Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan"

Transcrição

1 Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

2 Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80 a 85 % plataforma de corte das colhedoras; 12% mecanismos internos (trilha, separação e Limpeza); 3% deiscência natural.

3 Amostragem Veículos com menos de 20 toneladas Veículos com mais de 20 toneladas

4 Calador

5 Caixa de homogeneização 50 x 50 x 10 Retira se amostra de 250g Passa peneira de 3mm o peneirado e outras partículas estranhas (restos vegetais, insetos mortos, pedras e etc) irão compor os dados sobre a impureza da amostra cuja tolerância é de 1%. Sobra retira amostra de 100g Passa peneira de 4 x 22 mm passam os grãos partidos e quebrados que entram como avariados tolerância de 8%. Os grãos ardidos e os queimados que compõem os avariados, aparecem separadamente no laudo de classificação a tolerância para esses componentes é de 4% e 1% respectivamente.

6 Impurezas Grãos queimados Grãos ardidos

7 Grãos mofados Grãos fermentados Grãos esverdeados

8 Grãos germinados Grãos danificados Grãos imaturos ou chocos

9 PADRÃO PARA COMERCIALIZAÇÃO NO MERCADO INTERNO Umidade Impureza e Avariados Quebrados e Verdes Matéria Amassados Estranha 14,0% 1,0% 8,0% Ardidos 30,0% 8,0% 4,0% Queimados 1,0% DEVERÁ TER VISTO COM O GERENTE PARA RECEBER ACIMA DE: 18,0% 10,0% 15,0% 40,0% 10,0% PADRÃO PARA EXPORTAÇÃO Umidade Impureza e Avariados Quebrados e Verdes Matéria Amassados Estranha 14,0% 1,0% 8,0% Ardidos 30,0% 8,0% 4,0% Queimados 1,0%

10 Quando há duvida sobre o dano presente no grão, este é cortado ao meio para observação das condições internas dos cotilédones. Quando o grão apresenta mais de um defeito, considera-se sempre o defeito mais grave para efeito de classificação desta forma: QUEIMADO > ARDIDO > MOFADO > FERMENTADO > ESVERDEADO > GERMINADO > DANIFICADO > IMATURO > CHOCHO > AMASSADO > PARTIDO > QUEBRADO

11 Soja tratada Sementes de mamona Sorgo halepense Sorgo halepense

12 Uma vez que chega na unidade a soja deve ser declarada se é transgênica ou convencional; Pagamento de royalties; Amostrar para o teste.

13 A primeira linha vermelha a se formar é a linha de controle e, uma vez que esta aparece demonstra que a fita representa um teste válido e que o teste é confiável. Se somente a linha de controle aparecer o resultado é negativo para a presença de soja RR, porém se uma segunda linha vermelha se formar, o resultado é positivo e a amostra possui soja transgênica.

14

15

16 A pré-limpeza é realizada por máquinas compostas de peneiras e exaustor que separam soja e resíduos de tamanhos diversos

17 O silo pulmão tem é bastante utilizado no período de safra para auxiliar o fluxo de soja na pré-limpeza. Possui sistema de aeração e controle de temperatura através de cabos de termometria que enviam informações de temperatura para a sala de comando. Os cabos de termometria são compostos de sensores que mandam informações sobre temperatura da massa do grão para o painel na sala de comando.

18 A secagem é um processo sobre o qual se deve ter total controle para evitar prejuízos. Muitos são os fatores a serem observados para controlar a temperatura dentro do secador, tais como entrada e saída de ar quente, controle da pressão interna e a quantidade de impurezas junto à soja. Todas as medidas tomadas visam evitar que a quantidade de calor no secador seja muito alta, causando riscos de incêndio, ou insuficiente. A temperatura é controlada pelo termostato, equipamento que lê a temperatura transmitida por três sensores distribuídos dentro do secador, acusando temperaturas inadequadas;

19 A estrutura para secagem é composta de fornalha, quebra-chama, torre de secagem, difusoras, exaustores, eclusas. Acima da zona de resfriamento o secador pode ser dividido em três partes de acordo com a temperatura em cada uma delas. O terço inferior, mais próximo da entrada do calor trabalhar em torno de 100ºC, o terço médio apresenta temperatura de 70ºC e o terço superior que fica próximo da entrada da soja tem temperatura de 60º.

