INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO"

Transcrição

1 INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 01/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 MILHO CONVENCIONAL E MILHO TRANSGÊNICO 01. RECEPÇÃO O milho transgenico será recebido nas seguintes unidades: L O C A L F O N E Carambeí / Tibagi II Imbaú Ponta Grossa II Imbituva Teixeira Soares O milho convencional será recebido nas seguintes unidades: L O C A L F O N E Tibagi I Ponta Grossa I Umidade máxima de recebimento: Milho 25% No início da safra será admitido produto com maior % de umidade. A Gerência Operacional estipulará o (%) de umidade máxima admissível para a semana, toda segunda feira. O associado, antes de iniciar a colheita deve colher uma amostra representativa do talhão e solicitar na recepção da unidade, teste de umidade. Cargas com (%) de umidade acima do índice estipulado para a semana poderão ter seu recebimento recusado.

2 O associado deve consultar pelos telefones acima indicados para esclarecimentos de dúvidas e para saber do percentual máximo de umidade para a semana. Embalagem: Milho - será recebida exclusivamente a granel. Não será recebido produto tratado com fungicidas, inoculantes, mistura de safras anteriores, cargas com diferentes teores de umidade, com aspectos de mofo, fermentado, com odor estranho, enfim, aspectos que podem prejudicar ou contaminar o produto armazenado a granel nos silos e graneleiros. 02. AMOSTRAGEM Para efeito de amostragem, deverá ser coletado um mínimo de 03 kg de material, conforme abaixo: Amostragem do produto a granel. Da carga a granel, serão coletadas porções em veículos truck em 05 pontos, carreta simples em 06 pontos e bitrem em 08 pontos aleatórios, devendo a sonda penetrar até o fundo da carroceria. Se surgirem dúvidas quanto à homogeneidade da carga, ou quando a carga for mais alta que o comprimento da sonda, deverá ser retirada uma contra amostra durante o processo de descarga do veículo. Retirada de contra amostra em cargas a granel. Deverão ser coletadas amostras em diversos pontos durante o processo de descarga, com intervalos regulares proporcionais ao volume descarregado, ou seja, a cada 500 kg descarregados, retirar-se-á uma porção. Nas descargas de veículos com carrocerias basculantes, deve-se solicitar ao motorista bascular lentamente, obtendo-se assim o tempo suficiente para coletar diversas amostras da carga. Deve-se retirar no mínimo 500 gramas por tonelada de grãos descarregados. As amostras retiradas durante o processo de descarga prevalecerão sobre as retiradas na recepção (Balança).

3 As porções coletadas deverão ser homogeneizadas formando uma amostra inicial e desta será destacado 01 kg que ficará arquivado durante 07 dias para eventual reclassificação. É facultado ao produtor assistir a reclassificação da amostra sendo que os prazos para reclamações quanto à análise da impureza e umidade do produto são: UMIDADE Três dias IMPUREZAS Sete dias As amostras deverão ser numeradas conforme o número do controle de movimentação na recepção (senha), que deverá permanecer na Balança. 03. DETERMINAÇÃO DO PERCENTUAL DE IMPUREZAS. Será efetuada em uma amostra de 500 gramas retiradas da amostra inicial já homogeneizada e será processada pela máquina de impureza ou peneiras manuais com medidas de: 3,0 mm de furação redonda. Superficialmente, procede-se a catação manual de outras impurezas, tais como: paus, pedras, terras, palhas, grãos germinados e pedaços de sabugo e plantas. As somas dos pesos das impurezas obtidas pela peneira e a catação manual, indicarão o percentual a ser deduzido a título de impureza do peso bruto registrado na entrada. 04. DETERMINAÇÃO DE UMIDADE. A umidade deverá ser determinada na amostra isenta de impurezas, e registrado o percentual real da leitura, ou seja, sem arredondamento. (Ex. 12.7%) A quebra técnica por excesso de umidade obedecerá à tabela em vigência e deverá ser aplicada sobre o peso que resultar após os descontos das impurezas.

4 A tabela de quebra técnica por excesso de umidade foi elaborada com base na perda de água, por ocasião da secagem. 05. DETERMINAÇÃO DO MILHO QUEBRADO a) O milho colhido com alta umidade e com colhetadeira apresenta grãos trincados que terminam de quebrar no processo de secagem, provocando incidência de milho quebrado no produto seco. Esse milho quebrado é retirado nas pós-limpezas, obtendo-se um produto final de boa qualidade e em boas condições de armazenagem. b) A quirera apurada na RECEPÇÃO, que vaza na peneira 5,0 mm, de furação redonda, e que exceda a 3,0%, na proporção de 1,0 para 1,0 será somada ao percentual de quirera determinada pela tabela em função da quebra pelo processo de secagem. O setor classificação deverá anotar no campo quirera excedente o índice total apurado. 06. GRÃOS DANIFICADOS E OUTROS. Além do desconto das impurezas, umidade e milho quebrado, o milho poderá ter desconto em função da qualidade: a) Classificação por tipo/padrão. Da amostra limpa, deverão ser determinados os percentuais de grãos com defeitos: ardidos, brotados, fermentados, mofados, chochos, danificados, quebrados, etc., que deverão ser anotados no campo "observações" da NFEC. Os defeitos descritos determinarão o tipo/padrão do milho: TIPO MÁXIMO DE ARDIDOS + FERMENTADOS + BROTADOS MÁXIMO DE AVARIADOS 1 Até 6% Até 11% 2 Acima 6% Até 18% AP Acima de 10% Acima de 27%

