Adubação de Sistema Integrado

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Adubação de Sistema Integrado"

Transcrição

1 Adubação de Sistema Integrado Tangará, 22 de novembro de 216 Equipe PMA Leandro Zancanaro

2 Adubação de Sistema e Implicações Práticas dos Sistemas de Produção de Grãos no MT Tangará, 22 de novembro de 216 Equipe PMA Leandro Zancanaro

3 Adubação de Sistemas voltado para Cultivos Anuais O que se entende por Sistema? O que se entende por Sistema de Produção?

4 Sistemas de Cultivo (Hirakuri et. al. 212) : refere-se às práticas comuns de manejo associadas a uma determinada espécie vegetal / animal, visando sua produção a partir da combinação lógica e ordenada de um conjunto de atividades e operações.

5 Exemplo de Sistemas de Cultivo Fonte: Hirakuri et. al. 212)

6 O que se entende por Sistemas de Produção? Sistemas de Produção (Hirakuri et. al. 212) : O sistema de produção é composto pelo conjunto de sistemas de cultivo e/ou de criação no âmbito de uma propriedade rural, definidos a partir dos fatores de produção (terra, capital e mão-de-obra) e interligados por um processo de gestão.

7 Sistema de Produção em Monocultura Fonte: Hirakuri et. al. 212)

8 Sistema de Produção em Sucessão Fonte: Hirakuri et. al. 212)

9 Sistema de Produção em Rotação Fonte: Hirakuri et. al. 212)

10 Sistema de Produção em Consorciação de cultivos Sistema de Produção em Consorciação de cultivos Fonte: Hirakuri et. al. 212)

11 Sistema de Produção em Consorciação de cultivos

12 Sistema de Cultivo em Integração Sistema de Cultivo em Integração Fonte: Hirakuri et. al. 212)

13 Adubação de Sistema Voltado para Cultivos Anuais De qual Sistema de Produção que estou me referindo? A quanto tempo está sendo praticado este Sistema de Produção? Com que Qualidade é praticado o manejo deste Sistema de Produção?

14 De qual sistema estou me referindo? T1- Soja/pousio (PD) Fotos: C. Kappes FMT (216). T7- Soja/milho (PD) T6- Soja/crotalária Soja/milho + braquiária braquiária (PD)

15 Sistema de Produção Vs Eficiência de Aproveitamento dos Nutrientes Fonte:???, citado por Castro, 213.

16 Impacto do Sistema de Produção na cultura da Soja Efeito de dois sistemas de rotação de culturas na relação entre o P extraível (Mehlich 1) na camada de a 2 cm de produtividade e o rendimento de grãos de soja cv. Cristalina no décimo térceiro cultivo. (Fonte Sousa et. Al. (1997) citado por Sousa et.al. (22).

17 Adubação de Sistema? O entendo por Adubação? Aplicação complementar de nutrientes para que as culturas dentro dos diferentes ambientes e sistemas de produção expressem o seu potencial produtivo.

18 Dinâmica da acidez e disponibilidade de nutrientes (Fonte: Lopes, 1989)

19 elação entre o rendimento relativo de uma cultura e o teor de um nutriente no solo as indicações de adubação para cada faixa de teor no solo. Fonte: extraído de CQFS-RS/SC (24), a partir de Gianello & Wiethölter, 24

20 Adubação de Sistema? Introdução complementar de nutrientes para ter outros benefícios além dos benefícios diretos do que foi aplicado! (Zancanaro, 215);

21 Adubação de Sistema? Não é antecipação da adubação ou Balanço de Nutrientes adubação de manutenção / reposição ACOSTA et al. (22): o potássio foi, quantitativamente, nutriente mais ciclado pela aveia, alcançando somente na parte aérea 141 kg/ha na maior dose de adubação nitrogenada

22 Manejo de Potássio em Solo Arenoso Além da quantidade aplicada obrigatoriamente deve incluir culturas de cobertura que RECICLEM POTÁSSIO!!! Impacto do Sistema de Produção!!!

23 E em Solos Arenosos? Teores Nutrientes (P, K, S, Ca, Mg, micros) Produtividade?? Degradação da M.O., atributos físicos e biológicos do solo Tempo (anos) Fonte: PMA/FMT Proposta de manejo futuro

24 Exemplo de Manejo Ruim: raiz deformada e falta de nodulação!!!

25 Sob o mesmo manejo Ruim, mas com cobertura e sem revolvimento do solo na linha de plantio!!!

26 Adubação de Sistemas Voltado para Culturas Anuais A adubação de sistema foca, dá preferência, na maioria das vezes, às culturas mais exigentes: Embrapa 1997;

27 Adubação de Sistema na Cultura da Soja Mascarenhas et. al. (1981): demonstraram que a soja caracterizava-se por aproveitar os nutrientes aplicados em anos anteriores ou as quantidades disponíveis no solo, principalmente P e K; concluiram que não havia necessidade de adubação da soja quando cultivada em rotação após uma cultura adequadamente adubada. Portanto: A adubação de Sistema permite buscar explorar as características de cada espécie para potencializar ciclagem de nutrientes, maior produção de massa,...

28 Por Quê Pensar em Sistema e Não Pensar na Calagem e Adubação Isoladamente em Solos Corrigidos?

29 Protocolo: Calagem Soja Efeito da calagem superficial na produtividade de soja em diferentes sistemas de rotação de culturas em SPD 8º ano

30 Fertilidade do Solo Antes da instalação do ensaio Atributos químicos do solo (28) Experimento Calagem Soja Prof. ph P K Ca Mg Al H+Al CTC MO V m Argila Condição inicial do solo (28/9) (cm) CaCl mg dm cmol c dm % , ,9 1,, 4,2 8,3 3,1 49, 64 - P e K (Mehlich-1) - Ca, Mg e Al (KCl 1 mol L -1 ) - H+Al (acetato de cálcio ph 7,) - MO (dicromato de potássio)