20 A temperatura da secagem não pode ultrapassar 100ºC. Secagem incorreta ocasina o dano conhecido como olho de gato.

21

22 Após limpa e seca a soja segue para armazenagem. A distribuição da soja dentro do armazém é feita em pequenos montes que são sobrepostos evitando o acúmulo de impureza em um mesmo ponto o que pode ocasionar o aumento da temperatura, conseqüente ineficiência dos processo de aeração, a perda de qualidade da soja.

23 Momento em que a soja deixa o armazém seguindo para o porto ou para uma fábrica.

24

25 Obrigado!!!

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 422/11 Data: 16/12/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2011/12 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO EM 2011/12.

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Janeiro, 28-2013 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto

Leia mais

SORGO. O granífero é o que tem maior expressão econômica e destina-se principalmente à alimentação animal.

SORGO. O granífero é o que tem maior expressão econômica e destina-se principalmente à alimentação animal. 1 SORGO O sorgo é uma planta que pertence à família das gramíneas (Poaceae) e que provavelmente teve origem na África. Ocupa atualmente, entre os cereais, o quinto lugar em área plantada no mundo, atrás

Leia mais

PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975

PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975 PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39, Ministério da Agricultura, item VIII, do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro

Leia mais

DEPAR AGTUP 1. EXPEDIÇÃO DE PRODUTOS. Caminhão descarrega na Moega. Prepara os circuitos do silo INÍCIO

DEPAR AGTUP 1. EXPEDIÇÃO DE PRODUTOS. Caminhão descarrega na Moega. Prepara os circuitos do silo INÍCIO 1. EXPEDIÇÃO DE PRODUTOS Prepara os circuitos do silo Caminhão descarrega na Moega OPERACIONAL Levanta até o silo, através da correia transportadora Coloca nas válvulas Encaminha nas células do silo Recebe

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 442 Data: 17/08/2015 Referência: Abril 2015 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas

Leia mais

Qualidade de Grãos Comercializados no Estado de Mato Grosso: Dados Preliminares RESUMO

Qualidade de Grãos Comercializados no Estado de Mato Grosso: Dados Preliminares RESUMO Qualidade de Grãos Comercializados no Estado de Mato Grosso: Dados Preliminares 43 Madison Willy Silva Cordeiro 1, Adelvana Pereira Queiróz 1, Nayara Fernanda Oliveira 1, Flávio Carlos Dalchiavon 1, Sinibaldo

Leia mais

Instrução Interna Nr. 09/2015

Instrução Interna Nr. 09/2015 Instrução Interna Nr. 09/2015 De : Diretoria Para : Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 01 - RECEPÇÃO: AVEIA INDUSTRIAL - PRETA A aveia será recebida nas seguintes unidades:

Leia mais

SECADORES CEREAIS JOSCIL

SECADORES CEREAIS JOSCIL SECADORES CEREAIS JOSCIL SÃO EQUIPAMENTOS TÉRMICO-MECÂNICOS, DESTINADOS A REDUZIR O TEOR DE UMIDADE DE PRODUTOS AGRICOLA, PERMITINDO A MANUTENÇÃO E QUALIDADE DURANTE O SEU ARMAZENAMETO. PARA CONDIÇÕES

Leia mais

Art. 1º Aprovar a anexa Norma de Identidade e Qualidade da Cevada, para comercialização interna.

Art. 1º Aprovar a anexa Norma de Identidade e Qualidade da Cevada, para comercialização interna. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABNETE DO MINISTRO Portaria nº 691 de 22 de Novembro de 1996. O Ministro de Estado da Agricultura e do Abastecimento, no uso da atribuição que lhe confere

Leia mais

Circular Especial de Safra 2015/2016

Circular Especial de Safra 2015/2016 ESPECIAL DE SAFRA * PUBLICAÇÃO SEMESTRAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 01.02.2016 Circular Especial de Safra 2015/2016 1. LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS, SEGREGAÇÃO E HORÁRIOS: UNIDADES DE RECEBIMENTO

Leia mais

MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO DO FEIJÃO

MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO DO FEIJÃO MANUAL DE CLASSIFICAÇÃO DO FEIJÃO INSTRUÇÃO NORMATIVA N 12, DE 28 DE MARÇO DE 2008 PROCEDIMENTOS PARA CLASSIFICAÇÃO DO FEIJÃO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério

Leia mais

Colheita de Cana-de-açúcar na Provincia de Tucumán Argentina.

