SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007"

Transcrição

1 1 de 26 Índice: 1 DO OBJETIVO DA ÁREA DE APLICAÇÃO DAS DEFINIÇÕES DAS SIGLAS DA FINALIDADE DO SECLAC DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO Dos Fluxogramas de Classificação DA DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAR OS SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL PARA A CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMISSÃO DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO PARA A DESCLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO PARA A ARBITRAGEM PARA A COBRANÇA DOS SERVIÇOS E ENTREGA DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO PARA A GUARDA DAS AMOSTRAS E ARQUIVO DOS DOCUMENTOS DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS ANEXOS TABELA DE PREÇOS PARA O SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL FLUXOGRAMAS Para Classificação de Soja Para Classificação de Milho Para Classificação de Trigo Para Classificação de Feijão Para Classificação de Arroz Para Classificação de Ervilha Para Classificação de Lentilha Para Classificação de Girassol Para Classificação de Sorgo FORMULÁRIOS Termo de Remessa de Amostra - OM-T Laudo de Classificação de Soja - OM-L Laudo de Classificação de Milho - OM-L Laudo de Classificação de Trigo - OM-L Laudo de Classificação de Feijão - OM-L Laudo de Classificação de Arroz - OM-L Laudo de Classificação de Ervilha - OM-L Laudo de Classificação de Lentilha - OM-L Laudo de Classificação de Girassol - OM-L Laudo de Classificação de Sorgo - OM-L Certificado de Classificação - OM-C CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO ALTERAÇÕES DATA DA REVISÃO ELABORADO 01 Inclusão dos Fluxogramas na seção 6.2 e de novos formulários na seção /3/2008 O&M 02 Alteração de procedimentos, dos Laudos de Classificação de Feijão, Trigo e Arroz e da Tabela de Preços para o Serviço de Classificação Vegetal. 27/3/2013 O&M - Serviço de Classificação Vegetal.doc 1

2 2 de 26 A Diretoria da CEAGESP - COMPANHIA DE ENTREPOSTOS E ARMAZÉNS GERAIS DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições estatutárias e regulamentares, resolve: 1 DO OBJETIVO Estabelecer procedimentos e disciplinar as operações do Serviço de Classificação Vegetal da CEAGESP, nos âmbitos administrativo e operacional, para a prestação de serviços de classificação de produtos de origem vegetal, de seus subprodutos e resíduos de valor econômico, conforme credenciamento CGC/MAPA nº SP0174, bem como certificar a qualidade destes produtos através da determinação de suas características intrínsecas e extrínsecas, com base nas normas e padrões oficiais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica às naturezas operacionais de armazenamento e de entrepostagem na importação, exportação e mercado interno. 3 DAS DEFINIÇÕES 3.1 DAS SIGLAS a) DEPAR - Departamento de Armazenagem b) SECLAC - Serviço de Classificação Vegetal c) MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento d) CREA - Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia e) SFA - Superintendência Federal da Agricultura f) CGC - Cadastro Geral de Classificadores g) CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento h) POC - Padrão Oficial de Classificação Vegetal i) CNPJ - Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas j) CPF - Cadastro de Pessoas Físicas 3.2 DA FINALIDADE DO SECLAC O SECLAC tem como finalidade dar cumprimento à Lei Federal nº 9.972/00, de 25/05/2000, regulamentada pelo Decreto nº 6.268/07, de 22/11/2007, que institui a classificação obrigatória de produtos vegetais, seus subprodutos e resíduos de valor econômico quando destinados diretamente à alimentação humana; nas operações de compra e venda do Poder Público; e nos portos, aeroportos e postos de fronteiras, quando da importação. 3.3 DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC São passíveis de classificação, na forma do art. 1º da Lei nº 9.972, de 2000, os produtos vegetais, seus subprodutos e resíduos de valor econômico que possuam padrão oficial estabelecido pelo MAPA, conforme Artigo 2º do Decreto nº 6.268, de 22 de novembro de 2007, e para os quais a CEAGESP esteja credenciada. 3.4 DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO 1. O Laudo de Classificação é o documento que orientará o classificador no roteiro da determinação das características do produto e no qual constarão os dados da classificação. Este documento deverá ter todos os seus campos preenchidos, datado e assinado. 2. De acordo com o produto classificado, os Laudos de Classificação são os seguintes: - Serviço de Classificação Vegetal.doc 2

3 3 de 26 a) Laudo de Classificação de Soja - OM-L-025 (ver 6.3.2); b) Laudo de Classificação de Milho - OM-L-026 (ver 6.3.3); c) Laudo de Classificação de Trigo - OM-L-027 (ver 6.3.4); d) Laudo de Classificação de Feijão - OM-L-028 (ver 6.3.5); e) Laudo de Classificação de Arroz - OM-L-029 (ver 6.3.6); f) Laudo de Classificação de Ervilha - OM-L-030 (ver 6.3.7); g) Laudo de Classificação de Lentilha - OM-L-031 (ver 6.3.8); h) Laudo de Classificação de Girassol - OM-L-032 (ver 6.3.9); i) Laudo de Classificação de Sorgo - OM-L-033 (ver ). 3.5 DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO O Certificado de Classificação é o documento hábil para a comprovação da classificação do produto. No Certificado deverão constar as informações do laudo de classificação devendo, ainda, ser preenchido, datado e assinado. 3.6 DA CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO 1. A classificação dos produtos, obrigatória pela Lei nº 9.972/00, de 25/05/2000, será realizada nos Postos de Classificação das Unidades credenciadas da CEAGESP, por classificadores habilitados e credenciados pelo MAPA. 2. A CEAGESP indicará um RT - Responsável Técnico pelo Posto de Classificação cujas atribuições são: a) supervisionar e acompanhar a atividade de classificação vegetal no posto sob sua responsabilidade; b) sugerir ações necessárias ao aperfeiçoamento e modernização no atendimento da atividade; c) supervisionar a organização da documentação do Posto de Classificação Vegetal; d) dar conhecimento e coletar a rubrica dos classificadores em todos os textos legais; e) supervisionar o período de aferição e manutenção dos equipamentos. 3. Aos classificadores ficam estabelecidas as seguintes atribuições: a) cumprir as normas e procedimentos que regem a atividade; b) cumprir as orientações do Responsável Técnico; c) manter organizados a sala de classificação, os equipamentos, os materiais e o arquivo de documentos emitidos; d) efetuar as classificações obedecendo às normas e critérios estabelecidos pela legislação; e) sugerir, ao Responsável Técnico, as alterações que julgar necessárias ao aperfeiçoamento do atendimento da atividade de classificação vegetal Dos Fluxogramas de Classificação De acordo com o produto, os fluxogramas de classificação são os seguintes: a) Fluxograma para Classificação de Soja (ver 6.2.1); b) Fluxograma para Classificação de Milho (ver 6.2.2); c) Fluxograma para Classificação de Trigo (ver 6.2.3); d) Fluxograma para Classificação de Feijão (ver 6.2.4); e) Fluxograma para Classificação de Arroz (ver 6.2.5); - Serviço de Classificação Vegetal.doc 3

