RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso."

Transcrição

1 RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP: Fone: (65) Responsáveis Técnicos: PAULO SÉRGIO DE ASSUNÇÃO, Eng. Agrônomo, CREA PR-25355/D MT Nacional DANIEL BENNEMANN FRASSON, Eng. Agrônomo, CREA MT Nacional Setembro/2013

2 OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi avaliar as características agronômicas de 51 cultivares de Soja semeadas em 2 épocas na região Parecis do Mato Grosso (Diamantino-MT). MATERIAL E MÉTODOS Condução experimental O ensaio foi conduzido na estação experimental da P.A Consultoria Agronômica, Pesquisa & Agricultura de Precisão, localizada na Fazenda São Paulo, distrito de Deciolândia, no município de Diamantino-MT. Latitude ,9 S e longitude ,1 W, a uma altitude de 592 metros. O solo da área experimental caracteriza-se como argiloso (argila 60%) e de alta fertilidade. A adubação utilizada no sulco de plantio foi de 250 kg/ha da fórmula e 150 kg/ha de Cloreto de Potássio à lanço em pré-semeadura. As cultivares foram ordenadas por grupo de maturação e o plantio realizado em 2 épocas: 1ª (26/10/2012) e 2 ª (08/11/2012). A recomendação populacional é baseada nas recomendações para solos de alta fertilidade. (Anexo I) As parcelas experimentais constituíram-se de faixas de plantio de 23

3 metros de comprimento x 12 linhas. Para controle de doenças, foram realizadas aplicações quinzenais de fungicidas, a partir dos 40 D.A.E, sendo as 2 primeiras aplicações de FOX + Aureo e nas demais intercalando APROACH PRIMA e/ou PRIORI XTRA + Nimbus. Para controle de plantas daninhas foram realizadas 2 aplicações de FLEX + Energic. Os demais tratos culturais de acordo com as especificações técnicas para a cultura na região central do Brasil. Avaliações e parâmetros avaliados Foram avaliados em cada cultivar o estande aos 30 dias após a emergência (D.A.E), realizando-se 8 repetições de 5 metros de comprimento. Início do florescimento e cor da flor. Aos 60 D.A.E coletadas amostras para quantificação do número de nematoides presentes no solo e nas raízes de cada cultivar. Nos estádios R 5.3 e R.5.5 realizadas avaliações para verificação da severidade de doenças (Anexo II) Próximo a maturação fisiológica foram medidos: altura de planta (solo até ultima vagem), altura de inserção de 1ª vagem e diâmetro de caule. Para produtividade final foram colhidas 3 repetições de 4 linhas x 4 metros de comprimento. Para P.M.G (peso de 1000 grãos) realizadas 2 subamostras dentro de cada repetição. Os dados foram submetidos ao Teste de

4 Scott-Knot ao nível de 5% de probabilidade. RESULTADOS E DISCUSSÃO Na primeira época de semeadura foram distribuídas sementes/metro a mais do que o necessário (anexo I) para manutenção de estande, levando em consideração a germinação dos lotes. Isso deu-se pelas condições de baixa umidade no solo, no entanto, algumas cultivares ficaram com estande prejudicado. Na segunda época de semeadura as condições de umidade no solo no plantio apresentavam-se ideias e a população foi ajustada com os responsáveis de cada empresa, na maioria das cultivares o estande não foi comprometido. A tabela 1 mostra o estande final das 2 épocas de semeadura e o início do florescimento das cultivares testadas.

5 Tabela 1 Estande final de plantas (1ª e 2ª época de semeadura), início de florescimento e cor da flor de cada cultivar de soja em ensaio de competição entre cultivares. Estação Experimental P.A Consultoria Agronomica, Pesquisa & Agricultura de Precisão, Deciolândia, Diamantino-MT. Ordem G.M CULTIVAR Estande 1ª época Florescimento Estande 2ª época Florescimento Cor da Flor Syn 1059 RR - Vtop 13, ,3 29 Branca NK 7059 RR 14, ,3 30 Branca SYN 1163 RR 17, ,2 30 Roxa CD 2680 RR 19, ,7 30 Branca BMX Potencia - BRASMAX 20, ,7 30 Branca SA 701 RR 19, ,5 28 Branca P 97 R 01 15, ,2 26 Roxa BMX Furia - BRASMAX 15, ,0 31 Roxa P 97 R 21 16, ,5 28 Branca CD 2737 RR 19, ,1 32 Branca AS 7307 RR 10, ,4 38 Roxa N ,2 30 Branca BMX Desafio RR - BRASMAX 12, ,2 31 Branca TMG 1174 RR 20, ,0 30 Branca TMG 1176 RR 14, ,2 36 Branca M , ,2 33 Roxa P 97 R 71 15, ,7 35 Branca N , ,6 33 Branca BMX Raça RR - BRASMAX 12,0 30 8,6 30 Roxa

6 TMG 1179 RR 17, ,0 38 Roxa CD 2792 RR 13, ,6 36 Roxa CD , ,4 37 Branca Syn 1080 RR 12, ,9 33 Roxa P98Y11 RR 13, ,4 35 Branca N , ,5 42 Roxa P98Y12 RR 13, ,2 37 Branca TMG 1182 RR 13, ,8 42 Roxa TMG , ,8 42 Branca SYN 1283 RR 12, ,3 36 Roxa AS 8380 RR 9, ,8 32 Roxa P98Y30 RR 10, ,6 39 Branca Tucunaré 12, ,0 42 Branca CD , ,2 42 Roxa SYN 1285 RR 13, ,6 42 Roxa N , ,7 42 Roxa P98Y51 8,4 42 9,7 42 Branca TMG , ,8 42 Branca TMG 132 RR ,3 42 Branca Pintado 10, ,5 42 Branca TMG 133 RR 11, ,3 43 Branca CD 237 RR 12, ,0 43 Roxa CODIFICADO NIDEIRA 12, Roxa

7 M , ,1 42 Roxa M 8766 RR 10, ,7 42 Roxa Tabarana 9, ,7 42 Branca P98Y70 RR 9, ,5 45 Branca M , ,9 45 Branca TMG 1188 RR 11, ,1 30 Branca TMG 7188 RR - INOX 8, ,0 45 Roxa M 9144 RR 8,1 45 8,6 45 Roxa TMG , ,8 51 Roxa

8 No anexo III podem ser observador os resultados de altura de planta (cm), altura de inserção de 1ª vagem (cm) e diâmetro de caule (mm). No anexo IV a porcentagem de vagens com 1,2,3 e 4 grãos/planta. A área experimental apresenta os nematoides Heterodera glicynes e Prathylenchus brachyurus. Assim sendo, foi realizada análise nematológica de cada cultivar e os resultados são apresentados na tabela 2. A mancha alvo é uma doença que vem sendo considerada como de importância na cultura da soja, devido a potencial de redução de produtividade. Portanto, na tabela 03 está apresentada a severidade da doença nas cultivares em dois momentos: R 5.3 (momento de alta manifestação dos sintomas) e R 5.5 (próximo ao fim do enchimento dos grãos). Além disso, o ciclo de cada cultivar em dias e a antecipação de ciclo da 1ª para 2ª época de plantio. Na tabela 04 podem ser observados os resultados de produtividade e peso de 1000 grãos do ensaio. Já na tabela 5, as cultivares estão apresentadas em grupos de acordo com o ciclo: super-precoce (< 100 dias), precoce (101 a 115 dias), médio (116 a 125 dias) e tardio (> 126 dias), apresentadas em ordem de maior para a menor produtividade na 1ª época.