5 b) O produto "AP" será recebido, em separado, quando houver condições de recepção e sofrerá descontos conforme tabela abaixo, por excesso de ardidos + brotados + fermentados (A e B) e total de avariados (A H), que deverão ser anotados nos campos específicos da NFEC, e será aplicada sobre o peso que resultar após os descontos de impurezas, umidade e grãos quebrados: ARDIDOS + BROTADOS + FERMENTADOS PERCENTUAL DE DESCONTO TOTAL DE AVARIADOS PERCENTUAL DE DESCONTO até 10,0 % Isento até 27,00 % Isento 10,01 á 13,00 % 0,30 27,01 á 30,00 % 0,30 13,10 á 16,00 % 0,60 30,01 á 33,00 % 0,60 16,01 á 19,00 % 0,90 33,01 á 36,00 % 0,90 19,01 á 22,00 % 1,20 36,01 á 39,00 % 1,20 22,01 á 25,00 % 1,50 39,01 á 42,00 % 1,50 25,01 á 28,00 % 1,80 42,01 á 45,00 % 1,80 28,01 á 31,00 % 2,10 45,01 á 48,00 % 2,10 31,01 á 34,00 % 2,40 48,01 á 51,00 % 2,40 34,01 á 37,00 % 2,70 51,01 á 54,00 % 2,70 37,01 á 40,00 % 3,10 54,01 á 100,00 % 2,70 Acima de 40,01 % 3,10 c) Para um melhor acompanhamento dos índices de grãos ardidos, brotados e fermentados na recepção do milho industrial, deverá ser efetuada a seguinte classificação: Tipo 1 = Até 6,0% (Soma de grãos ardidos + brotados + fermentados). Tipo 2 = Acima de 6,0% (Soma de grãos ardidos + brotados + fermentados). Esta classificação deverá ser lançada no campo especifico criado no sistema.

6 d) PROCEDIMENTO PARA ANÁLISE DA PRESENÇA DE PRODUTO TRANSGÊNICO. Após a coleta da amostra e determinação de impurezas, umidade e avariados, separa-se parte da amostra para o teste de transgênico que deve ser feito carga a carga. ANÁLISE: Homogeneizar a amostra, e separar as 160 gramas para o teste, Em um triturador especifico e higienizado, triturar durante 20 a 40 segundos, Adicionar nesta amostra, 200 ml de água e agitar para que ocorra a mistura, Com a pipeta própria, transferir 0,5 ml desta mistura para o tubo plástico, Neste tubo colocam-se as fitas com as flechas indicadoras existentes para baixo, aguardando de 3 a 5 minutos para obter o resultado, POSITIVO: Presença de duas linhas vermelhas na fita. NEGATIVO: Presença de uma linha vermelha na fita. Quando da obtenção do resultado, encaminha o veiculo com teste negativo para o local de descarga e quando positivo, repete-se o mesmo procedimento acima citado em cada veiculo, prevalecendo o segundo resultado e posteriormente destina o veiculo para os respectivos locais de descarga. Após cada analise, para evitar contaminação, deve-se efetuar a lavagem dos equipamentos utilizados na analise (triturador), para a próxima analise. O procedimento terá um custo de R$ 3,83 por tonelada.

7 08. CUSTOS OPERACIONAIS E OUTROS. Custos de Recepção, Secagem e Expedição: Serão calculados em função do percentual de umidade na entrada do produto, aplicando-se a tabela em vigência. Os custos serão calculados e contabilizados no último dia do mês de referência. Custos de armazenagem fixa e variável. O custo de armazenagem fixa a R$ 6,09 por tonelada será calculado sobre o peso liquido de entrada do produto e contabilizada no ultimo dia do mês correspondente. Os custos de armazenagem variável a R$ 0,21 por tonelada por dia serão calculados sobre o estoque físico existente no dia, e contabilizados no último dia do mês correspondente. Quebra de armazenagem. Será calculada a quebra de armazenagem a razão de 0,01% por dia. A quebra de armazenagem será calculada sobre o estoque físico existente no dia, e deduzido do mesmo naquelas datas. Custos de Transportes. A Cooperativa providenciará o transporte do produto vendido dos seus armazéns até o comprador, caso o frete seja de responsabilidade do vendedor, sendo este considerado nos custos operacionais do produto. Demais taxas. As demais taxas e retenções sob forma de capital, custos administrativos e fundos, serão calculados e descontados do valor da venda. 07. COMERCIALIZAÇÃO Todo produto entregue na Cooperativa, será comercializado na modalidade de preço autorizado, ou seja, o produtor autorizará a comercialização de sua produção, no todo ou em partes, quando o preço de mercado lhe convier. O milho quebrado apurado na recepção será considerado como produto normal como os demais, porem quanto à comercialização será feita sem a prévia autorização do cooperado, em função da qualidade.

8 O cooperado deverá assinar uma carta de autorização de comercialização, indicando o preço desejado e a quantidade a ser comercializada, no Departamento Comercial ou nos Entrepostos. A carta de autorização terá validade de 30 dias, após os quais será cancelado automaticamente. O associado, no entanto poderá retirar a autorização de venda antes do prazo previsto. Uma vez assinada à carta, o cooperado não poderá retirá-la caso o lote esteja sendo ofertado ou vendido. O Departamento Comercial manterá informado o preço de mercado e as oportunidades de negociar, fixando o preço e condições no monitor (vídeo) instalado no escritório (recepção), e em quadros negro nos entrepostos e nas reuniões semanais de comercialização. No vencimento da parcela de financiamento de repasse ou de custeio, é facultado a Cooperativa liquidar ao preço do dia, parte da produção do cooperado, suficiente para cobrir a parcela a ser amortizada e seus encargos. A Cooperativa poderá comercializar parte da produção do cooperado, mediante comunicação prévia, para liquidar débitos vencidos do mesmo. Em caso de venda antecipada, o produtor deverá efetuar a entrega de acordo com os dados especificados no contrato, ou seja, local de entrega, quantidade, qualidade do produto e prazo previsto. Ao produtor será creditado o valor da comercialização na mesma data e condição que a Cooperativa efetuar a venda. 08. PAGAMENTO Por ocasião de crédito por adiantamento, EGF, AGF ou venda, serão descontados os débitos vencidos na Cooperativa. Quando o produto foi dado em penhor de safra, o pagamento, até o valor do custeio, será efetuado com cheque cruzado à entidade creditícia respectiva.

