3/19/2013 EQUIPAMENTOS. Trator de lâmina D9T. Caminhão basculante. Escavadeira hidráulica

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3/19/2013 EQUIPAMENTOS. Trator de lâmina D9T. Caminhão basculante. Escavadeira hidráulica"

Transcrição

1 Universidade Federal da Paraíba Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil e Ambiental Laboratório de Geotecnia e Pavimentação Disciplina: Estradas e Transportes II TERRAPLENAGEM DE RODOVIAS (parte 1 de 2) Prof. Ricardo Melo EQUIPAMENTOS Trator de lâmina Escavo-transportador, moto-escavotransportador (motoscraper) Escavadeira hidráulica Caminhão basculante Moto-niveladora Rolo compactador (liso, de pneu, pés de carneiro, estático ou vibratórios) Grade de discos e caminhão pipa Trator de lâmina D9T Motoscraper (moto-escavotransportador) Potência: 346 KW Capacidade de arraste: 10 t Ríper (força de arrancamento): 330 KN Fonte: Caterpillar (2007) Potência: 200 kw Capacidade da caçamba: 30 m 3 Fonte: VEMAG (ano?) Escavadeira hidráulica Caminhão basculante Potência: 61 kw Capacidade da caçamba: 0,3 m 3 Fonte: Caterpillar (2007) Fonte: (2011?) 1

2 Motoniveladora Rolos compactadores Pé de carneiro Liso Peso operacional: 15t De pneus Potência: 190 kw Peso operacional: 21t Potência: 104 kw Peso (vazio): 13t Capacidade de arraste: 4t Fonte: Caterpillar (2007) Peso operacional: 10 a 27t Fonte: Melo, R. A. (2006) Grade de discos Caminhão-pipa Duplicação da BR-101/PB (abr/2006) Capacidade: l Fonte: Melo, R. A. (2006) Fonte: olx.com.br (2013) SELEÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM Análise dos fatores que exercem influência sobre o comportamento dos equipamentos SELEÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM Análise dos fatores que exercem influência sobre o comportamento dos equipamentos Possibilidade de várias configurações de frota, o que implica em critérios pessoais, econômicos e de cronograma 2

3 SELEÇÃO DOS EQUIPAMENTOS DE TERRAPLENAGEM Análise dos fatores que exercem influência sobre o comportamento dos equipamentos Possibilidade de várias configurações de frota, o que implica em critérios pessoais, econômicos e de cronograma Fatores que influem na escolha: Fatores naturais Fatores do projeto Fatores econômicos Fatores naturais Natureza do solo Características físicas: granulometria, resistência ao rolamento, capacidade de suporte, umidade natural e outras Retroescavadeira atolada ; (2010) Fatores naturais Natureza do solo Determinação de características físicas: granulometria, resistência ao rolamento, capacidade de suporte, umidade natural e outras Topografia do terreno Declividade x potência do equipamento Declividade x aderência do equipamento ao terreno Declividade x segurança da operação Fatores naturais Natureza do solo Determinação de características físicas: granulometria, resistência ao rolamento, capacidade de suporte, umidade natural e outras Topografia do terreno... Regime de chuvas A ocorrência de precipitação constitui-se em fator de paralisação da obra, redução da produtividade e aumento dos custos dos serviços Fatores de projeto Volume a ser movido: fator preponderante Grandes volumes: frota maior e de qualidade Menores volumes: frota com menor produtividade Fatores de projeto Volume a ser movido: fator preponderante Distância de transporte: principal fator (se analisado individualmente) Carga, descarga e manobras demandam reduzidas distâncias (tempo menor) Distâncias percorrida para transporte são maiores (tempo maior) 3

4 Frota de equipamentos de acordo com a distância de transporte Frota de equipamentos de acordo com a distância de transporte Fonte: [2011?] Fonte: [2011?] Frota de equipamentos de acordo com a distância de transporte Fatores econômicos Distância de transporte maior parcela no custo de produção Fonte: [2011?] Fatores econômicos Distância de transporte maior parcela no custo de produção O fator econômico deve estar associados aos outros fatores Fatores econômicos Distância de transporte maior parcela no custo de produção O fator econômico deve estar associados aos outros fatores Estimativa de produção e dos custos a partir do conhecimento de todas as variáveis, com o desempenho das equipes de trabalho 4

5 ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO DOS EQUIPAMENTOS ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO DOS EQUIPAMENTOS A estimativa de produção dos equipamentos de terraplenagem não é um processo preciso A estimativa de produção dos equipamentos de terraplenagem não é um processo preciso Experiências anteriores contribuem para melhorar as estimativas de produção ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO DOS EQUIPAMENTOS A estimativa de produção dos equipamentos de terraplenagem não é um processo preciso Experiências anteriores contribuem para melhorar as estimativas de produção Operações básicas realizadas pelos equipamentos Escavação ou corte Carga da caçamba Transporte Descarga e espalhamento Estimativa da produção dos equipamentos Ciclo é o conjunto de operações que um equipamento executa num certo lapso de tempo, voltando, em seguida, à posição inicial para recomeçá-las Estimativa da produção dos equipamentos Ciclo é o conjunto de operações que um equipamento executa num certo lapso de tempo, voltando, em seguida, à posição inicial para recomeçá-las Tempo de ciclo é o intervalo decorrido entre duas passagens consecutivos da máquina por qualquer ponto do ciclo Estimativa da produção dos equipamentos Ciclo é o conjunto de operações que um equipamento executa num certo lapso de tempo, voltando, em seguida, à posição inicial para recomeçá-las Tempo de ciclo é o intervalo decorrido entre duas passagens consecutivos da máquina por qualquer ponto do ciclo O ciclo do equipamento pode ser decomposto numa sequência de movimentos elementares (e tempos elementares) 5

6 Ciclo esquemático do motoscraper com o trator dando pusher Ciclo esquemático do motoscraper com o trator dando pusher Fonte: [2011?]; Edição 148 (2009); [2011?] Fonte: [2011?]; Edição 148 (2009); [2011?] Ciclo esquemático do motoscraper com o trator dando pusher Ciclo esquemático do motoscraper com o trator dando pusher Fonte: [2011?]; Edição 148 (2009); [2011?] Fonte: [2011?]; Edição 148 (2009); [2011?] Ciclo esquemático do motoscraper com o trator dando pusher Tempos elementares na operação do equipamento Tempo fixo (t f): tempo gasto ( constante ) para realização de carga, descarga e manobras Fonte: [2011?]; Edição 148 (2009); [2011?] 6

