COLHEITA DE SEMENTES INTRODUÇÃO LPV : PRODUÇÃO DE SEMENTES. Objetivo Básico da Colheita de Sementes PROBLEMAS DA COLHEITA. Conceito.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "COLHEITA DE SEMENTES INTRODUÇÃO LPV : PRODUÇÃO DE SEMENTES. Objetivo Básico da Colheita de Sementes PROBLEMAS DA COLHEITA. Conceito."

Transcrição

1 LPV : PRODUÇÃO DE SEMENTES COLHEITA DE SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ INTRODUÇÃO Planta produtora de grãos: Vegetação Florescimento Frutificação e Formação da Semente Importância da Colheita Retorno do Investimento Trabalho Custo Objetivo Básico da Colheita de Sementes 1. MATURAÇÃO Conceito Alterações a) Tamanho R5 Desenvolvimento da semente e da vagem de soja (Ritchie et al., 1994) R6 1

2 1. MATURAÇÃO Alterações R6 R7 R8 b) Teor de água Frutos secos x frutos carnosos Desenvolvimento da semente e da vagem de soja (Ritchie et al., 1994) TEMPO Teor de água 1. MATURAÇÃO Alterações b) Grau de umidade Frutos secos x frutos carnosos Representação esquemática de variações no teor de água durante a maturação de sementes contidas em frutos secos (- -) e carnosos ( ). c) Matéria seca 2

3 DEPOSIÇÃO DE RESERVAS DESSECAÇÃO Espécie Teor de água (%) Referência Matéria seca do embrião DIVISÃO E EXPANSÃO CELULAR Algodão Carvalho (1972) Amendoim Carvalho et al. (1976) Aveia 45 Frey et al. (1958) Feijão Neubern e Carvalho (1976) Milho Hunter et al. (1991) Soja 50 Andrews (1966) Sorgo Kersting et al. (1961) Trigo 40 Carvalho e Yanai (1976) Dias após o início do florescimento Dure III (1975) Teor de água de sementes de diferentes espécies no momento em que atingem o máximo acúmulo de matéria seca 1. MATURAÇÃO Alterações d) Germinação Espécie Início da Germinação (dias após a antese) Centeio 05 Trigo 05 Sorgo 06 a 10 Trevo 10 Algodão 22 Soja 38 Início da germinação, em relação à época de fecundação do óvulo, em sementes de algumas espécies cultivadas (Delouche, 1971) 3

4 1. MATURAÇÃO Germinação (%) Germinação Alterações e) Vigor f) Outras alterações bioquímicas Tempo grau de umidade tamanho Maturação x Maturidade vigor matéria seca germinação - Maturidade Fisiológica: conceito Reconhecimento Milho/sorgo 4

5 Maturação x Maturidade - Maturidade Fisiológica: Reconhecimento A Milho/sorgo Soja, feijão Cereais de inverno: trigo, cevada, aveia Hortaliças: cebola, cenoura, tomate Frutíferas Maturidade Fisiológica x Ponto de colheita Determinação do ponto de colheita: critérios gerais Uniformidade de maturação Parcelamento? Prof. Paulo Cesar T. Melo 5

6 1. MATURAÇÃO Influência do clima: água, temperatura U.R. U.R. U.R. U.R. U.R. Embrapa Soja 6

7 APROSMAT, 2006 APROSMAT, 2006 TESTES PRÉ-COLHEITA COLHER OU NÃO PARA SEMENTES? ZORATO,

8 1. MATURAÇÃO - Uso de dessecantes e época de aplicação Vantagens - Antecipação da colheita - Menor exposição a adversidades do ambiente - Rapidez da colheita - Sementes mais limpas - Menor presença de plantas invasoras - Antecipação da semeadura da próxima cultura - Uniformidade e facilidade para o trabalho da máquina ATRASO DA COLHEITA - Exposição ao ambiente em campo - Deterioração pré-colheita - Sanidade - Perda natural de sementes - Acamamento, quebramento - Ciclos hidratação / secagem - Pássaros: arroz, sorgo, girassol PERDAS EM QUANTIDADE E QUALIDADE 8

9 2. PERDA NATURAL DE SEMENTES - Degrana ou deiscência - Gramíneas forrageiras, mamona, arroz, soja, feijão, girassol, alface, repolho, cebola, cenoura - Hastes soltas Hastes soltas perdas anteriores à colheita 2. PERDA NATURAL DE SEMENTES - Degrana ou deiscência - Gramíneas forrageiras, mamona, arroz, soja, feijão, girassol, alface, repolho, cebola, cenoura - Hastes soltas - Quantidade colhida - Plantas espontâneas Tiguera 9

10 2. PERDA NATURAL DE SEMENTES 2. PERDA NATURAL DE SEMENTES - Degrana ou deiscência - Gramíneas forrageiras, mamona, arroz, soja, feijão, girassol, alface, repolho, cebola, cenoura - Hastes soltas - Quantidade colhida - Plantas espontâneas - Cuidados: fiscalização, momento e rapidez 3. PERDAS DURANTE A COLHEITA Perda média Adequação da área (declividade, nivelamento), semeadura (época, população de plantas), fertilidade do solo, controle plantas daninhas Máquina colhedora 10

