo 24 horas

20 RECEPÇÃO PESAGEM AMOSTRAGEM IDENTIFICAÇÃO REGISTROS

21 PESAGEM E AMOSTRAGEM

22 OBTENÇÃO DA AMOSTRA CALADOR PNEUMÁTICO

23 IMPORTÂNCIA DA AMOSTRAGEM 1 g...6 sementes 1kg sementes 1 t...6 milhões 1 lote (20 t) milhões TESTE DE GERMINAÇÃO (400 sementes) 1 semente representa

24 DETERMINAÇÃO DE UMIDADE ESTUFA para calibração de determinadores de umidade 105 o C/24 h

25 DETERMINADORES DE UMIDADE MOTOMCO

26 CARACTERIZAÇÃO 1- Produtor 2- Procedência 3- Cultivar 4- Identificação da carga 5- Data 6- Peso 7- Umidade 8- Percentagem de impurezas

27 ARMAZENAGEM RECEPÇÃO PRÉ-LIMPEZA LIMPEZA E SEPARAÇÃO SECAGEM ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO CLASSIFICAÇÃO A GRANEL OU BIG BAG TRATAMENTO EMBALAGEM DISTRIBUIÇÃO ARMAZENAMENTO EM SACO OU BIG BAG FLUXOGRAMA DE BENEFICIAMENTO DE SEMENTES

28

29 PROPOSTA INTERESSANTE

30 E A LIMPEZA?

31 AUTOLIMPANTE

32 FUNDAMENTAL: EFICIENTE PRÉ-LIMPEZA

33 EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO DE SEMENTES A 25 o C ESPÉCIE UMIDADE RELATIVA DO AR (%) TRIGO 6,7 8,6 9,9 11,8 15,0 19,7 MILHO 6,5 8,4 10,5 12,9 14,8 19,0 ARROZ 6,8 9,0 10,7 12,6 14,4 18,1 SORGO 6,4 8,6 10,5 12,0 15,2 18,8 SOJA 4,3 6,5 7,4 9,3 13,1 18,8 GIRASSOL - 5,1 6,5 8,0 10,0 15,0 AMENDOIM 2,6 4,2 5,6 7,2 9,8 13,0

34 EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO DA SEMENTE DE SOJA UMIDADE RELATIVA DO AR (%) TEMP ( O c) 5 5,2 6,3 6,9 7,7 8,6 10,4 12,9 16,9 22,4 15 4,3 5,7 6,5 7,2 8,1 10,1 12,4 16,1 21,9 25 3,8 5,3 6,1 6,9 7,8 9,7 12,1 15,8 21,3 35 3,5 4,8 5,7 6,4 7,6 9,3 11,7 15,4 20,6

35 PROCESSO DE SECAGEM NA SEMENTE 1 EVAPORAÇÃO DA UMIDADE SUPERFICIAL 2 2 TRANSPORTE DA ÁGUA DO INTERIOR PARA A SUPERFÍCIE 1 OCORRÊNCIA SIMULTÂNEA E CONTÍNUA

36 TEMPERATURA VS UMIDADE UMIDADE DA SEMENTE (%) TEMP. DA MASSA ( o C) TEMP. DO AR EM SECADOR ESTACIONÁRIO ( o C) TEMP. DO AR EM SECADOR INTERMITENTE ( o C)

37 TEMPERATURA DA SEMENTE

38 IMPORTANTE: TEMPERATURA DA MASSA DE SEMENTES

39 SECAGEM ESTACIONÁRIA SILOS ARMAZENADORES SILOS SECADORES

40 SILO SECADOR (FLUXO RADIAL) Semente Semente Ar úmido Ar aquecido

41 SECAGEM ESTACIONÁRIA CUIDADOS 1- Umidade relativa do ar (%) 45 < UR< Temperatura da massa ( C) T < 38 C 3- Fluxo de ar (m 3 /min/t sem )

42 SECAGEM ESTACIONÁRIA POTENCIAIS PROBLEMAS 1- Gradiente de umidade 2- Excessiva secagem 3- Retardamento de secagem

43 SECAGEM INTERMITENTE Câmara de equalização Câmara de secagem

44 CÂMARA DE EQUALIZAÇÃO CÂMARA DE SECAGEM

45 SECAGEM INTERMITENTE

46 SECADOR INTERMITENTE

47 TEMPERATURAS MÁXIMAS DE SECAGEM SOJA Ar: C Semente: 38ºC FEIJÃO Ar: C Semente: 38ºC TRIGO Ar: C Semente: 42ºC AVEIA PRETA Ar: 50-70ºC Semente: 42ºC AVEIA BRANCA Ar: 50-70ºC Semente: 42ºC