9 A Cooperativa poderá adiantar ao cooperado o preço mínimo do governo se houver possibilidade de contratar EGF, após o beneficiamento e classificação oficial do produto depositado, sendo as despesas com classificação e amostragem, debitadas em conta corrente do cooperado. A Cooperativa repassará o EGF nas mesmas condições em que obtiver o seu empréstimo. Os preços de EGF ou AGF para a safra 15/16 variam em função da qualidade que será determinada pelo órgão oficial de classificação. 09. SOBRAS TÉCNICAS. As entregas A.N.F. não participarão do rateio das sobras técnicas. 10. A.N.F. - ARMAZENAGEM A NÍVEL DE FAZENDA. Entende-se por A.N.F. todo produto procedente de silos ou armazéns da propriedade do produtor e que segue diretamente para a indústria, sem passar por descargas e / ou processo de padronização na Cooperativa. O cooperado deve ter venda registrada a entregar. O Departamento Comercial poderá solicitar, antes da venda, uma coleta de amostra na fazenda, por um funcionário da Cooperativa, para verificar a qualidade do produto a ser comercializado. A entrega deverá ser efetuada diretamente pelo produtor no local e dentro do prazo estabelecido no contrato de compra e venda fechado pela Cooperativa com o comprador, quando o frete for por conta do vendedor. O produto deve satisfazer as condições de qualidade constante do contrato de compra. Qualquer desconto de qualidade aplicada pelo comprador, caso ocorra, será repassado ao cooperado. A entrega nessa modalidade deverá ser previamente combinada com o Departamento Comercial.

10 Toda a entrega ANF passará pelo Entreposto mais próximo onde se fará a classificação e troca de nota fiscal e os controles necessários. Sendo a Fábrica de Rações da Cooperativa o adquirente, deverá passar pela unidade de Carambeí. A entrega ANF terá custos de recepção e expedição reduzidas conforme abaixo: A.N.F. R$ 8,88 por tonelada. Sendo a Fábrica de Rações o adquirente e não sendo a carga aprovada como ANF, em função de qualidade, deverá ser consultado o produtor, se descarrega a carga na Cooperativa (A.N. B) com aplicação da tabela de descontos e tarifas em vigor ou devolve para a fazenda. A Cooperativa não assumirá qualquer responsabilidade em relação a produtos armazenados a nível de fazenda, podendo, no entanto prestar orientação técnica quando solicitado. Todo milho com venda para exportação não será recebido como ANF, somente na modalidade ANB. 12. DISPOSIÇÕES FINAIS O cooperado que secar o milho na propriedade (A.N.F.) deve passar o produto nas pós-limpezas (peneira 5,0mm redonda) retirando a quirera, permitindo assim a obtenção de um produto limpo, e efetuar tratamento com inseticida especifico, para uma boa armazenagem e dentro dos padrões de comercialização. A recepção deverá preencher nos campos próprios da NFEC, todas as informações sobre o produtor e o produto, como: município de produção, peso, entreposto, umidade, impureza, número de sacos, uso, ardidos, fermentados, brotados, esverdeados, mofados, quebrados, avariados, etc. Toda carga entregue na Cooperativa deverá vir acompanhada de 04 vias da NFEC, sendo que ao transportador será devolvida 3ª via.

11 O produtor que desejar retirar o milho quebrado, para consumo próprio, deverá comunicar o Departamento Comercial para liberação do lote e efetuar a retirada até 15 (quinze) dias a partir da data da entrada. Quando da emissão da NFEC (Nota Fiscal de Entrega na Cooperativa) emitida pelo produtor, que acompanha cada carga, se o mesmo tiver interesse em controlar sua produtividade por talhão, deverá anotar o número do talhão ao lado do nome da propriedade ou em campo específico da NFEC se tiver. Desta forma quando solicitado à posição de entrega carga a carga, na mesma irá constar a letra "T" com número do talhão da respectiva área. Em toda carga de Milho Convencional deverá ser efetuado os testes de trangenia com as devidas fitas e o teste de iodo para detectar a presença de grãos de Milho Waxi, na qual sendo positivo deverá ser condenado e descarregado junto com milho trangenico. No período da colheita ANB (A Nível de Batavo) e remessa de produtos para as Indústrias, ANF (A Nível de Fazenda), em todas as NFEC (Nota Fiscal de Entrega na Cooperativa), emitidas pelos produtores e que acompanham todas as cargas, deverão obrigatoriamente ser destacada no corpo da mesma a VARIEDADE DO MILHO que está sendo enviado para a Cooperativa e ou Indústria. Tal procedimento fará com que tenhamos um controle rigoroso sobre o comportamento de cada variedade a nível de campo. Casos omissos serão resolvidos pela Diretoria. Observações: - Esta Instrução anula as anteriores referentes ao mesmo assunto. - Nenhuma alteração poderá ser efetuada sem a emissão de outra de Instrução Interna. Data: 01/01/16 Assinatura: Visto: Emitida por: Depto. Operacional

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO TERCEIROS A soja transgênica será recebida nas seguintes unidades,

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 1 INSTRUÇÃO INTERNA N.º 05/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO A soja será recebida nas seguintes unidades: LOCAL CONSUMO SEMENTE

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY. O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade:

INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY. O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade: INSTRUÇÃO INTERNA Nº. 02/2015 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2014/2015 MILHO WAXY 01. RECEPÇÃO O milho Waxy será recebido exclusivamente na unidade: L O C A L F O N E Ponta Grossa - I 3219-7050

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

Instrução Interna Nr. 14/2015

Instrução Interna Nr. 14/2015 Instrução Interna Nr. 14/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os Setores REF. NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO - 2015 TERCEIROS TRIGO E TRITICALE INDUSTRIAL 01. RECEPÇÃO O trigo e triticale somente serão

Leia mais

Instrução Interna Nr. 09/2015

Instrução Interna Nr. 09/2015 Instrução Interna Nr. 09/2015 De : Diretoria Para : Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 01 - RECEPÇÃO: AVEIA INDUSTRIAL - PRETA A aveia será recebida nas seguintes unidades:

Leia mais

Circular Especial de Safra 2015/2016

Circular Especial de Safra 2015/2016 ESPECIAL DE SAFRA * PUBLICAÇÃO SEMESTRAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 01.02.2016 Circular Especial de Safra 2015/2016 1. LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS, SEGREGAÇÃO E HORÁRIOS: UNIDADES DE RECEBIMENTO

Leia mais

INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS

INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS ESPECIAL DE SAFRA * PUBLICAÇÃO SEMANAL DA COOPERATIVA CASTROLANDA * 03.09.2015 INFORMATIVO ESPECIAL :: SAFRA DE INVERNO 2015 1 LOCAIS DE RECEBIMENTO, PRODUTOS E HORÁRIOS UNIDADES DE RECEBIMENTO PRODUTOS

Leia mais

A cevada será recebida exclusivamente à granel.