31 Protocolo: Calagem Soja Esquema de Sucessão/Rotação de Culturas Na safra 212/13, as mesmas doses de gesso aplicadas na safra 21/11 foram reaplicadas. Na safra 214/15, foi aplicado 5 kg/ha de gesso nos tratamentos. Calcário dolomítico em superfície: 1, t/ha na safra 213/14 e 2, t/ha na safra 214/15. Descrição dos Tratamentos Calcário Taxa /1 Doses /2 Ano 1 Ano 2 Ano 3 % kg/ha Soja/Pousio Soja/Pousio Soja/Pousio Soja/Milheto Soja/Milheto Soja/Milheto Soja/Braquiária Soja/Milho Soja/Crotalária Taxa de aplicação (28/9 a 211/12): 25% da dose a cada ano; 33% da dose a cada ano; 5% da dose a cada ano. /1 A partir da safra 212/13, o modo de aplicação de 33% passou a ser de 5% e o modo de 5% passou a ser de 1%. /2 A partir da safra 212/13, as doses de calcário passaram a ser de, 2, 4 e 8 kg/ha., 5, 1 e 2 (, 2, 4 e 8), 5, 1 e 2 (, 2, 4 e 8), 5, 1 e 2 (, 2, 4 e 8)

32 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Safra 28/9 a 211/12) Média de 4 safras (28/9 a 211/12) y = 63 y = 65 y = % 33% 5% 25% 33% 5% 25% 33% 5% Soja/Pousio Soja/Milheto Soja/Braq. - Soja/Milho - Soja/Crot. Dose de calcário superficial (kg/ha)

33 Soja Safra 215/16 (Foto: ) Dose Zero Soja/Milheto Soja/Pousio Dose Zero Soja/Braquiária Soja/Milho Soja/Crotalária Dose Zero

34 Soja Safra 215/16 (Foto: ) Soja/Milheto Soja/Pousio Soja/Braquiária Soja/Milho Soja/Crotalária

35 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Safra 215/16) Safra 215/16 (M 6972 IPRO) y = 62 y = 67 y = 68 y = 72 y = 74 y = 73 y = 7 y = 71 y = % 5% 1% % 5% 1% % 5% 1% Soja/Pousio Soja/Milheto Soja/Braq. - Soja/Milho - Soja/Crot. Dose de calcário superficial (kg/ha)

36 Produtividade de soja (sc/ha) Produtividade da soja (Safra 212/13 a 215/16) Média de 4 Safras (212/13 a 215/16) y = 65 y = 64 y = % 1% 5% 1% 5% 1% Soja/Pousio Soja/Milheto Soja/Braq. - Soja/Milho - Dose de calcário superficial (kg/ha) Soja/Crot.

37 Protocolo: RCS Rotação de Cultura Soja (soja/milho/plantas de cobertura) 8º ano Apoio nos 3 primeiros anos:

38 Protocolo: RCS Descrição dos tratamentos RCS T Ano Ano Ano Verão Inverno Verão Inverno Verão Inverno 1 Soja Pousio Soja Pousio Soja Pousio 2 Soja Milheto Soja Milheto Soja Milheto 3 Soja Braquiária Soja Braquiária Soja Braquiária 4 Soja Milheto Soja Crotalária Milho + Braquiária 5 Soja Crotalária Milho + Braquiária Soja Crotalária 6 Soja Crotalária Soja Milho + Braquiária Braquiária 7 Soja Milho Soja Milho Soja Milho 8* Soja Pousio Soja Pousio Soja Pousio * Com revolvimento anual do solo na entressafra (grade aradora). PD

39 Cultura Sulco de semeadura Cobertura -- N P 2 O 5 Ca S Zn N* K 2 O** kg/ha Soja Milho verão 4 5 2, Milho safrinha 4 4 2,5 6 3 *Aplicado em V 4. **Aplicado logo após a semeadura. Protocolo: RCS Adubação da soja e do milho Fontes/fertilizantes: - Nitrogênio: MAP e ureia - Fósforo: SSP (soja) e MAP (milho) - Potássio: KCl - Enxofre: SSP - Zinco: Zincodur RCS

40 Protocolo: RCS

41 Protocolo: RCS Impacto dos Sistemas de Produção Soja/pousio (com revolvimento do solo) Soja/pousio (sem revolvimento do solo) Fotos: safra 214/215

42 Protocolo: RCS Impacto dos Sistemas de Produção Soja/milheto Soja/pousio (sem revolvimento do solo) Fotos: safra 214/215

43 Protocolo: RCS Impacto dos Sistemas de Produção Soja/milho Soja/pousio (sem revolvimento do solo) Fotos: safra 214/215

44 Protocolo: RCS Impacto dos Sistemas de Produção Soja/braquiária Soja/pousio (sem revolvimento do solo) Fotos: safra 214/215

45 Protocolo: RCS Soja/pousio (sem revolvimento do solo) Soja/milho + braquiária Braquiária Fotos: safra 214/215 Soja/crotalária

46 Protocolo: RCS

47 Protocolo: RCS Soja/pousio (7º ano) T Prof. (cm) Atributos químicos ph P K Ca Mg Al MO CaCl 2 mg dm -3 (cmol c dm -3 ) (%) 3-1 5, ,4 3,1 4, , ,5 1,2 3,1 Soja/braquiária (7º ano) 29 sacas T Prof. (cm) Atributos químicos ph P K Ca Mg Al MO CaCl 2 mg dm -3 (cmol c dm -3 ) (%) 1-1 5, ,8 2,2 3, , ,4 1, 3, 59 sacas Fotos: safra 214/15

48 Protocolo: RCS Soja/pousio (7º ano) 29 sacas Soja/braquiária (7º ano) Atributos biológicos Trat. 1 Trat. 3 Biomassa Microb x B-glicosidase x Sulfatase x 59 sacas Fotos: safra 214/15

49 Protocolo: RCS Soja/pousio (7º ano) Baixa Qualidade Biológica 29 sacas Soja/braquiária (7º ano) Alta Qualidade Biológica 59 sacas Fotos: safra 214/15