4 4 de 26 f) Fluxograma para Classificação de Ervilha (ver 6.2.6); g) Fluxograma para Classificação de Lentilha (ver 6.2.7); h) Fluxograma para Classificação de Girassol (ver 6.2.8); i) Fluxograma para Classificação de Sorgo (ver 6.2.9); 4 DA DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS 4.1 PARA SOLICITAR OS SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL 1. Para solicitar os serviços de classificação vegetal, o interessado deverá utilizar o formulário Termo de Remessa de Amostra - OM-T-069 (ver 6.2.1), sendo de sua responsabilidade as informações fornecidas. 2. Para o serviço de Prestação de Serviço de Classificação Vegetal, classificação por fluxo operacional, controle de qualidade e supervisão da certificação voluntária e amostragem, os procedimentos serão estabelecidos entre as partes interessadas por meio da solicitação do serviço. 3. A amostra poderá ser coletada pelos colaboradores da CEAGESP ou enviada pelo cliente, sendo que, em ambos os casos, os padrões oficiais de classificação do MAPA deverão ser observados. 4. A amostra coletada pela CEAGESP, por meio SECLAC, deverá ser lacrada, identificada e rubricada pelo classificador e por um responsável pelo produto. 5. O solicitante do Serviço de Classificação Vegetal deverá enviar uma quantidade de amostra suficiente para compor, no mínimo, 4 (quatro) sub-amostras, com peso de 1 kg (um quilograma) cada, que deverá apresentar-se homogênea quanto à qualidade, quantidade, apresentação e identificação - mesmo número do lote - sempre acompanhada do formulário Termo de Remessa de Amostra - OM-T-069 preenchido. 6. Após 45 (quarenta e cinco) dias da emissão do Certificado de Classificação as amostras de contra-prova serão descartadas. 7. A amostra que estiver de acordo com os itens 3, 4 e 5 deverá ser registrada no recebimento. 4.2 PARA A CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMISSÃO DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO 1. Será admita a emissão do Certificado de Classificação por classificador não habilitado para a atividade de classificação do produto desde que respaldado por laudo emitido por outro classificador registrado e habilitado pelo MAPA para o produto em questão. 2. A impressão, a emissão e o controle do Certificado de Classificação serão de responsabilidade da CEAGESP, a qual responderá pela sua correta utilização. 3. Responderá solidariamente o profissional que emitiu o Certificado de Classificação. 4. É vedada a emissão do Certificado de Classificação contendo emendas, rasuras ou qualquer outra imperfeição. 5. Para fins de comprovação da classificação e controle da fiscalização, o Certificado de Classificação emitido deverá permanecer arquivado por um período mínimo de 5 (cinco) anos. - Serviço de Classificação Vegetal.doc 4

5 5 de PARA A DESCLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO A desclassificação de um produto se dará pela detecção do mal estado de conservação dos produtos a serem analisados. As condições de conservação dos produtos estão previstas no POC de cada produto vegetal. 4.4 PARA A ARBITRAGEM Na ocorrência de contestação do resultado da classificação, o solicitante terá o prazo de 45 (quarenta e cinco dias), contados a partir da emissão do Certificado de Classificação, para solicitar a arbitragem, de acordo com a Instrução Normativa SARC nº 006 de 16/05/ PARA A COBRANÇA DOS SERVIÇOS E ENTREGA DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO 1. A cobrança dos serviços de classificação terá como base as taxas constantes das Tabelas de Preços para Serviço de Classificação Vegetal (ver 6.1), autorizadas pela Diretoria Executiva. 2. O Posto de Classificação deverá emitir a Nota Fiscal correspondente, na qual deverá constar o(s) número(s) do(s) Registro(s) de Entrada, e 3 (três) vias do boleto de pagamento, equivalentes ao Serviço de Classificação Vegetal. 3. A entrega do Certificado de Classificação Vegetal ao solicitante se dará ao término da análise do produto e da sua classificação, obedecendo ao prazo de 48 (quarenta e oito) horas para produtos não perecíveis e de 24 (vinte e quatro) horas para produtos perecíveis, a partir da finalização da amostragem do produto. 4. Os pagamentos de contratos serão realizados em conformidade com as cláusulas celebradas entre as partes. 4.6 PARA A GUARDA DAS AMOSTRAS E ARQUIVO DOS DOCUMENTOS A CEAGESP será responsável por manter, conservar e guardar em banco de dados digital as informações pertinentes e oriundas do Serviço de Classificação Vegetal, assim como manter um arquivo físico dos documentos processuais da Classificação Vegetal e um controle rigoroso das amostras recebidas. 5 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1. A Tabela de Preços para Serviço de Classificação Vegetal poderá, a qualquer momento, ser atualizada por solicitação do DEPAR, por meio de Proposta de Resolução de Diretoria. 2. A CEAGESP deverá manter o quadro técnico do Serviço de Classificação Vegetal qualificado e em constante aprendizado. 3. O SECLAC, em conjunto com as Unidades credenciadas para o serviço, deverá elaborar o manual de boas práticas de classificação vegetal. 4. Esta Norma entra em vigor a partir da data da sua aprovação, revogando-se todas as disposições em contrário. - Serviço de Classificação Vegetal.doc 5

6 6 de 26 6 DOS ANEXOS 6.1 TABELA DE PREÇOS PARA O SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL ITEM DISCRIMINAÇÃO UNIDADE 1 Preço mínimo por certificado - quando a quantidade a que a amostra se refere totalizar um valor a ser cobrado pelo serviço de classificação for inferior a R$ 25,00. VALOR (R$) Certificado 29,17 2 Certificado representativo de todo um lote amostrado - Preço por tonelada ou fração para quantidades de até 250 toneladas. Tonelada ou fração 1,19 3 Certificado representativo de todo um lote amostrado - Preço por tonelada ou fração para quantidades maiores que 250 toneladas até toneladas. Tonelada ou fração 1,04 4 Certificado representativo de todo um lote amostrado - Preço por tonelada ou fração para quantidades maiores que toneladas. Tonelada ou fração 0,88 5 Despesas com viagens e estadias para serviço de amostragem, quando solicitado pelo cliente e tendo como parâmetro para formação de preço a tabela de reembolso de despesas de viagem da CEAGESP. Por período A combinar 6 Para amostra enviada pelo cliente com Termo de Remessa de Amostra - Certificado referente apenas à amostra enviada - Preço do certificado emitido. Certificado 29,17 7 Serviços de classificação referentes a contratos firmados e com a CONAB A combinar - Serviço de Classificação Vegetal.doc 6

7 7 de FLUXOGRAMAS Para Classificação de Soja AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO VERIFICAR O GRUPO INFORMADO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA DETERMINAR A CLASSE REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 7

8 8 de Para Classificação de Milho AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO DETERMINAR GRUPO E CLASSE EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 8

9 9 de Para Classificação de Trigo AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA DETERMINAR O PESO HECTOLITRO QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 9

10 10 de Para Classificação de Feijão AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS DETERMINAR GRUPO, CLASSE E CULTIVAR QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 10

11 11 de Para Classificação de Arroz AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA CLASSIFICAÇÃO QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS ARROZ EM CASACA SEPARAR IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS PASSAR NO ENGENHO DE PROVAS PARA DESCASCAR E POLIR ARROZ BENEFICIADO SEPARAR IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS ARROZ BENEFICIADO POLIDO ARROZ BENEFICIADO INTEGRAL DETERMINAR RENDA PENEIRAR PARA SEPARAR QUIRERA SEPARAR VERMELHOS PENEIRAR PARA SEPARAR QUIRERA SEPARAR QUEBRADOS NO TRIEUR E PAQUÍMETRO PENEIRAR PARA SEPARAR QUIRERA SEPARAR QUEBRADOS NO TRIEUR E PAQUÍMETRO DETERMINAR RENDIMENTO SEPARAR DEFEITOS DETERMINAR A CLASSE SEPARAR DEFEITOS SEPARAR QUEBRADOS NO TRIEUR E PAQUÍMETRO POLIR NO ENGENHO DE PROVAS SEPARAR DEFEITOS EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 11

12 12 de Para Classificação de Ervilha AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS DETERMINAR GRUPO SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARA E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 12

13 13 de Para Classificação de Lentilha AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS DETERMINAR CLASSE SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARA E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 13

14 14 de Para Classificação de Girassol AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS DETERMINAR CLASSE QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS SEPARAR IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 14

