INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO"

Transcrição

1 INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO 01. RECEPÇÃO O milho transgenico será recebido nas seguintes unidades: L O C A L F O N E Carambeí / Tibagi II Imbaú Ponta Grossa II Imbituva Teixeira Soares O milho convencional será recebido nas seguintes unidades: L O C A L F O N E Tibagi I Ponta Grossa I Umidade máxima de recebimento: Milho 25% No início da safra será admitido produto com maior % de umidade. A Gerência Operacional estipulará o (%) de umidade máxima admissível para a semana, toda segunda feira. O associado, antes de iniciar a colheita deve colher uma amostra representativa do talhão e solicitar na recepção da unidade, teste de umidade. Cargas com (%) de umidade acima do índice estipulado para a semana poderão ter seu recebimento recusado.

2 O associado deve consultar pelos telefones acima indicados para esclarecimentos de dúvidas e para saber do percentual máximo de umidade para a semana. Embalagem: Milho - será recebida exclusivamente a granel. Não será recebido produto tratado com fungicidas, inoculantes, mistura de safras anteriores, cargas com diferentes teores de umidade, com aspectos de mofo, fermentado, com odor estranho, enfim, aspectos que podem prejudicar ou contaminar o produto armazenado a granel nos silos e graneleiros. 02. AMOSTRAGEM Para efeito de amostragem, deverá ser coletado um mínimo de 03 kg de material, conforme abaixo: Amostragem do produto a granel. Da carga a granel, serão coletadas porções em veículos truck em 05 pontos, carreta simples em 06 pontos e bitrem em 08 pontos aleatórios, devendo a sonda penetrar até o fundo da carroceria. Se surgirem dúvidas quanto à homogeneidade da carga, ou quando a carga for mais alta que o comprimento da sonda, deverá ser retirada uma contra amostra durante o processo de descarga do veículo. Retirada de contra amostra em cargas a granel. Deverão ser coletadas amostras em diversos pontos durante o processo de descarga, com intervalos regulares proporcionais ao volume descarregado, ou seja, a cada 500 kg descarregados, retirar-se-á uma porção. Nas descargas de veículos com carrocerias basculantes, deve-se solicitar ao motorista bascular lentamente, obtendo-se assim o tempo suficiente para coletar diversas amostras da carga. Deve-se retirar no mínimo 500 gramas por tonelada de grãos descarregados. As amostras retiradas durante o processo de descarga prevalecerão sobre as retiradas na recepção (Balança).

3 As porções coletadas deverão ser homogeneizadas formando uma amostra inicial e desta será destacado 01 kg que ficará arquivado durante 07 dias para eventual reclassificação. É facultado ao produtor assistir a reclassificação da amostra sendo que os prazos para reclamações quanto à análise da impureza e umidade do produto são: UMIDADE Três dias IMPUREZAS Sete dias As amostras deverão ser numeradas conforme o número do controle de movimentação na recepção (senha), que deverá permanecer na Balança. 03. DETERMINAÇÃO DO PERCENTUAL DE IMPUREZAS. Será efetuada em uma amostra de 500 gramas retiradas da amostra inicial já homogeneizada e será processada pela máquina de impureza ou peneiras manuais com medidas de: 3,0 mm de furação redonda. Superficialmente, procede-se a catação manual de outras impurezas, tais como: paus, pedras, terras, palhas, grãos germinados e pedaços de sabugo e plantas. As somas dos pesos das impurezas obtidas pela peneira e a catação manual, indicarão o percentual a ser deduzido a título de impureza do peso bruto registrado na entrada. 04. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE. A umidade deverá ser determinada na amostra isenta de impurezas, e registrado o percentual real da leitura, ou seja, sem arredondamento. (Ex. 12.7%) A quebra técnica por excesso de umidade obedecerá à tabela em vigência e deverá ser aplicada sobre o peso que resultar após os descontos das impurezas.

4 A tabela de quebra técnica por excesso de umidade foi elaborada com base na perda de água, por ocasião da secagem. 05. DETERMINAÇÃO DO MILHO QUEBRADO a) O milho colhido com alta umidade e com colhetadeira apresenta grãos trincados que terminam de quebrar no processo de secagem, provocando incidência de milho quebrado no produto seco. Esse milho quebrado é retirado nas pós-limpezas, obtendo-se um produto final de boa qualidade e em boas condições de armazenagem. b) A quirera apurada na RECEPÇÃO, que vaza na peneira 5,0 mm, de furação redonda, e que exceda a 3,0%, na proporção de 1,0 para 1,0 será somada ao percentual de quirera determinada pela tabela em função da quebra pelo processo de secagem. O setor classificação deverá anotar no campo quirera excedente o índice total apurado. 06. GRÃOS DANIFICADOS E OUTROS. Além do desconto das impurezas, umidade e milho quebrado, o milho poderá ter desconto em função da qualidade: a) Classificação por tipo/padrão. Da amostra limpa, deverão ser determinados os percentuais de grãos com defeitos: ardidos, brotados, fermentados, mofados, chochos, danificados, quebrados, etc., que deverão ser anotados no campo "observações" da NFEC. Os defeitos descritos determinarão o tipo/padrão do milho: TIPO MÁXIMO DE ARDIDOS + FERMENTADOS + BROTADOS MÁXIMO DE AVARIADOS 1 Até 6% Até 11% 2 Acima 6% Até 18% AP Acima de 10% Acima de 27%