48 SECADOR DE FLUXO CONTÍNUO

49 FLUXO DO AR NO INTERIOR DO SISTEMA DE SECAGEM

50 INTERIOR DA CÂMARA DE SECAGEM

51 INTERIOR DA CÂMARA DE SECAGEM

52 CIRCULAÇÃO DO AR QUENTE

53 CIRCULAÇÃO DO AR QUENTE

54 CIRCULAÇÃO DO AR ÚMIDO

55 PAINEL DE CONTROLE

56 SECAGEM INTERMITENTE CUIDADOS 1- Relação de intermitência 2- Temperatura do ar de secagem 3- Temperatura da semente 4- Tempo de permanência na câmara de secagem POTENCIAIS PROBLEMAS 1- Danos mecânicos no transporte 2- Risco de misturas mecânicas

57 ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO Para cada redução de 1 ponto percentual no teor de água da semente duplica o potencial de armazenamento (5-14%) Para cada diminuição de 5,5 C na temperatura da semente duplica o potencial de armazenamento (0-40 C)

58 ARMAZENAMENTO TEMPORÁRIO SILOS METÁLICOS

59 RESFRIAMENTO - SECAGEM EM SILO

60 Semente T= o C FLUXO DE AR RESFRIADO (16-18ºC) OU (12-14ºC)

61 Temperatura ( o C) EQUILÍBRIO HIGROSCÓPICO UMIDADE RELATIVA DO AR (%) ,8 6,6 7,5 8,3 9,2 10,0 10,9 11,9 12,9 14,1 15,4 18 5,7 6,5 7,4 8,2 9,1 9,9 10,8 11,8 12,8 14,0 15,3 20 5,6 6,4 7,3 8,1 9,0 9,8 10,7 11,7 12,8 13,9 15,2 22 5,4 6,3 7,2 8,0 8,9 9,7 10,7 11,6 12,7 13,8 15,2 24 5,3 6,2 7,1 7,9 8,8 9,6 10,6 11,5 12,6 13,7 15,1 26 5,2 6,1 7,0 7,8 8,7 9,6 10,5 11,4 12,5 13,7 15,0 28 5,1 6,0 6,9 7,7 8,6 9,5 10,4 11,3 12,4 13,6 14,9 30 5,0 5,9 6,8 7,6 8,5 9,4 10,3 11,3 12,3 13,5 14,8

62 LIMPEZA E CLASSIFICAÇÃO

63 PUREZA FÍSICA 99%

64 IMPUREZAS TOLERÂNCIA = 1%

65 EFICIÊNCIA E EFICÁCIA 100% 10% 90%

66 FLUXOGRAMA DE BENEFICIAMENTO

67

68 DIMENSÕES DA SEMENTE DE SOJA LARGURA 5,0-8,0mm ESPESSURA (3,5-4,5mm)

69 LARGURA DA SEMENTE DE SOJA 4 a 8 mm

70 MÁQUINA DE AR E PENEIRAS

71 PRINCÍPIOS DE SEPARAÇÃO (PENEIRAS)

72 FUROS REDONDOS SEPARAÇÃO PELA LARGURA

73 FUROS OBLONGOS SEPARAÇÃO PELA ESPESSURA

74 FLUXO DE MATERIAIS NA MAP SEMENTE com impurezas Ar e Poeira 1 - DESFOLHAFORA 2 - CLASSIFICADORA 3 - DESFOLHADORA 4 - CLASSIFICADORA VENTILADOR Material Bem Maior 1 2 A B Impurezas e sementes leves Material Bem Menor 4 3 Material Pouco Maior Material Pouco Menor SEMENTE

75 MÁQUINAS DE ACABAMENTO

76 SEPARADOR DE ESPIRAL PRINCÍPIO: CAPACIDADE DE ROLAR

77

78 SEPARADOR DE ESPIRAL

79 PADRONIZAÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DISTRIBUIÇÃO DO TAMANHO DE SEMENTES DE SOJA Muito Pequenas DESCARTE 5 5,5 mm P M G BOAS Muito Grandes DESCARTE 7,5-8 mm

80 POR CIMA DESCARTE PENEIRA 8,0 mm POR CIMA SEMENTE DE SOJA PENEIRA 7,0 mm POR CIMA SEMENTE DE SOJA PENEIRA 6,0 mm

81 SEMENTE DESCARTE BOM MENOR QUE 5,5 mm SEMENTE DESCARTE BOM MAIOR QUE 7,5 mm DETALHE SEMENTE PENEIRA 5,5mm A 6,4mm DETALHE SEMENTE PENEIRA 6,5mm A 7,5mm

82 QUANTAS SEMENTES DE SOJA 5,5 CABEM NUM SACO DE 40kg? 115g 1000sementes g x sementes x = sementes (± 9 sementes/grama) E DE SOJA 6,5? 182g 1000sementes g x sementes x = sementes (± 5 sementes/grama)

