Melhoria do Processo e das Práticas de Beneficiamento de Algodão no Brasil

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Melhoria do Processo e das Práticas de Beneficiamento de Algodão no Brasil"

Transcrição

1 Melhoria do Processo e das Práticas de Beneficiamento de Algodão no Brasil Jean-Luc Chanselme, COTIMES Paulo Vicente Ribas, UNICOTTON Bruno Bachelier, CIRAD 1

2 Projeto: Apoio: FACUAL FIALGO Elaboração e Realização: Coordenação: 2

3 Objetivo do projeto Melhorar a curto prazo as usinas antigas para produzir com custo mínimo, uma fibra de melhor qualidade (tipo 31 ou melhor, e folha 3 ou 2), para os mercados de exportação. O beneficiamento não é uma operação isolada: Ele depende muito da colheita (para o desenho e a utilização da seqüência de máquinas, para os desempenhos e o custo de produção); 3

4 PROCESSO ANTIGO TÍPICO 4

5 PROCESSO ANTIGO TÍPICO Separador Secador 1 ou 2 Conjunto (s) Prensa Condensador Batedor 72 in. HL 72 in. Queimador F Limpa Pluma 66 in. 3 a 6 Mitchells 3 a 6 Descaroçadores Piranha Fardão Fardão 5

6 Os processos antigos não são desenhados para o tratamento do algodão em caroço colhido mecanicamente 6

7 Limites dos processos antigos (1) Secagem Pouco eficientes em termos de regulação : Regulação manual eventual Risco de secagem insuficiente (limita a limpeza) Risco de sobre-secar a fibra Pouco eficientes em termos de energia Grande pressão estática Perda de calor 7

8 Limites dos processos antigos (2) Limpeza de algodão em caroço Uma etapa só : Insuficiente para um algodão em caroço colhido mecanicamente : a sujeira entra no descaroçador Batedor com pressão positiva (ar soprado) : Eficiência reduzida Emissão de poeiras 8

9 Limites dos processos antigos (3) Umidificação do algodão em caroço Ausência de umidificação do A.C. Umidade da fibra freqüentemente insuficiente Tratamentos mecânicos violentos Risco de estragar a fibra no descaroçador Risco de estragar a fibra no limpador de pluma 9

10 Limites dos processos antigos (4) Limpeza da fibra Limpadores de pluma sub-dimensionados: Manta grossa Limpeza e penteagem insuficientes Perdas da fibra Máquinas antigas: Pode comprometer a obtenção de ajustes conformes Efeito negativo acumulado com limpeza do AC 10

11 Limites dos processos antigos (5) Limpeza da fibra Seqüência insuficiente Ausência de automatização Poucas opções para adaptar a seqüência Inadaptados a acompanhar a evolução dos mercados 11

12 Melhoria do processo de uma usina antiga e avaliação das melhorias técnicas Objetivos : Melhorar o processo da Algodoeira Fazenda Nova (piloto) e diagnosticar o funcionamento, os produtos obtidos e a relação custo/benefício. Definir um processo de beneficiamento adaptado ao algodão do MT e aos mercados buscados. 12

13 Modificações do processo de descaroçamento da F.Nova Natureza das modificações: Uma secagem no início do processo Uma pré-limpeza para partículas maiores assim como finas Uma umidificação do algodão em caroço antes da entrada no descaroçador Uma limpeza da fibra de capacidade adaptada O projeto previu e contemplou: As compras dos equipamentos novos e modernos A montagem 13

14 MELHORIA DO PROCESSO F.NOVA Processo Novo Completo Batedor 72 sucção Queimador e Hot-Box Torre fonte Batedor 96 Extrator 96 Umidif AC LP 103 F Pré-limpeza 1 Conjunto 2 14

15 RESULTADOS Comparação dos processos antigos e novos para: A qualidade da fibra (visual e HVI) «Bark» e neps de fibra Os parâmetros de beneficiamento O custo-benefício 15

16 Balanço classificação visual Experimentações de 2005 Distribuição por tipo de 302 fardinhos Freqüência (% Tipo Antigo Novo 16

17 Balanço classificação visual Experimentações de 2005 Distribuição por folha de 302 fardinhos 50 Freqüência (% Folha Antigo Novo 17

18 Balanço classificação visual Experimentações de 2006 (AC 41-4) Distribuição de 205 fardinhos Freqüênci Freqüênci Tipo Folha Antigo Novo Antigo Novo 18

19 Balanço classificação visual Condições reais de produção 2006 Distribuição de 428 fardinhos 100 Freqüência (% Tipo e folha Antigo Novo 19

20 Resultados HVI 2005 Amostras de fardinhos das 3 experimentações Característica Antigo Novo IMPUREZA (número) 3.8 a 3.0 b IMPUREZA (aréa) 0.50 a 0.37 b Rd %(Reflectância ou Brilho) 73.5 b 75.5 a + b (Amarelo)

21 Resultados HVI 2005 Amostras de fardinhos das 3 experimentações Característica Antigo Novo UHML (comprimento em ") 1.13 a 1.11 b Uniformidade (%) Fibras curtas (%) Resistencia (g/tex)

22 «BARK» E «NEPS» «Bark» = fibra vegetal (casca de caule) Sujeira grossa entrando no descaroçador Desmanchada pelas serras Fibra vegetal misturada com fibra de algodão «Neps» de fibra = nós de fibra de algodão Criados pelos processos mecânicos (colheita e beneficiamento Ambas são um problema para a indústria têxtil 22

