SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL RD N : 32 DATA DE EMISSÃO 29/05/2007"

Transcrição

1 1 de 26 Índice: 1 DO OBJETIVO DA ÁREA DE APLICAÇÃO DAS DEFINIÇÕES DAS SIGLAS DA FINALIDADE DO SECLAC DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO DA CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO Dos Fluxogramas de Classificação DA DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS PARA SOLICITAR OS SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL PARA A CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMISSÃO DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO PARA A DESCLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO PARA A ARBITRAGEM PARA A COBRANÇA DOS SERVIÇOS E ENTREGA DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO PARA A GUARDA DAS AMOSTRAS E ARQUIVO DOS DOCUMENTOS DAS DISPOSIÇÕES GERAIS DOS ANEXOS TABELA DE PREÇOS PARA O SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL FLUXOGRAMAS Para Classificação de Soja Para Classificação de Milho Para Classificação de Trigo Para Classificação de Feijão Para Classificação de Arroz Para Classificação de Ervilha Para Classificação de Lentilha Para Classificação de Girassol Para Classificação de Sorgo FORMULÁRIOS Termo de Remessa de Amostra - OM-T Laudo de Classificação de Soja - OM-L Laudo de Classificação de Milho - OM-L Laudo de Classificação de Trigo - OM-L Laudo de Classificação de Feijão - OM-L Laudo de Classificação de Arroz - OM-L Laudo de Classificação de Ervilha - OM-L Laudo de Classificação de Lentilha - OM-L Laudo de Classificação de Girassol - OM-L Laudo de Classificação de Sorgo - OM-L Certificado de Classificação - OM-C CONTROLE DE REVISÕES REVISÃO ALTERAÇÕES DATA DA REVISÃO ELABORADO 01 Inclusão dos Fluxogramas na seção 6.2 e de novos formulários na seção /3/2008 O&M 02 Alteração de procedimentos, dos Laudos de Classificação de Feijão, Trigo e Arroz e da Tabela de Preços para o Serviço de Classificação Vegetal. 27/3/2013 O&M - Serviço de Classificação Vegetal.doc 1

2 2 de 26 A Diretoria da CEAGESP - COMPANHIA DE ENTREPOSTOS E ARMAZÉNS GERAIS DE SÃO PAULO, no uso de suas atribuições estatutárias e regulamentares, resolve: 1 DO OBJETIVO Estabelecer procedimentos e disciplinar as operações do Serviço de Classificação Vegetal da CEAGESP, nos âmbitos administrativo e operacional, para a prestação de serviços de classificação de produtos de origem vegetal, de seus subprodutos e resíduos de valor econômico, conforme credenciamento CGC/MAPA nº SP0174, bem como certificar a qualidade destes produtos através da determinação de suas características intrínsecas e extrínsecas, com base nas normas e padrões oficiais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO Esta Norma se aplica às naturezas operacionais de armazenamento e de entrepostagem na importação, exportação e mercado interno. 3 DAS DEFINIÇÕES 3.1 DAS SIGLAS a) DEPAR - Departamento de Armazenagem b) SECLAC - Serviço de Classificação Vegetal c) MAPA - Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento d) CREA - Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia e) SFA - Superintendência Federal da Agricultura f) CGC - Cadastro Geral de Classificadores g) CONAB - Companhia Nacional de Abastecimento h) POC - Padrão Oficial de Classificação Vegetal i) CNPJ - Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas j) CPF - Cadastro de Pessoas Físicas 3.2 DA FINALIDADE DO SECLAC O SECLAC tem como finalidade dar cumprimento à Lei Federal nº 9.972/00, de 25/05/2000, regulamentada pelo Decreto nº 6.268/07, de 22/11/2007, que institui a classificação obrigatória de produtos vegetais, seus subprodutos e resíduos de valor econômico quando destinados diretamente à alimentação humana; nas operações de compra e venda do Poder Público; e nos portos, aeroportos e postos de fronteiras, quando da importação. 3.3 DOS PRODUTOS CLASSIFICADOS PELA SECLAC São passíveis de classificação, na forma do art. 1º da Lei nº 9.972, de 2000, os produtos vegetais, seus subprodutos e resíduos de valor econômico que possuam padrão oficial estabelecido pelo MAPA, conforme Artigo 2º do Decreto nº 6.268, de 22 de novembro de 2007, e para os quais a CEAGESP esteja credenciada. 3.4 DO LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO 1. O Laudo de Classificação é o documento que orientará o classificador no roteiro da determinação das características do produto e no qual constarão os dados da classificação. Este documento deverá ter todos os seus campos preenchidos, datado e assinado. 2. De acordo com o produto classificado, os Laudos de Classificação são os seguintes: - Serviço de Classificação Vegetal.doc 2

3 3 de 26 a) Laudo de Classificação de Soja - OM-L-025 (ver 6.3.2); b) Laudo de Classificação de Milho - OM-L-026 (ver 6.3.3); c) Laudo de Classificação de Trigo - OM-L-027 (ver 6.3.4); d) Laudo de Classificação de Feijão - OM-L-028 (ver 6.3.5); e) Laudo de Classificação de Arroz - OM-L-029 (ver 6.3.6); f) Laudo de Classificação de Ervilha - OM-L-030 (ver 6.3.7); g) Laudo de Classificação de Lentilha - OM-L-031 (ver 6.3.8); h) Laudo de Classificação de Girassol - OM-L-032 (ver 6.3.9); i) Laudo de Classificação de Sorgo - OM-L-033 (ver ). 3.5 DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO O Certificado de Classificação é o documento hábil para a comprovação da classificação do produto. No Certificado deverão constar as informações do laudo de classificação devendo, ainda, ser preenchido, datado e assinado. 3.6 DA CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO 1. A classificação dos produtos, obrigatória pela Lei nº 9.972/00, de 25/05/2000, será realizada nos Postos de Classificação das Unidades credenciadas da CEAGESP, por classificadores habilitados e credenciados pelo MAPA. 2. A CEAGESP indicará um RT - Responsável Técnico pelo Posto de Classificação cujas atribuições são: a) supervisionar e acompanhar a atividade de classificação vegetal no posto sob sua responsabilidade; b) sugerir ações necessárias ao aperfeiçoamento e modernização no atendimento da atividade; c) supervisionar a organização da documentação do Posto de Classificação Vegetal; d) dar conhecimento e coletar a rubrica dos classificadores em todos os textos legais; e) supervisionar o período de aferição e manutenção dos equipamentos. 3. Aos classificadores ficam estabelecidas as seguintes atribuições: a) cumprir as normas e procedimentos que regem a atividade; b) cumprir as orientações do Responsável Técnico; c) manter organizados a sala de classificação, os equipamentos, os materiais e o arquivo de documentos emitidos; d) efetuar as classificações obedecendo às normas e critérios estabelecidos pela legislação; e) sugerir, ao Responsável Técnico, as alterações que julgar necessárias ao aperfeiçoamento do atendimento da atividade de classificação vegetal Dos Fluxogramas de Classificação De acordo com o produto, os fluxogramas de classificação são os seguintes: a) Fluxograma para Classificação de Soja (ver 6.2.1); b) Fluxograma para Classificação de Milho (ver 6.2.2); c) Fluxograma para Classificação de Trigo (ver 6.2.3); d) Fluxograma para Classificação de Feijão (ver 6.2.4); e) Fluxograma para Classificação de Arroz (ver 6.2.5); - Serviço de Classificação Vegetal.doc 3

