IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO"

Transcrição

1 TÍTULO: IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO Instrução para calibração de Simulador e Medidor de Sinais IT N.º : OBJETIVO Sinais. Esta instrução tem por finalidade estabelecer um critério para a calibração de Simulador e Medidor de ABRANGÊNCIA Esta instrução é utilizada como norma, quando se realiza calibração de Simulador e Medidor de Sinais, independente do fabricante, modelo ou faixa de indicação. 2 REFERÊNCIAS Não aplicável. 3 DEFINIÇÕES Erro de Medição : Resultado de uma medição menos o valor verdadeiro do instrumento medido (mensurado). Calibração : Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valores representados por uma medida materializada ou um material de referência e os valores correspondentes das grandezas estabelecidas por padrões. Incerteza de Medição : Parâmetro, associado ao resultado de uma medição, que caracteriza a dispersão dos valores que podem ser fundamentalmente atribuídos a um mensurado. Calibração Interna : Nome designado quando uma equipe executa calibração de instrumentos dentro da empresa Labortec Metrologia Ltda. Calibração Externa : Nome designado quando uma equipe executa calibração de instrumentos na produção ou laboratório de uma determinada empresa. REV. DATA DESCRIÇÃO DE REVISÃO ELAB. POR APROV. POR N.º 00 10/07/00 Edição inicial Tiago Walter Página 1 de 5

2 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE PADRÃO UTILIZADO; Multímetro Padrão 6 1/2, rastreado à RBC - ( Rede Brasileira de Calibração ), com certificado de calibração constando a data da calibração, os desvios que o equipamento apresenta, a incerteza da calibração e o órgão executor. Gerador de Sinais, rastreado à RBC - ( Rede Brasileira de Calibração ), com certificado de calibração constando a data da calibração, os desvios que o equipamento apresenta, a incerteza da calibração e o órgão executor. E OU Fonte Estabilizada, rastreado à RBC - ( Rede Brasileira de Calibração ), com certificado de calibração constando a data da calibração, os desvios que o equipamento apresenta, a incerteza da calibração e o órgão executor ITENS A SEREM CALIBRADOS; Quando se executa a calibração de Simulador e Medidor de Sinais deve-se verificar : A ) Erro de Medição MÉTODO DE CALIBRAÇÃO; Calibração Interna : Deixar o instrumento juntamente com os padrões, em repouso na sala de calibração, com temperatura controlada entre 18 a 25ºC por um período mínimo de uma hora. Calibração Externa : Deixar o instrumento e padrão em repouso conforme temperatura e umidade relativa do local de calibração na empresa. A ) Erro de Medição Para se determinar erro de medição em simulador e medidor de sinais deve-se: 1º Passo : Limpar superficialmente o instrumento. 2º Passo : Verificar as escalas a serem calibradas e selecionar o gerador de sinais ou fonte estabilizada. Para faixa de indicação até 22 macc e 12 Vcc, utilizar gerador de sinais, acima desta faixa, utilizar fonte estabilidada. 3º Passo : Conectar o instrumento na fonte ou gerador de sinais. Página 2 de 5

3 4º Passo : Ligar a fonte ou o gerador de sinais e gerar sinal correspondente á unidade de medida e faixa de indicação do medidor de sinais. 5º Passo : Ligar o multímetro padrão e selecionar escala correspondente á unidade de medida e faixa de indicação do medidor de sinais. 6º Passo : Interceptar o sinal com as pontas de prova do multímetro padrão e efetuar calibração emk 20%, 50% e 80% da faixa de indicação da escala do instrumento. Repetir por três vezes a leitura em cada ponto de calibração. As leituras são realizadas no multímetro enquanto o simulador de sinais permanece com a leitura fixa. Anotar os resultados encontrados em uma planilha conforme Anexo 1. O campo Conforme ou Não Conforme deve ser preenchido com um X. Para determinar se o instrumento está Conforme ou Não Conforme basta confrontar o resultado da calibração com a tolerância utilizada por nossa empresa (IT- 001) ou quando aplicável tolerância especificada por cliente. Caso houver algum campo na planilha de calibração que não foi preenchido, escrever os dizeres não se aplica. Após ter sido calibrado, lacrar o instrumento e colocar em prateleira identificada, juntamente com a planilha de calibração Para se determinar erro de medição em simulador de sinais deve-se: 1º Passo : Limpar superficialmente o instrumento. 2º Passo : Ligar o multímetro padrão e selecionar escala correspondente á unidade de medida e faixa de indicação do medidor de sinais. 3º Passo : Interceptar o sinal com as pontas de prova do multímetro padrão e efetuar calibração em 20, 50 e 80% da faixa de indicação da escala do instrumento. Repetir por três vezes a leitura em cada ponto de calibração. As leituras são realizadas no multímetro enquanto o simulador de sinais permanece com a leitura fixa. Anotar os resultados encontrados em uma planilha conforme Anexo 1. O campo Conforme ou Não Conforme deve ser preenchido com um X. Para determinar se o instrumento está Conforme ou Não Conforme basta confrontar o resultado da calibração com a tolerância utilizada por nossa empresa (IT- 001) ou quando aplicável tolerância especificada por cliente. Caso houver algum campo na planilha de calibração que não foi preenchido, escrever os dizeres não se aplica. Após ter sido calibrado, lacrar o instrumento e colocar em prateleira identificada, juntamente com a planilha de calibração TRATAMENTO DAS NÃO CONFORMIDADES Os instrumentos calibrados que apresentarem erros acima dos desvios permissíveis, deverão ser segregados dos demais instrumentos, emitido um relatório de Não-conformidade descrevendo os problemas, e encaminhados aos departamentos responsáveis ( conforme Instrução de Trabalho Nº IT-105 ). Página 3 de 5

