2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32"

Transcrição

1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO UNIDADE 1: Aspectos gerais, produção, mercado etc. 1.1 Açúcares Origem dos açúcares Glicose e frutose Sacarose Açúcar nos alimentos Edulcorantes Produção e mercado de açúcar e álcool Indústria açucareira no Brasil Referência UNIDADE 2: Cana-de-açúcar 2.1 Produção de açúcar e álcool Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro Polarização ou Pol Densidade e sólidos totais

2 2.5 Determinação do Brix de uma solução Pureza de uma solução açucarada Açúcares redutores Açúcares redutores totais Cana-de-açúcar Colheita da cana Composição da cana Curva de maturação da cana Deterioração da cana Deterioração microbiológica Impurezas da cana Cana colhida em toletes Pagamento da cana pelo teor de sacarose e pureza (PCTS) Amostragem da cana para o PCTS Análise da cana para o PCTS Açúcares totais recuperáveis Qualidade da cana para a sua industrialização Referências... 52

3 UNIDADE 3: Recepção e preparo da cana 3.1 Introdução Descarregamento da cana Armazenagem da cana Deterioração da cana-de-açúcar Mesa alimentadora Lavagem de cana Lavagem na mesa Limpeza da cana a seco Tratamento da água de lavagem de cana Esteira de cana Preparo da cana Índice de preparo da cana Referências UNIDADE 4: Extração da sacarose moendas e difusores 4.1 Introdução Moenda de três rolos Rolos ou cilindros Bagaceira

4 4.5 Conjunto de moagem Pressão na moenda Pressão hidráulica Acumuladores aero-hidráulicos Pressão hidráulica específica Velocidade dos rolos da moenda Extração Embebição Capacidade das moendas Teor de fibra na cana Dimensão e velocidade de rotação dos rolos Número de ternos da moenda Características do preparo da cana Consumo de potência e acionamento Extração por difusor Referência UNIDADE 5: Tratamento do caldo Parte Introdução Tipos de tratamento do caldo

5 5.3 Tratamento preliminar do caldo Decantadores Hidrociclones Peneira de rastelos (cush-cush) Peneira estática Peneira vibratória Peneira rotativa Tratamento físico-químico do caldo Sulfitação Forno de enxofre Absorção dos gases Caleagem Óxido de cálcio ou cal Hidróxido de cálcio Calcário dolomítico Aquecimento do caldo Superfície de aquecimento Coeficiente de transferência de calor (k) Incrustações

6 5.22 Tipos de aquecedor Calor específico do caldo Calor perdido Isolantes térmicos Dimensionamento dos aquecedores Perda de carga Exemplo de cálculo Referências UNIDADE 6: Tratamento do caldo Parte Decantação do caldo Objetivos da decantação Causas de uma clarificação desfavorável Mecanismo da sedimentação Efeitos práticos da clarificação Perdas de açúcar no decantador Paradas para limpeza Decantador contínuo Decantadores rápidos Lodo

7 6.11 Balão de flash Tempo de retenção num decantador Separação do material insolúvel do lodo Filtro rotativo a vácuo Torta do filtro Superfície filtrante Bagacinho Retenção de insolúveis no filtro Prensa desaguadora Outros reagentes utilizados no tratamento do caldo Remoção das impurezas do caldo Referência UNIDADE 7: Evaporação 7.1 Introdução Princípios da evaporação Elevação do ponto de ebulição durante a evaporação Consumo de vapor nos evaporadores Evaporação em múltiplo efeito Acessórios de uma evaporação

8 7.7 Separador de arraste Coeficientes de transmissão de calor Sangria de vapor num múltiplo efeito Incrustação nos evaporadores Controle da evaporação Xarope Referências UNIDADE 8: Cozimento 8.1 Introdução Cristalização Medida de supersaturação Cristalização da sacarose Conteúdo de cristais na massa cozida Tachos de cozimento Cozimento contínuo Condução do cozimento Sistema de cozimento Recuperação do cozimento Centrifugação (aspectos gerais)

9 8.12 Fundamentos da centrifugação Centrífugas descontínuas Centrífugas contínuas Problemas na cristalização Controle do cozimento Referências UNIDADE 9: Secagem e armazenagem de açúcar 9.1 Introdução Princípio de secagem Secadores Cálculos de um secador Armazenagem do açúcar Aglomeramento e empedramento Referências

Tecnologia de Produção de Açúcar

Tecnologia de Produção de Açúcar Coleção UAB UFSCar Tecnologia Sucroalcooleira Cláudio Hartkopf Lopes Tecnologia de Produção de Açúcar Tecnologia de Produção de Açúcar Reitor Targino de Araújo Filho Vice-Reitor Pedro Manoel Galetti Junior

Leia mais

A Cultura da Cana-de-Açúcar Saul Carvalho

A Cultura da Cana-de-Açúcar Saul Carvalho A Cultura da Cana-de-Açúcar Saul Carvalho 1 QUALIDADE = Riqueza da cana + recuperação dos açúcares FATORES: -variedade - estádio de maturação -impurezas - microorganismos -sanidade - corte, colheita, carregamento

