Apostila de Instrumentação. Módulo: Paquímetro

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Apostila de Instrumentação. Módulo: Paquímetro"

Transcrição

1 Módulo: Paquímetro AUTORES: Prof. Msc. SAMUEL MENDES FRANCO Prof. Msc. OSNI PAULA LEITE Prof. Msc. LUIS ALBERTO BÁLSAMO 1

2 Paquímetro Introdução O paquímetro, nome de origem grega que significa medida grossa, foi desenvolvido a partir da invenção do nônio ou vernier. Encontramos pela literatura que foi o Francês Pierre Viernier ( ) que inventou o método de subdividir em partes menores uma determinada divisão. Este princípio é chamado de vernier ou nônio, sendo este último nome dado em memória a Pedro Juan Nunes ( ) que inventou um dispositivo para medir frações de ângulos. A graduação do nônio é feita com base da seguinte relação: Sob uma escala com 10 graduações de 1 mm (A) foi colocada uma escala móvel com as mesmas 10 graduações (B), porém ocupando o espaço de 9 graduações da escala fixa, havendo portanto, uma diferença de 0,1 mm entre o primeiro traço da escala fixa e o primeiro traço da escala móvel. A diferença é de 0,2 mm entre os segundos traços de ambas escalas; 0,3 mm entre os terceiros traços, e assim sucessivamente. Posteriormente a escala móvel; foi ampliada para 20 graduações ocupando o espaço de 19 graduações da escala fixa, havendo portanto, uma diferença de 0,05 mm entre o primeiro traço da escala fixa e o primeiro traço da escala móvel. Escala Móvel Foi criada ainda uma escala móvel com 50 graduações ocupando o espaço de 49 graduações da escala fixa, havendo portanto uma diferença de 0,02 mm entre o primeiro traço da escala fixa e o primeiro traço da escala móvel. Escala Móvel As diferenças acima mencionadas passaram a ser chamadas inicialmente de aproximação, sendo posteriormente chamadas de leitura do instrumento e atualmente são chamadas de resolução do instrumento. 2

3 Análise Construtiva A partir da invenção do nônio, o paquímetro foi construído baseado numa réqua temperada com graduação em milímetros e polegadas, dotada de um bico fixo de medição e um conjunto de nônio, também chamado de cursor, constando das escalas secundárias, do bico de medição móvel, e um parafuso de fixação. Desta maneira o paquímetro resulta da associação de uma escala como padrão de comprimento, dos bicos de medição como meio de transporte da medida, sendo um ligado á escala fixa e outro ao cursor e de um nônio como interpolador para leitura entre traços. Os paquímetros são fabricados em aço inoxidável temperado garantindo vida longa sem oxidação, sendo que as superfícies de medição são todas retificadas e lapidadas. Para o paquímetro universal sua escala é gravada por um processo a laser que garantirá linhas e números nítidos sobre as escalas. Os paquímetros se destinam a medições externas, internas, profundidades e ressaltos. Na figura abaixo, é apresentado um paquímetro universal. Analisando a figura acima temos: 1 Bicos para medição externa 2 Bicos para medição interna 3 Vareta para medição de profundidade 4 Superfície para medição de ressalto 5 Cursor 6 Escala principal 7 Nônios ou vernier 8 Parafuso de fixação 9 Superfície de referência para medição de ressalto 3

4 Características do Instrumento Os paquímetros apresentam larga aplicação na medição em geral devido a sua grande versatilidade e precisão. Tais instrumentos são fabricados com altos padrões de qualidade a fim de se obter as melhores características possíveis. No paquímetro, devemos identificar: Faixa de Medição: É definida como a faixa de utilização do instrumento, dentro do qual se admite que o erro do instrumento de medição mantém se, dentro dos limites especificados. Os paquímetros geralmente são fabricados com faixa de operação de 150 mm a 2000 mm ou no sistema inglês de 6 a 80. Resolução: Menor diferença entre indicações de um dispositivo mostrador que pode ser significativamente percebida, ou seja menor leitura do instrumento. A resolução da escala do paquímetro é obtida por: Resolução = Vamos verificar os casos abaixo: 1º Estudo de Caso: valor da menor divisão da escala fixa número de divisões da escala móvel Se cada divisão da escala principal vale 1 milímetro e o nônio possui 10 divisões, então temos: valor da menor divisão da escala fixa 1 mm número de divisões da escala móvel 10 divisões Logo, Resolução = 1 10 = 0,1 mm 2º Estudo de Caso: Se cada divisão da escala principal vale 1 milímetro e o nônio possui 20 divisões, então temos: valor da menor divisão da escala fixa 1 mm número de divisões da escala móvel 20 divisões Logo, Resolução = 1 20 = 0,05 mm 4

5 3º Estudo de Caso: Se cada divisão da escala principal vale 1 milímetro e o nônio possui 50 divisões, então temos: valor da menor divisão da escala fixa 1 mm número de divisões da escala móvel 50 divisões Logo, Resolução = 1 50 = 0,02 mm 4º Estudo de Caso: No sistema em polegada fracionário, cada divisão da escala principal vale 1/16 de polegada, pois se verificarmos uma polegada está dividida em 16 partes e o nônio possui 8 divisões, então temos: valor da menor divisão da escala fixa 1/16 número de divisões da escala móvel 8 divisões Logo, 1/ Resolução = = x = º Estudo de Caso: No sistema em polegada decimal, cada divisão da escala principal vale 0.025, pois se verificarmos, uma polegada está dividida em 40 partes, sendo assim, 1/40 = 0.025, ou seja, vinte e cinco milésimos de polegada e o nônio possui 25 divisões, então temos: valor da menor divisão da escala fixa número de divisões da escala móvel 25 Logo, Resolução = = Exatidão: Aptidão de um instrumento de medição para dar respostas próximas a um valor verdadeiro. A seguir será apresentado alguns paquímetros Starrett. Paquímetro Universal Resolução Exatidão 0,02 mm ± 0.03 mm Faixa 150 à 300 mm 0.05 mm ± 0.05 mm A exatidão apresentada se refere ao instrumento novo, portanto é um parâmetro de fabricação do instrumento, sendo assim, o instrumento deverá ser periodicamente calibrado para determinar seu comportamento metrológico. 5

6 Leituras PARA A LEITURA DEVEMOS: OBSERVAR E ANALISAR O INSTRUMENTO Observar : A escala principal e o nônio Escala principal Escala do Nônio Quanto vale cada divisão na escala principal? Devemos analisar: Qual a resolução do instrumento? Após observar as escalas e analisar os valores, seguiremos a seguinte sequência: Primeiro: Observe a posição do zero do escala móvel. O zero da escala móvel passou de uma determinada graduação na escala principal? Qual é essa graduação? Desta maneira temos a leitura na escala principal. Segundo: Percorra com os olhos em toda a extensão da escala móvel. Identifique qual graduação da escala móvel coincide com uma graduação qualquer na escala principal? Qual é essa graduação? Assim, temos a leitura no nônio. Terceiro: A leitura obtida na escala do nônio deve ser acrescida à leitura da escala principal. Logo a medida será: Medida = leitura da escala principal + leitura da escala móvel 6

