Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte. Magda Cercan Junho/2013 São Paulo"

Transcrição

1

2 Critério de Desenvolvimento da Embalagem de Transporte Magda Cercan Junho/2013 São Paulo

3 Magda Cercan Garcia Tecnôloga Mecânica em Processos de Produção e Projetos de Máquinas pela Faculdade de Tecnologia de São Paulo (UNESP). Trabalha na área de logística e desenvolvimento de embalagens há 25 anos. Desenvolveu projetos de embalagens e soluções para movimentação, manuseio e armazenagem, melhorando produtividade, garantindo qualidade dos produtos em empresas multinacionais de grande porte como IBM, Continental Produtos Automotivos e Robert Bosch. Recebeu vários prêmios com projetos de embalagens e soluções de transporte e armazenagem. Atualmente é Gerente da Consultoria Futurepack. Co-autora dos livros Guia de Embalagens para Produtos Orgânicos e Embalagens: Design, Materiais, Processos, Máquinas e Sustentabilidade. Professora do Instituto de Embalagens.

4 O que são Embalagens de transporte? São embalagens usadas para transportar e manusear produtos. As embalagens de transporte também são conhecidas como embalagens secundárias, porque normalmente são utilizadas para proteger as embalagens primárias, aquelas que tem contato direto com o produto. Os produtos a granel são geralmente transportados em recipientes de grandes volumes. Apesar de serem embalagens primárias, estão em contato com o produtos, se encaixam mais adequadamente no conceito de embalagem para transporte e distribuição. EMBALAGENS PRIMÁRIAS EMBALAGEM DE TRANSPORTE

5 Exemplos de embalagens que apesar de conter o produto (Embalagem Primária) é considerada embalagem de transporte devido ao tamanho e forma de manuseio. Embalagens para produtos químicos e líquidos. Embalagens para grãos Embalagens para auto peças

6 A principal função destas embalagens é proteger os produtos durante o manuseio, transporte e armazenagem. No caso das embalagens de transporte nem sempre existe o apelo do marketing porque geralmente não são expostas para o consumidor final. Mas é necessário tomar certos cuidados na hora de desenvolver uma embalagem de transporte, caso contrário poderão ocorrer perdas irreparáveis.

7 Espera-se da embalagem de Transporte Proteção, apresentação, manuseio, armazenagem e conservação: Preço compatível em função do custo do produto e ou do mercado a que se destina; Melhor acomodação possível do produto; facilidade para remoção do produto; Ergonomia, tanto na produção, como na movimentação e armazenagem, evitando que os operadores tenham que usar força física ou façam movimentos que comprometam sua saúde; Ser o mais leve e resistente possível; Identificação correta;

8 Planejamento Pontos frágeis Análise do produto Peso Forma Desenvolvimento Preço Produção Montagem e armazenagem Estoque da Matéria Prima Abastecimento das Linhas de produção Estudo do fluxo logístico Cliente Recebimento Movimentação Armazenagem Transporte Veículos e Equipamentos Norma Tipos de Exposições

9 Análise do produto Formato; Peso; Detalhes sobre pontos de fragilidade que exijam proteção; Características no processo de envase (temperatura, estado físico etc.);

10 Estudo do fluxo logístico Para desenvolver uma embalagem eficiente, precisamos conhecer todos os processos pelos quais a embalagem será submetida. O desenvolvimento de uma embalagem deve ser feito em conjunto com as áreas de logística, produção, qualidade, segurança do trabalho e o cliente também deve ser consultado. Cada área tem necessidades específicas que se não forem levadas em consideração no momento da criação da embalagem, poderá gerar custos que podem ter impactos negativos nos resultados de um projeto.

11 Estudo do fluxo logístico Alimentação das linhas de produção; Adaptabilidade aos equipamentos nas estações de trabalho, tanto na produção como na armazenagem; Atender das necessidades do cliente; Prever as influências negativas durante o manuseio; Acessibilidade para seleção de pedidos nos armazéns ou inspeção de conteúdos, quando necessário; Espaço para identificação, facilitando a seleção dos pedidos no inventário da fábrica e armazéns; Adaptável ao equipamento de movimentação do cliente; Previsão de espaço para marcações especiais, por exemplo, identificação do logotipo da empresa;

12 Condições ambientais Temperatura; Umidade; Pressão atmosférica

13 Tipos de Transporte Um dos primeiros passos para desenvolver uma embalagem de transporte é definir os meios que serão utilizados para o transporte dessa embalagem. Para cada tipo de transporte existe um tamanho adequado, um peso máximo e um risco diferente.

14 Dimensões A escolha das dimensões da embalagem é muito importante, porque pode comprometer seriamente os custos de transporte, movimentação e armazenagem. A embalagem deve ser dimensionada para aproveitar cada milímetro do transporte utilizado, visando redução de custos com o frete. Devemos verificar se o peso da carga está de acordo com o permitido para o transporte utilizado.

15 Embalagens Descartáveis ou Retornáveis Dependendo do fluxo logístico escolhemos qual tipo de embalagens é mais interessante para o processo. Calculamos os valores envolvidos com investimento em embalagens e as despesas com frete e taxas para envio e retorno das embalagens vazias. Quando possível utilizar embalagens que possam retornar e que sejam dobráveis, reduzindo o volume, permitindo redução no custo do frete de retorno.

16 O material a ser utilizado na construção de uma embalagem de transporte deve atender as seguintes especificações: Ser fabricado com material inerte (atóxico e inodoro); Estar disponível no mercado; Materiais Ter alto índice de resistência a choques e vibrações; Ter propriedades de resistência e configuração adequadas para permitir empilhamentos na produção, armazenagens e transporte; Suportar as influências ambientais quando identificada essa necessidade; Suportar os esforços encontrados na movimentação externa.

17 Papelão Ondulado Um dos materiais mais utilizados para fabricação de Embalagens de Transporte, devido à sua condição de reunir todas as características necessárias mencionadas anteriormente. Em grau de resistência consegue competir com a madeira, com a vantagem de aceitar configurações que a madeira não permite.

18 Madeira Devido à resistência mecânica, também é muito utilizada. Em 2005 foi editada pela Organização das Nações para Agricultura e Alimentação (FAO) a Norma Internacional de Medidas Fitossanitárias NIMF 15. Esta norma foi criada devido à preocupação com o trânsito de pragas entre países exportadores. Aproximadamente trinta países, entre eles México, Estados Unidos e Canadá, passaram a exigir que as embalagens de madeira passassem pelo tratamento fitossanitário, isto é fossem submetidas ao tratamento com fungicidas. No início foi complicado para os exportadores, mas atualmente já existe o processo de tratamento com alta temperatura (HT) que a maior parte dos fabricantes de embalagens já incorporaram no processo.

19 Madeira A grande vantagem em utilizar madeira para produção de Embalagens de Transporte é que na maior parte das vezes são utilizados sobras. Normalmente o maior comprimento utilizado não passa de 1,20 m. Devido à resistência mecânica e a forma de montagem das embalagens é possível produzir embalagens muito eficientes com baixo custo.

20 Embalagens Retornáveis Metálica

21 Plásticos Sistema KLT Embalagens Mistas Bandejas PEAD Termo formadas Vacun form

22 Embalagens CKD Além das caixas, dos paletes e racks, também existem os acessórios que são utilizados para dar mais resistência ou acomodar melhor os produtos dentro das embalagens. Exemplo é o sistema CKD (Completely Knock-Down) são conjuntos de partes de automóveis criados geralmente pela fábrica matriz ou pelo seu centro de produção para exportação e posterior montagem dos veículos nos países receptores destes kits.

23 Acomodação de um número adequado de unidades do produto para movimentação. O palete é o item mais utilizado para o transporte e armazenamento das unidades. Unitização Alguns benefícios do uso de paletes: reduzir custo de mão de obra; melhorar custos de manutenção e controle do inventário; rapidez na estocagem e movimentação das cargas; racionalização do espaço de armazenagem, com melhor aproveitamento vertical da área de estocagem; reduzir as operações de movimentação; reduzir acidentes pessoais; diminuir danos aos produtos.

24 Paletes Os Paletes tem um capítulo a parte na história da Embalagem de Transporte. São muito utilizados na movimentação dos produtos, facilitando a carga e descarga. Existem diversos tipos e tamanhos, dependendo da necessidade. Podem ser descartáveis ou retornáveis. São produzidos de vários tipos de materiais, os mais comuns são de madeira, plástico e papelão ondulado.

25 Palete Padrão Brasil - PBR O PBR foi desenvolvido a partir de estudos realizados pela ABRAS em parceria com profissionais de diversas empresas e associações tecnicamente qualificadas para a elaboração de um sistema altamente confiável para atender toda a logística de movimentação e armazenamento de produtos pelos supermercados.

26 O PBR (Palete Brasil) foi introduzido no mercado em 1990 pela ABRAS, depois de muitos testes e negociações, chegaram a um consenso quanto às características deste palete, que proporciona uma ampla interação com os meios de transporte, compatibilização com os equipamentos de movimentação, melhor aproveitamento da madeira e preservação ambiental. Para chegar ao palete ideal foram consultadas normas internacionais, feitos diversos ensaios e produzidos vários modelos, que foram testados por indústrias renomadas no Brasil.

27 Acessórios Para fazer o fechamento das embalagens de transporte precisamos escolher qual a opção é mais adequada para cada situação. Considerar sempre o processo de envase, e abertura no cliente, volume de produção e segurança no transporte Etiquetas O adesivo da etiqueta deve ser dimensionado conforme a necessidade.

28 Caiam na nossa rede!

29 Agradecemos a atenção! /

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! ANTONIO ANDRADE DE PAULA Coordenador do núcleo de embalagens flexíveis Formado em Engenharia Química pela FEI Faculdade de Engenharia Industrial e com cursos de Especialização

Leia mais

CALANDRA MULTIROLO CALANDRA MULTIRROLO CAPACIDADES DE 4 A 18 LENÇÓIS P/ MINUTO SISTEMA DE ROLO E FITAS AQUECIMENTO A VAPOR

CALANDRA MULTIROLO CALANDRA MULTIRROLO CAPACIDADES DE 4 A 18 LENÇÓIS P/ MINUTO SISTEMA DE ROLO E FITAS AQUECIMENTO A VAPOR CALANDRA MULTIROLO ALTA PRODUTIVIDADE COM BAIXO CUSTO OPERACIONAL SISTEMA DE ROLO E FITAS Equipamento projetado para passagem de tecidos planos, projetado para alta produção e qualidade. ALTA PRODUÇÃO:

Leia mais

Manual de Gestão Embalagens Destinadas a Compra de Componentes SUMÁRIO

Manual de Gestão Embalagens Destinadas a Compra de Componentes SUMÁRIO SUMÁRIO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS... 1 1.1 OBJETIVO... 1 1.2 APLICAÇÃO... 1 2. REGRAS GERAIS... 1 2.1 DEFINIÇÕES... 1 2.2 PRINCÍPIOS... 1 3. APRESENTAÇÃO DAS EMBALAGENS... 1 3.1 EMBALAGENS DURÁVEIS... 1

Leia mais

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL

INSTRUÇÕES DE USO PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL INSTRUÇÕES DE USO NOME TÉCNICO: Caixa/Estojo para Instrumental Cirúrgico NOME COMERCIAL: Caixa para Instrumental Cirúrgico PRODUTO DE USO MÉDICO PRODUTO NÃO ESTÈRIL ATENÇÃO: Ler atentamente todas as instruções

Leia mais

Qualidade e robustez aparente. Desde 1956 Movimentando Qualidade.

Qualidade e robustez aparente. Desde 1956 Movimentando Qualidade. Qualidade e robustez aparente. Desde 1956 Movimentando Qualidade. Fundada em 1956, a ZELOSO acompanhou o aumento da industrialização do país, com equipamentos hidráulicos para movimentação e força, desenvolvendo

Leia mais

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano

GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA. Prof. Dr. Daniel Caetano GESTÃO DA CADEIA DE SUPRIMENTOS OPERAÇÕES DE ARMAZENAGEM E DISTRIBUIÇÃO FÍSICA Prof. Dr. Daniel Caetano 2016-1 Objetivos Conhecer mais sobre os armazéns e as operações de armazenagens Compreender o conceito

Leia mais

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística

Matriz de Especificação de Prova da Habilitação Técnica de Nível Médio. Habilitação Técnica de Nível Médio: Técnico em Logística : Técnico em Logística Descrição do Perfil Profissional: Planejar, programar e controlar o fluxo de materiais e informações correlatas desde a origem dos insumos até o cliente final, abrangendo as atividades

Leia mais

Gresca. Planta G1. Gresca. Planta G2. Gresca. Planta G3

Gresca. Planta G1. Gresca. Planta G2. Gresca. Planta G3 Gresca Planta G1 Gresca Planta G2 Gresca Planta G3 sobre a empresa Referência no mercado da construção civil, a Cerâmica Gresca fabrica blocos com furo vertical e peças especiais de alto desempenho, que

Leia mais

Sistemas de Movimentação e Transporte

Sistemas de Movimentação e Transporte Sistemas de Movimentação e Transporte Saulo M.B Miranda RA: 200984 Eduardo Bregagnoli RA: 199308 Rodrigo de Poli RA: 200367 Kevin D. M. Gimenez RA: 200063 Dienesio Pereira de Oliveira RA: 200674 Pórticos

Leia mais

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso

Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Energia limpa Ao considerar o impacto ambiental das empilhadeiras, observe toda cadeia de suprimentos, da fonte de energia ao ponto de uso Empilhadeira movida a hidrogênio H oje, quando se trata de escolher

Leia mais

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial

Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Experiência: Gestão Estratégica de compras: otimização do Pregão Presencial Hospital de Clínicas de Porto Alegre Responsável: Sérgio Carlos Eduardo Pinto Machado, Presidente Endereço: Ramiro Barcelos,

Leia mais

Centros de Distribuição e Movimentação Física: (ler capítulo 9 do livro Administração de Materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves, Ed.

Centros de Distribuição e Movimentação Física: (ler capítulo 9 do livro Administração de Materiais, de Paulo Sérgio Gonçalves, Ed. Nesta aula você verá: O que é um centro de distribuição; As principais funções de um centro de distribuição; Os equipamentos destinados à movimentação, à armazenagem e à transporte de materiais; Sistemas

Leia mais

Mecken Golden Corporation 1439 S Ocean Blvd, FL 33062 Phone: 954 5547138

Mecken Golden Corporation 1439 S Ocean Blvd, FL 33062 Phone: 954 5547138 Consultoria Empresarial, Financeira e Jurídica. Equipe de profissionais altamente qualificada e comprometida com o cliente. Porque abrir uma empresa nos Estados Unidos Porque escolher a Flórida Vistos

Leia mais

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7

PROCEDIMENTO GERENCIAL PARA PG 012/04 GESTÃO DE MATERIAIS E EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 EQUIPAMENTOS Página 2 de 7 1 OBJETIVO Este procedimento estabelece os critérios básicos de suprimento e logística de materiais assim como as diretrizes para a armazenagem, preservação e manuseio de materiais

Leia mais

Cat. Garras de Demolição e Classificação. Escavadeiras Hidráulicas. Americas South

Cat. Garras de Demolição e Classificação. Escavadeiras Hidráulicas. Americas South Cat Garras de Demolição e Classificação Escavadeiras Hidráulicas Americas South Se você está procurando por uma maneira rápida e produtiva de manusear materiais...que seja confiável e de fácil manutenção...

Leia mais

Airship tem primeiro pedido de dirigíveis

Airship tem primeiro pedido de dirigíveis Airship tem primeiro pedido de dirigíveis Por Sérgio Ruck Bueno A Airship, uma sociedade entre a Transportes Bertolini e a Engevix para a produção de dirigíveis de carga, já recebeu os primeiros pedidos.

Leia mais

FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS. Murilo Granemann. November, 2006

FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS. Murilo Granemann. November, 2006 FLORESTAS TROPICAIS E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO NATURAL FORESTS AND ADDED VALUE PRODUCTS November, 2006 Murilo Granemann TRIÂNGULO MANOA A FLORESTA TROPICAL E PRODUTOS DE MAIOR VALOR AGREGADO A

Leia mais

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva

Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe limitação na capacidade produtiva Como utilizar a margem de contribuição para tomar decisão quando existe! Revendo o conceito de margem de contribuição! Existência de limitação na capacidade de produção! Margem de contribuição e fator

Leia mais

T p i o p s o d e d expo p r o tação

T p i o p s o d e d expo p r o tação Tipos de exportação Docente: Fernanda Lisboa Processos de importação e exportação Santos / SP Exportações livres A maioria das exportações brasileiras estão livres de quaisquer restrições, controles ou

Leia mais

Índice. Conteúdo. Planilha Profissional Para Cálculo de Preços de Artesanato

Índice. Conteúdo. Planilha Profissional Para Cálculo de Preços de Artesanato Índice Conteúdo Índice... 2 A Importância do Preço Correto... 3 Como chegar ao preço de venda adequado do meu produto?... 3 Como calcular o preço de venda lucro... 5 Como vender meus produtos pela internet...

Leia mais

Elas estão em várias seções da loja:

Elas estão em várias seções da loja: por TATIANA FERRADOR revista@supervarejo.com.br thinkstock Cada vez mais precisas, as balanças são capazes de armazenar milhares de dados que refletem em confiabilidade para o consumidor e diminuição de

Leia mais

1. estrutura porta palete: gem zena ma ar 2. mini porta palete 3. mezaninos

1. estrutura porta palete: gem zena ma ar 2. mini porta palete 3. mezaninos 1 2 1. estrutura porta palete: estrutura modular de encaixe, projetada conforme peso e o tipo de mercadoria a ser armazenada, bem como as características de recebimento, movimentação e expedição. Estrutura

Leia mais

Métricas de Software

Métricas de Software Métricas de Software Plácido Antônio de Souza Neto 1 1 Gerência Educacional de Tecnologia da Informação Centro Federal de Educação Tecnologia do Rio Grande do Norte 2006.1 - Planejamento e Gerência de

Leia mais

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS

Prof. Marcelo Mello. Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Prof. Marcelo Mello Unidade IV GERENCIAMENTO DE SERVIÇOS Gerenciamento de serviços Nas aulas anteriores estudamos: 1) Importância dos serviços; 2) Diferença entre produtos x serviços; 3) Composto de Marketing

Leia mais

Mercado. Franchising. Principais clientes e serviços. Franqueado. - Perfil. - Vantagens. - Treinamento. Parcerias. Taxa de Franquia e Royalties

Mercado. Franchising. Principais clientes e serviços. Franqueado. - Perfil. - Vantagens. - Treinamento. Parcerias. Taxa de Franquia e Royalties 1 AGENDA História Mercado Franchising Principais clientes e serviços Franqueado - Perfil - Vantagens - Treinamento Parcerias Taxa de Franquia e Royalties Plano de negócios 2 História Jhonathan Ferreira

Leia mais

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR!

EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! 2016 EMBALAGEM MELHOR. MUNDO MELHOR! Willians Natalicio Formação acadêmica: Gestão de Negócios Univem Técnico em Plástico - SENAI Mario Amato Atuação: Técnico de processo : Unipac Instrutor : SENAI Analista

Leia mais

TELHAS DE POLICARBONATO

TELHAS DE POLICARBONATO TELHAS DE POLICARBONATO MANUAL DE INSTALAÇÃO As Telhas de Policarbonato BOLD proporcionam ótima transmissão de luz (praticamente idêntica ao vidro), favorecendo maior aproveitamento da luz natural, reduzindo

Leia mais

GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS

GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS GERÊNCIA DE INSPEÇÃO PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL NORMAS DE CONSTRUÇÃO CARNE E DERIVADOS NORMAS DE ORIENTAÇÃO PARA OS ESTABELECIMENTOS DE CARNE E DERIVADOS 1. O estabelecimento de produtos de origem animal

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação.

PALAVRAS-CHAVE Handhelds, Manutenção de Subestação, Tecnologia da Informação. 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG Utilização de Computadores de Mão (Handheld) pelos Eletricistas da Manutenção de Subestação e Linhas da AES Eletropaulo no Controle de Inspeções e Ordens de

Leia mais

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção

Curso de Engenharia de Produção. Organização do Trabalho na Produção Curso de Engenharia de Produção Organização do Trabalho na Produção Estrutura Organizacional Organização da Empresa: É a ordenação e agrupamento de atividades e recursos, visando ao alcance dos objetivos

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O Sindigás 33 milhões de botijões entregues porta a porta mensalmente 5 bilhões em tributos arrecadados anualmente 27% Participação

Leia mais

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.

Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101. Pisani Plásticos BR 116 - Km 146,3 - Nº 15.602 - C.P. 956-95059-520 - Caxias do Sul - RS - Brasil Fone: 55 54 2101.8700 - Fax: 55 54 2101.8740 FILIAIS: Pindamonhangaba - SP e Recife - PE www.pisani.com.br

Leia mais

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko

CUSTOS LOGÍSTICOS. Profª. Evelise Czerepuszko CUSTOS LOGÍSTICOS Profª. Evelise Czerepuszko MISSÃO: O produto certo, na quantidade certa, na hora certa, no lugar certo ao menor custo possível. Quais são as consequências da falta do produto? CONCEITO

Leia mais

INSTRUÇÃO DE TRABALHO

INSTRUÇÃO DE TRABALHO Pg.: 1 de Elaboração Verificação Aprovação Janaina Bacci Data: Data: Data: Título da Atividade: Procedimentos de coleta de Resíduos Quimioterápicos Executante: Colaboradores envolvidos na manipulação dos

Leia mais

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento

Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Argamassas de revestimento Conheça os produtos industrializados existentes no mercado e veja dicas para compra, recebimento e armazenamento Reportagem: Gisele C. Cichinelli As argamassas de revestimento

Leia mais

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I

Curso de Graduação em Administração. Administração da Produção e Operações I Curso de Graduação em Administração Administração da Produção e Operações I 6º Encontro - 05/03/2012 18:50 às 20:30h COMO SERÁ NOSSO ENCONTRO HOJE? 02 - ABERTURA - SISTEMAS DE PRODUÇÃO - VÍDEOS PARA DEBATE

Leia mais

Conheça a. rede de franquia em faturamento

Conheça a. rede de franquia em faturamento Conheça a 1 rede de franquia em faturamento 2 Sumário O setor supermercadista e o mercado de franquia 5 A Rede DIA no mundo 7 DIA no Brasil 9 Marca própria fidelizando clientes 10 Líder em marca própria

Leia mais

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA

1 INSTRUÇÕES IMPORTANTES DE SEGURANÇA Obrigado por adquirir o Ventilador, modelos VTR500 503 505, um produto de alta tecnologia, seguro, eficiente, barato e econômico. É muito importante ler atentamente este manual de instruções, as informações

Leia mais

Software PHC com MapPoint 2007

Software PHC com MapPoint 2007 Software PHC com MapPoint 2007 Descritivo completo A integração entre o Software PHC e o Microsoft MapPoint permite a análise de informação geográfica (mapas, rotas e análise de dispersão), baseada em

Leia mais

Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe. Manual Setembro de 2000

Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe. Manual Setembro de 2000 Gerenciamento de Almoxarifado Versão OneWorld Xe Manual Setembro de 2000 Sumário Visão Geral.................................................. 1 1 Configuração Configuração do Almoxarifado...............................

Leia mais

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA.

AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. Bem vindos ao Treinamento sobre Conceitos Básicos de Manutenção da... AZ - AUTOMAÇÃO E MANUTENÇÃO INDUSTRIAL LTDA. ELÉTRICA ELETRÔNICA MECÂNICA HIDRÁULICA PNEUMÁTICA AZ PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE AUTOMAÇÃO

Leia mais

MENSAGEM DO PRESIDENTE

MENSAGEM DO PRESIDENTE MENSAGEM DO PRESIDENTE A Ética sempre se fez historicamente presente no ambiente corporativo da Schulz S/A, gerando relações exitosas e, por isso, duradouras entre clientes e fornecedores. A elaboração

Leia mais

Bitrens x vanderléias : a difícil escolha

Bitrens x vanderléias : a difícil escolha Bitrens x vanderléias : a difícil escolha Por: Antonio Lauro Valdivia* e Karênina Martins Teixeira** Resoluções Contran n os 21 o e 211 abrem espaço para novas combinações de veículos de carga O tradicional

Leia mais

A Webbertek é a melhor escolha. Abra e entenda por quê.

A Webbertek é a melhor escolha. Abra e entenda por quê. A Webbertek é a melhor escolha. Abra e entenda por quê. Pense no que a solução certa pode fazer pelo seu negócio. PROJETO PRODUTOS SERVIÇOS SOLUÇÃO INTEGRADA CONHEÇA A NOSSA HISTÓRIA Um sonho fez tudo

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 4. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico.

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA Edição revista (*) Nº : 4. 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Página : 1 2.2 : Gás não inflamável e não tóxico. Atenção 1 Identificação da substância/ preparação e da sociedade/ empresa Identificador do produto Designação Comercial : Azoto / Azoto Apsa / Azoto Floxal

Leia mais

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira

ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira ENTERPRISE RESOURCE PLANNING (ERP) Disciplina: DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO Prof. Afonso Celso M. Madeira 8º semestre CENÁRIO Sistemas desenvolvidos para atender necessidades específicas da unidade de negócio,

Leia mais

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL

CENTRAIS ELÉTRICAS DE RONDÔNIA S.A. CERON PREGÃO MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Eletrobrás MINISTÉRIO DE MINAS E ENERGIA ANEXO XIII DO EDITAL Anexo XIII do Pregão Eletrônico n 029/2009 Página 1 de 11 ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA TRANSFORMADORES DE CORRENTE AUXILIARES 0,6 KV USO INTERIOR

Leia mais

CARREGADOR DE BATERIA

CARREGADOR DE BATERIA 1 MANUAL DO USUÁRIO CARREGADOR DE BATERIA MODELO : KA-044-5A 2 O EQUIPAMENTO: O carregador de bateria KA-044-5A é um equipamento dotado de sistema de carga inteligente sendo que todo processo de carga

Leia mais

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer

Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Lucratividade: Crescer, Sobreviver ou Morrer Foco da Palestra Orientar e esclarecer os conceitos de Lucratividade e a importância para existência e sucesso das empresas. Proporcionar aos participantes

Leia mais

Unidade II GESTÃO DE RECURSOS. Prof. Fernando Leonel

Unidade II GESTÃO DE RECURSOS. Prof. Fernando Leonel Unidade II GESTÃO DE RECURSOS PATRIMONIAIS E LOGÍSTICOS Prof. Fernando Leonel Conteúdo da aula de hoje 1. Análise ABC. 2. Quais relatórios são possíveis com a análise ABC. 3. Unitização de estoques. 4.

Leia mais

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a

mercado de cartões de crédito, envolvendo um histórico desde o surgimento do produto, os agentes envolvidos e a forma de operação do produto, a 16 1 Introdução Este trabalho visa apresentar o serviço oferecido pelas administradoras de cartões de crédito relacionado ao produto; propor um produto cartão de crédito calcado na definição, classificação

Leia mais

3. Acondicionamento. Onde começam os problemas para o serviço de limpeza Urbana de sua cidade?

3. Acondicionamento. Onde começam os problemas para o serviço de limpeza Urbana de sua cidade? 3. Acondicionamento Onde começam os problemas para o serviço de limpeza Urbana de sua cidade? A esta pergunta, certamente, poucas pessoas responderão: Em nossas próprias residências. Pois é exatamente

Leia mais

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER

CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER EXTRATOR DE CÁLCULOS MANUAL DO USUÁRIO CESTA DE CÁLCULOS TIPLESS ENDOMASTER Registro ANVISA nº 80475510046 e-mail: contato@e-med.net.br Resp. Técnica: Juliana Maria

Leia mais

CARMIM DE COCHONILHA 3% KOH

CARMIM DE COCHONILHA 3% KOH F0LHA...: 1 / 5 1 Identificação do Produto e da Empresa Nome do Produto: Nome da Empresa: Endereço: Av. Gupê, 10497 Telefone: 55 11 4772 4900 Carmim de Cochonilha 3% KOH Cosmoquimica Indústria e Comércio

Leia mais

Exportação de Frutas e Derivados

Exportação de Frutas e Derivados Exportação de Frutas e Derivados A Importância da Logística e do Transporte Profª Paola Piedrabuena O Brasil é um dos três maiores produtores de frutas. Atrás apenas da China e da Índia 5% da produção

Leia mais

Como Vender Mais e Melhor

Como Vender Mais e Melhor Como Vender Mais e Melhor 08 a 11 de outubro de 2014 09 a 12 de novembro de 2016 OBJETIVO Este curso visa proporcionar ao participante a competência para identificar oportunidades de mercado e saber aproveitá-las,

Leia mais

Argamassa projetada como alternativa de racionalização. Elza Hissae Nakakura

Argamassa projetada como alternativa de racionalização. Elza Hissae Nakakura Argamassa projetada como alternativa de racionalização Elza Hissae Nakakura Impacto do crescimento do setor Redução no ciclo da obra Ex: Tenda Repasse Documentação Construção E Acabamento Fundação Total:

Leia mais

Tecnologia Pneumática. 1) Incremento da produção com investimento relativamente pequeno.

Tecnologia Pneumática. 1) Incremento da produção com investimento relativamente pequeno. Tecnologia Pneumática Vantagens: 1) Incremento da produção com investimento relativamente pequeno. 2) Redução dos custos operacionais. A rapidez nos movimentos pneumáticos e a libertação do operário (homem)

Leia mais

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000

A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 1. A Norma NBR ISO 9001:2000 A Implantação do Sistema do Sistema da Qualidade e os requisitos da Norma ISO NBR 9001:2000 A ISO International Organization for Standardization, entidade internacional responsável

Leia mais

A seguir demonstraremos nossa solução. Que será a sua solução! Fonte: freepik.com

A seguir demonstraremos nossa solução. Que será a sua solução! Fonte: freepik.com Fonte: freepik.com O grande desafio da Logística nas Empresas é buscar qualidade, controle, informação rápida, transparência, agilidade e baixos custos. Pensando nisso a NexPressCargo criou uma solução

Leia mais

tecfix ONE quartzolit

tecfix ONE quartzolit Pág. 1 de 8 Adesivo para ancoragem à base de resina epóxi-acrilato 1. Descrição: Produto bicomponente disposto numa bisnaga com câmaras independentes, projetada para realizar a mistura adequada dos constituintes

Leia mais

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO

CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO RIO 92 CREA SP GT ENGENHARIA E ARQUITETURA SUSTENTÁVEL NA AUTO CONSTRUÇÃO O QUE É SUSTENTABILIDADE? TRATA-SE DE UM NOVO MODELO DE DESENVOLVIMENTO, QUE BUSCA COMPATIBILIZAR O ATENDIMENTO DAS NECESSIDADES

Leia mais

Objetivo. Planeje. Atribuição não-comercial. 1 Acesse o CAQi no

Objetivo. Planeje. Atribuição não-comercial. 1 Acesse o CAQi no Objetivo Desenvolver um processo de planejamento financeiro para uma Política Intersetorial de Educação Integral garantindo os recursos necessários e tendo como base o Planejamento Intersetorial territorializado,

Leia mais

MODELAGENS. Modelagem Estratégica

MODELAGENS. Modelagem Estratégica Material adicional: MODELAGENS livro Modelagem de Negócio... Modelagem Estratégica A modelagem estratégica destina-se à compreensão do cenário empresarial desde o entendimento da razão de ser da organização

Leia mais

O Terminal. VS Adapt. O modelo apresenta um ótimo custo benefício, pois alia elegância e economia para a sua empresa.

O Terminal. VS Adapt. O modelo apresenta um ótimo custo benefício, pois alia elegância e economia para a sua empresa. VS Adapt O Terminal VS Adapt O VS Adapt tem como principal característica a versatilidade, pois permite a inclusão de uma CPU comum ao terminal, mantendo o aspecto moderno e possibilitando o aproveitamento

Leia mais

Coleções. manual de montagem. Kit com 3 Nichos. ou... tempo 20 minutos. montagem 2 pessoas. ferramenta martelo de borracha. ferramenta chave philips

Coleções. manual de montagem. Kit com 3 Nichos. ou... tempo 20 minutos. montagem 2 pessoas. ferramenta martelo de borracha. ferramenta chave philips manual de montagem montagem 2 pessoas Coleções ferramenta martelo de borracha Kit com 3 Nichos ferramenta chave philips tempo 30 minutos ou... ferramenta parafusadeira tempo 20 minutos DICAS DE CONSERVAÇÃO

Leia mais

Além de fazer uma ótima escolha, você ainda está ajudando a natureza e garantindo a preservação do meio ambiente.

Além de fazer uma ótima escolha, você ainda está ajudando a natureza e garantindo a preservação do meio ambiente. Obrigado por adquirir um produto Meu Móvel de Madeira. Agora, você tem em suas mãos um produto de alta qualidade, produzido com matérias-primas derivadas de floresta plantada. Além de fazer uma ótima escolha,

Leia mais

K2ON A K2on é uma importadora e distribuidora de produtos de qualidade superior para veículos de linha leve e pesada. Com produtos inovadores e de

K2ON A K2on é uma importadora e distribuidora de produtos de qualidade superior para veículos de linha leve e pesada. Com produtos inovadores e de K2ON A K2on é uma importadora e distribuidora de produtos de qualidade superior para veículos de linha leve e pesada. Com produtos inovadores e de alta qualidade. Somos os pioneiros e detentores da patente

Leia mais

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES

DIVISÃO DE SEGURANÇA E MEDICINA DO TRABALHO DVSMT PROTEÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES PROTEÇÃO DOS MEMBROS SUPERIORES LUVA DE PROTEÇÃO DE ALGODÃO PIGMENTADA CONTRA ABRASIVOS LUV1 Proteção das mãos do usuário contra agentes perfurocortantes. Material: Par de luvas com punho, tricotada 4

Leia mais

EDITAL DA III COMPETIÇÃO PONTE DE MACARRÃO

EDITAL DA III COMPETIÇÃO PONTE DE MACARRÃO EDITAL DA III COMPETIÇÃO PONTE DE MACARRÃO 1. Disposições gerais 1.1. Tema do concurso Modalidade: Ponte de Macarrão 1.1.1. A tarefa proposta é a construção e o teste de carga de uma ponte treliçada, utilizando

Leia mais

S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR)

S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR) CIPATR S E G U R A N Ç A NR 31 - COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES NO TRABALHO RURAL (CIPATR) A CIPATR tem uma grande importância na prevenção de acidentes e doenças ocupacionais nas atividades

Leia mais

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS

PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS PLANOS DE CONTINGÊNCIA, PROGRAMA DE ALERTA E PREPARAÇÃO DE COMUNIDADES PARA EMERGÊNCIAS LOCAIS Eduardo Lucena C. de Amorim 1 - INTRODUÇÃO IMPACTOS AMBIENTAIS O impacto ambiental é um desequilíbrio provocado

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO)

PLANO DA QUALIDADE (MAPEAMENTO DOS ELEMENTOS DO PROCESSO) Página: 1 de 5 NOME DO PROCESSO: GESTÃO DOCUMENTAL SUBPROCESSO: Controle de Documentos do. 1. Objetivos do Processo. Principais benefícios e razão da existência do processo, vinculando-o à Política e Objetivos

Leia mais

Alphamat Serviços. Rua Anna Morales Tomasi, 167. Telefone: / Jd Santo Amaro CEP

Alphamat Serviços. Rua Anna Morales Tomasi, 167. Telefone: / Jd Santo Amaro CEP Alphamat Serviços Rua Anna Morales Tomasi, 167 Jd Santo Amaro CEP 18074-677 Sorocaba - SP Telefone: 15 3313-2857/9115-8535 Email: alphamat.me@ig.com.br Site: www.alphamat.com.br 1 Cestos Expositores Plásticos

Leia mais

ACC Systems Portugal

ACC Systems Portugal ACC Systems Portugal Especialistas em Produtividade e Gestão da Produção www.accsystems.biz 1 Empresa de origem alemã, há 15 anos no mercado, 10 dos quais, associada ao Grupo HOMAG; Somos Especialistas

Leia mais

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA CASAS DO MEL:

NORMAS TÉCNICAS DE INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS PARA CASAS DO MEL: SECRETARIA DA AGRICULTURA E ABASTECIMENTO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEPARTAMENTO DE PRODUÇÃO ANIMAL COORDENADORIA DE INSPEÇÃO SANITÁRIA DOS PRODUTOS DE ORIGEM ANIMAL - C I S P O A - NORMAS TÉCNICAS

Leia mais

Experiência 01: CONECTORIZAÇÃO DO CABEAMENTO METÁLICO

Experiência 01: CONECTORIZAÇÃO DO CABEAMENTO METÁLICO ( ) Prova ( ) Prova Semestral ( ) Exercícios ( ) Prova Modular ( ) Segunda Chamada ( ) Exame Final ( ) Prática de Laboratório ( ) Aproveitamento Extraordinário de Estudos Nota: Disciplina: Turma: Aluno

Leia mais

Processo de gerenciamento de capacidade

Processo de gerenciamento de capacidade Processo de gerenciamento de capacidade O fornecimento da capacidade exigida para processamento e armazenamento de dados é tarefa do gerenciamento de capacidade. Isso é feito para que o provimento desta

Leia mais

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000612991 Data da revisão: 14.08.2015. Sika Superfix. : Adesivo

Versão 1.0 Numero da FISPQ: 000000612991 Data da revisão: 14.08.2015. Sika Superfix. : Adesivo SEÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do produto : Código do produto : 000000612991 Tipo de produto : líquido Uso recomendado do produto químico e restrições de uso Uso da substância / preparação

Leia mais

Manual de Instalação e Manutenção. Torniquete Hexa. revisão: 6 data de atualização:16/01/09

Manual de Instalação e Manutenção. Torniquete Hexa. revisão: 6 data de atualização:16/01/09 Manual de Instalação e Manutenção Torniquete Hexa revisão: 6 data de atualização:16/01/09 Índice 1 - Apresentação pg.03 2 - Dimensões principais e vão livre para manutenção pg.04 3.1. Identificação dos

Leia mais

ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial

ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial ANEXO E: Análise de Risco e Providências Pertinentes - Conferência inicial Credenciais dos patrocinadores Análise de risco do país Credibilidade do estudo de viabilidade e plano de negócios (incluindo

Leia mais

OBJETIVOS. Roteirizarão de Veículos e Administração de Tráfego. Me. Edvin Kalil Freitas Granville agosto de 2010

OBJETIVOS. Roteirizarão de Veículos e Administração de Tráfego. Me. Edvin Kalil Freitas Granville agosto de 2010 Roteirizarão de Veículos e Administração de Tráfego Me. Edvin Kalil Freitas Granville agosto de 2010 OBJETIVOS Conhecer e observar as decisões e cuidados peculiares enfrentadas pela área de transporte

Leia mais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais

Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rastreabilidade e Certificação de produtos Agro-industriais Rodrigo R. Latado Certificação de Soja não-ogm NEGÓCIO Pesquisa, Desenvolvimento e Difusão da Avaliação da Conformidade ALCA Grupo de Negociação

Leia mais

Aparelhos de localização

Aparelhos de localização Aparelhos de localização Três em cada cinco pessoas com demência desaparecem em algum momento, muitas vezes sem aviso. Não é fácil garantir simultaneamente independência e segurança. Um desaparecimento

Leia mais

Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística

Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística Congresso de Logística Centro Paula Souza Tendências em Supply Chain e Logística Wagner Salzano Marcos Maregatti 21.05.2016 1 PALESTRANTES Wagner Salzano Head Divisão Supply Chain Marcos Maregatti Gerente

Leia mais

Descrição do Serviço Diagnóstico no Local

Descrição do Serviço Diagnóstico no Local Visão geral do Serviço O da Dell (o Serviço ) oferece atividades de diagnóstico opcionais no endereço comercial do Cliente para Produtos Suportados, como descrito mais especificamente neste documento (a

Leia mais

EMBALAGENS DE ALIMENTOS

EMBALAGENS DE ALIMENTOS UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA TAL 430 EMBALAGENS DE ALIMENTOS EMBALAGENS DE ALIMENTOS Prof. Eber Antonio Alves Medeiros - Introdução - Embalagens metálicas - Embalagens plásticas - Embalagens de vidro

Leia mais

PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA

PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA PARCERIA INTELIGENTE PARA SUA FROTA E LOGÍSTICA Frota moderna, equipe especializada, infraestrutura e tecnologia não é fácil implementar uma gestão logística eficiente. Para fazer com que ela seja planejada

Leia mais

Com a gente, sua obra rende mais

Com a gente, sua obra rende mais Linha de Vida Minigrua Carrinho de Bloco Proteção Periférica Plataforma de Descarga Sistemas para Escoramento Plataforma Cremalheira Torre Multiuso Com a gente, sua obra rende mais Com a gente, sua obra

Leia mais

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos

FISPQ Ficha de Informação de Segurança de Produtos Químicos revisão: 01 Identificação do produto e da Empresa Nome do Natureza Química: Desinfetante de uso geral Autorização de Funcionamento / MS Nº: 3.04500.8 Produto Registrado na ANVISA/MS Nº: 3.0453434.6 Publicação

Leia mais

Durante o curso da apresentação registrou-se os seguintes pontos:

Durante o curso da apresentação registrou-se os seguintes pontos: Ata de Reunião da CSTIC - 04/06/2012 Local : Sebrae/CE Hora: 14:00hs Entidades presentes: Alexandre Menezes (Titan), Francisco Soares (ADECE), Edilson Azim (Sebrae), Marcus Veloso (Fiec), Ângela Moraes

Leia mais

Selecionando o. Guindaste Ideal. Para a sua Empresa. Um Manual Explicativo e Fácil para você descobrir qual guindaste comprar para sua empresa.

Selecionando o. Guindaste Ideal. Para a sua Empresa. Um Manual Explicativo e Fácil para você descobrir qual guindaste comprar para sua empresa. Selecionando o Guindaste Ideal Para a sua Empresa Um Manual Explicativo e Fácil para você descobrir qual guindaste comprar para sua empresa. Conteúdo Introdução A ciência por trás de um Guindaste Saiba

Leia mais

DESOBSTRUIDOR DE SILOS, TREMONHAS, CICLONES, DUTOS, CAÇAMBAS DE CAMINHÕES...

DESOBSTRUIDOR DE SILOS, TREMONHAS, CICLONES, DUTOS, CAÇAMBAS DE CAMINHÕES... INDÚSTRIA E COMERCIO LTDA. 25 ANOS DESOBSTRUIDOR DE SILOS, TREMONHAS, CICLONES, DUTOS, CAÇAMBAS DE CAMINHÕES... VANTAGENS EM RELAÇÃO AOS MÉTODOS TRADICIONAIS Produção contínua Redução de custos operacionais

Leia mais

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados

Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Aula Prática 1 - Gerador Van de Graaff e interação entre corpos carregados Disciplinas: Física III (DQF 06034) Fundamentos de Física III (DQF 10079) Departamento de Química e Física- CCA/UFES Objetivo:

Leia mais

ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão

ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão ABNT NBR 7680:2015 Concreto Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto Parte 1: Resistência à compressão Eng.º Felipe C. Bungenstab, M.Sc. Brascontec Engenharia e Tecnologia

Leia mais

Ementário EMBA em Gestão de Projetos

Ementário EMBA em Gestão de Projetos Ementário EMBA em Gestão de Projetos Grade curricular Disciplina MATEMÁTICA FINANCEIRA - N FUNDAMENTOS DE GERENCIAMENTO DE PROJETOS E GERENCIAMENTO DE ESCOPO - N GERENCIAMENTO DE RISCOS EM PROJETOS GESTÃO

Leia mais

Contabilidade Analítica 4º semestre. Conceição Gomes, Nuno Arroteia

Contabilidade Analítica 4º semestre. Conceição Gomes, Nuno Arroteia Contabilidade Analítica 4º semestre Conceição Gomes, Nuno Arroteia 3. COMPONENTES DO CUSTO DE PRODUÇÃO 2 Custos industriais Materiais directos Mão-de-obra directa Gastos gerais de fabrico Produto 3 Materiais

Leia mais

AGREGADO... REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94)

AGREGADO... REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94) AGREGADO... MERCOSUL/XXVII SGT Nº 3/P. RES. Nº 01/07 Rev.1 REGULAMENTO TÉCNICO MERCOSUL DE IDENTIDADE E QUALIDADE DO TOMATE (REVOGAÇÃO DA RES. GMC Nº 99/94) TENDO EM VISTA: O Tratado de Assunção, o Protocolo

Leia mais

Excelência e Qualidade.» Painéis Elétricos» Automação Industrial» Serviços Mecânicos» Fornecimento de Materiais. www.delfautomacao.com.

Excelência e Qualidade.» Painéis Elétricos» Automação Industrial» Serviços Mecânicos» Fornecimento de Materiais. www.delfautomacao.com. Excelência e Qualidade» Painéis Elétricos» Automação Industrial» Serviços Mecânicos» Fornecimento de Materiais Catálogo de Serviços www.delfautomacao.com.br Bem vindo (a) a DELF AUTOMAÇÃO A Empresa Soluções

Leia mais