Subestação. Conceito:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Subestação. Conceito:"

Transcrição

1 Sistema Eletrosul

2 Conceito: Subestação Instalações elétricas que compreendem máquinas ou aparelhos, instalados em ambiente fechado ou ao ar livre, destinadas à transformação da tensão, distribuição da energia, seccionamento de linhas de transmissão e, em alguns casos, à conversão de freqüência, ou conversão de corrente alternada em contínua.

3 Equipamentos de Manobra em Subestações Disjuntores Principais características para especificação de disjuntores: 9 corrente nominal; 9 capacidade nominal de interrupção das correntes de curto-circuito; 9 tempo para interrupção da falta; 9 meio de extinção do arco elétrico; 9 meio isolante; 9 tipo de mecanismo de operação a ser utilizado. Os disjuntores atualmente contam com as seguintes opções de meios de interrupção do arco elétrico: ¾ Óleo (pequeno e grande volume); ¾ Ar Comprimido; ¾ Vácuo; ¾SF 6 (dupla pressão, única pressão ou puffer type e auto-extinção); ¾ Semicondutores.

4 Chaves Seccionadoras As chaves seccionadoras devem atender: 9 as características do sistema no qual elas irão operar; 9 a função que deverão desempenhar. As principais características de natureza térmica, elétrica e mecânica que devem ser atendidas pelas chaves são: 9 capacidade de condução de corrente nominal e de curto-circuito, suportabilidade às solicitações dielétricas; 9 esforços devido as correntes de curto-circuito, ventos, etc.; 9 tipo de instalação onde a chave irá operar (para uso interno ou externo).

5 Defeitos Mais Comuns em Disjuntores e Chaves Seccionadoras 9 Falta de adequação do equipamento às condições de operação. 9 Infiltração de umidade no interior de disjuntores. 9 Falha no mecanismo de operação dos disjuntores de alta tensão. 9 Infiltração de umidade em mancais e no mecanismo de acionamento das chaves seccionadoras. 9 Deterioração do contato móvel devido a própria utilização da chave. 9 Baixa qualidade das matérias-primas dos equipamentos de alta tensão da subestação.

6 Arranjos de Subestação Arranjo Barra Simples 9 Confiabilidade e flexibilidade bastante limitadas.

7 Arranjo Barra Simples Seccionada 9 O número de circuitos perdidos devido a falhas ou manutenção é reduzido. 9 Maior redução da área interrompida.

8 Arranjo Barra em Anel 9 Requer o uso de apenas um disjuntor por circuito. 9 Cada circuito de saída tem dois caminhos de alimentação, tornado-o mais flexível. 9 Requer maior área de pátio do que o arranjo barra simples equivalente.

9 Arranjo Barra Principal e Transferência 9 Facilidades de contorno (bypass) de disjuntores em carga. 9 A necessidade de manutenção de um único disjuntor não interrompe carga.

10 Arranjos Barra Dupla Arranjo Barra Dupla 4 Chaves

11 Arranjo Barra Dupla 5 Chaves

12 9 Mais apropriado para sistemas de suprimento altamente interconectados. 9 Cada circuito tem a capacidade de se conectar a uma ou outra barra. 9 A seleção de barra pode ser feita sob carga. 9 A ocorrência de uma falha na barra leva a perda de todos os circuitos conectados a barra sob falha. 9 Os circuitos falhados podem ser transferidos para a barra sã e restabelecidos. 9 No arranjo barra dupla 4 chaves, apenas a barra B pode ser utilizada como barra de transferência. 9 No arranjo barra dupla 5 chaves, ambas as barras podem ser utilizadas.

13 Arranjo Disjuntor e Meio 9 Arranjo em que cada par de circuitos está em uma seção de barra separada e há três conjuntos de disjuntor e chaves seccionadoras para cada dois circuitos. 9 Opera com qualquer um dos pares de circuitos separados do restante do esquema. 9 Todos os disjuntores e chaves seccionadoras têm que ser capazes de operar com a corrente de carga de dois circuitos. 9 Recomendado para subestações que manipulam grande quantidade de energia, devido à alta segurança contra perda de carga.

14 Arranjos Híbridos 9 É a combinação de diferentes arranjos em uma subestação, seja por superposição de dois esquemas, ou por adoção de diferentes arranjos em circuitos individuais. 9 Geralmente possuem um alto custo. 9 A mistura de procedimentos de operação e manutenção pode conduzir a uma mal operação e redução da segurança. 9 Normalmente não recomendado.

15 Procedimentos de Rede - ONS 9 Configurações de barras para novas subestações: ¾ Pátio de 765, 500, 440, e 345 kv: arranjo barra dupla com disjuntor e meio; ¾ Pátios 230 e 138 kv: arranjo barra dupla com disjuntor simples e quatro chaves. 9 São permitidas variantes destas configurações, desde que: ¾Possa evoluir para os padrões citados anteriormente; ¾ Atenda aos requisitos mínimos do sistema de proteção, supervisão/controle e de telecomunicações do módulo 2.5 do Procedimento de Rede do ONS; ¾ Tenha desempenho, comprovado, igual ou superior aos padrões estabelecidos.