4 4 de 26 f) Fluxograma para Classificação de Ervilha (ver 6.2.6); g) Fluxograma para Classificação de Lentilha (ver 6.2.7); h) Fluxograma para Classificação de Girassol (ver 6.2.8); i) Fluxograma para Classificação de Sorgo (ver 6.2.9); 4 DA DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS 4.1 PARA SOLICITAR OS SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL 1. Para solicitar os serviços de classificação vegetal, o interessado deverá utilizar o formulário Termo de Remessa de Amostra - OM-T-069 (ver 6.2.1), sendo de sua responsabilidade as informações fornecidas. 2. Para o serviço de Prestação de Serviço de Classificação Vegetal, classificação por fluxo operacional, controle de qualidade e supervisão da certificação voluntária e amostragem, os procedimentos serão estabelecidos entre as partes interessadas por meio da solicitação do serviço. 3. A amostra poderá ser coletada pelos colaboradores da CEAGESP ou enviada pelo cliente, sendo que, em ambos os casos, os padrões oficiais de classificação do MAPA deverão ser observados. 4. A amostra coletada pela CEAGESP, por meio SECLAC, deverá ser lacrada, identificada e rubricada pelo classificador e por um responsável pelo produto. 5. O solicitante do Serviço de Classificação Vegetal deverá enviar uma quantidade de amostra suficiente para compor, no mínimo, 4 (quatro) sub-amostras, com peso de 1 kg (um quilograma) cada, que deverá apresentar-se homogênea quanto à qualidade, quantidade, apresentação e identificação - mesmo número do lote - sempre acompanhada do formulário Termo de Remessa de Amostra - OM-T-069 preenchido. 6. Após 45 (quarenta e cinco) dias da emissão do Certificado de Classificação as amostras de contra-prova serão descartadas. 7. A amostra que estiver de acordo com os itens 3, 4 e 5 deverá ser registrada no recebimento. 4.2 PARA A CLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO E EMISSÃO DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO 1. Será admita a emissão do Certificado de Classificação por classificador não habilitado para a atividade de classificação do produto desde que respaldado por laudo emitido por outro classificador registrado e habilitado pelo MAPA para o produto em questão. 2. A impressão, a emissão e o controle do Certificado de Classificação serão de responsabilidade da CEAGESP, a qual responderá pela sua correta utilização. 3. Responderá solidariamente o profissional que emitiu o Certificado de Classificação. 4. É vedada a emissão do Certificado de Classificação contendo emendas, rasuras ou qualquer outra imperfeição. 5. Para fins de comprovação da classificação e controle da fiscalização, o Certificado de Classificação emitido deverá permanecer arquivado por um período mínimo de 5 (cinco) anos. - Serviço de Classificação Vegetal.doc 4

5 5 de PARA A DESCLASSIFICAÇÃO DO PRODUTO A desclassificação de um produto se dará pela detecção do mal estado de conservação dos produtos a serem analisados. As condições de conservação dos produtos estão previstas no POC de cada produto vegetal. 4.4 PARA A ARBITRAGEM Na ocorrência de contestação do resultado da classificação, o solicitante terá o prazo de 45 (quarenta e cinco dias), contados a partir da emissão do Certificado de Classificação, para solicitar a arbitragem, de acordo com a Instrução Normativa SARC nº 006 de 16/05/ PARA A COBRANÇA DOS SERVIÇOS E ENTREGA DO CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO 1. A cobrança dos serviços de classificação terá como base as taxas constantes das Tabelas de Preços para Serviço de Classificação Vegetal (ver 6.1), autorizadas pela Diretoria Executiva. 2. O Posto de Classificação deverá emitir a Nota Fiscal correspondente, na qual deverá constar o(s) número(s) do(s) Registro(s) de Entrada, e 3 (três) vias do boleto de pagamento, equivalentes ao Serviço de Classificação Vegetal. 3. A entrega do Certificado de Classificação Vegetal ao solicitante se dará ao término da análise do produto e da sua classificação, obedecendo ao prazo de 48 (quarenta e oito) horas para produtos não perecíveis e de 24 (vinte e quatro) horas para produtos perecíveis, a partir da finalização da amostragem do produto. 4. Os pagamentos de contratos serão realizados em conformidade com as cláusulas celebradas entre as partes. 4.6 PARA A GUARDA DAS AMOSTRAS E ARQUIVO DOS DOCUMENTOS A CEAGESP será responsável por manter, conservar e guardar em banco de dados digital as informações pertinentes e oriundas do Serviço de Classificação Vegetal, assim como manter um arquivo físico dos documentos processuais da Classificação Vegetal e um controle rigoroso das amostras recebidas. 5 DAS DISPOSIÇÕES GERAIS 1. A Tabela de Preços para Serviço de Classificação Vegetal poderá, a qualquer momento, ser atualizada por solicitação do DEPAR, por meio de Proposta de Resolução de Diretoria. 2. A CEAGESP deverá manter o quadro técnico do Serviço de Classificação Vegetal qualificado e em constante aprendizado. 3. O SECLAC, em conjunto com as Unidades credenciadas para o serviço, deverá elaborar o manual de boas práticas de classificação vegetal. 4. Esta Norma entra em vigor a partir da data da sua aprovação, revogando-se todas as disposições em contrário. - Serviço de Classificação Vegetal.doc 5

6 6 de 26 6 DOS ANEXOS 6.1 TABELA DE PREÇOS PARA O SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO VEGETAL ITEM DISCRIMINAÇÃO UNIDADE 1 Preço mínimo por certificado - quando a quantidade a que a amostra se refere totalizar um valor a ser cobrado pelo serviço de classificação for inferior a R$ 25,00. VALOR (R$) Certificado 29,17 2 Certificado representativo de todo um lote amostrado - Preço por tonelada ou fração para quantidades de até 250 toneladas. Tonelada ou fração 1,19 3 Certificado representativo de todo um lote amostrado - Preço por tonelada ou fração para quantidades maiores que 250 toneladas até toneladas. Tonelada ou fração 1,04 4 Certificado representativo de todo um lote amostrado - Preço por tonelada ou fração para quantidades maiores que toneladas. Tonelada ou fração 0,88 5 Despesas com viagens e estadias para serviço de amostragem, quando solicitado pelo cliente e tendo como parâmetro para formação de preço a tabela de reembolso de despesas de viagem da CEAGESP. Por período A combinar 6 Para amostra enviada pelo cliente com Termo de Remessa de Amostra - Certificado referente apenas à amostra enviada - Preço do certificado emitido. Certificado 29,17 7 Serviços de classificação referentes a contratos firmados e com a CONAB A combinar - Serviço de Classificação Vegetal.doc 6

7 7 de FLUXOGRAMAS Para Classificação de Soja AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO VERIFICAR O GRUPO INFORMADO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA DETERMINAR A CLASSE REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 7

8 8 de Para Classificação de Milho AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO DETERMINAR GRUPO E CLASSE EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 8

9 9 de Para Classificação de Trigo AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA DETERMINAR O PESO HECTOLITRO QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 9

10 10 de Para Classificação de Feijão AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS DETERMINAR GRUPO, CLASSE E CULTIVAR QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 10

11 11 de Para Classificação de Arroz AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA CLASSIFICAÇÃO QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS ARROZ EM CASACA SEPARAR IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS PASSAR NO ENGENHO DE PROVAS PARA DESCASCAR E POLIR ARROZ BENEFICIADO SEPARAR IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS ARROZ BENEFICIADO POLIDO ARROZ BENEFICIADO INTEGRAL DETERMINAR RENDA PENEIRAR PARA SEPARAR QUIRERA SEPARAR VERMELHOS PENEIRAR PARA SEPARAR QUIRERA SEPARAR QUEBRADOS NO TRIEUR E PAQUÍMETRO PENEIRAR PARA SEPARAR QUIRERA SEPARAR QUEBRADOS NO TRIEUR E PAQUÍMETRO DETERMINAR RENDIMENTO SEPARAR DEFEITOS DETERMINAR A CLASSE SEPARAR DEFEITOS SEPARAR QUEBRADOS NO TRIEUR E PAQUÍMETRO POLIR NO ENGENHO DE PROVAS SEPARAR DEFEITOS EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 11

12 12 de Para Classificação de Ervilha AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS DETERMINAR GRUPO SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARA E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 12

13 13 de Para Classificação de Lentilha AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS DETERMINAR CLASSE SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARA E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 13