83 PADRONIZADOR DE SEMENTES

84 Limites de largura para sementes de soja com o maior potencial fisiológico MÉDIA ± 0,8

85 SEPARAÇÃO POR DENSIDADE (GERMINAÇÃO E VIGOR) MESA DE GRAVIDADE

86 SEPARAÇÃO DE MATERIAIS NA MG 85cm SEMENTES PESADAS (85-90%) 1m 10cm 5cm REPASSE 10-15% SEMENTES LEVES (5%) [DESCARTE]

87 TESTE DA CANEQUINHA ALIMENTAÇÃO COLETAR AS DIFERENTES FRAÇÕES NA CANEQUINHA (350 ml) NIVELAR COM UMA RÉGUA X g/350 ml x 1000 = kg/m 3 PESAR

88 MESA DENSIMÉTRICA (SISTEMA ELETRÔNICO DE REGULAGEM)

89 SISTEMA ELETRÔNICO DE REGULAGEM

90 DESCARTE NO BENEFICIAMENTO OPERAÇÃO % Máquina de pré-limpeza 2-3 Máquina de limpeza 8-10 Espiral 6-8 Classificador 3-4 Mesa densimétrica 5-6 Outros (Elevadores, varredura,...) 2-3 Total >30

91 EMBALAGEM E ARMAZENAGEM

92 % LOTE A 90%G/85%V LOTE B 90%G/75%V 100 Germinação 50 Vigor 0 DETERIORAÇÃO Deterioración

93 ARMAZENAMENTO PERÍODOS no campo (pós-maturação / pré-secagem) a granel (pós-colheita /regulador de fluxo) em sacos (embalagem / distribuição) na revenda e na propriedade (pré-semeadura)

94 RESFRIAMENTO SECAGEM EM SILO

95 RESFRIAMENTO E EMBALAGEM APROSESC

96 PROCESSO DE RESFRIAMENTO DINÂMICO

97 PONTE PARA CARREGAMENTO BIG BAG

98 ARMAZÉM COM ISOLAMENTO TÉRMICO E COM SISTEMA DE RESFRIAMENTO

99 PRINCIPAIS PROBLEMAS DE ARMAZENAGEM Sementes de baixa qualidade Secagem inadequada Armazenamento muito prolongado Armazéns inadequados Condições ambientais desfavoráveis

100 LOGÍSTICA DE TRANSPORTE

101 LOGÍSTICA NA SEMEADURA

102 SONHO DO AGRICULTOR

103 JAMAIS SE DÊ POR VENCIDO!!!

104 MUITO OBRIGADO!!!

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

28/01/2013 UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE)

28/01/2013 UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE) SECAGEM DE SEMENTES Profª. Marcela Carlota Nery UMIDADE DAS SEMENTES REPRESENTAÇÃO ESQUEMÁTICA DA FORMA DE FIXAÇÃO DA ÁGUA NAS SEMENTES ÁGUA LIVRE (ÁGUA NÃO ADSORVIDA E SOLVENTE) 4 º TIPO: ÁGUA DE IMPREGNAÇÃO

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

Secagem, Armazenamento e Beneficiamento

Secagem, Armazenamento e Beneficiamento Secagem, Armazenamento e Beneficiamento Eduardo da Costa Eifert A qualidade dos grãos de arroz é influenciada pelo método de secagem, pelo beneficiamento, pelas condições de armazenamento, como também

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.)

Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Efeito do tamanho e do peso específico na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso (Jatropha curcas L.) Gabriel Moraes Costa (1), Roberto Fontes Araujo (2), Eduardo Fontes Araujo (3), João Batista

Leia mais

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4

PLANTADOR DE BATATAS SEMI-MONTADO 4 CARREIRAS SK-4 PLANTADOR DE BATATAS SEMIMONTADO 4 CARREIRAS SK4 Plantador de batatas semimontado, destinado à plantação de tubérculos e sementes de batata em corredores de 70,75, 90 cm, e em simultâneo faz a desinfeção

Leia mais

O que vem a sua cabeça quando escuta a palavra?

O que vem a sua cabeça quando escuta a palavra? 1 Simpósio Gaúcho da Madeira SECAGEM DA MADEIRA Ricardo Dal Piva O que vem a sua cabeça quando escuta a palavra? 1 2 Por quê secar? Na fabricação de produtos de madeira, a secagem é o processo de redução

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso

Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Efeito da secagem na qualidade fisiológica de sementes de pinhão-manso Cézar Augusto Mafia Leal (1), Roberto Fontes Araujo (2),

Leia mais

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3.