11 Peneira superior Peneira inferior Trilha ou Debulha Ventilador sementes limpas retrilha Sistema de Limpeza 3. PERDAS DURANTE A COLHEITA Perda média Adequação da área, semeadura, fertilidade Embrapa Soja Máquina colhedora Características do cultivar arquitetura Altura de corte 11

12 3. PERDAS DURANTE A COLHEITA Perda média Adequação da área, semeadura, fertilidade Altura de corte Máquina colhedora Características do cultivar arquitetura Acamamento Acamamento 3. PERDAS DURANTE A COLHEITA Perda média Adequação da área, semeadura, fertilidade Máquina colhedora Características do cultivar arquitetura Acamamento Grau de umidade das sementes Mato 12

13 INVASORAS Feijão e amendoim deixados no campo para recolher 4. INJÚRIAS MECÂNICAS Conceito Tipos Efeitos Prof. Paulo Cesar T. Melo Tomate Prejuízos: germinação, vigor, sanidade, potencial de armazenamento, beneficiamento, deterioração 13

14 4. INJÚRIAS MECÂNICAS Fatores que afetam Grau de umidade da semente - > 16,0% - < 13,0% Agente danificador - Queda livre ESTRUTURA DA SEMENTE DE SOJA - Rotação cilindro - Abertura cilindro / côncavo Embrapa Soja 14

15 5. RAPIDEZ DA COLHEITA (+ transporte) 6. MISTURAS DE SEMENTES Danos mecânicos - Fiscalização e roguing - Colher primeiramente os campos de sementes - Sacaria nova e identificada - Limpeza de máquinas e veículos de transporte - Desprezar primeiras quantidades colhidas - Isolamento do campo França - 1 semente de arroz sementes - 1 semente de algodão sementes Cilindro Transporte 15

16 MÉTODOS PARA COLHEITA - Manual MÉTODOS PARA COLHEITA Milho híbrido - Manual + Mecânico - Mecânico MÉTODOS PARA COLHEITA Café 16

17 Gramíneas Forrageiras Tropicais MÉTODOS PARA COLHEITA Forrageiras - MÉTODOS - Colheita no cacho + cura - Varredura - Mecânica Corte (ceifa) das plantas Restos de plantas (removidos da área) Panicum Panicum 17

18 Ensaque Produto da varredura ( % de sementes): amontoado em várias partes da área Panicum Panicum Corte + enleiramento das plantas Corte + enleiramento das plantas Plantas enleiradas Panicum Braquiária 18

19 MÉTODOS PARA COLHEITA Hortaliças -MÉTODOS Manual para a maioria das espécies Necessidade de repasses: alface, cebola, cenoura, repolho, quiabo - FRUTOS CARNOSOS Braquiária Extração de sementes Prof. Paulo Cesar T. Melo Taiwan Chile Prof. Paulo Cesar T. Melo 19

20 Fermentação de sementes Prof. Paulo Cesar T. Melo Prof. Paulo Cesar T. Melo Belém do São Francisco, PE 20

Profª Marcela Carlota Nery. qualidade do produto custo de produção

Profª Marcela Carlota Nery. qualidade do produto custo de produção COLHEITA DE SEMENTES Profª Marcela Carlota Nery Colheita de sementes Objetivo qualidade do produto custo de produção Planejamento Preparo do solo Plantio escalonado Disponibilidade de máquinas Transporte

Leia mais

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare)

A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) A Cultura do Cevada (Hordeum vulgare) INTRODUÇÃO: - Origem: - Mesopotâmia; - Produção: - Ásia; - Europa; - América do Norte; - 80%. INTRODUÇÃO: - Características das regiões produtoras; - Brasil: - 1920-1930;

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO

SEGURO RURAL BRASILEIRO SEGURO RURAL BRASILEIRO Gestão de Risco Rural Programa de Subvenção Econômica ao Prêmio do Seguro Rural 2011 O QUE É O SEGURO RURAL? O seguro rural é uma importante ferramenta de gestão de riscos que protege

Leia mais

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS 02 de OUTUBRO DE 2014 CRUZ ALTA RIO GRANDE DO SUL O INÍCIO DA IRRIGAÇÃO 5.000 anos atrás, Egito Antigo; Construção de diques, represas e canais para melhor

Leia mais

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira

SEGURO RURAL BRASILEIRO. Elaine Cristina dos Santos Ferreira SEGURO RURAL BRASILEIRO Elaine Cristina dos Santos Ferreira MODALIDADES OFERTADAS DE SEGURO RURAL Agrícola Pecuário Florestas Aqüícola Penhor rural Benfeitorias e produtos agropecuários CPR Vida do Produtor

Leia mais

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais.

