VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR. Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR. Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA"

Transcrição

1 VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA

2 QUESTÕES IMPORTANTES O QUE MAIS PREOCUPA O FORNECEDOR DE CANA? R: O preço da cana O QUE PODE SER FEITO PARA MELHORAR? R: Existem caminhos, como aqueles ligados à melhoria do ATR, que podem melhorar o faturamento.

3 COLHEITA MECANIZADA NA REGIÃO CENTRO-SUL - POR ESTADO E REGIÕES DO ESTADO DE SÃO PAULO % de colheita mecanizada ACUMULADA ATÉ AGOSTO 2013 (cana própria)

4 HISTÓRICO DA QUALIDADE DE MATÉRIA PRIMA X EVOLUÇÃO DA COLHEITA MECANIZADA NO CENTRO SUL (%) colheita Mecanizada Pol % Cana Fibra % cana 15,0 14,5 14,0 13,5 13,0 12,5 12,0 11,5 11,0

5 Fonte: Copersucar RELAÇÕES PRODUTIVIDADE E MATURAÇÃO

6 NíVEIS DE SACAROSE NA CANA DE AÇÚCAR 170,0 160,0 150,0 140,0 130,0 120,0 110,0 100,0 90,0 80,0 70,0 60,0 50,0 151,14 145,06 131,77 130,37 139,97 126,86 131,10 121,64 116,12 99,54 158,29 149,30 152,49 140,98 139,62 135,24 abril maio junho julho agosto setembro outubro novembro dezembro

7 QUAIS FORAM AS PRINCIPAIS CAUSAS DA QUEDA NOS VALORES DE ATR? PRINCIPALMENTE: O encarecimento, a má qualidade e a redução da disponibilidade de mão de obra. As leis trabalhistas cada vez mais rigorosas. A impossibilidade de colher cana sem queimar de acordo com a Lei de Eliminação de Queimadas. A única opção que restou para a colheita, foi o uso de máquinas colhedoras. O aumento assustador de impurezas vegetais (palha + palmito) na matéria prima.

8 ONDE PODEMOS GANHAR MAIS SACAROSE?

9 EVOLUÇÃO DO TEOR DE SACAROSE SAFRAS ATR VALOR PREÇO 2008 / X 0,45 R$ 65, / X 0,45 R$ 60,16 DIFERENÇA R$ 5,42 / t O fornecedor está recebendo R$ 5,42 a menos por tonelada e cana

10 INFLUÊNCIA DAS IMPUREZAS...(cont) O fornecedor está recebendo R$ 5,42 a menos por tonelada e cana MAS E A IMPUREZA VEGETAL QUE ESTÁ INDO NA CARGA? A IMPUREZA VEGETAL AUMENTOU DE 4,7% PARA 8,8%, OU SEJA, HÁ 4,1% DA CARGA QUE NÃO SÃO COLMOS MAS QUE É REMUNERADO COMO SE FOSSE. ISTO COBRE A DIFERENÇA DA PERDA DE ATR?

11 O AUMENTO DE PESO DEVIDO ÀS IMPUREZAS VEGETAIS COBRE A DIFERENÇA DA PERDA DE ATR? SITUAÇÕES: A Kg de ATR e 95,5 t/ha de cana (+ limpa) B kg de ATR e 100,0 t/ha de cana (+ suja) FATURAMENTO BRUTO POR HECTARE : A R$ 6.047,25 / ha B R$ 5.015,59 / há DIFERENÇA (A B) = R$ 1.031,66/ha para a cana mais limpa PERDA DE 4,5 t/ha = R$ 270,70 RESULTADO LIQUIDO= R$ 760,95 VALOR DO ATR = R$ 0,4523/KG

12 SITUAÇÕES: PARA QUEM EXECUTA O PRÓPRIO TRANSPORTE A - 1 viagem cana limpa = 60 t ou 1,58 viagens / ha B - 1 viagem cana suja = 54 t ou 1,85 viagens / ha A Para cada toneladas = 16,7 viagens B Para cada toneladas = 18,5 viagens DIFERENÇA (A B) = 1,82 VIAGENS A MENOS NA CANA MAIS LIMPA Custo Viagem B = R$448 (custo fixo viagem) x 1,85/ha = R$ 828,80 Custo Viagem A = R$448 (custo fixo viagem) x 1,58/ha = R$ 707,84 Resultado: CANA LIMPA proporciona economia de R$ 120,24!!

13 Fatores com impacto sobre o teor de sacarose da safra 2013/2014 na região Centro-Sul Florescimento Clima (chuva, radiação, temp.) Geada Idade da cana no corte Pragas Variedade Mecanização Ambientes restritivos Doenças Tratos

14 MANEJO VARIETAL

15 CANA RICA X CANA MAIS PRODUTIVA Plantando variedades sempre mais ricas onde for possível COLHEITA EM AGOSTO VARIEDADES TCH ATR TAH FATURAMENTO R$/ha Nº viagens Custo Colheita CTC ,520 R$ 6.567,40 2,00 R$ 2.760,00 RB ,012 R$ 6.789,92 1,85 R$ 2.484,00 DIFERENÇA: R$ 222,52 R$ 276,00 QUAL A CANA MAIS VANTAJOSA? CTC 15 - Pobre e produtiva RB Rica e menos produtiva

16 IDADE CORRETA DE COLHEITA

17 ONDE OBTER GANHOS DE SACAROSE? Realizar a colheita na idade mínima de corte correta (em meses) ESTÁGIO Cana Planta Ano / inverno Cana Planta Ano e meio Precoce Médias Tardias Fértil Méd./fraco Fértil Méd./fraco Fértil Méd./fraco 12,0 10,5 11,0 12,0 11,0-11,5 12,0 11,0-11, ,5 14,0 14,5-15,0 14,0 15,5-16,0 15,0 Cana Soca 11,5-12,0 11,5 12,0 11,5 12,0 11,5 12,0

18 REDUZIR O ATAQUE DE PRAGAS Cigarrinha-da-raiz (Mahanarva fimbriolata) Broca da cana-de-açúcar (Diatraea saccharalis) Reduzir o ataque de pragas Brocas, Cigarrinhas Sphenophorus Migdolus

19 ESTRATÉGIAS DE COLHEITA

20 QUANDO DEVEMOS CORTAR A CANA? 1 Cortar sempre no meio de safra? Pode apresentar uma perda de produtividade de até 15 toneladas de cana em relação a cana cortada nos primeiros meses de safra, embora possa ganhar até 15 kg de ATR/t. 2 Cortar cedo? É preparar o canavial para o próximo ano para obter uma melhor produtividade e um teor de sacarose mais elevado do que no ano anterior. Cortar de acordo com 3 as características varietais? Observando a curva de maturação, a idade mínima para corte e as características agronômicas, tais como: florescimento, velocidade de crescimento tombamento, capacidade de brotação de soqueira na seca etc

