Dinâmica e manejo de doenças. Carlos A. Forcelini

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Dinâmica e manejo de doenças. Carlos A. Forcelini"

Transcrição

1 Dinâmica e manejo de doenças Carlos A. Forcelini

2 Campo Experimental UPF (28º10 S, 52º20 W, 687m)

3 6 km

4

5 Manejo de doenças e rendimento de grãos Com manejo Sem manejo

6

7 Fatores determinantes de doença Hospedeiro Patógeno Ambiente

8 Chuvas: desvios em relação à normal histórica (61 a 90) mm

9 Chuvas: desvio médio por mês 80,00 60,00 40,00 20,00 0,00-20,00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ -40,00-60,00

10 Temperatura: desvios em relação à normal (61 a 90)

11 Temperatura: desvio médio por mês 1,00 0,80 0,60 0,40 0,20 0,00-0,20-0,40-0,60-0,80-1,00 JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ

12 Fatores determinantes de doença Hospedeiro Patógeno Ambiente

13 Soja com gordura para queimar Limiares de dano: 30% (Vs) 15% (Rs) Menor pressão por pragas e doenças Manejo mais reativo

14 Presente

15 Índice de área foliar em soja Grupos de maturação UPF, 2011

16 Foto: Nara Moraes

17 Posição das vagens na planta Grupo de maturação Vagens no terço inferior (%) 7,0 < 10 6,7 25,7 6,0 31,3 6,0 33,5 5,5 35,9

18 60 vagens Ex: BMX Apolo RR 110 vagens

19 Grupo de maturação e volume de raiz (cm 3 ) GM VR (cm 3 ) 9,2 10,1 11,2 12,6

20 Soja hoje Porte menor Ciclo mais curto Altamente produtiva Mais suscetível a doenças e pragas Manejo deve ser mais preventivo Preservar raíz e área foliar para expressar potencial de rendimento

21 Fatores determinantes de doença Hospedeiro Patógeno Ambiente

22 Doenças foliares e da haste Oídio Ferrugem Cercosporiose Antracnose Mofo-branco Mancha-alvo

23 Patógenos radiculares em soja Rhizoctonia Phytophthora Nematóides Fusarium Macrophomina

24 Doenças por fungos biotróficos Doenças por fungos necrotróficos

25 Oídio 1995 Ectoparasita Ambientes secos < 29 o C

26 2001 Ferrugem asiática

27 Biotróficos (ferrugem e oídio) Se alimenta, reproduz e sobrevive em tecido vivo

28 Biotróficos Motor da epidemia é o esporo

29 Produção estimada de esporos por Phakopsora em soja Fração Número de esporos (N) Esporos por urédia Esporos por cm 2 (até 300 urédias/cm 2 ) Esporos por folíolo de soja (folíolo de 50 cm 2 ) Esporos por planta (60 folíolos por planta) Esporos por hectare ( plantas/ha) 225 trilhões

30 Biotróficos Estratégia de controle = planejamento das aplicações Sem fungicida Com fungicida

31 Sem fungicida Com fungicida

32 Estrobilurinas

33 Necrotróficos Cercosporiose Antracnose Mofo-branco Mancha-alvo Phomopsis

34 Necrotrófico Se alimenta, reproduz e sobrevive em tecido morto

35 Necrotrófico Motor da epidemia = expansão da lesão

36 Necrotrófico Estratégia de controle = manejo do inóculo

37

38 0 0,01 0,1 1 Corynespora X Carbendazim ppm 0 0,01 0, ppm Avozani & Reis, 2011

39 Influência do plantio direto na dinâmica das doenças

40 Pontos positivos Barreira física à maturação e liberação de esporos a partir do solo Ex: Mofo-branco

41

42 Pontos positivos Menor movimentação de solo e patógenos Ex. Dispersão de nematóides

43 Pontos positivos Ambiente mais propício ao desenvolvimento de antagonistas para controle biológico. Ex. Solos supressivos

44 Pontos negativos Longevidade maior do inóculo na palha Trigo: 19 meses Soja: 34 meses Milho: 37 meses Proximidade entre patógeno e planta

45 Pontos negativos Microclima mais favorável à infecção

46 Necessidade de manejo

47 Richard Berger ( ) Epidemia é uma equação matemática y f = y i + r*t y f = Quantidade final de doença y i = Quantidade inicial r = Ritmo de progresso da doença t = Tempo

48

49 Rotação de cultura (kg/ha) Hoffmann, 2002

50 Rendimento de grãos em monocultura e rotação trigo - Sistema Monocultura 49,2 57,3 66,2 Rotação (1 ano) 62,0 64,5 90,2 Diferença 12,8 7,2 24,0 UPF

51 BMX Apolo RR 105 dias após semeadura Sem TS Com TS

52 Tratamento de sementes e rendimento de grãos Sem TS Com TS Sem aplicação foliar 54,7 62,2 Com aplicação foliar 69,8 73,2 UPF 2011

53 Uso de cultivares precoces Cultivar Aplicações de fungicida Tardia 3,5 Média 3,0 Precoce 2,5 Super-precoce 1,8

54 Época de semeadura Severidade da ferrugem (urédias/cm 2 ) 15/11/08 03/12/08 15/12/

55 Aplicações de fungicida

56

57

58

59 Morte antecipada por doenças: - 80 kg/ha dia

60

61 Principais atividades 3 dias após aplicação

62 Aplicação na fase vegetativa UPF, 2010

63 Aplicação na fase vegetativa Aplicações Rendimento (sc/ha) 1 Não tratado 37,5 c 2 1 a aplicação em V10 52,8 b 3 1 a aplicação em V6 56,2 a UPF, 2010

64 3X (V ) UPF, 2011 V6 (B) + 3X V6 (E) + 3X V6 (E+B) + 3X

65 Aplicação na fase vegetativa V6 R1 18 DAF Oídio % IAF scs/ha ,5 0,44 26,2 - T + E T + E 3,6 0,72 38,6 T T + E T + E 3,1 0,94 43,3 E T + E T + E 4,6 1,06 46,2 B T + E T + E 3,5 1,00 44,3 T + B T + E T + E 2,9 0,98 47,8 T + E T + E T + E 3,2 0,94 49,8 UPF 2012

