IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011"

Transcrição

1 IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 Impurezas e qualidade da cana colhida Celio Manechini Assessor de Tecnologia Agronômica Grupo São Martinho

2 Definição: todo o conteúdo das cargas, que não sejam colmos bem desenvolvidos e maduros, e que comprometam a qualidade da matéria-prima industrial Natureza: material de origem mineral terra solta, pedras, torrões material de origem vegetal folhas verdes, ponteiros, palha seca, rizomas, plantas daninhas, etc.

3 Teores (aceitáveis vs desejáveis): PARÂMETROS / Classificação IMPUREZAS MINERAIS IMPUREZAS VEGETAIS Baixa < 0,3% (3 kg/t) < 3% (30 kg/t) Média 0,3 a 0,6% (3 a 6 kg/t) 3 a 6% (30 a 60 kg/t) Alta > 0,6 % (6 kg/t) > 6% (60 kg/t)

4 IMPUREZAS MINERAIS kg/t Impurezas e qualidade da cana colhida Teores minerais (quantidade vs chuva) USM/Qualidade Agrícola: 8 7 Impurezas minerais vs chuva na safra 7,32 7, ,82 5,12 4,83 5,35 3,3 4,9 4,69 Terra Cana Inteira Terra Cana Picada Terra Cana Total 2

5 IMPUREZAS VEGETAIS % Impurezas e qualidade da cana colhida Teores vegetais (quantidade vs chuva) - USM/Qualidade Agrícola: ,37 Impurezas vegetais vs chuva na safra 6,29 5,87 5,52 5,06 5, ,08 2,92 Palha Cana Inteira Palha Cana Picada Palha Cana Total 1 0

6 Fatores que interferem na quantidade de impurezas: a) minerais presença de torrões na base das plantas irregularidade da superfície do terreno (cultivo) exposição e arranquio de rizomas (tombamento) umidade no solo (arranquio de rizomas) b) vegetais umidade no ar (palha) estágio de maturação do canavial variedade (despalha, comprimento do ponteiro, hábito da touceira) tombamento das touceiras e altura de desponte Velocidade de deslocamento da colhedora, qualidade da operação, manutenção mecânica adequada, sistematização da lavoura, controle de tráfego (piloto automático, instrumentação e eletrônica embarcada) TREINAMENTO E CAPACITAÇÃO DE OPERADORES

7 Fatores que interferem na quantidade de impurezas:

8 Fatores que interferem na quantidade de impurezas: FORMATO, DIMENSÕES E PESO SEMELHANTES

9 Fatores que interferem na quantidade de impurezas: FOLHAS VERDES (MALEÁVEIS)

10 Fatores que interferem na quantidade de impurezas:

11 Fatores que interferem na quantidade de impurezas: ALTURA DE DESPONTE

12 Fatores que interferem na quantidade de impurezas: CTC e USM / Pós-picador DESPALHA ROMPIMENTO DA BAINHA CTC e USM / bojo e elevador

13 Efeitos sobre o processo: Impurezas minerais desgaste prematuro do equipamento (moendas, esteiras, bombas, tubulações, filtros, grelhas das caldeiras, etc.) Dificulta o tratamento do caldo, a cristalização e compromete a qualidade do açúcar Impurezas vegetais ocupam espaço (eficiência do transporte e moagem) aumentam o volume de material a ser processado retiram açúcar do processo ( arraste ) comprometem a qualidade final do açúcar

14 Efeitos sobre o processo: Impurezas vegetais comprometem a qualidade final do açúcar Resultados (media de 6 repetições e 3 variedades) obtidos nas análises tecnológicas com diferentes porcentagens de colmos, pontas e folhas (CTC, nov/1998).

15 Efeitos sobre o processo: Impurezas vegetais comprometem a qualidade final do açúcar Resultados (media de 6 repetições e 3 variedades) obtidos nas análises tecnológicas com diferentes porcentagens de colmos, pontas e folhas (CTC, nov/1998).

16 Efeitos sobre o processo: Impurezas vegetais comprometem a qualidade final do açúcar Resultados (media de 6 repetições e 3 variedades) obtidos nas análises tecnológicas com diferentes porcentagens de colmos, pontas e folhas (CTC, nov/1998).

17 Efeitos sobre o processo: Impurezas vegetais comprometem a qualidade final do açúcar Resultados (media de 6 repetições e 3 variedades) obtidos nas análises tecnológicas com diferentes porcentagens de colmos, pontas e folhas (CTC, nov/1998). 17,6 17,4 17, ,8 17,45 17,23 17,01 17,2 16,98 16,76 17,17 16,95 16,73 16,92 Pol % CE 16,7 16,67 16,6 16,4 16,

18 Efeitos sobre o processo: Impurezas vegetais comprometem a qualidade final do açúcar Resultados (media de 6 repetições e 3 variedades) obtidos nas análises tecnológicas com diferentes porcentagens de colmos, pontas e folhas (CTC, nov/1998). 0,9 0,85 0,8 0,75 0,7 0,65 0,67 0,73 0,78 0,73 0,79 0,84 0,74 0,8 0,85 0,86 0,8 AR % Cana 0,87 0,6 0,55 0,

19 Efeitos sobre o processo: Impurezas vegetais comprometem a qualidade final do açúcar Resultados (media de 6 repetições e 3 variedades) obtidos nas análises tecnológicas com diferentes porcentagens de colmos, pontas e folhas (CTC, nov/1998) Cor

20 Vamos pensar no processo agroindustrial... Falando em IMPUREZAS DE ORIGEM VEGETAL (nada de terra) Limpeza rigorosa da cana crua pela colhedora PERDAS NA COLHEITA Ponteiros contém 80 a 90% de água Embebição? Matéria-prima na época seca do ano? Palha, ponteiros, folhas verdes viram BAGAÇO ENERGIA $$$ PROMOVER O EQUILÍBRIO ENTRE AS VARIÁVEIS (RESPEITANDO ESPECIFICIDADES DA USINA)

21 Pensando no conjunto... Integração entre processos / comunicação eficaz dar previsibilidade ao sistema Otimização de recursos e tempo aumentar resultado e eficácia Clima organizacional inter-relacionamento Sustentabilidade do negócio METAS E OBJETIVOS DESAFIADORES O LIMÃO E A LIMONADA (COM AÇÚCAR E UM POUCO DE ETANOL (cachaça com 38 a 40 GL), POR FAVOR!!

