CIRCULAR TÉCNICA. Jean Louis Belot 1, Sergio Gonçalves Dutra 2, Amandio Pires Jr. 1 Nº13 / 2014

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CIRCULAR TÉCNICA. Jean Louis Belot 1, Sergio Gonçalves Dutra 2, Amandio Pires Jr. 1 Nº13 / 2014"

Transcrição

1 CIRCULAR TÉCNICA Nº13 / 2014 Novembro de 2014 Publicação periódica de difusão científica e tecnológica editada pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e dirigida a profissionais envolvidos com o cultivo e beneficiamento do algodão. Diretor executivo Álvaro Salles Contato imamt.com.br Tiragem 2000 exemplares Qualidade da fibra do algodão de Mato Grosso: Resultados da 1ª etapa do Projeto (2012 a 2014) e síntese das apresentações do II Workshop da Qualidade - Cuiabá-MT- 22/08/2014 Jean Louis Belot 1, Sergio Gonçalves Dutra 2, Amandio Pires Jr. 1 (1) Instituto Mato-grossense do Algodão, Primavera do Leste-MT. imamt.com.br (2) Consultor técnico 1. Qualidade da fibra: visão da Associação Mato-grossense dos Produtores de Algodão AMPA e da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão - ABRAPA O Projeto Qualidade de Fibra foi concebido visando incorporar, de forma mais ampla, o conjunto de boas práticas, em todas as etapas da cadeia produtiva do algodão, preconizadas pela AMPA e pelo IMAmt junto aos produtores de algodão mato-grossenses, propiciando um conjunto de informações organizadas e sistematizadas que permita um melhor posicionamento comercial do setor produtivo, contribuindo para a valorização da fibra produzida, com melhor aceitação tanto no mercado interno como no internacional. Conforme a estratégia traçada no I Workshop da Qualidade, realizado em Cuiabá,

2 em março de 2013, o presidente da AMPA, Milton Garbugio, organizou uma visita, em maio de 2014, às empresas Tavex e Canatiba, nos municípios de Americana e Santa Bárbara d Oeste, no interior paulista, para ampliar a visão da coordenação do projeto, na pessoa do pesquisador do IMAmt Jean Belot e do engenheiro agrônomo Sérgio Dutra, sobre as principais interferências da qualidade da fibra do algodão na indústria têxtil. Esse intercâmbio foi muito importante, pois, por meio dele, foi possível esclarecer às empresas que, devido à diversidade das condições climáticas, de solo e das datas de plantio, há uma variabilidade muito grande na qualidade da fibra produzida. Nessa oportunidade, foi feito convite para participação das empresas no II Workshop da Qualidade, realizado em agosto de 2014, sendo que a Tavex compareceu ao evento, com a participação de seu diretor de Sourcing Estratégico, Rogerio Segura, e da engenheira têxtil Vanessa Bellote, gerente de Controle da Qualidade do Algodão da empresa. Como o principal concorrente do algodão é a fibra sintética, que possui grande uniformidade, a AMPA tem feito um trabalho contínuo e qualificado para aumentar a compe- Foi uma experiência incrível participar de forma ativa neste II Workshop de Qualidade. Sob minha ótica, é evidente a necessidade de um estreitamento entre as indústrias e suas vertentes junto aos produtores de algodão e entidades facilitadoras. Ter oportunidade de expor e conhecer um pouco das questões técnicas e comerciais que envolvem este seguimento nos ajuda na tomada de decisão e faz com que a indústria se antecipe e se prepare para o que está por vir. Essa informação de qualidade é percebida pela indústria como serviço e não deprecia em nada o produto; pelo contrário, ela nos direciona na tomada de decisão. Como exemplo posterior a este Workshop e à visita guiada pelo IMAmt aos produtores locais, tivemos segurança para realizar alguns negócios e até aceitar algumas características que normalmente são percebidas como off std pela indústria sem grandes deságios. Quando nos antecipam informações com transparência, podemos administrar bem várias situações. Seguramente, todos ganham com isso! Depoimento: Rogerio Segura (Tavex/ Sourcing Director) titividade da pluma no mercado, buscando a evolução da padronização do algodão de Mato Grosso, visando atender cada vez melhor seus clientes. Em nome da ABRAPA, o Sr. Rodinei Frangiotti apresentou os trabalhos relativos à implementação do programa Standard Brasil HVI. Esse programa contempla a implementação de um banco de dados dos resultados de análise de todos os fardos de todos os laboratórios HVI do Brasil. Além de permitir editar estatísticas sobre a qualidade da fibra do Brasil, o sistema irá securitizar os resultados das análises HVI produzidas. Ademais, será construído um laboratório central de rechecagem de amostras (1% das amostras será reanalizado) a fim de permitir que cada laboratório se calibre em função dos níveis de leitura internacionais. Como representante da ABRAPA e do Comitê Consultivo Internacional do Algodão (ICAC, na sigla em inglês), o Sr. João Luiz Ribas Pessa, que participa do grupo de trabalho CSITC (Comercial Standardization of Instrument Testing of Cotton) do ICAC, que define as normas internacionais de análises por HVI para as transações comerciais, apresentou os trabalhos que estão sendo desenvolvidos por esse grupo e a importância das ações integradas, na esfera nacional e internacional em prol da qualidade de fibra. 2. Como manter o market share da fibra de algodão? Em sua palestra, o professor e pesquisador Dr. Eric Hequet, chefe do Departamento de Plant

3 and Soil Science, da Texas Tech University e diretor do Fiber and Biopolymer Research Institute, falou sobre a evolução do consumo mundial de fibra de algodão e da evolução do parque industrial têxtil mundial. O pesquisador apresentou um gráfico com os dados de consumo de fibras nos últimos 50 anos, destacando que a participação das fibras sintéticas no mercado total das fibras têxteis não parou de crescer, reduzindo o market share da fibra de algodão para uma participação ao redor de 32%, atualmente. Esse percentual pode ser diferente em cada país. Em 2010, nos países desenvolvidos, o market share da fibra de algodão foi de 43,2%, enquanto nos países em desenvolvimento essa participação foi de 26% (ICAC, 2013). Até poucos anos atrás, a fibra de algodão detinha mais de 50% do mercado das fibras totais nos Estados Unidos. Porém, a previsão é que, em 2014, o consumo das fibras sintéticas ultrapasse o das fibras de algodão naquele país. Caso a tendência de participação da fibra de algodão no mercado vá se reduzindo gradativamente, como vem ocorrendo nas últimas décadas, a partir de um certo nível o algodão se tornará um mercado de nicho, com redução drástica dos investimentos dedicados a essa cadeia, como foi o caso da fibra de lã. Portanto, as ações comerciais, de promoção e de marketing em favor do uso da fibra de algodão são fundamentais para manter viva a cadeia algodoeira mundial. Outra evolução significativa da cadeia é relacionada à migração do parque industrial têxtil para países asiáticos, com investimentos importantes em fiações de anéis (spindles), a fim de produzir fio e tecidos de qualidade. Para esse tipo de fiação de anel, as características de qualidade intrínseca de fibra requeridas são as seguintes, por ordem de importância: 1) comprimento; 2) resistência; 3) finura. Uma vez que o Brasil está, cada vez mais, despontando como um país exportador de fibra de algodão para os países asiáticos, o cotonicultor brasileiro terá uma demanda mais seletiva para produzir fibra com características adequadas para atender esse mercado. 3. Qualidade da fibra de Mato Grosso Visão dos produtores: Figura 1. Consumo mundial per capita (kg/capita) e porcentagem de mercado da fibra de algodão no mercado mundial das fibras têxteis. (Fonte: ICAC) Tabela 1. Capacidade de fiação instaladas (anel e rotor). (Fonte: ITMF, 2010) Fernando Bertone, do Departamento de Comercialização do Grupo Bom Jesus, falou sobre a valorização da fibra em função de sua qualidade. Em relação ao posicionamento do algodão brasileiro no mercado mundial, o mesmo aparece no Cotlook Indice A - 1.3/32 - Fibra 35mm comercial (Stapple). Porém, ele não aparece na cotação de fibra de melhor qualidade, tipo fibra Stapple 36mm (comprimento 1.1/8 ), por não ter regularidade suficiente para apresentar fibra dessa categoria. Seria importante realizar ações e unir esforços para que se chegue a essa cotação. Para o estabelecimento do preço da fibra, o padrão de base é o do algodão Middling 31-4, com fibra 1.3/32. A partir dessa base, são estabelecidos prêmios e descontos, conforme indicados nas Tabelas 2 e 3 (próxima página). Porém, esses valores são apenas indicativos, existindo discrepâncias entre as tabelas internas de ágio e de deságio da ANEA e a situação real do mercado. Finalmente, o mercado de qualidade cresce e o mercado externo torna-se cada vez mais exigente. Para buscar atender a essa demanda qualificada, que permite uma remuneração melhor pela fibra, é preciso mudar os processos de produção e adotar selos de qualidade como o da ABR/BCI, bem como ações per-

