A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja"

Transcrição

1 A Importância da Utilização de Sementes de Alto Vigor e os Seus Efeitos Sobre a Produtividade da Soja José de Barros França Neto Embrapa Soja 67º SIMPAS 24/11/2015 Sinop, MT

2 Base para o sucesso da lavoura!!!

3 Estande adequado com plantas vigorosas Foto: R. K. Zito

4 Estande adequado com plantas vigorosas Foto: R. K. Zito

5 Estande adequado com plantas vigorosas Foto: R. K. Zito

6 Estande adequado com plantas vigorosas Foto: R. K. Zito

7 Estande adequado com plantas vigorosas Foto: R. K. Zito

8 Estande adequado com plantas vigorosas Foto: R. K. Zito

9 Estande adequado com plantas vigorosas

10 Estande adequado com plantas vigorosas

11 Estande adequado com plantas vigorosas

12 Base para altas produtividades

13 Foco em Produtividade O sucesso da lavoura depende do uso de sementes de alta qualidade, que geram plantas de alto desempenho.

14 O que é qualidade de semente?

15 Conceito de Qualidade de Semente Qualidade fisiológica Qualidade genética Qualidade sanitária Qualidade física

16 Qualidade Fisiológica Semente com alta germinação Dentro de padrões mínimos legais Semente que resulte em boa emergência de plântulas em campo

17 Qualidade Fisiológica Foto: R.R. Rufino

18 Qualidade Fisiológica Fotos: R.R. Rufino

19 Plantas de alto desempenho Plantas Vigorosas originadas a partir de Sementes de Alto Vigor

20 Qualidade Genética Semente geneticamente pura Semente da cultivar que queremos semear Transgênica x Não transgênica

21 Qualidade Sanitária Semente livre de patógenos: fungos, vírus, nematoides e bactérias que poderão disseminar doenças Semente livre de sementes de plantas daninhas

22 Qualidade Sanitária

23 Qualidade Física Semente pura: livre de material inerte: contaminantes - fragmentos de plantas, insetos, torrões e outras impurezas.

24 Qualidade Física

25 Foco em Produtividade Sementes de alta qualidade, são sementes vigorosas, que resultarão em plantas vigorosas.

26 Vigor de Sementes: Conceito São aquelas propriedades das sementes que determinam o seu potencial para uma emergência rápida e uniforme e o desenvolvimento de plântulas normais sob ampla diversidade de condições de ambiente (AOSA, 2009).

27 Vigor de Sementes: Emergência rápida e uniforme Desenvolvimento de plântulas normais Desempenho das sementes sob condições ideais e sob ampla diversidade de condições de ambiente Incluindo condições ótimas e sob estresse.

28 Vigor inicial mais alto das plântulas Vantagem em situações de estresse: Profundidade de semeadura Compactação superficial Assoreamento após chuva pesada Baixas temperaturas Ataque de fungos e insetos Ocorrência de seca após a semeadura

29 Efeito do Vigor sobre o Desenvolvimento da Planta

30 Plantas Originadas de Sementes de Alto e Baixo Vigor ALTO VIGOR BAIXO VIGOR Foto: Sementes Adriana

31 Efeito do Vigor sobre a População de Plantas

32 Vigor e População O uso de sementes vigorosas assegura o estabelecimento de uma população de plantas adequada mesmo sob condições estressantes.

33 População de Plantas Alta: acamamento

34 Acamamento Menor produtividade: 20% a 30% Menor qualidade de sementes

35 População de Plantas Alta: acamamento Baixa: invasoras; replantio

36 Ocorrência de plantas daninhas

37 Consequências do replantio Necessidade de sementes Cultivar não ideal Época semeadura Eficiência dos herbicidas Perda de adubo Menores produtividades Menor rentabilidade da cultura

38 População de Plantas Alta: acamamento Baixa: invasoras; replantio Ideal: > produtividades

39 Plantas vigorosas de alto desempenho Deciolândia, MT: Sementes de soja da cv. Tabarana de alto vigor e da cv. M 8757 de vigor precário foram semeadas em uma área com 60% de argila. Após a semeadura, uma chuva intensa de 70 mm ocorreu em 2 horas, assoreando as linhas de semeadura.

40 Assoreamento após chuva pesada

41 Assoreamento após chuva pesada

42 Plantas vigorosas de alto desempenho Rio Verde, GO: TMG 123 RR de duas sementeiras, com diferenças de vigor.

43 Semente Não Vigorosa Semente Vigorosa

44 Plantas Vigorosas de Alto desempenho Semente Não Vigorosa Semente Vigorosa

45 Plantas vigorosas de alto desempenho Cristalina, GO: Plantas de soja alguns dias após a emergência, mostrando diferença no desempenho das mesmas, e falhas, devido à baixa qualidade das sementes.

46 Foto: COCARI, Cristalina, GO

47 Vigor X Emergência Semente Não Vigorosa Semente Vigorosa Foto: Silmar Peske

48 Vigor X Emergência Semente Não Vigorosa Semente Vigorosa Fotos: Silmar Peske

49 Correção da densidade de semeadura Utilização de sementes de baixo vigor: Compensação: maior densidade de semeadura Uso de maior quantidade de sementes Aumenta o custo da lavoura Não compensaria adquirir sementes de alto vigor? Mesmo obtendo a população de plantas ideal, está tudo resolvido?

50 Efeito do Vigor sobre a Produtividade

51 Efeito do Vigor Sobre a Produtividade Assunto muito estudado no Brasil e no mundo: Pesquisado em diversas culturas Conclusivo sobre os efeitos na produção de estruturas vegetativas: bulbos, folhas, raízes (hortícolas) Divergente sobre a produção de grãos Em soja: está muito claro e evidente, conforme resultados a serem apresentados...