5 b) O produto "AP" será recebido, em separado, quando houver condições de recepção e sofrerá descontos conforme tabela abaixo, por excesso de ardidos + brotados + fermentados (A e B) e total de avariados (A H), que deverão ser anotados nos campos específicos da NFEC, e será aplicada sobre o peso que resultar após os descontos de impurezas, umidade e grãos quebrados: ARDIDOS + BROTADOS + FERMENTADOS PERCENTUAL DE DESCONTO TOTAL DE AVARIADOS PERCENTUAL DE DESCONTO até 10,0 % Isento até 27,00 % Isento 10,01 á 13,00 % 0,30 27,01 á 30,00 % 0,30 13,10 á 16,00 % 0,60 30,01 á 33,00 % 0,60 16,01 á 19,00 % 0,90 33,01 á 36,00 % 0,90 19,01 á 22,00 % 1,20 36,01 á 39,00 % 1,20 22,01 á 25,00 % 1,50 39,01 á 42,00 % 1,50 25,01 á 28,00 % 1,80 42,01 á 45,00 % 1,80 28,01 á 31,00 % 2,10 45,01 á 48,00 % 2,10 31,01 á 34,00 % 2,40 48,01 á 51,00 % 2,40 34,01 á 37,00 % 2,70 51,01 á 54,00 % 2,70 37,01 á 40,00 % 3,10 54,01 á 100,00 % 2,70 Acima de 40,01 % 3,10 c) Para um melhor acompanhamento dos índices de grãos ardidos, brotados e fermentados na recepção do milho industrial, deverá ser efetuada a seguinte classificação: Tipo 1 = Até 6,0% (Soma de grãos ardidos + brotados + fermentados). Tipo 2 = Acima de 6,0% (Soma de grãos ardidos + brotados + fermentados). Esta classificação deverá ser lançada no campo especifico criado no sistema.

6 d) PROCEDIMENTO PARA ANÁLISE DA PRESENÇA DE PRODUTO TRANSGÊNICO. Após a coleta da amostra e determinação de impurezas, umidade e avariados, separa-se parte da amostra para o teste de transgênico que deve ser feito carga a carga. ANÁLISE: Homogeneizar a amostra, e separar as 160 gramas para o teste, Em um triturador especifico e higienizado, triturar durante 20 a 40 segundos, Adicionar nesta amostra, 200 ml de água e agitar para que ocorra a mistura, Com a pipeta própria, transferir 0,5 ml desta mistura para o tubo plástico, Neste tubo colocam-se as fitas com as flechas indicadoras existentes para baixo, aguardando de 3 a 5 minutos para obter o resultado, POSITIVO: Presença de duas linhas vermelhas na fita. NEGATIVO: Presença de uma linha vermelha na fita. Quando da obtenção do resultado, encaminha o veiculo com teste negativo para o local de descarga e quando positivo, repete-se o mesmo procedimento acima citado em cada veiculo, prevalecendo o segundo resultado e posteriormente destina o veiculo para os respectivos locais de descarga. Após cada analise, para evitar contaminação, deve-se efetuar a lavagem dos equipamentos utilizados na analise (triturador), para a próxima analise. O procedimento terá um custo de R$ 3,83 por tonelada.

7 08. CUSTOS OPERACIONAIS E OUTROS. Custos de Recepção, Secagem e Expedição: Serão calculados em função do percentual de umidade na entrada do produto, aplicando-se a tabela em vigência. Os custos serão calculados e contabilizados no último dia do mês de referência. Custos de armazenagem fixa e variável. O custo de armazenagem fixa a R$ 6,09 por tonelada será calculado sobre o peso liquido de entrada do produto e contabilizada no ultimo dia do mês correspondente. Os custos de armazenagem variável a R$ 0,21 por tonelada por dia serão calculados sobre o estoque físico existente no dia, e contabilizados no último dia do mês correspondente. Quebra de armazenagem. Será calculada a quebra de armazenagem a razão de 0,01% por dia. A quebra de armazenagem será calculada sobre o estoque físico existente no dia, e deduzido do mesmo naquelas datas. Custos de Transportes. A Cooperativa providenciará o transporte do produto vendido dos seus armazéns até o comprador, caso o frete seja de responsabilidade do vendedor, sendo este considerado nos custos operacionais do produto. Demais taxas. As demais taxas e retenções sob forma de capital, custos administrativos e fundos, serão calculados e descontados do valor da venda. 07. COMERCIALIZAÇÃO Todo produto entregue na Cooperativa, será comercializado na modalidade de preço autorizado, ou seja, o produtor autorizará a comercialização de sua produção, no todo ou em partes, quando o preço de mercado lhe convier. O milho quebrado apurado na recepção será considerado como produto normal como os demais, porem quanto à comercialização será feita sem a prévia autorização do cooperado, em função da qualidade.