PA02 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. PA2 IBGE Área plantada nas regiões do Brasil com lavouras anuais. Abacaxi 8 7 6 5 4 3 2 1 199 1995 2 25 21 A produção nacional de abacaxi que vinha crescendo até 22 sofreu uma inflexão, voltou a subir

Leia mais

Beneficiamento de Sementes

Beneficiamento de Sementes QUALIDADE Beneficiamento de Sementes FÍSICOS GENÉTICA SANITÁRIOS Profª Marcela Carlota Nery FISIOLÓGICOS Pureza física Pragas Vigor BENEFICIAMENTO DE SEMENTES Conjunto de operações visando melhorar, ou

Leia mais

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS

PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA E DO ABASTECIMENTO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA RURAL D E R A L PARANÁ CONTINUA SENDO O MAIOR PRODUTOR DE GRÃOS 20/03/06 O levantamento de campo realizado pelo DERAL, no

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br

A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL. www.brasileirarural.com.br A IMPORTÂNCIA DE PROGRAMA DE SUBVENÇÃO PARA O SEGURO RURAL INSTRUMENTOS DE Minimização de Riscos I Proagro Mais II Seguro Privado. Coberturas: - Variações Climáticas - Preços - Índices III Cobertura Complementar

Leia mais

AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL

AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL AMOSTRAGEM DE TECIDO VEGETAL Importância A análise química foliar constitui um procedimento auxiliar, na identificação de deficiências nutricionais ou presença de elementos excessivos com a finalidade

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES. ORGÂNICOS DAS APAs. Bororé-Colônia e Capivari-Monos. Casa da Agricultura Ecológica de Parelheiros

PRODUÇÃO DE SEMENTES. ORGÂNICOS DAS APAs. Bororé-Colônia e Capivari-Monos. Casa da Agricultura Ecológica de Parelheiros São Paulo ORGÂNICOS DAS APAs Bororé-Colônia e Capivari-Monos PRODUÇÃO DE SEMENTES. Vladimir Ricardo da Rosa Moreira Engenheiro Agrônomo Parceria Realização ABAST - Supervisão Geral de Abastecimento Casa

Leia mais

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil

Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil Projeções da demanda por fertilizantes no Brasil índice 3 4 5 6 8 9 o mercado Números e importância do setor projeções de longo prazo planos/produtos metodologia condições, prazo e investimento formulário

Leia mais

SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS

SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS SISTEMAS REPRODUTIVOS DE PLANTAS CULTIVADAS 4 I. INTRODUÇÃO O conhecimento do sistema reprodutivo das espécies a serem melhoradas é de fundamental importância para o melhorista. O tipo de reprodução é

Leia mais

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários

VI Congresso Brasileiro de Algodão. Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários VI Congresso Brasileiro de Algodão Seguro Agrícola como Alternativa para redução dos Riscos Agropecuários Segmentação do Mercado Segurador Brasileiro Danos SEGUROS Pessoas PREVI- DÊNCIA CAPITA- LIZAÇÃO

Leia mais

UNIÃO DOS PRODUTORES DE BIOENERGIA

UNIÃO DOS PRODUTORES DE BIOENERGIA UNIÃO DOS PRODUTORES DE BIOENERGIA O Brasil oferece grande oferta dos insumos que podem ser utilizados como matériaprima, com o potencial de ser um dos maiores produtores de biodiesel no mundo. A produção

Leia mais

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas

Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas Gás LP no Brasil: Energia limpa e abundante para o agronegócio e áreas remotas O Sindigás 33 milhões de botijões entregues porta a porta mensalmente 5 bilhões em tributos arrecadados anualmente 27% Participação

Leia mais

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015

CAMARA SETORIAL DA BORRACHA CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 CAMARA SETORIAL DA BORRACHA A CARLOS ALFREDO B GUEDES BRASILIA JULHO 2015 LEGISLAÇÃO Decreto nº 68.678, de 25 de maio de 1971 cria a Comissão Especial de Planejamento, Controle e Avaliação das Estatísticas

Leia mais

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil

LSPA. Levantamento Sistemático da Produção Agrícola. Setembro de 2013. Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no ano civil Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Setembro de 213 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU

AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU AVALIAÇÃO DO DESEMPENHO OPERACIONAL DE UM EQUIPAMENTO ITINERANTE PARA DESCASCAMENTO DE FRUTOS DE MAMONA DA CULTIVAR BRS PARAGUAÇU Gedeão Rodrigues de Lima Neto¹, Franklin Magnum de Oliveira Silva¹, Odilon

Leia mais

Colhedora com sistema de trilha longitudinal 3/24/2012 1- SISTEMA CONVENCIONAL. Antes da Revolução Industrial manualmente

Colhedora com sistema de trilha longitudinal 3/24/2012 1- SISTEMA CONVENCIONAL. Antes da Revolução Industrial manualmente Principais Sistemas de Colheita Antes da Revolução Industrial manualmente Segadora mecânica corte e amontoa Debulhadora estacionária trilha e separação Principais Sistemas de Colheita Principais Sistemas

Leia mais

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA

DPE / COAGRO Levantamento Sistemático da Produção Agrícola - LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA Diretoria de Pesquisas Coordenação de Agropecuária Gerência de Agricultura LSPA janeiro de 215 Levantamento Sistemático da Agrícola Pesquisa mensal de previsão e acompanhamento das safras agrícolas no

Leia mais

Sistemas de manejo do solo

Sistemas de manejo do solo Sistemas de manejo do solo Introdução Uso e preparo do solo O arado. Evolução dos conhecimentos de uso e manejo do solo. O Ecossistema tropical Temperatura elevada e solos muito imteperizados 1 Sistemas