50 T1. Soja/Pousio T2. Soja/Milheto T3. Soja/Braquiária T4. Soja/Milheto - Soja/Crot. - M+braq. T5. Soja/Crot. - M+braq. T6. Soja/Crot. - Soja/M+braq. - Braq. T7. Soja/Milho T8. Soja/Pousio, com revolvimento Fotos: F. Ono - FMT (215)

51 Protocolo: RCS RCS Safra 215/16 ( ) T8 T3 T7 T6 T2 T5 T4 T1

52 População População Protocolo: RCS (efeito nos nematoides, janeiro/216) Heterodera glycines Solo (2 cc) Cistos Viáveis (1 cc) Inviáveis (1 cc) Legenda: 1- Sp: soja/pousio, sem revolvimento do solo; 2- Sm: soja/milheto; 3- Sb: soja/braquiária; 4: soja/milheto (4A); --> soja/crotalária (4B); --> milho+braquiária (4C); 5: soja/crotalária (5A); --> milho+braquiária (5B); 6: soja/crotalária (6A); --> soja/milho+braquiária (6B); --> Braquiária (18 meses) (6C); 7- SMi: soja/milho safrinha; 8- Sp: soja/pousio, com revolvimento do solo.

53 População População Protocolo: RCS (efeito nos nematoides, janeiro/216) Pratylenchus brachyurus Solo (2 cc) 4.32 Raiz (1 g) Solo (2 cc) 2.46 Rotylenchulus reniformes Legenda: 1- Sp: soja/pousio, sem revolvimento do solo; 2- Sm: soja/milheto; 3- Sb: soja/braquiária; 4: soja/milheto (4A); --> soja/crotalária (4B); --> milho+braquiária (4C); 5: soja/crotalária (5A); --> milho+braquiária (5B); 6: soja/crotalária (6A); --> soja/milho+braquiária (6B); --> Braquiária (18 meses) (6C); 7- SMi: soja/milho safrinha; 8- Sp: soja/pousio, com revolvimento do solo.

54 Protocolo: RCS

55 Produtividade de soja (sc/ha) 1 Média de 7 safras (até 215/16) Sp S m S b S m S c M B S c M B S c S Mi b B* S Mi Sp Sm Sb Sm Sc M+B Sc M+B Sc SMi+b B Smi T1 T2 T3 T4- Sm/Sc/M+B T5- Sc/M+B T6- Sc/SMi+b/B T7 T8** Legenda dos tratamentos: Sp: soja/pousio, sem revolvimento do solo; Sm: soja/milheto na safrinha; Sb: soja/braquiária na safrinha; Sc: soja/crotalária na safrinha; M+B: milho verão + braquiária; SMi+b: soja/milho safrinha + braquiária; SMi: soja/milho safrinha; B*: braquiária restabelecida do consórcio com milho safrinha e cultivada por 18 meses; ** revolvimento anual do solo na entressafra. Fonte: Fundação MT (n.p.)

56 Protocolo: RCS (atributos químicos do solo, março/216) Tratamento Prof. (cm) ph P K Ca Mg Al H CTC MO V m Zn Cu Fe Mn S B H 2 O CaCl 2 - mg dm cmol c dm % mg dm T1 - Sp T2 - Sm T3 - Sb T4 - Sm/Sc/M+B -1 6,6 5, ,8 2,2 3, 9,3 3,2 68 8,1 1, , ,8 4, ,4 1, 5,3 9,1 3, 4 4, ,8 6, ,3 2,8 2,5 1 3,7 75 6,7, , , 5, ,7 1,3 5,1 9,5 3,1 45 2, ,7 5, ,4 3,1 2,5 1 4,3 76 1,3, , ,8 4, ,5 1,2 5,8 9,8 3,1 4 1, ,6 5, , 2,7 2,9 9,8 3,7 71 7, 1, , ,8 4, ,3 1,1,1 5,8 9,6 3,1 39 3, T5 - Sc/M+B -1 6,5 5, ,1 2,6 3, 1 3,8 7 7,3 1, , ,8 4, ,5 1,2,1 5,6 9,6 3,2 42 1, T6 - Sc/SMi+b/B* T7 - Smi T8 Sp** -1 6,5 5, ,9 2,6 3,2 1 3,9 68 8,3 1, , ,7 4, ,3 1,,1 5,8 9,4 3,2 38 4, ,4 5, ,8 2,3 3,8 1 3, ,7 1, , ,7 4, ,6 1, 6, 9,8 3,2 39 3, ,1 5, ,1 1,4 3,8 8,6 2,9 56 5,7 1, , ,1 5, , 1,4 4,3 9, 3, Legenda dos tratamentos: Sp: soja/pousio, sem revolvimento do solo; Sm: soja/milheto na safrinha; Sb: soja/braquiária na safrinha; Sc: soja/crotalária na safrinha; M+B: milho verão + braquiária; SMi+b: soja/milho safrinha + braquiária; SMi: soja/milho safrinha; B*: braquiária restabelecida do consórcio com milho safrinha e cultivada por 18 meses; ** revolvimento anual do solo na entressafra. Fonte: Fundação MT (n.p.)

57 Em qual destes Sistemas de Produção a eficiência de aproveitamento dos nutrientes é maior? T1- Soja/pousio (PD) T7- Soja/milho (PD) T6- Soja/crotalária Soja/milho + braquiária braquiária (PD) Fotos: C. Kappes FMT (216).

