EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1"

Transcrição

1 PARA PESQUISA E DIFUSÃO DE TECNOLOGIAS AGROPECUÁRIAS ESTRADA DA USINA VELHA KM 2 - CAIXA POSTAL 105 TEL/FAX(067) MARACAJU/MS - CEP EFEITO DE FONTES E DOSE DE NITROGÊNIO APLICADOS NO MILHO SAFRINHA NA PRODUTIVIDADE DO MILHO SAFRINHA E NA SOJA SUBSEQUENTE 1 2 Dirceu Luiz Broch Introdução Objetivos O Objetivo deste trabalho é avaliar o efeito da adubação no milho safrinha e o residual desta na soja subsequente, variando-se principalmente doses de nitrogênio e enxofre, num período de no mínimo três anos agrícolas. Metodologia Os Tratamento utilizados para avaliar tal objetivos foram elaborados misturando-se diferentes matérias primas (Anexo A), contendo um ou mais nutrientes e utilizando-se duas fontes de nitrogênio para adubação nitrogenada de cobertura. Na tabela 1, encontra-se a descrição dos tratamentos utilizados no milho safrinha. Tabela 1 Descrição dos tratamentos contendo adubação utilizada no sulco de plantio e em cobertura na cultura do milho safrinha. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, T Adubação de plantio Ad. De Cobertura Nutrientes aplicados (kg.ha -1 ) kg.ha -1 Fórmula (kg.ha -1 ) N P 2 O 5 K 2 O S Zn B S:0,0%: Zn:1,0% e B:0,29% 0, ,5 0, S:7,7%: Zn:0,8% e B:0,23% ,5 0, S:0,0%: Zn:0,98% e B:0,27% ,5 0, S:7,7%: Zn:0,8% e B:0,23% de S. Amônio ,5 0, S:7,7%: Zn:0,8% e B:0,23% 1 60 de Uréia ,5 0, S:7,7%: Zn:0,8% e B:0,23% ,0 0,8 1 Fórmula contendo sulfato de amônio 1 Fórmula contendo uréia Observação: No anexo A, encontra-se informações sobre a elaboração das fórmulas de plantio do milho safrinha 1 Trabalho de parceria entre a FUNDAÇÃO MS e SN Centro de Pesquisa e Promoção de Sulfato de Amônio Ltda. 1

2 Na cultura da soja, todos os tratamentos receberão os mesmos nutrientes, tendo como fonte a fórmula Ca:12%; S:4,0%; Zn:0,3%; B:0,2% e Cu:0,25%, na dose de 400 kg.ha -1. Desta forma, será avaliado se adubação com doses maiores de nitrogênio e enxofre no milho safrinha, interferem na produtividade tanto do milho safrinha, como da soja subsequente. Croqui do experimento Rua de Brachiaria central m ,0 m 3 A 5 A 1A 6 A 2 A 4 A 12 m Bloco A 12 m Rua 2 B 4 B 6 B 3 B 5 B 1 B 12 m Bloco B 12 m Rua 5 C 1 C 4 C 2 C 6 C 3 C 12 m Bloco C 12 m Rua 6 D 3 D 2 D 1 D 4 D 5 D 12 m Bloco D Parcela à 5,0 m x 12,0 m = 60 m 2 Parâmetros: 1) Produtividade (kg/ha); 2) Análise de solo (0 20 cm e cm) 3) Análise foliar Delineamento experimental à Blocos ao acaso com 4 repetições 2 Engº Agrº M. Sc. CREA Nº /D RS, Visto MS, Pesquisador da FUNDAÇÃO MS. 2

3 RESUMO DA TECNOLOGIA UTILIZADA EM CADA CULTURA Resumo da tecnologia a ser utilizada no ano para o milho safrinha Sistema de plantio Plantio direto após soja Plantio 09/03/01 Adubação Conforme planejado Híbrido FORT Ad. de cobertura Conforme planejado (21/03/01, Estádio V2) Semevim ml /100 kg de sementes Herbicida Para plantas daninhas de folha larga e folha estreia Para lagartas do cartucho Densidade (colheita) plantas/ha (4,6 plantas/m linear) Colheita 23/08/01 U.O. 3 linhas x 0,8 m x 5,0 m = 12 m 2 Observação 1 1 Ocorrência de adversidade climática significativa Resumo da tecnologia utilizada no ano agrícola 2.001/02 para a soja Sistema de plantio Plantio direto após milho safrinha Plantio 02/11/01 Adubação 400 kg/ha de Ca:12%; S:4,0%; Zn:0,3%; B:0,2% e Cu:0,25% Cultivar CD-202 (21 sementes/m linear) Fungicida Vitavax-Thiram 200 SC 250 ml/100 kg de sementes Micronutriente Ubyfol ML ml/50 kg de sementes Inoculante Biomax premium 125 g/50 kg de sementes Herbicida Spider ( 30 g/ha ) + Dual Gold ( 1,0 l/ha ) Para lagarta da soja e percevejo Fungicida Foliar Priori 200 ml.ha -1 + Nimbus 0,5% Colheita 05/03/02 U.O. 3 linhas x 0,45 m x 4,0 m = 5,4 m 2 Observação 1 1 Ocorrência de adversidade climática significativa Resumo da tecnologia a ser utilizada no ano para o milho safrinha Sistema de plantio Plantio direto após soja Plantio 06/03/02 Adubação Conforme planejado (Tabela 1) Híbrido Tork Ad. de cobertura Conforme planejado (a lanço em 28/03/02, após chuva de 20 mm) Semevim ml /100 kg de sementes Herbicida Para plantas daninhas de folha larga e folha estreia Para lagartas do cartucho Densidade (colheita) plantas/ha (4,5 plantas/m linear) Colheita 05/08/02 U.O. 3 linhas x 0,8 m x 5,0 m = 12 m 2 Observação 1 1 Ocorrência de adversidade climática significativa 3

4 Resumo da tecnologia utilizada no ano agrícola 2.002/03 para a soja Sistema de plantio Plantio direto após milho safrinha Plantio 25/10/02 Adubação 400 kg/ha de Ca:12%; S:4,0%; Zn:0,3%; B:0,2% e Cu:0,25% Cultivar M-Soy 5942 (18 sementes/m linear) Fungicida Vitavax-Thiram 200 SC 250 ml/100 kg de sementes Micronutriente LB1 150 ml/50 kg de sementes Inoculante Biomax premium 125 g/50 kg de sementes Herbicida Para plantas daninhas de folha larga e estreita Lagarta 1 o Aplicação: Dimilin 50 g/ha; Percevejo 1 o Aplicação: Tamarron 300 ml/ha + Sal de cozinha 0,5 % v.v Fungicida Foliar Priori 200 ml.ha -1 + Nimbus 0,5% Colheita 22/02/03 U.O. 3 linhas x 0,45 m x 4,0 m = 5,4 m 2 Observação 1 1 Ocorrência de adversidade climática significativa Resumo da tecnologia a ser utilizada no ano para o milho safrinha Sistema de plantio Plantio direto após soja Plantio 05/03/03 Adubação Conforme planejado Híbrido Tork Ad. de cobertura A lanço em 12/03/03, após chuva de 50 mm) e depois ficou 23 dias sem chover Semevim ml + Crizer 200 g/100 kg de sementes Herbicida Para plantas daninhas de folha larga e folha estreia Para lagartas do cartucho Colheita 06/08/03 U.O. 3 linhas x 0,8 m x 5,0 m = 12 m 2 Observação 1 1 Ocorrência de adversidade climática significativa Resumo da tecnologia utilizada no ano agrícola 2.003/04 para a soja Sistema de plantio Plantio direto após milho safrinha Plantio 29/10/03 Adubação 400 kg/ha de Ca:4,6% + S: 4,0%; Zn: 0,55% e B: 0,20% Cultivar CD 201 (18 sementes/m linear) Fungicida Derosal Plus 200 ml/50 kg de sementes Micronutriente Rizomicro 107 ml/50 kg de sementes Inoculante Nitragin Cell Tech 150 ml/50 kg de sementes Herbicida Para plantas daninhas de folha larga estreita Lagarta 1 o Aplicação: Dimilin 50 g/ha; Percevejo 1 o Aplicação: Tamarron 300 ml/ha + Sal de cozinha 0,5 % v.v Fungicida Foliar 1 o Aplicação Derosal 500 ml/ha e/ou 2 o Aplicação: Opera 500 ml.ha -1 Colheita 29/02/04 U.O. 3 linhas x 0,45 m x 4,0 m = 5,4 m 2 Observação 1 Produtividade afetada por forte estresse hídrico e alta temperatura 1 Ocorrência de adversidade climática significativa 4