7 Tempos elementares na operação do equipamento Tempo fixo (t f): tempo gasto ( constante ) para realização de carga, descarga e manobras Tempo variável (t v): tempo que depende da distância percorrida pelo equipamento, carregado e descarregado Tempos elementares na operação do equipamento Tempo fixo (t f): tempo gasto ( constante ) para realização de carga, descarga e manobras Tempo variável (t v): tempo que depende da distância percorrida pelo equipamento, carregado e descarregado Tempo de parada(t p): tempo em que o equipamento está ocioso, por motivos de quebra, abastecimento, intervalo de descanso do operador entre outros Tempos de ciclo Tempo de ciclo mínimo (t c, mín): somatória de todos os tempos elementares, de que resulte o menor tempo de ciclo, em que a tarefa pode ser executada t c, mín = t f + t v Tempos de ciclo Tempo de ciclo mínimo (t c, mín): somatória de todos os tempos elementares, de que resulte o menor tempo de ciclo, em que a tarefa pode ser executada t c, mín = t f + t v Tempo de ciclo efetivo (t c, ef): tempo real gasto pelo equipamento para executar o ciclo de operação t c, ef = t f + t v + t p ou t c, ef = t c, mín + t p Empolamento e redução volumétrica Empolamento e redução volumétrica 7

8 Produção de um equipamento (fórmula básica) Q ef C 1 t c, mín Q ef = produção efetiva, medida no corte C = capacidade da caçamba, em volume solto 1 = fator de empolamento ou de conversão de volumes t c, mín = tempo de ciclo mínimo 1 E = coeficiente de rendimento da operação ou fator de eficiência E TERRAPLENAGEM - NORMAS DNIT-ES 104/09: Terraplenagem serviços preliminares DNIT-ES 105/09: Terraplenagem caminhos de serviço DNIT-ES 106/09: Terraplenagem cortes DNIT-ES 107/09: Terraplenagem empréstimos DNIT-ES 108/09: Terraplenagem aterros DNIT-ES 104/09: fixa as condições mínimas exigíveis para viabilização do início da execução das obras destinadas à implantação da rodovia Envolve serviços de: Exame do projeto de engenharia Execução de estudos técnicos e de serviços topográficos Execução de serviços preliminares (propriamente ditos) 3) Estradas de serviço e obras de arte provisórias 4) Estradas para tráfego local e/ou desvios 5) Consolidação dos terrenos de fundação 6) Locação Topográfica 7) Remanejamento da rede elétrica 8) Remoção de cercas, estruturas de madeira, de alvenaria e/ou de concreto 9) Desmatamento, destocamento e limpeza Dormitório/refeitório Depósito de materiais Usina de solo-cimento Central de abastecimento de veículos Fonte: Melo, R. A. (2006) Fonte: Trans-Bárbara (2005) 8

9 3) Estradas de serviço e obras de arte provisórias 3) Estradas de serviço e obras de arte... 4) Estradas para tráfego local e/ou desvios Fonte: Melo, R. A. (2008) Fonte: Melo, R. A. (2010) Consolidação dos terrenos de fundação (BR101-PB) 3) Estradas de serviço e obras de arte provisórias 4) Estradas para tráfego local e/ou desvios 5) Consolidação dos terrenos de fundação Escavação de solo mole Fonte: BR 101 Nordeste...; Melo, R. A. (2006) Consolidação dos terrenos de fundação (BR101-PB) Consolidação dos terrenos de fundação (BR101-PB) Colchão de areia Fonte: BR 101 Nordeste...; Melo, R. A. (2006) Geodreno Fonte: BR 101 Nordeste...; Melo, R. A. (2006) 9

10 Consolidação dos terrenos de fundação (BR101-PB) Escavação de solo mole Colchão de areia 3) Estradas de serviço e obras de arte provisórias 4) Estradas para tráfego local e/ou desvios 5) Consolidação dos terrenos de fundação 6) Locação Topográfica Geodreno Fonte: BR 101 Nordeste...; Melo, R. A. (2006) Locação topográfica Marcação de off-sets Adequação da Via Expressa Pe. Zé (dez/2006) Fonte: Melo, R. A. (2006) 3) Estradas de serviço e obras de arte provisórias 4) Estradas para tráfego local e/ou desvios 5) Consolidação dos terrenos de fundação 6) Locação Topográfica 7) Remanejamento da rede elétrica 3) Estradas de serviço e obras de arte provisórias 4) Estradas para tráfego local e/ou desvios 5) Consolidação dos terrenos de fundação 6) Locação Topográfica 7) Remanejamento da rede elétrica 8) Remoção de cercas, estruturas de madeira, de alvenaria e/ou de concreto 10

11 Remanejamento de rede elétrica e da cerca do CT/UFPB Adequação da Via Expressa Pe. Zé (dez/2006) Fonte: Melo, R. A. (2006) 3) Estradas de serviço e obras de arte provisórias 4) Estradas para tráfego local e/ou desvios 5) Consolidação dos terrenos de fundação 6) Locação Topográfica 7) Remanejamento da rede elétrica 8) Remoção de cercas, estruturas... 9) Desmatamento, destocamento e limpeza Desmatamento, destocamento e limpeza Derrubada, remoção da vegetação e destocamento: tratores de lâmina, motosserras, correntes... Desmatamento BR101 NE (2005) Desmatamento, destocamento e limpeza Derrubada... Retirada da camada de terra vegetal destocador ancinho ; Ricardo, H. S. e Catalani, G. (1990) ; Ricardo, H. S. e Catalani, G. (1990); remaq.com.br (2006) Desmatamento, destocamento e limpeza Derrubada... Retirada da camada de terra vegetal Remoção de blocos de rocha, pedras isoladas, matacões, entre outros INSPEÇÕES A fiscalização deve elaborar e cumprir o Programa de Inspeções, para exercer o controle externo da obra Etapas do Programa de Inspeções Controle de execução Verificação do produto ; INTECSA [ano?] Condições de conformidade e não-conformidade 11

