2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU. 1 30/09 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU"

Transcrição

1 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev. 0 KLABIN S. A. PARANAGUA PR TERRENO ROCHA RELATÓRIO DE AVALIAÇÃO GEOTÉCNICA FUROS DE SONDAGENS Cliente : KLABIN S. A. Obra : LEVANTAMENTO GEOTÉCNICO AREA ROCHA Local : PARANAGUA - PR 2 03/11 Relatório Final R.A. O.S. O.A. PU 1 30/0 Alterado Endereço do Terreno R.A. O.S. O.A. PU Rev. Data Descrição da revisão Elaborado por Verificado por Autorizado por CE Emissão inicial Rev. Data Elaborado por Verificado por Autorizado por Responsável técnico CE Iniciais Visto Iniciais Visto Iniciais Visto CREA 0 2/0/ R.A O.S. O.A PU CE - Códigos de emissão AP Para aprovação CO Para comentários FA Para fabricação PC Para compra CC Como construído CP Como comprado IN Para informação PD Para detalhamento CD Cancelado CT Certificado LC Para construção, instalação PU Para utilização CF Como fabricado ES Estudo preliminar OR Para orçamento, cotação RG Para registro

2 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev. 0 Sumário 1. INTRODUÇÃO INVESTIGAÇÃO GEOTECNICA TRABALHOS EXECUTADOS EQUIPAMENTOS UTILIZADOS NORMAS ADOTADAS METODOLOGIA ENSAIOS DE CAMPO Sondagem a Percussão IMAGENS GOOGLE EARTH MAPA DE LAUDOS DE.... RECOMENDAÇÕES DE FUNDAÇÕES FUNDAÇÕES PISOS.... CONSIDERAÇÕES FINAIS...

3 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev INTRODUÇÃO O presente trabalho apresenta a caracterização geotécnica de terreno a ser adquirido pela empresa Klabin S.A., localizada no endereço Rua Antônio Pereira / Rodovia BR 2, S/N, no município de Paranaguá PR, terreno do Grupo Rocha. O objetivo do mesmo é apresentar os levantamentos geotécnicos realizados e fornecer subsídios das características da estrutura do solo da área com vistas a implantação de edificação comercial ou industrial. 2. INVESTIGAÇÃO GEOTECNICA Foram verificados os itens e as quantidades disponíveis em contrato para caracterização geotécnica da área em questão. Importante salientar, que todas as realizadas têm como objetivo informações geotécnicas pontuais, e seus resultados obtidos em laboratório dizem respeito exclusivamente às amostras ensaiadas. A seguir são descritos os serviços executados, os equipamentos utilizados, as normas que balizaram os estudos geotécnicos, assim como as metodologias adotadas na execução dos ensaios TRABALHOS EXECUTADOS Na área serão executados: Dezesseis () a percussão tipo T (Standard Penetration Test), para o simples reconhecimento do solo na área. A localização de todos os serviços a serem realizados está apresentada no documento anexo SD.KLA.PA.002-_KLABIN_PARANAGUA. Foram executados (dezesseis) furos de sondagem, sendo todos T, dispostos conforme planta de locação, num total de 55,30 (oitocentos e cinquenta e cinco metros e trinta centímetros) de perfuração, distribuídos conforme segue:

4 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev. 0 TIPO DE ENSAIO FURO PERFURAÇÃO EM SOLO COM T PERFURAÇÃO EM ROCHA PERFURAÇÃO TOTAL.01 5,30-5, ,5-5, ,5-5,5 À PERCUSSÃO ,50-5, ,30-5,30. 1,0-1, TOTAL 55,30-55, EQUIPAMENTOS UTILIZADOS 2.3. NORMAS ADOTADAS As normas adotadas no estudo geotécnico foram às seguintes: NBR 44/0 - Execução de de Simples Reconhecimento dos solos; NBR 03/ - Execução de sondagem à Trado; NBR Identificação e Descrição de Amostras de Solos obtidas em Sondagens de Simples Reconhecimento dos Solos ABGE 0 3ª revisão - Diretrizes para Execução de Sondagens

5 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev METODOLOGIA ENSAIOS DE CAMPO Todos os Serviços Geotécnicos executados tiveram como referência as os croquis recebidos pela empresa Klabin S.A Sondagem a Percussão Até atingir o impenetrável o método empregado foi o de percussão com circulação de água, utilizando-se tubos de revestimento de 2.1/2. A amostragem foi feita mediante a utilização de um barrilete amostrador padrão, de diâmetro interno e externo de 1.3/ e 2, respectivamente. A cravação procedeu-se por meio de golpes de um peso de 5kg caindo em queda livre de 5cm. Foi anotado o número de golpes necessários para a penetração de cada cm de amostrador, até a penetração total de 45cm do mesmo. O índice de resistência à penetração (N) é representado pelo número de golpes necessários para a penetração dos últimos 30 cm do amostrador. Este valor é indicado como um número inteiro junto ao gráfico e é utilizado para estabelecer uma correlação com a Tensão Admissível do Solo. Nos casos em que não ocorre penetração de 45 cm do amostrador, o resultado é apresentado de forma fracionária. A penetração obtida apenas com o peso do martelo apoiado sobre a cabeça de bater, corresponde a 0 (zero) golpes. Como critério de paralisação foi utilizado o item.4.1 e.4.3 da NBR44:01 em alguns furos e outros foram paralisados com 50m de penetração.

6 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev IMAGENS GOOGLE EARTH Fig. 1 Vista Superior - Google Fig. 2 Vista Rua Lateral - Google

7 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev. 0 Fig. 3 Vista do Trevo - Google

8 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev MAPA DE

9

10 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev LAUDOS DE

11 0,0 2, 5,0,00,30, ,00 ATERRO DE AREIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA SILTOSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO MARROM AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5, ,5 PCO COMP ,30m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * 1 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,30 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 2, Revest. : 24/0/ 2/0/ PROJESOFT (011)1-50 1, Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 2 / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

12 23,0 25,30 2,50 31, 33,0 35, AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO ARGILA SILTOSA, PCO ARENOSA, COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA GROSSA SILTOSA COLORAÇÃO 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5, ,5 MOLE* MÉDIA* MÉDIA* ,30m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * 3 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,30 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 2, Revest. : /0/ 2/0/ PROJESOFT (011) Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 2B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

13 3,0 44,50 4,0 51, 53, 1 2 SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA GROSSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5, ,5 MÉDIA* MÉDIA* ,30m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,30 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 2, Revest. : /0/ 2/0/ 45 PROJESOFT (011)1-50 Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 2C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

14 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 5,30 AREIA GROSSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO.01-0,5 * /0/ 2/0/ 2/ ,30m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA 1 2 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5,30 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,30 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 2,00 Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 2D / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

15 0,0 1,0 5,0,40 11,0, 1 2 4,00 ATERRO DE AREIA SILTOSA COLORAÇÃO MARROM AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO PRETA AREIA MÉDIA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO E MARROM ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5,5.02-0,5 COMP ,5m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * 1 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,5 Estagio 1 (cm) : 2,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1, Revest. : /0/ 23/0/ PROJESOFT (011)1-50 0,5 Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 3 / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

16 23,0 24,5 2,00 2,0 30,0 33,0 1 2 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA GROSSA SILTOSA COLORAÇÃO ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5,5.02-0,5 MOLE* ,5m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,5 Estagio 1 (cm) : 2,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1, Revest. : PROJESOFT (011)1-50 1/0/ 23/0/ Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 3B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

17 3,40 45,0 4,30 4,50 52, 52,0 1 2 ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO AREIA GROSSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5,5.02-0, MÉDIA* MÉDIA* MUITO ,5m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,5 Estagio 1 (cm) : 2,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1, Revest. : /0/ 23/0/ 1 PROJESOFT (011)1-50 Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 3C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

