Instrução de Trabalho

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Instrução de Trabalho"

Transcrição

1 IT de 13 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS 1 OBJETIVO Esta instrução tem como finalidade estabelecer um critério para calibração de relógio comparador, relógio apalpador e comparador de precisão, independente da marca e faixa de indicação, nas unidades de medida polegada e milímetro, e com resolução/valor de uma divisão até 0,001mm. 2 REFERÊNCIAS DOQ-CGCRE-004 Orientações para a realização de calibrações na área de Metrologia Dimensional. VIM Vocabulário Internacional de Termos Fundamentais e Gerais de Metrologia. JIS B 7503 Mechanical Dial Gauges (Relógio Comparador Mecânico). 3 DEFINIÇÕES 3.1 sistema de gestão da qualidade Atividades coordenadas para dirigir e controlar uma organização, no que diz respeito à qualidade. 3.2 instrução de trabalho Descrição detalhada de como executar e registrar uma tarefa. 3.3 instrumento de medição Dispositivo utilizado para uma medição, sozinho ou em conjunto com dispositivo (s) complementares. ELABORADO/REVISADO POR: 3.4 relógio comparador Um relógio comparador é um instrumento de medição indicador, no qual o curso do pino de medição é via um sistema mecânico transferido a um ponteiro, com o ponteiro via de regra se move no mínimo 360º à frente de uma escala circular com divisão igualmente espaçada. 3.5 relógio apalpador Um relógio apalpador é um instrumento de medição de pequeno curso de trabalho e baixa pressão de contato, no qual transforma (e amplia) o movimento angular de uma ponta de medição em circular de um ponteiro montado em um mostrador graduado. 3.6 Comparador de precisão Um comparador de precisão é um instrumento de medição com indicador, no qual o curso do pino de medição é via um sistema mecânico transferido a um ponteiro, cujo movimento à frente de uma escala com divisão uniforme, constante, é menor que 360º. 3.7 calibração Conjunto de operações que estabelece, sob condições especificadas, a relação entre os valores indicados por um instrumento de medição ou sistema de medição ou valores representados por uma medida materializada ou um material de referência, e os valores correspondentes das grandezas estabelecidos por padrões. 3.8 incerteza de medição Parâmetro, associado ao resultado de uma medição, que caracteriza a dispersão dos valores que podem ser fundamentadamente atribuídos a um mensurando. 3.9 Padrão Medida materializada, instrumento de medição, material de referência ou sistema de medição destinado a definir, realizar, conservar ou reproduzir uma unidade ou um ou mais valores de uma grandeza para servir como referência. 3.8 tendência (de um instrumento de medição) Erro sistemático da indicação de um instrumento de medição. APROVADO PARA USO: 11/07/ /07/2016 Poliana Murari Data Fernando Sampataro Data

2 IT de faixa de indicação Conjunto de valores limitados pelas indicações extremas valor de uma divisão Diferença entre os valores da escala correspondentes a duas marcas sucessivas resolução (de um dispositivo mostrador) Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida faixa de desvio total - fges A faixa de desvio total fges é a distância de ordenada entre o ponto mais alto e mais baixo da tendência sobre a faixa de indicação com haste móvel executando deslocamento no avanço e retorno faixa de inversão de valor de medição fu É a diferença das medições em um mesmo ponto de uma faixa de indicação com haste móvel executando deslocamento de avanço e retorno em relação ao padrão utilizado faixa de desvio fe A faixa de desvio fe é a distância de ordenada entre o ponto mais alto e mais baixo do transcorrer da tendência sobre a faixa de indicação, com haste móvel executando deslocamento no avanço Registro Documento que apresenta resultados obtidos ou fornece evidências de atividades realizadas. 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES A ) Tendência; B ) Parâmetros fges, fu e fe MÉTODO DE CALIBRAÇÃO Deixar o instrumento juntamente com o padrão, em repouso na sala de calibração, com temperatura controlada entre 19ºC a 21ºC por um período mínimo de uma hora RELÓGIO COMPARADOR A ) Tendência Para se determinar a tendência em relógio comparador, utilizando comparador eletrônico de deslocamento deve-se: 1º Passo : Limpar o instrumento e o padrão respectivamente. 2º Passo : Fixar o relógio comparador no dispositivo de fixação de modo que o mostrador fique de frente para o metrologista. 3º Passo : Apoiar a ponta do relógio comparador sobre o fuso do dispositivo de fixação de tal forma que o ponteiro menor (indicador de voltas) e maior (mostrador móvel), fiquem na indicação zero da escala circular, comforme Figura 1. Nota 1 Para relógio comparador digital, pressionar levemente a haste móvel no sentido do avanço a título de ocasionar uma indicação de 0,1 no instrumento. Zerar o display do comparador eletrônico e do instrumento. 4.1 EQUIPAMENTOS E PADRÕES UTILIZADOS Comparador Eletrônico de Deslocamento ou Calibrador de Relógio Comparador, rastreado a RBC (Rede Brasileira de Calibração), com certificado de calibração constando a data da calibração, os desvios apresentados, a incerteza de medição e o órgão executor PARÂMETROS A SEREM CALIBRADOS Quando se executa a calibração de relógio comparador, relógio apalpador e comparador de precisão deve-se verificar:

3 IT de 13 Ponteiros - Posição zero Relógio Comparador 8º Passo : Determinar o ponto onde ocorreu o maior erro no curso maior e fazer a verificação do erro local, considerando meia volta antes e meia volta após o ponto de maior erro. Esta verificação é referente ao erro do curso menor. Dividir em dez partes o campo relacionado à meia volta antes e meia volta após o ponto de maior erro. Nota 2 Em caso de ocorrer erros idênticos em pontos diferentes, adotar para verificação do curso menor o ponto mais próximo do zero. Indicador de voltas Fuso ou contato Tambor Dispositivo de Fixação Transdutor de Deslocamento Figura 1 Posicionamento inicial para calibração do relógio comparador. 4º Passo : Ligar o comparador eletrônico de deslocamento, selecionar a unidade de medida adequada e utilizar resolução no mínimo dez vezes menor que a resolução / valor de uma divisão do instrumento. 5º Passo : Pressionar o botão de zeragem do display do comparador eletrônico de deslocamento. 6º Passo : Consultar nos Anexos 1 e 2, os diferentes pontos de calibração em função da faixa de indicação e resolução / valor de uma divisão. 7º Passo : Fazer o deslocamento do fuso ou contato do dispositivo de fixação, por meio do tambor de tal modo que se realize a movimentação da haste móvel no sentido de avanço nos pontos de calibração selecionados. Avançar aproximadamente dez divisões após o último ponto e realizar a calibração dos mesmos no sentido do retorno. Repetir este ciclo de medições por três vezes anotando os resultados obtidos em uma planilha de calibração conforme Anexo 5. Nota 3 Nota 4 Nota 5 Nota 6 No caso do maior erro no curso maior ocorrer na posição inicial ou final, considerar a volta posterior ou anterior, respectivamente, para verificação do curso menor. No término de um ciclo de medição, o ponteiro deverá ultrapassar a indicação inicial (0,00) em aproximadamente dez divisões e somente depois prosseguir o próximo ciclo. Zerar o display do comparador eletrônico entre um ciclo de medição e outro. Para relógios comparadores digitais, não se deve realizar a calibração no sentido de retorno, somente no sentido de avanço. Também não se verifica o erro do curso menor. Os parâmetros fges, fu e fe são calculados no software de emissão de certificados a partir das leituras da calibração RELÓGIO APALPADOR A ) Tendência Para se determinar a tendência em relógio apalpador utilizando comparador eletrônico de deslocamento deve-se : 1º Passo : Limpar o instrumento e o padrão respectivamente. 2º Passo : Fixar o relógio apalpador no dispositivo de fixação de modo que o mostrador fique de frente para o metrologista e a ponta de contato na posição indicada na Figura 2.

4 IT de 13 Mostrador Aro Ajustável Ponta de Contato Corpo Pivô Figura 2 Posição 1 para calibração de relógio apalpador. 3º Passo : Apoiar a ponta do relógio apalpador sobre o fuso ou contato do calibrador, de tal forma que o ponteiro menor (indicador de voltas) e maior (mostrador móvel), fiquem na posição zero. No relógio apalpador que não possuir ponteiro menor (indicador de voltas), colocar na posição zero o ponteiro maior (mostrador móvel). 6º Passo : Consultar no Anexo 3, os diferentes pontos de calibração em função da faixa de indicação e resolução / valor de uma divisão. 7º Passo : Fazer o deslocamento do fuso ou contato do dispositivo de fixação, por meio do tambor de tal modo que se realize a movimentação da haste móvel no sentido de avanço nos pontos de calibração selecionados. Avançar aproximadamente dez divisões após o último ponto e realizar a calibração dos mesmos no sentido de retorno. Repetir este ciclo de medições por três vezes anotando os resultados obtidos em uma planilha de calibração conforme Anexo 7. 8º Passo : Inverter a posição da ponta de contato conforme Figura 4, e repetir o processo de calibração à partir do 3º passo. Mostrador Ponteiro Posição Zero Relógio Apalpador Aro Ajustável Corpo Pivô Ponta de Contato Mostrador Fuso ou contato Tambor Dispositivo de Fixação Transdutor de Deslocamento Figura 3 Posicionamento inicial para calibração de relógio apalpador. 4º Passo : Ligar o comparador eletrônico de deslocamento, selecionar a unidade de medida adequada e utilizar resolução no mínimo dez vezes menor que a resolução / valor de uma divisão do instrumento. 5º Passo : Pressionar o botão de zeragem do display do comparador eletrônico de deslocamento. Figura 4 Nota 1 Posição 2 para calibração de relógio apalpador. No término de um ciclo de medição, o ponteiro deverá ultrapassar a indicação inicial (0,00) em aproximadamente dez divisões e somente depois prosseguir o próximo ciclo. Zerar o display do comparador eletrônico entre um ciclo de medição e outro. Os parâmetros fges, fu e fe são calculados no software de emissão de certificados a partir das leituras da calibração.

5 IT de COMPARADOR DE PRECISÃO A ) Tendência Para se determinar a tendência em comparador de precisão utilizando comparador eletrônico de deslocamento deve-se : 1º Passo : Limpar o instrumento e o padrão respectivamente. 2º Passo : Fixar o comparador de precisão na base do dispositivo de fixação de modo que o mostrador fique de frente para o metrologista. 3º Passo : Apoiar a ponta do comparador de precisão sobre o fuso do dispositivo de fixação, de tal forma que o ponteiro se posicione na indicação zero. Ponteiro - Posição Zero Haste Móvel Fuso ou Contato Tambor Comparador de Precisão Dispositivo de Fixação Figura 5 Posicionamento inicial para calibração de comparador de precisão. 4º Passo : Ligar o comparador eletrônico de deslocamento, selecionar a unidade de medida adequada e utilizar resolução no mínimo dez vezes menor que o valor de uma divisão do instrumento. 5º Passo : Pressionar o botão de zeragem do display do comparador eletrônico de deslocamento. 6º Passo : Realizar a calibração deslocando o fuso do dispositivo de fixação por meio do tambor, de modo que a haste móvel realize um movimento de saída do instrumento, percorrendo todas as posições de calibração conforme indicado no Anexo 4. Ao término, realizar um novo deslocamento, no sentido oposto, com a haste móvel entrando no instrumento, de modo que o ponteiro percorra as mesmas posições de calibração, até atingir novamente a indicação zero. Repetir este ciclo de medições por três vezes anotando os resultados obtidos em uma planilha de calibração conforme Anexo 8. 7º Passo : Após os três ciclos de medições do passo anterior, posicionar novamente o ponteiro na indicação zero da escala do instrumento e pressionar o botão de zeragem do display do comparador eletrônico de deslocamento. 8º Passo : Realizar a calibração deslocando o fuso do dispositivo de fixação por meio do tambor, de modo que a haste móvel realize um movimento de entrada no instrumento, percorrendo todas as posições de calibração conforme indicado no Anexo 4. Ao término, realizar um novo desloca-mento, no sentido oposto, com a haste móvel saindo do instrumento, de modo que o ponteiro percorra as mesmas posições de calibração, até atingir novamente a indicação zero. Repetir este ciclo de medições por três vezes anotando os resultados obtidos em uma planilha de calibração conforme Anexo 8. Nota 1 O ponteiro deverá ultrapassar em alguns mícrons, tanto a indicação zero quanto as indicações extremas da escala do instrumento, antes de iniciar o deslocamento da haste móvel no sentido oposto ao deslocamento anterior. 4.4 OBSERVAÇÕES GERAIS Caso o ponteiro do instrumento ultrapasse a posição de calibração, o mesmo deve ser retornado aproximadamente dez divisões anteriores da respectiva posição e retomar a calibração. Após a calibração, os instrumentos devem ser Lacrados (conforme instrução de trabalho IT- 025) e acondicionados em prateleiras identificadas, juntamente com a planilha de calibração.

6 IT de NÃO CONFORMIDADES Os instrumentos calibrados que apresentarem erros acima dos desvios permissíveis ou problemas funcionais, deverão ser segregados dos demais instrumentos, emitido um relatório de não-conformidade descrevendo os problemas, e encaminhados aos departamentos responsáveis (conforme instrução de trabalho IT- 105). 4.5 INCERTEZA DE MEDIÇÃO A incerteza de medição deverá ser calculada conforme a instrução de trabalho IT APRESENTAÇÃO DOS RESULTADOS Os resultados da calibração contidos nas planilhas deverão ser transcritos e emitidos em forma de certificado de calibração. 5 REGISTROS Planilha de calibração. Planilha eletrônica de calibração. NOTA 1 A forma detalhada de controle dos registros deve ser observado no PS RESPONSABILIDADES 6.1 Metrologista - Calibração do instrumento de medição - Preenchimento da planilha de calibração - Análise com a respectiva tolerância do instrumento - Laudo de conforme ou não-conforme na planilha de calibração - Emissão do relatório de não-conformidade 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES Rev. Data Descrição da Revisão 05 11/07/2016 Revisão Geral 04 27/06/2006 Item 3 - Definições 03 27/01/2006 Revisão dos itens 2 e /03/2003 Revisão do item /03/2001 Revisão Geral 00 04/07/2000 Edição Inicial 8 ANEXOS Anexo 1 Tabela de pontos de calibração de relógio comparador analógico. Anexo 2 Tabela de pontos de calibração de relógio comparador digital. Anexo 3 Tabela de pontos de calibração de relógio apalpador. Anexo 4 Tabela de pontos de calibração de comparador de precisão. Anexo 5 Planilha para calibração de Relógio Comparador Analógico. Anexo 6 Planilha para calibração de Relógio Comparador Digital. Anexo 7 Planilha para calibração de Relógio Apalpador. Anexo 8 Planilha para calibração de Comparador de Precisão. 6.2 Assistente administrativo da metrologia ou técnico da qualidade - Transcrição dos dados da planilha de calibração para o software de emissão de certificado.

7 IT de 13 ANEXO 1 TABELA DE PONTOS DE CALIBRAÇÃO DE RELÓGIOS COMPARADORES ANALÓGICOS FAIXA DE INDICAÇÃO VALOR DE UMA DIVISÃO CURSO POR VOLTA (mm/volta) CURSO MAIOR 0 a 0,5 0,002 0,2 0 0,1 0,2 0,3 0,4 0,5 0 a 1 0,001 0,2 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 0 a 1,25 0,005 0,5 0 0,25 0,50 0,75 1,00 1,25 0 a 2 0,001 0,2 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4 1,6 1,8 2,0 0 a 2 0,002 0,2 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4 1,6 1,8 2,0 0 a 2 0,01 0,5 0 0,5 1,0 1,5 2,0 0 a 3 0,001 0,2 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4 1,6 1,8 2,0 0 a 5 0,001 0,2 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4 1,6 1,8 2,0 2,2 2,4 2,6 2,8 3,0 3,2 3,4 3,6 3,8 4,0 4,2 4,4 4,6 4,8 5,0 0 a 5 0,002 0,2 0 0,2 0,4 0,6 0,8 1,0 1,2 1,4 1,6 1,8 2,0 2,2 2,4 2,6 2,8 3,0 3,2 3,4 3,6 3,8 4,0 4,2 4,4 4,6 4,8 5,0 0 a 2,5 0,01 0,5 0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 0 a 2,5 0,01 1,0 0 1,0 2,0 0 a 3 0,01 0,5 0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 0 a 3 0,01 1,0 0 1,0 2,0 3,0 0 a 5 0,01 0,5 0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 0 a 5 0,01 1,0 0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 0 a 10 0,01 1,0 0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 0 a 10 0,1 5,0 0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 0 a 25 0,01 1,0 0 2,5 5,0 7,5 10,0 12,5 15,0 17,5 20,0 22,5 25,0 0 a 30 0,01 1,0 0 3,0 6,0 9,0 12,0 15,0 18,0 21,0 24,0 27,0 30,0 0 a 30 0, ,0 20,0 30,0 0 a 50 0,01 1,0 0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 0 a 100 0,01 1,0 0 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 FAIXA DE INDICAÇÃO (polegada) VALOR DE UMA DIVISÃO (polegada) CURSO POR VOLTA (polegada/volta) CURSO MAIOR (polegada) 0 a 0,020 0,0001 0, ,004 0,008 0,012 0,016 0,020 0 a 0,025 0,0001 0, ,005 0,010 0,015 0,020 0,025 0 a 0,050 0,0001 0, ,010 0,020 0,030 0,040 0,050 0 a 0,050 0, , ,010 0,020 0,030 0,040 0,050 0 a 0,050 0,0005 0, ,010 0,020 0,030 0,040 0,050 0 a 0,075 0,0005 0, ,015 0,030 0,045 0,060 0,075 0 a 0,100 0,0005 0, ,020 0,040 0,060 0,080 0,100 0 a 0,125 0,0005 0, ,025 0,050 0,075 0,100 0,125 0 a 0,400 0,0005 0, ,040 0,080 0,120 0,160 0,200 0,240 0,280 0,320 0,360 0,400 0 a 0,2000 0,0001 0, ,0200 0,0400 0,0600 0,0800 0,1000 0,1200 0,1400 0,1600 0,1800 0, a 0,050 0,001 0, ,010 0,020 0,030 0,040 0,050 0 a 0,100 0,001 0, ,020 0,040 0,060 0,080 0,100 0 a 0,125 0,001 0, ,025 0,050 0,075 0,100 0,125 0 a 0,200 0,001 0, ,050 0,100 0,150 0,200 0 a 0,250 0,001 0, ,050 0,100 0,150 0,200 0,250 0 a 0,400 0,001 0, ,100 0,200 0,300 0,400 0 a 1,000 0,001 0, ,100 0,200 0,300 0,400 0,500 0,600 0,700 0,800 0,900 1,000

8 IT de 13 ANEXO 2 FAIXA DE INDICAÇÃO TABELA DE PONTOS DE CALIBRAÇÃO DE RELÓGIO COMPARADOR DIGITAL RESOLUÇÃO PONTOS DE CALIBRAÇÃO 0 a 12 0,01 0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 11,0 12,0 0 a 15 0,01 0 1,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 11,0 12,0 13,0 14,0 15,0 0 a 25 0,01 0 2,5 5,0 7,5 10,0 12,5 15,0 17,5 20,0 22,5 25,0 0 a 30 0,01 0 3,0 6,0 9,0 12,0 15,0 18,0 21,0 24,0 27,0 30,0 0 a 50 0,01 0 5,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 0 a 100 0, ,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 0 a 300 0, ,0 60,0 90,0 120,0 150,0 180,0 210,0 240,0 270,0 300,0 0 a 12 0, ,0 2,0 3,0 4,0 5,0 6,0 7,0 8,0 9,0 10,0 11,0 12,0 0 a 25 0, ,5 5,0 7,5 10,0 12,5 15,0 17,5 20,0 22,5 25,0 0 a 30 0, ,0 6,0 9,0 12,0 15,0 18,0 21,0 24,0 27,0 30,0 0 a 50 0, ,0 10,0 15,0 20,0 25,0 30,0 35,0 40,0 45,0 50,0 0 a 100 0, ,0 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 70,0 80,0 90,0 100,0 ANEXO 3 FAIXA DE INDICAÇÃO ( mm ) TABELA DE PONTOS DE CALIBRAÇÃO DE RELÓGIO APALPADOR VALOR DE UMA DIVISÃO ( mm ) PONTOS DE CALIBRAÇÃO ( mm ) 0 a 0,120 0, ,020 0,040 0,060 0,080 0,100 0,120 0 a 0,200 0, ,02 0,040 0,060 0,080 0,100 0,120 0,140 0,160 0,180 0,200 0 a 0,240 0, ,040 0,080 0,120 0,160 0,200 0,240 0 a 0,280 0, ,040 0,080 0,120 0,160 0,200 0,240 0,280 0 a 0,50 0, ,100 0,200 0,300 0,400 0,500 0 a 0,60 0, ,100 0,200 0,300 0,400 0,500 0,600 0 a 0,50 0,01 0 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0 a 0,80 0,01 0 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80 0 a 1,00 0,01 0 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,60 0,70 0,80 0,90 1,00 0 a 1,50 0,01 0 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 0,75 1,00 1,25 1,50 0 a 1,60 0,01 0 0,25 0,50 0,75 1,00 1,25 1,50 1,60 0 a 2,00 0,01 0 0,10 0,20 0,30 0,40 0,50 1,00 1,50 2,00 0 a 3,00 0,01 0 0,25 0,50 0,75 1,00 1,25 1,50 1,75 2,00 2,25 2,50 2,75 3,00 FAIXA DE INDICAÇÃO (polegada) VALOR DE UMA DIVISÃO (polegada) PONTOS DE CALIBRAÇÃO (polegada) 0 a 0,03 0, ,0040 0,0080 0,0120 0,0160 0,0200 0,0240 0, a 0,08 0, ,0100 0,0200 0,0300 0,0400 0,0500 0,0600 0,0700 0, a 0,05 0, ,0050 0,0100 0,0150 0,0200 0,0250 0,0300 0,0350 0,0400 0,0450 0, a 0,03 0, ,005 0,010 0,015 0,020 0,025 0,030

9 ANEXO 4 IT de 13 FAIXA DE INDICAÇÃO TABELA DE PONTOS DE CALIBRAÇÃO DE COMPARADOR DE PRECISÃO RESOLUÇÃO / VALOR DE UMA DIVISÃO PONTOS DE CALIBRAÇÃO -0,03 à +0,03 0,01-0,03-0,02-0, ,01 +0,02 +0,03-0,05 à +0,05 0,01-0,05-0,04-0,03-0,02-0, ,01 +0,02 +0,03 +0,04 +0,05-0,07 à +0,07 0,01-0,09 à +0,09 0,001-0,07-0,06-0,05-0,04-0,03-0,02-0, ,01 +0,02 +0,03 +0,04 +0,05 +0,06 +0,07-0,090-0,075-0,060-0,045-0,030-0, ,015 +0,030 +0,045 +0,060 +0,075 +0,090-0,10 à +0,10 0,01-0,10-0,08-0,06-0,04-0, ,02 +0,04 +0,06 +0,08 +0,10-0,14 à +0,14 0,01-0,15 à +0,15 0,01-0,14-0,12-0,10-0,08-0,06-0,04-0, ,02 +0,04 +0,06 +0,08 +0,10 +0,12 +0,14-0,15-0,13-0,11-0,09-0,07-0,05-0,03-0, ,01 +0,03 +0,05 +0,07 +0,09 +0,11 +0,13 +0,15-0,25 à 0,25 0,01-0,25-0,20-0,15-0,10-0, ,05 +0,10 +0,15 +0,20 +0,25-0,200 à +0,200 0,005-0,100 à +0,100 0,002-0,050 à +0,050 0,001-0,025 à +0,025 0,0005-0,015 à +0,015 0,0002-0,200-0,150-0,100-0, ,050 +0,100 +0,150 +0,200-0,100-0,080-0,060-0,040-0, ,020 +0,040 +0,060 +0,080 +0,100-0,050-0,040-0,030-0,020-0, ,010 +0,020 +0,030 +0,040 +0,050-0,025-0,020-0,015-0,010-0, ,005 +0,010 +0,020 +0,025-0,014-0,012-0,010-0,008-0,006-0,004-0,002 +0,002 +0,004 +0,006 +0,008 +0,010 +0,012 +0,014

10 ANEXO 5 IT de 13 PLANILHA PARA CALIBRAÇÃO DE RELÓGIO COMPARADOR Nº DA O.S.: SOLICITANTE : INSTRUMENTO : RELÓGIO COMPARADOR MARCA : CÓDIGO : FAIXA DE INDICAÇÃO : VALOR DE UMA DIVISÃO : TEMPERATURA : º C UMIDADE RELATIVA DO AR % MEDIÇÃO CURSO MAIOR POSIÇÃO L1 RETORNO L2 RETORNO L3 RETORNO MEDIÇÃO CURSO MENOR POSIÇÃO L1 RETORNO L2 RETORNO L3 RETORNO DATA DA CALIBRAÇÃO : PADRÃO Nº PADRÃO EXECUTADO POR : CONFORME ( ) NÃO CONFORME ( ) OBS.:

11 ANEXO 6 IT de 13 PLANILHA PARA CALIBRAÇÃO DE RELÓGIO COMPARADOR DIGITAL Nº DA O.S.: SOLICITANTE : INSTRUMENTO : RELÓGIO COMPARADOR DIGITAL MARCA : CÓDIGO : FAIXA DE INDICAÇÃO : VALOR DE UMA DIVISÃO : TEMPERATURA : º C UMIDADE RELATIVA DO AR % POSIÇÃO POSIÇÃO POSIÇÃO LEITURA 1 LEITURA 2 LEITURA 3 PADRÕES UTILIZADOS Nº DO PADRÃO DATA DA CALIBRAÇÃO : / / CONFORME ( ) NÃO CONFORME ( ) EXECUTADO POR : OBS.:

12 ANEXO 7 IT de 13 PLANILHA PARA CALIBRAÇÃO DE RELÓGIO APALPADOR Nº DA O.S.: SOLICITANTE: INSTRUMENTO: RELÓGIO APALPADOR MARCA: CÓDIGO: FAIXA DE INDICAÇÃO VALOR DE UMA DIVISÃO : TEMPERATURA: ºC UMIDADE RELATIVA DO AR: % L1 L2 L3 CAL. POSIÇÃO 1 VALOR IND. INST. RETORNO RETORNO RETORNO L1 L2 L3 CAL. POSIÇÃO 2 VALOR IND. INST. RETORNO RETORNO RETORNO DATA DA CALIBRAÇÃO : PADRÃO Nº PADRÃO EXECUTADO POR : CONFORME ( ) NÃO CONFORME ( ) OBS.:

13 ANEXO 8 IT de 13 PLANILHA PARA CALIBRAÇÃO DE COMPARADOR DE PRECISÃO Nº DA O.S.: SOLICITANTE : INSTRUMENTO : COMPARADOR DE PRECISÃO MARCA : CÓDIGO : FAIXA DE INDICAÇÃO : RESOLUÇÃO / VALOR DE UMA DIVISÃO : TEMPERATURA : º C UMIDADE RELATIVA DO AR % SENTIDO NEGATIVO (POSIÇÃO ESQUERDA EM RELAÇÃO A INDICAÇÃO ZERO ) VALOR IND. INST. L1 L2 L3 SAÍDA DA HASTE MÓVEL ENTRADA DA HASTE MÓVEL SAÍDA DA HASTE MÓVEL ENTRADA DA HASTE MÓVEL SAÍDA DA HASTE MÓVEL ENTRADA DA HASTE MÓVEL SENTIDO POSITIVO (POSIÇÃO DIREITA EM RELAÇÃO À INDICAÇÃO ZERO ) VALOR IND. INST. L1 L2 L3 ENTRADA DA HASTE MÓVEL SAÍDA DA HASTE MÓVEL ENTRADA DA HASTE MÓVEL SAÍDA DA HASTE MÓVEL ENTRADA DA HASTE MÓVEL SAÍDA DA HASTE MÓVEL DATA DA CALIBRAÇÃO : PADRÃO Nº PADRÃO EXECUTADO POR : CONFORME ( ) NÃO CONFORME ( ) OBS.:

Instrução de Trabalho

Instrução de Trabalho Instrução para Cálculo de Incerteza de Medição IT - 002 04 1 de 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO 2 REFERÊNCIAS 3 DEFINIÇÕES 4 DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES 5 REGISTROS 6 RESPONSABILIDADES 7 CONTROLE DE ALTERAÇÕES 8 ANEXOS

Leia mais

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO

IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO TÍTULO: IT INSTRUÇÃO DE TRABALHO Instrução para calibração de Simulador e Medidor de Sinais IT N.º : 040 1 OBJETIVO Sinais. Esta instrução tem por finalidade estabelecer um critério para a calibração de

Leia mais

Apostila de Instrumentação. Módulo: Micrômetro

Apostila de Instrumentação. Módulo: Micrômetro Módulo: Micrômetro AUTORES: Prof. Msc. SAMUEL MENDES FRANCO Prof. Msc. OSNI PAULA LEITE Prof. Msc. LUIS ALBERTO BÁLSAMO 1 Micrômetros Introdução Em 1638 foi desenvolvido um instrumento provido de um parafuso

Leia mais

ERROS DE MEDIÇÃO. Vocabulário; Erros de Medição; Calibração.

ERROS DE MEDIÇÃO. Vocabulário; Erros de Medição; Calibração. ERROS DE MEDIÇÃO Vocabulário; Erros de Medição; Calibração. Imaginando o caso da balança, após estabelecer os erros sistemáticos e aleatórios, poderíamos conviver com os erros efetuando um fator de correção

Leia mais

E-QP-ECD-082 REV. B 24/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - PROCESSO DE MEDIÇÃO DE PEÇA VAZADA - NÍVEL BÁSICO

E-QP-ECD-082 REV. B 24/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - PROCESSO DE MEDIÇÃO DE PEÇA VAZADA - NÍVEL BÁSICO E-QP-ECD-082 REV. B 24/Set/2007 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - PROCESSO DE MEDIÇÃO DE PEÇA VAZADA - NÍVEL BÁSICO Procedimento Operacional ENGENHARIA Os comentários e sugestões referentes a este

Leia mais

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert

Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert Profa. Dra. Suelí Fischer Beckert 2 Disponível em: http://www.bipm.org/en/publications/ guides/ 3 INMETRO. Vocabulário Internacional de Metrologia: conceitos fundamentais e gerais e termos associados (VIM

Leia mais

5 O Sistema de Medição. Fundamentos de Metrologia

5 O Sistema de Medição. Fundamentos de Metrologia 5 O Sistema de Medição Fundamentos de Metrologia Neste texto: Definições Instrumento de medição tem sido preferido para medidores pequenos, portáteis teis e encapsulados em uma única unidade. Sistemas

Leia mais

E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO -

E-QP-ECD-087 REV. B 12/Mar/2008 PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS - - NÍVEL BÁSICO - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando

Leia mais

05/08/2014. Slides baseados no livro FMCI - Professor Armando Albertazzi. Slides baseados no livro FMCI - Professor Armando Albertazzi

05/08/2014. Slides baseados no livro FMCI - Professor Armando Albertazzi. Slides baseados no livro FMCI - Professor Armando Albertazzi O Sistema de Medição Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Slides baseados no livro FMCI - Professor Armando Albertazzi Definições Neste teto: Instrumento de medição tem sido preferido para

Leia mais

Este documento estabelece instruções técnicas que devem ser seguidas, durante a execução de um serviço de medição de rugosidade.

Este documento estabelece instruções técnicas que devem ser seguidas, durante a execução de um serviço de medição de rugosidade. Revisão: 01 Pàgina 1/5 1 - FINALIDADE Este documento estabelece instruções técnicas que devem ser seguidas, durante a execução de um serviço de medição de rugosidade. 2 - CAMPO DE APLICAÇÃO Medição de

Leia mais

Metrologia VIM - Vocabulário Internacional de Metrologia

Metrologia VIM - Vocabulário Internacional de Metrologia VIM - Vocabulário Internacional de Metrologia Como a metrologia possui interferência em quase todas as áreas da sociedade, torna-se imperativo que exista uma linguagem comum em todas elas, de forma que

Leia mais

Tema 3. Sistema Generalizado de Medição.

Tema 3. Sistema Generalizado de Medição. GEM12 METROLOGIA Tema 3. Sistema Generalizado de Medição. Profa. Rosenda Valdés Arencibia Prof. Antonio Fernando M. Santos Fevereiro, 2012 Sistema de medição. Parâmetros característicos de sistemas de

Leia mais

Relógio Comparador O relógio comparador é um instrumento de medição por comparação, dotado de uma escala e um ponteiro, ligados por mecanismos diverso

Relógio Comparador O relógio comparador é um instrumento de medição por comparação, dotado de uma escala e um ponteiro, ligados por mecanismos diverso Relógio Comparador Relógio Comparador O relógio comparador é um instrumento de medição por comparação, dotado de uma escala e um ponteiro, ligados por mecanismos diversos a uma ponta de contato. Relógio

Leia mais

Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico

Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico Comparação é a melhor definição com uma única palavra para o termo metrológico calibração. De maneira simplória, calibração nada mais

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA DEFINIÇÃO: TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA PLACA ARRASTADORA E ARRASTADOR São acessórios do torno que servem para transmitir o movimento de rotação do eixo principal em peças a serem usinadas entrepontas

Leia mais

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I (ENGF99) PROFESSOR: EDUARDO SIMAS (EDUARDO.SIMAS@UFBA.BR)

Leia mais

Aula Prática de Calibração de Instrumentos de Medição

Aula Prática de Calibração de Instrumentos de Medição Laboratório de Metrologia - UFPR Aula Prática de Relógios Comparadores Aula Prática de Calibração de Instrumentos de Medição Tópicos que serão explorados na aula Introdução Calibração de Balança Calibração

Leia mais

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE INSPEÇÃO, MEDIÇÃO E ENSAIOS DO LABORATÓRIO DE RADIOMETRIA AMBIENTAL PO-LRA 1 Objetivo Este procedimento estabelece métodos para controle e calibração de equipamentos de inspeção, medição e ensaios. 2 Campo de Aplicação Aplica-se ao Laboratório de Radiometria Ambiental do Centro

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng.

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br PROGRAMAÇÃO Aula 1 2 Data 07/11 14/11 Conteúdo Correção da avaliação, blocos-padrão, calibradores,

Leia mais

Apostila de Instrumentação. Módulo: Paquímetro

Apostila de Instrumentação. Módulo: Paquímetro Módulo: Paquímetro AUTORES: Prof. Msc. SAMUEL MENDES FRANCO Prof. Msc. OSNI PAULA LEITE Prof. Msc. LUIS ALBERTO BÁLSAMO 1 Paquímetro Introdução O paquímetro, nome de origem grega que significa medida grossa,

Leia mais

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A

PROPOSTA DE ESCOPO PARA CALIBRAÇÃO ANEXO A Norma de Origem: NIT-DICLA-005 Folha: 01 / 02 LABORATÓRIO MEC-Q Comércio e Serviço de Metrologia Industrial Ltda ( Unidade Petropólis) à SOLICITAÇÃO DE ACREDITAÇÃO ANEXO ao RAV : 0270/12 GRUPO DE SERVIÇO:

Leia mais

Até 100 mm. Até 100 mm

Até 100 mm. Até 100 mm Acreditação Nº 144 Data da Acreditação 25/07/2000 ACREDITAÇÃO VIGENTE Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação Endereço Bairro Clique aqui para mais informações. 05/09/2017 K&L

Leia mais

CALIBRAÇÃO DE MANÔMETROS

CALIBRAÇÃO DE MANÔMETROS INSTITUTO FEDERAL SUL-RIO-GRANDENSE - CURSO TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA INSTRUMENTAÇÃO E CONTROLE - Prof. TAYLOR SOARES ROSA - 29/9/2009 Calibração de manômetros CALIBRAÇÃO DE MANÔMETROS Conjunto de operações

Leia mais

TÉCNICO DE CAD/CAM 2008/2009 METROLOGIA DIMENSIONAL NUNO MIGUEL DINIS

TÉCNICO DE CAD/CAM 2008/2009 METROLOGIA DIMENSIONAL NUNO MIGUEL DINIS TÉCNICO DE CAD/CAM 2008/2009 METROLOGIA DIMENSIONAL NUNO MIGUEL DINIS METROLOGIA A CIÊNCIA DA MEDIÇÃO A definição formal de metrologia advém da palavra de origem grega (metron: medida; logos: ciência).

Leia mais

CONTROLE DIMENSIONAL MONTAGEM DE MÁQUINAS ALINHAMENTO DE EIXOS DE MÁQUINAS COM RELÓGIO COMPARADOR

CONTROLE DIMENSIONAL MONTAGEM DE MÁQUINAS ALINHAMENTO DE EIXOS DE MÁQUINAS COM RELÓGIO COMPARADOR Página: 1 de 11 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo estabelecer o procedimento a ser empregado no nivelamento de bases e alinhamento de eixos de máquinas. Este procedimento é aplicável na execução

Leia mais

Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Calibração Indireta de Voltímetro Digital

Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Calibração Indireta de Voltímetro Digital Fundamentos da Metrologia Científica e Industrial Calibração Indireta de Voltímetro Digital 1. Apresentação Quatro elementos estão disponíveis no ambiente virtual: Voltímetro digital a ser calibrado Voltímetro

Leia mais

Site do Inmetro. Clique aqui para mais informações. 21/07/2016

Site do Inmetro. Clique aqui para mais informações. 21/07/2016 BRASIL Acesso à informação Barra GovBr Site do Inmetro Acreditação Nº 3 Data da Acreditação 04/04/1984 ACREDITAÇÃO VIGENTE Última Revisão do Escopo Razão Social Nome do Laboratório Situação Clique aqui

Leia mais

Instituto Português da DMET/UML

Instituto Português da DMET/UML Aprovação Diretora do Departamento de Metrologia Revisão Diretora da Unidade de Metrologia Legal Elaboração Responsável de Domínio da Unidade de Metrologia Legal CONTROLO METROLÓGICO LEGAL VERIFICAÇÃO

Leia mais

Metrologia 1ª lista de exercícios

Metrologia 1ª lista de exercícios 1. Cite as três classes de aplicações onde é importante medir. Dê exemplos de situações presentes na sua vida de cada uma das classes. 2. Da definição de medir: "... é o procedimento experimental através

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

Métodos Experimentais em Termociências I.B De Paula

Métodos Experimentais em Termociências I.B De Paula Conceitos básicos: Medição É o conjunto de operações que tem por objetivo determinar o valor de uma grandeza. Medições, mesmo que bem controladas, estão sujeitas a variações causadas por inúmeras fontes.

Leia mais

6 Validação Metrológica

6 Validação Metrológica 6 Validação Metrológica Com o propósito de facilitar o entendimento do trabalho, o capítulo apresenta conceitos básicos de metrologia e definições relacionadas ao tem objeto da investigação. 6.1. Conceitos

Leia mais

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014 Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica MAIO/2014 Leitura no Sistema Inglês : Fração Ordinária Goniômetro simples O goniômetro simples, também conhecido como transferidor de grau, é utilizado em medidas

Leia mais

Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC e ISO/IEC de setembro de 2017 Rio de Janeiro

Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC e ISO/IEC de setembro de 2017 Rio de Janeiro Calibração de Equipamentos para Inspeção: ISO/IEC 17025 e ISO/IEC 17020 25 de setembro de 2017 Rio de Janeiro 1. Grupo K&L Desde 1990 atuando em calibrações e ensaios; 22 anos de acreditação pelo INMETRO

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: Nº 005/2012 A Rede Metrológica do Estado de São Paulo qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

DOQ-CGCRE-017. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial

DOQ-CGCRE-017. Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial ORIENTAÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DE CALIBRAÇÃO DE MEDIDORES ANALÓGICOS DE PRESSÃO DOQ-CGCRE-017 Revisão 00 MAIO/006 _ Documento de caráter

Leia mais

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA. Prof. Everson José Fernandes

CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA. Prof. Everson José Fernandes CURSO TÉCNICO EM MECÂNICA Prof. Everson José Fernandes TÉCNICO EM MECÂNICA OBJETIVO: O Curso Técnico de Mecânica tem por objetivo formar profissionais, cujas principais atividades são: atuar na elaboração

Leia mais

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO

CONTROLE DE EQUIPAMENTOS DE MONITORAMENTO E MEDIÇÃO Folha 1 de 7 Controle de revisão Revisão Data Item Descrição das alterações -- 01/09/2010 -- Emissão inicial 01 10/02/2012 6.5.2 Certificado de padrão utilizado 02 09/11/2012 6.0 Inclusão da Nota 2 03

Leia mais

Calibração de paquímetros e micrômetros

Calibração de paquímetros e micrômetros Calibração de paquímetros e micrômetros A UU L AL A Instrumentos de medida, tais como relógios comparadores, paquímetros e micrômetros, devem ser calibrados com regularidade porque podem sofrer alterações

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Metrologia Código da Disciplina: NDC175 Curso: Engenharia Mecânica Semestre de oferta da disciplina: Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns Programa em vigência

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO CONVERSOR ANALÓGICO DE SINAIS PARA CÉLULA DE CARGA. (Versão 1.0 Julho/12)

MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO CONVERSOR ANALÓGICO DE SINAIS PARA CÉLULA DE CARGA. (Versão 1.0 Julho/12) MANUAL DE OPERAÇÃO E CALIBRAÇÃO CONVERSOR ANALÓGICO DE SINAIS PARA CÉLULA DE CARGA (Versão 1.0 Julho/12) 1 INDÍCE PÁG. 1 Garantia 3 2 Introdução 3 3 Instalação 3 4 Dados Técnicos 4 5 Alimentação Elétrica

Leia mais

Guia RELACRE CÁLCULO DA INCERTEZA NA CALIBRAÇÃO DE CONTADORES DE ÁGUA PELO MÉTODO VOLUMÉTRICO

Guia RELACRE CÁLCULO DA INCERTEZA NA CALIBRAÇÃO DE CONTADORES DE ÁGUA PELO MÉTODO VOLUMÉTRICO Guia RELACRE 6 CÁLCULO DA INCERTEZA NA CALIBRAÇÃO DE CONTADORES DE ÁGUA PELO MÉTODO VOLUMÉTRICO FICHA TÉCNICA TÍTULO: Guia RELACRE 6 Cálculo da Incerteza na Calibração de Contadores de Água pelo Método

Leia mais

E-QP-ECD-095 REV. A 15/Abr/2008

E-QP-ECD-095 REV. A 15/Abr/2008 ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA NIVELAMENTO GEOMÉTRICO Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta e a

Leia mais

PROGRAMA DE DISCIPLINA

PROGRAMA DE DISCIPLINA PROGRAMA DE DISCIPLINA Disciplina: Metrologia Código da Disciplina: NDC 175 Curso: Engenharia de Produção Semestre de oferta da disciplina: 7 Faculdade responsável: Núcleo de Disciplinas Comuns (NDC) Programa

Leia mais

E-QP-ECD-092 REV. A 15/Abr/ OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. INSTRUMENTOS E ACESSÓRIOS

E-QP-ECD-092 REV. A 15/Abr/ OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. INSTRUMENTOS E ACESSÓRIOS ENGENHARIA CONTROLE DIMENSIONAL TOPOGRAFIA LEVANTAMENTO DE POLIGONAL FECHADA Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado, a proposta

Leia mais

Incerteza de Medição. O que é Incerteza de Medição?

Incerteza de Medição. O que é Incerteza de Medição? Incerteza de Medição Por Gilberto Carlos Fidélis A palavra incerteza quando utilizada no nosso dia a dia não nos deixa muito confortáveis. Transmite uma sensação de insegurança. No entanto, quando utilizada

Leia mais

5 Metodologia. Figura 1 Laboratório de Metrologia do CEFET Química de Nilópolis RJ

5 Metodologia. Figura 1 Laboratório de Metrologia do CEFET Química de Nilópolis RJ 5 Metodologia No presente trabalho foram realizadas medições diretas, mesma grandeza (mensurando) e unidade. As medições foram realizadas usando um padrão de pressão (calibrador de pressão), calibrado

Leia mais

Certificado de Calibração N A0047/2017

Certificado de Calibração N A0047/2017 LABELO/PUCRS Página 1 de 9 Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul LABELO - Laboratórios Especializados em Eletro-Eletrônica Calibração e Ensaios Rede Brasileira de Calibração Laboratório

Leia mais

Manual de Instruções FK 50

Manual de Instruções FK 50 Manual de Instruções FK 50 Parabéns pela aquisição do identificador de forças de mola Feinmetall. Entre em contato conosco caso tenha perguntas, pedidos, ou sugestões. Leia este manual atentamente antes

Leia mais

METROLOGIA I Aula 6 Prof. Samuel Sander de Carvalho

METROLOGIA I Aula 6 Prof. Samuel Sander de Carvalho METROLOGIA I Aula 6 Prof. Samuel Sander de Carvalho E-mail: samuel.carvalho@ifsudestemg.edu.br Juiz de Fora - MG Introdução: Até agora, vimos o que chamamos de medições diretas, ou seja, verificamos exatamente

Leia mais

Noções de Exatidão, Precisão e Resolução

Noções de Exatidão, Precisão e Resolução Noções de Exatidão, Precisão e Resolução Exatidão: está relacionada com o desvio do valor medido em relação ao valor padrão ou valor exato. Ex : padrão = 1,000 Ω ; medida (a) = 1,010 Ω ; medida (b)= 1,100

Leia mais

Material e Métodos 46

Material e Métodos 46 Material e Métodos 46 Figura 10: Apalpador do rugosímetro percorrendo a superfície do fio. O apalpador, a partir do ponto central, foi programado para percorrer 2.5mm em direção à extremidade esquerda.

Leia mais

ERROS DE MEDIÇÃO. Vocabulário; Erros de Medição; Calibração.

ERROS DE MEDIÇÃO. Vocabulário; Erros de Medição; Calibração. ERROS DE MEDIÇÃO Vocabulário; Erros de Medição; Calibração. VOCABULÁRIO EM METROLOGIA Medir é comparar com um padrão Mensurando: É o objeto de Medição (Peça) Sistema de Medição(SM): Instrumento/Máquina

Leia mais

Colisões em Máquinas de Medir 3D

Colisões em Máquinas de Medir 3D Formação Avançada em Metrologia 3D Colisões em Máquinas de Medir 3D Colisões em Máquinas de Medir Este material informativo aborda a questão de colisões em máquinas de medir por coordenadas, suas causas

Leia mais

Alinhamento de Máquinas Rotativas. Introdução

Alinhamento de Máquinas Rotativas. Introdução Alinhamento de Máquinas Rotativas Introdução Alinhamento mecânico é um recurso utilizado pela mecânica, em conjunto de equipamentos rotativos, com a finalidade de deixar as faces do acoplamento sempre

Leia mais

Indicadores Digitais DG48/96

Indicadores Digitais DG48/96 [1] Introdução Os indicadores digitais DG 48 e DG 96 são instrumentos para medição de tensão, corrente, temperatura ou outra variável de processo. A indicação é sempre feita de forma linear. [2] Princípio

Leia mais

Soluções em Biotecnologia

Soluções em Biotecnologia Página: 1/3 Nº : MT098/0116 Contratante: Mundial Diagnóstico LTDA. Rua dos Carijós, 150 2ºandar Centro Belo Horizonte MG Solicitante: O mesmo Equipamento: ELETROCARDIÓGRAFO DIGITAL Identificação: SN.EC101309012

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL n.º 074, de 30 de maio de 2001. O Diretor

Leia mais

Incerteza de resultados de Medição em Máquinas de Medir por Coordenadas

Incerteza de resultados de Medição em Máquinas de Medir por Coordenadas Formação Avançada em Metrologia 3D Incerteza de resultados de Medição em Máquinas de Medir por Coordenadas Material didático informativo sobre Medição 3D Incerteza de resultados de Medição em Máquinas

Leia mais

1 - Levantamento de hipóteses. 2 - Coleta de dados. 3 - Análise dos dados

1 - Levantamento de hipóteses. 2 - Coleta de dados. 3 - Análise dos dados Etapas para a solução de um Problema 1 - Levantamento de hipóteses 2 - Coleta de dados 3 - Análise dos dados 4 - Conclusão O QUE O CURSO VAI ENSINAR? Como resolver um problema! 2 Coleta de Dados O conceito

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva CERTIFICADO: A Rede Metrológica do Estado do Rio Grande do Sul qualifica o Laboratório de Calibração

Leia mais

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2015 Ensino Técnico Etec Etec: Monsenhor Antônio Magliano Código: 088 Município: Garça Eixo Tecnológico: Controle e Processos Industriais Habilitação Profissional: Nível Médio

Leia mais

NOME DO LABORATÓRIO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO

NOME DO LABORATÓRIO CERTIFICADO DE CALIBRAÇÃO da Prova Prática QUESTÃO 1: Cargo: D-46 Técnico em Química Metrologia Química Esboce um certificado de calibração com as informações mínimas obrigatórias que nele devem estar contidas. Use o formato a

Leia mais

6 Referências bibliográficas

6 Referências bibliográficas 88 6 Referências bibliográficas AGILENT TECHNOLOGIES. Choosing the Right Power Meter and Sensor. Product Note.USA, 2000. AGILENT TECHNOLOGIES. Fundamentals of RF and Microwave Power Measurements. Aplication

Leia mais

Métodos Estatísticos em Física Experimental

Métodos Estatísticos em Física Experimental Métodos Estatísticos em Física Experimental Compilação de termos e definições gerais de metrologia. Os termos e definições apresentadas a seguir foram extraídos da 1ª edição brasileira do Guia para Expressão

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 05: Queda Livre Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/9 05 - Queda Livre 1.1. Objetivos Determinar a

Leia mais

Nota Introdutória... IX. Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI. Capítulo 1 A Metrologia em Portugal...

Nota Introdutória... IX. Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI. Capítulo 1 A Metrologia em Portugal... Índice Nota Introdutória... IX Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI Capítulo 1 A Metrologia em Portugal... 1 1.1 CONCEITO DE METROLOGIA... 1 1.2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA METROLOGIA

Leia mais

Laboratório de Física

Laboratório de Física Laboratório de Física Experimento 05: Queda Livre Disciplina: Laboratório de Física Experimental I Professor: Turma: Data: / /20 Alunos: 1: 2: 3: 4: 5: 1/8 Experimento 05 - Queda Livre 1.1. Objetivos Determinar

Leia mais

ENSAIOS EXPERIMENTAIS PARA ANÁLISE DE REPETITIVIDADE E REPRODUTIBILIDADE (R&R) NO LABORATÓRIO DE METROLOGIA

ENSAIOS EXPERIMENTAIS PARA ANÁLISE DE REPETITIVIDADE E REPRODUTIBILIDADE (R&R) NO LABORATÓRIO DE METROLOGIA ENSAIOS EXPERIMENTAIS PARA ANÁLISE DE REPETITIVIDADE E REPRODUTIBILIDADE (R&R) NO LABORATÓRIO DE METROLOGIA Hérica Guedes de Toledo (FEPI) hericagtoledo@hotmail.com Paulo Henrique Paulista (FEPI) paulohpaulista@gmail.com

Leia mais

Soluções em Biotecnologia

Soluções em Biotecnologia Página: 1/2 Nº : MT095/0116 Contratante: Bio Ocupacional Medicinal e Segurança do Trabalho LTDA. Av. Amazonas, 687 conj. 605, Centro Belo horizonte MG Solicitante: O mesmo Equipamento: BALANÇA MECÂNICA

Leia mais

MEDIÇÃO NO LABORATÓRIO

MEDIÇÃO NO LABORATÓRIO MEDIÇÃO NO LABORATÓRIO Medição e medida de grandezas físicas Uma grandeza física é uma propriedade de um corpo ou uma característica de um fenómeno que pode ser medida. A medição é a operação pela qual

Leia mais

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144

Indicador Analógico EW96 / EW144 EV96 / EV144 [1] Introdução Os indicadores analógicos de potência modelo EW (potência ativa - watts) ou EV (potência reativa vars) tem por finalidade a medição da potência de um determinado circuito com forma de onda

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Padronização e Sistemas de Medição Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Normas Técnicas ABNT NBR ISO 9001:2008 ABNT NBR ISO/TS 16949:2009 Calibração ABNT NBR ISO 10012:2004

Leia mais

METROLOGIA E ENSAIOS

METROLOGIA E ENSAIOS METROLOGIA E ENSAIOS Prof. Alexandre Pedott pedott@producao.ufrgs.br Geral: Objetivos Capacitar o aluno a usar a metrologia e ensaios no desenvolvimento e fabricação de produtos. Específicos: Contextualizar

Leia mais

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE

PROCEDIMENTO DA QUALIDADE Pág.: 1 de 5 1. OBJETIVO Este procedimento tem por objetivo definir os critérios aplicáveis para calibração / verificação de equipamentos de medição utilizados na empresa, cujas medições impactam na qualidade

Leia mais

A Calibração e a Metrologia na Indústria. Sua importância e Viabilidade Técnica.

A Calibração e a Metrologia na Indústria. Sua importância e Viabilidade Técnica. A Calibração e a Metrologia na Indústria. Sua importância e Viabilidade Técnica. ALGUNS QUESTIONAMENTOS Você sabe como está a Gestão das calibrações em sua empresa? Você sabe quantas calibrações são realizadas

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DE PROCEDIMENTO PARA CALIBRAÇÃO DE PAQUÍMETROS E MICRÔMETROS UTILIZADOS NA MONTAGEM E INTEGRAÇÃO DE SATÉLITES DO INPE/LIT

IMPLANTAÇÃO DE PROCEDIMENTO PARA CALIBRAÇÃO DE PAQUÍMETROS E MICRÔMETROS UTILIZADOS NA MONTAGEM E INTEGRAÇÃO DE SATÉLITES DO INPE/LIT IMPLANTAÇÃO DE PROCEDIMENTO PARA CALIBRAÇÃO DE PAQUÍMETROS E MICRÔMETROS UTILIZADOS NA MONTAGEM E INTEGRAÇÃO DE SATÉLITES DO INPE/LIT RELATÓRIO FINAL DE PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIBIC/CNPq/INPE)

Leia mais

A Instrumentação pode ser definida como a arte e ciência da medição e controle.

A Instrumentação pode ser definida como a arte e ciência da medição e controle. www.iesa.com.br 1 Introdução A Instrumentação pode ser definida como a arte e ciência da medição e controle. Instrumento é qualquer dispositivo, ou conjunto de dispositivos, utilizado com a finalidade

Leia mais

MEDIÇÃO EM QUÍMICA MEDIR. É comparar o valor de uma dada grandeza com outro predefinido, que se convencionou chamar unidade.

MEDIÇÃO EM QUÍMICA MEDIR. É comparar o valor de uma dada grandeza com outro predefinido, que se convencionou chamar unidade. MEDIR É comparar o valor de uma dada grandeza com outro predefinido, que se convencionou chamar unidade. Medir o comprimento de uma sala É verificar quantas vezes a sala é mais comprida do que a unidade

Leia mais

Decibelímetro Digital IEC ITSL-4022

Decibelímetro Digital IEC ITSL-4022 Decibelímetro Digital IEC 61672 ITSL-4022 Você acaba de adquirir o DECIBELÍMETRO, que lhe fornecerá a mais avançada tecnologia no campo de medição de precisão. Este é um aparelho completo e de fácil manuseio,

Leia mais

22/08/16. Introdução. Unidades de Medida. Unidades Fundamentais do SI. Método Científico AULA 4 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (CONCEITOS DE INSTRUMENTAÇÃO)

22/08/16. Introdução. Unidades de Medida. Unidades Fundamentais do SI. Método Científico AULA 4 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (CONCEITOS DE INSTRUMENTAÇÃO) AULA 4 AUTOMAÇÃO DA PRODUÇÃO (CONCEITOS DE INSTRUMENTAÇÃO) Prof. Fabricia Introdução A história da instrumentação está ligada com a necessidade do homem de realizar medidas; } Essa necessidade levou o

Leia mais

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques.

TM247 - Sistemas de Medição. Prof. Alessandro Marques. TM247 - Sistemas de Medição Prof. Alessandro Marques www.metrologia.ufpr.br Definição de Sistema de Medição Sistema de medição ou medidores são aparelhos, normalmente compostos de vários elementos, que

Leia mais

DEFINIÇÕES DO VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE METROLOGIA

DEFINIÇÕES DO VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE METROLOGIA DEFINIÇÕES DO VOCABULÁRIO INTERNACIONAL DE METROLOGIA João Carlos Pinheiro Beck beck@em.pucrs.br Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Departamento de Engenharia Mecânica e Mecatrônica

Leia mais

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega

NBR NM 65. CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega NBR NM 65 CIMENTO PORTLAND Determinação do Tempo de Pega OBJETIVO: CIMENTO TEMPO DE PEGA Determinar os tempos (intervalos) de início e fim de pega da pasta de cimento Portland; DEFINIÇÕES: CIMENTO TEMPO

Leia mais

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Introdução a Metrologia Incerteza na Medição

Instrumentação Industrial. Fundamentos de Instrumentação Industrial: Introdução a Metrologia Incerteza na Medição Instrumentação Industrial Fundamentos de Instrumentação Industrial: Introdução a Metrologia Incerteza na Medição Introdução a Metrologia O que significa dizer: O comprimento desta régua é 30cm. A temperatura

Leia mais

PROTOCOLO DO 7º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA

PROTOCOLO DO 7º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROTOCOLO DO 7º PROGRAMA DE ENSAIOS DE PROFICIÊNCIA PROGRAMA DA COMPARAÇÃO INTERLABORATORIAL DE CALIBRAÇÃO NA ÁREA DIMENSIONAL NAS PRÓPRIAS INSTALAÇÕES DO PARTICIPANTE Rodada 01 Emitido em 28 de Julho

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 01 V E L K I F A C I L I T A O S E U T R A B A L H O ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS VKP-062 Manômetro Digital Gold DESCRIÇÃO O Manômetro Digital Gold foi projetado para atender às aplicações industriais e resolver

Leia mais

Micrômetro externo Hastes fixas

Micrômetro externo Hastes fixas Diretrizes gerais de calibração Micrômetro externo Hastes fixas DG-METEQ-CAL-001-01 Revisão 0 - Emitido em Outubro/2015 Página 1 de 21 DIRETRIZES GERAIS PARA CALIBRAÇÃO DE MICRÔMETRO EXTERNO 1 OBJETIVO:

Leia mais

Site do Inmetro Clique aqui para mais informações. Nome do Laboratório K&L LABORATÓRIO DE METROLOGIA LENZI LTDA

Site do Inmetro Clique aqui para mais informações. Nome do Laboratório K&L LABORATÓRIO DE METROLOGIA LENZI LTDA Página 1 de 5 BRASIL Serviços Barra GovBr --------Site do Inmetro -------- Acreditação Nº 65 Data da Acreditação 08/06/1995 ACREDITAÇÃO VIGENTE Clique aqui para mais informações. Última Revisão do Escopo

Leia mais

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012

Procedimento Operacional Nome do procedimento: Calibração, Aferição, Instrumentação e Ferramentaria Data da Revisão: 24/04/2012 Data da 1/ 7 Nº revisão Descrição da Revisão 00 Elaboração inicial do documento 01 Alteração dos números dos Registros e inclusão do Item 4 Diretoria de Negócio Vendas Service SGI Qualidade Suprimentos

Leia mais

Preparativos Antes da Montagem

Preparativos Antes da Montagem Preparativos Antes da Montagem Manter o local da montagem seco e livre de poeira. Observar a limpeza do eixo, alojamento e das ferramentas. Organizar a área de trabalho. Selecionar as ferramentas adequadas

Leia mais

1 Introdução 1.1 Apresentação

1 Introdução 1.1 Apresentação 1 Introdução 1.1 Apresentação Em 1989 o Comitê Internacional de Pesos e Medidas (CIPM) aprovou a adoção da Escala Internacional de Temperatura de 1990 (ITS-90) [1], que foi elaborada de acordo com os requisitos

Leia mais

A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS

A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS A Calibração e a Gestão Metrológica na Indústria. A importância e a Viabilidade Técnica. NEWTON BASTOS OBJETIVO O objetivo deste trabalho será dar bases sólidas para estudos de viabilidade técnica para

Leia mais

Dispositivos Informação

Dispositivos Informação Dispositivos Informação de 6.1. - Conceitos O Dispositivo de Informação é a parte do instrumento de medida que apresenta as informações sobre o processo de medida. São tratados pelo termo em inglês "display".

Leia mais

E-QP-ECD-046 REV. C 06/Jun/2008

E-QP-ECD-046 REV. C 06/Jun/2008 ENGENHARIA PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MÉTODO DE MEDIÇÃO DE ESPESSURA - Os comentários e sugestões referentes a este documento devem ser encaminhados ao SEQUI, indicando o item a ser revisado,

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA CALIBRAÇÃO DE DISPENSER DE GNV COM MEDIDOR MÁSSICO EFEITO CORIOLIS

MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA CALIBRAÇÃO DE DISPENSER DE GNV COM MEDIDOR MÁSSICO EFEITO CORIOLIS MANUAL DE OPERAÇÃO E MANUTENÇÃO SISTEMA CALIBRAÇÃO DE DISPENSER DE GNV COM MEDIDOR MÁSSICO EFEITO CORIOLIS ÍNDICE PÁGINA 1. INSTRUÇÕES DE USO 2 2. DADOS OPERACIONAIS 2 3. ALIMENTAÇÃO 3 4. INSTALAÇÃO DO

Leia mais

CABEÇOTE PARA ARCO SUBMERSO

CABEÇOTE PARA ARCO SUBMERSO MANUAL DE OPERAÇÃO PROTEÇÃO m/min V INÍCIO TARTÍLOPE-AS FINALIZAÇÃO MOVIMENTO DA TOCHA STA-0 AS AVANÇO ATRASO INICIAL ATRASO FINAL RETROCESSO ACELERACÃO DESACELERACÃO 0 [s] 0 [s] 0 ATIVA/DESATIVA 0 ESQUERDA

Leia mais

Tratamento de dados e representação das incertezas em resultados experimentais

Tratamento de dados e representação das incertezas em resultados experimentais Tratamento de dados e representação das incertezas em resultados experimentais Medida, erro e incerteza Qualquer medida física sempre possui um valor verdadeiro, que é sempre desconhecido e um valor medido.

Leia mais

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva

Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva Certificado de Qualificação Metrológica para Laboratórios de Ensaio e Calibração da Cadeia Automotiva A Rede Metrológica do Estado do Rio Grande do Sul qualifica o Laboratório de Calibração Qualipar, localizado

Leia mais

METROLOGIA I Aula 5 Prof. Samuel Sander de Carvalho

METROLOGIA I Aula 5 Prof. Samuel Sander de Carvalho METROLOGIA I Aula 5 Prof. Samuel Sander de Carvalho E-mail: samuel.carvalho@ifsudestemg.edu.br Juiz de Fora - MG Definição: Hoje daremos inicio a nosso estudo sobre os MICRÔMETROS. Qual a diferença entre

Leia mais