4 4.5 - DETERMINAÇÃO DA INCERTEZA DE MEDIÇÃO A Incerteza de Medição deverá ser calculada conforme a instrução IT APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados da calibração contidos nas planilhas deverão ser transcritos e emitidos em forma de certificado de calibração. 5 REGISTROS Planilha para calibração de Simulador e Medidor de Sinais - são indexadas no Arquivo Morto, sendo dividas em sacos plásticos identificados pelo nome dos clientes e o número das ordens de serviços, e acopladas em caixas de papelão pelo nome dos clientes em ordem alfabética. Permanecem neste local por 3 (três) anos, e após esse período são eliminadas. O acesso é restrito aos funcionários da Engenharia da Qualidade. 6 DOCUMENTOS Certificado de calibração - Ver Instrução de Trabalho Nº IT RESPONSABILIDADES Calibração da Simulador e Medidor de Sinais - Metrologista; Preenchimento da Planilha - Metrologista; Análise com a respectiva tolerância do equipamento - Metrologista; Laudo de conforme ou não conforme - Metrologista. 8 ANEXOS Planilha para calibração de Simulador e Medidor de Sinais ( Anexo 1 ). Página 4 de 5

5 PLANILHA DE CALIBRAÇÃO DE SIMULADORES E MEDIDORES DE SINAIS Instr.: Solicitante: OS: Marca: Faixa de indicação: Resolução: Data: Temperatura: UR: Tolerância: Código: EXECUTADO POR: CONFORME ( ) OBS: NÃO CONFORME ( ) PADRÕES UTILIZADOS Nº PADRÃO figura 1. Página 5 de 5

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho IT - 055 01 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS 6 DOCUMENTOS 7 RESPONSABILIDADES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem por finalidade estabelecer um

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho Instrução para Calibração de Paquímetros IT - 007 07 1 de 9 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS 1

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho Instrução para Calibração de Medidor de Altura IT - 008 06 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho Régua Paralela IT 098 01 1 de 6 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS 6 DOCUMENTOS 7 RESPONSABILIDADES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem por finalidade

Leia mais

Instrução de Trabalho - RBC

Instrução de Trabalho - RBC ITR - 033 02 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem como finalidade

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho IT - 059 03 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS 6 DOCUMENTOS 7 RESPONSABILIDADES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem como finalidade estabelecer

Leia mais

Instrução de Trabalho - RBC

Instrução de Trabalho - RBC Instrução para Calibração de Medidor de Altura ITR - 004 11 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho IT - 019 02 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS 6 DOCUMENTOS 7 RESPONSABILIDADES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem como finalidade estabelecer

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho IT - 070 05 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem como finalidade

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho Instrução para Calibração de Micrômetro Externo IT - 006 06 1 de 6 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho IT - 014 05 1 de 13 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem como finalidade

Leia mais

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho Instrução para Calibração de Projetor de Perfil IT - 027 02 1 de 6 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS

Leia mais

E-QP-EIF-076 REV. B 14/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL -

E-QP-EIF-076 REV. B 14/Abr/2008 PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE INSPEÇÃO DE FABRICAÇÃO PINTURA INDUSTRIAL - INSTRUÇÕES AO CANDIDATO - GERAL - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

Instrução de Trabalho - RBC

Instrução de Trabalho - RBC Instrução Calibração de Trena ITR 030 03 1 de 6 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta

Leia mais

SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO. Esta Norma se aplica a Dimel e aos Órgãos delegados da RBMLQ-I. 3 RESPONSABILIDADE

SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 CAMPO DE APLICAÇÃO. Esta Norma se aplica a Dimel e aos Órgãos delegados da RBMLQ-I. 3 RESPONSABILIDADE VERIFICAÇÃO DE MEDIDAS MATERIALIZADAS DE VOLUME PELO MÉTODO VOLUMÉTRICO NORMA N o NIE-DIMEL-044 APROVADA EM JUL/24 N o /05 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Referência

Leia mais

Revisado em 18/11/2008

Revisado em 18/11/2008 PROCEDIMENTOS PARA VERIFICAÇÃO INICIAL E SUBSEQUENTE DE TANQUES DE ARMAZENAMENTO E RESFRIAMENTO DE LEITE A GRANEL NORMA N o NIE-DIMEL- APROVADA EM N o Revisado em 18/11/2008 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Instrução de Trabalho - RBC

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Instrução de Trabalho - RBC Instrução para Calibração de Termopar ITR - 041 01 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÕES DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLES DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS 1

Leia mais

Instrução de Trabalho - RBC

Instrução de Trabalho - RBC ITR - 001 09 1 de 12 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Estabelecer um critério para calibração

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Instrução de Trabalho - RBC

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE Instrução de Trabalho - RBC Instrução para Calibração de Termômetro Digital e Analógico ITR - 043 01 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÕES DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLES DE

Leia mais

Informação. Nota: Tradução feita por José Carlos Valente de Oliveira.

