Programa de Sustentabilidade Energética do Setor Cerâmico do Estado do Tocantins

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Sustentabilidade Energética do Setor Cerâmico do Estado do Tocantins"

Transcrição

1 Programa de Sustentabilidade Energética do Setor Cerâmico do Estado do Tocantins

2 Realização:

3 Objetivos do Programa: Geral: Buscar alternativas de queima para o setor, levando em consideração as potencialidades locais. Específicos: Queima com combustíveis alternativos. Ambiental: Redução de emissão de gases poluentes; Tramites facilitados e parcerias com órgãos ambientais; Contribuição na preservação do cerrado; Identificar potenciais projetos de MDL.

4 Social Melhoria da imagem do setor na sociedade; Geração de novos segmentos de renda, emprego e arrecadação. Comunidade mais envolvida e comprometida com o próprio bem estar (capacitações); Aplicação do Carbono Social. Financeiro Concorrência equilibrada; Fortalecimento econômico das empresas. Geração de Créditos de Carbono; Sustentabilidade energética.

5 Ações Previstas: Identificar a necessidade energética de 65 indústrias cerâmicas do estado; (já iniciada) Identificar potenciais tipos de combustíveis alternativos no estado, para substituir a lenha de cerrado na queima dos produtos; Realizar estudos de viabilidade técnica e econômica da implantação das alternativas identificadas; Identificar potenciais projetos de MDL dentro da cadeia produtiva das indústrias ceramistas do estado; Disseminar melhores práticas; (informativo) Criar o Fundo Florestal do Tocantins; Criar o Banco de Crédito Florestal do Estado do Tocantins.

6 ALGUNS RESULTADOS JÁJ ALCANÇADOS ADOS Identificar a necessidade energética de 65 indústrias cerâmicas do estado

7 1.0 Grau de Instrução dos Empresários: rios: Grau de Instrução 17% 3% 0% 17% Ensino fundamental incompleto Ensino fundamental completo Ensino médio incompleto Ensino médio completo 36% 27% Ensino superior incompleto Ensino superior completo Pós Graduação A coleta aponta uma predominância do ensino superior incompleto.

8 2.0 Idade Média M dos Empresários: rios: Idade Média dos Empresários 17% 10% 3% 17% 18 a a a a 49 30% 50 a 56 Acina de 56 23% Até o momento a pesquisa aponta que a maioria dos empresários rios possuem idade superior a 56 anos.

9 3.0 Cerâmica é a principal fonte de renda? Cerâmica é a Principal Fonte de Renda 10% Sim Não 90% A grande maioria dos empresários rios possui a cerâmica como sua principal fonte de sobrevivência.

10 4.0 Pessoas Ocupadas na Atividade Pessoas Ocupadas na Atividade 10% 3% 13% 20% Menos de a a a a 50 17% 37% Mais de 50 37% das empresas pesquisadas possuem entre 41 e 50 funcionários e 20% menos de 10 funcionários.

11 5.0 Combustível Utilizado na Queima: Combustível Utilizado na Queima 19% 0% 6% 0% 6% 69% Lenha nativa Casca de côco babaçu Lenha de reflorestamento Pó de serragem Casca de arroz Outro A lenha nativa ainda se destaca bastante com 69% das empresas apontando como sendo sua principal fonte energética.

12 6.0 Quantidade de lenha utilizada: Quantidade de Lenha Utilizada 0% 15% 7% 7% 0% 0% 41% Menos de 200m de 200 a 500m de 500 a 800m de 800 a 1100m de 1100 a 1400m de 1400 a 1700m de 1700 a 2000m 30% Acima de 2000m Como a utilização da lenha teve um destaque considerável no gráfico anterior, esse mostra que o volume utilizado ainda é muito grande, porém m as empresas que utilizam de 200 a 500m por mês, se destacam desta vez.

13 7.0 Orígem da Lenha: Orígem da Lenha 27% 4% Plantio próprio Lenha nativa Plantio de terceiros 69% O destaque nesse gráfico é o desmatamento de lenha nativa, que aponta que a grande maioria das empresas ainda precisam iniciar seus plantios.

14 8.0 Produção Média Mensal (milheiros) Produção Média Mensal (milheiros) 23% 6% 23% Abaixo de a a a % A produção das empresas não fugiu da expectativa, mantendo-se, em sua maioria, uma produção de 450 mil peças na média.

15 9.0 Possui Projeto de Reflorestamento Possui Projeto de Reflorestamento 32% Sim Não 68% Até o momento, os dados levantados apontam um percentual relativamente grande de empresas com projeto de reflorestamento em andamento. Seguramente,esse número deve baixar.