A cevada será recebida exclusivamente à granel. I Instrução Interna Nr. 10/2015 DE :Diretoria PARA :Todos os Setores REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE INVERNO-2015 CEVADA CERVEJEIRA 01 - RECEPÇÃO: A cevada será recebida na seguinte unidade: L O C

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 421/11 Data: 15/07/11 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DO TRIGO E MILHO SAFRINHA - SAFRA/2011 O Sindicato e Organização das Cooperativas do Estado do Paraná

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2009/10

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2009/10 INFORME AGROECONÔMICO Nº: 414/10 Data: 22/01/10 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, LIMPEZA E SECAGEM DA SOJA E DO MILHO 2009/10 ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA DE SOJA E MILHO EM 2009/10.

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013. Para azevém respeitar rotação de 2 anos quando utilizar cultivares diferentes.

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013. Para azevém respeitar rotação de 2 anos quando utilizar cultivares diferentes. INSTRUÇÃO INTERNA N.º 14/2013 De: Diretoria Para: Todos os Setores REF. NORMAS DE PRODUÇÃO DE SEMENTES BATAVO 1. INSCRIÇÃO DOS CAMPOS DE SEMENTES A inscrição dos campos de sementes será realizada pelo

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 442 Data: 17/08/2015 Referência: Abril 2015 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas

Leia mais

PORTARIA Nº 691 DE 22 DE NOVEMBRO DE 1996.

PORTARIA Nº 691 DE 22 DE NOVEMBRO DE 1996. PORTARIA Nº 691 DE 22 DE NOVEMBRO DE 1996. O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO, no uso da atribuição que lhe confere o art. 87, Parágrafo único, inciso II, da Constituição da República,

Leia mais

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela

Padrões para a classificação do MILHO. Caroline Matheus Larissa Gabriela Padrões para a classificação do MILHO Caroline Matheus Larissa Gabriela Introdução O milho (Zea mays) é, sem dúvida, um dos alimentos mais importantes da cadeia alimentar animal. Muito trabalho tem sido

Leia mais

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135

SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto (42) 8816-3452, Diego Cruz ou Douglas Medeiros (42) 3234-8135 www.castrolanda.coop.br/circular Nº01 Nº 01 Publicação Especial de Safra da Cooperativa Castrolanda Janeiro, 28-2013 SAFRA VERÃO Mais informações no Controle de Qualidade (DDR 3234-8037) Fernando Barreto

Leia mais

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras

Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Grãos 2009 - Simpósio e - 8º Expo Pós-Colheita de Grãos Avaliação de Perdas em Unidades Armazenadoras Luís César da Silva Dr. Engenharia Agrícola Universidade Federal do Espírito Santo - UFES 1 Novembro/

Leia mais

CANJICA DE MILHO. Portaria N o 109, de 24 de fevereiro de 1989

CANJICA DE MILHO. Portaria N o 109, de 24 de fevereiro de 1989 CANJICA DE MILHO Portaria N o 109, de 24 de fevereiro de 1989 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, Interino, no uso de suas atribuições, e tendo em vista o disposto na Lei N o 6.305, de 15 de dezembro

Leia mais

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela

PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE. Prof. Francisco Villela PRÁTICAS DE PÓS COLHEITA PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE ALTA QUALIDADE Prof. Francisco Villela francisco.villela@ufpel.edu.br CUIDADOS DA SEMEADURA ATÉ A COLHEITA DIAS APÓS O FLORESCIMENTO MATURAÇÃO FISIOLÓGICA

Leia mais

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL

NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO GIRASSOL 1. Objetivo: a presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem, marcação e

Leia mais

PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO - AMENDOIM

PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO - AMENDOIM PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO - AMENDOIM Alunos: Ana Claudia Montuan de Sousa Suellen Paulino Poliana Mendes Jhony Silva Manejo e Pós Colheita de Grãos. DEFINIÇÃO Entende-se por amendoim o produto proveniente

Leia mais

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR VENDEDOR A entrega da mercadoria correspondente aos contratos adquiridos poderá ser realizada em até 15 dias corridos e contados da data do respectivo vencimento, devendo ser comprovada mediante a apresentação

Leia mais

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA DE CAFÉ BENEFICIADO N 012/2017

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA DE CAFÉ BENEFICIADO N 012/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - DIRAB SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - SUOPE GERÊNCIA

Leia mais

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007

SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007 1 de 26 Índice: 1 DO OBJETIVO...2 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO...2 3 DAS DEFINIÇÕES...2 3.1 DAS SIGLAS...2 3.2 DA FINALIDADE DO SECLAC...2 3.3 DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC...2 3.4 DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO PORTARIA Nº 795 DE 15 DE DEZEMBRO DE 1993 NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM, MARCAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO FARELO DE SOJA 1 OBJETIVO Esta norma tem

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA

O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA FEIJÃO Portaria N o 161, de 24 de julho de 1987 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, no uso de suas atribuições, tendo em vista o disposto na Lei N o 6.305, de 15 de dezembro de 1975, e no Decreto N o

Leia mais

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA.

FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA. FORMAÇÃO DO PREÇO DE VENDA gleicilene@unifei.edu.br Formação do Preço de Venda Fatores que influenciam a formação de preço de um produto ou serviço: Decisões da Concorrência: preço corrente, limitação

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução

Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso. Resumo. Introdução Classificação dos grãos de soja convencional e transgênica desde a recepção até a expedição: estudo de caso Marcelo Alvares de Oliveira 1, Irineu Lorini 2 47 1 Embrapa Soja, Caixa Postal 231, 86001-970

Leia mais

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA MILHO EM GRÃOS N 033/2017

EDITAL DE TERCEIROS PARA VENDA MILHO EM GRÃOS N 033/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - DIRAB SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - SUOPE GERÊNCIA

Leia mais

A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO

A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO A Cooperativa e Você UMA UNIÃO DE SUCESSO, Há 47 anos prestando serviços aos colaboradores da Nestlé e Coligadas O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO É uma Instituição Financeira sem fins lucrativos, legalmente

Leia mais

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM

PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE EMBALAGEM Ref. - Assunto Página: 1 / 9 de Publicação: : PROCEDIMENTO DE MOVIMENTAÇÃO DE Responsáveis: ATIVIDADE NOME CARGO Elaboração Controles Internos Revisores Carlos Rogério Ferraresi Gerente Adm. e Financeiro

Leia mais

CONSIDERANDO a necessidade de revisão e unificação das normas e critérios referentes à operação da Seção Farmacêutica do IMASF;

CONSIDERANDO a necessidade de revisão e unificação das normas e critérios referentes à operação da Seção Farmacêutica do IMASF; REGULAMENTA A OPERAÇÃO, A COMERCIALIZAÇÃO DE PRODUTOS E A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS PELA FARMÁCIA DO IMASF, CRIA O FUNDO DE CAIXA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. OVÍDIO PRIETO FERNANDES, Presidente do 19º Conselho

Leia mais

MANUAL. Cartão de Pagamento do Governo Estadual e Municipal

MANUAL. Cartão de Pagamento do Governo Estadual e Municipal 1 MANUAL Cartão de Pagamento do Governo Estadual e Municipal ÍNDICE Introdução Cartão de Pagamento do Governo Estadual e Municipal Público-alvo Descrição Formalização Anuidade Finalidade Atributos Limites

Leia mais

1. O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO QUEM PODE PARTICIPAR? QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS VANTAGENS DA CREDI NESTLÉ?...3

1. O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO QUEM PODE PARTICIPAR? QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS VANTAGENS DA CREDI NESTLÉ?...3 SUMÁRIO 1. O QUE É COOPERATIVA DE CRÉDITO...3 2. QUEM PODE PARTICIPAR?...3 3. QUAIS SÃO AS PRINCIPAIS VANTAGENS DA CREDI NESTLÉ?...3 4. O QUE É CAPITAL INTEGRALIZADO?...3 5. QUEM TEM DIREITO AO EMPRÉSTIMO?...3

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 136/2017

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 136/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

AVISO CONAB/DIGES/SUARM/GEMOV Nº 311/2007

AVISO CONAB/DIGES/SUARM/GEMOV Nº 311/2007 Companhia Nacional de Abastecimento Diretoria de Gestão de Estoques Superintendência de Armaz. e Mov. De Estoques Gerência de Movimentação de Estoques - CONAB - DIGES - SUARM - GEMOV AVISO CONAB/DIGES/SUARM/GEMOV

Leia mais

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho

Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Determinação de matérias estranhas, impurezas e fragmentos em milho Larissa Fatarelli Bento 1, Maria Aparecida Braga Caneppele 2, Dayse Félix do Nascimento 3, Aline Lehmkuhl 1, Carlos Caneppele 2 64 1

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO PU A022

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO PU A022 CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO PU A022 I INFORMAÇÕES INICIAIS 1.1 SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S.A. 1.2 SITE DA SOCIEDADE: www.telesena.com.br

Leia mais

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D.

22/1/2012. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria. Professora: Roberta M. D. Disciplina: T. e P. de Grãos e Cereais Série: 2ª Turmas: L/N/M/O Curso: Técnico em Agroindústria Secagem, Armazenamento e Beneficiamento de Grãos Professora Roberta Magalhães Dias Cardozo Professora: Roberta

Leia mais

CARTA CIRCULAR Nº 389

CARTA CIRCULAR Nº 389 Às Instituições Financeiras CARTA CIRCULAR Nº 389 Em conformidade com a Circular nº 492, de 07.01.80, comunicamos que, a partir desta data, as seções 16 12 1, 16 13 2, 16 13 3, 16 13 4, 16 13 5, 16 13

Leia mais

Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO

Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Resumo do Contrato de Utilização American Express Membership Cards Linha Crédito IMPORTANTE: LEIA ESTE SUMÁRIO COM ATENÇÃO Este Sumário apresenta as principais informações que o Associado deve ter conhecimento

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE TESOURARIA GERAL - CTG

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE TESOURARIA GERAL - CTG REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE TESOURARIA GERAL - CTG COORDENADORIA DE TESOURARIA GERAL CTG REGIMENTO INTERNO RI CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 o. Estabelecer normas, critérios e procedimentos

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL

PROCEDIMENTO OPERACIONAL , recebimentos e retiradas de mercadorias 1 1 OBJETIVO Normatizar os processos de vendas, recebimentos e retirada de mercadorias das Comerciais Agromen e padroniza-los com base no modelo utilizado nas

Leia mais

AVISO DE VENDA DE FARINHA DE MANDIOCA Nº 208/2016

AVISO DE VENDA DE FARINHA DE MANDIOCA Nº 208/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO (MAPA) COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO (CONAB) DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO (DIRAB) SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS (SUOPE) GERÊNCIA

Leia mais

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO

COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO COOPERATIVA DE ECONOMIA E CRÉDITO MUTUO UO DOS EMPREGADOS DO SISTEMA FIERGS- CRESUL Travessa Francisco de Leonardo Truda, 40 sala 143 14 andar Porto Alegre-RS CEP 90010-050 Fone (0**51) 3224-3280 Fax:

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕ E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕ COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