4 Tabela 2. Prêmios e descontos. (ICA-Bremen) Tabela 3. Prêmios e descontos. (ANEA-Brasil) aneacotton. com.br/agiodesagio.html manentes para a manutenção da qualidade de fibra. A participação nesses mercados que requerem maior qualidade da fibra em um ambiente de maior competitividade torna claro o cenário para o setor produtivo, sendo necessárias ações conjuntas dos produtores em prol da obtenção de uma fibra diferenciada para melhorar o poder de negociação e a rentabilidade. Cid Reis, gerente de Produção do Núcleo da Região Central de Mato Grosso do Grupo Bom Futuro, falou sobre as variedades usadas pelos produtores e destacou que o produtor não quer surpresas com a qualidade intrínseca das variedades que planta. As empresas de melhoramento genético têm acelerado os lançamentos comerciais de novos materiais com biotecnologias, sem a realização de todos os testes prévios necessários. Os novos materiais apresentam irregularidades nas características intrínsecas da fibra em função das localidades. O ideal seria ter uma regionalização dos materiais em função das condições de plantio, altitude, latitude etc.. Porém, cabe ressaltar que certas características intrínsecas da fibra, como a maturidade, são altamente dependentes das condições climáticas e de manejo da cultura. Uma característica HVI muito comentada é o conteúdo de fibras curtas (SFC). Alto SFC pode depreciar significativamente a fibra na comercialização, porque irá gerar maiores índices de perdas na fiação. Essa característica é muito dependente do funcionamento das algodoeiras, porém certas variedades geram mais fibras curtas durante o beneficiamento do que outras. Com a entrada da colheita com máquinas de fardos em rolo, há uma tendência de se aumentar a variabilidade nos fardos comerciais, provavelmente em consequência de uma menor mistura do algodão em caroço do talhão (fardos em rolo pesam em torno de 2,4 t e fardos em módulos prensados, por volta de 10 t). Visão dos classificadores: Valmir Lana é responsável pela classificação da fibra da Unicotton, em Primavera do Leste-MT. Ele comentou que a classificação do algodão brasileiro é realizada segundo

5 os padrões americanos, do USDA (Figura 2) A Unicotton estima que, em 2014, irá classificar cerca de um milhão de amostras. Na safra 2012/13, 39,3% da fibra foi classificada no padrão 31 e 50,84%, no padrão 41. Até meados de agosto 2014, do total classificado, o tipo 31 representava 44,8% das amostras, e o tipo 41 era de 45,8%, não muito diferente da safra anterior. As contaminações por Bark ou Picão aparecem raramente (Figura 3). A classificação instrumental HVI necessita de um acondicionamento rigoroso das amostras em termos de temperatura (temperatura: 20 o C +/- 2 o C) e umidade (umidade relativa: 65% +/- 4%). As empresas de classificação que atuam no Brasil são altamente profissionais e providenciam resultados confiáveis de classificação dos fardos comerciais de algodão. Porém, no Brasil, ainda existe uma parcela de fibra de algodão que chega à indústria por meio de corretores pouco escrupulosos, utilizando, algumas vezes, certificados HVI adulterados, ocorrendo também a retirada das etiquetas de identificação, dificultando a rastreabilidade da mercadoria. Com a construção do laboratório de referência da Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (ABRAPA), o sistema de classificação HVI do Brasil ficará ainda mais confiável, permitindo que a comercialização seja baseada nos resultados HVI dos laboratórios devidamente certificados pela ABRAPA. Na fibra analisada no laboratório da Unicotton, a partir de amostras em 2012/13 e amostras até meados de agosto 2014, o panorama das características HVI foi o seguinte: Comprimento da fibra: em 2013, 97,5% do algodão estava acima do padrão 1.3/32, sendo 55,6% acima do comprimento Stapple 37. Essa proporção é globalmente igual à de 2014, com leve redução para o comprimento acima de 37, que passou para 45,4%. Figura 2. Caixa de padrões USDA para a classificação do algodão brasileiro. (Foto: Jorge J. Lima) Figura 3. Contaminações por Bark (no alto) ou sementes de Picão Preto (acima). (Foto: Valmir Lana)

6 Resistência da fibra: em 2013, só 3,48% da produção tinha menos de 27 g/tex de resistência, 27,9% com mais de 30 g/tex. Esses valores melhoraram para a atual safra de 2014, com 38,8% de fardos com mais de 30g/tex de resistência. Em relação ao Micronaire, na safra 2013, 46,6% dos fardos estavam no intervalo entre 3,8-4,2, enquanto essa porcentagem subiu para 57,5% em Micronaire abaixo de 3,6 e acima de 4,6 também apresentou uma redução de sua porcentagem entre as safras 2013 e 2014, o que é positivo. Já a porcentagem de fibras curtas (SFC), quando acima de 10%, começa a ser prejudicial para a comercialização. Em 2013, quase 6,8% dos fardos tinham SFC acima de 12%. Essa porcentagem aumentou para 14,7% em 2014.

7 Rodinei Frangiotti, coordenador do Grupo de Trabalho de Qualidade da ABRA- PA, apresentou o panorama da qualidade da fibra do algodão brasileiro, baseado nos resultados de análises de mais de fardos até novembro de 2013, por 7 laboratórios. Mais de 70% do algodão brasileiro é do tipo 31 ou 41. Para o comprimento da fibra, 82% da produção está acima de 1.3/32, sendo 51% acima de 37 Stapple. Esses histogramas demonstram que o algodão produzido no sul do MT, na região de Primavera do Leste e Campo Verde, apresenta qualidade igual ou superior à média do algodão brasileiro. Porém, o SFC parece superior na produção de algodão mato-grossense em relação à produção nacional. Talvez isso possa estar relacionado com as variedades plantadas, como a FM 975WS, que tem sido a variedade mais plantada, a partir da safra 2012/2013, em Mato Grosso. Visão da indústria: Em sua apresentação, a engenheira têxtil Vanessa Bellote, da Tavex S/A, falou sobre as complicações e dificuldades que aparecem em função dos diferentes tipos de contaminação presentes na fibra. No Brasil, a Tavex trabalha quase que exclusivamente com algodão brasileiro. Na oportunidade, ela apresentou os dados de lotes de algodão adquiridos pela empresa com pegajosidade no algodão, entre 2010 e 2014, sendo que a porcentagem de algodão pegajoso e recusado pela Tavex foi, respectivamente, de 9% (2010), 6% (2011), 2% (2012), 7% (2013) e 6% (2014). A pegajosidade da fibra é provocada pelas excreções dos pulgões ou moscas brancas, quando o capulho de algodão se encontra aberto no campo. Dos diversos tipos de açucares, seja depositado pelos insetos ou de origem fisiológica, só aqueles que apresentam ponto de fusão relativamente baixo (abaixo de 70 C) vão provocar pegajosidade na fiação, já que diversas partes das fiações esquentam, mas dificilmente acima dessas temperaturas. Por isso, o Trehalulose é um açúcar que provoca muita pegajosidade. Figura 4. Algodão pegajoso. (Foto: Jean Belot)