18 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 5,5 AREIA GROSSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO.02-0,5 * /0/ 23/0/ ,5m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA 1 2 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5,5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,5 Estagio 1 (cm) : 2,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1,00 Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 3D / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

19 0,0 1,0,50,0 12,,0 2,00 ATERRO DE AREIA SILTOSA, COLORAÇÃO MARROM AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO PRETA AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO E AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA ARGILOSA COLORAÇÃO AREIA FINA PCO SILTOSA COLORAÇÃO.03-0, * COMP /0/ /0/ PROJESOFT (011) , 5m= LIMITE DA 1 2 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 4 / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

20 25,0 2,40 30, 33,0 AREIA FINA PCO SILTOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA GROSSA SILTOSA COLORAÇÃO.03-0, * MOLE* PROJESOFT (011)1-50 /0/ /0/ m= LIMITE DA 1 2 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 4B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

21 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 3,0 45,0 5 SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO LIMITE DA.03-0, * /0/ /0/ m= LIMITE DA 1 2 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 4C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

22 0,0 2, 5,0,0,0,0 2,00 ATERRO DE AREIA SILTOSA COLORAÇÃO MARROM AREIA SILTOSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO MARROM AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO E AREIA FINA PCO SILTOSA COLORAÇÃO.04-0,5 * PCO COMP /0/ 2/0/ PROJESOFT (011) , 5m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 5 / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

23 24,0 2,0,40 MUITO MOLE* MOLE* MÉDIA* 3, 3 5m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 AREIA FINA PCO SILTOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO 1, Inicio Fim 1,00 1, ,5 * p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : 1/ 1 1/ PROJESOFT (011)1-50 2/0/ 2/0/ Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 5B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

24 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 3, 43,0 4, 5 SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO LIMITE DA.04-0,5 * MÉDIA* /0/ 2/0/ m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 1, Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 5C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

25 0,0 2,0 5,0,00,40,0 2,00 ATERRO DE AREIA SILTOSA, COLORAÇÃO MARROM AREIA SILTOSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO MARROM E AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO E AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO E AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO.05-0,54 * PCO COMP /0/ 01// PROJESOFT (011) ,0 5m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

26 24,50 2,5 31,0 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO.05-0,54 * MUITO MOLE* MOLE* MÉDIA* MÉDIA* / 1 2 2/0/ 01// PROJESOFT (011) m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

27 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 3,0 4,0 5 SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO LIMITE DA.05-0,54 * MÉDIA* /0/ 01// m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

28 0,0 2,00 5,0, 11,30,40 2,00 ATERRO DE AREIA SILTOSA COLORAÇÃO MARROM AREIA SILTOSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO MARROM E AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO E AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO.0-0, * PCO COMP // 03// PROJESOFT (011) ,05 5m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 1,05 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

29 24,0 2,50,50 MUITO MOLE* MOLE* MÉDIA* 3,00 3 5m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO 1,05 Inicio Fim 1,00 1, , * p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : 1/ PROJESOFT (011) // 03// Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

30 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 43,50 4,0 5 SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO LIMITE DA.0-0, * MÉDIA* // 03// m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 1,05 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

31 1,0 5,0,0,0 11,30 13,40, ,00 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5,5.0-0, MUITO ,5m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * 1 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,5 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1, Revest. : // 0// PROJESOFT (011) ,0 Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

32 23,0 25,40 2,0 1 2 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5,5.0-0, MOLE* ,5m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,5 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1, Revest. : PROJESOFT (011)1-50 0// 0// Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

33 3,0 3,50 44, 4,0 51,0 53, AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5,5.0-0, MÉDIA* ,5m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,5 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1,00 Revest. : PROJESOFT (011)1-50 0// 0// Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

34 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 5,50 5,5 AREIA GROSSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO.0-0, * // 0// ,5m= IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5,5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,5 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1,00 Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T D / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

35 1,30 4,0,00,50 11,0 13,0,50 2,00 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO E AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO.0-0,4 * // // PROJESOFT (011) ,0 5m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

36 23,0 25,0 30, AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA, COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO.0-0,4 * MOLE* PROJESOFT (011)1-50 0// // m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

37 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 3,50 3,30 43,0 4, 5 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO LIMITE DA.0-0,4 * // // m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

38 1,40 5,,0,0 11,0 13,50,0 2,00 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO, AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO E AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO.0-0, * // 11// PROJESOFT (011)1-50 0,0 5m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

39 23,5 25,30 2,0 31,50 35,0 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO.0-0, * MUITO MOLE* MOLE* MÉDIA* / 1 3 PROJESOFT (011)1-50 // 11// 43 5m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

40 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 3,0 44, 4,30 5 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA, COLORAÇÃO LIMITE DA.0-0, * // 11// m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

41 0,0 2,0 5,0,50,0 12,30, ,00 ATERRO DE AREIA SILTOSA COLORAÇÃO MARROM AREIA MÉDIA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO 1,05 Inicio Fim 1,00 1,45 5,50. -0,52 COMP ,50m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * 1 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,50 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 2, Revest. : 12// 13// PROJESOFT (011)1-50 1,05 Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 11 / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

42 ,0 24,0 2,0 31,0 34,0 1 2 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA ARGILOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO 1,05 Inicio Fim 1,00 1,45 5,50. -0, MUITO MOLE* MOLE* ,50m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,50 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 2, Revest. : 1/ PROJESOFT (011) // 13// Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 11B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

43 3,40 4,0 52, 1 2 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO 1,05 Inicio Fim 1,00 1,45 5,50. -0, ,50m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,50 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 2,00 Revest. : PROJESOFT (011) // 13// Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 11C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

44 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 55,0 5,50 AREIA GROSSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO. -0,52 * // 13// ,50m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA 1 2 1,05 Inicio Fim 1,00 1,45 5,50 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,50 Estagio 1 (cm) : 3,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 2,00 Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 11D / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

45 1, 4,0,,40 12,0,50 2,00 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO MARROM E AREIA SILTOSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO E MARROM AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO.11-0,4 * // // PROJESOFT (011)1-50 0,0 5m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 12 / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

46 ,0 25,50 2,5 2,0 33,40 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA,ARGILOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA, COM DETRITOS VEGETAIS, COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA, COLORAÇÃO.11-0,4 AREIA MÉDIA SILTOSA, COLORAÇÃO * PCO MOLE* PROJESOFT (011)1-50 // // m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 12B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

47 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 3,0 42,00 4,0 5 AREIA MÉDIA SILTOSA, COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO LIMITE DA.11-0,4 * 3 3 MÉDIA* // // m= LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,0 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 12C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

48 ,0,0 11,0,0 2,00 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO.12-0,3 * FOFA** PCO // 1// PROJESOFT (011) ,5 5m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 13 / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

49 ,0 24,0 25,0 2,0 31,0 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA ARGILOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO.12-0,3 * MOLE* MÉDIA* MÉDIA* PROJESOFT (011)1-50 // 1// m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 13B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

50 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 3,0 41,50 44,5 4, 5 ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO LIMITE DA.12-0,3 * MÉDIA* MÉDIA* MÉDIA* // 1// m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T 13C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

51 1,0 4,,0,5 12,0,0 2,00 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO E PRETA AREIA SILTOSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO MARROM AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO.13-0, * COMP.Ç** // // PROJESOFT (011) ,5 5m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

52 ,0 24,0 25,0 2,50,30 35,0 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA ARGILOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA E GROSSA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO.13-0, * MOLE* PROJESOFT (011)1-50 // // m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

53 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 3, 4,0 5 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO LIMITE DA.13-0, * // // m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

54 4,0,,0 11,0 13,0, ,00 AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO E AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5,30. -1,24 PCO ,30m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * 1 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,30 Estagio 1 (cm) : 1,00 Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : // // 34 PROJESOFT (011)1-50 0,5 Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