58 T6: Soja/crotalária / Soja/milho + braq. / braq. (PD) Foto: C. Kappes FMT (216)

59 Adubação de Sistemas voltado para Cultivos Anuais Considerações Finais: Em solos em fase de correção, é fundamental a abordagem da calagem focando essencialmente o manejo da acidez do solo e as prática de adubação para que cada cultura tenham condições de expressar o seu potencial produtivo;

60 Adubação de Sistemas voltado para Cultivos Anuais Considerações Finais: Por quê pensar em sistema de Produção? Ao longo do tempo, em solos já corrigidos quimicamente, o impacto do sistema de produção adotado ao longo do tempo é maior que o da calagem e adubação isoladamente; principalmente quanto mais frágeis for o ambiente de produção (solo e clima); Por quê praticar a adubação de sistemas? Para se ter benefícios outros além daqueles obtidos com a aplicação de direta dos nutrientes por cultura;

61 Uma provocação: o que esta acontecendo na Agricultura atual? Passado Presente

62 O B R I G A D O!

Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado

Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado Desafios da Fertilidade do Solo no Cerrado Leandro Zancanaro & Fábio Ono Barra do Garças, 26 de agosto de 2015. Biomas Brasileiros 2 o Fonte: IBGE/MMA (2004) Percentual Aproximado de Área Ocupada por Bioma

Leia mais

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil

Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Adubação da Cultura da Soja em Sistemas de Produção Dr. Eros Francisco Diretor Adjunto do IPNI Brasil Rio Verde-GO, 04/09/13 http://brasil.ipni.net Material Educativo Material Educativo N em milho http://media.ipni.net/

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO

IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO IMPORTÂNCIA DA CALAGEM PARA OS SOLOS DO CERRADO Palestra apresenta no I Seminário alusivo ao Dia Nacional do Calcário, no dia 23 de maio de 2013, no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento

Leia mais

Gargalos e Perspectivas para o Bioma Cerrado

Gargalos e Perspectivas para o Bioma Cerrado Desafios para o Manejo Sustentável dos Nutrientes em Sistemas de Produção de Soja Gargalos e Perspectivas para o Bioma Cerrado Leandro Zancanaro Equipe PMA Fundação MT Membro do CESB Florianópolis, 23

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja 0 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura da Soja Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Amostragem do solo A recomendação de adubação e de calagem baseia-se principalmente na análise de solo

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha ecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 9 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Características edafoclimáticas

Leia mais

Desafios para o manejo sustentável dos nutrientes em sistemas de produção de soja: Gargalos e Perspectivas para o Brasil

Desafios para o manejo sustentável dos nutrientes em sistemas de produção de soja: Gargalos e Perspectivas para o Brasil VII Congresso Brasileiro de Soja 22 a 25 de Junho de 2015, Florianopólis, SC Desafios para o manejo sustentável dos nutrientes em sistemas de produção de soja: Gargalos e Perspectivas para o Brasil Dr.

Leia mais

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

BPUPs para MILHO. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) BPUPs para MILHO Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Área Milho Segunda Safra - Brasil 2012 Parte da segunda safra não é milho safrinha Fonte: IBGE Fonte: Fonte: Conab Conab Fonte:

Leia mais

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira

Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Simpósio: Apoio ao uso Balanceado de Potássio na Agricultura Brasileira Como criar novos patamares de produtividade na cultura da soja. O que é necessário ser feito para aumentar a produtividade média

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA

AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA AVALIAÇÃO DE FONTES DE NITROGÊNIO EM COBERTURA NO MILHO Introdução SAFRINHA EM SISTEMA DE SEMEADURA DIRETA APÓS A SOJA Claudinei Kappes (1), Leandro Zancanaro (2), Alessandro Aparecido Lopes (3), Cleverson

Leia mais

h"p://brasil.ipni.net Material Educativo

hp://brasil.ipni.net Material Educativo IPNI ü O Interna*onal Plant Nutri*on Ins*tute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucra*vos, dedicada a desenvolver e promover informações ciencficas sobre o manejo responsável dos nutrientes das plantas

Leia mais

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado

Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas. Governo do Estado NUTRIÇÃO E ADUBAÇÃO DA CULTURA DA CEBOLA Claudinei Kurtz Eng Agr MSc Epagri EE Ituporanga Fertilidade do Solo e Nutrição de Plantas Governo do Estado AMOSTRAGEM DO SOLO Solo da camada 0-20cm 1ha = 2000

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior

Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção. Adilson de Oliveira Junior Nutrição Mineral da soja em Sistemas de Produção Adilson de Oliveira Junior Temas Abordados Soja: Alguns Números/Fatos Preocupantes Adubação/Conceito de Manejo Integrado da FS Extração de Nutrientes Diagnose

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil

Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos. Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil jose.ronaldo@embrapa.br www.embrapa.br/cnps Simpósio Brasileiro de Solos Arenosos Características Gerais da Fertilidade dos Solos Arenosos no Brasil Presidente Prudente 2014 José Ronaldo de Macedo Embrapa

Leia mais

PORQUE NÃO ALCANÇAMOS MAIORES PRODUTIVIDADES NO BRASIL? Dr. Luís Ignácio Prochnow Dr. Valter Casarin Dr. Eros Francisco

PORQUE NÃO ALCANÇAMOS MAIORES PRODUTIVIDADES NO BRASIL? Dr. Luís Ignácio Prochnow Dr. Valter Casarin Dr. Eros Francisco PORQUE NÃO ALCANÇAMOS MAIORES PRODUTIVIDADES NO BRASIL? Dr. Luís Ignácio Prochnow Dr. Valter Casarin Dr. Eros Francisco 1. IPNI MISSÃO O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização

Leia mais

RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo.

RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo. RACIONALIZAÇÃO DA ADUBAÇÃO DA CULTURA DE CANA-DE-AÇÚCAR Alternativas para redução de custo. Claudimir Pedro Penatti Diretoria de Mercado&Oportunidades Gerente Regional Piracicaba José Anderson Forti Técnico

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

Adubação do Sistema Algodão Soja Milho + Pastagens: resultados de Pesquisas

Adubação do Sistema Algodão Soja Milho + Pastagens: resultados de Pesquisas Adubação do istema Algodão oja Milho + Pastagens: resultados de Pesquisas Gilvan Barbosa Ferreira Embrapa Algodão Maria da Conceição antana Carvalho Embrapa Arroz e Feijão Fábio Álvares de Oliveira Embrapa

Leia mais

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO

MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO MÉTODOS DE CORREÇÃO DO SOLO O laudo (Figura 1) indica os valores determinados no laboratório para cada camada do perfil do solo, servindo de parâmetros para direcionamento de métodos corretivos. Figura

Leia mais

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82

Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Embrapa Agropecuária Oeste. Documentos, 32 Embrapa Algodão. Documentos, 82 Exemplares desta publicação podem ser solicitados à: Embrapa Agropecuária Oeste Área de Comunicação Empresarial - ACE BR 163,