8 Tabela 4. Temperatura de fusão e de decomposição de diversos açúcares. Tipo de Açúcar Melting Point o C Decomposição o C Fructose Glucose Sucrose Trehalulose Melezitose Figura 5. Enrolamento de algodão nas cardas (A) ou maçaroqueiras (B). (Foto: Vanessa Bellote) (A) (B) O algodão pegajoso provoca depósitos do açúcares e enrolamento de fibras em diversas partes da indústria têxtil, como cardas, maçaroqueiras e fiadeiras, provocando: Mau andamento no processo de fiação; Perdas de rendimento e produção (paradas, rupturas, aumento dos ciclos de limpeza); Geração de defeitos nos fios. Devido à grande dificuldade, para a Tavex, de trabalhar com esse tipo de contaminação, a empresa realiza testes prévios com o Thermodetector H2SD e recusa qualquer carga com pegajosidade. Outro tipo de defeito na fibra, o algodão encarneirado, provocando preparação da fibra, é geralmente a consequência de problemas na colheita e/ou no beneficiamento do algodão. Testes realizados na Tavex mostraram que, para a indústria, o uso de algodão encarneirado pode representar um aumento significativo das perdas totais (trash, dust, fragmentos de fibras) durante o processo de fiação, gerando até 6% de perdas suplementares. A contaminação por bark (vestígios de caule) pode acontecer durante a colheita, quando as plantas são altas demais, ou nas algodoeiras, quando os pedaços de caule não são removidos antes de chegarem à etapa de descaroçamento. Na fiação, esses fragmentos de caule dificilmente são removidos e acabam sendo integrados ao fio, provocando fios irregulares. Além disso, algodões contaminados aumentam levemente o desperdício de matéria prima durante o processo de fiação. Foram descritos os principais problemas no recebimento dos fardos comerciais de fibra nas diversas fiações da empresa Tavex: Fardos com pesos e tamanho excessivos (270kg); Fardos com arames ou fitas trançados; Fardos parcialmente podres; Fardos com manchas de tintas usadas por corretores para marcar manualmente os fardos; Uso de carretas ômega ; Algodão sujo e/ou com cores. Por fim, foram apresentados alguns resultados de testes realizados em fios open-end, mostrando que tanto o comprimento como a

9 resistência da fibra têm reflexos significativos na qualidade do fio, evidenciando a importância das características HVI do algodão para a qualidade dos fios produzidos na indústria. Na sequência do Workshop foi apresentado o caso de uma indústria montada por produtores, por parte do engenheiro têxtil Antonio Marcos do Nascimento, gerente da fiação da Cooperfibra, que comentou sobre o desafio da confecção das misturas dentro de uma fiação de rotor. Cada fardo de fibra recebido na indústria apresenta características de tipo e de HVI diferentes das dos outros. Para o bom andamento da fiação, é muito importante ter misturas de fardo com qualidade parecida ao longo dos dias. Poucas indústrias no Brasil utilizam sistema informatizado para gerenciar os estoques de fardos e a elaboração dessas misturas. No caso da Cooperfibra, o uso desse tipo de software permitiu melhorar significativamente a produtividade da usina e a qualidade da produção, fornecendo misturas com uma variabilidade mínima ao longo do dia. Assim, a indústria consegue utilizar fardos de produtores que seriam difíceis de serem comercializados, além de trabalhar com estoques mais reduzidos de algodão. Essa indústria trabalha com a produção de fibra dos sócios da fiação. O sistema utiliza os dados de HVI fornecidos pela Cooperfibra, uma vez que todos os fardos desses produtores são classificados no mesmo laboratório HVI. A indústria da Cooperfibra é um exemplo muito bem sucedido, em que se agrega valor à fibra produzida pelos produtores de algodão de Campo Verde-MT. 4. As variedades e a qualidade intrínseca da fibra 4.1 Monitoramento da qualidade da fibra do MT O pesquisador do IMAmt Jean Louis Belot apresentou os primeiros dados obtidos na 1ª etapa do Projeto Qualidade da Fibra. Ele destacou que a qualidade da fibra é inicialmente elaborada no campo, sendo que a variedade irá definir o padrão geral de qualidade intrínseca da fibra. Muitas características da fibra têm determinismo genético importante, como comprimento, diâmetro da fibra e resistência. Porém, as condições de manejo e de clima irão interferir significativamente sobre elas, principalmente quando afetam a nutrição da planta e o depósito de celulose na fibra. Assim, a qualidade intrínseca da fibra produzida em um talhão pode ter uma variabilidade significativa, devido a essas interações entre a variedade e as condições de cultivo, inclusive dentro do talhão, apresentando diferenças nos fardos comerciais originários de fibra Figura 6. Fardos estourados ou manchados. (Foto: Vanessa Bellote) Figura 7. Linha de abertura numa fiação. (Foto: Antonio M. do Nascimento)

10 Tabela 5. Média das características HVI das amostras 2012/2013. Figura 8. Distribuição do comprimento (UHML-mm) das variedades nos diversos ambientes de Mato Grosso - Safra 2012/13. Figura 9. Distribuição da resistência (g/tex) das variedades nos diversos ambientes de Mato Grosso - Safra 2012/13. produzida dentro do mesmo talhão. No âmbito do Projeto de Qualidade do Algodão de Mato Grosso, o IMAmt está realizando anualmente um trabalho de levantamento da qualidade intrínseca da fibra para todas as variedades cultivadas e em todas as regiões produtoras do Estado, realizando uma amostragem de 20% dos talhões cultivados. Amostras de 1,5-2,5 kg são coletadas em talhões de produtores, em todos os núcleos da AMPA, representando ao redor de a amostras, anualmente. Essas amostras são descaroçadas em uma máquina de 20 serras na Estação Experimental do IMAmt em Primavera do Leste e a fibra é enviada para análise no laboratório HVI da Unicotton. A Tabela 5 apresenta os resultados das médias das características HVI por variedades para as amostras da safra 2012/2013. Essas médias permitem que se tenha uma ideia do valor médio de cada característica, por variedade, apesar de cada média ter sido obtida com um número diferente de amostras e produzidas em lavouras diferentes. Esses dados são, porém, insuficientes para se escolher adequadamente uma variedade, pois não fornecem informações sobre a variabilidade dos dados, isto é, a amplitude de variabilidade dessas características em função das condições de manejo. Histogramas de distribuição, como aqueles apresentados nas Figuras 8 a 11, permitem classificar melhor a estabilidade das variedades em relação à características de fibra. Esses dados de distribuição de características HVI serão complementados por uma análise da produção fardo a fardo de

11 diversas fazendas. Esse trabalho será possível graças à disponibilidade desses dados por parte dos produtores de diversas regiões de Mato Grosso, como os Grupos Bom Futuro, Bom Jesus, Falavinha, Scheffer e Vanguarda e os produtores Arilton Riedi e Otávio Palmeira. Os dados serão analisados e publicados de forma global, correlacionando as características agronômicas nas lavouras e a qualidade da fibra na comercialização. Alexandre Azevedo, do CETIQT/ SENAI, apresentou alguns resultados de um trabalho sobre Micronaire e Maturidade realizado em colaboração com o IMAmt. Entre 15 e 25 variedades são comercializadas a cada ano no estado de Mato Grosso. Cada uma dessas variedades apresenta valores de finura de fibra muito diferentes. Em consequência, os valores de Micronaire não podem oferecer informação consistente sobre finura/maturidade, sem conhecer a variedade de onde foi originada essa fibra. Certas variedades de fibra fina (FM 966) podem apresentar fibra madura com Micronaire abaixo de 3,6, enquanto variedades de fibras grossas (FMT 701) têm fibras imaturas quando o Micronaire fica abaixo de 3,8. Esse aspecto foi lembrado, oportunamente, pelo pesquisador Eric Hequet durante sua palestra, apoiando-se na Figura 12. Nessa figura, podemos ver que algodões de Micronaire 4,0 podem ter características de finura e maturidade totalmente diferentes. Infelizmente, muitos contratos comerciais são baseados em valores de Índice de Micronaire - IM, com a ausência de dados sobre a variedade, podendo ocorrer situações em que a indústria venha a ter problemas quando processar a fibra. O objetivo deste trabalho é de estabelecer uma metodologia de tingimento de pequenas amostras de fibra, a fim de permitir que se avalie, para cada variedade, a partir de qual valor de Micronaire a indústria pode começar a ter problemas no tingimento. O trabalho ainda é preliminar, não sendo possível, por enquanto, mostrar diferenças de pegamento de tinta em função do valor do Micronaire. A metodologia está sendo aprimorada visando melhorar a caracterização das diversas variedades cultivadas em Mato Grosso quanto ao tingimento. Figura 10. Distribuição do Índice de Fibras curtas (SFC-%) das variedades nos diversos ambientes de Mato Grosso - Safra 2012/13. Figura 11. Distribuição do Índice Micronaire das variedades nos diversos ambientes de Mato Grosso- Safra 2012/ Características intrínsecas da fibra de interesse da indústria: orientações para o melhoramento genético Em sua palestra, o pesquisador Eric Hequet também apresentou a evolução da indústria têxtil Figura 12. Valores de Micronaire em função da maturidade e da finura da fibra.

