Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo"

Transcrição

1

2 Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

3 Magda Cercan Garcia Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo (UNESP). Trabalha na área de logística e desenvolvimento de embalagens há 25 anos. Desenvolveu projetos de embalagens e soluções para movimentação, manuseio e armazenagem, melhorando produtividade, garantindo qualidade dos produtos em empresas multinacionais de grande porte como IBM, Continental Produtos Automotivos e Robert Bosch. Recebeu vários prêmios com projetos de embalagens e soluções de transporte e armazenagem. Atualmente é Gerente da Consultoria Futurepack. Co-autora dos livros Guia de Embalagens para Produtos Orgânicos e Embalagens: Design, Materiais, Processos, Máquinas e Sustentabilidade. Professora do Instituto de Embalagens.

4 O que são Embalagens de transporte? São embalagens usadas para transportar e manusear produtos. As embalagens de transporte também são conhecidas como embalagens secundárias, porque normalmente são utilizadas para proteger as embalagens primárias, aquelas que tem contato direto com o produto. Os produtos a granel são geralmente transportados em recipientes de grandes volumes. Apesar de serem embalagens primárias, estão em contato com o produtos, se encaixam mais adequadamente no conceito de embalagem para transporte e distribuição. EMBALAGENS PRIMÁRIAS EMBALAGEM DE TRANSPORTE

5 Exemplos de embalagens que apesar de conter o produto (Embalagem Primária) é considerada embalagem de transporte devido ao tamanho e forma de manuseio. Embalagens para produtos químicos e líquidos. Embalagens para grãos Embalagens para auto peças

6 A principal função destas embalagens é proteger os produtos durante o manuseio, transporte e armazenagem. No caso das embalagens de transporte nem sempre existe o apelo do marketing porque geralmente não são expostas para o consumidor final. Mas é necessário tomar certos cuidados na hora de desenvolver uma embalagem de transporte, caso contrário poderão ocorrer perdas irreparáveis.

7 Espera-se da embalagem de Transporte Proteção, apresentação, manuseio, armazenagem e conservação: Preço compatível em função do custo do produto e ou do mercado a que se destina; Melhor acomodação possível do produto; facilidade para remoção do produto; Ergonomia, tanto na produção, como na movimentação e armazenagem, evitando que os operadores tenham que usar força física ou façam movimentos que comprometam sua saúde; Ser o mais leve e resistente possível; Identificação correta;

8 Planejamento Pontos frágeis Análise do produto Peso Forma Desenvolvimento Preço Produção Montagem e armazenagem Estoque da Matéria Prima Abastecimento das Linhas de produção Estudo do fluxo logístico Cliente Recebimento Movimentação Armazenagem Transporte Veículos e Equipamentos Norma Tipos de Exposições

9 Análise do produto Formato; Peso; Detalhes sobre pontos de fragilidade que exijam proteção; Características no processo de envase (temperatura, estado físico etc.);

10 Estudo do fluxo logístico Para desenvolver uma embalagem eficiente, precisamos conhecer todos os processos pelos quais a embalagem será submetida. O desenvolvimento de uma embalagem deve ser feito em conjunto com as áreas de logística, produção, qualidade, segurança do trabalho e o cliente também deve ser consultado. Cada área tem necessidades específicas que se não forem levadas em consideração no momento da criação da embalagem, poderá gerar custos que podem ter impactos negativos nos resultados de um projeto.

11 Estudo do fluxo logístico Alimentação das linhas de produção; Adaptabilidade aos equipamentos nas estações de trabalho, tanto na produção como na armazenagem; Atender das necessidades do cliente; Prever as influências negativas durante o manuseio; Acessibilidade para seleção de pedidos nos armazéns ou inspeção de conteúdos, quando necessário; Espaço para identificação, facilitando a seleção dos pedidos no inventário da fábrica e armazéns; Adaptável ao equipamento de movimentação do cliente; Previsão de espaço para marcações especiais, por exemplo, identificação do logotipo da empresa;

12 Condições ambientais Temperatura; Umidade; Pressão atmosférica

13 Tipos de Transporte Um dos primeiros passos para desenvolver uma embalagem de transporte é definir os meios que serão utilizados para o transporte dessa embalagem. Para cada tipo de transporte existe um tamanho adequado, um peso máximo e um risco diferente.

14 Dimensões A escolha das dimensões da embalagem é muito importante, porque pode comprometer seriamente os custos de transporte, movimentação e armazenagem. A embalagem deve ser dimensionada para aproveitar cada milímetro do transporte utilizado, visando redução de custos com o frete. Devemos verificar se o peso da carga está de acordo com o permitido para o transporte utilizado.

15 Embalagens Descartáveis ou Retornáveis Dependendo do fluxo logístico escolhemos qual tipo de embalagens é mais interessante para o processo. Calculamos os valores envolvidos com investimento em embalagens e as despesas com frete e taxas para envio e retorno das embalagens vazias. Quando possível utilizar embalagens que possam retornar e que sejam dobráveis, reduzindo o volume, permitindo redução no custo do frete de retorno.