22 IMPUREZAS E QUALIDADE DE CANA-DE-AÇÚCAR STAB CANAOESTE Sertãozinho, 12 de maio de 2011 Impurezas e qualidade da cana colhida Muito obrigado! Celio Manechini Assessor de Tecnologia Agronômica Grupo São Martinho

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade de Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Luiz Antonio Dias Paes 12 de Maio de 2011 Dados Gerais da Safra 10/11 Impurezas Evolução Indicadores Impurezas

Leia mais

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE BIOSSITEMAS LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS

Leia mais

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex

Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex Aproveitamento da Palha de Cana de Açúcar Planta CTC Palha Flex 16 SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial A Usina da Recuperação Francisco Linero Ribeirão Preto 29 de outubro de 2015 Agenda Recuperação

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN QUALIDADE DA CANA-DE-AÇÚCAR COMO MATÉRIA-PRIMA PARA A INDÚSTRIA

Leia mais

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1

SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 Ã LER 432 - MÁQUINAS AGRÍCOLAS SISTEMAS DE COLHEITA DE BIOMASSA DE CANA-DE-AÇÚCAR: COLMOS E PALHIÇO. Vol. 1 Prof. Walter F. Molina Jr 2014 ATENÇÃO A AVALIAÇÃO DA PRÓXIMA AULA VERSARÁ SOBRE O DISCUTIDO

Leia mais

CONCEITOS GERAIS EM CANA-DE-AÇÚCAR. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção vegetal ESALQ / USP

CONCEITOS GERAIS EM CANA-DE-AÇÚCAR. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção vegetal ESALQ / USP CONCEITOS GERAIS EM CANA-DE-AÇÚCAR Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção vegetal ESALQ / USP egfbeauc@esalq.usp.br 1.1. Botânica Taxonomia ESPECIFICAÇÃO ENGLER antiga CRONQUIST atual Divisão

Leia mais

VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR. Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA

VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR. Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA VARIEDADES DE CANA SOB A ÓTICA DO FORNECEDOR Eng.Agr. Dib Nunes Jr. Grupo IDEA QUESTÕES IMPORTANTES O QUE MAIS PREOCUPA O FORNECEDOR DE CANA? R: O preço da cana O QUE PODE SER FEITO PARA MELHORAR? R: Existem

Leia mais

QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS 16/11/2015. Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente).

QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS 16/11/2015. Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente). QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA ENTREGUE NAS UNIDADES INDUSTRIAIS QUALIDADE DA MATÉRIA PRIMA Antes exclusivamente pela POL (sacarose aparente). Atualmente, há uma definição mais completa, que engloba as características

Leia mais

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar

Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Impurezas e Qualidade da Cana-de-Açúcar Levantamento dos níveis de impurezas nas últimas safras Jaime Finguerut jaime@ctc.com.br Luiz Antonio Dias Paes 5 de Junho de 2014 Agenda Dados Gerais da Safra 13/14

Leia mais

Descrição Resumida do processo

Descrição Resumida do processo Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN LAN 685 - Tecnologia do Álcool 6ª Aula PREPARO DA CANA E EXTRAÇÃO

Leia mais

Qualidade da matéria-prima Planejamento e setorização da agroindústria da cana-de-açúcar

Qualidade da matéria-prima Planejamento e setorização da agroindústria da cana-de-açúcar Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN Açúcar e Álcool - LAN 1458 Qualidade da matéria-prima Planejamento

Leia mais

Sistema de colheita x espaçamento. Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016

Sistema de colheita x espaçamento. Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016 Sistema de colheita x espaçamento Regis Ikeda Marketing de Produto Jaboticabal, 22 de Junho de 2016 Fatores relacionados ao espaçamento de plantio Dúvidas porque X ou Y?, o que considerar?, o que ganho?

Leia mais

Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar

Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar Oportunidades Para o Aumento da Produtividade na Agro-Indústria de Cana-de-Açúcar Terceiro Seminário Internacional Uso Eficiente do Etanol Manoel Regis L.V. Leal CTBE/CNPEM Laboratório Nacional de Ciência

Leia mais

SISTEMAS DE DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR

SISTEMAS DE DETERMINAÇÃO DA MATURAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR a Aparência do canavial (método empírico) - baseia-se em caracteres externos a planta folhas: -ápice verde amareladas e menos eretas - folhas do terço médio e basal secam e em algumas variedades caem facilmente

Leia mais

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA

PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA PERDAS DE CANA E IMPUREZAS VEGETAIS E MINERAIS NA COLHEITA MECANIZADA Mauro Sampaio Benedini Gerente Regional de Produto CTC Fernando Pedro Reis Brod Pesquisador Engª Agrícola CTC José Guilherme Perticarrari

Leia mais

Workshop sobre Limpeza da Cana Crua e Qualidade da Matéria-Prima STAB-SUL/FCAV/UNESP e ESALQ/USP Jaboticabal, 05 de junho de 2014.