16 Informações: Clecivaldo Ribeiro -

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL

ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Garo Batmanian Especialista Senior de Meio Ambiente Setembro 28, 2011 Banco Mundial ECONOMIA DE BAIXO CARBONO SUSTENTABILIDADE PARA O SETOR DE MINERAÇÃO: CASO DA SIDERURGIA NO BRASIL Grande Consumidor

Leia mais

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia

O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia. Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia O Desenvolvimento da Agroenergia no Brasil: Plano Nacional de Agroenergia Manoel Vicente Bertone Secretário de Produção e Agroenergia Tema Estratégico Independência Energética Soberania e Segurança Nacional

Leia mais

Ilha do Bananal / Pium

Ilha do Bananal / Pium Ilha do Bananal / Pium Factsheet Tocantins, Brazil Sócio responsável: Data: Junho 2012 Contato: Instituto Ecológica Palmas, Brazil Factsheet Português English A capacidade de organizações da sociedade

Leia mais

Compense suas escolhas

Compense suas escolhas Casos Práticos/Programa Reduza e Compense CO2 Fevereiro de 2015 Compense suas escolhas Crédito: : Pisco Del Gaiso Funcionários da empresa Irmãos Fredi, um dos projetos apoiados pelo Programa Reduza e Compense

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Audiência Pública O PLANO DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO (PDA) E A AGÊNCIA DE DESENVOLVIMENTO DO MATOPIBA (MARANHÃO,

Leia mais

Pecuária sem desmatamento na Amazônia mato-grossense

Pecuária sem desmatamento na Amazônia mato-grossense Pecuária sem desmatamento na Amazônia mato-grossense Programa Novo Campo Em 2012, o Instituto Centro de Vida (ICV) decidiu enfrentar o desafio de testar, na prática, um novo modelo de pecuária para a Amazônia,

Leia mais

Serviços Técnicos e Gestão Ambiental no Agronegócio Diretoria de Agronegócios

Serviços Técnicos e Gestão Ambiental no Agronegócio Diretoria de Agronegócios 47º Café com Sustentabilidade - Febraban Pecuária Sustentável: Agentes financeiros como indutores de boas práticas Modelos de financiamento e investimento: incentivos à adoção de boas práticas socioambientais

Leia mais

Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais

Anais do 1º Simpósio Internacional de Arborização de Pastagens em Regiões Subtropicais 111 Demanda por lenha no Paraná: oportunidade para o sistema agrossilvipastoril Ives Clayton Gomes dos Reis Goulart 1, Gilson Martins 2, Emiliano Santarosa 3, Rogério Morcelles Dereti 4, Joel Penteado

Leia mais

Realização: Execução:

Realização: Execução: Realização: Execução: 1 INTRODUÇÃO PROMOTORES: SEBRAE/MS, REFLORE/MS, FAMASUL, FIEMS, BANCO DO BRASIL, GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL AVALIAÇÃO: O SETOR FLORESTAL É DE VITAL IMPORTÂNCIA PARA O

Leia mais

SINDICATO DA INDÚSTRIA CERÂMICA DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ E REGIÃO SINDICER AGLOMERADOS ECONÔMICOS DE BASE MINERAL EXPERIÊNCIA LOCAL

SINDICATO DA INDÚSTRIA CERÂMICA DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ E REGIÃO SINDICER AGLOMERADOS ECONÔMICOS DE BASE MINERAL EXPERIÊNCIA LOCAL SINDICATO DA INDÚSTRIA CERÂMICA DE SÃO MIGUEL DO GUAMÁ E REGIÃO SINDICER AGLOMERADOS ECONÔMICOS DE BASE MINERAL EXPERIÊNCIA LOCAL SINDICER - SMG, 2012 1 APL DA INDÚSTRIA DE CERÂMICA VERMELHA DE SÃO MIGUEL

Leia mais

Cadeia Produtiva da Silvicultura

Cadeia Produtiva da Silvicultura Cadeia Produtiva da Silvicultura Silvicultura É a atividade que se ocupa do estabelecimento, do desenvolvimento e da reprodução de florestas, visando a múltiplas aplicações, tais como: a produção de madeira,

Leia mais

PARECER Nº, DE Relator: Senador JORGE VIANA I RELATÓRIO

PARECER Nº, DE Relator: Senador JORGE VIANA I RELATÓRIO PARECER Nº, DE 2016 Da COMISSÃO DE MEIO AMBIENTE, DEFESA DO CONSUMIDOR E FISCALIZAÇÃO E CONTROLE, em decisão terminativa, sobre o Projeto de Lei do Senado (PLS) nº 428, de 2015, do Senador Valdir Raupp,

Leia mais

ENTENDENDO RISCO 2012. Convivência Sustentável com a Semiaridez: ação para a conservação ambiental com inclusão social um desafio à compreensão.

ENTENDENDO RISCO 2012. Convivência Sustentável com a Semiaridez: ação para a conservação ambiental com inclusão social um desafio à compreensão. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Secretaria de Extrativismo e Desenvolvimento Rural Sustentável Departamento de Combate à Desertificação ENTENDENDO RISCO 2012 Convivência Sustentável com a Semiaridez: ação

Leia mais

AS FLORESTAS NO MUNDO

AS FLORESTAS NO MUNDO AS FLORESTAS NO MUNDO ÁREA - Naturais = 3,682 bilhões ha (95%) - Plantadas = 187 milhões ha (5%) - Total = 3,869 bilhões ha (100%) SUPRIMENTO DE MADEIRA - Naturais = 65% - Plantadas = 35% - Total = 100%