55 ,0 24,0 2, 2,0, AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA ARGILOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5,30. -1, MOLE* MÉDIA* MÉDIA* 5,30m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,30 Estagio 1 (cm) : 1,00 Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : // // 11 PROJESOFT (011) Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

56 3,0 43,50 45,0 4,0 51,0 1 2 ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5,30. -1,24 MÉDIA* MÉDIA* 5,30m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,30 Estagio 1 (cm) : 1,00 Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : PROJESOFT (011)1-50 1// // Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

57 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 54,0 5,30 SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO AREIA GROSSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO. -1,24 * // // / ,30m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA 1 2 0,5 Inicio Fim 1,00 1,45 5,30 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 5,30 Estagio 1 (cm) : 1,00 Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T D / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

58 0,0 1,0 4,0,0,0 13,00, ,00 ATERRO DE AREIA MÉDIA COLORAÇÃO MARROM AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO PRETA AREIA MÉDIA ARGILOSA COLORAÇÃO AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO 1, Inicio Fim 1,00 1,45 1,0. -0,5 COMP. 1 2 PCO 3 4 PCO 5 MÉDIA* ,0m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * 1 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 1,0 Estagio 1 (cm) : 2,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1, Revest. : // 24// 23 PROJESOFT (011)1-50 1, Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

59 ,0 25,0 2,0 2,30 31,50 35, AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA ARGILOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO ARGILA ARENOSA, COM DETRITOS VEGETAIS, COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA GROSSA SILTOSA COLORAÇÃO 1, Inicio Fim 1,00 1,45 1,0. -0,5 MOLE* MÉDIA* 1,0m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 1,0 Estagio 1 (cm) : 2,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1, Revest. : 2 // 24// 13 PROJESOFT (011) Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

60 3, 42, 4,0 53, ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO 1, Inicio Fim 1,00 1,45 1,0. -0,5 MÉDIA* ,0m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA * p/ tempo min. Profund. de Inicio : 1,0 Estagio 1 (cm) : 2,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1,00 Revest. : PROJESOFT (011)1-50 // 24// Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

61 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 5,50 1,0 AREIA GROSSA, COM PEDRISCOS, COLORAÇÃO IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO. -0,5 * // 24// ,0m = IMPENETRÁVEL À PERCUSSÃO - PROSSEGUE SOMENTE COM SONDA ROTATIVA 1 2 1, Inicio Fim 1,00 1,45 1,0 p/ tempo min. Profund. de Inicio : 1,0 Estagio 1 (cm) : 2,00 Estagio 2 (cm) : 2,00 Estagio 3 (cm) : 1,00 Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T D / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

62 1, 3,0 5,0,0,0 12,40,0 2,00 ATERRO DE AREIA MÉDIA COLORAÇÃO MARROM AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO PRETA E AREIA FINA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO. -1,3 * COMP. PCO MÉDIA* // // PROJESOFT (011) ,40 5m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 1,40 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

63 ,0 25,0 2,00 2,0,40 34,0 AREIA FINA, PCO SILTOSA, COLORAÇÃO AREIA FINA ARGILOSA COLORAÇÃO ARGILA ORGÂNICA COLORAÇÃO ARGILA ARENOSA, COM DETRITOS VEGETAIS, COLORAÇÃO AREIA MÉDIA SILTOSA COLORAÇÃO AREIA GROSSA E MÉDIA, SILTOSA, COLORAÇÃO. -1,3 * MOLE* MÉDIA* // // PROJESOFT (011) m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 1,40 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T B / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

64 PROJESOFT (011)1-50 PROF. 40, 42,50 4,0 5 ARGILA SILTO-ARENOSA COLORAÇÃO SILTE ARGILO-ARENOSO COLORAÇÃO LIMITE DA. -1,3 * MÉDIA* // // m = LIMITE DA POR SOLICITAÇÃO DO CONTRATANTE 1 2 1,40 Inicio Fim 1,00 1,45 5 p/ tempo min. Profund. de Inicio : Estagio 1 (cm) : Estagio 2 (cm) : Estagio 3 (cm) : Revest. : Peso=5 kg Alt. Queda=5 cm 1 : 0 2// T C / Rua Carlos Rieschbieter, CEP BLUMENAU-SC Fone (4)32:333 - Fax(4)32:33

65 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev. 0. RECOMENDAÇÕES DE FUNDAÇÕES Através de análise visual é possível observar que o terreno apresenta topografia relativamente plana, com variações de níveis entre 01 e 02 metros, sem necessidade de terraplanagem com cortes e aterros de grande monta. Evidentemente será necessário levantamento planialtimétrico para determinação precisa dos níveis..1. FUNDAÇÕES O solo apresenta excelente capacidade de suporte tanto para fundações diretas como para fundações profundas. Para fundações diretas assentadas na profundidade mínima de 1,50m, poderá ser considerado pressão admissível de 3,0 kgf/cm2. Para fundações profundas, é aconselhável a utilização de estacas tipo hélice contínua monitorada, com profundidade acima de,0 m. Com isso estaríamos ultrapassando a camada de argila localizada até a profundidade de,0m. A tabela abaixo apresenta capacidades de suporte considerando a interação estaca/solo e capacidade estrutural para estacas tipo hélice contínua monitorada de diâmetro 30cm até 0cm para profundidade de 12,0m. Diâmetro (cm) Carga Admissível (ton) Tab. 1- Capacidade estacas Hélice Contínua

66 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev. 0 Fig. 4 - Capacidade estacas Hélice Contínua diâmetro 30cm e comprimento 12,0mts

67 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev. 0 Fig. 5 - Capacidade estacas Hélice Contínua diâmetro 30cm e comprimento 12,0mts

68 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev PISOS Os pisos estruturais podem ser executados diretamente sobre o solo sem necessidade de estacas. Para pisos com carregamento até,0 ton/m2 é suficiente a utilização de base de cascalho e brita graduada sobre solo natural compactado a 0% do Proctor Intermediário. Para cargas maiores deverá ser estudado retirada e recompactação de 1,0 a 1,50m com espessuras maiores de material granular (cascalho ou rachão) com CBR 40%.

69 Código Rev. Folha SD.KLA.PA.RE / Código do cliente Rev. 0. CONSIDERAÇÕES FINAIS De acordo com o exposto acima podemos afirmar que o terreno localizado no endereço Rua Antônio Pereira / Rodovia BR 2, S/N no município de Paranaguá PR, terreno do Grupo Rocha, representado nos furos acima, apresenta excelentes condições para fundações diretas e profundas, com a escolha pelo tipo de fundação dependente unicamente da análise de custo benefício e dos carregamentos a serem suportados. Também apresenta suporte adequado a execução de pisos diretamente sobre o solo. Devido ao nível elevado do lençol freático, será necessário serviço de rebaixamento de lençol para a execução de túneis e demais obras enterradas. Colocamo-nos à disposição para esclarecimentos adicionais, Atenciosamente, Eng. Oracides Felício Adriano CREA SC S /D e_mail: O.A. ENGENHARIA EECIAL RUA AMADEU DA LUZ, 1 - SALA FONE/FAX (0**4) CEP: BLUMENAU - SC.