23 Sujeira grossa no peito 23

24 Sujeira grossa no peito 24

25 Sujeira grossa desmanchada no peito 25

26 Efeito da 1a etapa de pré-limpeza sobre a sujeira grossa 26

27 Redução da sujeira no ante-peito e no peito Separação e pesagem por descaroçador (3 fardões) PROCESSO SUJEIRA SEPARADA PELO ANTE PEITO (Kg/hora) SUJEIRA NO PEITO NO FINAL Sujeira grossa Sujeira fina Sujeira total Antigo Antigo + PL Redução PL1 65% 41% 38% 27

28 Nep de fibra 28

29 Efeito do processo sobre os neps % + 16 % 400 Numero/ Tipo AC Antigo Novo 29

30 Bark e Neps A redução da sujeira pela PL é grande A redução do «bark» tem um preço O aumento dos neps de fibra Melhoria a buscar na colheita No beneficiamento, maximizar a eliminação da sujeira com o mínimo de neps : Gestão da umidade e em particular a secagem Gestão do ritmo de beneficiamento 30

31 Processo e parâmetros do beneficiamento (2005 exp. 1+2) Rendimento de beneficiamento Rendimento (% Tipo AC Antigo Novo 31

32 Processo e parâmetros do beneficiamento (2005 exp. 1+2) 2. Resíduos da limpeza do algodão em caroço por fardinho Residuos/200k Tipo AC Antigo Novo 32

33 Processo e parâmetros do beneficiamento (2005 exp. 1+2) 3. Resíduos da segunda etapa de pré-limpeza (batedor + HL + alimentador) por fardinho 12 Residuos/ Tipo AC PL1+Antigo Novo 33

34 Estimativas de custo-benefício 1. Limites Níveis de ágios/deságios variam Limitadas aos padrões universais Baseadas em desvios do tipo e da folha Não levam em conta as características intrínsecas Não levam em conta os números de neps 34

35 Estimativas de custo-benefício 2. Ágio/deságio médio para 200 kg de fibra / tipo AC Ágio médio (R$/Fardin Antigo Novo 2005 Novo Tipo AC Média =

36 Estimativas de custo-benefício 3. Custos adicionais e economia com o processo novo Custos adicionais Eletricidade Gás para a gestão da umidade Economia Lenha da secagem no conjunto Aumento do ritmo de beneficiamento 36

37 Estimativas de custo-benefício 4. Estimativas de custos adicionais e economia Elemento de custo Custo (R$/fardo) Benefício (R$/fardo) Consumo de gás para a secagem na PL1 (média) 1,1 Consumo elétrico 0,4 Economia de lenha 0,6 Aumento de ritmo de beneficiamento? Total por fardo 1,4 0,6 Balanço por fardo -0,8 Balanço -0,06 37

38 Estimativas de custo-benefício 5. Estimativas de custo-benefício sem umidificação Elemento de custo Custo (R$/fardo) Benefício médio (R$/fardo) Benefício max (R$/fardo) Ágio da fibra no mercado internacional com processo novo 11,6 17,5 Custo adicional 1,4 Economia de lenha 0,6 0,6 Total por fardo 1,4 12,2 18,1 Balanço por fardo 10,8 16,7 Balanço 0,81 1,25 Balanço para fardos

39 Estimativas de custo-benefício 6. Estimativas de custo-benefício da umidificação Elemento de custo Custo Benefício (R$/fardo) (R$/fardo) Consumo de gás médio para a umidificação 1,5 Aumento de peso (4 kg por fardo) 10,0 Total por fardo 1,5 10,0 Balanço por fardo 8,5 Balanço 0,64 39

40 Estimativas de custo-benefício 7. Balanço de custo-benefício do processo novo, com secagem e umidificação Elemento de custo Custo (R$/fardo) Benefício médio (R$/fardo) Ágio da fibra no mercado internacional com processo novo 11,6 Custo adicional 1,4 Economia de lenha 0,6 Consumo de gás médio para a umidificação 1,5 Aumento de peso (4 kg por fardo) 10,0 Total por fardo 2,9 22,2 Balanço por fardo 19,3 Balanço 1,45 Balanço para fardos

41 Resultados diversos 1. Classificação visual do algodão em caroço A classificação dos fardões varia com os classificadores Pouca relação entre classificação do AC e da fibra O beneficiamento não pode ser devidamente planejado, otimizado. Necessidade de padrões ou de instrumentos para adaptar a seqüência e otimizar o beneficiamento 41

42 Resultados diversos 2. Classificação visual da fibra A classificação da fibra varia com os classificadores Problema de valorização individual (a empresa) Problema de valorização coletiva (imagem do algodão do Estado ou do pais) Treinamento e standardização 42

43 CONCLUSÃO Objetivos cumpridos Melhoria de 1 tipo e mais de uma folha em média Custo-benefício alto Investimento pago em 1 ou 2 safras A primeira etapa de PL é fundamental Melhora o tipo direitamente e indireitamente Melhora a folha e reduz o «bark» Melhora o ritmo Sem aumentar o gasto de energia O projeto mostrou a importância da gestão da umidade 43

44 F I M 44

45 45

46 46

47 47

48 Conjunto 1 Conjunto 2 48

49 49

50 50

51 Umidade do ar e umidade do algodão Umidade matéria (%) Equilíbrio higroscópico Umidade relativa do ar (%) Caroço Alg. em caroço Pluma 51

CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS MERCADOS - 12

CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS MERCADOS - 12 ÍNDICE Introdução 05 CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 O Conteúdo 06 A História 07 O Beneficiamento 08 A Produção no Brasil e no MS 10 Conclusão 11 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS

Leia mais

MINI-USINAS DE 50 E 20 SERRAS

MINI-USINAS DE 50 E 20 SERRAS Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 MINI-USINAS DE 50 E 20 SERRAS Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva Pesquisador Embrapa Algodão COMÉRCIO DE ALGODÃO NO BRASIL : PEQUENAS PROPRIEDADES: GRANDES PROPRIEDADES:

Leia mais

Comunicado Técnico nº 5

Comunicado Técnico nº 5 Comunicado Técnico nº 5 O Uso do Vapor e das Caldeiras na Gestão da Umidade nas Algodoeiras Giancarlo Goldoni Jr. 1. O que é vapor? O vapor pode ser definido como um gás resultante da mudança de estado

Leia mais

SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS A SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS ALGODOEIRAS

SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS A SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS ALGODOEIRAS SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS A SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS ALGODOEIRAS OBJETIVOS Reduzir os índices de acidentes e de incêndios em Algodoeiras, atuando em conjunto

Leia mais

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Energia limpa Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Empilhadeira movida a hidrogênio H oje, quando se trata de escolher

Leia mais

FILTRO DISCO CERÂMICO À VÁCUO (FDVC)

FILTRO DISCO CERÂMICO À VÁCUO (FDVC) APLICAÇÃO Mineração Indústria metalúrgica Desaguamento de concentrados de minérios ferrosos e não-ferrosos Desaguamento de rejeitos e lamas Filtragem de polpa fina de oxido de alumínio O uso do Filtro

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O Sindigás 33 milhões de botijões entregues porta a porta mensalmente 5 bilhões em tributos arrecadados anualmente 27% Participação

Leia mais

2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32

2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32 ........... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 15 UNIDADE 1: Aspectos gerais, produção, mercado etc. 1.1 Açúcares.... 19 1.2 Origem dos açúcares.... 20 1.3 Glicose e frutose.... 20 1.4 Sacarose.... 21 1.5 Açúcar

Leia mais

LAVANDERIAS COMERCIAIS. Controles Quantum

LAVANDERIAS COMERCIAIS. Controles Quantum LAVANDERIAS COMERCIAIS Controles Quantum RELATÓRIOS DE LOJA E DE RECEITAS O Quantum Gold monitora o seu equipamento para fornecer relatórios detalhados. Ao fornecer uma visão abrangente das especificações

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 6º Encontro - 05/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - SISTEMAS DE PRODUÇÃO - VÍDEOS PARA DEBATE

Leia mais

CALANDRA MULTIROLO CALANDRA MULTIRROLO CAPACIDADES DE 4 A 18 LENÇÓIS P/ MINUTO SISTEMA DE ROLO E FITAS AQUECIMENTO A VAPOR

CALANDRA MULTIROLO CALANDRA MULTIRROLO CAPACIDADES DE 4 A 18 LENÇÓIS P/ MINUTO SISTEMA DE ROLO E FITAS AQUECIMENTO A VAPOR CALANDRA MULTIROLO ALTA PRODUTIVIDADE COM BAIXO CUSTO OPERACIONAL SISTEMA DE ROLO E FITAS Equipamento projetado para passagem de tecidos planos, projetado para alta produção e qualidade. ALTA PRODUÇÃO:

Leia mais

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional

BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional BLUMENAU: SITUAÇÃO FINANCEIRA A economia dos municípios depende do cenário nacional - A arrecadação municipal (transferências estaduais e federais) vem crescendo abaixo das expectativas desde 2013. A previsão

Leia mais

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO

PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO PLANEJAMENTO E CONTROLE DA PRODUÇÃO Não existem regras ou leis para gestão; Não existem países pobres ou ricos, mas simplesmente países mal e bem administrados, que sabem extrair o máximo dos recursos

Leia mais

HELIANTIS - A energia solar aplicada à secagem de lamas. Julho 2007 - JF

HELIANTIS - A energia solar aplicada à secagem de lamas. Julho 2007 - JF HELIANTIS - A energia solar aplicada à secagem de lamas Julho 2007 - JF Vantagens da secagem de lamas Uma boa razão para secar as lamas REDUÇÃO DA QUANTIDADE DE LAMAS MELHORIA DA QUALIDADE E DA ESTRUTURA

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO A EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA

SISTEMA DE GESTÃO A EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA SISTEMA DE GESTÃO A EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA 1. EM QUE TERRENO ESTAMOS PISANDO? 2. QUEM DÁ AS CARTAS? 3. COMO É QUE A BANDA TOCA? COMO É QUE A BANDA TOCA? 4. LUZES, CÂMERA... LUZES, CÂMERA... 5. AÇÃO 6.

Leia mais

Unidade de estudo 2. Seções de estudo. industrial. acessórios para aplicações industriais

Unidade de estudo 2. Seções de estudo. industrial. acessórios para aplicações industriais Unidade de estudo 2 Seções de estudo industrial acessórios para aplicações industriais Luminotécnica SEÇÃO 1 Iluminância em ambiente industrial - Indústria Setor De calçados Riscagem de modelos, cortes,

Leia mais

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas

Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Findeter financiamento para a reconstrução e a mitigação de mudanças climáticas Linhas de Financiamento para Reconstrução e Mitigação de Mudanças Climáticas Fortalecimento de estratégias e produtos financeiros

Leia mais

Produtividade através da confiabilidade

Produtividade através da confiabilidade Produtividade através da confiabilidade Recursos da SKF para o segmento de mineração, processamento de minérios e cimento O Poder do Conhecimento em Engenharia Você está trabalhando como nunca. As suas