12 Controle de execução Deve ser verificado se: A execução foi, na forma devida, formalmente autorizada pela fiscalização Controle de execução Deve ser verificado se: A execução foi, na forma devida, formalmente autorizada pela fiscalização Os serviços de desmatamento e limpeza apresenta defasagem com as tarefas de terraplenagem e se tem conformidade com a programação estabelecida Controle de execução Deve ser verificado se: A execução foi, na forma devida, formalmente autorizada pela fiscalização Os serviços de desmatamento e limpeza apresenta defasagem com as tarefas de terraplenagem e se tem conformidade com a programação estabelecida Todos os serviços estão sendo devidamente atendidos Verificação do produto Controle geométrico Levantamento topográfico e orientado pelo elementos geométricos Verificação do produto Controle geométrico Levantamento topográfico e orientado pelo elementos geométricos Tolerância de variação na largura da faixa a ser trabalhada de + 15 cm para cada lado do eixo, não sendo admitida variação negativa Verificação do produto Controle geométrico Feito por meio de levantamento topográfico... É admitida, como tolerância uma variação... Acabamento Controle qualitativo feito de forma visual 12

13 Verificação do produto Controle geométrico Feito por meio de levantamento topográfico... É admitida, como tolerância uma variação... Acabamento Controle qualitativo feito de forma visual A área superficial trabalhada deve estar isenta de matéria orgânica e/ou outros elementos Verificação do produto Controle geométrico Feito por meio de levantamento topográfico... É admitida, como tolerância uma variação... Acabamento Controle qualitativo feito de forma visual A área superficial trabalhada deve estar isenta... Atendimento ambiental De forma a atender a preservação ambiental Condições de conformidade e não- conformidade Devem ser inferidas a partir dos resultados obtidos no controle de execução e verificação do produto Serviço em conformidade: aceitação do serviço Serviço em não-conformidade Correção do serviço Verificação quanto à conformidade da norma: aceitação ou rejeição CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Desmatamento e destocamento de árvores Diâmetro < 15 cm: medição da área (m 2 ) Diâmetro 15 cm: medição por unidade *diâmetro medido a 1 m de altura do nível do terreno incluídos remoção, transporte, deposição, botafora e condicionamentos ambientais CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Desmatamento e destocamento de árvores Memória de cálculo dos quantitativos dos serviços Demonstrativos dos quantitativos de serviços executados Identificação em conformidade com estaqueamento do eixo da via e/ou relacionado às caixas de empréstimo CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Desmatamento e destocamento de árvores Diâmetro... Memória de cálculo dos quantitativos dos serviços Apropriação do custo de execução dos serviços Relativo aos serviços executados e de acordo com a unidade de controle (m 2 ou unidade destocada) 13

14 CRITÉRIOS DE MEDIÇÃO Desmatamento e destocamento de árvores Diâmetro... Memória de cálculo dos quantitativos dos serviços Apropriação do custo de execução dos serviços Relativo aos serviços executados... Metodologia de custos segundo o Manual de Composição de Custos Rodoviários do DNIT TABELA DE PREÇOS (DER-PB) Vigência: janeiro a março 2013 Fonte: DER-PB (2013) Dúvidas e/ou questões "Só podemos medir nossa força quando nos defrontamos com um obstáculo." Antoine de Saint-Exupery 14

Disciplina Vias de Comunicação II. Terraplenagem

Disciplina Vias de Comunicação II. Terraplenagem Disciplina Vias de Comunicação II Terraplenagem Terraplenagem ou movimento de terras Conjunto de operações necessárias para remover a terra dos locais em que se encontra em excesso para aqueles em que

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Especificação de Serviço Página 1 de 6 1. DEFINIÇÃO São segmentos da plataforma da via, cuja implantação requer o depósito de materiais, quer proveniente de cortes, quer de empréstimos, sobre o terreno

Leia mais

MEIOS FIOS, SARJETAS E SARJETÕES

MEIOS FIOS, SARJETAS E SARJETÕES MEIOS FIOS, SARJETAS E SARJETÕES Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Dezembro de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 012 Rev.00 12/2015 ES 012 Rev0 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO

COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO E006 Motoniveladora - (103 kw) 1,00 0,55 0,45 152,81 22,39 94,12 E007 Trator Agrícola - (74kW) 1,00 0,52 0,48 64,25 17,27 41,70 E013 Rolo Compactador - pé de carneiro autop. 11,25t vibrat - (82kW) 1,00

Leia mais

TERRAPLANAGEM EXECUÇÃO DE ATERROS Especificação Particular

TERRAPLANAGEM EXECUÇÃO DE ATERROS Especificação Particular TERRAPLANAGEM EXECUÇÃO DE ATERROS Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Dezembro de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 108 Rev.00 12/2015 ES 108 Rev0 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

Terraplenagem Equipamentos para a construção rodoviária, aeroportuária e ferroviária

Terraplenagem Equipamentos para a construção rodoviária, aeroportuária e ferroviária Terraplenagem Equipamentos para a construção rodoviária, aeroportuária e ferroviária Prof. José Tadeu Balbo Laboratório de Mecânica de Pavimentos Universidade de São Paulo Equipamentos de Terraplenagem

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 05/2016 Atualização: 06/2016 GRUPO ATERRO

Leia mais

Cat. Garras de Demolição e Classificação. Escavadeiras Hidráulicas. Americas South

Cat. Garras de Demolição e Classificação. Escavadeiras Hidráulicas. Americas South Cat Garras de Demolição e Classificação Escavadeiras Hidráulicas Americas South Se você está procurando por uma maneira rápida e produtiva de manusear materiais...que seja confiável e de fácil manutenção...

Leia mais

DERSA - DESENVOLVIMENTO RODOVIÁRIO S.A. ET-Q0/016. Cortes. São Paulo, 1997.