Colheita de Cana-de-açúcar na Provincia de Tucumán Argentina. Colheita de Cana-de-açúcar na Provincia de Tucumán Argentina. Hernán Gutiérrez e Gonzalo Daniel Yepez INTRODUÇÃO A colheita é uma das etapas mais importantes na produção de cana de açúcar. Seu objetivo

Leia mais

PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO

PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO PREPARO DE GRÃOS DE SOJA PARA EXTRAÇÃO Eng. Luiz Carlos Masiero L.C.Masiero Engenharia Industrial Jaú, SP Resumo: Se apresentam neste trabalho as considerações básicas do processo de preparação de grãos

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO

SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO SORGO GRANÍFERO EM MATO GROSSO CONJUNTURA BIMESTRAL: JULHO e AGOSTO/15 ANO 1. Nº 2 O 12º Levantamento de Safras da Conab, divulgado em 11 de setembro de 2015, consolidou os dados sobre a safra brasileira

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO TERCEIROS A soja transgênica será recebida nas seguintes unidades,

Leia mais

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007 1 de 26 Índice: 1 DO OBJETIVO...2 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO...2 3 DAS DEFINIÇÕES...2 3.1 DAS SIGLAS...2 3.2 DA FINALIDADE DO SECLAC...2 3.3 DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC...2 3.4 DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal

Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Produção Vegetal AVALIAÇÃO DA QUALIDADE DAS SEMENTES DE GRAMÍNEAS FORRAGEIRAS ANA D. L. C. NOVEMBRE adlcnove@usp.br

Leia mais

Atenção no tanque, tranquilidade na estrada.

Atenção no tanque, tranquilidade na estrada. Atenção no tanque, tranquilidade na estrada. Como evitar a contaminação do combustível e o desgaste prematuro de peças. Diesel contaminado é sinônimo de gastos adicionais Quem trabalha na estrada sabe:

Leia mais

Amostragem e análises de qualidade em grãos

Amostragem e análises de qualidade em grãos Disciplina de Armazenamento e Conservação de Grãos 2015/02 Amostragem e análises de qualidade em grãos Prof. Nathan Levien Vanier Eng. Agrônomo, Dr. Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel Objetivos - Compreender

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA MODELO TS-920

MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA MODELO TS-920 MANUAL DE INSTRUÇÕES DA ESTAÇÃO DE SOLDA MODELO TS-920 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento 1. INTRODUÇÃO A TS-920 é uma estação de solda de temperatura

Leia mais

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO Beneficiamento e Classificação BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO O beneficiamento do café é uma operação pós-colheita usada para transformar, pela eliminação da casca e separação dos grãos, o fruto seco (natural

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE OXI-REDUÇÃO MODELO OR-2300

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE OXI-REDUÇÃO MODELO OR-2300 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE OXI-REDUÇÃO MODELO OR-2300 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do medidor ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

Classificação física de soja

Classificação física de soja Página 1 de 9 1 Escopo Método de ensaio para classificação física de grãos de SOJA, que tem como objetivo definir a Identidade e Qualidade, com fins de enquadramento em Grupo, Classe, Tipo e Teor de Umidade,

Leia mais

QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR / GESTÃO DE RECLAMAÇÕES. Susana Sousa Consultoria e Formação

QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR / GESTÃO DE RECLAMAÇÕES. Susana Sousa Consultoria e Formação QUALIDADE E SEGURANÇA ALIMENTAR / GESTÃO DE RECLAMAÇÕES Susana Sousa Consultoria e Formação HIGIENE E SEGURANÇA ALIMENTAR o Porquê? Consumidor mais exigente Maior qualidade dos produtos Maior qualidade

Leia mais

Critério de Classificação Jibóia Potes Grandes.