52 FRANÇA NETO, J.B.; KRZYZANOWSKI, F.C.; COSTA, N.P.; BARRETO, J.N. Efeito de níveis de vigor das sementes sobre diversas características agronômicas da soja. In: Resultados de Pesquisa de Soja 1982/83. EMBRAPA-CNPSO, Londrina, p

53 Altura de Planta (cm) Vigor X Maiores Produtividades Semente de Alta Qualidade: até 12,8% a mais de altura de planta! 30 Paraná Davis Bossier Vigor Baixo Vigor Médio Vigor Alto Fonte: França Neto et al., 1983

54 Produtividade (Kg/ha) Vigor X Maiores Produtividades Semente de Alta Qualidade: até 24,3% a mais de produtividade! Ocorrência de seca. Paraná Davis Bossier Vigor Baixo Vigor Médio Vigor Alto Fonte: França Neto et al., 1983

55 KOLCHINSKI, E.M.; SCHUCH, L.O.B.; PESKE, S.T. Vigor de sementes e competição intra-específica em soja. Ciência Rural, v.35, n.6, p

56 Efeito do Vigor Sobre a Produtividade Material e Métodos Alto Vigor Germinação Laboratório - 95% Emergência Canteiro - 94% Baixo Vigor Germinação Laboratório - 75% Emergência Canteiro - 70%

57 Efeito do Vigor Sobre a Produtividade Material e Métodos Sementes Mescladas nas seguintes proporções: 100% Baixo Vigor 75% Baixo Vigor / 25% Alto Vigor 50% Baixo Vigor / 50% Alto Vigor 25% Baixo Vigor / 75% Alto Vigor 100% Alto Vigor

58 No. Vagens/Planta Vigor x No. Vagens por Planta Semente de Alta Qualidade: até 25% a mais de vagens por planta! 16,7 15,8 14,9 14,0 17,6 10 0,00 1 0,25 2 0,50 3 0,75 4 1,00 5 Semente Vigorosa (%) Fonte: Adaptado de Kolchinski, Schuch, Peske, 2005 (UFPel)

59 Produtividade (kg/ha) Vigor x Produtividade Semente de Alta Qualidade: até 35% a mais de produtividade! 27,3 sc/ha 29,6 sc/ha 31,9 sc/ha 34,2 sc/ha 36,5 sc/ha ,00 0,25 0,50 0,75 1,00 Semente Vigorosa (%) Fonte: Adaptado de Kolchinski, Schuch, Peske, 2005 (UFPel)

60 Observações do trabalho As maiores velocidade de emergência das plântulas oriundas das sementes vigorosas e área foliar inicial das plantas proporcionam a exploração mais efetiva dos recursos do ambiente. A maior produtividade se deu pela maior quantidade de vagens por planta proveniente de sementes de alto vigor.

61 Conclusão O uso de sementes de alto vigor proporciona acréscimos de até 35% no rendimento de grãos, em relação ao uso de sementes de baixo vigor.

62 PINTHUS, M.J.; KIMEL, U. Speed of germination as a criterion of seed vigor in soybeans. Crop Science, v.19, n.2, p

63 Velocidade de emergência de plântulas X vigor Material e Métodos Soja, cv. Clark Velocidade de emergência em vasos: Muito rápida: 4 dias (Muito alto vigor) Rápida: 5 dias (Vigor alto) Média: 6 dias (Vigor médio) Lenta: 7 e 8 dias (Vigor baixo) Plântulas transplantadas para o campo: Parcelas de duas linhas de 6 m cada Espaçamento de 75 cm entre linhas Densidade de 12,5 pl/m

64 Peso Seco Parte Aérea 62 DAS (g) Producão de massa seca X Vigor 25,0 23,0 21,0 Semente de Alta Qualidade: até 41% a mais de produção de massa seca por planta! 22,9 23,5 19,0 17,0 15,0 13,0 11,0 16,7 19,6 9,0 Baixo Médio Alto Muito Alto Nível de Vigor Fonte: Adaptado de Pinthus & Kimel, 1979

65 Produção por Planta (g) Produção por planta X Vigor 16,0 15,0 Semente de Alta Qualidade: até 21% a mais de produção por planta! 15,5 14,0 13,0 12,0 11,0 10,0 12,9 13,0 14,1 9,0 Baixo Médio Alto Muito Alto Nível de Vigor Fonte: Adaptado de Pinthus & Kimel, 1979

66 Produtividade X Vigor Semente de Alta Qualidade: até 31% a mais de produtividade! Fonte: Adaptado de Pinthus & Kimel, 1979

67 CERVIERI FILHO, E. Desempenho de plantas oriundas de sementes de alto e baixo vigor dentro de uma população de soja. Tese Doutorado, Faculdade de Agronomia Eliseu Maciel, UFPel, Pelotas. 42pp

68 Características em sementes de alto e baixo vigor Rendim. Qualidade Fisiológica Altura (cm) Num Vagens Grãos/ Vagem Grãos/ Planta Peso 1000 Sementes (gramas/ Planta) Alta 92, , ,5 Baixa 89,4 64 2, ,3 99,4 % de Diferença Adaptado de Cervieri Filho, 2005 (UFPel) Monsoy 8914: sementes com 86% Germinação e 86% Emergência Experimento conduzido em Alto Taquari, MT, safra 2003/04. Alto Vigor: Emergência até 5 o dia. Baixo Vigor: Emergência após o 5 o dia.