DERSA - DESENVOLVIMENTO RODOVIÁRIO S.A. ET-Q0/016. Cortes. São Paulo, 1997. TÍTULO ESPECIFICÇÃO TÉCNIC mar/2006 1 de 11 ESCVÇÃO E CRG DE MTERIL ÓRGÃO DIRETORI DE ENGENHRI PLVRS-CHVE Escavação. Cortes. Carga. PROVÇÃO PROCESSO PR 010969/18/DE/2006 DOCUMENTOS DE REFERÊNCI DERS -

Leia mais

DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS

DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS DIMENSIONAMENTO DE MÁQUINAS Principais forças de atuação no movimento das máquinas Forças favoráveis: Esforço motor (E R ); Assistência de rampa. Forças desfavoráveis: Resistência de rampa; Resistência

Leia mais

PROJETO DE TERRAPLENAGEM

PROJETO DE TERRAPLENAGEM PROJETO DE TERRAPLENAGEM C A D E I A D E J O V E N S E A D U L T O S A e B Estrada do Capão Grande Várzea Grande / MT Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Estado de Mato Grosso - SEJUDH Setembro

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E QUANTITATIVO DE MATERIAIS PROJETO DE TERRAPLENAGEM

MEMORIAL DESCRITIVO E QUANTITATIVO DE MATERIAIS PROJETO DE TERRAPLENAGEM MEMORIAL DESCRITIVO E QUANTITATIVO DE MATERIAIS PROJETO DE TERRAPLENAGEM RESPONSÁVEL: CREA: EDIANIR BONATH 5063825690-SP CONTRATANTE: OBRA: LOCAL: UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL BAHIA - UFSB UFSB CAMPUS JORGE

Leia mais

AULA 07: COMPACTAÇÃO DOS SOLOS (EQUIPAMENTOS E COMPACTAÇÃO EM CAMPO) Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos

AULA 07: COMPACTAÇÃO DOS SOLOS (EQUIPAMENTOS E COMPACTAÇÃO EM CAMPO) Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos AULA 07: COMPACTAÇÃO DOS SOLOS (EQUIPAMENTOS E COMPACTAÇÃO EM CAMPO) Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos TIPOS DE COMPACTAÇÃO EM CAMPO ESTÁTICA Compressão rolo liso Amassamento rolo pé de carneiro

Leia mais

SEMINÁRIO. - Trabalho Escrito: 10,0 pontos. - Apresentação: 10,0 pontos. AV1 Atividades escritas AV2 - Seminário AV3 Trabalho Escrito AV4 Apresentação

SEMINÁRIO. - Trabalho Escrito: 10,0 pontos. - Apresentação: 10,0 pontos. AV1 Atividades escritas AV2 - Seminário AV3 Trabalho Escrito AV4 Apresentação SEMINÁRIO AV1 Atividades escritas AV2 - Seminário AV3 Trabalho Escrito AV4 Apresentação TEMA: Equipamentos de transporte vertical (gruas, empilhadeiras, guindastes, esteiras rolantes, elevadores, etc.)

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá/RS SETOR DE SERViÇOS URBANOS

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prefeitura Municipal de Boa Vista do Buricá/RS SETOR DE SERViÇOS URBANOS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA: PAVIMENTAÇÃO C/PEDRAS IRREGULARES DE BASALTO LOCAL: RUA ABC, RUA DAS FLORES, RUA DAS ROSEIRAS MUNICíPIO: BOA VISTA DO BURlCi - RS ÁREA PAVIMENTAÇÃO: 5096,80 m 2 e 1012 m de Meio-fio.

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE

UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE UTILIZAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM NO DRENO SUBSUPERFICIAL DA RODOVIA PE-60, NO TRECHO ENTRE O ACESSO A SUAPÉ A CIDADE DE SERINHAÉM - PE Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. Marçal

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II

Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Universidade do Estado de Mato Grosso Engenharia Civil Estradas II Classificação de Materiais e Equipamentos Generalidades Ciclo de Operações Classificações dos Materiais Classificação dos Equipamentos

Leia mais

EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM

EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM EXECUÇÃO DOS SERVIÇOS DE TERRAPLENAGEM Operações básicas da terraplenagem Escavação: é um processo empregado para romper a compacidade do solo em seu estado natural tornando possível o seu manuseio. Carga

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO BUEIROS CELULARES DE CONCRETO Grupo de Serviço DRENAGEM Código DERBA-ES-D-010/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço tem por objetivo definir e orientar a execução de bueiros

Leia mais

Mecânica dos Solos III COMPACTAÇÃO NO CAMPO. Maio de 2012

Mecânica dos Solos III COMPACTAÇÃO NO CAMPO. Maio de 2012 Mecânica dos Solos III COMPACTAÇÃO NO CAMPO Maio de 2012 Compactação no campo O grau de compactação é função de vários fatores, entre eles: 1 - Espessura das camadas 2 - Área sobre a qual é aplicada a

Leia mais

TERRAPLANAGEM EXECUÇÃO DE CORTES Especificação Particular

TERRAPLANAGEM EXECUÇÃO DE CORTES Especificação Particular TERRAPLANAGEM EXECUÇÃO DE CORTES Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Dezembro de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 106 Rev.00 12/2015 ES 106 Rev0 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA O TRAÇADO DE UMA ESTRADA Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 2 Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 3 Projeto de uma estrada Projeto geométrico Projeto de terraplenagem Pavimentação

Leia mais

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE.001 2 1/ Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO

Leia mais

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA

O TRAÇADO DE UMA ESTRADA O TRAÇADO DE UMA ESTRADA Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 2 Projeto de uma estrada O traçado de uma estrada 3 Projeto de uma estrada Projeto geométrico Projeto de terraplenagem Pavimentação

Leia mais

DER/PR ES-P 25/05 PAVIMENTAÇÃO: CONTENÇÃO LATERAL DE PAVIMENTOS

DER/PR ES-P 25/05 PAVIMENTAÇÃO: CONTENÇÃO LATERAL DE PAVIMENTOS DER/PR ES-P 25/05 PAVIMENTAÇÃO: CONTENÇÃO LATERAL DE PAVIMENTOS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax

Leia mais

Aula 03 Estabilização Granulométrica. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1

Aula 03 Estabilização Granulométrica. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS Aula 03 Estabilização Granulométrica Eng. Civil

Leia mais

Características Técnicas

Características Técnicas ARADO SIMPLES PND3 Arado montado com disco IPA3 foi projetado para lidar com o solo a uma profundidade de 25 a 30 cm. Em solos secos duros e com a presença de raízes de árvores. Tipo montado Largura, m

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA

PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA PREFEITURA MUNICIPAL DE CURITIBA Especificação de Serviço 1. Página 1 de 5 DEFINIÇÃO São caixas intermediárias que se localizam ao longo da rede para permitir modificações de alinhamento, dimensões, declividades

Leia mais

Aula 02 COMPACTAÇÃO DO SOLO. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1

Aula 02 COMPACTAÇÃO DO SOLO. Eng. Civil Augusto Romanini (FACET Sinop) Sinop - MT 2016/1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL TÉCNICAS DE MELHORAMENTO DE SOLOS Aula 02 COMPACTAÇÃO DO SOLO Eng. Civil Augusto