Critério de Classificação Jibóia Potes Grandes. Critério de Classificação Jibóia Potes Grandes. Classificar é separar os produtos em lotes homogêneos quanto ao padrão e qualidade, caracterizados separadamente. O critério de classificação é o instrumento

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO CADINHO DE SOLDA MODELO TS-1015. agosto de 2012

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO CADINHO DE SOLDA MODELO TS-1015. agosto de 2012 TOYO MANUAL DE INSTRUÇÕES DO CADINHO DE SOLDA MODELO TS-1015 agosto de 2012 Leia atentamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do instrumento 1. INTRODUÇÃO O TS-1015 é um cadinho

Leia mais

Automatismo Industriais 2008/2009. Trabalho 1 Sistema de acesso e gestão de temperatura. Página 1 de 5

Automatismo Industriais 2008/2009. Trabalho 1 Sistema de acesso e gestão de temperatura. Página 1 de 5 Automatismo Industriais 2008/2009 Trabalho 1 Sistema de acesso e gestão de temperatura Página 1 de 5 Objectivo: Desenvolver um sistema com a plataforma LOGO (Siemens) que realize o controlo de acesso com

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

ASPECTOS E DESAFIOS DA ARMAZENAGEM DE AÇÚCAR

ASPECTOS E DESAFIOS DA ARMAZENAGEM DE AÇÚCAR ASPECTOS E DESAFIOS DA ARMAZENAGEM DE AÇÚCAR PRIMEIROS ENGENHOS DOS ENGENHOS ÀS UNIDADES BIOENERGÉTICAS CAMINHO AÇÚCAR Evolução da produção de açúcar RELAÇÃO ENTRE PRODUÇÃO E CAPACIDADE ESTÁTICA RELAÇÃO

Leia mais

Aplicação da ferramenta Produção Mais Limpa

Aplicação da ferramenta Produção Mais Limpa Aplicação da ferramenta Produção Mais Limpa na Reciclagem de Plástico Flávia Pinheiro Faria e Elen B. A. V. Pacheco Universidade Federal do Rio de Janeiro Instituto de Macromoléculas Professora Eloisa

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ph DA ÁGUA MODELO PH-2100

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ph DA ÁGUA MODELO PH-2100 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MEDIDOR DE ph DA ÁGUA MODELO PH-2100 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do medidor ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO...1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...1

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA.

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. Informe Número: 435 Data: 07/02/2014 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA. A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os valores de custos

Leia mais

Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem

Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem Produção Regional de Grãos e Estrutura de Armazenagem A produção brasileira de grãos e de café 1 cresceu expressivamente de 2007 a 2013, conforme o Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA)

Leia mais

FOLHA 5. Problemas de Transportes e de Afectação

FOLHA 5. Problemas de Transportes e de Afectação FOLHA 5 Problemas de Transportes e de Afectação 1. Uma companhia de aço possui 2 minas e 3 fábricas transformadoras. Em cada mina (1 e 2) encontram-se disponíveis 103 e 197 toneladas de minério. A companhia

Leia mais

MANEJO DA VENTILAÇÃO PARA FRANGOS

MANEJO DA VENTILAÇÃO PARA FRANGOS Universidade Federal do Pampa Campus Dom Pedrito Curso de Zootecnia Disciplina de Avicultura I MANEJO DA VENTILAÇÃO PARA FRANGOS Profa. Lilian Kratz Semestre 2016/1 Conceitos importantes Ventilação mínima

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Produtos BM&FBovespa. BTG Pactual CTVM. BTG Pactual

Produtos BM&FBovespa. BTG Pactual CTVM. BTG Pactual Conheça alguns dos produtos negociados pela Renda Variável Compõe-se de ativos de renda variável, quais sejam, aqueles cuja remuneração ou retorno de capital não pode ser dimensionado no momento da aplicação.

Leia mais

SIRENE SEM FIO EXTERNA STK 116 SIRENE SEM FIO EXTERNA STK

SIRENE SEM FIO EXTERNA STK 116 SIRENE SEM FIO EXTERNA STK SIRENE SEM FIO EXTERNA STK 116 www.samtek.com.br SIRENE SEM FIO EXTERNA STK 116 Agradecemos a sua preferência por nossos produtos. Nossos produtos possuem vários certificados nacionais e internacionais

Leia mais

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB

Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB Governo do Estado da Paraíba Secretaria de Saúde do Estado Agência Estadual de Vigilância Sanitária - AGEVISA-PB Consulta Pública nº 004 de 26 de fevereiro de 2004. A Diretoria Colegiada da Agência Estadual

Leia mais

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Murillo Freire Junior Embrapa Agroindústria de Alimentos Rio de Janeiro, RJ 15/03/2016 Perdas e Desperdícios de