66 Urano (V8 vs. Floração) Aplic. 1 Aplic. 2 Aplic. 3 Rend. PMG T. (V8) (floração) (21 dias) (scs/ha) (g) ,8 140,9 2 Aproach P Aproach P Aproach P 71,7 143,2 3 - Aproach P Aproach P 68,5 144,4 4 Sphere M Sphere M Sphere M 71,0 142,8 5 - Sphere M Sphere M 67,5 143,2 6 Fox Fox Fox 72,6 145,0 7 - Fox Fox 69,8 145,3 8 Comet Opera Opera 71,4 145,0 9 - Opera Opera 68,6 145,7 Passo Fundo 2012

67 2009

68

69

70 50 a 58 Aplicação extra 14 dias antes

71 2011 Apolo RR V9-V10 = 61,2 sc/ha (3x) Floração = 57,2 (3x) Sem fungicida = 47,6

72 Intervalo entre aplicações

73 Baixa pressão de doenças, 2012 R1 2 sem 3 sem 4 sem Rendim. (scs/ha) ,1 X X ,6 X - X - 59,2 X - - X 59,8

74 Alta pressão de doenças, 2010 R1 2 sem 3 sem 4 sem Rendim. (scs/ha) ,0 X X ,1 X - X - 56,2 X - - X 51,4

75 Escolha do fungicida

76 Ferrugem Oídio Mancha-alvo Estrobilurina Triazol Benzimidazol Mistura T+E Mistura T+B

77 Apolo, três aplicações Tratamento Rendimento (scs/ha) Testemunha 46,9 Opera + Assist 55,5 Priori Xtra + Nimbus 56,2 Aproach Prima + Nimbus 55,8 Fox + Aureo 56,9 Passo Fundo 2012

78 Ferrugem Oídio Mancha-alvo Estrobilurina Triazol Benzimidazol Mistura T+E Mistura T+B Mistura tripla

79 T+E, T+E, T+E T+E+B, T+E, T+E Apolo, , T+E, T+E B, T+E, T+E

80 Mistura Tripla 62,4 5,0 2011

81 Mistura tripla, 2012 Aplic. 1 Aplic. 2 Aplic. 3 Rend. (sc/ha) T + E T + E T + E 62,2 T + E + B T + E + B T + E 66,9 T + E T + E T + E 61,4 T + E + B T + E + B T + E 65,4

82 Cultivares de soja Futuro próximo??? Ciclo Resistência a doenças Transgenia pode ajudar Predominância de patógenos Ferrugem O O O O Oídio O O O O O O O O O O O Necrotróficos O O O O O O O O O O O

83 Cultivares de soja Futuro próximo??? Ciclo Resistência a doenças Transgenia pode ajudar Predominância de patógenos Manejo das doenças Manejo do inóculo Tratamento de sementes fungicidas residuais Novos fungicidas: carboxamidas

84 Muito obrigado!

Análise crítica da dependência dos fungicidas para o manejo de doenças em soja. Carlos Forcelini

Análise crítica da dependência dos fungicidas para o manejo de doenças em soja. Carlos Forcelini Análise crítica da dependência dos fungicidas para o manejo de doenças em soja Carlos Forcelini Campo experimental UPF Foto: Laercio Hoffmann Campo Experimental UPF Campo experimental Cotripal Principais

Leia mais

FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da entrada da doença no Brasil. Rafael Moreira Soares Fitopatologista - EMBRAPA SOJA

FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da entrada da doença no Brasil. Rafael Moreira Soares Fitopatologista - EMBRAPA SOJA FERRUGEM ASIÁTICA DA SOJA: Impacto da entrada da doença no Brasil Rafael Moreira Soares Fitopatologista - EMBRAPA SOJA Histórico da ocorrência Perdas Controle Desafios Consórcio Anti-ferrugem Doenças no

Leia mais

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS 05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DE DOENÇAS NA CULTURA DA SOJA EM DUAS EPOCAS DE SEMEADURA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência dos principais

Leia mais

Manejo de doenças em soja e milho para altos rendimentos. Carlos A. Forcelini forcelini@upf.br

Manejo de doenças em soja e milho para altos rendimentos. Carlos A. Forcelini forcelini@upf.br Manejo de doenças em soja e milho para altos rendimentos Carlos A. Forcelini forcelini@upf.br Assuntos principais Cenário das doenças Resistência aos fungicidas Sugestões de manejo Ferrugem Oídio Cercosporiose

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES

DEMONSTRATIVO DE CÁLCULO DE APOSENTADORIA - FORMAÇÃO DE CAPITAL E ESGOTAMENTO DAS CONTRIBUIÇÕES Página 1 de 28 Atualização: da poupança jun/81 1 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00 26.708,00-0,000% - 26.708,00 26.708,00 26.708,00 jul/81 2 133.540,00 15,78 10,00% 13.354,00 10,00% 13.354,00

Leia mais

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC

Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil. Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Lançamento Soja marca Pioneer no Sul do Brasil Ricardo B. Zottis Ger. Produto RS/SC Agenda 1. Histórico Soja marca Pioneer 2. Pesquisa Soja Brasil 3. Qualidade das Sementes DuPont Pioneer 4. Cultivares

Leia mais

TECNOLOGIA WG. Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café.

TECNOLOGIA WG. Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café. TECNOLOGIA WG Tecnologia de formulação WG desenvolvida pela Syngenta para a aplicação liquida no solo de fungicida e inseticida em lavouras de Café. APLICAÇÃO LÍQUIDA: HISTÓRICO Facilidade aplicação e

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso.

RELATÓRIO TÉCNICO. Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. RELATÓRIO TÉCNICO Avaliação do comportamento de CULTIVARES DE SOJA semeadas em 2 épocas na região Parecis de Mato Grosso. Executora: P.A. Av. Nilo Torres, n 913 W, Parque Leblon, Tangará da Serra-MT CEP:

Leia mais

ATUALIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DA FERRUGEM DA SOJA. Por que os fungicidas falham? Mateus Zanatta Agrosservice Assessoria e Consultoria Agrícola.

ATUALIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DA FERRUGEM DA SOJA. Por que os fungicidas falham? Mateus Zanatta Agrosservice Assessoria e Consultoria Agrícola. Área experimental ATUALIZAÇÃO SOBRE O CONTROLE DA FERRUGEM DA SOJA Por que os fungicidas falham? Mateus Zanatta Agrosservice Assessoria e Consultoria Agrícola. Erlei Melo Reis OR Sementes Ltda. Santana

Leia mais

Comparação da eficiência de controle da ferrugem-asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi) com fungicidas indicados para a doença, em goiás

Comparação da eficiência de controle da ferrugem-asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi) com fungicidas indicados para a doença, em goiás Comparação da eficiência de controle da ferrugem-asiática da soja (Phakopsora pachyrhizi) com fungicidas indicados para a doença, em goiás FERREIRA, L.C. 1, COSTA, N.B. 1, PIMENTA, C.B. 2, NUNES SOBRINHO,

Leia mais

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+

DATA DIA DIAS DO FRAÇÃO DATA DATA HORA DA INÍCIO DO ANO JULIANA SIDERAL T.U. SEMANA DO ANO TRÓPICO 2450000+ 2460000+ CALENDÁRIO, 2015 7 A JAN. 0 QUARTA -1-0.0018 7022.5 3750.3 1 QUINTA 0 +0.0009 7023.5 3751.3 2 SEXTA 1 +0.0037 7024.5 3752.3 3 SÁBADO 2 +0.0064 7025.5 3753.3 4 DOMINGO 3 +0.0091 7026.5 3754.3 5 SEGUNDA

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 1.72.380,00 0,00 0,00 0,00 361.00,00 22,96 22,96 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl

Leia mais

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10

PRÓ-TRANSPORTE - MOBILIDADE URBANA - PAC COPA 2014 - CT 318.931-88/10 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE Simpl Acum Simpl Acum jul/10 a jun/11 jul/11 12 13 (%) (%) (%) (%) 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 0,00 1/11 AMPLIAÇÃO DA CENTRAL DE ago/11 Simpl Acum Simpl Acum Simpl Acum 14 set/11 15

Leia mais

XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol PRINCIPAIS DOENÇAS E ESTRATÉGIAS DE MANEJO

XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol PRINCIPAIS DOENÇAS E ESTRATÉGIAS DE MANEJO XXI Reunião Nacional de Pesquisa de Girassol IX Simpósio Nacional sobre a Cultura do Girassol PRINCIPAIS DOENÇAS E ESTRATÉGIAS DE MANEJO Eng. Agr. Valtemir J. Carlin - AGRODINÂMICA LONDRINA, PR - 28 DE

Leia mais

Ambiente e Doença. Predisposição 25/3/2014. Ambiente: Disciplina: Fitopatologia Geral PREDISPOSIÇÃO:

Ambiente e Doença. Predisposição 25/3/2014. Ambiente: Disciplina: Fitopatologia Geral PREDISPOSIÇÃO: DESENVOLVIMENTO DA DOENÇA Disciplina: Fitopatologia Geral Triângulo da doença Ambiente e Doença PLANTA DESENVOLVIMENTO DA DOENÇA PLANTA Triângulo da doença Componente relevante nesta interação, podendo

Leia mais

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP)

Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Reunião do Consórcio Antiferrugem 26 de junho de 2008. Londrina, PR. Relato da situação da ferrugem e do vazio sanitário na região Sul (PR, SC e RS) e Sudeste (MG, SP) Dulândula S. M. Wruck - Epamig Leila

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS AGRONÔMICOS LTDA Av. Norte,

Leia mais

Controle químico de doenças fúngicas do milho

Controle químico de doenças fúngicas do milho INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 152/2017 6 de abril de 2017 Controle químico de doenças fúngicas do milho Com base nas recomendações da Embrapa Milho e Sorgo, a Aprosoja orienta seus associados sobre o controle

Leia mais

MANEJO DA MANCHA DE RAMULÁRIA E MOFO BRANCO

MANEJO DA MANCHA DE RAMULÁRIA E MOFO BRANCO MANEJO DA MANCHA DE RAMULÁRIA E MOFO BRANCO Luiz Gonzaga Chitarra Fitopatologista Embrapa Algodão Luiz.chitarra@embrapa.br ASPECTOS GERAIS MANCHA DE RAMULARIA Causada pelo fungo Ramularia areola Atk.;

Leia mais

Melhoramento genético de cereais de inverno

Melhoramento genético de cereais de inverno Faculdade de Agronomia Departamento de Plantas de Lavoura Melhoramento genético de cereais de inverno para ambientes subtropicais Prof. Itamar C. Nava 17 de outubro de 2012 Ambientes subtropicais Grande

Leia mais

06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM

06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM 06 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DE FUNGICIDA COM ADIÇÃO DE FERTIADITIVO PARA O CONTROLE DE FERRUGEM-ASIÁTICA NA CULTURA DA SOJA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência de fungicida com

Leia mais

Avaliação da Severidade da Ferrugem Asiática em Diferentes Arranjos da População de Plantas de Soja

Avaliação da Severidade da Ferrugem Asiática em Diferentes Arranjos da População de Plantas de Soja 40ª Reunião de Pesquisa de Soja da Região Sul - Atas e Resumos 401 Avaliação da Severidade da Ferrugem Asiática em Diferentes Arranjos da População de Plantas de Soja Cley Donizeti Martins Nunes 1 Introdução

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas

CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas CULTIVARES DE SOJA (2005/06) Unidades Demonstrativas Cultivares da Embrapa Soja: Embrapa 48 Grupo de Maturação: Precoce/Semiprecoce; *Semeadura: a partir de 25/10 até 10/12; Substituiu a cv. BR-16; *Alto

Leia mais

CENOURA E CEBOLA.