Leia mais

PLANILHA CONTRATUAL VIGENTE - RECOPA

PLANILHA CONTRATUAL VIGENTE - RECOPA 1. MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO 8.550.312,46 1.1 MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DE PESSOAL PESS 70,000 1.778,00 124.460,00 1.2 MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO DE EQUIPAMENTOS VG 40,000 22.225,00 889.000,00

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO PAVIMENTAÇÃO DE DRENAGEM NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO PAVIMENTAÇÃO DE DRENAGEM NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS DE PROJETO PAVIMENTAÇÃO DE DRENAGEM NA AVENIDA ORESTES BAIENSE E REVITALIZAÇÃO DAS RUAS ADJACENTES PRESIDENTE KENNEDY - ES MEMORIAL DESCRITIVO CADERNO Nº 02 Memorial Descritivo

Leia mais

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES DAER-RS INSTRUÇÕES DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS GEOTÉCNICOS IS-101/94 1. OBJETIVO Os Estudos Geotécnicos tem como objetivo a obtenção dos dados geotécnicos do subleito da rodovia projetada, empréstimos

Leia mais

Serviços preliminares de construção. Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria

Serviços preliminares de construção. Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria Serviços preliminares de construção Tecnologia das Construções Profª. Bárbara Silvéria Atividades prévias que devem ser realizadas antes da construção de um edifício: Verificação da disponibilidade de

Leia mais

ATERRO SOBRE SOLOS COMPRESSÍVEIS

ATERRO SOBRE SOLOS COMPRESSÍVEIS ATERRO SOBRE SOLOS COMPRESSÍVEIS Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Dezembro de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 105 Rev.00 12/2015 ES 105 Rev0 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

Gestão Ambiental da BR-116

Gestão Ambiental da BR-116 Gestão Ambiental da BR-116 Lista de verificação das Pedreiras Mês de atividade: Julho/2014 Lote: 1 Nome da pedreira: P-2 Licença de Operação n 1237/2014 Data de emissão: 11/04/2014 Data de vencimento:

Leia mais

Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra

Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra Universidade Regional do Cariri URCA Pró Reitoria de Ensino de Graduação Coordenação da Construção Civil Disciplina: Estradas II Elementos de terraplenagem Cálculo de volumes Movimento de terra Renato

Leia mais

NRM - Normas Regulamentadoras da Mineração - Especificidade na Indústria de Areia e Brita NRM 02. Lavra a Céu Aberto

NRM - Normas Regulamentadoras da Mineração - Especificidade na Indústria de Areia e Brita NRM 02. Lavra a Céu Aberto NRM - Normas Regulamentadoras da Mineração - Especificidade na Indústria de Areia e Brita NRM 02 Lavra a Céu Aberto Introdução NRM 02 2.1 Generalidades 2.2 Bancadas e Taludes 2.3 Controle Topográficos

Leia mais

ASC 110 T3 ROLOS COMPACTADORES

ASC 110 T3 ROLOS COMPACTADORES EQUIPAMENTO PESADO ASC 110 T3 ROLOS COMPACTADORES ASC 110 T3 ROLO COMPACTADORES DE SOLOS «Excelente segurança, melhor compactação e design moderno com maior eficiência e resultados sob severas condições

Leia mais

MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I

MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP MÁQUINAS PARA PREPARO DO SOLO PARTE I LEB0432 Máquinas e Implementos Agrícolas Prof. Leandro M. Gimenez 2016 159 EFICIÊNCIA EM TRAÇÃO E DEMANDA DE ENERGIA

Leia mais

Engenharia Civil na Construção de um Parque Eólico. Antonio Medeiros de Oliveira Engenheiro Civil, MPM

Engenharia Civil na Construção de um Parque Eólico. Antonio Medeiros de Oliveira Engenheiro Civil, MPM Engenharia Civil na Construção de um Parque Eólico Antonio Medeiros de Oliveira Engenheiro Civil, MPM ROTEIRO DO CURSO Contratos turnkey Estradas Sondagens Fundações Orçamentos O terreno natural e a topografia

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ROMA DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA ACESSO A LINHA SÃO ROQUE

PREFEITURA MUNICIPAL DE NOVA ROMA DO SUL MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA ACESSO A LINHA SÃO ROQUE MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO ASFÁLTICA ACESSO A LINHA SÃO ROQUE E n g e n h e i r o C i v i l L u i z H e n r i q u e D i a s C o r r ê a - P á g i n a 1 Co nteúdo 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. INTRODUÇÃO...

Leia mais

GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA CHEFE DA EQUIPE DE MEIO AMBIENTE DATA EMISSÃO: 23/03/2012 ATUALIZADO: 24/05/2012 REVISÃO: Cia/Seção: Cmt pel E Cnst

GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA CHEFE DA EQUIPE DE MEIO AMBIENTE DATA EMISSÃO: 23/03/2012 ATUALIZADO: 24/05/2012 REVISÃO: Cia/Seção: Cmt pel E Cnst GUIA DE TRABALHOS DE ENGENHARIA CHEFE DA EQUIPE DE MEIO AMBIENTE CAPÍTULO 11 Cia/Seção: Cmt pel E Cnst DATA EMISSÃO: 23/03/2012 ATUALIZADO: 24/05/2012 REVISÃO: 1. DEFINIÇÃO DE GESTÃO AMBIENTAL RODOVIÁRIA

Leia mais

LIMPEZA DO TERRENO E DESTOCAMENTO

LIMPEZA DO TERRENO E DESTOCAMENTO LIMPEZA DO TERRENO E DESTOCAMENTO Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Dezembro de 2015 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 104 Rev.00 12/2015 ES 104 Rev0 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

DRENAGEM SUBTERRÂNEA

DRENAGEM SUBTERRÂNEA DRENAGEM SUBTERRÂNEA Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Janeiro de 2016 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 017 Rev.00 01/2016 ES 017 Rev0 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Mecânica dos solos II Equipamentos para terraplenagem

Mecânica dos solos II Equipamentos para terraplenagem Mecânica dos solos II Equipamentos para terraplenagem Material adaptada das notas de aulas do prof. Francisco Mateus Professor: Me. Carlindo Avelino Bezerra Neto EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NA EXECUÇÃO DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS016 REATERRO E COMPACTAÇÃO DE VALAS Revisão: 02 Mar.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ÁGUA E ESGOTOS NS016 REATERRO E COMPACTAÇÃO DE VALAS Revisão: 02 Mar. SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...2 5.1 Material do reaterro...2 5.1.1