Workshop sobre Limpeza da Cana Crua e Qualidade da Matéria-Prima STAB-SUL/FCAV/UNESP e ESALQ/USP Jaboticabal, 05 de junho de 2014. Influência do sistema de plantio e colheita sobre as impurezas da matéria prima. José Tadeu Coleti eng.agr. Workshop sobre Limpeza da Cana Crua e Qualidade da Matéria-Prima STAB-SUL/FCAV/UNESP e ESALQ/USP

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania

CANA-DE-AÇÚCAR SISTEMA DE PRODUÇÃO EM. Prof. Dr. Carlos Azania SISTEMA DE PRODUÇÃO EM CANA-DE-AÇÚCAR AULA 11 COLHEITA E TRANSPORTE Prof. Dr. Carlos Azania Pesquisador Científico VI do Instituto Agronômico (IAC) Centro de Cana Ribeirão Preto SP Julho - 2017 LIBERAÇÃO

Leia mais

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO

CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO CARACTERÍSTICAS VARIETAIS QUE VALEM MUITO DINHEIRO Dib Nunes Jr. Antonio Celso Silva Jr. Grupo IDEA Características Varietais 1. Florescimento: MENOR DENSIDADE DE CARGA MENOR VOLUME DE CALDO 2. Tombamento:

Leia mais

Maturadores e colheita em cana-deaçúcar. Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana

Maturadores e colheita em cana-deaçúcar. Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana Maturadores e colheita em cana-deaçúcar Maximiliano Salles Scarpari IAC Centro de Cana msscarpa@iac.sp.gov.br CANA FIBRA 10-18% CALDO 82-90% ÁGUA 75-82% SÓLIDOS SOLÚVEIS (brix) 18-25% Celulose, hemicelulose,

Leia mais

ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA

ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA ESCOLHA DA MATÉRIA PRIMA - Função das condições climáticas - regiões tropicais destaca-se a cana-de-açúcar e o sorgo sacarino - regiões temperadas destaca-se a beterraba açucareira (EUA - milho) ESCOLHA

Leia mais

SEMINÁRIO STAB FENASUCRO AGROIDUSTRIAL

SEMINÁRIO STAB FENASUCRO AGROIDUSTRIAL SEMINÁRIO STAB FENASUCRO AGROIDUSTRIAL DESEMPENHO DE CALDEIRAS COM PALHA DE CANA DE AÇÚCAR ERICSON MARINO CONSULTOR SERTÃOZINHO 28/08/2014 UM NOVO COMBUSTÍVEL É SABIDO QUE DO TOTAL DE ENERGIA CONTIDA NA

Leia mais

Biomassa e Energia Raízen CTBE

Biomassa e Energia Raízen CTBE Biomassa e Energia Raízen CTBE Biomassa agrícola; Custos de Produção; Potencial Bagaço e Palha; AGENDA Potencial Vinhaça e Torta de Filtro; Cogeração Eletricidade; Etanol 2ª Segunda Geração T MS/há/ ano

Leia mais

Pirassununga, 13/06/07. Tomaz Caetano Cannavam Ripoli (ESALQ) Marco Lorenzzo Cunali Ripoli (John Deere)

Pirassununga, 13/06/07. Tomaz Caetano Cannavam Ripoli (ESALQ) Marco Lorenzzo Cunali Ripoli (John Deere) Pirassununga, 13/06/07 Tomaz Caetano Cannavam Ripoli (ESALQ) Marco Lorenzzo Cunali Ripoli (John Deere) PALHIÇO? MATERIAL REMANESCENTE SOBRE A SUPERFÍCIE DO TALHÃO, APÓS A COLHEITA, PRINCIPALMENTE A MECANIZADA,

Leia mais

II Encontro de Variedades de Cana de Açucar

II Encontro de Variedades de Cana de Açucar II Encontro de Variedades de Cana de Açucar Frederico de Menezes Veiga STAB - 2012 Usina São Luiz S / A Ribeirão Prêto - São Paulo Álvaro Barreto Peixoto Gerente Agrícola Desafios Passados Crise econômica

Leia mais

Produção de bioetanol de cana

Produção de bioetanol de cana Produção de bioetanol de cana Prof. Me. Hanniel Freitas IFRN Prof. Me. Hanniel Freitas (IFRN) Produção de bioetanol de cana 1 / 16 Afinal, o que é o etanol? Prof. Me. Hanniel Freitas (IFRN) Produção de

Leia mais

Colheita Mecanizada de Cana-de-Açúcar em espaçamentos múltiplos. M.Sc. Guilherme Belardo Doutorando (Produção Vegetal) Unesp / Jaboticabal

Colheita Mecanizada de Cana-de-Açúcar em espaçamentos múltiplos. M.Sc. Guilherme Belardo Doutorando (Produção Vegetal) Unesp / Jaboticabal Colheita Mecanizada de Cana-de-Açúcar em espaçamentos múltiplos M.Sc. Guilherme Belardo Doutorando (Produção Vegetal) Unesp / Jaboticabal Jaboticabal 22 de Junho 2015 PRODUTIVIDADES MÉDIA SAFRA 2015/2016

Leia mais

Avaliação Tecnológica

Avaliação Tecnológica Sistematização e Consevação do Solo e da Água em Cana de Açúcar Outubro de 2013 Ciência Básica Programa Industrial Sustentabilidade Programa Agrícola Avaliação Tecnológica Não muito tempo atrás 16 rodas

Leia mais

Novas Tecnologias para Automação Agrícola

Novas Tecnologias para Automação Agrícola Novas Tecnologias para Automação Agrícola Fabio Balaban Marketing de Produto Piracicaba, 10 de Abril de 2017 Evolução da Colheita Mecanizada e Produção Agrícola Centro- Sul Área colhida Manual vs Mecanizada