9 Tabela 2 Resultado nematológico das cultivares aos principais nematoides da cultura da soja. Estação Experimental P.A Consultoria Agronomica, Pesquisa & Agricultura de Precisão, Deciolândia, Diamantino-MT. Meloidogyne spp. Ordem CULTIVAR P. brachyurus H. Glycines Solo Raiz Solo Raiz Solo Raiz 1 Syn 1059 RR - Vtop Zero Zero NK 7059 RR Zero Zero Zero Zero 3 SYN 1163 RR Zero Zero Zero 4 CD 2680 RR Zero Zero BMX Potencia - BRASMAX Zero Zero Zero SA 701 RR Zero Zero P 97 R 01 Zero Zero BMX Furia - BRASMAX Zero Zero Zero 9 P 97 R 21 Zero Zero Zero 10 CD 2737 RR Zero Zero Zero 11 AS 7307 RR Zero Zero N 7490 Zero Zero Zero 13 BMX Desafio RR - BRASMAX Zero Zero Zero Zero 14 TMG 1174 RR Zero Zero TMG 1176 RR Zero Zero M 7639 Zero Zero Zero P 97 R 71 Zero Zero Zero N 7901 Zero Zero Zero 19 BMX Raça RR - BRASMAX Zero Zero Zero TMG 1179 RR Zero Zero Zero

10 21 CD 2792 RR Zero Zero CD 2800 Zero Zero Zero Syn 1080 RR Zero Zero Zero 240 Zero P98Y11 RR Zero Zero Zero 25 N 8290 Zero Zero Zero Zero 26 P98Y12 RR Zero Zero Zero Zero 27 TMG 1182 RR Zero TMG 4182 Zero Zero Zero 29 SYN 1283 RR Zero Zero Zero 1540 Zero Zero 30 AS 8380 RR Zero Zero P98Y30 RR Zero Zero Tucunaré Zero Zero Zero CD 2840 Zero Zero Zero SYN 1285 RR Zero Zero Zero Zero 35 N 8572 Zero Zero Zero 36 P98Y Zero 70 Zero Zero 37 TMG 4185 Zero Zero Zero TMG 132 RR Zero Zero Zero Pintado Zero Zero Zero 40 TMG 133 RR Zero Zero Zero Zero 41 CD 237 RR Zero Zero Zero Zero 42 CODIFICADO NIDEIRA Zero Zero M 8757 Zero Zero Zero Zero 44 M 8766 RR Zero Zero Zero Zero

11 45 Tabarana Zero Zero Zero 90 Zero Zero 46 P98Y70 RR Zero 70 Zero Zero 47 M 8866 Zero Zero Zero 30 Zero Zero 48 TMG 1188 RR Zero Zero Zero 50 Zero Zero 49 TMG 7188 RR - INOX Zero Zero Zero M 9144 RR Zero Zero Zero 51 TMG 4190 Zero Zero Zero Zero

12 Tabela 3 - Avaliação de doença, ciclo e antecipação de ciclo de cada cultivar em ensaio de competição entre cultivares. Estação Experimental P.A, Deciolândia, Diamantino-MT. Ordem G.M CULTIVAR Mancha Alvo 1ª Epoca (%) Ciclo Mancha Alvo 2ª Epoca (%) R 5.3 R 5.5 (dias) R 5.3 R 5.5 Ciclo (dias) Antecipação ciclo (1ª para 2ª época) Syn 1059 RR - Vtop NK 7059 RR SYN 1163 RR CD 2680 RR BMX Potencia BRASMAX SA 701 RR P 97 R BMX Furia - BRASMAX P 97 R CD 2737 RR AS 7307 RR N BMX Desafio RR BRASMAX TMG 1174 RR TMG 1176 RR M P 97 R N

13 19 BMX Raça RR BRASMAX TMG 1179 RR CD 2792 RR CD Syn 1080 RR P98Y11 RR N P98Y12 RR TMG 1182 RR TMG SYN 1283 RR AS 8380 RR P98Y30 RR Tucunaré CD SYN 1285 RR N P98Y TMG TMG 132 RR Pintado TMG 133 RR

14 CD 237 RR XI M M 8766 RR Tabarana P98Y70 RR M TMG 1188 RR TMG 7188 RR - INOX M 9144 RR TMG

15 Tabela 4 Peso de 1000 grãos e produtividade (sacas/ha) em ensaio de competição entre cultivares. Estação Experimental P.A, Deciolândia, Diamantino-MT. 1ª Época 2ª Época Ordem G.M CULTIVAR M.A. (%) - R 5.5 P.M.G P.M.G Produtividade (sacas/ha) M.A. (%) - R 5.5 (g) (g) Produtividade (sacas/ha) Syn 1059 RR - Vtop 1,0 160,33 e 54,06 d 1,0 162,20 d 61,33 a NK 7059 RR 3,0 179,73 d 62,36 d 3,0 179,73 b 65,43 a SYN 1163 RR 5,0 167,30 e 60,20 d 3,0 164,70 d 67,66 a CD 2680 RR 10,0 151,23 f 69,16 b 20,0 146,33 g 61,66 a BMX Potencia - BRASMAX 15,0 164,03 e 66,50 c 15,0 163,83 d 63,00 a SA 701 RR 10,0 157,10 f 62,63 d 7,0 159,53 e 60,63 a P 97 R 01 10,0 162,83 e 56,70 d 7,0 164,46 d 61,53 a BMX Furia - BRASMAX 5,0 206,86 a 78,90 a 5,0 191,26 a 56,93 b P 97 R 21 7,0 168,46 e 69,00 b 5,0 158,96 e 65,30 a CD 2737 RR 3,0 158,80 f 75,26 a 7,0 149,50 g 64,60 a AS 7307 RR 15,0 163,60 e 67,36 b 10,0 151,50 g 60,23 a N ,0 139,86 h 54,93 b BMX Desafio RR - BRASMAX 3,0 184,93 c 70,80 b 15,0 159,73 e 61,80 a TMG 1174 RR 15,0 118,63 h 70,20 b 20,0 116,70 j 68,43 a TMG 1176 RR 10,0 152,40 f 71,53 b 15,0 131,43 i 55,56 b M ,0 153,03 f 74,30 a 15,0 143,86 h 61,70 a P 97 R 71 10,0 161,20 e 72,96 b 10,0 158,00 e 55,90 b N ,0 158,06 f 71,33 b 10,0 148,96 g 62,06 a BMX Raça RR - BRASMAX 5,0 194,76 b 70,63 b 10,0 161,93 d 53,40 b

16 TMG 1179 RR 10,0 116,50 h 73,73 a 15,0 104,66 k 56,40 b CD 2792 RR 5,0 170,13 e 59,26 d 20,0 163,33 d 51,80 b CD ,0 177,63 d 63,90 c 40,0 168,80 c 48,83 c Syn 1080 RR 3,0 156,90 f 73,06 a 5,0 143,13 h 60,43 a P98Y11 RR 30,0 173,80 d 75,80 a 35,0 166,00 d 56,33 b N ,0 148,40 f 58,07 d 10,0 150,33 g 47,26 c P98Y12 RR 20,0 178,66 d 72,80 b 15,0 160,96 d 52,93 b TMG 1182 RR 10,0 164,63 e 59,66 d 25,0 154,16 g 52,66 b TMG ,0 168,70 e 68,06 b 25,0 163,43 d 56,50 b SYN 1283 RR 3,0 183,40 c 66,86 c 5,0 168,80 c 50,10 c AS 8380 RR 25,0 166,46 e 62,06 d 25,0 157,06 e 48,73 c P98Y30 RR 3,0 154,53 f 69,66 b 3,0 141,10 h 57,10 b Tucunaré 25,0 170,96 d 62,76 d 20,0 172,63 c 53,83 b CD ,0 156,66 f 66,56 c 20,0 147,03 g 55,76 b SYN 1285 RR 3,0 176,53 d 72,40 b 10,0 156,46 e 56,30 b N ,0 139,93 g 65,60 c 15,0 141,63 h 56,90 b P98Y51 30,0 174,13 d 61,76 d 40,0 168,40 c 53,90 b TMG ,0 158,53 f 79,06 a 30,0 145,63 g 52,50 b TMG 132 RR 25,0 134,76 g 69,30 b 40,0 123,90 j 55,16 b Pintado 25,0 187,93 c 65,80 c 40,0 183,26 b 56,66 b TMG 133 RR 25,0 168,50 e 67,10 c 45,0 156,16 f 55,66 b CD 237 RR 15,0 153,63 f 59,86 d 20,0 130,70 i 52,03 b CODIFICAO NIDEIRA 20,0 137,70 g 66,46 c M ,0 177,36 d 70,16 b 15,0 155,90 f 55,56 b