Leia mais

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO - ECA NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES

UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO - ECA NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES UNIVERSIDADE DE TAUBATÉ PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO DEPARTAMENTO DE ECONOMIA, CONTÁBEIS E ADMINISTRAÇÃO - ECA NÚCLEO DE PESQUISAS ECONÔMICO-SOCIAIS NUPES 1. CESTA BÁSICA FAMILIAR No mês de dezembro 2014,

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 6 a 0 de Agosto de 0 Qualidade de Sementes Híbridas de Milho Processadas em Separador por Cor Cibele Aparecida Teixeira da Silva, João Almir

Leia mais

Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO

Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO Prof. SILVIO MOURE CICERO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESALQ - PIRACICABA - BRASIL PRODUÇÃO DE SEMENTES DE MILHO HÍBRIDO 1. INTRODUÇÃO CAMPO DE PRODUÇÃO DE GRÃOS X CAMPO DE PRODUÇÃO DE SEMENTES 2. PRODUÇÃO

Leia mais

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro

Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Trimestre 2008: outubro, novembro e dezembro Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Companhia Nacional de Abastecimento CONAB Diretoria de Logística e Gestão Empresarial DIGEM Superintendência

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 15/2014

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 15/2014 92.005.586/0001-03 Tipo de Julgamento: Menor Preço por Página 1 de 5 Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 75,00 KG AÇUCAR 2 3,00 UND AÇUCAR DE BAUNILHA PC/500G 3 0,80 Kg ALHO 4 5,00

Leia mais

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização

Seguro Rural. Desafios para a sua Operacionalização Seguro Rural Desafios para a sua Operacionalização GESTÃO DE RISCO RURAL Riscos Rurais: - Climatológicos; Incêndio; Vida animal; Propriedades; Equipamentos; Armazenagem; Transporte; e, Preço. Seguro Rural

Leia mais

Integração Lavoura-Pecuária-ILP

Integração Lavoura-Pecuária-ILP Integração Lavoura-Pecuária-ILP Evolução da Produção e da Área Plantada de Grãos - Brasil 144,1 149,0 131,8 135,1 123,2 119,1 114,7 122,5 PRODUÇÃO (milhões de t) +157,3% = 4,8% aa 100,3 96,8 68,4 68,3

Leia mais

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA

ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA ZONEAMENTO AGRÍCOLA DE RISCO CLIMÁTICO SPA/MAPA III Reunião Técnica do CEMADEN Tema: Extremos Climáticos e Colapso de Produção Agrícola Fortaleza/CE 02 e 03 de abril de 2012 Antecedentes Altos índices

Leia mais

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS

SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS SEGURO RURAL AVANÇOS E PERSPECTIVAS Histórico do Seguro Agrícola no Brasil 1878 - Congresso Agrícola do Recife; Lei n 2.168, de 11 de janeiro de 1954, estabelece normas para a instituição do seguro agrário

Leia mais

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas

1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas 1. Manejo da Horta e Prevenção de Pragas Em agricultura orgânica sempre se busca o equilíbrio ecológico e a prevenção de problemas que afetam a saúde das plantas. Através do uso de algumas técnicas simples

Leia mais

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação

MANUAL DE AMOSTRAGEM DE GRÃOS. Apresentação Apresentação A amostragem de grãos constitui se, em nível de armazenagem, na primeira preocupação a ser considerada por estar relacionada à identificação ou diagnóstico dos eventuais serviços necessários

Leia mais

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. TEMÁRIO: 1 Instrução Normativa n 45, de 17 de setembro de 2013. Publicação: D.O.U. do dia 20/09/13, Seção 1. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. GABINETE DO MINISTRO INSTRUÇÃO NORMATIVA

Leia mais

Evolution of Agriculture in Brazil. Inovações e parcerias na competitividade e produtividade do agronegócio Brasileiro. Elisio Contini Embrapa

Evolution of Agriculture in Brazil. Inovações e parcerias na competitividade e produtividade do agronegócio Brasileiro. Elisio Contini Embrapa Evolution of Agriculture in Brazil Inovações e parcerias na competitividade e produtividade do agronegócio Brasileiro Elisio Contini Embrapa Amcham São Paulo Agosto 2014 47 Unidades da Embrapa» Sede» Centros

Leia mais

USO E CONSERVAÇÃO DE GERMOPLASMA

USO E CONSERVAÇÃO DE GERMOPLASMA USO E CONSERVAÇÃO DE GERMOPLASMA 3 I. INTRODUÇÃO A variação encontrada em uma determinada espécie (variação fenotípica) pode ser de duas origens: variação devido ao ambiente e variação devido a diferenças

Leia mais

TRILHADEIRA. www.vencedoramaqtron.com.br. Manual de Instrução

TRILHADEIRA. www.vencedoramaqtron.com.br. Manual de Instrução TRILHADEIRA R www.vencedoramaqtron.com.br Manual de Instrução Manual de Instrução - Trilhadeira Componentes Externos Legenda 1 - Correia do alimentador 2 - Polia mestre 3 - Braço do movimento e Tampa de

Leia mais

Escrito por Ademir Dom, 10 de Janeiro de 2010 16:16 - Última atualização Dom, 10 de Janeiro de 2010 16:20