Leia mais

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS

II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS II ENCONTRO DE IRRIGANTES POR ASPERSÃO DO RS 02 de OUTUBRO DE 2014 CRUZ ALTA RIO GRANDE DO SUL O INÍCIO DA IRRIGAÇÃO 5.000 anos atrás, Egito Antigo; Construção de diques, represas e canais para melhor

Leia mais

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO

MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO NO SISTEMA PLANTIO DIRETO NO CERRADO Djalma Martinhão Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, João de Deus G. dos Santos Junior, Rafael de Souza Nunes 1 I INTRODUÇÃO No Cerrado, a

Leia mais

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães

Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura. de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Nutrição do cafeeiro e uso de Sódio S na agricultura Júlio César C de Oliveira Silva Guilherme Maluf Breno Geraldo Rabelo Leblon Urbano Guimarães Sumário 1. História do café no Brasil 2. Conceitos e legislação

Leia mais

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1

PLANTIO DIRETO. Definição JFMELO / AGRUFBA 1 Definição JFMELO / AGRUFBA 1 INFLUÊNCIAS NO SOLO Matéria orgânica Estabilidade dos agregados e infiltração JFMELO / AGRUFBA 2 INFLUÊNCIAS NO SOLO Temperatura do solo JFMELO / AGRUFBA 3 INFLUÊNCIAS NO SOLO

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 731 Página 731 POTENCIAL AGRÍCOLA DA UTILIZAÇÃO DE COMPOSTO ORGÂNICO DE LIXO URBANO NA CULTURA DO GIRASSOL1 João Paulo Gonsiorkiewicz Rigon 1 ;Moacir Tuzzin de Moraes 1 ; Fernando Arnuti 1 ; Maurício Roberto

Leia mais

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA

RELATÓRIO FINAL. AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA RELATÓRIO FINAL AVALIAÇÃO DO PRODUTO CELLERON-SEEDS e CELLERON-FOLHA NA CULTURA DO MILHO CULTIVADO EM SEGUNDA SAFRA Empresa solicitante: FOLLY FERTIL Técnicos responsáveis: Fabio Kempim Pittelkow¹ Rodrigo

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Ribeirão Preto/SP, 08/10/2014 PROGRAMA DE ADUBAÇÃO PARA ALTA PRODUTIVIDADE 1. Promover uma melhor exploração do sistema radicular, especialmente

Leia mais

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro

Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Culturas anuais para produção de volumoso em áreas de sequeiro Henrique Antunes de Souza Fernando Lisboa Guedes Equipe: Roberto Cláudio Fernandes Franco Pompeu Leandro Oliveira Silva Rafael Gonçalves Tonucci

Leia mais

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO

FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO FERTILIDADE E MATÉRIA ORGÂNICA DO SOLO EM DIFERENTES SISTEMAS DE MANEJO DO SOLO Henrique Pereira dos Santos 1, Renato Serena Fontaneli 1, Anderson Santi 1, Ana Maria Vargas 2 e Amauri Colet Verdi 2 1 Pesquisador,

Leia mais

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE

UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE Departamento de Engenharia de Biossistemas ESALQ/USP UNIDADES DE MANEJO: UMA OPÇÃO DESAFIADORA E MAIS INTELIGENTE V Seminário de Agricultura de Precisão Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz 9

Leia mais

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI

INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI INTEGRAÇÃO LAVOURA-PECUÁRIA ALYSSON PAOLINELLI SISTEMAS TRADICIONAIS DE EXPLORAÇÃO DA FAZENDA: Onde é pasto sempre foi pasto e será pasto! Onde é lavoura sempre foi lavoura e será lavoura! QUASE SEMPRE

Leia mais

AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE

AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE AMOSTRAGEM DO SOLO PARA AVALIAÇÃO DE SUA FERTILIDADE Amostragem do solo Envio ao laboratório Preparo da amostra Confirmação dos procedimentos Recomendação adubação/calagem Interpretação dos resultados

Leia mais

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS

AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS IX SIMPÓSIO NACIONAL CERRADO BRASÍLIA 12 A 17 DE OUTUBRO DE 2008 AGRICULTURA DE PRECISÃO EM SISTEMAS AGRÍCOLAS ANTÔNIO MARCOS COELHO OBJETIVOS : INTRODUÇÃO - CONCEITOS E DEFFINIÇÕES: PRECISÃO NA AGRICULTURA

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG.

PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM. Acadêmico PVIC/UEG do Curso de Agronomia, UnU Ipameri - UEG. PRODUTIVIDADE DO FEIJOEIRO COMUM EM FUNÇÃO DA SATURAÇÃO POR BASES DO SOLO E DA GESSAGEM Zélio de Lima Vieira 1 ; Valter de Oliveira Neves Júnior 1 ; Rodolfo Araújo Marques 1 ; Rafael Benetti 1 ; Adilson

Leia mais

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO TABELA DE PREÇOS TABELA DE PREÇOS 1. SOLO 1.1.a Química para fins de avaliação da fertilidade do solo (Estado de São Paulo) SQ1.1 ph CaCl 2 0,01 mol L -1, P, K, Ca, Mg, H+Al e os cálculos SB, CTC, V %... 20,00/am. SQ2.1

Leia mais

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia

NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia NUTRIÇÃO FOLIAR (FATOS E REALIDADES) Prof. Dr. Tadeu T. Inoue Solos e Nutrição de Plantas Universidade Estadual de Maringá Departamento de Agronomia FATOS 80.000 70.000 60.000 ÁREA CULTIVADA (milhões/ha)

Leia mais

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008

SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 SISTEMAS DE PRODUÇÃO IMPORTÂNCIA PARA CONSERVAÇÃO DOS SOLOS E PRESERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE BAMBUI-MG 09/09/2008 19 ANOS DE FUNDAÇÃO MARÇO 1989 PODEMOS ESCOLHER O QUE SEMEAR, MAS SOMOS OBRIGADOS A COLHER