5 Resumo da tecnologia a ser utilizada no ano para o milho safrinha Sistema de plantio Plantio direto após soja Plantio 09/03/04 Adubação Conforme planejado Híbrido Tork Ad. de cobertura 05/04/04, No V4, um dia após 40 mm de chuva Semevim ml + Crizer 200 g/100 kg de sementes Herbicida Para plantas daninhas de folha larga e folha estreia Para lagartas do cartucho Colheita 10/08/04 U.O. 3 linhas x 0,8 m x 5,0 m = 12 m 2 Observação 1 1 Ocorrência de adversidade climática significativa 5

6 RESULTADOS OBTIDOS EM CADA CULTURA Tabela 2 Produtividade do milho safrinha (kg/ha) híbrido FORT em resposta a estratégia de adubação. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat. Adubação utilizada no milho safrinha (kg.ha -1 ) Produtividade Variação 2 N P 2 O 5 K 2 O S Zn B (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % ,5 0,7 93,05 a 1 5,67 6, ,5 0,7 93,00 a 5,62 6, ,5 0,7 88,58 a 1,20 1, ,0 0,8 88,37 a 0,99 1, ,5 0,7 87,38 a ,5 0,7 85,25 a - 2,13-2,4 1 Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo tese de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. CV: 8,6%. 2 Variação na produtividade Do milho safrinha, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha (Sem N e S). Média do trabalho: 89,3 sc.ha -1 Tabela 3 Produtividade da soja (sc.ha -1 ) cv CD 202, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio utilizado na cultura do milho safrinha que antecede o plantio da soja. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat. Aplicado anualmente no milho safrinha (kg.ha -1 ) Produtividade da Variação 2 N P 2 O 5 K 2 O S Zn B Soja (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % ,5 0,7 69,4 a 1 5,8 9, ,5 0,7 68,1 a 4,5 7, ,0 0,8 66,2 a 2,6 4, ,5 0,7 65,1 a 1,5 2, ,5 0,7 64,6 a 1,0 1, ,5 0,7 63,6 a Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo tese de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. CV: 8,5%. 2 Variação na produtividade da soja, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha (Sem N e S). Adubação de plantio na soja: 400 kg/ha de Ca:12%; S:4,0%; Zn:0,3%; B:0,2% e Cu:0,25% Média do trabalho: 66,2 sc.ha -1 6

7 Tabela 4 Produtividade do milho safrinha (sc.ha -1 ) híbrido Tork, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio utilizado na cultura do milho safrinha. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat. Adubação utilizada no milho safrinha (kg.ha -1 ) Produtividade Variação 2 N P 2 O 5 K 2 O S Zn B (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % ,5 0,7 90,69 a 1 15,3 20, ,5 0,7 88,32 a 12,9 17, ,0 0,8 87,47 a 12,1 16, ,5 0,7 85,57 a 10,2 13, ,5 0,7 84,18 a 8,8 11, ,5 0,7 75,40 a Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo tese de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. CV: 11,0%. 2 Variação na produtividade Do milho safrinha, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha (Sem N e S). Média do trabalho: 85,3 sc.ha -1 Tabela 5 Produtividade da soja (sc.ha -1 ) cv M-Soy 5942, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio utilizado na cultura do milho safrinha que antecede o plantio da soja. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat. Aplicado anualmente no milho safrinha (kg.ha -1 ) Produtividade da Variação 2 N P 2 O 5 K 2 O S Zn B Soja (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % ,5 0,7 62,86 a 1 5,78 10, ,5 0,7 59,74 a 2,66 4, ,0 0,8 59,68 a 2,60 4, ,5 0,7 58,48 a 1,40 2, ,5 0,7 58,21 a 1,13 2, ,5 0,7 57,08 a Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo tese de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. CV: 9,1%. 2 Variação na produtividade da soja, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha (Sem N e S). Adubação de plantio na soja: 400 kg/ha de Ca:12%; S:4,0%; Zn:0,3%; B:0,2% e Cu:0,25% Média do trabalho: 59,34 sc.ha -1 7

8 Tabela 6 Produtividade do milho safrinha (sc.ha -1 ) híbrido Tork, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio utilizado na cultura do milho safrinha. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat. Adubação utilizada no milho safrinha (kg.ha -1 ) Produtividade Variação 2 N P 2 O 5 K 2 O S Zn B (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % ,5 0,7 129,2 a 1 23,9 22, ,5 0,7 123,6 a 18,4 17, ,5 0,7 120,5 a 15,3 14, ,0 0,8 119,8 a 14,6 13, ,5 0,7 119,1 a 13,9 13, ,5 0,7 105,2 b Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo tese de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. CV: 5,1%. 2 Variação na produtividade Do milho safrinha, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha. Média do trabalho: 119,6 sc.ha -1 Tabela 7 Produtividade da soja (sc.ha -1 ) cv CD 201, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio utilizado na cultura do milho safrinha que antecede o plantio da soja. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat. Aplicado anualmente no milho safrinha (kg.ha -1 ) Produtividade da Variação 2 N P 2 O 5 K 2 O S Zn B Soja (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % ,5 0,7 49,9 a 1 7,13 16, ,5 0,7 48,2 a 5,35 12, ,0 0,8 47,5 ab 4,7 11, ,5 0,7 45,6 ab 3,0 6, ,5 0,7 42,8 b ,5 0,7 42,7 b - 0,2-0,2 1 Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo tese de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. CV: 10,3%. 2 Variação na produtividade da soja, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha. Adubação de plantio na soja: 400 kg/ha de Ca:12%; S:4,0%; Zn:0,3%; B:0,2% e Cu:0,25% Média do trabalho: 46,1 sc.ha -1 8

9 Tabela 8 Produtividade do milho safrinha (sc.ha -1 ) híbrido Tork, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio utilizado na cultura do milho safrinha. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat. Adubação utilizada no milho safrinha (kg.ha -1 ) Produtividade Variação 2 N P 2 O 5 K 2 O S Zn B (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % ,0 0,8 95,1 a 9,6 11, ,5 0,7 92,6 a 7,1 8, ,5 0,7 92,0 a 6,5 7, ,5 0,7 91,7 a 1 6,2 7, ,5 0,7 91,0 a 5,5 6, ,5 0,7 85,5 a Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo tese de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. CV: 6,8%. 2 Variação na produtividade Do milho safrinha, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha. Média do trabalho: 91,3 sc.ha -1 Tabela 9 Produtividade do milho safrinha (sc.ha -1 ) obtida em quatro safras consecutivas, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat Produtividade Variação 2 M. Saf. M. Saf. M. Saf. M. Saf. Média Média cv. Forte cv. Tork cv. Tork cv. Tork (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % 5 88,6 a 1 90,7 a 1 129,2 a 1 91,7 a 1 100,1 11,7 13,2 6 88,4 a 87,5 a 119,8 a 95,1 a 97,7 9,3 10,5 4 85,3 a 88,3 a 123,6 a 92,6 a 97,5 9,1 10,3 2 93,1 a 84,2 a 120,5 a 92,0 a 97,5 9,1 10,3 3 93,0 a 85,6 a 119,1 a 91,0 a 97,2 8,8 10,0 1 87,4 a 75,4 a 105,2 b 85,5 a 88, Média 89,3 85,3 119,6 91,3 96,4 C.V (%) 8,6 11,0 5,1 6,8 1 Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo teste de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. 2 Variação média na produtividade do milho safrinha, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha. 9