Leia mais

TRATAMENTO DE CALDO E A SUA IMPORTÂNCIA. Carlos A. Tambellini

TRATAMENTO DE CALDO E A SUA IMPORTÂNCIA. Carlos A. Tambellini TRATAMENTO DE CALDO E A SUA IMPORTÂNCIA Carlos A. Tambellini PRÉ TRATAMENTO DE CALDO Limpeza da Cana Peneiramento de Caldo Bruto Regeneração de Calor TRATAMENTO DE CALDO Sulfitação Calagem / Dosagem por

Leia mais

Extração do caldo. Marcos Omir Marques FCAVJ/UNESP

Extração do caldo. Marcos Omir Marques FCAVJ/UNESP Extração do caldo Marcos Omir Marques FCAVJ/UNESP Introdução Objetivo Separar a fração líquida do colmo, contendo açúcares (caldo) da fração fibra da cana, com o máximo de eficiência possivel. Equipamentos

Leia mais

Produção de Açúcar. Processos Químicos Industriais II

Produção de Açúcar. Processos Químicos Industriais II Produção de Açúcar Processos Químicos Industriais II Energia Brasil Moagem de cana de açúcar da safra 2013/2014 acumulada até 01/06/2013 somou aproximadamente 105 milhões de toneladas. Ainda de acordo

Leia mais

Glossário de termos técnicos Sucroalcooleiro

Glossário de termos técnicos Sucroalcooleiro Acidez sulfúrica Quantidade de ácidos totais presentes no vinho, mosto ou pé-de-cuba expressos em g/l de ácido sulfúrico. Açúcares fermentescíveis Denominação dos açúcares que podem ser transformados em

Leia mais

CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS

CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS CATÁLOGO DE PRODUTOS E SERVIÇOS História Missão Conhecida pela excelente qualidade de seus equipamentos, a ARJMAN cumpre fielmente as normas e especificações estabelecidas

Leia mais

SISTEMAS DE EXTRAÇÃO DO CALDO... MOENDA E DIFUSOR!!! PIRACICABA, 16 DE JUNHO DE 2011 JOSÉ LUIZ OLIVÉRIO

SISTEMAS DE EXTRAÇÃO DO CALDO... MOENDA E DIFUSOR!!! PIRACICABA, 16 DE JUNHO DE 2011 JOSÉ LUIZ OLIVÉRIO 2011 SISTEMAS DE EXTRAÇÃO DO CALDO... MOENDA E DIFUSOR!!! PIRACICABA, 16 DE JUNHO DE 2011 JOSÉ LUIZ OLIVÉRIO VICE PRESIDENTE DE TECNOLOGIA E DESENVOLVIMENTO DEDINI S/A INDÚSTRIAS DE BASE 2 3 4 5 2011!!!...

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Campo Mourão Tratamento do Caldo - Clarificação

Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Campo Mourão Tratamento do Caldo - Clarificação Universidade Tecnológica Federal do Paraná - Campus Campo Mourão Tratamento do Caldo - Clarificação Profª Camila O. Martinez 1 2016 Tratamento do caldo Peneiramento Sulfitação (Bicarbonatação, ozonização)

Leia mais

Descrição Resumida do processo

Descrição Resumida do processo Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN LAN 1458 Açúcar e Álcool 6ª Aula EXTRAÇÃO DO CALDO Prof. Antonio

Leia mais

Indicadores da qualidade e valores recomendados para cana-de-açucar

Indicadores da qualidade e valores recomendados para cana-de-açucar Indicadores da qualidade e valores recomendados para cana-de-açucar Recebimento Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Extração e Tratamento do Caldo Profª Camila O. Martinez 3

Leia mais

EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A USINA DA SOBREVIVÊNCIA EFICIÊNCIA É FUNDAMENTAL HENRIQUE V. AMORIM, Prof. 15º SBA - STAB 29 e 30 de Outubro de 2014 EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SOBRE A FERMENTEC ESTRUTURA DE 2500 M²

Leia mais

Descrição Resumida do processo

Descrição Resumida do processo Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN LAN 685 - Tecnologia do Álcool 6ª Aula PREPARO DA CANA E EXTRAÇÃO

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Campo Mourão. Engenharia de Alimentos USINA GOIOERÊ DE AÇÚCAR E ÁLCOOL

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Campo Mourão. Engenharia de Alimentos USINA GOIOERÊ DE AÇÚCAR E ÁLCOOL UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Engenharia de Alimentos USINA GOIOERÊ DE AÇÚCAR E ÁLCOOL ENEFICIAMENTO E CARA CTERIZAÇÃO DE DA INDÚSTRIA DE NA RAGIÃO DE CORUMBATAÍ DO SUL:

Leia mais

PURIFICAÇÃO DO CALDO PARA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR

PURIFICAÇÃO DO CALDO PARA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN LAN 1458 Açúcar e Álcool PURIFICAÇÃO DO CALDO PARA PRODUÇÃO

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania SISTEMA DE PRODUÇÃO EM CANA-DE-AÇÚCAR AULA 11 COLHEITA E TRANSPORTE Prof. Dr. Carlos Azania Pesquisador Científico VI do Instituto Agronômico (IAC) Centro de Cana Ribeirão Preto SP Julho - 2017 LIBERAÇÃO