12 Figura 13. Importância das características da fibra para a indústria, em função do tipo de fiação. (Fotos: E.Hequet) Figura 14. Fibra madura (ao lado) e imatura (abaixo) em seção transversal. (Foto: E. Hequet - Texas Tech Un.) mundial e a necessidade de produzir fibra adaptada à fiação de anel com velocidade cada vez mais rápida, enfatizando a importância de algumas características da fibra. Primeiro, lembrou uma informação já bem conhecida: a importância relativa de cada característica HVI da fibra em função do tipo de fiação usado pela indústria têxtil, de anel, rotor ou de fricção (Figura 13). Para o mercado externo, em que a maior parte do parque industrial asiático é de fiação de anel, será importante produzir fibra com bom comprimento e resistência, além de finura. A maturidade da fibra tem papel importante. Ela é diretamente ligada à importância do depósito de celulose e da espessura da parede da fibra (Figura 14). A maturidade de uma fibra é essencial para definir sua resistência à ruptura, principalmente durante os processos de beneficiamento do algodão em caroço. Então, nessa hipótese, a maturidade estará diretamente ligada à distribuição do comprimento da fibra, com fibras mais ou menos quebradas nos processos de descaroçamento e limpeza de fibra. Assim, a distribuição do comprimento das fibras é tão ou mais importante que os valores dados pelo HVI. Mas somente é possível ter acesso a essa informação da distribuição de comprimento analisando-se a fibra com os aparelhos AFIS. No exemplo apresentado, três amostras de fardos comerciais de mesmo comprimento HVI (1,10 polegada) foram analisadas com AFIS, mostrando comprimentos de fibra muito diferentes (Figura 15). O algodão número 2 será muito melhor em fiação do que o algodão número 1, com muito mais fibras curtas. Essa análise consegue mostrar boa correlação entre o nível de maturidade da fibra e a redução da taxa de fibras curtas (quanto mais madura a fibra, menos ela quebra durante o beneficiamento) ou de resíduos em fiação de fio penteado. Dr. Eric Hequet chamou a atenção, também, para uma característica da fibra pouco valorizada, o alongamento Figura 15. Distribuição de comprimento de fibra em 3 algodões de mesmo UHML.

13 ( elongation ). Mostrou que, para a indústria, é possível produzir fio de mesma resistência com fibra de resistência menor, mas com alongamento maior. Apesar de diversos estudos mostrarem que existe uma correlação negativa entre resistência da fibra e alongamento, um trabalho com o programa de melhoramento genético da J. Dever (Texas A&M) evidenciou a possibilidade de se melhorar o alongamento da fibra usando o HVI. A melhora do alongamento irá proporcionar, indiretamente, uma redução das fibras curtas e, consequentemente, melhorias para a indústria (redução de perdas e aumento da qualidade do fio). Infelizmente, o sistema de comercialização internacional não permite que se valorize essa característica de alongamento. Uma fibra resistente e de alongamento baixo será vendida a um preço maior do que o de uma fibra menos resistente, mas de alongamento elevado. Nas suas conclusões, o pesquisador Hequet observou que, no caso do Brasil, país que se torna, cada vez mais, um grande exportador de fibra, teremos que produzir uma fibra de comprimento mínimo de 35 mm Stapple, uniforme em comprimento (de porcentagem reduzida de fibras curtas), resistente, fina e madura. As fibras curtas são, geralmente, fibras imaturas que quebraram durante os processos de beneficiamento do algodão; daí a importância da maturidade da fibra. Agrônomos e pesquisadores precisam unir esforços para aumentar cada vez mais a produtividade junto com a qualidade da fibra. 5. Qualidade na Colheita Figura 16. Capulhos colhidos com umidade acima da recomendada. (Fotos: Renildo Mion) Figura 17. Encarneiramento das fibras devido a problemas de manutenção no desfibrador. (Fotos Renildo Mion). O professor Renildo Luiz Mion, da Universidade Federal de Mato Grosso, campus de Rondonópolis, foi encarregado de conduzir trabalhos sobre a colheita do algodão para o Projeto Qualidade da Fibra, visando gerar dados objetivos, nas mais diversas condições de cultivo de Mato Grosso, a incidência da colheita sobre perdas durante a colheita e na qualidade (intrínseca e tipo) do algodão. No evento, ele apresentou os primeiros dados obtidos em ensaios realizados em agosto de Os valores de perdas totais apresentados na Tabela 6 estão abaixo do valor mínimo de perdas encontradas em diversos trabalhos realizados nos Estados Unidos e no Brasil, evidenciando a boa regulagem da colhedora testada, mesmo trabalhando com velocidade de 7 km.h-¹, que é considerada alta para o padrão da lavoura de algodão em que foram realizadas as avaliações. Destacamos que o maior valor de perdas, grifado em negrito na Tabela 6, ocorreu com 90% de maçãs abertas, no início da colheita (em torno de 8 horas da manhã). Nesta semana e neste horário, foi encontrado o maior valor de umidade da pluma de algodão (próximo de 10%), demonstrando que, nessas condições de umidade, o operador da máquina deve diminuir a velocidade de colheita para reduzir as perdas, bem como evitar problemas com embuchamento e retenção das Tabela 6. Perdas totais (%) em função de diferentes horários e semanas de colheita. Porcentagem de maçãs abertas (%) Semanas após desfolha PERDAS TOTAIS (%) Horários H1 (9h00) H2 (12h00) H3(17h00) ,46 4,06 3, ,93 4,46 4, ,33 3,02 3, ,09 2,54 5, ,09 2,54 5, ,61 4,87 4,07

14 plumas na planta. Essas observações estão em consonância com as recomendações sobre a umidade ideal de colheita disponíveis na literatura, nas quais pesquisadores observaram que a eficiência da colhedora é reduzida quando o algodão está úmido, além de causar danos às fibras. A umidade da fibra do algodão colhido mecanicamente não deve ser superior a 8%, de modo a não ocasionar encarneiramento, degradação das fibras, amarelecimento e manchas que podem ocorrer devido aos fungos. Alterações na cor são causadas por microrganismos que proliferam com o aumento da temperatura e umidade, sendo que isso pode ocorrer mesmo após a formação dos módulos. O algodão colhido com umidade superior a 16% sofrerá perdas mesmo que descaroçado imediatamente. O monitoramento de umidade deve ser constante, principalmente no início e no final do dia, ocasiões em que a umidade pode mudar abruptamente, em poucos minutos, principalmente à noite, devido à presença de orvalho, fazendo com que a temperatura seja reduzida rapidamente. O acompanhamento da umidade do algodão em caroço é essencial e, com o aumento do uso dos fardos em rolo, é necessária uma atenção especial, em função dessas novas características que podem influir na composição dos fardos comerciais. 6. Qualidade e prevenção de acidentes e incêndios em algodoeiras e fazendas Dentre as informações mais relevantes disponibilizadas até a presente data no âmbito do Aplicação de checklist de segurança do trabalho e prevenção de incêndios Janeiro a Dezembro de 2013 Aplicação de checklist de segurança do trabalho e prevenção de incêndios Janeiro a Outubro de 2014