15 15 de Para Classificação de Sorgo AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS DETERMINAR CLASSE QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 15

16 16 de FORMULÁRIOS Termo de Remessa de Amostra - OM-T-069 Nome ou Razão Social: Endereço: TERMO DE REMESSA DE AMOSTRA SECLAC - Serviço de Classificação Vegetal INFORMAÇÕES DO CLIENTE Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo Posto de Serviço de São Paulo/SP Av. Dr. Gastão Vidigal, nº Vila Leopoldina - São Paulo/SP Tel: (11) Fax: (11) / Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: Site: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de Volumes: Peso Líquido(kg): Lote: Embalagem: Marca Comercial: Safra: Natureza da Operação: Lacre da Amostra: Responsável pela Coleta: RG: CPF: Nome ou Razão Social: Endereço: INFORMAÇÕES DO LOCAL DE DEPÓSITO Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Localização do Produto no Armazém ou Silo: Declaro para os devidos fins que as informações constantes neste Termo são verdadeiras e que a amostra foi retirada de acordo com as Normas Oficiais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento-MAPA. Obs.: Data: Assinatura do responsável pela coleta OM-T-069 ELABORADO - O&M CONFERIDO ASJUR ÁREA RESPONSÁVEL - Serviço de Classificação Vegetal.doc 16

17 17 de Laudo de Classificação de Soja - OM-L-025 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DA SOJA Nº SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou razão social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou razão social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: Matérias Estranhas e Impurezas classificadas em g Peso % Tipo Matérias Estranhas g % Impurezas g % Total de Matérias Estranhas, Impurezas g % Grãos avariados classificados em g Grãos Queimados g % Grãos Ardidos g % Total de queimados e ardidos g % Grãos Mofados % Sub total (1) Queimados, Ardidos e Mofados g % Grãos Fermentados g % Grãos Germinados g % Grãos Danificados por Percevejo /4 g % Grãos Danificados g % Grãos Imaturos g % Grãos Chochos g % Sub total (2) Fermentados, Germinados, Danificados, Imaturos e Chochos g % Total de Grãos Avariados (Sub total 1 + Sub total 2) g % Grãos Partidos, Quebrados e Amassados g % Grãos Esverdeados g % GRUPO CLASSE classificada em g Amarela g % CLASSE Misturada g % CONCLUSÃO GRUPO: CLASSE: TIPO: Observação: Posto de Classificação: Classificador: Reg. Nº CGC do MAPA: Assinatura Data: OM-L-025 ELABORADO - O&M CONFERIDO ASJUR ÁREA RESPONSÁVEL - Serviço de Classificação Vegetal.doc 17

18 18 de Laudo de Classificação de Milho - OM-L-026 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE MILHO Nº SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou razão social: Endereço: Municipio: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou razão social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: Tipo: DEFEITOS (Classificada em 250 gramas) Peso % Tipo Matérias Estranhas g % Impurezas g % Fragmentos g % Total de Matérias Estranhas, Impurezas e Fragmentos g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Grãos Brotados g % Sub total (1) de mofados, ardidos e brotados g % Grãos Fermentados até 1/4 g % Grãos Carunchados g % Grãos Chochos g % Grãos Quebrados g % Grãos Danificados por diferentes causas g % Grãos Atacados por roedores e parasitas g % Sub total (2) fermentados até 1/4, carunchados, chochos, quebrados, danificados diferentes causas, atacados por roedores e parasitas g % Total de Grãos avariados (1+2) g % Grupo (Classificado em 100 gramas) Classe (Classificado em 100 gramas) Duro: % Amarelo: % Mole: % Branco: % Semiduro: % Grupo: Classe : CONCLUSÃO Classe: Grupo: Tipo: Observação: Posto de Classificação: Classificador: Reg. Nº CGC do MAPA: Assinatura Data: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 18

19 19 de Laudo de Classificação de Trigo - OM-L-027 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE TRIGO Nº Instrução Normativa nº 38, de 30 de novembro de 2010 SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou razão social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou razão social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÕES DO PRODUTO CLASSES Valor Classe Alveografia(W)(10-4 J): Número de Queda: Segundos (200 mínimo) Umidade: % Aparelho Utilizado: Tipo: Peso Hectolitro: kg/hl Tipo: DEFEITOS (Classificado em 250 gramas) Peso % Tipo Matérias Estranhas g % Impurezas g % Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Danificados por Insetos g % Grãos Danificados pelo Calor g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Total de Grãos Danificados pelo Calor, Mofados e Ardidos g % Grãos Chochos g % Triguilhos g % Grãos Quebrados g % Total de Grãos Chochos, Triguilhos e Quebrados g % Total de Defeitos, Danificados por Insetos, Danificados pelo Calor, Mofados e Ardidos, Chochos, Triguilhos e Quebrados g % Grãos Germinados g % Grãos Esverdeados g % CONCLUSÃO Classe: Tipo: Observação: Posto de Classificação: SP0174/001 Data: Classificador: Assinatura Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 19

20 20 de Laudo de Classificação de Feijão - OM-L-028 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE FEIJÃO Nº Instrução Normativa nº 12, de 08 de março de 2008 SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: Classificada em gramas Peso % Tipo Matérias Estranhas e Impurezas g % Insetos Mortos g % Total de Matérias Estranhas e Impurezas + Insetos Mortos g % Defetos Classificados em gramas Peso % Tipo Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Grãos Germinados g % Total de Mofados, Ardidos e Germinados g % Grãos Carunchados g % Grãos Atacados por Lagarta da Vagem g % Total de Carunchados e Atacados por Lagarta da Vagem g % Grãos Amassados g % Grãos Danificados por Percevejos /4 g % Grãos Danificados g % Grãos Imaturos g % Subtotal 1 - Amassados, Danificados e Imaturos g % Grãos Quebrados g % Grãos Partidos g % Subtotal 2 - Quebrados e Partidos g % Total Defeitos Leves, soma Subtotal (se subtotal 2 for abaixo de 70%) g % GRUPO: CLASSE Classe do Grupo I: Branco g % Classe do Grupo II: Branco g % Preto g % Preto g % Cores g % Cores g % Cultivar Predominante: Cultivar Predominante: CONCLUSÃO Grupo: Classe: Cultivar: Tipo: Observação: Posto de Classificação: SP Data: Classificador: Assinatura Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 20

21 21 de Laudo de Classificação de Arroz - OM-L-029 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE ARROZ Nº Instrução Normativa nº 06, de 16 de fevereiro de 2009 SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou razão social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Número da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou razão social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: DEFEITOS (Classificada em gramas) Peso % Tipo Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Grãos Enegrecidos g % Total de Mofados, Ardidos e Enegrecidos g % Grãos Manchados e Picados g % Grãos Gessados e Verdes g % Grãos Rajados g % Grãos Amarelos g % Grãos Danificados g % Grãos Vermelhos e Pretos g % Grãos não Parboilizados g % Grãos não Gelatinizados g % Quebrados g % Quirera g % Total de Quebrados e Quirera g % Grãos marinheiros em 1 kg und. und. RENDA DO ARROZ EM CASCA INTEIROS: g QUEBRADOS: g RENDA: g GRUPO: SUBGRUPO: DETERMINAÇÃO DA CLASSE EM: ( )g Longo Fino: g % Longo: g % Médio: g %Curto: g % CLASSE: CONCLUSÃO Grupo: Subgrupo: CLASSE: Tipo: Observação: Posto de Classificação: SP Data : Classificador: Assinatura Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 21