21 ALOCAÇÃO DE VARIEDADES EM AMBIENTES DE PRODUÇÃO CERTOS

22 ONDE OBTER GANHOS DE SACAROSE? Escolher a variedade certa de acordo com o ambiente Ambientes de produção ÉPOCAS INDICADAS PARA COLHEITA ABRIL A MAIO JUNHO A SETEMBRO OUTUBRO E NOVEMBRO A/B RB , RB ,CTC 7 CTC 9, RB , SP RB , CTC 2 RB92 579, CTC 9, RB ,CTC 4, CTC 20, RB CTC 11, SP , IAC SP , IAC IAC , SP , RB C Com torta de Filtro RB , CTC 9, RB , CTC 7, RB SP , CTC 11, RB , CTC 4, RB , CTC 2 IAC , RB RB SP C SP CTC 9, CTC 7, RB RB RB , CTC 4, RB , SP RB RB , SP , CTC 15 D Com torta de filtro RB , CTC 9, CTC 7, RB RB , SP , CTC 15, RB RB , CTC 15 SP D e E Antecipar cortes com maturadores RB , SP , CTC 15 RB , CTC 15, SP

23 INDICAÇÃO DE ALGUMAS BOAS VARIEDADES PARA FORNECEDORES DE CANA VARIEDADES AMBIENTES ÉPOCAS DE CORTE CTC 2 CTC 4 CTC 14 CTC 15 CTC 20 A B C A B C A B C C D E A B JUL a SET AGO a OUT JUL a OUT AGO a NOV JUL a NOV

24 INDICAÇÃO DE ALGUMAS BOAS VARIEDADES PARA FORNECEDORES DE CANA VARIEDADES AMBIENTES ÉPOCAS DE CORTE IAC IAC A B A B C JUN a SET JUN a SET RB RB RB A B C A B C A B JUL a SET MAI a SET MAI a SET VARIEDADES QUE PRECISAM SER SUBSTITUIDAS : RB Brotação soqueira irregular SP Ferrugem alaranjada

25 USO DE MATURADORES

26 ONDE OBTER GANHOS DE SACAROSE? Uso de maturadores Permitem ganhos entre 7 e 8 kg de ATR / t Precisa respeitar o período de carência MODDUS ETHREL Mínimo 35 dias Mínimo 50 dias CURAVIAL Mínimo 35 dias STRADA ROUNDUP Mínimo 30 dias Mínimo 30 dias Avaliar o desenvolvimento vegetativo antes de aplicar

27 MANEJO ADEQUADO DO FLORESCIMENTO VARIEDADES COM MENOR TOMBAMENTO

28 ONDE MAIS PODEMOS OBTER GANHOS DE SACAROSE? Manejar bem variedades que florescem Após a indução ao florescimento, deve-se monitorar a isoporização. O florescimento consome sacarose (energia) acumulada O ideal é evitar variedades que florescem. Maiores perdas de produtividade do que em sacarose. Plantar variedades com menor propensão ao tombamento Quando a variedade tomba, ocorre enraizamento, induz a saída de Brotos Chupões e Brotos Laterais Além de dificultar a colheita mecanizada vai trazer mais Impurezas Vegetais e aumentar as Perdas na Lavoura

29 ACAMAMENTO DAS PRINCIPAIS VARIEDADES DE CANA- DE-AÇÚCAR SP CTC 1 CTC 15 SP SP RB IAC CTC 7 CTC 18 RB SP RB SP SP RB RB CTC 2 CTC 11 CTC 16 CTC 17 RB RB CTC 4 CTC 9 RB IAC IAC IAC TOMBAMENTO

30 IMPUREZAS VEGETAIS

31 COLHEITA MECANIZADA CANA CRUA X TEOR DE SACAROSE X IMPUREZAS VEGETAIS ATR 142,00 140,00 82,8 (%) 90,0 80,0 138,00 136,00 140,63 66,8 74,0 70,0 60,0 134,00 132,00 130,00 128,00 126,00 124,00 37,5 4,6% 43,2 52,7 140,23 137,33 136,35 133,89 129,63 8,8% 2008/ / / / / /2014 SAFRAS 50,0 40,0 30,0 20,0 10,0 0,0 ATR COLHEITA MEC. CANA CRUA (%) IMPUREZAS VEGETAIS (%) Fonte: Controle Mútuo CTC Elaborado por IDEA

32 Peso / carga (t) Impurezas (%) Perdas (t/ha) Eficiência de limpeza(%) Efeito da Rotação do Extrator Eficiência de limpeza (%) Peso / carga (t) Impurezas (min. + veg.) (%) Perdas de cana (pedaços) (t/ha) 10 Fonte: CTC ROTAÇÃO DO EXTRATOR PRIMÁRIO (RPM) 0

33 Palmito Matéria-prima na usina Soqueira Terra e Raízes Palha Realidade: cana com impurezas minerais, vegetais e soqueiras

34 Composição do colmo, palmito e folhas Silva Jr., J.F.; Oliveira D.T. & Nunes. M. H. (2000) Qualidade de cana crua. VII Seminário de Tecnologia Industrial. CTC - Centro de Tecnologia Copersucar, 22 e 23 de março de 2000.

35 Impacto na Pol Fonte: CTC (Controle MUTUO)

36 NÍVEL MÉDIO DE IMPUREZAS VEGETAIS NA CANA COLHIDA PELAS UNIDADES DO CENTRO-SUL Nível de impurezas vegetais (em %) 9,0% 8,0% 7,0% 6,0% 5,0% 4,0% 3,0% 2,0% 1,0% 0,0% 5,6% 6,8% Índice acumulado até agosto para a safra 2013/2014. Valor final da safra deverá ser superior ao índice verificado até o momento 6,1% 6,9% 7,7% 7,7% 2008/ / / / / /2014 Fonte: Controle Mutuo - CTC

37 Evolução da Impureza Mineral na Safra Fonte: CTC (Controle MUTUO)

38 Evolução da Impureza Vegetal na Safra

39 Variação do Teor nas Impurezas Mecanizada Crua - Safra 10/11 Destaque emsistematização de Áreapara Colheita Fonte: CTC (Controle MUTUO)

40 Variação do Teor nas Impurezas Vegetais Mecanizada Queimada Safra 10/11 Destaque emsistematização de Áreapara Colheita Fonte: CTC (Controle MUTUO)

41 Variação do Teor nas Impurezas Vegetais Manual Queimada - Safra 10/11 Destaque emsistematização de Áreapara Colheita Fonte: CTC (Controle MUTUO)

42 Qualidade da Cana - FIBRA % cana Estiagem 2010 Aumento Cana Crua Fonte: CTC MUTUO

43 NIVEIS DE IMPUREZAS VEGETAIS NA CANA DE AÇÚCAR Centro Sul do Brasil Safra NÍVEIS DE IMPUREZAS NÍVEIS ÓTIMO BOM REGULAR RUIM MANUAL (Q) Indices % Freq. % < 2,22 18,75 2,22 a 4,63 25,00 4,64 a 5,86 25,00 > 5,86 31,25 MECANIZADO (C+Q) Indices % Freq.% <3,62 23,08 3,62 a 5,74 30,77 5,75 a 7,73 25,08 > 7,73 21,08 Fonte: Indicadores de Desempenho Grupo IDEA