SONDAGEM SP.01 888,371

SONDAGEM SP.01 888,371 E= 0..0, N= 0. * PROJESOFT (0)-0 0 0 0 0 0 0 0 /0/ /0/,0,0,0,,0 ATERRO ARGILOSO COLORAÇÃO VERMELHA E CINZA ARGILA ARENOSA COLORAÇÃO MARROM E CINZA / /,,m = IMPENETRÁVEL AO AMOSTRADOR -,m = IMPENETRÁVEL

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA DO RIO GRANDE DO SUL RUA VISCONDE DE PELOTAS, 227 CAXIAS DO SUL/RS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA DO RIO GRANDE DO SUL RUA VISCONDE DE PELOTAS, 227 CAXIAS DO SUL/RS RELATÓRIO DE SONDAGEM E MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA DO RIO GRANDE DO SUL RUA VISCONDE DE PELOTAS, CAXIAS DO SUL/RS Responsáveis técnicos Eng. Norton Quites Eng. Civil - Crea-RS

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO

RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO Belo Horizonte, de março de 07. RL 06 RELATÓRIO TÉCNICO: SONDAGEM À PERCUSSÃO (Segundo as Normas Brasileiras NBR 68 e NBR 750) Responsável Técnico: Engenheiro Rogério Avelar Marinho Fillho (CREA:08.86/D)

Leia mais

Investigações Geotécnicas!" " #$"""

Investigações Geotécnicas!  #$ Investigações Geotécnicas!" " #$""" Investigações Geotécnicas Investigação geotécnica de campo: levantamento de superfície, sondagens, ensaios; coleta de amostras. Investigação geotécnica de Laboratório

Leia mais

RELATÓRIO DE SONDAGEM GEOTÉCNICA

RELATÓRIO DE SONDAGEM GEOTÉCNICA Cliente: CESAN COMPANHIA ESPIRITO SANTENSE DE SANEAMENTO Codificação ÍCONE: Codificação CESAN: Revisão: Data de Emissão: RL-078/234/2012 A-064-000-92-4-SD-0002 FEVEREIRO/16 SERVIÇOS DE SONDAGEM GEOLÓGICA

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 1

Investigações Geotécnicas Parte 1 Investigações Geotécnicas Parte 1 FUNDAÇÕES AULA 03 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS Reconhecimento do subsolo Investigação preliminar Verificação

Leia mais

CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 009/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.01.01.0065/2014 ANEXO V LAUDO DE SONDAGEM

CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 009/2014 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.01.01.0065/2014 ANEXO V LAUDO DE SONDAGEM CONCORRÊNCIA PÚBLICA N.º 00/0 PROCESSO ADMINISTRATIVO N.º DE.0.0.00/0 ANEXO V LAUDO DE INTRODUÇÃO Neste documento estão relacionados os resultados obtidos na execução de Sondagem à Percussão tipo T em

Leia mais

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda

Nailsondas Perfurações de Solo Ltda APRESENTAÇÃO A Nailsondas Perfurações de Solo Ltda. é uma empresa que vem atuando no mercado desde 2002, prestando serviços em todo território nacional. Executando com excelência vários projetos por ano,

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE Secretaria Municipal de Saúde - SMS Assessoria de Projetos de Arquitetura ASSEPRO TP Nº 0/0 Processo Administrativo N o 00.008..0 ELABORAÇÃOO DE PROJETOS E ORÇAMENTOS

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA CATARINENSE CAMPUS ARAQUARI BR 280, km 27,

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 1

Investigações Geotécnicas Parte 1 Investigações Geotécnicas Parte 1 FUNDAÇÕES SLIDES 03 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS Reconhecimento do subsolo Investigação preliminar Verificação

Leia mais

06/03/2017. Sondagem. A investigação das propriedades dos solos é fundamental para que sobre ele seja feita uma edificação com segurança.

06/03/2017. Sondagem. A investigação das propriedades dos solos é fundamental para que sobre ele seja feita uma edificação com segurança. FUNDAÇÕES e escolha do tipo de fundação Engenharia Civil Prof. Luiz Antonio do Nascimento Investigação para saber o tipo de solo em um terreno, sua resistência, espessura das camadas, profundidade, nível

Leia mais

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO

Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO Vanir Tiscoski Junior CURITIBA / PR RELATÓRIO DE SONDAGENS A PERCUSSÃO ELABORAÇÃO Dezembro / 2013 Sumário 1 Introdução... 3 2- ABORDAGEM TEÓRICA - SISTEMA DEPOSICIONAL FLUVIAL MEANDRANTE... 3 3 TRABALH

Leia mais

SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA

SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA SONDA ENGENHARIA E CONSTRUÇÕES LTDA.: RELATÓRIO DE ESTUDOS GEOTÉCNICO :. SSA Nº. 089/15 Cliente: GENPOWER PARTICIPAÇÕES S.A. Endereço: Avenida das Américas, 7935, bloco 02, sala 247, Bairro Tijuca Rio

Leia mais

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E

AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E AULA 3: O ESTADO DO SOLO - ÍNDICES FÍSICOS E IDENTIFICAÇÃO DOS SOLOS MECÂNICA DOS SOLOS Prof. Augusto Montor ÍNDICES FÍSICOS UMIDADE (w) - % w = M água M seca. 100 w = M natural M s.estufa M s.estufa.

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Índices Físico. Disciplina: Geotecnia 1. Prof a. : Melina Freitas Rocha. Geotecnia I

Pontifícia Universidade Católica de Goiás. Índices Físico. Disciplina: Geotecnia 1. Prof a. : Melina Freitas Rocha. Geotecnia I Pontifícia Universidade Católica de Goiás Índices Físico Disciplina: Geotecnia 1 Prof a. : Melina Freitas Rocha O ESTADO DO SOLOS Índices físicos entre as três fases: os solos são constituídos de três

Leia mais

Curso de Engenharia Civil

Curso de Engenharia Civil Curso de Engenharia Civil Disciplina: Mecânica dos Solos Período: 5º semestre Professor: Luiz Antonio do Nascimento Email: ladnascimento@gmail.com Página: www.lnascimento.com.br Sondagem A investigação

Leia mais

LT 500kV MARIMBONDO - ASSIS MEMORIAL DO PROJETO BÁSICO DE FUNDAÇÕES

LT 500kV MARIMBONDO - ASSIS MEMORIAL DO PROJETO BÁSICO DE FUNDAÇÕES 24/09/2013 Complementação torres MF SA 0A 03/05/2013 Emissão Inicial MF SA Rev. Data Descrição Por Aprovação Nome da Obra Título do Documento Projeto MARCOS F. 24/09/2013 Nº Rev Folha 1/13 Aprovação SÉRGIO

Leia mais

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO SIMPLES DO MACIÇO ROCHOSO GRANITO IMARUI - ESTUDO DE CASO

DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO SIMPLES DO MACIÇO ROCHOSO GRANITO IMARUI - ESTUDO DE CASO DETERMINAÇÃO DA RESISTÊNCIA A COMPRESSÃO SIMPLES DO MACIÇO ROCHOSO GRANITO IMARUI - ESTUDO DE CASO RESUMO Orientando (Giovan Caciatori Jacinto), Orientador (Adailton Antonio dos Santos) UNESC Universidade

Leia mais

SONDAGEM À PERCUSSÃO DATA: 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35

SONDAGEM À PERCUSSÃO DATA: 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35 SONDAGEM TMU 2 : 15/04/2010 HORA: 07:36 / 23:41 COTA : 2,23 COORDENADAS: N: 748137.82 E: 982 8295.35 SP-01 0.00 Obs: Extremidade do revestimento ao N.A 1,50 COTA: 2.48 COTA: 2,23 N.A MAX. Lámina D'agua

Leia mais

RELATÓRIO DOS ESTUDOS GEOTÉCNICOS

RELATÓRIO DOS ESTUDOS GEOTÉCNICOS RELATÓRIO DOS ESTUDOS GEOTÉCNICOS Local: Imbituba - SC Mês: Setembro Ano: 2016 CONTROLE INTERNO: W-B-001_2016 CONTROLE INTERNO DE REVISÕES REVISÕES DATA Revisão 03 Quarta emissão 19/10/2016 Revisão 02

Leia mais

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES

3. COMPILAÇÃO DE DADOS EXISTENTES DAER-RS INSTRUÇÕES DE SERVIÇO PARA ELABORAÇÃO DE ESTUDOS GEOTÉCNICOS IS-101/94 1. OBJETIVO Os Estudos Geotécnicos tem como objetivo a obtenção dos dados geotécnicos do subleito da rodovia projetada, empréstimos