Informação. Nota: Tradução feita por José Carlos Valente de Oliveira. Informação Esta publicação é uma tradução do Guia de Calibração EURAMET Calibração de Comparadores de Blocos-Padrão (EURAMET/cg-02/v.01, November 2007). Os direitos autorais do documento original pertencem

Leia mais

Oficio Circular nº 15 /2009/GAB/DIPOA Brasília, 08 de Maio de 2009. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal DIPOA

Oficio Circular nº 15 /2009/GAB/DIPOA Brasília, 08 de Maio de 2009. Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal DIPOA Oficio Circular nº 15 /2009/GAB/DIPOA Brasília, 08 de Maio de 2009 Do: Diretor do Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal DIPOA Aos: Chefes de SIPAG s C/C aos Chefes de Divisão Técnica e

Leia mais

CONTROLE DE DOCUMENTOS

CONTROLE DE DOCUMENTOS 1. OBJETIVO Estabelecer critérios e regras quanto ao procedimento de conferência e arquivamento dos documentos fiscais. 2. REGRAS / CONSIDERAÇÕES GERAIS Esta instrução aplica-se a toda a empresa. Será

Leia mais

GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES

GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES GUIA PARA A REALIZAÇÃO DE ESTUDOS DE ESTABILIDADE DE PRODUTOS SANEANTES A estabilidade de produtos saneantes depende de fatores ambientais como temperatura, umidade e luz, e de outros inerentes ao produto

Leia mais

Determinação do percentual de desglaciamento em pescados por gravimetria

Determinação do percentual de desglaciamento em pescados por gravimetria Página 1 de 6 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o peso do produto glaciado, do produto desglaciado e o percentual de glaciamento em pescados congelados glaciados. São assim considerados

Leia mais

Objetivos da disciplina:

Objetivos da disciplina: Aplicar e utilizar princípios de metrologia em calibração de instrumentos e malhas de controle. Objetivos da disciplina: Aplicar e utilizar princípios de metrologia calibração de instrumentos e malhas

Leia mais

EDITAL DO EMPREENDA ADMINISTRAÇÃO ULBRA TORRES

EDITAL DO EMPREENDA ADMINISTRAÇÃO ULBRA TORRES EDITAL DO EMPREENDA ADMINISTRAÇÃO ULBRA TORRES 1. ABERTURA A Coordenação de pesquisa da Ulbra Torres, juntamente com a Coordenação do Curso de Administração comunica a abertura do edital do Empreenda Administração

Leia mais

Manual Certidão Web - Certidão Específica

Manual Certidão Web - Certidão Específica Manual Certidão Web - Certidão Específica 1 Sumário 1. NORMATIVA... 3 2. PROCEDIMENTO PARA SOLICITAÇÃO... 4 3. PROCEDIMENTO PARA ACOMPANHAR O ANDAMENTO DA SOLICITAÇÃO13 2 1. NORMATIVA De acordo com a INSTRUÇÃO

Leia mais

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA.

Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA. Instituto Lab System de Pesquisas e Ensaios LTDA. Relatório de Ensaio (RAE) N.º 10811015 Pág.: 1 / 6 Data de emissão: 23/10/2015 1 Solicitante: Ultra Safe Comercio, Importação e Exportação Eireli Endereço:

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 042, de 18 de março de 2004. O

Leia mais

VOCABULÁRIO DE METROLOGIA

VOCABULÁRIO DE METROLOGIA DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE MECÂNICA APOSTILA DE METROLOGIA VOCABULÁRIO DE METROLOGIA Cid Vicentini Silveira 2005 1 OBJETIVO DESTE CAPÍTULO Descrever os fundamentos, os termos, e os princípios da metrologia.

Leia mais

PROCEDIMENTO SOBRE ENTREGA MENSAL DA DOCUMENTAÇÃO TRABALHISTA

PROCEDIMENTO SOBRE ENTREGA MENSAL DA DOCUMENTAÇÃO TRABALHISTA PROCEDIMENTO SOBRE ENTREGA MENSAL DA DOCUMENTAÇÃO TRABALHISTA Aos prestadores de serviço da MELHORAMENTOS CMPC LTDA Esse Procedimento está disponível em: http://www.gestaoparceiros.com.br/portal/procedimentos.php

Leia mais

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES

ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES ANEXO 3 GERENCIAMENTO DE MODIFICAÇÕES 1 OBJETIVO O objetivo do Gerenciamento de Modificações consiste em prover um procedimento ordenado e sistemático de análise dos possíveis riscos introduzidos por modificações,

Leia mais

SECRETARIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS PARA O TRABALHO TÉCNICO SOCIAL

SECRETARIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS PARA O TRABALHO TÉCNICO SOCIAL ANEXO P.5 ESPECIFICAÇÕES MÍNIMAS PARA O TRABALHO TÉCNICO SOCIAL Orientação para a Elaboração dos Relatórios Referentes ao Trabalho Técnico Social TTS No tocante à execução do trabalho técnico social, as

Leia mais

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E VERIFICAÇÃO DE BANHO- MARIA COM AGITAÇÃO TIPO DUBNOFF

PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E VERIFICAÇÃO DE BANHO- MARIA COM AGITAÇÃO TIPO DUBNOFF Circular Técnica Código 1/13 77 Brasília, DF Janeiro 2008 Autor Clarissa Silva Pires de Castro Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Brasília-DF, Brasil, PROCEDIMENTO DE OPERAÇÃO, MANUTENÇÃO E VERIFICAÇÃO