8 O cooperado deverá assinar uma carta de autorização de comercialização, indicando o preço desejado e a quantidade a ser comercializada, no Departamento Comercial ou nos Entrepostos. A carta de autorização terá validade de 30 dias, após os quais será cancelado automaticamente. O associado, no entanto poderá retirar a autorização de venda antes do prazo previsto. Uma vez assinada à carta, o cooperado não poderá retirá-la caso o lote esteja sendo ofertado ou vendido. O Departamento Comercial manterá informado o preço de mercado e as oportunidades de negociar, fixando o preço e condições no monitor (vídeo) instalado no escritório (recepção), e em quadros negro nos entrepostos e nas reuniões semanais de comercialização. No vencimento da parcela de financiamento de repasse ou de custeio, é facultado a Cooperativa liquidar ao preço do dia, parte da produção do cooperado, suficiente para cobrir a parcela a ser amortizada e seus encargos. A Cooperativa poderá comercializar parte da produção do cooperado, mediante comunicação prévia, para liquidar débitos vencidos do mesmo. Em caso de venda antecipada, o produtor deverá efetuar a entrega de acordo com os dados especificados no contrato, ou seja, local de entrega, quantidade, qualidade do produto e prazo previsto. Ao produtor será creditado o valor da comercialização na mesma data e condição que a Cooperativa efetuar a venda. 08. PAGAMENTO Por ocasião de crédito por adiantamento, EGF, AGF ou venda, serão descontados os débitos vencidos na Cooperativa. Quando o produto foi dado em penhor de safra, o pagamento, até o valor do custeio, será efetuado com cheque cruzado à entidade creditícia respectiva.

9 A Cooperativa poderá adiantar ao cooperado o preço mínimo do governo se houver possibilidade de contratar EGF, após o beneficiamento e classificação oficial do produto depositado, sendo as despesas com classificação e amostragem, debitadas em conta corrente do cooperado. A Cooperativa repassará o EGF nas mesmas condições em que obtiver o seu empréstimo. Os preços de EGF ou AGF para a safra 15/16 variam em função da qualidade que será determinada pelo órgão oficial de classificação. 09. SOBRAS TÉCNICAS. As entregas A.N.F. não participarão do rateio das sobras técnicas. 10. A.N.F. - ARMAZENAGEM A NÍVEL DE FAZENDA. Entende-se por A.N.F. todo produto procedente de silos ou armazéns da propriedade do produtor e que segue diretamente para a indústria, sem passar por descargas e / ou processo de padronização na Cooperativa. O cooperado deve ter venda registrada a entregar. O Departamento Comercial poderá solicitar, antes da venda, uma coleta de amostra na fazenda, por um funcionário da Cooperativa, para verificar a qualidade do produto a ser comercializado. A entrega deverá ser efetuada diretamente pelo produtor no local e dentro do prazo estabelecido no contrato de compra e venda fechado pela Cooperativa com o comprador, quando o frete for por conta do vendedor. O produto deve satisfazer as condições de qualidade constante do contrato de compra. Qualquer desconto de qualidade aplicada pelo comprador, caso ocorra, será repassado ao cooperado. A entrega nessa modalidade deverá ser previamente combinada com o Departamento Comercial.

10 Toda a entrega ANF passará pelo Entreposto mais próximo onde se fará a classificação e troca de nota fiscal e os controles necessários. Sendo a Fábrica de Rações da Cooperativa o adquirente, deverá passar pela unidade de Carambeí. A entrega ANF terá custos de recepção e expedição reduzidas conforme abaixo: A.N.F. R$ 8,88 por tonelada. Sendo a Fábrica de Rações o adquirente e não sendo a carga aprovada como ANF, em função de qualidade, deverá ser consultado o produtor, se descarrega a carga na Cooperativa (A.N. B) com aplicação da tabela de descontos e tarifas em vigor ou devolve para a fazenda. A Cooperativa não assumirá qualquer responsabilidade em relação a produtos armazenados a nível de fazenda, podendo, no entanto prestar orientação técnica quando solicitado. Todo milho com venda para exportação não será recebido como ANF, somente na modalidade ANB. 12. DISPOSIÇÕES FINAIS O cooperado que secar o milho na propriedade (A.N.F.) deve passar o produto nas pós-limpezas (peneira 5,0mm redonda) retirando a quirera, permitindo assim a obtenção de um produto limpo, e efetuar tratamento com inseticida especifico, para uma boa armazenagem e dentro dos padrões de comercialização. A recepção deverá preencher nos campos próprios da NFEC, todas as informações sobre o produtor e o produto, como: município de produção, peso, entreposto, umidade, impureza, número de sacos, uso, ardidos, fermentados, brotados, esverdeados, mofados, quebrados, avariados, etc. Toda carga entregue na Cooperativa deverá vir acompanhada de 04 vias da NFEC, sendo que ao transportador será devolvida 3ª via.