44 Variedades CTC - % Palha QUANTIDADE PALHA MÉDIA Fonte: CTC (Controle MUTUO) VARIEDADES CTC 15,81 % MÍNIMO 9,80% MÁXIMO 25,60% Variedade % PALHA CTC1 16,5 CTC2 19,7 CTC3 17,5 CTC4 13,6 CTC5 16,5 CTC6 9,8 CTC7 11,9 CTC8 25,6 CTC9 16,9 CTC10 18,4 CTC11 18,3 CTC13 14,3 CTC14 15,3 CTC15 15,1 CTC16 17,5 CTC17 20,1 CTC18 19,7 C CTC19 13,6 7 CTC20 15,9 CT ,4 SP ,3 SP ,9 SP ,8 MÉDIA 16,63

45 Testemunha Extrator à 1100 de rotação e velocidade de 5 Km/h

46 Extrator à 1200 de rotação e velocidade de 3 Km/h

47 ONDE MAIS PODEMOS OBTER GANHOS DE SACAROSE? Reduzir variedades com suscetibilidade à doenças Evitar variedades com alta suscetibilidade às ferrugens estrias vermelhas e podridões. As ferrugens marrom e alaranjada reduzem a área fotossintética das folhas, prejudicando o desenvolvimento vegetativo e o acumulo de sacarose

48 IMPUREZAS VEGETAIS CAUSAM PROBLEMAS PARA AS USINAS

49 Fonte: CTC (Controle MUTUO) Impacto na Moenda

50 Impacto Impureza Vegetal Capacidade de Processamento 1 ponto % na palha 1 ponto % na palha 2,3% na capacidade de moagem 3,1% na capacidade do difusor Extração 1 ponto % na palha 0,1 % na capacidade de extração da moenda Pureza do Caldo 1 ponto % na palha 0,30 unidades na pureza do caldo

51 Impactos em Equipamentos Desgaste em tubos de caldeira Foto: CTC (Linero) Desgaste de Bombas Foto: Equipav (Luiz Paulo) Desgaste em Válvula Foto: ETH (Galvani) Acúmulo de terra

52 Impactos em Equipamentos Desgaste na mesa alimentadora BUCHA NA MOEGA Desgaste dos martelos do picador. Desgaste dos rolos de moenda. Fotos: ETH (Galvani)

53 DEVIDO AO EXTREMO DESGASTE DOS EQUIPAMENTOS INDUSTRIAIS AS USINAS IRÃO EM BREVE TOMAR PROVIDENCIAS PARA RECEBER MATERIA PRIMA DE MELHOR QUALIDADE.

54 FRASES ÓBVIAS A melhor variedade de cana é aquela que aguenta as principais pressões que ocorrem sobre ela

55 FRASES ÓBVIAS Contra produtor relaxado, não há variedade que resista Agradecemos a atenção Dib Nunes Jr. Fone

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO Dib Nunes Jr. Antonio Celso Silva Jr. Grupo IDEA Características Varietais 1. Florescimento: MENOR DENSIDADE DE CARGA MENOR VOLUME DE CALDO 2. Tombamento:

Leia mais

II Encontro de Variedades de Cana de Açucar

II Encontro de Variedades de Cana de Açucar II Encontro de Variedades de Cana de Açucar Frederico de Menezes Veiga STAB - 2012 Usina São Luiz S / A Ribeirão Prêto - São Paulo Álvaro Barreto Peixoto Gerente Agrícola Desafios Passados Crise econômica

Leia mais

AVALIAÇÃO DO MANEJO VARIETAL NAS USINAS. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA

AVALIAÇÃO DO MANEJO VARIETAL NAS USINAS. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA AVALIAÇÃO DO MANEJO VARIETAL NAS USINAS Dib Nunes Jr. Grupo IDEA Estamos avaliando corretamente o desempenho comercial das variedades? Precisamos entender o que está ocorrendo atualmente com a gestão da

Leia mais

Maturadores e colheita em cana-deaçúcar. Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana

Maturadores e colheita em cana-deaçúcar. Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana Maturadores e colheita em cana-deaçúcar Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana msscarpa@iac.sp.gov.br CANA FIBRA 10-18% CALDO 82-90% ÁGUA 75-82% SÓLIDOS SOLÚVEIS (brix) 18-25% Celulose, hemicelulose,

Leia mais

III ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR RAPHAEL ALVAREZ. POSICIONAMENTO DAS VARIEDADES X SANIDADE VEGETAL

III ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR RAPHAEL ALVAREZ. POSICIONAMENTO DAS VARIEDADES X SANIDADE VEGETAL III ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR RAPHAEL ALVAREZ. POSICIONAMENTO DAS VARIEDADES X SANIDADE VEGETAL 22/10/2015 A AFOCAPI Fundada e Inaugurada em 05/10/1947-68 Anos Objetivo: Estruturar

Leia mais

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativas e Desempenho de Variedades Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativa de Cana Identificando o Canavial Banco de Dados das Áreas (Própria/Fornecedor) Fazenda Lote Talhão Área Estágio Variedade

Leia mais

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Jaime Finguerut jaime@ctc.com.br Luiz Antonio Dias Paes 5 de Junho de 2014 Agenda Dados Gerais da Safra 13/14

Leia mais

DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A. Eng. Agr. Sergio M. Selegato

DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A. Eng. Agr. Sergio M. Selegato DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A Eng. Agr. Sergio M. Selegato Localização - Unidades Climático II Média Anual: 1.594,6 mm Climático III Média Anual: 1.315,2 mm Climático II

Leia mais

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011

IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 Impurezas e qualidade da cana colhida Celio Manechini Assessor de Tecnologia Agronômica Grupo São Martinho Definição:

Leia mais

COMO ESTABELECER METAS DE PRODUTIVIDADE E GERENCIAR A PRODUÇÃO A PARTIR DO MANEJO VARIETAL. Eng.º Agr. MSc. Dib Nunes Jr.

COMO ESTABELECER METAS DE PRODUTIVIDADE E GERENCIAR A PRODUÇÃO A PARTIR DO MANEJO VARIETAL. Eng.º Agr. MSc. Dib Nunes Jr. COMO ESTABELECER METAS DE PRODUTIVIDADE E GERENCIAR A PRODUÇÃO A PARTIR DO MANEJO VARIETAL Eng.º Agr. MSc. Dib Nunes Jr. 24 e 25 Setembro 2014 ESTUDO DE CASO VEJAM ESTE EXEMPLO DE DISTRIBUIÇÃO VARIETAL

Leia mais

Censo Varietal, Variedades e Clones Potenciais RB Recomendações de Uso

Censo Varietal, Variedades e Clones Potenciais RB Recomendações de Uso Programa de Melhoramento Genético da Cana-de de-açúcar Censo Varietal, Variedades e Clones Potenciais RB Recomendações de Uso Roberto Giacomini Chapola Equipe PMGCA/RIDESA/UFSCar 31 de julho de 2013 Programa

Leia mais

Workshop sobre Limpeza da Cana Crua e Qualidade da Matéria-Prima STAB-SUL/FCAV/UNESP e ESALQ/USP Jaboticabal, 05 de junho de 2014.