17 M 8766 RR 5,0 135,73 g 62,70 d 10,0 123,06 j 43,83 c Tabarana 30,0 150,66 f 61,26 d 35,0 137,06 i 50,66 c P98Y70 RR 7,0 159,90 e 71,30 b 15,0 135,16 i 48,33 c M ,0 133,76 g 66,46 c 5,0 122,73 j 49,06 c TMG 1188 RR 30,0 102,86 i 63,50 c 35,0 98,80 k 45,70 c TMG 7188 RR - INOX 25,0 162,90 e 60,76 d 30,0 148,96 g 44,80 c M 9144 RR 3,0 171,73 d 70,30 b 10,0 156,50 e 45,20 c TMG ,0 149,40 f 59,70 d 20,0 136,56 i 49,46 c C.V (%) - 3,21 5,37-2,91 7,46 Médias seguidas de mesma letra nas colunas não diferem entre si pelo Teste de Scott-Knott ao nível de 5,0% de probabilidade

18 Tabela 5 Produtividade (sacas/ha) em função do ciclo (super precoce, precoce, médio e tardio) das cultivares, bem como a redução de produtividade e ciclo da 1ª em relação a 2ª época. Estação Experimental P.A Consultoria Agronômica, Pesquisa & Agricultura de Precisão, Deciolândia, Diamantino-MT. 1ª Época 2ª Época Redução Redução de produtividade ciclo Ordem G.M CULTIVAR Ciclo P.M.G (g) Produtividade (sacas/ha) P.M.G (g) Produtividade (sacas/ha) 1ª p/ 2ª época 1ª p/ 2ª época CICLO SUPER PRECOCE Média + 4,4 Média 0, SA 701 RR ,10 f 62,63 d 159,53 e 60,63 a -2,0 0, SYN 1163 RR ,30 e 60,20 d 164,70 d 67,66 a 7,5 0, P 97 R ,83 e 56,70 d 164,46 d 61,53 a 4,8 0, Syn 1059 RR - Vtop ,33 e 54,06 d 162,20 d 61,33 a 7,3 0,0 CICLO PRECOCE Média -12,0 Média -3, BMX Furia - BRASMAX ,86 a 78,90 a 191,26 a 56,93 b -22,0 3, P98Y11 RR ,80 d 75,80 a 166,00 d 56,33 b -19,5 2, CD 2737 RR ,80 f 75,26 a 149,50 g 64,60 a -10,7 5, M ,03 f 74,30 a 143,86 h 61,70 a -12,6 7, TMG 1179 RR ,50 h 73,73 a 104,66 k 56,40 b -17,3 5, Syn 1080 RR ,90 f 73,06 a 143,13 h 60,43 a -12,6 2, P 97 R ,20 e 72,96 b 158,00 e 55,90 b -17,1 3, P98Y12 RR ,66 d 72,80 b 160,96 d 52,93 b -19,9 2, SYN 1285 RR ,53 d 72,40 b 156,46 e 56,30 b -16,1 2, TMG 1176 RR ,40 f 71,53 b 131,43 i 55,56 b -16,0 0,0

19 BMX Desafio RR BRASMAX ,93 c 70,80 b 159,73 e 61,80 a -9,0 0, TMG 1174 RR ,63 h 70,20 b 116,70 j 68,43 a -1,8 5, BMX Raça RR - BRASMAX ,76 b 70,63 b 161,93 d 53,40 b -17,2 4, CD 2680 RR ,23 f 69,16 b 146,33 g 61,66 a -7,5 5, P 97 R ,46 e 69,00 b 158,96 e 65,30 a -3,7 6, AS 7307 RR ,60 e 67,36 b 151,50 g 60,23 a -7,1 3, SYN 1283 RR ,40 c 66,86 c 168,80 c 50,10 c -16,8 4, BMX Potencia - BRASMAX ,03 e 66,50 c 163,83 d 63,00 a -3,5 5, NK 7059 RR ,73 d 62,36 d 179,73 b 65,43 a 3,1 5, N ,86 h 54,93 b - - CICLO MÉDIO Média -9,7 Média -5, N ,06 f 71,33 b 148,96 g 62,06 a -9,3 8, P98Y30 RR ,53 f 69,66 b 141,10 h 57,10 b -12,6 6, TMG ,70 e 68,06 b 163,43 d 56,50 b -11,6 3, CD ,66 f 66,56 c 147,03 g 55,76 b -10,8 6, Pintado ,93 c 65,80 c 183,26 b 56,66 b -9,1 3, N ,93 g 65,60 c 141,63 h 56,90 b -8,7 4, CD ,63 d 63,90 c 168,80 c 48,83 c -15,1 6, Tucunaré ,96 d 62,76 d 172,63 c 53,83 b -8,9 6, P98Y ,13 d 61,76 d 168,40 c 53,90 b -7,9 3, CD 237 RR ,63 f 59,86 d 130,70 i 52,03 b -7,8 9, TMG 1182 RR ,63 e 59,66 d 154,16 g 52,66 b -7,0 3,0

20 CD 2792 RR ,13 e 59,26 d 163,33 d 51,80 b -7,5 6,0 CICLO TARDIO Média -16,4 Média -7, TMG ,53 f 79,06 a 145,63 g 52,50 b -26,56 11, P98Y70 RR ,90 e 71,30 b 135,16 i 48,33 c -22,97 5, M 9144 RR ,73 d 70,30 b 156,50 e 45,20 c -25,1 8, M ,36 d 70,16 b 155,90 f 55,56 b -14,6 3, TMG 132 RR ,76 g 69,30 b 123,90 j 55,16 b -14,14 6, TMG 133 RR ,50 e 67,10 c 156,16 f 55,66 b -11,44 11, CODIFICADO NIDEIRA ,70 g 66,46 c M ,76 g 66,46 c 122,73 j 49,06 c -17,4 5, TMG 1188 RR ,86 i 63,50 c 98,80 k 45,70 c -17,8 6, M 8766 RR ,73 g 62,70 d 123,06 j 43,83 c -18,87 5, AS 8380 RR ,46 e 62,06 d 157,06 e 48,73 c -13,33 5, Tabarana ,66 f 61,26 d 137,06 i 50,66 c -10,6 5, TMG 7188 RR - INOX ,90 e 60,76 d 148,96 g 44,80 c -15,96 9, TMG ,40 f 59,70 d 136,56 i 49,46 c -10,24 8, N ,40 f 58,07 d 150,33 g 47,26 c -10,81 11,0 C.V (%) - 3,21 5,37 2,91 7,46 - Médias seguidas de mesma letra nas colunas não diferem entre si pelo Teste de Scott-Knott ao nível de 5,0% de probabilidade

21 CONCLUSÃO A partir das condições de condução do ensaio e com base nos resultados obtidos podemos concluir que: A adubação, o controle de doenças e os tratos culturais foram realizados com o intuito da manifestação do máximo potencial produtivo de cada material, e o mesmo foi alcançado, cultivares atingindo quase 80,00 sacas/ha de produtividade; Na 1ª época de semeadura, as cultivares precoces apresentaram as maiores produtividade do ensaio, juntamente com a TMG 4185 (Tardia). As super-precoces ficaram nos últimos grupos de produtividade; Na 2ª época, as super-precoces e algumas precoces apresentaram as maiores produtividades do ensaio, não diferindo estatisticamente entre si. As cultivares de ciclo médio e longo perderam muita produção;