Leia mais

DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A. Eng. Agr. Sergio M. Selegato

DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A. Eng. Agr. Sergio M. Selegato DESEMPENHO E DESTAQUES VARIETAIS NA PEDRA AGROINDUSTRIAL S/A Eng. Agr. Sergio M. Selegato Localização - Unidades Climático II Média Anual: 1.594,6 mm Climático III Média Anual: 1.315,2 mm Climático II

Leia mais

IMPUREZAS MINERAIS DA COLHEITA MECANIZADA DA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR

IMPUREZAS MINERAIS DA COLHEITA MECANIZADA DA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 IMPUREZAS MINERAIS DA COLHEITA MECANIZADA DA CULTURA DA CANA-DE-AÇÚCAR Eduardo José da Rosa

Leia mais

BioVertis: Cana-energia Apresentação CTBE 30 de março de 2017

BioVertis: Cana-energia Apresentação CTBE 30 de março de 2017 BioVertis: Cana-energia Apresentação CTBE 30 de março de 2017 A GRANBIO 85% 15% BioCelere BioVertis BioEdge BioPlant Empresa de Pesquisa e Desenvolvimento de microrganismos para uso industrial Empresa

Leia mais

Interferência das plantas daninhas em cana Estratégias de manejo. Tendência utilizadas pelos fornecedores.

Interferência das plantas daninhas em cana Estratégias de manejo. Tendência utilizadas pelos fornecedores. I SIMPOSIO STAB PLANTAS DANINHAS EM CANA DE AÇÚCAR ROBINSOM ANTONIO PITELLI Interferência das plantas daninhas em cana Estratégias de manejo. Tendência utilizadas pelos fornecedores. Gustavo Almeida Nogueira

Leia mais

REUNIÃO. SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016

REUNIÃO. SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016 REUNIÃO FORNECEDORES SAFRA 2016/2017 Unidade Ipê 23/06/2016 Apresentação Abertura - Sergio Luiz Selegato Planejamento de safra 2016/2017- Sérgio Luiz dos Santos Extranet Canal com o Fornecedor João Vitor

Leia mais

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA

2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA 2ª GERAÇÃO DA LIMPEZA DA CANA Suleiman Hassuani 13º SBA Seminário Brasileiro Agroindustrial - STAB 2012 24 e 25 outubro / 2012 Ribeirão Preto - Taiwan Custo do sistema (5 m 3 /tc) Perda açúcar: 1,6% ATR

Leia mais

Uso da Palha da Cana vs Emissões de GEE

Uso da Palha da Cana vs Emissões de GEE Uso da Palha da Cana vs Emissões de GEE Luis Augusto B. Cortez e Manoel Regis Lima Verde Leal Oficina de Trabalho Sustentabilidade do Bioetanol Brasília, 25 e 26 de Fevereiro de 2010 Conteúdo da Apresentação

Leia mais

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia

CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA. Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia CANA-DE-AÇÚCAR NA PRODUÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Profa. Dra. Cristiane de Conti Medina Departamento de Agronomia medina@uel.br AGRICULTURA PRODUÇÃO DE ALIMENTOS PRODUÇÃO DE ENERGIA A GRANDE REVOLUÇÃO ESTÁ

Leia mais

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010

DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 DEP Dedini Energia no Palhiço SIMTEC 2010 Fernando César Boscariol Marcílio do Amaral Gurgel Objetivos do Projeto DEP Dedini Energia no Palhiço Desenvolver um produto para limpeza e separação de palha,

Leia mais

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata

Estimativas e Desempenho de Variedades. Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativas e Desempenho de Variedades Eng. Agr. Jose Carlos Salata Estimativa de Cana Identificando o Canavial Banco de Dados das Áreas (Própria/Fornecedor) Fazenda Lote Talhão Área Estágio Variedade

Leia mais

Instalação da cana-de-açúcar

Instalação da cana-de-açúcar Instalação da cana-de-açúcar SUMÁRIO Há poucas opções de variedades apesar de que o melhoramento genético tem garantido estabilidade na produção e nos resultados econômicos: todos programas de melhoramento

Leia mais

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini

COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini COMO REDUZIR AS PERDAS INDUSTRIAIS ATUANDO SOBRE A LIMPEZA DE CANA. Carlos A. Tambellini 1 1.0 COLHEITA / TRANSPORTE / RECEPÇÃO DE CANA - HISTÓRICO 1ª FASE (1960/ 70): Cana queimada Corte manual Carregamento

Leia mais

Tecnologia e Inovação na Logística de Cana-de-Açúcar (CTT)

Tecnologia e Inovação na Logística de Cana-de-Açúcar (CTT) Tecnologia e Inovação na Logística de Cana-de-Açúcar (CTT) Marco Ripoli, Ph.D. Gerente Marketing Estratégico para América Latina, JOHN DEERE 1 MARCO LORENZZO CUNALI RIPOLI Piracicaba, SP, Brasil Formação

Leia mais

Variedades Vertixde cana-energia para produção de biomassa e etanol José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola

Variedades Vertixde cana-energia para produção de biomassa e etanol José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola Variedades Vertixde cana-energia para produção de biomassa e etanol José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola A GRANBIO 85% 15% BioCelere BioVertis BioEdge BioPlant Empresa de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

QUALIDADE DO CALDO E DA CANA EM FUNÇÃO DO USO DOS EXTRATORES NA COLHEITA MECANIZADA

QUALIDADE DO CALDO E DA CANA EM FUNÇÃO DO USO DOS EXTRATORES NA COLHEITA MECANIZADA 237 QUALIDADE DO CALDO E DA CANA EM FUNÇÃO DO USO DOS EXTRATORES NA COLHEITA MECANIZADA JUICE AND CANE QUALITY IN RELATION WITH EXTRACTORS USE IN MECHANIZED HARVEST Resumo Darlei Fernandes Sousa (1) Valquíria