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

FONTES E FORMAS DE ENERGIA

FONTES E FORMAS DE ENERGIA FORMAÇÃO CONTINUADA PARA PROFESSORES DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS FUNDAÇÃO CECIERJ / CONSÓRCIO CEDERJ PROFESSOR/CURSISTA: Armanda Teixeira Ferreira Gonçalves COLÉGIO: Estadual Bairro Senhor Do Bonfim Turma:

Leia mais

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro

Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Investimentos em Infraestrutura e Crescimento Econômico Brasileiro Márcio Holland Secretário de Política Econômica Comissão de Infraestrutura do Senado Federal Brasília, 19 de maio de 2014 2 Por que investimentos

Leia mais

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal

Cidades Analíticas. das Cidades Inteligentes em Portugal Cidades Analíticas Acelerar o desenvolvimento das Cidades Inteligentes em Portugal Programa Operacional Regional Programa Operacional Regional do Centro 2014-2020 PROGRAMA OPERACIONAL REGIONAL DO CENTRO

Leia mais

3/19/2013 EQUIPAMENTOS. Trator de lâmina D9T. Caminhão basculante. Escavadeira hidráulica

3/19/2013 EQUIPAMENTOS. Trator de lâmina D9T. Caminhão basculante. Escavadeira hidráulica Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Disciplina: Estradas e Transportes II TERRAPLENAGEM DE RODOVIAS

Leia mais

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP

A aposta em investimento em energias renovaveis em STP A aposta em investimento em energias renovaveis em STP I. Apresentação da HET - Service Lda. II. Situação das energias renováveis III.Possibilidade de Investimentos em E.R. Privado Estatal IV.Barreiras

Leia mais

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1

DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO. Sila Carneiro da Silva 1 DESAFIOS E PERSPECTIVAS PARA A PESQUISA E USO DE LEGUMINOSAS EM PASTAGENS TROPICAIS: UMA REFLEXÃO Sila Carneiro da Silva 1 O interesse pela produção animal em pastagens tem crescido bastante nos últimos

Leia mais

Manutenção volante. A DDS SERVIÇOS possui muita experiência com este modelo de manutenção com resultados altamente satisfatórios.

Manutenção volante. A DDS SERVIÇOS possui muita experiência com este modelo de manutenção com resultados altamente satisfatórios. Manutenção volante O que é a Manutenção Volante? A Manutenção Volante é uma modalidade de manutenção móvel que visa atender clientes que possuam várias unidades prediais distribuídas por uma determinada

Leia mais

MAGI PORTA - PORTAS AUTOMÁTICAS

MAGI PORTA - PORTAS AUTOMÁTICAS MAGI PORTA - PORTAS AUTOMÁTICAS LINHA SOCIAL A SOLUÇÃO PERFEITA EM PORTAS AUTOMÁTICAS TECNOLOGIA A Magi Porta já consolidada no mercado de portas automáticas, mais uma vez inova o conceito de portas sociais

Leia mais

Um Plano de Investimento para a Europa

Um Plano de Investimento para a Europa Um Plano de Investimento para a Europa O «triângulo virtuoso» INVESTIMENTO REFORMAS ESTRUTURAIS RESPONSABILIDADE ORÇAMENTAL 1 Um Plano de Investimento para a Europa MOBILIZAR FINANCIAMENTOS PARA O INVESTIMENTO

Leia mais

CLIMATIZADOR EVAPORATIVO MANUAL DO USUÁRIO

CLIMATIZADOR EVAPORATIVO MANUAL DO USUÁRIO CLIMATIZADOR EVAPORATIVO MANUAL DO USUÁRIO INTRODUÇÃO Parabéns por adquirir um ótimo equipamento. Os climatizadores evaporativos Climat são a melhor alternativa para deixar o ambiente com um ar mais puro

Leia mais

Modelagem De Sistemas

Modelagem De Sistemas Modelagem De Sistemas UNIP Tatuapé - SP Aplicações em Linguagem de Programação Prof.Marcelo Nogueira Uma empresa de software de sucesso é aquela que consistentemente produz software de qualidade que vai

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Empresa: Usina Açucareira Passos S/A Usina Itaiquara Endereço: Fazenda

Leia mais

ENEREDE (ENERNET) Intercâmbio de Energia Elétrica. Livre Mercado de EE.

ENEREDE (ENERNET) Intercâmbio de Energia Elétrica. Livre Mercado de EE. ENEREDE (ENERNET) Intercâmbio de Energia Elétrica Livre Mercado de EE. máquinas CNC Caldeiras Secadores Kits para óleo vegetal Cogeradores Máquinas de ensaio Aquecedores Eng. Mec. Thomas Renatus Fendel

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 1 Índice Ambiente operacional...03 Instalação...03 Precauções na instalação...04 Utilizando o controle da Cortina de Ar...05 Dados técnicos...06 Manutenção...06 Termo de garantia...07 2 As cortinas de

Leia mais

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009.

POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011. Vitória, 26 de agosto de 2009. POLÍTICA DE INVESTIMENTO PEIXE PILOTO PARA CLUBES DE INVESTIMENTOS 2009-2011 Vitória, 26 de agosto de 2009. ÍNDICE 1. OBJETIVO.... 3 2. ORIENTAÇÃO DA GESTÃO DOS INVESTIMENTOS E PRÁTICAS DE GOVERNANÇA....