7 Estudo de Caso Nº 1 Sistema Métrico Observar : A escala principal e o nônio Escala principal Escala do Nônio Quanto vale cada divisão na escala principal? Resposta: 1 mm Devemos analisar: Qual a resolução do instrumento? Resposta: 1/20 = 0,05 mm Após observar as escalas e analisar os valores, seguiremos a seguinte sequência: Primeiro: Observe a posição do zero do escala móvel. O zero da escala móvel passou de uma determinada graduação na escala principal? Qual é essa graduação? Resposta: A quarta graduação 4 Desta maneira temos a leitura na escala principal. Resposta: 4 mm Segundo: Percorra com os olhos em toda a extensão da escala móvel. Identifique qual graduação da escala móvel coincide com uma graduação qualquer na escala principal? Qual é essa graduação? Resposta: A 12º graduação (cada divisão vale 0,05 mm) Assim, temos a leitura no nônio. Resposta: (12 x 0.05) = 0,60(mm) Terceiro: A leitura obtida na escala do nônio deve ser acrescida à leitura da escala principal. Logo a medida será: Medida = leitura da escala principal + leitura da escala móvel Resposta: Medida = 4 mm + 0,60 mm = 4,60 mm Quatro milímetros e sessenta centésimos 7

8 Exercícios de Leituras do Estudo de Caso Nº 1 Sistema Métrico Executar as leituras nas escalas, sendo: Cada divisão na escala principal = 1 mm Resolução = 0,05 mm 8

9 Estudo de Caso Nº 2 Sistema Métrico Observar : A escala principal e o nônio Escala principal Escala do Nônio Quanto vale cada divisão na escala principal? Resposta: 1 mm Devemos analisar: Qual a resolução do instrumento? Resposta: 1/50 = 0,02 mm Após observar as escalas e analisar os valores, seguiremos a seguinte sequência: Primeiro: Observe a posição do zero do escala móvel. O zero da escala móvel passou de uma determinada graduação na escala principal? Qual é essa graduação? Resposta: 16 Graduação Desta maneira temos a leitura na escala principal. Resposta: 16 mm Segundo: Percorra com os olhos em toda a extensão da escala móvel. Identifique qual graduação da escala móvel coincide com uma graduação qualquer na escala principal? Qual é essa graduação? Resposta: O Zero do Nônio Assim, temos a leitura no nônio. Resposta: 0,00 mm Terceiro: A leitura obtida na escala do nônio deve ser acrescida à leitura da escala principal. Logo a medida será: Medida = leitura da escala principal + leitura da escala móvel Resposta: Medida = 16,00 (mm) 9

10 Exercícios de Leituras do Estudo de Caso Nº 2 Sistema Métrico Executar a leituras do instrumento sendo: Cada divisão na escala principal = 1 mm Resolução = 0,02 mm 10

11 Estudo de Caso Nº 3 Sistema Inglês Observar : A escala principal e o nônio Escala do Nônio Escala principal Quanto vale cada divisão na escala principal? Resposta: 1/16 Devemos analisar: Qual a resolução do instrumento? Resposta: (1/16 )/8 = 1/128 Após observar as escalas e analisar os valores, seguiremos a seguinte sequência: Primeiro: Observe a posição do zero do escala móvel. O zero da escala móvel passou de uma determinada graduação na escala principal? Qual é essa graduação? Resposta: O zero passou de 9 polegadas Desta maneira temos a leitura na escala principal. Resposta: 9 Segundo: Percorra com os olhos em toda a extensão da escala móvel. Identifique qual graduação da escala móvel coincide com uma graduação qualquer na escala principal? Qual é essa graduação? Resposta: 2º (Segunda divisão do nônio) Assim, temos a leitura no nônio. Resposta: Como cada divisão do Nônio vale 1/128, então temos 2/128. Observe que o numerador é par, logo é possível de uma simplificação, portanto, se dividirmos o numerador e o denominador por 2 temos, 1/64. Assim a leitura no nônio será 1/64 Terceiro: A leitura obtida na escala do nônio deve ser acrescida à leitura da escala principal. Logo a medida será: Medida = leitura da escala principal + leitura da escala móvel Resposta: Medida = 9 + 1/64 = 9 1/64 11

12 Exercícios de Leituras do Estudo de Caso Nº 3 Sistema Inglês Executar a leituras do instrumento sendo: Cada divisão na escala principal = 1/16 Resolução = 1/128 12

13 Estudo de Caso Nº 4 Sistema Inglês Observar : A escala principal e o nônio Escala do Nônio Escala principal Quanto vale cada divisão na escala principal? Resposta: Devemos analisar: Qual a resolução do instrumento? Resposta: / 25 = Após observar as escalas e analisar os valores, seguiremos a seguinte sequência: Primeiro: Observe a posição do zero do escala móvel. O zero da escala móvel passou de uma determinada graduação na escala principal? Qual é essa graduação? Resposta: 7º graduação Desta maneira temos a leitura na escala principal. Resposta: Cada graduação vale 0.025, então temos, 7 x = Segundo: Percorra com os olhos em toda a extensão da escala móvel. Identifique qual graduação da escala móvel coincide com uma graduação qualquer na escala principal? Qual é essa graduação? Resposta: O traço zero está coincidindo Assim, temos a leitura no nônio. Resposta: Terceiro: A leitura obtida na escala do nônio deve ser acrescida à leitura da escala principal. Logo a medida será: Medida = leitura da escala principal + leitura da escala móvel Resposta: Medida =

14 Exercícios de Leituras do Estudo de Caso Nº 14 Sistema Inglês Executar a leituras do instrumento sendo: Cada divisão na escala principal = Resolução =

15 Procedimento de Medição Medição Externa Instrumento: Paquímetro Resolução 0.05 mm Peça à medir 1. Limpar as faces de medição; Descrição 2. Limpar a superfície da peça a ser medida; 3. Abrir o instrumento, deslizando a parte móvel a uma distância maior que a dimensão da peça a ser medida; 4. Posicionar a peça o mais profundo possível nos bicos de medição; 5. Encostar uma extremidade da peça a ser medida na face fixa de medição; 6. Fechar o paquímetro suavemente até que a face de contato móvel toque a peça; 7. Não aplique pressão excessiva no instrumento que pode ocasionar uma inclinação do cursor em relação à régua, alterando a medida. 8. Para maior segurança nas medições procurar o melhor apoio das superfícies de medição dos bicos com a peça; 9. Efetuar as leituras; Para efetuar a leitura, posicionar a escala do instrumento perpendicular ao campo visual do observador, afim de que o erro de paralaxe seja minimizado. Tal desvio, depende portanto, do ângulo de visão do operador. 10. Obter a medida. 15

