Experimento Correção de P (safra 2010/11 a 2015/16)

Save this PDF as:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Experimento Correção de P (safra 2010/11 a 2015/16)"

Transcrição

1 Experimento Correção de P (safra 21/11 a 215/16) Fundação MT PMA Janeiro/217

2 Protocolo: Correção de P Modos e doses de aplicação de P no sistema soja/milho safrinha em diferentes níveis de correções iniciais do solo 6º ano

3 Protocolo: Correção de P Objetivo: avaliar o efeito da aplicação de P a lanço em função da correção de P no perfil do solo no sistema soja/milho safrinha Início: 21/211 Local: Estação Experimental Santa Maria Município: Itiquira - MT Histórico: solo sob cultivo de pastagem (Brachiaria decumbens) Manejo: - 28: subsolador (3 cm) + 4 t/ha calcário + grade aradora de 32-28/9 e 29/1: milheto (cobertura) Tratamentos: 5 tratamentos anuais (modos e doses de P) com 3 repetições em 7 níveis de correções iniciais do solo

4 Protocolo: Correção de P Solo: LATOSSOLO VERMELHO Distrófico de textura muito argilosa Espaçamento: 45 cm entre linhas (soja e milho safrinha) Parcelas: 6,3 m de largura x 1 m de comprimento Parâmetro mensurado: - Produtividade de grãos - na determinação da produtividade de grãos da soja e do milho safrinha é demarcado dois pontos representativos por parcela. Cada ponto é constituído por 2 linhas adjacentes de 4, m de comprimento. Assim, as produtividades de soja e de milho são obtidas a partir da trilha mecânica e pesagem dos grãos oriundos das plantas colhidas na área útil das parcelas, a qual é convertida para sacas/ha e corrigida para 13% de umidade (base úmida)

5 Fertilidade do Solo Antes da instalação do ensaio Latossolo Vermelho distrófico (65% de argila) Teor inicial: 2,7 mg dm -3 de P Condição química inicial do solo (21/11) Prof. ph P (1) K S Ca Mg Al H+Al m V MO Zn Cu Fe Mn B (cm) CaCl mg dm cmol c dm % mg dm ,2 2,7 66 7,4 2,6 1,, 3,9, 49 3,2 2,3 1, , ,,9 25 9,9 2,,8, 3,6, 44 2,6,8, ,31 Teor de P = baixo/médio (Souza & Lobato, 24) Extratores: - P, K, Zn, Cu, Fe e Mn: Mehlich-1 - S: fosfato de cálcio - Ca, Mg e Al: cloreto de potássio (1 mol L -1 ) - H+Al: acetato de cálcio a ph 7 - MO: dicromato de potássio - B: água quente

6 Protocolo: Correção de P Descrição dos tratamentos Faixa Correção inicial do solo (21) Doses de P 2 O 5 na semeadura (soja e milho) Na safra 212/13, as mesmas doses de gesso aplicadas na safra 21/11 foram reaplicadas. Na safra 214/15, foi aplicado 5 kg/ha de gesso nos tratamentos. Calcário dolomítico em superfície: 1, t/ha na safra 213/14 e 2, t/ha na safra 214/15. F1 Sem correção de P * F2 2 kg/ha de P 2 O 5 em superfície * F3 2 kg/ha de P 2 O 5 em superfície 3.25 kg/ha de gesso F4 2 kg/ha de P 2 O 5 incorporado a 2 cm * F5 2 kg/ha de P 2 O 5 incorporado a 2 cm 3.25 kg/ha de gesso F6 2 kg/ha de P 2 O 5 incorporado a 4 cm * kg/ha 5 kg/ha no sulco 1 kg/ha no sulco 5 kg/ha em superfície 1 kg/ha em superfície F7 6 kg/ha de P 2 O 5 incorporado a 4 cm * * Foram aplicados 2 kg/ha de gesso na instalação do ensaio (21). Safras 212/13 e 214/15: aplicados 5 kg/ha de gesso em todas as parcelas. Setembro/216: aplicado gesso conforme as doses aplicadas na instalação do ensaio (21). Calcário dolomítico: 1, t/ha na safra 213/14 e 2, t/ha nas safras 214/15 e 216/17. Fonte de P: superfosfato triplo.

7 Cultivos: safra 28/9 a 215/16 Subsolador (3 cm) + 4 t/ha calcário + Grade aradora 32 Início do ensaio: 7 níveis de correções iniciais do solo Calagem: 1 t/ha em superfície Calagem: 2 t/ha em superfície 28/9 29/1 21/11 211/12 212/13 213/14 214/15 215/16 Milheto Milheto Soja Soja Soja/Milheto Soja/Milho /1 Soja/Milho /2 Soja/Milho /2 TMG 115 RR TMG 132 RR TMG 132 RR ADR - 3 TMG 1176RR Dow 2B587PW TMG 1168RR RB 911 PRO M 7739 IPRO AG 861 VT PRO 1/11/21 11/11/211 29/1/212 29/1/213 28/2/214 5/11/214 4/3/215 9/11/215 7/3/216 STP (sulco e lanço) (; 5; 1 kg/ha P 2 O 5 ) STP (sulco e lanço) (; 5; 1 kg/ha P 2 O 5 ) STP (sulco e lanço) (; 5; 1 kg/ha P 2 O 5 ) STP (sulco e lanço) (; 5; 1 kg/ha P 2 O 5 ) STP (sulco e lanço) (; 5; 1 kg/ha P 2 O 5 ) STP (sulco e lanço) (; 5; 1 kg/ha P 2 O 5 ) Aplicação de gesso conforme os tratamentos - 5 kg/ha de gesso em todas as parcelas - 5 kg/ha de gesso em todas as parcelas - /1 Na safra 213/14, o milho safrinha não foi adubado com P (residual da soja) /2 Nas safras seguintes, o milho recebeu doses de P conforme os tratamentos da soja (modos e doses de P)

8 Out/ 211 Nov/ 211 Dez/ 211 Jan/ 212 Fev/ 212 Mar/ 212 Abr/ 212 Mai/ 212 Jun/ 212 Jul/212 Precipitação (mm) 12 Panorama Climático - safra 211/12 Itiquira (Estação Cachoeira)* Acumulado: mm (1/8 a 31/7) Precipitação Temperatura mínima Temperatura máxima Temperatura do ar ( C) Agosto = mm - Setembro = 16 mm - Outubro = 11 mm - Novembro = 82 mm - Dezembro = 334 mm - Janeiro = 251 mm - Fevereiro = 188 mm - Março = 163 mm * Estação meteorológica situada a 4 km de distância do experimento - Abril = 142 mm - Maio = 118 mm - Junho = 6 mm - Julho = mm