14 14 de Para Classificação de Girassol AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS DETERMINAR CLASSE QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS SEPARAR IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 14

15 15 de Para Classificação de Sorgo AFERIR A BALANÇA E LIMPAR EQUIPAMENTOS HOMOGENEIZAR A AMOSTRA QUARTEAR A AMOSTRA PESAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR AS IMPUREZAS DETERMINAR CLASSE QUARTEAR UMA SUB AMOSTRA PARA DETERMINAR A UMIDADE PENEIRAR A AMOSTRA PARA DETERMINAR MAT. ESTRANHAS E IMPUREZAS VERIFICAR ESTADO DE CONSERVAÇÃO, PRESENÇA DE INSETOS VIVOS E SEMENTES TÓXICAS SEPARAR MANUALMENTE IMPUREZAS E MAT. ESTRANHAS RETIDAS NA PENEIRA SEPARAR E PESAR ISOLADAMENTE CADA DEFEITO EFETUAR O ENQUADRAMENTO DE ACORDO COM A TABELA DE TOLERÂNCIA REVISAR, ASSINAR E DATAR O LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO EMITIR O CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO A REALIZAÇÃO DE TODO PROCESSO DE CLASSIFICAÇÃO DEVERÁ SER CONCLUÍDA EM 24 HORAS DO RECEBIMENTO DA AMOSTRA - Serviço de Classificação Vegetal.doc 15

16 16 de FORMULÁRIOS Termo de Remessa de Amostra - OM-T-069 Nome ou Razão Social: Endereço: TERMO DE REMESSA DE AMOSTRA SECLAC - Serviço de Classificação Vegetal INFORMAÇÕES DO CLIENTE Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo Posto de Serviço de São Paulo/SP Av. Dr. Gastão Vidigal, nº Vila Leopoldina - São Paulo/SP Tel: (11) Fax: (11) / Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: Site: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de Volumes: Peso Líquido(kg): Lote: Embalagem: Marca Comercial: Safra: Natureza da Operação: Lacre da Amostra: Responsável pela Coleta: RG: CPF: Nome ou Razão Social: Endereço: INFORMAÇÕES DO LOCAL DE DEPÓSITO Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Localização do Produto no Armazém ou Silo: Declaro para os devidos fins que as informações constantes neste Termo são verdadeiras e que a amostra foi retirada de acordo com as Normas Oficiais do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento-MAPA. Obs.: Data: Assinatura do responsável pela coleta OM-T-069 ELABORADO - O&M CONFERIDO ASJUR ÁREA RESPONSÁVEL - Serviço de Classificação Vegetal.doc 16

17 17 de Laudo de Classificação de Soja - OM-L-025 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DA SOJA Nº SECLAC - SERVIÇO DE CLASSIFICAÇÃO SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou razão social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou razão social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: Matérias Estranhas e Impurezas classificadas em g Peso % Tipo Matérias Estranhas g % Impurezas g % Total de Matérias Estranhas, Impurezas g % Grãos avariados classificados em g Grãos Queimados g % Grãos Ardidos g % Total de queimados e ardidos g % Grãos Mofados % Sub total (1) Queimados, Ardidos e Mofados g % Grãos Fermentados g % Grãos Germinados g % Grãos Danificados por Percevejo /4 g % Grãos Danificados g % Grãos Imaturos g % Grãos Chochos g % Sub total (2) Fermentados, Germinados, Danificados, Imaturos e Chochos g % Total de Grãos Avariados (Sub total 1 + Sub total 2) g % Grãos Partidos, Quebrados e Amassados g % Grãos Esverdeados g % GRUPO CLASSE classificada em g Amarela g % CLASSE Misturada g % CONCLUSÃO GRUPO: CLASSE: TIPO: Observação: Posto de Classificação: Classificador: Reg. Nº CGC do MAPA: Assinatura Data: OM-L-025 ELABORADO - O&M CONFERIDO ASJUR ÁREA RESPONSÁVEL - Serviço de Classificação Vegetal.doc 17

18 18 de Laudo de Classificação de Milho - OM-L-026 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE MILHO Nº SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou razão social: Endereço: Municipio: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou razão social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: Tipo: DEFEITOS (Classificada em 250 gramas) Peso % Tipo Matérias Estranhas g % Impurezas g % Fragmentos g % Total de Matérias Estranhas, Impurezas e Fragmentos g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Grãos Brotados g % Sub total (1) de mofados, ardidos e brotados g % Grãos Fermentados até 1/4 g % Grãos Carunchados g % Grãos Chochos g % Grãos Quebrados g % Grãos Danificados por diferentes causas g % Grãos Atacados por roedores e parasitas g % Sub total (2) fermentados até 1/4, carunchados, chochos, quebrados, danificados diferentes causas, atacados por roedores e parasitas g % Total de Grãos avariados (1+2) g % Grupo (Classificado em 100 gramas) Classe (Classificado em 100 gramas) Duro: % Amarelo: % Mole: % Branco: % Semiduro: % Grupo: Classe : CONCLUSÃO Classe: Grupo: Tipo: Observação: Posto de Classificação: Classificador: Reg. Nº CGC do MAPA: Assinatura Data: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 18

19 19 de Laudo de Classificação de Trigo - OM-L-027 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE TRIGO Nº Instrução Normativa nº 38, de 30 de novembro de 2010 SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou razão social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou razão social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÕES DO PRODUTO CLASSES Valor Classe Alveografia(W)(10-4 J): Número de Queda: Segundos (200 mínimo) Umidade: % Aparelho Utilizado: Tipo: Peso Hectolitro: kg/hl Tipo: DEFEITOS (Classificado em 250 gramas) Peso % Tipo Matérias Estranhas g % Impurezas g % Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Danificados por Insetos g % Grãos Danificados pelo Calor g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Total de Grãos Danificados pelo Calor, Mofados e Ardidos g % Grãos Chochos g % Triguilhos g % Grãos Quebrados g % Total de Grãos Chochos, Triguilhos e Quebrados g % Total de Defeitos, Danificados por Insetos, Danificados pelo Calor, Mofados e Ardidos, Chochos, Triguilhos e Quebrados g % Grãos Germinados g % Grãos Esverdeados g % CONCLUSÃO Classe: Tipo: Observação: Posto de Classificação: SP0174/001 Data: Classificador: Assinatura Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 19

20 20 de Laudo de Classificação de Feijão - OM-L-028 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE FEIJÃO Nº Instrução Normativa nº 12, de 08 de março de 2008 SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: Classificada em gramas Peso % Tipo Matérias Estranhas e Impurezas g % Insetos Mortos g % Total de Matérias Estranhas e Impurezas + Insetos Mortos g % Defetos Classificados em gramas Peso % Tipo Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Grãos Germinados g % Total de Mofados, Ardidos e Germinados g % Grãos Carunchados g % Grãos Atacados por Lagarta da Vagem g % Total de Carunchados e Atacados por Lagarta da Vagem g % Grãos Amassados g % Grãos Danificados por Percevejos /4 g % Grãos Danificados g % Grãos Imaturos g % Subtotal 1 - Amassados, Danificados e Imaturos g % Grãos Quebrados g % Grãos Partidos g % Subtotal 2 - Quebrados e Partidos g % Total Defeitos Leves, soma Subtotal (se subtotal 2 for abaixo de 70%) g % GRUPO: CLASSE Classe do Grupo I: Branco g % Classe do Grupo II: Branco g % Preto g % Preto g % Cores g % Cores g % Cultivar Predominante: Cultivar Predominante: CONCLUSÃO Grupo: Classe: Cultivar: Tipo: Observação: Posto de Classificação: SP Data: Classificador: Assinatura Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 20