Este documento contém 7 páginas e só pode ser reproduzido com autorização formal prévia do IBEC. Docto. n. DMT015 Rev. 3. LABORATÓRIO CLIMÁTICO Doc Path: Z:\Qualidade\6 - Registros SQ\Rg012_Documentos\DMT - Doctos treinamento\dmt015 - Apresentação Lab Climatico\DMT015r3-0_Apresentacao_CLIM (TCL001).doc Este documento contém

Leia mais

8. COLHEITA DO MILHO

8. COLHEITA DO MILHO 8. COLHEITA DO MILHO COLHEITA MANUAL Evitar atraso Colher direto no reservatório do meio de transporte COLHEITA MECÂNICA Evitar atraso Essencial a boa regulagem da máquina (cálculo das perdas) Umidade

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA 1. Definição; 2. Antecedentes; 3. Elaboração; 4. Metodologia; 5. Utilidade; Departamento de Gestão de Risco Rural Coordenação-Geral de Zoneamento Agropecuário

Leia mais

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO

INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO INFLUÊNCIA DO BENEFICIAMENTO DE SEMENTES DE SOJA NA QUALIDADE FÍSICA, FISIOLÓGICA E SANITÁRIA VISANDO CONTROLE DE MOFO-BRANCO Héria de Freitas TELES, Larissa Leandro PIRES, Marcos Gomes da CUNHA, Guilherme

Leia mais

Amostragem e análises de qualidade em grãos

Amostragem e análises de qualidade em grãos Disciplina de Armazenamento e Conservação de Grãos 2015/02 Amostragem e análises de qualidade em grãos Prof. Nathan Levien Vanier Eng. Agrônomo, Dr. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Objetivos - Compreender

Leia mais

Aumente o rendimento da soja

Aumente o rendimento da soja Aumente o rendimento da soja Para mais informações contacte: O seu agente de extensão ou Departamento de Formação Documentação e Difusão do IIAM/CZC Contacto: +25123692 Chimoio, Moçambique. 1 Preparação

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

10. Colheita: Dessecação: não recomendada (resíduos, grãos verdes, qualidade óleo, amassamento e deiscência).

10. Colheita: Dessecação: não recomendada (resíduos, grãos verdes, qualidade óleo, amassamento e deiscência). Professor Marcos Garrafa, Eng. Eng. Agrônomo, Ms Ms 10. Colheita: Dessecação: não recomendada (resíduos, grãos verdes, qualidade óleo, amassamento e deiscência). Atraso: grandes perdas colher no momento

Leia mais

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS

MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS MÁQUINAS PARA A COLHEITA DE GRÃOS PARTE 1 Prof. Dr. Antônio Lilles Tavares Machado DER - FAEM UFPel Tipos de colheita Manual Manual - Mecânica Mecânica Colheita Manual Colheita Manual A planta pode ser

Leia mais

Plantio do amendoim forrageiro

Plantio do amendoim forrageiro Plantio do amendoim forrageiro O amendoim forrageiro (Arachis pintoi Krapov. & W.C. Greg.) é uma leguminosa herbácea tropical perene nativa do Brasil. Tem importância na produção de forragem em pastos

Leia mais

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO

Lista de problemas número 1. Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO Lista de problemas número 1 Exercícios de Refrigeração e Psicrometria A) REFRIGERAÇÃO 1) Determinar as propriedades do R-134 nas seguintes condições: a) t = - 40 o C x = 1 b) p = 1 MPa t = 80 0 C c) p

Leia mais

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária

Processo de Produção Indústria Produtos Termoplásticos para Marcação Rodoviária Este documento de procedimentos de processo de fabrico é distribuído a todos os colaboradores com responsabilidades a nível de operação de mistura. Todos os trabalhadores envolvidos na operação de mistura

Leia mais

TERREIRO PAVIMENTADO COM LAMA ASFÁLTICA

TERREIRO PAVIMENTADO COM LAMA ASFÁLTICA TERREIRO PAVIMENTADO COM LAMA ASFÁLTICA TERREIRO PAVIMENTADO COM LAMA ASFÁLTICA INTRODUÇÃO Este folheto foi elaborado visando a produção de cafés de qualidade, com enfoque na redução do investimento em

Leia mais

SECAGEM INTERMITENTE DE SEMENTES DE MILHO COM ALTO TEOR DE UMIDADE

SECAGEM INTERMITENTE DE SEMENTES DE MILHO COM ALTO TEOR DE UMIDADE SECAGEM INTERMITENTE DE SEMENTES DE MILHO COM ALTO TEOR DE UMIDADE PEREIRA, FRANCISCO T. F.1; BAUDET, LEOPOLDO 2 E PESKE, SILMAR T.2 Termos para indexação: Zea mays, sementes, qualidade física, qualidade

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

Secador intermitente: variação da temperatura da massa de sementes e velocidade de secagem 1