Escrito por Ademir Dom, 10 de Janeiro de 2010 16:16 - Última atualização Dom, 10 de Janeiro de 2010 16:20 Tabela de Vitaminas Vitaminas são micronutrientes essenciais a diversas reações metabólicas do organismo. Estes elementos não são, em sua maioria, sintetizados pelas células humanas, e neste caso têm que

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 22/2014

EDITAL DE LICITAÇÃO CONVITE Nº 22/2014 Tipo de Julgamento: Menor Preço por Página 1 de 5 Sub. Qtde. Unid. Descrição Marca/Modelo Valor Valor Total 1 75,00 KG AÇUCAR 2 3,00 UND AÇUCAR DE BAUNILHA PC/500G 3 0,80 Kg ALHO 4 9,00 PACT AMIDO DE MILHO

Leia mais

GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso

GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso GIRASSOL: Sistemas de Produção no Mato Grosso Clayton Giani Bortolini Engº Agr. MSc Diretor de Pesquisas Fundação Rio Verde Formma Consultoria Agronômica Produção Agrícola no Mato Grosso Uma safra / ano:

Leia mais

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária

DERAL - Departamento de Economia Rural. Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Olericultura - Análise da Conjuntura Agropecuária Dezembro de 0 INTRODUÇÃO Para Filgueira, Fernando Reis, Olericultura é um termo técnico-científico, muito preciso, utilizado no meio agronômico. Derivado

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula prática: Amostragem de Solo FINALIDADES DA ANÁLISE DE SOLO Determinar a disponibilidade de nutrientes; Indicar ao agricultor o nível

Leia mais

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO

SEGURO RURAL NO BRASIL: PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEGURO RURAL NO BRASIL: SITUAÇÃO ATUAL E PERSPECTIVAS MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SOCORRO PÚBLICO - ASPECTOS NEGATIVOS Elevado custo político Baixa eficiência econômica Elevado

Leia mais

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC -

REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC - Tópicos Especiais em Proteção de Cultivares e Regulação de Plantas Transgênicas no Brasil REGISTRO NACIONAL DE CULTIVARES - RNC - Virgínia Arantes Ferreira Carpi Fiscal Federal Agropecuário Chefe do SCSM/CSM/DFIA/SDA

Leia mais

Setores - Produtos Importado

Setores - Produtos Importado Dados Setor Soma de 1996 Soma de 2007 Sementes 782,500.00 92,212,831.00 Cereais 34,227,662.00 9,718,570.00 Carnes - 9,364,400.00 Resíduos Metálicos 279,675.00 4,695,119.00 Leveduras 3,500.00 4,508,636.00

Leia mais

COLETA DE AMOSTRAS DE TECIDO VEGETAL Referência: Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes, EMBRAPA; 2 Edição

COLETA DE AMOSTRAS DE TECIDO VEGETAL Referência: Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes, EMBRAPA; 2 Edição COLETA DE AMOSTRAS DE TECIDO VEGETAL Referência: Manual de análises químicas de solos, plantas e fertilizantes, EMBRAPA; 2 Edição Cultura Nº de Folhas Época Tipo de folha Arroz Mínimo 50 Início florescimento

Leia mais

CATÁLOGO. Aves COELHOS PORCOS BOVINOS OVINOS CAVALOS. SOL A 104: Pintos desde o 1º dia até 4 semanas de vida.

CATÁLOGO. Aves COELHOS PORCOS BOVINOS OVINOS CAVALOS. SOL A 104: Pintos desde o 1º dia até 4 semanas de vida. Aves SOL A 104: Pintos desde o 1º dia até 4 semanas de vida. SOL PINTEIROS: Pintos desde o 1º dia até 3 semanas de vida. COELHOS SOL A 115: Frangos desde as 4 semanas de vida até ao abate. SOL A 120: Galinhas

Leia mais

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO

PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA NO BRASIL: NOVOS DESAFIOS E PERSPECTIVAS SÉRGIO PAULO COELHO PROMOVER O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL E A COMPETIVIDADE DO AGRONEGÓCIO EM BENEFÍCIO DA SOCIEDADE BRASILEIRA LEGISLAÇÃO

Leia mais

3 Plantio e Semeadura

3 Plantio e Semeadura 3 Plantio e Semeadura 1 Plantio Éo ato de se colocar mudas ou partes vegetativas no solo para a instalação de determinada cultura. Exemplos: - Cana-de-açúcar; - Mandioca; - Arroz no cultivo com transplantio

Leia mais

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia

Agroecologia. Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade. Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia Agroecologia Curso Agroecologia e Tecnologia Social um caminho para a sustentabilidade Módulo 3 Aplicações da Agroecologia Agroecologia aspectos teóricos e conceituais Capítulo 4 Aplicações

Leia mais

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE

TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO DE SEMENTES DE SOJA DE ALTA QUALIDADE José de Barros França Neto - Engenheiro Agrônomo, Ph.D., Pesquisador da Embrapa Soja, Caixa Postal 231, CEP 86001-970 Londrina, PR, Brasil -