Leia mais

ADEQUAÇÃO TRATOR IMPLEMENTO

ADEQUAÇÃO TRATOR IMPLEMENTO UNIVERISDADE FEDERAL DE PELOTAS FACULDADE DE AGRONOMIA ELISEU MACIEL DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA RURAL DISCIPLINA DE MECANIZAÇÃO AGRÍCOLA ADEQUAÇÃO TRATOR IMPLEMENTO Prof. Antônio Lilles Tavares Machado

Leia mais

Fundações Diretas Rasas

Fundações Diretas Rasas Fundações Diretas Rasas Grupo: Anderson Martens Daniel Pereira Ricardo N. Lima Ronaldo Guedes Vitor A. Teruya Vivian R. Pestana Professor Manoel Vitor O que são fundações? Elementos estruturais cuja função

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO Rede de água 1-DETERMINAÇÕES CONSTRUTIVAS A Empresa responsável pela execução das redes

Leia mais

REFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS

REFEITURA MUNICIPAL DE SÃO SEBASTIÃO DO OESTE ESTADO DE MINAS GERAIS ESPECIFICAÇÕES DOS SERVIÇOS OPERAÇÃO TAPA BURACOS RecomposiçãoPavimentação Pintura de ligação Especificação de Serviço DNERES 307/97 1 DEFINIÇÃO Pintura de ligação consiste na aplicação de ligante betuminoso

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO

PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Fabia Roberta P. Eleutério

Leia mais

DER/PR ES-T 06/05 TERRAPLENAGEM: ATERROS

DER/PR ES-T 06/05 TERRAPLENAGEM: ATERROS TERRAPLENAGEM: ATERROS Departamento de Estradas de Rodagem do Estado do Paraná - DER/PR Avenida Iguaçu 420 CEP 80230 902 Curitiba Paraná Fone (41) 3304 8000 Fax (41) 3304 8130 www.pr.gov.br/derpr Especificações

Leia mais

Como em toda siderúrgica, a geração de resíduos industriais e co-produtos é um fator inerente ao processo.

Como em toda siderúrgica, a geração de resíduos industriais e co-produtos é um fator inerente ao processo. COMPANHIA SIDERÚRGICA DE TUBARÃO Como em toda siderúrgica, a geração de resíduos industriais e co-produtos é um fator inerente ao processo. Dentro de sua Política Ambiental, a CST incentiva e promove o

Leia mais

Terrapleno. Terraplenagem. Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação

Terrapleno. Terraplenagem. Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação Terrapleno 1 Terraplenagem Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação Para: Configurar o terreno natural à nova conformação topografia

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL WAGNER MANFROI

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL WAGNER MANFROI UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE NÚCLEO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL WAGNER MANFROI ESTÁGIO SUPERVISIONADO RELATÓRIO DE ESTÁGIO PREFEITURA DO MUNICIPIO DE LAGES SECRETARIA

Leia mais

BRITA GRADUADA SIMPLES BGS Especificação Particular

BRITA GRADUADA SIMPLES BGS Especificação Particular BRITA GRADUADA SIMPLES BGS Especificação Particular C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Fevereiro de 2016 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ES 008 Rev.05 02/2016 ES 008 Rev5 pg. 1 - Centro de Desenvolvimento

Leia mais

Custo Horário dos Equipamentos > 218,52 B Mão de Obra Quantidade T702 Ajudante 1,00 10, ,28 T701 Servente 2,00 9,9300

Custo Horário dos Equipamentos > 218,52 B Mão de Obra Quantidade T702 Ajudante 1,00 10, ,28 T701 Servente 2,00 9,9300 DERCONS001 Desm. e limpeza lateral c/ arv. diam. até 0,15m Prod. Equipe: 800,00 m² A Equipamento Quantidade Utilização Custo Operacional E002 Trator de Esteira com Lâmina (108KW) 1,00 1,00 218,52 20,28

Leia mais

TECNOLOGIA EM COMPACTAÇÃO DE SOLOS

TECNOLOGIA EM COMPACTAÇÃO DE SOLOS A WIRTGEN GROUP COMPANY TECNOLOGIA EM COMPACTAÇÃO DE SOLOS Eng. Juliano Gewehr Engenharia de Aplicação Wirtgen Group SICEPOT-MG 04/07/2016 Rolo compactador de solos Acrescenta a energia de compactação

Leia mais

C R I T É R I O S D E M E D I Ç Ã O E E S T R U T U R A D E P R E Ç O S

C R I T É R I O S D E M E D I Ç Ã O E E S T R U T U R A D E P R E Ç O S CM: CM24/01 SUBGRUPO: 240100 MOBILIZAÇÃO E DESMOBILIZAÇÃO FOLHA: 1/1 240101 DESLOCAMENTO DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS km Será feita pelo produto da distância de transporte, em quilômetro (km), pela quantidade

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

COMUNIDADE SÃO JOSÉ. Abril/ /08/2016 NITERÓI - RJ

COMUNIDADE SÃO JOSÉ. Abril/ /08/2016 NITERÓI - RJ COMUNIDADE SÃO JOSÉ NITERÓI - RJ Abril/2010 Chuvas intensas no Rio de Janeiro 280 milímetros em 24 horas Dobro da média histórica para o mês de abril inteiro Mais de 250 pessoas morreram Centenas de desabrigados

Leia mais

Compactação dos Solos. Fernando A. M. Marinho 2012

Compactação dos Solos. Fernando A. M. Marinho 2012 Compactação dos Solos Fernando A. M. Marinho 2012 Por que Compactar os Solos? Objetivos da Compactação Aumentar a capacidade suporte do solo. Diminuir os recalques indesejados nas estruturas. Controlar

Leia mais

Terraplenagem - aterros

Terraplenagem - aterros MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

OBRA 445 UHE SINOP RELATÓRIO FOTOGRÁFICO. Sinop/MT 14 DE JULHO DE 2017

OBRA 445 UHE SINOP RELATÓRIO FOTOGRÁFICO. Sinop/MT 14 DE JULHO DE 2017 Sinop/MT RELATÓRIO FOTOGRÁFICO 14 DE JULHO DE 2017 166º RELATÓRIO FOTOGRÁFICO DE 08/08/17 a 14/08/17 OBRA 445 UHE SINOP USINA HIDRELÉTRICA SINOP LOCALIZAÇÃO POTÊNCIA MUNICÍPIOS RIO BACIA HIDROGRÁFICA TURBINAS

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO -

MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO - PROF. SILVRANO ADONIAS DANTAS NETO, DOUTOR EM GEOTECNIA INTRODUÇÃO:

Leia mais

COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS

COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS COMPRESSIBILIDADE E ADENSAMENTO EXERCÍCIOS PROPOSTOS QUESTÕES TEÓRICAS 1. O que significa comportamento não drenado? 2. Porque, no caso de solos argilosos, deve-se estudar a resposta não drenada do solo?