9 Ago/ 212 Set/ 212 Out/ 212 Nov/ 212 Dez/ 212 Jan/ 213 Fev/ 213 Mar/ 213 Abr/ 213 Mai/ 213 Jun/ 213 Jul/ 213 Precipitação (mm) Panorama Climático - safra 212/13 Itiquira (Estação Cachoeira)* Acumulado: 1.51 mm (1/8 a 31/7) Precipitação Temperatura mínima Temperatura máxima Temperatura do ar ( C) - Agosto = mm - Setembro = 37 mm - Outubro = 114 mm - Novembro = 24 mm - Dezembro = 149 mm - Janeiro = 322 mm - Fevereiro = 285 mm - Março = 222 mm - Abril = 49 mm - Maio = 27 mm - Junho = 58 mm - Julho = 7 mm * Estação meteorológica situada a 4 km de distância do experimento

10 Ago/ 213 Set/ 213 Out/ 213 Nov/ 213 Dez/ 213 Jan/ 214 Fev/ 214 Mar/ 214 Abr/ 214 Mai/ 214 Jun/ 214 Jul/ 214 Precipitação (mm) 12 Panorama Climático - safra 213/14 Itiquira (Estação Cachoeira)* Acumulado: mm (1/8 a 31/7) Precipitação Temperatura mínima Temperatura máxima Temperatura do ar ( C) - Agosto = mm - Setembro = 114 mm - Outubro = 55 mm - Novembro = 134 mm - Dezembro = 39 mm - Janeiro = 2 mm - Fevereiro = 237 mm - Março = 211 mm * Estação meteorológica situada a 4 km de distância do experimento - Abril = 41 mm - Maio = 36 mm - Junho = 3 mm - Julho = 125 mm

11 Ago/ 214 Set/ 214 Out/ 214 Nov/ 214 Dez/ 214 Jan/ 215 Fev/ 215 Mar/ 215 Abr/ 215 Mai/ 215 Jun/ 215 Jul/ 215 Precipitação (mm) 12 Panorama Climático - safra 214/15 Itiquira (Estação Cachoeira)* Acumulado: mm (1/8 a 31/7) Precipitação Temperatura mínima Temperatura máxima Temperatura do ar ( C) - Agosto = mm - Setembro = 75 mm - Outubro = 98 mm - Novembro = 175 mm - Dezembro = 346 mm - Janeiro = 118 mm - Fevereiro = 219 mm - Março = 187 mm * Estação meteorológica situada a 4 km de distância do experimento - Abril = 134 mm - Maio = 115 mm - Junho = 26 mm - Julho = 18 mm

12 Ago/ 215 Set/ 215 Out/ 215 Nov/ 215 Dez/ 215 Jan/ 216 Fev/ 216 Mar/ 216 Abr/ 216 Mai/ 216 Jun/ 216 Jul/ 216 Precipitação (mm) Panorama Climático - safra 215/16 Acumulado: mm (1/8 a 31/7) Itiquira (Estação Cachoeira)* Precipitação Temperatura mínima Temperatura máxima Temperatura do ar ( C) - Agosto = 1 mm - Setembro = 14 mm - Outubro = 14 mm - Novembro = 19 mm - Dezembro = 251 mm - Janeiro = 384 mm - Fevereiro = 264 mm - Março = 177 mm * Estação meteorológica situada a 4 km de distância do experimento - Abril = 131 mm - Maio = 47 mm - Junho = 22 mm - Julho = mm

13 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Modos e doses de P) Safra 21/11 (TMG 115 RR) 9 8 y = 45 y = 63 y = 64 y = 65 y = 65 y = 66 y = 66 DMS: 8 Teste F: ns Teste F: ns Teste F: ns Teste F: ns Teste F: ns Teste F: ns F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha) e * significativo a 1% e 5% de probabilidade, respectivamente. ns = não significativo No geral, as maiores produtividades de soja foram obtidas quando houve a correção inicial do solo com P; Teste de médias: Tukey a 1% de probabilidade DMS: diferença mínima significativa Na comparação entre os modos de aplicação de P anual (sulco vs lanço), observou-se a tendência numérica de maior produtividade de soja para o P aplicado no sulco considerando os níveis de correções iniciais do solo sem correção de P (F1), 2 kg/ha de P 2 O 5 em superfície (F2 e F3) e 2 kg/ha de P 2 O 5 incorporado a 4 cm (F6).

14 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Modos e doses de P) Safra 211/12 (TMG 132 RR) 9 8 y = 38 y = 56 y = 63 y = 52 y = 6 y = 54 y = 58 Teste F: * DMS: 2 Teste F: ns Teste F: ns Teste F: * DMS: 1 Teste F: * DMS: 11 Teste F: * DMS: 8 Teste F: ns F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha) No geral, as maiores produtividades de soja foram obtidas quando houve a correção inicial do solo com P. Observouse maiores rendimentos nas faixas com a presença de gesso (F3 e F5) na dose recomendada (3.25 kg/ha de gesso). Na comparação entre os modos de aplicação de P anual (sulco vs lanço), não se observou de forma clara a mesma tendência observada na primeira safra (21/11), onde a adubação no sulco mostrou ser superior nas correções iniciais do solo F1, F2, F3 e F6.

15 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Modos e doses de P) Safra 212/13 (TMG 132 RR) 9 8 y = 39 y = 57 y = 59 y = 55 y = 58 y = 56 y = 64 DMS: 17 Teste F: ns Teste F: ns DMS: 14 DMS: 12 DMS: 11 Teste F: ns F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha)

16 Visual da soja (TMG 1176 RR) safra 213/14 5 kg/ha P 2 O 5 (sulco) 1 kg/ha P 2 O 5 (sulco) Sem P 5 kg/ha P 2 O 5 (lanço) 1 kg/ha P 2 O 5 (lanço)

17 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Modos e doses de P) Safra 213/14 (TMG 1176 RR) 9 8 y = 44 y = 52 y = 57 y = 51 y = 55 y = 5 y = 57 DMS: 7 DMS: 11 Teste F: * DMS: 11 DMS: 5 DMS: 8 DMS: 6 Teste F: DMS: F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha)

18 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Modos e doses de P) Safra 214/15 (TMG 1168 RR) 8 7 y = 39 y = 44 y = 45 y = 44 y = 43 y = 42 y = 47 DMS: 9 DMS: 5 DMS: 15 DMS: 9 DMS: 12 DMS: 4 Teste F: DMS: F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha)

19 2 kg/ha incorporado (2 cm) kg/ha gesso Soja Safra 215/16 ( ) Protocolo: Correção de P 2 kg/ha superfície kg/ha gesso 6 kg/ha incorporado (4 cm) 2 kg/ha Incorporado (4 cm) 2 kg/ha incorporado (2 cm) 2 kg/ha superfície Sem correção de P 1 lanço 5 lanço 1 sulco 5 sulco P

20 Soja Safra 215/16 ( ) 2 kg/ha incorporado (2 cm) kg/ha gesso 2 kg/ha superfície kg/ha gesso 6 kg/ha incorporado (4 cm) 2 kg/ha Incorporado (4 cm) 2 kg/ha incorporado (2 cm) 2 kg/ha superfície Sem correção de P 1 5 lanço lanço 1 sulco 5 sulco P