15 Projeto Qualidade da Fibra, destacamos a maior atenção à prevenção de acidentes de trabalho e de incêndios nas mais de 100 Unidades de Beneficiamento de Algodão em operação no estado de Mato Grosso, que tem gerado melhor sinalização preventiva, atualizações, reformas e adequações nesses estabelecimentos. Nos gráficos da página anterior, pode-se observar o número de visitas realizadas para aplicação de check list de segurança do trabalho e prevenção de incêndios. Os dados são das safras 2012/2013 e 2013/2014. O recobrimento dos trabalhos do Projeto Qualidade da Fibra têm avançado a cada safra, sendo que na safra 2013/2014 a equipe de segurança do trabalho e prevenção de incêndios vai aplicar o check list em 100% das Unidades de Beneficiamento ativas em Mato Grosso. O check list é um acompanhamento detalhado de todas as etapas do beneficiamento do algodão realizadas nas Usinas de Beneficiamento, por meio do qual é indicado ao produtor se o estabelecimento atende à legislação vigente. No caso de inconformidades, é elaborada uma orientação na qual consta a NR (Norma Regulamentadora do Ministério do Trabalho e Emprego - MTE) ou a legislação do Corpo de Bombeiros, que regulamentam o assunto e que devem ser seguidas. Os treinamentos realizados pela equipe de técnicos de segurança do Projeto são programados e customizados em função das demandas dos produtores de algodão na área de segurança do trabalho e prevenção de incêndios. Geralmente, eles atendem às necessidades das Usinas de Beneficiamento referentes às constantes atualizações das NRs e da legislação do Corpo de Bombeiros. Trata-se de um procedimento rápido e objetivo para manter o segmento algodoeiro em conformidade com a legislação vigente. Realização de treinamento de integração de segurança Reserva técnica de incêndio - RTI Treinamentos nas algodoeiras conforme solicitação - Janeiro a Outubro de 2014 Conclusão do II Workshop da Qualidade Em razão da importância do Projeto de Qualidade da Fibra para a AMPA, foi decidido, em reunião realizada em setembro de 2014, dar continuidade à iniciativa por meio da elaboração e execução da segunda fase do projeto. A ideia é aperfeiçoar sua metodologia visando à obtenção de um maior número de informações objetivas, ampliando a ação transversal e promovendo maior integração com os produtores, colaboradores e Assessores Técnicos Regionais (ATRs) e com o Programa de Melhoramento de Algodão do IMAmt e com os novos Centros de Treinamento e Difusão de Tecnologia. Treinamentos nas algodoeiras conforme solicitação - Realizados x Beneficiários

16 REALIZAÇÃO APOIO FINANCEIRO

SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS A SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS ALGODOEIRAS

SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS A SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS ALGODOEIRAS SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS A SEGURANÇA DO TRABALHO E PREVENÇÃO DE INCÊNDIOS NAS ALGODOEIRAS OBJETIVOS Reduzir os índices de acidentes e de incêndios em Algodoeiras, atuando em conjunto

Leia mais

NOTA TÉCNICA. Amandio Pires Júnior 1, Sérgio Gonçalves Dutra 2, José Marcos de Lima 3, Maximillian Latorraca Barbosa 3 e Jean Louis Belot 4 Nº5 / 2016

NOTA TÉCNICA. Amandio Pires Júnior 1, Sérgio Gonçalves Dutra 2, José Marcos de Lima 3, Maximillian Latorraca Barbosa 3 e Jean Louis Belot 4 Nº5 / 2016 NOTA TÉCNICA Nº5 / 2016 Janeiro de 2016 Publicação de difusão científica e tecnológica editada pelo Instituto Mato-grossense do Algodão (IMAmt) e dirigida a profissionais envolvidos com o cultivo e beneficiamento

Leia mais

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento

Seção 2/D Cadeia de Fornecimento Seção 2/D Cadeia de Fornecimento www.bettercotton.org Orientação Esta seção descreve como a BCI criará um fardo 100% Better Cotton e conectará a oferta de Better Cotton com sua demanda, estabelecendo um

Leia mais

ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO

ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO Página 1506 ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTERÍSTICAS EM FASES INICIAIS DE MELHORAMENTO DO ALGODOEIRO João Luís da Silva Filho (Embrapa Algodão joaoluis@cnpa.embrapa.br), Murilo Barros Pedrosa (Fundação

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria.

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 1389. Desenvolvimento Agrícola-EBDA; 4 Cotton Consultoria. Página 1389 GENÓTIPOS DE ALGODÃO DE FIBRAS LONGAS NO SEMIÁRIDO DO VALE DO IUIU, SUDOESTE DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Osório Lima Vasconcelos

Leia mais

Palavras-chave: componentes principais, melhoramento do algodoeiro, análise gráfica.

Palavras-chave: componentes principais, melhoramento do algodoeiro, análise gráfica. Página 496 SELEÇÃO DE LINHAGENS COM CARACTERÍSTICAS ESPECIAIS, FIBRA LONGA, VIA ANÁLISE BIPLOT GENÓTIPOS X CARACTEÍSTICAS João Luís da Silva Filho (Embrapa Algodão joaoluis@cnpa.embrapa.br), Murilo Barros

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 113. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 18 A 31 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 113 1 A utilização de tecnologias de aplicação como gotas oleosas, como UBV (Ultra Baixo Volume) e BVO

Leia mais

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO

ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 INTRODUÇÃO Página 1376 ENSAIOS DE ALGODOEIROS DE FIBRAS COLORIDAS NO VALE DO IUIU 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Osório Lima Vasconcelos 3 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Eleusio Curvelo Freire 4 ; Flávio Rodrigo Gandolfi

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL INFORMATIVO Nº 112. Este informativo não representa o endosso da AMPASUL para nenhum produto ou marca. PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO DE 20 DE ABRIL A 17 DE MAIO DE 2015 INFORMATIVO Nº 112 1 Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Na Região de Chapadão do Sul,

Leia mais

SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA

SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA SEJAMOS BEM VINDOS AO VI CBA DAMOS GRAÇAS A DEUS POR ESTARMOS REUNIDOS NA BUSCA DO CONHECIMENTO, PELO RENASCIMENTO E CONSOLIDAÇÃO DO ALGODÃO NO BRASIL. www.cetiqt.senai.br/ www.fbet.com.br/ VI CONGRESSO

Leia mais

PRECISAMOS INTENSIFICAR ESTUDOS E PESQUISAS NOS LABORATÓRIOS, NÃO BASTA SOMENTE CLASSIFICAR!

PRECISAMOS INTENSIFICAR ESTUDOS E PESQUISAS NOS LABORATÓRIOS, NÃO BASTA SOMENTE CLASSIFICAR! PRECISAMOS INTENSIFICAR ESTUDOS E PESQUISAS NOS LABORATÓRIOS, NÃO BASTA SOMENTE CLASSIFICAR! Professor Jorge José de Lima SENAI-Cetiqt E-mai- www.jorgealgodao.gmail.com www.jlima.cetiqt.senai.br EVOLUÇÃO

Leia mais

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES

ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES ANEXO I MINISTÉRIO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SERVIÇO NACIONAL DE PROTEÇAO DE CULTIVARES Requisitos Mínimos para Determinação do Valor de Cultivo e Uso de Algodão(Gossypium

Leia mais

Processamento do Algodão para a Produção Têxtil

Processamento do Algodão para a Produção Têxtil Processamento do Algodão para a Produção Têxtil Filipe Tonet Assad 1 (FECILCAM) filassad@hotmail.com João Batista Sarmento dos Santos Neto 2 (FECILCAM) neto.joaobss@hotmail.com Katherine Kaneda Moraes

Leia mais

CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS MERCADOS - 12

CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS MERCADOS - 12 ÍNDICE Introdução 05 CAPÍTULO I - BENEFICIAMENTO NO BRASIL E MS - 07 O Conteúdo 06 A História 07 O Beneficiamento 08 A Produção no Brasil e no MS 10 Conclusão 11 CAPÍTULO II - A QUALIDADE DA FIBRA E OS

Leia mais

Sanidade das Sementes

Sanidade das Sementes Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 Sanidade das Sementes Brasileiras de Algodão Palestrante: Wanderley K. Oishi Gerente de Produção-MDM Sementes de Algodão Ltda. Situação Atual da Cotonicultura Brasileira

Leia mais

LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS E MONITORAMENTO DE RESULTADOS EM ÁREAS DE CANA-DE-AÇÚCAR

LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS E MONITORAMENTO DE RESULTADOS EM ÁREAS DE CANA-DE-AÇÚCAR LEVANTAMENTO DE PLANTAS DANINHAS E MONITORAMENTO DE RESULTADOS EM ÁREAS DE CANA-DE-AÇÚCAR Consultoria e Projetos Agrícolas Ltda. Marcos A. Kuva, Eng. Agrônomo, Dr. Sede administrativa Rua Nicolino Filardi,

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

66 Circular. Técnica. Autores. Resultados de Ensaio HVI e Suas Interpretações (ASTM D-4605)

66 Circular. Técnica. Autores. Resultados de Ensaio HVI e Suas Interpretações (ASTM D-4605) 1 ISSN 0100-6460 66 Circular Técnica Campina Grande, PB Dezembro, 2002 Autores Ruben Guilherme da Fonseca, Engº Têxtil, B.Sc. Técnico de Nível Superior II da Embrapa Algodão. Rua Osvaldo Cruz, 1143, Centenário.