Leia mais

* variável em função do 145 ' ~$.O. Fundações - 1" sem 2012. Padm(kN) - estrutural Com rimento (m) 100 a 300 3 a 15 150

* variável em função do 145 ' ~$.O. Fundações - 1 sem 2012. Padm(kN) - estrutural Com rimento (m) 100 a 300 3 a 15 150 Fundações - 1" sem 2012 Paulo Albuquerque oníveis no mercado Padm(kN) - estrutural Com rimento (m) 100 a 300 3 a 15 150 Pré-moldada (concreto) secção quadrada 200 350 450 700 200 350 emenda Pré-moldada

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I

UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS DE SINOP FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGIAS CURSO DE ENGENHARIA CIVIL GEOTECNIA I Aula 12 Exploração do Subsolo Augusto Romanini Sinop - MT 2017/1 AULAS

Leia mais

PROJETO DE TERRAPLENAGEM

PROJETO DE TERRAPLENAGEM PROJETO DE TERRAPLENAGEM C A D E I A D E J O V E N S E A D U L T O S A e B Estrada do Capão Grande Várzea Grande / MT Secretaria de Justiça e Direitos Humanos do Estado de Mato Grosso - SEJUDH Setembro

Leia mais

Avaliação da estabilidade de aterro para proteção da ferrovia adjacente à PCH Bonfante. João Raphael Leal Karin Rodrigues Baran Engevix Engenharia

Avaliação da estabilidade de aterro para proteção da ferrovia adjacente à PCH Bonfante. João Raphael Leal Karin Rodrigues Baran Engevix Engenharia Avaliação da estabilidade de aterro para proteção da ferrovia adjacente à PCH Bonfante João Raphael Leal Karin Rodrigues Baran Engevix Engenharia Localização ique Berma Esquerda Linha Férrea Tomada Água

Leia mais

Obra Obr s Geotécnicas Geotécnicas Ensaios de de Campo Campo. Correlações Jaime A. Santos

Obra Obr s Geotécnicas Geotécnicas Ensaios de de Campo Campo. Correlações Jaime A. Santos Obras Geotécnicas Ensaios de Campo. Correlações Jaime A. Santos Ensaio de penetração dinâmica SPT O ensaio SPT (Standard Penetration Test) é realizado no interior de um furo de sondagem e consiste em cravar

Leia mais

Compactação Exercícios

Compactação Exercícios Compactação Exercícios 1. Num ensaio de compactação foram obtidos os dados listados na tabela abaixo Identificação 1 2 3 4 5 Teor de umidade, w (%) 5,2 6,8 8,7 11,0 13,0 Massa do cilindro + solo (g) 9810

Leia mais

Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP

Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP Cada aluno deve resolver 4 exercícios de acordo com o seu número FESP Final 1 exercícios 1, 5, 16, 24 Final 2 exercícios 2, 6, 17, 25 Final 3- exercícios 3, 7,, 26 Final 4 exercícios 4, 8, 19, 27 Final

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO

CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO MEMORIAL DESCRITIVO CONSTRUÇÃO DA REDE DE COLETA DE ESGOTO E DA REDE DE DISTRIBUIÇÃO DE AGUA DA RUA SETE DE SETEMBRO Rede de água 1-DETERMINAÇÕES CONSTRUTIVAS A Empresa responsável pela execução das redes

Leia mais

AULA 04 MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO

AULA 04 MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO AULA 04 MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO 1 FUNDAMENTOS DE MECÂNICA DOS SOLOS MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO MÉTODOS DE EXPLORAÇÃO - Reconhecimento do subsolo: projeto seguro, econômico e viável; - Solos ou rochas como materiais

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 2

Investigações Geotécnicas Parte 2 Investigações Geotécnicas Parte 2 FUNDAÇÕES AULA 04 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com Sondagens Rotativas e mistas Uso de conjunto motomecanizado Penetração e rotação Obtenção

Leia mais

Porto Alegre, 10 de agosto de 2010 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO

Porto Alegre, 10 de agosto de 2010 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA 4ª REGIÃO Porto Alegre, de agosto de 0 À TRIBUNAL REGIONAL DO TRABALHO DA ª REGIÃO Ref. OBRA OS0/ RUA DE JULHO, S/N - SANT O ÂNGELO/RS Ass.: Relatório de Sondagem Prezados Senhores: Vimos através desta apresentar-lhes

Leia mais

IST- OBRAS GEOTÉCNICAS Mestrado em Engenharia Civil 4º Ano - 2º Semestre 1º Exame 30 de Junho de 2009 Sem consulta Duração do exame: 2h30

IST- OBRAS GEOTÉCNICAS Mestrado em Engenharia Civil 4º Ano - 2º Semestre 1º Exame 30 de Junho de 2009 Sem consulta Duração do exame: 2h30 IST- OBRAS GEOTÉCNICAS Mestrado em Engenharia Civil 4º Ano - 2º Semestre 1º Exame 30 de Junho de 2009 Sem consulta Duração do exame: 2h30 Cotação (total =15,0 val.): Grupo 1: a) 1,0 ; b) 1,0 ; 2c) 1,0

Leia mais

3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote Apresentação

3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote Apresentação 3.2 MEMORIAL DESCRITIVO - PROJETO PAVIMENTAÇÃO Lote 4 3.2.1 Apresentação A Empresa CJB Engenharia & Topografia Ltda, estabelecida na Rua Oscar Pedro Kulzer, n 438, Canoas/RS, inscrita no CNPJ nº 73.572.018/0001-31,

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos (alinecris16@hotmail.com) MÉTODOS ESTÁTICOS Capacidade de carga total da estaca Capacidade de carga

Leia mais

Espacialização do Subsolo com Dados de Sondagens a Percussão e Mista Através do Software RockWorks

Espacialização do Subsolo com Dados de Sondagens a Percussão e Mista Através do Software RockWorks Espacialização do Subsolo com Dados de Sondagens a Percussão e Mista Através do Software RockWorks Vinícius Resende Domingues Centro Universitário de Brasília, Brasília, Brasil, vinicius.rdomingues@gmail.com

Leia mais

Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010)

Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010) Tópicos Especiais de Engenharia Civil ALBUQUERQUE SOBRINHO, E. J. (2010) Introdução Investigações diretas e indiretas Qual sua importância e aplicação? Quais as técnicas empregadas nas investigações diretas

Leia mais

MEMORIAL DESCRITIVO E QUANTITATIVO DE MATERIAIS PROJETO DE TERRAPLENAGEM

MEMORIAL DESCRITIVO E QUANTITATIVO DE MATERIAIS PROJETO DE TERRAPLENAGEM MEMORIAL DESCRITIVO E QUANTITATIVO DE MATERIAIS PROJETO DE TERRAPLENAGEM RESPONSÁVEL: CREA: EDIANIR BONATH 5063825690-SP CONTRATANTE: OBRA: LOCAL: UNIVERSIDADE FEDERAL DO SUL BAHIA - UFSB UFSB CAMPUS JORGE

Leia mais

PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO

PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO PAVIMENTAÇÃO DE PASSEIO EM CALÇADA DE CONCRETO (6.261,89 M²) DIVERSAS RUAS - CONJ. HAB. PREF. JOSÉ NEVES FLORÊNCIO PROJETO EXECUTIVO MEMORIAL DESCRITIVO E ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS. Fabia Roberta P. Eleutério

Leia mais

Terrapleno. Terraplenagem. Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação

Terrapleno. Terraplenagem. Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação Terrapleno 1 Terraplenagem Conjunto de operações de: escavação/corte aterro carga descarga lançamento e espalhamento do solo compactação Para: Configurar o terreno natural à nova conformação topografia

Leia mais

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O

INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS PARA O PROJETO DE FUNDAÇÕES O SOLO, NUM PROBLEMA DE FUNDAÇÕES DEVE SER ACEITO TAL COMO SE APRESENTA Para um projeto de fundações bem elaborado, deve-se conhecer: -os tipos de

Leia mais

3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO

3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO 3. ESTUDOS GEOTÉCNICOS PARA PAVIMENTAÇÃO 3.1 ESTUDO DO SUBLEITO 3.1.1 OBJETIVOS (A) Reconhecimento dos solos do subleito - Perfis dos solos Perfis (unidades) geotécnicos - Caracterização das camadas (densidade,

Leia mais

AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos

AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO. Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos AULA 12: DEFORMAÇÕES DEVIDAS A CARREGAMENTOS VERTICAIS E A TEORIA DO ADENSAMENTO Prof. Augusto Montor Mecânica dos Solos 8.1 RECALQUES DEVIDOS A CARREGAMENTOS NA SUPERFÍCIE As deformações ocorridas na

Leia mais

CAPÍTULO 2 - INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS E DE CAMPO

CAPÍTULO 2 - INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS E DE CAMPO CAPÍTULO 2 - INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS E DE CAMPO 2.1. INTRODUÇÃO O conhecimento das condições de subsolo em um determinado local é uma condição fundamental para a elaboração de projetos de fundações e

Leia mais

FUNDAÇÕES. Aspectos a considerar para a escolha da fundação? Aspectos a considerar para a escolha da fundação?

FUNDAÇÕES. Aspectos a considerar para a escolha da fundação? Aspectos a considerar para a escolha da fundação? DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE CONSTRUÇÃO CIVIL PCC 2435 - Tecnologia da Construção de Edifícios I FUNDAÇÕES Profs. Luiz Sergio Franco, Fernando Henrique Sabbatini, Mercia M. B. Barros e Vitor Levi C. Aly

Leia mais

SUMÁRIO. laboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando J. Albrecht

SUMÁRIO. laboração Revisão Data da revisão Aprovado (ou Aprovação) Data aprovação Luiz Fernando J. Albrecht SUMÁRIO 1. Objetivo e campo de aplicação...2 2. Referências...2 3. Definições...2 4. Condições para início dos serviços...2 5. Materiais e equipamentos necessários...3 5.1 Materiais...3 5.2 Equipamentos...3

Leia mais

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC

TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC TEORIA DAS FUNDAÇÕES EXERCÍCIOS DE CÁLCULO DE FUNDAÇÕES PROFUNDAS (2003/04) DEC FCTUC 1 - Considere uma estaca cravada, de betão, com secção circular de 0,5 m de diâmetro. Calcule a carga vertical máxima

Leia mais

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil

Exacta ISSN: 1678-5428 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Exacta ISSN: 7-5 exacta@uninove.br Universidade Nove de Julho Brasil Paschoalin Filho, João Alexandre; de Lima, David Willian; Sohsten Rezende, Levy von Implantação e caracterização de uma área experimental

Leia mais

Geotecnia de Fundações TC 041

Geotecnia de Fundações TC 041 Geotecnia de Fundações TC 041 Curso de Engenharia Civil 8º Semestre Vítor Pereira Faro vpfaro@ufpr.br Roberta Bomfim Boszczowski roberta.bomfim@ufpr.br Setembro 2016 Tem sido usual a aplicação da teoria

Leia mais

A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DE ENSAIOS ESPECIAIS DE CAMPO

A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DE ENSAIOS ESPECIAIS DE CAMPO A UTILIZAÇÃO PRÁTICA DE ENSAIOS ESPECIAIS DE CAMPO Prof. Dr.Antônio Sérgio Damasco Penna DAMASCO PENNA ENGENHARIA GEOTÉCNICA ENSAIOS ESPECIAIS DE CAMPO Ensaio de penetração de cone estático com medidas

Leia mais

INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS

INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS INFRAESTRUTURA DE PONTES FUNDAÇÕES PROFUNDAS GENERALIDADES Fundações são elementos estruturais destinados a transmitir ao terreno as cargas da estrutura; Devem ter resistência adequada para suportar as

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL

UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL CIV 332 MECÂNICA DOS SOLOS I APOSTILA DE EXERCÍCIOS Parte 03 Prof. Benedito de Souza Bueno Prof.

Leia mais

Investigações Geotécnicas Parte 2

Investigações Geotécnicas Parte 2 Investigações Geotécnicas Parte 2 FUNDAÇÕES SLIDES 04 Prof. MSc. Douglas M. A. Bittencourt prof.douglas.pucgo@gmail.com Sondagens Rotativas e mistas Uso de conjunto motomecanizado Penetração e rotação

Leia mais

Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm

Estribos verticais: 2 Largura X: 45.0 cm Ø10 CA-50-A P9, P10, P11, Largura Y: 45.0 cm 1 MEMÓRIA DE CÁLCULO - ESTRUTURAL 4.1 MEMÓRIA DE CÁLCULO FUNDAÇÕES 4.1.1 DESCRIÇÃO Referências Estacas Material Geometria Armadura P1, P2, P3, P4, Tipo: 18x18 Concreto: C25, Bloco de 1 estaca Estribos

Leia mais

VOLUME 3A ESTUDOS GEOTÉCNICOS

VOLUME 3A ESTUDOS GEOTÉCNICOS R E P Ú B L I C A F E D E R A T I V A D O B R A S I L M I N I S T É R I O D O S T R A N S P O R T E S DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRA-ESTRUTURA DE TRANSPORTES SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DO DNIT NO ESTADO

Leia mais

ETL VILA SANTA FÉ PIRASSUNUNGA SÃO PAULO SONDAGEM E AÇÕES NAS ESTACAS

ETL VILA SANTA FÉ PIRASSUNUNGA SÃO PAULO SONDAGEM E AÇÕES NAS ESTACAS PIRASSUNUNGA SÃO PAULO SETEMBRO DE 2017 PIRASSUNUNGA SÃO PAULO Admilson Aparecido Eng. civil, M Sc CREA/SP 060.179.056-3 SETEMBRO DE 2017 PIRASSUNUNGA SÃO PAULO SUMÁRIO 1- INTRODUÇÃO 1 2- RELATÓRIO DE

Leia mais

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353

ANEXO 1. DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 ANEXO 1 DOCUMENTAÇÃO FOTOGRÁFICA DOS LOCAIS DE SONDAGEM A TRADO km 353 Foto 1 Vista do local de execução da sondagem a trado ST-01 (km353). Foto 2- Vista dos tipos de materiais ocorrentes no local da sondagem

Leia mais

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4)

Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4) 1 Notas de aula prática de Mecânica dos Solos I (parte 4) Helio Marcos Fernandes Viana Conteúdo da aula prática Exercícios relacionados à determinação da profundidade de sondagem e aos procedimentos da

Leia mais

RELATOS DE OBRAS EM ESTACAS ESCAVADAS COM BULBOS, BLOCO-SAPATA E ARMAÇÃO COM TELA NYLON.

RELATOS DE OBRAS EM ESTACAS ESCAVADAS COM BULBOS, BLOCO-SAPATA E ARMAÇÃO COM TELA NYLON. RELATOS DE OBRAS EM ESTACAS ESCAVADAS COM BULBOS, BLOCO-SAPATA E ARMAÇÃO COM TELA NYLON. CASE STUDIES OF BUILDINGS WITH BORED UNDERREAMED PILES, SHALLOW-BLOCKS AND NYLON SCREEN PROTECTED REINFORCEMENT.

Leia mais

PROJETOS GEOTÉCNICOS PROJETOS GEOTÉCNICOS REFERÊNCIA NORMATIVA

PROJETOS GEOTÉCNICOS PROJETOS GEOTÉCNICOS REFERÊNCIA NORMATIVA P O R T F O L I O PROJETOS GEOTÉCNICOS PROJETOS GEOTÉCNICOS NBR 6118:2003 - Projeto de estrutura de concreto - Procedimento; NBR 6122:2010 - Projeto e execução de fundações Procedimento; NBR 8044:1983

Leia mais

RELATÓRIO N. 7.758-11/15 SONDAGEM A PERCUSSÃO. 27 de Novembro de 2015.

RELATÓRIO N. 7.758-11/15 SONDAGEM A PERCUSSÃO. 27 de Novembro de 2015. RELATÓRIO N. 7.758-11/15 SONDAGEM A PERCUSSÃO 27 de Novembro de 2015. l> GEPE RELATÓRIO N. 7.758-11/15 Em 27 de Novembro de 2015. ASSUNTO : SONDAGEM DE SOLO LIENTE : CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA E AGRONOMIA

Leia mais

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento

FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo. ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento FATEC - SP Faculdade de Tecnologia de São Paulo ESTACAS DE CONCRETO PARA FUNDAÇÕES - carga de trabalho e comprimento Prof. Manuel Vitor Curso - Edifícios ESTACAS PRÉ-MOLDADAS DE CONCRETO NBR 6122/1996

Leia mais

FUNDAÇÕES PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL Apresentador: W. N. M., Diego¹ Co-autor: L.T., Karina² Orientador: S. D., J. Mário³

FUNDAÇÕES PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL Apresentador: W. N. M., Diego¹ Co-autor: L.T., Karina² Orientador: S. D., J. Mário³ FUNDAÇÕES PARA HABITAÇÕES DE INTERESSE SOCIAL Apresentador: W. N. M., Diego¹ Co-autor: L.T., Karina² Orientador: S. D., J. Mário³ (1) Mestrando em Engenharia Civil, UFSM, Brasil. E-mail: diego_nas_mac@hotmail.com

Leia mais

3. Descrição do local

3. Descrição do local 47 3. Descrição do local 3.1 Histórico O terreno objeto da presente dissertação está localizado na Barra da Tijuca, zona oeste do Rio de Janeiro, mais especificamente na região mostrada na figura 3.1.

Leia mais

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3

SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 SINAPI SISTEMA NACIONAL DE PESQUISA DE CUSTOS E ÍNDICES DA CONSTRUÇÃO CIVIL CADERNOS TÉCNICOS DE COMPOSIÇÕES PARA ATERRO DE VALAS LOTE 3 Versão: 002 Vigência: 05/2016 Atualização: 06/2016 GRUPO ATERRO

Leia mais

2. SERVIÇOS EXECUTADOS

2. SERVIÇOS EXECUTADOS Curitiba, 03 de Agosto de 2009. R E L A T Ó R I O 1. INTRODUÇÃO em referência. Estamos apresentando o relatório referente aos serviços de investigação geotécnica 2. SERVIÇOS EXECUTADOS Os serviços consistiram

Leia mais

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ

RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM - SEARQ PODER JUDICIÁRIO TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DA PARAÍBA Secretaria de Administração e Orçamento Seção de Engenharia e Arquitetura / COSEG RELATÓRIO VISTORIA NA ESTRUTURA DO CARTÓRIO ELEITORAL DE GURINHÉM

Leia mais

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC)

PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PROJETO BÁSICO COM DETALHAMENTO CONSTRUTIVO DOS MOLHES DE FIXAÇÃO DA BARRA DO RIO ARARANGUÁ, MUNICÍPIO DE ARARANGUÁ (SC) PRODUTO III INVESTIGAÇÕES GEOTÉCNICAS SONDAGEM DE SIMPLES RECONHECIMENTO POR SPT

Leia mais

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA

SONDAGEM A TRADO INICIO PERFIL INDIVIDUAL INTERCEPTOR DE ESGOTO Córrego Brejo Alegre - Araguari / MG TECMINAS ENGENHARIA FN. (017) 334-334 - CEP. 02-080 CLIENTE 0,39 /08/2014 TÉRMINO /08/2014 ATERRO DE AREIA FINA, ARGILOSA, MARROM ACINZENTADA. 903,090 ST.01 AREIA FINA, MUITO ARGILOSA, AMARELA ACINZENTADA. 2,63 cinza ARGILA

Leia mais

INTERPRETAÇÃO DE RELATÓRIOS DE SONDAGEM DO SUBSOLO DE MARINGÁ-PR

INTERPRETAÇÃO DE RELATÓRIOS DE SONDAGEM DO SUBSOLO DE MARINGÁ-PR INTERPRETAÇÃO DE RELATÓRIOS DE SONDAGEM DO SUBSOLO DE MARINGÁ-PR Daniela Jandussi Palumbo 1, Sarah Celli Neto Sagradin 2, Hermam Vargas Silva 3 RESUMO: A investigação geotécnica de um solo é um importante

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE

INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE ÁGUA & MINÉRIO SONDAGENS DE SOLO LTDA SONDAGENS DE SIMPLES RECONHECIMENTO - SPT NBR 6484 e NBR 8036 da ABNT INSTITUTO FEDERAL CATARINENSE CAMPUS IBIRAMA Rua Getúlio Vargas, 3006 Bela Vista Furos F-1 a

Leia mais

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4a)

Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4a) 1 Notas de aulas de Mecânica dos Solos I (parte 4a) OBS. As notas de aulas de Mecânica dos Solos I parte 4 foram divididas em duas partes, em parte 4a e parte 4b. Helio Marcos Fernandes Viana Tema: Prospecção

Leia mais

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test)

ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) ENSAIOS DE CAMPO SPT (Santard Penetration Test) NORMAS - NBR 8036: Programação de sondagens de simples reconhecimento dos solos; - NBR 7250: Identificação e descrição de amostras de solo obtidas em sondagens

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO -

MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ UFC CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA HIDRÁULICA E AMBIENTAL MECÂNICA DOS SOLOS - COMPACTAÇÃO - PROF. SILVRANO ADONIAS DANTAS NETO, DOUTOR EM GEOTECNIA INTRODUÇÃO:

Leia mais

PESQUISA A GRANDES PROFUNDIDADES SONDAGENS A PERCUSSÃO, ROTATIVA E GALERIAS

PESQUISA A GRANDES PROFUNDIDADES SONDAGENS A PERCUSSÃO, ROTATIVA E GALERIAS PESQUISA A GRANDES PROFUNDIDADES SONDAGENS A PERCUSSÃO, ROTATIVA E GALERIAS Introdução As investigações de subsuperficie constituem uma etapa sucessiva ao mapaeamento geologico regional objetivam complementar

Leia mais

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA

CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE SANTA CATARINA 3.7. REBAIXAMENTO DO LENÇOL FREÁTICO Quando as escavações atingem o nível das águas subterrâneas e há o afloramento das mesmas, torna-se necessária a drenagem ou o rebaixamento do lençol freático com o

Leia mais

Reforço de Fundações de Torres de Transmissão Apoiadas sobre Espessas Camadas de Sedimentos Orgânicos

Reforço de Fundações de Torres de Transmissão Apoiadas sobre Espessas Camadas de Sedimentos Orgânicos Reforço de Fundações de Torres de Transmissão Apoiadas sobre Espessas Camadas de Sedimentos Orgânicos Abel Galindo Marques, M.Sc. Prof. Adjunto, Universidade Federal de Alagoas UFAL, Diretor da AGM Geotécnica

Leia mais

R.T. Eng. Geotécnico Prof. Edgar Pereira Filho

R.T. Eng. Geotécnico Prof. Edgar Pereira Filho SONDAGEM A PERCUSSÃO METODOLOGIA EXECUTIVA RESUMO Neste breve artigo apresentamos a metodologia executiva das sondagens a percussão com ensaio de penetração SPT. São abordadas as recomendações normativas