21 Soja Safra 215/16 ( ) Protocolo: Correção de P

22 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Modos e doses de P) 9 8 Safra 215/16 (M 7739 IPRO) y = 5 y = 55 y = 55 y = 54 y = 54 y = 54 y = 57 DMS: 8 DMS: 1 DMS: 12 DMS: 1 DMS: 11 DMS: 11 DMS: F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha)

23 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Modos e doses de P) 8 7 Média de 6 Safras (21/11 a 215/16) y = 43 y = 54 y = 57 y = 54 y = 56 y = 54 y = 58 DMS: 6 DMS: 6 DMS: 8 DMS: 6 DMS: 5 DMS: 4 DMS: F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha)

24 MILHO

25 Visual do milho safra 213/14 5 kg/ha P 2 O 5 (sulco) 1 kg/ha P 2 O 5 (sulco) Sem P 5 kg/ha P 2 O 5 (lanço) 1 kg/ha P 2 O 5 (lanço)

26 Produtividade de milho (sc/ha) Produtividade do milho (Modos e doses de P) Safra 213/14 (Dow 2B587 PW) 1 2 y = 85 y = 121 y = 128 y = 123 y = 123 y = 113 y = 143 DMS: 27 DMS: 25 Teste F: * DMS: 45 DMS: 35 DMS: 21 DMS: 26 DMS: F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha) 1 Na safra 213/14, o milho safrinha não foi adubado com P (residual da soja)

27 Produtividade de milho (sc/ha) Produtividade do milho (Modos e doses de P) Safra 214/15 (RB 911 PRO) 2 2 y = 14 y = 114 y = 116 y = 111 y = 115 y = 18 y = 125 DMS: 14 DMS: 16 DMS: 1 DMS: 13 DMS: 18 DMS: 21 Teste F: * DMS: F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha) 2 Na safra 214/15, o milho recebeu doses de P conforme os tratamentos da soja (modos e doses de P)

28 Visual do milho Safra 215/16 5 kg/ha P2O5 (sulco) 1 kg/ha P2O5 (sulco) Sem P (Faixa 1) Sem correção de P 5 kg/ha P2O5 (lanço) kg/ha P2O5 (lanço)

29 Visual do milho Safra 215/16 5 kg/ha P 2 O 5 (sulco) 1 kg/ha P 2 O 5 (sulco) Sem P (Faixa 1) Sem correção de P 5 kg/ha P 2 O 5 (lanço) 1 kg/ha P 2 O 5 (lanço)

30 Visual do milho Safra 215/16 5 kg/ha P 2 O 5 (sulco) 1 kg/ha P 2 O 5 (sulco) Sem P (Faixa 2) 2 kg/ha em superfície 5 kg/ha P 2 O 5 (lanço) 1 kg/ha P 2 O 5 (lanço)

31 Visual do milho Safra 215/16 5 kg/ha P 2 O 5 (sulco) 1 kg/ha P 2 O 5 (sulco) Sem P (Faixa 4) 2 kg/ha incorporado (2 cm) 5 kg/ha P 2 O 5 (lanço) 1 kg/ha P 2 O 5 (lanço)

32 Sem correção de P 2 kg/ha em superfície 2 kg/ha em superfície + Gesso Sem P na semeadura 2 kg/ha incorporado (2 cm) 2 kg/ha incorporado (2 cm) + Gesso 2 kg/ha incorporado (4 cm) 6 kg/ha incorporado (4 cm)

33 Precipitação (mm) Precipitação no cultivo do milho (safra 215/16) Dados da Estação Cachoeira (4 km de distância do experimento) S Ocorreram em menor volume no local do ensaio 4 Estresse S = semeadura F = florescimento F Estresse Março Abril Maio Junho Considerações: A semeadura do milho foi tardia (7/3/216), pois a colheita da soja ocorreu no dia 2/3/216; No geral, houve menor volume de precipitação na Estação Sta Maria (local do experimento) em relação a Estação Cachoeira (local da estação meteorológica). As precipitações que ocorreram no início de abril (1 a 1 de abril) foram bem menores na Estação Sta Maria (observações visuais do dia a dia); Observou-se longos períodos de baixa precipitação no local, ocasionando estresses hídricos no milho em fases de determinação do potencial produtivo e de formação de grãos.

34 Produtividade de milho (sc/ha) Produtividade do milho (Modos e doses de P) Safra 215/16 (AG 861 VTPRO) 9 8 y = 52 y = 53 y = 57 y = 52 y = 53 y = 52 y = 58 DMS: 11 DMS: 12 DMS: 19 DMS: 13 DMS: 18 DMS: 13 DMS: F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha)

35 Produtividade de milho (sc/ha) Produtividade do milho (Modos e doses de P) Média de 3 safras (213/14 a 215/16) y = 81 y = 96 y = 1 y = 96 y = 97 y = 91 y = 19 DMS: 11 DMS: 11 DMS: 18 DMS: 15 DMS: 14 DMS: 14 DMS: F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 Doses de P 2 O 5 (kg/ha)

36 Considerações - Soja Na média de seis safras (21/11 a 215/16), as produtividades de grãos de soja, no ambiente sem correção inicial de P do solo (F1), apresentou melhores resultados perante a maior dose de fósforo aplicada anualmente (1 kg/ha P 2 O 5 ), sendo que não há diferença agronômica entre os modos de aplicação do fertilizante (sulco vs lanço); O modo de aplicação de P (sulco vs lanço) não mostrou influenciar na produtividade da soja, considerando a média de seis safras dentro de todas as faixas de correções inicias do solo (F1 a F7); Considerando a média de seis safras, observou-se as maiores produtividades de soja em valor absoluto na maior dose de P aplicada anualmente (1 kg/ha P 2 O 5 ) para todas as faixas que houve a correção inicial do solo (F2 a F7). Menor diferença de produtividade entre as doses aplicadas anualmente foi obtida para a Faixa 7 de correção inicial do solo (6 kg/ha de P 2 O 5 incorporado a 4 cm de profundidade); Observou-se um leve incremento (valor absoluto) na produtividade da soja, na média de 6 safras, com a utilização de gesso agrícola (média da F3 vs F2 e da F5 vs F4).

37 Considerações - Milho safrinha Nas safras 213/14 e 214/15, o milho safrinha respondeu ao residual de P da correção inicial do solo realizada em 21. Observou-se a maior produtividade média para a F7 (6 kg/ha de P 2 O 5 incorporado) e a menor para a F1 (sem correção de P); Na safra 215/16, ocorreram longos períodos de baixa precipitação no local do ensaio, ocasionando estresses hídricos no milho. Como consequência, houve baixa produtividade da cultura, independente da correção inicial do solo e da dose e do modo de aplicação de P. De modo geral, observou-se pelo visual da cultura um indicativo de melhor desenvolvimento do milho quando houve a aplicação de P no sulco de semeadura. Porém, a diferença de produtividade entre os modos de aplicação de P não apresentou ser significativa para uma mesma dose de P; Na média de três safras de milho (213/14 a 215/16), de modo geral, observou-se um indicativo de maior produtividade da cultura (valor absoluto) na maior dose de P aplicada anualmente (1 kg/ha P 2 O 5 ). Não observou-se diferença significativa no rendimento da cultura entre os modos de aplicação de P (sulco vs lanço).