Leia mais

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA EIXO 4 PLANEJAMENTO E GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Disciplina: D.4.6. Gestão, Avaliação e Revisão do PPA (20h) (Caso 2: Piloto do Monitoramento do PPA 2012-2015 - Programa Mudanças Climáticas) Professor:

Leia mais

Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil

Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil Sustentabilidade Energética e Projetos de MDL no Brasil Jacqueline Barboza Mariano Superintendência de Planejamento e Pesquisa III Seminário de ARIAE Junho de 2008, Cartagena de Índias, Colômbia O Papel

Leia mais

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015

Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Apresentando a Ibá... PAPEL PISO LAMINADO PAINÉIS DE MADEIRA CELULOSE PRODUTORES INDEPENDENTES BIOMASSA PARA ENERGIA Uma associação com valores intrínsecos de desenvolvimento

Leia mais

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações.

A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. A responsabilidade socioambiental é uma preocupação global, fundamental para a qualidade de vida das futuras gerações. Levando em considerações os aspectos sociais, econômicos e ambientais, o Sistema Federação

Leia mais

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea

Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Fortalecimento do extrativismo sustentável: a participação do Ipea Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada Júlio César Roma Técnico de Planejamento e Pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas

Leia mais

Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA

Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA Os Mecanismos de Rastreabilidade na Cadeia Produtiva Brasileira Ações do MAPA Caio Tibério Dornelles da Rocha Secretário de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo Ministério da Agricultura, Pecuária

Leia mais

Forest Stewardship Council FSC Brasil. Certificação Florestal FSC

Forest Stewardship Council FSC Brasil. Certificação Florestal FSC Certificação Florestal FSC O FSC é uma organização independente, não governamental, sem fins lucrativos, criada para promover o manejo florestal responsável ao redor do mundo Missão Difundir e facilitar

Leia mais

Início e Estruturação

Início e Estruturação CRÉDITOS DE CARBONO Início e Estruturação Convenção - Quadro das Nações Unidas sobre a Mudança Climática (UNFCCC, em inglês), durante a ECO-92, no Rio de Janeiro; 1997 Protocolo de Quioto no Japão, critérios

Leia mais

RECURSOS REEMBOLSÁVEIS

RECURSOS REEMBOLSÁVEIS Histórico: Linha do tempo 2011 2012 2013 2014 Resolução 4008/2011 BACEN Repasse R$200MM (dez) Programa Fundo Clima no BNDES Lançamento oficial 13/02 no BNDES TJLP + PSI Repasse R$360MM Resolução 4267/2013

Leia mais

Diversificação para a sustentabilidade da produção

Diversificação para a sustentabilidade da produção Diversificação para a sustentabilidade da produção Introdução O aumento populacional mundial e a inserção de novos contingentes no mercado consumidor têm gerado crescente demanda mundial por matérias-primas,

Leia mais

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso. Paulo Moraes Ozaki

Clusters de etanol de milho em Mato Grosso. Paulo Moraes Ozaki Clusters de etanol de milho em Mato Grosso Paulo Moraes Ozaki Índice Dados gerais do projeto Métodos Análise de mercado Análise dos arranjos (Clusters) Viabilidade econômica Aspectos sociais Aspectos ambientais

Leia mais

Consolidação do Sistema de Unidades de Conservação de Mato Grosso. Instituto Centro de Vida ICV. Brasil

Consolidação do Sistema de Unidades de Conservação de Mato Grosso. Instituto Centro de Vida ICV. Brasil Consolidação do Sistema de Unidades de Conservação de Mato Grosso utilizando instrumentos de REDD Instituto Centro de Vida ICV Brasil Localização Introducción al Contexto Consolidação do Sistema de UCs

Leia mais

POTENCIALIDADES DA CAATINGA

POTENCIALIDADES DA CAATINGA POTENCIALIDADES DA CAATINGA João Luiz da Silva* A caatinga ocupa uma área de mais de 800.000km², atingindo todos os estados do Nordeste incluindo também parte do norte de Minas Gerais. A vegetação da caatinga

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Mecanismos Financeiros para a Biodiversidade

Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Mecanismos Financeiros para a Biodiversidade Desenvolvimento Sustentável da Amazônia Mecanismos Financeiros para a Biodiversidade Manaus, Junho de 2010 New Orleans- 2005 Amazonas - 2005 165 billion 9 Movimento das chuvas no planeta Biodiversidade,

Leia mais

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015

Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma. Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 Apresentação AHK Comissão de Sustentabilidade Ecogerma Eng. Francisco Tofanetto (Gerente de Engenharia) São Paulo, 01 de Outubro 2015 LANXESS Porto Feliz Uma importante unidade da área de produção de IPG

Leia mais

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica.