Secador intermitente: variação da temperatura da massa de sementes e velocidade de secagem 1 27 Secador intermitente: variação da temperatura da massa de sementes e velocidade de secagem 1 Marivan da Silva Pinho 2*, Francisco Amaral Villela 3, Silmar Teichert Peske 3, Leopoldo Baudet 3 RESUMO

Leia mais

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Argamassas de revestimento Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Reportagem: Gisele C. Cichinelli As argamassas de revestimento

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES

RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES RELAÇÕES ÁGUA/SEMENTES IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES DA ÁGUA Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ PRESENTE EM TODOS OS PROCESSOS DINÂMICOS DA CÉLULA VIVA IMPORTÂNCIA E FUNÇÕES

Leia mais

Fatores que influenciam a qualidade dos cereais armazenados

Fatores que influenciam a qualidade dos cereais armazenados Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria MANEJO PÓS-COLHEITA DE GRÃOS E CEREAIS Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta M.

Leia mais

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça.

Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. Fatores que influenciam na perda de peso em uma câmara de resfriamento de carcaça. A perda de peso ou perda de umidade em uma carcaça dentro de uma câmara de resfriamento ocorre por duas situações: 1.

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO TERCEIROS A soja transgênica será recebida nas seguintes unidades,

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 446 Data: 06/05/016 Referência: Abril 016 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os

Leia mais

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL

3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3 MATERIAL E PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.1. Material O material adotado no presente trabalho foi um aço do tipo SAE 4140 recebido em forma de barra circular com diâmetro e comprimento de 165 mm e 120 mm,

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE PAPEL/CARTÃO

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS RESÍDUOS DE EMBALAGENS DE PAPEL/CARTÃO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA A RETOMA DE (EXCEPTO ECAL) 1. OBJECTIVO Metodologia aplicável na retoma da matéria-prima papel/cartão, seu controlo e critérios de aceitação e/ou rejeição, para posterior reciclagem.

Leia mais

Câmaras Frigoríficas

Câmaras Frigoríficas Câmaras Frigoríficas 1. Definição É um recinto utilizado para condições controladas de armazenamento com auxílio da refrigeração; Empregadas em dois níveis básicos de armazenamento: Instalações com temperatura

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

ARGAMASSA ESTRUTURAL 250

ARGAMASSA ESTRUTURAL 250 Produto ARGAMASSA ESTRUTURAL 250 é uma argamassa bicomponente à base de cimento e polímeros acrílicos que, depois da mistura, resulta numa argamassa coesa, tixotrópica e de fácil moldagem. O produto apresenta

Leia mais

Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática

Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática Avaliação do Conforto Térmico de Frangos de Corte de Forma Direta e Prática Marília Lessa de Vasconcelos Queiroz, José Antonio Delfino Barbosa Filho, Frederico Márcio Corrêa Vieira Núcleo de Estudos em

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ A Manfredini & Schianchi projeta e fornece plantas completas chaves na mão de moagem, estocagem, dosagem, mistura e acondicionamento para a produção

Leia mais

ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F

ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F Produto ARGAMASSA ESTRUTURAL 251 F é uma argamassa bicomponente à base de cimento, polímeros acrílicos e fibras sintéticas que, depois da mistura, resulta numa argamassa coesa, tixotrópica e de fácil moldagem.

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

Professora Vanessa Bernardelli

Professora Vanessa Bernardelli Tecnologia de Alimentos Professora Vanessa Bernardelli Esterilização UHT/UAT do Creme de Leite André Luis Cruz Fernanda Cabral Roncato Natália Chiapetta Tarcísio Henrique Zabarelli Thaisa Mendonça PRODUTO

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Sementes

UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Sementes UNIVERSIDADE FEDERAL DE PELOTAS Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Sementes Dissertação Monitoramento da Secagem de Milho em Secador Intermitente

Leia mais

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR

Volume III. Curso Técnico Módulo 2 INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAMPUS SÃO JOSÉ ÁREA TÉCNICA DE REFRIGERAÇÃO E CONDICIONAMENTO DE AR METODOLOGIA PARA O CÁLCULO DA ESPESSURA DE ISOLANTE NECESSÁRIA A UMA APLICAÇÃO Volume III Curso

Leia mais

O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de

O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de 109 O tubo extrator do equipamento compõe-se de um material rígido (tubo de PVC-PBA rígido marrom) com diâmetro interno de 20,5cm, diâmetro externo de 25,0cm e altura de 100,0cm. É possível, ainda, adaptar

Leia mais

Problemas na qualidade do açúcar Na armazenagem: Empedramento. Prof. Cláudio Hartkopf Lopes Universidade Federal de São Carlos Campus Araras SP