Leia mais

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro

Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Novas tecnologias para o desenvolvimento produtivo baseado na experiência do desenvolvimento do Cerrado Brasileiro Cláudio Takao Karia Chefe Adjunto de P&D Embrapa Cerrados VI Foro por el desarrollo de

Leia mais

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade

Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Rastreabilidade Segurança e Qualidade dos Alimentos Lei 12.593/12 institui o PPA 2012-2015 Programa 2028 Defesa Agropecuária Objetivo 0570 Assegurar a qualidade dos

Leia mais

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6

SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 5 2. METODOLOGIA 6 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 6 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 7 5. INFLUÊNCIAS CLIMÁTICAS 8 6. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 9 6.1 Algodão 9 6.2 Arroz 10 6.3 - Canola 11

Leia mais

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA

TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA 1º CICLO DE PALESTRAS SODEPAC TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA Maia Barnabé Sambongo Dir. Fazenda Quizenga TRATOS CULTURAIS PARA QUALIDADE DA SEMENTEIRA ÁREA DE 1º ANO 1. Supressão Vegetal

Leia mais

Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural

Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Programa de Subvenção ao Prêmio do Seguro Rural Evolução do Seguro Rural (PSR) PSR Evolução do Seguro Rural Subvencionado Número de Beneficiários (unidade) Número de Apólices (unidade) Área Segurada (milhões

Leia mais

Capítulo 11. Produtos da indústria de moagem; malte; amidos e féculas; inulina; glúten de trigo

Capítulo 11. Produtos da indústria de moagem; malte; amidos e féculas; inulina; glúten de trigo Capítulo 11 Produtos da indústria moagem; malte; amidos e féculas; inulina; glúten trigo Notas. 1. Excluemse do presente Capítulo: a) o malte torrado, acondicionado para ser utilizado como sucedâneo do

Leia mais

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015)

Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Evolução da Produção Regional dos Principais Grãos (2010-2015) Gráfico 1 Evolução da produção de grãos (Em milhões de toneladas) A produção brasileira de cereais, leguminosas e oleaginosas cresceu, em

Leia mais

Programa de Seguro Rural Brasileiro. Aplicação de recursos com base em informações de risco climático

Programa de Seguro Rural Brasileiro. Aplicação de recursos com base em informações de risco climático Programa de Seguro Rural Brasileiro Aplicação de recursos com base em informações de risco climático Programa de Subvenção ao Prêmio do seguro Rural - PSR Evolução do Programa Estudo sobre Priorização

Leia mais

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos

Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos Acesso a Sementes, Soberania e Segurança alimentar Painel da Mesa de Controvérsias sobre Transgênicos CONSEA Vicente Almeida Presidente do SINPAF O que é o SINPAF? É o Sindicato Nacional que representa

Leia mais

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado

Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado AGROSSÍNTESE Produção de grãos na Bahia cresce 14,64%, apesar dos severos efeitos da seca no Estado Edilson de Oliveira Santos 1 1 Mestre em Economia, Gestor Governamental da SEAGRI; e-mail: edilsonsantos@seagri.ba.gov.br

Leia mais

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS

TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS Teor de Umidade dos Grãos TEOR DE UMIDADE DOS GRÃOS O teor de umidade dos grãos representa a quantidade de água por unidade de massa do grão úmido ou seco. Pode ser expresso pela relação entre a quantidade

Leia mais

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1

SUMÁRIO. Avaliação da Safra Agrícola 2007/20087 Segundo Levantamento de Intenção de Plantio Novembro/2007 1 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2 2. METODOLOGIA 2 3. ESTIMATIVA DA ÁREA PLANTADA 3 4. ESTIMATIVA DA PRODUÇÃO 4 5. AVALIAÇÃO DAS CULTURAS 6 6. ESTIMATIVAS DE ÁREA, PRODUÇÃO E PRODUTIVIDADE 13 7. BALANÇO DE OFERTA

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO

SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO SECRETARIA DE ESTADO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO SEAPA SUBSECRETARIA DO AGRONEGÓCIO VALOR BRUTO DA PRODUÇÃO (VBP) AGROPECUÁRIO Julho/2015 R$ milhões VBP PRINCIPAIS PRODUTOS AGRÍCOLAS LAVOURAS

Leia mais

5º anúncio Agosto de 2015

5º anúncio Agosto de 2015 5º anúncio Agosto de 2015 Cenário de Hortigranjeiros no Brasil Total da Produção de Hortigranjeiros no Brasil: 57 milhões t Volume total de hortigranjeiros comercializados nas Centrais de Abastecimento

Leia mais

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS

PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS PLANTIO DIRETO NA REGIÃO CENTRO SUL DO PARANÁ: SITUAÇÃO ATUAL, PROBLEMAS E PERSPECTIVAS Lutécia Beatriz Canalli Eng. Agr., MSc Solos, Dra em Agronomia - Produção Vegetal Sistemas de produção sustentáveis

Leia mais

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013

Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Plano Abras Maior Apresentação maio/2013 Gestão Abras PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 - 2014 SETOR HOJE PLATAFORMA ABRAS 2013-2014 Setor faturou R$ 242,9 bilhões em 2012 Supermercados respondem por 83,7% do

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas

QUEM SOMOS MISSÃO WORKSHOP O QUE FAZEMOS A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL. Associação Brasileira de Sementes e Mudas Associação Brasileira de Sementes e Mudas WORKSHOP AMOSTRAGEM, TESTES E ESTATÍSTICA SEMENTES, PLANTAS E GRÃOS Associação Brasileira de Sementes e Mudas A INDÚSTRIA DE SEMENTES NO BRASIL ILSI International

Leia mais

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil.