22 22 de Laudo de Classificação de Ervilha - OM-L-030 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE ERVILHA Nº SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNP J: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Número da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: DEFEITOS (Classificada em 250 gramas) Peso % Tipo Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Total de mofados e ardidos g % Grãos Carunchados g % Grãos Manchados e Descoloridos g % Grãos Brotados g % Grãos Chochos g % Grãos Quebrados g % Grãos Partidos g % Total de Grãos avariados g % GRUPO I - INTEIRAS % II - PARTIDAS % GRUPO: Grupo: Observação: CONCLUSÃO Tipo: Posto de Classificação: Classificador: Assinatura Data: Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 22

23 23 de Laudo de Classificação de Lentilha - OM-L-031 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE LENTILHA Nº SECLAC - Serviço de Classificação INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: S I INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: SP0174 Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO : Umidade: % Aparelho Utilizado: DEFEITOS (Classificada em 100 gramas) Peso % Tipo Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Total de mofados e ardidos g % Grãos Carunchados g % Grãos Manchados e Descoloridos g % Grãos Despeliculados g % Grãos Brotados g % Grãos Chochos e Imaturos g % Grãos Danificados g % Grãos Quebrados g % Grãos Partidos g % Total de Grãos avariados g % CLASSE GRAÚDA % MÉDIA: % CLASSE: MIÚDA: % Classe: Observação: CONCLUSÃO Tipo: Posto de Classificação: Classificador: Reg. Nº CGC do MAPA: Assinatura Data: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 23

24 24 de Laudo de Classificação de Girassol - OM-L-032 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE GIRASSOL Nº SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: TIPO: DEFEITOS (Classificada em 100 gramas) Peso % Tipo Matérias Estranhas e Impurezas g % Fragmentos g % Total de Matérias Estranhas, Impurezas e Fragmentos g % Grãos Ardidos e Rancificados g % Grãos Mofados g % Grãos Danificados g % Grãos Descascados g % Grãos Brotados g % Grãos Chochos g % Grãos Partidos g % Grãos Danificados por Insetos g % Total de Grãos avariados g % CLASSE BRANCO: % RAJADO: % CLASSE: PRETO: % CLASSE: Observação: CONCLUSÃO TIPO: Posto de Classificação: Classificador: Reg. Nº CGC do MAPA: Assinatura Data: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 24

25 25 de Laudo de Classificação de Sorgo - OM-L-033 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE SORGO Nº SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: TIPO: DEFEITOS (Classificada em 100 gramas) Peso % Tipo Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Ardidos g % Grãos Brotados g % Total de grãos ardidos e brotados g % Grãos Mofados g % Grãos Chochos g % Grãos Carunchados e/ ou danificados por outros insetos g % Grãos Quebrados g % Total de Grãos avariados ardidos, brotados, mofados, chochos, carunchados e/ou danificados por outros insetos e quebrados g % CLASSE BRANCO: % AMARELO: % CLASSE: VERMELHO: % CASTANHO: % CONCLUSÃO CLASSE: TIPO: Observação: Posto de Classificação: Classificador: Assinatura Data: Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 25

26 26 de Certificado de Classificação - OM-C-232 Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo Posto de Serviço de São Paulo/SP Nº. Credenciado e registrado sob o nº CGC/MAPA SP0174 CNPJ: / I.E Av. Dr. Gastão Vidigal nº 1946 Vila Leopoldina São Paulo/SP SP0174 CEP: Telefone: (11) Fax: (11) CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO De acordo com o que estabelece a Lei nº 972, de 25 de maio de 2000, e com o Decreto nº 3.664, de 17 de novembro de 2000, CERTIFICAMOS que a amostra em nosso poder apresentou os resultados da classificação constantes deste Certificado. Nome ou Razão Social: Endereço: CPF/CNPJ: I.E: Município: UF: CEP: IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Produto: Procedência: Número de volumes: Peso Liquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de Transporte: Safra: Marca Comercial: Embalagem: Responsável pela Amostragem: Unidade Armazenadora: Localidade: Natureza da Operação: Regulamento Técnico (Padrão Oficial) utilizado: ESPECIFICAÇÕES DO PRODUTO Grupo: SubGrupo: Classe; Subclasse: Tipo: Umidade: % Tipo do Aparelho: Peso Hectolitro: g RESULTADO DAS ANÁLISES DEFEITOS ( Classificada em gramas ) Peso % Tipo Observação: Posto de Classificação: Data: Classificador Reg. Nº CGC do MAPA OM-C Serviço de Classificação Vegetal.doc 26

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 As importações de vegetais, seus produtos, derivados e partes, subprodutos,

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTO V.WEISS & CIA LTDA PROCEDIMENTO PADRÃO PARA VIAGEM A SERVIÇO ATUALIZADO: JULHO/2015 V.WEISS & CIA LTDA

MANUAL DE PROCEDIMENTO V.WEISS & CIA LTDA PROCEDIMENTO PADRÃO PARA VIAGEM A SERVIÇO ATUALIZADO: JULHO/2015 V.WEISS & CIA LTDA Julho/2015 Índice Sumário 1. Envolvidos... 3 2. Formulários Envolvidos... 3 2.1. Relatório de Solicitação de Viagem (anexo 02).... 3 2.2. Relatório de Prestação de Contas (anexo 03).... 3 3. Procedimentos...

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Chamada Pública n.º 02/2016, para aquisição de gêneros alimentícios diretamente da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Orgânica do Município, e

O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado do Piauí, no uso das atribuições legais que lhe confere a Lei Orgânica do Município, e DECRETO Nº 9.540, DE 17 DE AGOSTO DE 2009. Disciplina a emissão da Nota Fiscal de Serviços Eletrônica NFS-e e dá outras providências, nos termos que especifica. O PREFEITO MUNICIPAL DE TERESINA, Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 881/07-GSF, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 881/07-GSF, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 881/07-GSF, DE 25 DE OUTUBRO DE 2007. Institui o Sistema de Exportação - SISEXP -. O SECRETÁRIO DE ESTADO DE FAZENDA, no uso das atribuições, tendo em vista o disposto no art. 82

Leia mais

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores

Unidade: Centro de Educação a Distância MANUAL DE PROCEDIMENTOS Nº: Manual de Instruçao - Autorizar Liberação de ValoresAutorizar Liberação de Valores 1/15 ESTA FOLHA ÍNDICE INDICA EM QUE REVISÃO ESTÁ CADA FOLHA NA EMISSÃO CITADA FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 FL/R. 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 01 26 02 27 03 28 04 29 05 30 06 31 07 32 08 33

Leia mais

EDITAL Nº 72, DE 18 DE JULHO DE 2014

EDITAL Nº 72, DE 18 DE JULHO DE 2014 EDITAL Nº 72, DE 18 DE JULHO DE 2014 CURSO DE CAPACITAÇÃO PARA SERVIDORES PÚBLICOS NA MODALIDADE A DISTÂNCIA O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, IFPI, torna público o presente

Leia mais

TÍTULO 09 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS Documento 1 Contrato para Prestação de Serviços de Classificação

TÍTULO 09 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS Documento 1 Contrato para Prestação de Serviços de Classificação INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO, ART. 25, CAPUT DA LEI N.º 8.666/93 PROCESSO N.º CONTRATO N.º ATO DE INEXIGIBILIDADE N.º CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS, SUBPRODUTOS

Leia mais

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA DE ANCHIETA CNPJ 27.142.694/0001-58

ESTADO DO ESPÍRITO SANTO PREFEITURA DE ANCHIETA CNPJ 27.142.694/0001-58 INSTRUÇÃO NORMATIVA PARA COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO Nº 01 /2015 Data: 21/11/2014 Versão: Original 01 ASSUNTO DISCIPLINA SOBRE OS PROCEDIMENTOS PARA COMUNICAÇÃO DE ACIDENTE DE TRABALHO CAT NO ÂMBITO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003 DE 20 DE JANEIRO DE 2011.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003 DE 20 DE JANEIRO DE 2011. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 003 DE 20 DE JANEIRO DE 2011. Estabelece os procedimentos técnicos e operacionais complementares à Portaria 2.220/2010, que trata dos prazos para inclusão, alteração e/ou cancelamento

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 0558-2009-01 MÉDICO FISIATRA DS/REABILITAÇÃO R$ 4.105,18-20 horas semanais SESI-SP A Diretoria de Recursos Humanos do SESI-SP abre inscrições para candidatos interessados

Leia mais

PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975

PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975 PORTARIA Nº 191, DE 14 DE ABRIL DE 1975 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, usando da atribuição que lhe confere o artigo 39, Ministério da Agricultura, item VIII, do Decreto-Lei nº 200, de 25 de fevereiro

Leia mais

I DA INSCRIÇÃO Serão aceitas inscrição de médicos ou formandos de quaisquer escolas médicas reconhecidas.