Leia mais

Características técnicas:

Características técnicas: PREPARO COMBINADO APK Projetado para o corte de sulcos para o plantio de batatas ou legumes. Permite obter a forma com os parâmetros necessários (altura 25 32 cm, largura 10 15 cm) e estrutura do solo

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO. Os serviços de topografia ficarão a encargo da empresa licitante.

MEMORIAL DESCRITIVO. Os serviços de topografia ficarão a encargo da empresa licitante. MEMORIAL DESCRITIVO DADO GERAIS: OBRA: Pavimentação com Blocos de Concreto e Microdrenagem Urbana LOCAL: Rua do Comércio PROPRIETÁRIO: Município de Toropi DATA: Novembro/2008 OBJETO Pavimentação com blocos

Leia mais

Projeto Geométrico de Rodovias. Estudo de Traçado

Projeto Geométrico de Rodovias. Estudo de Traçado Projeto Geométrico de Rodovias Estudo de Traçado Estudos para a construção de uma estrada Estudos de Tráfego Estudos geológicos e geotécnicos Estudos Hidrológicos Estudos Topográficos Projeto Geométrico

Leia mais

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda APRESENTAÇÃO A Nailsondas Perfurações de Solo Ltda. é uma empresa que vem atuando no mercado desde 2002, prestando serviços em todo território nacional. Executando com excelência vários projetos por ano,

Leia mais

O tamanho faz a diferença

O tamanho faz a diferença Frente de colheita mecanizada de cana O tamanho faz a diferença TRANSBORDOS DE CANA COM CAIXAS DE CARGAS QUE SAEM DAS TRADICIONAIS MEDIDAS EM TORNO DE 10 TONELADAS GARANTEM AMPLA GAMA DE BENEFÍCIOS Leonardo

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani SEMEADORA-ADUBADORA 1 Qual a cultura? Qual o adubo? 2 Qual o tamanho/formato da semente? Qual a quantidade de sementes/hectare? Qual a quantidade de plantas/hectare? Quando? 3 revolvimento mínimo do solo

Leia mais

TRABALHOS PRELIMINARES

TRABALHOS PRELIMINARES 200888 Técnicas das Construções I TRABALHOS PRELIMINARES Prof. Carlos Eduardo Troccoli Pastana pastana@projeta.com.br (14) 3422-4244 AULA 2 TERRAPLENAGEM Efetuado o levantamento planialtimétrico, temos

Leia mais

Pavimentação - regularização do subleito

Pavimentação - regularização do subleito MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

RELATÓRIO MENSAL SANTA CATARINA CURITIBA ATÉ A DIVISA DE

RELATÓRIO MENSAL SANTA CATARINA CURITIBA ATÉ A DIVISA DE RELATÓRIO MENSAL CONCESSIONÁRIA: RODOVIA: TRECHO: SANTA CATARINA EXTENSÃO: AUTOPISTA PLANALTO SUL BR-116/PR/SC CURITIBA ATÉ A DIVISA DE 412,700 KM RIO NEGRO PR FEVEREIRO DE 2015 1 ÍNDICE ITEM DESCRIÇÃO

Leia mais

AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos

AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos 8.1 RECALQUES DEVIDOS A CARREGAMENTOS NA SUPERFÍCIE As deformações ocorridas na

Leia mais

732,50. Titulo 729,80 725, ,32 721,40. Copyright EPUSP-PTR -LTG 2011 LTG/PTR/EPUSP

732,50. Titulo 729,80 725, ,32 721,40. Copyright EPUSP-PTR -LTG 2011 LTG/PTR/EPUSP 1 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Titulo 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 2 Conhecendo o relevo da região, traçar um trecho de rodovia interligando os pontos A e C, de declividade máxima 3%: 3 Traçado de um caminhamento

Leia mais

LER 466 Avaliação do Desempenho de Máquinas Agrícolas Depto Engenharia de Biossistemas - ESALQ/USP. Prof. Walter Molina 2014

LER 466 Avaliação do Desempenho de Máquinas Agrícolas Depto Engenharia de Biossistemas - ESALQ/USP. Prof. Walter Molina 2014 LER 466 Avaliação do Desempenho de Máquinas Agrícolas Depto Engenharia de Biossistemas - ESALQ/USP Prof. Walter Molina 2014 1. PONTOS DE FORNECIMENTO DE POTÊNCIA NO TRATOR Tomada de potência (TDP) Sistema

Leia mais

ATA PREGÃO Nº. 009/2012

ATA PREGÃO Nº. 009/2012 ATA PREGÃO Nº. 009/2012 Às 08:00 horas do dia 28 do mês de março do ano de 2012, na sala de reuniões da Prefeitura Municipal de Alcobaça, o pregoeiro oficial do Município de Alcobaça designado pela portaria

Leia mais

ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS

ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS ASSOCIAÇÃO CAATINGA PROJETO NO CLIMA DA CAATINGA ELABORAÇÃO: INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E ENERGIAS RENOVÁVEIS Índice Apresentação Introdução Eficiência na cozinha Material de Construção A

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO RUA MUNIZ FERRAZ

MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO RUA MUNIZ FERRAZ MEMORIAL DESCRITIVO PAVIMENTAÇÃO COM BLOCOS DE CONCRETO RUA MUNIZ FERRAZ DADOS IDENTIFICAÇÃO OBRA: Pavimentação em 2 trechos da Rua Muniz Ferraz LOCAL DA OBRA: Trecho 1 - Rua Muniz Ferraz entre as Ruas

Leia mais

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Prof. Eduardo Oliveira Barros Disciplina: Estradas II. Terraplenagem

UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Prof. Eduardo Oliveira Barros Disciplina: Estradas II. Terraplenagem UNICAP Universidade Católica de Pernambuco Prof. Prof. Eduardo Oliveira Barros Disciplina: Estradas II Terraplenagem Recife, Março 2017 Conceitos Básicos de Terraplenagem Elaboração do projeto de terraplenagem

Leia mais

Sondagem rotativa. Elementos de prospecção geotécnica. Apresentação dos resultados. Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.