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2007/08

ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2007/08 ESTADO DO PARANÁ SECRETARIA DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL ANÁLISE DA CONJUNTURA AGROPECUÁRIA SAFRA 2007/08 A L G O D Ã O Elaboração: Eng. Agr. Mauricio Tadeu Lunardon

Leia mais

MANUAL DO SISTEMA OPERACIONAL COTONICULTOR. O Sinda é financiado com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão

MANUAL DO SISTEMA OPERACIONAL COTONICULTOR. O Sinda é financiado com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão MANUAL DO SISTEMA OPERACIONAL COTONICULTOR O Sinda é financiado com recursos do Instituto Brasileiro do Algodão A SERVIÇO DO COTONICULTOR BRASILEIRO Desde sua fundação, em 1999, a Abrapa vem se empenhando

Leia mais

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton

Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton 1 Seção 1 Visão Geral do Sistema Better Cotton www.bettercotton.org Orientação O documento a seguir proporciona uma visão geral do Sistema Better Cotton. Este sistema é formado por componentes interdependentes.

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ANO III / Nº 80 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 24 A 31 DE MARÇO DE 2014 ALERTA PARA O CONTROLE DO BICUDO DO ALGODOEIRO A presença do bicudo foi relatada e identificada

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL ANO III / Nº 70 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DE MATO GROSSO DO SUL RELATÓRIO SEMANAL DE 01 A 13 DE JANEIRO DE 2014 Este Relatório apresenta algumas informações negativas para a situação fitossanitária do algodão

Leia mais

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO:

ATENÇÃO. www.poscolheita.com.br. juarez@ufv.br ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: ATENÇÃO ESTA PALESTRA E OUTROS MATERIAIS IMPORTANTES PARA A PÓS-COLHEITA DO CAFÉ ESTÃO DISPONÍVEIS NO ENDEREÇO: www.poscolheita.com.br juarez@ufv.br CAFEICULTURA DE MONTANHA & CAFÉ COM QUALIDADE Tecnologias

Leia mais

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS

EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS EFEITO DO ARRANJO DE PLANTAS NO RENDIMENTO E QUALIDADE DA FIBRA DE NOVAS CULTIVARES DE ALGODOEIRO HERBÁCEO NO AGRESTE DE ALAGOAS Dacio Rocha Brito 1, Napoleão Esberard de Macêdo Beltrão 2, Jadson de Lira

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos.

Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. Otimiza o fluxo de ar, enquanto bloqueia os insetos. No mercado competitivo de hoje, há uma consciência crescente dos severos danos causados aos produtos agrícolas por pragas e insetos. Como resultado,

Leia mais

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária

Leia mais

ANÁLISE PROSPECTIVA DOS MERCADOS DA FIBRA DO ALGODÃO EM RELAÇÃO À QUALIDADE: O PONTO DE VISTA DA PRODUÇÃO E DO BENEFICIAMENTO

ANÁLISE PROSPECTIVA DOS MERCADOS DA FIBRA DO ALGODÃO EM RELAÇÃO À QUALIDADE: O PONTO DE VISTA DA PRODUÇÃO E DO BENEFICIAMENTO ANÁLISE PROSPECTIVA DOS MERCADOS DA FIBRA DO ALGODÃO EM RELAÇÃO À QUALIDADE: O PONTO DE VISTA DA PRODUÇÃO E DO BENEFICIAMENTO Joaquim Bento de Souza Ferreira Filho Professor Associado do Departamento de

Leia mais

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015.

Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015. Relatório mensal, por Núcleo Regional, referente ao desenvolvimento das lavouras de Goiás safra 2014/2015 levantamento divulgado em Agosto/2015. Núcleo 1: Matrinchã, Jussara e região (Artur Pagnoncelli).

Leia mais

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010

Metodologia. Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Público Alvo: Amostra: 500 entrevistas realizadas. Campo: 16 a 29 de Setembro de 2010 Metodologia Pesquisa Quantitativa Coleta de dados: Através de e-survey - via web Público Alvo: Executivos de empresas associadas e não associadas à AMCHAM Amostra: 500 entrevistas realizadas Campo: 16

Leia mais

Edição 44 (Abril/2014)

Edição 44 (Abril/2014) Edição 44 (Abril/2014) Cenário Econômico: Prévia da inflação tem maior alta desde janeiro de 2013 O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), considerado a prévia da inflação oficial,

Leia mais

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos

SECAGEM DE GRÃOS. Disciplina: Armazenamento de Grãos SECAGEM DE GRÃOS Disciplina: Armazenamento de Grãos 1. Introdução - grãos colhidos com teores elevados de umidade, para diminuir perdas:. permanecem menos tempo na lavoura;. ficam menos sujeitos ao ataque

Leia mais

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem

Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem Seção 2/E Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem www.bettercotton.org Orientação Text to go here O documento Monitoramento, Avaliação e Aprendizagem da BCI proporciona uma estrutura para medir as mudanças

Leia mais

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS

Sustentabilidade. Vanda Nunes - SGS Novas Tendências de Certificação de Sustentabilidade Vanda Nunes - SGS A HISTÓRIA DA SGS Maior empresa do mundo na área de testes, auditorias, inspeções e certificações. Fundada em 1878, na cidade de Rouen,

Leia mais

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ

REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ REGULAMENTO TÉCNICO DE IDENTIDADE E QUALIDADE DA MAÇÃ 1. OBJETIVO: este regulamento tem por objetivo definir as características de identidade e qualidade da maçã. 2. CONCEITOS: para efeito deste regulamento,

Leia mais

www.revistacultivar.com.br

www.revistacultivar.com.br www.revistacultivar.com.br Soja Maio 2015 03 Plano estratégico Na batalha travada a cada safra pelos produtores de soja contra a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a cultura, contar com tecnologia,

Leia mais

Festa de 15 anos da AMPA mistura história, emoção e solidariedade

Festa de 15 anos da AMPA mistura história, emoção e solidariedade Festa de 15 anos da AMPA mistura história, emoção e solidariedade Cerca de 500 pessoas, entre produtores rurais, representantes de outros elos da cadeia do algodão, dos demais segmentos do agronegócio

Leia mais

Análise estatística econômica do setor produtivo de algodão no Mato Grosso e Bahia

Análise estatística econômica do setor produtivo de algodão no Mato Grosso e Bahia 51 Análise estatística econômica do setor produtivo de algodão no Mato Grosso e Bahia Recebimento dos originais: 10/07/2012 Aceitação para publicação: 30/04/2013 André Luiz Marques Serrano Doutor em Economia

Leia mais

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação

Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda. Guia para iniciar a certificação Certificação de qualidade e sustentabilidade da Indústria têxtil e da moda Guia para iniciar a certificação EDITORIAL Os desafios do desenvolvimento sustentável ampliam a importância das iniciativas da

Leia mais

manual de beneficiamento do algodão Cuiabá/mt

manual de beneficiamento do algodão Cuiabá/mt manual de beneficiamento do algodão Cuiabá/mt manual de BENEFICIAMENTO AMPA - IMAmt 2014 INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO IMAmt Diretora Biênio - 2013/2014 Presidente: Milton Garbúgio Vice-presidente:

Leia mais

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM*

Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* Programa de Certificação de Alimentação Humana, Animal e de Produção de Sementes NÃO OGM* (*organismos geneticamente modificados) 1ª Edição - Novembro 2006 Programa de Certificação de Alimentação Humana,

Leia mais

REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE

REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE Página 256 REDUÇAO POPULACIONAL DO BICUDO DO ALGODEIRO (ANTHONOMUS GRANDIS) AO ADOTAR O PLANO ESTRATÉGICO DE CONTROLE Adriano Moraes Rezende¹ (Fundação Goiás /adrianomoares@fundacaogo.com.br), José Ednilson

Leia mais

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera*

IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO. (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* IRRIGAÇÃO DO ALGODOEIRO NO CERRADO BAIANO (ALGODÃO IRRIGADO NO CERRADO BAIANO) (ALGODÃO COM IRRIGAÇÃO COMPLEMENTAR NO CERRADO BAIANO) Pedro Brugnera* A história do algodão tecnificado no oeste da Bahia,

Leia mais

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO

AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT RESUMO AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE ALGODÃO HERBÁCEO EM ESPAÇAMENTO ESTREITO COM CLORETO DE MEPIQUAT Antonio César Bolonhezi (1), Edivaldo André Gomes (2) (1)UNESP-Ilha Solteira(SP) E-mail: bolonha@agr.feis.unesp.br.