CENOURA E CEBOLA. CENOURA E CEBOLA Cenoura Cebola www.seminis.com.br Melhores a cada geração Índice Na Seminis, pensamos constantemente nas novas gerações. Não só nas novas gerações de sementes com excepcional potencial

Leia mais

DOENÇAS DA CULTURA DA SOJA (Glycine max) Culturas de Plantas Oleaginosas Agronomia Mercia Ikarugi Bomfim Celoto

DOENÇAS DA CULTURA DA SOJA (Glycine max) Culturas de Plantas Oleaginosas Agronomia Mercia Ikarugi Bomfim Celoto DOENÇAS DA CULTURA DA SOJA (Glycine max) Culturas de Plantas Oleaginosas Agronomia Mercia Ikarugi Bomfim Celoto Novas doenças - novas fronteiras Importância econômica variável de ano para ano e de região

Leia mais

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator)

Campeão da Região Sudeste. (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Campeão da Região Sudeste (Produtor) (Consultor) (Estudo de caso) (Relator) Produtor: Ivaldo Lemes da Costa Consultor: Cleber Longhin Cultura: SOJA Propriedade Agrícola: Sítio Matarazzo Município: Itapetininga/SP

Leia mais

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE

IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE IRGA 424 OPÇÃO DE PRODUTIVIDADE A IRGA 424 apresenta como diferencial o alto potencial produtivo, responde muito bem ao manejo e às altas adubações. Origem: cruzamento IRGA 370-42-1-1F-B5/BR IRGA 410//IRGA

Leia mais

Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho

Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho INFORME TÉCNICO APROSOJA Nº 112/2016 09 de março de 2016 Orientações sobre o controle químico de doenças fúngicas para o milho Considerando o pleno desenvolvimento da Safra 2016 de milho, a Associação

Leia mais

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014

Eng. Agr. Ederson A. Civardi. Bonito MS 2014 Eng. Agr. Ederson A. Civardi Bonito MS 2014 Sumário 1 - Introdução 2 - Importância Soja 3 - Importância Mofo Branco 4 - Ciclo da doença 5 - Métodos de controle 6 - Alguns resultados de experimentos 7 -

Leia mais

Manejo de doenças em sorgo sacarino. Dagma Dionísia da Silva Pesquisadora em fitopatologia - Embrapa Milho e Sorgo

Manejo de doenças em sorgo sacarino. Dagma Dionísia da Silva Pesquisadora em fitopatologia - Embrapa Milho e Sorgo Manejo de doenças em sorgo sacarino Dagma Dionísia da Silva Pesquisadora em fitopatologia - Embrapa Milho e Sorgo Monitoramento Conhecimento Diagnose Condições climáticas Reação de cultivares Manejo depende

Leia mais

Soja. Fotos Leila Costamilan. Via dupla

Soja. Fotos Leila Costamilan. Via dupla Soja Fotos Leila Costamilan Via dupla Ao mesmo tempo em que doenças como podridão radicular de fitóftora, podridão vermelha da raiz e ferrugem tendem a ter seu efeito minimizado no período de La Niña,

Leia mais

Índice. Sementes Seminis. Compromissos Seminis. Combinação de qualidade com produtividade. produtividade. Conhecimento. inovação

Índice. Sementes Seminis. Compromissos Seminis. Combinação de qualidade com produtividade. produtividade. Conhecimento. inovação Cenouras e Cebolas Compromissos Seminis produtividade Maior potencial produtivo Resistência a pragas e doenças Qualidade de sementes CenouraS Índice Conhecimento Rede global de melhoramento genético Soluções

Leia mais

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER

UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA DEISE ISABEL DA COSTA WALTER BOLLER UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO FACULDADE DE AGRONOMIA E MEDICINA VETERINÁRIA PROGRAMA DE PÓS GRADUAÇÃO EM AGRONOMIA Aplicação de fungicida em soja com atomizador rotativo de discos, operado com cinco velocidades

Leia mais

CATÁLOGO DE HÍBRIDOS DE SORGO 2016

CATÁLOGO DE HÍBRIDOS DE SORGO 2016 CATÁLOGO DE HÍBRIDOS DE SORGO 2016 Soluções para um Mundo em Crescimento DOW AGROSCIENCES, TRADIÇÃO DOW AGROSCIENCES, NA CULTURA DE SORGO A TRADIÇÃO Dow AgroSciences alcançou NA a liderança CULTURA no

Leia mais

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS

Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS Data Moeda Valor Vista Descrição Taxa US$ 07-Jul-00 Real 0,5816 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,81 14-Jul-00 Real 0,5938 Sem frete - PIS/COFINS (3,65%) NPR 1,8 21-Jul-00 Real 0,6493 Sem frete - PIS/COFINS

Leia mais

Provence: parceiro ideal no. em todas as épocas. Augusto Monteiro. Agr. Desenv. Mercado - Bayer

Provence: parceiro ideal no. em todas as épocas. Augusto Monteiro. Agr. Desenv. Mercado - Bayer Provence: parceiro ideal no manejo das plantas daninhas em todas as épocas Augusto Monteiro Agr. Desenv. Mercado - Bayer Manejo Integrado das Plantas Daninhas... o manejo integrado de plantas daninhas

Leia mais

DOENÇA. Fenômeno de natureza complexa, que não tem definição precisa, mas que possui características básicas, essenciais

DOENÇA. Fenômeno de natureza complexa, que não tem definição precisa, mas que possui características básicas, essenciais Conceitos Básicos O que é DOENÇA? Limite entre normal/sadio - anormal/doente doença x injúria física ou química doença x praga (afetam o desenvolvimento) Fatores ambientais - causas de doença DOENÇA Fenômeno

Leia mais

Altitude 840 m Precipitação mm Temperatura 13 a 28 o C

Altitude 840 m Precipitação mm Temperatura 13 a 28 o C Altitude 840 m Precipitação 1.800 mm Temperatura 13 a 28 o C EQUIPE DE PESQUISA 03 Eng. Agr. Dr. 02 Eng. Agr. MS. 05 Eng. Agr. 02 Técnicos. 08 Auxiliares de Pesquisa. 20 Estagiários. CAMPO DE PROVA DA

Leia mais

Universidade de Passo Fundo Passo Fundo - RS

Universidade de Passo Fundo Passo Fundo - RS Universidade de Passo Fundo Passo Fundo - RS SISTEMAS DE PREVISÃO DE DOENÇAS DE PLANTAS - Potencial de uso na cultura do eucalipto - Eng. Agr., M.Sc., Ph.D., Erlei Melo Reis Fitopatologista Universidade

Leia mais

Desafios para aumento da produtividade da soja

Desafios para aumento da produtividade da soja Desafios para aumento da produtividade da soja Embrapa Soja Avaliação e Reflexões sobre a Produtividade da Soja no Mato Grosso Passado, presente e futuro Londrina, 25 de outubro de 2016 Leandro Zancanaro

Leia mais

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS

6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS 6.4 CONTROLE DE PLANTAS DANINHAS Prejuízos: -Competição por água; -Competição por luz; -Competição por nutrientes; -Hospedeiros de pragas e doenças; -Interferência na operação de colheita. Período de competição:

Leia mais

Monitoramento da Resistência de Ramularia areola a Fungicidas. Fabiano J. Perina Jackson A. Tavares Júlio C. Bogiani Nelson D.