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL- LAN 1458 Operações preliminares ao processo

Leia mais

MASM ENGENHARIA E CONSULTORIA

MASM ENGENHARIA E CONSULTORIA CALDEIRA E GERADOR BALANÇO ART 16,4% 274,3 t/h 33,1 t/h 50 % umid 11,9 % 1,8 % pol 26,5 t/h 214,6 t/h SOBRA DESCARTE PURGA PURGA CALDEIRA CALDEIRA 2,0 t/h DESCARTE DE BAIXA 8,8 t/h DE ALTA 448,8 t/h 4,0

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL- LAN 1458 Operações preliminares ao processo

Leia mais

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA

PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA PAINÉIS DE FIBRAS DE MADEIRA Prof. Setsuo Iwakiri UFPR INTRODUÇÃO HISTÓRICO > 1914: Primeira fábrica > painéis fibras isolantes > processo úmido 1930: Primeira fábrica > painéis fibras duras > processo

Leia mais

PRÁTICAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE. Engº Cleber Aguiar 26/10/2011

PRÁTICAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE. Engº Cleber Aguiar 26/10/2011 PRÁTICAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Engº Cleber Aguiar 26/10/2011 Fundada em 1949 Sociedade Anônima de Capital Fechado de controle familiar. Visão: Ser uma empresa competitiva no plano mundial. Missão

Leia mais

USP/ESALQ LAN1458 Açúcar e Álcool TRATAMENTO DO CALDO. Prof. Dra Sandra H da Cruz

USP/ESALQ LAN1458 Açúcar e Álcool TRATAMENTO DO CALDO. Prof. Dra Sandra H da Cruz USP/ESALQ LAN1458 Açúcar e Álcool TRATAMENTO DO CALDO Prof. Dra Sandra H da Cruz 1. Introdução Açúcar de cana https://www.youtube.com/watch?v=jhvkurxstfy https://www.youtube.com/watch?v=w3p3lbaxu0e TRATAMENTO

Leia mais

Plano de Aula - O Processo de Fabricação do Açúcar e Álcool - cód Horas/Aula

Plano de Aula - O Processo de Fabricação do Açúcar e Álcool - cód Horas/Aula Plano de Aula - O Processo de Fabricação do Açúcar e Álcool - cód. 4465-24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução Capítulo 2 - Histórico da Cana-de-Açúcar no Brasil Aula 2 Capítulo 3 - Cenário da Cana-de-Açúcar

Leia mais

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Curso de Pós-Graduação Gestão do Setor Sucroalcooleiro. Produção de Açúcar. Oscar F T Paulino

CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS. Curso de Pós-Graduação Gestão do Setor Sucroalcooleiro. Produção de Açúcar. Oscar F T Paulino Curso de Pós-Graduação Gestão do Setor Sucroalcooleiro CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Produção de Açúcar Oscar F T Paulino CONCEITOS GERAIS Conceitos Básicos Caldo Misto Caldo obtido no processo de extração

Leia mais

Redução dos Custos de Manutenção de Moendas e Análise de Custos em Sistemas de Extração de Caldo

Redução dos Custos de Manutenção de Moendas e Análise de Custos em Sistemas de Extração de Caldo Redução dos Custos de Manutenção de Moendas e Análise de Custos em Sistemas de Extração de Caldo Autores: Sidney Brunelli e José Luiz Aguiar Agosto/2008 MENINOS EU VI... Juca Kfouri Introdução Creio que

Leia mais

UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03. Palestra TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO. Carlos A.

UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03. Palestra TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO. Carlos A. Palestra UDOP Araçatuba/SP 11 e 12/11/03 TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚCAR EVAPORAÇÃO X CONSUMO DE VAPOR DIRETO Carlos A. Tambellini TRATAMENTO DE CALDO X QUALIDADE DO AÇÚA ÇÚCAR Sulfitação ou

Leia mais

ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO

ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO ÓLEO DE PALMA - O PROCESSO DE EXTRAÇÃO Informações básicas Podemos extrair dos cachos da palma os seguintes produtos: Óleo de palma bruto: 20% Óleo de palmiste: 1,5% Torta de palmiste: 3,5% Cachos vazios:

Leia mais

PENTAGRO SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS

PENTAGRO SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS Relatório técnico publicado pela PENTAGRO SOLUÇÕES TECNOLÓGICAS WWW.PENTAGRO.COM.BR 1. Resumo Este relatório apresenta, de forma resumida, toda a rota produtiva para obtenção do açúcar, etanol e bioeletricidade.