Leia mais

Cap 6: Planejamento Inicial: Criando um Canal de Distribuição de Insumos

Cap 6: Planejamento Inicial: Criando um Canal de Distribuição de Insumos Cap 6: Planejamento Inicial: Criando um Canal de Distribuição de Insumos AGRODISTRIBUIDOR: O Futuro da Distribuição de Insumos no Brasil. São Paulo: Atlas, 2011. Org: Matheus Alberto Cônsoli, Lucas Sciencia

Leia mais

INSTITUIÇÃO EXECUTORA:

INSTITUIÇÃO EXECUTORA: FEDERAÇÃO DOS TRABALHADORES NA AGRICULTURA NO ESTADO DE MATO GROSSO 30 ANOS RELATÓRIO DO PROJETO DE APOIO AO DESENVOLVIMENTO DA CULTURA DO ALGODÃO PARA AGRICULTORES FAMILIARES DE MATO GROSSO Relatório

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 INTRODUÇÃO Página 1275 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ALGODÃO NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2008/09. 1 Murilo Barros Pedrosa 1 ; Camilo de Lelis Morello 2 ; Flávio Rodrigo Gandolfi Benites 2 ; Eleusio Curvelo Freire 3 ;

Leia mais

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas

Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Comercialização de Uvas X Congresso Brasileiro de Viticultura e Enologia 161 Mercado interno: a uva no contexto do mercado de frutas Gabriel Vicente Bitencourt de Almeida 1 Da mesma forma que botanicamente,

Leia mais

MINI-USINAS DE 50 E 20 SERRAS

MINI-USINAS DE 50 E 20 SERRAS Uberlândia - 13 a 16 de agosto de 2007 MINI-USINAS DE 50 E 20 SERRAS Odilon Reny Ribeiro Ferreira da Silva Pesquisador Embrapa Algodão COMÉRCIO DE ALGODÃO NO BRASIL : PEQUENAS PROPRIEDADES: GRANDES PROPRIEDADES:

Leia mais

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo

Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Implantação de unidades de observação para avaliação técnica de culturas de clima temperado e tropical no estado do Ceará Resumo Os polos irrigados do Estado do Ceará são seis, conforme relacionados: Baixo

Leia mais

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE

SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE SeGurança para produzir mais e melhor! Programa Qualidade Total: SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Autor: Eng. Agr., Dr. Mikael Neumann Ano: 2009 SILAGEM DE MILHO DE ALTA QUALIDADE Mikael Neumann 1 1

Leia mais

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013.

PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. ANO II / Nº56 PROGRAMA FITOSSANITÁRIO DO MS BALANÇO GERAL SAFRA 2012/2013 RELATÓRIO SEMANAL DE 23 A 30 DE SETEMBRO DE 2013. Uma safra inteira se passou desde o início dos trabalhos do Programa Fitossanitário

Leia mais

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta -

Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores químico e petroquímico: as características dos produtos determinam a logística correta - Setores onde um erro pode acarretar sérios danos ao meio ambiente, às pessoas e as próprias instalações

Leia mais

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho

Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho Sistema Agropecuário de Produção Integrada de Milho José Carlos Cruz 1, Israel Alexandre Pereira Filho 1, João Carlos Garcia 1, Jason de Oliveira Duarte 1, João Herbert Moreira Viana 1, Ivan Cruz 1, Rodrigo

Leia mais

MÓDULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Relatório das Oficinas de Campo sobre Rotinas Trabalhistas e Segurança do Trabalho (NR 31)

MÓDULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Relatório das Oficinas de Campo sobre Rotinas Trabalhistas e Segurança do Trabalho (NR 31) PROGRAMA DE GESTÃO ECONÔMICA, SOCIAL E AMBIENTAL DA SOJA BRASILEIRA. MÓDULO: QUALIDADE DE VIDA NO TRABALHO Relatório das Oficinas de Campo sobre Rotinas Trabalhistas e Segurança do Trabalho (NR 31) 2011

Leia mais

DIA DE CAMPO JOHN DEERE / NETAFIM

DIA DE CAMPO JOHN DEERE / NETAFIM DIA DE CAMPO JOHN DEERE / NETAFIM Fazenda Natal Igaraçu do Tietê - SP MARCO LORENZZO CUNALI RIPOLI Sugar Cane Business Unit Agosto / 2006 Ribeirão Preto, 21 de agosto de 2006. 1. Objetivo O objetivo do

Leia mais

Milho Período: 13 a 17/07/2015

Milho Período: 13 a 17/07/2015 Milho Período: 13 a 17/07/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,1507 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Milho Período: 11 a 15/05/2015

Milho Período: 11 a 15/05/2015 Milho Período: 11 a 15/05/2015 Câmbio: Média da semana: U$ 1,00 = R$ 3,0203 Nota: A paridade de exportação refere-se ao valor/sc desestivado sobre rodas, o que é abaixo do valor FOB Paranaguá. *Os preços

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

Palestras Scot Consultoria

Palestras Scot Consultoria Palestras Scot Consultoria índice palestras scot consultoria As melhores e mais fiéis informações de mercado vão até você temas 3 pecuária de corte e seus derivados temas 5 pecuária de leite e derivados

Leia mais

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014

BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 BOLETIM CUSTOS E PREÇOS Abril de 2014 Milho: Os preços no mercado brasileiro ficaram estáveis e até mesmo um pouco mais baixos em algumas praças. A incerteza dos produtores quanto à produtividade do milho

Leia mais

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013

SEBRAE. Reunião da Câmara Técnica T. da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Reunião da Câmara Técnica T da Silvicultura MAPA 20/08/2013 SEBRAE Análise do Ambiente Externo Demanda crises econômicas sucessivas; Legislação ambiental necessidade do CV ser proveniente de floresta

Leia mais

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas

A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas MATERIAL DE REFERÊNCIA: PROFESSOR SERGIO PASTL A busca da qualidade em proteção passiva contra fogo de estruturas metálicas A proteção passiva contra fogo em estruturas metálicas é relativamente recente

Leia mais

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES.

O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. O CEP COMO FERRAMENTA DE MELHORIA DE QUALIDADE E PRODUTIVIDADE NAS ORGANIZAÇÕES. Evandro de Paula Faria, Claudia Cristina de Andrade, Elvis Magno da Silva RESUMO O cenário competitivo exige melhoria contínua

Leia mais

Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas

Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas Qualidade do concreto em modelos de estacas escavadas Mauro Leandro Menegotto Universidade Comunitária da Região de Chapecó, Chapecó, Brasil, maurolm@unochapeco.edu.br Marcelo Alexandre Gusatto Universidade

Leia mais

REGIONAL CENTRO-OESTE

REGIONAL CENTRO-OESTE REGIONAL CENTRO-OESTE SOJA DESPONTA NO CENTRO-OESTE, REDUZINDO ÁREAS DE MILHO VERÃO E ALGODÃO A produção de soja despontou no Centro-Oeste brasileiro nesta safra verão 2012/13, ocupando áreas antes destinadas

Leia mais

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil

Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil Revista Ovinos, Ano 4, N 12, Porto Alegre, Março de 2008. Panorama Geral da Ovinocultura no Mundo e no Brasil João Garibaldi Almeida Viana 1 Os ovinos foram uma das primeiras espécies de animais domesticadas

Leia mais

FIEMT SENAI SENAI ALGODÃO

FIEMT SENAI SENAI ALGODÃO FIEMT SENAI SENAI ALGODÃO O SENAI - Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial - Departamento Regional de Mato Grosso, entidade de caráter privado, mantida e administrada pela Confederação Nacional da

Leia mais

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682

8º Congresso Brasileiro de Algodão & I Cotton Expo 2011, São Paulo, SP 2011 Página 682 Página 682 AVALIAÇÃO DO SISTEMA AGCELENCE NA CULTURA DO ALGODOEIRO NO SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO NO OESTE DA BAHIA *Cleiton Antônio da Silva Barbosa 1 ; Benedito de Oliveira Santana Filho 1 ; Ricardo

Leia mais

ALGODÃO. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000. www.conab.gov.