16 Procedimento de Medição Medição Interna Instrumento: Paquímetro Resolução 0.05 mm Peça à medir 1. Limpar as faces de medição; Descrição 2. Limpar a superfície da peça a ser medida; 3. Abrir o instrumento, deslizando a parte móvel a uma distância menor que a dimensão da peça a ser medida; 4. Posicionar a peça o mais profundo possível nos bicos de medição; 5. Encostar uma extremidade da peça a ser medida na face fixa de medição; 6. Abrir o paquímetro suavemente até que a face de contato móvel toque a peça; 7. Não aplique pressão excessiva no instrumento que pode ocasionar uma inclinação do cursor em relação à régua, alterando a medida. 8. Para maior segurança nas medições procurar o melhor apoio das superfícies de medição dos bicos com a peça; 9. Efetuar as leituras; Para efetuar a leitura, posicionar a escala do instrumento perpendicular ao campo visual do observador, afim de que o erro de paralaxe seja minimizado. 10. Obter a medida. Tal desvio, depende portanto, do ângulo de visão do operador. 16

17 Procedimento de Medição Medição Profundidade Instrumento: Paquímetro Resolução 0.05 mm 1. Limpar as faces de medição; Descrição 2. Limpar a superfície da peça a ser medida; 3. Abrir o instrumento, deslizando a parte móvel a uma distância menor que a dimensão da peça a ser medida; 4. Posicionar a peça apoiando na extremidade da escala principal; 5. Abrir o paquímetro suavemente até que face de contato da vareta de profundidade toque a peça; 6. Não aplique pressão excessiva no instrumento que pode ocasionar uma alteração da medida. 7. Para maior segurança nas medições procurar o melhor apoio das superfícies de medição com a peça; 8. Efetuar as leituras; Para efetuar a leitura, posicionar a escala do instrumento perpendicular ao campo visual do observador, afim de que o erro de paralaxe seja minimizado. Tal desvio, depende portanto, do ângulo de visão do operador. 9. Obter a medida 17

18 Procedimento de Medição Medição Ressalto Instrumento: Paquímetro Resolução 0.05 mm 1. Limpar as faces de medição; Descrição 2. Limpar a superfície da peça a ser medida; 3. Abrir o instrumento, deslizando a parte móvel a uma distância maior que a dimensão da peça a ser medida; 4. Encostar uma extremidade da peça a ser medida na face fixa de medição; 5. Fechar o paquímetro suavemente até que a face de contato da medição de ressalto no cursor toque a peça; 6. Não aplique pressão excessiva no instrumento que pode ocasionar uma alterando a medida. 7. Para maior segurança nas medições procurar o melhor apoio das superfícies de medição com a peça; 8. Efetuar as leituras; Para efetuar a leitura, posicionar a escala do instrumento perpendicular ao campo visual do observador, afim de que o erro de paralaxe seja minimizado. Tal desvio, depende portanto, do ângulo de visão do operador. 9. Obter a medida 18

19 Tipos de Paquímetros Existem diversos tipos de paquímetros. São paquímetros eletrônicos digitais, paquímetros mecânicos com relógio e paquímetros simples com nônio. Além de paquímetros especiais tais como, paquímetro de profundidade, paquímetro para dentes de engrenagem, entre outros modelos e tipos. Para maiores informações consultar o catálogo do fabricante. Paquímetro Eletrônico Digital Paquímetro para Serviço Pesado 19

20 Acessórios Mediante a crescente evolução da tecnologia nas áreas da eletrônica e informática, tornou-se disponível a integração da informação. Desta maneira paquímetros digitais podem ser usados convencionalmente, ou podem transmitir informações de medições para todos os Sistemas Eletrônicos de Coletas de Dados, computadores e impressoras. Desta forma as peças podem ser trazidas de vários lugares para uma única estação de trabalho, numa localização central. Poderá ser utilizado um coletor de dados portátil, que pode ser levado ao local de trabalho. Podendo coletar informações e analisar os dados em tempo real, com a vantagem de registrar os dados e posteriormente transferir-los a um computador. Ou se preferir, pode registrar em papel ou disquetes. Desta forma, a integração das informações em tempo real viabiliza o estudo do controle estatístico do processo CEP. 20

Apostila de Instrumentação. Módulo: Micrômetro

Apostila de Instrumentação. Módulo: Micrômetro Módulo: Micrômetro AUTORES: Prof. Msc. SAMUEL MENDES FRANCO Prof. Msc. OSNI PAULA LEITE Prof. Msc. LUIS ALBERTO BÁLSAMO 1 Micrômetros Introdução Em 1638 foi desenvolvido um instrumento provido de um parafuso

Leia mais

Paquímetro. Paquímetro. Metrologia. Prof. Me. Eng. Gianpaulo Alves Medeiros M E T

Paquímetro. Paquímetro. Metrologia. Prof. Me. Eng. Gianpaulo Alves Medeiros M E T etrologia Prof. e. ng. Gianpaulo Alves edeiros Luzerna, 19 de agosto de 2013 - conceito : Instrumento usado para medir as dimensões lineares internas, externas e de profundidade de uma peça. Consiste em

Leia mais

Disciplina: Metrologia Sistema de Medição Micrômetro

Disciplina: Metrologia Sistema de Medição Micrômetro Disciplina: Metrologia Sistema de Medição Micrômetro Profª: Janaina Fracaro de Souza Gonçalves Micrômetro Micrômetro: tipos e usos Jean Louis Palmer apresentou, pela primeira vez, um micrômetro para requerer

Leia mais

8 Micrômetro: tipos e usos

8 Micrômetro: tipos e usos A U A UL LA Micrômetro: tipos e usos Um problema Um mecânico precisava medir um eixo da maneira mais exata possível. Tentou a medição com paquímetro mas logo desistiu, pois esse instrumento não tinha resolução

Leia mais

Determinação experimental de

Determinação experimental de Determinação experimental de 1. Introdução Neste experimento, utilizaremos um paquímetro, uma régua e uma fita métrica para fazer medidas de dimensões. Com estas medidas, será possível estimar experimentalmente

Leia mais

1 - Levantamento de hipóteses. 2 - Coleta de dados. 3 - Análise dos dados

1 - Levantamento de hipóteses. 2 - Coleta de dados. 3 - Análise dos dados Etapas para a solução de um Problema 1 - Levantamento de hipóteses 2 - Coleta de dados 3 - Análise dos dados 4 - Conclusão O QUE O CURSO VAI ENSINAR? Como resolver um problema! 2 Coleta de Dados O conceito