22 As condições climáticas da safra 2012/2013 foram as seguintes: elevadas temperaturas nos estádios iniciais de desenvolvimentos (novembro, dezembro e janeiro) bem como alto índice de molhamento foliar e baixa luminosidade (tempo nublado em feveiro, momento do enchimento de grãos de muitas das cultivares da 2ª época de semeadura). Fatos estes que interferiram no ciclo e na produtividade da cultivares da 1ª para 2ª época na seguinte ordem: o Super precoce: Produtividade média (+ 4,4 sacas/ha); O ciclo das cultivares manteve-se igual; o Precoce: Produtividade média (- 12,00 sacas/ha); Ciclo (Média de -3,50 dias); o Médio: Produtividade média (- 9,70 sacas/ha); Ciclo (Média de -5,25 dias); o Tardio: Produtividade média (- 16,40 sacas/ha); Ciclo (Média de -7,00 dias); Tangará da Serra, 13 de setembro de Paulo Sérgio de Assunção Eng. Agrônomo CREA PR-25355/D Nacional Daniel Bennemann Frasson Eng. Agrônomo CREA MT Nacional

23 ANEXO I Ordem G.M CULTIVAR PLANTAS/M ESPÇ. 0,45M Germinação (%) sementes/metro plantadeira Syn 1059 RR - Vtop 19,8 a 20, , NK 7059 RR 19,8 a 20, , SYN 1163 RR 19,8 a 20, , CD 2680 RR ,6 5 BMX Potencia BRASMAX 85 28, SA 701 RR , P 97 R a , BMX Furia - BRASMAX , P 97 R , CD 2737 RR , AS 7307 RR , N BMX Desafio RR - 19,5 7.4 BRASMAX 87 22, TMG 1174 RR , TMG 1176 RR 14 a 16-19, M , P 97 R , N BMX Raça RR BRASMAX 80 21,0

24 TMG 1179 RR , CD 2792 RR , CD , Syn 1080 RR , P98Y11 RR , N P98Y12 RR , TMG 1182 RR , TMG , SYN 1283 RR 13,5 a 14, , AS 8380 RR 13, , P98Y30 RR 12 a , Tucunaré 12 a , CD , SYN 1285 RR 13,5 a 14, , N P98Y51 12 a , TMG , TMG 132 RR 13 a , Pintado 11 a , TMG 133 RR 13 a , CD 237 RR , CODIFICADO NIDEIRA M ,9

25 M 8766 RR , Tabarana 11 a , P98Y70 RR 9 a , M , TMG 1188 RR 10 a , TMG 7188 RR - INOX , M 9144 RR 7 a , TMG ,1

26 ANEXO II Figura 1 - Escala Diagramática para avaliação de Mancha Alvo (Corynespora cassicola) da Soja. Fonte (Soares et. al 2009)

27 Figura 2 - Escala Diagramática para avaliação de DFC (Doenças de final de ciclo) da Soja. Fonte (Martins et. al 2004)

28 ANEXO III 1ª Época 2ª Época Ordem CULTIVAR Altura de planta (cm) Inserc. 1ªvagem (cm) Diam. Caule (mm) Altura de planta (cm) Inserc. 1ªvagem (cm) Diam. Caule (mm) 1 Syn 1059 RR - Vtop 54,9 7,9 5,2 57,0 8,1 5,5 2 NK 7059 RR 62,7 11,5 5,5 57,5 10,4 5,2 3 SYN 1163 RR 71,3 10,5 4,9 77,1 12,8 5,1 4 CD 2680 RR 71,0 10,6 5,5 86,2 12,55 5,4 5 BMX Potencia - BRASMAX 68,6 12,6 5,6 80,8 15,7 5,1 6 SA 701 RR 79,6 15,4 4,4 92,2 20,3 5,1 7 P 97 R 01 43,2 13,2 6,1 61,1 15,5 5,1 8 BMX Furia - BRASMAX 75,5 14,5 5,8 92,4 15,7 5,8 9 P 97 R 21 69,9 15,4 5,6 75,5 15,2 5,5 10 CD 2737 RR 71,3 11,8 4,9 88,1 12,5 4,1 11 AS 7307 RR 74,6 10,9 6,3 83,1 13,9 4,7 12 N ,9 13,9 5,6 13 BMX Desafio RR - BRASMAX 61,3 12,0 5,2 57,8 10,1 6,5 14 TMG 1174 RR 53,9 16,2 5,5 68,6 17,3 5,1 15 TMG 1176 RR 68,5 18,5 4,5 76,7 24,7 5,6 16 M ,2 14,4 5,7 87,7 14,6 6,7 17 P 97 R 71 42,0 13,4 6,0 55,8 18,3 5,5 18 N ,2 12,5 6,1 71,6 11,2 6,6

29 19 BMX Raça RR - BRASMAX 57,7 10,7 6,5 48,8 10,4 7,4 20 TMG 1179 RR 54,1 14,4 4,8 78,8 18,3 4,8 21 CD 2792 RR 66,8 21,3 5,9 70,9 17,7 5,6 22 CD ,9 20,2 5,2 79,5 26,1 4,4 23 Syn 1080 RR 46 10,7 6,1 46,4 10,5 6,5 24 P98Y11 RR 51,6 15,8 5,8 62,2 19,7 5,5 25 N ,4 18,9 7,2 90,6 18,7 6,7 26 P98Y12 RR 60,9 16,4 5,6 68,8 18,1 5,9 27 TMG 1182 RR 68,6 20,2 5,1 71,1 16,3 6,6 28 TMG ,8 19,9 5,2 80,1 22,8 5,2 29 SYN 1283 RR 73,2 10,6 6,5 77,1 15,9 6,1 30 AS 8380 RR 53,4 16,05 6,7 66,6 15,6 5,7 31 P98Y30 RR 48,8 14,0 6,7 60,4 14,6 6,5 32 Tucunaré 63,6 19,0 5,8 73,3 23,5 6,1 33 CD ,6 15,3 5,9 89,0 17,3 6,0 34 SYN 1285 RR 88,3 17 5,5 84,3 19,1 6,4 35 N ,3 18,1 6,4 85,7 18,4 5,7 36 P98Y51 55,4 14,6 6,7 66,8 16,7 6,8 37 TMG ,7 17,5 6,2 77,9 17,6 5,7 38 TMG 132 RR 67,3 13,2 5,8 79,5 14,7 6,4 39 Pintado 70,00 17,05 6,10 75,0 16,8 6,6 40 TMG 133 RR 77,50 17,30 6,00 77,6 14,4 6,4 41 CD 237 RR 59,15 15,60 6,70 68,4 15,3 6,6

30 42 CODIFICAO NIDEIRA 101,1 18,5 7, M ,60 12,70 7,40 71,6 17,6 8,0 44 M 8766 RR 77,70 17,60 8,20 82,1 18,1 8,2 45 Tabarana 64,90 14,35 7,30 64,9 14,2 6,4 46 P98Y70 RR 81,25 13,20 6,50 83,6 19,0 7,5 47 M ,60 14,50 7,50 83,9 18,8 6,7 48 TMG 1188 RR 88,20 13,50 7,20 74,5 15,6 6,2 49 TMG 7188 RR - INOX 78,70 13,30 7,70 84,4 18,1 6,7 50 M 9144 RR 72,2 15,1 8,2 83,4 16,7 8,1 51 TMG ,4 17,8 7,4 87,3 18,5 7,5

31 ANEXO IV Ordem CULTIVAR % de vagens com: 1 grão 2 grãos 3 grãos 4 grãos 1 Syn 1059 RR - Vtop NK 7059 RR SYN 1163 RR CD 2680 RR BMX Potencia - BRASMAX SA 701 RR P 97 R BMX Furia - BRASMAX P 97 R CD 2737 RR AS 7307 RR N BMX Desafio RR - BRASMAX TMG 1174 RR TMG 1176 RR M P 97 R N BMX Raça RR - BRASMAX TMG 1179 RR CD 2792 RR CD Syn 1080 RR P98Y11 RR N P98Y12 RR TMG 1182 RR TMG SYN 1283 RR AS 8380 RR P98Y30 RR Tucunaré CD SYN 1285 RR