38 Muito obrigado! Claudinei Kappes (66) / (66) Leandro Zancanaro (66) / (66) Fábio B. Ono (66) / (66) Táimon D. Semler (66) / (66) Toda a Equipe do PMA/Fundação MT

39

Protocolo Gessagem. Doses de gesso agrícola e seu residual para o sistema de produção soja/milho safrinha

Protocolo Gessagem. Doses de gesso agrícola e seu residual para o sistema de produção soja/milho safrinha Protocolo Gessagem Doses de gesso agrícola e seu residual para o sistema de produção soja/milho safrinha Set/ 2016 Out/ 2016 Nov/ 2016 Dez/ 2016 Jan/ 2017 Fev/ 2017 Mar/ 2017 Abr/ 2017 Mai/ 2017 Precipitação

Leia mais

CALAGEM SUPERFICIAL E INCORPORADA E SUA INFLUÊNCIA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA AO LONGO DE CINCO ANOS

CALAGEM SUPERFICIAL E INCORPORADA E SUA INFLUÊNCIA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA AO LONGO DE CINCO ANOS 13 CALAGEM SUPERFICIAL E INCORPORADA E SUA INFLUÊNCIA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA AO LONGO DE CINCO ANOS Fábio Benedito Ono (1), Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2) e Táimon Diego Semler

Leia mais

BPUFs para milho em Mato Grosso do Sul informações locais. Eng. Agr. M.Sc. Douglas de Castilho Gitti

BPUFs para milho em Mato Grosso do Sul informações locais. Eng. Agr. M.Sc. Douglas de Castilho Gitti BPUFs para milho em Mato Grosso do Sul informações locais Eng. Agr. M.Sc. Douglas de Castilho Gitti 1 PRODUÇÃO (1 t) ÁREA (1 ha) 18. 16. 15.465 14. 12. 1. 8.836 8. 6.629 6. 4. 2. 25 26 27 28 29 21 211

Leia mais

Protocolo. Boro. Cultivo de soja sobre doses de boro em solo de textura média

Protocolo. Boro. Cultivo de soja sobre doses de boro em solo de textura média Protocolo Boro Cultivo de soja sobre doses de boro em solo de textura média Set/ 2016 Out/ 2016 Nov/ 2016 Dez/ 2016 Jan/ 2017 Fev/ 2017 Mar/ 2017 Abr/ 2017 Mai/ 2017 Precipitação pluvial (mm) CAD Parecis

Leia mais

Manejo da Fertilidade do Solo para implantação do sistema ILP

Manejo da Fertilidade do Solo para implantação do sistema ILP Manejo da Fertilidade do Solo para implantação do sistema ILP Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador de Fertilidade do Solo 1 Roteiro 1- Avaliação da Fertilidade do solo; 2- Calagem - Perfil

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

LEANDRO ZANCANARO LUIS CARLOS TESSARO JOEL HILLESHEIM LEONARDO VILELA

LEANDRO ZANCANARO LUIS CARLOS TESSARO JOEL HILLESHEIM LEONARDO VILELA Fundação Mato Grosso RELATÓRIIO PARCIIAL Projeto Específico SOJA RCN AGRO LEANDRO ZANCANARO LUIS CARLOS TESSARO JOEL HILLESHEIM LEONARDO VILELA 2003//2004 ÍNDICE 1. OBJETIVOS... 3 2. MATERIAL E MÉTODOS...

Leia mais

Adubação de Sistema Integrado

Adubação de Sistema Integrado Adubação de Sistema Integrado Tangará, 22 de novembro de 216 Equipe PMA Leandro Zancanaro Adubação de Sistema e Implicações Práticas dos Sistemas de Produção de Grãos no MT Tangará, 22 de novembro de 216

Leia mais

A EXPERIÊNCIA DO AGRICULTOR/ PESQUISADOR NA BUSCA DA ALTA PRODUTIVIDADE

A EXPERIÊNCIA DO AGRICULTOR/ PESQUISADOR NA BUSCA DA ALTA PRODUTIVIDADE A EXPERIÊNCIA DO AGRICULTOR/ PESQUISADOR NA BUSCA DA ALTA PRODUTIVIDADE LEANDRO ZANCANARO Fundação MT, Rondonópolis-MT Fone: (65) 423-2041 E-mail: leandro.pma@fundacaomt.com.br SIMPÓSIO SOBRE ROTAÇÃO SOJA/MILHO

Leia mais

Balanço de nutrientes em sistemas de produção soja-milho* Equipe Fundação MT Leandro Zancanaro

Balanço de nutrientes em sistemas de produção soja-milho* Equipe Fundação MT Leandro Zancanaro Balanço de nutrientes em sistemas de produção soja-milho* Equipe Fundação MT Leandro Zancanaro Sinop, 17 de agosto de 217 Estratégias de Adubação x Balanço de Nutrientes Fonte: adaptado de Gianello & Wiethölter

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

MODOS E DOSES DE APLICAÇÃO DE FÓSFORO NA CULTURA DA SOJA E DO MILHO SAFRINHA EM DIFERENTES NÍVEIS DE CORREÇÕES INICIAIS DO SOLO

MODOS E DOSES DE APLICAÇÃO DE FÓSFORO NA CULTURA DA SOJA E DO MILHO SAFRINHA EM DIFERENTES NÍVEIS DE CORREÇÕES INICIAIS DO SOLO FUNDAÇÃO DE APOIO À PESQUISA AGROPECUÁRIA DE MATO GROSSO Programa de Monitoramento de Adubação RELATÓRIO TÉCNICO FINAL Safra 2014/2015 MODOS E DOSES DE APLICAÇÃO DE FÓSFORO NA CULTURA DA SOJA E DO MILHO

Leia mais

RESPOSTA DE HÍBRIDOS DE MILHO AO NITROGÊNIO EM COBERTURA

RESPOSTA DE HÍBRIDOS DE MILHO AO NITROGÊNIO EM COBERTURA 98 RESPOSTA DE HÍBRIDOS DE MILHO AO NITROGÊNIO EM COBERTURA Douglas de Castilho Gitti (1), André Luis Faleiros Lourenção (1), José Fernando Jurca Grigolli (1), Alex Marcel Melotto (2) e André Ricardo Bezzera

Leia mais

MANEJO DE NUTRIENTES EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO MANEJO DE NUTRIENTES EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Manejo de nutrientes no algodoeiro nos solos de Mato Grosso

MANEJO DE NUTRIENTES EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO MANEJO DE NUTRIENTES EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO. Manejo de nutrientes no algodoeiro nos solos de Mato Grosso MANEJO DE NUTRIENTES EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO MANEJO DE NUTRIENTES EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO Manejo de nutrientes no algodoeiro nos solos de Mato Grosso Leandro Zancanaro FUNDAÇÃO MT Foz do Iguaçu, 03 de

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 15 EFEITO DA APLICAÇÃO FOSFATADA VIA FOLIAR NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o comportamento da cultura da soja mediante adubação complementar de fósforo via aplicação foliar através do produto Free