Leia mais

Políticas Corporativas

Políticas Corporativas 1 IDENTIFICAÇÃO Título: POLÍTICA DE REMUNERAÇÃO DOS ADMINISTRADORES Restrições para Uso: Livre Acesso Controle Reservado Confidencial Controlada Não Controlada Em Revisão 2 - RESPONSÁVEIS Etapa Área Responsável

Leia mais

MÓVEIS ESCOLARES CADEIRA E MESA PARA CONJUNTO ALUNO INDIVIDUAL. Portaria Inmetro 105/2012 e 184/2015 Códigos: 3795 Cadeira e 3796 - Mesa

MÓVEIS ESCOLARES CADEIRA E MESA PARA CONJUNTO ALUNO INDIVIDUAL. Portaria Inmetro 105/2012 e 184/2015 Códigos: 3795 Cadeira e 3796 - Mesa MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Álcool Desinfetante 77ºGL (70% p/p ou 77% v/v a 15ºC)

Álcool Desinfetante 77ºGL (70% p/p ou 77% v/v a 15ºC) Álcool Desinfetante 77ºGL (70% p/p ou 77% v/v a 15ºC) O Álcool para Desinfecção deverá conter não menos que 76,9ºGL correspondente a 76,9%v/v ou 70%p/p e não mais que 81,4ºGL correspondente a 81,4%v/v

Leia mais

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE

Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida. RESOLUÇÃO (DE 1 1,QVWUXomRGH7UDEDOKR ^'_a`cbdegfihkj lgmndm opmnqir>stdumkfihtj vkw xymz_g{} ~wabdj! ƒu ˆ Š Œ iž ƒ u i %šœ, Ÿž u SUMÁRIO 3 DEFINIÇÕES 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIA 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DA ATIVIDADE 5 REGISTROS

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS

SISTEMA DE GESTÃO INTEGRADO - SGI (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS (MEIO AMBIENTE, SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO) Procedimento CONTROLE DE DOCUMENTOS e REGISTROS PR.01 Página 1 de 3 14001: 4.4.5, 4.5.4 1. OBJETIVO Estabelecer sistemática para o processo de elaboração,

Leia mais

Novos critérios para a recertificação de inspetor de pintura industrial, com base na norma ABNT NBR 15218:2014

Novos critérios para a recertificação de inspetor de pintura industrial, com base na norma ABNT NBR 15218:2014 Novos critérios para a recertificação de inspetor de pintura industrial, com base na norma ABNT NBR 15218:2014 Autor: Ednilton Alves Pereira (Associação Brasileira de Corrosão - ABRACO) Dez/2014 Introdução

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO - CONTENTORES INTERMEDIÁRIOS PARA GRANÉIS (IBC) Portaria Inmetro 250/2006 e 280/2008 Código 3368

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO - CONTENTORES INTERMEDIÁRIOS PARA GRANÉIS (IBC) Portaria Inmetro 250/2006 e 280/2008 Código 3368 MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO PORTARIA DECEA Nº 101/SDOP, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014

MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO PORTARIA DECEA Nº 101/SDOP, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA DEFESA COMANDO DA AERONÁUTICA DEPARTAMENTO DE CONTROLE DO ESPAÇO AÉREO PORTARIA DECEA Nº 101/SDOP, DE 30 DE OUTUBRO DE 2014 Aprova a modificação da Instrução sobre métodos de avaliação de

Leia mais

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

CRITÉRIOS ESPECÍFICOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO CRITÉRIOS ESPECÍFICOS PARA A ACREDITAÇÃO DE ORGANISMO DE INSPEÇÃO NA ÁREA DE INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO NORMA Nº: NIT-DIOIS-011 APROVADA EM OUT/2011 Nº 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação

Leia mais

Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing

Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing CIRCULAR N 10/2013-BNDES Rio de Janeiro, 10 de abril de 2013. Ref.: Produtos BNDES Finame, BNDES Finame Agrícola e BNDES Finame Leasing Ass.: Procedimentos para envio de documentação referente à Proposta

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN

PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN PROGRAMA DE APOIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA DAS FACULDADES INTEGRADAS EINSTEIN DE LIMEIRA PAPIC- EINSTEIN EDITAL PARA SELEÇÃO DE PROJETOS DO PAPIC- EINSTEIN Nº 01/2015 A Comissão Científica do

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n.º 023, de 13 de fevereiro de 2003.

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica

Nota Fiscal Eletrônica Nota Fiscal Eletrônica Acessar a página www.passaquatro.mg.gov.br, ir a SERVIÇOS e clicar em NFS-e que será redirecionado para a tela de autenticação do usuário e precisará informar o Usuário (Login) e

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. Data de Vigência 01/DEZ/2005

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. Data de Vigência 01/DEZ/2005 Página 1 de 8 CA- POP-GQ 0 OBJETIVO Padronizar os Procedimentos Operacionais Padrão (POPs) em termos de redação, emissão e distribuição. APLICAÇÃO Este POP aplica-se unicamente ao Laboratório de Controle

Leia mais

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST)

ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) ANÁLISE DOCUMENTAL (CHECK LIST) AQUICULTURA (CARCINICULTURA E PISCICULTURA) CÓDIGO GRUPO/ATIVIDADES AQÜICULTURA (02.00) PPD AGRUPAMENTO NORMATIVO 02.01 Carcinicultura M 02.02 Carcinicultura Laboratórios