11 O produtor que desejar retirar o milho quebrado, para consumo próprio, deverá comunicar o Departamento Comercial para liberação do lote e efetuar a retirada até 15 (quinze) dias a partir da data da entrada. Quando da emissão da NFEC (Nota Fiscal de Entrega na Cooperativa) emitida pelo produtor, que acompanha cada carga, se o mesmo tiver interesse em controlar sua produtividade por talhão, deverá anotar o número do talhão ao lado do nome da propriedade ou em campo específico da NFEC se tiver. Desta forma quando solicitado à posição de entrega carga a carga, na mesma irá constar a letra "T" com número do talhão da respectiva área. Em toda carga de Milho Convencional deverá ser efetuado os testes de trangenia com as devidas fitas e o teste de iodo para detectar a presença de grãos de Milho Waxi, na qual sendo positivo deverá ser condenado e descarregado junto com milho trangenico. No período da colheita ANB (A Nível de Batavo) e remessa de produtos para as Indústrias, ANF (A Nível de Fazenda), em todas as NFEC (Nota Fiscal de Entrega na Cooperativa), emitidas pelos produtores e que acompanham todas as cargas, deverão obrigatoriamente ser destacada no corpo da mesma a VARIEDADE DO MILHO que está sendo enviado para a Cooperativa e ou Indústria. Tal procedimento fará com que tenhamos um controle rigoroso sobre o comportamento de cada variedade a nível de campo. Casos omissos serão resolvidos pela Diretoria. Observações: - Esta Instrução anula as anteriores referentes ao mesmo assunto. - Nenhuma alteração poderá ser efetuada sem a emissão de outra de Instrução Interna. Data: 01/01/16 Assinatura: Visto: Emitida por: Depto. Operacional

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO TERCEIROS A soja transgênica será recebida nas seguintes unidades,

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 1 INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO A soja será recebida nas seguintes unidades: LOCAL CONSUMO SEMENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY. O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade:

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY. O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade: INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY 01. RECEPÇÃO O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade: L O C A L F O N E Ponta Grossa - I 3219-7050

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

Instrução Interna Nr. 09/2015

Instrução Interna Nr. 09/2015 Instrução Interna Nr. 09/2015 De : Diretoria Para : Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 01 - RECEPÇÃO: AVEIA INDUSTRIAL - PRETA A aveia será recebida nas seguintes unidades:

Leia mais

Circular Especial de Safra 2015/2016

Circular Especial de Safra 2015/2016 ESPECIAL DE SAFRA * PUBLICAÇÃO SEMESTRAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 01.02.2016 Circular Especial de Safra 2015/2016 1. LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS, SEGREGAÇÃO E HORÁRIOS: UNIDADES DE RECEBIMENTO

Leia mais

A cevada será recebida exclusivamente à granel.

A cevada será recebida exclusivamente à granel. I Instrução Interna Nr. 10/2015 DE :Diretoria PARA :Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 CEVADA CERVEJEIRA 01 - RECEPÇÃO: A cevada será recebida na seguinte unidade: L O C

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013. Para azevém respeitar rotação de 2 anos quando utilizar cultivares diferentes.

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013. Para azevém respeitar rotação de 2 anos quando utilizar cultivares diferentes. INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013 De: Diretoria Para: Todos os Setores REF. NORMAS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES BATAVO 1. INSCRIÇÃO DOS CAMPOS DE SEMENTES A inscrição dos campos de sementes será realizada pelo

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 442 Data: 17/08/2015 Referência: Abril 2015 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Janeiro, 28-2013 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto

Leia mais

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA DE CAFÉ BENEFICIADO N 012/2017

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA DE CAFÉ BENEFICIADO N 012/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - DIRAB SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - SUOPE GERÊNCIA

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL 1. Objetivo: a presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem, marcação e

Leia mais

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007 1 de 26 Índice: 1 DO OBJETIVO...2 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO...2 3 DAS DEFINIÇÕES...2 3.1 DAS SIGLAS...2 3.2 DA FINALIDADE DO SECLAC...2 3.3 DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC...2 3.4 DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA MILHO EM GRÃOS N 033/2017

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA MILHO EM GRÃOS N 033/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - DIRAB SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - SUOPE GERÊNCIA

Leia mais

1. O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO QUEM PODE PARTICIPAR? QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS VANTAGENS DA CREDI NESTLÉ?...3

1. O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO QUEM PODE PARTICIPAR? QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS VANTAGENS DA CREDI NESTLÉ?...3 SUMÁRIO 1. O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO...3 2. QUEM PODE PARTICIPAR?...3 3. QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS VANTAGENS DA CREDI NESTLÉ?...3 4. O QUE É CAPITAL INTEGRALIZADO?...3 5. QUEM TEM DIREITO AO EMPRÉSTIMO?...3

Leia mais

A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO

A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO, Há 47 anos prestando serviços aos colaboradores da Nestlé e Coligadas O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO É uma Instituição Financeira sem fins lucrativos, legalmente

Leia mais

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução...

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução... Processo de Devolução Drogacenter ÍNDICE Devolução no ato da entrega...2 Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2 Procedimentos para coleta da devolução...3 Recebimento da mercadoria...3

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 389

CARTA CIRCULAR Nº 389 Às Instituições Financeiras CARTA CIRCULAR Nº 389 Em conformidade com a Circular nº 492, de 07.01.80, comunicamos que, a partir desta data, as seções 16 12 1, 16 13 2, 16 13 3, 16 13 4, 16 13 5, 16 13

Leia mais

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso Marcelo Alvares de Oliveira 1, Irineu Lorini 2 47 1 Embrapa Soja, Caixa Postal 231, 86001-970

Leia mais

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR VENDEDOR A entrega da mercadoria correspondente aos contratos adquiridos poderá ser realizada em até 15 dias corridos e contados da data do respectivo vencimento, devendo ser comprovada mediante a apresentação