170 mil motivos para comemorar. 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170 mil motivos para comemorar 27 de maio dia da Mata Atlântica. 170.000 mudas plantadas conheça a história Sumário Anterior Próximo No dia da Mata Atlântica, 170 mil motivos para comemorar No dia 27 de

Leia mais

Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal

Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal Panorama do Setor Florestal O que tem sido feito na esfera do Governo Federal Carlos Fabiano Rozindo Cardoso Coordenador de Monitoramento e Controle Florestal José Humberto Chaves Coordenador Geral de

Leia mais

Receitas e Projetos Receitas e Projetos

Receitas e Projetos Receitas e Projetos Receitas e Projetos - 1999 FONTE 21,300.00 Fundação Francisco Recuperação de áreas degradadas da mata atlântica. Elaboração de banco de dados, registro e documentação e calendário 1999. 4,542.52 Stadt

Leia mais

PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO?

PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO? PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO? II SEMINÁRIO DA CADEIA PRODUTIVA DA MADEIRA Eng. Ftal. Flavio Sérgio Mendes Lages, 22 de Setembro de 2005 SIM, PLANTAR PINUS É UM BOM NEGÓCIO. Quais as premissas que foram

Leia mais

EN Energia, meio ambiente e sociedade

EN Energia, meio ambiente e sociedade EN-2425 Energia, meio ambiente e sociedade Impactos ambientais da energia João Moreira UFABC Sumário Principais impactos ambientais das fontes de energia Principais critérios de avaliação dos impactos

Leia mais

Caracteriza-se pelo aumento de uma taxa de forma constante por uma unidade de tempo; 2x2 = 4x4 = 16x16 = 256x256 = x =

Caracteriza-se pelo aumento de uma taxa de forma constante por uma unidade de tempo; 2x2 = 4x4 = 16x16 = 256x256 = x = ECOLOGIA, POLÍTICA E SUSTENTABILIDADE 1 Crescimento exponencial Caracteriza-se pelo aumento de uma taxa de forma constante por uma unidade de tempo; Esse crescimento é enganoso; 2x2 = 4x4 = 16x16 = 256x256

Leia mais

Balanço de carbono na produção de tabaco, em Jorge Augusto Rodrigues julho 2010

Balanço de carbono na produção de tabaco, em Jorge Augusto Rodrigues julho 2010 Balanço de carbono na produção de tabaco, em 2009.. Jorge Augusto Rodrigues julho 2010 Balanço de CO2 e. 2009 Histórico - Area plantada 88.518 ha - Considerados 38.766 produtores / 3 estados (PR, SC, RS)

Leia mais

AGRICULTURA E ALIMENTOS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL DE ALIMENTOS

AGRICULTURA E ALIMENTOS PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL DE ALIMENTOS AGRICULTURA E ALIMENTOS 2017 BR PRODUÇÃO E CONSUMO SUSTENTÁVEL DE ALIMENTOS Produção e Consumo Sustentável de Alimentos Em parceria com a FAO e Embrapa, criamos a iniciativa #SemDesperdício com o intuito

Leia mais

CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NO BRASIL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NO BRASIL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS NO BRASIL: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Alice Frantz Schneider, alice.afs@gmail.com Mestranda em Engenharia de Produção na Escola Politécnica da USP Marco Aurélio de Mesquita,

Leia mais

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira

Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira Programa de Gestão Econômica, Social e Ambiental da Soja Brasileira 1. Por que acreditamos no Soja Plus? 2. Como produziremos grandes resultados? 3. O que já realizamos em 2011? 4. O que estamos realizando

Leia mais

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes

ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTO PRODUTIVO Oportunidade para as pequenas empresas Bom negócio para as grandes ENCADEAMENTOS PRODUTIVOS COMPETITIVIDADE SUSTENTABILIDADE INOVAÇÃO PRODUTIVIDADE CADEIA DE VALOR APRESENTAÇÃO O

Leia mais

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP

Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP Edson Vidal Prof. Manejo de Florestas Tropicais ESALQ/USP PRINCIPAIS ECOSSISTEMAS CAATINGA 844 Mil Km 2 (9,9%) Território Brasileiro = 9,9% Nordeste = 55,6% Cobertura Atual 30% Fonte: IBAMA 2002 Elaboração:

Leia mais

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis

WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL. Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis WORKSHOP MODELAGEM CLIMÁTICA E A TERCEIRA COMUNICAÇÃO NACIONAL Experiências de Estudos de Impactos das Mudanças de Clima nas Energias Renováveis Energia Dimensões da Energia Tecnológica Física Energia

Leia mais

Reunião do CCT e COPILs dos projetos PCFPO e PETRA. Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste

Reunião do CCT e COPILs dos projetos PCFPO e PETRA. Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste Levantamento Técnico-Econômico do setor florestal no Mato Grosso e região Noroeste O IPAM Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) Organização científica, sem fins lucrativos; Fundada em 1995;

Leia mais

Restauração da vegetação e a mitigação de mudanças do clima

Restauração da vegetação e a mitigação de mudanças do clima Restauração da vegetação e a mitigação de mudanças do clima Princípios e recomendações para o Brasil Foto: Alba Orli de Oliveira Cordeiro O Workshop Restauração da Vegetação e Mitigação de Mudanças do

Leia mais

Análise do potencial de oferta e demanda de CRA em Mato Grosso. Brasília, 25/03/2014