Leia mais

ANÁLISE DE PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO EM CANA DE AÇÚCAR

ANÁLISE DE PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO EM CANA DE AÇÚCAR ANÁLISE DE PRÁTICAS E RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS PARA A CONSERVAÇÃO DO SOLO EM CANA DE AÇÚCAR Isabella Clerici DE MARIA Instituto Agronômico (IAC) Campinas SP As recentes alterações no sistema de cultivo da

Leia mais

Potencial do Sorgo para Produção de Biocombustíveis

Potencial do Sorgo para Produção de Biocombustíveis 5 º Grande Encontro sobre variedades de cana de açúcar 21 e 22 de Setembro de 2011 Ribeirão Preto - SP -Brasil Potencial do Sorgo para Produção de Biocombustíveis Dr. Rafael A. C. Parrella Pesquisador

Leia mais

Presidência e Direção

Presidência e Direção Usina Eficaz Sumário 1. Apresentação Pessoal 2. Apresentação Usina Pitangueiras 3. Responsabilidade Social 4. Alta Performance na Extração com Cana Crua 5. Enfardamento e Desenfardamento da Palha da Cana

Leia mais

Extração do caldo. Marcos Omir Marques FCAVJ/UNESP

Extração do caldo. Marcos Omir Marques FCAVJ/UNESP Extração do caldo Marcos Omir Marques FCAVJ/UNESP Introdução Objetivo Separar a fração líquida do colmo, contendo açúcares (caldo) da fração fibra da cana, com o máximo de eficiência possivel. Equipamentos

Leia mais

A Cultura da Cana-de-Açúcar Saul Carvalho

A Cultura da Cana-de-Açúcar Saul Carvalho A Cultura da Cana-de-Açúcar Saul Carvalho 1 QUALIDADE = Riqueza da cana + recuperação dos açúcares FATORES: -variedade - estádio de maturação -impurezas - microorganismos -sanidade - corte, colheita, carregamento

Leia mais

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes

Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte. Thiago Bernardes Otimizando o uso da cana de açúcar fresca em fazendas leiteiras de pequeno porte Thiago Bernardes II SIMLEITE Dracena, SP 07 de setembro de 2013 Área plantada (milhões ha) 1. A cana agrícola 28 27,7 24

Leia mais

Eficiência nas Moendas de Cana

Eficiência nas Moendas de Cana 10 14 / 08 / 2015 paulo@delfini.com.br + 55 19 98166-7000 Conceito de eficiência Capacidade de moagem Extração de açúcar Consumo específico de energia Custo operacional por tonelada processada Custo de

Leia mais

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA

11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA 11º SBA SEMINÁRIO BRASILEIRO AGROINDUSTRIAL 27 E 28 DE OUTUBRO DE 2010 IMPUREZAS DA CANA IMPUREZAS DA CANA SEPARAÇÃO DAS IMPUREZAS EM MESA E ESTEIRA DE CANA PICADA POTÊNCIAS INSTALADAS E CONSUMIDAS EFICIÊNCIA

Leia mais

Tempo de qualidade e redução de custos na colheita mecanizada

Tempo de qualidade e redução de custos na colheita mecanizada Tempo de qualidade e redução de custos na colheita mecanizada Marco Lorenzzo Cunali Ripoli, Ph.D. Gerente de Marketing Estratégico para Cana-de-Açúcar América Latina Compromisso Confiabilidade das soluções

Leia mais

8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro

8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS. Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro 8.4. UTILIZAÇÃO DE RESÍDUOS AGROINDUSTRIAIS Vinhaça ( garapão ou vinhoto) Torta de filtro Vinhaça: Resíduo da produção de álcool: - 12 a 13 L/L de álcool Composição: - 93% de H 2 O - 7% constituintes sólidos

Leia mais

Determinação da eficiência elétrica das usinas brasileiras para produção exclusiva de açúcar e/ou etanol (Revisão 0 17/05/2010).

Determinação da eficiência elétrica das usinas brasileiras para produção exclusiva de açúcar e/ou etanol (Revisão 0 17/05/2010). Determinação da eficiência elétrica das usinas brasileiras para produção exclusiva de açúcar e/ou etanol (Revisão 0 17/05/2010). Resumo Executivo Com base nos dados disponíveis no CTC () foram realizados

Leia mais

Mecanização de Baixo Impacto na Produção de Cana-de-Açúcar

Mecanização de Baixo Impacto na Produção de Cana-de-Açúcar Mecanização de Baixo Impacto na Produção de Cana-de-Açúcar O Programa de Produção de Biomassa do CTBE/CNPEM aborda gargalos científicos e tecnológicos da produção de biomassa, com ênfase na cana-de-açúcar,

Leia mais

Analisando o esquema, podemos observar que em 1,00 hectare cabem aproximadamente 66 linhas de cana de açúcar com espaçamento de 1,50 metros e

Analisando o esquema, podemos observar que em 1,00 hectare cabem aproximadamente 66 linhas de cana de açúcar com espaçamento de 1,50 metros e Meiosi Meiosi foi um processo de reforma de canavial muito utilizado no passado e que atualmente está voltando, com uma inovação, que é a utilização de mudas pré-brotadas. Mudas estas, produzidas com todo

Leia mais

CANA-ENERGIA: UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola

CANA-ENERGIA: UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola CANA-ENERGIA: UMA EXCELENTE OPÇÃO PARA REDUÇÃO DOS CUSTOS DE PRODUÇÃO José Bressiani Diretor de Tecnologia Agrícola A GRANBIO 85% 15% BioCelere BioVertis BioEdge BioPlant Empresa de Pesquisa e Desenvolvimento