Monitoramento da Resistência de Ramularia areola a Fungicidas. Fabiano J. Perina Jackson A. Tavares Júlio C. Bogiani Nelson D. Monitoramento da Resistência de Ramularia areola a Fungicidas Fabiano J. Perina Jackson A. Tavares Júlio C. Bogiani Nelson D. Suassuna Safras 13/14 e 14/15 Levantamentos Controle de Ramulária - Severidade

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO SUL Leandro Sartoreli Ricci Mamborê - PR 2010/2011 Produtividade: 6.027 kg/ha (100,5 sc/ha) - Variedade SYN 3358 (Variedade com folhas lanceoladas e alta resistência ao acamamento)

Leia mais

14/05/2012. Doenças do cafeeiro. 14 de maio de Umidade. Temperatura Microclima AMBIENTE

14/05/2012. Doenças do cafeeiro. 14 de maio de Umidade. Temperatura Microclima AMBIENTE 14/05/2012 Doenças do cafeeiro Doutoranda Ana Paula Neto Prof Dr. José Laércio Favarin 14 de maio de 2012 Umidade AMBIENTE PATÓGENO Temperatura Microclima HOSPEDEIRO 1 DOENÇAS Ferrugem Hemileia vastatrix

Leia mais

o tratamento de sementes constitui uma das maneiras mais

o tratamento de sementes constitui uma das maneiras mais Efeito de Fungicidas no Controle "In Vitro" e "In Vivo" de Bipolaris sorokiniana e de Fusarium graminearum Picinini, E.C. 1 ; Fernandes, J.M.C. 1 Introdução o tratamento de sementes constitui uma das maneiras

Leia mais

Relato: Evolução da Ferrugem Asiática da Soja (Phakopsora pachyrhizi) em Goiás e Distrito Federal. Safras 2001/02 a 2006/07.

Relato: Evolução da Ferrugem Asiática da Soja (Phakopsora pachyrhizi) em Goiás e Distrito Federal. Safras 2001/02 a 2006/07. SEAGRO, AGENCIARURAL, AGRODEFESA, MAPA, EMBRAPA Soja, EMBRAPA Cerrados, CTPA, FAEG, OCB-GO, UFGo, UEG,Universidade de Rio Verde- FESURV, FIMES, ULBRA, AEPAGO, Uni-Anhanguera Relato: Evolução da Ferrugem

Leia mais

FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO. Ciro A. Rosolem FCA/UNESP

FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO. Ciro A. Rosolem FCA/UNESP FISIOLOGIA, SECA, NUTRIÇÃO E MANEJO Ciro A. Rosolem FCA/UNESP Perda estimada de produtividade de soja por seca Perda, kg/ha Centelhas et al., 2015 16 12 o que temos o que queremos SOJA 2011 2012 > 60 sc/ha

Leia mais

ENSAIO EM REDE - AVALIAÇÃO DE FUNGICIDAS PROTETORES EM APLICAÇÕES ISOLADAS NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA

ENSAIO EM REDE - AVALIAÇÃO DE FUNGICIDAS PROTETORES EM APLICAÇÕES ISOLADAS NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA LAUDO EXPLORATÓRIO ENSAIO EM REDE - AVALIAÇÃO DE FUNGICIDAS PROTETORES EM APLICAÇÕES ISOLADAS NO CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA (Phakopsora pachyrhizi), NA SAFRA 2014/2015 EM DIAMANTINO - MT. IDENTIFICAÇÂO

Leia mais

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12

TABELA PRÁTICA PARA CÁLCULO DOS JUROS DE MORA ICMS ANEXA AO COMUNICADO DA-87/12 JANEIRO 2,8451 2,7133 2,4903 2,3303 2,1669 1,9859 1,7813 1,6288 1,4527 1,3148 1,1940 1,0684 FEVEREIRO 2,8351 2,6895 2,4758 2,3201 2,1544 1,9676 1,7705 1,6166 1,4412 1,3048 1,1840 1,0584 MARÇO 2,8251 2,6562

Leia mais

Seu braço forte contra as doenças da Cana. Nativo - Protege muito, contra mais doenças.

Seu braço forte contra as doenças da Cana. Nativo - Protege muito, contra mais doenças. Seu braço forte contra as doenças da Cana. Nivo - Protege muito, contra mais doenças. Características Técnicas de NATIVO Fungicida Sistêmico e Mesostêmico COMPOSIÇÃO Trifloxistrobina - 100 g/l (10% m/v)

Leia mais

GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL,

GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL, GASTOS COM INSETICIDAS, FUNGICIDAS E HERBICIDAS NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA, BRASIL, 2008-2012 Maximiliano Miura (1), Alfredo Tsunechiro (2), Célia Regina Roncato Penteado Tavares Ferreira (1) Introdução

Leia mais

GUIA DE SEMENTES 2016

GUIA DE SEMENTES 2016 Dow SementesTM GUIA DE SEMENTES 2016 Soluções para um Mundo em Crescimento PATROCINADOR MUNDIAL A Dow AgroSciences faz a diferença no agronegócio de mais de 140 países, investindo constantemente em pesquisa

Leia mais

2005-Entressafra

2005-Entressafra Ferrugem Asiática no Estado do Mato Grosso - Safra 2006-2007 Relato Eng. Agr. Fabiano Victor Siqueri fabianosiqueri@fundacaomt.com.br (66) 3439-4100 Rondonópolis - MT Londrina - PR, 26 de Junho de 2.007

Leia mais

Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO

Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO Genética Embrapa: INOVAÇÃO E SUPERIORIDADE NO CAMPO Foz do Iguaçu PR 20/06/2017 Engº Agrº Ralf Udo Dengler Engº Agrº Milton Dalbosco Fundação Meridional Novos patamares de produtividade! Destaques do Melhoramento

Leia mais

AULA FINAL / PARTE 1. Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado

AULA FINAL / PARTE 1. Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado AULA FINAL / PARTE 1 Gil Miguel de Sousa Câmara Professor Associado 4.1 ÉPOCAS DE SEMEADURA PARA SOJA NO BRASIL Denominações Das Épocas 1. Normal Meses e Respectivas Quinzenas SET OUT NOV DEZ JAN FEV MAR

Leia mais

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016

Safra 2016/2017. Safra 2015/2016 Valores de ATR e Preço da Tonelada de Cana-de-açúcar - Consecana do Estado do Paraná Safra 2016/2017 Mar/16 0,6048 0,6048 0,6048 66,04 73,77 Abr 0,6232 0,6232 0,5927 64,72 72,29 Mai 0,5585 0,5878 0,5868

Leia mais

CONTROLE DE DOENÇAS EM MILHO SAFRINHA

CONTROLE DE DOENÇAS EM MILHO SAFRINHA CONTROLE DE DOENÇAS EM MILHO SAFRINHA Hercules Diniz Campos (1), Gustavo A. Simon (2) ; Alessandro Guerra da Silva (3) Monitoramentos de doenças na cultura do milho realizados, nas últimas safras, pela

Leia mais

Epidemiologia. Fitopatologia I Profª Danielle Mattei

Epidemiologia. Fitopatologia I Profª Danielle Mattei Epidemiologia Fitopatologia I Profª Danielle Mattei 1. Epidemiologia: Conceito e definição É o estudo da população de patógenos e de hospedeiros que leva a algo novo: a doença. Esta pode ser considerada

Leia mais

Inoculação das bactérias Xanthomonas em couve

Inoculação das bactérias Xanthomonas em couve Exercício 2 Inoculação das bactérias Xanthomonas em couve -Adicionar água esterilizada - Raspar a cultura - Filtrar (gaze) Filtrado (=inóculo) Colocar em condições adequadas (câmara úmida) e esperar pelos

Leia mais

Resistência de fungos a fungicidas. - Ênfase em trigo-

Resistência de fungos a fungicidas. - Ênfase em trigo- Resistência de fungos a fungicidas - Ênfase em trigo- - Por que os fungicidas falham? - Erlei Melo Reis OR Melhoramento de sementes Ltda 2015 1. Introdução Área cultivada com trigo (2014) 2,2M ha; Aplicações

Leia mais

USO DE ADUBAÇÃO FOLIAR ASSOCIADA A FUNGICIDAS NO CONTROLE DE DOENÇAS FÚNGICAS EM MILHO 2ª SAFRA NO MATO GROSSO

USO DE ADUBAÇÃO FOLIAR ASSOCIADA A FUNGICIDAS NO CONTROLE DE DOENÇAS FÚNGICAS EM MILHO 2ª SAFRA NO MATO GROSSO USO DE ADUBAÇÃO FOLIAR ASSOCIADA A FUNGICIDAS NO CONTROLE DE DOENÇAS FÚNGICAS EM MILHO 2ª SAFRA NO MATO GROSSO Daniel Cassetari Neto 1, Andréia Quixabeira Machado 2, Eduardo Dias Vidotti 3, Vinicius Eduardo

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO

MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO MANEJO DE BUVA (Conyza spp.) E DE AZEVÉM (Lolium multiflorum) RESISTENTES AO GLIFOSATO Mario Antonio Bianchi CCGL Tecnologia - CCGL TEC Universidade de Cruz Alta - UNICRUZ Workshop Latino-Americano sobre

Leia mais

CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 2013/2014. niderasementes.com.br

CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 2013/2014. niderasementes.com.br CULTIVARES DE SOJA LICENCIADAS SAFRA SUL 3/4 niderasementes.com.br Parceria que rende mais. NS4823 A mais precoce do mercado. Resistência ao acamamento. Ótima arquitetura de plantas. Marrom Ereta, porte

Leia mais

MATURAÇÃO RELATIVA DAS CULTIVARES. Falou Sementes de Soja, Falou Brejeiro. E Tá Falado!

MATURAÇÃO RELATIVA DAS CULTIVARES. Falou Sementes de Soja, Falou Brejeiro. E Tá Falado! 1 MATURAÇÃO RELATIVA DAS CULTIVARES O Grupo Brejeiro completou 70 anos de atividades e tem bons motivos para comemorar. Comemorar significa fazer com mais empenho e trabalho tudo o que sempre desenvolvemos.

Leia mais

Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras. Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras

Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras. Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras Variações sazonais no crescimento de plantas forrageiras Fatores que afetam o crescimento estacional de plantas forrageiras Caráter extrativista dos sistemas de produção - Historicamente, o pecuarista

Leia mais

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé

Adubação de Lavouras Podadas. Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Adubação de Lavouras Podadas Alysson Vilela Fagundes Eng. Agr.Fundação Procafé Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Tipos de Podas Critérios básicos para o sucesso das podas 2. Adubação do cafeeiro

Leia mais

Fatores Bióticos e Abióticos: desafios para a eficiência produtiva. Sérgio Abud Embrapa Cerrados

Fatores Bióticos e Abióticos: desafios para a eficiência produtiva. Sérgio Abud Embrapa Cerrados Fatores Bióticos e Abióticos: desafios para a eficiência produtiva Sérgio Abud Embrapa Cerrados Crescimento Populacional Esperado por Região 2010-2050 7 bilhões 9 bilhões 2015 2050 Volatilidade do mercado

Leia mais

Produtor: Elton Zanella Consultor: Marcos Adriano Storch Relator: Eng. Agr. MSC Leandro Zancanaro

Produtor: Elton Zanella Consultor: Marcos Adriano Storch Relator: Eng. Agr. MSC Leandro Zancanaro Produtor: Elton Zanella Consultor: Marcos Adriano Storch Relator: Eng. Agr. MSC Leandro Zancanaro Revisores Eng. Agr. Henry Sako Prof. Dr. Antonio Luiz Fancelli Produtor: Elton Zanella Consultor: Marcos

Leia mais

Implicações da compactação sobre o crescimento de raízes

Implicações da compactação sobre o crescimento de raízes Implicações da compactação sobre o crescimento de raízes Moacir Tuzzin de Moraes, Eng. Agr., Dr. Henrique Debiasi, Eng. Agr., Dr. Julio C. Franchini, Eng. Agr., Dr. Londrina, 29 de junho de 2017 1 Roteiro

Leia mais

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani RESULTADOS DE PESQUISAS

SEMEADORA-ADUBADORA. Prof. Dr. Carlos Eduardo Angeli Furlani RESULTADOS DE PESQUISAS SEMEADORA-ADUBADORA RESULTADOS DE PESQUISAS 1 Rendimento da cultura de milho em diferentes manejos do solo e tipos de sulcadores (haste x disco duplo) utilizados na operação de semeadura. (Klein & Boller,

Leia mais

Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998

Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998 Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998 Picinini, E.C. 1 ; Fernandes, J.M.C. 1 Introdução A cevada cervejeira constitui importante alternativa de inverno na região

Leia mais

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO

9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5 PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO FEIJOEIRO 9.5.1 Controle de Pragas PRINCIPAIS PRAGAS -Lagarta elasmo -Vaquinhas - Mosca branca -Ácaro branco -Carunchos LAGARTA ELASMO Feijão da seca aumento da população

Leia mais

Guia de Sementes Soja

Guia de Sementes Soja Guia de SementesSoja Tratamento de Sementes Industrial Importância do tratamento de sementes A prática do tratamento de sementes tem como principal objetivo proporcionar a proteção das sementes, assegurando

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Ministério da Educação Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul QUESTÃO: 15 A questão 15 deve ser anulada porque a alternativa IV afirma que ferrugens não são afetadas por programas de rotação e essa é uma das práticas culturais indicadas no controle de ferrugem. O

Leia mais

PODA ANTECIPADA DA VIDEIRA ENG. AGRÔNOMO E TECNÓLOGO EM VITICULTURA E ENOLOGIA: PAULO ADOLFO TESSER

PODA ANTECIPADA DA VIDEIRA ENG. AGRÔNOMO E TECNÓLOGO EM VITICULTURA E ENOLOGIA: PAULO ADOLFO TESSER PODA ANTECIPADA DA VIDEIRA ENG. AGRÔNOMO E TECNÓLOGO EM VITICULTURA E ENOLOGIA: PAULO ADOLFO TESSER Horti Serra Gaúcha, maio 2015. ÉPOCAS DE PODA SECA E SUA INFLUÊNCIA NA BROTAÇÃO, PRODUÇÃO E QUALIDADE

Leia mais

REUNIÃO REGIONAL 2015 PMGCA/UFSCar/RIDESA. EQUIPE PMGCA/UFSCar/RIDESA

REUNIÃO REGIONAL 2015 PMGCA/UFSCar/RIDESA. EQUIPE PMGCA/UFSCar/RIDESA REUNIÃO REGIONAL 2015 PMGCA/UFSCar/RIDESA EQUIPE PMGCA/UFSCar/RIDESA Roteiro da Apresentação Roteiro CARVÃO FERRUGEM ALARANJADA CENSO VARIETAL 2015 RB965902 E PRÉ-LIBERAÇÕES UFSCar Roteiro da Apresentação

Leia mais

III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO

III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO III WORKSHOP AGROENERGIA MATÉRIAS PRIMAS ASSOCIAÇÃO DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E AGRONOMIA RIBEIRÃO PRETO - 21/10/2009 POTENCIAL DE VARIEDADES DE AMENDOIM PARA BIODIESEL Ignácio J. de Godoy Instituto Agronômico

Leia mais

AUGUSTO CÉSAR PEREIRA GOULART Eng. Agr. M.Sc. Fitopatologia/Patologia de Sementes cpao.embrapa.br Dourados, MS - Brasil

AUGUSTO CÉSAR PEREIRA GOULART Eng. Agr. M.Sc. Fitopatologia/Patologia de Sementes   cpao.embrapa.br Dourados, MS - Brasil TRATAMENTO DE SEMENTES DE SOJA COM FUNGICIDAS SOYBEAN SEED TREATMENT WITH FUNGICIDES AUGUSTO CÉSAR PEREIRA GOULART Eng. Agr. M.Sc. Fitopatologia/Patologia de Sementes email: goulart@ cpao.embrapa.br Dourados,

Leia mais

Condições favoráveis para que ocorra doenças

Condições favoráveis para que ocorra doenças ç UFV Condições favoráveis para que ocorra doenças Endemica Epidemia Epidemica Patógeno Inóculo Área DOENÇA Favorável Persistente Planta suscetivel Ambiente favorável ucesso Plantio direto/ustentabilidade

Leia mais

Controle Cultural de Doenças do Algodoeiro. Alderi Emídio de Araújo Eng o Agr o, Fitopatologista, M. Sc. Pesquisador Embrapa Algodão

Controle Cultural de Doenças do Algodoeiro. Alderi Emídio de Araújo Eng o Agr o, Fitopatologista, M. Sc. Pesquisador Embrapa Algodão Controle Cultural de Doenças do Algodoeiro Alderi Emídio de Araújo Eng o Agr o, Fitopatologista, M. Sc. Pesquisador Embrapa Algodão Controle cultural o que é? Práticas agrícolas que visam erradicar ou

Leia mais

PROGRAMA DUPONT, COMPARADO A UM TRATAMENTO TRADICIONAL REALIZADO PELOS PRODUTORES PARA O CONTROLE DAS PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO CAFEEIRO.

PROGRAMA DUPONT, COMPARADO A UM TRATAMENTO TRADICIONAL REALIZADO PELOS PRODUTORES PARA O CONTROLE DAS PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO CAFEEIRO. PROGRAMA DUPONT, COMPARADO A UM TRATAMENTO TRADICIONAL REALIZADO PELOS PRODUTORES PARA O CONTROLE DAS PRINCIPAIS PRAGAS E DOENÇAS DO CAFEEIRO. R. N. Paiva e G. R. Lacerda Eng. Agr. Fundação Procafé; M.