Análise do potencial de oferta e demanda de CRA em Mato Grosso. Brasília, 25/03/2014 Análise do potencial de oferta e demanda de CRA em Mato Grosso Brasília, 25/03/2014 O que é o ICV OSCIP com sede em Cuiabá-MT, fundada em 1991 Missão: Construir soluções compartilhadas para a sustentabilidade

Leia mais

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil

Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Programa ABC Plano Setorial de Mitigação e de Adaptação às Mudanças Climáticas visando à Consolidação de uma Economia de Baixa Emissão de Carbono na Agricultura

Leia mais

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO

Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO Financiamento de Paisagens Sustentáveis: Acre, Brasil RESUMO EXECUTIVO A parceria do UFF inclui ONGs, institutos de setores de salvaguarda ambiental e social, peritos do sector financeiro e consultores

Leia mais

Nove áreas temáticas do programa

Nove áreas temáticas do programa Nove áreas temáticas do programa Com base no Plano de Ação FLEGT da União Europeia, a gerência do programa estabeleceu nove áreas temáticas apoiadas pelo programa. Sob cada tema, há uma lista indicativa

Leia mais

Biodiesel no Vale do Paraíba: a Jatrophacomo agente do desenvolvimento sustentável

Biodiesel no Vale do Paraíba: a Jatrophacomo agente do desenvolvimento sustentável Biodiesel no Vale do Paraíba: a Jatrophacomo agente do desenvolvimento sustentável Willian J. Ferreira Getulio T. Batista will.ferreira@hotmail.com getulio@agro.unitau.br Apresentar um panorama geral do

Leia mais

Projeto Futuro Mais Verde

Projeto Futuro Mais Verde Projeto Futuro Mais Verde Resumo Executivo A questão da responsabilidade ambiental tem sido um dos assuntos mais relevantes nas empresas do setor sucroenergético e as usinas da COFCO Agri também se interessam

Leia mais

Published on Relatorio Natura 2013 (http://www.relatoweb.com.br/natura/13)

Published on Relatorio Natura 2013 (http://www.relatoweb.com.br/natura/13) Published on Relatorio Natura 2013 (http://www.relatoweb.com.br/natura/13) Home > Mudanças climáticas Mudanças climáticas Natura reduz um terço das emissões Em 2006, para cada quilo de produto faturado

Leia mais

A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção?

A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção? A biodiversidade ameaçada no Brasil: como garantir a sua proteção? José Maria Cardoso da Silva & Adriano Paglia Conservação Internacional-Brasil Biodiversidade no Brasil Biodiversidade em vários níveis

Leia mais

TEMA A Atividade Florestal como Alternativa de Renda para o Pequeno Produtor Rural da Metade Sul do RS.

TEMA A Atividade Florestal como Alternativa de Renda para o Pequeno Produtor Rural da Metade Sul do RS. TEMA A Atividade Florestal como Alternativa de Renda para o Pequeno Produtor Rural da Metade Sul do RS. OBJETIVO PRINCIPAL Estudar a atividade florestal como alternativa de renda para o pequeno produtor

Leia mais

Ana Paula Moreira da Silva

Ana Paula Moreira da Silva A atual infraestrutura de sementes e mudas de espécies florestais nativas pode atender às novas expectativas da demanda por restauração florestal no Brasil? Ana Paula Moreira da Silva Como nasceu a pesquisa?

Leia mais

Projeto de lei para florestas plantadas no Rio Grande do Sul

Projeto de lei para florestas plantadas no Rio Grande do Sul SECRETARIA DA AGRICULTURA E PECUÁRIA CÂMARA SETORIA DA CADEIA PRODUTIVA DE FLORESTAS PLANTADAS Projeto de lei para florestas plantadas no Rio Grande do Sul Congresso Florestal Nova Prata Maio 2015 Migração

Leia mais

POLITICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Vigência: 01/07/2015 a 30/06/2016 Abrangência: CORPORATIVO Macroprocesso/ Processo:

POLITICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Vigência: 01/07/2015 a 30/06/2016 Abrangência: CORPORATIVO Macroprocesso/ Processo: POLITICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Vigência: 01/07/2015 a 30/06/2016 Abrangência: CORPORATIVO Macroprocesso/ Processo: Executivo /Gerir a Comunicação. MANUAIS VINCULADOS CÓD./ORG.

Leia mais

Prof. Gonçalo Rendeiro

Prof. Gonçalo Rendeiro UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA GRUPO DE ENERGIA, BIOMASSA & MEIO AMBIENTE 2º SEMINÁRIO ESTUDANTIL SOBRE ENERGIAS RENOVÁVEIS E EFICIÊNCIA ENERGÉTICA

Leia mais

INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO FESTIVAL DAS CATARATAS 2017

INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO FESTIVAL DAS CATARATAS 2017 INVENTÁRIO DE GASES DE EFEITO ESTUFA DO FESTIVAL DAS CATARATAS 2017 Realização SUMÁRIO APRESENTAÇÃO2 1. IDENTIFICAÇÃO4 2. DADOS DO INVENTÁRIO4 3. EMISSÕES5 4. COMPENSAÇÕES E COMPARAÇÕES6 5. CONCLUSÕES7