16 Unifilar SE Palhoça (230/138 kv)

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE

Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE Definição de uma Subestação (SE) Classificação das Subestações (SEs) Arranjos de Barramentos de uma SE SUBESTAÇÃO ELÉTRICA Conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é modificar os níveis

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI a 10 de outubro. Olinda - Pernambuco - Brasil

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. SENDI a 10 de outubro. Olinda - Pernambuco - Brasil XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Aplicação de Seccionadoras em Combinação com Fusíveis em Circuitos Alimentadores

Leia mais

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas

AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas CONSIDERAÇÕES INICIAIS AULA 6 Esquemas Elétricos Básicos das Subestações Elétricas Quando planejamos construir uma subestação, o aspecto de maior importância está na escolha (e, conseqüentemente, da definição)

Leia mais

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações

TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE. Aula 4 Subestações TRANSMISSÃO E DISTRIBUIÇÃO DE ENERGIA TDE Aula 4 Subestações Definição de Subestação (SE) Uma subestação é o conjunto de máquinas, aparelhos e circuitos cuja finalidade é controlar os níveis de tensão

Leia mais

SOLICITAÇÕES IMPOSTAS EM DISJUNTORES DE ALTA TENSÃO INSTALADOS PRÓXIMOS A USINAS GERADORAS

SOLICITAÇÕES IMPOSTAS EM DISJUNTORES DE ALTA TENSÃO INSTALADOS PRÓXIMOS A USINAS GERADORAS SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GSC - 06 16 a 21 Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO X GRUPO DE ESTUDO DE SOBRETENSÕES E COORDENAÇÃO DE ISOLAMENTO - SOLICITAÇÕES

Leia mais

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Autotransformadores

UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ELETROTÉCNICA. Autotransformadores Autotransformadores Pode-se observar, na figura a seguir, que dois enrolamentos normais podem ser conectados de forma que um deles é comum a ambos os circuitos do primário e do secundário. Joaquim Eloir

Leia mais

CATALOGO TÉCNICO DE PAINÉIS ELÉTRICOS

CATALOGO TÉCNICO DE PAINÉIS ELÉTRICOS CATALOGO TÉCNICO DE PAINÉIS ELÉTRICOS Painéis Elétricos: São conjuntos construídos de acordo com um projeto elétrico e mecânico padrões, onde a performance do mesmo é assegurada por ensaios de tipo realizados

Leia mais

CHAVE EVIA PEDESTAL USO EXTERNO ELOS 1- APRESENTAÇÃO. 2- OPERAÇÃO 2.1- chave seccionadora 2.2- chave fusível 2.3- chave disjuntora 3- CONFIGURAÇÕES

CHAVE EVIA PEDESTAL USO EXTERNO ELOS 1- APRESENTAÇÃO. 2- OPERAÇÃO 2.1- chave seccionadora 2.2- chave fusível 2.3- chave disjuntora 3- CONFIGURAÇÕES CHAVE EVIA PEDESTAL USO EXTERNO 1- APRESENTAÇÃO 2- OPERAÇÃO 2.1- chave seccionadora 2.2- chave fusível 2.3- chave disjuntora 3- CONFIGURAÇÕES 4- DIMENSIONAL 5- CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 6- ITENS OPCIONAIS

Leia mais

Medium voltage products UniSec HBC Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária

Medium voltage products UniSec HBC Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária Medium voltage products UniSec HBC Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária UniSec, o quadro de MT isolado a

Leia mais

Sistemas Ininterruptos de Energia

Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos de Energia Nikolas Libert Aula 13 Manutenção de Sistemas Eletrônicos Industriais ET54A Tecnologia em Automação Industrial Sistemas Ininterruptos de Energia Sistemas Ininterruptos

Leia mais

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO

INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO INSTALAÇÕES ELÉTRICAS DE BAIXA TENSÃO A norma brasileira para instalações elétricas de baixa tensão é a NBR 5410 Fixa as condições que as instalações de baixa tensão devem atender; Primeira edição de 1941;

Leia mais

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira

Instalações Elétricas de BT I. Odailson Cavalcante de Oliveira Instalações Elétricas de BT I Odailson Cavalcante de Oliveira Componentes das instalações Componente: podem ser materiais, acessórios, dispositivos, instrumentos, equipamentos, máquinas, conjuntos, partes

Leia mais

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES

SUBESTAÇÃO TIPOS DE SUBESTAÇÕES SUBESTAÇÃO Uma subestação elétrica é um grupamento de equipamentos elétricos com a finalidade de dirigir o fluxo de energia elétrica num sistema de potência e de possibilitar a operação segura do sistema,

Leia mais

ANEXO 6G LOTE G. LINHA DE TRANSMISSÃO 230 kv SÃO LUÍS II SÃO LUÍS III E SUBESTAÇÃO 230/69 kv SÃO LUÍS III 150 MVA

ANEXO 6G LOTE G. LINHA DE TRANSMISSÃO 230 kv SÃO LUÍS II SÃO LUÍS III E SUBESTAÇÃO 230/69 kv SÃO LUÍS III 150 MVA ANEXO 6F LOTE F LT 230 KV CS SÃO LUÍS II SÃO LUÍS III E SE 230/69 KV SÃO LUÍS III 1X150 MVA ANEXO 6G LOTE G LINHA DE TRANSMISSÃO 230 kv SÃO LUÍS II SÃO LUÍS III E SUBESTAÇÃO 230/69 kv SÃO LUÍS III 150

Leia mais

3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico

3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico Sistemas Elétricos de Potência 3.2.7. Diagrama de Impedâncias e Matriz de Admitância de um Sistema Elétrico Professor: Dr. Raphael Augusto de Souza Benedito E-mail:raphaelbenedito@utfpr.edu.br disponível

Leia mais

Proteção de sistema contra falha de isolamento Três níveis de sensibilidade: 100/300/500mA Conformidade IEC , EN , IEC

Proteção de sistema contra falha de isolamento Três níveis de sensibilidade: 100/300/500mA Conformidade IEC , EN , IEC Proteção de sistema contra falha de isolamento Três níveis de sensibilidade: 100/300/500mA Conformidade IEC 60947-2, EN60947-2, IEC 61009-1 ELCB - Disjuntor Diferencial Residual Os disjuntores Diferencial

Leia mais

XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004

XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004 XVI Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI - 2004 Código da Contribuição Técnica: 287 Brasília, Dezembro de 2004 TÍTULO DO TRABALHO: CHAVE REVERSORA ESPECIAL 5.100. Porto Alegre,

Leia mais

Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão. Eng. Alexandre Morais

Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão. Eng. Alexandre Morais Evolução nas Cabines Blindadas com a Nova Regulamentação da Light para ligações de Clientes em Média Tensão Eng. Alexandre Morais Padrão de Cabine Primária para Entrada e Medição em Média Tensão no Rio

Leia mais

1. APRESENTAÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 1. APRESENTAÇÃO

1. APRESENTAÇÃO 2. CARACTERÍSTICAS ELÉTRICAS 1. APRESENTAÇÃO smart CCM 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Os Centros de Controle de Motores de Baixa Tensão, modelo smart CCM são unidades modulares padronizadas, desenvolvidas em conformidade com a norma IEC 61439, garantindo

Leia mais

VACUTAP VM VERSATILIDADE E GARANTIA DE FUTURO IMBATÍVEIS. TRANSFORMER CONTROL

VACUTAP VM VERSATILIDADE E GARANTIA DE FUTURO IMBATÍVEIS. TRANSFORMER CONTROL VACUTAP VM VERSATILIDADE E GARANTIA DE FUTURO IMBATÍVEIS. TRANSFORMER CONTROL Vacutap VM Vacutap VM Capacidade inigualável na operação em rede e na indústria. 2 A tarefa: confiabilidade máxima com custos

Leia mais

CONCURSO PÚBLICO TRANSCREVA PARA A FOLHA DE RESPOSTAS, COM CANETA DE

CONCURSO PÚBLICO TRANSCREVA PARA A FOLHA DE RESPOSTAS, COM CANETA DE CONCURSO PÚBLICO 46. PROVA OBJETIVA ENGENHEIRO NÍVEL I (ÁREA DE ATUAÇÃO: ELÉTRICA) VOCÊ RECEBEU SUA FOLHA DE RESPOSTAS E ESTE CADERNO CONTENDO 30 QUESTÕES OBJETIVAS. CONFIRA SEU NOME E NÚMERO DE INSCRIÇÃO

Leia mais

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS

ACIONAMENTO DE MÁQUINAS Universidade do Estado de Mato Grosso Campus Sinop Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas ACIONAMENTO DE MÁQUINAS ROGÉRIO LÚCIO LIMA Sinop Novembro de 2016 Materiais e equipamentos elétricos industriais

Leia mais

REQUISITOS MÍNIMOS FUNCIONAIS QUANTO A CONFIGURAÇÕES DE BARRAS PARA SUBESTAÇÕES DA REDE BÁSICA DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO.

REQUISITOS MÍNIMOS FUNCIONAIS QUANTO A CONFIGURAÇÕES DE BARRAS PARA SUBESTAÇÕES DA REDE BÁSICA DO SISTEMA INTERLIGADO BRASILEIRO. 1 GAT/017 21 a 26 de Outubro de 2001 Campinas - São Paulo - Brasil GRUPO IV GRUPO DE ESTUDO DE ANÁLISE E TÉCNICAS DE SISTEMAS DE POTÊNCIA GAT REQUISITOS MÍNIMOS FUNCIONAIS QUANTO A CONFIGURAÇÕES DE BARRAS

Leia mais

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO ELÉTRICA

QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO ELÉTRICA QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO ELÉTRICA Componente Curricular: Instalações Elétricas Habilitação Profissional Técnica de Nível Médio de Técnico em Eletrônica QUADRO DE DISTRIBUIÇÃO ELÉTRICA Introdução O quadro

Leia mais

PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK

PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK PROJETOS ELÉTRICOS EBOOK ENTENDENDO SOBRE REDES ELÉTRICAS A REDE ELÉTRICA PODE SER DIVIDIDA EM 3 GRUPOS, DE ACORDO COM A TENSÃO: BAIXA TENSÃO acima de 50V até 1.000V MÉDIA TENSÃO acima de 1.000V até 69.000V

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores AT 72,5 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1995 Emissão: EDP

Leia mais

SELEÇÃO DE CONDUTORES NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Laboratório 2 SELEÇÃO E INSTALAÇÃO DE CONDUTORES EM UMA INSTALAÇÃO RESIDENCIAL

SELEÇÃO DE CONDUTORES NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS. Laboratório 2 SELEÇÃO E INSTALAÇÃO DE CONDUTORES EM UMA INSTALAÇÃO RESIDENCIAL SELEÇÃO DE CONDUTORES NAS INSTALAÇÕES ELÉTRICAS Laboratório 2 SELEÇÃO E INSTALAÇÃO DE CONDUTORES EM UMA INSTALAÇÃO RESIDENCIAL INSTALAÇÕES ELÉTRICAS INTERNAS SELEÇÃO E INSTALAÇÃO DE CONDUTORES EM UMA INSTALAÇÃO

Leia mais

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN

INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN INVERSOR MONOFÁSICO CC/CA GUARDIAN MICROPROCESSADO SAÍDA SENOIDAL ISOLADA OPÇÃO EM RACK 19 Modelos de gabinetes auto-sustentados, tipo torre e rack 19. Disponíveis também em gabinete para fixação em parede.

Leia mais

TALK SHOW SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES

TALK SHOW SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES TALK SHOW SEGURANÇA EM EDIFICAÇÕES José Rubens Alves de Souza ABNT ABINEE TEC 2013 4 abril 2013, Anhembi, São Paulo A revisão da norma ABNT NBR 5410 IEC 60364 Instalações elétricas de baixa tensão Parte

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Um pára-raios a resistor não-linear foi instalado em uma rede elétrica de distribuição para fins de proteção contra sobretensão provocada por descargas atmosféricas ou por chaveamento da rede. Em relação

Leia mais

Tópicos sobre proteção do circuito para fontes de alimentação Proteção do circuito eletrônico Bulletin1692

Tópicos sobre proteção do circuito para fontes de alimentação Proteção do circuito eletrônico Bulletin1692 Tópicos sobre proteção do circuito para fontes de alimentação Proteção do circuito eletrônico Bulletin1692 2 Tópicos sobre proteção do circuito para fontes de alimentação Sumário Proteção do circuito eletrônico

Leia mais

TORNIQUETE ITS-MC 28-100

TORNIQUETE ITS-MC 28-100 TORNIQUETE ITS-MC 28-100 Fabricante ITS Material Cirúrgico Ltda. Rua Dr. João Daniel Hillebrand, 837 93.415-520 Novo Hamburgo RS Res Técnico: João Batista da Luz Nascimento - COREN 164361 Registro ANVISA

Leia mais

Catalogo Técnico. Disjuntor em Caixa Moldada FM1-250L FM1-400L

Catalogo Técnico. Disjuntor em Caixa Moldada FM1-250L FM1-400L Catalogo Técnico Disjuntor em Caixa Moldada FM1-250L FM1-400L Disjuntores FM1 - Linha de Disjuntores em Caixa moldada Os disjuntores FM1, projetados para aplicações em distribuição de energia elétrica

Leia mais

DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM 08/2007 ROTEIRO DE CÁLCULO - DIMENSIONAMENTO CONFERIDO:

DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM 08/2007 ROTEIRO DE CÁLCULO - DIMENSIONAMENTO CONFERIDO: N DISCRIMINAÇÃO DAS REVISÕES DATA CONFERIDO DATA APROVAÇÃO APROVAÇÃO D ES DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA DO SISTEMA ELETROSUL CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. DATA DATA PADRÃO SUBESTAÇÕES DE 500 kv PROJ: DEEC/SETEM

Leia mais

Documento sujeito a alterações. Moving together

Documento sujeito a alterações. Moving together INEMOTOR MT Documento sujeito a alterações. Moving together 2 1. APRESENTAÇÃO 1. APRESENTAÇÃO Os centros de controle de motores em média tensão, modelo Inemotor MT, são invólucros metálicos, isolados a

Leia mais

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 2 DISPOSITIVOS DE MANOBRA, COMANDO E SINALIZAÇÃO

IECETEC. Acionamentos elétricos AULA 2 DISPOSITIVOS DE MANOBRA, COMANDO E SINALIZAÇÃO AULA 2 DISPOSITIVOS DE MANOBRA, COMANDO E SINALIZAÇÃO 1- Introdução O dispositivo de manobra visa estabelecer ou interromper, em condições normais de circuito, uma corrente elétrica a partir do fechamento

Leia mais

CHAVE COMUTADORA DE BAIXA TENSÃO

CHAVE COMUTADORA DE BAIXA TENSÃO CHAVE COMUTADORA DE BAIXA TENSÃO FERNANDO REIS DA CUNHA 51.8479-0008 cunhac3e@yahoo.com.br GETEQ - Grupo de Estudos em Tecnologias e Qualidade Av. Carlos Gomes 1200 2º andar, CEP 90480-001, Porto Alegre

Leia mais

Manual de Instruções QUADRO DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA (QTA)

Manual de Instruções QUADRO DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA (QTA) Manual de Instruções QUADRO DE TRANSFERÊNCIA AUTOMÁTICA (QTA) O interruptor de transferência automática de energia dupla tem um design integrado inteligente, com polo de PC e função de posição zero. Ele

Leia mais

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria

Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada. Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores, Fornecimento de Tensão e Padrão de Entrada Instalações Hidráulicas e Elétricas - Profª Bárbara Silvéria Condutores e Isolantes Isolantes Materiais que não conduzem eletricidade; Condutores

Leia mais

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 - Conhecer os métodos de partidas de motores elétricos; especificar tipo de acionamento. H2 - Conhecer os equipamentos e dispositivos utilizados em acionamento Técnico em Eletromecânica

Leia mais

Painéis de Média Tensão

Painéis de Média Tensão Painéis de Média Tensão ARCO INTERNO APROVADO 20kA/1s CEPEL - RJ Sumário Apresentação... 2 Principais Componentes... 3 Células de Entrada/Saída e Transição... 4 Células de Seccionamento... 5 Células de

Leia mais

ABINEE TEC Gestão e Planejamento Energético. Compactação de Subestações. Gilton R. Peixoto, MSc.

ABINEE TEC Gestão e Planejamento Energético. Compactação de Subestações. Gilton R. Peixoto, MSc. Gestão e Planejamento Energético Compactação de Subestações Gilton R. Peixoto, MSc. Gerente de Concessionárias AREVA T&D Brasil - Technical Expert 1 Engenheiro Eletricista UFU (1992); Mestre em Engª Elétrica

Leia mais

Agilidade Praticidade Economia Força Qualidade CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO, PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA

Agilidade Praticidade Economia Força Qualidade CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO, PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA Agilidade Praticidade Economia Força Qualidade CABINES METÁLICAS PRÉ-FABRICADAS DESTINADAS À MEDIÇÃO, PROTEÇÃO E TRANSFORMAÇÃO DE ENERGIA 1 Cabines metálicas pré-fabricadas destinadas à medição, proteção

Leia mais

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7

Partida de Motores Elétricos de Indução. cap. 7 Partida de Motores Elétricos de Indução cap. 7 1 Introdução Corrente de partida da ordem de 6 a 10x o valor da corrente nominal; 2 Influência da Partida de um Motor Consumo de Energia Demanda de Energia

Leia mais

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI

GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM INSTALAÇÕES ELÉTRICAS - GMI SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GMI - 22 16 a 21 de Outubro de 2005 Curitiba - Paraná GRUPO XII GRUPO DE ESTUDO DE ASPECTOS TÉCNICOS E GERENCIAIS DE MANUTENÇÃO EM

Leia mais

Apostila de Física 27 Associação de Resistores

Apostila de Física 27 Associação de Resistores Apostila de Física 27 Associação de Resistores 1.0 Associação de Resistores em Série Os resistores estão ligados um em seguida do outro São percorridos pela mesma corrente. Ou todos os resistores funcionam,

Leia mais

Conjuntos de Manobra de Média Tensão. Células Modulares Compactas APROVADO ARCO INTERNO CEPEL - RJ

Conjuntos de Manobra de Média Tensão. Células Modulares Compactas APROVADO ARCO INTERNO CEPEL - RJ Conjuntos de Manobra de Média Tensão Células Modulares Compactas ARCO INTERNO APROVADO CEPEL - RJ Sumário 1- Apresentação... 2 2- Características Técnicas Principais... 2 3- Principais Componentes... 3

Leia mais

CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETO PARA OS SISTEMAS DE SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE ALTERNADA E CORRENTE CONTÍNUA

CRITÉRIOS BÁSICOS DE PROJETO PARA OS SISTEMAS DE SERVIÇOS AUXILIARES EM CORRENTE ALTERNADA E CORRENTE CONTÍNUA Nº Data Natureza da Revisão Elaborado Verificado Aprovado MARTE Aprovado CLIENTE LEILÃO ANEEL 007/2012 LOTE A SUBESTAÇÕES PROJETO BÁSICO ELAB. VERIF. APROV. RESP. TÉCNICO CREA/RJ DATA TÍTULO ZT LAX ZT

Leia mais

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede

2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 2 Materiais e Equipamentos Elétricos Capítulo 9 Mamede 1 De modo geral para a especificação de materiais e equipamentos, é necessário conhecer: Tensão nominal; Corrente Nominal; Frequência nominal; Potência

Leia mais

Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão

Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão Universidade Federal de Santa Catarina Departamento de Engenharia Elétrica Laboratório de Materiais Elétricos EEL 7051 Professor Clóvis Antônio Petry Experiência 02 Ensaio do Disjuntor de Baixa Tensão

Leia mais

Arco Elétrico: Causas, Efeitos, Medidas de Proteção e Cálculo de Energia Incidente

Arco Elétrico: Causas, Efeitos, Medidas de Proteção e Cálculo de Energia Incidente Arco Elétrico: Causas, Efeitos, Medidas de Proteção e Cálculo de Energia Incidente 1 Riscos em Eletricidade Os dois maiores riscos em eletricidade são choques elétricos e queimaduras: Proteção contra choques

Leia mais

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos

Outros tópicos transformadores. Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Outros tópicos transformadores Placa de identificação trafo de potência Trafos de instrumentos Placa de identificação Transformadores para Instrumentos São dispositivos utilizados de modo a tornar compatível

Leia mais

Medidor Trifásico SDM630D

Medidor Trifásico SDM630D Medidor Trifásico SDM630D MANUAL DO USUÁRIO Conteúdo 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 3 1.1 PESSOAL QUALIFICADO... 3 1.2 FINALIDADE... 4 1.3 MANUSEIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 2.1 ESPEFICICAÇÕES... 5 3 DIMENSÕES...

Leia mais

FUSÍVEIS. Tensão nominal: 250 VCC. Base. Indicador de atuação. Indicador de atuação

FUSÍVEIS. Tensão nominal: 250 VCC. Base. Indicador de atuação. Indicador de atuação NH dicador de atuação no topo dicador de atuação frontal Categoria de utilização: gg ( para aplicação geral e com capacidade de interrupção em toda zona tempocorrente ) : 0 VC e 90 VC VCC Capacidade de

Leia mais

DEMEI ITD-07. Departamento Municipal de Energia de Ijuí

DEMEI ITD-07. Departamento Municipal de Energia de Ijuí DEMEI Departamento Municipal de Energia de Ijuí Acesso da microgeração e minigeração distribuída aos sistemas de distribuição do DEMEI Instrução Técnica VERSÃO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE ENERGIA DE IJUÍ

Leia mais

Novas Chaves Seccionadoras de Baixa Tensão ABB

Novas Chaves Seccionadoras de Baixa Tensão ABB Folheto Técnico Novas Chaves Seccionadoras de Baixa Tensão ABB Chaves Seccionadoras Sob Carga Linha OT - 200...400 A Chaves Seccionadoras Sob Carga com Base Fusível Linha OS - 200 e 250 A OT 200...400

Leia mais

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引

電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 電 動 車 輛 充 電 設 施 安 全 技 術 指 引 Directrizes Técnicas de Segurança de Instalações de Carregamento de Veículos Eléctricos 第 一 條 Artigo 1.º 標 的 Objecto 本 指 引 為 訂 定 安 裝 電 動 車 輛 充 電 設 施 應 遵 守 的 安 全 技 術 條 件 As presentes

Leia mais

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1

ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 ACIONAMENTOS ELÉTRICOS H1 - Conhecer os métodos de partidas de motores elétricos; especificar tipo de acionamento. H2 - Conhecer os equipamentos e dispositivos utilizados em acionamento Técnico em Eletromecânica

Leia mais

UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE CEUMA COORDENAÇÃO DE ENGENHARIA CIVIL CAMPUS ANIL / RENASCENÇA Professor Leonardo Gonsioroski O que é uma Instalação Elétrica? Uma instalação elétrica é definida pelo conjunto de materiais

Leia mais

DR.BELL APPARATEBAU GMBH

DR.BELL APPARATEBAU GMBH SISTEMA DE IGNIÇÃO IMPULSE Série: BZL 250 CONTEÚDO Informações Gerais 02 Funcionamento 02 Montagem 03 Instalação 03 Manutenção 04 Procedimentos de segurança 04 Especificações 04 Caracteristicas 05 Ilustração

Leia mais

Fluorpact-6 Painel Compacto

Fluorpact-6 Painel Compacto Painel Compacto 1. Apresentação 2 2. Aplicação 2 3. Normas Aplicadas 2 4. Principais Vantagens 2 5. Segurança 3 6. Características Elétricas Nominais 3 7. Configurações Existentes 4 7.1 Para Conexões à

Leia mais

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008

PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 PRINCIPAIS PERTURBAÇÕES OCORRIDAS NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL SÍNTESE GERENCIAL PERÍODO: SEMANA DE 13/10/2008 A 19/10/2008 RELATÓRIO ONS - 3/221/08 EMITIDO EM: 24/10/2008 1 PROCESSO: Análise de Perturbações

Leia mais

Medium voltage products UniSec SBC-W Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária

Medium voltage products UniSec SBC-W Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária Medium voltage products UniSec SBC-W Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária UniSec SBC-W Quadro de média tensão isolado a ar para a distribuição secundária A gama dos quadros

Leia mais

SELEÇÃO DO QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO

SELEÇÃO DO QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO UNIDADE V SELEÇÃO DO QUADRO GERAL DE DISTRIBUIÇÃO 1. INTRODUÇÃO O fornecimento de eletricidade para uma moradia ou comercio é medido e controlado a partir de um quadro de entrada localizado no exterior

Leia mais

DISPOSITIVOS. Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores. De Proteção Contra Curto-Circuito

DISPOSITIVOS. Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores. De Proteção Contra Curto-Circuito DISPOSITIVOS Seccionadoras de Seccionamento Interruptores Contatores Contra Sobrecarga De Proteção Contra Curto-Circuito Relé Térmico Fusíveis Sobrecarga - corrente elétrica acima da corrente nominal projetada

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO. Professor Leonardo Gonsioroski UNIVERSIDADE ESTADUAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS TECNOLÓGICAS ENGENHARIA DA COMPUTAÇÃO Professor Leonardo Gonsioroski Sistemas Elétricos Pode-se dizer que os sistemas elétricos são divididos em 4 grandes

Leia mais

Eletricista Instalador Predial Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora)

Eletricista Instalador Predial Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora) 5596 - Eletricista Instalador Predial Plano de Aula - 16 Aulas (Aulas de 1 Hora) Aula 1 Capítulo 1 - Conceitos Fundamentais 1.1. Matéria......21 1.2. Circuito Elétrico...22 1.2.1. Dispositivo de Manobra...23

Leia mais

Distribuição e proteção de circuitos elétricos de baixo tensão Correntes nominais ajustáveis Correntes nominais até 1600A Disparador eletrônico de

Distribuição e proteção de circuitos elétricos de baixo tensão Correntes nominais ajustáveis Correntes nominais até 1600A Disparador eletrônico de Distribuição e proteção de circuitos elétricos de baixo tensão Correntes nominais ajustáveis Correntes nominais até 1600A Disparador eletrônico de sobrecorrente para sobrecarga e curto circuito Conformidade

Leia mais

Mecanismo variador (R, L), mecanismo variador universal 1/2 canais Referência: / /

Mecanismo variador (R, L), mecanismo variador universal 1/2 canais Referência: / / Mecanismo variador (R, L), mecanismo variador universal 1/2 canais Referência: 8542 11 00 / 8542 12 00 / 8542 21 00 Instruções de utilização 1. Instruções de segurança A instalação e a montagem de aparelhos

Leia mais

Disjuntor Tripolar a Vácuo de MT Série HAF

Disjuntor Tripolar a Vácuo de MT Série HAF Disjuntor Tripolar a Vácuo de MT Série HAF Tensão Nominal (kv) 7,2 12 15 24 Capacidade de interrupção nominal ka Capacidade de estabelecimento ka 80 100 1 80 100 1 80 100 12,5 16 20 0A HAF10414 HAF10514

Leia mais

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT

MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT MATERIAIS PARA REDES APARELHAGEM AT E MT Disjuntores MT 36 kv Características Elaboração: DNT Homologação: conforme despacho do CA de 2007-02-13 Edição: 2ª. Substitui a edição de DEZ 1987 Emissão: EDP