Leia mais

Calibração de paquímetros e micrômetros

Calibração de paquímetros e micrômetros Calibração de paquímetros e micrômetros A UU L AL A Instrumentos de medida, tais como relógios comparadores, paquímetros e micrômetros, devem ser calibrados com regularidade porque podem sofrer alterações

Leia mais

Sistema de Unidades e Medidas. 1.1 Histórico

Sistema de Unidades e Medidas. 1.1 Histórico Sistema de Unidades e Medidas 1.1 Histórico A busca por um padrão universal para unidades e medidas surgiu da necessidade humana de medir, comparar grandezas de medida como o comprimento e a massa de produto

Leia mais

Apostila de Metrologia

Apostila de Metrologia Curso técnico em Mecânica IFSC câmpus Joinville Apostila de Metrologia 2 Índice Unidades de medida... 3 Histórico sobre os padrões de medida... 3 Unidade de base... 4 Unidades derivadas... 4 Unidade de

Leia mais

PAQUÍMETRO. Também é denominado por Calibre

PAQUÍMETRO. Também é denominado por Calibre PAQUÍMETRO Também é denominado por Calibre Alguns Tipos de Paquímetro Digital É o mais comum. É o tipo que será usado nas nossas De Relógio práticas Universal UNIVERSAL 1- orelha fixa 8- encosto fixo 2-orelha

Leia mais

Metrologia. Prof. Fernando 1

Metrologia. Prof. Fernando 1 Metrologia Prof. Fernando 1 SISTEMAS DE MEDIDAS Apesar de se chegar ao metro como unidade de medida, ainda são usadas outras unidades. Na mecânica, por exemplo, é comum usar o milímetro e a polegada. O

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 08

PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 08 8 PROVA DE CONHECIMENTOS TÉCNICOS CÓD. 08 QUESTÃO 21: São tipos de manutenção: a) Preventiva, Corretiva, Preditiva b) Preventiva, Temporária, Corretiva c) Corretiva, Casual, Programada d) Previsiva, Corretiva,

Leia mais

Instrumentos de Medição

Instrumentos de Medição Instrumentos de Medição Medidas de comprimento S. C. G. Granja 1 1 Departamento de Matemática Universidade do Estado de Mato Grosso UNEMAT Física 1, Março de 2010 Instrumentos de Medição Dispositivos necessários

Leia mais

METROLOGIA MEDIÇÃO E APARELHOS DE MEDIDA Conceitos e Operações. Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo 2 011/20012 Física12

METROLOGIA MEDIÇÃO E APARELHOS DE MEDIDA Conceitos e Operações. Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo 2 011/20012 Física12 METROLOGIA MEDIÇÃO E APARELHOS DE MEDIDA Conceitos e Operações Escola Secundária Francisco Rodrigues Lobo 2 011/20012 Física12 2ª Aula (TP) SUMÁRIO: O Método Experimental: sua importância e etapas. Medição

Leia mais

Conjuntos mecânicos III

Conjuntos mecânicos III Conjuntos mecânicos III A UU L AL A Desenho de componente é o desenho de uma peça isolada que compõe um conjunto mecânico. Introdução Desenho de detalhe é o desenho de um elemento, de uma parte de um elemento,

Leia mais

A precisão e exatidão de medidas, a qualidade e acabamento superficial da peça são fatores amplamente dependentes do molde.

A precisão e exatidão de medidas, a qualidade e acabamento superficial da peça são fatores amplamente dependentes do molde. Moldes Plástico. Na seqüência de desenvolvimento de uma peça injetada, desde o primeiro rascunho até a extração na máquina, o molde de injeção é o último elo, porém não é o menos importante. A precisão

Leia mais

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL

Controle de Medidas - Instrumentos de Medição. Prof. Casteletti PAQUÍMETRO UNIVERSAL PAQUÍMETRO UNIVERSAL O paquímetro é um instrumento usado para medir dimensões lineares internas, externas e de profundidade. Consiste em uma régua graduada, com encosto fixo, na qual desliza um cursor.

Leia mais

E-QP-ECD-080 REV. C 24/Set/ OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. INSTRUMENTOS. Matrícula Matrícula

E-QP-ECD-080 REV. C 24/Set/ OBJETIVO 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA 3. TERMINOLOGIA 4. INSTRUMENTOS. Matrícula Matrícula PROCEDIMENTO DE CONTROLE DIMENSIONAL - MEDIÇÃO DE ENGRENAGENS CILÍNDRICAS DE DENTES RETOS - - NÍVEL BÁSICO - Procedimento Operacional ENGENHARIA Os comentários e sugestões referentes a este documento devem

Leia mais

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014

Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 Profa. Janaina Fracaro Engenharia Mecânica ABRIL/2014 Projetores já trabalham ao lado das máquinas operatrizes ou, muitas vezes, sobre elas, mostrando detalhes da própria peça durante a usinagem. CARACTERISTICAS

Leia mais

Paquímetro: tipos e usos

Paquímetro: tipos e usos Paquímetro: tipos e usos Um problema Como a empresa fabricou muitas peças fora das dimensões, o supervisor suspendeu o trabalho e analisou a causa do problema. Concluiu que a maioria dos profissionais

Leia mais

Acesse:

Acesse: Segurando as pontas As operações de tornear superfícies cilíndricas ou cônicas, embora simples e bastante comuns, às vezes apresentam algumas dificuldades. É o que acontece, por exemplo, com peças longas

Leia mais

Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos.

Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos. Projetores Um problema Quando uma peça é muito pequena, fica difícil visualizar seu perfil e verificar suas medidas com os aparelhos e instrumentos já vistos. Esse problema é resolvido com os projetores

Leia mais

Paquímetro: O pessoal da empresa está chegando à quarta. Um problema. Erros de leitura

Paquímetro: O pessoal da empresa está chegando à quarta. Um problema. Erros de leitura Paquímetro: conservação A UU L AL A O pessoal da empresa está chegando à quarta aula sobre paquímetro. Nesta aula, todos vão aprender a usar corretamente o paquímetro, quais os possíveis erros de leitura

Leia mais

Calibrador. Seguindo as diretrizes da empresa para implantar. Um problema. Medição indireta. Calibradores

Calibrador. Seguindo as diretrizes da empresa para implantar. Um problema. Medição indireta. Calibradores A UU L AL A Calibrador Seguindo as diretrizes da empresa para implantar um programa de qualidade e produtividade, um dos funcionários alertou o supervisor sobre a perda de tempo em medir um grande lote

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng.

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br PROGRAMAÇÃO Aula 1 2 Data 07/11 14/11 Conteúdo Correção da avaliação, blocos-padrão, calibradores,

Leia mais

Terminologia e conceitos de Metrologia

Terminologia e conceitos de Metrologia A U A UL LA Terminologia e conceitos de Metrologia Um problema Muitas vezes, uma área ocupacional apresenta problemas de compreensão devido à falta de clareza dos termos empregados e dos conceitos básicos.