21 21 de Laudo de Classificação de Arroz - OM-L-029 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE ARROZ Nº Instrução Normativa nº 06, de 16 de fevereiro de 2009 SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou razão social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Número da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou razão social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: DEFEITOS (Classificada em gramas) Peso % Tipo Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Grãos Enegrecidos g % Total de Mofados, Ardidos e Enegrecidos g % Grãos Manchados e Picados g % Grãos Gessados e Verdes g % Grãos Rajados g % Grãos Amarelos g % Grãos Danificados g % Grãos Vermelhos e Pretos g % Grãos não Parboilizados g % Grãos não Gelatinizados g % Quebrados g % Quirera g % Total de Quebrados e Quirera g % Grãos marinheiros em 1 kg und. und. RENDA DO ARROZ EM CASCA INTEIROS: g QUEBRADOS: g RENDA: g GRUPO: SUBGRUPO: DETERMINAÇÃO DA CLASSE EM: ( )g Longo Fino: g % Longo: g % Médio: g %Curto: g % CLASSE: CONCLUSÃO Grupo: Subgrupo: CLASSE: Tipo: Observação: Posto de Classificação: SP Data : Classificador: Assinatura Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 21

22 22 de Laudo de Classificação de Ervilha - OM-L-030 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE ERVILHA Nº SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNP J: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Número da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: DEFEITOS (Classificada em 250 gramas) Peso % Tipo Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Total de mofados e ardidos g % Grãos Carunchados g % Grãos Manchados e Descoloridos g % Grãos Brotados g % Grãos Chochos g % Grãos Quebrados g % Grãos Partidos g % Total de Grãos avariados g % GRUPO I - INTEIRAS % II - PARTIDAS % GRUPO: Grupo: Observação: CONCLUSÃO Tipo: Posto de Classificação: Classificador: Assinatura Data: Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 22

23 23 de Laudo de Classificação de Lentilha - OM-L-031 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE LENTILHA Nº SECLAC - Serviço de Classificação INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: S I INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: SP0174 Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO : Umidade: % Aparelho Utilizado: DEFEITOS (Classificada em 100 gramas) Peso % Tipo Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Mofados g % Grãos Ardidos g % Total de mofados e ardidos g % Grãos Carunchados g % Grãos Manchados e Descoloridos g % Grãos Despeliculados g % Grãos Brotados g % Grãos Chochos e Imaturos g % Grãos Danificados g % Grãos Quebrados g % Grãos Partidos g % Total de Grãos avariados g % CLASSE GRAÚDA % MÉDIA: % CLASSE: MIÚDA: % Classe: Observação: CONCLUSÃO Tipo: Posto de Classificação: Classificador: Reg. Nº CGC do MAPA: Assinatura Data: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 23

24 24 de Laudo de Classificação de Girassol - OM-L-032 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE GIRASSOL Nº SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: TIPO: DEFEITOS (Classificada em 100 gramas) Peso % Tipo Matérias Estranhas e Impurezas g % Fragmentos g % Total de Matérias Estranhas, Impurezas e Fragmentos g % Grãos Ardidos e Rancificados g % Grãos Mofados g % Grãos Danificados g % Grãos Descascados g % Grãos Brotados g % Grãos Chochos g % Grãos Partidos g % Grãos Danificados por Insetos g % Total de Grãos avariados g % CLASSE BRANCO: % RAJADO: % CLASSE: PRETO: % CLASSE: Observação: CONCLUSÃO TIPO: Posto de Classificação: Classificador: Reg. Nº CGC do MAPA: Assinatura Data: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 24

25 25 de Laudo de Classificação de Sorgo - OM-L-033 LAUDO DE CLASSIFICAÇÃO DE SORGO Nº SECLAC - Serviço de Classificação SP0174 INFORMAÇÕES DO CLIENTE Nome ou Razão Social: Endereço: Município: UF: CEP: CPF/CNPJ: Inscrição Estadual: Telefone: Fax: SITE: INFORMAÇÕES DO LOTE Procedência: Nº de volumes: Peso líquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de transporte: Embalagem: Natureza da operação: Safra: Marca comercial: Numero da amostra: Lacre: Responsável pela amostragem: Unidade armazenadora: Localidade: UF: DESTINATÁRIO Nome ou Razão Social: Endereço: Cidade: País: ESPECIFICAÇÃO DO PRODUTO Umidade: % Aparelho Utilizado: TIPO: DEFEITOS (Classificada em 100 gramas) Peso % Tipo Total de Matérias Estranhas e Impurezas g % Grãos Ardidos g % Grãos Brotados g % Total de grãos ardidos e brotados g % Grãos Mofados g % Grãos Chochos g % Grãos Carunchados e/ ou danificados por outros insetos g % Grãos Quebrados g % Total de Grãos avariados ardidos, brotados, mofados, chochos, carunchados e/ou danificados por outros insetos e quebrados g % CLASSE BRANCO: % AMARELO: % CLASSE: VERMELHO: % CASTANHO: % CONCLUSÃO CLASSE: TIPO: Observação: Posto de Classificação: Classificador: Assinatura Data: Reg. Nº CGC do MAPA: OM-L Serviço de Classificação Vegetal.doc 25

26 26 de Certificado de Classificação - OM-C-232 Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo Posto de Serviço de São Paulo/SP Nº. Credenciado e registrado sob o nº CGC/MAPA SP0174 CNPJ: / I.E Av. Dr. Gastão Vidigal nº 1946 Vila Leopoldina São Paulo/SP SP0174 CEP: Telefone: (11) Fax: (11) CERTIFICADO DE CLASSIFICAÇÃO De acordo com o que estabelece a Lei nº 972, de 25 de maio de 2000, e com o Decreto nº 3.664, de 17 de novembro de 2000, CERTIFICAMOS que a amostra em nosso poder apresentou os resultados da classificação constantes deste Certificado. Nome ou Razão Social: Endereço: CPF/CNPJ: I.E: Município: UF: CEP: IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO Produto: Procedência: Número de volumes: Peso Liquido: Lote: Nota Fiscal: Meio de Transporte: Safra: Marca Comercial: Embalagem: Responsável pela Amostragem: Unidade Armazenadora: Localidade: Natureza da Operação: Regulamento Técnico (Padrão Oficial) utilizado: ESPECIFICAÇÕES DO PRODUTO Grupo: SubGrupo: Classe; Subclasse: Tipo: Umidade: % Tipo do Aparelho: Peso Hectolitro: g RESULTADO DAS ANÁLISES DEFEITOS ( Classificada em gramas ) Peso % Tipo Observação: Posto de Classificação: Data: Classificador Reg. Nº CGC do MAPA OM-C Serviço de Classificação Vegetal.doc 26

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 321, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 321, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA PORTARIA Nº 321, DE 11 DE SETEMBRO DE 2009 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA

Leia mais

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS

INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA TERCEIROS INSTRUÇÃO INTERNA N.º 06/2016 REF.: NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA DE VERÃO 2015/2016 SOJA CONVENCIONAL INDUSTRIAL E TRANSGÊNICA 01. RECEPÇÃO TERCEIROS A soja transgênica será recebida nas seguintes unidades,

Leia mais

SEGURANÇA PATRIMONIAL E OPERACIONAL RD N : 16 DATA DE EMISSÃO 12/08/1999

SEGURANÇA PATRIMONIAL E OPERACIONAL RD N : 16 DATA DE EMISSÃO 12/08/1999 NP- AD-019 1 de 5 Índice: 1 DO OBJETIVO...2 2 DA ÁREA DE APLICAÇÃO...2 3 DAS DEFINIÇÕES...2 3.1 DAS SIGLAS...2 3.2 DOS CONCEITOS...2 3.3 DAS RESPONSABILIDADES...2 4 DA DESCRIÇÃO DE PROCEDIMENTOS...3 4.1

Leia mais

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes

Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 130/2016 22 de agosto de 2016 Orientações para elaboração do Contrato de compra e venda de Sementes Por meio deste Informe Técnico, a Aprosoja orienta o agricultor quanto às

Leia mais

Art. 5º A SDA manifestar-se-á dentro do prazo máximo de 15 (quinze) dias corridos da data de recebimento da solicitação de autorização.