Leia mais

Dispêndios com Inseticidas, Fungicidas e Herbicidas na Cultura do Milho no Brasil,

Dispêndios com Inseticidas, Fungicidas e Herbicidas na Cultura do Milho no Brasil, Dispêndios com Inseticidas, Fungicidas e Herbicidas na Cultura do Milho no Brasil, 2000-20009 Alfredo Tsunechiro, Célia R. R. P. T. Ferreira e Maximiliano Miura Instituto de Economia Agrícola (IEA) Caixa

Leia mais

O clima e as epidemias de ferrugem da soja

O clima e as epidemias de ferrugem da soja O clima e as epidemias de ferrugem da soja Prof. Emerson Del Ponte emerson.delponte@ufrgs.br Lab. de Epidemiologia de Doenças de Plantas Depto de Fitossanidade, Fac. de Agronomia Universidade Federal do

Leia mais

"Estratégias de manejo de plantas

Estratégias de manejo de plantas 1 "Estratégias de manejo de plantas daninhas para maximizar a produtividade na cultura do milho". Eng. Agr. Prof. Dr. Diecson Ruy Orsolin da Silva UFSM campus Frederico Westphalen "VI SIMPÓSIO DE ATUALIZAÇÃO

Leia mais

CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA NA CULTURA DA SOJA

CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA NA CULTURA DA SOJA CONTROLE DA FERRUGEM ASIÁTICA NA CULTURA DA SOJA BEDIN, Cristiane Graduada na Faculdade de Agronomia e Engenharia Florestal de Garça SP E-mail: crisbedin@ig.com.br MENDES, Luciana Batista Graduada na Faculdade

Leia mais

Resistência de Insetos a Inseticidas

Resistência de Insetos a Inseticidas Resistência de Insetos a Inseticidas Celso Omoto Universidade de São Paulo / ESALQ celso.omoto@usp.br ROTEIRO Magnitude do problema de resistência de pragas a inseticidas e tecnologias Bt Principais estratégias

Leia mais

Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS

Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS Matiello, Paiva e Figueiredo EFEITO ISOLADO E COMBINADO DE TRIAZÓIS E ESTROBILURINAS NO CONTROLE DA FERRUGEM E DA CERCOSPORIOSE EM CAFEEIROS Justificativas O uso de formulações de fungicidas triazois mais

Leia mais

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil

Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil XXX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO SALVADOR 5 DE AGOSTO DE 2014 Influência da Safrinha na Eficiência de Produção do Milho no Brasil Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Influência

Leia mais

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1122

VII Congresso Brasileiro do Algodão, Foz do Iguaçu, PR 2009 Página 1122 Página 1122 PROGRAMAS DE APLICAÇÃO DE FUNGICIDAS NO CONTROLE DE RAMULOSE (COLLETOTRICHUM GOSSYPII VAR. CEPHALOSPORIOIDES) E MANCHA DE RAMULARIA (RAMULARIA AREOLA) EM ALGODOEIRO NO MATO GROSSO Daniel Cassetari

Leia mais

PODRIDÃO FLORAL Medidas essenciais de controle

PODRIDÃO FLORAL Medidas essenciais de controle PODRIDÃO FLORAL Medidas essenciais de controle PODRIDÃO FLORAL A podridão floral, também conhecida como estrelinha é uma doença de ocorrência esporádica que pode se tornar uma epidemia severa em anos de

Leia mais

Epidemias Severas da Ferrugem Polissora do Milho na Região Sul do Brasil na. safra 2009/2010

Epidemias Severas da Ferrugem Polissora do Milho na Região Sul do Brasil na. safra 2009/2010 Epidemias Severas da Ferrugem Polissora do Milho na Região Sul do Brasil na Autores Rodrigo Véras da Costa 1 Luciano Viana Cota 1 Dagma Dionisia da Silva 2 Douglas Ferreira Parreira 3 Leonardo Melo Pereira

Leia mais

(Foto: Ricardo Borges Pereira)

(Foto: Ricardo Borges Pereira) Raiz rosada da Cebola - Pyrenochaeta terrestris Ricardo Borges Pereira Pesquisador Dr. em Fitopatologia Embrapa Hortaliças Gilvaine Ciavareli Lucas Dra. em Fitopatologia Universidade Federal de Lavras

Leia mais

DOENÇAS DO QUIABEIRO

DOENÇAS DO QUIABEIRO DOENÇAS DO QUIABEIRO ÍNDICE: A Cultura do Quiabo Doenças Causada por Fungos Oídio (Erysiphe cichoraceaarum de Candolle - Oidium ambrosiae thum.) Cercosporiose (Cercospora malayensis, Cercospora hibiscina)

Leia mais

Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro

Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro Manejo integrado de pragas e doenças do maracujazeiro Princípios do manejo integrado de pragas e doenças Viroses Bacterioses Doenças causadas por fungos Nematóides Pragas de maior importância Outras pragas

Leia mais

Controle biológico de doenças. Edson Luiz Furtado Depto. de Produção Vegetal FCA/UNESP

Controle biológico de doenças. Edson Luiz Furtado Depto. de Produção Vegetal FCA/UNESP Controle biológico de doenças em gramados Edson Luiz Furtado Depto. de Produção Vegetal FCA/UNESP E-mail: elfurtado@fca.unesp.br Doença??? O que é isto? Doença: desvio do estado normal Doença: conjunto

Leia mais

NEMATOIDES Aula 3. LFT-5780 Agentes Causais de Doenças de Plantas

NEMATOIDES Aula 3. LFT-5780 Agentes Causais de Doenças de Plantas LFT-5780 Agentes Causais de Doenças de Plantas NEMATOIDES Aula 3 Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Fitopatologia e Nematologia Piracicaba 25 Abril

Leia mais

Propostas para o enfrentamento da. ferrugem asiática. no Brasil

Propostas para o enfrentamento da. ferrugem asiática. no Brasil Propostas para o enfrentamento da ferrugem asiática no Brasil APRESENTAÇÃO Segundo maior produtor de soja do mundo, com mais de 31 milhões de hectares cultivados e 94 milhões de toneladas produzidas na

Leia mais

Relevância e principais alternativas para diversificação de modelos de produção envolvendo a soja

Relevância e principais alternativas para diversificação de modelos de produção envolvendo a soja Relevância e principais alternativas para diversificação de modelos de produção envolvendo a soja Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. XXXVI

Leia mais