Leia mais

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DOS DEFEITOS DA SOJA 3ª Edição-JULHO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO DA SOJA APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 11, de 15 de maio de 2007 e ALTERADA pela INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA

Leia mais

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso Marcelo Alvares de Oliveira 1, Irineu Lorini 2 47 1 Embrapa Soja, Caixa Postal 231, 86001-970

Leia mais

Manual de Operação 1

Manual de Operação 1 1 Índice Ambiente operacional...03 Instalação...03 Precauções na instalação...04 Utilizando o controle da Cortina de Ar...05 Dados técnicos...06 Manutenção...06 Termo de garantia...07 2 As cortinas de

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I 1. Objetivos da disciplina: 1.1 Fornecer os meios básicos de utilização dos subsídios meteorológicos à análise

Leia mais

AERAÇÃO DE GRÃOS INTRODUÇÃO

AERAÇÃO DE GRÃOS INTRODUÇÃO Universidade Federal de Viçosa Centro de Ciências Agrárias Departamento de Engenharia Agrícola AERAÇÃO DE GRÃOS INTRODUÇÃO Daniela de Carvalho Lopes Viçosa, 2004 Armazenamento de grãos atualmente Nas últimas

Leia mais

PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Montes Claros MG

PRODUÇÃO DE BIODIESEL. Montes Claros MG PRODUÇÃO DE BIODIESEL Montes Claros MG 1 Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) 1- Objetivos e Diretrizes O Programa Nacional de Produção e Uso de Biodiesel (PNPB) é um programa interministerial

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO 01. RECEPÇÃO O milho transgenico será recebido nas seguintes unidades: L O C A

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 1 INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO A soja será recebida nas seguintes unidades: LOCAL CONSUMO SEMENTE

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL 1. Objetivo: a presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem, marcação e

Leia mais

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira

PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira Universidade Federal do Espírito Santo Centro Tecnológico Departamento de Engenharia Civil PROPRIEDADES FÍSICAS (massa específica, massa unitária, inchamento) Profa. Dra. Geilma Lima Vieira geilma.vieira@gmail.com

Leia mais

Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas. Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira

Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas. Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira Planejamento e Controle da Utilização e das Compras de Matérias-Primas Amanda Ribeiro José Maciel Neto Renê Oliveira Nov/2012 Para que serve? Definir as quantidades de cada matéria prima necessária para

Leia mais

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes Autores: Antonio Sergio Pontarolli Berenice Los Cirlene Waceliko Daniel Sviercowski Ediclea

Leia mais

Rolamentos II. Para evitar paradas longas na produção, devido. O que verificar durante o funcionamento

Rolamentos II. Para evitar paradas longas na produção, devido. O que verificar durante o funcionamento A UU L AL A Rolamentos II Para evitar paradas longas na produção, devido a problemas de rolamentos, é necessário ter certeza de que alguns desses rolamentos estejam disponíveis para troca. Para isso, é

Leia mais

CONCENTRADOS PROTÉICOS ORIGEM ANIMAL CONCEITO REGULAMENTAÇÃO IN 34/2008

CONCENTRADOS PROTÉICOS ORIGEM ANIMAL CONCEITO REGULAMENTAÇÃO IN 34/2008 CONCENTRADOS PROTÉICOS ORIGEM ANIMAL CONCEITO REGULAMENTAÇÃO IN 34/2008 VANTAGENS DO USO DESTINO ADEQUADO DE RESÍDUOS DESTINO NOBRE DE RESÍDUOS PERFIL NUTRICIONAL ADEQUADO FONTE DE NUTRIENTES NOBRES E

Leia mais

Qualidade em Grãos de Milho Submetidos à Secagem a Alta temperatura e Armazenados.