Art. 5º A SDA manifestar-se-á dentro do prazo máximo de 15 (quinze) dias corridos da data de recebimento da solicitação de autorização. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 12, DE 15 DE MARÇO DE 2013 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

Documento Assinado Digitalmente

Documento Assinado Digitalmente LICENÇA DE OPERAÇÃO A Fundação Estadual de Proteção Ambiental, criada pela Lei Estadual nº 9.077 de 04/06/90, registrada no Ofício do Registro Oficial em 01/02/91, e com seu Estatuto aprovado pelo Decreto

Leia mais

AVISO DE VENDA DE ARROZ EM CASCA Nº 207/2007

AVISO DE VENDA DE ARROZ EM CASCA Nº 207/2007 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE GESTÃO DE ESTOQUES - DIGES SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES - SUOPE GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 022/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR

CONTRATO DE OPÇÃO DE VENDA 2010/2011 VENDEDOR VENDEDOR A entrega da mercadoria correspondente aos contratos adquiridos poderá ser realizada em até 15 dias corridos e contados da data do respectivo vencimento, devendo ser comprovada mediante a apresentação

Leia mais

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS

SUPERINTENDÊNCIA DOS SERVIÇOS RODOVIÁRIOS RESOLUÇÃO Nº 003/2007 DP/SUSER Estabelece e regulamenta o Programa de Estacionamento Especial para pessoas com deficiência e dificuldade de locomoção e dá outras providências O DIRETOR PRESIDENTE DA SUPERINTENDÊNCIA

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento

CONSELHO REGIONAL DOS REPRESENTANTES COMERCIAIS NO ESTADO DA BAHIA CORE-BA. Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Relação de Serviços e Prazos de Atendimento Registros Presencial: 02-dias (certidão) e 15 dias (carteirinha ou certificado). Certidões Imediata Alteração contratual 05 dias úteis Cancelamento de Registro

Leia mais

PQ /04/

PQ /04/ PQ.06 03 02/04/2013 1-5 1. OBJETIVO Estabelecer sistematica para o processo de solicitação, análise crítica e preparação para a avaliação da conformidade. 2. DEFINIÇÕES Modelo de Avaliação da Conformidade:

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 058/2015

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 058/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕ E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕ COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ).

1. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para elaboração e controle dos documentos e registros do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ). Sistema de Gestão da Qualidade SUPERINTENDÊNCIA DE VAPT VUPT E ATENDIMENTO AO PÚBLICO PROCEDIMENTO DE CONTROLE DE DOCUMENTOS E REGISTROS Responsável: Juliana Maria Gomes de Almeida Alves Cópia Controlada

Leia mais

Classificação física de soja

Classificação física de soja Página 1 de 9 1 Escopo Método de ensaio para classificação física de grãos de SOJA, que tem como objetivo definir a Identidade e Qualidade, com fins de enquadramento em Grupo, Classe, Tipo e Teor de Umidade,

Leia mais

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000.

RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. RESOLUÇÃO CNSP N 25, DE 17 DE FEVEREIRO DE 2000. Dispõe sobre escritório de representação, no País, de ressegurador admitido, e dá outras providências. A SUPERINTENDÊNCIA DE SEGUROS PRIVADOS - SUSEP, no

Leia mais

Classificação física do milho pipoca

Classificação física do milho pipoca 1 Escopo MAPA/SDA/CGAL Página 1 de 8 Método de ensaio para classificação física de MILHO PIPOCA que tem como objetivo definir sua Identidade e Qualidade para fins de enquadramento em Classe e Tipo, conforme

Leia mais

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003.

.Art. 5º Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação..art. 6º Fica revogada a Resolução DIPOA/SDA nº 7, de 10 de abril de 2003. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 27 DE AGOSTO DE 2008 O SECRETÁRIO DE DEFESA AGROPECUÁRIA, DO MINISTÉRIO DA AGRICULTURA,

Leia mais

POP Nº XII VISTORIA PRÉVIA

POP Nº XII VISTORIA PRÉVIA Procedimentos Operacionais Padronizados: POP Nº XII VISTORIA PRÉVIA Revisão Adrianne Paixão Silvia Liane Versão 2.0 Procedimentos Operacionais Padronizados: POP Nº XII VISTORIA PRÉVIA Elaboração/Revisão:

Leia mais

ARROZ PRATO FINO BRANCO

ARROZ PRATO FINO BRANCO ARROZ PRATO FINO BRANCO Arroz polido, tradicional, de padrão superior. Originado de variedades de comprovada qualidade de cocção. Com baixo teor de umidade, elevada padronização de grãos, isento de grãos

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 057/2015

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 057/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕ E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕ COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 223/2015 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕ E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕ COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

Nota: Início de vigência prorrogada para 1º de março de 2010 pelo (a) Instrução Normativa 16/2009/MAPA

Nota: Início de vigência prorrogada para 1º de março de 2010 pelo (a) Instrução Normativa 16/2009/MAPA MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 6, DE 16 DE FEVEREIRO DE 2009(*) O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 138/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 138/2016 01. DO OBJETO: venda de 1.094.850 kg de café arábica em grãos, bebida dura, ensacado, no estado em que se encontra, em conformidade com os dados e detalhamento dos lotes constantes da Relação do Cadastro

Leia mais

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS

IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS IT - 34 CREDENCIAMENTO DE EMPRESAS E RESPONSÁVEIS TÉCNICOS SUMÁRIO APÊNDICES 1 - Objetivo A - Solicitação de Cadastro de Pessoa Jurídica 2 - Referências normativas B - Solicitação de Cadastro de Pessoa

Leia mais

2. FONTE DE RECURSO Projeto/Atividade Fonte de Recurso Natureza da Despesa

2. FONTE DE RECURSO Projeto/Atividade Fonte de Recurso Natureza da Despesa EDITAL CHAMADA PÚBLICA 03-2016 CHAMADA PÚBLICA Nº 03/2016 para aquisição de gêneros alimentícios da agricultura familiar para alimentação escolar com dispensa de licitação, Lei nº 11.947, de 16/07/2009,

Leia mais

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL

Instrução Interna N. 07/2015 NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL I Instrução Interna N. 07/2015 DE : Diretoria PARA : Todos os setores NORMAS DE RECEPÇÃO DA SAFRA FEIJÃO INDUSTRIAL 01 - RECEPÇÃO: Todo feijão será recebido nas seguintes unidades, sendo que deverá ser

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016

INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016 INSTRUÇÃO NORMATIVA 001/2016 DE 07 DE JANEIRO DE 2016 Dispõe sobre os procedimentos para a Certificação de Conclusão do Ensino Médio e da Declaração Parcial de Proficiência com base nos resultados do Exame

Leia mais

AVISO DE VENDA DE ARROZ EM CASCA - Nº 121/07

AVISO DE VENDA DE ARROZ EM CASCA - Nº 121/07 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO - MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO - CONAB DIRETORIA DE GESTÃO DE ESTOQUES - DIGES SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES - SUOPE GERÊNCIA DE COMERCIALIZAÇÃO

Leia mais

CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL - CNA CADASTRO DO EMPRESÁRIO OU EMPREGADOR RURAL - PESSOA JURÍDICA

CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL - CNA CADASTRO DO EMPRESÁRIO OU EMPREGADOR RURAL - PESSOA JURÍDICA CONFEDERAÇÃO DA AGRICULTURA E PECUÁRIA DO BRASIL CNA CADASTRO DO EMPRESÁRIO OU EMPREGADOR RURAL PESSOA JURÍDICA I. TIPO DE ATUALIZAÇÃO (para uso CNA): Inclusão Alteração Cancelamento II. IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE CAÇAPAVA DO SUL SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO Chamada Pública n.º 02/2016, para aquisição de gêneros alimentícios diretamente da Agricultura Familiar e do Empreendedor Familiar

Leia mais

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável

Prefeitura Municipal de Vila Velha Estado do Espírito Santo Secretaria de Desenvolvimento Sustentável TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DO PLANO DE GERENCIAMENTO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL (PGRCC) 1 OBJETIVO Este Termo de Referência tem como finalidade orientar os geradores de resíduos sólidos provenientes