Leia mais

Medidores de Profundidade Uma das ferramentas de medição padrão da indústria

Medidores de Profundidade Uma das ferramentas de medição padrão da indústria Medidores de Profundidade Micrômetro de Profundidade Série 29, 129 com hastes intercambiáveis Este modelo utiliza hastes intercambiáveis para alcançar grandes capacidades de medição. Códigos Nos. 29-250-0,

Leia mais

EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS

EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS EXPERIMENTO 1 INSTRUMENTOS DE MEDIDA E MEDIDAS FÍSICAS I - OBJETIVO Operar com algarismos significativos, definir o limite do erro instrumental para instrumentos de medição, definir o desvio avaliado para

Leia mais

Rua do Manifesto, Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11)

Rua do Manifesto, Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 255 Os esquadros Starrett são ofertados numa variedade de estilos para atender às necessidades do profissional, seja ele ferramenteiro, mecânico, carpinteiro ou adepto do faça-você-mesmo. O nome Starrett

Leia mais

INSTRUMENTOS DE PESAGEM USADOS EM ENSAIOS DE MATERIAIS

INSTRUMENTOS DE PESAGEM USADOS EM ENSAIOS DE MATERIAIS INSTRUMENTOS DE PESAGEM USADOS EM ENSAIOS DE MATERIAIS C D T - CENTRO DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Setembro de 2014 DESIGNAÇÃO - ARTERIS ET- 231-02 09/2014 ET 231 pg1 - Centro de Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle 25/11/2012 1 2012 Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle A disciplina de Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle, com 40 horas/aulas, será dividida em 2 (duas) partes, sendo : Metrologia

Leia mais

METROLOGIA Escala e Paquímetro. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

METROLOGIA Escala e Paquímetro. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. METROLOGIA Escala e Paquímetro Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Regras de Arredondamento Quando o algarismo seguinte ao último algarismo a ser conservado for inferior a 5, o último algarismo a ser conservado

Leia mais

Eletrotécnica. Teoria dos Erros. Joinville, 12 de Junho de 2013

Eletrotécnica. Teoria dos Erros. Joinville, 12 de Junho de 2013 Eletrotécnica Teoria dos Erros Joinville, 12 de Junho de 2013 Escopo dos Tópicos Abordados Medidas e teoria dos erros de medição; 2 As novas tecnologias exigem que: As avaliações das grandezas de fenômenos

Leia mais

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos.

Os paquímetros distinguem-se pela faixa de indicação, pelo nônio, pelas dimensões e forma dos bicos. Capítulo 3 PAQUÍMETRO 3.1 ASPECTOS GERAIS 3.1.1 Definição O Paquímetro (figura 3.1) é o resultado da associação de: uma escala, como padrão de comprimento; dois bicos de medição, como meios de transporte

Leia mais

MEDIÇÃO NO LABORATÓRIO

MEDIÇÃO NO LABORATÓRIO MEDIÇÃO NO LABORATÓRIO Medição e medida de grandezas físicas Uma grandeza física é uma propriedade de um corpo ou uma característica de um fenómeno que pode ser medida. A medição é a operação pela qual

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Cortes e seções. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Cortes e seções. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Cortes e seções Professor: João Carmo Introdução O recurso ao corte e à seção num desenho se dá, em geral, quando a peça a ser

Leia mais

Desenho Técnico. Escalas e Cotagem. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Escalas e Cotagem. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Escalas e Cotagem Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato ESCALA NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do desenho e as

Leia mais

Relógios Apalpadores Instrumentos de medição por comparação que garantem alta qualidade, exatidão e confiabilidade.

Relógios Apalpadores Instrumentos de medição por comparação que garantem alta qualidade, exatidão e confiabilidade. s Apalpadores Instrumentos de medição por comparação que garantem alta qualidade, exatidão e confiabilidade. Série 513 comparador com alavanca iguras das Características Desenvolvido para apalpar superfícies

Leia mais

DEMEC/UFRGS ENG03343 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO POR USINAGEM FRESAMENTO 3ª PARTE

DEMEC/UFRGS ENG03343 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO POR USINAGEM FRESAMENTO 3ª PARTE DEMEC/UFRGS ENG03343 PROCESSOS DE FABRICAÇÃO POR USINAGEM FRESAMENTO 3ª PARTE Heraldo Amorim Porto Alegre, agosto de 2003 Fresando com o divisor universal Aparelho divisor acessório utilizado na máquina

Leia mais

Comprimento, altura e distância são a mesma coisa? Como medir?

Comprimento, altura e distância são a mesma coisa? Como medir? Comprimento, altura e distância são a mesma coisa? Como medir? Profa. Ângela Maria Hartmann O que é o comprimento? Na Física, o comprimento é uma das grandezas físicas fundamentais que expressa a distância

Leia mais

Apostila de Metrologia (parcial)

Apostila de Metrologia (parcial) Apostila de Metrologia (parcial) Introdução A medição é uma operação muito antiga e de fundamental importância para diversas atividades do ser humano. As medições foram precursoras de grandes teorias clássicas

Leia mais

Ensaios Mecânicos de Materiais. Dobramento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues

Ensaios Mecânicos de Materiais. Dobramento. Prof. MSc. Luiz Eduardo Miranda J. Rodrigues Ensaios Mecânicos de Materiais Aula 4 Ensaio de Dobramento Tópicos Abordados Nesta Aula Ensaio de Dobramento. Definição do Ensaio O ensaio de dobramento fornece somente uma indicação qualitativa da ductilidade

Leia mais

Medições e erros. Organização das informações. Erros Resultado Físico ou Químico

Medições e erros. Organização das informações. Erros Resultado Físico ou Químico Medições e erros O que se pretende com essa aula, é dar ao aluno a oportunidade de compreender como se fazem as leituras em instrumentos de medição e quais os erros inerentes aos instrumentos e aos métodos

Leia mais

Suporte de Relógio com Alicate de Pressão

Suporte de Relógio com Alicate de Pressão Suporte de Relógio com Alicate de Pressão Exemplo de aplicação Sistema articulado para s comparadores e apalpadores com fixação por alicate de pressão em locais de difícil acesso. Permite fixação em locais

Leia mais

Mesas de Medição. Série 7 Modelo padrão. Série 7 Modelo padrão com mesa grande

Mesas de Medição. Série 7 Modelo padrão. Série 7 Modelo padrão com mesa grande Mesas de Medição Modelo padrão Coluna de aço cromada e temperado. Três modelos de batentes intercambiáveis: lisa, convexa e com ranhura. Ø 30 Batente: Ø 58 168 x 110 Ø 8 7002 Ø 3 /8 7003 Afuste fino: Acessório