Leia mais

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE)

SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO PADRÃO TÉCNICO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN GERAÇÃO INCENTIVADA 01 MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SISTEMA NORMATIVO CORPORATIVO CÓDIGO TÍTULO VERSÃO PT.DT.PDN.03.05.025 01 APROVADO POR MARCELO POLTRONIERI ENGENHARIA-ES (DEEE) SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 3 2. HISTÓRICO DAS REVISÕES... 3 3. APLICAÇÃO... 3

Leia mais

Os 27 símbolos que Você encontrará em Qualquer diagrama Elétrico VERSÃO1.1

Os 27 símbolos que Você encontrará em Qualquer diagrama Elétrico VERSÃO1.1 Guia Os 27 símbolos que Você encontrará em Qualquer diagrama Elétrico VERSÃO1.1 Introdução Estamos vivendo uma fase complicada na economia do país, e consequentemente no mercado de trabalho. Conhecimento

Leia mais

CCW06 Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão Até 24 kv 20 ka. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas

CCW06 Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão Até 24 kv 20 ka. Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas CCW06 Conjunto de Manobra e Controle de Média Tensão Até 24 kv 20 ka Motores Automação Energia Transmissão & Distribuição Tintas Versatilidade e segurança para suas aplicações Compactação, segurança operacional

Leia mais

Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor

Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor Por Flávio Resende Garcia Harmônicos em sistemas industriais: uma cooperação entre concessionária e consumidor Este artigo objetiva mostrar os resultados obtidos com as medições e os estudos de harmônicos

Leia mais

COMUNICADO TÉCNICO Nº

COMUNICADO TÉCNICO Nº Página 1 / 14 COMUNICADO TÉCNICO Nº 08-2013 CRITÉRIOS DE ACESSO EM MÉDIA TENSÃO DA CEMIG DISTRIBUIÇÃO SA PARA MICROGERAÇÃO E MINIGERAÇÃO DISTRIBUÍDAS ADERENTES AO REGIME DE COMPENSAÇÃO 1. OBJETIVO Esse

Leia mais

Instalações elétricas em Sistemas FV

Instalações elétricas em Sistemas FV Instalações elétricas em Sistemas FV Sobre o quê vamos falar? Conceitos básicos de um sistema fotovoltaico (FV) Tipos de sistema principais Off Grid e Grid Tie Conceituação da determinação de energia necessária

Leia mais

STRING BOX SOLUÇÃO FOTOVOLTAICA MANUAL DO USUÁRIO 2 ENTRADAS / 1 SAÍDA

STRING BOX SOLUÇÃO FOTOVOLTAICA MANUAL DO USUÁRIO 2 ENTRADAS / 1 SAÍDA STRING BOX SOLUÇÃO FOTOVOLTAICA 2 ENTRADAS / 1 SAÍDA MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Simbologia 03 Instruções de Segurança Introdução Estrutura Básica 03 04 05 Instalação e Operação 06 Dados dos Fusíveis 07 Dados

Leia mais

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho

Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho Prevenção de riscos elétricos em locais de trabalho SEGURANÇA DE PESSOAS: TECNOLOGIAS E CONCEITOS 1 Sumário Acidentes com a eletricidade. Porque acontecem Proteção contra choques elétricos Prevenção de

Leia mais

VitaWatt. Você ganha: tempo. A evolução da instalação elétrica. pronto para instalar recursos. solução integrada segurança

VitaWatt. Você ganha: tempo. A evolução da instalação elétrica. pronto para instalar recursos. solução integrada segurança A evolução da instalação elétrica. Você ganha: tempo pronto para instalar recursos solução integrada segurança sistema pré-testado confiança 5 anos de garantia Mais que um quadro de distribuição. Uma verdadeira

Leia mais

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A.

AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. AUDIÊNCIA PÚBLICA Nº 022/2014 FURNAS CENTRAIS ELÉTRICAS S.A. AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA ANEEL ATO REGULATÓRIO: Audiência Pública 022/2014 EMENTA: Obter subsídios para Obter subsídios à proposta

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200

MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200 MANUAL DE INSTRUÇÕES DO MILIOHMÍMETRO MODELO MO-1200 julho 2009 Leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual antes de iniciar o uso do medidor ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 1 2. REGRAS DE SEGURANÇA...

Leia mais

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos

NBR Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 Instalações elétricas em locais de afluência de público - Requisitos específicos NBR 13570 As prescrições desta Norma complementam, modificam ou substituem as prescrições de caráter geral contidas

Leia mais

MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA

MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA MANUAL PARA INSTALAÇÃO ELÉTRICA RESFRIADOR DE ÁGUA SERIE POLAR MODELOS: PA-01 ~ PA-120 PW-09 ~ PW-120 PRECAUÇÕES INFORMAÇÕES GERAIS DE SEGURANÇA ÍNDICE INFORMAÇÕES GERAIS...3 QUADRO ELÉTRICO...3 DIMENSIONAMENTO

Leia mais

Um novo produto para um novo tempo

Um novo produto para um novo tempo Um novo produto para um novo tempo UPS Logmaster - 40-150 kva Série NKT V2 3300 Energia ininterrupta em seu grau máximo de tecnologia. Aplicações: Financeiro Telecomunicações Logística Médico Hospitalares

Leia mais

Durabilidade, Força e Confiabilidade.