Problemas na qualidade do açúcar Na armazenagem: Empedramento. Prof. Cláudio Hartkopf Lopes Universidade Federal de São Carlos Campus Araras SP Problemas na qualidade do açúcar Na armazenagem: Empedramento 1 Prof. Cláudio Hartkopf Lopes Universidade Federal de São Carlos Campus Araras SP Sistemas particulados O açúcar, como todo material particulado,

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES Para que os agricultores saibam como evitar o recebimento de fertilizantes adulterados, a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato

Leia mais

Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO

Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO 1. INTRODUÇÃO CAMPO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS X CAMPO DE PRODUÇÃO DE SEMENTES 2. PRODUÇÃO

Leia mais

A AGRICULTURA FAMILIAR FAZ MAIS COM NEW HOLLAND.

A AGRICULTURA FAMILIAR FAZ MAIS COM NEW HOLLAND. A AGRICULTURA FAMILIAR FAZ MAIS COM NEW HOLLAND. Família de sucesso faz mais alimentos. Amigo agricultor familiar, chegou a hora de dar um salto em produtividade. Agora você vai poder modernizar a sua

Leia mais

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001

Ficha Técnica de Produto Biomassa Bloco de Vidro Código: BV001 1. Descrição: A Argamassa é mais uma argamassa inovadora, de alta tecnologia e desempenho, que apresenta vantagens econômicas e sustentáveis para o assentamento de blocos de vidro em sistemas de vedação

Leia mais

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra.

FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. FiberMax. Mais que um detalhe: uma genética de fibra. Requisitos para o cultivo de algodoeiro GlyTol LibertyLink, além de boas práticas de manejo integrado de plantas daninhas. Cap 1: Descrição do Produto

Leia mais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais

Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais Unidade V - Determinação de umidade e sólidos totais O método empregado depende do objetivo. O que estou necessitando? Rapidez? Precisão? Exatidão? Medir em tempo real? Umidade: métodos Quantitativos Métodos

Leia mais

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 7 Consórcio Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 153 Desde quando o consórcio é utilizado no Brasil? O cultivo em consórcio é empregado, na prática, no Brasil, há muito tempo, mas, só a partir

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

QUANTIFICANDO A QUEBRA TÉCNICA, MEDINDO O PH DO GRÃO.

QUANTIFICANDO A QUEBRA TÉCNICA, MEDINDO O PH DO GRÃO. QUANTIFICANDO A QUEBRA TÉCNICA, MEDINDO O PH DO GRÃO. Fabricando um medidor de PH provisório. A identificação visual da quebra de peso do grão na armazenagem já foi facilmente percebida tanto pelos balanceiros

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR

Ministério do Desenvolvimento Agrário SEGURO DA AGRICULTURA FAMILIAR Ministério do Desenvolvimento Agrário DESTAQUES SEAF 2009-2010 Aprovado pelo CMN em 2007 CONTRATAÇÃO. Orçamento Simplificado: Especificar valor de Insumos Tipos de Insumos Sementes, Defensivos, Fertilizantes,

Leia mais

Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais.

Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais. Correias Elevadoras Serviços de Grãos e Industriais www.contitech.com.br Correias Elevadoras Catálogo Brasil 2015 Correias Lift e Super Lift Correias elevadoras para serviços de grãos e materiais não-abrasivos

Leia mais

MESTRE MARCENEIRO UMIDADE DA MADEIRA O QUE É MADEIRA SECA?

MESTRE MARCENEIRO UMIDADE DA MADEIRA O QUE É MADEIRA SECA? UMIDADE DA MADEIRA O QUE É MADEIRA SECA? Considera-se a madeira esta seca quando o seu teor de umidade residual for igual ou inferior a umidade de equilíbrio da madeira, ou seja quando a umidade da madeira

Leia mais

MANEJO DE MATRIZES DE CORTE. Alexandre Pires Rosa

MANEJO DE MATRIZES DE CORTE. Alexandre Pires Rosa MANEJO DE MATRIZES DE CORTE Alexandre Pires Rosa MATRIZ DE CORTE O QUE É UMA MATRIZ DE CORTE? PQ A MATRIZ NÃO PODE SER GORDA? O QUE É UNIFORMIDADE DE LOTE? PQ UM LOTE DE MATRIZES DEVE SER UNIFORME? O QUE

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC-250ED

bambozzi Manual de Instruções Fonte de Energia para Soldagem MAC-250ED A SSISTÊNCIAS T ÊCNICASAUTORIZADAS acesse: www.bambozzi.com.br/assistencias.html ou ligue: +55 (16) 33833806 / 33833807 bambozzi Manual de Instruções BAMBOZZI SOLDAS LTDA. Rua Bambozzi, 522 Centro CEP