Leia mais

Processos de Moagem e Difusão para a extração do caldo da cana-de-açúcar. Dra. Sandra Helena da Cruz (ESALQ / USP)

Processos de Moagem e Difusão para a extração do caldo da cana-de-açúcar. Dra. Sandra Helena da Cruz (ESALQ / USP) Processos de Moagem e Difusão para a extração do caldo da cana-de-açúcar Dra. Sandra Helena da Cruz (ESALQ / USP) 1 1. INTRODUÇÃO CANA-DE-AÇÚCAR (partes) 12,5% fibra Parte dura (casca e nó) - 25% peso

Leia mais

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento

Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Estudo de Caso Reutilização de Água em Usina de Destilaria de Etanol Hidratado e Fabricação de Açúcar Através de Torres de Resfriamento Empresa: Usina Açucareira Passos S/A Usina Itaiquara Endereço: Fazenda

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO

CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO CANA-DE-AÇÚCAR NO BRASIL E NO MUNDO Global Distribution of Sugarcane Netafim's Agriculture Department Valor e produção da cultura de cana-de-açúcar dos 20 principais produtores mundiais em 2010 FAO País

Leia mais

2013 Tabela de Conteúdo e Índice

2013 Tabela de Conteúdo e Índice Métodos para Açúcar Bruto 2013 Tabela de Conteúdo e Índice Açúcares Redutores em Açúcar Bruto de Cana pelo Procedimento de Lane e Eynon a Volume Constante Glucose e Frutose em Açúcares Brutos e Açúcares

Leia mais

FATORES QUE INFLUENCIAM AS PERDAS DURANTE O PROCESSO DE CRISTALIZAÇÃO NA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR

FATORES QUE INFLUENCIAM AS PERDAS DURANTE O PROCESSO DE CRISTALIZAÇÃO NA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR FATORES QUE INFLUENCIAM AS PERDAS DURANTE O PROCESSO DE CRISTALIZAÇÃO NA PRODUÇÃO DE AÇÚCAR Factors that influence losses during the crystallization process in sugar production Maria Angélica Marques Pedro

Leia mais

16 Tratamento e disposição de lodos

16 Tratamento e disposição de lodos 16 Tratamento e disposição de lodos 16.1 Produção de lodo de uma ETE Lagoas de estabilização Grandes áreas acumulação pequena de lodo Lagoas aeradas Lagoas de sedimentação Acumulação por 1 a 2 anos necessidade

Leia mais

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Fabricação do açúcar

Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Fabricação do açúcar Universidade Tecnológica Federal do Paraná Campus Campo Mourão Fabricação do açúcar Profª Camila O. Martinez 1 2016 2 Consumo O consumo no Brasil cresceu mto nos últimos 60 anos, alterações no padrão de

Leia mais

Análise do Percentual de Impurezas Vegetais e Minerais Presentes na Cana-de-Açúcar

Análise do Percentual de Impurezas Vegetais e Minerais Presentes na Cana-de-Açúcar Análise do Percentual de Impurezas Vegetais e Minerais Presentes na Cana-de-Açúcar Tatiane Fernandes Zambrano Brassolatti 1, Regiane Cristina Vieira 2, Marcela Avelina Bataghin Costa 1, Marcelo Brassolatti

Leia mais

LAN1458 Açúcar e Álcool Concentração do Caldo de cana

LAN1458 Açúcar e Álcool Concentração do Caldo de cana LAN1458 Açúcar e Álcool Concentração do Caldo de cana Evaporação e cozimento Preparo da cana, moagem e sulfitação http://www.mandu.com.br/producaoacucar.htm 2 Caleagem e aquecimento 3 Sedimentação e filtração

Leia mais

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

Processo produtivo do etanol hidratado a partir da cana de açúcar

Processo produtivo do etanol hidratado a partir da cana de açúcar Processo produtivo do etanol hidratado a partir da cana de açúcar Karoline Yoshiko Gonçalves, EPA, UNESPAR/Campus de Campo Mourão karol_yoshiko@hotmail.com Nayara Caroline da Silva Block, EPA, UNESPAR/Campus

Leia mais

D O S S I Ê T É C N I C O. BENEFICIAMENTO DOS DERIVADOS DA CANA DE AÇÚCAR (melado e açúcar mascavo) Renato Ferreira de Carvalho

D O S S I Ê T É C N I C O. BENEFICIAMENTO DOS DERIVADOS DA CANA DE AÇÚCAR (melado e açúcar mascavo) Renato Ferreira de Carvalho D O S S I Ê T É C N I C O BENEFICIAMENTO DOS DERIVADOS DA CANA DE AÇÚCAR (melado e açúcar mascavo) Renato Ferreira de Carvalho Rede de Tecnologia da Bahia RETEC/BA ABRIL/2007 DOSSIÊ TÉCNICO Sumário APLICAÇÃO

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR MG COORDENAÇÃO GERAL DE GRADUAÇÃO AUGUSTO SEVERINO BERNARDES DA SILVA

CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR MG COORDENAÇÃO GERAL DE GRADUAÇÃO AUGUSTO SEVERINO BERNARDES DA SILVA CENTRO UNIVERSITÁRIO DE FORMIGA UNIFOR MG COORDENAÇÃO GERAL DE GRADUAÇÃO AUGUSTO SEVERINO BERNARDES DA SILVA UM ESTUDO DETALHADO DAS PERDAS NO PROCESSO SUCROALCOOLEIRO: PLANEJAMENTO E CONTROLE DE PRODUÇÃO

Leia mais

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR

ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR ESTUDOS COMPARATIVOS NO PROCESSO INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE BIOETANOL A PARTIR DO MELAÇO E CALDO DE CANA-DE-AÇÚCAR Scarllet O hara de Oliveira Moraes 1, Wellington da Silva Rodrigues 2, kelson Carvalho