Leia mais

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas

Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Fertilização em Viveiros para Produção de Mudas Produção de Mudas - No sistema de raiz nua Produção de mudas de Pinus no sul do BR - No interior de recipientes - Sacos plásticos - Tubetes Fertilização

Leia mais

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação

Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação NU REE Programa em Nutrição e Solos Florestais DPS - SIF - UFV - Viçosa - MG UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA CENTRO DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS Monitoramento Nutricional e Recomendação de Adubação Contribuição

Leia mais

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO

USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Cerrados Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento USO DE GESSO, CALCÁRIO E ADUBOS PARA PASTAGENS NO CERRADO Djalma M. Gomes de Sousa Lourival

Leia mais

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto

Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto Gestão da Fertilidade do Solo em Sistema de Plantio Direto OSistema de Plantio Direto (SPD) consolida-se cada dia mais na região. Ao mesmo tempo existe a preocupação com sua qualidade, para que traga os

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

A CALAGEM COM FATOR DE COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO. Álvaro Resende

A CALAGEM COM FATOR DE COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO. Álvaro Resende A CALAGEM COM FATOR DE COMPETITIVIDADE NO AGRONEGÓCIO Álvaro Resende LEM 04/06/2015 Roteiro A calagem como fator de competitividade Manejo da acidez do solo Síntese A calagem como fator de competitividade

Leia mais

Feijão. 9.3 Calagem e Adubação

Feijão. 9.3 Calagem e Adubação Feijão 9.3 Calagem e Adubação Fonte: Fageria et al. (1996). 1996 CORREÇÃO DO SOLO -CALAGEM -GESSAGEM -SILICATAGEM CALAGEM -Aumento da eficiência dos adubos -Produtividade -Rentabilidade Agropecuária. Lopes

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO

RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO RELATÓRIO TÉCNICO FINAL DO PROJETO APERFEIÇOAMENTO DO MANEJO DA FERTILIDADE DO SOLO PARA A CULTURA DO ALGODÃO EM MATO GROSSO Instituição Executora: Fundaper Fundação de Amparo à Pesquisa, Assistência Técnica

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010

RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 RELATÓRIO TÉCNICO GERALDO HENRIQUE FAZENDA ESTREITO FEVEREIRO 2010 Segue abaixo a interpretação da análise de solo, onde cada cor tem sua leitura em correspondência com a legenda. Segue abaixo também a

Leia mais

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão

PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* fundacaoba.algodao@aiba.org.br; 4 Embrapa Algodão PRODUTIVIDADE DA MAMONA HÍBRIDA SAVANA EM DIVERSAS POPULACÕES DE PLANTIO NO SUDOESTE DA BAHIA* Gilvan Barbosa Ferreira 1, Ozório Lima de Vasconcelos 2, Murilo Barros Pedrosa 3, Arnaldo Rocha Alencar 4,

Leia mais

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense

Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Produção sustentável de grãos e carne bovina na região do Bolsão-Sul-Mato-Grossense Ademir H. Zimmer Júlio Salton Armindo N. Kichel Engº. Agrsº. Pesquisadores Embrapa Gado de Corte e Agropecuária Oeste

Leia mais

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral

Fertilização da Batateira. Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Fertilização da Batateira Raul Maria Cássia EMATER/MG Senador Amaral Necessidade de Adubação na Cultura da Batata Adubação X Custo de produção 30% dos Insumos 20% do custo total Extração da batateira Para

Leia mais

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA

GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA GASPAR H. KORNDÖRFER (Pesq. CNPq) UNIVERSIDADE FEDERAL UBERLANDIA Desvantagens: a) Produto não tem uniformidade quanto a composição (NPK), de umidade muito variável, cheira mal (operador não gosta de usar);

Leia mais

Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja

Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja Importância da fertilidade de solo no manejo integrado de Pratylenchus em soja Henrique Debiasi - Embrapa Soja Julio Cezar Franchini - Embrapa Soja Waldir Pereira Dias - Embrapa Soja Alvadi Balbinot Embrapa

Leia mais

Acidez do solo e calagem. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com

Acidez do solo e calagem. Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Acidez do solo e calagem Prof. Dr. Gustavo Brunetto DS-UFSM brunetto.gustavo@gmail.com Aula 2: Parte 1 - Acidez do Solo Acidez do solo. Significado da acidez do solo - Efeito direto e indireto. Tipos de

Leia mais

Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul. André Luis da Silva

Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul. André Luis da Silva Algodão segunda safra no Mato Grosso do Sul André Luis da Silva Introdução Situação da cultura do algodoeiro no estado do MS. Situação da cultura do algodoeiro no Grupo Schlatter. Principais desafios.

Leia mais

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização

Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Nutrição do Cafeeiro, Macro e Micronutrientes, Recomendações e Racionalização Engº. Agrº. Antônio Wander R. Garcia Engº. Agrº. Alysson Vilela Fagundes Aspectos relevantes e indispensáveis 1. Por que adubar?

Leia mais

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC

Recomendação de Adubação N, P e K....para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação N, P e K...para os estados do RS e SC Recomendação de Adubação Objetivo Elevar os teores dos nutrientes (N, P e K) no solo a níveis considerados adequados para as culturas expressarem

Leia mais

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE?