Leia mais

Por Percentual Fixo = preço de venda X (percentual de comissão para empresa)

Por Percentual Fixo = preço de venda X (percentual de comissão para empresa) 1 VENDAS DIRETAS É comum varejistas no seguimento de materiais de construção realizarem vendas com participação do fornecedor. Essas vendas são realizadas pela loja, no entanto a responsabilidade de entrega

Leia mais

Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Campus São Paulo

Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Campus São Paulo Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Solicitamos especial atenção aos prazos e condições definidos para entrega de pedidos de aquisição de bens e contratações de

Leia mais

Fluxo operacional COOPHEMG / BANCO UAI. Libera vale caixas

Fluxo operacional COOPHEMG / BANCO UAI. Libera vale caixas COOPHEMG / BANCO UAI Deposita caixas Banco Uai Libera vale caixas Inicialmente a irá efetuar o depósito de suas caixas no Banco UAI para receber os vales caixas correspondentes e dar inicio ao processo.

Leia mais

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Larissa Fatarelli Bento 1, Maria Aparecida Braga Caneppele 2, Dayse Félix do Nascimento 3, Aline Lehmkuhl 1, Carlos Caneppele 2 64 1

Leia mais

AVISO DE VENDA DE FARINHA DE MANDIOCA Nº 208/2016

AVISO DE VENDA DE FARINHA DE MANDIOCA Nº 208/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA) COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (CONAB) DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO (DIRAB) SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS (SUOPE) GERÊNCIA

Leia mais

7 - Efetuei o pagamento de uma parcela em duplicidade. Como devo proceder?

7 - Efetuei o pagamento de uma parcela em duplicidade. Como devo proceder? 1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor? Para saber o saldo devedor do contrato de financiamento, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Regiões Metropolitanas:

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

REGISTO NORMALIZADO (PS2/3) Versão 2.3

REGISTO NORMALIZADO (PS2/3) Versão 2.3 REGISTO NORMALIZADO (PS2/3) Versão 2.3 Para que uma Empresa possa proceder de forma simples e em segurança a Pagamentos de Ordenados e a Fornecedores, ou a Recebimentos, poderá utilizar a funcionalidade

Leia mais

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL

PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 - BR - Procedimento de Reclamação - Cliente Página 2 de 8 PROCESSO DE RECLAMAÇÃO AGC VIDROS DO BRASIL Guaratinguetá, SP Número do documento: 16 BP VC 003 - R00 -

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 446 Data: 06/05/016 Referência: Abril 016 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os

Leia mais

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial:

1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 1) Os valores a seguir foram extraídos dos registros contábeis de uma empresa industrial: 2) Uma indústria apresentou, no mês de fevereiro de 2013, os seguintes custos de produção: 3) Uma sociedade empresária

Leia mais

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado.

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 644 DE 11 DE SETEMBRO DE 1975 O Ministro de Estado da Agricultura, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39,

Leia mais

POLÍTICA DE DEVOLUÇÃO E TROCA DE PRODUTOS

POLÍTICA DE DEVOLUÇÃO E TROCA DE PRODUTOS Página 1 de 5 CONTROLE DE REVISÕES REV DATA DESCRIÇÃO 00 13/01/03 Emissão inicial 01 08/07/11 Revisão Geral 02 07/03/14 Revisão Geral Alteração da data prazo de devoluções 03 26/03/14 Exclusão da citação

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO FACULDADE DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE DEPARTAMENTO DE CONTABILIDADE E ATUÁRIA CURSO: ADMINISTRAÇÃO DISCIPLINA: EAC0111 NOÇÕES DE CONTABILIDADE PARA ADMINISTRADORES

Leia mais

(17) Softwares e equipamentos p/ automação comercial de pequenas e micro empresas maio de 2012

(17) Softwares e equipamentos p/ automação comercial de pequenas e micro empresas maio de 2012 (17) 3237-1146 9722-5456 9764-6044 MSN: flaviofordelone@hotmail.com SKYPE: flaviofordelone Site: www.fnetwork.com.br e-mail: sistemas@fnetwork.com.br www.fnetwork.com.br Softwares e equipamentos p/ automação

Leia mais

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES

ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES ORIENTAÇÃO TÉCNICA 23 de julho de 2015 FERTILIZANTES Para que os agricultores saibam como evitar o recebimento de fertilizantes adulterados, a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Estado de Mato

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. a partir de. 11/jan

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL. a partir de. 11/jan UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL 2016 a partir de 11/jan UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO PROGRAMA DE FOMENTO À EXTENSÃO EDIÇÃO 2016 A PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕ E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕ COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

Classificação física do milho pipoca

Classificação física do milho pipoca 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 8 Método de ensaio para classificação física de MILHO PIPOCA que tem como objetivo definir sua Identidade e Qualidade para fins de enquadramento em Classe e Tipo, conforme

Leia mais

Sistemática Convencional x Check List

Sistemática Convencional x Check List 1) Analisa a operação Atualização Crédito Aprovado Proposta contendo as condições de Financiamento: Dados do comprador (CNPJ, endereço, local de instalação,cnae, etc...); CNAE Solicitação de Carta de Finalidade,