Leia mais

Processo de produção de etanol a partir do sorgo sacarino

Processo de produção de etanol a partir do sorgo sacarino Sorgo & Cana Do ponto de vista de processamento industrial, a utilização do sorgo sacarino pouco se difere da cana-de-açúcar para produção de etanol. Ao chegar à indústria, a matéria-prima é quantificada

Leia mais

Rendimento e Eficiência na Industria Sucroenergética. Silvio Roberto Andrietta

Rendimento e Eficiência na Industria Sucroenergética. Silvio Roberto Andrietta Rendimento e Eficiência na Industria Sucroenergética Silvio Roberto Andrietta Introdução Definição Eficiência Relativo a recuperação de uma dada substância em um processo sem que haja conversão ou bioconversão

Leia mais

8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro

8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro 8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro Vinhaça: Resíduo da produção de álcool: - 12 a 13 L/L de álcool Composição: - 93% de H 2 O - 7% constituintes sólidos

Leia mais

QUALIDADE DO XAROPE EM FUNÇÃO DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA CANA CRUA E PICADA

QUALIDADE DO XAROPE EM FUNÇÃO DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA CANA CRUA E PICADA 202 QUALIDADE DO XAROPE EM FUNÇÃO DO TEMPO DE ARMAZENAMENTO DA CANA CRUA E PICADA THE SYRUP QUALITY AS A FUNCTION OF THE GREEN AND CHOPPED CANE STORAGE TIME Gustavo Dau Pimenta (1) Darlei Fernandes Sousa

Leia mais

Prof. Dra Sandra H Cruz. USP/ESALQ Agosto/2016

Prof. Dra Sandra H Cruz. USP/ESALQ Agosto/2016 Prof. Dra Sandra H Cruz USP/ESALQ Agosto/2016 https://www.youtube.com/watch?v=ghr98ylvoiy Usina virtual https://www.youtube.com/watch?v=m0v72gqkywo https://www.youtube.com/watch?v=ynk_j25qgmq https://www.youtube.com/watch?v=jjjymkddjt0

Leia mais

Leandro Pena Luciana Lucco Mariana Telles Victor Alves Docente: Rita Macri Disciplina: Gestão de Subprodutos Industriais Março 2010

Leandro Pena Luciana Lucco Mariana Telles Victor Alves Docente: Rita Macri Disciplina: Gestão de Subprodutos Industriais Março 2010 Água Residuais obtidas no processo de produção de Açúcar e Álcool Leandro Pena Luciana Lucco Mariana Telles Victor Alves Docente: Rita Macri Disciplina: Gestão de Subprodutos Industriais Março 2010 Capitação

Leia mais

PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA

PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA PROJETO DE PLANTA DE PELETIZAÇÃO DE BIOMASSA MISSÃO FORNECER SOLUÇÕES MECATRÔNICAS DE BAIXO IMPACTO AMBIENTAL E VALOR SUPERIOR PERCEBIDO PARA MOVIMENTAÇÃO SEGURA DE PRODUTOS E PROCESSAMENTO DE MATERIAIS,

Leia mais

SISTEMAS DE DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR

SISTEMAS DE DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR a Aparência do canavial (método empírico) - baseia-se em caracteres externos a planta folhas: -ápice verde amareladas e menos eretas - folhas do terço médio e basal secam e em algumas variedades caem facilmente

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DO SETOR SUCROENERGÉTICO MTA

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DO SETOR SUCROENERGÉTICO MTA UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS PÓS-GRADUAÇÃO EM GESTÃO DO SETOR SUCROENERGÉTICO MTA VIABILIDADE DO SISTEMA DE LIMPEZA A SECO DA CANA-DE-AÇÚCAR E O EMPREGO DA PALHA NA GERAÇÃO

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq. LAN 1458 Açúcar e Álcool

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq. LAN 1458 Açúcar e Álcool Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN LAN 1458 Açúcar e Álcool Matérias-primas para a produção de

Leia mais

NASCEMOS EM UM TEMPO DE CRISE, CRESCEMOS ENTRE CRISES, IMAGINE SE NÃO HOUVESSE CRISES...

NASCEMOS EM UM TEMPO DE CRISE, CRESCEMOS ENTRE CRISES, IMAGINE SE NÃO HOUVESSE CRISES... NASCEMOS EM UM TEMPO DE CRISE, CRESCEMOS ENTRE CRISES, COMEMORAMOS 90 ANOS E FORNECEMOS CENTENAS DE EQUIPAMENTOS NESTA CRISE IMAGINE SE NÃO HOUVESSE CRISES... A MAIOR EMPRESA DE BENS DE CAPITAL DA AMÉRICA

Leia mais

LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM FIM

LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM FIM LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM FIM 1 LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM FIM 1 INFORMAÇÕES BÁSICAS LINHA S REDUTORES E MOTORREDUTORES DE COROA E ROSCA SEM

Leia mais

EXTRAÇÃO E PURIFICAÇÃO DO CALDO

EXTRAÇÃO E PURIFICAÇÃO DO CALDO USP/ESALQ LAN0451 Açúcar e Bebidas EXTRAÇÃO E PURIFICAÇÃO DO CALDO Prof. Dra Sandra H da Cruz Açúcar de cana http://web.coprodia.com.br/pages/visualizar/page:recepcao_preparo_e_moagem_de_cana 5. EXTRAÇÃO