Leia mais

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA

TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNEIRO MECÂNICO TECNOLOGIA TORNO MEC. HORIZONTAL (NOMENCL./CARACT./ACESSÓRIOS) DEFINIÇÃO: É a máquina-ferramenta usada para trabalhos de torneamento, principalmente de metais que, através da realização

Leia mais

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS

PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS PERFIL PROFISSIONAL OPERADOR/A DE MÁQUINAS FERRAMENTAS Publicado no Despacho n.º13456/2008, de 14 de Maio, que aprova a versão inicial do Catálogo Nacional de Qualificações. Publicação e atualizações 1ª

Leia mais

trasso DESCRIÇÃO CARACTERíSTICAS - LUMINÁRIA VANTAGENS

trasso DESCRIÇÃO CARACTERíSTICAS - LUMINÁRIA VANTAGENS CARACTERíSTICAS - LUMINÁRIA DESCRIÇÃO Estanqueidade: IP 67 (*) Resistência ao impacto (vidro): IK 10 (**) Resistência a uma carga estática: 1000 kg (*) Tensão nominal: 230 V AC Classe elétrica: II (*)

Leia mais

Prova Final de Matemática

Prova Final de Matemática PROVA FINAL DO 2.º CICLO do Ensino BÁSICO Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova Final de Matemática 2.º Ciclo do Ensino Básico Prova 62/2.ª Chamada Critérios de Classificação 9 Páginas 2013 COTAÇÕES

Leia mais

D e s e n h o T é c n i c o

D e s e n h o T é c n i c o AULA 2 VIII. ESCALAS NBR 8196 refere-se ao emprego de escalas no desenho. A escala de um desenho é a relação entre as dimensões do mesmo e as dimensões da peça real que está sendo representada. Assim,

Leia mais

Plano Curricular de Matemática 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017

Plano Curricular de Matemática 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 4.º Ano - Ano Letivo 2016/2017 1.º Período - Números naturais Números e operações Contar Estender as regras de construção dos numerais decimais para classes de grandeza indefinida; Conhecer os diferentes

Leia mais

Metrologia 1ª lista de exercícios

Metrologia 1ª lista de exercícios 1. Cite as três classes de aplicações onde é importante medir. Dê exemplos de situações presentes na sua vida de cada uma das classes. 2. Da definição de medir: "... é o procedimento experimental através

Leia mais

EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento 2

EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento 2 UNIFEI EME005 - Tecnologia de Fabricação IV Fresamento 2 Acessórios para fixação das peças: parafusos Aula 02 Prof. José Hamilton Chaves Gorgulho Júnior Acessórios para fixação das peças: grampos Acessórios

Leia mais

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng.

TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA. Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. TÉCNICO EM ELETROMECÂNICA METROLOGIA Prof. Fábio Evangelista Santana, MSc. Eng. fsantana@cefetsc.edu.br PROGRAMAÇÃO Aula Data Conteúdo 1 07/11 2 14/11 Correção da avaliação, blocos-padrão, calibradores,

Leia mais

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato

Desenho Técnico. Desenho Mecânico. Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Desenho Técnico Desenho Mecânico Eng. Agr. Prof. Dr. Cristiano Zerbato Introdução O desenho, para transmitir o comprimento, largura e altura, precisa recorrer a um modo especial de representação gráfica:

Leia mais

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial

Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial Aula I -Introdução à Instrumentação Industrial UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA ESCOLA POLITÉCNICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO E AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL I (ENGF99) PROFESSOR: EDUARDO SIMAS (EDUARDO.SIMAS@UFBA.BR)

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE. Professor: João Carmo INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO NORTE Professor: João Carmo ELEMENTOS DO DESENHO TÉCNICO Os desenhos no papel continuam a ter importância, em particular para a fabricação,

Leia mais

FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS

FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS FIXADORES PARA ESTRUTURAS METÁLICAS LINHA ASTM A325 TIPO 1 São fixadores específicos de alta resistência, empregados em ligações parafusadas estruturais e indicados em montagens de maior responsabilidade.

Leia mais

Instrumentos de medida

Instrumentos de medida Instrumentos de medida Esse texto foi baseado nas apostilas Laboratório de Mecânica para Geociências, 2003; Laboratório de Física para Ciências Farmacêuticas, 2005 e Física Geral e Experimental para Engenharia

Leia mais

Sensor de Nível por Radar

Sensor de Nível por Radar INSTRUMENTAÇÃO II Engenharia de Automação, Controlo e Instrumentação 2006/07 Trabalho de Laboratório nº 5 Sensor de Nível por Radar Realizado por Gustavo Silva e Mário Alves 28 de Outubro de 2004 Revisto

Leia mais

CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS

CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 19 CAPÍTULO 3 INSTALAÇÃO DOS EQUIPAMENTOS 3.1. INTRODUÇÃO Diversos procedimentos de campo em Topografia são realizados com o auxílio de equipamentos como estações totais e teodolitos. Para que estes equipamentos

Leia mais

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes.

Sistemas de cotagem. Observe a vista frontal de uma peça cilíndrica formada por várias partes com diâmetros diferentes. A UU L AL A Sistemas de cotagem Você já sabe que, embora não existam regras fixas de cotagem, a escolha da maneira de dispor as cotas no desenho técnico depende de alguns critérios. Os profissionais que

Leia mais

Teoria de Erros, Medidas e Instrumentos de Medidas

Teoria de Erros, Medidas e Instrumentos de Medidas Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Departamento Acadêmico de Eletrônica Métodos e Técnicas de Laboratório em Eletrônica Teoria de Erros, Medidas e Instrumentos de Medidas

Leia mais

BAR = DO GREGO BÁR(os) QUE SIGNIFICA ELEMENTO DE COMPOSIÇÃO DE PRESSÃO = PRESSÃO ATMOSFÉRICA METRIA = MEDIÇÃO (HOLANDA-1989)

BAR = DO GREGO BÁR(os) QUE SIGNIFICA ELEMENTO DE COMPOSIÇÃO DE PRESSÃO = PRESSÃO ATMOSFÉRICA METRIA = MEDIÇÃO (HOLANDA-1989) 1- BAROMETRIA AULAS DE TOPOGRAFIA BAR = DO GREGO BÁR(os) QUE SIGNIFICA ELEMENTO DE COMPOSIÇÃO DE PRESSÃO = PRESSÃO ATMOSFÉRICA METRIA = MEDIÇÃO (HOLANDA-1989) 2- NIVELAMENTO BAROMÉTRICO É O NIVELAMENTO

Leia mais

PRENSA PARA ESTÊNCIL A TINTA

PRENSA PARA ESTÊNCIL A TINTA MANUAL PARA A FABRICAÇÃO DE UMA PRENSA PARA ESTÊNCIL A TINTA Vivaldo Armelin Júnior 2006 Todos os direitos Reservados e pertencentes ao Portal ArteEducar. Proibido qualquer uso que não seja em sala de