Leia mais

Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ

Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ O Consórcio Fiat tem satisfação em participar da realização do seu projeto. Agora que você foi contemplado, siga as instruções abaixo para concluir o processo de aquisição

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Versão 01 - Página 1/24 PROCESSO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP- GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Objetivo estratégico:

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DE ENTRADA DE NOTAS FISCAIS VIA B2B ONLINE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DE ENTRADA DE NOTAS FISCAIS VIA B2B ONLINE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO MÓDULO DE ENTRADA DE NOTAS FISCAIS VIA B2B ONLINE Versão 2.0 01/2006 ÍNDICE 1. Objetivo...3 2. Como acessar o Sistema...3 3. Cadastro de Notas...4 3.1. A digitação da Nota Fiscal

Leia mais

GUIA COMPLETO PARA COMPRAR EM LEILÕES

GUIA COMPLETO PARA COMPRAR EM LEILÕES GUIA COMPLETO PARA COMPRAR EM LEILÕES Bessa LEILÕES 1 Índice 04 O que é um leilão? 05 Quais as modalidades de um leilão? 06 Qual a origem dos bens leiloados? 07 Como funciona e como participar de um leilão?

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU)

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) I INFORMAÇÕES INICIAIS 1.1- SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S.A. 1.2- SITE DA SOCIEDADE: www.telesena.com.br

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL - INMETRO Portaria INMETRO nº 154 de 16 de Agosto de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Registros Presencial: 02-dias (certidão) e 15 dias (carteirinha ou certificado). Certidões Imediata Alteração contratual 05 dias úteis Cancelamento de Registro

Leia mais

LEI MUNICIPAL N de 15 de julho de 2014

LEI MUNICIPAL N de 15 de julho de 2014 LEI MUNICIPAL N 4.962 de 15 de julho de 2014 Autoriza o município a efetuar repasse de recursos oriundos do passe livre estudantil às associações que tiverem alunos beneficiários e diretamente aos alunos

Leia mais

POLÍTICA DE FINANCIAMENTO DE AUTOMÓVEIS

POLÍTICA DE FINANCIAMENTO DE AUTOMÓVEIS POLÍTICA DE FINANCIAMENTO DE AUTOMÓVEIS Esta Política reúne os critérios e procedimentos referentes ao Financiamento de Automóveis. OBJETIVO Definir os critérios e regulamentar os procedimentos a serem

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul

PODER JUDICIÁRIO FEDERAL Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul 1. Relação de ocorrências diárias ACORDO DE NÍVEL DE SERVIÇOS - ANS ANEXO III DO PREGÃO 40/2012 1.1 Os serviços objeto do Termo de Referência Anexo I serão constantemente avaliados pelos representantes

Leia mais

PRODUTO RECEBIMENTOS

PRODUTO RECEBIMENTOS PRODUTO RECEBIMENTOS CNAB 400 POSIÇÕES SANTANDER BANESPA (033-7) Versão 2.0 Outubro/2009 ÍNDICE Introdução...02 Condições para troca de informações...03 Informações adicionais...04 Especificações técnicas...05

Leia mais

Rodrigo Vides Cunha AOI/DEMAQ

Rodrigo Vides Cunha AOI/DEMAQ Área de Operações Indiretas Departamento de Credenciamento e Financiamento a Máquinas e Equipamentos Apresentação ABIMAQ - Credenciamento Rodrigo Vides Cunha AOI/DEMAQ Atividades das Gerências de Credenciamento

Leia mais

Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista

Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista Programa de Estímulo à Cidadania Fiscal do Estado de São Paulo Projeto Nota Fiscal Paulista 14/08/07 OBJETIVO Incentivar os adquirentes de mercadorias, bens e serviços de transporte interestadual e intermunicipal

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade

Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade Orientações aos SGP`s para o acompanhamento da frequência dos empregados da Unidade Tendo em vista a implantação do controle alternativo de frequência com registro eletrônico, desde novembro de 2015, bem

Leia mais

Índice CENTRAL DE CLIENTE... 3 Inicial... 4 Cadatro NOVO... 5 Ferramentas da Central de Clientes... 6 Parceiro GAZIN... 7 Consulta a Notas Fiscais...

Índice CENTRAL DE CLIENTE... 3 Inicial... 4 Cadatro NOVO... 5 Ferramentas da Central de Clientes... 6 Parceiro GAZIN... 7 Consulta a Notas Fiscais... Índice CENTRAL DE CLIENTE... 3 Inicial... 4 Cadatro NOVO... 5 Ferramentas da Central de Clientes... 6 Parceiro GAZIN... 7 Consulta a Notas Fiscais... 9 Relação de Notas Fiscais do Período... 10 Consulta

Leia mais

VENDAS FORA DO ESTABELECIMENTO

VENDAS FORA DO ESTABELECIMENTO atualizado em 01/03/2016 alterados os itens 2, 3, 4.1.1, 4.1.2, 4.2, 4.3 e Legislação Consultada 2 ÍNDICE 1. CONCEITO...5 2. FASES...5 3. CONTRIBUINTE DE OUTRO ESTADO...5 4. CONTRIBUINTE DESTE ESTADO...6

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL

RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL a) Considerando a necessidade da União dos Escoteiros do Brasil ter uma Política Comercial