Leia mais

GUIA DO CRÉDITO CONSCIENTE

GUIA DO CRÉDITO CONSCIENTE GUIA DO 1 FAMILIAR GUIA DO 2 Existem várias maneiras de usar o dinheiro de forma consciente. Uma delas é definir suas necessidades e planejar todos os seus gastos levando em conta a renda disponível. Para

Leia mais

Lavadora e secadora de pisos BR 35/12 C. Lavadora e Secadora de pisos BR 35/12 C

Lavadora e secadora de pisos BR 35/12 C. Lavadora e Secadora de pisos BR 35/12 C Lavadora e Secadora de pisos BR 35/12 C Capacidade do tanque água limpa/suja (l) Lavadora e secadora de pisos BR 35/12 C 1. Posicionamento 12 l 10 l BD 40/12 C BR 35/12 C 4 l BR 40/10 C BR 30/4 C 200 400

Leia mais

ANEXO III. Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00

ANEXO III. Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00 ANEXO III Roteiro para Apresentação de Projetos do Tipo C R$ 50.001,00 a R$ 100.000,00 1. Apresentação Geral: 1. Nome do projeto 2. Linha(s) Temática(s) 2. Localidade e município 3. Instituição Proponente

Leia mais

TIJOLOS DE ADOBE ESCOLA DE MINAS / 2015 / PROF. RICARDO FIOROTTO / MARTHA HOPPE / PAULA MATIAS

TIJOLOS DE ADOBE ESCOLA DE MINAS / 2015 / PROF. RICARDO FIOROTTO / MARTHA HOPPE / PAULA MATIAS TIJOLOS DE ADOBE ESCOLA DE MINAS / 2015 / PROF. RICARDO FIOROTTO / MARTHA HOPPE / PAULA MATIAS Este projeto tem como objetivo a fabricação de tijolos de adobe destinados à construção de casas através da

Leia mais

Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Activos Fixos Tangíveis

Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Activos Fixos Tangíveis AULA 07 Activos Fixos Tangíveis (IAS 16) Mensuração inicial Mensuração após o reconhecimento Modelo do custo Modelo de revalorização Métodos de depreciação: Método da linha recta (quotas constantes) Método

Leia mais

yarnmaster depuração óptica do fio

yarnmaster depuração óptica do fio Masters in Textile textile Quality Control Masters in textile Quality Control yarnmaster facts yarnmaster depuração óptica do fio 045910/006p Avaliação de fios e superfícies Até a presente data, a qualidade

Leia mais

Desempenho das Organizações. Administração da Qualidade Eficiência e Eficácia Modelo Japonês de Administração Responsabilidade Social e Ambiental

Desempenho das Organizações. Administração da Qualidade Eficiência e Eficácia Modelo Japonês de Administração Responsabilidade Social e Ambiental Desempenho das Organizações Administração da Qualidade Eficiência e Eficácia Modelo Japonês de Administração Responsabilidade Social e Ambiental Administração da Qualidade O que significa qualidade? Excelência

Leia mais

2.6 Conceito de controle de processo...47 2.6.1 Manutenção de equipamentos e processo gerencial...48 2.7 GQT e atividades de manutenção de

2.6 Conceito de controle de processo...47 2.6.1 Manutenção de equipamentos e processo gerencial...48 2.7 GQT e atividades de manutenção de Sumário Prefácio à 2ª edição...11 Prefácio...13 1 Visão geral da manutenção de equipamentos...17 1.1 Introdução...19 1.2 Conceito de manutenção...19 1.3 Abrangência das atividades de manutenção...21 1.4

Leia mais

-www.megacal.com.br. Fone : (11) 4419-4419 -4419-3348-4419-1161 Megacal Equipamentos Térmicos Ltda

-www.megacal.com.br. Fone : (11) 4419-4419 -4419-3348-4419-1161 Megacal Equipamentos Térmicos Ltda A Megacal é uma empresa voltada para a fabricação de produtos para controle térmico industrial, onde se destacam as Unidades de controle de temperatura, para água gelada em circuito fechado e aberto, e

Leia mais

A3P GESTÃO AMBIENTAL NA

A3P GESTÃO AMBIENTAL NA A3P GESTÃO AMBIENTAL NA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICAP O que é a A3P Uma estratégia para construção de uma nova cultura institucional inserindo critérios sócio-ambientais na administração pública Baseia-se na

Leia mais

CIRCULAR TÉCNICA. Jean Louis Belot 1, Sergio Gonçalves Dutra 2, Amandio Pires Jr. 1 Nº13 / 2014

CIRCULAR TÉCNICA. Jean Louis Belot 1, Sergio Gonçalves Dutra 2, Amandio Pires Jr. 1 Nº13 / 2014 CIRCULAR TÉCNICA Nº13 / 2014 Novembro de 2014 Publicação periódica de difusão científica e tecnológica editada pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e dirigida a profissionais envolvidos com

Leia mais

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito

Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Risco de Crédito Estrutura de Gerenciamento de Risco de Crédito Conforme a resolução 3.721 do Banco Central do Brasil, define-se risco de crédito como a possibilidade de ocorrência de perdas associadas

Leia mais

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas.

Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE. Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE Audiência Pública para construção de Unidades Escolares Padronizadas Proinfância B e C Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação - FNDE O FNDE é

Leia mais

Atuadores Rotativos. Tipo pinhão-cremalheira. maiores.