Leia mais

Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação

Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação Seminário Desenvolvimento e Avaliação de Embalagens de Transporte e Distribuição Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação Eng. Tiago B. H. Dantas Pesquisador - CETEA O que é Dimensionamento

Leia mais

Os materiais de proteção térmica devem apresentar:

Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Os materiais de proteção térmica devem apresentar: Elevado calor específico Reduzida condutividade térmica Garantia de integridade durante a evolução do incêndio Resistência mecânica adequada Custo viável

Leia mais

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS

MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ESQUEMA P/ EXPLICAÇÃO DOS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS SECAS MECANISMOS DE TROCAS TÉRMICAS ÚMIDAS MECANISMOS

Leia mais

Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo

Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo Informativo Técnico 1/2010 Introdução ao Manejo para Qualidade Industrial em Trigo Ottoni Rosa Filho, Ph.D. 1 - Aspectos Básicos sobre Qualidade para Panificação O grão de trigo possui dois componentes

Leia mais

Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes

Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes Ficha do Produto Edição 24/03/2014 Identificação 02 06 04 00 001 0 000015 Sika Unitherm - Top S Pintura de Acabamento PVC-Alquídica para revestimentos intumescentes Descrição do Produto Sika Unitherm -Top

Leia mais

i tfl ^BplMi-M.gp.aji^PiBPÉ^ ^H^^PP^^^^^wmi^P^P' ^P Wi^^j^

i tfl ^BplMi-M.gp.aji^PiBPÉ^ ^H^^PP^^^^^wmi^P^P' ^P Wi^^j^ i tfl ^BplMi-M.gp.aji^PiBPÉ^ ^^^^^HP" ^H^^PP^^^^^wmi^P^P' ^P Wi^^j^ OS AVANÇOS EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA NA ÁREA AGRÍCOLA TÊM SIDO GRANDES E DE FORMA ACELERADA, LEVANDO A CRER QDE ESTA TENDÊNCIA SE MANTENHA,

Leia mais

Teor de MO e Densidade de solos

Teor de MO e Densidade de solos Teor de MO e Densidade de solos 29/01/2012 Prof. Patrício Pires patricio.pires@gmail.com Introdução 2 1ª Parte Dia Mês Aula Programação Apresentação do Curso. 4 1ª Coleta e preparação de amostras. Caracterização

Leia mais

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas

Fisiologia Pós-colheita de Flores. Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Fisiologia Pós-colheita de Flores Msc. Cristiane Calaboni Doutoranda PPG Fisiologia e Bioquímica de Plantas Floricultura Atividade em plena expansão; Flores de corte e vaso, folhagens e paisagismo. 200

Leia mais

Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial

Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata Antichama 8935 para lavagem industrial Descrição industrial foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança

Leia mais

Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais.

Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais. Frequentemente é necessário separar os componentes de uma mistura em frações individuais. As frações podem diferenciar-se pelo tamanho de partículas, estado físico e composição química. Asoperaçõesdeseparaçãosãodeduasclasses:

Leia mais

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016.

RESSALVA. Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. RESSALVA Atendendo solicitação do autor, o texto completo desta dissertação será disponibilizado somente a partir de 17/04/2016. UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA - UNESP CÂMPUS DE JABOTICABAL ATRIBUTOS PRODUTIVOS

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula prática: Amostragem de Solo FINALIDADES DA ANÁLISE DE SOLO Determinar a disponibilidade de nutrientes; Indicar ao agricultor o nível

Leia mais

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial

Condensadores. Principais Tipos. Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Principais Tipos Resfriados a ar sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Condensadores Resfriados a água sistema de ar condicionado e refrigeração comercial Trocador casco e tubo

Leia mais

RELAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS MÍNIMOS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS

RELAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS MÍNIMOS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS RELAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS MÍNIMOS PARA A CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS OBSERVAÇÃO: As informações a seguir são referenciais e foram adaptadas do Anexo III das IN s SARC Nºs. 02/2001 e 07/2002, ambas

Leia mais

Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia.

Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia. Bateria Estacionária Bosch Eficiência e tecnologia em armazenagem de energia. Baterias estacionárias Bosch As baterias estacionárias Bosch foram desenvolvidas para garantir o máximo desempenho e durabilidade

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO

ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO ISOLAMENTO DE TELHADOS COM ESPUMA DE POLIURETANO A Aplitek desenvolveu no Brasil uma tecnologia para recuperação e isolamento de telhados, esta extraordinária solução teve sucesso no mundo nos últimos

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO SOPRADOR TÉRMICO MODELO DK1160

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO SOPRADOR TÉRMICO MODELO DK1160 DEKEL MANUAL DE INSTRUÇÕES DO SOPRADOR TÉRMICO MODELO DK1160 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento ÍNDICE 1. Introdução... 01 2. Regras de segurança...