Workshop sobre Limpeza da Cana Crua e Qualidade da Matéria-Prima STAB-SUL/FCAV/UNESP e ESALQ/USP Jaboticabal, 05 de junho de 2014. Influência do sistema de plantio e colheita sobre as impurezas da matéria prima. José Tadeu Coleti eng.agr. Workshop sobre Limpeza da Cana Crua e Qualidade da Matéria-Prima STAB-SUL/FCAV/UNESP e ESALQ/USP

Leia mais

8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro

8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro 8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro Vinhaça: Resíduo da produção de álcool: - 12 a 13 L/L de álcool Composição: - 93% de H 2 O - 7% constituintes sólidos

Leia mais

II ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA DE AÇUCAR FREDERICO DE MENEZES VEIGA. MANEJO VARIETAL NA AFOCAPI

II ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA DE AÇUCAR FREDERICO DE MENEZES VEIGA. MANEJO VARIETAL NA AFOCAPI II ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA DE AÇUCAR FREDERICO DE MENEZES VEIGA. MANEJO VARIETAL NA AFOCAPI 15/03/2012 AFOCAPI FUNDADA E INAUGURADA EM 05/10/1947 65 anos OBJETIVO ESTRUTURAR E FORTALECER

Leia mais

1. CENSO VARIETAL NO ESTADO DO PARANÁ 2. O PMGCA/UPFR 1. Subestações 2. Locais de seleção 3. Evolução clones

1. CENSO VARIETAL NO ESTADO DO PARANÁ 2. O PMGCA/UPFR 1. Subestações 2. Locais de seleção 3. Evolução clones Out/2011 SUMÁRIO 1. CENSO VARIETAL NO ESTADO DO PARANÁ 2. O PMGCA/UPFR 1. Subestações 2. Locais de seleção 3. Evolução clones 3. CLONES PROMISSORES 1. RB96, RB97, RB98, RB99 4. CLONES PROMISSORES - UFPR

Leia mais

ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Uso de Variedades na Usina Jalles Machado. Rogério Bremm Gerente Corporativo

ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR. Uso de Variedades na Usina Jalles Machado. Rogério Bremm Gerente Corporativo ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA-DE-AÇÚCAR Uso de Variedades na Usina Jalles Machado Rogério Bremm Gerente Corporativo Localização PRECIPITAÇÃO (mm) Caracterização da Empresa Descrição 2010/2011

Leia mais

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE GIBERELINA EM CANA-DE- AÇÚCAR

EFEITOS DA APLICAÇÃO DE GIBERELINA EM CANA-DE- AÇÚCAR EFEITOS DA APLICAÇÃO DE GIBERELINA EM CANA-DE- AÇÚCAR Dib Nunes Jr. Grupo IDEA 2013 REGULADORES VEGETAIS Alteram a morfologia e a fisiologia da planta GIBERELINA AUXINA (aia) ACÍDO BUTÍRICO ETILENO São

Leia mais

ONDE ATACAR PARA REDUZIR CUSTOS NA ÁREA AGRÍCOLA. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA Jorge Luiz Gonçalves Grupo IDEA

ONDE ATACAR PARA REDUZIR CUSTOS NA ÁREA AGRÍCOLA. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA Jorge Luiz Gonçalves Grupo IDEA ONDE ATACAR PARA REDUZIR CUSTOS NA ÁREA AGRÍCOLA Dib Nunes Jr. Grupo IDEA Jorge Luiz Gonçalves Grupo IDEA QUAL É A DISTRIBUIÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CANA? FORMAÇÃO DOS CANAVIAIS Descrição R$/ha %

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM FOCO EM ALTA PRODUTIVIDADE

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM FOCO EM ALTA PRODUTIVIDADE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO COM FOCO EM ALTA PRODUTIVIDADE Gustavo V. Gomes USINA AÇUCAREIRA GUAÍRA Gustavo V. Gomes & USINA AÇUCAREIRA GUAÍRA Gaspar H. &Korndörfer UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA Gaspar

Leia mais

Perspectivas para a Tecnologia na Agricultura e Desenvolvimento de Novas Variedades de Cana de Açúcar

Perspectivas para a Tecnologia na Agricultura e Desenvolvimento de Novas Variedades de Cana de Açúcar Perspectivas para a Tecnologia na Agricultura e Desenvolvimento de Novas Variedades de Cana de Açúcar Federico Tripodi Diretor de Negócios de Cana de Açúcar Set/2014 Monsanto no Mundo Quem Somos Europa,

Leia mais

VALIDAÇÃO DE VARIEDADES: O CAMINHO DA EXPERIMENTAÇÃO ATÉ A COLHEITA

VALIDAÇÃO DE VARIEDADES: O CAMINHO DA EXPERIMENTAÇÃO ATÉ A COLHEITA Dourados / MS -- 15 OUT 2015 VALIDAÇÃO DE VARIEDADES: O CAMINHO DA EXPERIMENTAÇÃO ATÉ A COLHEITA Antonio Carlos A Gheller VALIDAÇÃO DE VARIEDADES: O CAMINHO DA EXPERIMENTAÇÃO ATÉ A COLHEITA 1- O que é

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania SISTEMA DE PRODUÇÃO EM CANA-DE-AÇÚCAR AULA 10 MATURAÇÃO Prof. Dr. Carlos Azania Pesquisador Científico VI do Instituto Agronômico (IAC) Centro de Cana Ribeirão Preto SP Julho - 2017 ETAPA I ENTENDENDO

Leia mais

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA 2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA Suleiman Hassuani 13º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial - STAB 2012 24 e 25 outubro / 2012 Ribeirão Preto - Taiwan Custo do sistema (5 m 3 /tc) Perda açúcar: 1,6% ATR

Leia mais

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013

Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 Coletiva de Imprensa REVISÃO DE SAFRA 2012/2013 São Paulo, 20 de setembro de 2012 ROTEIRO I. Metodologia e fonte de dados II. Aspectos climáticos e condições agrícolas III. Evolução da safra da região

Leia mais

VARIEDADES DE CANA CTC E SEU MANEJO

VARIEDADES DE CANA CTC E SEU MANEJO VARIEDADES DE CANA CTC E SEU MANEJO Equipe de Desenvolvimento de Produtos CTC Fernando Sesso Vitória ES 25 setembro 2014 XIV SEMINÁRIO DA CANA-DE-AÇÚCAR STAB CENTRO Vitória - ES 24 a 25 de setembro de

Leia mais

CONCEITOS GERAIS EM CANA-DE-AÇÚCAR. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção vegetal ESALQ / USP

CONCEITOS GERAIS EM CANA-DE-AÇÚCAR. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção vegetal ESALQ / USP CONCEITOS GERAIS EM CANA-DE-AÇÚCAR Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção vegetal ESALQ / USP egfbeauc@esalq.usp.br 1.1. Botânica Taxonomia ESPECIFICAÇÃO ENGLER antiga CRONQUIST atual Divisão

Leia mais

Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani

Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani José Olavo Bueno Vendramini Gerente Técnico Corporativo Agenda Grupo Guarani Avaliação de Performance Varietal para Tomada

Leia mais

ADEQUAÇÃO DO MANEJO VARIETAL À LOGISTICA DE COLHEITA. DIB NUNES Jr. GRUPO IDEA

ADEQUAÇÃO DO MANEJO VARIETAL À LOGISTICA DE COLHEITA. DIB NUNES Jr. GRUPO IDEA ADEQUAÇÃO DO MANEJO VARIETAL À LOGISTICA DE COLHEITA DIB NUNES Jr. GRUPO IDEA SAFRA 2009/2010 Por excesso de chuvas e pela grande quantidade de Cana-Bis As lavouras foram pisoteadas O planejamento de colheita

Leia mais

Análise da Safra 2015/16. Agosto/15

Análise da Safra 2015/16. Agosto/15 Análise da Safra 2015/16 Agosto/15 Evolução da produtividade média Evolução da produtividade mensal Média do Centro Sul em toneladas de cana por hectare (TCH) Por conta do regime de chuvas mais favorável,

Leia mais

Variedades Vertixde cana-energia para produção de biomassa e etanol José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola

Variedades Vertixde cana-energia para produção de biomassa e etanol José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola Variedades Vertixde cana-energia para produção de biomassa e etanol José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola A GRANBIO 85% 15% BioCelere BioVertis BioEdge BioPlant Empresa de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex 16 SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial A Usina da Recuperação Francisco Linero Ribeirão Preto 29 de outubro de 2015 Agenda Recuperação

Leia mais

Quando e Como Aplicar Micronutrientes em Cana de Açúcar para Aumento de Produtividade. Marcelo Boschiero

Quando e Como Aplicar Micronutrientes em Cana de Açúcar para Aumento de Produtividade. Marcelo Boschiero Quando e Como Aplicar Micronutrientes em Cana de Açúcar para Aumento de Produtividade Marcelo Boschiero Processo Produtivo Agrícola Tecnologia Plantas Daninhas Pragas / Doenças Manejo físico do solo Manejo

Leia mais

Tecnologias Bayer para o plantio da cana

Tecnologias Bayer para o plantio da cana Tecnologias Bayer para o plantio da cana % Evolução da Mecanização na Cultura Plantio 90 80 70 60 50 40 30 20 10 0 Plantio Mecanizado 75 78 60 47 32,6 35,1 24,8 8,9 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014

Leia mais

21 de maio de Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016

21 de maio de Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016 21 de maio de 2015 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA SAFRA 2015/2016 ROTEIRO I. Dados finais da safra 2014/2015 na região Centro-Sul Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e faturamento

Leia mais

Manejo Varietal na Usina Iracema

Manejo Varietal na Usina Iracema Manejo Varietal na Usina Iracema Eng Agro. Ivan Barcellos Dalri Gerência Agrícola Usina Iracema Março de 2012 INTRODUÇÃO Localização Geográfica Grupo São Martinho Goiás Quirinópolis Boa Vista São Martinho

Leia mais

Eng. Agr. Dr. Benedito Apparecido Braz. Desenvolvimento Técnico de Mercado. Especialista em Cana-de-açúcar. Syngenta Proteção de Cultivos Ltda

Eng. Agr. Dr. Benedito Apparecido Braz. Desenvolvimento Técnico de Mercado. Especialista em Cana-de-açúcar. Syngenta Proteção de Cultivos Ltda Eng. Agr. Dr. Benedito Apparecido Braz Desenvolvimento Técnico de Mercado Especialista em Cana-de-açúcar Syngenta Proteção de Cultivos Ltda Efeito de Moddus na maturação e qualidade da matéria prima da

Leia mais

BROCA DA CANA DE AÇÚCAR DIATRAEA SACCHARALIS

BROCA DA CANA DE AÇÚCAR DIATRAEA SACCHARALIS BROCA DA CANA DE AÇÚCAR DIATRAEA SACCHARALIS 1. DESCRIÇÃO DA PRAGA A broca-da-cana é uma mariposa em que a fêmea coloca os ovos nas folhas da cana, de preferência na parte debaixo da folha. O número de

Leia mais

Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar

Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar Terceiro Seminário Internacional Uso Eficiente do Etanol Manoel Regis L.V. Leal CTBE/CNPEM Laboratório Nacional de Ciência

Leia mais

RECOLHIMENTO DE PALHA Ponto de Vista Industrial e Econômico. Eng. Francisco Linero Centro de Tecnologia Canavieira - CTC

RECOLHIMENTO DE PALHA Ponto de Vista Industrial e Econômico. Eng. Francisco Linero Centro de Tecnologia Canavieira - CTC RECOLHIMENTO DE PALHA Ponto de Vista Industrial e Econômico Eng. Francisco Linero Centro de Tecnologia Canavieira - CTC 1 48 anos, 100% brasileira. Acionistas representam mais de 60% da moagem no Brasil.

Leia mais

GESTÃO AVANÇADA DO CONTROLE DE PRAGAS EM GRANDES LAVOURAS DE CANA-DE-AÇÚCAR

GESTÃO AVANÇADA DO CONTROLE DE PRAGAS EM GRANDES LAVOURAS DE CANA-DE-AÇÚCAR INSECTSHOW - IDEA GESTÃO AVANÇADA DO CONTROLE DE PRAGAS EM GRANDES LAVOURAS DE CANA-DE-AÇÚCAR Enrico De Beni Arrigoni ENRICO ARRIGONI SOLUÇÕES EM MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS LTDA. (019) 97128-6262 14 DE

Leia mais

CANA-ENERGIA: UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola

CANA-ENERGIA: UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola CANA-ENERGIA: UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola A GRANBIO 85% 15% BioCelere BioVertis BioEdge BioPlant Empresa de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

AGRÍCOLA RIO CLARO. Manejo Varietal. Adilson José Rossetto Luiz Carlos Dalben Silvio Luiz Boso Ascana Agnaldo José da Silva Ascana

AGRÍCOLA RIO CLARO. Manejo Varietal. Adilson José Rossetto Luiz Carlos Dalben Silvio Luiz Boso Ascana Agnaldo José da Silva Ascana AGRÍCOLA RIO CLARO Manejo Varietal Adilson José Rossetto Luiz Carlos Dalben Silvio Luiz Boso Ascana Agnaldo José da Silva Ascana Março / 2012 LOCALIZAÇÃO LOCALIZAÇÃO VISTA PARCIAL Distância da Usina Município

Leia mais

Instalação da cana-de-açúcar

Instalação da cana-de-açúcar Instalação da cana-de-açúcar SUMÁRIO Há poucas opções de variedades apesar de que o melhoramento genético tem garantido estabilidade na produção e nos resultados econômicos: todos programas de melhoramento

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN QUALIDADE DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO MATÉRIA-PRIMA PARA A INDÚSTRIA

Leia mais

BioVertis: Cana-energia Apresentação CTBE 30 de março de 2017

BioVertis: Cana-energia Apresentação CTBE 30 de março de 2017 BioVertis: Cana-energia Apresentação CTBE 30 de março de 2017 A GRANBIO 85% 15% BioCelere BioVertis BioEdge BioPlant Empresa de Pesquisa e Desenvolvimento de microrganismos para uso industrial Empresa

Leia mais

Reunião XXXXXX. Reunião de Fornecedores. Unidade XXXX. Unidade Buriti

Reunião XXXXXX. Reunião de Fornecedores. Unidade XXXX. Unidade Buriti Reunião XXXXXX Reunião de Fornecedores Unidade XXXX Unidade Buriti 21.11.2016 Apresentação Abertura Luiz Alberto Zavanella Melhoria da produtividade agrícola Sérgio Medeiros Selegato Planejamento de safra

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA São Paulo, 20 de dezembro de 2012 ROTEIRO I. Oferta de cana-de-açúcar na região Centro-Sul: condições agrícolas e climáticas II. Moagem e produção de açúcar e etanol na região Centro-Sul

Leia mais

MANEJO DE PRAGAS. Leila L. Dinardo-Miranda

MANEJO DE PRAGAS. Leila L. Dinardo-Miranda MANEJO DE PRAGAS Leila L. Dinardo-Miranda Manejo integrado de pragas Kogan (1998) Sistema de decisão para uso de táticas de controle, isoladas ou associadas harmoniosamente, numa estratégia de manejo baseada

Leia mais

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS

Leia mais

REUNIÃO REGIONAL 2015 PMGCA/UFSCar/RIDESA. EQUIPE PMGCA/UFSCar/RIDESA

REUNIÃO REGIONAL 2015 PMGCA/UFSCar/RIDESA. EQUIPE PMGCA/UFSCar/RIDESA REUNIÃO REGIONAL 2015 PMGCA/UFSCar/RIDESA EQUIPE PMGCA/UFSCar/RIDESA Roteiro da Apresentação Roteiro CARVÃO FERRUGEM ALARANJADA CENSO VARIETAL 2015 RB965902 E PRÉ-LIBERAÇÕES UFSCar Roteiro da Apresentação

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania SISTEMA DE PRODUÇÃO EM CANA-DE-AÇÚCAR AULA 11 COLHEITA E TRANSPORTE Prof. Dr. Carlos Azania Pesquisador Científico VI do Instituto Agronômico (IAC) Centro de Cana Ribeirão Preto SP Julho - 2017 LIBERAÇÃO

Leia mais

Manejo Varietal e Maximização da Qualidade da Matéria-Prima. Marcos Guimarães de Andrade Landell Instituto Agronômico/APTA/SAA SP

Manejo Varietal e Maximização da Qualidade da Matéria-Prima. Marcos Guimarães de Andrade Landell Instituto Agronômico/APTA/SAA SP Manejo Varietal e Maximização da Qualidade da Matéria-Prima Marcos Guimarães de Andrade Landell Instituto Agronômico/APTA/SAA SP POTENCIAL BIOLÓGICO 320 tha -1 305 tha -1 335 tha -1 IACSP96-3060 IACSP95-5000

Leia mais

BROCA GIGANTE. Como controlar esta praga? Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) José de Souza Santos Consultor

BROCA GIGANTE. Como controlar esta praga? Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) José de Souza Santos Consultor BROCA GIGANTE Telchin licus licus (Lepidoptera, Castniidae) Como controlar esta praga? José de Souza Santos Consultor IMPORTÂNCIA ECONÔMICA CONSIDERADA UMA DAS MAIS IMPORTANTES PRAGAS DA CANA NO NORDESTE

Leia mais

Condomínio Agrícola SANTA IZABEL. A TECNOLOGIA DE MBPs

Condomínio Agrícola SANTA IZABEL. A TECNOLOGIA DE MBPs Condomínio Agrícola SANTA IZABEL II Simpósio STAB sobre plantas daninhas em cana-de-açúcar Manejo químico de plantas daninhas e a s A TECNOLOGIA DE MBPs Tendências utilizadas por produtores UNESP - 02

Leia mais

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 Fernando César Boscariol Marcílio do Amaral Gurgel Objetivos do Projeto DEP Dedini Energia no Palhiço Desenvolver um produto para limpeza e separação de palha,

Leia mais

QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS 16/11/2015. Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente).

QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS 16/11/2015. Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente). QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente). Atualmente, há uma definição mais completa, que engloba as características

Leia mais

Qualidade da matéria-prima Planejamento e setorização da agroindústria da cana-de-açúcar

Qualidade da matéria-prima Planejamento e setorização da agroindústria da cana-de-açúcar Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN Açúcar e Álcool - LAN 1458 Qualidade da matéria-prima Planejamento

Leia mais

Tratos culturais no cultivo das variedades Vertix de cana-energia José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola

Tratos culturais no cultivo das variedades Vertix de cana-energia José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola Tratos culturais no cultivo das variedades Vertix de cana-energia José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola A GRANBIO 85% 15% BioCelere BioVertis BioEdge BioPlant Empresa de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

O Peso da VARIEDADE entre os componentes de um manejo racional da lavoura canavieira.

O Peso da VARIEDADE entre os componentes de um manejo racional da lavoura canavieira. O Peso da VARIEDADE entre os componentes de um manejo racional da lavoura canavieira. José Tadeu Coleti eng.agr. VARIEDADE III Encontro de Usuários de Variedades de Cana-de-açúcar Raphael Alvarez 22 de

Leia mais

Efeito de Moddus na maturação e na qualidade da matéria-prima da Cana-de-açúcar. Alessandra Julianetti Barreto Suporte Técnico Fevereiro 2012

Efeito de Moddus na maturação e na qualidade da matéria-prima da Cana-de-açúcar. Alessandra Julianetti Barreto Suporte Técnico Fevereiro 2012 Efeito de Moddus na maturação e na qualidade da matéria-prima da Cana-de-açúcar Alessandra Julianetti Barreto Suporte Técnico Fevereiro 2012 Entendemos que uma abordagem integrada do manejo de cana é essencial

Leia mais

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda

Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar. Leila Luci Dinardo-Miranda Bases do manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda CURSO: Manejo integrado de pragas em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda 16 e 17/10/2012 infobibos.com.br Cenários

Leia mais

Eng. Agr. Victor Silveira

Eng. Agr. Victor Silveira Eng. Agr. Victor Silveira Desenvolvimento 1 Técnico de Mercado Cigarrinha das raízes Com Inseticida Mahanarva fimbriolata Perdas de 15% a 80% TCH Perdas de 30% na POL Sem Inseticida Foto: severo ataque

Leia mais

COLETIVA DE IMPRENSA

COLETIVA DE IMPRENSA COLETIVA DE IMPRENSA 17 de dezembro de 2013 Considerações sobre os dados Informações disponíveis a partir do sistema de benchmarking do CTC: Amostra contempla apenas cana própria Representatividade da

Leia mais

Valores Corporativos DuPont

Valores Corporativos DuPont Visão DuPont Ser a Companhia científica mais dinâmica do mundo, criando soluções sustentáveis, melhores, mais seguras, mais saudáveis para as pessoas em qualquer lugar Valores Corporativos DuPont Segurança

Leia mais

SISTEMAS DE DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR

SISTEMAS DE DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR a Aparência do canavial (método empírico) - baseia-se em caracteres externos a planta folhas: -ápice verde amareladas e menos eretas - folhas do terço médio e basal secam e em algumas variedades caem facilmente

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS VARIEDADES CTC RESUMO CTC

CARACTERÍSTICAS DAS VARIEDADES CTC RESUMO CTC CARACTERÍSTICAS DAS VARIEDADES CTC RESUMO CTC 1 Precoce, muito rica. Ambientes de produção B a D. Mudas novas no plantio e em solos arenosos/média textura para evitar falhas. Boa qualidade de caldo. CTC

Leia mais

ENCONTRO DE FLORESCIMENTO E ISOPORIZAÇÃO 26/FEV 1 PRESENTATION TITLE CHANGE TEXT ON MASTER

ENCONTRO DE FLORESCIMENTO E ISOPORIZAÇÃO 26/FEV 1 PRESENTATION TITLE CHANGE TEXT ON MASTER ENCONTRO DE FLORESCIMENTO E ISOPORIZAÇÃO 26/FEV 1 PRESENTATION TITLE CHANGE TEXT ON MASTER Unidades: 1. Usina Moema - Orindiúva-SP 2. Usina Guariroba Pontes Gestal- SP 3. Usina Ouroeste - Ouroeste-SP 4.

Leia mais

Manejo de nematóides em cana-de-açúcar

Manejo de nematóides em cana-de-açúcar 64 Tecnologia Agrícola Setembro/2005 Manejo de nematóides em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda Instituto Agronômico de Campinas Figura 1 Nas condições brasileiras, três espécies de nematóides são

Leia mais

CENTRO APTA CANA IAC Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio da Cana

CENTRO APTA CANA IAC Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio da Cana SISTEMA MPB (MUDAS PRÉ-BROTADAS): UM NOVO MODELO DE PRODUÇÃO DE MUDAS PARA A CANAVICULTURA BRASILEIRA E MUNDIAL. CENTRO APTA CANA IAC Centro Avançado de Pesquisa Tecnológica do Agronegócio da Cana Marcos

Leia mais

Florescimento e Isoporização: Pagar Para Ver ou Prevenir?

Florescimento e Isoporização: Pagar Para Ver ou Prevenir? Florescimento e Isoporização: Pagar Para Ver ou Prevenir? Augusto Monteiro Agr. Desenv. Mercado Fisiologia e sua aplicação sobre florescimento e isoporização da cana de açúcar Miguel Angelo Mutton Como

Leia mais

COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO RIBEIRÃO PRETO - SP

COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO RIBEIRÃO PRETO - SP COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO RIBEIRÃO PRETO - SP 17 DE JULHO DE 2012 CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE O clima semiárido está presente no Brasil nas regiões Nordeste e Sudeste.

Leia mais

Produção de bioetanol de cana

Produção de bioetanol de cana Produção de bioetanol de cana Prof. Me. Hanniel Freitas IFRN Prof. Me. Hanniel Freitas (IFRN) Produção de bioetanol de cana 1 / 16 Afinal, o que é o etanol? Prof. Me. Hanniel Freitas (IFRN) Produção de

Leia mais

COMO AVALIAR A EFICIÊNCIA NO CONTROLE DE PRAGAS

COMO AVALIAR A EFICIÊNCIA NO CONTROLE DE PRAGAS 13º INSECTSHOW 2017 COMO AVALIAR A EFICIÊNCIA NO CONTROLE DE PRAGAS ENRICO DE BENI ARRIGONI ENRICO ARRIGONI SOLUÇÕES EM MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS LTDA (19) 97128-6262 enricomip@gmail.com PREJUÍZO POTENCIAL

Leia mais

MONITORAMENTO CLIMÁTICO E PREVISÃO DE SAFRAS DE CANA-DE-AÇÚCAR

MONITORAMENTO CLIMÁTICO E PREVISÃO DE SAFRAS DE CANA-DE-AÇÚCAR MONITORAMENTO CLIMÁTICO E PREVISÃO DE SAFRAS DE CANA-DE-AÇÚCAR Prof. Fábio Marin - ESALQ USP VIII Simpósio de Tecnologia de Produção de Cana-de-Açúcar Julho de 2017 Cenários Futuros para Agricultura 1.

Leia mais

Variedades RB, Participação, Uso e Manejo

Variedades RB, Participação, Uso e Manejo III Encontro de Usuários de Variedades de Cana-de-Açúcar Raphael Alvarez Variedades RB, Participação, Uso e Manejo CENTRO CANAGRO JOSÉ CORAL PIRACICABA, SP 22/10/2015 Roberto Giacomini Chapola Hermann

Leia mais

Descrição Resumida do processo

Descrição Resumida do processo Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN LAN 685 - Tecnologia do Álcool 6ª Aula PREPARO DA CANA E EXTRAÇÃO

Leia mais

18ª LIBERAÇÃO DE CULTIVARES CANA IAC. Programa Cana IAC

18ª LIBERAÇÃO DE CULTIVARES CANA IAC. Programa Cana IAC 18ª LIBERAÇÃO DE CULTIVARES CANA IAC Programa Cana IAC POTENCIAL BIOLÓGICO 320 tha -1 305 tha -1 335 tha -1 IACSP96-3060 IACSP95-5000 IACSP95-5094 BIOLOGICAL POTENTIAL 345 T/HA STALKS DISEASES PEST WEEDS

Leia mais

Antonio Carlos A. Gheller

Antonio Carlos A. Gheller Antonio Carlos A. Gheller calor e vapor Combustível eletricidade briguetes metano e gás matéria orgânica combustível bagaço Fibras polpa celulósica e papel papelão aglomerados furfural fibras alfa celulose

Leia mais

Potencial do Sorgo para Produção de Biocombustíveis

Potencial do Sorgo para Produção de Biocombustíveis 5 º Grande Encontro sobre variedades de cana de açúcar 21 e 22 de Setembro de 2011 Ribeirão Preto - SP -Brasil Potencial do Sorgo para Produção de Biocombustíveis Dr. Rafael A. C. Parrella Pesquisador

Leia mais

2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES. Usina da Pedra Agosto de 2017

2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES. Usina da Pedra Agosto de 2017 2ª REUNIÃO DE FORNECEDORES Usina da Pedra Agosto de 2017 Apresentação Abertura Sérgio Luiz Selegato Acompanhamento de Mercado Sérgio Luiz Selegato Moagem e Término da Safra Hebert Trawitzki Potencial de

Leia mais

A evolução da tecnologia de controle da broca da cana: opções efetivas de manejo

A evolução da tecnologia de controle da broca da cana: opções efetivas de manejo A evolução da tecnologia de controle da broca da cana: opções efetivas de manejo Percentual da área de cultivo de cana que recebe controle das pragas Importância da Broca da Cana-de-Açúcar Percentual da

Leia mais

Melhoramento Genético Cana-de-açúcar. Melhoramento da Cana-de-Açúcar

Melhoramento Genético Cana-de-açúcar. Melhoramento da Cana-de-Açúcar Melhoramento Genético Cana-de-açúcar Melhoramento da Cana-de-Açúcar Produção de Cana no Brasil BRASIL: Maior produtor mundial de cana-de-açúcar 7,7 mi hectares 2% das terras aráveis 629 mi t cana 36,7

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Fonte: Canaoeste Versão Online Boletim No: 07 Maio, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. ESPECIAL FLORESCÊNCIA PANORAMA A florescência da cana-deaçúcar é uma possibilidade

Leia mais

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 Ã LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 Prof. Walter F. Molina Jr 2014 ATENÇÃO A AVALIAÇÃO DA PRÓXIMA AULA VERSARÁ SOBRE O DISCUTIDO

Leia mais

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte Thiago Bernardes II SIMLEITE Dracena, SP 07 de setembro de 2013 Área plantada (milhões ha) 1. A cana agrícola 28 27,7 24

Leia mais

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014

Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 Coletiva de imprensa ESTIMATIVA DA SAFRA 2013/2014 São Paulo, 29 de abril de 2013 ROTEIRO I. Safra 2012/2013 na região Centro-Sul: dados finais Moagem e produção Mercados de etanol e de açúcar Preços e

Leia mais

Manejo da palhada e efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial. Nilza Patrícia Ramos Embrapa Meio Ambiente

Manejo da palhada e efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial. Nilza Patrícia Ramos Embrapa Meio Ambiente Manejo da palhada e efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial Nilza Patrícia Ramos Embrapa Meio Ambiente 47 Centros de Pesquisa - Fundada em 1973-9.506 empregados Centros Temáticos

Leia mais

Pirassununga, 13/06/07. Tomaz Caetano Cannavam Ripoli (ESALQ) Marco Lorenzzo Cunali Ripoli (John Deere)

Pirassununga, 13/06/07. Tomaz Caetano Cannavam Ripoli (ESALQ) Marco Lorenzzo Cunali Ripoli (John Deere) Pirassununga, 13/06/07 Tomaz Caetano Cannavam Ripoli (ESALQ) Marco Lorenzzo Cunali Ripoli (John Deere) PALHIÇO? MATERIAL REMANESCENTE SOBRE A SUPERFÍCIE DO TALHÃO, APÓS A COLHEITA, PRINCIPALMENTE A MECANIZADA,

Leia mais

QUALIDADE DAS MUDAS DE CANA-DE- AÇÚCAR

QUALIDADE DAS MUDAS DE CANA-DE- AÇÚCAR QUALIDADE DAS MUDAS DE CANA-DE- AÇÚCAR Porque Formar Viveiros de Mudas de Cana-de-Açúcar Doenças Doenças Mosaico Podridão vermelha Gomose Escaldadura Carvão Espécies Saccharum Saccharum. officinarum Saccharum

Leia mais

Manejo da palhada Efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial. Nilza Patrícia Ramos Raffaella Rossetto

Manejo da palhada Efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial. Nilza Patrícia Ramos Raffaella Rossetto Manejo da palhada Efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial Nilza Patrícia Ramos Raffaella Rossetto Propostas de pesquisas no tema (Rede de unidades da Embrapa e parceiros) Objetivo

Leia mais

ÍNDICE DE MATURAÇÃO VARIETAL RESUMO

ÍNDICE DE MATURAÇÃO VARIETAL RESUMO ÍNDICE DE MATURAÇÃO VARIETAL Rubens Leite do Canto Braga Júnior 1, Thiago Nogueira da Silva 2, Marcos Guimarães de Andrade Landell 3 RESUMO O Índice de Maturação Varietal (I.M.V.) é proposto utilizando-se

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul

Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Acompanhamento quinzenal da safra na região Centro-Sul Posição até 01/11/2017 Vendas de hidratado avançam no Centro-Sul O volume de cana-de-açúcar processado pelas unidades produtoras da região Centro-Sul

Leia mais

2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32

2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32 ........... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 15 UNIDADE 1: Aspectos gerais, produção, mercado etc. 1.1 Açúcares.... 19 1.2 Origem dos açúcares.... 20 1.3 Glicose e frutose.... 20 1.4 Sacarose.... 21 1.5 Açúcar

Leia mais

Manejo das plantas daninhas Cana-de-açucar. Herbishow Maio 2014 R.sanomya

Manejo das plantas daninhas Cana-de-açucar. Herbishow Maio 2014 R.sanomya Manejo das plantas daninhas Cana-de-açucar Herbishow Maio 2014 R.sanomya Manejo plantas daninhas Conhecimentos técnicos Tecnologias agronômicas > Controle das PD < Fitoxicidade à cultura < Interferência

Leia mais

CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP

CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP edgar.beaucair@usp.br ÉPOCA Maturação Maturação final MOMENTO DA COLHEITA Maturação Momento

Leia mais

BRUNO KAWAMOTO* 1 ; RAFAEL FACHINI MAMONI 2 ; EDSON MASSAO TANAKA 3 ; DANILO TEDESCO DE OLIVEIRA 4 ; VINICIUS ANDRADE FAVONI 5.

BRUNO KAWAMOTO* 1 ; RAFAEL FACHINI MAMONI 2 ; EDSON MASSAO TANAKA 3 ; DANILO TEDESCO DE OLIVEIRA 4 ; VINICIUS ANDRADE FAVONI 5. Quantificação de perdas visíveis na colheita mecanizada de cana-de-açúcar em diferentes rotações do exaustor primário Quantification of losses visible at the mechanized harvesting of sugarcane in different

Leia mais