32 35 N P98Y TMG TMG 132 RR Pintado TMG 133 RR CD 237 RR CODIFICADO NIDEIRA M M 8766 RR Tabarana P98Y70 RR M TMG 1188 RR TMG 7188 RR - INOX M 9144 RR TMG

33 Estágios de desenvolvimento da cultura da soja. Fonte: Estágios de desenvolvimento da soja (EMBRAPA, 1998) Estagio Descrição I. Fase Vegetativa V C V 1 V 2 V 3 Da emergência a cotilédones abertos Primeiro nó; folhas unifolioladas abertas Segundo nó: primeiro trifolio aberto Terceiro nó: segundo trifólio aberto V n Ultimo nó com trifolio aberto antes da floração II. Fase reprodutiva R 1 Inicio da Floração, até 50% R 2 R 3 R 4 R 5.1 Floração Plena Final da floracao, vagens com 2,5 cm (Canivetinho) Vagens do terço superior com 4,0 cm Grãos perceptíveis ao tato a 10 % de granação R 5.2 Maioria das vagens com granação de 10 a 25% R 5.3 Maioria das vagens com granação de 25 a 50 % R 5.4 Maioria das vagens com granação de 50 a 75 % R 5.5 Maioria das vagens com granação de 75 a 100 % R 6 R 7.1 R 7.2 R 7.3 R 8.1 R 8.2 R 9 Vagens com granação de 100% e folhas verdes Inicio a 50% de amarelecimento de folhas e vagens Entre 51 e 75% de vagens e folhas amarelas Mais de 75% das vagens e folhas amarelas Início a 50 % de desfolha Mais de 50% de desfolha a pré-colheita Ponto de maturação e colheita

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS AGRONÔMICOS LTDA Av. Norte,

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de HÍBRIDOS DE MILHO semeados em 3 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Estudo da dose de resposta de cobertura (N.K) na cultura do milho safrinha-mt Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente trabalho foi realizar um estudo

Leia mais

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009.

AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA DA SOJA. Material e Métodos. Sementes (Brasil, 2009. 1 02 AVALIAÇÃO DA QUALIDADE FISIOLOGICA DAS SEMENTES NA PRODUTIVIDADE DA CULTURA Objetivo Este trabalho teve como objetivo avaliar o efeito do vigor de sementes de soja na produtividade BOLETIM Material

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

DUAS ADUBAÇÕES DIFERENTES, NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRINHA ( 2015, EM QUERÊNCIA - MT

DUAS ADUBAÇÕES DIFERENTES, NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRINHA ( 2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE HÍBRIDOS DE MILHO (Zea mays) EM DUAS ADUBAÇÕES DIFERENTES, NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRINHA 2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09

Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Resultados de Pesquisa dos Ensaios de Melhoramento de Soja Safra 2008/09 Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Instituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa Postal: 149, CEP 78.850-000;

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades

Sementes de. A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades Sementes de SOJA A Linha de Sementes de Soja Dow AgroSciences avança sem parar. Com um portifólio adaptado para as principais regiões do país e variedades de alto potencial produtivo, os produtores têm

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A

CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A D E S E M P E N H O D E CULTIVARES DE SOJA I N D I C A D A S P A R A O R I O G R A N D E D O S U L Julho, 2013 RESULTADOS DE 2012 2013 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOSTE PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ENERGIA NA AGRICULTURA - PPGEA CORNELIO PRIMIERI Eng. Agrônomo/Professor/Pesquisador FAG Faculdade Assis Gurgacz

Leia mais

RESULTADOS DE 2009 CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO. Fevereiro, 2010

RESULTADOS DE 2009 CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO. Fevereiro, 2010 DESEMPENHO DE CULTIVARES DE TRIGO INDICADAS PARA O PARANÁ E SÃO PAULO Fevereiro, 2010 RESULTADOS DE 2009 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas pelo zoneamento agrícola, em

Leia mais

ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP INTRODUÇÃO

ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP INTRODUÇÃO Página 985 ESTUDO DE ÉPOCA DE PLANTIO DO ALGODOEIRO ADENSADO NA REGIÃO DE CAMPINAS-SP Luiz Henrique Carvalho 1 ; Nelson Machado da Silva 1 ; Julio Isao Kondo 1 ; Edivaldo Cia 1 ; Ederaldo José Chiavegato

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1044 Página 1044 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DO FUNGICIDA TIOFANATO METÍLICO-CIPROCONAZOLE NO CONTROLE DA MANCHA DE RAMULÁRIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO Luiz Gonzaga Chitarra (Embrapa Algodão / chitarra@cnpa.embrapa.br),

Leia mais

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator)

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Campeão da Região Sudeste (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Produtor: Ivaldo Lemes da Costa Consultor: Cleber Longhin Cultura: SOJA Propriedade Agrícola: Sítio Matarazzo Município: Itapetininga/SP

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 16 POTENCIAL PRODUTIVO DE HÍBRIDOS DE MILHO EM DOIS NÍVEIS TECNOLÓGICOS Objetivo Avaliar o potencial produtivo de diversos híbridos de milho na segunda safra de 2015 em dois níveis de tecnologia em Lucas

Leia mais

RESULTADOS DE DESEMPENHO DAS CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA SC, PR, SP e MS. Julho, 2010

RESULTADOS DE DESEMPENHO DAS CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA SC, PR, SP e MS. Julho, 2010 DESEMPENHO DAS CULTIVARES DE SOJA INDICADAS PARA SC, PR, SP e MS Julho, 2010 RESULTADOS DE 2009 2010 Rendimento e características agronômicas das cultivares, indicadas pelo zoneamento agrícola, em ensaios

Leia mais

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM 20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de híbridos de milho em segunda

Leia mais

Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros

Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros Comportamento da Crotalaria juncea em função de adubação com e sem revestimento com polímeros Rafael da Costa Leite 1 ; Hamilton Kikuti 2 ; Ana Lúcia Pereira Kikuti 3 1 Estudante do Curso de Agronomia

Leia mais

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA

AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA AVALIAÇÃO DO FEIJOEIRO SOB TRÊS DENSIDADES DE SEMEADURA Mariéle Carolina EBERTZ 1 ; Gilmar Silvério da ROCHA 2 1 Aluna do Curso Técnico em Agropecuária, Instituto Federal Catarinense, Campus Rio do Sul,

Leia mais

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA

AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA AVALIAÇÃO DO USO DO PÓ DE ROCHA NO DESEMPENHO DE DUAS VARIEDADES DE MANDIOCA DE MESA Fernanda Pereira de Souza 1 Eder de Souza Martins 2 Luise Lottici Krahl 3 Eduardo Alano Vieira 4 Josefino de Freitas

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 1213 Página 1213 COMPORTAMENTO DA CULTIVAR DE MAMONA BRS ENERGIA CULTIVADA SOB DUAS DENSIDADES DE PLANTIO EM IRECÊ, BA Jalmi Guedes Freitas 1, José Carlos Aguiar da Silva 1, Jocelmo Ribeiro Mota 1 Gilvando

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA

EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA EFEITO DE SEVERIDADE E DANO CAUSADO PELO MÍLDIO DA CEBOLA Jaqueline CARVALHO 1, Leandro L. MARCUZZO 2 1 Bolsista PIBITI/CNPq; 2 Orientador IFC-Campus Rio do Sul). Introdução A cebola (Allium cepa L.) é

Leia mais

PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1. Priscila Maria Silva Francisco

PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1. Priscila Maria Silva Francisco Página 1075 PRODUTIVIDADE E COMPONENTES DE PRODUÇÃO DE ALGODOEIRO EM FUNÇÃO DO CULTIVAR EM CHAPADÃO DO SUL - MS 1 Jefferson Luis Anselmo 1 ; Denis Santiago da Costa; Thiago Zago Leonel; Fábio da Silva

Leia mais

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO

TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO NO PLANTIO Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: EFEITOS DA PROFUNDIDADE DE PLANTIO NA GERMINAÇÃO E PRODUÇÃO DE MASSA DO CAPIM BRAQUIARÃO ADUBADO

Leia mais

FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS.

FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS. FONTES DE ADUBOS FOSFATADOS EM ARROZ DE TERRAS ALTAS. Carvalho, F. F. (1) ; Lange, A. (2) (1) Acadêmico do curso de Bacharelado em Agronomia, UNEMAT, Campus Universitário de Alta Floresta e-mail: fernandofcarvalho@unemat.br.

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Soja Safra 14/15 e Recomendações para Safra 15/16 Assistências Técnicas Conveniadas

Avaliação de Cultivares de Soja Safra 14/15 e Recomendações para Safra 15/16 Assistências Técnicas Conveniadas Avaliação de Cultivares de Soja Safra 14/15 e Recomendações para Safra 15/16 Assistências Técnicas Conveniadas Equipe Fitotecnia Soja Eng. Agr. Carlos Pitol Pesquisador Téc.Agr. Elton José Erbes Adm.Rural/Téc.Agr.

Leia mais

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Júnio Oliveira Ferreira (1),

Leia mais

Rally da Safra. QUALIDADE DE GRÃOS Safra 2014/2015. Cuiabá, 08 de Julho de 2015

Rally da Safra. QUALIDADE DE GRÃOS Safra 2014/2015. Cuiabá, 08 de Julho de 2015 Rally da Safra QUALIDADE DE GRÃOS Safra 2014/2015 Cuiabá, 08 de Julho de 2015 Parâmetros de Qualidade Classificação Proteína Bruta Extrato Etéreo Composição Química VARIAÇÃO DE PROTEÍNA E ÓLEO Proteína:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO Morais Carneiro dos Reis (1) ; Gustavo Ferreira de Sousa (1) ; Maila Adriely Silva (1) ; Júlia Camargos da Costa

Leia mais

C EA E 3 1 4 27 2 84 8 /D / -RS R 23 2 92 9 -MS) P

C EA E 3 1 4 27 2 84 8 /D / -RS R 23 2 92 9 -MS) P Avaliação das Cultivares de Soja Safra 2013/14 e Posicionamento para Safra 2014/15. Carlos Pitol 1 Elton José Erbes 2 Thiago da Silva Romeiro 3 1 Eng Agrº (CREA 42784/D-RS Visto 2392-MS) Pesquisador da

Leia mais

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade

Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade Qualidade das Sementes e os Seus Efeitos sobre a Produtividade José de Barros França Neto Embrapa Soja XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional Sobre a Cultura do Girassol 28/10/2015

Leia mais

09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 09 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA RR EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja com tecnologia RR em duas

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Seleção De Híbridos De Sorgo Granífero Para Condições De Safrinha Karla Jorge da Silva 1, Karine da Costa Bernardino

Leia mais

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata).

AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). AVALIAÇÃO DA APLICAÇÃO TARDIA DE COBALTO, NA ABSCISÃO DE FLORES E COMPONENTES DE PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM (Vigna unguiculata). Rezanio Martins Carvalho (bolsista do PIBIC/CNPq), Fabiano André Petter

Leia mais

UTILIZAÇÃO DO FERTILIZANTE FOLIAR I9 NO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DO CAFEEIRO. Santinato & Santinato Cafés Ltda Eng. Agro. Msc.

UTILIZAÇÃO DO FERTILIZANTE FOLIAR I9 NO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DO CAFEEIRO. Santinato & Santinato Cafés Ltda Eng. Agro. Msc. UTILIZAÇÃO DO FERTILIZANTE FOLIAR I9 NO CRESCIMENTO E PRODUTIVIDADE DO CAFEEIRO Santinato & Santinato Cafés Ltda Eng. Agro. Msc. Felipe Santinato Premissa: A aplicação de fertilizantes foliares pode suprir

Leia mais

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO

CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. INTRODUÇÃO Página 1481 CULTIVARES DE ALGODOEIRO AVALIADAS EM DIFERENTES LOCAIS NO CERRADO DA BAHIA, SAFRA 2007/08 1. Murilo Barros Pedrosa (Fundação Bahia / algodao@fundacaoba.com.br), Camilo de Lelis Morello (Embrapa

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

Colheita e armazenamento

Colheita e armazenamento 1 de 5 10/16/aaaa 11:19 Culturas A Cultura do Arroz Irrigado Nome Cultura do arroz irrigado Produto Informação Tecnológica Data Maio -2000 Preço - Linha Culturas Informações resumidas Resenha sobre a cultura

Leia mais

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012

XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Comparação entre um Milho Convencional e um Transgênico em Diferentes Doses de Fósforo para Consumo in natura Leandro

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 1 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 CONSÓRCIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA: COMPREENDENDO OS RISCOS DO ESTRESSE HÍDRICO NA

Leia mais

FATORES FITOMÉTRICOS DO HÍBRIDO DE MILHO 2B688PW PARA SILAGEM SOB DIFERENTES DATAS DE SEMEADURA

FATORES FITOMÉTRICOS DO HÍBRIDO DE MILHO 2B688PW PARA SILAGEM SOB DIFERENTES DATAS DE SEMEADURA 6ª Jornada Científica e Tecnológica e 3º Simpósio de Pós-Graduação do IFSULDEMINAS 04 e 05 de novembro de 2014, Pouso Alegre/MG FATORES FITOMÉTRICOS DO HÍBRIDO DE MILHO 2B688PW PARA SILAGEM SOB DIFERENTES

Leia mais

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil.

Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Progresso genético em 22 anos de melhoramento do feijoeiro-comum do grupo carioca no Brasil. Luís Cláudio de Faria 1, Patrícia Guimarães Santos Melo 2, Leonardo Cunha Melo 1, 1, 1, Antônio Joaquim Braga

Leia mais

Núcleo 1 Chapadão do Sul

Núcleo 1 Chapadão do Sul Ano II 15 de abril de 2013. Relatório semanal de 08 a 15 de abril de 2013. Núcleo 1 Chapadão do Sul Eng. Agr. Danilo Suniga de Moraes Semana com períodos diurno nublado e com precipitações na maior parte

Leia mais

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA

CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA CARACTERÍSTICAS DAS CULTIVARES DE ARROZ IRRIGADO INDICADAS PARA SEMEIO NA SAFRA 2009/10 EM RORAIMA Antonio Carlos Centeno Cordeiro Eng. Agr. Dr. Pesquisador da Embrapa Roraima Em Roraima, o agronegócio

Leia mais

6 Práticas Culturais

6 Práticas Culturais CULTURA DO ARROZ 6 Práticas Culturais A produção de arroz no Brasil é feita em dois grandes sistemas: - Terras altas - Várzeas Incluindo diversas modalidades de cultivo. Cultivo irrigado com irrigação

Leia mais

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO

AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE PEPINO EM IPAMERI-GO Érica Fernandes Leão¹, Valdivina Lúcia Vidal²; Emersom Rodrigues de Moraes³; José Antônio de Paula Oliveira³ Odilon Peixoto de Morais Junior³ ¹Bolsista PBIC/UEG

Leia mais

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES

TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES TÍTULO: AVALIAÇÃO DE MUDAS DE COFFEA ARABICA PRODUZIDAS EM DIFERENTES RECIPIENTES CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS EXATAS E DA TERRA SUBÁREA: CIÊNCIAS AGRÁRIAS INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DO PLANALTO

Leia mais

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Adubação de Lavouras Podadas Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Tipos de Podas Critérios básicos para o sucesso das podas 2. Adubação do cafeeiro

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais. Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA Centro de Ciências Rurais Núcleo de Pesquisas em Práticas Culturais e Ecofisiologia População de plantas para maximização de rendimentos em soja Lucio Zabot Santa Maria,

Leia mais

BRS 1035 Híbrido Simples de Milho

BRS 1035 Híbrido Simples de Milho 125 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2005 BRS 1035 Híbrido Simples de Milho Sidney Netto Parentoni1 Cleso Antônio Patto Pacheco1 Paulo Evaristo de Oliveira Guimarães1 Pedro Hélio Estevam Ribeiro1

Leia mais

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica)

UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE (Crambe. abyssinica) UNIFORMIZANDO A GERMINAÇÃO NA CULTURA DO CRAMBE ( abyssinica) A busca por novas fontes alternativas de combustíveis tem despertado o interesse de agricultores para o cultivo de plantas com características

Leia mais

Base de dados. Assessoría Agrícola. Produtores do grupo de. Área Total de Soja: has.