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

ADUBAÇÃO DO SISTEMA SOJA-MILHO- ALGODÃO

ADUBAÇÃO DO SISTEMA SOJA-MILHO- ALGODÃO 64º SIMPAS Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável Barra do Garças/MT 5/11/13 ADUBAÇÃO DO SISTEMA SOJA-MILHO- ALGODÃO Dr. Eros Francisco Dr. Valter Casarin Dr. Luís Ignácio Prochnow

Leia mais

DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA

DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA 8 DOSES E FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA Douglas de Castilho Gitti (1), André Luis Faleiros Lourenção (1), José Fernando Jurca Grigolli (1), Alex Marcel Melotto (2) e André Ricardo

Leia mais

15 AVALIAÇÃO DOS PRODUTOS SEED E CROP+ EM

15 AVALIAÇÃO DOS PRODUTOS SEED E CROP+ EM 15 AVALIAÇÃO DOS PRODUTOS SEED E CROP+ EM ASSOCIAÇÃO COM LOCKER NA CULTURA DA SOJA O objetivo neste trabalho foi avaliar o desempenho dos produtos (Seed e Crop+) e a sua associação com Locker em aplicação

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 09 INFLUÊNCIA DA ÉPOCA DE SEMEADURA NO POTENCIAL PRODUTIVO DA SOJA Objetivo Avaliar a influência de diferentes épocas de semeio na produtividade da cultivar de soja P98Y30 RR em Lucas do Rio Verde-MT

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 08 DOSES E MÉTODOS DE APLICAÇÃO DE FÓSFORO NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e métodos de aplicação de fósforo na cultura da soja em Lucas do Rio Verde, MT. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA 17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA PRODUTIVIDADE DA SOJA O objetivo deste experimento foi avaliar a resposta do programa nutricional via foliar recomendado pela microquímica na cultura da soja

Leia mais

RELATÓRIO DE PESQUISA 11 17

RELATÓRIO DE PESQUISA 11 17 AVALIAÇÃO DA RESPOSTA DA LINHA DE FERTILZIANTES FOLIARES BIOSUL NA PRODUTIVIDADE DA SOJA SAFRA 2017 / 2018 OBJETIVO: O manejo da adubação nos solos, é fundamental para alcançar altas produtividades na

Leia mais

Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão

Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultoria Pesquisa Agricultura de Precisão Importância do uso de FÓSFORO e NITROGÊNIO em sulco de semeadura na cultura do milho safrinha Consultor: Paulo Sérgio de Assunção Daniel Bennemann Frasson OBJETIVO O objetivo do presente foi verificar

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE RONDONÓPOLIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS E TECNOLÓGICAS MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO EM SISTEMAS DE PRODUÇÃO NO CERRADO Edicarlos Damacena

Leia mais

Resposta das culturas à adubação potássica:

Resposta das culturas à adubação potássica: Simpósio sobre potássio na agricultura brasileira São Pedro, SP. 22-24 de setembro de 24. Resposta das culturas à adubação potássica: César de Castro Fábio Alvares de Oliveira Cultura da Soja Adilson de

Leia mais

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM

20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM 20 PRODUTIVIDADE DE HÍBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de híbridos de milho em segunda

Leia mais

Desafios para aumento da produtividade da soja

Desafios para aumento da produtividade da soja Desafios para aumento da produtividade da soja Embrapa Soja Avaliação e Reflexões sobre a Produtividade da Soja no Mato Grosso Passado, presente e futuro Londrina, 25 de outubro de 2016 Leandro Zancanaro

Leia mais

INTENSIFICAÇÃO ECOLÓGICA VISANDO SISTEMAS DE PRODUÇÃO INCLUINDO A CULTURA DO MILHO

INTENSIFICAÇÃO ECOLÓGICA VISANDO SISTEMAS DE PRODUÇÃO INCLUINDO A CULTURA DO MILHO IPNI Brasil Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso RELATÓRIO TÉCNICO FINAL Safra 2014/2015 INTENSIFICAÇÃO ECOLÓGICA VISANDO SISTEMAS DE PRODUÇÃO INCLUINDO A CULTURA DO MILHO Luís Ignácio

Leia mais

Resposta de híbridos de milho ao nitrogênio. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do solo

Resposta de híbridos de milho ao nitrogênio. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do solo Resposta de híbridos de milho ao nitrogênio Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do solo Roteiro da Palestra 1. N em cobertura - Resultados Milho 2015 2. Níveis de investimento

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 03 POTENCIAL PRODUTIVO CULTIVARES DE SOJA E Objetivo Avaliar o potencial produtivo de diferentes cultivares de soja com tecnologia RR (Roundup Ready) e IPRO (Intacta RR2 PRO) em Lucas do Rio Verde MT.

Leia mais

ATIVIDADES DE INSTALAÇÃO DO GLOBAL MAIZE PROJECT

ATIVIDADES DE INSTALAÇÃO DO GLOBAL MAIZE PROJECT Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária de Mato Grosso Programa de Monitoramento de Adubação RELATÓRIO PARCIAL IPNI Brasil ATIVIDADES DE INSTALAÇÃO DO GLOBAL MAIZE PROJECT Leandro Zancanaro Eros Artur

Leia mais

CONSTRUÇÃO DA FERTILIDADE E MANUTENÇÃO DE AMBIENTES DE ELEVADO POTENCIAL PRODUTIVO. Álvaro Resende

CONSTRUÇÃO DA FERTILIDADE E MANUTENÇÃO DE AMBIENTES DE ELEVADO POTENCIAL PRODUTIVO. Álvaro Resende CONSTRUÇÃO DA FERTILIDADE E MANUTENÇÃO DE AMBIENTES DE ELEVADO POTENCIAL PRODUTIVO Álvaro Resende ROTEIRO O solo: alicerce do potencial produtivo Importância da fertilidade no perfil Construindo ambientes

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E MANEJO DA ADUBAÇÃO EM MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis

CALAGEM, GESSAGEM E MANEJO DA ADUBAÇÃO EM MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis CALAGEM, GESSAGEM E MANEJO DA ADUBAÇÃO EM MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis Bruno Patrício Tsujigushi, Carlos Hissao Kurihara (2), Laércio Alves de Carvalho (3) Introdução A adoção

Leia mais

Manejo de Nutrientes no Sistema de Produção de Soja. Adilson de Oliveira Jr. Pesquisador Embrapa Soja

Manejo de Nutrientes no Sistema de Produção de Soja. Adilson de Oliveira Jr. Pesquisador Embrapa Soja Manejo de Nutrientes no Sistema de Produção de Soja Adilson de Oliveira Jr. Pesquisador Embrapa Soja Adubação de Sistemas Definição: Prática onde se busca, ao realizar o manejo nutricional, não se restringir

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 CULTIVARES DE SOJA INTACTA EM DIFERENTES ÉPOCAS DE SEMEADURA 07 CULTIVARES DE SOJA INTACTA EM DIFERENTES ÉPOCAS DE SEMEADURA Objetivo Avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja com tecnologia