69 Características em sementes de alto e baixo vigor Rendim. Qualidade Fisiológica Altura (cm) Num Vagens Grãos/ Vagem Grãos/ Planta Peso 1000 Sementes (gramas/ Planta) Alta 92,4 63 1, ,7 Baixa 89,4 49 1, ,0 95,7 % de Diferença Adaptado de Cervieri Filho, 2005 (UFPel) Monsoy 9350: sementes com 89% Germinação e 88% Emergência Experimento conduzido em Alto Taquari, MT, safra 2003/04. Alto Vigor: Emergência até 5 o dia. Baixo Vigor: Emergência após o 5 o dia.

70 SCHUCH, L.O.; KOLCHINSKI, E.M.; FINATTO, J.A. Qualidade fisiológica da semente e desempenho de plantas isoladas em soja. Revista Brasileira de Sementes, v.31, n.1, p

71 Características em sementes de alto e baixo vigor Rendim. Qualidade Fisiológica Altura (cm) Num Vagens Grãos/ Vagem Grãos/ Planta Peso 1000 Sementes (gramas/ Planta) Alta , ,0 Baixa , ,6 24,6 % de Diferença Adaptado de Schuch, L.O.B. et al., 2009 Sementes de cv. Mercedez com 90% Germinação e 69% Vigor Alto Vigor: Emergência até 6 o dia. Baixo Vigor: Emergência do 9 o ao 10 o dia.

72 PANOZZO, L.E.; SCHUCH, L.O.B; PESKE, S.T.; MIELEZRSKI, F.; PESKE, F.B. Comportamento de plantas de soja originadas de sementes de diferentes níveis de qualidade fisiológica. Revista da FVZA, Uruguaiana, v.16, n.1, p

73 Características em sementes de alto e baixo vigor Vigor Altura (cm) Num. Vagens Grãos/ Vagem Grãos/ Planta Rendim. (Sc/ha) Alto ,77 74,4 58,4 Baixo ,79 62,4 48,5 20,4 % de Diferença Adaptado de Panozzo, L. E. et al., 2009 Sementes de soja, cv. CD 202, com 95% Germinação Alto Vigor: Emergência até 5 o dia. Baixo Vigor: Emergência a partir 7 o dia.

74 Vitrine Tecnológica - Embrapa Soja 2010/11 Cultivar: BRS 294 RR Dois níveis de vigor: alto e médio Data de semeadura: 26/11/2010 Data de desbaste: 09/12/2010 População inicial: 12 plantas/m Data de colheita: 26/03/2011

75 Vitrine Tecnológica Embrapa Soja 2010/11

76 Vitrine Tecnológica Embrapa Soja 2010/11

77 Vitrine Tecnológica Embrapa Soja 2010/11 Principais Resultados: BRS 294 RR Parâmetro Vigor Alto Vigor Médio Diferença (%) Germinação 97% 81% -- Vigor TZ 92% 65% -- Pop. Pós-desbaste 12 pl/m 12 pl/m -- Pop. final 9,7 pl/m 9,9 pl/m -- Altura de Planta 81,2 cm 71,3 cm + 13,9 % No. Vagens/pl 60,2 45,6 + 32,0 % No. Sementes/pl 133,0 97,6 + 36,3 % PMS 159,2 g 154,2 g + 3,02 % Produtividade

78 Produtividade (Kg/ha) Vitrine Tecnológica Embrapa Soja 2010/11 Semente de Alta Qualidade: 10,3% a mais de produtividade! BRS 294 RR Alto Vigor Médio Vigor

79 Vantagens do uso de sementes vigorosas Melhor germinação e emergência, mesmo sob estresse: prof. semeadura, veranicos, assoreamentos, ataques de fungos, frio; Maior vel. de germinação e de emergência; Plântulas que emergem mais cedo têm vantagens competitivas sobre as que emergem mais tarde: melhor aproveitamento de água, luz e nutrientes; Estande adequado, com plantas vigorosas;

80 Vantagens do uso de sementes vigorosas Primeiras folhas trifolioladas maiores; Início do processo fotossintético mais cedo e eficiente; Maior taxa de crescimento das plantas; Maior acúmulo de mat. seca pelas plantas; Plantas com melhor estrutura de produção: maior área foliar e melhor sistema radicular; Plantas com maior capacidade de produção de vagens e sementes; Maior rendimento de grãos.

81 Impactos no bolso do produtor Menor consumo de semente Stand adequado Elimina o risco de REPLANTIOS Plantas de ALTO DESEMPENHO Maior produtividade Maior rentabilidade

82 Foco em Produtividade O sucesso da lavoura depende do uso de sementes de alta qualidade, que geram plantas de alto desempenho. Você está iniciando a sua lavoura, tendo como base o uso de sementes de alta qualidade? Ou seja, você está colocando todos os investimentos de sua lavoura sobre uma base sólida?

83 Obrigado pela atenção! (43)

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade José de Barros França Neto Embrapa Soja XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional Sobre a Cultura do Girassol 28/10/2015

Leia mais

VIGOR DA SEMENTE E O SEU DESEMPENHO FISIOLÓGICO E AGRONÔMICO. José de Barros França Neto Embrapa Soja Londrina, PR

VIGOR DA SEMENTE E O SEU DESEMPENHO FISIOLÓGICO E AGRONÔMICO. José de Barros França Neto Embrapa Soja Londrina, PR VIGOR DA SEMENTE E O SEU DESEMPENHO FISIOLÓGICO E AGRONÔMICO José de Barros França Neto Embrapa Soja Londrina, PR Introdução Lotes de sementes com potencial fisiológico elevado originam plântulas vigorosas,

Leia mais

INTRODUÇÃO VIGOR E DESEMPENHO DE SEMENTES INTRODUÇÃO POTENCIAL FISIOLÓGICO

INTRODUÇÃO VIGOR E DESEMPENHO DE SEMENTES INTRODUÇÃO POTENCIAL FISIOLÓGICO INTRODUÇÃO Qualidade de sementes: conjunto de características que determinam o valor para a semeadura ou o potencial de desempenho de um lote de sementes JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO.

Leia mais

POTENCIAL FISIOLÓGICO E VIGOR DE SEMENTES INTRODUÇÃO VIGOR E DESEMPENHO DE SEMENTES INTRODUÇÃO

POTENCIAL FISIOLÓGICO E VIGOR DE SEMENTES INTRODUÇÃO VIGOR E DESEMPENHO DE SEMENTES INTRODUÇÃO INTRODUÇÃO Qualidade de sementes: conjunto de características que determinam o valor para a semeadura ou o potencial de desempenho de um lote de sementes Atributos: genético, físico, fisiológico e sanidade

Leia mais

Y X. germinação. Pe ercentagem. Deterioração

Y X. germinação. Pe ercentagem. Deterioração INTRODUÇÃO Qualidade de sementes: conjunto de características que determinam o valor para a semeadura ou o potencial de desempenho de um lote de sementes JULIO MARCOS FILHO TECNOLOGIA DE SEMENTES DEPTO.

Leia mais

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA

ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA ASPECTOS A CONSIDERAR DENTRO DE UMA UBS DE SEMENTES DE FORRAGEIRAS ENG. AGR. DR. EVALDO CERVIERI FILHO VETORSEEDS CONSULTORIA LTDA SEMENTES DAS PRINCIPAIS CULTURAS NO BRASIL MILHO 11% ALGODÃO ARROZ 0,5%

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO SUL Leandro Sartoreli Ricci Mamborê - PR 2010/2011 Produtividade: 6.027 kg/ha (100,5 sc/ha) - Variedade SYN 3358 (Variedade com folhas lanceoladas e alta resistência ao acamamento)

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani RESULTADOS DE PESQUISAS

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani RESULTADOS DE PESQUISAS SEMEADORA-ADUBADORA RESULTADOS DE PESQUISAS 1 Rendimento da cultura de milho em diferentes manejos do solo e tipos de sulcadores (haste x disco duplo) utilizados na operação de semeadura. (Klein & Boller,

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator)

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Campeão da Região Sudeste (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Produtor: Ivaldo Lemes da Costa Consultor: Cleber Longhin Cultura: SOJA Propriedade Agrícola: Sítio Matarazzo Município: Itapetininga/SP

Leia mais

DESEMPENHO DE PLANTAS DE FEIJÃO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA

DESEMPENHO DE PLANTAS DE FEIJÃO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA DESEMPENHO DE PLANTAS DE FEIJÃO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA PERFORMANCE OF BEAN PLANTS FROM SEED LOTS WITH DIFFERENT LEVELS OF PHYSIOLOGIC QUALITY Marcos

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DA SEMENTE E DESEMPENHO DE PLANTAS ISOLADAS EM SOJA 1

QUALIDADE FISIOLÓGICA DA SEMENTE E DESEMPENHO DE PLANTAS ISOLADAS EM SOJA 1 144 QUALIDADE FISIOLÓGICA DA SEMENTE E DESEMPENHO DE PLANTAS ISOLADAS EM SOJA 1 LUIS OSMAR BRAGA SCHUCH 2 ; ELIANE MARIA KOLCHINSKI 3 ; JONAS ALEX FINATTO 4 RESUMO - O presente trabalho teve como objetivo

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA RECOMENDADAS PARA O OESTE DA BAHIA

CULTIVARES DE SOJA RECOMENDADAS PARA O OESTE DA BAHIA Foto: Fabiano Bastos WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS CULTIVARES DE SOJA RECOMENDADAS PARA O OESTE DA BAHIA André Ferreira Pereira Sebastião Pedro da Silva Neto Pesquisadores Embrapa Cerrados

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas Cultivares da Embrapa Soja: Embrapa 48 Grupo de Maturação: Precoce/Semiprecoce; *Semeadura: a partir de 25/10 até 10/12; Substituiu a cv. BR-16; *Alto

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes:

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES. Componentes: LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Planejamento Estrutura disponível

Leia mais

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras

QUALIDADE DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES QUALIDADE DE SEMENTES 1. PUREZA GENÉTICA. Sementes geneticamente puras LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES CARACTERÍSTICAS QUE AFETAM A QUALIDADE DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Departamento de Produção Vegetal USP/ESALQ INSTALAÇÃO DE CULTURAS Estrutura disponível Planejamento

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

DESEMPENHO DE PLANTAS ISOLADAS DE SOJA, BIOMETRIA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES 1

DESEMPENHO DE PLANTAS ISOLADAS DE SOJA, BIOMETRIA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES 1 DESEMPENHO DE PLANTAS ISOLADAS DE SOJA, BIOMETRIA E QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES 1 Clarissa Santos da Silva 2, Luis Osmar Braga Schuch 3, Mateus Olivo 4, Rogério Seus 5 Resumo: O trabalho teve como

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR ESMERALDA AVEIA BRANCA FORRAGEIRA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,3:1 SEMENTES SUGESTÃO DE SEMEADURA A cultivar está registrada no Registro Nacional de Cultivares (RNC/MAPA) sob o nº. 29.873. Sementes podem

Leia mais

Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO

Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO Foz do Iguaçu PR 20/06/2017 Engº Agrº Ralf Udo Dengler Engº Agrº Milton Dalbosco Fundação Meridional Novos patamares de produtividade! Destaques do Melhoramento

Leia mais

COMPORTAMENTO DE PLANTAS DE SOJA ORIGINADAS DE SEMENTES DE DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA

COMPORTAMENTO DE PLANTAS DE SOJA ORIGINADAS DE SEMENTES DE DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA COMPORTAMENTO DE PLANTAS DE SOJA ORIGINADAS DE SEMENTES DE DIFERENTES NÍVEIS DE QUALIDADE FISIOLÓGICA BEHAVIOR OF PLANTS ORIGINATED FROM SOYBEAN SEEDS WITH DIFFERENT LEVELS OF PHYSIOLOGICAL QUALITY Luís

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia População de plantas para maximização de rendimentos em soja Lucio Zabot Santa Maria,

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA 17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA PRODUTIVIDADE DA SOJA O objetivo deste experimento foi avaliar a resposta do programa nutricional via foliar recomendado pela microquímica na cultura da soja

Leia mais

FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO. Ciro A. Rosolem FCA/UNESP

FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO. Ciro A. Rosolem FCA/UNESP FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO Ciro A. Rosolem FCA/UNESP Perda estimada de produtividade de soja por seca Perda, kg/ha Centelhas et al., 2015 16 12 o que temos o que queremos SOJA 2011 2012 > 60 sc/ha

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 02 AVALIAÇÃO DE CULTIVAR TECNOLOGIA RR2 (Intacta Objetivo Avaliar diferentes cultivares de soja com tecnologia RR2 (Intacta RR2 PRO) em duas épocas de semeadura em Lucas do Rio Verde MT. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ

CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS. Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ CONCEITUAÇÃO DE VIGOR DE SEMENTES EM SEUS MÚLTIPLOS ASPECTOS Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes Depto. Produção Vegetal USP/ESALQ Definição x Conceito A palavra CONCEITO tem vários significados

Leia mais

Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo

Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo Influência da Temperatura na Qualidade Fisiológica de Sementes de Sorgo Francielly Q. G. Alves; Fabiano C. Silva; Andréia M. S. S. David; Irton J. S. Costa, Danilo A. Simões e Renato M. de Oliveira. UNIMONTES-Centro

Leia mais

RESULTADOS DE 2009 CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO. Fevereiro, 2010

RESULTADOS DE 2009 CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO. Fevereiro, 2010 DESEMPENHO DE CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO Fevereiro, 2010 RESULTADOS DE 2009 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas pelo zoneamento agrícola, em

Leia mais

Variabilidade de plantas de soja originadas de sementes de diferentes níveis de qualidade fisiológica

Variabilidade de plantas de soja originadas de sementes de diferentes níveis de qualidade fisiológica Ecofisiología, Metabolismo de Cultivos, Tecnología, Producción y Fisiología de Semillas / Ecophysiology, Crop Metabolism, Technology, Production and Seed Physiology Acta Agron. (2015) 64 (3) p 234-238

Leia mais

IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES

IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES LPV - 0638: PRODUÇÃO DE SEMENTES IMPORTÂNCIA DAS SEMENTES Julio Marcos Filho Tecnologia de Sementes DEPTO. DE PRODUÇÃO VEGETAL USP/ESALQ A SEMENTE É MATERIAL UTILIZADO PARA A MULTIPLICAÇÃO DE PLANTAS E,

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO

CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO ENCONTRO REGIONAL SOBRE TECNOLOGIAS DE PRODUÇÃO DE MILHO E SOJA 61 CULTIVARES DE SOJA NA REGIÃO NORTE DO ESTADO DE SÃO PAULO LOPES, L.G. 1 CLEMENTE FILHO, A. 1 UNÊDA-TREVISOLI, S.H. 2 RECO, P.C. 3 BARBARO,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS AGRONÔMICOS LTDA Av. Norte,

Leia mais

Termos para indexação: Chenopodium quinoa, quinoa Introdução

Termos para indexação: Chenopodium quinoa, quinoa Introdução EFEITO DA VARIAÇÃO POPULACIONAL NOS COMPONENTES DE RENDIMENTO DE QUINOA Juliana Evangelista da Silva Rocha 1, Carlos Roberto Spehar 1 ( 1 Universidade de Brasília, Campus Universitário Darcy Ribeiro, 70910-900

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

JAN/2017. Haroldo Rix Engenheiro Agrônomo Gerente Nacional. Juliana Baldin Engenheira Agrônoma Sinop MT (65)

JAN/2017. Haroldo Rix Engenheiro Agrônomo Gerente Nacional. Juliana Baldin Engenheira Agrônoma Sinop MT (65) JAN/2017 Haroldo Rix Engenheiro Agrônomo Gerente Nacional Juliana Baldin Engenheira Agrônoma Sinop MT (65) 9 9697-5040 NUTRIÇÃO FOLIAR - aspectos 1. NUTRICIONAL: aplicação do nutriente aplicado para atender

Leia mais

Cultivares de Soja 1999

Cultivares de Soja 1999 Cultivares de Soja 1999 EMBRAPA-CNPSo. Documentos, 123 ISSN 0101-59 A presentação comitê de publicações CLARA BEATRIZ HOFFMANN-CAMPO presidente ALEXANDRE JOSÉ CATTELAN ALEXANDRE LIMA NEPOMUCENO LÉO PIRES

Leia mais

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M.