CURSO P.I. PÊSSEGO - ANTONIO PRADO - RS - 2006 ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? ADUBAÇÃO FOLIAR EM PESSEGUEIRO CULTIVADO NA SERRA GAÚCHA RESOLVE? George Wellington Melo Embrapa Uva e Vinho QUEM USA ADUBAÇÃO FOLIAR FINALIDADE DA ADUBAÇÃO FOLIAR? FILOSOFIAS BÁSICAS PARA APLICAÇÃO: SEGURANÇA

Leia mais

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo

Circular. Técnica. Autores. Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados da Análise do Solo 1 ISSN 0100-6460 Adubação e Correção do Solo: Procedimentos a Serem Adotados em Função dos Resultados

Leia mais

Inoculação e Coinoculação na Cultura da Soja

Inoculação e Coinoculação na Cultura da Soja 01 Inoculação e Coinoculação na Cultura da Soja 1 Douglas de Castilho Gitti A associação simbiótica entre as raízes da soja e as bactérias do gênero Bradyrhizobium contribui com todo o nitrogênio que a

Leia mais

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil

Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Contexto e importância da diversificação de culturas em sistemas de produção de soja no Brasil Eng. Agr. Dr. Henrique Debiasi Eng. Agr. Dr. Julio C. Franchini Eng. Agr. Dr. Alvadi A. Balbinot Jr. VII Congresso

Leia mais

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas

Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas !"#$# $%$$& Utilização de Lodo de Esgoto para Fins Agrícolas Dr. Marcos Omir Marques Professor Adjunto e Sua Contribuição na Preservação Ambiental Departamento de Tecnologia Mailto: omir@fcav.unesp.br

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO 0 UNIJUÍ UNIVERSIDADE REGIONAL DO NOROESTE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL DEAg DEPARTAMENTO DE ESTUDOS AGRÁRIOS CURSO DE AGRONOMIA AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO NA AGRICULTURA DE PRECISÃO ANDRÉ DALLA

Leia mais

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ

CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ Área: Solos e Nutrição de Plantas CALAGEM PARA O FEIJÃO-CAUPI [Vigna unguiculata (L.) WALP], CV. BR3 TRACUATEUA, EM SOLO ÁCIDO DE SALVATERRA, MARAJÓ, PARÁ João Elias Lopes Rodrigues 1 ; Sonia Maria Botelho

Leia mais

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE

FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE FUNDAÇÃO DE APOIO A PESQUISA E DESENVOLVIMENTO INTEGRADO RIO VERDE RESULTADOS DE PESQUISA 2005 PREPARO DE PERFIL DE SOLO COM EQUIPAMENTOS MECÂNICOS VISANDO CULTIVO DO ALGODÃO SAFRINHA CLAYTON GIANI BORTOLINI

Leia mais

Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes

Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA DEPARTAMENTO DE SOLOS Nutrição e Manejo da adubação em Frutíferas Perenes Pós-Doutorando Dr. Gustavo Trentin Prof. Dr. Gustavo Brunetto Prof. Dr. João Kaminski Santa

Leia mais

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO

RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO RENOVAÇÃO DE PASTAGENS COM PLANTIO DIRETO EXPERIÊNCIAS DA MONSANTO DO BRASIL MARCIO SCALÉA ABRIL 2007 Manejo Genética Alimentação Sanidade GENÉTICA M A N E J O ALIMENTAÇÃO S A N I D A D E FASE PRODUTIVA

Leia mais

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS

SISTEMAS DE PREPARO DE SOLO E MANEJO DE COBERTURA MORTA EM POMARES DE CITROS SISTEMS DE PREPRO DE SOLO E MNEJO DE COBERTUR MORT EM POMRES DE CITROS Pedro ntonio Martins uler Pesquisador - IPR Área de Fitotecnia aulerpe@iapar.br 35ª Semana da Citricultura Cordeirópolis, 5 de junho

Leia mais

Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura

Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura 37 a SEMANA DA CITRICULTURA Princípios Básicos para Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Citricultura Dr. Luís Ignácio Prochnow Diretor do Programa do IPNI no Brasil INTERNATIONAL PLANT

Leia mais

PRODUÇÃO DE GRÃOS EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO NO AMAZONAS,

PRODUÇÃO DE GRÃOS EM SISTEMA DE PLANTIO DIRETO NO AMAZONAS, EMBRAPA AMAZÔNIA OCIDENTAL FUNDAÇÃO DE ESTUDOS AGRÁRIOS LUIZ DE QUEIROZ - FEALQ FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL DE EXECUÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE PESQUISA 853/2011 PRODUÇÃO DE GRÃOS EM SISTEMA

Leia mais

Apresentação Case Campeão de Produtividade da Região Norte/Nordeste e Nacional Plínio Itamar de Souza (Ph.D.), Pesquisador de Soja Membro do CESB e

Apresentação Case Campeão de Produtividade da Região Norte/Nordeste e Nacional Plínio Itamar de Souza (Ph.D.), Pesquisador de Soja Membro do CESB e Apresentação Case Campeão de Produtividade da Região Norte/Nordeste e Nacional Plínio Itamar de Souza (Ph.D.), Pesquisador de Soja Membro do CESB e Consultor da ABRASEM Safra 2011/2012 Dados do Participante

Leia mais

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria

Milho + investimento mínimo, máximo retorno. Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Milho + brachiaria: investimento mínimo, máximo retorno Aildson Pereira Duarte e Isabella Clerici de Maria Pesquisadores do Instituto Agronômico (IAC), de Campinas, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento

Leia mais

Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia

Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia Experiência no MT com Sistemas Integrados- Estudo de Casos no Vale do Araguaia Eng º Agr. Marcelo Volf.. Dalcin Consultoria Mestrando UniRV Engº Agr. MSc. Flávio J. Wruck EMBRAPA Agrossilvipastoril Presidente

Leia mais

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros

Manejo de Solos. Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Manejo de Solos Curso de Zootecnia Prof. Etiane Skrebsky Quadros Aula prática: Amostragem de Solo FINALIDADES DA ANÁLISE DE SOLO Determinar a disponibilidade de nutrientes; Indicar ao agricultor o nível

Leia mais

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html

http://www.ceinfo.cnpat.embrapa.br/arquivos/labsolos/amostragem.html Coleta e Interpretação de Análise de Solo Cláudia Pombo Sudré Junho/2011 Coleta Glebas homogêneas Ziguezague Evitar Formigueiros Esterco Material de construção Vegetação diferente Relevo Coleta 0-20 cm

Leia mais

Embrapa Gado de Corte

Embrapa Gado de Corte Embrapa Gado de Corte Recomendações de calagem e adubação para pastagens em solos arenosos Manuel Claudio Motta Macedo Pesquisador Embrapa Gado de Corte INTRODUÇÃO 1. Critérios de adubação para pastagens

Leia mais

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas

Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas INTRODUÇÃO 1 Nutrição Adubação de Culturas Oleaginosas Discente: Samuel Luan Pereira Docente: Marcela Nery O desenvolvimento da agropecuária, em termos de manejo, material genético e tecnologias, força

Leia mais

Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. RESUMO

Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. RESUMO Formas de aplicação e curva de reposta da cultura do algodoeiro a aplicação de nitrogênio em cobertura. Leandro Zancanaro, Joel Hillesheim & Luis Carlos Tessaro. Fundação de Apoio à Pesquisa Agropecuária

Leia mais

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO?

INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA. Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? INSTITUTO MATO-GROSSENSE DO ALGODÃO - IMA Boletim - Nº 003 - Outubro de 2008 INFORMAÇÕES TÉCNICAS QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? QUANTO VALE A SOQUEIRA DO ALGODÃO? Diante da preocupação com o desmatamento

Leia mais

Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado

Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado II Fórum Nacional de Produtividade De Soja CESB Pesquisas em Andamento pelas Fundações e Embrapa sobre os Temas Indicados pelo Fórum do Ano Passado Leandro Zancanaro Brasília Agosto de 2011 Temas Indicados

Leia mais

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA

10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA 10 AVALIAÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA CONVENCIONAL (SOJA LIVRE) EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo deste experimento foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja convencionais (Soja Livre) em

Leia mais

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho.

Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. Monitoramento Ambiental do Uso de Dejetos Líquidos de Suínos Como Insumo na Agricultura: 3 - Efeito de Doses na Produtividade de Milho. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de

Leia mais

ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE

ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE ADEQUAÇÕES DAS TÉCNICAS DA AGRICULTURA DE PRECISÃO A PEQUENA PROPRIEDADE NA REGIÃO OESTE CATARINENSE Matheus Collet Tambosi 2, Cristiano Reschke Lajús 1, Ernandes Manfroi 2, Odair José Niederle 2, Giovanni

Leia mais

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do

uma produtividade de 153 kg ha, enquanto a Bahia obteve em 2004 uma produção de 2.350 t (61 % do Utilização de Resíduos de Carvão Vegetal Associado a Fontes Orgânicas de Nutrientes no Manejo Sustentável do Solo e do Guaranazeiro (Paullinia cupana var. sorbilis (Mart.) Ducke) na Amazônia Central Murilo

Leia mais

DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1

DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1 DOSES DE DEJETO LÍQUIDO DE SUÍNOS NA CULTURA DO MILHO 1 STROJAKI, T. V. 2 ; MORAES, M. T. 2 ; ARNUTI, F. 2 ; TREVISOL, G. 2 ; JANDREY, W. F. 2 ; CANCIAN, L. C. 2 ; PESSOTTO, P. P. 2 ; SILVA, V. R. da 3

Leia mais

Referências Bibliográficas

Referências Bibliográficas Considerações Finais Todos os tratamentos testados apresentaram teores foliares de N inferiores ao recomendado para a cultura da soja. As aplicações isoladas de BIOMOL (0,3 L/ha), KALIBRE (1,5 L/ha) e

Leia mais

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1

ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 ANÁLISE TÉCNICA E ECONÔMICA DA APLICAÇÃO DE FERTILIZANTES EM TAXA VARIÁVEL EM ÁREA MANEJADA COM AGRICULTURA DE PRECISÃO 1 CHERUBIN, M. R. 2 ; AMARAL, A. 3 ; MORAES, M. T. 2 ; FABBRIS, C. 2 ; PRASS, M.

Leia mais

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO

O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO O SISTEMA DE PRODUÇÃO DE SOJA NO MERCOSUL: PASSADO, PRESENTE E FUTURO José Eloir Denardin Jorge Lemainski Embrapa Trigo A ABORDAGEM PROPOSTA Histórico da evolução das tecnologias de produção de soja. Consequências

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas

ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI FACULDADE DE CIÊNCIAS AGRÁRIAS DEPARTAMENTO DE AGRONOMIA ESTUDO DIRIGIDO Fertilidade do solo e nutrição de plantas Prof.

Leia mais

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR

A SOJA NO BRASIL. Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR A SOJA NO BRASIL Engº Agrº Amélio Dall Agnol Embrapa Soja, Londrina, PR O que vamos abordar nesta apresentação 1. Desenvolvimento da soja no Brasil. 2. Razões do deu rápido desenvolvimento. 3. Importância

Leia mais

Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado

Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado Resposta a Gesso pela Cultura do Algodão Cultivado em Sistema de Plantio Direto em um Latossolo de Cerrado Djalma M. Gomes de Sousa, Thomaz A. Rein, Julio Cesar Albrech (Embrapa Cerrados, BR 020, Km 18,

Leia mais

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com

ENXOFRE. Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio. Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com ENXOFRE Engenheiro Agrônomo Rodrigo Ambrosio Mestrando em Ciência do Solo rodrigoambrosioufpr@gmail.com Departamento de Solos e Engenharia Agrícola Orientador: Volnei Pauletti ENXOFRE Enxofre Macronutriente

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 410 I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 21 Página 41 ADUBAÇÃO DA MAMONEIA DA CULTIVA BS NODESTINA EM CONDIÇÕES DE SEQUEIO 1 Valdinei Sofiatti 1 ; Tarcisio Marcos de Souza Gondim

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 INTRODUÇÃO

ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 INTRODUÇÃO 1 ESTRATÉGIAS DE ADUBAÇÃO PARA RENDIMENTO DE GRÃOS DE MILHO E SOJA NO PLANALTO SUL CATARINENSE 1 Carla Maria Pandolfo 2, Sérgio Roberto Zoldan 3, Milton da Veiga 4 INTRODUÇÃO O município de Campos Novos

Leia mais

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO

FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS 1. INTRODUÇÀO FERTILIZANTES UTILIZADOS NA IMPLANTAÇÃO E MANUTENÇÃO DE GRAMADOS Eng. Agr. Antônio Florenzano & Eng. Agr. Everaldo Eller Forth Jardim - Tecnutri do Brasil- R. Reinaldo Orlando Casagrande, 12 Tietê SP.

Leia mais