Leia mais

VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR. Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA

VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR. Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA QUESTÕES IMPORTANTES O QUE MAIS PREOCUPA O FORNECEDOR DE CANA? R: O preço da cana O QUE PODE SER FEITO PARA MELHORAR? R: Existem

Leia mais

Review. Processos Químicos Industriais II

Review. Processos Químicos Industriais II Review Processos Químicos Industriais II Sacarose > 15% Extração de 94 a 97 % da sacarose gerando bagaço com umidade final de 50%. Concentrar o caldo decantado, através da retirada de água, elevando

Leia mais

QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS 16/11/2015. Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente).

QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS 16/11/2015. Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente). QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente). Atualmente, há uma definição mais completa, que engloba as características

Leia mais

ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA

ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA - Função das condições climáticas - regiões tropicais destaca-se a cana-de-açúcar e o sorgo sacarino - regiões temperadas destaca-se a beterraba açucareira (EUA - milho) ESCOLHA

Leia mais

Colaboração. Introdução. Área de moagem da cana

Colaboração. Introdução. Área de moagem da cana Introdução Colaboração Área de moagem da cana Neste trabalho daremos uma rápida visão do tema da eficiência da Área de Moagem de um engenho de açucar e como a automação repercute em sua eficiência geral.

Leia mais

CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP

CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP edgar.beaucair@usp.br ÉPOCA Maturação Maturação final MOMENTO DA COLHEITA Maturação Momento

Leia mais

Comparação entre a Extração de Açúcar da Beterraba e da Cana

Comparação entre a Extração de Açúcar da Beterraba e da Cana Comparação entre a Extração de Açúcar da Beterraba e da Cana CTC Semana Tecnológica Industrial 22/02/2011, Piracicaba/SP Brasil Dr. Andreas Lehnberger BMA, Alemanha 2 BMA Product Portfolio: Equipment and

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

ethanol COMPACT system Extração e retificação destilação fermentação

ethanol COMPACT system Extração e retificação destilação fermentação Compactas ethanol COMPACT system Extração e preparo do caldo retificação fermentação destilação 2 Extração e preparo do caldo O caldo é extraído por meio de moendas fornecidas pelo Grupo Exal que têm por

Leia mais

TECNOLOGIA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS CRÉDITOS: 04

TECNOLOGIA DE PRODUTOS AGROPECUÁRIOS CRÉDITOS: 04 UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT

Leia mais

Tecnologia Industrial

Tecnologia Industrial 92 Fig.10 Porcentagem de água na biomassa de quatro cultivares de sorgo sacarino na Embrapa Milho e Sorgo, Sete Lagoas, 1986. Fonte: (Adaptado de SCHAFFERT et al., 1986). Com base no PUI de cada cultivar,

Leia mais

TEIA TEIA DO DO SABER SABER

TEIA TEIA DO DO SABER SABER TEIA TEIA DO DO SABER SABER 2005 Fundação de Apoio às Ciências: Humanas, Exatas e Naturais GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE RIBEIRÃO PRETO

Leia mais

PROCESS FOR JUICE TREATMENT IN INDUSTRIAL LARGE SCALE PLANT. Paulo Eduardo Mantelatto Dedini Indústrias de Base S/A

PROCESS FOR JUICE TREATMENT IN INDUSTRIAL LARGE SCALE PLANT. Paulo Eduardo Mantelatto Dedini Indústrias de Base S/A PROCESS FOR JUICE TREATMENT IN INDUSTRIAL LARGE SCALE PLANT Paulo Eduardo Mantelatto Dedini Indústrias de Base S/A FATORES IMPORTANTES PARA QUALIDADE DO CALDO - QUALIDADE DA MATÉRIA-PRIMA/ASSEPSIA: CANA

Leia mais

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Açúcar e Etanol

Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas. Tintas Soluções para Açúcar e Etanol Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Tintas Soluções para Açúcar e Etanol Soluções para Usinas de Açúcar e Etanol No caso das Usinas de Açúcar & Etanol, a preocupação com a qualidade

Leia mais

Tecnologia Industrial

Tecnologia Industrial 92 Fig.10 Porcentagem de água na biomassa de quatro cultivares de sorgo sacarino na Embrapa Milho e Sorgo, Sete Lagoas, 1986. Fonte: (Adaptado de SCHAFFERT et al., 1986). Com base no PUI de cada cultivar,

Leia mais

Planejamento Industrial

Planejamento Industrial Sistema Embrapa de Produção Agroindustrial de Sorgo Sacarino para Bioetanol 85 Robert Eugene Schaffert Rafael Augusto da Costa Parrella Planejamento Industrial A produção econômica e sustentável de etanol

Leia mais

Produção de bioetanol de cana

Produção de bioetanol de cana Produção de bioetanol de cana Prof. Me. Hanniel Freitas IFRN Prof. Me. Hanniel Freitas (IFRN) Produção de bioetanol de cana 1 / 16 Afinal, o que é o etanol? Prof. Me. Hanniel Freitas (IFRN) Produção de