Sondagem rotativa. Elementos de prospecção geotécnica. Apresentação dos resultados. Profa. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail. Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil Tecnologia da Construção Civil I Elementos de prospecção geotécnica Elementos de prospecção geotécnica Profa.

Leia mais

2- A ENGENHARIA MILITAR NO BRASIL 3- ATUAÇÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO NA BR-101/NE

2- A ENGENHARIA MILITAR NO BRASIL 3- ATUAÇÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO NA BR-101/NE 2/60 1- INTRODUÇÃO A Rodovia BR-101 e a Duplicação do Corredor/NE 2- A ENGENHARIA MILITAR NO BRASIL Histórico, Estrutura e Acervo de Obras 3- ATUAÇÃO DO EXÉRCITO BRASILEIRO NA BR-101/NE Lotes da BR-101/NE

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 1 Projeto geométrico Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto FASES

Leia mais

COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO

COMPOSIÇÃO DE PREÇO UNITÁRIO COMPOSIÇÃO DE PREÇO CÓDIGO: 01.000.00 SERVIÇO: DESMATAMENTO, DESTOCAMENTO, LIMPEZA ÁREA C/ ÁRVORES DE Ø ATÉ 0,15M : m² E.0.03 TRATOR DE ESTEIRAS C/ LÂMINA CAT-D8R 1,00 PROD. IMPROD. 1,00 - OPERACIONAL

Leia mais

OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS

OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS PROCESSO SELETIVO SIMPLIFICADO Nº 1/2014 Prefeitura Municipal de Bom Despacho OPERADOR DE MÁQUINAS PESADAS 1)- Marque a opção CORRETA que constitui infração gravíssima. A) Dirigir sem atenção ou sem os

Leia mais

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa

Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa Diretrizes de Projeto de Revestimento de Fachadas com Argamassa 6. Procedimento de Execução Elaboração Estruturas de Concreto e Revestimentos de Argamassa 92 Instruções para a contratação de mão-de-obra

Leia mais

Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos

Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos Limpeza urbana e a proliferação de animais sinantrópicos Instituto de Engenharia SP Divisão Técnica de Engenharia Sanitária do Instituto de Engenharia DTES/I.E 06 de abril de 2011 Francisco Luiz Rodrigues

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I. Prof. MsC. Roberto Monteiro FACULDADE DE TECNOLOGIA DE ALAGOAS ENGENHARIA CIVIL FUNDAÇÕES I Prof. MsC. Roberto Monteiro CONCEPÇÃO DE OBRAS DE FUNDAÇÕES Pof. Msc. ROBERTO MONTEIRO INTRODUÇÃO Comentário Inial O estudo de concepção

Leia mais

I. Fatores a serem considerados durante o Projeto

I. Fatores a serem considerados durante o Projeto I. Fatores a serem considerados durante o Projeto 1. Adaptação do projeto ao meio ambiente; 2. Escolha do nível de tensão; 3. Seleção dos condutores fase (tipo e tamanho); 4. Seleção dos cabos pára-raios;

Leia mais

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S

E S P E C I F I C A Ç Õ E S T É C N I C A S FOLHA: SUMÁRIO 1. OBJETIVO E DEFINIÇÕES...1 1.1 OBJETIVO:...1 1.2 DEFINIÇÕES:...1 2. MATERIAIS...2 3. EQUIPAMENTOS...2 4. EXECUÇÃO...3 4.1 PAVIMENTO EM PASSEIOS...3 4.1.1 PEDRA PORTUGUESA...3 4.1.2 PLACA

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM ATERRO SOBRE SOLO MOLE NO DEPÓSITO DA OSTEN FERRAGENS CURITIBA PR

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM ATERRO SOBRE SOLO MOLE NO DEPÓSITO DA OSTEN FERRAGENS CURITIBA PR APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM ATERRO SOBRE SOLO MOLE NO DEPÓSITO DA OSTEN FERRAGENS CURITIBA PR Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. André Fanaya SETEMBRO 1997 Revisado JANEIRO

Leia mais

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i

PROJETO DE ESTRADAS Pr P of o. D r D. An A d n e d r e so s n o n Man a zo n l zo i PROJETO DE ESTRADAS Prof. Dr. Anderson Manzoli CONCEITOS: Seção (Perfil) Transversal é a representação geométrica, no plano vertical, de alguns elementos dispostos transversalmente, em determinado ponto

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS TIPO FRANKI Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-09/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de

Leia mais

B R I T A G R A D U A D A DER/PR - ES - P 05/91

B R I T A G R A D U A D A DER/PR - ES - P 05/91 B R I T A G R A D U A D A DER/PR - ES - P 05/91 1 1 - OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a execução de bases ou subclasses de brita graduada, em obras rodoviárias sob

Leia mais

DADOS: RODOVIA BR 235

DADOS: RODOVIA BR 235 DADOS: RODOVIA BR 235 CONSTRUTORA CONSÓRCIO EMPA/CCM/CCL SUPERVISÃO ETEL ESTUDOS TÉCNICOS LTDA Rodovia : BR 235/BA Trecho : Div. SE/BA Entr. BR 122/407/423/BA (Div. BA/PE) (Juazeiro/Petrolina Subtrecho

Leia mais

PROJETO DE TERRAPLENAGEM. Estudo da Movimentação de Terras. Diagrama de Massas

PROJETO DE TERRAPLENAGEM. Estudo da Movimentação de Terras. Diagrama de Massas 1 PROJETO DE TERRAPLENAGEM Diagrama de Massas 2 1. Projeto de Terraplenagem: A partir de definição, na fase de projeto, da classificação técnica da estrada, a superfície natural deve ser substituída por

Leia mais

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA MEMORIAL DESCRITIVO

PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO URBANA MEMORIAL DESCRITIVO Obra: PROJETO DE PAVIMENTAÇÃO RUA HUGO HARTMANN TRECHO II Local: MUNICIPIO DE CAPITAO/RS O presente memorial tem por finalidade estabelecer os materiais

Leia mais

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico

Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT. Estradas 1 Projeto geométrico Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas FACET Curso: Bacharelado em Engenharia Civil Estradas 1 Projeto geométrico Prof. Me. Arnaldo Taveira Chioveto O

Leia mais