Capítulo I Das Fontes de Custeio e seus limites Capítulo II Do Processo de elaboração do Orçamento Anual... 3

Capítulo I Das Fontes de Custeio e seus limites Capítulo II Do Processo de elaboração do Orçamento Anual... 3 ÍNDICE PÁGINA Capítulo I Das Fontes de Custeio e seus limites... 2 Capítulo II Do Processo de elaboração do Orçamento Anual... 3 Capítulo III Da execução do Orçamento Anual... 3 Capítulo IV Do controle,

Leia mais

LEI MUNICIPAL N de 15 de julho de 2014

LEI MUNICIPAL N de 15 de julho de 2014 LEI MUNICIPAL N 4.962 de 15 de julho de 2014 Autoriza o município a efetuar repasse de recursos oriundos do passe livre estudantil às associações que tiverem alunos beneficiários e diretamente aos alunos

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 212/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 212/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

Fluxo operacional COOPHEMG / BANCO UAI. Libera vale caixas

Fluxo operacional COOPHEMG / BANCO UAI. Libera vale caixas COOPHEMG / BANCO UAI Deposita caixas Banco Uai Libera vale caixas Inicialmente a irá efetuar o depósito de suas caixas no Banco UAI para receber os vales caixas correspondentes e dar inicio ao processo.

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU)

CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) CONDIÇÕES GERAIS DE TÍTULO DE CAPITALIZAÇÃO PLANO DE PAGAMENTO ÚNICO (PU) I INFORMAÇÕES INICIAIS 1.1- SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: LIDERANÇA CAPITALIZAÇÃO S.A. 1.2- SITE DA SOCIEDADE: www.telesena.com.br

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução...

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução... Processo de Devolução Drogacenter ÍNDICE Devolução no ato da entrega...2 Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2 Procedimentos para coleta da devolução...3 Recebimento da mercadoria...3

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PORTARIA N 269 DE 17 DE NOVEMBRO DE NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO ARROZ

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PORTARIA N 269 DE 17 DE NOVEMBRO DE NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO ARROZ MINISTÉRIO DA AGRICULTURA PORTARIA N 269 DE 17 DE NOVEMBRO DE 1.988. NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM E APRESENTAÇÃO DO ARROZ 1 - OBJETIVO A presente Norma tem por objetivo definir as características

Leia mais

AVISO DE VENDA DE FARINHA DE MANDIOCA Nº 176/2017

AVISO DE VENDA DE FARINHA DE MANDIOCA Nº 176/2017 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - Suope GERÊNCIA

Leia mais

Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016

Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016 Avaliação da qualidade tecnológica do trigo no BRASIL - safras 2015 e 2016 Gilberto R. Cunha Painel 02 Cascavel/PR, 25 de julho de 2017 Roteiro do apresentação 30 minutos» Agradecimentos;» Contextualização

Leia mais

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes Autores: Antonio Sergio Pontarolli Berenice Los Cirlene Waceliko Daniel Sviercowski Ediclea

Leia mais

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO

BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO Beneficiamento e Classificação BENEFICIAMENTO E CLASSIFICAÇÃO O beneficiamento do café é uma operação pós-colheita usada para transformar, pela eliminação da casca e separação dos grãos, o fruto seco (natural

Leia mais

Por Percentual Fixo = preço de venda X (percentual de comissão para empresa)

Por Percentual Fixo = preço de venda X (percentual de comissão para empresa) 1 VENDAS DIRETAS É comum varejistas no seguimento de materiais de construção realizarem vendas com participação do fornecedor. Essas vendas são realizadas pela loja, no entanto a responsabilidade de entrega

Leia mais

Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de Impressão

Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de Impressão Page 1 of 6 Instrução Normativa SRF nº 660, de 17 de julho de 2006 DOU de 25.7.2006 Dispõe sobre a suspensão da exigibilidade da Contribuição para o PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a venda de produtos

Leia mais

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS

MANUAL DE CONTROLES INTERNOS POLÍTICAS CORPORATIVAS 9 - Regulamentos Política de Empréstimos 9.1 Condições para associação O Funcionário na sua admissão na empresa assina a Proposta de Admissão e Depósito na Cooperativa, se for de seu interesse, sendo que

Leia mais

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS

CONDIÇÕES GERAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS I INFORMAÇÕES INICIAIS CONDIÇÕES GERAIS SOCIEDADE DE CAPITALIZAÇÃO: BRADESCO CAPITALIZAÇÃO S.A. CNPJ: 33.010.851/0001-74 PLANO PU 18/001 U - MODALIDADE: TRADICIONAL PROCESSO SUSEP Nº: 15414.900190/2015-67

Leia mais

Intervenção Pública de LPD Oferta a preço fixo Manual do Operador

Intervenção Pública de LPD Oferta a preço fixo Manual do Operador VERSÃO 1.0 MANUAL INTERVENÇÃO PÚBLICA DE LEITE EM PÓ DESNATADO Índice 1. Enquadramento legislativo... 3 2. Objetivo... 3 3. Âmbito... 3 4. Intervenientes... 3 5. Operador... 3 Estar inscrito/identificado

Leia mais

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado.

I Castanha em casca: é a castanha in natura, depois de colhida, limpa e seca ao sol ou por processo tecnológico adequado. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 644 DE 11 DE SETEMBRO DE 1975 O Ministro de Estado da Agricultura, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39,

Leia mais

REGISTO NORMALIZADO (PS2/3) Versão 2.3

REGISTO NORMALIZADO (PS2/3) Versão 2.3 REGISTO NORMALIZADO (PS2/3) Versão 2.3 Para que uma Empresa possa proceder de forma simples e em segurança a Pagamentos de Ordenados e a Fornecedores, ou a Recebimentos, poderá utilizar a funcionalidade

Leia mais

Portanto, os pedidos enviados a partir de agora serão atendidos como vale-transporte eletrônico.

Portanto, os pedidos enviados a partir de agora serão atendidos como vale-transporte eletrônico. Prezado Cliente, São Paulo, 19 de Dezembro de 2014. Informamos que as linhas TRAMAND/IMBE e URBTRAMANDAI que eram administradas pela operadora SJOSE (Expresso São José Ltda) migraram para o vale transporte-eletrônico

Leia mais

RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL

RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL RESOLUÇÃO N.º 2/2016 ATUALIZA A POLÍTICA DE ADMINISTRAÇÃO DA LOJA ESCOTEIRA DA UNIÃO DOS ESCOTEIROS DO BRASIL a) Considerando a necessidade da União dos Escoteiros do Brasil ter uma Política Comercial

Leia mais

CONTABILIDADE DE CUSTOS PROFESSOR: Salomão Dantas Soares TURMA: 4º CCN1

CONTABILIDADE DE CUSTOS PROFESSOR: Salomão Dantas Soares TURMA: 4º CCN1 Classificação de custos: custos diretos, custos fixos e variáveis. Separação entre custos e despesas Custos diretos e indiretos: Custos diretos São custos diretos aqueles relacionados diretamente com a

Leia mais

2. DEFINIÇÃO DO PRODUTO 2.1 Entende-se por amendoim o produto proveniente da espécie Arachis hypogaea, L.

2. DEFINIÇÃO DO PRODUTO 2.1 Entende-se por amendoim o produto proveniente da espécie Arachis hypogaea, L. NORMA DE IDENTIDADE, QUALIDADE, EMBALAGEM E MARCAÇÃO DO AMENDOIM 1.OBJETIVO 1.1 - A presente norma tem por objetivo definir as características de identidade, qualidade, embalagem e marcação do amendoim

Leia mais

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA

O F Í C I O C I R C U L A R. Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA 07 de julho de 2017 040/2017-DP O F Í C I O C I R C U L A R Participantes dos Mercados da B3 Segmento BM&FBOVESPA Ref.: Tratamento das Posições de Opções, Empréstimo de Ativos e Contratos a Termo; das

Leia mais

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR

RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR INFORMA N.68 MAIO / 2006 RECOMENDAÇÕES TÉCNICAS SELEÇÃO DE SEMENTES PARA O PEQUENO PRODUTOR Eli Santana dos Santos¹ 1 IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES O uso de sementes de boa qualidade é o caminho mais seguro

Leia mais

PROCEDIMENTO PR 7.03

PROCEDIMENTO PR 7.03 1. HISTÓRICO DE REVISÕES Revisão: 02 Página 1 de 8 DATA REVISÃO RESUMO DE ALTERAÇÕES 20/08/2013 00 Emissão inicial 21/08/2014 01 Adequação dos fluxos de recebimento de coletas, separação de cargas e carregamento

Leia mais

7 - Efetuei o pagamento de uma parcela em duplicidade. Como devo proceder?

7 - Efetuei o pagamento de uma parcela em duplicidade. Como devo proceder? 1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor? Para saber o saldo devedor do contrato de financiamento, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. Regiões Metropolitanas:

Leia mais

ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS).

ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS). ANEXO V INSTRUÇÕES PARA O PREENCHIMENTO E USO DO BOLETIM OFICIAL DE ANÁLISE DE SEMENTES (BASO) E DO BOLETIM DE ANÁLISE DE SEMENTES (BAS). I - PARA EFEITOS DESTAS INSTRUÇÕES ENTENDE-SE POR: 1. Amostra:

Leia mais

ATO DELIBERATIVO 40/2015. O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições;

ATO DELIBERATIVO 40/2015. O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições; CONSELHO DELIBERATIVO ATO DELIBERATIVO 40/2015 O Conselho Deliberativo da Fundação Celesc de Seguridade Social CELOS, no uso de suas atribuições; CONSIDERANDO a necessidade de revisar o Regulamento do

Leia mais

POLÍTICA DE ENTREGA. Condições gerais. Situações em que pode ocorrer atraso na entrega. Quando recusar a entrega

POLÍTICA DE ENTREGA. Condições gerais. Situações em que pode ocorrer atraso na entrega. Quando recusar a entrega POLÍTICA DE ENTREGA Condições gerais As entregas feitas pela Black Diamond são realizadas de segunda-feira a sexta-feira, das 8h às 22h. Excepcionalmente entregas podem ocorrer aos sábados, domingos e

Leia mais

Manual de Gestão Embalagens Destinadas a Compra de Componentes SUMÁRIO

Manual de Gestão Embalagens Destinadas a Compra de Componentes SUMÁRIO SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 1 1.1 OBJETIVO... 1 1.2 APLICAÇÃO... 1 2. REGRAS GERAIS... 1 2.1 DEFINIÇÕES... 1 2.2 PRINCÍPIOS... 1 3. APRESENTAÇÃO DAS EMBALAGENS... 1 3.1 EMBALAGENS DURÁVEIS... 1

Leia mais

Classificação física do milho pipoca

Classificação física do milho pipoca 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 8 Método de ensaio para classificação física de MILHO PIPOCA que tem como objetivo definir sua Identidade e Qualidade para fins de enquadramento em Classe e Tipo, conforme

Leia mais

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações

CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações CFOP - Códigos fiscais de operações e prestações A presente relação de códigos fiscais é baseada no Convênio SINIEF s/nº, de 15.12.1970, com suas respectivas alterações. A relação encontra-se devidamente

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 415/11

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 415/11 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

Nº Pontos: 100 Revisão: 0 Módulo: 1 Laboratório Campo Subgrupo: Sondagem Pasta: 1.2 Nome: Procedimento de Sondagem

Nº Pontos: 100 Revisão: 0 Módulo: 1 Laboratório Campo Subgrupo: Sondagem Pasta: 1.2 Nome: Procedimento de Sondagem Objetivo/Resumo: Este procedimento tem o objetivo de dar uma orientação geral e concisa sobre os serviços de sondagem, desde a solicitação do serviço até o descarte das amostras de campo. 1. Solicitação

Leia mais

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS

RMS Software S.A. - Uma empresa TOTVS DEPÓSITO DE TROCAS RMS Software S.A. - Uma Empresa TOTVS Todos os direitos reservados. A RMS Software é a maior fornecedora nacional de software de gestão corporativa para o mercado de comércio e varejo.