Qualidade em Grãos de Milho Submetidos à Secagem a Alta temperatura e Armazenados. Qualidade em Grãos de Milho Submetidos à Secagem a Alta temperatura e Armazenados. 27 Rafael Friedrich de Lima 1, Rafael Gomes Dionello 1, Paulo Ricardo de Jesus Rizzoto Júnior 1, Tatiane Colares 1 RESUMO

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO TÍTULO: IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO Instrução para calibração de Simulador e Medidor de Sinais IT N.º : 040 1 OBJETIVO Sinais. Esta instrução tem por finalidade estabelecer um critério para a calibração de

Leia mais

01/05/2012. Gimnospermas: Sementes não protegidas pinheiros, sequóias, araucárias

01/05/2012. Gimnospermas: Sementes não protegidas pinheiros, sequóias, araucárias UNIVERSIDADE ESTADUAL DE FEIRA DE SANTANA DEPARTAMENTO DE TECNOLOGIA ENGENHARIA DE ALIMENTOS MATÉRIAS PRIMAS ALIMENTÍCIAS TEC 321 Matérias primas de origem vegetal Grãos PROFª TAÍS S. DE OLIVEIRA BRANDÃO

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO

MANUAL DE OPERAÇÃO MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO DOSADOR MICRO-ESFERA E MOTOR DE PASSO MODELO: N O DE SÉRIE: FABRICAÇÃO: / / 1 INTRODUÇÃO É com grande satisfação que a INEAL ALIMENTADORES LTDA coloca mais um equipamento

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 38, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 38, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 38, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁ- RIA E ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3

MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3 UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DE TRANSPORTES E GEOTECNIA MECÂNICA DOS SOLOS I 1º RELATÓRIO GRUPO 2 TURMA C 3 Gustavo Lima Marina Quirino Marlon Xavier Olívia Ianhez 13/03/2008

Leia mais

Módulo 2. Conceitos do MIP

Módulo 2. Conceitos do MIP Módulo 2 Conceitos do MIP O que fazer para conter essa praga? A solução não está no MIP por cultura! MIP Soja Identificação das Pragas e dos Inimigos Naturais Monitoramento Tomada de decisão MIP Algodão

Leia mais

4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS

4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS CULTURA DO MILHO 4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS FENOLOGIA DO MILHO Definição Parte da Botânica que estuda vários fenômenos periódicos das plantas, como brotação, floração e frutificação, marcando-lhes as épocas

Leia mais

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008

REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REFERENCIAL FOTOGRÁFICO DA CLASSIFICAÇÃO VEGETAL do FEIJÃO 1ª Edição-NOVEMBRO 2008 REGULAMENTO TÉCNICO REGULAMENTO TÉCNICO DO FEIJÃO APROVADO PELA INSTRUÇÃO NORMATIVA MAPA nº 12, de 28 de março de 2008

Leia mais

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5%

Leia mais

Produção de açúcar mascavo

Produção de açúcar mascavo Instituto Politécnico de Coimbra Escola Superior Agrária de Coimbra Produção de açúcar mascavo Disciplina: Processamento Geral de Alimentos Professores: João Freire Noronha Ivo Rodrigues Autor: Sandra

Leia mais

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Larissa Fatarelli Bento 1, Maria Aparecida Braga Caneppele 2, Dayse Félix do Nascimento 3, Aline Lehmkuhl 1, Carlos Caneppele 2 64 1

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Classificação do Milho Produzido no Centro Norte de Mato Grosso Utilizando Diferentes Instruções Normativas Fernando

Leia mais

MANCHAS E DANOS NO ENXOVAL: COMO PREVENIR? Por: Marcelo Pierri

MANCHAS E DANOS NO ENXOVAL: COMO PREVENIR? Por: Marcelo Pierri MANCHAS E DANOS NO ENXOVAL: COMO PREVENIR? Por: Marcelo Pierri OBJETIVO DA LAVAGEM DE ROUPA OBTER ROUPA LIMPA, HIGIENIZADA, ISENTA DE MICROORGANISMOS, COM BOA COLORAÇÃO E EM PERFEITAS CONDIÇOES DE USO.

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS ANÁPOLIS DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - HENRIQUE SANTILLO ENGENHARIA AGRÍCOLA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS ANÁPOLIS DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - HENRIQUE SANTILLO ENGENHARIA AGRÍCOLA UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS CÂMPUS ANÁPOLIS DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - HENRIQUE SANTILLO ENGENHARIA AGRÍCOLA ANÁLISE DE FLUXO DE GRÃOS DE MILHO E PROCESSOS OPERACIONAIS EM UMA UNIDADE ARMAZENADORA