Durabilidade, Força e Confiabilidade. DO BRASIL Durabilidade, Força e Confiabilidade. BLAUTH DO BRASIL é uma empresa genuinamente brasileira, produz exclusivamente prensas excêntricas que são destinadas à produção nos setores de: eletrodomésticos,

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil. Chave Fusi-lâmina. Luiz Antônio de Magalhães Rodrigues

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica. Olinda - Pernambuco - Brasil. Chave Fusi-lâmina. Luiz Antônio de Magalhães Rodrigues XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de outubro Olinda - Pernambuco - Brasil Chave Fusi-lâmina Ailton Fernandes Quintão Erto Cezário de Lima Rosenildo Ramos de

Leia mais

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02

Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II. Sistemas de força e energia. Aula 02 Curso de Manutenção de ferrovias Eletrotécnica II Sistemas de força e energia Aula 02 Consumo pro região Usina Hidrelétrica Usina Nuclear Estrutura do setor elétrico Distribuição - A conexão e atendimento

Leia mais

GW Electric Co. Fabricante de Chaves e Religadores Terminais e Juntas de Transição Limitadores de Corrente

GW Electric Co. Fabricante de Chaves e Religadores Terminais e Juntas de Transição Limitadores de Corrente para Empresa fundada 1905 Chicago USA GW Electric Co. Fabricante de Chaves e Religadores Terminais e Juntas de Transição Limitadores de Corrente Abertura da Unidade de Produção GW do Brasil 2013 Salvador

Leia mais

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS

CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS WWW.ENGEPOWER.COM TEL: 11 3579-8777 PROGRAMA DO CURSO A PROTEÇÃO E A SELETIVIDADE EM SISTEMAS ELÉTRICOS INDUSTRIAIS DIRIGIDO A : Engenheiros

Leia mais

GESTÃO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA. Aula 3 Projeto de Processos

GESTÃO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA. Aula 3 Projeto de Processos GESTÃO DA PRODUÇÃO E LOGÍSTICA Aula 3 Projeto de Processos Modelo Geral da Gestão de Operações RECURSOS A SEREM TRANSFORMADOS MATERIAIS INFORMAÇÕES CONSUMIDORES AMBIENTE ESTRATÉGIA DE PRODUÇÃO OBJETIVOS

Leia mais

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA

TEMA DA AULA PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TEMA DA AULA EQUIPAMENTOS ELÉTRICAS DE SUBESTAÇÕES PROFESSOR: RONIMACK TRAJANO DE SOUZA TRANSFORMADORES Um transformador (ou trafo) é um dispositivo destinado a transmitir energia elétrica ou potência

Leia mais

Fusíveis. Proteção de instalações elétricas em baixa tensão

Fusíveis. Proteção de instalações elétricas em baixa tensão Fusíveis Proteção de instalações elétricas em baixa tensão Índice Fusíveis DIAZED 4 Fusíveis ultra-rápidos SILIZED 9 Fusíveis NH 12 Fusíveis NEOZED 17 Seccionadores-fusível MINIZED 21 Fusíveis cilíndricos

Leia mais

Fontes de Alimentação

Fontes de Alimentação ProLine Tecnologia de Interface Fontes de Alimentação Fonte de alimentação de 24 Vcc A Tarefa Os transmissores e condicionadores de sinais não alimentados pela malha de medição precisam de alimentação

Leia mais

Procedimentos para a Conexão de Microgeração e Minigeração ao Sistema de Distribuição da Light SESA BT e MT Até Classe 36,2kV

Procedimentos para a Conexão de Microgeração e Minigeração ao Sistema de Distribuição da Light SESA BT e MT Até Classe 36,2kV Informação Técnica DTE/DTP 01/12, de 13 de dezembro de 2012 Procedimentos para a Conexão de Microgeração e Minigeração ao Sistema de Distribuição da Light SESA BT e MT Até Classe 36,2kV Palavras-chave:

Leia mais

DISPOSITIVO DE PARTIDA DE GRANDES MÁQUINAS ELÉTRICAS OPERANDO A GRANDES DISTÂNCIAS

DISPOSITIVO DE PARTIDA DE GRANDES MÁQUINAS ELÉTRICAS OPERANDO A GRANDES DISTÂNCIAS DISPOSITIVO DE PARTIDA DE GRANDES MÁQUINAS ELÉTRICAS OPERANDO A GRANDES DISTÂNCIAS CONSIDERAÇÕES GERAIS OS GRANDES DESAFIOS DA ENGENHARIA ELÉTRICA Em todos os segmentos da sociedade, em todas profissões,

Leia mais

2 Condutores Elétricos

2 Condutores Elétricos 2 Condutores Elétricos 2.1 Introdução O dimensionamento de um condutor deve ser precedido de uma análise detalhada de sua instalação e da carga a ser suprida. Um condutor mal dimensionado, além de implicar

Leia mais

SINAPSE MICROELETRONICA LTDA.

SINAPSE MICROELETRONICA LTDA. SINAPSE MICROELETRONICA LTDA. Av. Afonso Botelho, 69 - Centro - CEP 87301-040 Campo Mourão - PR - Brasil - Fone/Fax: (44) 329-3022 E-mail: vendas@sinapse.ind.br www.sinapse.ind.br hfc 12/06 SINAPSE INDUSTRIAL

Leia mais

Topologia de Redes. Alberto Felipe Friderichs Barros

Topologia de Redes. Alberto Felipe Friderichs Barros Topologia de Redes Alberto Felipe Friderichs Barros Introdução Etimologicamente a palavra topologia deriva do grego, Topos = forma e Logos = estudo, portanto, a palavra topologia significa o estudo das

Leia mais