Leia mais

Interpretação de Resultados de Sondagens SPT-T no Litoral do Nordeste Brasileiro

Interpretação de Resultados de Sondagens SPT-T no Litoral do Nordeste Brasileiro XVIII Congresso Brasileiro de Mecânica dos Solos e Engenharia Geotécnica O Futuro Sustentável do Brasil passa por Minas 19-22 Outubro, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil ABMS, 2016 Interpretação de Resultados

Leia mais

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS

Associado à. Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS Associado à Associação Brasileira de Mecânica do Solos 38 ANOS 38 ANOS MEMORIAL DESCRITIVO OBRA PONTE PARAUAPEBAS - PARÁ DATA Outubro de 2011 Belém, 11 de outubro de 2011 Referência: Ponte em Parauapebas,

Leia mais

Acidentes Prediais. Rubens Sydenstricker Departamento de Vistoria Estrutural

Acidentes Prediais. Rubens Sydenstricker Departamento de Vistoria Estrutural Prevenção de Acidentes Prediais Rubens Sydenstricker Departamento de Vistoria Estrutural Secretaria Municipal de Urbanismo Coordenadoria de Licenciamento e Fiscalização Urbanística Conteúdo Ações emergenciais

Leia mais

Obras Geotécnicas TC 066

Obras Geotécnicas TC 066 Obras Geotécnicas TC 066 Curso de Engenharia Civil 7º Semestre Vítor Pereira Faro vpfaro@ufpr.br Março 2017 Areias Solos muito permeáveis Comportamento controlado pelas forças de gravidade, logo pelo tamanho

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO

ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESPECIFICAÇÃO DE SERVIÇO ESTACAS TIPO FRANKI Grupo de Serviço OBRAS D ARTE ESPECIAIS Código DERBA-ES-OAE-09/01 1. OBJETIVO Esta especificação de serviço define os critérios que orientam a utilização de

Leia mais

Tratamento de Fundações - Cais em Caixotões Guiné Equatorial - Porto de Malabo - Porto de Bata

Tratamento de Fundações - Cais em Caixotões Guiné Equatorial - Porto de Malabo - Porto de Bata Tratamento de Fundações - Cais em Caixotões Guiné Equatorial - Porto de Malabo - Porto de Bata Teixeira, Luís Etermar, Engenharia e Construção SA l.teixeira@etermar.pt Capítulo 1 Introdução ÍNDICE Capítulo

Leia mais

PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE)

PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE) PATOLOGIA EM FUNDAÇÕES (RECALQUE) SOLO + ÁGUA + AR + (MAT. ORGÂNICOS) CARGA EXTERNA TODOS SOLOS SE DEFORMAM MÉTODOS DE CÁLCULO CRITÉRIO DE RUPTURA DO SOLO CRITÉRIO DE RECALQUE ADMISSÍVEL MÉTODO / TIPO

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS MOLES. Ação contínua de forças dinâmicas provocadas ou não pelo homem

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS MOLES. Ação contínua de forças dinâmicas provocadas ou não pelo homem ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS MOLES Ação contínua de forças dinâmicas provocadas ou não pelo homem ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS MOLES Rigidez RESISTÊNCIA Compressibilidade Permeabilidade Sensibilidade à Água CAPACIDADE

Leia mais

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS

INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA INFRA-ESTRUTURA DEPARTAMENTO ESTADUAL DE INFRA-ESTRUTURA INSTRUÇÕES NORMATIVAS PARA EXECUÇÃO DE SONDAGENS IN-07/94 Instrução

Leia mais

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS

ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Universidade Federal de Ouro Preto - Escola de Minas Departamento de Engenharia Civil CIV620-Construções de Concreto Armado ESTRUTURAS DE FUNDAÇÕES RASAS Profa. Rovadávia Aline Jesus Ribas Ouro Preto,

Leia mais

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL)

ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) ANEXO 4 SONDAGEM (ORIGINAL) 1. RELATÓRIO DE SONDAGEM 1.1 Objetivos O presente relatório tem por objetivo descrever os critérios e procedimentos adotados na execução dos serviços de sondagem geotécnica

Leia mais

Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra. Roberto Monteiro

Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra. Roberto Monteiro Tecnologia da Construção Civil - I Locação de Obra e Serviços em Terra Limpeza do terreno Dependendo do porte da obra e da declividade do terreno serão necessários a utilização de equipamentos de grande

Leia mais

ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI

ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI ASPECTOS GEOTÉCNICOS EM OBRAS DE TERRA - ESTUDO DE CASO EM CANAIS DE ÁGUA NA REGIÃO DO CARIRI Prof. Dra. ANA PATRÍCIA NUNES BANDEIRA (Prof. UFCA - Engenheira Civil Área de Geotecnia) OBRAS DE TERRA - Conceito

Leia mais

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Métodos de investigação do subsolo. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio. Data: Americana, julho de 2005.

Fundações I. UNIVERSIDADE: Curso: Métodos de investigação do subsolo. Aluno: RA: Professor Douglas Constancio. Data: Americana, julho de 2005. UNIVERSIDADE: Curso: Fundações: Métodos de investigação do subsolo Aluno: RA: Professor: Disciplina: Professor Douglas Constancio Fundações I Data: Americana, julho de 2005. 0 CONTEÚDO INTRODUTÓRIO REVISÃO

Leia mais

17:39. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS

17:39. Departamento de Construção Civil FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS FUNDAÇÕES INTRODUÇÃO FUNDAÇÕES DIRETAS Prof. Dr. Marcelo Medeiros Grupo de Materiais de Construção Versão 2013 1 Fundações: O que são? São elementos estruturais cuja função é a transferência de cargas

Leia mais

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário

Objetivo. Material de apoio. Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto, Oficina de Textos, 2006); Sumário Universidade Paulista Instituto de Ciências Exatas e Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Professora Moema Castro, MSc. 1 Material de apoio 2 Curso básico de mecânica dos solos (Carlos Souza Pinto,

Leia mais

Projeto de Aterro Para Posto de Pesagem na BR-116-RJ - km131

Projeto de Aterro Para Posto de Pesagem na BR-116-RJ - km131 Projeto de Aterro Para Posto de Pesagem na BR-6-RJ - km3 Carolina de Albuquerque Cardoso e Sílio Carlos Pereira Lima Filho LPS Consultoria e Engenharia Ltda RESUMO: O presente trabalho apresenta o desenvolvimento

Leia mais

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM ATERRO SOBRE SOLO MOLE NO DEPÓSITO DA OSTEN FERRAGENS CURITIBA PR

APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM ATERRO SOBRE SOLO MOLE NO DEPÓSITO DA OSTEN FERRAGENS CURITIBA PR APLICAÇÃO DO GEOTÊXTIL BIDIM EM ATERRO SOBRE SOLO MOLE NO DEPÓSITO DA OSTEN FERRAGENS CURITIBA PR Autor: Departamento Técnico - Atividade Bidim Colaboração: Eng. André Fanaya SETEMBRO 1997 Revisado JANEIRO

Leia mais

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE

ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Revisão Recalque imediato em areias Métodos

Leia mais

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos

CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL. Profª Aline Cristina Souza dos Santos CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Profª Aline Cristina Souza dos Santos MÉTODOS ESTÁTICOS Capacidade de carga total da estaca Capacidade de carga lateral da estaca Peso próprio

Leia mais

Ensaio Proctor Intermediário E 12,9 Kg.cm/cm³. w ót ) 19,70% Umidade Ótima (

Ensaio Proctor Intermediário E 12,9 Kg.cm/cm³. w ót ) 19,70% Umidade Ótima ( INTRODUÇÃO O ensaio CBR (Califórnia Bearing Ratio), tem como objetivo fornecer o índice de resistência do solo compactado. Com a obtenção deste parâmetro, podemos verificar se o solo em estudo tem propriedades

Leia mais