Atuadores Rotativos. Tipo pinhão-cremalheira. maiores. Atuadores Rotativos Convertem a energia hidráulica em movimento rotativo. Exemplo: Oscilador hidráulico: converte a energia hidráulica em torque num ângulo de giro limitado. Os mais aplicados são o tipo

Leia mais

Explora. Portugal: Energia em trânsito. Público-alvo. Recursos. Bibliografia e sites. Metas de aprendizagem a atingir

Explora. Portugal: Energia em trânsito. Público-alvo. Recursos. Bibliografia e sites. Metas de aprendizagem a atingir 1 Ciências Físico-Químicas 7.º ANO Explora Duarte Nuno Januário Eliana do Carmo Correia Ângelo Filipe de Castro Portugal: Energia em trânsito Público-alvo Alunos de Ciências Físico-Químicas do 7.º ano,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL

LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL LICENCIAMENTO AMBIENTAL NA PESQUISA MINERAL 1 PESQUISA MINERAL PRELIMINARES 2 Alvará de Pesquisa Mineral O título para a pesquisa mineral é a autorização, denominada no Brasil de Alvará de Pesquisa, concedida

Leia mais

TRATORES MAGNUM 235, 260, 290, 315 e 340

TRATORES MAGNUM 235, 260, 290, 315 e 340 TRATORES MAGNUM 235, 260, 290, 315 e 340 Soluções para quem quer mais resultados. Uma série com desempenho incomparável. O mundo pede mais alimento e mais energia. A agricultura moderna exige mais eficiência

Leia mais

Dados Técnicos. DADOS DE ENTRADA Fronius Galvo 2.0-5. Potência CC máxima para cos φ=1. Máx. corrente de entrada. Min.

Dados Técnicos. DADOS DE ENTRADA Fronius Galvo 2.0-5. Potência CC máxima para cos φ=1. Máx. corrente de entrada. Min. Dados Técnicos DADOS DE ENTRADA Fronius Galvo 2.0-5 Potência CC máxima para cos φ=1 2,650 W Máx. corrente de entrada 16.6 A Máx. tensão de entrada 24.8 A Faixa de tensão MPP 165 V Min. tensão de entrada

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções INTRODUÇÃO Parabéns pela escolha de mais um produto de nossa linha. Para garantir o melhor desempenho de seu produto, o usuário deve ler atentamente as instruções a seguir. Recomenda-se

Leia mais

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO Dib Nunes Jr. Antonio Celso Silva Jr. Grupo IDEA Características Varietais 1. Florescimento: MENOR DENSIDADE DE CARGA MENOR VOLUME DE CALDO 2. Tombamento:

Leia mais

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS

EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS EFICIÊNCIA ENERGÉTICA EM SISTEMAS HIDRÁULICOS ENG. LUCIANO BELO COBEE/14 2 3 PRODUÇÃO DISTRIBUIÇÃO CONSUMO Produção Distribuição Consumo Produção Distribuição Consumo 4 3 2 1 Energia utilizada: Chiller

Leia mais

Subestação. Conceito:

Subestação. Conceito: Sistema Eletrosul Conceito: Subestação Instalações elétricas que compreendem máquinas ou aparelhos, instalados em ambiente fechado ou ao ar livre, destinadas à transformação da tensão, distribuição da

Leia mais

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte Magda Cercan Junho/2013 São Paulo Magda Cercan Garcia Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia

Leia mais

A eficiência encontra a performance. MAN TGX como novos motores D38.

A eficiência encontra a performance. MAN TGX como novos motores D38. A eficiência encontra a performance. MAN TGX como novos motores D38. UMA NOVA DIMENSÃO DE PERFORMANCE. Algum do equipamento apresentado nesta brochura não é fornecido de série. 2. Fahrerhaus Fahrerhaus.

Leia mais

KEOR T. TRIFÁSICO UPS 10 a 60 kva

KEOR T. TRIFÁSICO UPS 10 a 60 kva KEOR T TRIFÁSICO UPS 10 a 60 kva KEOR T UPS TRIFÁSICO KEOR T foi projetado com tecnologia avançada e com componentes de última geração, para garantir um ótimo desempenho, alta eficiência, alta disponibilidade

Leia mais

Equipamentos Água Gelada Água Torre

Equipamentos Água Gelada Água Torre Água Gelada Água Torre Equipamentos Equipamentos Bombeamento Água Torre Bombeamento Água Gelada Torres de Resfriamento Fancoil de Alvenaria Equipamentos Vista Externa Fancoil de Alvenaria Equipamentos

Leia mais

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA

DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA Workshop - Madeira Energética: Principais questões envolvidas na organização e no aperfeiçoamento do uso energético da lenha - 29/05/2007 DENSIFICAÇÃO DE RESÍDUOS DA BIOMASSA - O que é briquete e pelete

Leia mais

PPODE - ESTRATÉGICO. Slide 1 BALANCED SCORECARD CRESCIMENTO PRODUTIVIDADE MAIS RESULTADOS. Ms. RICARDO RESENDE DIAS

PPODE - ESTRATÉGICO. Slide 1 BALANCED SCORECARD CRESCIMENTO PRODUTIVIDADE MAIS RESULTADOS. Ms. RICARDO RESENDE DIAS Slide 1 BALANCED SCORECARD PRODUTIVIDADE CRESCIMENTO MAIS RESULTADOS Ms. RICARDO RESENDE DIAS BALANCED SCORECARD Slide 2 BSC CONCEITO FINALIDADE APLICAÇÃO PRÁTICA ESTRATÉGIA - BSC Slide 3 Ativos Tangíveis

Leia mais

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2, Jadson de Lira

Leia mais

Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial

Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial Políticas Públicas para Eficiência Energética no Setor Residencial Conrado Augustus de Melo Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP conrado@fem.unicamp.br 19-92101108 A demanda de eletricidade no setor

Leia mais

Preparação de Água Quente Sanitária

Preparação de Água Quente Sanitária Preparação de Água Quente Sanitária O Ambiente como fonte de energia para água quente Bombas de Calor de Alta Tecnologia OCHSNER Bombas de Calor 3 0 A N O S D E E F I C Á C I A Bombas de calor OCHSNER

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 Fernando César Boscariol Marcílio do Amaral Gurgel Objetivos do Projeto DEP Dedini Energia no Palhiço Desenvolver um produto para limpeza e separação de palha,

Leia mais

Módulos de programas adicionais:

Módulos de programas adicionais: Módulos de programas adicionais: Bebés e Brincar Desporto & Wellness Eco Higiene e Crianças Lar e Decoração XL Medic Têxtil-lar pt-pt M.-Nr. 09 495 200 Índice Módulos de programas...3 Seleccionar os programas...4

Leia mais

CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1

CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1 CONSIDERAÇÕES BÁSICAS SOBRE PROJETO DE MUSEU DE ARTES VISUAIS 1 PONTOS- CHAVE Possibilidade de expansão Circulações (atender as normas/ser espaço de transição/exposição) Armazenamento/Depósito Controle

Leia mais

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001836 - TECNOLOGIA EM PRODUCAO SUCROALCOOLEIRA Nivel: Superior

PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO. Curso: 001836 - TECNOLOGIA EM PRODUCAO SUCROALCOOLEIRA Nivel: Superior PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 001836 - TECNOLOGIA EM PRODUCAO SUCROALCOOLEIRA Nivel: Superior Area Profissional: AGROPECUARIA Area de Atuacao: GESTAO AGRO-IND./AGROP.

Leia mais

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo

Apoio à Economia Circular no Portugal 2020. O caso do PO SEUR. Helena Pinheiro de Azevedo Apoio à Economia Circular no Portugal 2020 O caso do PO SEUR Helena Pinheiro de Azevedo ECONOMIA CIRCULAR o que é É uma sociedade que privilegia a Eficiência no Uso de Recursos Naturais Evita o uso e desperdício

Leia mais

Ferramentas de Gestão

Ferramentas de Gestão Ferramentas de Gestão Cenário Encontrado Sistemas Criados com objetivo de solucionar problemas isolados Adaptados conforme a necessidade da informação Foco na operacionalização Muitos controles paralelos

Leia mais

SUMIG EQUIPAMENTOS EXTRATORES DE FUMOS INDUSTRIAIS. Modelos Móveis e Estacionários

SUMIG EQUIPAMENTOS EXTRATORES DE FUMOS INDUSTRIAIS. Modelos Móveis e Estacionários SUMIG EQUIPAMENTOS EXTRATORES DE FUMOS INDUSTRIAIS s Móveis e Estacionários EXTRATORES DE FUMOS MÓVEIS CLEANING DF O equipamento CLEANING DF é ideal para aspiração e filtragem de fumos de soldagem, poeira

Leia mais

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento

Ar de combustão. Água condensada. Balanço da energia. Câmara de mistura. Convecção. Combustível. Curva de aquecimento Ar de combustão O ar de combustão contém 21% de oxigênio, que é necessário para qualquer combustão. Além disso, 78% de nitrogênio está incorporado no ar. São requeridos aproximadamente 10 metros cúbicos

Leia mais

soluções +eficientes de reabilitação de edifícios sistemas de renovação +sustentáveis sistemas energéticos +verdes Um edifício +sustentável.

soluções +eficientes de reabilitação de edifícios sistemas de renovação +sustentáveis sistemas energéticos +verdes Um edifício +sustentável. APRESENTAÇÃO A Reabilitação Sustentável é um serviço que agrega o know-how, os recursos, e a experiência das diversas áreas de atividade da Sotecnisol. A Sotecisol apresenta ao mercado uma oferta inovadora

Leia mais

Marcelo Pereira de Carvalho

Marcelo Pereira de Carvalho Mudanças no mercado mundial que afetam as cooperativas Marcelo Pereira de Carvalho Diretor Executivo da AgriPoint Coordenador do MilkPoint Curitiba, 08 de julho de 2008 2008. AgriPoint Consultoria Ltda.

Leia mais

Programa de Sustentabilidade Energética do Setor Cerâmico do Estado do Tocantins

Programa de Sustentabilidade Energética do Setor Cerâmico do Estado do Tocantins Programa de Sustentabilidade Energética do Setor Cerâmico do Estado do Tocantins Realização: Objetivos do Programa: Geral: Buscar alternativas de queima para o setor, levando em consideração as potencialidades

Leia mais

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão

Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão IP/07/721 Bruxelas, 30 de Maio de 2007 Comissão avalia o impacto do financiamento para as regiões e lança um debate sobre a próxima ronda da política de coesão A política de coesão teve um efeito comprovado

Leia mais

Treinamento IMPERGEL PU

Treinamento IMPERGEL PU Treinamento IMPERGEL PU Posicionamento do Produto (Versões) Os Produtos do sistema IMPERGEL O que é tinta??? O que é um substrato??? Sistemas de pintura Tratamento de superfície ou substrato Principais

Leia mais

ANTECEDENTES Extratos e Solúveis

ANTECEDENTES Extratos e Solúveis ANTECEDENTES Extratos e Solúveis 1 Extratos e Solúveis Na República Argentina EVAPORADOR FALLING FILM PARA CONCENTRAÇÃO SOLUÇÕES DE CAFÉ Capacidade de evaporação: 600 litros/hora de água Cliente: Arlistán

Leia mais

MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS. João Mario Fernandes

MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS. João Mario Fernandes MANUTENÇÃO MECÂNICA TÉCNICAS PREDITIVAS João Mario Fernandes Manutenção Preditiva: É um conjunto de atividades de acompanhamento das variáveis ou parâmetros que indicam a performance ou desempenho dos