Leia mais

Espírito Santo. CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção. Elétrica Metrologia. SENAI Departamento Regional do Espírito Santo 3

Espírito Santo. CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção. Elétrica Metrologia. SENAI Departamento Regional do Espírito Santo 3 CPM - Programa de Certificação de Pessoal de Manutenção Elétrica Metrologia Departamento Regional do Espírito Santo 3 Metrologia Elétrica Básica - Elétrica - ES, 1996 Trabalho realizado em parceria / CST

Leia mais

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO - MIC

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO - MIC MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA E DO COMÉRCIO - MIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO/DIMEL/Nº 012, de 02 de fevereiro de 1989. O Diretor de Metrologia

Leia mais

INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA

INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA FACULDADE SUDOESTE PAULISTA Curso de Engenharia Civil Topografia Aplicada INSTRUMENTOS DE TOPOGRAFIA Prof.ª AMANSLEONE DA S. TEMÓTEO 26/02/13 CONTEÚDO INSTRUMENTOS UTILIZADOS EM MEDIDAS LINEARES DIRETAS

Leia mais

Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico

Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico Revisitando o estado da arte da calibração de um instrumento analógico Comparação é a melhor definição com uma única palavra para o termo metrológico calibração. De maneira simplória, calibração nada mais

Leia mais

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS)

UFPR TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES. Especificações Geométricas de Produto. Geometrical Product Specifications (GPS) UFPR METROLOGIA MECÂNICA DIMENSIONAL Especificações Geométricas de Produto Geometrical Product Specifications (GPS) TOLERÂNCIAS GEOMÉTRICAS PROF. ALESSANDRO MARQUES Tolerâncias geométricas As peças ao

Leia mais

INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS (PLANIMETRIA)

INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS (PLANIMETRIA) Topografia INSTRUMENTOS TOPOGRÁFICOS (PLANIMETRIA) Prof. Paulo Carvalho, M.Sc Macedo, M.Sc Prof. Emilia Rabanni, Dra. Poli, Brasil.. 2014 2/27 Instrumentos Topográficos do Equipamento 3/27 TEODOLITO É

Leia mais

Frações Se dividirmos um objecto, ou seja, uma unidade em várias partes iguais, a cada uma dessas partes dá-se o nome de fração.

Frações Se dividirmos um objecto, ou seja, uma unidade em várias partes iguais, a cada uma dessas partes dá-se o nome de fração. Frações Se dividirmos um objecto, ou seja, uma unidade em várias partes iguais, a cada uma dessas partes dá-se o nome de fração. numerador 1 6 traço de fração ( : ) denominador Uma fração envolve a seguinte

Leia mais

Série 201. Acessórios Opcionais 2972 Relógio comparador Especificações, veja página e relógio comparador digital B

Série 201. Acessórios Opcionais 2972 Relógio comparador Especificações, veja página e relógio comparador digital B Calibradores de Boca sem Relógio Os calibradores de boca permitem uma medição rápida e exata de todos os tipos de diâmetros externos até 300. Avaliações PASSA/ NÃO PASSA podem ser feitas com grande facilidade.

Leia mais

Paquímetro: sistema inglês

Paquímetro: sistema inglês Paquímetro: sistema inglês Um problema Agora que o pessoal da empresa aprendeu a leitura de paquímetros no sistema métrico, é necessário aprender a ler no sistema inglês. Este é o assunto a ser estudado

Leia mais

Escalas. O processo de modificação dos tamanhos reais de medidas para outras medidas no desenho é realizado pela aplicação de escalas.

Escalas. O processo de modificação dos tamanhos reais de medidas para outras medidas no desenho é realizado pela aplicação de escalas. Escalas Em desenhos sempre possíveis os detalhes devem ser feitos em tamanho original. Isto é, passar para o desenho as medidas iguais as das peças e objetos que representam. Desta forma os desenhos dão

Leia mais

Informação - Ficha de Avaliação Global de Matemática 3.º ano. 1.º Ciclo do Ensino Básico maio de 2016

Informação - Ficha de Avaliação Global de Matemática 3.º ano. 1.º Ciclo do Ensino Básico maio de 2016 Agrupamento de Escolas de Marrazes Cód. 1609 Informação - Ficha de Avaliação Global de Matemática.º ano 1.º Ciclo do Ensino Básico maio de 2016 O presente documento divulga informação relativa à ficha

Leia mais

Nota Introdutória... IX. Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI. Capítulo 1 A Metrologia em Portugal...

Nota Introdutória... IX. Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI. Capítulo 1 A Metrologia em Portugal... Índice Nota Introdutória... IX Objectivos dos Conteúdos do Livro de Metrologia Industrial... XI Capítulo 1 A Metrologia em Portugal... 1 1.1 CONCEITO DE METROLOGIA... 1 1.2 EVOLUÇÃO HISTÓRICA DA METROLOGIA

Leia mais

Colisões em Máquinas de Medir 3D

Colisões em Máquinas de Medir 3D Formação Avançada em Metrologia 3D Colisões em Máquinas de Medir 3D Colisões em Máquinas de Medir Este material informativo aborda a questão de colisões em máquinas de medir por coordenadas, suas causas

Leia mais

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02

= 0,333 = 0, = 0,4343 = 0, = 1,0222 = 1,02 1 1.1 Conjuntos Numéricos Neste capítulo, serão apresentados conjuntos cujos elementos são números e, por isso, são denominados conjuntos numéricos. 1.1.1 Números Naturais (N) O conjunto dos números naturais

Leia mais

AL Movimento num plano inclinado: variação da energia cinética e distância percorrida

AL Movimento num plano inclinado: variação da energia cinética e distância percorrida Ficha do professor AL 1.1 - Movimento num plano inclinado: variação da energia cinética e distância percorrida Autora: Fernanda Neri TI-Nspire Palavras-chave: Energia Cinética; Centro de massa; Massa;

Leia mais

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1

Desenho Técnico. Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte. Caderno de Exercícios Desenho Técnico 1 Desenho Técnico 2 Cortes, seções, encurtamento e omissão de corte CORTES Em desenho técnico, o corte de uma peça é sempre imaginário. Ele permite ver as partes internas da peça. Na projeção em corte, a

Leia mais

RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA

RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA Manual do Locatário RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA Instruções para Instalação, Operação e Manutenção CARIMBO DO ASSOCIADO 1 RÉGUA VIBRATÓRIA DUPLA As réguas vibratórias duplas são utilizadas para dar acabamento