Leia mais

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz

11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz 11. Colheita, Beneficiamento e Classificação do Arroz COLHEITA Ponto de colheita: Critério visual 2/3 do ápice os grãos vítreos 1/3 da base de grãos farináceos Critério técnico determinação da umidade

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 157/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 157/2016 01. DO OBJETO: venda de 748.980 kg de café arábica em grãos, bebida dura, ensacado, no estado em que se encontra, em conformidade com os dados e detalhamento dos lotes constantes da Relação do Cadastro

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 56, de 18 de fevereiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs

Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs Programa de Fortalecimento das Cadeias e Arranjos Produtivos Locais - APLs 1) Quanto à aquisição de equipamentos para apoio à infraestrutura da governança, podem os mesmos serem adquiridos via internet

Leia mais

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames

IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames IT-IB-012 Instrução para Inscrição de Exames Para os profissionais de acesso por corda. Rev. 00 SUMÁRIO 1. OBJETIVO.... 3 2. CAMPO DE APLICAÇÃO... 3 3. RESPONSABILIDADES... 3 4. REVISÃO... 3 5. DOCUMENTO

Leia mais

Considerando: Resolve:

Considerando: Resolve: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SANTA CATARINA COLEGIADO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO CEPE/IFSC

Leia mais

TÍTULO 09 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS Documento 1 Contrato para Prestação de Serviços de Classificação

TÍTULO 09 CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS Documento 1 Contrato para Prestação de Serviços de Classificação INEXIGIBILIDADE DE LICITAÇÃO, ART. 25, CAPUT DA LEI N.º 8.666/93 PROCESSO N.º CONTRATO N.º ATO DE INEXIGIBILIDADE N.º CONTRATO PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CLASSIFICAÇÃO DE PRODUTOS VEGETAIS, SUBPRODUTOS

Leia mais

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016

AVISO DE VENDA DE CAFÉ EM GRÃOS Nº 125/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC N.º 1.363/2011 CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE Institui a Declaração de Habilitação Profissional DHP Eletrônica e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício

Leia mais

Da baixa do caminhão

Da baixa do caminhão PODER EXECUTIVO DECRETO Nº 44.332 DE 16 DE AGOSTO DE 2013 DISPÕE SOBRE PROCEDIMENTOS ADICIONAIS NECESSÁRIOS AO CUMPRIMENTO DO PROGRAMA DE INCENTIVO À MODERNIZAÇÃO, RENOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE DA FROTA

Leia mais

Edital para Solicitação e Concessão do Distintivo de Reconhecimento Rotaract Brasil

Edital para Solicitação e Concessão do Distintivo de Reconhecimento Rotaract Brasil Edital para Solicitação e Concessão do Distintivo de Reconhecimento Rotaract Brasil Organização Multidistrital de Informações de Rotaract Club s Rotaract Brasil I DA DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1º O Distintivo

Leia mais

4. O Chefe do SVA/UVAGRO divulgará em edital, na sede da Unidade, o horário regulamentar para recebimento e entrega de documentos.

4. O Chefe do SVA/UVAGRO divulgará em edital, na sede da Unidade, o horário regulamentar para recebimento e entrega de documentos. MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 26, DE 20 DE AGOSTO DE 2010 (*) O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

Farinheira. Foto Geral dos Maquinários.

Farinheira. Foto Geral dos Maquinários. EDITAL 2011 EDITAL DE SELEÇAO DE INSTITUIÇAO SOCIAL PARA RECEBER DOAÇAO DE UMA FARINHEIRA (CONJUNTO DE EQUIPAMENTOS PARA A PRODUÇAO DE FARINHA) FUNDAÇÃO ANDRÉ MAGGI 1. Da Apresentação O presente edital

Leia mais

Com o intuito de orientar e facilitar a adesão do BHBUS, seguem abaixo Instruções de Preenchimento da Documentação Obrigatória:

Com o intuito de orientar e facilitar a adesão do BHBUS, seguem abaixo Instruções de Preenchimento da Documentação Obrigatória: Prezado cliente, Com o intuito de orientar e facilitar a adesão do BHBUS, seguem abaixo Instruções de Preenchimento da Documentação Obrigatória: CONTRATO DE CESSÃO - Deverão ser enviadas duas vias originais

Leia mais

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução...

ÍNDICE. Devolução no ato da entrega...2. Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2. Procedimentos para coleta da devolução... Processo de Devolução Drogacenter ÍNDICE Devolução no ato da entrega...2 Devolução registrada no SAC (exceto falta de mercadoria)...2 Procedimentos para coleta da devolução...3 Recebimento da mercadoria...3

Leia mais

Procedimentos para Solicitação do Desbloqueio de Cancelamento de Gravame Detran/AC

Procedimentos para Solicitação do Desbloqueio de Cancelamento de Gravame Detran/AC Procedimentos para Solicitação do Desbloqueio de Cancelamento de Gravame Detran/AC De acordo com a portaria 579 de 17 de Junho de 2016, o DETRAN/AC passou a efetuar o bloqueio de cancelamento de gravame

Leia mais

POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS

POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS DEPARTAMENTO DE TRÂNSITO DE MINAS GERAIS Av. João Pinheiro, 417 B. Centro-BH/MG CEP: 30130.180 PORTARIA N 92.147/2005 de 10 de dezembro de 2005 O Chefe do Departamento de

Leia mais

EDITAL Nº 006, DE 09 DE JANEIRO DE 2012.

EDITAL Nº 006, DE 09 DE JANEIRO DE 2012. EDITAL Nº 006, DE 09 DE JANEIRO DE 2012. O Reitor Substituto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia, no uso de suas atribuições legais e de acordo com a Resolução CONSUP/IFRO

Leia mais

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem

Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem Condições Gerais para Prestação de Serviços Analíticos e de Amostragem I. Apresentação A ACQUALAB Laboratório e Consultoria Ambiental S/S Ltda. atua, desde a sua constituição, nas diversas áreas da ciência

Leia mais

Tabuleiros Costeiros ALIENAÇÃO DE SEMOVENTES CARTA-CONVITE Nº 001/2.008

Tabuleiros Costeiros ALIENAÇÃO DE SEMOVENTES CARTA-CONVITE Nº 001/2.008 Tabuleiros Costeiros ALIENAÇÃO DE SEMOVENTES CARTA-CONVITE Nº 001/2.008 Proponente: Carteira de Identidade: CPF/CNPJ: Endereço: Cidade/ES: Telefone: Convidamos Vossa Senhoria a apresentar Proposta de Preço

Leia mais

Guia do. Contemplado. Pessoa jurídica

Guia do. Contemplado. Pessoa jurídica Guia do Contemplado Pessoa jurídica 1 Prezado Consorciado, Você foi contemplado! Agora, o próximo passo para a conquista do seu veículo novo é a aprovação do seu crédito. Para ajudá-lo com essa etapa,

Leia mais

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SECRETARIA DE DEFESA AGROPECUÁRIA INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 25, DE 15 DE ABRIL DE 2003 As importações de vegetais, seus produtos, derivados e partes, subprodutos,

Leia mais

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014

COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 COLETA DE PREÇOS nº 01/2014 1. PREÂMBULO 1.1. A ASSOCIAÇÃO MUSEU AFRO BRASIL, torna pública a realização de Seleção de Fornecedores na modalidade Coleta de Preços, pelo critério de menor preço, objetivando

Leia mais

Instruções para o preenchimento do Formulário 8

Instruções para o preenchimento do Formulário 8 Instruções para o preenchimento do Formulário 8 O Formulário 8 tem diversas finalidades, ele pode ser utilizado tanto para elaboração de recursos, como para respostas de ofícios e outras solicitações que

Leia mais

A necessidade de normatizar a emissão da NFS-e para os estacionamentos de veículos; DETERMINA:

A necessidade de normatizar a emissão da NFS-e para os estacionamentos de veículos; DETERMINA: Instrução de Serviço GETM nº 002, de 17 de agosto de 2012. Estabelece regime especial para a emissão de Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) destinada a acobertar os serviços prestados por estacionamentos

Leia mais

Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ

Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ Kit de Faturamento Cota Quitada PF/PJ O Consórcio Fiat tem satisfação em participar da realização do seu projeto. Agora que você foi contemplado, siga as instruções abaixo para concluir o processo de aquisição

Leia mais

Ministério da Fazenda SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL. Instrução Normativa nº 632, de 17 de março de 2006

Ministério da Fazenda SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL. Instrução Normativa nº 632, de 17 de março de 2006 Ministério da Fazenda SECRETARIA DA RECEITA FEDERAL Instrução Normativa nº 632, de 17 de março de 2006 DOU de 20.3.2006 Aprova o Programa Gerador de Documentos do Cadastro Nacional da Pessoa Jurídica -

Leia mais

Regulamento de Certificação de Técnicos

Regulamento de Certificação de Técnicos Regulamento de Certificação de Técnicos O presente documento estabelece o Regulamento de certificação dos técnicos responsáveis pela instalação, deteção de fugas, recuperação e manutenção ou assistência

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE Conselho Nacional do Meio Ambiente CONAMA Procedência: MMA Processo: 02000.003128/2007-35 Data: julho de 2008 Assunto: Cadastro Nacional de Coletivos Educadores para Territórios

Leia mais

Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo

Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo PODER JUDICIÁRIO Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo ATA DE REGISTRO DE S N.º 69/2013 Aos cinco dias do mês de novembro do ano de dois mil e treze, no TRIBUNAL REGIONAL ELEITORAL DE SÃO PAULO, C.N.P.J.

Leia mais

EDITAL. PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio

EDITAL. PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio EDITAL PROCESSO DE ADMISSÃO DE NOVOS ALUNOS PARA 2017 Do 2º ao 9º ano do Ensino Fundamental e 1ª e 2ª série do Ensino Médio O Diretor Geral do Colégio Santo Inácio, no uso de suas atribuições regimentais

Leia mais

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA

Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Ministério da Saúde AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA RESOLUÇÃO DA DIRETORIA COLEGIADA - RDC Nº 99 DE 30 DE DEZEMBRO DE 2008(*) Dispõe sobre controle de importações e exportações de substâncias

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ARTESANATO E ESTILO - ARTEST

ASSOCIAÇÃO DE ARTESANATO E ESTILO - ARTEST Cotação Prévia de Preços n 004/2013 Convênio nº 35/2013 - SEBRAE/ ARTEST Menor preço Cotação Prévia de Preços na modalidade menor preço para contratação de empresa especializada no serviço de JORNALISTA,

Leia mais

1) A finalidade de tornar competitiva a utilização da retroárea de Capuaba para operações de armazenagem de granito em blocos.

1) A finalidade de tornar competitiva a utilização da retroárea de Capuaba para operações de armazenagem de granito em blocos. RESOLUÇÃO 068 27 de outubro de 2008 DISPÕE SOBRE DESCONTO TARIFÁRIO REFERENTE ÀS TABELAS DE ARMAZENAGEM DE CARGA. O DIRETOR-PRESIDENTE DA COMPANHIA DOCAS DO ESPÍRITO SANTO - CODESA, no uso da atribuição

Leia mais

II - capacidade de expansão: relação entre o volume de pipoca estourada e o peso de grãos utilizado, expresso em ml/g;

II - capacidade de expansão: relação entre o volume de pipoca estourada e o peso de grãos utilizado, expresso em ml/g; MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 61, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2011 O MINISTRO DE ESTADO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO, no uso da atribuição

Leia mais

TÍTULO 28 CONTRATO DE GARANTIA DE COMPRA DA AGRICULTURA FAMILIAR (*) CGCAF

TÍTULO 28 CONTRATO DE GARANTIA DE COMPRA DA AGRICULTURA FAMILIAR (*) CGCAF (*) 1) FINALIDADE: incentivar a produção de alimentos e promover a sustentação de preços em conformidade com o art. 19 da Lei nº 10.696, de 02/07/03, com o Decreto nº 4.772, de 02/07/03, e com a Resolução

Leia mais

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014

EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 EDITAL FATEC SÃO ROQUE Nº 01/2014 DE 12 DE MAIO DE 2014 O Diretor da Faculdade de Tecnologia de São Roque no uso de suas atribuições legais torna público que estão abertas as inscrições para participação

Leia mais

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010.

PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. PODER JUDICIÁRIO ESTADO DE PERNAMBUCO TRIBUNAL DE JUSTIÇA Gabinete da Presidência INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 27, DE 28 DE OUTUBRO DE 2010. EMENTA: Regulamenta a concessão e o pagamento de auxílio funeral no

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação:

SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: SOLICITAÇÃO DE SERVIÇO Divulgação: 304-16 Em conformidade com o Regulamento de Compras e Contratações de Obras e Serviços da Organização Social de Cultura Associação Amigos do Projeto Guri, decreto nº.

Leia mais

CADASTRO DE FORNECEDORES - CRC (MATERIAL/SERVIÇOS)

CADASTRO DE FORNECEDORES - CRC (MATERIAL/SERVIÇOS) CADASTRO DE FORNECEDORES - CRC (MATERIAL/SERVIÇOS) ÍNDICE RELAÇÃO DE DOCUMENTOS PARA CADASTRO DE FORNECEDORES DE MATERIAL/SERVIÇOS PÁGINA 2 FICHA DE INFORMAÇÕES PARA CADASTRO DE FORNECEDORES PÁGINA 4 DECLARAÇÃO

Leia mais

1/12 S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/12. 2 Definição, 2/12. 3 Competências, 3/12. 4 Procedimentos, 3/12. 5 Disposições Finais, 4/12.

1/12 S U M Á R I O. 1 Objetivo, 2/12. 2 Definição, 2/12. 3 Competências, 3/12. 4 Procedimentos, 3/12. 5 Disposições Finais, 4/12. DE COMUNICAÇÃO 1/12 S U M Á R I O 1 Objetivo, 2/12 2 Definição, 2/12 3 Competências, 3/12 4 Procedimentos, 3/12 5 Disposições Finais, 4/12 Anexos A - FOR-002 - Ofício, 5/12 B - FOR-003 - Carta, 7/12 C

Leia mais

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA. *Ver Decreto /2008

ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA. *Ver Decreto /2008 ESTADO DO PIAUÍ SECRETARIA DA FAZENDA GABINETE DO SECRETÁRIO DA FAZENDA REVOGADA PELA PORTARIA GASEC Nº 396/2008, de 15/12/2008 *Ver Decreto 13.500/2008 PORTARIA GASEC Nº 072/98 Teresina, 03 de abril de

Leia mais

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016

Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 Serviço Público Federal MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA-INMETRO Portaria n.º 147, 29 de março de 2016 O PRESIDENTE

Leia mais

Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Campus São Paulo

Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Campus São Paulo Prazos e condições de entrega de Solicitações de Compra de bens e serviços- Solicitamos especial atenção aos prazos e condições definidos para entrega de pedidos de aquisição de bens e contratações de

Leia mais

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional

Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Unidade Universidade Federal da Bahia Pró-Reitoria de Graduação Sistema de Desenvolvimento Institucional PO - Procedimento Operacional Processo Identificação Versão Nº de folhas 1 de 5 Glossário de Termos

Leia mais

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS NÚCLEO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS

SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SOCIAL E DIREITOS HUMANOS NÚCLEO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA APRESTAÇÃO DA PRESTAÇÃO DE CONTAS CONVÊNIO TODOS COM A NOTA 1. Ofício de encaminhamento da Prestação de Contas à Secretária Estadual de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos.