Localização. O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Localização Peru Chile Bolívia Paraguai Uruguai Argentina Passo Fundo, RS O Centro Nacional de Pesquisa de Trigo está localizado em Passo Fundo, estado do Rio Grande do Sul, Brasil. Embrapa Trigo Rodovia

Leia mais

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas

Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas Seminário de Avaliação de Impacto sobre as Adaptações da Agricultura Dakar, 26 a 29 de abril de 2011 Mitigação e Adaptação da Agricultura às Mudanças Climáticas KLEBER SANTOS Brasília, 27 de abril de 2011

Leia mais

Nível de preços em julho tem queda de 1,12% no município de Chapecó

Nível de preços em julho tem queda de 1,12% no município de Chapecó Publicação mensal do curso de Ciências Econômicas da Universidade Comunitária da Região de Chapecó Ano 19, Nº 7 Julho/2014 Nível de preços em julho tem queda de 1,12% no município de Chapecó O curso de

Leia mais

SEMEADORAS NEW HOLLAND PARA MÚLTIPLOS GRÃOS

SEMEADORAS NEW HOLLAND PARA MÚLTIPLOS GRÃOS SEMEADORAS NEW HOLLAND PARA MÚLTIPLOS GRÃOS SAM SHM Personalle Drill SSM 2 3 LINHA DE SEMEADORAS NEW HOLLAND. A parceria entre a New Holland e a Semeato veio para render frutos ao produtor. Líder no mercado,

Leia mais

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos

Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Agricultura: Boas práticas no plantio, colheita, transporte e armazenamento dos alimentos Murillo Freire Junior Embrapa Agroindústria de Alimentos Rio de Janeiro, RJ 15/03/2016 Perdas e Desperdícios de

Leia mais

2.2 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0: Códigos e denominações

2.2 - Estrutura detalhada da CNAE 2.0: Códigos e denominações (continua) A AGRICULTURA, PECUÁRIA, PRODUÇÃO FLORESTAL, PESCA E AQÜICULTURA 01 AGRICULTURA, PECUÁRIA E SERVIÇOS RELACIONADOS 01.1 Produção de lavouras temporárias 01.11-3 Cultivo de cereais 0111-3/01 Cultivo

Leia mais

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil...

SUMÁRIO. 1 - Lavouras... 5. 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra 2012 Brasil... ...... PRODUÇÃO DAS LAVOURAS EM MARÇO DE 2012 SUMÁRIO 1 - Lavouras... 5 TABELAS DE RESULTADOS Safra 2012 1 - Área, produção e rendimento médio - confronto das estimativas mensais março / fevereiro safra

Leia mais

PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA

PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA PLANTADEIRAS DE MÚLTIPLA SEMEADURA Plantio direto para todo tipo de cultura. A Case IH lança no mercado sua linha de plantadeiras para todos os tipos de cultura: girassol, aveia, trigo, arroz, algodão,

Leia mais

CARDÁPIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL 2015

CARDÁPIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 CARDÁPIO DA EDUCAÇÃO INFANTIL 2015 RESPONSÁVEL TÉCNICA: BÁRBARA CHRISTIANE BENTO NUTRICIONISTA CRN 8588-PR BERÇÁRIO 08h00 09h00 10h00 Mamadeira Sopa de beterraba Mamadeira Mamadeira Mamadeira Mamadeira

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan

Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Eng. Agrônomo pela FCAV-Unesp Daniel Ap. Furlan Colheita Ultima etapa da cultura no campo; Momento de ver os resultados de todo investimento realizado; Uma das fases mais críticas da produção; Perdas 80

Leia mais

Apresentação AGRIANUAL 2015

Apresentação AGRIANUAL 2015 Apresentação Em anos de eleições, os empresários costumam ficar apreensivos quanto às posições dos candidatos em relação ao segmento em que operam. Mas quem está no agronegócio não precisa ter grandes

Leia mais

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS

Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Nabos do Norte CONSOCIAÇÕES ENTRE PLANTAS HORTÍCOLAS Consociação favorável entre plantas hortícolas consiste em cultivar dentro do mesmo canteiro diferentes espécies de plantas (culturas) que se complementam

Leia mais

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA

ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA ORIGEM DA AGRICULTURA E DA PECUÁRIA PRIMEIROS CAMPONESES Os primeiros camponeses foram caçadores e coletores, ou seja, eram somente extrativistas: retiravam os alimentos da natureza, sem qualquer controle

Leia mais

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ

POPULAçÃO DE PLANTAS DE SOJA NO SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA PARA O CENTRO-SUL DO ESTADO DO PARANÁ /,-----------. (c;) EM.PRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECuARIA EMBRAPA ~ Vinculada ao M'nisté,io da Ag,iculMa ~., CENTRO NACIONAL DE PESQUISA DE SOJA - CNPSo Rodovia Carlos João Slrass (Londrina/Warta)