Leia mais

SISTEMA CORPORATIVO DE GESTÃO CÁLCULO DE COMISSÕES/INCENTIVOS ÀS VENDAS A&B

SISTEMA CORPORATIVO DE GESTÃO CÁLCULO DE COMISSÕES/INCENTIVOS ÀS VENDAS A&B 1. OBJETIVO SISTEMA CORPORATIVO DE GESTÃO 1 de 7 Definir padronização nos cálculos e controle das comissões e incentivos às vendas oferecidas pelo Grupo Prive ao A&B nas vendas de produtos existentes nos

Leia mais

Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA

Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA Procedimentos para a prestação de contas junto ao FUMPROARTE PESSOA FÍSICA 1 Instrução Normativa 004/2014 A prestação de contas de cada projeto acontecerá conforme o estabelecido na INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Contratação de serviços gráficos

Contratação de serviços gráficos Projeto básico Contratação de serviços gráficos Secretaria de Comunicação Social Brasília Agosto de 2008 1. OBJETO DA PROPOSTA MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL Contratação de empresa especializada na prestação

Leia mais

24 a BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO

24 a BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO 24 a BIENAL INTERNACIONAL DO LIVRO DE SÃO PAULO Muita logística nessa hora Os Correios, maior empresa logística da América Latina, e responsáveis pela segunda maior operação logística de livros didáticos

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu

Leia mais

Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico

Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico UPU UNIÃO POS TAL UNIVERSA L Normas de qualidade de serviço para os serviços postais de pagamento eletrónico Berna 2014 Lis 2 Índice Página 1. Introdução 3 2. Campo de aplicação 3 3. Referências normativas

Leia mais

Guia de Implantação Bluesoft ERP Tesouraria Menu Rápido

Guia de Implantação Bluesoft ERP Tesouraria Menu Rápido Guia de Implantação Bluesoft ERP Tesouraria Menu Rápido O objetivo deste guia é fornecer um roteiro para a implantação módulo Menu Rápido do sistema Bluesoft ERP. O que é Tesouraria Menu Rápido? Tesouraria

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PROFESSOR: Salomão Dantas Soares TURMA: 4º CCN1

CONTABILIDADE DE CUSTOS PROFESSOR: Salomão Dantas Soares TURMA: 4º CCN1 Classificação de custos: custos diretos, custos fixos e variáveis. Separação entre custos e despesas Custos diretos e indiretos: Custos diretos São custos diretos aqueles relacionados diretamente com a

Leia mais

WEB Manual Administrativo

WEB Manual Administrativo WEB Manual Administrativo http://www.flickr.com/photos/70419528@n08/show Crediário WEB Manual Administrativo Outubro 2014 Sumário 1 PARA USUFRUIR DA GARANTIA... 3 1.1 SOLICITAR GARANTIA... 3 1.2 ACOMPANHAMENTO

Leia mais

TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO*

TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO* TERMO DE ADESÃO CARTÃO DE CRÉDITO BONSUCESSO* Nº da Proposta: Nº Regulamento: Local e Data: A - DADOS DO CLIENTE Data de Nascimento: Benefício/Matrícula: Convênio: Identidade: Data de Emissão: Órgão Emissor:

Leia mais

Manual. Sistema Venus 2.0. (Faturamento)

Manual. Sistema Venus 2.0. (Faturamento) Manual Do Sistema Venus 2.0 (Faturamento) 1 O Objetivo do módulo Faturamento é cadastrar pedidos de venda, fazer orçamentos, emitir notas fiscais, faturar e controlar pedidos de clientes, enfim toda a

Leia mais

HISTÓRICO DE REVISÕES

HISTÓRICO DE REVISÕES PÁGINA: 1/12 DIRETORIA DE ADMINISTRAÇÃO DIRAD ÁREAS SIEX/ QUALIDADE CÓDIGO DE CLASSIFICAÇÃO DO DOCUMENTO 010 TíTULO: ANALISAR PROCESSO PARA PAGAMENTO DE SERVIÇOS COM OU SEM RETENÇÃO DE IMPOSTO DE RENDA

Leia mais

PROCESSO SELETIVO 2010

PROCESSO SELETIVO 2010 SOCIEDADE TÉCNICA EDUCACIONAL DA LAPA PROCESSO SELETIVO 2010 MANUAL DO CANDIDATO FAÇA AQUI SUA HISTÓRIA LAPA-PR FAEL FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA PROCESSO SELETIVO 2010 Curso de Licenciatura em Pedagogia

Leia mais

ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE

ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE ENSAIO NÃO-DESTRUTIVO - LÍQUIDO PENETRANTE Procedimento CONTEC Comissão de Normas Técnicas Esta Norma substitui e cancela a sua revisão anterior. Indicação de item, tabela ou figura alterada em relação

Leia mais

EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESPETÁCULOS TEATRAIS 2º FELT FESTIVAL LIVRE DE TEATRO SANTO ANDRÉ SP 2017 REGULAMENTO

EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESPETÁCULOS TEATRAIS 2º FELT FESTIVAL LIVRE DE TEATRO SANTO ANDRÉ SP 2017 REGULAMENTO EDITAL PARA SELEÇÃO DE ESPETÁCULOS TEATRAIS 2º FELT FESTIVAL LIVRE DE TEATRO SANTO ANDRÉ SP 2017 REGULAMENTO 1. APRESENTAÇÃO 1.1. O Coletivo Livre de Teatro - Núcleo da Cooperativa Paulista de Teatro coletivo