10 Tabela 10 Produtividade da soja (sc.ha -1 ) obtida em três safras consecutivas, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio utilizado na cultura do milho safrinha que antecede o plantio da soja. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat. 2001/ / /04 Produtividade Variação 2 Soja Soja Soja Média Média cv. CD 202 cv. M-Soy cv.cd 201 (sc.ha -1 ) sc.ha -1 % 4 69,4 a 1 62,9 a 1 49,9 a 1 60,7 6,2 11,4 2 68,1 a 59,7 a 48,2 a 58,7 4,2 7,7 6 66,2 a 59,7 a 47,5 ab 57,8 3,3 6,1 5 64,6 a 58,2 a 45,6 ab 56,1 1,6 2,9 3 65,1 a 58,5 a 42,7 b 55,4 0,9 1,7 1 63,6 a 57,1 a 42,8 b 54, Média 66,2 59,4 46,1 57,2 C.V (%) 8,5 9,1 10,3 1 Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo teste de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. 2 Variação média na produtividade da soja, em sc.ha -1 e em %, em relação ao tratamento testemunha. Tabela 11 Produtividade do milho safrinha e da soja (sc.ha -1 ) obtida em sete safras, em resposta a fontes e modo de aplicação do nitrogênio utilizado na cultura do milho safrinha que antecede o plantio da soja. Maracaju/MS. FUNDAÇÃO MS, Trat / / / Média 2 M. Saf. Soja M. Saf. Soja M. Saf. Soja M. Saf. cv. Forte cv. CD 202 cv. Tork cv. M-Soy cv. Tork cv.cd 201 cv. Tork (sc.ha -1 ) 4 85,3 a 1 69,4 a 1 88,3 a 1 62,9 a 1 123,6 a 1 49,9 a 1 92,6 a 1 81,7 5 88,6 a 64,6 a 90,7 a 58,2 a 129,2 a 45,6 ab 91,7 a 81,2 2 93,1 a 68,1 a 84,2 a 59,7 a 120,5 a 48,2 a 92,0 a 80,8 6 88,4 a 66,2 a 87,5 a 59,7 a 119,8 a 47,5 ab 95,1 a 80,6 3 93,0 a 65,1 a 85,6 a 58,5 a 119,1 a 42,7 b 91,0 a 79,3 1 87,4 a 63,6 a 75,4 a 57,1 a 105,2 b 42,8 b 85,5 a 73,9 Média 89,3 66,2 85,3 59,3 119,6 46,1 91,3 79,6 C.V (%) 8,6 8,5 11,0 9,1 5,1 10,3 6,8 1 Médias seguidas da mesma letra não diferem entre si pelo teste de Duncan ao nível de 5% de probabilidade. 2 Média de produtividade obtida em sete safras; 10

11 ANEXO A ELABORAÇÃO DAS FÓRMULAS DE PLANTIO Elaboração da Fórmula 1 ( S:7,7%; Zn:0,8% e B:0,23%) Insumo kg/ha N P 2 O 5 K 2 O S Zn B MAP KCl S.Amônio Zincodur 10, ,5 --- Produbor 7, ,7 Total ,5 0,7 Elaboração da Fórmula 2 ( S:0,0%; Zn:0,98% e B:0,27%) Insumo kg/ha N P 2 O 5 K 2 O S Zn B MAP KCl Uréia Zincodur 10, ,5 --- Produbor 7, ,7 Total ,5 0,7 Elaboração da Fórmula 3 ( S:0,0%; Zn:1,0% e B:0,29%) Insumo kg/ha N P 2 O 5 K 2 O S Zn B SPT KCl Zincodur 10, ,5 --- Produbor 7, ,7 Total ,5 0,7 11

12 RESULTADO DA ANÁLISE DO SOLO NA INSTALAÇÃO DO EXPERIMENTO Prof PH MO P P K Ca Mg Al H+Al SB T V (cm) CaCl 2 H 2O g.dm -3 Mehlich Resina cmolc.dm (%) ,9 6,6 3,4 19,0 37,0 0,45 7,3 2,0 0,0 2,4 9,75 12,15 80, ,0 6,7 2,6 3,0 6,0 0,10 5,8 1,5 0,0 2,2 7,40 9,60 77,08 Prof S Zn B Cu Mn Fe Na Relação K Ca Mg H Al Argila (cm) mg.dm Ca/Mg % da CTC (%) ,7 3,8 0,2 3,0 83,0 24,5 3,8 3,7 3,7 60,1 16,5 19,8 0,0 55, , ,9 1,0 60,4 15,6 22,9 0,0 --- Unithal: Metodologia: P à Mehlich e Resina; K, Na, Fe, Mn, Cu e Zn à Mehlich 1:10; Ca, Mg e Al à KCl 1:10; B à Água quente S à Fosfato Monocálcico; RESULTADO DE ANÁLISE DE SOLO Outubro de Laborat. Unithal Amostra Gleba Prof. cm ph CaCl 2 5,6 5,7 5,6 5,6 5,7 5,7 5,8 5,8 5,6 5,7 5,4 5,6 ph H 2 O 6,3 6,4 6,2 6,3 6,4 6,4 6,5 6,5 6,3 6,4 6,1 6,3 ph SMP 6,40 6,45 6,30 6,40 6,35 6,45 6,45 6,50 6,35 6,45 6,20 6,35 M.O % 3,8 3,1 4,1 3,1 4,0 2,9 4,3 3,1 4,0 3,3 4,3 3,3 P Mehlich 11,0 3,0 10,0 2,0 9,0 2,0 4,0 2,0 6,0 3,0 26,0 4,0 P Resina 22,0 7,0 21,0 5,0 20,0 4,0 9,0 4,0 13,0 6,0 55,0 9,0 K cmol 0,36 0,20 0,37 0,18 0,30 0,18 0,26 0,21 0,31 0,20 0,38 0,25 Ca cmol 6,7 5,7 6,5 5,8 7,5 6,7 8,0 6,4 7,8 6,2 8,2 6,5 Mg cmol 2,0 1,7 2,0 1,7 2,0 1,7 2,1 1,7 2,1 1,8 2,0 1,5 Al cmol 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 H+Al cmol 2,8 2,6 3,1 2,8 2,9 2,6 2,6 2,5 2,9 2,6 3,4 2,9 SB cmol 9,06 7,60 8,87 7,68 9,80 8,58 10,36 8,31 10,21 8,20 10,58 8,25 CTC cmol 11,86 10,20 11,97 10,48 12,70 11,18 12,96 10,81 13,11 10,80 13,98 11,15 V (%) 76,39 74,51 74,10 73,28 77,17 76,74 79,94 76,87 77,88 75,93 75,68 73,99 Ca/Mg 3,4 3,4 3,3 3,4 3,8 3,9 3,8 3,8 3,7 3,4 4,1 4,3 K (%) 3,0 2,0 3,1 1,7 2,4 1,6 2,0 1,9 2,4 1,9 2,7 2,2 Ca (%) 56,5 55,9 54,3 55,3 59,1 59,9 61,7 59,2 59,5 57,4 58,7 58,3 Mg (%) 16,9 16,7 16,7 16,2 15,7 15,2 16,2 15,7 16,0 16,7 14,3 13,5 H (%) 23,6 25,5 25,9 26,7 22,8 23,3 20,1 23,1 22,1 24,1 24,3 26,0 Al (%) 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 S mg/dm 3 3,2 2,7 3,6 4,3 2,8 2,5 7,4 4,0 3,8 4,8 5,7 8,6 Na mg/dm 3 2, , , , , ,4 --- Fe mg/dm 3 34, , , , , ,5 --- Mn mg/dm 3 46, , , , , ,5 --- Cu mg/dm 3 6, , , , , ,5 --- Zn mg/dm 3 2, , , , , ,0 --- B mg/dm 3 0, , , , , ,1 --- Unithal : Metodologia: P à Mehlich e Resina; K, Na, Fe, Mn, Cu e Zn à Mehlich 1:10; B à Água quente; Ca, Mg e Al à KCl 1N 1:10, S à Fosfato Monocálcico 12

13 RESULTADOS DE ANÁLISES DE FOLHA - Ano Cultura Milho Trabalho SN Centro 03 M Safrinha N Amostra N Tratam. S.NT-1 S.NT-2 S.NT-3 S.NT-4 S.NT-5 S.NT-6 Média N % 2,03 1,86 2,59 1,43 1,86 1,40 1,86 P % 0,22 0,26 0,25 0,26 0,26 0,23 0,25 K % 1,74 2,00 2,21 1,96 1,82 1,68 1,90 Ca % 0,32 0,35 0,46 0,31 0,26 0,27 0,33 Mg % 0,17 0,21 0,23 0,20 0,21 0,19 0,20 S % 0,10 0,12 0,12 0,12 0,13 0,11 0,12 Fe mg/dm 3 100,0 115,0 110,0 112,0 108,0 93,0 106,3 Mn mg/dm 3 39,0 48,0 48,0 47,0 50,0 45,0 46,2 Cu mg/dm 3 7,0 8,0 9,0 8,0 7,0 7,0 7,7 Zn mg/dm 3 19,0 19,0 20,0 20,0 19,0 15,0 18,7 Na mg/dm 3 52,3 63,7 58,9 54,2 66,5 49,4 57,5 B mg/dm 3 15,8 12,9 12,9 13,3 10,0 9,6 12,4 Prod. (sc/ha) 105,2 120,5 119,1 123,6 129,2 119,9 119,6 Laboratório Unithal RESULTADOS DE ANÁLISES DE FOLHA - Ano Cultura Milho Trabalho SN Centro 04 M Safrinha N Amostra N Tratam Média N % 3,32 2,75 2,49 3,01 3,12 3,47 3,03 P % 0,27 0,28 0,29 0,29 0,29 0,29 0,29 K % 2,06 2,23 2,30 1,53 2,32 2,19 2,11 Ca % 0,60 0,55 0,53 0,35 0,53 0,52 0,51 Mg % 0,20 0,18 0,21 0,13 0,18 0,18 0,18 S % 0,21 0,21 0,20 0,23 0,20 0,21 0,21 Fe mg/dm 3 110,0 150,0 130,0 125,0 160,0 130,0 134,2 Mn mg/dm 3 60,0 56,0 60,0 62,0 60,0 65,0 60,5 Cu mg/dm 3 20,0 19,0 14,0 13,0 14,0 13,0 15,5 Zn mg/dm 3 32,0 29,0 29,0 30,0 32,0 29,0 30,2 Na mg/dm 3 40,0 42,0 45,0 39,6 38,4 42,0 41,2 B mg/dm 3 10,4 16,0 15,2 11,5 10,0 11,2 12,4 Prod. (sc/ha) 85,5 92,0 91,0 92,6 91,7 95,1 91,3 Laboratório Unithal 13

14 RESULTADOS DE ANÁLISES DE FOLHA - Ano Agrícola 2.002/03 Data coleta: 02/01/03 Cultura Soja Trabalho SN Centro N Amostra N Tratam Média N % 5,21 5,26 5,46 4,44 6,13 5,00 5,25 P % 0,28 0,29 0,30 0,30 0,29 0,30 0,29 K % 1,65 1,89 1,65 1,75 1,76 1,63 1,72 Ca % 0,95 1,17 0,97 0,99 0,89 1,03 1,00 Mg % 0,26 0,32 0,35 0,32 0,33 0,35 0,32 S % 0,26 0,26 0,26 0,26 0,24 0,26 0,26 Fe mg/dm 3 120,0 132,1 152,0 123,5 145,0 165,0 139,60 Mn mg/dm 3 70,0 80,0 87,0 70,0 84,0 96,0 81,17 Cu mg/dm 3 8,0 8,0 9,0 8,0 8,0 8,0 8,17 Zn mg/dm 3 40,0 45,0 43,0 40,0 43,0 38,0 41,50 Na mg/dm 3 42,0 57,0 43,2 40,0 50,0 58,2 48,40 B mg/dm 3 41,0 43,5 44,8 45,1 43,8 42,9 43,52 Prod. (sc/ha) 57,08 58,48 59,74 62,86 58,21 59,68 59,34 Laboratório: Unithal RESULTADOS DE ANÁLISES DE FOLHA - Ano Agrícola 2.003/04 Data coleta: 05/01/2004 Cultura Soja Trabalho SN Centro N Amostra N Tratam Média N % 3,62 2,90 3,85 3,54 4,89 4,20 3,83 P % 0,32 0,28 0,25 0,27 0,26 0,30 0,28 K % 1,43 1,40 1,35 1,38 1,31 1,40 1,38 Ca % 1,32 1,24 1,35 1,38 1,40 1,57 1,38 Mg % 0,44 0,43 0,43 0,44 0,44 0,47 0,44 S % 0,34 0,25 0,30 0,32 0,31 0,35 0,31 Fe mg/dm 3 175,7 230,0 200,0 215,0 194,9 195,0 201,8 Mn mg/dm 3 94,0 90,0 100,0 93,0 100,0 105,0 97,0 Cu mg/dm 3 11,0 10,0 10,0 9,0 10,0 10,0 10,0 Zn mg/dm 3 30,0 31,0 30,0 30,0 31,0 34,0 31,0 Na mg/dm 3 27,0 29,7 30,0 27,0 30,0 32,0 29,3 B mg/dm 3 57,1 50,0 48,0 52,7 51,4 51,0 51,7 Prod. (sc/ha) 42,8 48,2 42,7 49,9 42,8 47,5 46,1 Laboratório: Unithal 14

Resultados da Rede de Validação de Híbridos de Milho Safrinha 2016

Resultados da Rede de Validação de Híbridos de Milho Safrinha 2016 Análise de Solo Resultados da Rede de Validação de Híbridos de Milho Safrinha 2016 Município Dourados / MS Responsável: Dr. André Luis F. Lourenção Pesquisador da Fundação MS Metodologia Local: Unidade

Leia mais

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO

431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO Manejo de Agroecosistemas Sustentaveis Monferrer 431 - AVALIAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO EM DIFERENTES DENSIDADES DE PLANTIO EM SISTEMA ORGÂNICO DE PRODUÇÃO José C. Cruz 1 ; Israel A. Pereira Filho 1 ;

Leia mais

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn

PP = 788,5 mm. Aplicação em R3 Aplicação em R5.1. Aplicação em Vn Fabiano Andrei Bender da Cruz. Pesquisador/Consultor Fundação Bahia, Eng o. Agr o. Dr. CREA 40620232/MG. Aline Fabris. Estagiária, Acadêmica do Curso de Agronomia, convênio FAAHF/Fundação Bahia. Edimilson

Leia mais

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA

17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA 17 EFEITO DA APLICAÇÃO DE MICRONUTRIENTES NA PRODUTIVIDADE DA SOJA O objetivo deste experimento foi avaliar a resposta do programa nutricional via foliar recomendado pela microquímica na cultura da soja

Leia mais

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA

13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA 13 AVALIAÇÃO DE PROGRAMAS DE NUTRIÇÃO VIA FOLIAR APLICADOS NA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi testar e avaliar o programa de nutrição foliar recomendado pela empresa Helena

Leia mais

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA

18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA 18 PRODUTIVIDADE DA SOJA EM FUNÇÃO DA APLICAÇÃO DE MACRONUTRIENTES EM PÓS- EMERGÊNCIA DA CULTURA O objetivo neste trabalho foi avaliar a aplicação de macronutrientes de diversas fontes e épocas de aplicação

Leia mais

Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo

Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja. Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Nutrição de Plantas: Técnicas para aumento da produtividade da Soja Eng. Agr. Dr. Douglas Gitti Pesquisador de Manejo e Fertilidade do Solo Roteiro 1- Ativos Biológicos na Soja: Azospirillum 2- Sais e

Leia mais

OBJETIVO SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA ADUBAÇÃO NPKS MINERAL (QUÍMICA) POR ORGÂNICA COM E. GALINHA MAIS PALHA DE CAFÉ

OBJETIVO SUBSTITUIÇÃO PARCIAL DA ADUBAÇÃO NPKS MINERAL (QUÍMICA) POR ORGÂNICA COM E. GALINHA MAIS PALHA DE CAFÉ ADUBAÇÃO ORGÂNICA NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO EM SOLO CERRADO LATOSSOLO VERMELHO DISTROFERICO COM DOSES CRESCENTES DE ESTERCO DE GALINHA POEDEIRA MAIS PALHA DE CAFÉ ASSOCIADAS Á ADUBAÇÃO MINERAL

Leia mais

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo.

Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Adubação do milho safrinha: Nitrogênio e Fósforo. Eng. Agr. Dr. Douglas de Castilho Gitti Pesquisador Manejo e Fertilidade do Solo (67) 9681-7293 douglas@fundacaoms.org.br Roteiro da Palestra 1. Ambientes

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo 0 Carlos itol Dirceu Luiz Broch Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo Carlos itol Elton José Erbes Thiago da Silva Romeiro 0.. Introdução A falta de uma política de incentivo à

Leia mais

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M.

Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1. Antônio M. Eficiência Agronômica de Compostos de Aminoácidos Aplicados nas Sementes e em Pulverização Foliar na Cultura do Milho 1 Antônio M. Coelho 2 1 Parcialmente financiado pela Sul Óxidos Industria e Comércio

Leia mais

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS

EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS EFEITO DE ADUBAÇÃO NITROGENADA EM MILHO SAFRINHA CULTIVADO EM ESPAÇAMENTO REDUZIDO, EM DOURADOS, MS Carlos Hissao Kurihara (1), Bruno Patrício Tsujigushi (2) Introdução A adubação da cultura do milho safrinha

Leia mais

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO

11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO 11 EFEITO DA APLICAÇÃO DE FONTES DE POTÁSSIO NO ESTÁDIO R3 DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar o efeito da aplicação de diferentes fontes de potássio aplicados no estádio

Leia mais

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE

16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE 16 EFEITO DA APLICAÇÃO DO FERTILIZANTE FARTURE EM RELAÇÃO AO FORMULADO PADRÃO O objetivo deste trabalho foi avaliar o desempenho do fertilizante Farture (00-12-12) em diferentes dosagens em relação ao

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo 2012

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo 2012 09 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Trigo 01 Introdução A falta de uma política de incentivo à triticultura nacional, a altura da importância que o produto tem para o Brasil e que

Leia mais

Fundação de Apoio e Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde

Fundação de Apoio e Pesquisa e Desenvolvimento Integrado Rio Verde PARCERIIA FUNDAÇÃO RIIO VERDE - SN CENTRO Lucas do Rio, Outubro de 2007 PLANO DE PARCERIA FUNDAÇÃO RIIO VERDE - SN CENTRO TECNOLOGIAS DE NUTRIÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS LINHA DE PESQUISA: Avaliação de

Leia mais

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA

EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA EFICIÊNCIA AGRONÔMICA E VIABILIDADE TÉCNICA DO PROGRAMA FOLIAR KIMBERLIT EM SOJA BONFADA, Élcio B. 1 ; FIORIN, Jackson E. 2 ; SILVA, Alieze N. da 3 ; WYZYKOWSKI, Tiago 4 Palavras-chave: Nutrição de Plantas.

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 10 EFEITO DE DOSES E FONTES DE ENXOFRE NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o efeito de diferentes doses e fontes de enxofre na cultura da soja em Lucas do Rio Verde-MT na Safra 2014/15. BOLETIM TÉCNICO

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15

BOLETIM TÉCNICO SAFRA 2014/15 1 15 EFEITO DA APLICAÇÃO FOSFATADA VIA FOLIAR NA CULTURA DA SOJA Objetivo Avaliar o comportamento da cultura da soja mediante adubação complementar de fósforo via aplicação foliar através do produto Free

Leia mais

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA

COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA COMPARAÇÃO DE DIFERENTES FONTES DE CÁLCIO EM SOJA 1 INSTITUIÇÃO REALIZADORA SEEDS Serviço Especial em Diagnose de Sementes Ltda CNPJ 91.356.055/0001-94 Endereço: Rua João de Césaro, 255 - Sala 06 - Bairro

Leia mais

OBJETIVOS. Substituição parcial adubação mineral NPKS por orgânica com esterco de curral (Bacia leiteira confinamentos = Disponibiliade)

OBJETIVOS. Substituição parcial adubação mineral NPKS por orgânica com esterco de curral (Bacia leiteira confinamentos = Disponibiliade) ADUBAÇÃO ORGÂNICA NA FORMAÇÃO E PRODUÇÃO DO CAFEEIRO EM SOLO DE CERRADO- LATOSSOLO VERMELHO DISTROFEERICO COM DOSES CRESCENTES DE ESTERCO DE CURRAL CURTIDO, ASSOCIADAS Á ADUBAÇÃO MINERAL REDUZIDA PROPORCIONALMENTE

Leia mais

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011

Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 2010/2011 3 Resultados de Experimentação e Campos Demonstrativos de Milho Safra 200/20 André Luis F. Lourenção 3.. Introdução Analisando o oitavo levantamento da Conab (20), observase que a área semeada com milho

Leia mais

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão

Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto Stella Ac. João Vicente Bragança Boschiglia Ac. Luana Machado Simão UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO526 Adubos e Adubações Recomendação de Correção de Solo e Adubação de Feijão Ac. Felipe Augusto

Leia mais

Doses e épocas de aplicação do nitrogênio no milho safrinha.

Doses e épocas de aplicação do nitrogênio no milho safrinha. Doses e épocas de aplicação do nitrogênio no milho safrinha. Douglas de Castilho Gitti (1) ; Andre Faleiros Lourenção (2) ; José Fernando Jurca Grigolli (3) ; Alex Marcel Melotto (4) ; Renato Roscoe (5).

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Características edafoclimáticas e a correção de solo O Estado do Mato Grosso do Sul (MS) apresenta

Leia mais

Tecnologias para a Cultura do Sorgo (Sorghum bicolor L. Moench)

Tecnologias para a Cultura do Sorgo (Sorghum bicolor L. Moench) Tecnologias para a Cultura do Sorgo (Sorghum bicolor L. Moench) Carlos Pitol Dirceu Luiz Broch André Luis F. Lourenção Daniel Bagega.. Introdução O plantio da cultura do sorgo é realizado nos estados de

Leia mais

Produtor: Rui Gaio Consultor: Eng. Agr. Ivair Gomes Relator: Biólogo Sergio Abud. Revisores Eng. Agr. Henry Sako Prof. Dr. Antonio Luiz Fancelli

Produtor: Rui Gaio Consultor: Eng. Agr. Ivair Gomes Relator: Biólogo Sergio Abud. Revisores Eng. Agr. Henry Sako Prof. Dr. Antonio Luiz Fancelli Produtor: Rui Gaio Consultor: Eng. Agr. Ivair Gomes Relator: Biólogo Sergio Abud Revisores Eng. Agr. Henry Sako Prof. Dr. Antonio Luiz Fancelli Produtividade (sc/ha) 83,42 43 100,63 108,71 102,78 51 56

Leia mais

3 Adubação Química Parcial + Adubação Orgânica / Esterco de Curral 5 ton/ha ( AQ1+EC5)

3 Adubação Química Parcial + Adubação Orgânica / Esterco de Curral 5 ton/ha ( AQ1+EC5) ADUBAÇÃO ORGÂNICA COM ESTERCO DE CURRAL CURTIDO ASSOCIADA COM A ADUBAÇÃO QUÍMICA N P K S NA FORMA COMPENSADA DURANTE A FORMAÇÃO DA LAVOURA DE CAFÉ EM SOLO CERRADO LVE R. Santinato Engº Agrº MAPA-Procafé;

Leia mais

Feksa, H. 1, Antoniazzi, N. 1, Domit, R. P. 2, Duhatschek, B. 3. Guarapuava PR. Palavras-chave: aviação agrícola, fungicida, rendimento, FAPA OBJETIVO

Feksa, H. 1, Antoniazzi, N. 1, Domit, R. P. 2, Duhatschek, B. 3. Guarapuava PR. Palavras-chave: aviação agrícola, fungicida, rendimento, FAPA OBJETIVO Aviação Agrícola com Tecnologia BVO versus Fungicida visando o Controle de Diplodia macrospora e Cercospora zeae-maydis, nos Híbridos DKB 214/DKB 215 na Região de Guarapuava/PR. FAPA - Cooperativa Agrária

Leia mais

Desafio Nacional de Máxima Produtividade 2016/2017. Campeão SUDESTE. Produtor: José Renato Nunes Consultor: Samir Rafael Fogaça Gonçalves

Desafio Nacional de Máxima Produtividade 2016/2017. Campeão SUDESTE. Produtor: José Renato Nunes Consultor: Samir Rafael Fogaça Gonçalves Desafio Nacional de Máxima Produtividade 2016/2017 Campeão SUDESTE Produtor: José Renato Nunes Consultor: Samir Rafael Fogaça Gonçalves Fazenda Marcolino 108,25 sc/ha Fazenda Marcolino (Capão Bonito SP)

Leia mais

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO

APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO APRESENTAÇÃO DO CASE DA REGIÃO SUL Leandro Sartoreli Ricci Mamborê - PR 2010/2011 Produtividade: 6.027 kg/ha (100,5 sc/ha) - Variedade SYN 3358 (Variedade com folhas lanceoladas e alta resistência ao acamamento)

Leia mais

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010)

Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) Anais do Congresso de Pesquisa, Ensino e Extensão- CONPEEX (2010) 5771-5775 AVALIAÇÃO DE GENÓTIPOS DE ARROZ IRRIGADO NO USO DE NITROGÊNIO CARVALHO, Glaucilene Duarte 1 ; DE CAMPOS, Alfredo Borges 2 & FAGERIA,

Leia mais

A CULTURA DO MILHO: CORREÇÃO, ADUBAÇÃO E ESTUDO DE CASO

A CULTURA DO MILHO: CORREÇÃO, ADUBAÇÃO E ESTUDO DE CASO Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciência do Solo A CULTURA DO MILHO: CORREÇÃO, ADUBAÇÃO E ESTUDO DE CASO Angelo Spatti Canassa Felippe Hoffmann Silva

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO

AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO AVALIAÇÃO DA FERTILIDADE DO SOLO 1. INTRODUÇÃO M = nutriente transportado NUTRIENTE FORMAS NUTRIENTE FORMAS Nitrogênio NO - + 3 e NH 4 Boro H 3 BO 3 Fósforo - H 2 PO 4 Cloro Cl - Potássio K + Cobre Cu

Leia mais

Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade. Dr. Eros Francisco IPNI Brasil

Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade. Dr. Eros Francisco IPNI Brasil Manejo de Nutrientes para Sistemas de Produção de Alta Produtividade Dr. Eros Francisco IPNI Brasil IPNI missão O International Plant Nutrition Institute (IPNI) é uma organização nova, sem fins lucrativos,

Leia mais

Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura

Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura Fatores Importantes para o 05 Sucesso de uma Lavoura Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno Carlos Pitol Ricardo Barros Antônio Reinaldo Schneid 1 2 3 4 5 5.1. Introdução À medida que aumenta o nível tecnológico

Leia mais

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO

CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 Adubos e Adubação CÁLCULOS DE FECHAMENTO DE FORMULAÇÕES E RECOMENDAÇÃO DE ADUBAÇÃO Prof.