Leia mais

b) É necessária a apresentação dessa CONSULTA PRÉVIA nos seguintes casos:

b) É necessária a apresentação dessa CONSULTA PRÉVIA nos seguintes casos: 0BAnexo V à Circular nº 33/2011, de 01.09.2011 1BROTEIRO DE INFORMAÇÕES MÍNIMAS PARA CONSULTA PRÉVIA FINANCIAMENTO À COMPRADORA Formatado: Não ajustar espaço entre o texto latino e asiático Formatado:

Leia mais

Instruções de Preenchimento de planilha para Revisão Analítica

Instruções de Preenchimento de planilha para Revisão Analítica Instruções de Preenchimento de planilha para Revisão Analítica Balanço Patrimonial BP Para o Balanço Patrimonial a setorial de Órgão Superior deve utilizar o arquivo Revisão Analítica BP, o qual é composto

Leia mais

Procedimento de Gestão. Resolução/ Remediação de Situações de Trabalho de Menores

Procedimento de Gestão. Resolução/ Remediação de Situações de Trabalho de Menores 1. OBJECTIVO Este procedimento estabelece a metodologia de definição, implementação e controlo de acções a desenvolver no caso de ser detectada a utilização de trabalho de menores, de forma a assegurar

Leia mais

NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS

NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS NORMA DE TRANSMISSÃO UNIFICADA NTU-013 INSPEÇÃO E AVALIAÇÃO TÉCNICA DE FORNECEDORES DE EQUIPAMENTOS E MATERIAIS APROVAÇÃO Júlio Cesar Ragone Lopes Diretor Corporativo de Engenharia e Construção Grupo Energisa

Leia mais

VERIFICAÇÃO E INSPEÇÃO DE MEDIDORES DE VELOCIDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTIVOS

VERIFICAÇÃO E INSPEÇÃO DE MEDIDORES DE VELOCIDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTIVOS VERIFICAÇÃO E INSPEÇÃO DE MEDIDORES DE VELOCIDADE DE VEÍCULOS AUTOMOTIVOS NORMA N o NIE-DIMEL-034 APROVADA EM AGO/01 N o 01/08 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidades 4 Documentos complementares

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES)

EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) EDITAL DE SELEÇÃO PARA ESTÁGIO DE PÓS-DOUTORADO COM BOLSA DO PROGRAMA NACIONAL DE PÓS-DOUTORADO (PNPD/CAPES) A Coordenação do Programa de Pós-Graduação em Letras (Ciência da Literatura) da UFRJ torna pública

Leia mais

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP

ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP ORIENTAÇÕES SOBRE CURSOS E ATIVIDADES DE EXTENSÃO DA USP FORMAÇÃO PROFISSIONAL Prática Programa de Residência Profissionalizante Atualização Graduação Sim Não Sim Concluída Carga horária mínima Definida

Leia mais

NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS. Referência: NT-AI.03.05.01. Data: 17/04/2.

NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS. Referência: NT-AI.03.05.01. Data: 17/04/2. NORMA TÉCNICA PARA RECEBIMENTO DE BENS DE INFORMÁTICA PELA METODOLOGIA DE INSPEÇÃO POR ATRIBUTOS Referência: NT-AI.03.05.01 http://www.unesp.br/ai/pdf/nt-ai.03.05.01.pdf Data: 17/04/2.001 STATUS: PRELIMINAR

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS 11-12-1934 FARROUPILHA CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO FARROUPILHA - RS COMISSÃO DA EDUCAÇÃO INFANTIL RESOLUÇÃO nº 03 de 17 de Maio de 2007. Orienta a elaboração de Regimentos Escolares para Escolas de

Leia mais

COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU INSTRUÇÃO NORMATIVA PRPG Nº 002/2012 PROCESSO SELETIVO

COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU INSTRUÇÃO NORMATIVA PRPG Nº 002/2012 PROCESSO SELETIVO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS P R Ó - R E I T O R I A D E P Ó S - G R A D U A Ç Ã O COORDENADORIA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU INSTRUÇÃO NORMATIVA PRPG Nº 002/2012 PROCESSO SELETIVO 1. EDITAL 1.1. É

Leia mais

Art. 2º A responsabilidade pelo cumprimento desta Instrução Normativa é da Gerência de Recursos Humanos ou equivalente.

Art. 2º A responsabilidade pelo cumprimento desta Instrução Normativa é da Gerência de Recursos Humanos ou equivalente. INSTRUÇÃO NORMATIVA N o 008/ DGRH/SEA Orienta os procedimentos relativos a elaboração dos Planos de Capacitação no âmbito da Administração Direta, Autárquica e Fundacional mencionados no Decreto 3.917,

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR-MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n 101, de 07 de Julho de 2000. O Diretor

Leia mais

PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÃO DE BANCADAS MODELO UM 4000 SCHLUMBERGER PARA VERIFICAÇÃO DE MEDIDORES DE GÁS

PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÃO DE BANCADAS MODELO UM 4000 SCHLUMBERGER PARA VERIFICAÇÃO DE MEDIDORES DE GÁS PROCEDIMENTOS DE INSPEÇÃO DE BANCADAS MODELO UM 40 SCHLUMBERGER PARA VERIFICAÇÃO DE MEDIDORES DE GÁS NORMA N o NIE-DIMEL-035 APROVADA EM NOV/01 N o 01/07 SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de aplicação 3 Responsabilidades

Leia mais

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292

Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Plano de Ensino PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA - CCE0292 Título PROBABILIDADE E ESTATÍSTICA APLICADA À ENGENHARIA Código da disciplina SIA CCE0292 16 Número de semanas de aula 4 Número

Leia mais

REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA

REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA REGULAMENTO DE CUSTAS NOS PROCESSOS DE ARBITRAGEM TRIBUTÁRIA Artigo 1.º Âmbito e objecto O presente Regulamento e as Tabelas anexas que o integram, estabelece as taxas de arbitragem aplicáveis nos processos

Leia mais

Curso Como Determinar a Incerteza de Medição

Curso Como Determinar a Incerteza de Medição Curso Como Determinar a Incerteza de Medição Instrutor Gilberto Carlos Fidélis Eng. Mecânico com Especialização em Metrologia pelo NIST - Estados Unidos e NAMAS/UKAS - Inglaterra. Instrutor de cursos desde

Leia mais

Descrição de Cargo, Funções e Processos. Organograma de localização

Descrição de Cargo, Funções e Processos. Organograma de localização Descrição de Cargo, Funções e Processos Empresa: Comercial xxxxxxx Cargo: Vendedor Local: xxxxxxxxxxxxxxxx Departamento: Vendas Funcionário: xxxxxx Organograma de localização Diretor Gerente Mecânico Assistente

Leia mais

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa

Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa Título de Emissão de Gases com Efeito de Estufa TE GEE.303.01 II Nos termos do Decreto-Lei n.º 233/2004, de 14 de Dezembro, com as alterações introduzidas pelos Decretos-Lei n.º 243-A/2004, de 31 de Dezembro,

Leia mais

SECRETARIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO

SECRETARIA DE HABITAÇÃO DO ESTADO DE SÃO PAULO ANEXO P.8 PRESTAÇÃO DE CONTAS RECEBIMENTO DE OBRAS DOCUMENTAÇÃO EXIGIDA 1. Ofício assinado pelo Prefeito, encaminhando a Prestação de Contas à Casa Paulista, fazendo menção aos documentos anexados. 2.

Leia mais

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015

PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO. Versão 1.0 Dezembro 2015 PROCEDIMENTO PARA A QUALIFICAÇÃO DE VERIFICADOR DE PÓS-AVALIAÇÃO Versão 1.0 Dezembro 2015 Índice 1. Objetivo... 2 2. Campo de aplicação... 2 3. Documentos de referência... 2 4. Qualificação de verificadores

Leia mais

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio

Anexo 03 Normas para a realização de Estágio Anexo 03 Normas para a realização de Estágio REGULAMENTO DE ESTÁGIO DO CURSO DE ENGENHARIA CIVIL Capítulo I DA NATUREZA Art. 1º. O Projeto Pedagógico do Curso de Engenharia Civil do Setor de Tecnologia

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO Nº 13, DE 11 DE MAIO DE 2006.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO Nº 13, DE 11 DE MAIO DE 2006. Edição nº 90, Seção 01, Página 56, de 12/maio/2006 Edição nº 90, Seção 01, Página 56, de 12/maio/2006 MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL SECRETARIA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR INSTRUÇÃO Nº 13, DE 11 DE MAIO

Leia mais

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO

SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO Orientações sobre o recolhimento dos valores devidos em face dos Contratos de Transição 1. Do Valor Devido 2. Do Recolhimento 2.1. Recolhimento por GRU Simples 2.2. Recolhimento

Leia mais

MANUAL PARA EMISSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE SEM OBJETIVO COMERCIAL TSOC CONTINUO

MANUAL PARA EMISSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE SEM OBJETIVO COMERCIAL TSOC CONTINUO 1 MANUAL PARA EMISSÃO DA AUTORIZAÇÃO DE TRANSPORTE SEM OBJETIVO COMERCIAL TSOC CONTINUO Este manual tem como objetivo apresentar os procedimentos necessários para a emissão, on-line, da autorização para

Leia mais

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS.

Pagamento de complemento de salário-maternidade, considerando que este valor deve ser deduzido da guia de INSS, pois é pago pelo INSS. Complemento Salarial Licença Maternidade Abaixo estão descritas as regras do sistema para cálculo do complemento de salário-maternidade, no complemento salarial e na rescisão complementar por Acordo/Convenção/Dissídio:

Leia mais

3º PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR FAENE 2013.1 EDITAL Nº 001/2013

3º PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR FAENE 2013.1 EDITAL Nº 001/2013 1 3º PROCESSO SELETIVO VESTIBULAR FAENE 2013.1 EDITAL Nº 001/2013 A FACULDADE ESCOLA DE NEGÓCIOS EXCELLENCE FAENE torna pública a abertura de inscrições para o Processo Seletivo 2013 destinado a selecionar

Leia mais

GUIA PARA O CONTROLO DO EQUIPAMENTO DE MEDIÇÃO E ENSAIO EM LABORATÓRIOS CLÍNICOS ÍNDICE ALTERAÇÕES

GUIA PARA O CONTROLO DO EQUIPAMENTO DE MEDIÇÃO E ENSAIO EM LABORATÓRIOS CLÍNICOS ÍNDICE ALTERAÇÕES EQUIPAMENTO DE ÍNDICE 1 Introdução 2 2 Referências Bibliográficas 2 3 Definições 2 4 Equipamento e respectivo controlo 2 5 /Verificação Intermédia 6 Total de Páginas: 6 ALTERAÇÕES Não Aplicável 1ª Edição

Leia mais

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES

NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES NORMA GERAL PARA GESTÃO DO ABASTECIMENTO DE ÁGUA À EMBARCAÇÕES TÍTULO Capítulo Seção Nome Revisão Norma Geral 4 Área de Gestão de Engenharia e Operação Portuárias 1 Diretrizes Operacionais 01 Diretrizes

Leia mais

POLÍTICA DE COMPLIANCE

POLÍTICA DE COMPLIANCE Classificação das Informações 5/5/2015 Confidencial [ ] Uso Interno [ X ] Uso Público ÍNDICE 1 OBJETIVO... 3 2 ABRANGÊNCIA... 3 3 REFERÊNCIAS... 3 4 DEFINIÇÕES... 4 5 DIRETRIZES... 4 6 RESPONSABILIDADES...

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Gabinete do Reitor PORTARIA Nº 473/GR/UFFS/2013

UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Gabinete do Reitor PORTARIA Nº 473/GR/UFFS/2013 UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL Gabinete do Reitor O REITOR PRÓ TEMPORE DA UNIVERSIDADE FEDERAL DA FRONTEIRA SUL - UFFS, no uso de suas atribuições legais, resolve: Art. 1º ESTABELECER os critérios

Leia mais

REGULAMENTO DE CONCURSO

REGULAMENTO DE CONCURSO Índice 1. Objetivos... 2 2. Entidades Beneficiárias... 2 3. Dotação Orçamental... 2 4. Financiamento... 2 5. Despesas elegíveis... 3 6. Condições de Acesso ao Concurso... 3 7. Metodologia de Seleção dos

Leia mais

PO - Procedimento Operacional Revisão: 09 Página 1 de 5

PO - Procedimento Operacional Revisão: 09 Página 1 de 5 PO - Procedimento Operacional Revisão: 09 Página 1 de 5 1. OBJETIVO Definir as etapas do processo de elaboração e controle de documentos e registro do Sistema de Gestão da Qualidade. 2. RESPONSÁVEIS Diretores

Leia mais

FLUXOGRAMA DE INÍCIO DE UM PROCESSO LICITATÓRIO

FLUXOGRAMA DE INÍCIO DE UM PROCESSO LICITATÓRIO FLUXOGRAMA DE INÍCIO DE UM PROCESSO LICITATÓRIO INTERESSADO Elabora Termo de Referência (Decreto 5.450/2005 art. 9º, 2º) GABINETE Emite Autorização de Execução Orçamentária AE e encaminha para PPLAN PPLAN

Leia mais

EDITAL SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO PARA ALUNOS ESPECIAIS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS 2º SEMESTRE LETIVO DE 2016

EDITAL SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO PARA ALUNOS ESPECIAIS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS 2º SEMESTRE LETIVO DE 2016 EDITAL SIMPLIFICADO DE SELEÇÃO PARA ALUNOS ESPECIAIS DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA E 2º SEMESTRE LETIVO DE 2016 O Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Alimentos da Fundação Universidade

Leia mais

MANUAL DE POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, Rateio e Divisão de Ordens

MANUAL DE POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, Rateio e Divisão de Ordens MANUAL DE POLÍTICA DE NEGOCIAÇÃO DE VALORES MOBILIÁRIOS, Rateio e Divisão de Ordens Junho de 2016 1. OBJETIVOS 2. ENTIDADES/ARÉAS ENVOLVIDAS 3. REGRAS E PARÂMETROS 4. OPERACIONALIZAÇÃO DE ORDENS 4.1. Tipos

Leia mais

PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567

PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567 PREGÃO PRESENCIAL Nº. 65/2009 PROCESSO 338.567 Trata-se de pedido de esclarecimento encaminhado, via e-mail, pela empresa SERASA S. A., CNPJ 62.173.620/0001-80, no uso do direito previsto no art. 12 do

Leia mais

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente.

1. OBJETIVO Prestar atendimento ao cidadão de maneira rápida, eficiente e eficaz, de acordo com os requisitos especificados pelo cliente. Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO INSTRUÇÃO DE TRABALHO DE ATENDIMENTO AO CIDADÃO RECEITA MUNICIPAL DE SENADOR CANEDO Responsável: Vanderlúcia Cardoso

Leia mais

PROTEÇÃO DIFERENCIAL PARA CAMINHÃO RS-710

PROTEÇÃO DIFERENCIAL PARA CAMINHÃO RS-710 PROTEÇÃO DIFERENCIAL PARA CAMINHÃO RS-710 Manual do usuário Proteção Diferencial para Caminhão MAN-PT-DE-RS710 Rev.: 1.01-11 Introdução Obrigado por ter escolhido nosso RS-710. Para garantir o uso correto

Leia mais

Professor Orientador: Empresa/Instituição de Estágio: Supervisor da Empresa: Nº de Visitas à Empresa