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 138/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 138/2016 01. DO OBJETO: venda de 1.094.850 kg de café arábica em grãos, bebida dura, ensacado, no estado em que se encontra, em conformidade com os dados e detalhamento dos lotes constantes da Relação do Cadastro

Leia mais

Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA

Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA Anexo I - TERMO DE REFERÊNCIA AQUISIÇÃO DE PNEUS PARA USO NA FROTA DE VEÍCULOS PERTENCENTES À DE PRIMEIRO GRAU SEÇÃO JUDICIÁRIA DO ESPÍRITO SANTO I - Objeto Registro de preço para eventual aquisição de

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento 6 Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRAS e PAGAMENTO DE GASTOS DO SICOOB CREDIAUC

POLÍTICA DE COMPRAS e PAGAMENTO DE GASTOS DO SICOOB CREDIAUC POLÍTICA DE COMPRAS e PAGAMENTO DE GASTOS DO SICOOB CREDIAUC Aprovado em 28 de Janeiro de 2014 Atualizado em 30 de Janeiro de 2015 Atualizado em 30 de Julho de 2015 Atualizado em 30 de outubro de 2015

Leia mais

Concurso NossoCafé - Regulamento

Concurso NossoCafé - Regulamento Concurso NossoCafé - Regulamento ARTIGO 1 DOS OBJETIVOS Incentivar a produção de cafés de alta qualidade, adequados ao mercado de cafés especiais, obtidos pelo uso do Programa Nutricional da Yara. ARTIGO

Leia mais

GESTÃO DE TÍTULOS E TAXAS NÁUTICO

GESTÃO DE TÍTULOS E TAXAS NÁUTICO 1 / 6 1. OBJETIVO Estabelecer padronização para os processos desde o cadastro de títulos até a cobrança de cheques devolvidos bem como a transferência de titularidade, a fim de que todas as etapas do processo

Leia mais

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite.

Sicredi Cheque Especial. Periodicidade de pagamento. Juros mensalmente e principal a qualquer momento ou no vencimento do limite. Sicredi Cheque Especial Definição Limite de crédito Forma de Limite de crédito disponibilizado em conta corrente para utilização imediata pelo associado, quando e como desejar. do tomador e respectivo

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Materiais

CONTABILIDADE DE CUSTOS. Materiais CONTABILIDADE DE CUSTOS Materiais IMPORTÂNCIA DO ESTUDO Importância do estudo dos custos dos materiais se justifica: pela grande participação dos materiais no processo produtivo; Custos como base primordial

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II

CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II CONDIÇÕES GERAIS DO PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II I INFORMAÇÕES INICIAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S/A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PÉ QUENTE BRADESCO 1000 II PLANO PU 24/001 B1 - MODALIDADE:

Leia mais

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador." (NR)

c) o valor do crédito de custeio concedido na forma deste item é independente do limite estabelecido no item 5 por tomador. (NR) RESOLUCAO 3.986 Altera condições para contratação de operações de custeio, comercialização, Empréstimo do Governo Federal (EGF), Linha Especial de Crédito (LEC), e dos Programas do BNDES, Moderagro, Prodecoop

Leia mais

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard

SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão Passagem Bradesco ( CPB ), pessoa jurídica nas Bandeiras Visa e MasterCard SUMÁRIO EXECUTIVO Resumo do Regulamento da Utilização do Cartão

Leia mais

COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GEOPE N.º 214, DE 20/7/09. A : TODAS AS SUREGs, SUFIN E BOLSAS DE MERCADORIAS, SPA, CNB E ANBM.

COMUNICADO DIRAB/SUOPE/GEOPE N.º 214, DE 20/7/09. A : TODAS AS SUREGs, SUFIN E BOLSAS DE MERCADORIAS, SPA, CNB E ANBM. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre os procedimentos para a operacionalização do sistema de serviço de armazenamento, transporte, distribuição e seguro, com gestão

Leia mais

Prefeitura Municipal De Morro Redondo/RS. Manual Contribuinte Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e

Prefeitura Municipal De Morro Redondo/RS. Manual Contribuinte Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Prefeitura Municipal De Morro Redondo/RS Manual Contribuinte Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e Fly e-nota Importante: Antes de iniciar o manual cabe lembrar que em todos esses processos existe a

Leia mais

DOF Documento de Origem Florestal

DOF Documento de Origem Florestal DOF Documento de Origem Florestal Oficina de Treinamento e Avaliaçã ção DECLARAÇÃ ÇÃO INICIAL 1º) ) Consultar a regularidade da empresa perante o IBAMA Se a empresa estiver irregular apareçerá a mensagem

Leia mais

NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos

NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos Art. 1º - O Programa de Compras em Grupo, denominado ARMAZÉM

Leia mais

Liberação de Atualização

Liberação de Atualização Cordilheira Escrita Fiscal 2.174A Liberação de Atualização Criadas rotinas para possibilitar a parametrização da apuração automática do diferencial de alíquota, antecipação parcial do ICMS, e antecipação

Leia mais