Leia mais

Adubação Foliar da Cultura do Milho Utilizando Produtos Multinutrientes. Antônio M. Coelho 1/ e Amélio C. Filho 2/

Adubação Foliar da Cultura do Milho Utilizando Produtos Multinutrientes. Antônio M. Coelho 1/ e Amélio C. Filho 2/ Adubação Foliar da Cultura do Milho Utilizando Produtos Multinutrientes Antônio M. Coelho 1/ e Amélio C. Filho 2/ 1/ Pesquisador da Embrapa Milho e Sorgo, Sete Lagoas, MG; CP 151, Email: amcoelho@cnpms.embrapa.br

Leia mais

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.3.1 - CALAGEM Estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina A quantidade de corretivo de acidez a ser usada varia conforme o Índice SMP determinado na análise do solo e a dose

Leia mais

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja

Continente asiático maior produtor (80%) Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja Alimento de importância mundial Continente asiático maior produtor (80%) Brasil 9º país produtor RS - 70% da produção nacional Arroz sequeiro perdendo área para milho e soja CONAB Nitrogênio é bastante

Leia mais

Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998

Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998 Tratamento de Sementes de Cevada, Cultivar BR 2, com Fungicidas, no Ano de 1998 Picinini, E.C. 1 ; Fernandes, J.M.C. 1 Introdução A cevada cervejeira constitui importante alternativa de inverno na região

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 5 SAFRAS

ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 5 SAFRAS ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 5 SAFRAS ANDRÉ L.T. FERNANDES DR. ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO, PRÓ REITOR DE PESQUISA, PÓS

Leia mais

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA

08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA 08 POTENCIAL PRODUTIVO DE CULTIVARES DE SOJA COM TECNOLOGIA INTACTA RR2 PRO EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA O objetivo deste trabalho foi avaliar o potencial produtivo de cultivares de soja disponíveis comercialmente

Leia mais

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente

Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2, Belo Horizonte 1 Adubação orgânica do pepineiro e produção de feijão-vagem em resposta ao efeito residual em cultivo subsequente Carlos Henrique

Leia mais

EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE. Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater

EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE. Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater EQUILÍBRIO QUÍMICO DO SOLO EM PROFUNDIDADE Eng. Agr. Dr. Nelson Harger Coordenador Estadual/Emater Abordagem Aspectos qualitativos no SPDP; Perdas no sistema (nutrientes); Variabilidade horizontal e vertical;

Leia mais

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS

CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS 74 CONTEÚDO DO MICRONUTRIENTE MOLIBDÊNIO NA SEMENTE DE FEIJÃO E PRODUTIVIDADE DAS PLANTAS-FILHAS Gilmar Silvério da Rocha (1), Rogério Faria Vieira (2), Luiz Tarcísio Salgado (2), Alexandre Cunha de Barcellos

Leia mais

Adubação de Sistema Integrado

Adubação de Sistema Integrado Adubação de Sistema Integrado Tangará, 22 de novembro de 216 Equipe PMA Leandro Zancanaro Adubação de Sistema e Implicações Práticas dos Sistemas de Produção de Grãos no MT Tangará, 22 de novembro de 216

Leia mais

BPUFs NA CULTURA DO MILHO NO PÓLO DE PARAGOMINAS PARÁ. BAZÍLIO WESZ CARLOTO ENG. AGRONÔMO DIRETOR - PRESIDENTE COOPERNORTE

BPUFs NA CULTURA DO MILHO NO PÓLO DE PARAGOMINAS PARÁ. BAZÍLIO WESZ CARLOTO ENG. AGRONÔMO DIRETOR - PRESIDENTE COOPERNORTE BPUFs NA CULTURA DO MILHO NO PÓLO DE PARAGOMINAS PARÁ. BAZÍLIO WESZ CARLOTO ENG. AGRONÔMO DIRETOR - PRESIDENTE COOPERNORTE CALENDÁRIO AGRÍCOLA DE MILHO MICROREGIÃO DE PARAGOMINAS PA EMBRAPA FORMULÁRIO

Leia mais

JAN/2017. Haroldo Rix Engenheiro Agrônomo Gerente Nacional. Juliana Baldin Engenheira Agrônoma Sinop MT (65)

JAN/2017. Haroldo Rix Engenheiro Agrônomo Gerente Nacional. Juliana Baldin Engenheira Agrônoma Sinop MT (65) JAN/2017 Haroldo Rix Engenheiro Agrônomo Gerente Nacional Juliana Baldin Engenheira Agrônoma Sinop MT (65) 9 9697-5040 NUTRIÇÃO FOLIAR - aspectos 1. NUTRICIONAL: aplicação do nutriente aplicado para atender

Leia mais

Dow Sementes POWERCORE. UMA NOVA ERA NAS LAVOURAS DE MILHO Soluções para um Mundo em Crescimento

Dow Sementes POWERCORE. UMA NOVA ERA NAS LAVOURAS DE MILHO Soluções para um Mundo em Crescimento Dow Sementes POWERCORE. UMA NOVA ERA NAS LAVOURAS DE MILHO E LH R O OLA TR M CON 0800 940 1100 www.dowagro.com.br O melhor banco de germoplasma com a melhor tecnologia de genes combinados Dow AgroSciences.

Leia mais

Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho

Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO ESCOLA SUPERIOR DE AGRICULTURA LUIZ DE QUEIROZ DEPARTAMENTO DE CIÊNCIA DO SOLO LSO 526 ADUBOS E ADUBAÇÃO Recomendação de correção e adubação para a cultura do milho Ac. Francisco

Leia mais

6 CALAGEM E ADUBAÇÃO

6 CALAGEM E ADUBAÇÃO CULTURA DO MILHO 6 CALAGEM E ADUBAÇÃO 6.1 - CALAGEM -Neutralização do Al; -Buscando atingir 70% da saturação de bases corrige a camada de incorporação; -Correção mais profunda incorporação mais profunda

Leia mais

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR

PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA A FERTILIZAÇÃO FOLIAR 28 Resumos da XXXIII Reunião de Pesquisa de Soja da Região Central do Brasil - Londrina, PR, agosto de 203 5 PRODUTIVIDADE DE SOJA EM RESPOSTA AO ARRANJO ESPACIAL DE PLANTAS E À ADUBAÇÃO NITROGENADA ASSOCIADA

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 10 AVALIAÇÃO DE DOSES D CULTURA DO MILHO SE LUCAS DO RIO VERDE M Objetivo Avaliar o efeito do emprego diferentes doses de nitrogênio aplicado via cobertura nos caracteres agronômicos e na produtividade

Leia mais

CRESCIMENTO DE CLONES DE

CRESCIMENTO DE CLONES DE CRESCIMENTO DE CLONES DE Eucalyptus EM FUNÇÃO DA DOSE E FONTE DE BORO UTILIZADA Parceria RR Agroflorestal e VM Claudemir Buona 1 ; Ronaldo Luiz Vaz de A. Silveira 1 ; Hélder Bolognani 2 e Maurício Manoel

Leia mais

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS

05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS 05 AVALIAÇÃO DA EFICIÊNCIA DOS PRINCIPAIS FUNGICIDAS PARA O CONTROLE DE DOENÇAS NA CULTURA DA SOJA EM DUAS EPOCAS DE SEMEADURA OBJETIVO Este trabalho tem como objetivo avaliar a eficiência dos principais

Leia mais

Interpretação da análise de solo

Interpretação da análise de solo Interpretação da análise de solo Tabela de interpretação A orientação para interpretação da análise de solo são organizadas em manuais estaduais e regionais. Manual Tabelas de interpretação Recomendações

Leia mais

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Pastagens Correção do Perfil do Solo na Reforma de Pastagens

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Pastagens Correção do Perfil do Solo na Reforma de Pastagens Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes em Pastagens Correção do Perfil do Solo na Reforma de Pastagens Dirceu Luiz Broch MS Integração Assuntos a Serem Abordados 1) Definição de Obetivos; 2)

Leia mais

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS

5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS 5. INTERPRETAÇÃO DOS RESULTADOS DAS ANÁLISES DE SOLOS Victor Hugo Alvarez V. 1 Roberto Ferreira de Novais 2 Nairam Félix de Barros 3 Reinaldo Bertola Cantarutti 4 Alfredo Scheid Lopes 5 Os critérios a

Leia mais

Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar

Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar Universidade de São Paulo Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Departamento de Ciências do Solo LSO 526 Adubos e Adubação Recomendação de adubação e correção de solo para cultura da Cana-de-açúcar

Leia mais

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde.

Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. Avaliação Preliminar de Híbridos Triplos de Milho Visando Consumo Verde. XXIV Congresso Nacional de Milho e Sorgo - 01 a 05 de setembro de 2002 - Florianópolis - SC Monteiro, M. A. R1., Pereira Filho,

Leia mais

DOSES E ÉPOCAS DA APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA EM JATAÍ - GO

DOSES E ÉPOCAS DA APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA EM JATAÍ - GO DOSES E ÉPOCAS DA APLICAÇÃO DE NITROGÊNIO NA CULTURA DO MILHO SAFRINHA EM JATAÍ - GO Vilmar Antonio Ragagnin 1, Darly Geraldo de Sena Júnior 1, Vania Klein 2, Ricardo Souza Lima 3, Marcelo Marques Costa

Leia mais

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol

Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Seminário de Iniciação Científica e Tecnológica, 9., 2012, Belo Horizonte Espaçamento alternado e controle de crescimento do feijoeiro com aplicação do fungicida propiconazol Júnio Oliveira Ferreira (1),

Leia mais

Adubação do Milho Safrinha. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas

Adubação do Milho Safrinha. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas Adubação do Milho Safrinha Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico (IAC), Campinas Produtividade, kg/ha Área (milhões ha) AUMENTO DA ÁREA E PRODUTIVIDADE 8000,0 7000,0 6000,0 Total MT 7.012 5000,0

Leia mais

o custo elevado dos fertilizantes fosfatados solúveis em água

o custo elevado dos fertilizantes fosfatados solúveis em água Avaliação da Eficiência Agronômica de Fosfatos Naturais, em Relação ao Superfosfato Triplo, na Cultivar de Cevada BR 2, em 1998 Peruzzo, G.' Introdução o custo elevado dos fertilizantes fosfatados solúveis

Leia mais

EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO

EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO 10611 CNPNS 2000 ex. 2 FL- 10611 a ISSN 0101-5605 r' Ministério da Agricultura eflaabastecimento Número 21, Dezembro12000 EFEITO DA DERIVA DE HERBICIDAS NO DESENVOLVIMENTO E NA PRODUÇÃO DE MILHO Paulo

Leia mais

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC)

Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho. Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Boas Práticas para Uso Eficiente de Fertilizantes na Cultura do Milho Aildson Pereira Duarte Instituto Agronômico, Campinas (IAC) Sucessão Soja e Milho Safrinha em Sistema Plantio Direto Antecipar a semeadura

Leia mais

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89)

Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) Av. Ademar Diógenes, BR 135 Centro Empresarial Arine 2ºAndar Bom Jesus PI Brasil (89) 3562-2274 Efeito do uso dos produtos da linha Celleron no tratamento de semente e na parte aérea, para o aumento do

Leia mais

ESPAÇAMENTO ENTRE LINHAS E DENSIDADES DE SEMEADURA DE MILHO EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA

ESPAÇAMENTO ENTRE LINHAS E DENSIDADES DE SEMEADURA DE MILHO EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA ESPAÇAMENTO ENTRE LINHAS E DENSIDADES DE SEMEADURA DE MILHO EM CONDIÇÕES DE SAFRINHA Miguel Marques Gontijo Neto¹, Álisson Vanin², Alexandre Ferreira da Silva¹, Eduardo de Paula Simão³ Emerson Borghi¹,

Leia mais

RESULTADOS NA PRODUTIVIDADE

RESULTADOS NA PRODUTIVIDADE RESULTADOS NA PRODUTIVIDADE R e s u l t a d o s d e c a m p o A Agroplanta Fertilizantes sempre acreditou que qualidade é um processo, que vai desde a escolha da matériaprima até equipamentos de alta tecnologia,

Leia mais

Avaliação de Cultivares de Milho na Região de Sete Lagoas, MG

Avaliação de Cultivares de Milho na Região de Sete Lagoas, MG ISSN 1679-1150 Avaliação de Cultivares de Milho na Região de Sete Lagoas, MG 65 Sete Lagoas, MG Dezembro, 2005 Autores José Carlos Cruz Eng. Agr., Ph. D. Embrapa Milho e Sorgo. Caixa Postal 151 CEP 35701-970

Leia mais

Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos. Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro

Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos. Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos Equipe Fundação MT / PMA Leandro Zancanaro Maringá - PR, 23 de maio de 2017 Manejo Químico e Atributos de Fertilidade de Solos Arenosos Manejo?

Leia mais

38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA E POTÁSSICA NA PRODUTIVIDADE DE CAFEEIROS NAS MATAS DE MINAS

38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA E POTÁSSICA NA PRODUTIVIDADE DE CAFEEIROS NAS MATAS DE MINAS 38º Congresso Brasileiro de Pesquisas Cafeeiras DOSES DE ADUBAÇÃO NITROGENADA E POTÁSSICA NA PRODUTIVIDADE DE CAFEEIROS NAS MATAS DE MINAS Gustavo N. G. P. Rosa, Eng. Agr. M. Sc. Fitotecnia Sup. Téc. CEPEC

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha

Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha ecnologia e Produção: Milho Safrinha e Culturas de Inverno 9 Fertilidade do Solo, Adubação e Nutrição da Cultura do Milho Safrinha Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno.. Características edafoclimáticas

Leia mais

USO DE FONTES MINERAIS NITROGENADAS PARA O CULTIVO DO MILHO

USO DE FONTES MINERAIS NITROGENADAS PARA O CULTIVO DO MILHO USO DE FONTES MINERAIS NITROGENADAS PARA O CULTIVO DO MILHO Ludymilla Mayelle Pereira Gomes 1, Samuel de Deus da Silva 2 1 Graduanda em Licenciatura em Ciências Biológicas IFTO e-mail: ludymilla.g@outlook.com

Leia mais

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E

CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E RESPOSTA DE MILHO SAFRINHA CONSORCIADO COM Brachiaria ruziziensis À CALAGEM, GESSAGEM E AO MANEJO DA ADUBAÇÃO (SAFRAS 2011 E 2012) Carlos Hissao Kurihara, Bruno Patrício Tsujigushi (2), João Vitor de Souza

Leia mais

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA

14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA 14 AVALIAÇÃO DE HERBICIDAS PRÉ-EMERGENTES NA CULTURA DA SOJA EM LUCAS DO RIO VERDE, MT O objetivo neste trabalho foi avaliar a eficácia dos herbicidas Boral, Classic, e Spider visando o manejo do complexo

Leia mais

Manejo da Adubação do Milho Safrinha

Manejo da Adubação do Milho Safrinha 01 Manejo da Adubação do Milho Safrinha Introdução Manejar adequadamente as adubações envolve um complexo processo de tomada de decisão, onde estão envolvidas as características do solo e da planta, o

Leia mais

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT

RELATÓRIO TÉCNICO. ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT RELATÓRIO TÉCNICO ENSAIO DE COMPETIÇÃO DE CULTIVARES DE SOJA (Glycine Max) NA REGIÃO DO VALE DO ARAGUAIA, SAFRA 2014/2015, EM QUERÊNCIA - MT Executora: RURAL TÉCNICA EXPERIMENTOS AGRONÔMICOS LTDA Av. Norte,