Leia mais

4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS

4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS CULTURA DO MILHO 4. ESTÁDIOS FENOLÓGICOS FENOLOGIA DO MILHO Definição Parte da Botânica que estuda vários fenômenos periódicos das plantas, como brotação, floração e frutificação, marcando-lhes as épocas

Leia mais

SEMEADORAS PARA GRÃOS MIÚDOS

SEMEADORAS PARA GRÃOS MIÚDOS SEMEADORAS PARA GRÃOS MIÚDOS Plantio direto, para todo tipo de cultura. A Case IH lança no mercado na sua linha de semeadoras para todos os tipos de cultura: girassol, aveia, trigo, arroz, algodão, sorgo,

Leia mais

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF. Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba

Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF. Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba CODEVASF Investindo no Brasil: Vales do São Francisco e Parnaíba O que é Codevasf? Criada em 1974, a Codevasf é uma empresa pública responsável

Leia mais

BIODIESEL PARA O CIB

BIODIESEL PARA O CIB BIODIESEL PARA O CIB Roteiro Explicativo de Slides em Power Point Gil Miguel de Sousa Câmara 1 Slide 1 Abertura Slide 2 Famosa frase proferida por Rudolph Diesel em 1912. Slide 3 Razões que justificam

Leia mais

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm

http://www.emater.mg.gov.br/site_emater/serv_prod/livraria/olericultura/pepino.htm Página 1 de 5 Olericultura A Cultura do Pepino Nome Cultura do Pepino Produto Informação Tecnológica Data Abril - 1999 Preço - Linha Olericultura Informações gerais sobre a Resenha Cultura do Pepino Luiz

Leia mais

CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - PRÉ- REQUISITO(S) UNID. RESP.

CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - PRÉ- REQUISITO(S) UNID. RESP. CURSO DE ENGENHARIA FLORESTAL - UFG/EA, Campus Samambaia - Goiânia, GO. - MATRIZ CURRICULAR - CHTS C H S NÚCLEO NATUREZA 01 5117 Introdução à Engenharia Florestal EA 32 32 00 Específico Obrigatória 02

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local;

A Vida no Solo. A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; A Vida no Solo A Vida no Solo A vegetação de um local é determinada pelo solo e o clima presentes naquele local; O solo é constituído por alguns componentes: os minerais, o húmus, o ar, a água e os seres

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE SAMMA

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA, MINERAÇÃO E MEIO AMBIENTE SAMMA Palestra: Como fazer uma horta Ildamir Teixeira de Faria/Diretor de Meio Ambiente SAMMA; Roselaine Mezz/Estudante de agropecuária IFMT/Estagiaria SAMMA; PREFEITURA MUNICIPAL DE JUÍNA MT SECRETARIA MUNICIPAL

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Secretaria Municipal de Educação de Arapongas. Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE. CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (1-3 anos)

Secretaria Municipal de Educação de Arapongas. Programa Nacional de Alimentação Escolar - PNAE. CARDÁPIO EDUCAÇÃO INFANTIL (1-3 anos) 1ª SEMANA SEGUNDA-FEIRA TERÇA-FEIRA QUARTA-FEIRA QUINTA-FEIRA SEXTA-FEIRA Arroz Arroz Carreteiro de Arroz Arroz Arroz Feijão Carne moída Feijão Feijão Feijão Carne em cubos acebolada Feijão Farofa de ovos

Leia mais

SOLICITAÇÃO DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. Vera Lucia dos Santos Machado Chefe da Divisão de Normalização e Cadastro SNPC/DEPTA/SDC/MAPA

SOLICITAÇÃO DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES. Vera Lucia dos Santos Machado Chefe da Divisão de Normalização e Cadastro SNPC/DEPTA/SDC/MAPA SOLICITAÇÃO DE PROTEÇÃO DE CULTIVARES Vera Lucia dos Santos Machado Chefe da Divisão de Normalização e Cadastro SNPC/DEPTA/SDC/MAPA Pré-requisitos para proteção DEMAIS FORMALIDADES MELHORADA PAGAMENTO

Leia mais

Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV. Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário

Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV. Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário Serviço de Inspeção de Produtos de Origem Vegetal SIPOV Helena Pan Rugeri Engª Agrº Fiscal Federal Agropecuário DEFESA AGROPECUÁRIA Áreas de atuação: 1 - INSUMOS: sementes, fertilizantes, agrotóxicos,

Leia mais

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski

Evolução, Perspectivas e Desafios. J.C. Zukowski SEAF Evolução, Perspectivas e Desafios J.C. Zukowski Coordenador Geral do SEAF SEGUROS AGRÍCOLAS NO BRASIL Emergência ou Básico Agricultura Familiar Agricultura Comercial Garantia-Safra Subsídio ao Prêmio

Leia mais

Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW

Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW Weber Geraldo Valério Sócio Diretor MANEJO INTELIGENTE: SINERGIA ENTRE AS FASES DO PROCESSO PRODUTIVO 14º HERBISHOW Ribeirão Preto SP Maio 2015 O setor Bioenergético: Necessidade de respostas diante de

Leia mais