Professor Orientador: Empresa/Instituição de Estágio: Supervisor da Empresa: Nº de Visitas à Empresa APÊNDICE G FICHA SÍNTESE DE AVALIAÇÃO DE ESTÁGIO ESTÁGIO EM ENGENHARIA EMPRESA Professor Orientador: Empresa/Instituição de Estágio: Supervisor da Empresa: NOME DOS ACADÊMICOS Nº de Orientações Nº de Visitas

Leia mais

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM OFTALMOLOGIA

EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM OFTALMOLOGIA EDITAL DE CONVOCAÇÃO DO EXAME DE SUFICIÊNCIA CATEGORIA ESPECIAL PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE ESPECIALISTA EM OFTALMOLOGIA Pelo presente edital, o Conselho Brasileiro de Oftalmologia CBO informa que estarão

Leia mais

Qualidade de Software Normatização

Qualidade de Software Normatização Qualidade de Software Normatização Norma ISO/IEC 12207 processo do ciclo de vida de software Norma criada em 1995 com o objetivo de fornecer uma estrutura comum para adquirente, fornecedor, desenvolvedor,

Leia mais

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas competências legais e,

O CONSELHO DE GESTÃO DA AGÊNCIA GOIANA DE REGULAÇÃO, CONTROLE E FISCALIZAÇÃO DE SERVIÇOS PÚBLICOS, no uso de suas competências legais e, 1 RESOLUÇÃO Nº 205 /2008 - CG Dispõe sobre a inspeção de segurança veicular dos veículos de propriedade das concessionárias que operam no transporte rodoviário intermunicipal de passageiros do Estado de

Leia mais

MANUAL WEB PRESTADOR EXAMES OCUPACIONAIS

MANUAL WEB PRESTADOR EXAMES OCUPACIONAIS MANUAL WEB PRESTADOR EXAMES OCUPACIONAIS APRESENTAÇÃO O Manual Web apresenta o passo a passo para inclusão das informações das guias/procedimentos e avaliações clínicas, dos exames ocupacionais. Existem

Leia mais

Assessoramento Técnico e Jurídico Fiança Criminal. Descrição 0 31/08/2010 - Emissão inicial 1 01/10/2010

Assessoramento Técnico e Jurídico Fiança Criminal. Descrição 0 31/08/2010 - Emissão inicial 1 01/10/2010 Pág.: 1/10 Controle de alterações Revisão Data Local da Revisão Descrição 0 31/08/2010 - Emissão inicial 1 01/10/2010 Item 6 - Alteração da indexação dos registros Despacho Registros e Ofício Alteração

Leia mais

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA FORNOS E FOGÕES A GÁS. Portaria Inmetro 18/2008 - (CÓDIGOS: 3285 E 3286)

PROCEDIMENTO DE FISCALIZAÇÃO PARA FORNOS E FOGÕES A GÁS. Portaria Inmetro 18/2008 - (CÓDIGOS: 3285 E 3286) MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA- INMETRO Diretoria da Qualidade Dqual Divisão de Fiscalização e Verificação

Leia mais

Autor: Instituto de Pesquisas Rodoviárias - IPR Processo: 50607.000138/2009-02. Origem: Revisão da norma DNER ES 300/97.

Autor: Instituto de Pesquisas Rodoviárias - IPR Processo: 50607.000138/2009-02. Origem: Revisão da norma DNER ES 300/97. DNIT /2009 NORMA DNIT - ES Pavimentos flexíveis Reforço do subleito - Especificação de serviço MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES DEPARTAMENTO NACIONAL DE INFRAESTRUTURA DE TRANSPORTES DIRETORIA GERAL DIRETORIA

Leia mais

Requalificação de Recipientes Transportáveis para Gás Liquefeito de Petróleo (GLP)

Requalificação de Recipientes Transportáveis para Gás Liquefeito de Petróleo (GLP) Elaborado por: Eduardo Augusto Di Marzo Verificado por: Karen Martins Doc: 701-CRC-004 Revisão: 7 Página: 1/10 Aprovado por: Igor Moreno Data Aprovação: 27/04/2015 1 OBJETIVO Este documento apresenta os

Leia mais

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos

Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos Orientações Para o Preenchimento do Formulário de Inscrição Preliminar dos Projetos O presente documento tem como objetivo apresentar as diretrizes e orientar no preenchimento do formulário de inscrição

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA Disciplina: FLG 0253 - CLIMATOLOGIA I 1. Objetivos da disciplina: 1.1 Fornecer os meios básicos de utilização dos subsídios meteorológicos à análise

Leia mais

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4 093, de 21 de novembro de 2001. Publicada no DOERJ de 29 de novembro de 2001.

Notas: Aprovada pela Deliberação CECA nº 4 093, de 21 de novembro de 2001. Publicada no DOERJ de 29 de novembro de 2001. NA-0052.R-1 - REGULAMENTAÇÃO PARA PUBLICAÇÃO DAS LICENÇAS OBRIGATÓRIAS E DO INÍCIO DO ESTUDO DE IMPACTO AMBIENTAL DO SISTEMA DE LICENCIAMENTO DE ATIVIDADES POLUIDORAS Notas: Aprovada pela Deliberação CECA

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 4.416, DE 22 DE JUNHO DE 2015

RESOLUÇÃO Nº 4.416, DE 22 DE JUNHO DE 2015 RESOLUÇÃO Nº 4.416, DE 22 DE JUNHO DE 2015 Ajusta as normas a serem aplicadas às operações contratadas no âmbito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), a partir de 1º

Leia mais