Leia mais

DE GRÃOS PASSO A PASSO

DE GRÃOS PASSO A PASSO CLASSIFICAÇÃO DE GRÃOS PASSO A PASSO SOJA. MILHO. FEIJÃO 2 CLASSIFICAÇÃO DE GRÃOS CLASSIFICAÇÃO DE GRÃOS 3 EXPEDIENTE IDEALIZAÇÃO Associação de Agricultores e Irrigantes da Bahia - Aiba FINANCIADOR Fundo

Leia mais

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Eficiência energética em sistema de ar comprimido

XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Eficiência energética em sistema de ar comprimido XIX Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2010 22 a 26 de novembro São Paulo - SP - Brasil Eficiência energética em sistema de ar comprimido Paulo Palladini Evandro Gustavo Romanini

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL

MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL MANUAL DE INSTALAÇÃO DA CORTINA DE AR INTERNATIONAL APRESENTAÇÃO Agradecemos pela preferência na escolha de produtos International Refrigeração. Este documento foi elaborado cuidadosamente para orientar

Leia mais

EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS

EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS EFICIÊNCIA DA ADUBAÇÃO DA CANA-DE-AÇÚCAR RELACIONADA AOS AMBIENTES DE PRODUÇÃO E AS ÉPOCAS DE COLHEITAS André Cesar Vitti Eng. Agr., Dr. PqC do Polo Regional Centro Sul/APTA acvitti@apta.sp.gov.br Entre

Leia mais

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos?

Gestão de custos Aula 1. Objetivos da disciplina. Objetivos da aula. Por que estudar os Custos? Por que devemos conhecer os Custos? Gestão de custos Aula 1 Terminologias e Classificação em Custos Regis Garcia Mestre em Contabilidade com ênfase em Finanças pela UFPR, Especialista em Contabilidade Societária e Gerencial e em Controladoria

Leia mais

CARTILHA DE PRÉ E PÓS-COLHEITA DE CAFÉ NUCOFFEE

CARTILHA DE PRÉ E PÓS-COLHEITA DE CAFÉ NUCOFFEE CARTILHA DE PRÉ E PÓS-COLHEITA DE CAFÉ NUCOFFEE 1 PRÉ-COLHEITA SEGMENTAÇÃO DAS LAVOURAS Anteriormente na cafeicultura brasileira não se preocupava com as características de cada lavoura (sua variedade,

Leia mais

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare)

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) INTRODUÇÃO: - Origem: - Mesopotâmia; - Produção: - Ásia; - Europa; - América do Norte; - 80%. INTRODUÇÃO: - Características das regiões produtoras; - Brasil: - 1920-1930;

Leia mais

Classificação física do milho pipoca

Classificação física do milho pipoca 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 8 Método de ensaio para classificação física de MILHO PIPOCA que tem como objetivo definir sua Identidade e Qualidade para fins de enquadramento em Classe e Tipo, conforme

Leia mais

EXTRUSÃO E TREFILAÇÃO

EXTRUSÃO E TREFILAÇÃO EXTRUSÃO E TREFILAÇÃO 1 Se a necessidade é de perfis de formatos complicados ou, então, de tubos, o processo de fabricação será a extrusão. Se o que se quer fabricar, são rolos de arame, cabos ou fios

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula prática: Amostragem de Solo FINALIDADES DA ANÁLISE DE SOLO Determinar a disponibilidade de nutrientes; Indicar ao agricultor o nível

Leia mais

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) PALHA DE AÇO ( BRILLO )

FISPQ (Ficha de Informações de Segurança de Produtos Químicos) PALHA DE AÇO ( BRILLO ) Página 1 de 6 I - IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome: PALHA DE AÇO ( Brillo 00, 0, 1 e 2) Códigos Internos: 2219 (n 00 - Palha Super fina); 2216 (n 0 - Palha Fina); 2217 (n 1 - Palha Média); 2218

Leia mais

Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO

Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO 1. INTRODUÇÃO CAMPO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS X CAMPO DE PRODUÇÃO DE SEMENTES 2. PRODUÇÃO

Leia mais

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado.