Leia mais

Assunto: Metodos de medição de distâncias horizontais Prof. Ederaldo Azevedo Aula 5 e-mail: ederaldoazevedo@yahoo.com.br Distâncias Como já foi visto, a distância horizontal (DH) entre dois pontos, em

Leia mais

216 Demonstração da Lei de Ampère

216 Demonstração da Lei de Ampère 1 Roteiro elaborado com base na documentação que acompanha o conjunto por: Hermes Urébe Guimarães Tópicos Relacionados Campos magnéticos uniformes, indução magnética, força de Lorentz, portadores de carga,

Leia mais

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS

PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS PERSPECTIVA ISOMÉTRICA ELEMENTOS PARALELOS Como estudado anteriormente, existem diferentes tipos de perspectiva (cônica, cavaleira e isométrica), veja a representação do cubo nas três perspectivas: Cada

Leia mais

Palavras-chave: Ficheiros associados: 1. Objetivo Geral. 2. Metas Específicas. 3. Comenta rios. 4. Material AL 2.2. VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO SOM

Palavras-chave: Ficheiros associados: 1. Objetivo Geral. 2. Metas Específicas. 3. Comenta rios. 4. Material AL 2.2. VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO SOM Ficha do professor AL 2.2. VELOCIDADE DE PROPAGAÇÃO DO SOM Autora: Fernanda Neri TI-Nspire Palavras-chave: Velocidade do som; onda mecânica; onda longitudinal Ficheiros associados: Velocidade do som_atividade_aluno;

Leia mais

Rebites II. Processos de rebitagem

Rebites II. Processos de rebitagem A UU L AL A Rebites II Você já tem uma noção do que é rebite e de como ele deve ser especificado de acordo com o trabalho a ser feito. Mas como você vai proceder, na prática, para fixar duas peças entre

Leia mais

Estudo Dirigido. 1) Preencha a tabela com o sucessor e o antecessor dos números naturais a seguir: Números Naturais Sucessor Antecessor

Estudo Dirigido. 1) Preencha a tabela com o sucessor e o antecessor dos números naturais a seguir: Números Naturais Sucessor Antecessor Estudante: 6º Ano/Turma: Educador: Lilian Nunes C. Curricular: Matemática Estudo Dirigido 1º Trimestre Números naturais e sistema de numeração. 1) Preencha a tabela com o sucessor e o antecessor dos números

Leia mais

MATEMÁTICA PROF. JOSÉ LUÍS FRAÇÕES

MATEMÁTICA PROF. JOSÉ LUÍS FRAÇÕES FRAÇÕES I- INTRODUÇÃO O símbolo a / b significa a : b, sendo a e b números naturais e b diferente de zero. Chamamos: a / b de fração; a de numerador; b de denominador. Se a é múltiplo de b, então a / b

Leia mais

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico

Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Leitura e Interpretação de Desenho Técnico Mecânico Módulo IV Aula 03 Conjuntos O desenho de conjunto representa um grupo de peças montadas tais como: dispositivos, ferramentas, máquinas, motores, equipamentos

Leia mais

NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES

NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE INSTITUTO DE EDUCAÇÃO DE ANGRA DOS REIS DISCIPLINA: MATEMÁTICA CONTEÚDO E MÉTODO Período: 2016.2 NÚMEROS RACIONAIS OPERAÇÕES Prof. Adriano Vargas Freitas Noção de número

Leia mais

Rua do Manifesto, Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11)

Rua do Manifesto, Ipiranga - São Paulo Fone: +55 (11) 305 Pinos Calibrados de Precisão em Jogos Série 4000 0,011-1,000" Pinos calibrados de precisão são usados para determinar diâmetro de pequenos furos, para verificar rasgos e determinar distâncias entre

Leia mais

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se

Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se Critérios de divisibilidade Para alguns números como o dois, o três, o cinco e outros, existem regras que permitem verificar a divisibilidade sem se efetuar a divisão. Essas regras são chamadas de critérios

Leia mais

ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D

ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D PRINCÍPIOS DE AUTOMAÇÃO INDUSTRIAL ENTRADAS ANALÓGICAS CONVERSOR A/D Prof. Valmir PAI 2014.1 1 Sinais Analógicos O CLP: ENTRADAS E SAÍDAS Um valor analógico é continuo, não discreto, como visto na figura.

Leia mais

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro

Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro UNIVERSIDADE FEDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE CIÊNCIAS INTEGRADAS DO PONTAL Medidas de Grandezas Fundamentais - Teoria do Erro Objetivo As práticas que serão trabalhadas nesta aula têm os objetivos de

Leia mais

TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS

TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS TUTORIAL DE OPERAÇÕES BÁSICAS MULTIPLICAÇÃO POR E SEUS MÚLTIPLOS Para multiplicar multiplicar por, 0, 00,... basta deslocar a vírgula para a direita tantas casas quantos forem os zeros.,6,6 (desloca a

Leia mais

Rugosímetro Portátil RUGOSÍMETRO PORTÁTIL. 2 PARÂMETROS DE MEDIÇÃO: Ra e Rz. PARA MEDIÇÕES EXTERNAS DE PEÇAS PLANAS E CILÍNDRICAS (A PARTIR DE Ø10mm)

Rugosímetro Portátil RUGOSÍMETRO PORTÁTIL. 2 PARÂMETROS DE MEDIÇÃO: Ra e Rz. PARA MEDIÇÕES EXTERNAS DE PEÇAS PLANAS E CILÍNDRICAS (A PARTIR DE Ø10mm) 2 PARÂMETROS DE MEDIÇÃO: Ra e Rz PARA MEDIÇÕES EXTERNAS DE PEÇAS PLANAS E CILÍNDRICAS (A PARTIR DE mm) 400.160 Usado para medição de rugosidade de superfícies metálicas e não metálicas, com sensor motorizado

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO. PORTARIA N.º DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA N.º 1.896 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2013 (DOU de 11/12/2013 Seção I Pág. 153) Altera a Norma Regulamentadora n.º 31. O MINISTRO DE ESTADO DO TRABALHO

Leia mais

MATEMÁTICA 5º ANO UNIDADE 1. 1 NÚMEROS, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Sistema de numeração Operações com números grandes

MATEMÁTICA 5º ANO UNIDADE 1. 1 NÚMEROS, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Sistema de numeração Operações com números grandes MATEMÁTICA 5º ANO UNIDADE 1 CAPÍTULOS 1 NÚMEROS, PROBLEMAS E SOLUÇÕES Sistema de numeração Operações com números grandes 2 IMAGENS E FORMAS Ângulos Ponto, retas e planos Polígono Diferenciar o significado

Leia mais

24 Controle trigonométrico

24 Controle trigonométrico A U A UL LA Controle trigonométrico Um problema Certos tipos de peças, devido à sua forma, não podem ser medidos diretamente. Essas medições exigem auxílio de peças complementares e controle trigonométrico,

Leia mais