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE AMMMIGO

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE AMMMIGO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE FIDELIDADE AMMMIGO 1. Condições Gerais 1.1. Qualquer pessoa física poderá participar do Programa de Fidelidade AMMMIGO. 1.2. As inscrições no Programa de Fidelidade AMMMIGO são

Leia mais

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO

CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO CONTRATO DE CRÉDITO PESSOAL PRÉ-APROVADO Por este instrumento e na melhor forma de direito, a COOPERATIVA, doravante designada simplesmente COOPERATIVA, neste ato devidamente representada na forma de seu

Leia mais

NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos

NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos NORMA DE OPERACIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE COMPRAS EM GRUPO (Anexo II, da Resolução 08/2015, de 25/8/2015) Capítulo I Da definição e objetivos Art. 1º - O Programa de Compras em Grupo, denominado ARMAZÉM

Leia mais

PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO DO ARROZ. Alunas: Isabella Santos Jeanyni Mendes Natália Lopes

PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO DO ARROZ. Alunas: Isabella Santos Jeanyni Mendes Natália Lopes PADRÕES PARA CLASSIFICAÇÃO DO ARROZ Alunas: Isabella Santos Jeanyni Mendes Natália Lopes ARROZ O arroz (Oryza sativa) é um dos cereais mais produzidos e consumidos no mundo, caracterizando-se como principal

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PRA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. Data de Vigência DEZ/2017. Data Emissão JAN/2016

PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO - PRA PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO - POP. Data de Vigência DEZ/2017. Data Emissão JAN/2016 - OBJETIVO Este POP tem como objetivo fixar procedimentos para assegurar o correto recebimento de produtos alimentícios, tanto em quantidade quanto em qualidade dos produtos, em conformidade com os termos

Leia mais

RESOLUÇÃO N a) beneficiários: cafeicultores, em financiamentos contratados diretamente ou mediante repasse por suas cooperativas;

RESOLUÇÃO N a) beneficiários: cafeicultores, em financiamentos contratados diretamente ou mediante repasse por suas cooperativas; RESOLUÇÃO N 3360 Documento normativo revogado pela Resolução 3.451, de 05/04/2007. Institui, ao amparo de recursos do Fundo de Defesa da Economia Cafeeira (Funcafé), linhas de crédito destinadas ao financiamento

Leia mais

MANUAL. Usuário Cliente

MANUAL. Usuário Cliente MANUAL Usuário Cliente ÍNDICE 1. SISTEMA DE DEVOLUÇÃO WEB... 4 1.1 Solicitação da devolução... 4 1.2 Prazos... 4 1.3 Autorização de Devolução... 5 1.4 Coleta de Mercadoria... 5 1.5 Acompanhamento da Devolução...

Leia mais

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR

CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR CUSTO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS EM GUARAPUAVA-PR Foi realizado no dia 10 de julho de 2012 em Guarapuava (PR), o painel de custos de produção de grãos. A pesquisa faz parte do Projeto Campo Futuro da Confederação

Leia mais

POLÍTICA DE COMPRAS e PAGAMENTO DE GASTOS DO SICOOB CREDIAUC

POLÍTICA DE COMPRAS e PAGAMENTO DE GASTOS DO SICOOB CREDIAUC POLÍTICA DE COMPRAS e PAGAMENTO DE GASTOS DO SICOOB CREDIAUC Aprovado em 28 de Janeiro de 2014 Atualizado em 30 de Janeiro de 2015 Atualizado em 30 de Julho de 2015 Atualizado em 30 de outubro de 2015

Leia mais

PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975

PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975 PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39, Ministério da Agricultura, item VIII, do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro

Leia mais

1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor?

1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor? 1 - Quero quitar o contrato, como faço para saber o saldo devedor? Para saber o saldo devedor do contrato de financiamento, entre em contato com a nossa Central de Atendimento. 2 - Quando receberei o carnê

Leia mais

EMPRESAS OBRIGADAS AO USO DO EMISSOR DO CUPOM FISCAL (ECF)

EMPRESAS OBRIGADAS AO USO DO EMISSOR DO CUPOM FISCAL (ECF) EMPRESAS OBRIGADAS AO USO DO EMISSOR DO CUPOM FISCAL (ECF) Prezado Cliente, Para vosso conhecimento, segue uma breve explanação sobre o uso do ECF: OBRIGATORIEDADE DO USO: Estão obrigadas a utilizar o

Leia mais

As ofertas do Tray Frete Fácil diminuem o custo do frete para o lojista Tray em até 50%, sem burocracia e contratos com cota mínima de postagem.

As ofertas do Tray Frete Fácil diminuem o custo do frete para o lojista Tray em até 50%, sem burocracia e contratos com cota mínima de postagem. Tray Frete Fácil O Tray Frete Fácil oferece vantagens exclusivas aos lojistas da plataforma Tray. O aplicativo disponibiliza ofertas de frete para envio dos produtos vendidos e registrados na plataforma.

Leia mais

PREÇÁRIO. Banco Sol S.A. Instituição Financeira Bancária com sede em Território Nacional ANEXO II. Tabela de Taxas de Juro

PREÇÁRIO. Banco Sol S.A. Instituição Financeira Bancária com sede em Território Nacional ANEXO II. Tabela de Taxas de Juro PREÇÁRIO Banco Sol S.A. Instituição Financeira Bancária com sede em Território Nacional ANEXO II Tabela de Taxas de Juro DATA DE ENTRADA EM VIGOR: 04 AGOSTO 2017 O Preçário pode ser consultado nos balcões

Leia mais

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA

INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA Informe Número: 446 Data: 06/05/016 Referência: Abril 016 INFORME AGROECONÔMICO ESTIMATIVA DOS CUSTOS DE RECEPÇÃO, SECAGEM E LIMPEZA A estimativa de custos apresentada neste trabalho considera apenas os

Leia mais