Leia mais

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012

Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Carlos Nascimento Lisboa 16 de Fevereiro de 2012 Situação Energética nacional Entre 1990 e 2005, o Consumo Energia Primária aumentou 54%, situando-se hoje nos 30% face a 1990 (igual a 1998). Em 2010 o

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL)

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DAS ORGANIZAÇÕES (ASPECTO AMBIENTAL) EVOLUÇÃO DA ORGANIZAÇÃO ONTEM (MERCADO FECHADO E PROTEGIDO): CUSTOS + LUCRO = PREÇO DE VENDA A PROTEÇÃO AMBIENTAL é vista como um fator de

Leia mais

Investimento para a Melhoria da Segurança

Investimento para a Melhoria da Segurança Investimento para a Melhoria da Segurança A SNEL Estado de implementação na Europa. Melhoria da Segurança: Medidas a adoptar em Portugal. 2 3 Norma Europeia EN 81-80: Regras para a melhoria da de elevadores

Leia mais

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA

GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA GERAÇÃO DE ELETRICIDADE A PARTIR DA BIOMASSA DA Títuloda CANA-DE-AÇÚCAR Apresentação Bioeletricidade A segunda revolução energética da cana-de-açúcar Autor Rio de Janeiro, 24 de novembro de 2005 Helcio

Leia mais

São Paulo, 17 de Agosto de 2012

São Paulo, 17 de Agosto de 2012 São Paulo, 17 de Agosto de 2012 Discurso do Presidente do Banco Central do Brasil, Alexandre Tombini, no 22º Congresso da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores - Fenabrave Senhoras

Leia mais

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO

PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO PRODUÇÃO DE VAPOR E ELETRICIDADE A EVOLUÇÃO DO SETOR SUCROALCOOLEIRO II GERA: Workshop de Gestão de Energia e Resíduos na Agroindustria Sucroalcooleira FZEA - USP Pirassununga, 12 de junho de 2007 Helcio

Leia mais

GrupoFercar. Um grupo de referência

GrupoFercar. Um grupo de referência GrupoFercar Um grupo de referência Com 30 anos de experiência, know how e talento, o Grupo Fercar tornou-se uma referência capaz de providenciar uma vasta gama de produtos e serviços, dos quais se destacam

Leia mais

PROPOSTA. Programa de Implantação de Agroindústrias de Pequeno e Médio Porte de Derivados de Cacau e Chocolates Especiais

PROPOSTA. Programa de Implantação de Agroindústrias de Pequeno e Médio Porte de Derivados de Cacau e Chocolates Especiais PROPOSTA Programa de Implantação de Agroindústrias de Pequeno e Médio Porte de Derivados de Cacau e Chocolates Especiais Almir Martins dos Santos Antonio César Costa Zugaib Fernando Antonio Teixeira Mendes

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O que é o Gás LP? - O Gás LP é composto da mistura de dois gases, sendo 30% de butano e 70% de propano. - Por ser um produto

Leia mais

Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil. urielrotta@pensa.org.br

Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil. urielrotta@pensa.org.br Rede de Negócios: um panorama da cadeia do leite no Brasil Uriel Antonio Superti Rotta urielrotta@pensa.org.br O SAG do leite no Brasil O sistema agroindustrial do leite reúne importantes segmentos da

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria.

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria. Página 1389 GENÓTIPOS DE ALGODÃO DE FIBRAS LONGAS NO SEMIÁRIDO DO VALE DO IUIU, SUDOESTE DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Osório Lima Vasconcelos

Leia mais

Análise de Processos. Por José Luís Carneiro. - www.jlcarneiro.com -

Análise de Processos. Por José Luís Carneiro. - www.jlcarneiro.com - Análise de Processos Por José Luís Carneiro - www.jlcarneiro.com - Introdução Movimentação de pessoas, papéis e informação na organização Assegurar a fluidez Limites decisórios variam segundo a posição

Leia mais

Projetada para aplicações médicas, a UP-D897 é uma impressora gráfica digital monocromática leve e compacta que sucede a popular-d895.

Projetada para aplicações médicas, a UP-D897 é uma impressora gráfica digital monocromática leve e compacta que sucede a popular-d895. UP-D897 Impressora gráfica digital A6 Visão geral Impressora gráfica digital monocromática leve e compacta que oferece impressão de alta velocidade. Projetada para aplicações médicas, a UP-D897 é uma impressora

Leia mais

Engenharia de Software II

Engenharia de Software II Engenharia de Software II Aula 26 http://www.ic.uff.br/~bianca/engsoft2/ Aula 26-21/07/2006 1 Ementa Processos de desenvolvimento de software Estratégias e técnicas de teste de software Métricas para software

Leia mais

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA (RSC)

RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA (RSC) RESPONSABILIDADE SOCIAL CORPORATIVA (RSC) Caroline Pinto Guedes Ferreira ANTECEDENTES Revolução industrial Processo rápido r e intenso de urbanização Uso intenso e indiscriminado dos recursos naturais

Leia mais

COPASA Day 2010 GESTÃO DE ENERGIA

COPASA Day 2010 GESTÃO DE ENERGIA GESTÃO DE ENERGIA AQUISIÇÃO DA ENERGIA Autoprodução e Mercado de Energia Abastecimento de Água Esgotamento Sanitário Resíduos Sólidos USO DA ENERGIA Eficiência Energética 1 EFICIÊNCIA ENERGÉTICA 2 PROGRAMA

Leia mais