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M. Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1 Antônio M. Coelho 2 1 Parcialmente financiado pela Sul Óxidos Industria e Comércio

Leia mais

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS 05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DE DOENÇAS NA CULTURA DA SOJA EM DUAS EPOCAS DE SEMEADURA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência dos principais

Leia mais

Amaldo Ferreira da Silva Antônio Carlos Viana Luiz André Correa. r José Carlos Cruz 1. INTRODUÇÃO

Amaldo Ferreira da Silva Antônio Carlos Viana Luiz André Correa. r José Carlos Cruz 1. INTRODUÇÃO CRUZ, 1987 J.C. SEMEADURA DO MILHO 1. INTRODUÇÃO Amaldo Ferreira da Silva Antônio Carlos Viana Luiz André Correa r José Carlos Cruz O milho é a cultura mais largamente plantada no Brasil, com cerca de

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 15 EFEITO DA APLICAÇÃO FOSFATADA VIA FOLIAR NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o comportamento da cultura da soja mediante adubação complementar de fósforo via aplicação foliar através do produto Free

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA CONVENCIONAL COLETADAS EM TRÊS POSIÇÕES DA PLANTA Tiago R. Sousa¹*(PG), Marina C. Guerrero²(PG), Itamar R. Teixeira³(PQ), Sebastião P. Silva Neto

Leia mais

Melhoramento Genético do Arroz

Melhoramento Genético do Arroz CULTURA DO ARROZ 7 - Cultivares Melhoramento Genético do Arroz Brasil -1937 - O IAC iniciou um programa de melhoramento de arroz com enfoque para o sistema de terras altas. -1938 O IRGA (RS) iniciou o

Leia mais

Relato: Evolução da Ferrugem Asiática da Soja (Phakopsora pachyrhizi) em Goiás e Distrito Federal. Safras 2001/02 a 2006/07.

Relato: Evolução da Ferrugem Asiática da Soja (Phakopsora pachyrhizi) em Goiás e Distrito Federal. Safras 2001/02 a 2006/07. SEAGRO, AGENCIARURAL, AGRODEFESA, MAPA, EMBRAPA Soja, EMBRAPA Cerrados, CTPA, FAEG, OCB-GO, UFGo, UEG,Universidade de Rio Verde- FESURV, FIMES, ULBRA, AEPAGO, Uni-Anhanguera Relato: Evolução da Ferrugem

Leia mais

Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura

Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno Carlos Pitol Ricardo Barros Antônio Reinaldo Schneid 1 2 3 4 5 5.1. Introdução À medida que aumenta o nível tecnológico

Leia mais

Rafael de Souza Nunes, Embrapa Cerrados Djalma Martinhão G. de Sousa, Embrapa Cerrados Maria da Conceição S. Carvalho, Embrapa Arroz e Feijão

Rafael de Souza Nunes, Embrapa Cerrados Djalma Martinhão G. de Sousa, Embrapa Cerrados Maria da Conceição S. Carvalho, Embrapa Arroz e Feijão Rafael de Souza Nunes, Embrapa Cerrados Djalma Martinhão G. de Sousa, Embrapa Cerrados Maria da Conceição S. Carvalho, Embrapa Arroz e Feijão Palestra realizada no dia 28 de setembro de 2017 no 12 CONAFE

Leia mais

O milho que colhemos e o que poderíamos colher: rentabilidade

O milho que colhemos e o que poderíamos colher: rentabilidade O milho que colhemos e o que poderíamos colher: rentabilidade Dirceu Gassen Witmarsum 05 agosto 2016 Agradecimentos Agricultores Consultores Ciência Witmarsum Milhões 17,6 Produção de milho no PR Conab/DNGassen

Leia mais

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL

CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL Nº. 7, set./94, p.1-5 CARACTERÍSTICAS AGRONÔMICAS DE CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO E DE SEQUEIRO RECOMENDADAS PARA O MATO GROSSO DO SUL João Carlos Heckler¹ Carlos Ricardo Fietz² Reinaldo Bazoni³ 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS PARA PRODUÇÃO DE SOJA VERDE OU TIPO HORTALIÇA Rafael Santos Finholdt (1), Roberto Kazuhiko Zito (2), Maria Eugenia Lisei de Sá (3) (1) Bolsista PIBIC FAPEMIG/EPAMIG, rafaelfinholdt@yahoo.com.br;

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 04 EFEITO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTA SOJA Objetivo Avaliar a produtividade e atributos agronômicos de três cultivares de soja com hábitos de crescimento distintos em dois espaçamentos entre linhas

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO

TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Rosa Maria Mendes Freire 1, Catarina Chagas de Andrade 2, Liv Soares Serveino

Leia mais

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA BONFADA, Élcio B. 1 ; FIORIN, Jackson E. 2 ; SILVA, Alieze N. da 3 ; WYZYKOWSKI, Tiago 4 Palavras-chave: Nutrição de Plantas.

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA Mariéle Carolina EBERTZ 1 ; Gilmar Silvério da ROCHA 2 1 Aluna do Curso Técnico em Agropecuária, Instituto Federal Catarinense, Campus Rio do Sul,

Leia mais

Análise crítica da dependência dos fungicidas para o manejo de doenças em soja. Carlos Forcelini

Análise crítica da dependência dos fungicidas para o manejo de doenças em soja. Carlos Forcelini Análise crítica da dependência dos fungicidas para o manejo de doenças em soja Carlos Forcelini Campo experimental UPF Foto: Laercio Hoffmann Campo Experimental UPF Campo experimental Cotripal Principais

Leia mais

Base de dados. Assessoría Agrícola. Produtores do grupo de. Área Total de Soja: has.