Leia mais

ADUBAÇÃO NPK DO ALGODOEIRO ADENSADO DE SAFRINHA NO CERRADO DE GOIÁS *1 INTRODUÇÃO

ADUBAÇÃO NPK DO ALGODOEIRO ADENSADO DE SAFRINHA NO CERRADO DE GOIÁS *1 INTRODUÇÃO Página 1495 ADUBAÇÃO NPK DO ALGODOEIRO ADENSADO DE SAFRINHA NO CERRADO DE GOIÁS *1 Maria da Conceição Santana Carvalho 1 ; Alexandre Cunha de Barcellos Ferreira 2 ; Ana Luiza Borin 2 1 Embrapa Arroz e

Leia mais

Eng. Agr. MSc. Leandro Zancanaro Eng. Agr. Dr. Claudinei Kappes FUNDAÇÃO MT

Eng. Agr. MSc. Leandro Zancanaro Eng. Agr. Dr. Claudinei Kappes FUNDAÇÃO MT Eng. Agr. MSc. Leandro Zancanaro Eng. Agr. Dr. Claudinei Kappes FUNDAÇÃO MT Florianópolis, 30 de Julho de 2013 Eng. Agr. MSc. Leandro Zancanaro Eng. Agr. Dr. Claudinei Kappes FUNDAÇÃO MT Florianópolis,

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO nº 19/2017

BOLETIM TÉCNICO nº 19/2017 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT BOLETIM TÉCNICO nº 19/2017 Safra 2016/17 e Segunda Safra 2017 Autores Rodrigo Pengo Rosa, M. Sc. Engenheiro Agrônomo Fundação

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 10 AVALIAÇÃO DE DOSES D CULTURA DO MILHO SE LUCAS DO RIO VERDE M Objetivo Avaliar o efeito do emprego diferentes doses de nitrogênio aplicado via cobertura nos caracteres agronômicos e na produtividade

Leia mais

DOSES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA, FONTES E MODOS DE APLICAÇÃO DE FÓSFORO EM SISTEMA DE SUCESSÃO COM SOJA NO ESTADO DO MATO GROSSO

DOSES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA, FONTES E MODOS DE APLICAÇÃO DE FÓSFORO EM SISTEMA DE SUCESSÃO COM SOJA NO ESTADO DO MATO GROSSO 74 DOSES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA, FONTES E MODOS DE APLICAÇÃO DE FÓSFORO EM SISTEMA DE SUCESSÃO COM SOJA NO ESTADO DO MATO GROSSO Aildson Pereira Duarte (1) e Claudinei Kappes (2)

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 04 EFEITO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTA SOJA Objetivo Avaliar a produtividade e atributos agronômicos de três cultivares de soja com hábitos de crescimento distintos em dois espaçamentos entre linhas

Leia mais

PARCELAMENTO DA APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO À SOJA

PARCELAMENTO DA APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO À SOJA PARCELAMENTO DA APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO À SOJA Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2), Alessandro Aparecido Lopes (3), Cleverson Volnei Koch (3), Gilmar da Rocha Fujimoto

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 0 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA RR EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEIO 06 CULTIVARES DE SOJA RR EM DIFERENTES ÉPOCAS DE SEMEADURA Objetivo Avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja com

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 01 AVALIAÇÃO DE CULTIVAR TECNOLOGIA RR (Roundu Objetivo Avaliar diferentes cultivares de soja com tecnologia RR (Roundup Ready) em duas épocas de semeadura em Lucas do Rio Verde MT. BOLETIM TÉCNICO 2015/16

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 09 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL PRODUTIVO DE HIBRIDOS DE MILHO EM SEGUNDA SAFRA EM Objetivo Avaliar os atributos agronômicos e a produtividade de diferentes híbridos de milho cultivados em segunda safra em

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 11 EFEITO DA DENSIDADE DE SEMEADURA E DO ESPAÇAMENTO NA PRODUTIVIDADE DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes populações de plantas e espaçamentos entre linhas de semeadura na cultura da soja

Leia mais

Gestão da fertilidade do solo no sistema soja e milho

Gestão da fertilidade do solo no sistema soja e milho Como manejar adequadamente seu solo e suas adubações Gestão da fertilidade do solo no sistema soja e milho Eng. Agro. Renato Roscoe PhD Solos e Nutrição de Plantas Superintendente do CREA-MS Gestão da

Leia mais

Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade. Dr. Eros Francisco IPNI Brasil

Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade. Dr. Eros Francisco IPNI Brasil Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade Dr. Eros Francisco IPNI Brasil IPNI missão O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucrativos,

Leia mais

O manejo da matéria orgânica esta adequado visando a sustentabilidade dos sistemas de produção? Julio Franchini Henrique Debiasi

O manejo da matéria orgânica esta adequado visando a sustentabilidade dos sistemas de produção? Julio Franchini Henrique Debiasi O manejo da matéria orgânica esta adequado visando a sustentabilidade dos sistemas de produção? Julio Franchini Henrique Debiasi 15/01/2009 15/01/2009 Comportamento da soja na safra 2008/2009 na região

Leia mais

Produtor: Rui Gaio Consultor: Eng. Agr. Ivair Gomes Relator: Biólogo Sergio Abud. Revisores Eng. Agr. Henry Sako Prof. Dr. Antonio Luiz Fancelli

Produtor: Rui Gaio Consultor: Eng. Agr. Ivair Gomes Relator: Biólogo Sergio Abud. Revisores Eng. Agr. Henry Sako Prof. Dr. Antonio Luiz Fancelli Produtor: Rui Gaio Consultor: Eng. Agr. Ivair Gomes Relator: Biólogo Sergio Abud Revisores Eng. Agr. Henry Sako Prof. Dr. Antonio Luiz Fancelli Produtividade (sc/ha) 83,42 43 100,63 108,71 102,78 51 56

Leia mais

A melhor escolha em qualquer situação

A melhor escolha em qualquer situação Programa+ +MAYS A melhor escolha em qualquer situação yarabrasil.com.br 01 Adubação do Milho Safrinha Introdução A adubação do sistema de produção soja e milho safrinha em áreas que apresentam elevados

Leia mais

Adubar a planta ou o sistema? Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto IPNI Brasil

Adubar a planta ou o sistema? Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto IPNI Brasil Adubar a planta ou o sistema? Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto IPNI Brasil Bonito/MS 13 Agosto, 2014 IPNI O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucrativos,

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás

Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás Tema 2 Manejo da adubação com ênfase na aplicação a lanço Adubação da Cultura da Soja no Paraná e Goiás Adilson de Oliveira Junior César de Castro Fábio Álvares de Oliveira Vinícius Benites Pesquisadores

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO nº 01/2017

BOLETIM TÉCNICO nº 01/2017 BOLETIM TÉCNICO nº 01/2017 Safra 2016/17 e Segunda Safra 2017 Autores Rodrigo Pengo Rosa, M. Sc. Engenheiro Agrônomo Fundação Rio Verde, MT rodrigopengo@fundacaorioverde.com.br Fabio Kempim Pittelkow,