Leia mais

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO

ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO ANEXO-UNDER 2 ESTADO DE MATO GROSSO CARACTERIZAÇÃO DO ESTADO O estado de Mato Grosso está localizado na região Centro-Oeste do Brasil, fazendo fronteira com os estados do Pará e Amazonas ao norte, Mato

Leia mais

Projetos de créditos carbono Premium com biomassa renovável no Nordeste do Brasil

Projetos de créditos carbono Premium com biomassa renovável no Nordeste do Brasil Projetos de créditos carbono Premium com biomassa renovável no Nordeste do Brasil SETEMBRO 2017 QUEM SOMOS A Sustainable Carbon é líder na América Latina na geração de créditos de carbono premium, no desenvolvimento

Leia mais

Diretrizes Ambientais do Grupo Fiat

Diretrizes Ambientais do Grupo Fiat Diretrizes Ambientais do Grupo Fiat Preliminares Enquanto Grupo, estamos conscientes do impacto que as nossas atividades e os nossos produtos têm sobre a sociedade e sobre o meio ambiente, bem como nosso

Leia mais

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território

O que é um APL? Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Atividade produtiva predominante. Mesmo território O que é um APL? O que é um APL? Um Arranjo Produtivo Local se caracteriza por: Conjunto significativo de empresas com vínculo entre si: Associação Empresarial Entidade ou Governo Instituição de Ensino

Leia mais

Programa Sustentabilidade Rede

Programa Sustentabilidade Rede Programa Sustentabilidade Rede Desenvolvimento sustentável não é um tema novo para a Fiat. Atenta ao seu importante papel ocupado na sociedade e para a redução dos impactos socioambientais causados pela

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta* Introdução

Integração Lavoura-Pecuária-Floresta* Introdução Integração Lavoura-Pecuária-Floresta* Introdução O aumento populacional mundial e a inserção de novos contingentes no mercado consumidor tem gerado crescente demanda mundial por matérias-primas, alimentos,

Leia mais

Florestal Santa Maria S/A

Florestal Santa Maria S/A Florestal Santa Maria S/A Foco: Sustentabilidade (...) parâmetro que reflete a capacidade do meio continuar cumprindo com as suas diversas funções em níveis que garantam às gerações futuras a oportunidade

Leia mais

INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA BRASILEIRA: SEUS IMPACTOS NO DESMATAMENTO EVITADO, NA PRODUÇÃO DE CARNE E NA REDUÇÃO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA

INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA BRASILEIRA: SEUS IMPACTOS NO DESMATAMENTO EVITADO, NA PRODUÇÃO DE CARNE E NA REDUÇÃO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA INTENSIFICAÇÃO DA PECUÁRIA BRASILEIRA: SEUS IMPACTOS NO DESMATAMENTO EVITADO, NA PRODUÇÃO DE CARNE E NA REDUÇÃO DE EMISSÕES DE GASES DE EFEITO ESTUFA Coordenador: Eduardo Assad (Embrapa-CNPTIA) Equipe

Leia mais

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz

II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz Não é possível exibir esta imagem no momento. II Seminário Governança de Terras e Desenvolvimento Econômico Cases Unidade Aracruz 1 Longo e grave histórico de conflitos( ES e BA ) Relacionamento com comunidades

Leia mais

Sistematização TEMA: ACOMPANHAMENTO DAS UNIDADES DE REFERÊNCIA EM SEDA

Sistematização TEMA: ACOMPANHAMENTO DAS UNIDADES DE REFERÊNCIA EM SEDA Sistematização TEMA: ACOMPANHAMENTO DAS UNIDADES DE REFERÊNCIA EM SEDA EIXO: UMA VISÃO DE REALIDADE DO SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SEDA COMO OPÇÃO DE RENDA E MELHORIA DA QUALIDADE DE VIDA DAS FAMÍLIAS Oswaldo

Leia mais

É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica

É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica É POSSÍVEL TER SUCESSO NA PRODUÇÃO DO ALGODÃO NÃO BT? Eng.º Agr.º Ezelino Carvalho GBCA / EQUIPE Consultoria Agronômica 10º Congresso Brasileiro de Algodão Foz do Iguaçu - PR, Setembro/2015 OBJETIVOS Discutir

Leia mais

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas.

Apresentar alternativas compensatórias a estas medidas. SUSTENTABILIDADE DOS FUNDOS CONSTITUCIONAIS DE FINANCIAMENTO: efeito das medidas excepcionais necessárias frente à manutenção do patrimônio dos Fundos Constitucionais de Financiamento. Discutir os efeitos

Leia mais

AQUISIÇÃO RESPONSÁVEL DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Guia Prático para as Construtoras. Lilian Sarrouf

AQUISIÇÃO RESPONSÁVEL DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Guia Prático para as Construtoras. Lilian Sarrouf AQUISIÇÃO RESPONSÁVEL DE MADEIRA NA CONSTRUÇÃO CIVIL Guia Prático para as Construtoras Lilian Sarrouf Objetivo: Disseminar boas práticas e informações voltadas para processos produtivos eficientes e sustentáveis