16 O material a ser utilizado na construção de uma embalagem de transporte deve atender as seguintes especificações: Ser fabricado com material inerte (atóxico e inodoro); Estar disponível no mercado; Materiais Ter alto índice de resistência a choques e vibrações; Ter propriedades de resistência e configuração adequadas para permitir empilhamentos na produção, armazenagens e transporte; Suportar as influências ambientais quando identificada essa necessidade; Suportar os esforços encontrados na movimentação externa.

17 Papelão Ondulado Um dos materiais mais utilizados para fabricação de Embalagens de Transporte, devido à sua condição de reunir todas as características necessárias mencionadas anteriormente. Em grau de resistência consegue competir com a madeira, com a vantagem de aceitar configurações que a madeira não permite.

18 Madeira Devido à resistência mecânica, também é muito utilizada. Em 2005 foi editada pela Organização das Nações para Agricultura e Alimentação (FAO) a Norma Internacional de Medidas Fitossanitárias NIMF 15. Esta norma foi criada devido à preocupação com o trânsito de pragas entre países exportadores. Aproximadamente trinta países, entre eles México, Estados Unidos e Canadá, passaram a exigir que as embalagens de madeira passassem pelo tratamento fitossanitário, isto é fossem submetidas ao tratamento com fungicidas. No início foi complicado para os exportadores, mas atualmente já existe o processo de tratamento com alta temperatura (HT) que a maior parte dos fabricantes de embalagens já incorporaram no processo.

19 Madeira A grande vantagem em utilizar madeira para produção de Embalagens de Transporte é que na maior parte das vezes são utilizados sobras. Normalmente o maior comprimento utilizado não passa de 1,20 m. Devido à resistência mecânica e a forma de montagem das embalagens é possível produzir embalagens muito eficientes com baixo custo.

20 Embalagens Retornáveis Metálica

21 Plásticos Sistema KLT Embalagens Mistas Bandejas PEAD Termo formadas Vacun form

22 Embalagens CKD Além das caixas, dos paletes e racks, também existem os acessórios que são utilizados para dar mais resistência ou acomodar melhor os produtos dentro das embalagens. Exemplo é o sistema CKD (Completely Knock-Down) são conjuntos de partes de automóveis criados geralmente pela fábrica matriz ou pelo seu centro de produção para exportação e posterior montagem dos veículos nos países receptores destes kits.

23 Acomodação de um número adequado de unidades do produto para movimentação. O palete é o item mais utilizado para o transporte e armazenamento das unidades. Unitização Alguns benefícios do uso de paletes: reduzir custo de mão de obra; melhorar custos de manutenção e controle do inventário; rapidez na estocagem e movimentação das cargas; racionalização do espaço de armazenagem, com melhor aproveitamento vertical da área de estocagem; reduzir as operações de movimentação; reduzir acidentes pessoais; diminuir danos aos produtos.

24 Paletes Os Paletes tem um capítulo a parte na história da Embalagem de Transporte. São muito utilizados na movimentação dos produtos, facilitando a carga e descarga. Existem diversos tipos e tamanhos, dependendo da necessidade. Podem ser descartáveis ou retornáveis. São produzidos de vários tipos de materiais, os mais comuns são de madeira, plástico e papelão ondulado.

25 Palete Padrão Brasil - PBR O PBR foi desenvolvido a partir de estudos realizados pela ABRAS em parceria com profissionais de diversas empresas e associações tecnicamente qualificadas para a elaboração de um sistema altamente confiável para atender toda a logística de movimentação e armazenamento de produtos pelos supermercados.

26 O PBR (Palete Brasil) foi introduzido no mercado em 1990 pela ABRAS, depois de muitos testes e negociações, chegaram a um consenso quanto às características deste palete, que proporciona uma ampla interação com os meios de transporte, compatibilização com os equipamentos de movimentação, melhor aproveitamento da madeira e preservação ambiental. Para chegar ao palete ideal foram consultadas normas internacionais, feitos diversos ensaios e produzidos vários modelos, que foram testados por indústrias renomadas no Brasil.

27 Acessórios Para fazer o fechamento das embalagens de transporte precisamos escolher qual a opção é mais adequada para cada situação. Considerar sempre o processo de envase, e abertura no cliente, volume de produção e segurança no transporte Etiquetas O adesivo da etiqueta deve ser dimensionado conforme a necessidade.

28 Caiam na nossa rede!

29 Agradecemos a atenção! /

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! MAGDA CERCAN GARCIA HISTÓRIA Tecnólogia Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo da Universidade Estadual

Leia mais

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! MAGDA CERCAN GARCIA HISTÓRIA Tecnólogia Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo da Universidade Estadual

Leia mais

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! ANTONIO ANDRADE DE PAULA Coordenador do núcleo de embalagens flexíveis Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização

Leia mais

Texto extraído do Livro: Logística Operacional Guia Prático José Antonio de Mattos Castiglioni Editora ética

Texto extraído do Livro: Logística Operacional Guia Prático José Antonio de Mattos Castiglioni Editora ética Base Tecnológica: 3 Habilidade: Etec Horácio 2. Políticas de estoque: embalagens e equipamentos utilizadas no manuseio e na movimentação de materiais. 2.4. Definir procedimentos para embalagem, armazenagem,

Leia mais

Manual de Gestão Embalagens Destinadas a Compra de Componentes SUMÁRIO

Manual de Gestão Embalagens Destinadas a Compra de Componentes SUMÁRIO SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 1 1.1 OBJETIVO... 1 1.2 APLICAÇÃO... 1 2. REGRAS GERAIS... 1 2.1 DEFINIÇÕES... 1 2.2 PRINCÍPIOS... 1 3. APRESENTAÇÃO DAS EMBALAGENS... 1 3.1 EMBALAGENS DURÁVEIS... 1

Leia mais

CALANDRA MULTIROLO CALANDRA MULTIRROLO CAPACIDADES DE 4 A 18 LENÇÓIS P/ MINUTO SISTEMA DE ROLO E FITAS AQUECIMENTO A VAPOR

CALANDRA MULTIROLO CALANDRA MULTIRROLO CAPACIDADES DE 4 A 18 LENÇÓIS P/ MINUTO SISTEMA DE ROLO E FITAS AQUECIMENTO A VAPOR CALANDRA MULTIROLO ALTA PRODUTIVIDADE COM BAIXO CUSTO OPERACIONAL SISTEMA DE ROLO E FITAS Equipamento projetado para passagem de tecidos planos, projetado para alta produção e qualidade. ALTA PRODUÇÃO:

Leia mais

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! O QUE É PAPELÃO ONDULADO? É uma estrutura formada por um ou mais elementos ondulados (miolos) fixados a um ou mais elementos planos (capas) por meio de adesivo no

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Caixa para Instrumental Cirúrgico PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

MANUAL DO FORNECEDOR MF MANUAL DE ENTREGAS

MANUAL DO FORNECEDOR MF MANUAL DE ENTREGAS VERSÃO 5 PAG: 1 / 15 Esta Instrução estabelece padrões mínimos de apresentação de embalagens de transporte utilizado para os processos de entrega de produtos, visando garantir a integridade dos mesmos,

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer mais sobre os armazéns e as operações de armazenagens Compreender o conceito

Leia mais

Qualidade e robustez aparente. Desde 1956 Movimentando Qualidade.

Qualidade e robustez aparente. Desde 1956 Movimentando Qualidade. Qualidade e robustez aparente. Desde 1956 Movimentando Qualidade. Fundada em 1956, a ZELOSO acompanhou o aumento da industrialização do país, com equipamentos hidráulicos para movimentação e força, desenvolvendo

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Vantagens da utilização dos paletes

Vantagens da utilização dos paletes PALETES Vantagens da utilização dos paletes Redução do custo homem/hora; Menores custos de manutenção do inventário bem como melhor controle do mesmo; Rapidez na estocagem e movimentação das cargas. Racionalização

Leia mais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais

Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Administração de Materiais e Recursos Patrimoniais Empresa Deve: Ser organizada: padronização administrativa (planejamento e controle) Ter qualidade: atender a necessidade dos consumidores (prazo, preço,

Leia mais

Centros de Distribuição e Movimentação Física: (ler capítulo 9 do livro Administração de Materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves, Ed.

Centros de Distribuição e Movimentação Física: (ler capítulo 9 do livro Administração de Materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves, Ed. Nesta aula você verá: O que é um centro de distribuição; As principais funções de um centro de distribuição; Os equipamentos destinados à movimentação, à armazenagem e à transporte de materiais; Sistemas

Leia mais

LOGÍSTICA CONTAINERES

LOGÍSTICA CONTAINERES LOGÍSTICA CONTAINERES É a atividade que compreende o planejamento, coordenação, controle e desenvolvimento das operações destinadas a abrigar, manter adequadamente estocado e em condições de uso, bem como

Leia mais

Apresentação: Marcio Zanotto

Apresentação: Marcio Zanotto Apresentação: Marcio Zanotto Capacidade Produtiva - Rafitec Sacarias 17.000.000 Scs/mês Big Bags - 350.000 Big bags/mês Mercado As embalagens de ráfias são excelentes para armazenamento e transporte

Leia mais

Cat. Garras de Demolição e Classificação. Escavadeiras Hidráulicas. Americas South

Cat. Garras de Demolição e Classificação. Escavadeiras Hidráulicas. Americas South Cat Garras de Demolição e Classificação Escavadeiras Hidráulicas Americas South Se você está procurando por uma maneira rápida e produtiva de manusear materiais...que seja confiável e de fácil manutenção...

Leia mais

PLANILHA N o B. Quantidade de materiais estocados. Cód. (unid.) (unid.) (unid.) 06/03/97. Comprim. (m)

PLANILHA N o B. Quantidade de materiais estocados. Cód. (unid.) (unid.) (unid.) 06/03/97. Comprim. (m) ANEXO A TELHAS PLANILHA N o 2.15. Observador: Alternativas para redução dos desperdícios de materiais nos canteiros de obra VtelhaI = / / MEDIÇÃO DE ESTOQUE (VtelhaI E VtelhaF): TELHAS CERÂMICAS E DE FIBROCIMENTO

Leia mais

1. estrutura porta palete: gem zena ma ar 2. mini porta palete 3. mezaninos

1. estrutura porta palete: gem zena ma ar 2. mini porta palete 3. mezaninos 1 2 1. estrutura porta palete: estrutura modular de encaixe, projetada conforme peso e o tipo de mercadoria a ser armazenada, bem como as características de recebimento, movimentação e expedição. Estrutura

Leia mais

Porta Pallet ESTRUTURA FIXA

Porta Pallet ESTRUTURA FIXA ESTRUTURA FIXA ESTRUTURA FIXA Porta Pallet O Sistema mais utilizado no mundo para acesso direto e unitário em cada Pallet ou carga diversa. Permite a verticalização do espaço de forma simples e seletiva,

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação

Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação Seminário Desenvolvimento e Avaliação de Embalagens de Transporte e Distribuição Dimensionamento estrutural de embalagem - Projeto e Avaliação Eng. Tiago B. H. Dantas Pesquisador - CETEA O que é Dimensionamento

Leia mais

EMBALAGENS DE ALIMENTOS

EMBALAGENS DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA TAL 430 EMBALAGENS DE ALIMENTOS EMBALAGENS DE ALIMENTOS Prof. Eber Antonio Alves Medeiros - Introdução - Embalagens metálicas - Embalagens plásticas - Embalagens de vidro

Leia mais

Gresca. Planta G1. Gresca. Planta G2. Gresca. Planta G3

Gresca. Planta G1. Gresca. Planta G2. Gresca. Planta G3 Gresca Planta G1 Gresca Planta G2 Gresca Planta G3 sobre a empresa Referência no mercado da construção civil, a Cerâmica Gresca fabrica blocos com furo vertical e peças especiais de alto desempenho, que

Leia mais

Boletim Técnico IG019

Boletim Técnico IG019 Recebimento, manuseio, abertura, revedação e armazenamento Inspeção de materiais recebidos No recebimento do transporte do espaçador flexível, deve-se verificar visualmente se há algum dano nos pacotes.

Leia mais

5 PASSOS para implementação do Código de Barras

5 PASSOS para implementação do Código de Barras 5 PASSOS para implementação do Código de Barras www.gs1br.org O que é o Código de Barras? Os números de identificação de um produto podem ser representados por meio de um código, possibilitando sua leitura

Leia mais

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain

GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 03: Logística Empresarial e Competitividade - Evolução da Supply Chain Conflito Marketing X Logística O aluno deverá ser capaz de: Conhecer os níveis de serviço

Leia mais

VÁLVULA DE ALIVIO E SEGURANÇA SÉRIE 445

VÁLVULA DE ALIVIO E SEGURANÇA SÉRIE 445 A. Introdução Este manual tem por objetivo apresentar as especificações, procedimentos de instalação, operação e manutenção de válvulas de Alívio e Segurança. As válvulas alívio e segurança série 445 Zanardo

Leia mais

RACKS & SHELVINGS INTRALOGISTICS AND SUPPLY CHAIN

RACKS & SHELVINGS INTRALOGISTICS AND SUPPLY CHAIN RACKS & SHELVINGS INTRALOGISTICS AND SUPPLY CHAIN ESTANTE ABASTECIMENTO DE CHAPA (ESAOCHPB05) Os Racks & Shelvings Pinto Brasil são desenvolvidos pelas nossas equipas de engenharia, que criam prototipagens

Leia mais

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! Willians Natalicio Formação acadêmica: Gestão de Negócios Univem Técnico em Plástico - SENAI Mario Amato Atuação: Técnico de processo : Unipac Instrutor : SENAI Analista

Leia mais

1 - A capacidade de fluxo que corresponde a capacidade máxima que pode passar pelo arco.

1 - A capacidade de fluxo que corresponde a capacidade máxima que pode passar pelo arco. CONCEITOS DE REDE Uma rede é formada por um conjunto de nós, um conjunto de arcos e de parâmetros associados aos arcos. Nós Arcos Fluxo Interseções Rodovias Veículos Rodoviários Aeroportos Aerovia Aviões

Leia mais

Unidade IV FUNDAMENTOS E IMPORTÂNCIA. Profa. Marinalva Barboza

Unidade IV FUNDAMENTOS E IMPORTÂNCIA. Profa. Marinalva Barboza Unidade IV FUNDAMENTOS E IMPORTÂNCIA DA LOGÍSTICA Profa. Marinalva Barboza Objetivo da unidade Objetivos desta unidade: Facilidades logística. Logística reversa. Custos logísticos. Oportunidades de melhoria.

Leia mais

Graduação em Administração

Graduação em Administração Graduação em Administração Disciplina: Planejamento Estratégico Aula 7 Cadeia de Valor São José dos Campos, março de 2011 Cadeia de Valor A vantagem competitiva de uma empresa não resulta simplesmente

Leia mais

Lucas Abreu Roberta Cruz

Lucas Abreu Roberta Cruz Lucas Abreu Roberta Cruz O orçamento de produção é uma estimativa de bens que devem ser fabricados durante o exercício orçamentário. Compreende o estabelecimento de políticas em relação ao níveis de produção

Leia mais

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL

IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL IV SIMPÓSIO BRASILEIRO DE ENGENHARIA INERCIAL, 9'6$%(, 1 PALESTRA MONTAGEM QUALIFICADA DE CIRCUITOS ELETRÔNICOS PARA APLICAÇÃO ESPACIAL Alirio Cavalcanti de Brito 17 de novembro de 2004 MONTAGEM COM QUALIFICAÇÃO

Leia mais

GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER

GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER GUIA PARA ESTUFAGEM DE CARGA EM CONTÊINER REEFER APRESENTAMOS UM GUIA COMPLETO QUE AUXILIE NO CARREGAMENTO DO CONTÊINER, PERMITINDO UM MELHOR ACONDICIONAMENTO DE SUA CARGA. Tratamento prévio dos produtos

Leia mais

ESPECIFICAÇÕES DE EMBALAGEM

ESPECIFICAÇÕES DE EMBALAGEM ESPECIFICAÇÕES DE EMBALAGEM COMPONENTES DO SISTEMA Unidade de Aquisição Sensor Cabo triaxial Embalagens padrão Caixa de cartão apenas Incluído como necessário: espuma protetora, absorvedor de umidade,

Leia mais

LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA

LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA LOGÍSTICA DE DISTRIBUIÇÃO GESTÃO DE LOGÍSTICA PERGUNTA O que entendo por Logística? E qual sua importância para as empresas no cenário atual? Porque estudar Logística? EVOLUÇÃO Logística Uma função essencial

Leia mais

Exportação de Frutas e Derivados

Exportação de Frutas e Derivados Exportação de Frutas e Derivados A Importância da Logística e do Transporte Profª Paola Piedrabuena O Brasil é um dos três maiores produtores de frutas. Atrás apenas da China e da Índia 5% da produção

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO MANUAL DE INSTALAÇÃO DE COLETOR A TSSOLAR é uma empresa com grande conhecimento e experiência no mercado de aquecimento solar e engenharia de plásticos, sempre buscando inovar através

Leia mais

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Energia limpa Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Empilhadeira movida a hidrogênio H oje, quando se trata de escolher

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Sumário. Curta nossa página no facebook/w3-industria-metalurgica. Apresentação. Porta Pallet e Acessórios. Porta Pallet. Drive in / Drive Though

Sumário. Curta nossa página no facebook/w3-industria-metalurgica. Apresentação. Porta Pallet e Acessórios. Porta Pallet. Drive in / Drive Though Sumário Apresentação Porta Pallet e Acessórios Porta Pallet Drive in / Drive Though Mezaninos Estantes Divisórias Industriais Cantilever Porta Bobina Flow Rack Esteiras 3 4 5 6 7 8 9 10 10 11 11 Curta

Leia mais

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender

Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender Gestão de Vendas Como administrar a sua empresa para transformá-la em uma máquina de vender DICAS Para a sua leitura: Os itens do índice são clicáveis, então sinta-se à vontade para ler o conteúdo que

Leia mais

Gerenciamento de Depósitos. Capítulo 12 Bowersox

Gerenciamento de Depósitos. Capítulo 12 Bowersox Gerenciamento de Depósitos Capítulo 12 Bowersox Gerenciamento de Depósitos Estoque local de processamento Agrega custos Serviços preparação para entrega Break Bulk e Cross-docking Redução dos custos de

Leia mais

Começar a fazer blocos de concreto

Começar a fazer blocos de concreto http://wmmaquinasdeblocos.com.br Telefone: (41) 3607-2016 Whatsapp: (41) 99875-4575 Começar a fazer blocos de concreto Ter uma máquina de fazer blocos é apenas o passo inicial para entrar no mercado da

Leia mais

Logística Empresarial

Logística Empresarial Logística Empresarial Profª Esp. Mônica Suely Guimarães de Araujo Conceito Logística são os processos da cadeia de suprimentos (supply chain) que planejam, estruturam e controlam, de forma eficiente e

Leia mais

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 15: Embalagens AULA 15: EMBALAGENS

Gestão da cadeia de suprimentos. GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 15: Embalagens AULA 15: EMBALAGENS GST0045 GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTO Aula 15: Embalagens Embalagens Ao final da aula o aluno deverá: Conhecer a definição de embalagens. Saber os conceitos de unitização de carga. Conhecer elementos

Leia mais

Qualidade e Tecnologia em embalagens para sementes

Qualidade e Tecnologia em embalagens para sementes Qualidade e Tecnologia em embalagens para sementes Marcio Zanotto Assistente Técnico Tamiris Spadotto Desenvolvimento de Produto Histórico Rafitec Fundada em 1995 no município de Xanxerê/SC tem como missão:

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

Telefone: (11) Whatsapp: (11) Rua Bonifácio Cubas, 511 / 513 Vila Albertina - São Paulo SP

Telefone: (11) Whatsapp: (11) Rua Bonifácio Cubas, 511 / 513 Vila Albertina - São Paulo SP Nossa maior preocupação é prezar pelo cuidado e controle dos materiais transportados e nosso maior compromisso é respeitar os prazos e as condições de entregas. Sendo assim, desenvolvemos serviços que

Leia mais

Mangueiras. Instruções de Uso. Atenção:

Mangueiras. Instruções de Uso. Atenção: Mangueiras Instruções de Uso Atenção: Para o total aproveitamento e conservação de sua Mangueira, leia cuidadosamente as instruções contidas neste manual. E qualquer dúvida contacte a Assistência Técnica

Leia mais

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção

16/02/2010. MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues Mestre em Engenharia de Produção MSe. Paulo Cesar C. Rodrigues paulo.rodrigues@usc.br Mestre em Engenharia de Produção A logística integrada envolve o gerenciamento de informações, transporte, estoque, armazenamento, manuseio de materiais

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Eletrobrás MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Anexo XIII do Pregão Eletrônico n 029/2009 Página 1 de 11 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRANSFORMADORES DE CORRENTE AUXILIARES 0,6 KV USO INTERIOR

Leia mais

AGREGADO... REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94)

AGREGADO... REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94) AGREGADO... MERCOSUL/XXVII SGT Nº 3/P. RES. Nº 01/07 Rev.1 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

Vida Toda ESTOCAGEM REDEFINIDA. Armazenagem. para a

Vida Toda ESTOCAGEM REDEFINIDA. Armazenagem. para a ESTANTES As Características-Chave e Comuns para Todas as Séries Camshelving Série Camshelving Guia de Referência Rápida Guia de Referência para o Código de Produto Serviço Grátis de Desenho Camshelving

Leia mais

Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe. Manual Setembro de 2000

Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe. Manual Setembro de 2000 Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe Manual Setembro de 2000 Sumário Visão Geral.................................................. 1 1 Configuração Configuração do Almoxarifado...............................

Leia mais

Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento

Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento Logística E gerenciamento da cadeia de abastecimento Conceitos básicos Logística e Varejo Entendendo a cadeia de abastecimento integrada OBJETIVOS Os conceitos, definições e importância da cadeia de abastecimento;

Leia mais

_mais de empreendimentos entregues

_mais de empreendimentos entregues _+16 milhões de m² construídos _mais de 1.000 empreendimentos entregues _mais de 1 milhão de moradores _5,3 BI de VGV lançado nos últimos 5 anos _Consolidação Estratégica SP+ RJ Inovação É quando uma ideia

Leia mais

Gestão de estoques

Gestão de estoques Gestão de estoques 1 2 0 1 5 1. Relato das visitas Agenda 08 de maio de 2015 Estruturação do plano de ação e busca de informações pendentes 2. Entrega das provas e correção conjunta (revisão) 3. Fechamento

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Just in Time: Controle Kanban. Profª Luani Back

ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II. Just in Time: Controle Kanban. Profª Luani Back ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO II Just in Time: Controle Kanban Profª Luani Back Sistema Kanban Abastecimento e controle de estoques Idealizado pela Toyota na década de 1960 O objetivo desta técnica é tornar

Leia mais

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes

Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes FUNDAÇÃO GETULIO VARGAS INSTITUTO SUPERIOR DE ADMINISTRAÇÃO E ECONOMIA Estudo de Viabilidade Produção de Briquetes Autores: Antonio Sergio Pontarolli Berenice Los Cirlene Waceliko Daniel Sviercowski Ediclea

Leia mais

Cumprindo seus prazos e compromissos

Cumprindo seus prazos e compromissos DHL Ocean Connect (LCL) Cumprindo seus prazos e compromissos POR QUE ESCOLHER O DHL OCEAN CONNECT EXPERIÊNCIA E SEGURANÇA Com a DHL, os clientes contam sempre com a experiência e segurança de que precisam.

Leia mais

Além de fazer uma ótima escolha, você ainda está ajudando a natureza e garantindo a preservação do meio ambiente.

Além de fazer uma ótima escolha, você ainda está ajudando a natureza e garantindo a preservação do meio ambiente. Obrigado por adquirir um produto Meu Móvel de Madeira. Agora, você tem em suas mãos um produto de alta qualidade, produzido com matérias-primas derivadas de floresta plantada. Além de fazer uma ótima escolha,

Leia mais

STRING BOX SOLUÇÃO FOTOVOLTAICA MANUAL DO USUÁRIO 2 ENTRADAS / 1 SAÍDA

STRING BOX SOLUÇÃO FOTOVOLTAICA MANUAL DO USUÁRIO 2 ENTRADAS / 1 SAÍDA STRING BOX SOLUÇÃO FOTOVOLTAICA 2 ENTRADAS / 1 SAÍDA MANUAL DO USUÁRIO ÍNDICE Simbologia 03 Instruções de Segurança Introdução Estrutura Básica 03 04 05 Instalação e Operação 06 Dados dos Fusíveis 07 Dados

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Obrigado por adquirir o Ventilador, modelos VTR500 503 505, um produto de alta tecnologia, seguro, eficiente, barato e econômico. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações

Leia mais

Medidor Trifásico SDM630D

Medidor Trifásico SDM630D Medidor Trifásico SDM630D MANUAL DO USUÁRIO Conteúdo 1 INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA... 3 1.1 PESSOAL QUALIFICADO... 3 1.2 FINALIDADE... 4 1.3 MANUSEIO... 4 2 INTRODUÇÃO... 5 2.1 ESPEFICICAÇÕES... 5 3 DIMENSÕES...

Leia mais

A seguir demonstraremos nossa solução. Que será a sua solução! Fonte: freepik.com

A seguir demonstraremos nossa solução. Que será a sua solução! Fonte: freepik.com Fonte: freepik.com O grande desafio da Logística nas Empresas é buscar qualidade, controle, informação rápida, transparência, agilidade e baixos custos. Pensando nisso a NexPressCargo criou uma solução

Leia mais

TELHAS DE POLICARBONATO

TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO As Telhas de Policarbonato BOLD proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro), favorecendo maior aproveitamento da luz natural, reduzindo

Leia mais

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr.

Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO. Prof. Clesio Landini Jr. Unidade I PLANEJAMENTO E OPERAÇÃO POR CATEGORIA DE PRODUTO Prof. Clesio Landini Jr. Planejamento e operação por categoria de produto Fabricante> Distribuidor> Cliente Fazer os produtos e serviços chegarem

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE RECURSOS. Prof. Fernando Leonel

Unidade II GESTÃO DE RECURSOS. Prof. Fernando Leonel Unidade II GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Análise ABC. 2. Quais relatórios são possíveis com a análise ABC. 3. Unitização de estoques. 4.

Leia mais

Coleções. manual de montagem. Kit com 3 Nichos. ou... tempo 20 minutos. montagem 2 pessoas. ferramenta martelo de borracha. ferramenta chave philips

Coleções. manual de montagem. Kit com 3 Nichos. ou... tempo 20 minutos. montagem 2 pessoas. ferramenta martelo de borracha. ferramenta chave philips manual de montagem montagem 2 pessoas Coleções ferramenta martelo de borracha Kit com 3 Nichos ferramenta chave philips tempo 30 minutos ou... ferramenta parafusadeira tempo 20 minutos DICAS DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Sistemas de Movimentação e Transporte

Sistemas de Movimentação e Transporte Sistemas de Movimentação e Transporte Saulo M.B Miranda RA: 200984 Eduardo Bregagnoli RA: 199308 Rodrigo de Poli RA: 200367 Kevin D. M. Gimenez RA: 200063 Dienesio Pereira de Oliveira RA: 200674 Pórticos

Leia mais

Elas estão em várias seções da loja:

Elas estão em várias seções da loja: por TATIANA FERRADOR revista@supervarejo.com.br thinkstock Cada vez mais precisas, as balanças são capazes de armazenar milhares de dados que refletem em confiabilidade para o consumidor e diminuição de

Leia mais

Espremedor de suco FreshMix

Espremedor de suco FreshMix Espremedor de suco FreshMix LEIA ANTES DE USAR Visite o site www.hamiltonbeach.com,br para conhecer a nossa linha de produtos completa. Dúvidas? Por Favor, ligue - nossos associados estão prontos para

Leia mais

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES PROTEÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES LUVA DE PROTEÇÃO DE ALGODÃO PIGMENTADA CONTRA ABRASIVOS LUV1 Proteção das mãos do usuário contra agentes perfurocortantes. Material: Par de luvas com punho, tricotada 4

Leia mais

Benchmarking e etiquetagem energética em uso. Visão Brasileira

Benchmarking e etiquetagem energética em uso. Visão Brasileira Benchmarking e etiquetagem energética em uso Visão Brasileira SUMARIO EXECUTIVO Benchmarks e etiquetas prediais são as ferramentas mais eficazes para redução de consumo de energia no ambiente construído.

Leia mais

FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS. Murilo Granemann. November, 2006

FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS. Murilo Granemann. November, 2006 FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS November, 2006 Murilo Granemann TRIÂNGULO MANOA A FLORESTA TROPICAL E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO A

Leia mais

A Importância estratégica dos estoques

A Importância estratégica dos estoques A Importância estratégica dos estoques Maria Aparecida Cavalcanti Netto Virgílio José Martins Ferreira Filho Coppe/UFRJ 3/5/2010 Aspectos financeiros da política de estoques Os estoques representam uma

Leia mais

GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS

GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS NORMAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS ESTABELECIMENTOS DE CARNE E DERIVADOS 1. O estabelecimento de produtos de origem animal

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre CENÁRIO Sistemas desenvolvidos para atender necessidades específicas da unidade de negócio,

Leia mais

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101. Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.8740 FILIAIS: Pindamonhangaba - SP e Recife - PE www.pisani.com.br

Leia mais

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO

TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO E QUANTIDADES CERTAS, AUMENTAR A FLEXIBILIDADE DO PROCESSO Just In Time DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À LOGÍSTICA AULA PARA A TURMA DE ADMINISTRAÇÃO 2010 1 DEFINIÇÃO DO JUST IN TIME TÉCNICA DE ABASTECIMENTO COM A FINALIDADE DE REDUZIR ESTOQUES COM ENTREGAS NO TEMPO

Leia mais

Aula 14 Técnicas de Manutenção

Aula 14 Técnicas de Manutenção Ensaios Não Destrutivos END: De acordo com a Associação Brasileira de Ensaios Não Destrutivos, ABENDE, os Ensaios Não Destrutivos (END) são definidos como testes para o controle da qualidade, realizados

Leia mais

Boletim de Instruções EMENDAS DE FIBRAS ÓPTICAS FIBRLOK II UNIVERSAL 2529

Boletim de Instruções EMENDAS DE FIBRAS ÓPTICAS FIBRLOK II UNIVERSAL 2529 Fol.067-Rev.02 - Pg.1/5 Boletim de Instruções EMENDAS DE FIBRAS ÓPTICAS FIBRLOK II UNIVERSAL 2529 1.0 GERAL 1.01 A Emenda de Fibra Óptica Fibrlok II Universal 2529 proporciona emendas mecânicas permanentes

Leia mais

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER EXTRATOR DE CÁLCULOS MANUAL DO USUÁRIO CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER Registro ANVISA nº 80475510046 e-mail: contato@e-med.net.br Resp. Técnica: Juliana Maria

Leia mais

1. EVOLUÇÃO DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA

1. EVOLUÇÃO DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA 1. EVOLUÇÃO DA CONSTRUÇÃO INDUSTRIALIZADA 1.1 INTRODUÇÃO As construções são diferenciadas uma das outras por suas características. Essas características são classificadas quanto a: 1 - localização; 2 -

Leia mais

Feito para seu negócio

Feito para seu negócio Feito para seu negócio PORT ROLL é uma embalagem patenteada especialmente desenvolvida em plástico retornável para acondicionamento e transporte de produtos apresentados em bobinas ou rolos. Tecnologia

Leia mais

Projeto. Gestão de Embalagens Retornáveis FATEC - JUNHO 2016

Projeto. Gestão de Embalagens Retornáveis FATEC - JUNHO 2016 Projeto Gestão de Embalagens Retornáveis FATEC - JUNHO 2016 Embalagens retornáveis Objetivo Implantar processo de gestão de embalagens retornáveis em uma Empresa. Escopo Embalagens retornáveis que circulam

Leia mais

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, slides; il.

Logística. Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, slides; il. Logística Oliveira, Felipe Flausino de. O48l Logística / Felipe Flausino de Oliveira. Varginha, 2015. 25 slides; il. Sistema requerido: Adobe Acrobat Reader Modo de Acesso: World Wide Web 1. Logística.

Leia mais

Descrição do Serviço Diagnóstico no Local

Descrição do Serviço Diagnóstico no Local Visão geral do Serviço O da Dell (o Serviço ) oferece atividades de diagnóstico opcionais no endereço comercial do Cliente para Produtos Suportados, como descrito mais especificamente neste documento (a

Leia mais

Produtividade através da confiabilidade

Produtividade através da confiabilidade Produtividade através da confiabilidade Recursos da SKF para o segmento de mineração, processamento de minérios e cimento O Poder do Conhecimento em Engenharia Você está trabalhando como nunca. As suas

Leia mais

PROGRAMA RECEBE PILHAS CARTILHA INFORMATIVA

PROGRAMA RECEBE PILHAS CARTILHA INFORMATIVA PROGRAMA RECEBE PILHAS CARTILHA INFORMATIVA 1 Sobre o Programa ABINEE Recebe Pilhas Em 2010, foi publicada pelo Governo Federal, a Política Nacional de Resíduos Sólidos, na qual consta, entre outros objetivos,

Leia mais

ORGANIZAÇÃO. Soluções econômicas e inteligentes. Suporte Mão-Francesa. Armário Multiuso Encaixado P SUPORTE MÃO-FRANCESA REFORÇADO

ORGANIZAÇÃO. Soluções econômicas e inteligentes. Suporte Mão-Francesa. Armário Multiuso Encaixado P SUPORTE MÃO-FRANCESA REFORÇADO ORGANIZAÇÃO Soluções econômicas e inteligentes. P SUPORTE MÃO-FRANCESA LEVE Cód. Medidas AxP (cm) Cap. Carga (kg) 12900 15 x 18,5 35 A 12901 18,6 x 23,5 45 12902 21,9 x 28 60 12903 22,6 x 40 70 Imagem

Leia mais

CARGA UNITÁRIA A VARESE FORNECE UMA COMPLETA GAMA DE SISTEMAS

CARGA UNITÁRIA A VARESE FORNECE UMA COMPLETA GAMA DE SISTEMAS TRANSELEVADORES A VARESE FORNECE UMA COMPLETA GAMA DE SISTEMAS Um sistema de armazenamento de materiais é uma combinação de equipamentos e controles que movimentam, armazenam e retiram cargas com grande

Leia mais

Índice. Conteúdo. Planilha Profissional Para Cálculo de Preços de Artesanato

Índice. Conteúdo. Planilha Profissional Para Cálculo de Preços de Artesanato Índice Conteúdo Índice... 2 A Importância do Preço Correto... 3 Como chegar ao preço de venda adequado do meu produto?... 3 Como calcular o preço de venda lucro... 5 Como vender meus produtos pela internet...

Leia mais

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição

Boletim Técnico. Material Refletivo 3M Scotchlite. Tecido Refletivo Prata Descrição Boletim Técnico Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Refletivo Prata 8910 Descrição O Material Refletivo 3M Scotchlite Tecido Prata 8910 foi desenvolvido para uso em vestuários de segurança e em roupas

Leia mais

Soluções Logísticas ISO 9001 ISO 14001

Soluções Logísticas ISO 9001 ISO 14001 Soluções Logísticas ISO 9001 ISO 14001 O resultado do nosso trabalho reflete os nossos valores. Criada em 1991, a Rodoceli consolida a experiência com visão inovadora. Oferece serviços logísticos de acordo

Leia mais

Módulo 2 Conceitos de aspectos e impactos ambientais / Exercícios

Módulo 2 Conceitos de aspectos e impactos ambientais / Exercícios Módulo 2 Conceitos de aspectos e impactos ambientais / Exercícios Conceito de Aspectos Ambientais Aspecto Ambiental Elemento das atividades ou produtos ou serviços de uma organização que pode interagir

Leia mais