Leia mais

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade

SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA. Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade SISTEMA DE MANEJO DO SOLO COM PALHADA Sistema Plantio Direto (SPD) com qualidade Valmor dos Santos INOVAÇÃO AGRÍCOLA E INSTITUTO PAS 77-9971-2234 (Vivo / WhatsApp) TEMAS QUE SERÃO ABORDADOS - Objetivos;

Leia mais

Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar. Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016

Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar. Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016 Nutrição e Adubação Cana-de-açúcar Fabiana Fernandes Doutoranda UNESP Ilha Solteira 2016 Introdução PLANTA SOLO FERTILIZANTES ADUBAÇÃO (kg/ha) = (PLANTA - SOLO) x f Introdução O que aplicar? Fontes e Nutrientes

Leia mais

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho

Fertilidade do Solo, Adubação e 12 Nutrição da Cultura do Milho Fertilidade do Solo, Adubação e 1 Nutrição da Cultura do Milho Dirceu Luiz Broch Sidnei Kuster Ranno 1 1.1. Amostragem do solo A amostragem de solo com objetivo de orientar a utilização de corretivos e

Leia mais

Desafio Nacional de Máxima Produtividade 2016/2017. Campeão BRASIL (Sul) Produtor: Marcos Seitz Consultor: Alexandre Seitz

Desafio Nacional de Máxima Produtividade 2016/2017. Campeão BRASIL (Sul) Produtor: Marcos Seitz Consultor: Alexandre Seitz Desafio Nacional de Máxima Produtividade 2016/2017 Campeão BRASIL (Sul) Produtor: Marcos Seitz Consultor: Alexandre Seitz Agropecuária Seitz Agropecuária Seitz (Guarapuava PR) 1) Primeira e segunda geração

Leia mais

BPUFs na Cultura da Soja. Adilson de Oliveira Junior Embrapa Soja

BPUFs na Cultura da Soja. Adilson de Oliveira Junior Embrapa Soja BPUFs na Cultura da Soja Adilson de Oliveira Junior Embrapa Soja Soja / Fertilidade do Solo e NMP Correção da Acidez do Solo Adubação (N, P, K, Micro) Balanço da Adubação Considerações Finais Altas Produtividades

Leia mais

Adubação de plantio para Eucalyptus sp.

Adubação de plantio para Eucalyptus sp. LSO0526 - Adubos e Adubação Adubação de plantio para Eucalyptus sp. Manoel Augusto Luiz Almeida 16 de junho de 2016 Eucalyptus sp. Aproximadamente 600 espécies; Grande variação genótipica; 5,37 milhões

Leia mais

CARACTERÍSTICAS E CONDUÇÃO DE CAMPOS DE SEMENTES FORRAGEIRAS

CARACTERÍSTICAS E CONDUÇÃO DE CAMPOS DE SEMENTES FORRAGEIRAS CARACTERÍSTICAS E CONDUÇÃO DE CAMPOS DE SEMENTES FORRAGEIRAS Matheus Gonzaga de Lima Março /2017 CARACTERÍSTICAS DA ÁREA Jataí - GO 770 m 10% argila 1800 mm /ano Sistema de rotação 1/3 soja safrinha crotalaria

Leia mais

Inoculação e Coinoculação na Cultura da Soja

Inoculação e Coinoculação na Cultura da Soja 01 Inoculação e Coinoculação na Cultura da Soja 1 Douglas de Castilho Gitti A associação simbiótica entre as raízes da soja e as bactérias do gênero Bradyrhizobium contribui com todo o nitrogênio que a

Leia mais

Indutores de Resistência e Fungicidas na Cultura do Milho na Região dos Chapadões

Indutores de Resistência e Fungicidas na Cultura do Milho na Região dos Chapadões Indutores de Resistência e Fungicidas na Cultura do Milho na Região dos Chapadões Alfredo R. Dias (1), Edson P. Borges (1), Renato A. Guazina (1), Juliano A. R. Oliveira (1), Cleber B. Ferreira (1), Luciano

Leia mais

CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG

CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG EFEITO DE DIFERENTES FONTES DE FÓSFORO E DE ÉPOCAS DE APLICAÇÃO, NA COVA DE PLANTIO, SOBRE A PRODUTIVIDADE INICIAL DO CAFEEIRO CEPEC/Fertilizantes Heringer S/A - Martins Soares - MG Rosa, G. N. G. P.;

Leia mais

ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS

ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS ESTUDO DA VIABILIDADE DE DISPONIBILIZAÇÃO DE POTÁSSIO E FÓSFORO EM SOLOS DE CERRADO COM A UTILIZAÇÃO DO PENERGETIC 4 SAFRAS ANDRÉ L.T. FERNANDES DR. ENGENHARIA DE ÁGUA E SOLO, PROF. UNIUBE E FACULDADES

Leia mais

Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP

Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP Calagem e gessagem na cultura dos citros. Prof. Dr. José Eduardo Creste Presidente Prudente - SP Produtividade: Pomar A:70 ton/ha Pomar B:10 ton/ha 52 fatores influenciam a produção vegetal: 07 deles são

Leia mais

PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI

PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI PROTOCOLO EXPERIMENTO ASSOCIAÇÃO DOS CAFEICUTORES DE ARAGUARI Avaliação do STURDY no fornecimento de fósforo na Cultura do Cafeeiro Araguari / MG Junho 2012 DADOS GERAIS : Local : Fazenda Campo Experimental

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO 2015/16

BOLETIM TÉCNICO 2015/16 1 04 EFEITO DE DIFERENTES POPULAÇÕES DE PLANTA SOJA Objetivo Avaliar a produtividade e atributos agronômicos de três cultivares de soja com hábitos de crescimento distintos em dois espaçamentos entre linhas

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO

AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO AVALIAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO LONGITUDINAL DE PLANTAS DE MILHO EM DIFERENTES SISTEMAS DE CULTIVO Morais Carneiro dos Reis (1) ; Gustavo Ferreira de Sousa (1) ; Maila Adriely Silva (1) ; Júlia Camargos da Costa

Leia mais

Case do Campeão Nacional 14/ sc/ha, Alison Hildemberg. Relatores: Leandro Zancanaro / Heny Sako

Case do Campeão Nacional 14/ sc/ha, Alison Hildemberg. Relatores: Leandro Zancanaro / Heny Sako Case do Campeão Nacional 14/15 141 sc/ha, Alison Hildemberg Relatores: Leandro Zancanaro / Heny Sako Dados do Participante PRODUTOR: Alisson Alceu Hilgemberg CONSULTOR TÉCNICO: Alisson Alceu Hilgemberg

Leia mais

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112

Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste. ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Campeão de Produtividade de Soja Região Sudeste ANTONIO LUIZ FANCELLI Fundador do CESB e Docente da ESALQ/USP SAFRA 2011/2112 Dados do Participante (Campeão) PRODUTOR: FREDERIK JAKOBUS WOLTERS CONSULTOR

Leia mais

RENDIMENTO DA CULTURA DO MILHO COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS EM COBERTURA SOB PLANTIO DIRETO

RENDIMENTO DA CULTURA DO MILHO COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS EM COBERTURA SOB PLANTIO DIRETO RENDIMENTO DA CULTURA DO MILHO COM DIFERENTES FONTES NITROGENADAS EM COBERTURA SOB PLANTIO DIRETO 1 LINCK, Isaura L. D.; 2 FIORIN, Jackson E.; 3 LINCK, Júlio Palavras-chave: Volatilização. Perda. Nutrientes.

Leia mais

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman

Gessi Ceccon, Giovani Rossi, Marianne Sales Abrão, (3) (4) Rodrigo Neuhaus e Oscar Pereira Colman 9º Seminário Nacional de Milho Safrinha. Rumo à estabilidade: anais. 311 COMPORTAMENTO DE GENÓTIPOS DE MILHO SAFRINHA EM DUAS ÉPOCAS DE SEMEADURA, EM DOURADOS, MS (1) (2) (3) Gessi Ceccon, Giovani Rossi,

Leia mais

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto

Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Acidez do solo em plantios de Eucalyptus grandis sob efeito residual da adubação com diferentes lodos de esgoto Alexandre de Vicente Ferraz Fábio Poggiani Programa de Pós-Graduação em Recursos Florestais

Leia mais

TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO

TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO TEOR DE ÓLEO E RENDIMENTO DE MAMONA BRS NORDESTINA EM SISTEMA DE OTIMIZAÇÃO DA PRODUÇÃO Tarcísio Marcos de Souza Gondim 1, Rosa Maria Mendes Freire 1, Catarina Chagas de Andrade 2, Liv Soares Serveino

Leia mais