Leia mais

USINAS DE ÁLCOOL. Implantação

USINAS DE ÁLCOOL. Implantação USINAS DE ÁLCOOL Implantação APRESENTAÇÃO DA USINA Objetivo: Fabricação, instalação e montagem de Micro Destilaria de Álcool Etílico Hidratado Carburante (ETANOL) de capacidade de 5.000 litros/dia. CAPACIDADE

Leia mais

AÇÚCAR MASCAVO: POTENCIAL DE PRODUÇÃO E DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AO AÇÚCAR REFINADO

AÇÚCAR MASCAVO: POTENCIAL DE PRODUÇÃO E DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AO AÇÚCAR REFINADO AÇÚCAR MASCAVO: POTENCIAL DE PRODUÇÃO E DIFERENÇAS EM RELAÇÃO AO AÇÚCAR REFINADO Elisangela Marques Jeronimo Eng. Agr., Dr a., PqC da UPD Jaú/Polo Regional Centro Oeste/APTA elijeronimo@apta.sp.gov.br

Leia mais

Eficiência nas Moendas de Cana

Eficiência nas Moendas de Cana 10 14 / 08 / 2015 paulo@delfini.com.br + 55 19 98166-7000 Conceito de eficiência Capacidade de moagem Extração de açúcar Consumo específico de energia Custo operacional por tonelada processada Custo de

Leia mais

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 Impurezas e qualidade da cana colhida Celio Manechini Assessor de Tecnologia Agronômica Grupo São Martinho Definição:

Leia mais

Estudo dos nexos agroecológicos locais da produção de etanol de cana

Estudo dos nexos agroecológicos locais da produção de etanol de cana Subsídios para a Agenda Brasileira de Bioetanol Oficina de Trabalho: Sustentabilidade do Bioetanol Brasília, fevereiro de 2009 Estudo dos nexos agroecológicos locais da produção de etanol de cana Luiz

Leia mais

Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool

Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool Caso de Sucesso Benefícios da Medição Contínua de Densidade e Concentração nos Processos de Fabricação de Açúcar & Álcool Eng. Evaristo Orellana Alves Gerente de Produto - Divisão de Marketing - SMAR evaristo@smar.com.br

Leia mais

Tecnologia da fabricação do açúcar e do etanol

Tecnologia da fabricação do açúcar e do etanol LAN 1458 AÇÚCAR E ÁLCOOL Tecnologia da fabricação do açúcar e do etanol Prof. Dr. André Ricardo Alcarde andre.alcarde@usp.br Aula 1 Plano de ensino, Importância da industria açucareira e Alcooleira Fluxogramas

Leia mais

A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia

A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia A P R E S E N T A Ç Ã O ROMANIA INDÚSTRIA E COMÉRCIO LTDA iniciando suas atividades através da prestação de serviços no segmento de engenharia aplicada às indústrias, caldeiraria e montagens industriais,

Leia mais

Biomassa e Energia Raízen CTBE

Biomassa e Energia Raízen CTBE Biomassa e Energia Raízen CTBE Biomassa agrícola; Custos de Produção; Potencial Bagaço e Palha; AGENDA Potencial Vinhaça e Torta de Filtro; Cogeração Eletricidade; Etanol 2ª Segunda Geração T MS/há/ ano

Leia mais

Processos de produção do açúcar de cana e os possíveis reaproveitamentos dos subprodutos e resíduos resultantes do sistema

Processos de produção do açúcar de cana e os possíveis reaproveitamentos dos subprodutos e resíduos resultantes do sistema Processos de produção do açúcar de cana e os possíveis reaproveitamentos dos subprodutos e resíduos resultantes do sistema Silvana Mezaroba 1 (FECILCAM) silvana_mez@hotmail.com Claudio Cezar Meneguetti

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN QUALIDADE DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO MATÉRIA-PRIMA PARA A INDÚSTRIA

Leia mais

Colheita da cana e analise da qualidade do caldo

Colheita da cana e analise da qualidade do caldo 1) Maturação da cana Colheita da cana e analise da qualidade do caldo A maturação da cana é o aumento da concentração de sólidos solúveis no caldo; especialmente da sacarose. A maturação da cana é influenciada

Leia mais

Max-SA. Simulador de Planejamento de Alta Performance. Destaque aos relatórios gerados pelos simuladores

Max-SA. Simulador de Planejamento de Alta Performance. Destaque aos relatórios gerados pelos simuladores Max-SA Simulador de Planejamento de Alta Performance Destaque aos relatórios gerados pelos simuladores 1 2 Colheita Transporte Usina de etanol e açúa çúcar 3 Picador/desfibrador 4 5 6 Moenda Gerador energia

Leia mais

Coleção UAB UFSCar. Operações Unitárias envolvendo transmissão de calor. Tecnologia Sucroalcooleira. Everaldo Cesar da Costa Araujo

Coleção UAB UFSCar. Operações Unitárias envolvendo transmissão de calor. Tecnologia Sucroalcooleira. Everaldo Cesar da Costa Araujo Coleção UAB UFSCar Tecnologia Sucroalcooleira Operações Unitárias: transmissão de calor Everaldo Cesar da Costa Araujo Operações Unitárias envolvendo transmissão de calor Operações Unitárias envolvendo

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

CARBOHIDRATOS CARBOHIDRATOS CARBOHIDRATOS ! GLICOSE (SUCO DE UVA) UM DOS ISÔMEROS ENTRE AS 16 ALDOHEXOSES ! GALACTOSE (LEITE ) OUTRO ISÔMERO.