ALGODÃO. Conab Companhia Nacional de Abastecimento SGAS Quadra 901, Bloco A, Lote 69 70390-010 Brasília-DF Tel 61 3312 6000. www.conab.gov. ALGODÃO 1 - INTRODUÇÃO Djalma Fernandes de Aquino Considerando os vários tipos de fibras, de origem natural, artificial ou sintética, a pluma do algodão destaca-se como a mais importante matéria-prima

Leia mais

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski

USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA. Lisandra C. Kaminski USO DE SUBPRODUTOS PARA GERAÇÃO DE CALOR E ENERGIA Lisandra C. Kaminski Casca de café Estudo realizado em 2008, pelo agrônomo Luiz Vicente Gentil, da UnB. Pode ser uma excelente opção como substituição

Leia mais

Bayer Sementes FiberMax

Bayer Sementes FiberMax Bayer Sementes FiberMax Coord. Desenvolvimento Técnico Sementes FiberMax Planta Forte Sementes ao Botão Floral Semente: É um chip que carrega as características genéticas. Indutor de Produtividade. Características

Leia mais

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro

Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro Oportunidades de Mercado na Visão do Serviço Florestal Brasileiro - 2º Congresso Florestal do Tocantins - André Luiz Campos de Andrade, Me. Gerente Executivo de Economia e Mercados do Serviço Florestal

Leia mais

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008

Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Safra 2008 Primeira Estimativa Janeiro/2008 Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Secretaria de Produção e Agroenergia SPAE Departamento do Café DCAF Companhia Nacional de Abastecimento CONAB

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.01 9 de abril de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 6 Figuras Figura 1. Adoção da

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Versão Online Boletim No: 12 Outubro, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. PANORAMA Chuvas intensas no mês de setembro atrasaram a colheita de cana-de-açúcar nas principais

Leia mais

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015

TRIGO Período de 02 a 06/11/2015 TRIGO Período de 02 a 06//205 Tabela I - PREÇO PAGO AO PRODUTOR (em R$/60 kg) Centro de Produção Unid. 2 meses Períodos anteriores mês (*) semana Preço Atual PR 60 kg 29,56 35,87 36,75 36,96 Semana Atual

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a...

INNOVA. Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... INNOVA Soluções de software que capacitam os processadores de aves a... Maximizar o rendimento e a produtividade Estar em conformidade com os padrões de qualidade e garantir a segurança dos alimentos Obter

Leia mais

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO

ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo SEMEANDO O FUTURO ManeJo de Insetos na soja Intacta RR2 PRo A cultura da soja está exposta, durante gemmatalis (lagarta todo o seu ciclo, ao ataque de diferentes Pseudoplusia includens espécies de insetos. Esses insetos

Leia mais

Área de Algodão em Mato Grosso por Município 22 Variedades Mais Plantadas em Mato Grosso 23 CUSTO DE PRODUÇÃO 24 Quadro de Custos de Produção de

Área de Algodão em Mato Grosso por Município 22 Variedades Mais Plantadas em Mato Grosso 23 CUSTO DE PRODUÇÃO 24 Quadro de Custos de Produção de SUMÁRIO 1 PANORAMA INTERNACIONAL 3 Algodão Oferta e Demanda Mundial 3 FATORES INFLUENTES DA DEMANDA 4 FATORES ECONÔMICOS 4 FATORES POLÍTICOS 4 FATORES CLIMÁTICOS 4 Principais Países Produtores 5 Evolução

Leia mais

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT

A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT A TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO APLICADA AO AGRONEGÓCIO: Estudo sobre o sistema Agrogestor nas fazendas do Município de Sinop/MT Adriana Regina Redivo 1 Arlete Redivo 2 Cácio D. Três 3 Geraldo Alves Ferreira

Leia mais

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro.

Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do cafeeiro. Variabilidade espacial da resistência à penetração de um LATOSSOLO VERMELHO Distroférrico típico e sua relação com a produção do Taylor Lima de SOUZA 1 ; Diogo Santos CAMPOS 2 ; Adriano André LUIZ 3, Gustavo

Leia mais

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho

Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Práticas Agronômicas que Interferem na Produção de Silagem de Milho Engº Agrº Robson F. de Paula Coordenador Técnico Regional Robson.depaula@pioneer.com Silagem de qualidade começa no campo! E no momento

Leia mais

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II

Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade. Laboratório de Agricultura de Precisão II Geração e Interpretação de Mapas de Produtividade Laboratório de Agricultura de Precisão II A implantação de um sistema de Agricultura de Precisão implica em um ciclo fechado de tarefas Os usuários e pesquisadores

Leia mais

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2

Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Módulo 6 Estudos de Caso 1 e 2 Orientação para os Estudos de Caso Para a realização de uma auditoria é necessário que o auditor tenha conhecimentos teóricos e práticos e para que você obtivesse este conhecimento

Leia mais

Como o CERNE foi construído?

Como o CERNE foi construído? Por que CERNE? O movimento brasileiro de incubadoras vem crescendo a uma taxa expressiva nos últimos dez anos, alcançando uma média superior a 25% ao ano. Atualmente, as incubadoras brasileiras apóiam

Leia mais

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto

Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção. Prof. André Pedro Fernandes Neto Módulo 2/3: Automação nos Sistemas de Produção Prof. André Pedro Fernandes Neto Razões para Automatizar Alto custo de mão de obra Investimentos em máquinas que possam automatizar a produção com um custo

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Cadeia Agroindustrial de Citros

Cadeia Agroindustrial de Citros Cadeia Agroindustrial de Citros O impulso da citricultura no Brasil, especialmente em sua principal região produtora São Paulo -, deveu-se à instalação das indústrias de suco de laranja concentrado na

Leia mais

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013.

Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. Ano II 20 de maio de 2013. Relatório semanal de 13 a 20 de maio de 2013. A Ampasul participou do 11º Encontro dos cotonicultores da região de Paranapanema/SP e pode ver que naquela região os produtores

Leia mais

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer

Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer Cana de açúcar para indústria: o quanto vai precisar crescer A demanda crescente nos mercados interno e externo por combustíveis renováveis, especialmente o álcool, atrai novos investimentos para a formação

Leia mais

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010

PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 PORTARIA N 1.034, DE 26 DE OUTUBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, parágrafo único, inciso II, da Constituição, o

Leia mais

WP Board No. 980/05 Rev. 1

WP Board No. 980/05 Rev. 1 WP Board No. 980/05 Rev. 1 International Coffee Organization Organización Internacional del Café Organização Internacional do Café Organisation Internationale du Café 12 janeiro 2006 Original: inglês Projetos/Fundo

Leia mais

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas

20 de dezembro de 2010. Perguntas e Respostas Perguntas e Respostas Índice 1. Qual é a participação de mercado da ALL no mercado de contêineres? Quantos contêineres ela transporta por ano?... 4 2. Transportar por ferrovia não é mais barato do que

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS

DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 DIMENSIONAMENTO DE UM SISTEMA DE SECAGEM E ARMAZENAGEM DE GRÃOS Vinicius Calefi Dias 1 ; Jefferson

Leia mais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ. Caderno de informações gerais

PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ. Caderno de informações gerais PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ Caderno de informações gerais Propriedade Nome do Proprietário: Nome da Propriedade: Cidade: Telefone: ( ) Organização PIC a que pertence: Número de registro na PIC: Ano Agrícola:

Leia mais