Leia mais

Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO

Máquinas para ENSILAGEM SILAGEM ENSILAGEM E FENAÇÃO. Otoniel Ferreira ENSILAGEM. ENSILAGEM e FENAÇÃO Máquinas para E FENAÇÃO Permite armazenar grande quantidade de alimento em pouco espaço. Por que da necessidade de se armazenar forragem? Reserva de alimento devido: Otoniel Ferreira DER - FAEM - UFPel

Leia mais

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA

Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana. Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA Vantagens e Desvantagens da Utilização da PALHA da Cana Eng. Agr. Dib Nunes Jr. GRUPO IDEA NOVO PROTOCOLO AMBIENTAL (Única, Orplana e Secretaria do Meio Ambiente) Áreas mecanizáveis Extinção das queimadas

Leia mais

PERDAS VISÍVEIS NA COLHEITA MECANIZADA DE CANA-DE- AÇÚCAR CRUA CULTIVADA EM ESPAÇAMENTO UNIFORME E COMBINADO

PERDAS VISÍVEIS NA COLHEITA MECANIZADA DE CANA-DE- AÇÚCAR CRUA CULTIVADA EM ESPAÇAMENTO UNIFORME E COMBINADO PERDAS VISÍVEIS NA COLHEITA MECANIZADA DE CANA-DE- AÇÚCAR CRUA CULTIVADA EM ESPAÇAMENTO UNIFORME E COMBINADO Eduardo R. Anibal 1 Nayla N. Cristovão 2 ; Alexandre S. Pinto 3, Silvelena V. Segato 4, Sandro

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Programa de Pós Graduação em Economia Aplicada Potencial e disponibilidade de biomassa de cana-de-açúcar na região Centro-Sul do

Leia mais

Leandro Pena Luciana Lucco Mariana Telles Victor Alves Docente: Rita Macri Disciplina: Gestão de Subprodutos Industriais Março 2010

Leandro Pena Luciana Lucco Mariana Telles Victor Alves Docente: Rita Macri Disciplina: Gestão de Subprodutos Industriais Março 2010 Água Residuais obtidas no processo de produção de Açúcar e Álcool Leandro Pena Luciana Lucco Mariana Telles Victor Alves Docente: Rita Macri Disciplina: Gestão de Subprodutos Industriais Março 2010 Capitação

Leia mais

GLOBAL SUSTAINABILITY STANDARDS SYMPOSIUM

GLOBAL SUSTAINABILITY STANDARDS SYMPOSIUM 23 de setembro de 2015 GLOBAL SUSTAINABILITY STANDARDS SYMPOSIUM Transformando o setor sucroenergético paulista os impactos sociais e ambientais do Protocolo Agroambiental Sobre a UNICA União da Indústria

Leia mais

Produção de Açúcar. Processos Químicos Industriais II

Produção de Açúcar. Processos Químicos Industriais II Produção de Açúcar Processos Químicos Industriais II Energia Brasil Moagem de cana de açúcar da safra 2013/2014 acumulada até 01/06/2013 somou aproximadamente 105 milhões de toneladas. Ainda de acordo

Leia mais

CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP

CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita. Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP CONCEITOS EM CANA- DE-AÇÚCAR - Colheita Prof. Dr. Edgar G. F. de Beauclair Depto. Produção Vegetal ESALQ / USP edgar.beaucair@usp.br ÉPOCA Maturação Maturação final MOMENTO DA COLHEITA Maturação Momento

Leia mais

COLHEITA MECANICA DO MILHO

COLHEITA MECANICA DO MILHO COLHEITA MECANICA DO MILHO Evandro Chartuni Mantovani 1. INTRODUÇÃO A colheita mecânica de milho é uma prática que começa a apresentar importância para os agricultores brasileiros. Geralmente, o agricultor

Leia mais

II ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA DE AÇUCAR FREDERICO DE MENEZES VEIGA. MANEJO VARIETAL NA AFOCAPI

II ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA DE AÇUCAR FREDERICO DE MENEZES VEIGA. MANEJO VARIETAL NA AFOCAPI II ENCONTRO DE USUÁRIOS DE VARIEDADES DE CANA DE AÇUCAR FREDERICO DE MENEZES VEIGA. MANEJO VARIETAL NA AFOCAPI 15/03/2012 AFOCAPI FUNDADA E INAUGURADA EM 05/10/1947 65 anos OBJETIVO ESTRUTURAR E FORTALECER

Leia mais

PRÁTICAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE. Engº Cleber Aguiar 26/10/2011

PRÁTICAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE. Engº Cleber Aguiar 26/10/2011 PRÁTICAS DE GESTÃO E SUSTENTABILIDADE Engº Cleber Aguiar 26/10/2011 Fundada em 1949 Sociedade Anônima de Capital Fechado de controle familiar. Visão: Ser uma empresa competitiva no plano mundial. Missão

Leia mais

COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO RIBEIRÃO PRETO - SP

COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO RIBEIRÃO PRETO - SP COMPARATIVOS ENTRE SISTEMAS DE IRRIGAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO RIBEIRÃO PRETO - SP 17 DE JULHO DE 2012 CARACTERIZAÇÃO DO AMBIENTE O clima semiárido está presente no Brasil nas regiões Nordeste e Sudeste.

Leia mais

BRUNO KAWAMOTO* 1 ; RAFAEL FACHINI MAMONI 2 ; EDSON MASSAO TANAKA 3 ; DANILO TEDESCO DE OLIVEIRA 4 ; VINICIUS ANDRADE FAVONI 5.