Base de dados. Assessoría Agrícola. Produtores do grupo de. Área Total de Soja: has. Eng. Agr. Tilio Lucas 30 de Junho 2015 Base de dados Produtores do grupo de Assessoría Agrícola Área Total de Soja: 7514.93 has. Produtividade do Grupo Grupo Agrícola Área total (ha) Produtividade Sc/ha

Leia mais

Sistema Plantio Direto e Integração Lavoura-Pecuária em Mato Grosso do Sul

Sistema Plantio Direto e Integração Lavoura-Pecuária em Mato Grosso do Sul Sistema Plantio Direto e Integração Lavoura-Pecuária em Mato Grosso do Sul Julio Cesar Salton Pesquisador da Embrapa Agropecuária Oeste Dourados/MS É consenso afirmar que o Sistema Plantio Direto (SPD)

Leia mais

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR SUPREMA

AVEIA BRANCA FORRAGEIRA IPR SUPREMA RELAÇÃO FOLHA/COLMO Proporção 1,5:1 2,7:1 4,4:1 15,0:1 SUGESTÃO DE SEMEADURA Para produção de forragem Épocas de semeadura: abril e maio para as regiões Norte e Oeste do Paraná; de março a maio para a

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ DE SEQUEIRO 2012/13 1

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ DE SEQUEIRO 2012/13 1 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ DE SEQUEIRO 2012/13 1 TRAGNAGO, José Luiz 2 ; BONAZZA, Luiz Gustavo 3 ; BRESSA, Vinicius 4 Palavras chave: Competição cultivares. Arroz. Rendimento de grãos. Introdução

Leia mais

INTERFERÊNCIA DA VELOCIDADE E DOSES DE POTÁSSIO NA LINHA DE SEMEADURA NA CULTURA DO MILHO

INTERFERÊNCIA DA VELOCIDADE E DOSES DE POTÁSSIO NA LINHA DE SEMEADURA NA CULTURA DO MILHO INTERFERÊNCIA DA VELOCIDADE E DOSES DE POTÁSSIO NA LINHA DE SEMEADURA NA CULTURA DO MILHO Odair José Lucatelli 1, Neuri Antonio Feldmann 2, Fabiana Raquel Mühl 3, Andersom Clayton Rhoden 2 Palavras chave:

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA

CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA DESEMPENHO DE CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA O RIO GRANDE DO SUL Julho, 2012 RESULTADOS DE 2011 2012 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas pelo zoneamento agrícola, em ensaios

Leia mais

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG.

AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI. Bolsista PBIC/UEG, graduanda do curso de Agronomia, UnU Ipameri-UEG. AVALIAÇÃO PRODUTIVA DE LINHAGENS DE FEIJÃO-VAGEM EM CULTURA TUTORADA EM IPAMERI FERNANDA DE CÁSSIA SILVA 1, NEI PEIXOTO 2, MARIA MARTA ANTÔNIA DA SILVA 3, DIANA CRISTINA DA SILVA 3. 1 Bolsista PBIC/UEG,

Leia mais

MATURAÇÃO RELATIVA DAS CULTIVARES. Falou Sementes de Soja, Falou Brejeiro. E Tá Falado!

MATURAÇÃO RELATIVA DAS CULTIVARES. Falou Sementes de Soja, Falou Brejeiro. E Tá Falado! 1 MATURAÇÃO RELATIVA DAS CULTIVARES O Grupo Brejeiro completou 70 anos de atividades e tem bons motivos para comemorar. Comemorar significa fazer com mais empenho e trabalho tudo o que sempre desenvolvemos.

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios

AGRICULTURA I Téc. Agronegócios AGRICULTURA I Téc. Agronegócios CULTURA DO MILHO IFSC CÂMPUS LAGES FENOLOGIA DO MILHO INTRODUÇÃO: Ciclo vegetativo variado Evidencia cultivares desde extremamente precoces, cuja polinização pode ocorrer

Leia mais

Híbridos de. Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado.

Híbridos de. Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado. Híbridos de SORGO Os híbridos de sorgo Dow AgroSciences apresentam um portifólio completo com liderança marcante no mercado. 1G233 Estabilidade produtiva, com qualidade de grãos Altura: 1,15m semiaberta

Leia mais

Soja: Lavoura mais produtiva e 06 Tolerante à Seca

Soja: Lavoura mais produtiva e 06 Tolerante à Seca Soja: Lavoura mais produtiva e 06 à Seca 1 1 Carlos Pitol 2 2 Carlos Pitol Dirceu Dirceu Luiz Broch Luiz Broch 6.1. Introdução A soja é reconhecida como uma cultura muito tolerante à seca, em comparação

Leia mais

GERMINAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA DA SOJA EM DIFERENTES MANEJOS DO SOLO

GERMINAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA DA SOJA EM DIFERENTES MANEJOS DO SOLO GERMINAÇÃO E SOBREVIVÊNCIA DA SOJA EM DIFERENTES MANEJOS DO SOLO Alberto Kazushi Nagaoka 1 Kleber Pereira Lanças 2 Paulo Roberto Arbex Silva 3 Pedro Castro Neto 4 Antonio Carlos Fraga 5 RESUMO Do ponto

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

A densidade de semeadura, em sistemas de produção SUE, normalmente está na ordem de a plantas por hectare, com uma distância entre sul

A densidade de semeadura, em sistemas de produção SUE, normalmente está na ordem de a plantas por hectare, com uma distância entre sul Sistemas de Produção de Algodão em Sulco Ultra-Estreito: Uma opção para o Brasil? Juan A. Landivar Delta and Pine Land Internacional Uberlândia, Brasil Os custos para a produção de algodão continuam aumentando

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A

CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A D E S E M P E N H O D E CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A O R I O G R A N D E D O S U L Julho, 2013 RESULTADOS DE 2012 2013 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas

Leia mais

Marilda Pereira Porto 1 Claudio Alberto Sousa da Silva 1 José Maria Barbat Parfitt 1 Silvio Steinmetz 1

Marilda Pereira Porto 1 Claudio Alberto Sousa da Silva 1 José Maria Barbat Parfitt 1 Silvio Steinmetz 1 IMPLANTACÃO I DA LAVOURA DE MILHO Marilda Pereira Porto 1 Claudio Alberto Sousa da Silva 1 José Maria Barbat Parfitt 1 Silvio Steinmetz 1 A etapa de implantação da cultura é uma das mais importantes dentro