Leia mais

Brasil submete suas INDCs à Convenção do Clima

Brasil submete suas INDCs à Convenção do Clima Edição nº 69 Outubro 215 submete suas INDCs à Convenção do Clima A vigésima Conferência das Partes da Convenção das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 2) foi uma etapa essencial no processo negociador

Leia mais

Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS)

Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS) Análise dos impactos socioeconômicos e ambientais do complexo minero-siderúrgico de Mato Grosso do Sul (CMS-MS) André Carvalho Deborah Baré Hubner Mario Monzoni FGV-EAESP Centro de Estudos em Sustentabilidade

Leia mais

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri

Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil. Carlos Clemente Cerri Mitigação dos gases do efeito estufa pelo agronegocio no Brasil Carlos Clemente Cerri PLANO DE APRESENTAÇÃO Aquecimento global Opções de mitigação Redução do desmatamento Pecuária Reflorestamento Agricultura

Leia mais

Inventário de Gases de Efeito Estufa GEE Festival de Turismo das Cataratas 2016

Inventário de Gases de Efeito Estufa GEE Festival de Turismo das Cataratas 2016 Apresenta: Inventário de Gases de Efeito Estufa GEE Festival de Turismo das Cataratas 2016 Nome da instituição: De Angeli Feiras & Eventos Tipo de instituição: Promotora de Evento Setor econômico: Turismo

Leia mais

Seja bem-vindo! Conheça nosso plano de negócio!

Seja bem-vindo! Conheça nosso plano de negócio! Você está preste a conhecer um novo conceito de trabalho fundamentado em marketing de relacionamento, rede de cooperação baseado na economia solidária, capaz de melhorar a qualidade de vida em nosso planeta,

Leia mais

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA

ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA ESCOLA SENAI CELSO CHARURI CFP 5.12 PROGRAMA DE RECUPERAÇÃO DE MATA NATIVA PROGRAMA Nº 05/ 2014 SENAI-SP. Projeto desenvolvido pelo CFP 5.12 Escola SENAI Celso Charuri. 5ª edição, revisão e atualização

Leia mais

Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015

Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015 Apresentação de sugestões para o Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas Audiência Pública 19/11/2015 Nossa expectativa com a criação do Marco Regulatório do Transporte Rodoviário de Cargas

Leia mais

FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto

FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto FICHA PROJETO - nº199-ma Mata Atlântica Pequeno Projeto 1) TÍTULO: Estudos para a criação de UC com objetivo de proteger e regulamentar o uso sustentável dos recursos naturais nas áreas ocupadas pelas

Leia mais

Registro neste Plenário, com tristeza, os índices de desmatamento da Amazônia anunciados ontem pelo Governo Federal.

Registro neste Plenário, com tristeza, os índices de desmatamento da Amazônia anunciados ontem pelo Governo Federal. Pronunciamento da Deputada Perpétua Almeida sobre o acréscimo do desmatamento na Amazônia. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados. Registro neste Plenário, com tristeza, os índices de desmatamento

Leia mais

Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias

Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias Histórico da Quantificação do Desmatamento no Estado do Amapá e busca de novas tecnologias Secretaria de Estado do Meio Ambiente Coordenadoria de Geoprocessamento e Tecnologia da Informação Ambiental -

Leia mais

Pesquisador da Embrapa Florestas

Pesquisador da Embrapa Florestas -A CADEIA PRODUTIVA DAS FLORESTAS Edson Tadeu Id Iede- Pesquisador da Embrapa Florestas - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária- EMBRAPA Criada em 26/04/1973 Tecnologias para a agricultura brasileira:

Leia mais

Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013

Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013 Gestão da Qualidade Total para a Sustentabilidade 2013 Há três dimensões que apoiam a construção de conhecimento aplicável para empresas e seus gestores formando a base para o desenvolvimento de ferramentas

Leia mais

Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar

Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar Resultados do Programa Ambiental SETRERJ Programas Despoluir e Economizar Crescimento da frota atendida 2765 28% 2896 2970 3453 3550 2007 2008 2009 2010 2011 Avaliações anuais Despoluir e Economizar O

Leia mais

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE JUIZ DE FORA

FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE JUIZ DE FORA FACULDADE ESTÁCIO DE SÁ DE JUIZ DE FORA Marisa Magalhães Ulhoa Rafael de Carvalho Corrêa Roseane Luzia Cancela Corrêa GESTÃO AMBIENTAL E SUSTENTANBILIDADE ORGANIZACIONAL BANCO BRADESCO Juiz de Fora 2009

Leia mais

II Seminário de Prevenção, Controle e Combate aos Incêndios Florestais - 2016

II Seminário de Prevenção, Controle e Combate aos Incêndios Florestais - 2016 II Seminário de Prevenção, Controle e Combate aos Incêndios Florestais - 2016 Os projetos Poço de Carbono Florestal Peugeot-ONF e PETRA: O potencial da Fazenda São Nicolau! Cleide Arruda - M.Sc., Eng.

Leia mais

25 fábricas (Chile, Brasil, Peru, Uruguai, Colômbia, México, Equador e Argentina);

25 fábricas (Chile, Brasil, Peru, Uruguai, Colômbia, México, Equador e Argentina); Fundado em 1920, o grupo CMPC Compañia Manufacturera de Papeles y Cartones é pioneiro na fabricação de celulose e papel no Chile; 25 fábricas (Chile, Brasil, Peru, Uruguai, Colômbia, México, Equador e

Leia mais

Programa Municípios Sustentáveis

Programa Municípios Sustentáveis Programa Municípios Sustentáveis Objetivo geral: Promover o desenvolvimento sustentável dos municípios da Amazônia Mato-grossense, através do fortalecimento da economia local, da melhoria da governança

Leia mais

QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR)

QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR) AQUECIMENTO GLOBAL QUEIMA DE COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS EMISSÃO DOS GEE ( RETENÇÃO DE CALOR) CHINA GRANDE EMISSÃO DO GEE DEZ SINAIS DE ALARME DO AQUECIMENTO GLOBAL AUMENTO DO NÍVEL DOS OCEANOS TUVALU refugiados

Leia mais

Fórum Regional do Espírito Santo 3ª Reunião dos Coordenadores dos Fóruns Regionais 4 de agosto de Salvador, BA

Fórum Regional do Espírito Santo 3ª Reunião dos Coordenadores dos Fóruns Regionais 4 de agosto de Salvador, BA Fórum Regional do Espírito Santo 3ª Reunião dos Coordenadores dos Fóruns Regionais 4 de agosto de 2006 - Salvador, BA Unidade de Negócio de Exploração e Produção do Espírito Santo Fórum Regional do Espírito

Leia mais

CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO. Plano de Trabalho

CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO. Plano de Trabalho CÂMARA TÉCNICA DE FRANGO Plano de Trabalho Março de 2016 PROGRAMA OESTE EM DESENVOLVIMENTO CÂMARA TÉCNICA DE AVES-FRANGO DE CORTE CONTEXTUALIZAÇÃO: A Câmara Técnica de Frango (CTF) do Programa Oeste em

Leia mais

Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd.

Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales. Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd. Viveiros Forestales como oportunidad de agronegocios en comunidad rurales Severino Rodrigo Ribeiro Pinto, Phd. Processo Chave Source: Carlos A. Peres The Amazon region Processo Chave Source: Rhett A.

Leia mais

Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável

Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável Fortalecendo o mercado de seguros para um desenvolvimento sustentável Confederação Nacional de Seguros São Paulo 15 de Setembro Francisco Gaetani Secretário Executivo do Ministério do Meio Ambiente A Nova

Leia mais

Mais da metade das indústrias utilizam serviços terceirizados TERCEIRIZAÇÃO: FERRAMENTA ESSENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS TOCANTINENSES

Mais da metade das indústrias utilizam serviços terceirizados TERCEIRIZAÇÃO: FERRAMENTA ESSENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS TOCANTINENSES Sondagem Industrial Especial - Palmas TO Ano VII, N 1 Julho de 2017 TERCEIRIZAÇÃO: FERRAMENTA ESSENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO DAS INDÚSTRIAS TOCANTINENSES A terceirização nas indústrias é um recurso utilizado

Leia mais

Seminário Certificação e Fomento Florestal

Seminário Certificação e Fomento Florestal Programa Klabin Fomento Florestal Seminário Certificação e Fomento Florestal Diálogo Florestal Canoinhas SC Out 2012 Fomento Florestal Fomento Florestal tem o objetivo formar florestas produtivas em áreas

Leia mais

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO

GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO GEOGRAFIA - 1 o ANO MÓDULO 64 AS ALTERNATIVAS DO PLANETA TERRA E DA CIVILIZAÇÃO Fixação 1) (ENEM) Suponha que você seja um consultor e foi contratado para assessorar a implantação de uma matriz energética

Leia mais

Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica. Mario Pino. Março/2017

Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica. Mario Pino. Março/2017 Painel I - Adaptação às Mudanças do Clima e a Segurança Hídrica Mario Pino Março/2017 Seminário: Mudança do Clima e Segurança Hídrica Reflexos e Impactos para a Sociedade Introdução Passado Presente Futuro

Leia mais

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável

Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Os trechos em destaque encontram-se no Glossário. Dimensão Geral Critério I - Compromissos com o Desenvolvimento Sustentável Indicador 1 - Compromisso Fundamental 1. A empresa, por meio de sua alta administração,

Leia mais

REQUERIMENTO. (Do Sr. Vittorio Medioli) Senhor Presidente:

REQUERIMENTO. (Do Sr. Vittorio Medioli) Senhor Presidente: REQUERIMENTO (Do Sr. Vittorio Medioli) Requer o envio de Indicação ao Poder Executivo, relativa à redução de emissões de gases de efeito estufa. Senhor Presidente: Nos termos do art. 113, inciso I e 1

Leia mais

Relatório Plante Bonito Área: RPPN Cabeceira do Prata

Relatório Plante Bonito Área: RPPN Cabeceira do Prata Instituto das Águas da Serra da Bodoquena IASB Organização não governamental sem fins lucrativos, com caráter técnico, científico e ambiental, criado em Bonito/MS por proprietários rurais, empresários,

Leia mais