BRUNO KAWAMOTO* 1 ; RAFAEL FACHINI MAMONI 2 ; EDSON MASSAO TANAKA 3 ; DANILO TEDESCO DE OLIVEIRA 4 ; VINICIUS ANDRADE FAVONI 5. Quantificação de perdas visíveis na colheita mecanizada de cana-de-açúcar em diferentes rotações do exaustor primário Quantification of losses visible at the mechanized harvesting of sugarcane in different

Leia mais

Porque é necessário definir o espaçamento do plantio da cana. José Alencar Magro -

Porque é necessário definir o espaçamento do plantio da cana. José Alencar Magro - Porque é necessário definir o espaçamento do plantio da cana José Alencar Magro - jamagro@uol.com.br Engenheiro Agrônomo 22/06/2016 É de grande importância que a STAB tenha aderido à causa de aprimorar

Leia mais

Processo de produção de etanol a partir do sorgo sacarino

Processo de produção de etanol a partir do sorgo sacarino Sorgo & Cana Do ponto de vista de processamento industrial, a utilização do sorgo sacarino pouco se difere da cana-de-açúcar para produção de etanol. Ao chegar à indústria, a matéria-prima é quantificada

Leia mais

Adilson Roberto Gonçalves Técnico e PhD em Química

Adilson Roberto Gonçalves Técnico e PhD em Química Adilson Roberto Gonçalves Técnico e PhD em Química Laboratórios Nacionais O CNPEM é dedicado à pesquisa de ponta em Materiais, Nanociências, Ciências da vida, Física e Química. Divisão de Pesquisa e desenvolvimento

Leia mais

PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR

PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR PLANILHA ELETRÔNICA PARA PREDIÇÃO DE DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM CONJUNTO TRATOR-ENLEIRADOR NO RECOLHIMENTO DO PALHIÇO DA CANA-DE-AÇÚCAR GILMAR MARTINELLI JUNIOR 1 ; CRISTIANO MARCIO ALVES DE SOUZA 2

Leia mais

A práticas realizadas após a colheita são tão importantes quanto àquelas realizadas antes da colheita;

A práticas realizadas após a colheita são tão importantes quanto àquelas realizadas antes da colheita; 6 - Colheita 1 6.1 - Introdução A práticas realizadas após a colheita são tão importantes quanto àquelas realizadas antes da colheita; Da colheita às vezes depende a quantidade e também a qualidade do

Leia mais

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL

LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL LIMPEZA DE CANA A SECO TECNOLOGIA EMPRAL 1 Novas necessidades da indústria - Redução do consumo de água - Proibição da queimada da cana de açúcar - Mecanização da colheita de cana de açúcar 2 Interferência

Leia mais

Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani

Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani Avaliação de desempenho e recomendações das variedades de cana no Grupo Guarani José Olavo Bueno Vendramini Gerente Técnico Corporativo Agenda Grupo Guarani Avaliação de Performance Varietal para Tomada

Leia mais

DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO

DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO UFRJ DEMANDA POR AÇÚCAR: BRASIL e MUNDO Estimativa do consumo de açúcar no mercado brasileiro Estimativa do consumo mundial de açúcar 166 182 201 Fonte: F.O.Licht, LMC e estimativa UNICA. Nota: o volume

Leia mais

Análise do Percentual de Impurezas Vegetais e Minerais Presentes na Cana-de-Açúcar

Análise do Percentual de Impurezas Vegetais e Minerais Presentes na Cana-de-Açúcar Análise do Percentual de Impurezas Vegetais e Minerais Presentes na Cana-de-Açúcar Tatiane Fernandes Zambrano Brassolatti 1, Regiane Cristina Vieira 2, Marcela Avelina Bataghin Costa 1, Marcelo Brassolatti

Leia mais

Estudo da remuneração do bagaço de cana excedente - Primeiros passos

Estudo da remuneração do bagaço de cana excedente - Primeiros passos Estudo da remuneração do bagaço de cana excedente - Primeiros passos Roberto de Campos Sachs 02/12/2015 09:44 1 Quando cada negociador tem um eleitorado ou precisa justificar sua posição diante de uma

Leia mais

SISTEMATIZAÇÃO SUSTENTÁVEL NA CULTURA DA CANA-DE- AÇÚCAR NO CENÁRIO DE PLANTIO E COLHEITA MECANIZADOS. Prof. Dr. Jairo Antonio Mazza ESALQ / USP

SISTEMATIZAÇÃO SUSTENTÁVEL NA CULTURA DA CANA-DE- AÇÚCAR NO CENÁRIO DE PLANTIO E COLHEITA MECANIZADOS. Prof. Dr. Jairo Antonio Mazza ESALQ / USP SISTEMATIZAÇÃO SUSTENTÁVEL NA CULTURA DA CANA-DE- AÇÚCAR NO CENÁRIO DE PLANTIO E COLHEITA MECANIZADOS Prof. Dr. Jairo Antonio Mazza ESALQ / USP Estabelecimento de um sistema observando-se: entrada de água

Leia mais

MANUAL DE MÉTODO ALTERNATIVO PARA MEDIÇÃO DA PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR

MANUAL DE MÉTODO ALTERNATIVO PARA MEDIÇÃO DA PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR MANUAL DE MÉTODO ALTERNATIVO PARA MEDIÇÃO DA PRODUÇÃO DE CANA-DE-AÇÚCAR Universidade Federal de São Carlos Centro de Ciências Agrárias Departamento de Biotecnologia Vegetal G411m Gheller, Antonio Carlos

Leia mais

EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA

EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA A USINA DA SOBREVIVÊNCIA EFICIÊNCIA É FUNDAMENTAL HENRIQUE V. AMORIM, Prof. 15º SBA - STAB 29 e 30 de Outubro de 2014 EFICIÊNCIA OPERACIONAL INOVAÇÃO TECNOLÓGICA SOBRE A FERMENTEC ESTRUTURA DE 2500 M²

Leia mais

Plano de Aula - O Processo de Fabricação do Açúcar e Álcool - cód Horas/Aula

Plano de Aula - O Processo de Fabricação do Açúcar e Álcool - cód Horas/Aula Plano de Aula - O Processo de Fabricação do Açúcar e Álcool - cód. 4465-24 Horas/Aula Aula 1 Capítulo 1 - Introdução Capítulo 2 - Histórico da Cana-de-Açúcar no Brasil Aula 2 Capítulo 3 - Cenário da Cana-de-Açúcar

Leia mais

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq

Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL- LAN 1458 Operações preliminares ao processo

Leia mais

Condomínio Agrícola SANTA IZABEL. A TECNOLOGIA DE MBPs

Condomínio Agrícola SANTA IZABEL. A TECNOLOGIA DE MBPs Condomínio Agrícola SANTA IZABEL II Simpósio STAB sobre plantas daninhas em cana-de-açúcar Manejo químico de plantas daninhas e a s A TECNOLOGIA DE MBPs Tendências utilizadas por produtores UNESP - 02

Leia mais

PLANTIO DE CANA-DE-AÇÚCAR

PLANTIO DE CANA-DE-AÇÚCAR PLANTIO DE CANA-DE-AÇÚCAR GRUPO UNIALCO ALCOOLVALE AÇÚCAR E ÁLCOOL S/A EDSON BELISARIO TEIXERA engenheiro agrônomo Janeiro 2016 1 2 QUADRO DE FUNCIONÁRIOS 50 PESSOAS 200 PESSOAS 1150 PESSOAS 900 PESSOAS

Leia mais

Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar. Conservação do Solo e Desafios Regulatórios no Setor Sucroalcooleiro

Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar. Conservação do Solo e Desafios Regulatórios no Setor Sucroalcooleiro Sistematização e Conservação do Solo e da Água em Cana de Açúcar Conservação do Solo e Desafios Regulatórios no Setor Sucroalcooleiro Rodrigo C A Lima Agroicone/Plataformaagro Ribeirão Preto 22/10/2013

Leia mais

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo

Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo Fonte: Canaoeste Versão Online Boletim No: 07 Maio, 2015 Monitoramento da Cultura de Cana-de-Açúcar no Estado de São Paulo I. ESPECIAL FLORESCÊNCIA PANORAMA A florescência da cana-deaçúcar é uma possibilidade

Leia mais

Curso de Atualização Manejo tecnológico da lavoura cafeeira - PROCAFÉ

Curso de Atualização Manejo tecnológico da lavoura cafeeira - PROCAFÉ Curso de Atualização Manejo tecnológico da lavoura cafeeira - PROCAFÉ Mecanização da Lavoura Cafeeira Colheita e Recolhimento Prof. FABIO MOREIRA DA SILVA Departamento de Engenharia Universidade Federal

Leia mais

Descrição Resumida do processo

Descrição Resumida do processo Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN LAN 1458 Açúcar e Álcool 6ª Aula EXTRAÇÃO DO CALDO Prof. Antonio

Leia mais

Manejo da palhada e efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial. Nilza Patrícia Ramos Embrapa Meio Ambiente

Manejo da palhada e efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial. Nilza Patrícia Ramos Embrapa Meio Ambiente Manejo da palhada e efeitos sobre a ciclagem de nutrientes e produtividade do canavial Nilza Patrícia Ramos Embrapa Meio Ambiente 47 Centros de Pesquisa - Fundada em 1973-9.506 empregados Centros Temáticos

Leia mais

Manejo de nematóides em cana-de-açúcar

Manejo de nematóides em cana-de-açúcar 64 Tecnologia Agrícola Setembro/2005 Manejo de nematóides em cana-de-açúcar Leila Luci Dinardo-Miranda Instituto Agronômico de Campinas Figura 1 Nas condições brasileiras, três espécies de nematóides são

Leia mais

8. COLHEITA DO MILHO

8. COLHEITA DO MILHO 8. COLHEITA DO MILHO COLHEITA MANUAL Evitar atraso Colher direto no reservatório do meio de transporte COLHEITA MECÂNICA Evitar atraso Essencial a boa regulagem da máquina (cálculo das perdas) Umidade

Leia mais

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras

Utilidades Industriais. Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Utilidades Industriais Adilson Pences Gerente Técnico Comercial - Caldeiras Fornecedor de Soluções Otimizações / REVAMP; Reformas / Adaptações; Peças de reposição; Serviços: Desenvolvimento de projetos

Leia mais

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste

Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Variedades de Cana-de-Açúcar Pragas e Doenças: Eng. Agr. Gustavo de Almeida Nogueira Canaoeste Sumário: Novos Desafios do Setor; Programas de Melhoramento Genético de Cana-de-açúcar; Principais Características

Leia mais

2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32

2.2 Grandezas e medidas utilizadas no setor açucareiro... 32 ........... SUMÁRIO APRESENTAÇÃO.... 15 UNIDADE 1: Aspectos gerais, produção, mercado etc. 1.1 Açúcares.... 19 1.2 Origem dos açúcares.... 20 1.3 Glicose e frutose.... 20 1.4 Sacarose.... 21 1.5 Açúcar

Leia mais

Estudo dos nexos agroecológicos locais da produção de etanol de cana

Estudo dos nexos agroecológicos locais da produção de etanol de cana Subsídios para a Agenda Brasileira de Bioetanol Oficina de Trabalho: Sustentabilidade do Bioetanol Brasília, fevereiro de 2009 Estudo dos nexos agroecológicos locais da produção de etanol de cana Luiz

Leia mais