I DA INSCRIÇÃO Serão aceitas inscrição de médicos ou formandos de quaisquer escolas médicas reconhecidas. São Paulo, 17 novembro de 2014. Hospital São Camilo - Pompeia - São Paulo / SP. Edital 01/14 O Hospital São Camilo Pompeia - São Paulo / SP, torna público que no período de 17/11 a 03/12 de 2014, através

Leia mais

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 004/LCPA/SBPA/2016

EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 004/LCPA/SBPA/2016 EDITAL DE CHAMAMENTO PÚBLICO Nº 004/LCPA/SBPA/2016 CHAMAMENTO PÚBLICO COM OBJETIVO DE PROSPECÇÃO DE MERCADO PARA AVALIAÇÃO DO NÚMERO DE INTERESSADOS NA CONCESSÃO DE USO DE ÁREAS E INSTALAÇÕES, DESTINADAS

Leia mais

FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS FUNDO MATO-GROSSENSE DE APOIO À CULTURA DA SEMENTE MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS Cuiabá/MT, 10/04/2013 1 MANUAL DE PRESTAÇÃO DE CONTAS 1. INTRODUÇÃO 1.1 - Recomenda-se a leitura deste manual antes de utilizar

Leia mais

FÁBIO SCHROETER, Prefeito Municipal de Campo Verde, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais,

FÁBIO SCHROETER, Prefeito Municipal de Campo Verde, Estado de Mato Grosso, no uso de suas atribuições legais, LEI COMPLEMENTAR N 060, DE 09 DE SETEMBRO DE 2015 DISPÕE SOBRE EMISSÃO DO ALVARÁ DE LOCALIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO, INSTITUI O ALVARÁ PROVISÓRIO, ESTABELECE A VALIDADE DO DOCUMENTO DE ALVARÁ NO MUNICÍPIO

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999

INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 181 INSTRUÇÃO NORMATIVA n.º 01/1997, de 22 de maio de 1997 D.O.E. de 09 de fevereiro de 1999 O, no uso das atribuições que lhe confere o inciso XII do Art. 78 da Constituição Estadual, bem como o inciso

Leia mais

ESTÁGIO SUPERVISIONADO

ESTÁGIO SUPERVISIONADO ESTÁGIO SUPERVISIONADO MANUAL DO ESTAGIÁRIO JULHO 2015 abatista@fatecbt.edu.br 03 a 14/08/2015 Matrícula de Estágio Supervisionado para os alunos que não constam no SIGA. 03 a 14/08/2015 Confirmação da

Leia mais

EDITAL 03/PPGFMC/2016

EDITAL 03/PPGFMC/2016 Campus Universitário, Trindade, Bloco D/CCB, Florianópolis, SC, 88049-900, Brasil Tel.: (48) 721-2471 Fax: (48) 721-981 e-mail: ppgf@farmaco.ufsc.br EDITAL 0/PPGFMC/2016 A Coordenação do Programa de Pós-Graduação

Leia mais

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL

2. ATOS DO DIRETOR-GERAL 2.1. INSTRUÇÃO NORMATIVA 2. ATOS DO DIRETOR-GERAL INSTRUÇÃO NORMATIVA DE 7 DE MARÇO DE 2010 O DIRETOR-GERAL DA SECRETARIA DO TRIBUNAL SUPERIOR ELEITORAL, no uso das atribuições que lhe são conferidas pelo

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 011 Declaração de Isenção de Licenciamento Ambiental DILA

INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 011 Declaração de Isenção de Licenciamento Ambiental DILA INSTRUÇÃO NORMATIVA IN Nº 011 Declaração de Isenção de Licenciamento Ambiental DILA Disciplina o processo de dispensa de licenciamento ambiental das atividades localizadas no município de Blumenau, e passíveis

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA Nº 016/09

GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) RESOLUÇÃO COEMA Nº 016/09 GOVERNO DO ESTADO DO AMAPÁ CONSELHO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE (COEMA) 1 RESOLUÇÃO COEMA Nº 016/09 Publicada no DOE Nº. 4634 de 04/12/2009. Regulamenta as pesquisas científicas nas Unidades de Conservação

Leia mais

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT.

Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Instruções para o cadastramento da Operação de Transporte e geração do Código Identificador da Operação de Transporte CIOT. Versão: 16/03/12 As instruções abaixo aplicam-se a todas as Operações de Transportes

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 007.2/2008

ORDEM DE SERVIÇO Nº 007.2/2008 1/6 DIRETORIA DE SAÚDE GABINETE ORDEM DE SERVIÇO Nº 007.2/2008 Dispõe sobre a implantação das regras de pré-auditoria eletrônica das contas e serviços auxiliares de diagnóstico e terapia (SADT). O DIRETOR

Leia mais

Edital Concurso Cultural de Pintura em Tela 7º Festival Regional do Umbu

Edital Concurso Cultural de Pintura em Tela 7º Festival Regional do Umbu Edital Concurso Cultural de Pintura em Tela 7º Festival Regional do Umbu 1. PROMOÇÃO E REALIZAÇÃO 1.1 A Cooperativa Agropecuária Familiar de Canudos, Uauá e Curaçá (COOPERCUC), promove durante o 7º Festival

Leia mais

Procedimento Operacional FUNDO FIXO DE CAIXA. Este procedimento estabelece as diretrizes que regulamentam a utilização e prestação de contas do

Procedimento Operacional FUNDO FIXO DE CAIXA. Este procedimento estabelece as diretrizes que regulamentam a utilização e prestação de contas do Companhia de Informática de Jundiaí CIJUN Procedimento Operacional FUNDO FIXO DE CAIXA Responsável: Diretoria Administrativa Financeira 1. OBJETIVO Este procedimento estabelece as diretrizes que regulamentam

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO 1 UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL N o 036/2012 PROPESP/UFAM A UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS (UFAM), por intermédio da Pró- Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação,

Leia mais

Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014

Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014 Central de Serviços- HSF Versão Junho/2014 São Francisco Centro de Serviços Compartilhados 1 OBJETIVO: A Central de Serviços HSF tem por objetivo a coleta e entrega de correspondências entre os setores

Leia mais

NORMAS E PROCEDIMENTOS

NORMAS E PROCEDIMENTOS NORMAS E PROCEDIMENTOS Compensação dos atos gratuitos Com o objetivo de informar nossos colegas responsáveis pelos Cartórios de Registro Civil das Pessoas Naturais, a Comissão Gestora do Fundo de Custeio

Leia mais

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL

CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES BPL CADASTRO, TREINAMENTO E QUALIFICAÇÃO DE INSPETORES NORMA Nº NIE-CGCRE-039 APROVADA EM ABR/2013 Nº 01/ SUMÁRIO 1 Objetivo 2 Campo de Aplicação 3 Responsabilidade 4 Documentos Complementares 5 Histórico

Leia mais

Modem ADSL 2+ Modelo GKM 1220. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras.