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 644 DE 11 DE SETEMBRO DE 1975 O Ministro de Estado da Agricultura, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39,

Leia mais

SEMINÁRIO: A FLEXILIBIZAÇÃO DE USINAS PARA OPERAÇÕES COM CANA E MILHO A USIMAT

SEMINÁRIO: A FLEXILIBIZAÇÃO DE USINAS PARA OPERAÇÕES COM CANA E MILHO A USIMAT SEMINÁRIO: A FLEXILIBIZAÇÃO DE USINAS PARA OPERAÇÕES COM CANA E MILHO A USIMAT Localização: Município de Campos de Júlio - MT Destilaria Autônoma inicialmente p/ processar cana-de-açúcar e produzir etanol

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 23, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2005.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 23, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2005. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 23, DE 14 DE DEZEMBRO DE 2005. O MINISTRO DE ESTADO, INTERINO, DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO,

Leia mais

Princípio de Funcionamento dos Filtros do Ar

Princípio de Funcionamento dos Filtros do Ar Objetivos Descrever o sistema de alimentação do ar Identificar detalhes da composição dos filtros do ar Analisar o funcionamento e a eficiência dos filtros do ar. Descrição Este módulo mostra o sistema

Leia mais

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA LINHA CH

FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA LINHA CH FONTE DE ALIMENTAÇÃO CHAVEADA LINHA CH Rev.: 2.00-08 Manual do usuário Fonte de Alimentação Chaveada MAN-DE-LINHA-CH Rev.: 2.00-08 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso Erro! Fonte de referência

Leia mais

REGRAS DE HIGIENE E SEGURANÇA. Nas deslocações a pé. na fábrica. Não corra nas escadas e nas zonas destinadas ao trânsito GIAGI

REGRAS DE HIGIENE E SEGURANÇA. Nas deslocações a pé. na fábrica. Não corra nas escadas e nas zonas destinadas ao trânsito GIAGI Nas deslocações a pé na fábrica Não corra nas escadas e nas zonas destinadas ao trânsito 1 Nas deslocações a pé na fábrica Nos corredores utilize a esquerda e nos cruzamentos deve verificar a ausência

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO MULTIBIO 700

GUIA DE INSTALAÇÃO MULTIBIO 700 GUIA DE INSTALAÇÃO MULTIBIO 700 1. Instalação do equipamento (1)Cole o modelo de montagem na (2) Remova o parafuso na parte (3) Tire a placa traseira. parede, Faça os furos de acordo inferior do dispositivo

Leia mais

Por que devemos conhecer os Custos?

Por que devemos conhecer os Custos? Terminologias e Classificação em Custos OBJETIVOS DA AULA: Entender o por que estudar os custos. Explorar a terminologia adotada. Definir e classificá los. Apresentar os elementos básicos. Por que devemos

Leia mais

Redução no índice de reclamações de clientes relacionado à impressão em couche fosco

Redução no índice de reclamações de clientes relacionado à impressão em couche fosco FACULDADE SENAI DE TECNOLOGIA GRÁFICA Curso Superior de Tecnologia em Produção Gráfica Redução no índice de reclamações de clientes relacionado à impressão em couche fosco Orientadores: Prof. Andrea Giovanni

Leia mais

A Cultura do Linho. (Linum usitatissimum L.)

A Cultura do Linho. (Linum usitatissimum L.) A Cultura do Linho (Linum usitatissimum L.) Introdução: - Planta herbácea; -Pode atingir um metro de altura; - Família botânica: lineáceas; - Composição: substância fibrosa (extração de fibras longas para

Leia mais

Manual de Instruções

Manual de Instruções Manual de Instruções (Máquinas de gelo em cubo) Obrigado por escolher as máquinas de gelo Thermomatic. Para garantir o uso correto das operações, por favor, leia atentamente o manual de instruções e depois

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES VENTILADOR DE COLUNA

MANUAL DE INSTRUÇÕES VENTILADOR DE COLUNA MANUAL DE INSTRUÇÕES VENTILADOR DE COLUNA EE1000A/B (127V/220V) EE2000A/B (127V/220V) Leia atentamente este Manual, antes de usar seu VENTILADOR. Guarde-o em local seguro, para futuras consultas. SAC:

Leia mais

CONTROLADOR AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO

CONTROLADOR AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO 1/ 7 CONTROLADOR AUTOMÁTICO modelos: RQC 001 / RQC 002 CONTROLADOR AUTOMÁTICO DE ACIONAMENTO MANUAL DE INSTALAÇÃO E FUNCIONAMENTO RQC 001 RQC 002 ATENÇÃO: Este aparelho só deve ser instalado por empresas

Leia mais