Leia mais

EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1

EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1 PARA PESQUISA E DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS ESTRADA DA USINA VELHA KM 2 - CAIXA POSTAL 105 TEL/FAX(067)454-2631 MARACAJU/MS - CEP 79150-000 http://www.sidronet.com.br/fundacaoms E-mail: fundacao@sidronet.com.br

Leia mais

DOSES DE NITROGÊNIO, VIA UREIA E NITRATO DE AMÔNIO, EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO À SOJA

DOSES DE NITROGÊNIO, VIA UREIA E NITRATO DE AMÔNIO, EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO À SOJA DOSES DE NITROGÊNIO, VIA UREIA E NITRATO DE AMÔNIO, EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SUCESSÃO À SOJA Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2), Fabio Vieira de Jesus (3) Introdução Devido suas transformações

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 02 AVALIAÇÃO DE CULTIVAR TECNOLOGIA RR2 (Intacta Objetivo Avaliar diferentes cultivares de soja com tecnologia RR2 (Intacta RR2 PRO) em duas épocas de semeadura em Lucas do Rio Verde MT. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos. Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro

Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos. Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro Maringá - PR, 23 de maio de 2017 Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos Manejo?

Leia mais

CALAGEM E GESSAGEM DE SOLO CULTIVADO COM ALGODÃO NO CERRADO DE RORAIMA 1 INTRODUÇÃO

CALAGEM E GESSAGEM DE SOLO CULTIVADO COM ALGODÃO NO CERRADO DE RORAIMA 1 INTRODUÇÃO Página 1515 CALAGEM E GESSAGEM DE SOLO CULTIVADO COM ALGODÃO NO CERRADO DE RORAIMA 1 Ana Luiza Dias Coelho Borin *1 ; Oscar José Smiderle 2 ; Moisés Cordeiro Mourão de Oliveira Júnior 3 ; Julio Cesar Bogiani

Leia mais

Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho

Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 ADUBOS E ADUBAÇÃO Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho Ac. Francisco

Leia mais

Eficiência de fosfatos naturais em sistemas produtivos do Brasil Adilson de Oliveira Júnior

Eficiência de fosfatos naturais em sistemas produtivos do Brasil Adilson de Oliveira Júnior Eficiência de fosfatos naturais em sistemas produtivos do Brasil Adilson de Oliveira Júnior Pesquisador Embrapa Soja P no Solo e na Planta Fatores que Interferem na Disponibilidade P no Solo e na Planta

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

Resultados da Rede de Validação de Híbridos de Milho Safrinha 2016

Resultados da Rede de Validação de Híbridos de Milho Safrinha 2016 Análise de Solo Resultados da Rede de Validação de Híbridos de Milho Safrinha 2016 Município Dourados / MS Responsável: Dr. André Luis F. Lourenção Pesquisador da Fundação MS Metodologia Local: Unidade

Leia mais

Adubação do Milho Safrinha

Adubação do Milho Safrinha 01 Adubação do Milho Safrinha Introdução A adubação do sistema de produção soja e milho safrinha em áreas que apresentam elevados teores de nutrientes no solo pode ser realizada considerando a reposição

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA NO NORTE DO PARANÁ

INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA NO NORTE DO PARANÁ III Reunião Paranaense de Ciência do Solo, Londrina-PR INTEGRAÇÃO LAVOURA- PECUÁRIA NO NORTE DO PARANÁ Alvadi Antonio Balbinot Junior Julio Franchini Henrique Debiasi Pesquisadores da Embrapa Soja Roteiro

Leia mais

Balanço do Potássio em Solo do Cerrado no Sistema Plantio Direto Termos para indexação Introdução

Balanço do Potássio em Solo do Cerrado no Sistema Plantio Direto Termos para indexação Introdução Balanço do Potássio em Solo do Cerrado no Sistema Plantio Direto Daiene Bittencourt Mendes Santos 1, Djalma Martinhão Gomes de Sousa 2, Wenceslau J. Goedert 1 ( 1 Universidade de Brasília, Campus Universitário

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

ADUBAÇÃO FOSFATADA NA CULTURA DO MILHO

ADUBAÇÃO FOSFATADA NA CULTURA DO MILHO ADUBAÇÃO FOSFATADA NA CULTURA DO MILHO Antônio M. Coelho Eng. Agr. Ph.D. Vera Maria Carvalho Alves Eng. Agr. Dr. Sete Lagoas - MG Tel.: 3779-1164 E-mail:amcoelho@cnpms.embrapa.br OBJETIVOS FORNECER INFORMAÇÕES

Leia mais

Recomendação de calagem e adubação

Recomendação de calagem e adubação Recomendação de calagem e adubação Na agricultura, a recomendação de calagem e adubação para as culturas é geralmente efetuada com base nas doses de corretivos e fertilizantes que assegurem entre 80% e

Leia mais

FUNDAÇÃO MS PARA PESQUISA E DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS

FUNDAÇÃO MS PARA PESQUISA E DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS D.L. BROCH FMS, 2004 FUNDAÇÃO MS PARA PESQUISA E DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS www.fundacaoms.com.br Fone: (67)454-2631 Eng o Agr o M.Sc.DIRCEU L.BROCH D.L. BROCH FMS, 2004 SISTEMA AGRÍCOLA SUSTENTÁVEL

Leia mais

Resposta da Cultura do Milho Cultivado no Verão a Diferentes Quantidades de Calcário e Modos de Incorporação

Resposta da Cultura do Milho Cultivado no Verão a Diferentes Quantidades de Calcário e Modos de Incorporação XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Resposta da Cultura do Milho Cultivado no Verão a Diferentes Quantidades de Calcário e Modos de Incorporação Marcelo

Leia mais

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 Adubos e Adubação CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO Prof.

Leia mais

Adubação dos Sistemas de Produção de Grãos e Fibras

Adubação dos Sistemas de Produção de Grãos e Fibras P R O M O Ç Ã O E R E A L I Z A Ç Ã O O R G A N I Z A Ç Ã O Adubação dos Sistemas de Produção de Grãos e Fibras Eros Francisco IPNI Brasil Diretor Adjunto IPNI missão ü O International Plant Nutrition

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 08 AVALIAÇÃO DE HÍBRIDOS DE MILHO NA SEGUNDA SAFRA EM DOIS NÍVEIS DE TECNOLOGIA Objetivo Avaliar os atributos agronômicos e a produtividade de híbridos de milho cultivados em segunda safra em dois níveis

Leia mais

Construção de Perfil do Solo

Construção de Perfil do Solo Gargalos Tecnológicos para Produção Agrícola Construção de Perfil do Solo Eduardo Fávero Caires Universidade Estadual de Ponta Grossa Solos com Fertilidade Baixa ou Muito Baixa Acidez Excessiva Teor tóxico

Leia mais

PERDAS DE SOLO E ÁGUA EM UM LATOSSOLO VERMELHO- ESCURO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO.

PERDAS DE SOLO E ÁGUA EM UM LATOSSOLO VERMELHO- ESCURO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO. PERDAS DE SOLO E ÁGUA EM UM LATOSSOLO VERMELHO- ESCURO SOB DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO. Ramon Costa Alvarenga (1), José Carlos Cruz (1), Israel Alexandre Pereira Filho (1), Luiz Marcelo Aguiar Sans (1).