Modem ADSL 2+ Modelo GKM 1220. Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. GUIA DE INSTALAÇÃO Modem ADSL 2+ Modelo GKM 1220 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Intelbras. O Modem ADSL 2+ GKM 1220 oferece uma solução completa e prática para

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016.

SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS CIRCULAR SUSEP N.º 528, DE 25 DE FEVEREIRO DE 2016. Estabelece procedimentos relacionados com a instrução de processos de autorização para funcionamento, alterações

Leia mais

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO

GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Versão 01 - Página 1/24 PROCESSO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP-GO PROCEDIMENTO: Acompanhamento e controle das obras nas sedes do MP- GO ALINHAMENTO ESTRATÉGICO Objetivo estratégico:

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU

UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU UNIVERSIDADE DO SAGRADO CORAÇÃO REGULAMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU Em conformidade com a Resolução CNE/CES n 1, de 08 de Junho de 2007 e o Regimento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação.

Leia mais

EDITAL Nº 003/2016-PROPPG, de 07 de março de 2016.

EDITAL Nº 003/2016-PROPPG, de 07 de março de 2016. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À TRADUÇÃO PARA LÍNGUA ESTRANGEIRA E PUBLICAÇÃO DE ARTIGOS DE SERVIDORES DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE GOIÁS (PIPART/IFG) EDITAL Nº 003/2016-PROPPG,

Leia mais

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização

Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Manual de preenchimento da planilha de cálculo do índice de nacionalização Atualizado em 02/07/15 Pág.: 1/9 SUMÁRIO Introdução... 3 1. Índice de nacionalização... 3 2. Objetivo da planilha... 4 3. O preenchimento

Leia mais

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento

POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento POLÍTICA DE RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL CREDITÁ S.A. Crédito, Financiamento e Investimento SUMÁRIO 1. Propósito 2. Abrangência 3. Política 3.1 Princípios Fundamentais 3.2 Diretrizes Socioambientais

Leia mais

2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG-GO Nº 002/2014.

2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG-GO Nº 002/2014. 2ª CHAMADA PÚBLICA CONAB/SUREG-GO Nº 002/2014. 2ª Chamada Pública para aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar, no âmbito do PAA, para suplementação alimentar de grupos populacionais

Leia mais

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica

Sefaz Virtual Ambiente Nacional Projeto Nota Fiscal Eletrônica Projeto Nota Fiscal Eletrônica Orientações de Utilização do Sefaz Virtual Ambiente Nacional para as Empresas Versão 1.0 Fevereiro 2008 1 Sumário: 1. Introdução... 3 2. O que é o Sefaz Virtual... 4 3. Benefícios

Leia mais

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop

Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Nota Técnica sobre centrais de GLP, com operação de sistema Pit Stop Sumário Executivo Esta Nota Técnica tem por finalidade comprovar a existência de sustentação técnica e motivação econômica para estabelecer

Leia mais

UFT 2013. Manual de Procedimentos Suprimento de Fundos

UFT 2013. Manual de Procedimentos Suprimento de Fundos UFT 2013 Manual de Procedimentos Suprimento de Fundos UNIVERSIDADE FEDERAL DO TOCANTINSPRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO E FINANÇAS DIRETORIA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS - CPE Conteúdo SUPRIMENTO DE FUNDOS...

Leia mais

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016

PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA VOLUNTÁRIO PIC DIREITO/UniCEUB EDITAL DE 2016 O reitor do Centro Universitário de Brasília UniCEUB, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, torna público que

Leia mais

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE

ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE Sistema Integrado de Normas Jurídicas do Distrito Federal SINJ-DF ORDEM DE SERVIÇO Nº 02, DE 14 DE MARÇO DE 2016. Estabelece calendário de abertura, inventário trimestral, bloqueio e fechamento, referente

Leia mais

PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE ADMISSÃO DE PROFESSOR EDITAL N.º 10/13 - FESPPR

PROCESSO SELETIVO EXTERNO DE ADMISSÃO DE PROFESSOR EDITAL N.º 10/13 - FESPPR FACULDADE DE EDUCAÇÃO SUPERIOR DO PARANÁ Mantenedora: Fundação de Estudos Sociais do Paraná CNPJ: 76.602.895/0001-04 Inscr. Estadual: Isento Rua Dr. Faivre, 141 Fone/Fax (0xx41) 3028-6500 CEP 80060-140

Leia mais

CAMPANHA NACIONAL DE RECADASTRAMENTO DO COFECON NOVA CARTEIRA PROFISSIONAL

CAMPANHA NACIONAL DE RECADASTRAMENTO DO COFECON NOVA CARTEIRA PROFISSIONAL CAMPANHA NACIONAL DE RECADASTRAMENTO DO COFECON NOVA CARTEIRA PROFISSIONAL Comissão de Acompanhamento da Campanha Nacional de Recadastramento do COFECON Wilson Roberto Vilas Boas Antunes Coordenador Conselheiro

Leia mais

Parágrafo único. Além das exigências estabelecidas nos Anexos do Decreto nº 5.053, de 24 de abril de

Parágrafo único. Além das exigências estabelecidas nos Anexos do Decreto nº 5.053, de 24 de abril de MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 29, DE 14 DE SETEMBRO DE 2010 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LOCAÇÃO DE STAND PARA O LATINIDADES FESTIVAL DA MULHER AFRO LATINO AMERICANA E CARIBENHA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LOCAÇÃO DE STAND PARA O LATINIDADES FESTIVAL DA MULHER AFRO LATINO AMERICANA E CARIBENHA TERMO DE REFERÊNCIA PARA LOCAÇÃO DE STAND PARA O LATINIDADES FESTIVAL DA MULHER AFRO LATINO AMERICANA E CARIBENHA Prezadas (os) Senhoras e Senhores, Brasília, 08 de novembro de 2011. A ONU Mulheres Brasil

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 2ª edição de 2015

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 2ª edição de 2015 Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 2ª edição de 2015 1 - Dados cadastrais da Instituição de Educação Superior - IES

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 010/2009/SAD, DE 09 DE DEZEMBRO DE 2009. Dispõe sobre os procedimentos para a operacionalização do sistema de serviço de armazenamento, transporte, distribuição e seguro, com gestão

Leia mais

REGULAMENTO VI GINCANA ESTADUAL DE ECONOMIA RIO DE JANEIRO

REGULAMENTO VI GINCANA ESTADUAL DE ECONOMIA RIO DE JANEIRO REGULAMENTO VI GINCANA ESTADUAL DE ECONOMIA RIO DE JANEIRO No dia 27 de julho de 2016, às 10:00 horas, O CORECON-RJ promoverá a VI Gincana Estadual de Economia do Rio de Janeiro, que tem como objetivo

Leia mais

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA

REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA REGULAMENTO DO ARQUIVO MUNICIPAL DE FRONTEIRA Preâmbulo No processamento da política de reorganização dos serviços municipais e no caso particular do Arquivo do Município de Fronteira, pretende-se com

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DE INCENTIVO À CONTRATAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO PROMOÇÃO BMG CARD CASH BACK

REGULAMENTO DA CAMPANHA DE INCENTIVO À CONTRATAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO PROMOÇÃO BMG CARD CASH BACK REGULAMENTO DA CAMPANHA DE INCENTIVO À CONTRATAÇÃO DE CARTÕES DE CRÉDITO PROMOÇÃO BMG CARD CASH BACK É instituída a campanha Promoção BMG Card Cash Back como forma de incentivar os servidores efetivos

Leia mais

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL ESF SORRI BAURU MARÇO 2016

EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL ESF SORRI BAURU MARÇO 2016 EDITAL PROCESSO SELETIVO PARA AUXILIAR DE SAÚDE BUCAL ESF SORRI BAURU MARÇO 2016 A SORRI BAURU, por meio de sua Diretoria Executiva, convoca os interessados a participar do processo seletivo para a contratação

Leia mais

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101

NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS NORMATIVOS - NOR 101 ASSUNTO: Elaboração de Instrumentos Normativos MANUAL DE ORGANIZAÇÃO APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 25, de 12/05/2016 COD. VIGÊNCIA: 100 12/05/2016 NORMA DE ELABORAÇÃO DE INSTRUMENTOS 1/10 SUMÁRIO 1 FINALIDADE...