CARBOHIDRATOS CARBOHIDRATOS CARBOHIDRATOS ! GLICOSE (SUCO DE UVA) UM DOS ISÔMEROS ENTRE AS 16 ALDOHEXOSES ! GALACTOSE (LEITE ) OUTRO ISÔMERO. , HIDRATOS DE CARBONO, GLICÍDIOS, AÇUCARES SÃO OS POLIHIDROXI ALDEÍDOS E AS POLIHIDROXI CETONAS E OS COMPOSTOS QUE POR HIPRÓLISE, FORNECEM POLIHIDROXI-ALDEÍDOS OU POLIHIDROXI- CETONAS ALDOSES (ALDOHEXOSE)

Leia mais

Conservação e Rotulagem de Alimentos Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado 2009 TECNOLOGIA DAS FRUTAS

Conservação e Rotulagem de Alimentos Profª Vivian Pupo de Oliveira Machado 2009 TECNOLOGIA DAS FRUTAS TECNOLOGIA DAS FRUTAS Conservação de Frutas: A procura e aceitação é função da qualidade É importante no processamento: o Matéria-prima de boa qualidade o Técnicas que permitam a máxima preservação Frutas

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ

PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ PLANTAS PARA PRÉ-MISTURADOS - COLAS - COLANTES EM PÓ A Manfredini & Schianchi projeta e fornece plantas completas chaves na mão de moagem, estocagem, dosagem, mistura e acondicionamento para a produção

Leia mais

TECNOLOGIA DO AÇÚCAR

TECNOLOGIA DO AÇÚCAR 1 UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE AGROINDÚSTRIA, ALIMENTOS E NUTRIÇÃO FUNDAMENTOS DE TECNOLOGIA SUCROALCOOLEIRA 1ª parte: TECNOLOGIA DO AÇÚCAR Carlos

Leia mais

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento

UFSC Universidade Federal de Santa Catarina Depto De Eng. Química e de Eng. De Alimentos EQA 5313 Turma 645 Op. Unit. de Quantidade de Movimento UFS Universidade Federal de Santa atarina Depto De ng. uímica e de ng. De limentos 5313 Turma 645 Op. Unit. de uantidade de Movimento OPRÇÕS D SPRÇÃO SÓLIDO-LÍUIDO etapa de separação sólido-líquido está

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO INDUSTRIAL

EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO INDUSTRIAL Padronização do tipo e quantidade necessária de instalações e equipamentos dos laboratórios das habilitações profissionais EIXO TECNOLÓGICO: PRODUÇÃO INDUSTRIAL HABILITAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICO DE NÍVEL

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Campo Mourão. Engenharia de Alimentos USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL SANTA TEREZINHA TAPEJARA-PARANÁ

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ. Campus Campo Mourão. Engenharia de Alimentos USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL SANTA TEREZINHA TAPEJARA-PARANÁ UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Campus Campo Mourão Engenharia de Alimentos USINA DE AÇÚCAR E ÁLCOOL SANTA TEREZINHA TAPEJARA-PARANÁ BENEFICIAMENTO E CARATERIZAÇÃO DE DA INDÚSTRIA DE NA RAGIÃO

Leia mais

1. DESCRIÇÃO DO PROCESSO PLANTA PILOTO

1. DESCRIÇÃO DO PROCESSO PLANTA PILOTO Assunto: Descrição de processo na Planta Piloto 1. DESCRIÇÃO DO PROCESSO PLANTA PILOTO 1.1 INTRODUÇÃO: A obtenção de nitrato orgânico na planta piloto se processa por batelada de acordo com as seguintes

Leia mais

Maturadores e colheita em cana-deaçúcar. Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana

Maturadores e colheita em cana-deaçúcar. Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana Maturadores e colheita em cana-deaçúcar Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana msscarpa@iac.sp.gov.br CANA FIBRA 10-18% CALDO 82-90% ÁGUA 75-82% SÓLIDOS SOLÚVEIS (brix) 18-25% Celulose, hemicelulose,

Leia mais

Global Presence 23/04/2014

Global Presence 23/04/2014 Engenharia Usinagem e fabricaçao Instalação Comissionamento de planta e treinamento Assistencia técnica Peças de reposiçao Envio e transporte Global Presence 1 Tipos de processamento de subprodutos Alta

Leia mais

Reunion engenharia ltda

Reunion engenharia ltda engenharia ltda A tecnologia tem sido um bem maior da humanidade. Permite abrigo, alimento, saúde e lazer. Utilizar a tecnologia de forma adequada é nossa missão Curso TRATAMENTO DO CALDO Antonio Roberto

Leia mais

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 Fernando César Boscariol Marcílio do Amaral Gurgel Objetivos do Projeto DEP Dedini Energia no Palhiço Desenvolver um produto para limpeza e separação de palha,

Leia mais