Leia mais

Anexo I, da Portaria nº 142/2014

Anexo I, da Portaria nº 142/2014 Anexo I, da Portaria nº 142/2014 MANUAL DE USO DO CADASTRO DE VEÍCULOS DE DIVULGAÇÃO DA SECRETARIA DE COMUNICAÇÃO SOCIAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA (Midiacad) Conteúdo OBJETIVO:... 2 USUÁRIOS DO MIDIACAD:...

Leia mais

Obtenção de Certificado de Conformidade

Obtenção de Certificado de Conformidade 1/6 Palavras-chave: Certificação, Certificado, Conformidade. Exemplar nº: Sumário 1 Objetivo 2 Aplicação 3 Documentos complementares 4 Definições 5 Procedimento Anexo A Formulários 1 Objetivo Este Procedimento

Leia mais

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005

Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho ANEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 Procedimento de Comercialização Versão: 1 Início de Vigência: Instrumento de Aprovação: Despacho AEEL nº 1.578, de 14 de outubro de 2005 CÓDIGO ÍDICE 1. APROVAÇÃO...3 2. HISTÓRICO DE REVISÕES...3 3. PROCESSO

Leia mais

Escola de Gestão Pública Municipal - EGEM

Escola de Gestão Pública Municipal - EGEM EDITAL Nº 03/2010 CHAMAMENTO PARA INSCRIÇÃO O 6º CONGRESSO CATARINENSE DE SECRETÁRIOS DE FINANÇAS, CONTADORES PÚBLICOS E CONTROLADORES INTERNOS MUNICIPAIS 1. APRESENTAÇÃO DO CONGRESSO A FECAM realiza um

Leia mais

REQUERIMENTO PARA CONCESSÃO/RENOVAÇÃO/CANCELAMENTO DE REGISTRO DE EMPRESA/INSTITUIÇÃO

REQUERIMENTO PARA CONCESSÃO/RENOVAÇÃO/CANCELAMENTO DE REGISTRO DE EMPRESA/INSTITUIÇÃO REQUERIMENTO PARA CONCESSÃO/RENOVAÇÃO/CANCELAMENTO DE REGISTRO DE EMPRESA/INSTITUIÇÃO Empresa/Instituição: ( ) Definitivo ( ) Provisório ( ) Matriz ( ) Filial ( ) Agência ( ) Sucursal Se requerimento para

Leia mais

PORTARIA RFB Nº 1384, DE 09 DE SETEMBRO DE 2016

PORTARIA RFB Nº 1384, DE 09 DE SETEMBRO DE 2016 PORTARIA RFB Nº 1384, DE 09 DE SETEMBRO DE 2016 (Publicado(a) no DOU de 12/09/2016, seção 1, pág. 21) Disciplina a disponibilização, pela Secretaria da Receita Federal do Brasil, de dados não protegidos

Leia mais

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA.

CENTRAIS GERADORAS EÓLICAS, SOLAR FOTOVOLTAICAS E TERMELÉTRICAS A BIOMASSA. INSTRUÇÕES PARA REQUERIMENTO AO ONS DE PARECER OU DOCUMENTO EQUIVALENTE DE ACESSO AO SISTEMA DE TRANSMISSÃO PARA FINS DE CADASTRAMENTO NA EPE COM VISTAS À HABILITAÇÃO TÉCNICA AO LEILÃO DE ENERGIA DE RESERVA

Leia mais

Manual de Sinistro. BB Seguro Agrícola

Manual de Sinistro. BB Seguro Agrícola Manual de Sinistro BB Seguro Agrícola Julho 2016 1 Sumário INTRUÇÕES PARA AVISO E ACOMPANHAMENTO DE SINISTRO... 3 ANEXO I - LISTA DE DOCUMENTOS QUE DEVEM SER ENTREGUES PARA ANÁLISE DO SINISTRO. 5 ANEXO

Leia mais

AVISO DE VENDA DE ARROZ EM CASCA Nº 166/2016

AVISO DE VENDA DE ARROZ EM CASCA Nº 166/2016 MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO Conab DIRETORIA DE OPERAÇÕES E ABASTECIMENTO Dirab SUPERINTENDÊNCIA DE OPERAÇÕES COMERCIAIS Suope GERÊNCIA DE

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE REPUBLICADA NO DOE DE 04-02-2014 SEÇÃO I PÁG 63-64 RESOLUÇÃO SMA Nº 03, DE 24 DE JANEIRO DE 2014. Estabelece orientações para a instrução de processos de convênios com municípios e entidades da sociedade

Leia mais

Instruções para Preenchimento de DUT Leasing

Instruções para Preenchimento de DUT Leasing Prezado Cliente O arrendamento mercantil do seu veículo está chegando ao fim, por esse motivo, será necessária a transferência da sua propriedade (CRV/DUT Certificado de Registro de Veículo/Documento Único

Leia mais

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos

CAPÍTULO II Fornecedores SEÇÃO I Qualificação de fornecedores de produtos e insumos REGULAMENTO PRÓPRIO PARA CONTRATAÇÃO DE OBRAS, SERVIÇOS E COMPRAS COM RECURSOS PROVENIENTES DO PODER PÚBLICO. CONSIDERANDO a necessidade de estabelecer normas de padronização para aquisição de materiais,

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008

INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA N 014, DE 14 DE JANEIRO DE 2008 Recomenda a observação da norma constante no Anexo I. O Sistema de Controle Interno do Município de Lucas do Rio Verde, no uso de suas atribuições legais,

Leia mais

EDITAL Nº 046/2014 CONVITE 014/2014 AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO

EDITAL Nº 046/2014 CONVITE 014/2014 AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO EDITAL Nº 046/2014 CONVITE 014/2014 AQUISIÇÃO DE PLACAS DE SINALIZAÇÃO O Prefeito Municipal de Vespasiano Corrêa/RS, no uso legal de suas atribuições e de conformidade com a Lei 8.666/93, de 21 de junho

Leia mais

Complemento de Regra de Certificação

Complemento de Regra de Certificação Unidades Armazenadoras em Ambiente Natural Página: 1/6 Elaborado por: Dirceu Farias Ferreira Verificado por: João Gustavo Lopes Junqueira Aprovado por: Regina Célia Toscano Data Aprovação: 08/11/2012 1

Leia mais

DIRETORIA DE GESTÃO DG Comissão Permanente de Licitação - CPL

DIRETORIA DE GESTÃO DG Comissão Permanente de Licitação - CPL DIRETORIA DE GESTÃO DG Comissão Permanente de Licitação - CPL Objeto: Inscrição de profissionais formados em comunicação, publicidade ou marketing, ou que atuem em uma dessas áreas, para compor a subcomissão

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho

SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE IT Instrução de Trabalho SERVIÇOS GERAIS IT. 26 10 1 / 6 1. OBJETIVO Orientar a realização de serviços gerais nas dependências do Crea GO e controle dos s. 2. DOCUMENTOS DE REFERÊNCIA IT.28 Patrimônio. IT.27 Arquivo Geral e Correspondências

Leia mais

a) Requerimento dirigido ao Chefe da DFDSA, solicitando credenciamento ou renovação para comercializar aves vivas

a) Requerimento dirigido ao Chefe da DFDSA, solicitando credenciamento ou renovação para comercializar aves vivas SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO NORMAS E PROCEDIMENTOS PARA CREDENCIAMENTO E EXPEDIÇÃO DE CADASTRAMENTO AOS ESTABELECIMENTOS QUE COMERCIALIZEM AVES VIVAS NO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, CONFORME

Leia mais

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo

Renda Variável e Renda Fixa. Depósito Exclusivo Dezembro 2015 O serviço refere-se ao processo de depósito de valores mobiliários (ativos) na Central Depositária da BM&FBOVESPA, sem que estejam admitidos à negociação em sua plataforma eletrônica. O oferece

Leia mais

REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA COMO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA COMO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL REGISTRO DE PESSOA JURÍDICA COMO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conforme tabela de atividades econômicas no Portal do Empreendedor para enquadramento no momento da emissão do MEI, alertamos que, a única

Leia mais