Leia mais

PROTOCOLO DE RETIRADA DE EDITAL VIA INTERNET

PROTOCOLO DE RETIRADA DE EDITAL VIA INTERNET PROTOCOLO DE RETIRADA DE EDITAL VIA INTERNET OBS.: o preenchimento e envio do protocolo abaixo é OBRIGATÓRIO para que os interessados possam receber o Edital Completo e também serem informados de qualquer

Leia mais

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente

Fundo Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente - O que são os FUNDOS DE DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE? São recursos públicos mantidos em contas bancárias específicas. Essas contas têm a finalidade de receber repasses orçamentários e depósitos

Leia mais

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015.

Art. 2º Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. CAMPO GRANDE-MS, 6 DE MAIO DE 2015. GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA- SEJUSP/MS AGÊNCIA ESTADUAL DE ADMINISTRAÇÃO DO SISTEMA PENITENCIÁRIO-AGEPEN/MS PORTARIA AGEPEN Nº 4, DE 6 DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA ESCOLA DE GOVERNO DO PARANÁ CENTRAL DE ESTÁGIO

SECRETARIA DE ESTADO DA ADMINISTRAÇÃO E DA PREVIDÊNCIA ESCOLA DE GOVERNO DO PARANÁ CENTRAL DE ESTÁGIO A Lei Federal Nº 11.788/2008 em seu Art. 2 1º, determina que Estágio obrigatório é aquele definido como tal no projeto do curso, cuja carga horária é requisito para aprovação e obtenção de diploma. Para

Leia mais

CARTA CONVITE Nº 012/2014. Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração.

CARTA CONVITE Nº 012/2014. Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração. Santos, 17 de outubro de 2014. CARTA CONVITE Nº 012/2014 Confecção, aplicação e instalação de comunicação visual da nova exposição de média duração Museu do Café O Instituto de Preservação e Difusão da

Leia mais

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016

EDITAL DO PROCESSO SELETIVO - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 EDITAL DO PROCESSO SELETIVO - PRIMEIRO SEMESTRE DE 2016 A Diretora da Faculdade de Direito e Ciências Sociais do Leste de Minas - FADILESTE, em conformidade com a Lei nº 9.394/96, em conformidade com o

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO CREA-SP ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE.

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL CONSELHO REGIONAL DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA DE SÃO PAULO CREA-SP ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE. ATO NORMATIVO Nº, DE DE DE. Dispõe sobre celebração de convênios com entidades de classe para maior eficiência da fiscalização profissional, através da expansão das Anotações de Responsabilidade Técnica

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1ª edição de 2015

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1ª edição de 2015 Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - Sisu Termo de Adesão - 1ª edição de 2015 1 - Dados cadastrais da Instituição de Educação Superior - IES

Leia mais

Relatório elaborado pela. ONG Sustentabilidade e Participação

Relatório elaborado pela. ONG Sustentabilidade e Participação CENTRO UNIVERSITÁRIO SERRA DOS ORGÃOS - FESO Centro de Ciência e Tecnologia - CCT Curso de Engenharia de Produção NAI - Núcleo de Atividades Complementares Relatório elaborado pela ONG Sustentabilidade

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4012 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: TR 007/2010-CGS - CIÊNCIAS SOCIAIS APLICÁVEIS 3. Qualificação educacional: Graduação na área de CIÊNCIAS SOCIAIS

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 003/2013. EMENTA: Aprova normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação emitidos por instituições estrangeiras.

RESOLUÇÃO Nº 003/2013. EMENTA: Aprova normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação emitidos por instituições estrangeiras. RESOLUÇÃO Nº 003/2013 EMENTA: Aprova normas para Reconhecimento de Títulos de Pós-Graduação emitidos por instituições estrangeiras. A Presidente do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão da Universidade

Leia mais

1. DO OBJETIVO 2. DOS REQUISITOS

1. DO OBJETIVO 2. DOS REQUISITOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA PRÓ-REITORIA DE ASSUNTOS ESTUDANTIS SETOR DE BOLSAS ESTUDANTIS AUXÍLIO TRANSPORTE 1º SEMESTRE EDITAL Nº. 011/2016, 20 DE ABRIL DE 2016 A Pró-Reitora de Assuntos Estudantis,

Leia mais

TRAVESSIA AÉREA Informações para Apresentação de Projeto Revisão 26/06/12

TRAVESSIA AÉREA Informações para Apresentação de Projeto Revisão 26/06/12 Em atenção à solicitação de autorização para passagem de Travessia Aérea, informamos que para abertura do processo e análise do pedido, serão necessários os documentos abaixo para cada Travessia. (Não

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI FACULDADE DE MEDICINA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA - PROVAB

UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI FACULDADE DE MEDICINA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA - PROVAB UNIVERSIDADE FEDERAL DO CARIRI FACULDADE DE MEDICINA NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE VALORIZAÇÃO DO PROFISSIONAL DA ATENÇÃO BÁSICA - PROVAB EDITAL Nº01/2016 NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO SELEÇÃO DE SUPERVISORES

Leia mais

INSCRIÇÃO PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - PDCS (Isento de Taxa) 1º SEMESTRE DE 2015. SOLICITAÇÕES DE 12/12/14 a 13/03/15

INSCRIÇÃO PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - PDCS (Isento de Taxa) 1º SEMESTRE DE 2015. SOLICITAÇÕES DE 12/12/14 a 13/03/15 Informativo GR nº 002/2014. INSCRIÇÃO PARA PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR - PDCS (Isento de Taxa) 1º SEMESTRE DE 2015 SOLICITAÇÕES DE 12/12/14 a 13/03/15 ESTE INFORMATIVO CONTÉM TODAS AS ORIENTAÇÕES

Leia mais

Nome da Empresa: Check-List preenchido por: Data: Check-List de Madeira Controlada Política da Empresa Comentários Conformidade Uma política de comprometimento público foi elaborada declarando que a empre-

Leia mais

EDITAL Nº 007/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO

EDITAL Nº 007/2015 PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE ESTAGIÁRIO Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Sul-Rio-Grandense CÂMPUS AVANÇADO DE NOVO HAMBURGO PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO

Leia mais

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências.

DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. DECRETO Nº 2.377, DE 16 DE AGOSTO DE 2006. Dispõe sobre o plantio e manejo de árvores no município e dá outras providências. Itamar Borges, Prefeito da Estância Turística de Santa Fé do Sul, Estado de

Leia mais

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 388, DE 31 DE MAIO DE 2007. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.543

DECRETO ADMINISTRATIVO N. 388, DE 31 DE MAIO DE 2007. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.543 DECRETO ADMINISTRATIVO N. 388, DE 31 DE MAIO DE 2007. Publicado no Diário da Assembléia nº 1.543 O Presidente da Assembléia Legislativa do Estado do Tocantins, no uso de suas atribuições constitucionais,

Leia mais

ANEXO I EDITAL - CONVITE nº 008/2005-ANATEL-ER01 PROCESSO nº 53504.017.798/2005 PROJETO BÁSICO

ANEXO I EDITAL - CONVITE nº 008/2005-ANATEL-ER01 PROCESSO nº 53504.017.798/2005 PROJETO BÁSICO ANEXO I EDITAL - CONVITE nº 008/2005-ANATEL-ER01 PROCESSO nº 53504.017.798/2005 PROJETO BÁSICO ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS MANUTENÇÃO PREVENTIVA E CORRETIVA DO SISTEMA DE AR CONDICIONADO ESCRITÓRIO REGIONAL

Leia mais

Atividades a serem desenvolvidas (de acordo com a área de lotação):

Atividades a serem desenvolvidas (de acordo com a área de lotação): COMUNICADO DE PROCESSO SELETIVO Nº 0029-2012-01 ORIENTADOR DE ARTES CÊNICAS FORMAÇÃO DE CADASTRO RESERVA ARARAQUARA E FRANCA SESI-SP R$ 3.669.03 40 HORAS SEMANAIS DRH/SS-SE 0029-2012-01 A Diretoria de

Leia mais

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 48/2012

EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 48/2012 EDITAL DE PROCESSO SELETIVO Nº 48/2012 Dispõe sobre Processo Seletivo de Funcionário para as vagas de Auxiliar Administrativo I e Auxiliar Administrativo IV para o Centro Universitário - Católica de Santa

Leia mais

Universidade Estadual de Goiás Biblioteca UnUCET. Regulamento

Universidade Estadual de Goiás Biblioteca UnUCET. Regulamento Universidade Estadual de Goiás Biblioteca UnUCET Regulamento Janeiro/2007 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS Unidade Universitária de Ciências Exatas e Tecnológicas - UnUCET Regulamento Da Constituição Art.

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ASSEMBLEIA LEGISLATIVA Gabinete de Consultoria Legislativa DECRETO Nº 52.567, DE 23 DE SETEMBRO DE 2015. (publicado no DOE n.º 183, de 24 de setembro de 2015) Dispõe sobre o

Leia mais

Estágio/Especialização em Medicina Nuclear. Imagens Médicas de Brasília. Processo Seletivo 2012

Estágio/Especialização em Medicina Nuclear. Imagens Médicas de Brasília. Processo Seletivo 2012 Estágio/Especialização em Medicina Nuclear Processo Seletivo 2012 O IMEB torna público, para conhecimento dos interessados, que estão abertas as inscrições para o Processo Seletivo do Programa de Residência

Leia mais

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR

1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR 1 1 2 1. IDENTIFICAÇÃO FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR Razão Social: FUNDAÇÃO FIAT SAÚDE E BEM ESTAR CNPJ: 12.838.821/0001-80 Registro ANS: 41828-5 Inscrição Municipal: 130973/001-6 Inscrição Estadual:

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA "De Olho no Ponto"

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA De Olho no Ponto REGULAMENTO DO PROGRAMA DE RELACIONAMENTO REDE SCB REDE DOS SERVIÇOS DE CRÉDITO DO BRASIL LTDA. PROGRAMA "De Olho no Ponto" 1º. Registro nº. 1.372.079, de 21 de setembro de 2012 5º Oficial de Registro

Leia mais

REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES

REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES REGULAMENTO HACKATHON KIMBERLY-CLARK EDIÇÃO HUGGIES Este regulamento contém as regras aplicáveis ao Hackathon Kimberly-Clark Edição Huggies ( Evento ), promovida pela KIMBERLY-CLARK BRASIL INDÚSTRIA E

Leia mais

2.2 - São condições para nomeação:

2.2 - São condições para nomeação: A Prefeitura Municipal de Matão Estado de São Paulo, usando de suas atribuições legais nos termos do artigo 37, inciso IX, da Constituição Federal, sob a organização da empresa Instituto Excelência Ltda

Leia mais

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - SiSU Termo de Participação - 3º edição de 2011

Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - SiSU Termo de Participação - 3º edição de 2011 Ministério da Educação - MEC Secretaria de Educação Superior - SESu Sistema de Seleção Unificada - SiSU Termo de Participação - 3º edição de 2011 1 - Dados Cadastrais da Instituição de Ensino Superior

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA. Desenvolvimento do curso de formação de consultores

TERMO DE REFERÊNCIA. Desenvolvimento do curso de formação de consultores TERMO DE REFERÊNCIA Instituição Projeto Origem dos recursos Objetivo Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil CACB Empreender Convencional Desenvolvimento do curso de formação de

Leia mais

MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A. Departamento de Clubes

MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A. Departamento de Clubes MANUAL DE CLUBES DE INVESTIMENTO XP INVESTIMENTOS CCTVM S/A Departamento de Clubes Versão 2.0 Junho/2012 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 O que é um clube de investimento?... 3 1.2 Como criar um clube de

Leia mais

EDITAL Nº 16/2015 INGRESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR (MATRÍCULA ESPECIAL)

EDITAL Nº 16/2015 INGRESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR (MATRÍCULA ESPECIAL) EDITAL Nº 16/2015 INGRESSO DE PORTADOR DE DIPLOMA DE CURSO SUPERIOR (MATRÍCULA ESPECIAL) A Direção Acadêmica e Administrativada Faculdade Guanambi, no uso de suas atribuições legais, em atendimento ao

Leia mais

Conselho Federal de Farmácia

Conselho Federal de Farmácia RESOLUÇÃO nº 494 de 26 de novembro de 2008 Ementa: Substitui a Cédula de Identidade profissional do farmacêutico e não-farmacêutico, institui a Certidão de Regularidade Técnica e estabelece itens de segurança

Leia mais

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas

Ass.: Programa BNDES de Incentivo à Armazenagem para Empresas e Cooperativas Cerealistas Nacionais BNDES Cerealistas Grau: Documento Ostensivo Unidade Gestora: AOI CIRCULAR SUP/AOI Nº 19/2016-BNDES Rio de Janeiro, 07 de abril de 2016 Ref.: Produtos BNDES Automático e BNDES Finame Agrícola Ass.: Programa BNDES de Incentivo

Leia mais

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA

NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUL DE MINAS GERAIS NORMATIZAÇÃO DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA outubro/2010

Leia mais

ANEXO II CARTA SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO

ANEXO II CARTA SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO ANEXO II CARTA SOLICITAÇÃO DE CREDENCIAMENTO Ao Diretor-Geral do SENADO FEDERAL A empresa (nome / razão social), CNPJ nº, com logradouro à (endereço completo), fones de contato nºs /, por intermédio de

Leia mais

Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013

Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Código: MAP-DIPES-006 Versão: 00 Data de Emissão: 01/01/2013 Elaborado por: Gerência de Cadastro e Remuneração Aprovado por: Diretoria de Gestão de Pessoas 1 OBJETIVO Este Manual define critérios e procedimentos

Leia mais

RHPUS. Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde

RHPUS. Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde RHPUS Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde 2011 RHPUS Referencial de Honorários Psicológicos Unafisco Saúde 2011 APRESENTAÇÃO O UNAFISCO SAÚDE é o Plano de Assistência à Saúde do SINDIFISCO

Leia mais

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa

Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas. Novo Mercado de. Renda Fixa Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas Novo Mercado de Renda Fixa CAPÍTULO I PROPÓSITO E ABRANGÊNCIA Art. 1º - O objetivo deste Código ANBIMA de Regulação e Melhores Práticas para o Novo Mercado

Leia mais

Da Condução do Processo de Eleição dos Membros

Da Condução do Processo de Eleição dos Membros 10.179 de 17 de março de 2014, Resolução CERH Nº 001/2000 e Decreto Estadual Nº 1.934- DELIBERAÇÃO Nº 003, de 30 de março de 2016. Estabelece as normas, procedimentos e critérios para o processo de eleição

Leia mais

AVISO DE COMPRA DE MACARRÃO ESPAGUETE COMUM Nº 439/2011

AVISO DE COMPRA DE MACARRÃO ESPAGUETE COMUM Nº 439/2011 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO - DIRAB SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS - SUOPE GERÊNCIA

Leia mais