Leia mais

Guia Prático de Instalação Completo Painel Nexacustic. Revisão: 2

Guia Prático de Instalação Completo Painel Nexacustic. Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Completo Painel Nexacustic Revisão: 2 Guia Prático de Instalação Nexacustic Cuidados Iniciais Cuidados iniciais: Os painéis Nexacustic foram desenvolvidos para aplicação em ambientes

Leia mais

Máquinas de colheita de grãos e forragem *

Máquinas de colheita de grãos e forragem * Máquinas de colheita de grãos e forragem * 1. Introdução A colheita da cultura é a etapa final do processo de produção. A mecanização do processo de colheita se tornou necessária para acompanhar o crescimento

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ARAPIRACA AMOSTRAGEM, COLETA, MONTAGEM, IDENTIFICAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE INSETOS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ARAPIRACA AMOSTRAGEM, COLETA, MONTAGEM, IDENTIFICAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE INSETOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS ARAPIRACA AMOSTRAGEM, COLETA, MONTAGEM, IDENTIFICAÇÃO E CONSERVAÇÃO DE INSETOS Prof. Dr.: Edmilson Santos Silva INTRODUÇÃO OBJETIVOS CONCEITO OBJETIVO COMPONENTES E CUIDADOS

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE SEMENTES E MUDAS SCS Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 16 DE DEZEMBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO no uso das atribuições

Leia mais

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE

MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE EMED - Empreendimentos Educacionais Ltda Centro de Formação Profissional BOM PASTOR MONITORAMENTO ATMOSFÉRICO NOÇÕES SOBRE A ATMOSFERA TERRESTRE Centro de Formação Profissional Colégio Bom Pastor Curso

Leia mais

Placa Cimento-Madeira

Placa Cimento-Madeira Placa Cimento-Madeira INFORMAÇÃO GERAL: Painel de superfície lisa ou rugosa para diferentes aplicações. COMPOSIÇÃO: 75% Cimento 25% Madeira APRESENTADA COMO: B1 / A2 Bruto / Lixado Lisa / Bordo Maquinado

Leia mais

SQUARE LINHA. Tecnologia para ambientes mais modernos. USO COMERCIAL CONFORTO ACÚSTICO IDEAL PARA PISOS ELEVADOS FÁCIL DE LIMPAR

SQUARE LINHA. Tecnologia para ambientes mais modernos. USO COMERCIAL CONFORTO ACÚSTICO IDEAL PARA PISOS ELEVADOS FÁCIL DE LIMPAR LINHA SQUARE Tecnologia para ambientes mais modernos. Square Set (cor 24025672) USO COMERCIAL CONFORTO ACÚSTICO IDEAL PARA PISOS ELEVADOS FÁCIL DE LIMPAR INSTALAÇÃO RÁPIDA E LIMPA GARANTIA DE 10 ANOS COLEÇÃO

Leia mais

ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES

ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES ALTERNATIVAS PARA REDUÇÃO DE RESÍDUOS QUÍMICOS E EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL NO LABORATÓRIO DE ANÁLISE DE SEMENTES Simone Aparecida de OLIVEIRA* Marco Eustáquio de SÁ Faculdade de Engenharia, UNESP - Câmpus

Leia mais

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45

SAC 0800-VEDACIT 0800-833-2248 DEMAIS DEPARTAMENTOS (11) 2902-5522 DE SEGUNDA A SEXTA DAS 8H ÀS 17H45 Produto CIMENTOL é uma tinta impermeável de grande durabilidade, que mantém a boa aparência por mais tempo. Apresenta ótima aderência sobre alvenaria, concreto e fibrocimento. Características Aparência:

Leia mais

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA

CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA CONDUÇÃO DE CALOR UNIDIMENSIONAL EXERCÍCIOS EM SALA 1) Uma casa possui uma parede composta com camadas de madeira, isolamento à base de fibra de vidro e gesso, conforme indicado na figura. Em um dia frio

Leia mais

Processos industriais

Processos industriais Processos industriais Selecção e abate Serragem Secagem 2 Processos industriais Os processos industriais utilizados na transformação de madeira assumem grande relevo no que diz respeito à qualidade final

Leia mais

Física do Ambiente Agrícola 10/04/2003 Página: 1 Profs: Jarbas H. de Miranda & Quirijn de Jong van Lier

Física do Ambiente Agrícola 10/04/2003 Página: 1 Profs: Jarbas H. de Miranda & Quirijn de Jong van Lier Física do Ambiente Agrícola 10/04/2003 Página: 1 UMIDADE RELATIVA DO AR O ar atmosférico sempre contém quantidade variável de vapor de água conforme a temperatura, região, estação, etc. Esse vapor, resultante

Leia mais