Leia mais

AVALIAÇÃO AGRONÔMICA DOS FOSFATOS NATURAIS DE ARAD, DE DAOUI E DE GAFSA EM RELAÇÃO AO SUPERFOSFATO TRIPLO. Resumo

AVALIAÇÃO AGRONÔMICA DOS FOSFATOS NATURAIS DE ARAD, DE DAOUI E DE GAFSA EM RELAÇÃO AO SUPERFOSFATO TRIPLO. Resumo AVALIAÇÃO AGRONÔMICA DOS FOSFATOS NATURAIS DE ARAD, DE DAOUI E DE GAFSA EM RELAÇÃO AO SUPERFOSFATO TRIPLO Peruzzo, G. 1 ; Wiethõlter, S.l Resumo Os fosfatos naturais reativos tornaram-se atrativos no mercado

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO nº 16/2017

BOLETIM TÉCNICO nº 16/2017 AVALIAÇÃO DO POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT BOLETIM TÉCNICO nº 16/2017 Safra 2016/17 e Segunda Safra 2017 Autores Rodrigo Pengo Rosa, M. Sc. Engenheiro Agrônomo Fundação

Leia mais

MANEJO DA DUBAÇÃO EM SOJA - MILHO - ALGODÃO (PKS)

MANEJO DA DUBAÇÃO EM SOJA - MILHO - ALGODÃO (PKS) 67º SIMPAS Sistemas Integrados de Manejo na Produção Agrícola Sustentável Sinop/MT 24/11/15 MANEJO DA DUBAÇÃO EM SOJA - MILHO - ALGODÃO (PKS) Dr. Eros Francisco IPNI Brasil 1. IPNI IPNI O International

Leia mais

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde

Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Correção da acidez subsuperficial no plantio direto pela aplicação de calcário na superfície e uso de plantas de cobertura e adubação verde Julio Cezar Franchini Eleno Torres Luiz Gustavo Garbelini Mario

Leia mais

Adubação na Cultura de Milho

Adubação na Cultura de Milho Adubação na Cultura de Milho Integrantes: Diego Fiuza Lucas Baroncini Matheus Zampieri Mireille Matos Thiago Faria INTRODUÇÃO Características gerais: Planta C4 Ciclo de 120-150 dias Maturação Milho seco:

Leia mais

APLICAÇÃO DE ALTA DOSE DE CALCÁRIO CALCÍTICO E DOLOMÍTICO EM SUPERFÍCIE

APLICAÇÃO DE ALTA DOSE DE CALCÁRIO CALCÍTICO E DOLOMÍTICO EM SUPERFÍCIE 2 APLICAÇÃO DE ALTA DOSE DE CALCÁRIO CALCÍTICO E DOLOMÍTICO EM SUPERFÍCIE Anderson Lange (1) e Marlus Eduardo Chapla (2) 1. Introdução No Brasil, a necessidade de calagem tem sido estimada por vários métodos,

Leia mais

RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À ADUBAÇÃO, EM DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL

RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À ADUBAÇÃO, EM DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À ADUBAÇÃO, EM DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL Carlos Hissao Kurihara (1), João Vitor de Souza Silva (2), Bruno Patrício Tsujigushi (3) Introdução

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo 0 Carlos itol Dirceu Luiz Broch Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo Carlos itol Elton José Erbes Thiago da Silva Romeiro 0.. Introdução A falta de uma política de incentivo à

Leia mais

Tecnologia de Formulação Equilíbrio Nutricional. Adilson de Oliveira Junior Pesquisador, Embrapa Soja

Tecnologia de Formulação Equilíbrio Nutricional. Adilson de Oliveira Junior Pesquisador, Embrapa Soja Tecnologia de Formulação Equilíbrio Nutricional Adilson de Oliveira Junior Pesquisador, Embrapa Soja Para se obter Altas Produtividades... Produção Potencial Doenças e Pragas Déficit hídrico Stand Baixa

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO SUL Leandro Sartoreli Ricci Mamborê - PR 2010/2011 Produtividade: 6.027 kg/ha (100,5 sc/ha) - Variedade SYN 3358 (Variedade com folhas lanceoladas e alta resistência ao acamamento)

Leia mais

AGRISUS - RELATÓRIO MARÇO DE 2012

AGRISUS - RELATÓRIO MARÇO DE 2012 AGRISUS - RELATÓRIO MARÇO DE 2012 PA 463/08 Título: Avaliação da Aplicação de Gesso Agrícola, Magnesita e Calcário na Cultura da Cana-de-Açucar Interessado: Ronaldo Alberto Duenhas Cabrera Tipo: Auxílio

Leia mais

Manejo da Adubação no Algodoeiro no Estado do Mato Grosso 1

Manejo da Adubação no Algodoeiro no Estado do Mato Grosso 1 Manejo da Adubação no Algodoeiro no Estado do Mato Grosso 1 Introdução O conceito de fertilidade do solo vai muito além das análises de solo. A fertilidade do solo une todos os conhecimentos da ciência

Leia mais

Calagem no Sistema Plantio Direto para Correção da Acidez e Suprimento de Ca e Mg como Nutrientes

Calagem no Sistema Plantio Direto para Correção da Acidez e Suprimento de Ca e Mg como Nutrientes Calagem no Sistema Plantio Direto para Correção da Acidez e Suprimento de Ca e Mg como Nutrientes Eduardo Fávero Caires Professor Associado - Fertilidade do Solo UNIVERSIDADE ESTADUAL DE PONTA GROSSA SIMPÓSIO

Leia mais

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO526 Adubos e Adubações Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto

Leia mais

Café. Amostragem do solo. Calagem. Gessagem. Produtividade esperada. Espaçamento (m)

Café. Amostragem do solo. Calagem. Gessagem. Produtividade esperada. Espaçamento (m) Café Produtividade esperada Sistema Stand (plantas/ha) Espaçamento (m) Produtividade Média (Sc/ha) Tradicional Até 2.500 3,5 a 4,0 x 1,0 a 2,0 20 a 30 Semi-Adensado 2.500 a 5.000 2,5 a 4,0 x 0,5 a 1,0

Leia mais

MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS

MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira MILHO PARA OS DIFERENTES NÍVEIS TECNOLÓGICOS Prof. Dr. João Antonio da Costa Andrade Departamento de Biologia

Leia mais

Vanderson Modolon DUART 1, Adriana Modolon DUART 2, Mário Felipe MEZZARI 2, Fernando José GARBUIO 3

Vanderson Modolon DUART 1, Adriana Modolon DUART 2, Mário Felipe MEZZARI 2, Fernando José GARBUIO 3 ATRIBUTOS QUÍMICOS DO SOLO E DESENVOLVIMENTO DE CULTIVARES HÍBRIDAS DE ARROZ IRRIGADO EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE CALCÁRIO E GESSO EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA Vanderson Modolon DUART 1, Adriana Modolon

Leia mais