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o agronegócio

Leia mais

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Julio Cezar Franchini Eleno Torres Luiz Gustavo Garbelini Mario

Leia mais

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ

DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ DENSIDADE DE SEMEADURA E POPULAÇÃO INICIAL DE PLANTAS PARA CULTIVARES DE TRIGO EM AMBIENTES DISTINTOS DO PARANÁ José Salvador Simoneti Foloni 1*, Manoel Carlos Bassoi 1, Luis César Vieira Tavares 1, Larissa

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

RESULTADOS DE DESEMPENHO DAS CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA SC, PR, SP e MS. Julho, 2010

RESULTADOS DE DESEMPENHO DAS CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA SC, PR, SP e MS. Julho, 2010 DESEMPENHO DAS CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA SC, PR, SP e MS Julho, 2010 RESULTADOS DE 2009 2010 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas pelo zoneamento agrícola, em ensaios

Leia mais

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA

INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA INFLUÊNCIA DO ESTÁDIO DE MATURAÇÃO DA SEMENTE E DA PROFUNDIDADE DE SEMEADURA III: FITOMASSA DA MAMONEIRA Amanda Micheline Amador de Lucena 1, Liv Soares Severino 2, Valdinei Sofiatti 2, Maria Aline de

Leia mais

Ensaio Intermediário de Cevada

Ensaio Intermediário de Cevada Ensaio Intermediário de Cevada - 1998 Antoniazzi, N. 1; Arias, G.N. 2 ; Minella, E. 2 Objetivos Avaliar as linhagens promovidas a partir dos Ensaios CEV de Cevada, visando selecionar em diferentes locais,

Leia mais

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes

7 Consórcio. Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 7 Consórcio Dino Magalhães Soares Tomás de Aquino Portes 153 Desde quando o consórcio é utilizado no Brasil? O cultivo em consórcio é empregado, na prática, no Brasil, há muito tempo, mas, só a partir

Leia mais

Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima

Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima Características e Desempenho Produtivo de Cultivares de Arroz de Terras Altas Recomendadas para Roraima Antonio Carlos Centeno Cordeiro. Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o cultivo

Leia mais

Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão

Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão 40ª Reunião de Pesquisa de Soja da Região Sul - Atas e Resumos 145 Influência da População de Plantas: Caracterização Morfológica de Cultivares de Soja em Solos de Varzeasob Irrigação por Aspersão Ewerton

Leia mais

EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1

EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1 PARA PESQUISA E DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS ESTRADA DA USINA VELHA KM 2 - CAIXA POSTAL 105 TEL/FAX(067)454-2631 MARACAJU/MS - CEP 79150-000 http://www.sidronet.com.br/fundacaoms E-mail: fundacao@sidronet.com.br

Leia mais

Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro

Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro XXX Congresso Brasileiro da Ciência das Plantas Daninhas Novos conceitos de manejo de plantas daninhas na cultura do feijoeiro Luiz A. Kozlowski Professor - UEPG Feijão Brasil X Paraná 1 ª safra 2 ª safra

Leia mais

DESEMPENHO DE SEMENTES E PLANTAS DE MILHO HÍBRIDO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM ALTA E BAIXA QUALIDADE FISIOLÓGICA

DESEMPENHO DE SEMENTES E PLANTAS DE MILHO HÍBRIDO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM ALTA E BAIXA QUALIDADE FISIOLÓGICA DESEMPENHO DE SEMENTES E PLANTAS DE MILHO HÍBRIDO ORIGINADAS DE LOTES DE SEMENTES COM ALTA E BAIXA QUALIDADE FISIOLÓGICA MARCOS PAULO LUDWIG 1, LUIS OSMAR BRAGA SCHUCH 1, ORLANDO ANTONIO LUCCA FILHO 1,

Leia mais

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO

PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE FEIJÃO COM SEMENTES DISPONÍVEIS NO MERCADO IAPAR 81 Cultivar do grupo carioca, de porte ereto, recomendada para cultivo a partir de junho de 1997. Apresenta

Leia mais

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO

QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO QUALIDADE FISIOLÓGICA DE SEMENTES DE SOJA EM FUNÇÃO DE TESTE DE GERMINAÇÃO PHYSIOLOGIC QUALITY OF SOYBEAN SEEDS IN FUNCTION OF GERMINATION Ayza Eugênio Viana Camargos (1) Resumo Antonio Pizolato Neto (2)

Leia mais

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução

Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul. Introdução Avaliação de variedades sintéticas de milho em três ambientes do Rio Grande do Sul Machado, J.R. de A. 1 ; Guimarães, L.J.M. 2 ; Guimarães, P.E.O. 2 ; Emygdio, B.M. 3 Introdução As variedades sintéticas

Leia mais

RELATÓRIO ANO

RELATÓRIO ANO RELATÓRIO ANO 2009-2010 QUALIDADE FÍSICA, GENÉTICA E FISIOLÓGICA DE SEMENTES Pesquisadora: MSc. SHEILA FANAN Primavera do Leste-MT Dezembro/2010 2 Semente de boa qualidade física, fisiológica, sanitária

Leia mais

Dinâmica e manejo de doenças. Carlos A. Forcelini

Dinâmica e manejo de doenças. Carlos A. Forcelini Dinâmica e manejo de doenças Carlos A. Forcelini Campo Experimental UPF (28º10 S, 52º20 W, 687m) 6 km Manejo de doenças e rendimento de grãos Com manejo Sem manejo 2009 58 27 2010 56 33 2011 61 45 Fatores

Leia mais