Base de dados. Assessoría Agrícola. Produtores do grupo de. Área Total de Soja: has. Eng. Agr. Tilio Lucas 30 de Junho 2015 Base de dados Produtores do grupo de Assessoría Agrícola Área Total de Soja: 7514.93 has. Produtividade do Grupo Grupo Agrícola Área total (ha) Produtividade Sc/ha

Leia mais

EFICÁCIA DE INSETICIDAS APLICADOS NAS SEMENTES VISANDO O CONTROLE DO PERCEVEJO BARRIGA-VERDE, DICHELOPS MELACANTHUS, NA CULTURA DO MILHO

EFICÁCIA DE INSETICIDAS APLICADOS NAS SEMENTES VISANDO O CONTROLE DO PERCEVEJO BARRIGA-VERDE, DICHELOPS MELACANTHUS, NA CULTURA DO MILHO EFICÁCIA DE INSETICIDAS APLICADOS NAS SEMENTES VISANDO O CONTROLE DO PERCEVEJO BARRIGA-VERDE, DICHELOPS MELACANTHUS, NA CULTURA DO MILHO Elizete Cavalcante de Souza Vieira¹; Lúcia Madalena Vivan²; Crébio

Leia mais

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO

RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO RESPOSTA DO CAFEEIRO SOB SISTEMA DE PLANTIO ADENSADO À ADUBAÇÃO COM ZINCO Leonardo Campos Faria (1), Paulo César de Lima (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Waldênia de Melo Moura (2), Edimaldo Garcia Júnior

Leia mais

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1

DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 DESENVOLVIMENTO FOLIAR, PRODUTIVIDADE E TEOR DE AMIDO EM MANDIOCA SUBMETIDA À DISTINTO MANEJO NUTRICIONAL EM DOIS ANOS AGRÍCOLAS 1 Taise Pacheco Paganini 2 ; Janaina Emerim de Souza 3 ; Naracelis Poletto

Leia mais

BRS 1031 Híbrido Simples de Milho

BRS 1031 Híbrido Simples de Milho 126 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2005 BRS 1031 Híbrido Simples de Milho Sidney Netto Parentoni1 Cleso Antônio Patto Pacheco1 Paulo Evaristo de Oliveira Guimarães1 Pedro Hélio Estevam Ribeiro1

Leia mais

Conheça as novas possibilidades do agronegócio

Conheça as novas possibilidades do agronegócio Marciliano Gaspre Líder em Marketing e Vendas (62) 9814 2205 marciliano@guaia.com.br contato@guaia.com.br www.guaia.com.br (62) 3332 1385 Av. Dom Bosco, 916, 1º andar, Sala 03, Bairro Pedrinhas, Silvânia

Leia mais

DENSIDADE POPULACIONAL DE TRIPES EM CULTIVARES DE SOJA 1

DENSIDADE POPULACIONAL DE TRIPES EM CULTIVARES DE SOJA 1 DENSIDADE POPULACIONAL DE TRIPES EM CULTIVARES DE SOJA 1 SARI, Bruno G. 2 ; GUEDES, Jerson V. C. 3 ; STÜRMER, Glauber R. 3 ; ARNEMANN, Jonas A. 3 ; PALMA, Janine 3 ; TOMAZI, Bruno R. 2 ; BOSCHETTI, Moisés

Leia mais

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES

02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES 02 IMPORTÂNCIA DA QUALIDADE DAS SEMENTES O estabelecimento inicial de uma lavoura depende essencialmente do potencial fisiológico das sementes utilizadas na semeadura. A porcentagem, velocidade e uniformidade

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA. BAHIA Safra 2011/12. Soja. Transferência de Tecnologia

CULTIVARES DE SOJA. BAHIA Safra 2011/12. Soja. Transferência de Tecnologia Soja Rod. Carlos João Strass, s/n, acesso Orlando Amaral Distrito de Warta, CP 231, CEP 86001-970, Londrina, PR Fone (43) 3371 6000 Fax (43) 3371 6100 www.cnpso.embrapa.br sac@cnpso.embrapa.br Transferência

Leia mais

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café

Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Efeitos da adubação nitrogenada de liberação lenta sobre a qualidade de mudas de café Gabriel Avelar LAGE 1 ; Sheila Isabel do Carmo PINTO²; Iul Brinner Expedito de SOUZA³; Marcus Vinicius SANTOS 3 ; Guilherme

Leia mais

Soja: Lavoura mais produtiva e 06 Tolerante à Seca

Soja: Lavoura mais produtiva e 06 Tolerante à Seca Soja: Lavoura mais produtiva e 06 à Seca 1 1 Carlos Pitol 2 2 Carlos Pitol Dirceu Dirceu Luiz Broch Luiz Broch 6.1. Introdução A soja é reconhecida como uma cultura muito tolerante à seca, em comparação

Leia mais

Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais

Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 8., 2011, Belo Horizonte Produtividade e qualidade de diferentes genótipos de Bourbon cultivados em Minas Gerais visando à produção de cafés especiais Priscilla

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill)

RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 RELAÇÃO ENTRE O TAMANHO E A QUALIDADE FISIOLÓGICA DAS SEMENTES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) Gleberson Guillen Piccinin 1, Lilian Gomes de Moraes

Leia mais

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE:

CADERNO DE CAMPO. Produção Integrada de Manga PI-Manga. Informações da Parcela Seção 2. Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produção Integrada de Manga PI-Manga CADERNO DE CAMPO Informações da Parcela Seção 2 Número de Registro do Produtor/Empresa no CNPE: Produtor/Empresa: Endereço: Município: Estado: Telefone: ( ) Fax:( )

Leia mais

Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final

Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final Resultados de Pesquisa do Programa de Melhoramento de Soja: Ensaios de Avaliação Final Resumo Alberto Francisco Boldt; Engenheiro agrônomo, pesquisador do Insituto Mato-Grossense do Algodão IMAmt; Caixa

Leia mais

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES

TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1 TÉCNICA CULTURAL PARA PRODUÇÃO DE SEMENTES 1. Introdução Silvio Moure Cicero Instalação de campos de produção de sementes requer planejamento muito criterioso: diferentes espécies requerem técnicas especiais;

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

Tecnologias conjunto de procedimentos adotados no uso e aplicação de inoculantes.

Tecnologias conjunto de procedimentos adotados no uso e aplicação de inoculantes. PROTOCOLO OFICIAL PARA AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE E EFICIÊNCIA AGRONÔMICA DE CEPAS, INOCULANTES E TECNOLOGIAS RELACIONADOS AO PROCESSO DE FIXAÇÃO BIOLÓGICA DO NITROGÊNIO EM LEGUMINOSAS. 1. DEFINIÇÕES Para

Leia mais

Comportamento de Cultivares de Milho no Nordeste brasileiro: Safra 2010/2011

Comportamento de Cultivares de Milho no Nordeste brasileiro: Safra 2010/2011 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Comportamento de Cultivares de Milho no Nordeste brasileiro: Safra 2010/2011 Hélio Wilson Lemos de Carvalho 1, Milton

Leia mais

Produtividade de variedades locais de feijão em diferentes doses de cama de aviário e pó de basalto

Produtividade de variedades locais de feijão em diferentes doses de cama de aviário e pó de basalto 13632 - Produtividade de variedades locais de feijão em diferentes doses de cama de aviário e pó de basalto Productivity of local varieties of common beans in different doses of poultry manure and basalt

Leia mais

ALTAS DOSES DE GESSO (IRRIGAÇÃO BRANCA) NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO

ALTAS DOSES DE GESSO (IRRIGAÇÃO BRANCA) NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO 38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras ALTAS DOSES DE GESSO (IRRIGAÇÃO BRANCA) NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO Alysson Vilela Fagundes - Eng. Agr. Fundação Procafé Antônio Wander R. Garcia

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DOIS ESPAÇAMENTOS E QUATRO DENSIDADES DE PLANTAS SOBRE A PRODUTIVIDADE DO ALGODOEIRO NO ESTADO DE MATO GROSSO (*)

AVALIAÇÃO DE DOIS ESPAÇAMENTOS E QUATRO DENSIDADES DE PLANTAS SOBRE A PRODUTIVIDADE DO ALGODOEIRO NO ESTADO DE MATO GROSSO (*) AVALIAÇÃO DE DOIS ESPAÇAMENTOS E QUATRO DENSIDADES DE PLANTAS SOBRE A PRODUTIVIDADE DO ALGODOEIRO NO ESTADO DE MATO GROSSO (*) Paulo Hugo Aguiar (Fundação MT / pauloaguiar@fundacaomt.com.br), José Carlos

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade. Dr. Eros Francisco IPNI Brasil

Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade. Dr. Eros Francisco IPNI Brasil Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade Dr. Eros Francisco IPNI Brasil IPNI missão O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucrativos,

Leia mais

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS.

RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. RENDIMENTO DE FRUTOS DE CAFEEIROS, NA 1ª SAFRA, SOB EFEITO DO DÉFICIT HÍDRICO DE JAN-MAR DE 2014 - EXEMPLO DE PROPRIEDADE NO SUL DE MINAS. J.B. Matiello Eng Agr Fundação Procafé e J. Renato Dias e Lucas

Leia mais

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística

RELATÓRIO PARCIAL. Analise Estatística RELATÓRIO PARCIAL Analise Estatística ASSUNTO: Experimento Gel Estagiário: Elbert Viana Ferreira Junior Supervisor : Fausto Hissashi Takizawa Projeto Mutum Data: 09/2008 1 - APRESENTAÇÃO: Neste documento

Leia mais

ATO Nº 10 DE 19 DE SETEMBRO DE 2008 ANEXO I

ATO Nº 10 DE 19 DE SETEMBRO DE 2008 ANEXO I ATO Nº 0 DE DE SETEMBRO DE 008 ANEXO I INSTRUÇÕES PARA EXECUÇÃO DOS ENSAIOS DE DISTINGUIBILIDADE, HOMOGENEIDADE E ESTABILIDADE DE CULTIVARES DA ESPÉCIE CENTEIO (Secale cereale) L. I. OBJETIVO Estas instruções

Leia mais

Híbrido simples de Milho BRS 1010

Híbrido simples de Milho BRS 1010 Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento 07 ISSN 00-5605 Dezembro, 2004 Sete Lagoas, MG Híbrido simples de Milho BRS 00 Sidney Netto Parentoni Elto Eugenio Gomes e Gama Manoel Xavier dos Santos

Leia mais

BRS 1060 Híbrido Simples de Milho

BRS 1060 Híbrido Simples de Milho 169 ISSN 1679-0162 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2009 BRS 1060 Híbrido Simples de Milho Paulo Evaristo de Oliveira Guimarães, Sidney Netto Parentoni, Cleso Antônio Patto Pacheco, Walter Fernandes Meirelles,

Leia mais

O presente estudo foi instalado no município de Alfenas-MG, a 900 m de altitude. Rodolfo Carvalho Cesar de San Juan 1

O presente estudo foi instalado no município de Alfenas-MG, a 900 m de altitude. Rodolfo Carvalho Cesar de San Juan 1 ESTUDO DO EFEITO DO INSETICIDA CROPSTAR SOBRE PLANTAS DE MILHO CONVENCIONAL E Bt YIELDGARD E HERCULEX SUBMETIDAS À ALTA PRESSÃO DE ATAQUE DE Spodoptera frugiperda Rodolfo Carvalho Cesar de San Juan 1 1.

Leia mais

Case do Campeão Nacional 14/ sc/ha, Alison Hildemberg. Relatores: Leandro Zancanaro / Heny Sako

Case do Campeão Nacional 14/ sc/ha, Alison Hildemberg. Relatores: Leandro Zancanaro / Heny Sako Case do Campeão Nacional 14/15 141 sc/ha, Alison Hildemberg Relatores: Leandro Zancanaro / Heny Sako Dados do Participante PRODUTOR: Alisson Alceu Hilgemberg CONSULTOR TÉCNICO: Alisson Alceu Hilgemberg

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 2013/2014. niderasementes.com.br

CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 2013/2014. niderasementes.com.br CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 3/4 niderasementes.com.br Parceria que rende mais. NS4823 A mais precoce do mercado. Resistência ao acamamento. Ótima arquitetura de plantas. Marrom Ereta, porte

Leia mais

PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS

PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS PRODUÇÃO HIDROPÔNICA DE MUDAS DE TOMATE EM SUBSTRATOS À BASE DE RESÍDUOS ORGÂNICOS Fred Carvalho Bezerra 1 ; Tiago da Costa Silva²; Fernando Vasconcellos Meyer Ferreira²; Daniel Barbosa Araújo 3 1 Eng.

Leia mais

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha

Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Tamanho de parcela em nabo forrageiro semeado a lanço e em linha Alberto Cargnelutti Filho 1 Cláudia Burin 2 Marcos Toebe 3 André Luis Fick 2 Giovani Facco 4 1 - Introdução O nabo forrageiro (Raphanus

Leia mais

INFLUÊNCIA DE ÉPOCAS DE SEMEADURA NA PRODUTIVIDADE E NOS COMPONENTES PRODUTIVOS DE QUATRO CULTIVARES DE SOJA (Glycine max (L.

INFLUÊNCIA DE ÉPOCAS DE SEMEADURA NA PRODUTIVIDADE E NOS COMPONENTES PRODUTIVOS DE QUATRO CULTIVARES DE SOJA (Glycine max (L. INFLUÊNCIA DE ÉPOCAS DE SEMEADURA NA PRODUTIVIDADE E NOS COMPONENTES PRODUTIVOS DE QUATRO CULTIVARES DE SOJA (Glycine max (L.) Merrill) C. Pierozan Junior 1 ; J. Kawakami; K. Schwarz; M. V. Del Conte;

Leia mais

Avaliação nutricional da cultura da soja pelos métodos DRIS e níveis de suficiência

Avaliação nutricional da cultura da soja pelos métodos DRIS e níveis de suficiência Avaliação nutricional da cultura da soja pelos métodos DRIS e níveis de suficiência Avaliação nutricional da cultura da soja pelos métodos DRIS e níveis de suficiência Evaluation of the soybean nutritional

Leia mais

Caracterização Visual da Deficiência de Boro em Girassol (Helianthus annuus L.)

Caracterização Visual da Deficiência de Boro em Girassol (Helianthus annuus L.) Caracterização Visual da Deficiência de Boro em Girassol (Helianthus annuus L.) Deperon Junior, Milton Aparecido; UFLA (www.ufla.br), miltondp1@ig.com.br Fraga, Antonio Carlos; DAG/UFLA Carvalho, Janice

Leia mais

ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007

ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007 ANÁLISE DA FAVORABILIDADE DAS CONDIÇÕES CLIMÁTICAS À OCORRÊNCIA DE MÍLDIO DA VIDEIRA NO VALE DO SÃO FRANCISCO NO PERÍODO DE 2003 A 2007 Francislene Angelotti 1, Tamara Trindade de Carvalho Santos 1, Junior

Leia mais

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Sucessão Soja e Milho Safrinha em Sistema Plantio Direto Antecipar a semeadura

Leia mais

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015

WORKSHOP DIVULGAÇÃO DOS RESULTADOS DE PESQUISAS SAFRA 2014/2015 EFEITO DO PENERGETIC P e K NA CULTURA DO ALGODÃO Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Engo. Agro. Dr. CREA 1406202312/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais